SlideShare uma empresa Scribd logo
Burgueses, proletários, classes
médias e camponeses
http://divulgacaohistoria.wordpress.com/
8º ano – Unidade 8
As revoluções liberais 2
25 – Conhecer e compreender a evolução demográfica e urbana no
século XIX.
1. Explicar as condições que conduziram a uma explosão demográfica nos
países industrializados.
2. Relacionar esse impressionante crescimento demográfico e as
transformações na economia com processos de intensificação de êxodo
rural e de emigração.
3. Reconhecer que, exceção feita à Grã-Bretanha, no século XIX, a
generalidade dos países que se industrializaram mantiveram percentagens
muito significativas de população rural, apesar do crescimento do
operariado.
4. Sublinhar o crescimento das cidades e da população urbana.
5. Relacionar o crescimento das cidades e da população urbana com as
transformações demográficas e económicas do século XIX.
6. Referir processos de transformação do espaço urbano, sublinhando a
crescente importância do urbanismo neste contexto.
As revoluções liberais 3
26 – Conhecer e compreender o processo de afirmação
da burguesia e crescimento das classes médias.
1. Descrever as características fundamentais da burguesia
(comercial e financeira, industrial e agrícola) no século XIX.
2. Identificar os processos de fusão entre a burguesia
emergente e parcelas significativas das elites tradicionais.
3. Descrever o processo de ampliação, melhoria da
qualificação e reforço da qualidade de vida/autonomia de
profissionais liberais, funcionários públicos e funcionários do
sector privado.
4. Caracterizar os comportamentos das classes médias
como sendo tendencialmente mais próximos dos da
burguesia do que dos das classes populares.
As revoluções liberais 4
27 – Conhecer e compreender a evolução do proletariado.
1. Descrever os processos de proletarização dos artesãos e dos
trabalhadores das grandes manufaturas fruto da introdução das
máquinas, da revogação da regulamentação corporativa e do aumento da
concorrência por parte de trabalhadores recém-chegados das zonas
rurais ou de outros países.
2. Descrever as condições-tipo de vida do operariado no século XIX.
3. Relacionar liberalismo económico e as crises do capitalismo com os
baixos salários e a precariedade das condições de emprego.
4. Relacionar as condições de vida e de trabalho do proletariado com o
surgimento de sindicatos e de formas de luta organizada.
5. Enumerar conquistas do movimento sindical.
6. Relacionar as condições de vida e de trabalho do proletariado com o
surgimento das doutrinas socialistas.
7. Caracterizar sucintamente as propostas das doutrinas socialistas.
H1 A industrialização da Europa 5
A explosão populacional
H1 A industrialização da Europa 6
A partir do século XIX, para além dos progressos na higiene e
na medicina, a produção agrícola aumentou, fruto dos
adubos químicos, da mecanização e da revolução dos
transportes;
A combinação destes fatores vai provocar a explosão
demográfica;
No meio rural os empregos escasseiam pelo que se dá o
êxodo rural em direção às cidades;
H1 A industrialização da Europa 7
A população urbana aumentou consideravelmente, algumas
cidades como Londres, Paris, Nova Iorque e Chicago
ultrapassaram o milhão de habitantes;
1850
1885
H1 A industrialização da Europa 8
Este grande crescimento populacional levou muitos europeus
a emigrarem;
Esta emigração dirigiu-se sobretudo para os Estados Unidos,
Brasil, Canadá e Austrália;
Milhões de europeus emigraram na segunda metade do
século XIX;
Os Estados Unidos receberam cerca de 20 milhões;
H1 A industrialização da Europa 9
Existiam muitos contrastes nas cidades do século XIX;
H1 A industrialização da Europa 10
No centro da cidade localizava-se a zona de negócios, onde
se situavam a bolsa, as sedes dos bancos e das grandes
empresas;
As lojas de luxo e as casas de espetáculo;
Ao redor do centro situava-se a zona residencial da
burguesia, com espaçosas ruas e jardins;
Na periferia situavam-se os bairros operários de ruas
estreitas e muitas vezes sem condições de higiene;
H1 A industrialização da Europa 11
No século XIX nas cidades iniciou-se um período de grandes
transformações urbanísticas;
Abriram-se grandes e largas avenidas;
Os edifícios cresceram em altura;
Construíram-se jardins e praças públicas;
Criaram-se novas infraestruturas: esgotos, água canalizada,
recolha de lixo, iluminação pública, transportes coletivos;
Muitas destas inovações não chegaram aos bairros pobres;
H1 A industrialização da Europa 12
As cidades eram cosmopolitas;
Havia um tráfico intenso, de pessoas, carruagens e carroças;
Existam lugares para a burguesia passear como jardins
públicos ou para se divertir, como cafés, teatros, cabarés, etc.
Os operários não tinham acesso a estes divertimentos;
H1 A industrialização da Europa 13
O século XIX foi o século da burguesia;
Banqueiros e proprietários de indústrias acumularam fortunas
colossais;
Surgem autênticas dinastias: Rothschild, Krupp, Rockefeller,
Peugeot, etc.;
A alta burguesia cultivava o luxo. Muitos, através do
casamento, aliavam-se a antigas famílias da nobreza;
H1 A industrialização da Europa 14
Desenvolve-se a classe
média;
Multiplicam-se os serviços, o
setor terciário;
Cresce uma pequena e
média burguesia: pequenos
empresários, médicos,
advogados, professores,
engenheiros, funcionários
públicos, artistas, etc.;
São os chamados
“colarinhos brancos”;
Este grupo, na sua maioria,
era constituído por pessoas
com estudos;
H1 A industrialização da Europa 15
A classe operária ou proletariado nasceu com a Revolução
Industrial;
É um trabalhador que dispõe apenas da sua força de trabalho
e dos seus familiares para garantir a sua subsistência a troco
de um salário;
H1 A industrialização da Europa 16
Numa época d liberalismo económico, os salários dependiam
da lei da oferta e da procura, como havia muita oferta de
mão-de-obra, os salários eram muito baixos;
A miséria era uma constante;
Os horários de trabalho de mais de 14 horas diárias eram
frequentes;
O trabalho infantil era comum;
H1 A industrialização da Europa 17
Muitos operários revoltaram-se contra estas condições de
trabalho e de vida extremamente duras;
Primeiro em Inglaterra, e depois noutros países, surgiram
manifestações espontâneas contra as fábricas e as
máquinas;
Muitas vezes estas manifestações eram reprimidas
violentamente;
H1 A industrialização da Europa 18
Em 1830, na Inglaterra surgem os primeiros sindicatos (Trade
Unions);
São associações de operários que lutam por melhores
condições de trabalho;
A sua principal forma de luta era a greve. Os patrões
respondiam com o lock out (fechar temporariamente a
empresa), despedindo ou reprimindo violentamente.
H1 A industrialização da Europa 19
Alguns filósofos e pensadores imaginaram uma sociedade
mais justa, onde não existisse a “exploração do homem pelo
homem”;
Karl Marx foi o principal pensador;
Para ele a História era uma constante luta de classes entre
exploradores e explorados: (escravos/senhores,
burguesia/nobres, operários/burguesia);
H1 A industrialização da Europa 20
Para ele o proletariado deveria combater a burguesia, tomar o
poder, para construir, primeiro uma sociedade socialista e
depois uma sociedade comunista, sem classes e por isso
uma sociedade igualitária;
Karl Marx e Friedrich Engels, publicaram em 1948, o
Manifesto do Partido Comunista;
H1 A industrialização da Europa 21
Em 1864, foi criada a Associação Internacional dos
Trabalhadores (I Internacional), sob o lema “proletários de
todos os países uni-vos”;
Apoiados pelas doutrinas socialistas, os sindicatos lançaram
poderosas lutas;
No final do século conseguiram algumas vitórias como:
melhoria de salários, descanso semanal; redução do horário
de trabalho para 10 e depois 8 horas, proibição do trabalho
para menores de 12 anos;
As revoluções liberais 22
Bibliografia:
Apresentação construída com base nos livros
Diniz, Maria Emília, Tavares, Adérito, Caldeira, Arlindo M.,
História 8, Raiz Editora, 2012
Neto, Helena e outros, História 8, Santillana,2014

