SlideShare uma empresa Scribd logo
Escola  Trabalho elaborado por: Beatriz Nº5  Cláudio Nº9 Daniel Nº 10 Inês Nº14 JéssicaNº15 1 A sociedade europeia nos séculos IX a XII 7º  Ano lectivo: 2008/09
Disciplina: HistóriaProfessor: Jorge GrandãoTema: A sociedade europeia nos séculos IX a XIIDia de entrega:15/06/09 2
Introdução 	Este trabalho foi-nos pedido pelo nosso professor de História.Achamos que deveríamos fazer sobre a Sociedade Europeia nos séculos IX a XII. No decurso deste trabalho vamos falar por exemplo como se dividia a sociedade na Idade Média, quais eram os deveres do Clero, da Nobreza e do Povo. Contudo achamos interessante falarmos um pouco sobre as relações feudo - vassálicas e os domínios senhoriais que vamos passar a apresentar. 3
A sociedade europeia nos séculos IX a XII 4
5 Rei Nobreza/ Clero Povo A sociedade senhorial As sucessivas invasões de Muçulmanos, Húngaros e Vikings provocaram um clima de medo e insegurança, tinha como consequência que o povo (artesãos e camponeses) fosse procurar protecção junto dos senhores , reduzindo o comércio predominando assim uma economia de subsistência . Os senhores davam protecção em troco de uma parte dos seus produtos ou das suas colheitas.
6 Uma sociedade ruralizada e tripartida A sociedade era basicamente constituída por três ordens (era uma sociedade tripartida). Eram elas: - O Clero (tinha como principal função rezar); - A Nobreza (tinha a função de lutar e proteger a população);
7 - O Povo (tinha a função de trabalhar e sustentar os grupos sociais privilegiados, em troca de protecção contra povos inimigos). A maioria da população não tinha privilégios, ou seja, pertencia a um grupo social não privilelegiado (povo). A Nobreza e o Clero eram os grupos sociais privilegiados, encontrando-se em clara minoria.  Ver esquema no diapositivo seguinte
Rei Grupo  privilegiado Nobreza Clero Gruponão privilegiado Povo 8
9 A importância do clero Clero Alto Baixo Bispos Abades Monges Sacerdotes ,[object Object]
 Celebravam importantes cerimónias religiosas;
 Ensinavam os futuros religiosos;
 Cópia de manuscritos ;
 Assistência aos doentes, pobres e mendigos. ,[object Object]
11  Os reis, nobres e mesmo o povo faziam-lhe doações de terras e de bens para salvação da alma na esperança de obter um lugar junto de Deus.  Isto contribui para aumentar o prestígio ou seja alguns membros do Clero ganharam uma imensa riqueza bem como frequentes situações de indisciplina de alguns religiosos que levou ao aparecimento de um movimento reformista que defendia o regresso à humildade.   Deste movimento surgiram as ordens de Cister e Cluny. Exemplo de um mosteiro da época
12 A aristrocraciaguerreira Na primeira metade da Idade Média o reino não tinha exército fixo por isso quando se iniciava uma guerra o rei chamava os grandes senhores. Os cavaleiros-vilãos eram elementos do povo com pouco dinheiro logo não tinham capacidades para ter um cavalo para ir à guerra, no entanto os mais importantes cavaleiros provinham da nobreza. Os mais ricos podiam ter armamento para a guerra e cavalos amestrados. Cena de guerra
13 Um cavaleiro era preparado a partir dos 7 até aos 18 anos junto a um nobre que não era da família . O cavaleiro era armado numa cerimónia de solenidade onde jurava estar ao serviço do rei, da religião, das mulheres, dos órfãos e dos oprimidos. Jurava obedecer aos seus senhores, não faltar à palavra dada e não proferir mentiras ou calúnias. Torneios de preparação de um futuro cavaleiro Cavaleiro armado
14 Justa Cena de caça
15
Deveres do jovem  Não proferir mentiras nem calúnias  Obedecer aos seus senhores  Não faltar à palavra dada Actividades de preparação para a guerra Torneios  Caçadas  Justas  16
17 Nobreza  Podemos concluir que este grupo social era privilegiado e dedicava-se: ,[object Object]
  E treinava-se em justas, torneios e caçadas pois possuía tempo devido à mão-de-obra escrava. ,[object Object]
Poder  judicial - podiam aplicar a justiça incluindo em muitas regiões, o corte de membros;
Poder fiscal - cobravam impostos às populações que trabalhavam nas suas propriedades.,[object Object]
20 ,[object Object],Camponeses a trabalhar
Exemplo de um domínio senhorial 1- Castelo do senhor 2- Torreão feudal 3- Reserva  4- Moinho 5- Floresta 6- Aldeia 7- Terras arrendavas ou mansos 8- Terras baldias 9- Áreas de arrendamento 21
A dependência dos Camponeses Na Idade Média, quase toda a população era constituída por camponeses. Havia uma economia de subsistência, em que a agricultura era a principal actividade económica.  O povo tinha a função de trabalhar para alimentar e suster os grupos sociais privilegiados, em troca de protecção.Para além disso, cumpriam as seguintes obrigações: ,[object Object]
Jeiras ou corveias - Dias de trabalho gratuito na reserva;
Banalidades - Utilização obrigatória do forno, moinho ou lagar do senhor;
Aposentaria - Alojar e alimentar o senhor quando viajava;
Hoste - Ajudar o exército no transporte de armas e mantimentos.22

