SlideShare uma empresa Scribd logo
A Antiga Civilização Egípcia Autoria: Profª Cristina Romba
Introdução No IV milénio a.C. iniciou-se, no Crescente Fértil, nas margens do Rio Nilo, uma das civilizações mais fascinantes de sempre.
Localização espacial Onde: A civilização egípcia desenvolveu-se no vale do Rio Nilo. O Egipto localiza-se no Nordeste de África. O Egipto é constituído por desertos: A Ocidente o Deserto Líbio; A Oriente o Deserto Arábico.
A importância do Rio Nilo Sendo o Egipto um deserto, o Rio Nilo era uma  dádiva . Salve, ó Nilo! Que sais da Terra E vens dar vida ao Egipto! Misteriosa é a tua saída das trevas. Ao irrigar os prados criados por Ámon Ré  Tu fazes viver todo o gado, Tu, inesgotável, que dás de beber à terra!... Tu crias o trigo, fazes nascer o grão, Garantindo a prosperidade aos templos. Se páras a tua tarefa e o teu trabalho, Tudo o que existe, cai no desespero! Hino ao Nilo
Quando: 3000 a.C.:  Unificação do Egipto pelo rei Menés; 2685 a.C.:  2180 a.C.: Império Antigo; 2040 a.C.:  1640 a.C.: Império Médio; 1650 a. C.:  Invasão dos Hicsos; 1532 a.C.:  1070 a.C.: Império Novo; 671 a.C.:  Conquista do Egipto pelos Assírios; 525 a.C.:  Conquista do Egipto pelos Persas ; 332 a.C.:  Alexandre Magno da Macedónia conquista o Egipto; 30 a.C.:  Início do domínio Romano no Egipto. Localização temporal
Algumas das actividades económicas desenvolvidas pelos antigos egípcios
A economia egípcia As principais actividades económicas praticadas pelos Egípcios eram: - Agricultura : cereais (trigo, centeio, cevada), legumes, frutos, linho, vinha, papiro; - Criação de gado  bovino, caprino, suíno e aves; - Actividades artesanais  (metalurgia, moagem, tecelagem, olaria, construção naval, joalharia, mobiliário…); - Pesca  fluvial; - Caça ; - Comércio  (trocas directas): * Interno  (entre os egípcios); * Externo  (com povos vizinhos).
Uma sociedade estratificada e hierarquizada A sociedade egípcia era constituída pelos seguintes grupos sociais:
Era, portanto, uma: Sociedade estratificada  = sociedade constituída por várias camadas sociais ou estratos; e  hierarquizada  = sociedade em que uns grupos mandam  ou dominam (grupos privilegiados) outros são dominados (grupos não privilegiados): Os grupos privilegiados eram: O faraó e família, os nobres, os sacerdotes, os escribas; Os grupos não privilegiados eram: Os camponeses, os artesãos e os escravos.
Uma monarquia teocrática No Antigo Egipto, o faraó controlava todos os poderes. Os poderes do faraó eram os seguintes: Poder político: Poder militar; Poder legislativo; Poder religioso. Os faraós eram também deuses, como tal, o seu poder era um  poder teocrático  (poder sagrado, poder divino). Poder absoluto
Reconstituição de uma aldeia egípcia
A vida quotidiana no Antigo Egipto Habitação : Os Egípcios viviam em aldeias, em casas feitas de adobe (tijolos de barro e palha secos ao sol); As casas tinham cerca de 3 divisões e janelas pequenas; O mobiliário reduzia-se à cama, a arcas e a cadeiras. Alimentação : Cereais, cerveja, frutos, legumes, carne e peixe, leite  e mel. O Casamento : A idade médias dos casamentos era de 16 ou 17 anos para os rapazes e 13 ou 14 para as raparigas; Eram os noivos que, geralmente, escolhiam com quem casar. A mulher : Dedicava-se, sobretudo, à realização das tarefas domésticas, a cuidar dos filhos e da casa.
Uma religião politeísta Os Egípcios acreditavam em muitos deuses, por isso eram  politeístas . Havia deuses nacionais (deuses adorados em todo o Egipto) e deuses locais (adorados só em algumas cidades). Os deuses tinham, corpo humano e cabeça de animal ou corpo de um animal e cabeça de outro animal.
Maat e Hátor O deus Hórus a conduzir um morto no Tribunal de Osíris Bastet Seth Ámon Rá
Thot Ísis, Osíris e Hórus Anúbis
Tribunal de Osíris e a passagem para a eternidade
A crença na eternidade Os Egípcios acreditavam na imortalidade da alma. Como tal,  mumificavam  os mortos, de forma a conservarem os corpos para a eternidade. No processo de mumificação: Retiravam-se os órgãos que se colocavam em  canopos  (cada órgão num canopo); Conservava-se o corpo com ervas aromáticas, natrão, mirra e outros ingredientes durante 70 dias; Ligava-se o corpo com ligaduras de linho, fazia-se, assim, a  múmia  e colocava-se esta num  sarcófago ; Colocava-se o sarcófago no  túmulo  (pirâmide, mastaba ou hipogeu).
 
