SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 25
A polis no mundo grego ant
APRENDIZAGENS ESSENCIAIS:
 Explicar a fragmentação política do mundo
grego.
 Caracterizar a pólis
 Descrever os vários espaços da cidade
grega
Estudar pág. 14 à 19
Vídeo : A civilização
grega
Lê o
seguinte
poema:
Foi em Atenas, uma Cidade-Estado que se
fundou a primeira democracia, isto é, o
governo do povo.
Criou-se a noção de cidadania
Houve uma maior preocupação com a
educação que passou a ter um currículo
variado
Os Filósofos e os pensadores levantaram
questões e dúvidas sobre a natureza que
continuam a ser discutidas nos dias actuais;
O Teatro também nasceu na Grécia, onde as
primeiras peças eram representadas em
anfiteatros abertos;
Os Artistas Gregos criaram estilos que são
copiados até hoje
Sou cidadão de Atenas,
Que grandiosa cidade!
Uma das mais importantes
Da História da Antiguidade.
Apesar do solo pobre
E muito acidentado
Desenvolveu-se a agricultura
E a criação de gado.
O artesanato e a metalurgia
Apar com a construção naval
Tornam bastante intenso
o tráfego comercial.
Ocupo um lugar de destaque
Dentro da sociedade
E tenho um papel ativo
No governo da cidade.
Faço apaixonados discursos
Na Assembleia popular
E convenço os outros membros
Das leis que devem votar.
Somos uma minoria
No conjunto dos habitantes
Mas cabe-nos só a nós
Tomar decisões importantes.
Mulheres, metecos e escravos
São a grande maioria
Mas não têm relevância
No seio da democracia.
Audição Cidadão de
Atenas
Templo de
Zeus em
Olímpia
A Grécia localiza-se no Sul da Europa, no Mediterrâneo
Grécia
Continental
– Faz parte
das
Península
Balcânica
Grécia Insular – parte constituída por mais de 1400 ilhas
nos Mar Egeu e Jónio (actualmente são habitadas 227
ilhas)
Grécia
Asiática –
Parte que se
localiza na
Ásia Menor
A civilização grega desenvolveu-se num espaço de grande importância para os povos da
Antiguidade que era o Mar Mediterrâneo.
A Grécia situa-se na Península Balcânica, sendo banhada a Ocidente pelo Mar Jónio, a
oriente pelo mar Egeu e a sul pelo Mediterrâneo.
A Grécia compreendia não só a Península Balcânica (Grécia Continental), mas também
o litoral da Ásia Menor (Grécia Asiática) e as ilhas do Mar Egeu (Grécia Insular)
3
O LUGAR
[…] A Grécia é um país envolvido e penetrado pelo mar. As montanhas
quase sempre presentes contrapõem a sua elevação à linha horizontal
de um mar quase sempre presente. A relação entre a ascensão das
montanhas e a lisura das águas estabelece a extrema solenidade da
paisagem grega. […]
A Terra grega é um lugar onde se articulam os opostos. Uma terra
de vegetação e secura. Uma terra de calor e fontes geladas. [….] luz, ar,
água, terra.
[…] sob o voo lento, pesado e quase imóvel das águias, ao meio-dia,
quando se vê tremer o calor, a água que corre entre o arvoredo é gelada,
e a sua frescura é radiosa como uma aparição. […]
ANDRESEN, Sophia de Mello Breyner - O Nu na Antiguidade Clássica .
Lisboa: Editorial Caminho, 1992, pp. 21-22,
O povo grego resultou de uma mistura de povos que a partir de
2000 a. C. Invadiram a Grécia
Foi da fusão destes povos
que nasceu o povo grego ou
helénico, pois os gregos
apelidavam-se de helenos,
acreditando que eram os
descendentes de Hélen que
tinha sobrevivido ao dilúvio
universal e à sua terra
chamavam Hélade. Foram os
romanos que quando os
conquistaram apelidaram de
gregos e à sua terra de
Grécia.
O solo é muito montanhoso e de difícil acesso. O clima é seco e
quente. Os rios são poucos e as terras cultiváveis são escassas.
O litoral é muito recortado, com inúmeros golfos e baías.
CONDICIONALISMOS GEOGRÁFICOS
Clima Mediterrânico: Invernos
amenos e pouco chuvosos; Verões
longos, quentes e secos.
Relevo montanhoso: vales
profundos; colinas áridas; poucas
planícies férteis; costa muito
recortada.
Território compartimentado:
milhares de ilhas.
As características do território favoreciam o isolamento e dificultavam
a unificação do espaço. Nos meados do séc. VIII a. C., pequenos
povoados formaram cidades-estado (pólis)-cidades independentes
entre si, com leis com governo e exército próprios. Estavam unidas
pela língua, cultura, costumes e crenças.
