SlideShare uma empresa Scribd logo
Módulo I.7
___________
Acondicionamento
e
Comercialização
INTRODUÇÃO
O acondicionamento de produtos (alimentares) é uma
preocupação comum às várias áreas do ramo alimentar,
começando com o processo produtivo, chegando à
distribuição e no final da cadeia, a fase consumo.
Poderá dizer-se que todas estas etapas têm início no
processo de armazenamento, tratando-se de produtos
alimentares devem acondicionados e conservados
adequadamente para salvaguardar as devidas condições de
higiene e durabilidade dos produtos.
INTRODUÇÃO
O grande desafio existente para os Produtores, maior
até mesmo do que o de produzir, é conseguir que sua
produção seja colocada no mercado por um preço bom
/ Justo e no momento desejado.
Por outras palavras, é o tão conhecido "problema de
comercialização", que afeta indistintamente tanto a
pequenos e médios produtores, quanto a grandes,
ainda que em diferentes dimensões.
INTRODUÇÃO
O problema reside nas incertezas a que fica exposta a
atividade agrícola:
* que envolvem os preços dos produtos nos mercados
agrícolas
* decorrentes das dificuldades de operar com produtos
que são, naturalmente, perecíveis, estacionais, de
baixo valor agregado, de difícil controle e que,
obviamente, geram riscos económicos de perda
quantitativa e qualitativa efetivas das mercadorias
INTRODUÇÃO
O problema reside nas incertezas a que fica exposta a
atividade agrícola:
* Incertezas de ganhos financeiros
* A incerteza de mercado resulta em pane da
instabilidade natural dos preços agrícolas que
flutuam ao sabor das variações, quase que contínuas,
dos fatores que afetam a oferta e a procura
* …
INTRODUÇÃO
Entretanto, nos últimos tempos, têm ocorrido nos
mercados consumidores, em várias partes do Globo,
várias mudanças, que têm tornado os consumidores
mais exigentes, dando origem a vários mercados
segmentados, onde são requeridos produtos com
características bastante personalizadas, formando os
chamados "nichos" de mercado.
INTRODUÇÃO
Ao mesmo tempo, o conceito de comercialização tem
evoluído bastante nos últimos anos em direção a uma visão
mais mercadológica e industrial e têm fornecido aos
produtores rurais instrumentos novos para operarem
diretamente no mercado com muito mais oportunidades de
superar o "problema de comercialização", tanto de preços
instáveis, como de barreiras para colocar os produtos no
mercado.
INTRODUÇÃO
A Comercialização dos Produtos BIOLÓGICOS:
A comercialização em si considerou-se igualmente um
obstáculo as dificuldades de comercialização destes
produtos por várias ordens de razões:
i) dificuldade do escoamento dos produtos biológicos
por falta de canais de distribuição adequados,
nomeadamente, escasseiam meios de apoio ao
transporte das mercadorias;
INTRODUÇÃO
A Comercialização dos Produtos BIOLÓGICOS:
ii) consumidor pouco consciente e informado - pouco
preocupado com a qualidade dos produtos alimentares
para a sua saúde e bem estar e com a sustentabilidade
do meio ambiente, havendo uma escassez de
informação ao nível do consumidor;
iii) mercado exíguo
INTRODUÇÃO
Os Produtos Vegetais e Animais, obtidos durante o
período de conversão NÃO PODEM ser
comercializados com as indicações referentes à
Produção Biológica na sua rotulagem e publicidade.
TRANSPORTE e ARMAZENAMENTO
 Medidas de precaução de contaminação
 Medidas para evitar misturas de produtos BIO e
produtos não BIO
 Os produtos devem estar devidamente identificados
e fechados
TRANSPORTE
TRANSPORTE
A segurança alimentar no transporte é determinante
para a integridade e qualidade do produto final e é o
responsável pela introdução no mercado dos produtos