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Ficha de Trabalho sobre a expansão portuguesa - 8º ANO - SOLUÇÕES
Ficha de Trabalho sobre a expansão portuguesa - 8º ANO - SOLUÇÕESFicha de Trabalho sobre a expansão portuguesa - 8º ANO - SOLUÇÕES
Ficha de Trabalho sobre a expansão portuguesa - 8º ANO - SOLUÇÕES
ensinovirtual3ciclo
 
A cristandade ocidental face ao islão parte 1
A cristandade ocidental face ao islão  parte 1A cristandade ocidental face ao islão  parte 1
A cristandade ocidental face ao islão parte 1
Carla Teixeira
 
Formacao de portugal
Formacao de portugalFormacao de portugal
Formacao de portugal
cattonia
 
Reconquista Cristã (Resumo)
Reconquista Cristã (Resumo)Reconquista Cristã (Resumo)
Reconquista Cristã (Resumo)
mari_punk
 
Sociedade nos séculos XIII e XIV
Sociedade nos séculos XIII e XIVSociedade nos séculos XIII e XIV
Sociedade nos séculos XIII e XIV
Cátia Botelho
 
A morte de D. Sebastião e a crise de sucessão, a união ibérica e a restauração
A morte de D. Sebastião e a crise de sucessão, a união ibérica e a restauraçãoA morte de D. Sebastião e a crise de sucessão, a união ibérica e a restauração
A morte de D. Sebastião e a crise de sucessão, a união ibérica e a restauração
Anabela Sobral
 
A sociedade no Antigo Regime
A sociedade no Antigo RegimeA sociedade no Antigo Regime
A sociedade no Antigo Regime
Susana Simões
 
Romanização da Península Ibérica
Romanização da  Península IbéricaRomanização da  Península Ibérica
Romanização da Península Ibérica
Carlos Pinheiro
 
Portugal medieval
Portugal medievalPortugal medieval
Portugal medieval
cattonia
 
Unidade 1 o expansionismo europeu
Unidade 1 o expansionismo europeuUnidade 1 o expansionismo europeu
Unidade 1 o expansionismo europeu
Vítor Santos
 
A identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidentalA identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidental
Vítor Santos
 
A Expansão marítima
A Expansão marítimaA Expansão marítima
A Expansão marítima
cattonia
 
Império Português nos séculos XVI a XVIII
Império Português nos séculos XVI a XVIIIImpério Português nos séculos XVI a XVIII
Império Português nos séculos XVI a XVIII
Cátia Botelho
 
Portugal nos séculos XV e XVI
Portugal nos séculos XV e XVIPortugal nos séculos XV e XVI
Portugal nos séculos XV e XVI
cruchinho
 
O império português e a concorrência internacional
O império português e a concorrência internacionalO império português e a concorrência internacional
O império português e a concorrência internacional
cattonia
 
A grécia
A gréciaA grécia
A grécia
Vítor Santos
 
Ficha UE
Ficha UEFicha UE
Domínio senhorial
Domínio senhorialDomínio senhorial
Domínio senhorial
Maria Gomes
 
Crise dinastica
Crise dinasticaCrise dinastica
Crise dinastica
cattonia
 
Descoberta colonização Arquipélagos Atlânticos
Descoberta colonização Arquipélagos AtlânticosDescoberta colonização Arquipélagos Atlânticos
Descoberta colonização Arquipélagos Atlânticos
Susana Simões
 

Mais procurados (20)

Ficha de Trabalho sobre a expansão portuguesa - 8º ANO - SOLUÇÕES
Ficha de Trabalho sobre a expansão portuguesa - 8º ANO - SOLUÇÕESFicha de Trabalho sobre a expansão portuguesa - 8º ANO - SOLUÇÕES
Ficha de Trabalho sobre a expansão portuguesa - 8º ANO - SOLUÇÕES
 