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Implantação do Marxismo-Leninismo na Rússia
Implantação do Marxismo-Leninismo na RússiaImplantação do Marxismo-Leninismo na Rússia
Implantação do Marxismo-Leninismo na Rússia
home
 
5 03 a geografia dos movimentos revolucionários
5 03 a geografia dos movimentos revolucionários5 03 a geografia dos movimentos revolucionários
5 03 a geografia dos movimentos revolucionários
Vítor Santos
 
A construção do modelo soviético
A construção do modelo soviéticoA construção do modelo soviético
A construção do modelo soviético
Carlos Vieira
 
G1 a revolução agricola e arranque industrial
G1 a revolução agricola e arranque industrialG1 a revolução agricola e arranque industrial
G1 a revolução agricola e arranque industrial
Vítor Santos
 
A Grande Depressao dos anos 30
A Grande Depressao dos anos 30A Grande Depressao dos anos 30
A Grande Depressao dos anos 30
Maria Barroso
 
Revolução soviética
Revolução soviéticaRevolução soviética
Revolução soviética
Teresa Maia
 
Os grandes acontecimentos do séc.xx
Os grandes acontecimentos do séc.xxOs grandes acontecimentos do séc.xx
Os grandes acontecimentos do séc.xx
João Coutinho
 
A revolução americana
A revolução americanaA revolução americana
A revolução americana
cattonia
 
O século xx
O século xx O século xx
A Revolução Americana
A Revolução Americana   A Revolução Americana
A Revolução Americana
Susana Simões
 
Causas e consequências da revolução americana
Causas e consequências da revolução americanaCausas e consequências da revolução americana
Causas e consequências da revolução americana
Lucilia Fonseca
 