Primeira experiência monoteísta No século XIV a.C. (1364-1347 a.C.), o faraó Amen-hotep IV tentou implementar a crença num deus único, Aton (o disco solar) –  monoteísmo . Construiu novos templos, fundou uma nova capital do Egipto (Tel el Armarna) e mudou o nome para Akhenaton (o esplendor de Aton). A população e os sacerdotes não aceitaram essas mudanças. Após a sua morte, os antigos cultos foram recuperados e os Egípcios voltaram ao politeísmo.
Nefertiti e Akhenaton, fundadores do monoteísmo egípcio Pintura mural representando Akhenaton recolhendo de Aton as gotas da vida
A escrita A escrita egípcia evoluiu da  hieroglífica  para uma escrita mais cursiva e de fácil leitura: a  hierática  (usada nos textos religiosos) e a  demótica  (usada em contratos, testamentos, contabilidade, etc.).
As ciências Os Egípcios desenvolveram várias ciências, de onde se destacam: A  Matemática  e a  Geometria:  devido às exigências da construção e do controlo da produção de excedentes desenvolveram a numeração decimal, descobriram o valor de pi (3,14), calcularam a superfície do rectângulo e o volume da esfera); A  Astronomia :  criaram um calendário solar com 365 dias, 12 meses, dias de 24 horas, três estações no ano: estação das cheias, estação das sementeiras e estação das colheitas; identificaram várias estrelas, planetas e constelações; A  Medicina :  devido à prática da mumificação, conheciam bem o corpo humano, desenvolveram muito as “mezinhas” e os curativos.
Papiro com problemas matemáticos “ Tábua” com  o alinhamento dos astros Remédios egípcios Para a tosse : Creme e cominho  mergulhado no mel. Dar ao doente durante 4 dias. Para a dor de garganta : Leite de vaca e tâmaras. Deitar num recipiente que será posto ao lume […]. À noite o doente mastigará as tâmaras e beberá o leite durante 4 dias. In  Dicionário do Antigo Egipto
Existem algumas palavras de origem egípcia na nossa língua, tais como: Curiosidades Alquimia ; Química ; Adobe ; Saco ; Papel ; Gazela Girafa. Tijolos de adobe

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Egito Antigo
Egito AntigoEgito Antigo
Egito Antigo
Douglas Barraqui
 
Civilização Grega
Civilização GregaCivilização Grega
Civilização Grega
Margarida Moreira
 
Roma Antiga
Roma AntigaRoma Antiga
O Antigo Egipto
O Antigo EgiptoO Antigo Egipto
O Antigo Egipto
cattonia
 
O antigo egípcio 7 ano História
O antigo egípcio 7 ano HistóriaO antigo egípcio 7 ano História
O antigo egípcio 7 ano História
Ana Beatriz Gonçalves
 
GRÉCIA ANTIGA
GRÉCIA ANTIGAGRÉCIA ANTIGA
GRÉCIA ANTIGA
Jackeline Póvoas
 
A civilização egípcia
A civilização egípciaA civilização egípcia
A civilização egípcia
Vítor Santos
 
Revisão 6º ano ASSUNTO : Roma Antiga
Revisão 6º ano ASSUNTO : Roma AntigaRevisão 6º ano ASSUNTO : Roma Antiga
Revisão 6º ano ASSUNTO : Roma Antiga
Janaína Bindá
 
A DEMOCRACIA GREGA
A DEMOCRACIA GREGAA DEMOCRACIA GREGA
A DEMOCRACIA GREGA
Isabel Aguiar
 
Antiga Grecia
Antiga GreciaAntiga Grecia
Antiga Grecia
Susana Losada
 
História (Roma)
História (Roma)História (Roma)
História (Roma)
Giorgia Marrone
 
A revolução neolítica
A revolução neolíticaA revolução neolítica
A revolução neolítica
Susana Simões
 
Egito Antigo (6º Ano - 2016)
Egito Antigo (6º Ano - 2016)Egito Antigo (6º Ano - 2016)
Egito Antigo (6º Ano - 2016)
Nefer19
 