A cristandade ocidental face ao islão parte 1
A cristandade ocidental face ao islão  parte 1A cristandade ocidental face ao islão  parte 1
A cristandade ocidental face ao islão parte 1
 
Formacao de portugal
Formacao de portugalFormacao de portugal
Formacao de portugal
 
Reconquista Cristã (Resumo)
Reconquista Cristã (Resumo)Reconquista Cristã (Resumo)
Reconquista Cristã (Resumo)
 
Sociedade nos séculos XIII e XIV
Sociedade nos séculos XIII e XIVSociedade nos séculos XIII e XIV
Sociedade nos séculos XIII e XIV
 
A morte de D. Sebastião e a crise de sucessão, a união ibérica e a restauração
A morte de D. Sebastião e a crise de sucessão, a união ibérica e a restauraçãoA morte de D. Sebastião e a crise de sucessão, a união ibérica e a restauração
A morte de D. Sebastião e a crise de sucessão, a união ibérica e a restauração
 
A sociedade no Antigo Regime
A sociedade no Antigo RegimeA sociedade no Antigo Regime
A sociedade no Antigo Regime
 
Romanização da Península Ibérica
Romanização da  Península IbéricaRomanização da  Península Ibérica
Romanização da Península Ibérica
 
Portugal medieval
Portugal medievalPortugal medieval
Portugal medieval
 
Unidade 1 o expansionismo europeu
Unidade 1 o expansionismo europeuUnidade 1 o expansionismo europeu
Unidade 1 o expansionismo europeu
 
A identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidentalA identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidental
 
A Expansão marítima
A Expansão marítimaA Expansão marítima
A Expansão marítima
 
Império Português nos séculos XVI a XVIII
Império Português nos séculos XVI a XVIIIImpério Português nos séculos XVI a XVIII
Império Português nos séculos XVI a XVIII
 
Portugal nos séculos XV e XVI
Portugal nos séculos XV e XVIPortugal nos séculos XV e XVI
Portugal nos séculos XV e XVI
 
O império português e a concorrência internacional
O império português e a concorrência internacionalO império português e a concorrência internacional
O império português e a concorrência internacional
 
A grécia
A gréciaA grécia
A grécia
 
Ficha UE
Ficha UEFicha UE
Ficha UE
 
Domínio senhorial
Domínio senhorialDomínio senhorial
Domínio senhorial
 
Crise dinastica
Crise dinasticaCrise dinastica
Crise dinastica
 
Descoberta colonização Arquipélagos Atlânticos
Descoberta colonização Arquipélagos AtlânticosDescoberta colonização Arquipélagos Atlânticos
Descoberta colonização Arquipélagos Atlânticos
 

Destaque

A Civilização Romana
A Civilização RomanaA Civilização Romana
A Civilização Romana
cattonia
 
CorrecçãO Ficha
CorrecçãO FichaCorrecçãO Ficha
CorrecçãO Ficha
Hist8
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
cidalialuis
 
A expansão urbana e suas consequências
A expansão urbana e suas consequênciasA expansão urbana e suas consequências
A expansão urbana e suas consequências
Carla Teixeira
 
O mundo industrializado no
O mundo industrializado noO mundo industrializado no
O mundo industrializado no
maria40
 
Especiarias
EspeciariasEspeciarias
Especiarias
fernandaataide55
 
As trocas intercontinentais[1]
As trocas intercontinentais[1]As trocas intercontinentais[1]
As trocas intercontinentais[1]
António Luís Catarino
 
A Contra-Reforma Católica
A Contra-Reforma CatólicaA Contra-Reforma Católica
A Contra-Reforma Católica
profhistoria
 
Revisao 9 D Sb
Revisao 9 D SbRevisao 9 D Sb
Revisao 9 D Sb
Sérgio Bernardo
 
A expansao portuguesa 01
A expansao portuguesa 01A expansao portuguesa 01
A expansao portuguesa 01
Álvaro Maurício
 
Anos 20
Anos 20Anos 20
Anos 20
cattonia
 
O renascimento e a formação da mentalidade moderna
O renascimento e a formação da mentalidade modernaO renascimento e a formação da mentalidade moderna
O renascimento e a formação da mentalidade moderna
Rainha Maga
 
A Reforma
A ReformaA Reforma
A Reforma
Rui Neto
 
As Reformas Religiosas
As Reformas ReligiosasAs Reformas Religiosas
As Reformas Religiosas
Carlos Vieira
 
