SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 10
Ficha Informativa/ Trabalho nº 1




   O século XVIII foi marcado pelo            crescimento demográfico, expansão do

comércio      colonial,   maior   dinamismo     produtivo   interno,   associado   ao

aperfeiçoamento/invenção científico-técnico – haveriam de conduzir, no final deste

período de tempo e a partir da Inglaterra, ao arranque de uma das revoluções mais

significativas da História, como conhecida como Revolução Industrial.


  Esta época deu origem a um desenvolvimento das classes populares e fiz crescer

a burguesia. Esta, esteve extraordinariamente activa a todos os campos de

actividade, impregnando-os com o individualismo, pragmatismo e racionalismo que

são apanágio da sua mentalidade. Associavam-se à aristocracia através de

casamentos e nos hábitos de vida. Em conjunto, nobres e alta burguesia formaram

as elites do Antigo Regime e, tiveram, nesta época, a sua “Idade de Ouro”,

beneficiados pelo enriquecimento geral da época. Os nobres, nos seus palacetes

citadinos ou nos seus castelos de campo, (modelos copiados do Palácio de

Versalhes) desenvolveram um estilo de vida requintado, como nas próprias cortes

(bailes, banquetes, caçadas, passeios, e saraus).


Nas mansões da aristocracia ou da burguesia, o salão passou a ser o centro da vida
social, dependência nobre, de amplas dimensões, faustosamente decorado e
mobilado. Aí se reunia a família após as refeições e tarefas do dia; ai se recebiam
as visitas mais solenes; e aí também se faziam reuniões mais alargadas por ocasião
de alguma festividade, banquete, baile ou outra efeméride. O crescente interesse
das elites pelas coisas do espírito tornou usuais as reuniões elegantes, realizadas
na privacidade dos palácios, que tinham como atracção principal a apresentação de
personalidades em voga: músicos, cantores de ópera, escritores, filósofos e
cientistas.
Assim, estes espaços privados e íntimos tornaram-se os centros da vida social,
cultural e artística, exercendo acção importante na divulgação das novidades
intelectuais e políticas, foi ai, que as ideias iluministas, aquelas que mais tarde
conduziram à Revolução Francesa, conheceram os seus primeiros passos.



Profª Carla Teixeira                                                         Página 1
Ficha Informativa/ Trabalho nº 1


                              A Revolução científica

Nos século XVII e XVIII verificou-se, na Europa, um tão grande e
importante desenvolvimento científico, sobretudo nos domínios da Matemática,
da Astronomia, da Física, da Química e da Medicina, que se pode falar de uma
verdadeira Revolução Científica.

Na origem desta revolução encontra-se o chamado Método Experimental ou
Científico que se baseia em cinco etapas:

observação;

§ levantamento de um problema;

§ formulação de uma hipótese;

§ experimentação;

§ conclusão e generalização (leis gerais).

É no séc. XVII que se afirma um novo paradigma científico que tenta explicar o
Mundo e os mistérios do universo através do critério da Razão, por oposição ao
pensamento mitológico e ao paradigma religioso.

Este processo, que prolonga a renovação renascentista, inicia-se a partir dos finais
do séc. XVI, devendo destacar-se figuras como Galileu Galilei, Francis Bacon, René
Descartes ou Isaac Newton, entre muitos outros.

Uma das maiores figuras deste tempo foi Galileu Galilei.




Profª Carla Teixeira                                                        Página 2
Ficha Informativa/ Trabalho nº 1




                Galileu Galilei nasceu em 15 de Fevereiro de 1564 na cidade de Pisa.
                Filho de Vicenzo Galilei e de Giulia Ammannati, herdou do pai um
                grande gosto pela música e uma enorme aptidão para a matemática,
                e da mãe um carácter forte e persistente. os 17 anos ingressou na
                Universidade de Pisa, para estudar Medicina, e aí permaneceu
                durante quatro anos, tendo abandonado em 1585 para se dedicar ao
                estudo da física, da astronomia e da matemática. A ciência moderna
                tem em Galileu , um dos seus pais. Galileu revolucionou a ciência,
                separando-a da magia. Esta união era comum até então,
                principalmente durante o período em que as explicações científicas
                eram baseadas em imposições religiosas. Com esta revolução, a
                metodologia científica mudou de 2 oque é”, para “como é”. Através
                do aperfeiçoamento do telescópio conseguiu observar melhor o
                universo, fazendo com isso diversas explorações do céu, trazendo
                informações totalmente novas para a época. Conseguiu descobrir as
                manchas solares, as montanhas da lua, alguns satélites de Júpiter e
                as várias estrelas da Via Láctea. Mas talvez o seu estudo que mais
                tenha tido divulgação foi a divulgação da Teoria Heliocêntrica.

                Em 1632, Galileu publicou “Dialogo Sopra i Due Massimi Sistemi del
                Mondo”, onde produzia uma conversa entre três personagens:
                Salviati, Sagredo e Simplicius. Nesta obra, Galileu afirmou que a
                terra girava em torno do sol, o que contrariava a teoria aceite pela
                Igreja Católica. Os Diálogos foram proibidos e Galileu foi
                interrogado diversas vezes. Apesar das ameaças de tortura, Galileu
                manteve as suas convicções sobre a teoria heliocêntrica, que
                segundo o Santo Ofício de Roma, era incompatível com a Sagrada
                Escritura. Galileu foi obrigado a negar a publicamente a teoria
                copernicana e condenado a viver em prisão domiciliária. Diz a lenda
                que, quando foi julgado por heresia, em 1633, e forçado a abjurar a
                sua crença de que a Terra se movia à volta do Sol, Galileu teria
                murmurado: "Eppur si muove" ("No entanto move-se").
                Morreu em 8 de Janeiro de 1642 em Arcetri, completamente cego




Profª Carla Teixeira                                                          Página 3
Ficha Informativa/ Trabalho nº 1



                                     Iluminismo:

No século XVIII, a elite intelectual europeia julgava-se a caminho de um futuro

melhor. Os brilhantes resultados obtidos pelo experimentalismo tinham conduzido

à convicção de que o raciocínio humano era um dom prodigioso, com potencialidades

quase ilimitadas.