Civilização Egípcia
Civilização EgípciaCivilização Egípcia
Civilização Egípcia
Jorge Almeida
 
Resumo neolítico
Resumo neolíticoResumo neolítico
Resumo neolítico
Maria Gomes
 
A Civilização Romana
A Civilização RomanaA Civilização Romana
A Civilização Romana
Paulo Alexandre
 
Grécia antiga
Grécia antigaGrécia antiga
Grécia antiga
cattonia
 
Mesopotâmia
MesopotâmiaMesopotâmia
Civilização Grega
Civilização GregaCivilização Grega
Civilização Grega
Lucio Oliveira
 
Grécia antiga
Grécia antigaGrécia antiga
Grécia antiga
Carla Freitas
 

Mais procurados (20)

Egito Antigo
Egito AntigoEgito Antigo
Egito Antigo
 
Civilização Grega
Civilização GregaCivilização Grega
Civilização Grega
 
Roma Antiga
Roma AntigaRoma Antiga
Roma Antiga
 
O Antigo Egipto
O Antigo EgiptoO Antigo Egipto
O Antigo Egipto
 
O antigo egípcio 7 ano História
O antigo egípcio 7 ano HistóriaO antigo egípcio 7 ano História
O antigo egípcio 7 ano História
 
GRÉCIA ANTIGA
GRÉCIA ANTIGAGRÉCIA ANTIGA
GRÉCIA ANTIGA
 
A civilização egípcia
A civilização egípciaA civilização egípcia
A civilização egípcia
 
Revisão 6º ano ASSUNTO : Roma Antiga
Revisão 6º ano ASSUNTO : Roma AntigaRevisão 6º ano ASSUNTO : Roma Antiga
Revisão 6º ano ASSUNTO : Roma Antiga
 
A DEMOCRACIA GREGA
A DEMOCRACIA GREGAA DEMOCRACIA GREGA
A DEMOCRACIA GREGA
 
Antiga Grecia
Antiga GreciaAntiga Grecia
Antiga Grecia
 
História (Roma)
História (Roma)História (Roma)
História (Roma)
 
A revolução neolítica
A revolução neolíticaA revolução neolítica
A revolução neolítica
 
Egito Antigo (6º Ano - 2016)
Egito Antigo (6º Ano - 2016)Egito Antigo (6º Ano - 2016)
Egito Antigo (6º Ano - 2016)
 
Civilização Egípcia
Civilização EgípciaCivilização Egípcia
Civilização Egípcia
 
Resumo neolítico
Resumo neolíticoResumo neolítico
Resumo neolítico
 
A Civilização Romana
A Civilização RomanaA Civilização Romana
A Civilização Romana
 
Grécia antiga
Grécia antigaGrécia antiga
Grécia antiga
 
Mesopotâmia
MesopotâmiaMesopotâmia
Mesopotâmia
 
Civilização Grega
Civilização GregaCivilização Grega
Civilização Grega
 
Grécia antiga
Grécia antigaGrécia antiga
Grécia antiga
 

Destaque

As Reformas Religiosas
As Reformas ReligiosasAs Reformas Religiosas
As Reformas Religiosas
Carlos Vieira
 
A Civilização Romana
A Civilização RomanaA Civilização Romana
A Civilização Romana
cattonia
 
A expansão urbana e suas consequências
A expansão urbana e suas consequênciasA expansão urbana e suas consequências
A expansão urbana e suas consequências
Carla Teixeira
 
O mundo industrializado no
O mundo industrializado noO mundo industrializado no
O mundo industrializado no
maria40
 
CorrecçãO Ficha
CorrecçãO FichaCorrecçãO Ficha
CorrecçãO Ficha
Hist8
 
As trocas intercontinentais[1]
As trocas intercontinentais[1]As trocas intercontinentais[1]
As trocas intercontinentais[1]
António Luís Catarino
 
A Contra-Reforma Católica
A Contra-Reforma CatólicaA Contra-Reforma Católica
A Contra-Reforma Católica
profhistoria
 
Sociedade Medieval
Sociedade MedievalSociedade Medieval
Sociedade Medieval
Carlos Vieira
 
Revisao 9 D Sb
Revisao 9 D SbRevisao 9 D Sb
Revisao 9 D Sb
Sérgio Bernardo
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
cidalialuis
 
Especiarias
EspeciariasEspeciarias
Especiarias
fernandaataide55
 
A Sociedade Europeia nos séculos IX a XII
A Sociedade Europeia nos séculos IX a XIIA Sociedade Europeia nos séculos IX a XII
A Sociedade Europeia nos séculos IX a XII
Jorge Almeida
 