A antiga civilização egípcia
A antiga civilização egípciaA antiga civilização egípcia
A antiga civilização egípcia
Rainha Maga
 
O Mundo Industrializado no século XIX e o Caso Português
O Mundo Industrializado no século XIX e o Caso PortuguêsO Mundo Industrializado no século XIX e o Caso Português
O Mundo Industrializado no século XIX e o Caso Português
Carlos Vieira
 
A abertura ao mundo - expansão
A abertura ao mundo -  expansãoA abertura ao mundo -  expansão
A abertura ao mundo - expansão
Lucilia Fonseca
 
Da Queda Da Monarquia à ImplantaçãO Da RepúBlica ~ ApresentaçãO De Slides
Da Queda Da Monarquia à ImplantaçãO Da RepúBlica ~ ApresentaçãO De SlidesDa Queda Da Monarquia à ImplantaçãO Da RepúBlica ~ ApresentaçãO De Slides
Da Queda Da Monarquia à ImplantaçãO Da RepúBlica ~ ApresentaçãO De Slides
oliviaguerra
 
Liberalismo económico powerpoint
Liberalismo económico powerpointLiberalismo económico powerpoint
Liberalismo económico powerpoint
maria40
 
1ª RepúBlica
1ª RepúBlica1ª RepúBlica
1ª RepúBlica
crie_historia9
 

Destaque (20)

A Civilização Romana
A Civilização RomanaA Civilização Romana
A Civilização Romana
 
CorrecçãO Ficha
CorrecçãO FichaCorrecçãO Ficha
CorrecçãO Ficha
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
 
A expansão urbana e suas consequências
A expansão urbana e suas consequênciasA expansão urbana e suas consequências
A expansão urbana e suas consequências
 
O mundo industrializado no
O mundo industrializado noO mundo industrializado no
O mundo industrializado no
 
Especiarias
EspeciariasEspeciarias
Especiarias
 
As trocas intercontinentais[1]
As trocas intercontinentais[1]As trocas intercontinentais[1]
As trocas intercontinentais[1]
 
A Contra-Reforma Católica
A Contra-Reforma CatólicaA Contra-Reforma Católica
A Contra-Reforma Católica
 
Revisao 9 D Sb
Revisao 9 D SbRevisao 9 D Sb
Revisao 9 D Sb
 
A expansao portuguesa 01
A expansao portuguesa 01A expansao portuguesa 01
A expansao portuguesa 01
 
Anos 20
Anos 20Anos 20
Anos 20
 
O renascimento e a formação da mentalidade moderna
O renascimento e a formação da mentalidade modernaO renascimento e a formação da mentalidade moderna
O renascimento e a formação da mentalidade moderna
 
A Reforma
A ReformaA Reforma
A Reforma
 
As Reformas Religiosas
As Reformas ReligiosasAs Reformas Religiosas
As Reformas Religiosas
 
A antiga civilização egípcia
A antiga civilização egípciaA antiga civilização egípcia
A antiga civilização egípcia
 
O Mundo Industrializado no século XIX e o Caso Português
O Mundo Industrializado no século XIX e o Caso PortuguêsO Mundo Industrializado no século XIX e o Caso Português
O Mundo Industrializado no século XIX e o Caso Português
 
A abertura ao mundo - expansão
A abertura ao mundo -  expansãoA abertura ao mundo -  expansão
A abertura ao mundo - expansão
 
Da Queda Da Monarquia à ImplantaçãO Da RepúBlica ~ ApresentaçãO De Slides
Da Queda Da Monarquia à ImplantaçãO Da RepúBlica ~ ApresentaçãO De SlidesDa Queda Da Monarquia à ImplantaçãO Da RepúBlica ~ ApresentaçãO De Slides
Da Queda Da Monarquia à ImplantaçãO Da RepúBlica ~ ApresentaçãO De Slides
 
Liberalismo económico powerpoint
Liberalismo económico powerpointLiberalismo económico powerpoint
Liberalismo económico powerpoint
 
1ª RepúBlica
1ª RepúBlica1ª RepúBlica
1ª RepúBlica
 

Semelhante a A Sociedade Europeia nos séculos IX a XII

A sociedade europeia
A sociedade europeiaA sociedade europeia
A sociedade europeia
NTTL98
 
A sociedade medieval
A sociedade medievalA sociedade medieval
A sociedade medieval
borgia
 
A sociedade europeia nos séculos ix a xii
A sociedade europeia nos séculos ix a xiiA sociedade europeia nos séculos ix a xii
A sociedade europeia nos séculos ix a xii
diogomonteiro77
 