A Sociedade Oitocentista
A Sociedade OitocentistaA Sociedade Oitocentista
A Sociedade Oitocentista
luisant
 
6 04 portugal uma sociedade capitalista dependente
6 04 portugal uma sociedade capitalista dependente6 04 portugal uma sociedade capitalista dependente
6 04 portugal uma sociedade capitalista dependente
Vítor Santos
 
Transformações socioculturais dos inícios do século XX
Transformações socioculturais dos inícios do século XXTransformações socioculturais dos inícios do século XX
Transformações socioculturais dos inícios do século XX
Teresa Maia
 
A burguesia xix
A burguesia xixA burguesia xix
A burguesia xix
Carla Teixeira
 
Liberalismo em portugal
Liberalismo em portugalLiberalismo em portugal
Liberalismo em portugal
cattonia
 
O método experimental e o progresso do conhecimento
O método experimental e o progresso do conhecimentoO método experimental e o progresso do conhecimento
O método experimental e o progresso do conhecimento
Diogo.Verissimo
 
Sociedade Oitocentista - Século XIX
Sociedade Oitocentista - Século XIXSociedade Oitocentista - Século XIX
Sociedade Oitocentista - Século XIX
Joana Filipa Rodrigues
 
Portugal no primeiro pós-guerra.
Portugal no primeiro pós-guerra.Portugal no primeiro pós-guerra.
Portugal no primeiro pós-guerra.
home
 
Colonialismo E Imperialismo
Colonialismo E ImperialismoColonialismo E Imperialismo
Colonialismo E Imperialismo
Carlos Vieira
 

Mais procurados (20)

Implantação do Marxismo-Leninismo na Rússia
Implantação do Marxismo-Leninismo na RússiaImplantação do Marxismo-Leninismo na Rússia
Implantação do Marxismo-Leninismo na Rússia
 
5 03 a geografia dos movimentos revolucionários
5 03 a geografia dos movimentos revolucionários5 03 a geografia dos movimentos revolucionários
5 03 a geografia dos movimentos revolucionários
 
A construção do modelo soviético
A construção do modelo soviéticoA construção do modelo soviético
A construção do modelo soviético
 
G1 a revolução agricola e arranque industrial
G1 a revolução agricola e arranque industrialG1 a revolução agricola e arranque industrial
G1 a revolução agricola e arranque industrial
 
A Grande Depressao dos anos 30
A Grande Depressao dos anos 30A Grande Depressao dos anos 30
A Grande Depressao dos anos 30
 
Revolução soviética
Revolução soviéticaRevolução soviética
Revolução soviética
 
Os grandes acontecimentos do séc.xx
Os grandes acontecimentos do séc.xxOs grandes acontecimentos do séc.xx
Os grandes acontecimentos do séc.xx
 
A revolução americana
A revolução americanaA revolução americana
A revolução americana
 
O século xx
O século xx O século xx
O século xx
 
A Revolução Americana
A Revolução Americana   A Revolução Americana
A Revolução Americana
 
Causas e consequências da revolução americana
Causas e consequências da revolução americanaCausas e consequências da revolução americana
Causas e consequências da revolução americana
 
A Sociedade Oitocentista
A Sociedade OitocentistaA Sociedade Oitocentista
A Sociedade Oitocentista
 
6 04 portugal uma sociedade capitalista dependente
6 04 portugal uma sociedade capitalista dependente6 04 portugal uma sociedade capitalista dependente
6 04 portugal uma sociedade capitalista dependente
 
Transformações socioculturais dos inícios do século XX
Transformações socioculturais dos inícios do século XXTransformações socioculturais dos inícios do século XX
Transformações socioculturais dos inícios do século XX
 
A burguesia xix
A burguesia xixA burguesia xix
A burguesia xix
 
Liberalismo em portugal
Liberalismo em portugalLiberalismo em portugal
Liberalismo em portugal
 
O método experimental e o progresso do conhecimento
O método experimental e o progresso do conhecimentoO método experimental e o progresso do conhecimento
O método experimental e o progresso do conhecimento
 
Sociedade Oitocentista - Século XIX
Sociedade Oitocentista - Século XIXSociedade Oitocentista - Século XIX
Sociedade Oitocentista - Século XIX
 
Portugal no primeiro pós-guerra.
Portugal no primeiro pós-guerra.Portugal no primeiro pós-guerra.
Portugal no primeiro pós-guerra.
 