alimentares que deve também assegurar as condições
em que os mesmos são transportados.
TRANSPORTE
Todos os alimentos podem ser contaminados por
diversos agentes, muitas vezes sensorialmente
imperceptíveis, tornando-se veículos de substâncias
nefastas para a saúde. Essa contaminação resulta,
normalmente, em doenças de origem alimentar e pode
acontecer por via biológica, física e química.
TRANSPORTE
O Regulamento (CE) n.º 852/2004, relativo à higiene
dos géneros alimentícios, estabelece um conjunto de
boas práticas indispensáveis para assegurar que os
produtos alimentares são conservados de forma segura
no seu transporte.
TRANSPORTE
- Características gerais das unidades de transporte
- Boas práticas na carga e descarga de produtos
alimentares
- Controlo de temperaturas no transporte de
alimentos
- Transporte de alimentos perecíveis e não perecíveis
Transporte de produtos alimentares – boas práticas
ARMAZENAMENTO
ARMAZENAMENTO
O armazenamento de produtos alimentares é uma
preocupação comum às várias áreas do ramo alimentar,
começando com o processo produtivo, chegando à
distribuição e no final da cadeia, a fase consumo, como é o
caso da restauração.
Poderá dizer-se que todas estas etapas têm início no
processo de armazenamento, ou seja, na receção das
matérias primas, que neste caso em particular são produtos
alimentares e que devem ser conservados e acondicionados
adequadamente para salvaguardar as devidas condições de
higiene e durabilidade dos produtos.
ARMAZENAMENTO
- O espaço de armazenamento
- A receção dos produtos
- Princípios básicos no armazenamento dos produtos
Armazenamento de produtos alimentares – boas práticas
ARMAZENAMENTO
Na indústria alimentar, o controlo da segurança dos
produtos alimentares não se restringe apenas à
produção e ao consumo. O Armazenamento e a
Distribuição, são igualmente, elos de grande
importância na cadeia de abastecimento dos géneros
alimentícios.
ARMAZENAMENTO
Na indústria alimentar, o controlo da segurança dos
produtos alimentares não se restringe apenas à
produção e ao consumo. O Armazenamento e a
Distribuição, são igualmente, elos de grande
importância na cadeia de abastecimento dos géneros
alimentícios.
TRANSFORMAÇÃO
TRANSFORMAÇÃO
Os hábitos alimentares nos dias atuais passaram por
uma grande modificação, decorrente do modo de vida
e da influência da sociedade atual, chamada, sociedade
de consumo.
Houve um substitucionismo dos alimentos enraizados
na cultura e na produção local por alimentos industriais
e globais, resultado do processo de “imposição” do
consumo pela indústria alimentar (Poulain, 2004).
TRANSFORMAÇÃO
Produtos Alimentares Transformados
- Sofreram alterações numa fábrica.
- Encontram-se normalmente em embalagens.
- Necessitam de rótulo que indique os ingredientes e as
transformações a que foram sujeitos.
- Exemplos: Azeite, Vinho, Compotas, Sumos, Miolo de
Amêndoa, iogurtes, sumos, pão de forma, produtos
em conserva, bolachas, etc...
ACONDICIONAMENTO
ACONDICIONAMENTO
O acondicionamento de alimentos implica embrulhá-
los, empacotá-los ou contê-los ou em algum tipo de
material que os protege durante o armazenamento,
transporte e distribuição.
O acondicionamento previne a danificação de produtos
alimentares causada por choques e compressão,
previne a contaminação, por exemplo de insetos e
microrganismos, protege contra a humidade, o ar e os
odores.
ACONDICIONAMENTO
Os produtos alimentares necessitam de ser
acondicionados para assim prevenir a sua deterioração
rápida e perda de valor, incluindo perdas do conteúdo
devido a vazamentos e derramamentos.
ROTULAGEM
. . .
ROTULAGEM