O século XVIII é, por excelência, na Europa, o «século das Luzes». Como

movimento cultural, o iluminismo expressava uma nova forma de conceber o ser

humano, conferindo um inegável valor às faculdades intelectuais do homem.


A crença no valor da Razão como motor do progresso                         rapidamente

extravasou    o     campo   científico     para   se   aplicar   à   reflexão   sobre   o

funcionamento das sociedades em geral.Acreditava-se que a Razão seria a Luz

que igualaria a Humanidade. A razão crítica seria a principal responsável pela

condução do espírito em direcção às grandes verdades, que fariam do homem

um ser autónomo, pensante e actuante.


  Havia também, nesta época, um grande interesse pela educação e pela cultura,

que foi uma consequência da propagação do pensamento Iluminista. Os filósofos

iluministas (humanistas e racionalistas), consideravam a Ciência e todo o

conhecimento racional como motores do Progresso e construtores da Felicidade,

supremo objectivo da Humanidade. Consideravam, também, que só pela educação

seria possível levar os homens a entender os erros em que viviam.


Princípios defendidos pelos iluministas:


   •   Crença no valor da Razão( pensamento crítico) como forma de libertação do

       homem da ignorância


   •   Defesa da educação como forma de libertação das mentes , considerando-a

       como essencial ao progresso de um país


Profª Carla Teixeira                                                             Página 4
Ficha Informativa/ Trabalho nº 1

    •   Defesa da tolerância,igualdade social, progresso e bem estar como forma

        de atingir a felicidade




.




                   Responde às seguintes questões:

1-Observa a figura e lê a frase:


“O salão era o centro da vida social e cultural”




Profª Carla Teixeira                                                   Página 5
Ficha Informativa/ Trabalho nº 1

1-Explica a importância do salão no século XVIII.


_____________________________________________________________

_____________________________________________________________

_____________________________________________________________


2-Explica a importância de Galileu para o progresso científico.


_____________________________________________________________

_____________________________________________________________

_____________________________________________________________

_____________________________________________________________


3-Lê os documentos:


A razão está para o filósofo tal como a graça está para o cristão. A graça obriga o

cristão a agir; a razão obriga o filósofo... Ele gosta de saber os mais pequenos

detalhes e de aprofundar tudo o que de mal se adivinha; assim, olha como sendo um

princípio totalmente oposto ao progresso das luzes do espírito o facto de se limitar

somente à meditação e de acreditar que o homem não encontra a verdade senão no

fundo de si próprio. (...) O espírito filosófico é um espírito de observação e de

justiça      que   relaciona   tudo   com   os   seus   verdadeiros   princípios   (...).

O filósofo é, em suma, um homem honesto que age em todas as circunstâncias pela

razão e que junta a um espírito de reflexão e de justiça, os costumes e as qualidades

sociáveis.


                                                                              Diderot




Profª Carla Teixeira                                                        Página 6
Ficha Informativa/ Trabalho nº 1


As nossas esperanças sobre o estado futuro da espécie humana podem reduzir-se a

estes pontos importantes: a destruição da desigualdade entre os homens e,

finalmente,                    o                    seu                  aperfeiçoamento.

Chegará o momento em que o sol só iluminará homens livres que apenas obedecerão à

razão;       em   que     os   tiranos   e     os     escravos...   já    não   existirão.

Por uma escolha feliz, não só dos próprios conhecimentos mas também dos métodos

de os ensinar; pode instruir-se a massa inteira dum povo acerca de tudo o que os

homens têm necessidade de saber sobre economia, administração, indústria e

direito...        para         serem         senhores         de         si      próprios.

A igualdade de Instrução corrigiria a desigualdade das aptidões, assim como uma

legislação preventiva diminuiria a desigualdade das riquezas, aceleraria o progresso

das ciências e das artes, multiplicando os artistas num meio que lhes fosse favorável.

O efeito seria um aumento de bem-estar para todos.

                                                                                Condorcet




3.1-Indica os princípios iluministas defendidos nos documentos. Justifica com

expressões.

_____________________________________________________________

_____________________________________________________________

_____________________________________________________________

_____________________________________________________________

_____________________________________________________________

_____________________________________________________________

_____________________________________________________________

_____________________________________________________________

____________________________________________________________




Profª Carla Teixeira                                                            Página 7
Ficha Informativa/ Trabalho nº 1

4-Lê os documentos com as ideias defendidas por Rousseau , Montesquieu e

Voltaire.


        (...) sendo todo o homem livre e senhor de si próprio, ninguém pode sob qualquer pretexto
 submetê-lo contra a sua vontade. Decidir que um filho de escravo nasça escravo, é decidir que ele
                                                                                não nasça homem.
        (...) O cidadão aceita todas as leis, mesmo aquelas que o contrariam e mesmo aquelas que o
       castigam quando ele violar alguma. A escolha consciente de todos os membros do estado é a
                                                         vontade geral; é essa que deve prevalecer.
   (…) É este o problema fundamental a que o contrato social dá solução. (...) O governo recebe do
   soberano as ordens que ele dá ao povo, e para que o Estado esteja num bom equilíbrio é preciso,
       com todas as compensações, que haja uma igualdade entre o produto ou o poder do governo
       tomado em si próprio e o produto ou o poder dos cidadãos, que são soberanos por um lado e
                                                                               súbditos por outro.