Idade Ma
Idade MaIdade Ma
Idade Ma
João Lima
 
Quotidiano na idade média
Quotidiano na idade médiaQuotidiano na idade média
Quotidiano na idade média
Anabela Sobral
 
Sociedade Medieval
Sociedade MedievalSociedade Medieval
Sociedade Medieval
Nelson Faustino
 
O FEUDALISMO.pptx
O FEUDALISMO.pptxO FEUDALISMO.pptx
O FEUDALISMO.pptx
WirlanPaje2
 
Idade médiacompleto
Idade médiacompletoIdade médiacompleto
Idade médiacompleto
Gustavo Cuin
 
Idade médiacompleto
Idade médiacompletoIdade médiacompleto
Idade médiacompleto
Gustavo Cuin
 
Idade médiacompleto
Idade médiacompletoIdade médiacompleto
Idade médiacompleto
Gustavo Cuin
 
Idade Média
Idade MédiaIdade Média
Idade Média
CEF Arapoanga
 
Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516
Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516
Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516
Laboratório de História
 
A Sociedade Senhorial
A Sociedade SenhorialA Sociedade Senhorial
A Sociedade Senhorial
Patrícia Morais
 
Feudalismo ens médio
Feudalismo ens médioFeudalismo ens médio
Feudalismo ens médio
Elisângela Martins Rodrigues
 
Slide
SlideSlide
Sociedade Portuguesa dos séculos XIII e XIV
Sociedade Portuguesa dos séculos XIII e XIVSociedade Portuguesa dos séculos XIII e XIV
Sociedade Portuguesa dos séculos XIII e XIV
Catarina Castro
 
A sociedade senhorial nos séc
A sociedade senhorial nos sécA sociedade senhorial nos séc
A sociedade senhorial nos séc
Escoladocs
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
Alê Maldonado
 
17 sociedade feudal
17   sociedade feudal17   sociedade feudal
17 sociedade feudal
Carla Freitas
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
Renan Sancio
 

Semelhante a A Sociedade Europeia nos séculos IX a XII (20)

A sociedade europeia
A sociedade europeiaA sociedade europeia
A sociedade europeia
 
A sociedade medieval
A sociedade medievalA sociedade medieval
A sociedade medieval
 
A sociedade europeia nos séculos ix a xii
A sociedade europeia nos séculos ix a xiiA sociedade europeia nos séculos ix a xii
A sociedade europeia nos séculos ix a xii
 
Idade Ma
Idade MaIdade Ma
Idade Ma
 
Quotidiano na idade média
Quotidiano na idade médiaQuotidiano na idade média
Quotidiano na idade média
 
Sociedade Medieval
Sociedade MedievalSociedade Medieval
Sociedade Medieval
 
O FEUDALISMO.pptx
O FEUDALISMO.pptxO FEUDALISMO.pptx
O FEUDALISMO.pptx
 
Idade médiacompleto
Idade médiacompletoIdade médiacompleto
Idade médiacompleto
 
Idade médiacompleto
Idade médiacompletoIdade médiacompleto
Idade médiacompleto
 
Idade médiacompleto
Idade médiacompletoIdade médiacompleto
Idade médiacompleto
 
Idade Média
Idade MédiaIdade Média
Idade Média
 
Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516
Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516
Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516
 
A Sociedade Senhorial
A Sociedade SenhorialA Sociedade Senhorial
A Sociedade Senhorial
 
Feudalismo ens médio
Feudalismo ens médioFeudalismo ens médio
Feudalismo ens médio
 
Slide
SlideSlide
Slide
 
Sociedade Portuguesa dos séculos XIII e XIV
Sociedade Portuguesa dos séculos XIII e XIVSociedade Portuguesa dos séculos XIII e XIV
Sociedade Portuguesa dos séculos XIII e XIV
 
A sociedade senhorial nos séc
A sociedade senhorial nos sécA sociedade senhorial nos séc
A sociedade senhorial nos séc
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
 
17 sociedade feudal
17   sociedade feudal17   sociedade feudal
17 sociedade feudal
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
 

Mais de Jorge Almeida

Guerra fria 1
Guerra fria 1Guerra fria 1
Guerra fria 1
Jorge Almeida
 
Exposição especiarias e frutas tropiciais 8.º ano_2011-12
Exposição especiarias e frutas tropiciais 8.º ano_2011-12Exposição especiarias e frutas tropiciais 8.º ano_2011-12
Exposição especiarias e frutas tropiciais 8.º ano_2011-12
Jorge Almeida
 