Leitura do doc.4, pág. 15
Vídeo:
características da
cidade estado
Pólis da Grécia Antiga
A pólis grega ou cidade- estado é um dos elementos fundamentais da civilização grega
, resultante da conjugação de um conjunto de vários fatores.
Ela nasceu de fatores de ordem geográfica, pois é comum considerar que a pólis teria
nascido entre os Gregos em resultado de um determinismo geográfico, ou seja, o relevo
montanhoso da Grécia, que dificultava as comunicações e isolava as comunidades
humanas, teria levado a este tipo de organização política.
Mas não foi o aspeto geográfico o fator decisivo da formação das pólis. A sua formação
deve-se também à existência de uma instabilidade gerada depois da invasão dórica e
da falta de um poder centralizado defensor dos indivíduos que os levou a unirem-se em
pequenos territórios- as cidades- estado.
Nos meados do séc. VIII a. C., pequenos
povoados formaram cidades-estado
(pólis)-cidades independentes entre si,
com leis com governo e exército
próprios. Estavam unidas pela língua,
cultura, costumes e crenças.
Razões:
-Isolamento geográfico( relevo
montanhoso que dificultava as
comunicações)
-instabilidade causada pelas
invasões
-Falta de um poder que defenda
as populações
Copiar para o caderno
A pólis tem as proporções adequadas quando é composta
por um número de cidadãos suficiente para satisfazer as
necessidades comuns […].
Em primeiro lugar as subsistências; depois, variadas profissões
indispensáveis à vida; a seguir as armas […] para apoiar a autoridade
pública; em quarto lugar, uma certa abundância de moeda para o
comércio e para as despesas da guerra; em quinto lugar, […] o culto
divino […]; e, finalmente, […], o poder de decidir sobre os assuntos de
interesse geral e sobre as questões individuais.
Aristóteles, Política
Na opinião de Aristóteles, como era a
cidade-estado ideal?
A polis-video
Analisar doc.6 Da pág
16
Uma cidade – Estado é constituída por 3 elementos muito importantes que
a definem:
• Território que não devia ser muito vasto, mas devia ter o tamanho
suficiente que permitisse abastecer a cidade e ter condições que
permitisse a sua defesa. Assim, todas as cidades eram constituídas
por uma área urbana, uma rural e uma marítima
• População que não devia ser muito numerosa (no máximo 40 mil
habitantes). Se fosse muito grande não podia ser bem governada
• Autarcia, isto é, a cidade devia ser auto-suficiente, devendo produzir
os bens necessários à sua sobrevivência e ser capaz de se defender
Copiar para o caderno
Vídeo : Constituição
da polis
Acrópole
Ágora
Zona Rural
porto
Acrópole
Visionamento de
um ppt da P.
editora
Acrópole – na parte mais alta da cidade, inicialmente espaço fortificado para acolher a população, mais
tarde um espaço sagrado, onde se erguiam os santuários e os templos das suas divindades protetoras,
um local de culto, de cerimónias e festividades . Tinha um caráter simbólico, pois representava
politicamente a cidade. À sua volta, com o tempo acrescentaram –se outros edifícios: teatros, palestras
(onde os jovens se preparavam para a luta e para a ginástica) ginásios, bibliotecas.
Ágora
Análise do doc 12, pág
19
Zona Rural
•Acrópole: na parte mais alta da cidade, inicialmente
espaço fortificado para acolher a população, mais tarde
um espaço sagrado, onde se erguiam os santuários e os
templos das suas divindades protetoras, um local de
culto, de cerimónias e festividades . Tinha um caráter
simbólico, pois representava politicamente a cidade.
A pólis abarca um território constituído por 3 zonas:
Copiar para o caderno
•Zona rural que rodeava a zona urbana, na qual se situavam os campos de
cultivo
•Ágora: o “coração “da polis situada na parte baixa da cidade , era a
praça pública, lugar de encontro, onde se desenrolava a vida
quotidiana, verdadeiro lugar do exercício da cidadania com várias
funções:
-Económica: realiza-se o mercado
-Política: situavam-se os principais edifícios políticos e reunia-se a
principal assembleia da cidade
-Cultural- situavam-se os teatros, ginásios, local onde os gregos
discutiam política e filosofia
À volta da ágora situava-se a zona residencial.
Copiar para o caderno
Próxima aula