                                                  Jean-Jacques Rousseau, o Contrato Social, 1762




  Não é ao homem que eu me dirijo, é a ti, Deus de todos os seres de todos os mundos e
                                                                          de todos os tempos...
         Tu não nos deste um coração para odiar e mãos para matarem: faz com que nos
     ajudemos a suportar mutuamente o fardo de uma vida penosa e passageira; que as
      pequenas diferenças, entre as vestes que cobrem os nossos pobres corpos, entre os
  nossos costumes ridículos, entre todas as nossas leis imperfeitas, entre todas as nossas
  opiniões insensatas, que distinguem os átomos chamados homens, não sejam sinal de
   ódio e perseguição; que todos aqueles que acendem círios em pleno meio-dia para te
  louvar, suportem os que se contentam com a luz do teu sol; os que se cobrem com um
       pano branco para dizerem que é necessário amar-te, não detestem os que dizem a
                                                   mesma coisa sob um manto de lã negra...


                                                    Voltaire, in Traité sur Ia Tolérance, 1763




Profª Carla Teixeira                                                                   Página 8
Ficha Informativa/ Trabalho nº 1

 Quando na mesma pessoa ou no mesmo órgão políticos o poder legislativo está
 reunido com o poder executivo não há liberdade. Também não há liberdade se o
 poder judicial não estiver separado dos poderes legislativo e executivo.

 Montesquieu, O espírito das Leis




4-Preenche o quadro:


Nome do filósofo              Obra                 Princípios defendidos

                         Contrato Social




   Montesquieu




                        Tratado sobre a

                           Tolerância




Profª Carla Teixeira                                                        Página 9
Ficha Informativa/ Trabalho nº 1




Profª Carla Teixeira                                      Página 10

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Arte em Portugal finais seculo xix
Arte em Portugal finais seculo xixArte em Portugal finais seculo xix
Arte em Portugal finais seculo xixAna Barreiros
 
A Crise do Séc. XIV
A Crise do Séc. XIVA Crise do Séc. XIV
A Crise do Séc. XIVCarlos Vieira
 
Pintura e escultura em Portugal nos finais do século XIX
Pintura e escultura em Portugal nos finais do século XIXPintura e escultura em Portugal nos finais do século XIX
Pintura e escultura em Portugal nos finais do século XIXCarlos Pinheiro
 
Palácio da Pena
Palácio da PenaPalácio da Pena
Palácio da Penahcaslides
 
Baixa Pombalina
Baixa PombalinaBaixa Pombalina
Baixa Pombalinahcaslides
 
O renascimento italiano
O renascimento italianoO renascimento italiano
O renascimento italianoSusana Simões
 
A Pintura Renascentista
A Pintura RenascentistaA Pintura Renascentista
A Pintura RenascentistaSusana Simões
 
Palácio da Pena - caso prático
Palácio da Pena - caso práticoPalácio da Pena - caso prático
Palácio da Pena - caso práticoHca Faro
 
A cultura do cinema
A cultura do cinemaA cultura do cinema
A cultura do cinemaTekas1967
 
Revolução soviética – ficha de trabalho e correção
Revolução soviética – ficha de trabalho  e correçãoRevolução soviética – ficha de trabalho  e correção
Revolução soviética – ficha de trabalho e correçãoMaria Gomes
 
Arte barroca
Arte barrocaArte barroca
Arte barrocacattonia
 
Pintura e escultura do romantismo
Pintura e escultura do romantismoPintura e escultura do romantismo
Pintura e escultura do romantismoAna Barreiros
 
Módulo 6 contextualização
Módulo 6   contextualizaçãoMódulo 6   contextualização
Módulo 6 contextualizaçãoCarla Freitas
 
Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"Ana Barreiros
 
1 teste 9ano_com_correção
1 teste 9ano_com_correção1 teste 9ano_com_correção
1 teste 9ano_com_correçãoIvone Schofield
 
Transformações socioculturais dos inícios do século XX
Transformações socioculturais dos inícios do século XXTransformações socioculturais dos inícios do século XX
Transformações socioculturais dos inícios do século XXTeresa Maia
 

Mais procurados (20)

Arte em Portugal finais seculo xix
Arte em Portugal finais seculo xixArte em Portugal finais seculo xix
Arte em Portugal finais seculo xix
 
A Crise do Séc. XIV
A Crise do Séc. XIVA Crise do Séc. XIV
A Crise do Séc. XIV
 
Pintura e escultura em Portugal nos finais do século XIX
Pintura e escultura em Portugal nos finais do século XIXPintura e escultura em Portugal nos finais do século XIX
Pintura e escultura em Portugal nos finais do século XIX
 
Palácio da Pena
Palácio da PenaPalácio da Pena
Palácio da Pena
 
Baixa Pombalina
Baixa PombalinaBaixa Pombalina
Baixa Pombalina
 
O renascimento italiano
O renascimento italianoO renascimento italiano
O renascimento italiano
 
A Pintura Renascentista
A Pintura RenascentistaA Pintura Renascentista
A Pintura Renascentista
 
Palácio da Pena - caso prático
Palácio da Pena - caso práticoPalácio da Pena - caso prático
Palácio da Pena - caso prático
 
A cultura do cinema
A cultura do cinemaA cultura do cinema
A cultura do cinema
 
Revolução soviética – ficha de trabalho e correção
Revolução soviética – ficha de trabalho  e correçãoRevolução soviética – ficha de trabalho  e correção
Revolução soviética – ficha de trabalho e correção
 
Manuelino
ManuelinoManuelino
Manuelino
 
Arte barroca
Arte barrocaArte barroca
Arte barroca
 
Pintura e escultura do romantismo
Pintura e escultura do romantismoPintura e escultura do romantismo
Pintura e escultura do romantismo
 
Módulo 6 contextualização
Módulo 6   contextualizaçãoMódulo 6   contextualização
Módulo 6 contextualização
 
Cultura do palco
Cultura do palcoCultura do palco
Cultura do palco
 
O Antigo Regime
O Antigo RegimeO Antigo Regime
O Antigo Regime
 
Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"
 
1 teste 9ano_com_correção
1 teste 9ano_com_correção1 teste 9ano_com_correção
1 teste 9ano_com_correção
 