Colonialismo E Imperialismo
Colonialismo E ImperialismoColonialismo E Imperialismo
Colonialismo E Imperialismo
 

Destaque

Unidade 4 um século de mudanças século xviii
Unidade 4 um século de mudanças século xviiiUnidade 4 um século de mudanças século xviii
Unidade 4 um século de mudanças século xviii
Vítor Santos
 
Unidade 7 mundo industrializado e países de dificil industrialização
Unidade 7 mundo industrializado e países de dificil industrializaçãoUnidade 7 mundo industrializado e países de dificil industrialização
Unidade 7 mundo industrializado e países de dificil industrialização
Vítor Santos
 
Operariado
OperariadoOperariado
Operariado
Carla Teixeira
 
Unidade 5 da_revolução_agrivcola_à_revolução_industrial
Unidade 5 da_revolução_agrivcola_à_revolução_industrialUnidade 5 da_revolução_agrivcola_à_revolução_industrial
Unidade 5 da_revolução_agrivcola_à_revolução_industrial
Vítor Santos
 
Unidade 6 revoluções e estados_liberais_e_conservadores
Unidade 6 revoluções e estados_liberais_e_conservadoresUnidade 6 revoluções e estados_liberais_e_conservadores
Unidade 6 revoluções e estados_liberais_e_conservadores
Vítor Santos
 
Unidade 1 o expansionismo europeu
Unidade 1 o expansionismo europeuUnidade 1 o expansionismo europeu
Unidade 1 o expansionismo europeu
Vítor Santos
 
Sociedade do séc.XIX
Sociedade do séc.XIXSociedade do séc.XIX
Sociedade do séc.XIX
Maria Gomes
 
Revolução demográfica
Revolução demográficaRevolução demográfica
Revolução demográfica
maria40
 
Sociedade portuguesa no século XIX
Sociedade portuguesa no século XIXSociedade portuguesa no século XIX
Sociedade portuguesa no século XIX
maria40
 
Crises Do Capitalismo
Crises Do CapitalismoCrises Do Capitalismo
Crises Do Capitalismo
Maria Flora Sousa Douteiro
 
Unidade 2 renascimento e reforma alunos
Unidade 2 renascimento e reforma alunosUnidade 2 renascimento e reforma alunos
Unidade 2 renascimento e reforma alunos
Vítor Santos
 
H3 os novos modelos culturais
H3 os novos modelos culturaisH3 os novos modelos culturais
H3 os novos modelos culturais
Vítor Santos
 
H2 o caso português
H2 o caso portuguêsH2 o caso português
H2 o caso português
Vítor Santos
 
História o expansionismo europeu
História o expansionismo europeuHistória o expansionismo europeu
História o expansionismo europeu
Gabriela Vasconcelos
 
11 a guerra_fria
11 a guerra_fria11 a guerra_fria
11 a guerra_fria
Vítor Santos
 
Unidade 3 o_antigo_regime_europeu
Unidade 3 o_antigo_regime_europeuUnidade 3 o_antigo_regime_europeu
Unidade 3 o_antigo_regime_europeu
Vítor Santos
 
12 o após_guerra_fria_e_a_globlização
12 o após_guerra_fria_e_a_globlização12 o após_guerra_fria_e_a_globlização
12 o após_guerra_fria_e_a_globlização
Vítor Santos
 
E2 renascimento e reforma blogue
E2 renascimento e reforma blogueE2 renascimento e reforma blogue
E2 renascimento e reforma blogue
Vítor Santos
 
9 03 portugal no novo quadro internacional
9 03 portugal no novo quadro internacional9 03 portugal no novo quadro internacional
9 03 portugal no novo quadro internacional
Vítor Santos
 
7 01 parte_2_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx
7 01 parte_2_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx7 01 parte_2_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx
7 01 parte_2_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx
Vítor Santos
 

Destaque (20)

Unidade 4 um século de mudanças século xviii
Unidade 4 um século de mudanças século xviiiUnidade 4 um século de mudanças século xviii
Unidade 4 um século de mudanças século xviii
 
Unidade 7 mundo industrializado e países de dificil industrialização
Unidade 7 mundo industrializado e países de dificil industrializaçãoUnidade 7 mundo industrializado e países de dificil industrialização
Unidade 7 mundo industrializado e países de dificil industrialização
 
Operariado
OperariadoOperariado
Operariado
 
Unidade 5 da_revolução_agrivcola_à_revolução_industrial
Unidade 5 da_revolução_agrivcola_à_revolução_industrialUnidade 5 da_revolução_agrivcola_à_revolução_industrial
Unidade 5 da_revolução_agrivcola_à_revolução_industrial
 
Unidade 6 revoluções e estados_liberais_e_conservadores
Unidade 6 revoluções e estados_liberais_e_conservadoresUnidade 6 revoluções e estados_liberais_e_conservadores
Unidade 6 revoluções e estados_liberais_e_conservadores
 
Unidade 1 o expansionismo europeu
Unidade 1 o expansionismo europeuUnidade 1 o expansionismo europeu
Unidade 1 o expansionismo europeu
 
Sociedade do séc.XIX
Sociedade do séc.XIXSociedade do séc.XIX
Sociedade do séc.XIX
 
Revolução demográfica
Revolução demográficaRevolução demográfica
Revolução demográfica
 
Sociedade portuguesa no século XIX
Sociedade portuguesa no século XIXSociedade portuguesa no século XIX
Sociedade portuguesa no século XIX
 
Crises Do Capitalismo
Crises Do CapitalismoCrises Do Capitalismo
Crises Do Capitalismo
 