A expansao portuguesa 01
A expansao portuguesa 01A expansao portuguesa 01
A expansao portuguesa 01
Álvaro Maurício
 
Anos 20
Anos 20Anos 20
Anos 20
cattonia
 
O renascimento e a formação da mentalidade moderna
O renascimento e a formação da mentalidade modernaO renascimento e a formação da mentalidade moderna
O renascimento e a formação da mentalidade moderna
Rainha Maga
 
A Reforma
A ReformaA Reforma
A Reforma
Rui Neto
 
O Mundo Industrializado no século XIX e o Caso Português
O Mundo Industrializado no século XIX e o Caso PortuguêsO Mundo Industrializado no século XIX e o Caso Português
O Mundo Industrializado no século XIX e o Caso Português
Carlos Vieira
 
A abertura ao mundo - expansão
A abertura ao mundo -  expansãoA abertura ao mundo -  expansão
A abertura ao mundo - expansão
Lucilia Fonseca
 
Da Queda Da Monarquia à ImplantaçãO Da RepúBlica ~ ApresentaçãO De Slides
Da Queda Da Monarquia à ImplantaçãO Da RepúBlica ~ ApresentaçãO De SlidesDa Queda Da Monarquia à ImplantaçãO Da RepúBlica ~ ApresentaçãO De Slides
Da Queda Da Monarquia à ImplantaçãO Da RepúBlica ~ ApresentaçãO De Slides
oliviaguerra
 
Liberalismo económico powerpoint
Liberalismo económico powerpointLiberalismo económico powerpoint
Liberalismo económico powerpoint
maria40
 

Destaque (20)

As Reformas Religiosas
As Reformas ReligiosasAs Reformas Religiosas
As Reformas Religiosas
 
A Civilização Romana
A Civilização RomanaA Civilização Romana
A Civilização Romana
 
A expansão urbana e suas consequências
A expansão urbana e suas consequênciasA expansão urbana e suas consequências
A expansão urbana e suas consequências
 
O mundo industrializado no
O mundo industrializado noO mundo industrializado no
O mundo industrializado no
 
CorrecçãO Ficha
CorrecçãO FichaCorrecçãO Ficha
CorrecçãO Ficha
 
As trocas intercontinentais[1]
As trocas intercontinentais[1]As trocas intercontinentais[1]
As trocas intercontinentais[1]
 
A Contra-Reforma Católica
A Contra-Reforma CatólicaA Contra-Reforma Católica
A Contra-Reforma Católica
 
Sociedade Medieval
Sociedade MedievalSociedade Medieval
Sociedade Medieval
 
Revisao 9 D Sb
Revisao 9 D SbRevisao 9 D Sb
Revisao 9 D Sb
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
 
Especiarias
EspeciariasEspeciarias
Especiarias
 
A Sociedade Europeia nos séculos IX a XII
A Sociedade Europeia nos séculos IX a XIIA Sociedade Europeia nos séculos IX a XII
A Sociedade Europeia nos séculos IX a XII
 
A expansao portuguesa 01
A expansao portuguesa 01A expansao portuguesa 01
A expansao portuguesa 01
 
Anos 20
Anos 20Anos 20
Anos 20
 
O renascimento e a formação da mentalidade moderna
O renascimento e a formação da mentalidade modernaO renascimento e a formação da mentalidade moderna
O renascimento e a formação da mentalidade moderna
 
A Reforma
A ReformaA Reforma
A Reforma
 
O Mundo Industrializado no século XIX e o Caso Português
O Mundo Industrializado no século XIX e o Caso PortuguêsO Mundo Industrializado no século XIX e o Caso Português
O Mundo Industrializado no século XIX e o Caso Português
 
A abertura ao mundo - expansão
A abertura ao mundo -  expansãoA abertura ao mundo -  expansão
A abertura ao mundo - expansão
 
Da Queda Da Monarquia à ImplantaçãO Da RepúBlica ~ ApresentaçãO De Slides
Da Queda Da Monarquia à ImplantaçãO Da RepúBlica ~ ApresentaçãO De SlidesDa Queda Da Monarquia à ImplantaçãO Da RepúBlica ~ ApresentaçãO De Slides
Da Queda Da Monarquia à ImplantaçãO Da RepúBlica ~ ApresentaçãO De Slides
 
Liberalismo económico powerpoint
Liberalismo económico powerpointLiberalismo económico powerpoint
Liberalismo económico powerpoint
 