História A - módulo 3, 4 e 6
História A - módulo 3, 4 e 6História A - módulo 3, 4 e 6
História A - módulo 3, 4 e 6
 
Transformações socioculturais dos inícios do século XX
Transformações socioculturais dos inícios do século XXTransformações socioculturais dos inícios do século XX
Transformações socioculturais dos inícios do século XX
 

Destaque

A arquitectura civil românica
A arquitectura civil românicaA arquitectura civil românica
A arquitectura civil românicaCarla Teixeira
 
Ficha 1 cultura da catedral- sociedade e cruzadas
Ficha 1  cultura da catedral- sociedade e cruzadasFicha 1  cultura da catedral- sociedade e cruzadas
Ficha 1 cultura da catedral- sociedade e cruzadasCarla Teixeira
 
A cultura do palco ficha 1
A cultura do palco  ficha 1A cultura do palco  ficha 1
A cultura do palco ficha 1Carla Teixeira
 
O desevolvimento cmoercial parte 2
O desevolvimento cmoercial parte 2O desevolvimento cmoercial parte 2
O desevolvimento cmoercial parte 2Carla Teixeira
 
Revolução francesa parte 3
Revolução francesa parte 3Revolução francesa parte 3
Revolução francesa parte 3Carla Teixeira
 
A sociedade do antigo regime
A sociedade do antigo regimeA sociedade do antigo regime
A sociedade do antigo regimeCarla Teixeira
 
A sociedade medieval parte 2
A sociedade medieval parte 2A sociedade medieval parte 2
A sociedade medieval parte 2Carla Teixeira
 
A cultura do palco ficha 2
A cultura do palco  ficha 2A cultura do palco  ficha 2
A cultura do palco ficha 2Carla Teixeira
 
Ficha de trabalho cultura do salão
Ficha de trabalho  cultura do salãoFicha de trabalho  cultura do salão
Ficha de trabalho cultura do salãoCarla Teixeira
 
Ficha 4 arquitectura civil
Ficha 4  arquitectura civilFicha 4  arquitectura civil
Ficha 4 arquitectura civilCarla Teixeira
 
Crescimento económico parte 1
Crescimento económico  parte 1Crescimento económico  parte 1
Crescimento económico parte 1Carla Teixeira
 
Cultura medieval parte 2
Cultura medieval parte 2Cultura medieval parte 2
Cultura medieval parte 2Carla Teixeira
 
A sociedade medieval parte 3
A sociedade medieval parte 3A sociedade medieval parte 3
A sociedade medieval parte 3Carla Teixeira
 
A crise do século xiv parte 1
A crise do século xiv parte 1A crise do século xiv parte 1
A crise do século xiv parte 1Carla Teixeira
 
A sociedade do antigo regime parte 2
A sociedade do antigo regime  parte 2A sociedade do antigo regime  parte 2
A sociedade do antigo regime parte 2Carla Teixeira
 

Destaque (20)

A arquitectura civil românica
A arquitectura civil românicaA arquitectura civil românica
A arquitectura civil românica
 
Ficha 1 cultura da catedral- sociedade e cruzadas
Ficha 1  cultura da catedral- sociedade e cruzadasFicha 1  cultura da catedral- sociedade e cruzadas
Ficha 1 cultura da catedral- sociedade e cruzadas
 
Ficha 3 módulo 4
Ficha 3  módulo 4Ficha 3  módulo 4
Ficha 3 módulo 4
 
Barroco3
Barroco3Barroco3
Barroco3
 
A cultura do palco ficha 1
A cultura do palco  ficha 1A cultura do palco  ficha 1
A cultura do palco ficha 1
 
O desevolvimento cmoercial parte 2
O desevolvimento cmoercial parte 2O desevolvimento cmoercial parte 2
O desevolvimento cmoercial parte 2
 
Revolução francesa parte 3
Revolução francesa parte 3Revolução francesa parte 3
Revolução francesa parte 3
 
Cultura popular
Cultura popularCultura popular
Cultura popular
 
A sociedade do antigo regime
A sociedade do antigo regimeA sociedade do antigo regime
A sociedade do antigo regime
 
A sociedade medieval parte 2
A sociedade medieval parte 2A sociedade medieval parte 2
A sociedade medieval parte 2
 
Absolutismo 1
Absolutismo 1Absolutismo 1
Absolutismo 1
 
Barroco 2
Barroco 2Barroco 2
Barroco 2
 
A cultura do palco ficha 2
A cultura do palco  ficha 2A cultura do palco  ficha 2
A cultura do palco ficha 2
 
Ficha de trabalho cultura do salão
Ficha de trabalho  cultura do salãoFicha de trabalho  cultura do salão
Ficha de trabalho cultura do salão
 
Ficha 4 arquitectura civil
Ficha 4  arquitectura civilFicha 4  arquitectura civil
Ficha 4 arquitectura civil
 
Crescimento económico parte 1
Crescimento económico  parte 1Crescimento económico  parte 1
Crescimento económico parte 1
 
Cultura medieval parte 2
Cultura medieval parte 2Cultura medieval parte 2
Cultura medieval parte 2
 
A sociedade medieval parte 3
A sociedade medieval parte 3A sociedade medieval parte 3
A sociedade medieval parte 3
 
A crise do século xiv parte 1
A crise do século xiv parte 1A crise do século xiv parte 1
A crise do século xiv parte 1
 
A sociedade do antigo regime parte 2
A sociedade do antigo regime  parte 2A sociedade do antigo regime  parte 2
A sociedade do antigo regime parte 2
 

Semelhante a Ficha de trabalho nº 1

A prática científica e a religião durante o Empirismo e o Iluminismo.
A prática científica e a religião durante o Empirismo e o Iluminismo.A prática científica e a religião durante o Empirismo e o Iluminismo.
A prática científica e a religião durante o Empirismo e o Iluminismo.Carlos Ribeiro
 
revolução cientifica - iluminismo.pdf
revolução cientifica - iluminismo.pdfrevolução cientifica - iluminismo.pdf
revolução cientifica - iluminismo.pdfCarla Silva
 