Exposição trabalhos alunos_7.º ano_2011-12
Exposição trabalhos alunos_7.º ano_2011-12Exposição trabalhos alunos_7.º ano_2011-12
Exposição trabalhos alunos_7.º ano_2011-12
Jorge Almeida
 
Salazar e o estado novo
Salazar e o estado novoSalazar e o estado novo
Salazar e o estado novo
Jorge Almeida
 
Exposição visitai viseu
Exposição visitai viseuExposição visitai viseu
Exposição visitai viseu
Jorge Almeida
 
Exposição trabalhos alunos_25 de abril
Exposição trabalhos alunos_25 de abrilExposição trabalhos alunos_25 de abril
Exposição trabalhos alunos_25 de abril
Jorge Almeida
 
Tertúlia 25 de abril
Tertúlia 25 de abrilTertúlia 25 de abril
Tertúlia 25 de abril
Jorge Almeida
 
25 de abril de 1974 2
25 de abril de 1974 225 de abril de 1974 2
25 de abril de 1974 2
Jorge Almeida
 
O 25 de_abril_de_1974[1]
O 25 de_abril_de_1974[1]O 25 de_abril_de_1974[1]
O 25 de_abril_de_1974[1]
Jorge Almeida
 
Iª república
Iª repúblicaIª república
Iª república
Jorge Almeida
 
Guerra colonial entrevista
Guerra colonial entrevistaGuerra colonial entrevista
Guerra colonial entrevista
Jorge Almeida
 
Guerra colonial (1)
Guerra colonial (1)Guerra colonial (1)
Guerra colonial (1)
Jorge Almeida
 
A guerra colonial
A guerra colonialA guerra colonial
A guerra colonial
Jorge Almeida
 
A 1ª guerra mundial hgp
A 1ª guerra mundial hgpA 1ª guerra mundial hgp
A 1ª guerra mundial hgp
Jorge Almeida
 
25 de abril de 1974 3
25 de abril de 1974 325 de abril de 1974 3
25 de abril de 1974 3
Jorge Almeida
 
Trabalhos alunos 7.º pca
Trabalhos alunos 7.º pcaTrabalhos alunos 7.º pca
Trabalhos alunos 7.º pca
Jorge Almeida
 
Salamanca
SalamancaSalamanca
Salamanca
Jorge Almeida
 
Folheto visionarium e castelo st.ª m.ª feira -2010-11
Folheto visionarium e castelo st.ª m.ª feira -2010-11Folheto visionarium e castelo st.ª m.ª feira -2010-11
Folheto visionarium e castelo st.ª m.ª feira -2010-11
Jorge Almeida
 
Visita de estudo a Foz Côa
Visita de estudo a Foz CôaVisita de estudo a Foz Côa
Visita de estudo a Foz Côa
Jorge Almeida
 
Folheto Foz Côa -2010-11
Folheto Foz Côa -2010-11Folheto Foz Côa -2010-11
Folheto Foz Côa -2010-11
Jorge Almeida
 

Mais de Jorge Almeida (20)

Guerra fria 1
Guerra fria 1Guerra fria 1
Guerra fria 1
 
Exposição especiarias e frutas tropiciais 8.º ano_2011-12
Exposição especiarias e frutas tropiciais 8.º ano_2011-12Exposição especiarias e frutas tropiciais 8.º ano_2011-12
Exposição especiarias e frutas tropiciais 8.º ano_2011-12
 
Exposição trabalhos alunos_7.º ano_2011-12
Exposição trabalhos alunos_7.º ano_2011-12Exposição trabalhos alunos_7.º ano_2011-12
Exposição trabalhos alunos_7.º ano_2011-12
 
Salazar e o estado novo
Salazar e o estado novoSalazar e o estado novo
Salazar e o estado novo
 
Exposição visitai viseu
Exposição visitai viseuExposição visitai viseu
Exposição visitai viseu
 
Exposição trabalhos alunos_25 de abril
Exposição trabalhos alunos_25 de abrilExposição trabalhos alunos_25 de abril
Exposição trabalhos alunos_25 de abril
 
Tertúlia 25 de abril
Tertúlia 25 de abrilTertúlia 25 de abril
Tertúlia 25 de abril
 
25 de abril de 1974 2
25 de abril de 1974 225 de abril de 1974 2
25 de abril de 1974 2
 
O 25 de_abril_de_1974[1]
O 25 de_abril_de_1974[1]O 25 de_abril_de_1974[1]
O 25 de_abril_de_1974[1]
 