Semelhante a A antiga civilização egípcia

A antiga civilização Egpcia
A antiga civilização EgpciaA antiga civilização Egpcia
A antiga civilização Egpcia
João Couto
 
História do antigo Egito
História do antigo EgitoHistória do antigo Egito
História do antigo Egito
Augusto Fiuza
 
Egipto
EgiptoEgipto
Egito Antigo - 6ºAno Colégio Piaget
Egito Antigo - 6ºAno Colégio PiagetEgito Antigo - 6ºAno Colégio Piaget
Egito Antigo - 6ºAno Colégio Piaget
Leticia Ribeiro
 
Egito antigo - Colégio Piaget - 6º Ano
Egito antigo - Colégio Piaget - 6º AnoEgito antigo - Colégio Piaget - 6º Ano
Egito antigo - Colégio Piaget - 6º Ano
Leticia Ribeiro
 
As primeiras civilizações e o caso egipcío.
As primeiras civilizações e o caso egipcío.As primeiras civilizações e o caso egipcío.
As primeiras civilizações e o caso egipcío.
João Pereira
 
Aula 4 o antigo egito
Aula 4   o antigo egitoAula 4   o antigo egito
Aula 4 o antigo egito
Dalton Lopes Reis Jr.
 
O Egipto
O EgiptoO Egipto
O Egipto
Paulo Tenreiro
 
Egito antigo escola com audio
Egito antigo   escola com audioEgito antigo   escola com audio
Egito antigo escola com audio
Leticia Ribeiro
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
sthefanydesr
 
Mh7 ppt explorar_figuras_votivas
Mh7 ppt explorar_figuras_votivasMh7 ppt explorar_figuras_votivas
Mh7 ppt explorar_figuras_votivas
David Leça
 
O Egito Antigo
O  Egito AntigoO  Egito Antigo
O Egito Antigo
Paullinho Oliveira
 
O egito antigo.
O egito antigo.O egito antigo.
O egito antigo.
Cássio Marcelo
 
O egito antigo.
O egito antigo.O egito antigo.
O egito antigo.
Cássio Marcelo
 
O egito antigo
O egito antigoO egito antigo
O egito antigo
Espanhol Puríssimo
 
Egito antigo
Egito antigoEgito antigo
Egito antigo
Rodrigo Luiz
 
Egito antigo
Egito antigoEgito antigo
Egito antigo
Alex J. Eger
 
Pp Egipto (1)
Pp Egipto (1)Pp Egipto (1)
Pp Egipto (1)
isabel mgm
 
Egito Antigo KA23
Egito Antigo KA23Egito Antigo KA23
Egito Antigo KA23
jssrs1313
 
Antiguidade na africa
Antiguidade na africaAntiguidade na africa
Antiguidade na africa
tyromello
 

Semelhante a A antiga civilização egípcia (20)

A antiga civilização Egpcia
A antiga civilização EgpciaA antiga civilização Egpcia
A antiga civilização Egpcia
 
História do antigo Egito
História do antigo EgitoHistória do antigo Egito
História do antigo Egito
 
Egipto
EgiptoEgipto
Egipto
 
Egito Antigo - 6ºAno Colégio Piaget
Egito Antigo - 6ºAno Colégio PiagetEgito Antigo - 6ºAno Colégio Piaget
Egito Antigo - 6ºAno Colégio Piaget
 
Egito antigo - Colégio Piaget - 6º Ano
Egito antigo - Colégio Piaget - 6º AnoEgito antigo - Colégio Piaget - 6º Ano
Egito antigo - Colégio Piaget - 6º Ano
 
As primeiras civilizações e o caso egipcío.
As primeiras civilizações e o caso egipcío.As primeiras civilizações e o caso egipcío.
As primeiras civilizações e o caso egipcío.
 
Aula 4 o antigo egito
Aula 4   o antigo egitoAula 4   o antigo egito
Aula 4 o antigo egito
 
O Egipto
O EgiptoO Egipto
O Egipto
 
Egito antigo escola com audio
Egito antigo   escola com audioEgito antigo   escola com audio
Egito antigo escola com audio
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
 
Mh7 ppt explorar_figuras_votivas
Mh7 ppt explorar_figuras_votivasMh7 ppt explorar_figuras_votivas
Mh7 ppt explorar_figuras_votivas
 
O Egito Antigo
O  Egito AntigoO  Egito Antigo
O Egito Antigo
 
O egito antigo.
O egito antigo.O egito antigo.
O egito antigo.
 