Politica Social Pombalina e a Revolução Americana.docx
Politica Social Pombalina e a Revolução Americana.docxPolitica Social Pombalina e a Revolução Americana.docx
Politica Social Pombalina e a Revolução Americana.docxMatildeGonalves23
 
A Ciência Através dos Tempos
A Ciência Através dos TemposA Ciência Através dos Tempos
A Ciência Através dos TemposLucas Campos
 
A revolução cientifica
A revolução cientificaA revolução cientifica
A revolução cientificaTiago Simoes
 
O que é divulgação científica? - Henrique César da Silva
O que é divulgação científica? - Henrique César da SilvaO que é divulgação científica? - Henrique César da Silva
O que é divulgação científica? - Henrique César da SilvaCleberson Moura
 
Método nas Ciências - Linda Tavares
Método nas Ciências - Linda TavaresMétodo nas Ciências - Linda Tavares
Método nas Ciências - Linda Tavaresgrupoppga
 
Lavoisier e a ciencia no iluminismo braga,freitas,guerra,reis.
Lavoisier e a ciencia no iluminismo   braga,freitas,guerra,reis.Lavoisier e a ciencia no iluminismo   braga,freitas,guerra,reis.
Lavoisier e a ciencia no iluminismo braga,freitas,guerra,reis.Jussaney Ranielly Godoy
 
As causas da revolução francesa
As causas da revolução francesaAs causas da revolução francesa
As causas da revolução francesastcnsaidjv
 
A Revolução Científica
A Revolução CientíficaA Revolução Científica
A Revolução CientíficaRui Neto
 
Paradigmas do Pensamento Ocidental
Paradigmas do Pensamento OcidentalParadigmas do Pensamento Ocidental
Paradigmas do Pensamento OcidentalAlan
 
Renascimento cientifico
Renascimento cientificoRenascimento cientifico
Renascimento cientificoSamuel Moura
 
I O Iluminismo FrancêS, Voltaire – Montesquieu –
I  O Iluminismo FrancêS, Voltaire – Montesquieu –I  O Iluminismo FrancêS, Voltaire – Montesquieu –
I O Iluminismo FrancêS, Voltaire – Montesquieu –Professores História
 
I O Iluminismo FrancêS, Voltaire – Montesquieu –
I  O Iluminismo FrancêS, Voltaire – Montesquieu –I  O Iluminismo FrancêS, Voltaire – Montesquieu –
I O Iluminismo FrancêS, Voltaire – Montesquieu –Professores História
 

Semelhante a Ficha de trabalho nº 1 (20)

A prática científica e a religião durante o Empirismo e o Iluminismo.
A prática científica e a religião durante o Empirismo e o Iluminismo.A prática científica e a religião durante o Empirismo e o Iluminismo.
A prática científica e a religião durante o Empirismo e o Iluminismo.
 
revolução cientifica - iluminismo.pdf
revolução cientifica - iluminismo.pdfrevolução cientifica - iluminismo.pdf
revolução cientifica - iluminismo.pdf
 
Politica Social Pombalina e a Revolução Americana.docx
Politica Social Pombalina e a Revolução Americana.docxPolitica Social Pombalina e a Revolução Americana.docx
Politica Social Pombalina e a Revolução Americana.docx
 
A Ciência Através dos Tempos
A Ciência Através dos TemposA Ciência Através dos Tempos
A Ciência Através dos Tempos
 
A revolução cientifica
A revolução cientificaA revolução cientifica
A revolução cientifica
 
39 319-1-pb (1)
39 319-1-pb (1)39 319-1-pb (1)
39 319-1-pb (1)
 
O que é divulgação científica? - Henrique César da Silva
O que é divulgação científica? - Henrique César da SilvaO que é divulgação científica? - Henrique César da Silva
O que é divulgação científica? - Henrique César da Silva
 
3ªaula
3ªaula3ªaula
3ªaula
 
3ªaula
3ªaula3ªaula
3ªaula
 
Método nas Ciências - Linda Tavares
Método nas Ciências - Linda TavaresMétodo nas Ciências - Linda Tavares
Método nas Ciências - Linda Tavares
 
O Renascimento
O RenascimentoO Renascimento
O Renascimento
 
Lavoisier e a ciencia no iluminismo braga,freitas,guerra,reis.
Lavoisier e a ciencia no iluminismo   braga,freitas,guerra,reis.Lavoisier e a ciencia no iluminismo   braga,freitas,guerra,reis.
Lavoisier e a ciencia no iluminismo braga,freitas,guerra,reis.
 
Sociologia introdução fundamentos e bases
Sociologia introdução fundamentos e basesSociologia introdução fundamentos e bases
Sociologia introdução fundamentos e bases
 
As causas da revolução francesa
As causas da revolução francesaAs causas da revolução francesa
As causas da revolução francesa
 
A Revolução Científica
A Revolução CientíficaA Revolução Científica
A Revolução Científica
 
Paradigmas do Pensamento Ocidental
Paradigmas do Pensamento OcidentalParadigmas do Pensamento Ocidental
Paradigmas do Pensamento Ocidental
 
3ªaula
3ªaula3ªaula
3ªaula
 
Renascimento cientifico
Renascimento cientificoRenascimento cientifico
Renascimento cientifico
 
I O Iluminismo FrancêS, Voltaire – Montesquieu –
I  O Iluminismo FrancêS, Voltaire – Montesquieu –I  O Iluminismo FrancêS, Voltaire – Montesquieu –
I O Iluminismo FrancêS, Voltaire – Montesquieu –
 
I O Iluminismo FrancêS, Voltaire – Montesquieu –
I  O Iluminismo FrancêS, Voltaire – Montesquieu –I  O Iluminismo FrancêS, Voltaire – Montesquieu –
I O Iluminismo FrancêS, Voltaire – Montesquieu –
 