Unidade 2 renascimento e reforma alunos
Unidade 2 renascimento e reforma alunosUnidade 2 renascimento e reforma alunos
Unidade 2 renascimento e reforma alunos
 
H3 os novos modelos culturais
H3 os novos modelos culturaisH3 os novos modelos culturais
H3 os novos modelos culturais
 
H2 o caso português
H2 o caso portuguêsH2 o caso português
H2 o caso português
 
História o expansionismo europeu
História o expansionismo europeuHistória o expansionismo europeu
História o expansionismo europeu
 
11 a guerra_fria
11 a guerra_fria11 a guerra_fria
11 a guerra_fria
 
Unidade 3 o_antigo_regime_europeu
Unidade 3 o_antigo_regime_europeuUnidade 3 o_antigo_regime_europeu
Unidade 3 o_antigo_regime_europeu
 
12 o após_guerra_fria_e_a_globlização
12 o após_guerra_fria_e_a_globlização12 o após_guerra_fria_e_a_globlização
12 o após_guerra_fria_e_a_globlização
 
E2 renascimento e reforma blogue
E2 renascimento e reforma blogueE2 renascimento e reforma blogue
E2 renascimento e reforma blogue
 
9 03 portugal no novo quadro internacional
9 03 portugal no novo quadro internacional9 03 portugal no novo quadro internacional
9 03 portugal no novo quadro internacional
 
7 01 parte_2_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx
7 01 parte_2_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx7 01 parte_2_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx
7 01 parte_2_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx
 

Semelhante a Unidade 8 burgueses proletários classes medias e camponeses

As cidades se c xix final
As cidades se c xix finalAs cidades se c xix final
As cidades se c xix final
José Palma
 
6 02 a sociedade industrial e urbana
6 02 a sociedade industrial e urbana6 02 a sociedade industrial e urbana
6 02 a sociedade industrial e urbana
Vítor Santos
 
O embate entre as correntes liberais e os socialismos no século XIX. http://b...
O embate entre as correntes liberais e os socialismos no século XIX. http://b...O embate entre as correntes liberais e os socialismos no século XIX. http://b...
O embate entre as correntes liberais e os socialismos no século XIX. http://b...
Washington Souza
 
H1 o mundo industrializado
H1 o mundo industrializadoH1 o mundo industrializado
H1 o mundo industrializado
Vítor Santos
 
revolução industrial
revolução industrialrevolução industrial
revolução industrial
Ana Batista
 
Indústria
IndústriaIndústria
Indústria
Beach
 
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"
Ana Barreiros
 
A civilização industrial no século XIX
A civilização industrial no século XIXA civilização industrial no século XIX
A civilização industrial no século XIX
BeatrizMarques25
 
História 9ºano
História 9ºanoHistória 9ºano
História 9ºano
Fabiana Severiano
 
revolução agrícola
revolução agrícolarevolução agrícola
revolução agrícola
Ana Batista
 
Educaosociedadeetrabalho 110906101528-phpapp01
Educaosociedadeetrabalho 110906101528-phpapp01Educaosociedadeetrabalho 110906101528-phpapp01
Educaosociedadeetrabalho 110906101528-phpapp01
Célia Ferreira da Silva
 
Aula-12-As-revolucoes-da-modernidade.pptx
Aula-12-As-revolucoes-da-modernidade.pptxAula-12-As-revolucoes-da-modernidade.pptx
Aula-12-As-revolucoes-da-modernidade.pptx
ANA CLÁUDIA OLIVEIRA
 
A Cultura do Salão: tempo, espaço e local
A Cultura do Salão: tempo, espaço e localA Cultura do Salão: tempo, espaço e local
A Cultura do Salão: tempo, espaço e local
Hca Faro
 
A cultura da gare
A cultura da gareA cultura da gare
A cultura da gare
Ana Barreiros
 
Revolução industrial slides blog
Revolução industrial  slides blogRevolução industrial  slides blog
Revolução industrial slides blog
Thays Vieira
 
Revolução Industrial 2020
Revolução Industrial 2020Revolução Industrial 2020
Transformações de um mundo industrial – desiguldades,
Transformações de um mundo industrial – desiguldades,Transformações de um mundo industrial – desiguldades,
Transformações de um mundo industrial – desiguldades,
Rodrigo Teixeira
 
slide 1 serie revolucoes da modernidade.pptx
slide 1 serie revolucoes da modernidade.pptxslide 1 serie revolucoes da modernidade.pptx
slide 1 serie revolucoes da modernidade.pptx
ssuserad6c92
 
Atividade 2 - 9º ano gabaritada
Atividade 2 - 9º ano gabaritadaAtividade 2 - 9º ano gabaritada
Atividade 2 - 9º ano gabaritada
Elisângela Martins Rodrigues
 
Geo Urb 4.pptx
Geo Urb 4.pptxGeo Urb 4.pptx
Geo Urb 4.pptx
vpcsilva
 

Semelhante a Unidade 8 burgueses proletários classes medias e camponeses (20)

As cidades se c xix final
As cidades se c xix finalAs cidades se c xix final
As cidades se c xix final
 
6 02 a sociedade industrial e urbana
6 02 a sociedade industrial e urbana6 02 a sociedade industrial e urbana
6 02 a sociedade industrial e urbana
 
O embate entre as correntes liberais e os socialismos no século XIX. http://b...
O embate entre as correntes liberais e os socialismos no século XIX. http://b...O embate entre as correntes liberais e os socialismos no século XIX. http://b...
O embate entre as correntes liberais e os socialismos no século XIX. http://b...
 