O egito antigo.
O egito antigo.O egito antigo.
O egito antigo.
 
O egito antigo
O egito antigoO egito antigo
O egito antigo
 
Egito antigo
Egito antigoEgito antigo
Egito antigo
 
Egito antigo
Egito antigoEgito antigo
Egito antigo
 
Pp Egipto (1)
Pp Egipto (1)Pp Egipto (1)
Pp Egipto (1)
 
Egito Antigo KA23
Egito Antigo KA23Egito Antigo KA23
Egito Antigo KA23
 
Antiguidade na africa
Antiguidade na africaAntiguidade na africa
Antiguidade na africa
 

Mais de Rainha Maga

Literacias dos media como pesquisar no google
Literacias dos media como pesquisar no googleLiteracias dos media como pesquisar no google
Literacias dos media como pesquisar no google
Rainha Maga
 
Literacias dos media como analisar um website
Literacias dos media como analisar um websiteLiteracias dos media como analisar um website
Literacias dos media como analisar um website
Rainha Maga
 
Estatística das bibliotecas escolares do agrupamento de Souselo
Estatística das bibliotecas escolares do agrupamento de SouseloEstatística das bibliotecas escolares do agrupamento de Souselo
Estatística das bibliotecas escolares do agrupamento de Souselo
Rainha Maga
 
Os descobrimentos Portugueses e a concorrência de Espanha
Os descobrimentos Portugueses e a concorrência de EspanhaOs descobrimentos Portugueses e a concorrência de Espanha
Os descobrimentos Portugueses e a concorrência de Espanha
Rainha Maga
 
Crise do Império Português no oriente
Crise do Império Português no orienteCrise do Império Português no oriente
Crise do Império Português no oriente
Rainha Maga
 
O capitalismo comercial no século XVII
O capitalismo comercial no século XVIIO capitalismo comercial no século XVII
O capitalismo comercial no século XVII
Rainha Maga
 
Ascensão da europa de noroeste: os Países Baixos e a Inglaterra no século XVII
Ascensão da europa de noroeste: os Países Baixos e a Inglaterra no século XVIIAscensão da europa de noroeste: os Países Baixos e a Inglaterra no século XVII
Ascensão da europa de noroeste: os Países Baixos e a Inglaterra no século XVII
Rainha Maga
 
União ibérica & restauração
União ibérica & restauraçãoUnião ibérica & restauração
União ibérica & restauração
Rainha Maga
 
Hegemonia e declínio da influência europeia
Hegemonia e declínio da influência europeiaHegemonia e declínio da influência europeia
Hegemonia e declínio da influência europeia
Rainha Maga
 
O neolítico
O neolíticoO neolítico
O neolítico
Rainha Maga
 
Arte no paleolítico
Arte no paleolíticoArte no paleolítico
Arte no paleolítico
Rainha Maga
 
A arte egípcia
A arte egípciaA arte egípcia
A arte egípcia
Rainha Maga
 
Os Gregos no Século V a. C.
Os Gregos no Século V a. C.Os Gregos no Século V a. C.
Os Gregos no Século V a. C.
Rainha Maga
 
O Tempo Das Ditaduras
O Tempo Das DitadurasO Tempo Das Ditaduras
O Tempo Das Ditaduras
Rainha Maga
 
O Estado Novo
O Estado NovoO Estado Novo
O Estado Novo
Rainha Maga
 
A Era Estalinista
A Era EstalinistaA Era Estalinista
A Era Estalinista
Rainha Maga
 

Mais de Rainha Maga (16)

Literacias dos media como pesquisar no google
Literacias dos media como pesquisar no googleLiteracias dos media como pesquisar no google
Literacias dos media como pesquisar no google
 
Literacias dos media como analisar um website
Literacias dos media como analisar um websiteLiteracias dos media como analisar um website
Literacias dos media como analisar um website
 
Estatística das bibliotecas escolares do agrupamento de Souselo
Estatística das bibliotecas escolares do agrupamento de SouseloEstatística das bibliotecas escolares do agrupamento de Souselo
Estatística das bibliotecas escolares do agrupamento de Souselo
 
Os descobrimentos Portugueses e a concorrência de Espanha
Os descobrimentos Portugueses e a concorrência de EspanhaOs descobrimentos Portugueses e a concorrência de Espanha
Os descobrimentos Portugueses e a concorrência de Espanha
 
Crise do Império Português no oriente
Crise do Império Português no orienteCrise do Império Português no oriente
Crise do Império Português no oriente
 
O capitalismo comercial no século XVII
O capitalismo comercial no século XVIIO capitalismo comercial no século XVII
O capitalismo comercial no século XVII
 