Todasasindicações,menções,marcasde fabricooucomerciais,
imagensou símbolosreferentes aum género alimentício que
figurem em qualquer embalagem, documento, aviso,rótulo,
anel ou gargantilhaqueacompanhemouserefiramaesse
géneroalimentício
inRegulamento(UE)n.º1
169/201
1doParlamentoEuropeuedoConselho,de25de outubro de201
1
Os termos, menções, indicações, marcas de fábrica ou
comerciais, imagens ou sinais que figuram em qualquer
embalagem, documento, letreiro, rótulo, painel, cinta ou
cabeçãoque acompanhem ou se refiram aumproduto
inRegulamento(CE)n.º834/2007doConselho,de28dejunhode2007
ROTULAGEM
• ROTULAGEM
• PUBLICIDADE
• DOC
UMENT
AÇ
ÃO
COMERCIAL
Sugeremaocomprador que
o produto, osseus
ingredientesou as matérias
primasdestinadas aos
alimentos paraanimais estão
conformescom
asregrasdoMPB
Marcas
Biológico
Bio
Eco
Organic
Ekologické
Ökologisch
Biológique
Βιολογικό
Ecologic
Biologesch
биологичен
Ökoloogiline
Bioloģisks
Orgánach
Biologico
Ekologisk
Ökológiai
Ecológico
Luonnonmukainen
Ekologiczne
Öko
Ekoloģisks
Éco
OS TERMOS
ROTULAGEM
PRODUTOSDAAGRICULTURA,incluindo a aquicultura:
• Produtosagrícolasvivosounãotransformados;
• Produtosagrícolastransformadosdestinadosaseremutilizadoscomo géneros alimentícios,
incluindoleveduras;
• Alimentosparaanimais,incluindoleveduras;e
• Materialdepropagaçãovegetativaesementes.
Osprodutos dacaçaedapescadeanimais selvagens
NÃO sãoconsiderados produçãobiológica
MASacolheitadeprodutos vegetaisselvagensparafins comerciais,SIM
ROTULAGEM
PRODUÇÃOANIMAL -APENASESPÉCIES:
• Bovinos, incluindo bubalusebison;
• Equídeos;
• Suínos;
• Ovinos;
• Caprinos;
• Avesdecapoeira(espéciesreferidasnoanexo III do Regulamento
(CE)n.º 889/2008 da Comissão,de5desetembrode2008);e
• Abelhas.
ALIMENTOSPARAANIMAIS:
nãoabrangealimentosparaanimaisdecompanhia
RESTAURAÇÃOCOLETIVA:nãoabrange
COMPELO
MENOS 95%DE
INGREDIENTES
DEORIGEM
AGRÍCOLA
BIOLÓGICOS
OSRESTANTES5%?
LISTAPOSITIVAdeingredientes
agrícolas nãobiológicos
Anexo IXdo Regulamento(CE)n.º
889/2008 daComissão,
de 5de setembro de2008
NÃOTRANSFORMADOS
ALISTADE
INGREDIENTES?
Temque identificar os
ingredientes deorigem
agrícola biológicos
Acompanhado(no mesmo campo visual)
Númerodecódigodo organismo decontrolo
quecontrolou ecertificou oproduto.
Portugal:PT-BIO-XX
PT-BIO-XX
Agricultura Portugal/nãoUE
Localdeorigem(indicadoabaixo do númerodecódigo):
• AgriculturaPortugalou nomedo paísonde98%dosingredientesagrícolasforam
produzidos;
• AgriculturaUE:ingredientesagrícolasproduzidosnaUniãoEuropeia;
• AgriculturanãoUE:ingredientesagrícolasproduzidosnumpaísnãopertencenteàEU.
PRÉ-EMBALADOS NAEU
LOGÓTIPOBIOLÓGICODAEU
NÃO PRÉ-EMBALADOS*
TÊMQUEESTARSEMPREACOMPANHADOS(no mesmocampovisual)
• Termo“biológico”ou dasuaabreviatura “bio”; e
• Número decódigodo organismo decontrolo (PT-BIO-XX).
* Embalados no ponto de venda apedido do comprador
Logótipobiológico da
EU?
MAS
FACULTATIVO
• Cogumelos selvagens
• Sardinhas em azeite virgemextra
• Mexilhões deaquicultura
• Sabonete deazeite
• Vinho
• Camisola de lã deovelha
• Leite devacade umaexploração em conversão
• Coelho
• Lombos de salmão deaquicultura
• Polén deabelha
√
X
√
X
√
X
X
X
√
√
O Logótipo biológicoda UEpodeser usado?
Conteronúmerode códigodo organismode controlo
quecontrolou ecertificou oproduto.
EmPortugal:PT-BIO-XX
OcampovisualdadenominaçãodevendaNÃOPODEconter o termobiológico.
Lista de ingredientesTEMque indicar:
• Quais sãoosingredientesbiológicos;
• %total deingredientesbiológicosemrelaçãoàquantidadetotal de
ingredientesagrícolas NÃO Biológicos.
PRODUTOS COM INGREDIENTES DE ORIGEM AGRÍCOLA NÃO BIOLÓGICOS
INGREDIENTE PRINCIPAL: PRODUTO DA CAÇA OU DA PESCA SELVAGEM
Conteronúmerodecódigodo organismode