Iª república
Iª repúblicaIª república
Iª república
 
Guerra colonial entrevista
Guerra colonial entrevistaGuerra colonial entrevista
Guerra colonial entrevista
 
Guerra colonial (1)
Guerra colonial (1)Guerra colonial (1)
Guerra colonial (1)
 
A guerra colonial
A guerra colonialA guerra colonial
A guerra colonial
 
A 1ª guerra mundial hgp
A 1ª guerra mundial hgpA 1ª guerra mundial hgp
A 1ª guerra mundial hgp
 
25 de abril de 1974 3
25 de abril de 1974 325 de abril de 1974 3
25 de abril de 1974 3
 
Trabalhos alunos 7.º pca
Trabalhos alunos 7.º pcaTrabalhos alunos 7.º pca
Trabalhos alunos 7.º pca
 
Salamanca
SalamancaSalamanca
Salamanca
 
Folheto visionarium e castelo st.ª m.ª feira -2010-11
Folheto visionarium e castelo st.ª m.ª feira -2010-11Folheto visionarium e castelo st.ª m.ª feira -2010-11
Folheto visionarium e castelo st.ª m.ª feira -2010-11
 
Visita de estudo a Foz Côa
Visita de estudo a Foz CôaVisita de estudo a Foz Côa
Visita de estudo a Foz Côa
 
Folheto Foz Côa -2010-11
Folheto Foz Côa -2010-11Folheto Foz Côa -2010-11
Folheto Foz Côa -2010-11
 

Último

Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdfCRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
soaresdesouzaamanda8
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
MessiasMarianoG
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 

Último (20)

Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdfCRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 