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O modelo ateniense
O modelo atenienseO modelo ateniense
O modelo ateniense
Escoladocs
 
O mundo helénico no século V a. C. - Democracia
O  mundo helénico no século V a. C. - DemocraciaO  mundo helénico no século V a. C. - Democracia
O mundo helénico no século V a. C. - Democracia
Carlos Pinheiro
 
A Integração Dos Povos No Império Romano
A Integração Dos Povos No Império RomanoA Integração Dos Povos No Império Romano
A Integração Dos Povos No Império Romano
Mariana Neves
 
Roma apresentação 1
Roma apresentação 1Roma apresentação 1
Roma apresentação 1
Vítor Santos
 
A romanização da hispânia
A romanização da hispâniaA romanização da hispânia
A romanização da hispânia
Susana Simões
 
Templo da deusa niké
Templo da deusa nikéTemplo da deusa niké
Templo da deusa niké
Ana Barreiros
 
O século de péricles
O século de périclesO século de péricles
O século de péricles
Ana Barreiros
 
O urbanismo e arte romana
O urbanismo e arte romanaO urbanismo e arte romana
O urbanismo e arte romana
Carla Teixeira
 

Mais procurados (20)

A Cidade Estado na Grécia
A Cidade Estado na GréciaA Cidade Estado na Grécia
A Cidade Estado na Grécia
 
09 civilização grega
09   civilização grega09   civilização grega
09 civilização grega
 
O modelo ateniense
O modelo atenienseO modelo ateniense
O modelo ateniense
 
Roma- Resumo de história 10ºano
Roma- Resumo de história 10ºanoRoma- Resumo de história 10ºano
Roma- Resumo de história 10ºano
 
O mundo helénico no século V a. C. - Democracia
O  mundo helénico no século V a. C. - DemocraciaO  mundo helénico no século V a. C. - Democracia
O mundo helénico no século V a. C. - Democracia
 
Educao grega
Educao grega Educao grega
Educao grega
 
4. O Modelo Romano - a progressiva extensão da cidadania; a afirmação imperia...
4. O Modelo Romano - a progressiva extensão da cidadania; a afirmação imperia...4. O Modelo Romano - a progressiva extensão da cidadania; a afirmação imperia...
4. O Modelo Romano - a progressiva extensão da cidadania; a afirmação imperia...
 
A Integração Dos Povos No Império Romano
A Integração Dos Povos No Império RomanoA Integração Dos Povos No Império Romano
A Integração Dos Povos No Império Romano
 
Teste de História 10ºano - Grécia Antiga
Teste de História 10ºano - Grécia AntigaTeste de História 10ºano - Grécia Antiga
Teste de História 10ºano - Grécia Antiga
 
Roma apresentação 1
Roma apresentação 1Roma apresentação 1
Roma apresentação 1
 
A romanização da hispânia
A romanização da hispâniaA romanização da hispânia
A romanização da hispânia
 
Civilização Grega
Civilização GregaCivilização Grega
Civilização Grega
 
Templo da deusa niké
Templo da deusa nikéTemplo da deusa niké
Templo da deusa niké
 
O modelo ateniense
O modelo atenienseO modelo ateniense
O modelo ateniense
 
A pólis de atenas
A pólis de atenasA pólis de atenas
A pólis de atenas
 
3. O Modelo Romano - o culto a Roma e ao imperador; a codificação do direito
3. O Modelo Romano - o culto a Roma e ao imperador; a codificação do direito3. O Modelo Romano - o culto a Roma e ao imperador; a codificação do direito
3. O Modelo Romano - o culto a Roma e ao imperador; a codificação do direito
 
O século de péricles
O século de périclesO século de péricles
O século de péricles
 
O urbanismo e arte romana
O urbanismo e arte romanaO urbanismo e arte romana
O urbanismo e arte romana
 
Módulo 1
Módulo 1Módulo 1
Módulo 1
 
A Democracia Ateniense no séc. V a. C.
A Democracia Ateniense no séc. V a. C.A Democracia Ateniense no séc. V a. C.
A Democracia Ateniense no séc. V a. C.
 