controlo quecontrolou ecertificou oproduto.
EmPortugal:PT-BIO-XX
Ocampovisualdadenominaçãodevenda
PODEconter o termobiológico.
Lista de ingredientesTEMque indicar:
• Osingredientesbiológicos;
• %total deingredientesbiológicosemrelaçãoàquantidadetotal
de ingredientesagrícolas.
Além do produto da caçaou da pescacomo ingrediente principal este produto só
podeter outros ingredientes deorigem agrícolaquesejambiológicos.
Logótipo
biológicoda EU?
DEPENDE
Embalado e/ou SIM
rotulado naUE? Obrigatório
NÃO
Facultativo
TÊM QUE ESTARSEMPRE ACOMPANHADOS
(no mesmo campovisual)
Do númerode códigodo Organismo de Contolo
Caldo verdebiológico
Ingredientes: batata bio,
cebola bio, couve
portuguesa bio, alho bio,
água, azeite virgemextra
bio esal.
100%de ingredientes de
origem agrícolabiológicos
PT-BIO-XX
Agricultura Portugal
√
PT-BIO-XX
Agricultura Portugal/Agriculturanão UE
√
Arroz docebiológico
Ingredientes: arroz*, leite de vaca*, ovos*,
frutose ecanela*.
* Ingredientes de origem agrícola
biológicos
Arroz doce
Ingredientes: arroz, leite devaca,
ovos bio,açúcar e canela bio.
* 10%de ingredientes de origem
agrícola biológicos
PT-BIO-XX √
Muesli
Ingredientes: flocos de aveia*,
sultanas*, amêndoas*,framboesas
desidratadas e maçasdesidratadas.
* 97%de ingredientes de origem
agrícola biológicos
PT-BIO-XX √
* Exemplospara verificação exclusivade
requisitos derotulagem deprodutosbiológicos
Tarte de cerejasbio
Ingredientes: farinha de trigo*,
farinha de semente de alfarroba
(E410)*, açúcar*, ovos*, cerejas*,
água,Kirsch.
* 98,5% de ingredientes de
origem agrícolabiológicos
PT-BIO-XX
Agricultura UE/Agriculturanão UE
√
* Exemplospara verificação
exclusiva derequisitosde
Empadãode soja biológico
Ingredientes: puré de batata
(batata*, bebidadesoja,noz
moscada*esal),recheiodesoja
azeitevirgemextra* esal)eovo*
de agriculturabiológica
Esteproduto contémorganismos
geneticamentemodificados.
PT-BIO-XX
Agricultura Portugal/Agriculturanão UE
X
(granulado de soja*,cebola*, alho*,
* 99%dos ingredientes agrícolas são
Muesli bio
Ingredientes: flocos de
aveia*, sultanas*,
amêndoas*, framboesas
desidratadas emaças
desidratadas
* 99% de ingredientes
de origem agrícola
biológicos
PT-BIO-XX
Agricultura Portugal
√
RESUMO
Notificação deatividade
àDGADR
+
Controlado por um
Organismo de Controlo
reconhecido pelaDGADR
para esseefeito
Produto conforme
com asregrasMPB
Operador(es) aderiu(ram)ao
sistema de controloMPB
Número decódigo
do organismo decontrolo
Biológico
Local deorigem
Logótipo biológico daUE
Logótipo biológico daUE
Pré-embalado
Obrigatório
Nãopré-embalado
Facultativo
ROTULAGEM
ROTULAGEM
ROTULAGEM
ROTULAGEM
COMERCIALIZAÇÃO - Promoção
COMERCIALIZAÇÃO - Promoção
COMERCIALIZAÇÃO - Promoção
COMERCIALIZAÇÃO - Promoção
COMERCIALIZAÇÃO - Promoção
COMERCIALIZAÇÃO - Promoção
COMERCIALIZAÇÃO - Promoção
COMERCIALIZAÇÃO - Promoção
COMERCIALIZAÇÃO
O controlo é obrigatório para:
• Comercialização de produtos a granel
• Revenda
• Importação de países terceiros
Não é obrigatório para:
• Comercialização direta ao consumidor final
• Produtos pré-embalados e rotulados ao consumidor
final
IMPORTAÇÃO
• Considera-se importação de produtos biológicos, a
importação de países terceiros (fora da UE)
• Todos os operadores que importam produtos têm de
ser controlados
• O desalfandegamento tem de ser comunicado à
DGADR/DRAP
IMPORTAÇÃO
• Deve existir um certificado emitido pelo OC que
controlou o produto na origem que acompanha o
produto e é validado pela DGADR, antes do
desalfandegamento
• Caso o produto não seja validado pela DGADR, perde
o estatuto da certificação e deve ser colocado no
mercado convencional