Mais de Carla Teixeira

A civilização industrial no séc XIX.ppt
A civilização industrial no séc XIX.pptA civilização industrial no séc XIX.ppt
A civilização industrial no séc XIX.pptCarla Teixeira
 
1-guerra-mundial-esic.ppt
1-guerra-mundial-esic.ppt1-guerra-mundial-esic.ppt
1-guerra-mundial-esic.pptCarla Teixeira
 
a polis no mundo grego.ppt
a polis no mundo grego.ppta polis no mundo grego.ppt
a polis no mundo grego.pptCarla Teixeira
 
O tempo das reformas religiosas parte 1
O tempo das reformas religiosas parte 1O tempo das reformas religiosas parte 1
O tempo das reformas religiosas parte 1Carla Teixeira
 
Arte renascentista parte 3
Arte renascentista  parte 3Arte renascentista  parte 3
Arte renascentista parte 3Carla Teixeira
 
A reforma religiosa parte 2
A reforma religiosa  parte 2A reforma religiosa  parte 2
A reforma religiosa parte 2Carla Teixeira
 
A reforma católica e a contra reforma- parte 1
A reforma católica e a contra  reforma- parte 1A reforma católica e a contra  reforma- parte 1
A reforma católica e a contra reforma- parte 1Carla Teixeira
 
A contra reforma parte 3
A contra reforma  parte 3A contra reforma  parte 3
A contra reforma parte 3Carla Teixeira
 
A contra reforma parte 2
A contra reforma   parte 2A contra reforma   parte 2
A contra reforma parte 2Carla Teixeira
 
A arte renascentista parte 2
A arte renascentista parte 2A arte renascentista parte 2
A arte renascentista parte 2Carla Teixeira
 
O rococó e o neoclássico parte 1
O rococó e o neoclássico parte 1O rococó e o neoclássico parte 1
O rococó e o neoclássico parte 1Carla Teixeira
 
Revolução francesa módulo 7
Revolução francesa  módulo 7Revolução francesa  módulo 7
Revolução francesa módulo 7Carla Teixeira
 
Revolução francesa módulo 7
Revolução francesa  módulo 7Revolução francesa  módulo 7
Revolução francesa módulo 7Carla Teixeira
 
Revolução francesa 2
Revolução francesa 2Revolução francesa 2
Revolução francesa 2Carla Teixeira
 
Revolução francesa 2
Revolução francesa 2Revolução francesa 2
Revolução francesa 2Carla Teixeira
 
Da rev cient ao iluminismo parte 2
Da rev cient ao iluminismo parte 2Da rev cient ao iluminismo parte 2
Da rev cient ao iluminismo parte 2Carla Teixeira
 
Da rev cient ao iluminismo
Da rev cient ao iluminismoDa rev cient ao iluminismo
Da rev cient ao iluminismoCarla Teixeira
 

Mais de Carla Teixeira (20)

A civilização industrial no séc XIX.ppt
A civilização industrial no séc XIX.pptA civilização industrial no séc XIX.ppt
A civilização industrial no séc XIX.ppt
 
1-guerra-mundial-esic.ppt
1-guerra-mundial-esic.ppt1-guerra-mundial-esic.ppt
1-guerra-mundial-esic.ppt
 
a polis no mundo grego.ppt
a polis no mundo grego.ppta polis no mundo grego.ppt
a polis no mundo grego.ppt
 
O tempo das reformas religiosas parte 1
O tempo das reformas religiosas parte 1O tempo das reformas religiosas parte 1
O tempo das reformas religiosas parte 1
 
Arte renascentista parte 3
Arte renascentista  parte 3Arte renascentista  parte 3
Arte renascentista parte 3
 
Arte renascentista
Arte renascentistaArte renascentista
Arte renascentista
 
A reforma religiosa parte 2
A reforma religiosa  parte 2A reforma religiosa  parte 2
A reforma religiosa parte 2
 
A reforma católica e a contra reforma- parte 1
A reforma católica e a contra  reforma- parte 1A reforma católica e a contra  reforma- parte 1
A reforma católica e a contra reforma- parte 1
 
A contra reforma parte 3
A contra reforma  parte 3A contra reforma  parte 3
A contra reforma parte 3
 
A contra reforma parte 2
A contra reforma   parte 2A contra reforma   parte 2
A contra reforma parte 2
 
A arte renascentista parte 2
A arte renascentista parte 2A arte renascentista parte 2
A arte renascentista parte 2
 
O rococó e o neoclássico parte 1
O rococó e o neoclássico parte 1O rococó e o neoclássico parte 1
O rococó e o neoclássico parte 1
 
Neoclássico parte 2
Neoclássico parte 2Neoclássico parte 2
Neoclássico parte 2
 
Neoclássico parte3
Neoclássico parte3Neoclássico parte3
Neoclássico parte3
 
Revolução francesa módulo 7
Revolução francesa  módulo 7Revolução francesa  módulo 7
Revolução francesa módulo 7
 
Revolução francesa módulo 7
Revolução francesa  módulo 7Revolução francesa  módulo 7
Revolução francesa módulo 7
 
Revolução francesa 2
Revolução francesa 2Revolução francesa 2
Revolução francesa 2
 
Revolução francesa 2
Revolução francesa 2Revolução francesa 2
Revolução francesa 2
 
Da rev cient ao iluminismo parte 2
Da rev cient ao iluminismo parte 2Da rev cient ao iluminismo parte 2
Da rev cient ao iluminismo parte 2
 
Da rev cient ao iluminismo
Da rev cient ao iluminismoDa rev cient ao iluminismo
Da rev cient ao iluminismo
 