Semelhante a a polis no mundo grego.ppt

História aula 01 - mundo grego
História   aula 01 - mundo gregoHistória   aula 01 - mundo grego
História aula 01 - mundo grego
Caio César
 
História - Mundo Grego
História -  Mundo GregoHistória -  Mundo Grego
História - Mundo Grego
Carson Souza
 
História - Mundo Grego
História - Mundo GregoHistória - Mundo Grego
História - Mundo Grego
Carson Souza
 

Semelhante a a polis no mundo grego.ppt (20)

Módulo 1 contexto histórico regular
Módulo 1   contexto histórico regularMódulo 1   contexto histórico regular
Módulo 1 contexto histórico regular
 
Grécia Antiga
Grécia Antiga Grécia Antiga
Grécia Antiga
 
Civilização Grega
Civilização GregaCivilização Grega
Civilização Grega
 
Grecia antiga 2011
Grecia antiga 2011Grecia antiga 2011
Grecia antiga 2011
 
GRÉCIA ANTIGA.pptx
GRÉCIA ANTIGA.pptxGRÉCIA ANTIGA.pptx
GRÉCIA ANTIGA.pptx
 
Grécia
GréciaGrécia
Grécia
 
A cultura da Ágora - Contextualização
A cultura da Ágora - ContextualizaçãoA cultura da Ágora - Contextualização
A cultura da Ágora - Contextualização
 
GréCia No SéCulo V A C
GréCia No SéCulo V A CGréCia No SéCulo V A C
GréCia No SéCulo V A C
 
História aula 01 - mundo grego
História   aula 01 - mundo gregoHistória   aula 01 - mundo grego
História aula 01 - mundo grego
 
História - Mundo Grego
História -  Mundo GregoHistória -  Mundo Grego
História - Mundo Grego
 
História - Mundo Grego
História - Mundo GregoHistória - Mundo Grego
História - Mundo Grego
 
Recuperacao ocidente antigo
Recuperacao   ocidente antigoRecuperacao   ocidente antigo
Recuperacao ocidente antigo
 
Resumo grécia
Resumo gréciaResumo grécia
Resumo grécia
 
Grécia antiga .pptx
Grécia antiga .pptxGrécia antiga .pptx
Grécia antiga .pptx
 
Grecia antig2
Grecia antig2Grecia antig2
Grecia antig2
 
Historia7e8ano
Historia7e8anoHistoria7e8ano
Historia7e8ano
 
GréCia Antiga
GréCia AntigaGréCia Antiga
GréCia Antiga
 
Civilizações do Mundo
Civilizações do MundoCivilizações do Mundo
Civilizações do Mundo
 
Grecia Antiga
Grecia AntigaGrecia Antiga
Grecia Antiga
 
O Mundo HeléNico No SéC
O Mundo HeléNico No SéCO Mundo HeléNico No SéC
O Mundo HeléNico No SéC
 

Mais de Carla Teixeira

O tempo das reformas religiosas parte 1
O tempo das reformas religiosas parte 1O tempo das reformas religiosas parte 1
O tempo das reformas religiosas parte 1
Carla Teixeira
 
Arte renascentista parte 3
Arte renascentista  parte 3Arte renascentista  parte 3
Arte renascentista parte 3
Carla Teixeira
 
A reforma religiosa parte 2
A reforma religiosa  parte 2A reforma religiosa  parte 2
A reforma religiosa parte 2
Carla Teixeira
 
A reforma católica e a contra reforma- parte 1
A reforma católica e a contra  reforma- parte 1A reforma católica e a contra  reforma- parte 1
A reforma católica e a contra reforma- parte 1
Carla Teixeira
 
A contra reforma parte 3
A contra reforma  parte 3A contra reforma  parte 3
A contra reforma parte 3
Carla Teixeira
 
A contra reforma parte 2
A contra reforma   parte 2A contra reforma   parte 2
A contra reforma parte 2
Carla Teixeira
 
A arte renascentista parte 2
A arte renascentista parte 2A arte renascentista parte 2
A arte renascentista parte 2
Carla Teixeira
 
O rococó e o neoclássico parte 1
O rococó e o neoclássico parte 1O rococó e o neoclássico parte 1
O rococó e o neoclássico parte 1
Carla Teixeira
 
Revolução francesa módulo 7
Revolução francesa  módulo 7Revolução francesa  módulo 7
Revolução francesa módulo 7
Carla Teixeira
 