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

biológica
biológicabiológica
Mi 6 ii
Mi 6 iiMi 6 ii
Docsity o-uso-de-biopesticidas-na-agricultura
Docsity o-uso-de-biopesticidas-na-agriculturaDocsity o-uso-de-biopesticidas-na-agricultura
Docsity o-uso-de-biopesticidas-na-agricultura
Amillima
 
Diferencas entre ag convencional e mpb
Diferencas entre ag convencional e mpbDiferencas entre ag convencional e mpb
Diferencas entre ag convencional e mpb
Consultua Ensino e Formação Profissional, Lda
 
Manual.biohorta.coimbra
Manual.biohorta.coimbraManual.biohorta.coimbra
Manual.biohorta.coimbra
João Siqueira da Mata
 
1 8 nova versao
1 8 nova versao1 8 nova versao
Con
ConCon
1 6.1
1 6.11 6.1
3
33
Modo produção biológico
Modo produção biológico Modo produção biológico
Modo produção biológico
Rosa Almendra
 
Modo de Produção Biológico de animais e de produtos de origem animal
Modo de Produção Biológico de animais e de produtos de origem animalModo de Produção Biológico de animais e de produtos de origem animal
Modo de Produção Biológico de animais e de produtos de origem animal
RaquelTorres202470
 
Agricultura biologica
Agricultura biologicaAgricultura biologica
Agricultura biologica
Rosa Almendra
 
Appcc fabrica de ração
Appcc   fabrica de raçãoAppcc   fabrica de ração
Appcc fabrica de ração
Tâmara Porfíro
 
M6 v
M6 vM6 v
Mpb animal
Mpb animalMpb animal
Mpb animal
RaquelTorres119
 
Peq
PeqPeq
I.1
I.1I.1
M4 e formador
M4 e formadorM4 e formador
M4 e formador
Paula Nunes da Silva
 
mpb
mpbmpb

Mais procurados (19)

biológica
biológicabiológica
biológica
 
Mi 6 ii
Mi 6 iiMi 6 ii
Mi 6 ii
 
Docsity o-uso-de-biopesticidas-na-agricultura
Docsity o-uso-de-biopesticidas-na-agriculturaDocsity o-uso-de-biopesticidas-na-agricultura
Docsity o-uso-de-biopesticidas-na-agricultura
 