H1 o mundo industrializado
H1 o mundo industrializadoH1 o mundo industrializado
H1 o mundo industrializado
 
revolução industrial
revolução industrialrevolução industrial
revolução industrial
 
Indústria
IndústriaIndústria
Indústria
 
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"
 
A civilização industrial no século XIX
A civilização industrial no século XIXA civilização industrial no século XIX
A civilização industrial no século XIX
 
História 9ºano
História 9ºanoHistória 9ºano
História 9ºano
 
revolução agrícola
revolução agrícolarevolução agrícola
revolução agrícola
 
Educaosociedadeetrabalho 110906101528-phpapp01
Educaosociedadeetrabalho 110906101528-phpapp01Educaosociedadeetrabalho 110906101528-phpapp01
Educaosociedadeetrabalho 110906101528-phpapp01
 
Aula-12-As-revolucoes-da-modernidade.pptx
Aula-12-As-revolucoes-da-modernidade.pptxAula-12-As-revolucoes-da-modernidade.pptx
Aula-12-As-revolucoes-da-modernidade.pptx
 
A Cultura do Salão: tempo, espaço e local
A Cultura do Salão: tempo, espaço e localA Cultura do Salão: tempo, espaço e local
A Cultura do Salão: tempo, espaço e local
 
A cultura da gare
A cultura da gareA cultura da gare
A cultura da gare
 
Revolução industrial slides blog
Revolução industrial  slides blogRevolução industrial  slides blog
Revolução industrial slides blog
 
Revolução Industrial 2020
Revolução Industrial 2020Revolução Industrial 2020
Revolução Industrial 2020
 
Transformações de um mundo industrial – desiguldades,
Transformações de um mundo industrial – desiguldades,Transformações de um mundo industrial – desiguldades,
Transformações de um mundo industrial – desiguldades,
 
slide 1 serie revolucoes da modernidade.pptx
slide 1 serie revolucoes da modernidade.pptxslide 1 serie revolucoes da modernidade.pptx
slide 1 serie revolucoes da modernidade.pptx
 
Atividade 2 - 9º ano gabaritada
Atividade 2 - 9º ano gabaritadaAtividade 2 - 9º ano gabaritada
Atividade 2 - 9º ano gabaritada
 
Geo Urb 4.pptx
Geo Urb 4.pptxGeo Urb 4.pptx
Geo Urb 4.pptx
 

Mais de Vítor Santos

5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf
5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf
5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf
Vítor Santos
 
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
Vítor Santos
 
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf
Vítor Santos
 
10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf
10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf
10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf
Vítor Santos
 
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf
Vítor Santos
 
9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf
9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf
9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf
Vítor Santos
 
9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf
9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf
9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf
Vítor Santos
 
9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf
9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf
9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf
Vítor Santos
 
03_05 As novas representações da humanidade.pdf
03_05 As novas representações da humanidade.pdf03_05 As novas representações da humanidade.pdf
03_05 As novas representações da humanidade.pdf
Vítor Santos
 
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
Vítor Santos
 
03_03 A produção cultural.pdf
03_03 A produção cultural.pdf03_03 A produção cultural.pdf
03_03 A produção cultural.pdf
Vítor Santos
 
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
Vítor Santos
 
03_01 a geografia cultural europeia.pdf
03_01 a geografia cultural europeia.pdf03_01 a geografia cultural europeia.pdf
03_01 a geografia cultural europeia.pdf
Vítor Santos
 
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf
Vítor Santos
 
02_02_o espaço português.pdf
02_02_o espaço português.pdf02_02_o espaço português.pdf
02_02_o espaço português.pdf
Vítor Santos
 
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
Vítor Santos
 
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf
Vítor Santos
 
01_02_o_modelo_romano.pdf
01_02_o_modelo_romano.pdf01_02_o_modelo_romano.pdf
01_02_o_modelo_romano.pdf
Vítor Santos
 
01_01_o_modelo_ateniense.pdf
01_01_o_modelo_ateniense.pdf01_01_o_modelo_ateniense.pdf
01_01_o_modelo_ateniense.pdf
Vítor Santos
 
0_história_A.pdf
0_história_A.pdf0_história_A.pdf
0_história_A.pdf
Vítor Santos
 

Mais de Vítor Santos (20)

5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf
5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf
5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf
 
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
 
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf
 
10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf
10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf
10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf
 