Ficha de trabalho nº 1
Ficha de trabalho nº 1Ficha de trabalho nº 1
Ficha de trabalho nº 1
Carla Teixeira
 
Revolução francesa módulo 7
Revolução francesa  módulo 7Revolução francesa  módulo 7
Revolução francesa módulo 7
Carla Teixeira
 
Revolução francesa 2
Revolução francesa 2Revolução francesa 2
Revolução francesa 2
Carla Teixeira
 
Revolução francesa parte 3
Revolução francesa parte 3Revolução francesa parte 3
Revolução francesa parte 3
Carla Teixeira
 
Revolução francesa 2
Revolução francesa 2Revolução francesa 2
Revolução francesa 2
Carla Teixeira
 
Da rev cient ao iluminismo parte 2
Da rev cient ao iluminismo parte 2Da rev cient ao iluminismo parte 2
Da rev cient ao iluminismo parte 2
Carla Teixeira
 

Mais de Carla Teixeira (20)

A civilização industrial no séc XIX.ppt
A civilização industrial no séc XIX.pptA civilização industrial no séc XIX.ppt
A civilização industrial no séc XIX.ppt
 
1-guerra-mundial-esic.ppt
1-guerra-mundial-esic.ppt1-guerra-mundial-esic.ppt
1-guerra-mundial-esic.ppt
 
O tempo das reformas religiosas parte 1
O tempo das reformas religiosas parte 1O tempo das reformas religiosas parte 1
O tempo das reformas religiosas parte 1
 
Arte renascentista parte 3
Arte renascentista  parte 3Arte renascentista  parte 3
Arte renascentista parte 3
 
Arte renascentista
Arte renascentistaArte renascentista
Arte renascentista
 
A reforma religiosa parte 2
A reforma religiosa  parte 2A reforma religiosa  parte 2
A reforma religiosa parte 2
 
A reforma católica e a contra reforma- parte 1
A reforma católica e a contra  reforma- parte 1A reforma católica e a contra  reforma- parte 1
A reforma católica e a contra reforma- parte 1
 
A contra reforma parte 3
A contra reforma  parte 3A contra reforma  parte 3
A contra reforma parte 3
 
A contra reforma parte 2
A contra reforma   parte 2A contra reforma   parte 2
A contra reforma parte 2
 
A arte renascentista parte 2
A arte renascentista parte 2A arte renascentista parte 2
A arte renascentista parte 2
 
O rococó e o neoclássico parte 1
O rococó e o neoclássico parte 1O rococó e o neoclássico parte 1
O rococó e o neoclássico parte 1
 
Neoclássico parte 2
Neoclássico parte 2Neoclássico parte 2
Neoclássico parte 2
 
Neoclássico parte3
Neoclássico parte3Neoclássico parte3
Neoclássico parte3
 
Revolução francesa módulo 7
Revolução francesa  módulo 7Revolução francesa  módulo 7
Revolução francesa módulo 7
 
Ficha de trabalho nº 1
Ficha de trabalho nº 1Ficha de trabalho nº 1
Ficha de trabalho nº 1
 
Revolução francesa módulo 7
Revolução francesa  módulo 7Revolução francesa  módulo 7
Revolução francesa módulo 7
 
Revolução francesa 2
Revolução francesa 2Revolução francesa 2
Revolução francesa 2
 
Revolução francesa parte 3
Revolução francesa parte 3Revolução francesa parte 3
Revolução francesa parte 3
 
Revolução francesa 2
Revolução francesa 2Revolução francesa 2
Revolução francesa 2
 
Da rev cient ao iluminismo parte 2
Da rev cient ao iluminismo parte 2Da rev cient ao iluminismo parte 2
Da rev cient ao iluminismo parte 2
 

Último

Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
profbrunogeo95
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Kelly Mendes
 

Último (20)

Projeto envolvendo as borboletas - poema.doc
Projeto envolvendo as borboletas - poema.docProjeto envolvendo as borboletas - poema.doc
Projeto envolvendo as borboletas - poema.doc
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
 