Ascensão da europa de noroeste: os Países Baixos e a Inglaterra no século XVII
Ascensão da europa de noroeste: os Países Baixos e a Inglaterra no século XVIIAscensão da europa de noroeste: os Países Baixos e a Inglaterra no século XVII
Ascensão da europa de noroeste: os Países Baixos e a Inglaterra no século XVII
 
União ibérica & restauração
União ibérica & restauraçãoUnião ibérica & restauração
União ibérica & restauração
 
Hegemonia e declínio da influência europeia
Hegemonia e declínio da influência europeiaHegemonia e declínio da influência europeia
Hegemonia e declínio da influência europeia
 
O neolítico
O neolíticoO neolítico
O neolítico
 
Arte no paleolítico
Arte no paleolíticoArte no paleolítico
Arte no paleolítico
 
A arte egípcia
A arte egípciaA arte egípcia
A arte egípcia
 
Os Gregos no Século V a. C.
Os Gregos no Século V a. C.Os Gregos no Século V a. C.
Os Gregos no Século V a. C.
 
O Tempo Das Ditaduras
O Tempo Das DitadurasO Tempo Das Ditaduras
O Tempo Das Ditaduras
 
O Estado Novo
O Estado NovoO Estado Novo
O Estado Novo
 
A Era Estalinista
A Era EstalinistaA Era Estalinista
A Era Estalinista
 

Último

Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
Sandra Pratas
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
orquestrasinfonicaam
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
Sandra Pratas
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
AntHropológicas Visual PPGA-UFPE
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 

Último (20)

Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 

A antiga civilização egípcia

  • 1. A Antiga Civilização Egípcia Autoria: Profª Cristina Romba
  • 2. Introdução No IV milénio a.C. iniciou-se, no Crescente Fértil, nas margens do Rio Nilo, uma das civilizações mais fascinantes de sempre.
  • 3. Localização espacial Onde: A civilização egípcia desenvolveu-se no vale do Rio Nilo. O Egipto localiza-se no Nordeste de África. O Egipto é constituído por desertos: A Ocidente o Deserto Líbio; A Oriente o Deserto Arábico.
  • 4. A importância do Rio Nilo Sendo o Egipto um deserto, o Rio Nilo era uma dádiva . Salve, ó Nilo! Que sais da Terra E vens dar vida ao Egipto! Misteriosa é a tua saída das trevas. Ao irrigar os prados criados por Ámon Ré Tu fazes viver todo o gado, Tu, inesgotável, que dás de beber à terra!... Tu crias o trigo, fazes nascer o grão, Garantindo a prosperidade aos templos. Se páras a tua tarefa e o teu trabalho, Tudo o que existe, cai no desespero! Hino ao Nilo
  • 5. Quando: 3000 a.C.: Unificação do Egipto pelo rei Menés; 2685 a.C.: 2180 a.C.: Império Antigo; 2040 a.C.: 1640 a.C.: Império Médio; 1650 a. C.: Invasão dos Hicsos; 1532 a.C.: 1070 a.C.: Império Novo; 671 a.C.: Conquista do Egipto pelos Assírios; 525 a.C.: Conquista do Egipto pelos Persas ; 332 a.C.: Alexandre Magno da Macedónia conquista o Egipto; 30 a.C.: Início do domínio Romano no Egipto. Localização temporal
  • 6. Algumas das actividades económicas desenvolvidas pelos antigos egípcios
  • 7. A economia egípcia As principais actividades económicas praticadas pelos Egípcios eram: - Agricultura : cereais (trigo, centeio, cevada), legumes, frutos, linho, vinha, papiro; - Criação de gado bovino, caprino, suíno e aves; - Actividades artesanais (metalurgia, moagem, tecelagem, olaria, construção naval, joalharia, mobiliário…); - Pesca fluvial; - Caça ; - Comércio (trocas directas): * Interno (entre os egípcios); * Externo (com povos vizinhos).
  • 8. Uma sociedade estratificada e hierarquizada A sociedade egípcia era constituída pelos seguintes grupos sociais:
  • 9. Era, portanto, uma: Sociedade estratificada = sociedade constituída por várias camadas sociais ou estratos; e hierarquizada = sociedade em que uns grupos mandam ou dominam (grupos privilegiados) outros são dominados (grupos não privilegiados): Os grupos privilegiados eram: O faraó e família, os nobres, os sacerdotes, os escribas; Os grupos não privilegiados eram: Os camponeses, os artesãos e os escravos.
  • 10. Uma monarquia teocrática No Antigo Egipto, o faraó controlava todos os poderes. Os poderes do faraó eram os seguintes: Poder político: Poder militar; Poder legislativo; Poder religioso. Os faraós eram também deuses, como tal, o seu poder era um poder teocrático (poder sagrado, poder divino). Poder absoluto
  • 11. Reconstituição de uma aldeia egípcia
  • 12. A vida quotidiana no Antigo Egipto Habitação : Os Egípcios viviam em aldeias, em casas feitas de adobe (tijolos de barro e palha secos ao sol); As casas tinham cerca de 3 divisões e janelas pequenas; O mobiliário reduzia-se à cama, a arcas e a cadeiras. Alimentação : Cereais, cerveja, frutos, legumes, carne e peixe, leite e mel. O Casamento : A idade médias dos casamentos era de 16 ou 17 anos para os rapazes e 13 ou 14 para as raparigas; Eram os noivos que, geralmente, escolhiam com quem casar. A mulher : Dedicava-se, sobretudo, à realização das tarefas domésticas, a cuidar dos filhos e da casa.
  • 13. Uma religião politeísta Os Egípcios acreditavam em muitos deuses, por isso eram politeístas . Havia deuses nacionais (deuses adorados em todo o Egipto) e deuses locais (adorados só em algumas cidades). Os deuses tinham, corpo humano e cabeça de animal ou corpo de um animal e cabeça de outro animal.
  • 14. Maat e Hátor O deus Hórus a conduzir um morto no Tribunal de Osíris Bastet Seth Ámon Rá
  • 15. Thot Ísis, Osíris e Hórus Anúbis
  • 16. Tribunal de Osíris e a passagem para a eternidade
  • 17. A crença na eternidade Os Egípcios acreditavam na imortalidade da alma. Como tal, mumificavam os mortos, de forma a conservarem os corpos para a eternidade. No processo de mumificação: Retiravam-se os órgãos que se colocavam em canopos (cada órgão num canopo); Conservava-se o corpo com ervas aromáticas, natrão, mirra e outros ingredientes durante 70 dias; Ligava-se o corpo com ligaduras de linho, fazia-se, assim, a múmia e colocava-se esta num sarcófago ; Colocava-se o sarcófago no túmulo (pirâmide, mastaba ou hipogeu).
  • 18.  
  • 19. Primeira experiência monoteísta No século XIV a.C. (1364-1347 a.C.), o faraó Amen-hotep IV tentou implementar a crença num deus único, Aton (o disco solar) – monoteísmo . Construiu novos templos, fundou uma nova capital do Egipto (Tel el Armarna) e mudou o nome para Akhenaton (o esplendor de Aton). A população e os sacerdotes não aceitaram essas mudanças. Após a sua morte, os antigos cultos foram recuperados e os Egípcios voltaram ao politeísmo.
  • 20. Nefertiti e Akhenaton, fundadores do monoteísmo egípcio Pintura mural representando Akhenaton recolhendo de Aton as gotas da vida
  • 21. A escrita A escrita egípcia evoluiu da hieroglífica para uma escrita mais cursiva e de fácil leitura: a hierática (usada nos textos religiosos) e a demótica (usada em contratos, testamentos, contabilidade, etc.).
  • 22. As ciências Os Egípcios desenvolveram várias ciências, de onde se destacam: A Matemática e a Geometria: devido às exigências da construção e do controlo da produção de excedentes desenvolveram a numeração decimal, descobriram o valor de pi (3,14), calcularam a superfície do rectângulo e o volume da esfera); A Astronomia : criaram um calendário solar com 365 dias, 12 meses, dias de 24 horas, três estações no ano: estação das cheias, estação das sementeiras e estação das colheitas; identificaram várias estrelas, planetas e constelações; A Medicina : devido à prática da mumificação, conheciam bem o corpo humano, desenvolveram muito as “mezinhas” e os curativos.
  • 23. Papiro com problemas matemáticos “ Tábua” com o alinhamento dos astros Remédios egípcios Para a tosse : Creme e cominho mergulhado no mel. Dar ao doente durante 4 dias. Para a dor de garganta : Leite de vaca e tâmaras. Deitar num recipiente que será posto ao lume […]. À noite o doente mastigará as tâmaras e beberá o leite durante 4 dias. In Dicionário do Antigo Egipto
  • 24. Existem algumas palavras de origem egípcia na nossa língua, tais como: Curiosidades Alquimia ; Química ; Adobe ; Saco ; Papel ; Gazela Girafa. Tijolos de adobe