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf
 
9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf
9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf
9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf
 
9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf
9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf
9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf
 
9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf
9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf
9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf
 
03_05 As novas representações da humanidade.pdf
03_05 As novas representações da humanidade.pdf03_05 As novas representações da humanidade.pdf
03_05 As novas representações da humanidade.pdf
 
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
 
03_03 A produção cultural.pdf
03_03 A produção cultural.pdf03_03 A produção cultural.pdf
03_03 A produção cultural.pdf
 
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
 
03_01 a geografia cultural europeia.pdf
03_01 a geografia cultural europeia.pdf03_01 a geografia cultural europeia.pdf
03_01 a geografia cultural europeia.pdf
 
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf
 
02_02_o espaço português.pdf
02_02_o espaço português.pdf02_02_o espaço português.pdf
02_02_o espaço português.pdf
 
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
 
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf
 
01_02_o_modelo_romano.pdf
01_02_o_modelo_romano.pdf01_02_o_modelo_romano.pdf
01_02_o_modelo_romano.pdf
 
01_01_o_modelo_ateniense.pdf
01_01_o_modelo_ateniense.pdf01_01_o_modelo_ateniense.pdf
01_01_o_modelo_ateniense.pdf
 
0_história_A.pdf
0_história_A.pdf0_história_A.pdf
0_história_A.pdf
 

Último

Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
katbrochier1
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
MarceloMonteiro213738
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
AlessandraRibas7
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
samucajaime015
 
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdfConcurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
TathyLopes1
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
ElinarioCosta
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
AdrianoMontagna1
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
HelenStefany
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
Manuais Formação
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
ANDRÉA FERREIRA
 

Último (20)

Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
 
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdfConcurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
 