Ficha de trabalho nº 1

  • 1. Ficha Informativa/ Trabalho nº 1 O século XVIII foi marcado pelo crescimento demográfico, expansão do comércio colonial, maior dinamismo produtivo interno, associado ao aperfeiçoamento/invenção científico-técnico – haveriam de conduzir, no final deste período de tempo e a partir da Inglaterra, ao arranque de uma das revoluções mais significativas da História, como conhecida como Revolução Industrial. Esta época deu origem a um desenvolvimento das classes populares e fiz crescer a burguesia. Esta, esteve extraordinariamente activa a todos os campos de actividade, impregnando-os com o individualismo, pragmatismo e racionalismo que são apanágio da sua mentalidade. Associavam-se à aristocracia através de casamentos e nos hábitos de vida. Em conjunto, nobres e alta burguesia formaram as elites do Antigo Regime e, tiveram, nesta época, a sua “Idade de Ouro”, beneficiados pelo enriquecimento geral da época. Os nobres, nos seus palacetes citadinos ou nos seus castelos de campo, (modelos copiados do Palácio de Versalhes) desenvolveram um estilo de vida requintado, como nas próprias cortes (bailes, banquetes, caçadas, passeios, e saraus). Nas mansões da aristocracia ou da burguesia, o salão passou a ser o centro da vida social, dependência nobre, de amplas dimensões, faustosamente decorado e mobilado. Aí se reunia a família após as refeições e tarefas do dia; ai se recebiam as visitas mais solenes; e aí também se faziam reuniões mais alargadas por ocasião de alguma festividade, banquete, baile ou outra efeméride. O crescente interesse das elites pelas coisas do espírito tornou usuais as reuniões elegantes, realizadas na privacidade dos palácios, que tinham como atracção principal a apresentação de personalidades em voga: músicos, cantores de ópera, escritores, filósofos e cientistas. Assim, estes espaços privados e íntimos tornaram-se os centros da vida social, cultural e artística, exercendo acção importante na divulgação das novidades intelectuais e políticas, foi ai, que as ideias iluministas, aquelas que mais tarde conduziram à Revolução Francesa, conheceram os seus primeiros passos. Profª Carla Teixeira Página 1
  • 2. Ficha Informativa/ Trabalho nº 1 A Revolução científica Nos século XVII e XVIII verificou-se, na Europa, um tão grande e importante desenvolvimento científico, sobretudo nos domínios da Matemática, da Astronomia, da Física, da Química e da Medicina, que se pode falar de uma verdadeira Revolução Científica. Na origem desta revolução encontra-se o chamado Método Experimental ou Científico que se baseia em cinco etapas: observação; § levantamento de um problema; § formulação de uma hipótese; § experimentação; § conclusão e generalização (leis gerais). É no séc. XVII que se afirma um novo paradigma científico que tenta explicar o Mundo e os mistérios do universo através do critério da Razão, por oposição ao pensamento mitológico e ao paradigma religioso. Este processo, que prolonga a renovação renascentista, inicia-se a partir dos finais do séc. XVI, devendo destacar-se figuras como Galileu Galilei, Francis Bacon, René Descartes ou Isaac Newton, entre muitos outros. Uma das maiores figuras deste tempo foi Galileu Galilei. Profª Carla Teixeira Página 2
  • 3. Ficha Informativa/ Trabalho nº 1 Galileu Galilei nasceu em 15 de Fevereiro de 1564 na cidade de Pisa. Filho de Vicenzo Galilei e de Giulia Ammannati, herdou do pai um grande gosto pela música e uma enorme aptidão para a matemática, e da mãe um carácter forte e persistente. os 17 anos ingressou na Universidade de Pisa, para estudar Medicina, e aí permaneceu durante quatro anos, tendo abandonado em 1585 para se dedicar ao estudo da física, da astronomia e da matemática. A ciência moderna tem em Galileu , um dos seus pais. Galileu revolucionou a ciência, separando-a da magia. Esta união era comum até então, principalmente durante o período em que as explicações científicas eram baseadas em imposições religiosas. Com esta revolução, a metodologia científica mudou de 2 oque é”, para “como é”. Através do aperfeiçoamento do telescópio conseguiu observar melhor o universo, fazendo com isso diversas explorações do céu, trazendo informações totalmente novas para a época. Conseguiu descobrir as manchas solares, as montanhas da lua, alguns satélites de Júpiter e as várias estrelas da Via Láctea. Mas talvez o seu estudo que mais tenha tido divulgação foi a divulgação da Teoria Heliocêntrica. Em 1632, Galileu publicou “Dialogo Sopra i Due Massimi Sistemi del Mondo”, onde produzia uma conversa entre três personagens: Salviati, Sagredo e Simplicius. Nesta obra, Galileu afirmou que a terra girava em torno do sol, o que contrariava a teoria aceite pela Igreja Católica. Os Diálogos foram proibidos e Galileu foi interrogado diversas vezes. Apesar das ameaças de tortura, Galileu manteve as suas convicções sobre a teoria heliocêntrica, que segundo o Santo Ofício de Roma, era incompatível com a Sagrada Escritura. Galileu foi obrigado a negar a publicamente a teoria copernicana e condenado a viver em prisão domiciliária. Diz a lenda que, quando foi julgado por heresia, em 1633, e forçado a abjurar a sua crença de que a Terra se movia à volta do Sol, Galileu teria murmurado: "Eppur si muove" ("No entanto move-se"). Morreu em 8 de Janeiro de 1642 em Arcetri, completamente cego Profª Carla Teixeira Página 3