Santa Gemma Galgani, Flor de Lucca, mística italiana 1887-1903 (Portugués).pptx
Santa Gemma Galgani, Flor de Lucca, mística italiana 1887-1903 (Portugués).pptxSanta Gemma Galgani, Flor de Lucca, mística italiana 1887-1903 (Portugués).pptx
Santa Gemma Galgani, Flor de Lucca, mística italiana 1887-1903 (Portugués).pptx
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 

a polis no mundo grego.ppt

  • 1. A polis no mundo grego ant
  • 2. APRENDIZAGENS ESSENCIAIS:  Explicar a fragmentação política do mundo grego.  Caracterizar a pólis  Descrever os vários espaços da cidade grega Estudar pág. 14 à 19 Vídeo : A civilização grega
  • 3. Lê o seguinte poema: Foi em Atenas, uma Cidade-Estado que se fundou a primeira democracia, isto é, o governo do povo. Criou-se a noção de cidadania Houve uma maior preocupação com a educação que passou a ter um currículo variado Os Filósofos e os pensadores levantaram questões e dúvidas sobre a natureza que continuam a ser discutidas nos dias actuais; O Teatro também nasceu na Grécia, onde as primeiras peças eram representadas em anfiteatros abertos; Os Artistas Gregos criaram estilos que são copiados até hoje
  • 4. Sou cidadão de Atenas, Que grandiosa cidade! Uma das mais importantes Da História da Antiguidade. Apesar do solo pobre E muito acidentado Desenvolveu-se a agricultura E a criação de gado. O artesanato e a metalurgia Apar com a construção naval Tornam bastante intenso o tráfego comercial. Ocupo um lugar de destaque Dentro da sociedade E tenho um papel ativo No governo da cidade. Faço apaixonados discursos Na Assembleia popular E convenço os outros membros Das leis que devem votar. Somos uma minoria No conjunto dos habitantes Mas cabe-nos só a nós Tomar decisões importantes. Mulheres, metecos e escravos São a grande maioria Mas não têm relevância No seio da democracia. Audição Cidadão de Atenas
  • 5. Templo de Zeus em Olímpia A Grécia localiza-se no Sul da Europa, no Mediterrâneo
  • 6. Grécia Continental – Faz parte das Península Balcânica Grécia Insular – parte constituída por mais de 1400 ilhas nos Mar Egeu e Jónio (actualmente são habitadas 227 ilhas) Grécia Asiática – Parte que se localiza na Ásia Menor A civilização grega desenvolveu-se num espaço de grande importância para os povos da Antiguidade que era o Mar Mediterrâneo. A Grécia situa-se na Península Balcânica, sendo banhada a Ocidente pelo Mar Jónio, a oriente pelo mar Egeu e a sul pelo Mediterrâneo. A Grécia compreendia não só a Península Balcânica (Grécia Continental), mas também o litoral da Ásia Menor (Grécia Asiática) e as ilhas do Mar Egeu (Grécia Insular)
  • 7. 3 O LUGAR […] A Grécia é um país envolvido e penetrado pelo mar. As montanhas quase sempre presentes contrapõem a sua elevação à linha horizontal de um mar quase sempre presente. A relação entre a ascensão das montanhas e a lisura das águas estabelece a extrema solenidade da paisagem grega. […] A Terra grega é um lugar onde se articulam os opostos. Uma terra de vegetação e secura. Uma terra de calor e fontes geladas. [….] luz, ar, água, terra. […] sob o voo lento, pesado e quase imóvel das águias, ao meio-dia, quando se vê tremer o calor, a água que corre entre o arvoredo é gelada, e a sua frescura é radiosa como uma aparição. […] ANDRESEN, Sophia de Mello Breyner - O Nu na Antiguidade Clássica . Lisboa: Editorial Caminho, 1992, pp. 21-22,
  • 8. O povo grego resultou de uma mistura de povos que a partir de 2000 a. C. Invadiram a Grécia
  • 9. Foi da fusão destes povos que nasceu o povo grego ou helénico, pois os gregos apelidavam-se de helenos, acreditando que eram os descendentes de Hélen que tinha sobrevivido ao dilúvio universal e à sua terra chamavam Hélade. Foram os romanos que quando os conquistaram apelidaram de gregos e à sua terra de Grécia.
  • 10. O solo é muito montanhoso e de difícil acesso. O clima é seco e quente. Os rios são poucos e as terras cultiváveis são escassas.
  • 11. O litoral é muito recortado, com inúmeros golfos e baías.
  • 12. CONDICIONALISMOS GEOGRÁFICOS Clima Mediterrânico: Invernos amenos e pouco chuvosos; Verões longos, quentes e secos. Relevo montanhoso: vales profundos; colinas áridas; poucas planícies férteis; costa muito recortada. Território compartimentado: milhares de ilhas.