Unidade 8 burgueses proletários classes medias e camponeses

  • 1. Burgueses, proletários, classes médias e camponeses http://divulgacaohistoria.wordpress.com/ 8º ano – Unidade 8
  • 2. As revoluções liberais 2 25 – Conhecer e compreender a evolução demográfica e urbana no século XIX. 1. Explicar as condições que conduziram a uma explosão demográfica nos países industrializados. 2. Relacionar esse impressionante crescimento demográfico e as transformações na economia com processos de intensificação de êxodo rural e de emigração. 3. Reconhecer que, exceção feita à Grã-Bretanha, no século XIX, a generalidade dos países que se industrializaram mantiveram percentagens muito significativas de população rural, apesar do crescimento do operariado. 4. Sublinhar o crescimento das cidades e da população urbana. 5. Relacionar o crescimento das cidades e da população urbana com as transformações demográficas e económicas do século XIX. 6. Referir processos de transformação do espaço urbano, sublinhando a crescente importância do urbanismo neste contexto.
  • 3. As revoluções liberais 3 26 – Conhecer e compreender o processo de afirmação da burguesia e crescimento das classes médias. 1. Descrever as características fundamentais da burguesia (comercial e financeira, industrial e agrícola) no século XIX. 2. Identificar os processos de fusão entre a burguesia emergente e parcelas significativas das elites tradicionais. 3. Descrever o processo de ampliação, melhoria da qualificação e reforço da qualidade de vida/autonomia de profissionais liberais, funcionários públicos e funcionários do sector privado. 4. Caracterizar os comportamentos das classes médias como sendo tendencialmente mais próximos dos da burguesia do que dos das classes populares.
  • 4. As revoluções liberais 4 27 – Conhecer e compreender a evolução do proletariado. 1. Descrever os processos de proletarização dos artesãos e dos trabalhadores das grandes manufaturas fruto da introdução das máquinas, da revogação da regulamentação corporativa e do aumento da concorrência por parte de trabalhadores recém-chegados das zonas rurais ou de outros países. 2. Descrever as condições-tipo de vida do operariado no século XIX. 3. Relacionar liberalismo económico e as crises do capitalismo com os baixos salários e a precariedade das condições de emprego. 4. Relacionar as condições de vida e de trabalho do proletariado com o surgimento de sindicatos e de formas de luta organizada. 5. Enumerar conquistas do movimento sindical. 6. Relacionar as condições de vida e de trabalho do proletariado com o surgimento das doutrinas socialistas. 7. Caracterizar sucintamente as propostas das doutrinas socialistas.
  • 5. H1 A industrialização da Europa 5 A explosão populacional
  • 6. H1 A industrialização da Europa 6 A partir do século XIX, para além dos progressos na higiene e na medicina, a produção agrícola aumentou, fruto dos adubos químicos, da mecanização e da revolução dos transportes; A combinação destes fatores vai provocar a explosão demográfica; No meio rural os empregos escasseiam pelo que se dá o êxodo rural em direção às cidades;
  • 7. H1 A industrialização da Europa 7 A população urbana aumentou consideravelmente, algumas cidades como Londres, Paris, Nova Iorque e Chicago ultrapassaram o milhão de habitantes; 1850 1885
  • 8. H1 A industrialização da Europa 8 Este grande crescimento populacional levou muitos europeus a emigrarem; Esta emigração dirigiu-se sobretudo para os Estados Unidos, Brasil, Canadá e Austrália; Milhões de europeus emigraram na segunda metade do século XIX; Os Estados Unidos receberam cerca de 20 milhões;
  • 9. H1 A industrialização da Europa 9 Existiam muitos contrastes nas cidades do século XIX;
  • 10. H1 A industrialização da Europa 10 No centro da cidade localizava-se a zona de negócios, onde se situavam a bolsa, as sedes dos bancos e das grandes empresas; As lojas de luxo e as casas de espetáculo; Ao redor do centro situava-se a zona residencial da burguesia, com espaçosas ruas e jardins; Na periferia situavam-se os bairros operários de ruas estreitas e muitas vezes sem condições de higiene;
  • 11. H1 A industrialização da Europa 11 No século XIX nas cidades iniciou-se um período de grandes transformações urbanísticas; Abriram-se grandes e largas avenidas; Os edifícios cresceram em altura; Construíram-se jardins e praças públicas; Criaram-se novas infraestruturas: esgotos, água canalizada, recolha de lixo, iluminação pública, transportes coletivos; Muitas destas inovações não chegaram aos bairros pobres;
  • 12. H1 A industrialização da Europa 12 As cidades eram cosmopolitas; Havia um tráfico intenso, de pessoas, carruagens e carroças; Existam lugares para a burguesia passear como jardins públicos ou para se divertir, como cafés, teatros, cabarés, etc. Os operários não tinham acesso a estes divertimentos;
  • 13. H1 A industrialização da Europa 13 O século XIX foi o século da burguesia; Banqueiros e proprietários de indústrias acumularam fortunas colossais; Surgem autênticas dinastias: Rothschild, Krupp, Rockefeller, Peugeot, etc.; A alta burguesia cultivava o luxo. Muitos, através do casamento, aliavam-se a antigas famílias da nobreza;
  • 14. H1 A industrialização da Europa 14 Desenvolve-se a classe média; Multiplicam-se os serviços, o setor terciário; Cresce uma pequena e média burguesia: pequenos empresários, médicos, advogados, professores, engenheiros, funcionários públicos, artistas, etc.; São os chamados “colarinhos brancos”; Este grupo, na sua maioria, era constituído por pessoas com estudos;
  • 15. H1 A industrialização da Europa 15 A classe operária ou proletariado nasceu com a Revolução Industrial; É um trabalhador que dispõe apenas da sua força de trabalho e dos seus familiares para garantir a sua subsistência a troco de um salário;
  • 16. H1 A industrialização da Europa 16 Numa época d liberalismo económico, os salários dependiam da lei da oferta e da procura, como havia muita oferta de mão-de-obra, os salários eram muito baixos; A miséria era uma constante; Os horários de trabalho de mais de 14 horas diárias eram frequentes; O trabalho infantil era comum;
  • 17. H1 A industrialização da Europa 17 Muitos operários revoltaram-se contra estas condições de trabalho e de vida extremamente duras; Primeiro em Inglaterra, e depois noutros países, surgiram manifestações espontâneas contra as fábricas e as máquinas; Muitas vezes estas manifestações eram reprimidas violentamente;
  • 18. H1 A industrialização da Europa 18 Em 1830, na Inglaterra surgem os primeiros sindicatos (Trade Unions); São associações de operários que lutam por melhores condições de trabalho; A sua principal forma de luta era a greve. Os patrões respondiam com o lock out (fechar temporariamente a empresa), despedindo ou reprimindo violentamente.
  • 19. H1 A industrialização da Europa 19 Alguns filósofos e pensadores imaginaram uma sociedade mais justa, onde não existisse a “exploração do homem pelo homem”; Karl Marx foi o principal pensador; Para ele a História era uma constante luta de classes entre exploradores e explorados: (escravos/senhores, burguesia/nobres, operários/burguesia);
  • 20. H1 A industrialização da Europa 20 Para ele o proletariado deveria combater a burguesia, tomar o poder, para construir, primeiro uma sociedade socialista e depois uma sociedade comunista, sem classes e por isso uma sociedade igualitária; Karl Marx e Friedrich Engels, publicaram em 1948, o Manifesto do Partido Comunista;
  • 21. H1 A industrialização da Europa 21 Em 1864, foi criada a Associação Internacional dos Trabalhadores (I Internacional), sob o lema “proletários de todos os países uni-vos”; Apoiados pelas doutrinas socialistas, os sindicatos lançaram poderosas lutas; No final do século conseguiram algumas vitórias como: melhoria de salários, descanso semanal; redução do horário de trabalho para 10 e depois 8 horas, proibição do trabalho para menores de 12 anos;
  • 22. As revoluções liberais 22 Bibliografia: Apresentação construída com base nos livros Diniz, Maria Emília, Tavares, Adérito, Caldeira, Arlindo M., História 8, Raiz Editora, 2012 Neto, Helena e outros, História 8, Santillana,2014