A Sociedade Europeia nos séculos IX a XII

  • 1. Escola Trabalho elaborado por: Beatriz Nº5 Cláudio Nº9 Daniel Nº 10 Inês Nº14 JéssicaNº15 1 A sociedade europeia nos séculos IX a XII 7º Ano lectivo: 2008/09
  • 2. Disciplina: HistóriaProfessor: Jorge GrandãoTema: A sociedade europeia nos séculos IX a XIIDia de entrega:15/06/09 2
  • 3. Introdução Este trabalho foi-nos pedido pelo nosso professor de História.Achamos que deveríamos fazer sobre a Sociedade Europeia nos séculos IX a XII. No decurso deste trabalho vamos falar por exemplo como se dividia a sociedade na Idade Média, quais eram os deveres do Clero, da Nobreza e do Povo. Contudo achamos interessante falarmos um pouco sobre as relações feudo - vassálicas e os domínios senhoriais que vamos passar a apresentar. 3
  • 4. A sociedade europeia nos séculos IX a XII 4
  • 5. 5 Rei Nobreza/ Clero Povo A sociedade senhorial As sucessivas invasões de Muçulmanos, Húngaros e Vikings provocaram um clima de medo e insegurança, tinha como consequência que o povo (artesãos e camponeses) fosse procurar protecção junto dos senhores , reduzindo o comércio predominando assim uma economia de subsistência . Os senhores davam protecção em troco de uma parte dos seus produtos ou das suas colheitas.
  • 6. 6 Uma sociedade ruralizada e tripartida A sociedade era basicamente constituída por três ordens (era uma sociedade tripartida). Eram elas: - O Clero (tinha como principal função rezar); - A Nobreza (tinha a função de lutar e proteger a população);
  • 7. 7 - O Povo (tinha a função de trabalhar e sustentar os grupos sociais privilegiados, em troca de protecção contra povos inimigos). A maioria da população não tinha privilégios, ou seja, pertencia a um grupo social não privilelegiado (povo). A Nobreza e o Clero eram os grupos sociais privilegiados, encontrando-se em clara minoria. Ver esquema no diapositivo seguinte
  • 8. Rei Grupo privilegiado Nobreza Clero Gruponão privilegiado Povo 8
  • 9.
  • 10. Celebravam importantes cerimónias religiosas;
  • 11. Ensinavam os futuros religiosos;
  • 12. Cópia de manuscritos ;
  • 13.
  • 14. 11 Os reis, nobres e mesmo o povo faziam-lhe doações de terras e de bens para salvação da alma na esperança de obter um lugar junto de Deus. Isto contribui para aumentar o prestígio ou seja alguns membros do Clero ganharam uma imensa riqueza bem como frequentes situações de indisciplina de alguns religiosos que levou ao aparecimento de um movimento reformista que defendia o regresso à humildade. Deste movimento surgiram as ordens de Cister e Cluny. Exemplo de um mosteiro da época
  • 15. 12 A aristrocraciaguerreira Na primeira metade da Idade Média o reino não tinha exército fixo por isso quando se iniciava uma guerra o rei chamava os grandes senhores. Os cavaleiros-vilãos eram elementos do povo com pouco dinheiro logo não tinham capacidades para ter um cavalo para ir à guerra, no entanto os mais importantes cavaleiros provinham da nobreza. Os mais ricos podiam ter armamento para a guerra e cavalos amestrados. Cena de guerra
  • 16. 13 Um cavaleiro era preparado a partir dos 7 até aos 18 anos junto a um nobre que não era da família . O cavaleiro era armado numa cerimónia de solenidade onde jurava estar ao serviço do rei, da religião, das mulheres, dos órfãos e dos oprimidos. Jurava obedecer aos seus senhores, não faltar à palavra dada e não proferir mentiras ou calúnias. Torneios de preparação de um futuro cavaleiro Cavaleiro armado
  • 17. 14 Justa Cena de caça
  • 18. 15
  • 19. Deveres do jovem Não proferir mentiras nem calúnias Obedecer aos seus senhores Não faltar à palavra dada Actividades de preparação para a guerra Torneios Caçadas Justas 16
  • 20.
  • 21.
  • 22. Poder judicial - podiam aplicar a justiça incluindo em muitas regiões, o corte de membros;
  • 23.
  • 24.
  • 25. Exemplo de um domínio senhorial 1- Castelo do senhor 2- Torreão feudal 3- Reserva 4- Moinho 5- Floresta 6- Aldeia 7- Terras arrendavas ou mansos 8- Terras baldias 9- Áreas de arrendamento 21
  • 26.
  • 27. Jeiras ou corveias - Dias de trabalho gratuito na reserva;
  • 28. Banalidades - Utilização obrigatória do forno, moinho ou lagar do senhor;
  • 29. Aposentaria - Alojar e alimentar o senhor quando viajava;
  • 30. Hoste - Ajudar o exército no transporte de armas e mantimentos.22
  • 31. 23 Exemplo de jeiras ou corveiras Exemplo de banalidades Todas estas obrigações podiam levar à miséria das famílias, especialmente quando ocorriam maus anos agrícolas e as colheitas eram fracas.
  • 32. As relações feudo-vassálicas A partir do finais do século IX a maior parte da Europa, passou a criar laços de dependência que incluíam direitos e obrigações - eram as relações de vassalagem em que existia um mais poderoso o Suserano e o que se colocava sob a sua protecção era o vassalo. O rei era o Suserano dos suseranos, porém o vassalo poderia ter outros vassalos. 24
  • 33.
  • 34.
  • 35.
  • 36.
  • 37.
  • 38. Conclusão Este trabalho foi muito interessante para nós, pois com ele aprendemos muitas coisas importantes sobre a Idade Média, como por exemplo os grupos em que estava dividida a sociedade senhorial, as suas regalias, os seus deveres e a que actividades se dedicavam. Sem esquecer a importância do clero nem a aristocracia guerreira vivida naquela época. Além disto também conseguimos saber mais coisas sobre o poder dos grandes senhores, como era explorado o domínio senhorial, e em que partes se dividia, e a dependência que os camponeses tinham com os grandes senhores. Por fim, começamos a compreender melhor as relações feudo-vassálicas e para que serviam e também tivemos oportunidade de assimilar mais conhecimentos sobre o contrato de vassalagem. Tudo isto contribuiu muito para aprofundar e aumentar a nossa cultura juvenil. Esperamos que tenham gostado, como nós o gostamos de o realizar. 29
  • 39. 30 Webgrafia/Bibliografia OLIVEIRA, Ana, CANTANHEDE, Francisco, CATARINO, Isabel, TORRÃO, Paula, História 7, Texto Editores, Lisboa, 2006. www.gooogle.com/imagens http://3.bp.blogspot.com/_2IiVkD-ZqAc/Sb-D8euQ2FI/AAAAAAAAAeM/_RIBMKCs8Tk/s320/torneio+medieval.jpg http://www.malhatlantica.pt/seculoXIII/mosteiro.jpg http://www.dmm.im.ufrj.br/projeto/diversos/images/exp44.gif http://lh5.ggpht.com/c.alberto.vaz/R_kqON0rDXI/AAAAAAAAAVU/Ib8AkCOmQos/saisons2_thumb%5B4%5D.jpg http://4.bp.blogspot.com/_9k8RCJEOHm8/RlN6IRa5MpI/AAAAAAAAAe8/cXUwa0Oq6QI/s320/dom%C3%ADnio+senhorial.JPG