  • 13. As características do território favoreciam o isolamento e dificultavam a unificação do espaço. Nos meados do séc. VIII a. C., pequenos povoados formaram cidades-estado (pólis)-cidades independentes entre si, com leis com governo e exército próprios. Estavam unidas pela língua, cultura, costumes e crenças. Leitura do doc.4, pág. 15 Vídeo: características da cidade estado
  • 14. Pólis da Grécia Antiga A pólis grega ou cidade- estado é um dos elementos fundamentais da civilização grega , resultante da conjugação de um conjunto de vários fatores. Ela nasceu de fatores de ordem geográfica, pois é comum considerar que a pólis teria nascido entre os Gregos em resultado de um determinismo geográfico, ou seja, o relevo montanhoso da Grécia, que dificultava as comunicações e isolava as comunidades humanas, teria levado a este tipo de organização política. Mas não foi o aspeto geográfico o fator decisivo da formação das pólis. A sua formação deve-se também à existência de uma instabilidade gerada depois da invasão dórica e da falta de um poder centralizado defensor dos indivíduos que os levou a unirem-se em pequenos territórios- as cidades- estado. Nos meados do séc. VIII a. C., pequenos povoados formaram cidades-estado (pólis)-cidades independentes entre si, com leis com governo e exército próprios. Estavam unidas pela língua, cultura, costumes e crenças. Razões: -Isolamento geográfico( relevo montanhoso que dificultava as comunicações) -instabilidade causada pelas invasões -Falta de um poder que defenda as populações Copiar para o caderno
  • 15. A pólis tem as proporções adequadas quando é composta por um número de cidadãos suficiente para satisfazer as necessidades comuns […]. Em primeiro lugar as subsistências; depois, variadas profissões indispensáveis à vida; a seguir as armas […] para apoiar a autoridade pública; em quarto lugar, uma certa abundância de moeda para o comércio e para as despesas da guerra; em quinto lugar, […] o culto divino […]; e, finalmente, […], o poder de decidir sobre os assuntos de interesse geral e sobre as questões individuais. Aristóteles, Política Na opinião de Aristóteles, como era a cidade-estado ideal? A polis-video Analisar doc.6 Da pág 16
  • 16. Uma cidade – Estado é constituída por 3 elementos muito importantes que a definem: • Território que não devia ser muito vasto, mas devia ter o tamanho suficiente que permitisse abastecer a cidade e ter condições que permitisse a sua defesa. Assim, todas as cidades eram constituídas por uma área urbana, uma rural e uma marítima • População que não devia ser muito numerosa (no máximo 40 mil habitantes). Se fosse muito grande não podia ser bem governada • Autarcia, isto é, a cidade devia ser auto-suficiente, devendo produzir os bens necessários à sua sobrevivência e ser capaz de se defender Copiar para o caderno Vídeo : Constituição da polis
  • 19. Acrópole – na parte mais alta da cidade, inicialmente espaço fortificado para acolher a população, mais tarde um espaço sagrado, onde se erguiam os santuários e os templos das suas divindades protetoras, um local de culto, de cerimónias e festividades . Tinha um caráter simbólico, pois representava politicamente a cidade. À sua volta, com o tempo acrescentaram –se outros edifícios: teatros, palestras (onde os jovens se preparavam para a luta e para a ginástica) ginásios, bibliotecas.
  • 21. Análise do doc 12, pág 19
  • 23. •Acrópole: na parte mais alta da cidade, inicialmente espaço fortificado para acolher a população, mais tarde um espaço sagrado, onde se erguiam os santuários e os templos das suas divindades protetoras, um local de culto, de cerimónias e festividades . Tinha um caráter simbólico, pois representava politicamente a cidade. A pólis abarca um território constituído por 3 zonas: Copiar para o caderno
  • 24. •Zona rural que rodeava a zona urbana, na qual se situavam os campos de cultivo •Ágora: o “coração “da polis situada na parte baixa da cidade , era a praça pública, lugar de encontro, onde se desenrolava a vida quotidiana, verdadeiro lugar do exercício da cidadania com várias funções: -Económica: realiza-se o mercado -Política: situavam-se os principais edifícios políticos e reunia-se a principal assembleia da cidade -Cultural- situavam-se os teatros, ginásios, local onde os gregos discutiam política e filosofia À volta da ágora situava-se a zona residencial. Copiar para o caderno