  • 4. Ficha Informativa/ Trabalho nº 1 Iluminismo: No século XVIII, a elite intelectual europeia julgava-se a caminho de um futuro melhor. Os brilhantes resultados obtidos pelo experimentalismo tinham conduzido à convicção de que o raciocínio humano era um dom prodigioso, com potencialidades quase ilimitadas. O século XVIII é, por excelência, na Europa, o «século das Luzes». Como movimento cultural, o iluminismo expressava uma nova forma de conceber o ser humano, conferindo um inegável valor às faculdades intelectuais do homem. A crença no valor da Razão como motor do progresso rapidamente extravasou o campo científico para se aplicar à reflexão sobre o funcionamento das sociedades em geral.Acreditava-se que a Razão seria a Luz que igualaria a Humanidade. A razão crítica seria a principal responsável pela condução do espírito em direcção às grandes verdades, que fariam do homem um ser autónomo, pensante e actuante. Havia também, nesta época, um grande interesse pela educação e pela cultura, que foi uma consequência da propagação do pensamento Iluminista. Os filósofos iluministas (humanistas e racionalistas), consideravam a Ciência e todo o conhecimento racional como motores do Progresso e construtores da Felicidade, supremo objectivo da Humanidade. Consideravam, também, que só pela educação seria possível levar os homens a entender os erros em que viviam. Princípios defendidos pelos iluministas: • Crença no valor da Razão( pensamento crítico) como forma de libertação do homem da ignorância • Defesa da educação como forma de libertação das mentes , considerando-a como essencial ao progresso de um país Profª Carla Teixeira Página 4
  • 5. Ficha Informativa/ Trabalho nº 1 • Defesa da tolerância,igualdade social, progresso e bem estar como forma de atingir a felicidade . Responde às seguintes questões: 1-Observa a figura e lê a frase: “O salão era o centro da vida social e cultural” Profª Carla Teixeira Página 5
  • 6. Ficha Informativa/ Trabalho nº 1 1-Explica a importância do salão no século XVIII. _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ 2-Explica a importância de Galileu para o progresso científico. _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ 3-Lê os documentos: A razão está para o filósofo tal como a graça está para o cristão. A graça obriga o cristão a agir; a razão obriga o filósofo... Ele gosta de saber os mais pequenos detalhes e de aprofundar tudo o que de mal se adivinha; assim, olha como sendo um princípio totalmente oposto ao progresso das luzes do espírito o facto de se limitar somente à meditação e de acreditar que o homem não encontra a verdade senão no fundo de si próprio. (...) O espírito filosófico é um espírito de observação e de justiça que relaciona tudo com os seus verdadeiros princípios (...). O filósofo é, em suma, um homem honesto que age em todas as circunstâncias pela razão e que junta a um espírito de reflexão e de justiça, os costumes e as qualidades sociáveis. Diderot Profª Carla Teixeira Página 6
  • 7. Ficha Informativa/ Trabalho nº 1 As nossas esperanças sobre o estado futuro da espécie humana podem reduzir-se a estes pontos importantes: a destruição da desigualdade entre os homens e, finalmente, o seu aperfeiçoamento. Chegará o momento em que o sol só iluminará homens livres que apenas obedecerão à razão; em que os tiranos e os escravos... já não existirão. Por uma escolha feliz, não só dos próprios conhecimentos mas também dos métodos de os ensinar; pode instruir-se a massa inteira dum povo acerca de tudo o que os homens têm necessidade de saber sobre economia, administração, indústria e direito... para serem senhores de si próprios. A igualdade de Instrução corrigiria a desigualdade das aptidões, assim como uma legislação preventiva diminuiria a desigualdade das riquezas, aceleraria o progresso das ciências e das artes, multiplicando os artistas num meio que lhes fosse favorável. O efeito seria um aumento de bem-estar para todos. Condorcet 3.1-Indica os princípios iluministas defendidos nos documentos. Justifica com expressões. _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ ____________________________________________________________ Profª Carla Teixeira Página 7
  • 8. Ficha Informativa/ Trabalho nº 1 4-Lê os documentos com as ideias defendidas por Rousseau , Montesquieu e Voltaire. (...) sendo todo o homem livre e senhor de si próprio, ninguém pode sob qualquer pretexto submetê-lo contra a sua vontade. Decidir que um filho de escravo nasça escravo, é decidir que ele não nasça homem. (...) O cidadão aceita todas as leis, mesmo aquelas que o contrariam e mesmo aquelas que o castigam quando ele violar alguma. A escolha consciente de todos os membros do estado é a vontade geral; é essa que deve prevalecer. (…) É este o problema fundamental a que o contrato social dá solução. (...) O governo recebe do soberano as ordens que ele dá ao povo, e para que o Estado esteja num bom equilíbrio é preciso, com todas as compensações, que haja uma igualdade entre o produto ou o poder do governo tomado em si próprio e o produto ou o poder dos cidadãos, que são soberanos por um lado e súbditos por outro. Jean-Jacques Rousseau, o Contrato Social, 1762 Não é ao homem que eu me dirijo, é a ti, Deus de todos os seres de todos os mundos e de todos os tempos... Tu não nos deste um coração para odiar e mãos para matarem: faz com que nos ajudemos a suportar mutuamente o fardo de uma vida penosa e passageira; que as pequenas diferenças, entre as vestes que cobrem os nossos pobres corpos, entre os nossos costumes ridículos, entre todas as nossas leis imperfeitas, entre todas as nossas opiniões insensatas, que distinguem os átomos chamados homens, não sejam sinal de ódio e perseguição; que todos aqueles que acendem círios em pleno meio-dia para te louvar, suportem os que se contentam com a luz do teu sol; os que se cobrem com um pano branco para dizerem que é necessário amar-te, não detestem os que dizem a mesma coisa sob um manto de lã negra... Voltaire, in Traité sur Ia Tolérance, 1763 Profª Carla Teixeira Página 8
  • 9. Ficha Informativa/ Trabalho nº 1 Quando na mesma pessoa ou no mesmo órgão políticos o poder legislativo está reunido com o poder executivo não há liberdade. Também não há liberdade se o poder judicial não estiver separado dos poderes legislativo e executivo. Montesquieu, O espírito das Leis 4-Preenche o quadro: Nome do filósofo Obra Princípios defendidos Contrato Social Montesquieu Tratado sobre a Tolerância Profª Carla Teixeira Página 9
  • 10. Ficha Informativa/ Trabalho nº 1 Profª Carla Teixeira Página 10