Diferencas entre ag convencional e mpb
Diferencas entre ag convencional e mpbDiferencas entre ag convencional e mpb
Diferencas entre ag convencional e mpb
 
Manual.biohorta.coimbra
Manual.biohorta.coimbraManual.biohorta.coimbra
Manual.biohorta.coimbra
 
1 8 nova versao
1 8 nova versao1 8 nova versao
1 8 nova versao
 
Con
ConCon
Con
 
1 6.1
1 6.11 6.1
1 6.1
 
3
33
3
 
Modo produção biológico
Modo produção biológico Modo produção biológico
Modo produção biológico
 
Modo de Produção Biológico de animais e de produtos de origem animal
Modo de Produção Biológico de animais e de produtos de origem animalModo de Produção Biológico de animais e de produtos de origem animal
Modo de Produção Biológico de animais e de produtos de origem animal
 
Agricultura biologica
Agricultura biologicaAgricultura biologica
Agricultura biologica
 
Appcc fabrica de ração
Appcc   fabrica de raçãoAppcc   fabrica de ração
Appcc fabrica de ração
 
M6 v
M6 vM6 v
M6 v
 
Mpb animal
Mpb animalMpb animal
Mpb animal
 
Peq
PeqPeq
Peq
 
I.1
I.1I.1
I.1
 
M4 e formador
M4 e formadorM4 e formador
M4 e formador
 
mpb
mpbmpb
mpb
 

Semelhante a 1 7

Códigos de Boas Práticas.ppt
Códigos de Boas Práticas.pptCódigos de Boas Práticas.ppt
Códigos de Boas Práticas.ppt
WellingtonBarbosa63
 
1456
14561456
1456
Pelo Siro
 
Higiene e segurança alimentar na restauração - 1.pdf
Higiene e segurança alimentar na restauração - 1.pdfHigiene e segurança alimentar na restauração - 1.pdf
Higiene e segurança alimentar na restauração - 1.pdf
Francisco Veiga
 
Higiene e segurança alimentar vol-2.pdf
Higiene e segurança alimentar vol-2.pdfHigiene e segurança alimentar vol-2.pdf
Higiene e segurança alimentar vol-2.pdf
Francisco Veiga
 
Jackson.teyr
Jackson.teyrJackson.teyr
Jackson.teyr
Jackson Antunes
 
Plano de Investimentos - Ferramenta de Avaliação de Projetos IAPMEI
Plano de Investimentos - Ferramenta de Avaliação de Projetos IAPMEIPlano de Investimentos - Ferramenta de Avaliação de Projetos IAPMEI
Plano de Investimentos - Ferramenta de Avaliação de Projetos IAPMEI
DiogoAlfama
 
apostila embrapa bpf armazenamento.pdf
apostila embrapa bpf armazenamento.pdfapostila embrapa bpf armazenamento.pdf
apostila embrapa bpf armazenamento.pdf
GiselePauloSora
 
Qualidade dos produtos e armazenagem_compressed.pdf
Qualidade dos produtos e armazenagem_compressed.pdfQualidade dos produtos e armazenagem_compressed.pdf
Qualidade dos produtos e armazenagem_compressed.pdf
RogrioSantiago7
 
Atividade slideshaare
Atividade slideshaareAtividade slideshaare
Atividade slideshaare
gilvanicealves
 
EMBALAGENS.pptx
EMBALAGENS.pptxEMBALAGENS.pptx
EMBALAGENS.pptx
MARCIA586447
 
Resumo Embalamento Bioactivo
Resumo Embalamento BioactivoResumo Embalamento Bioactivo
Resumo Embalamento Bioactivo
Marcelo Gil Simões
 
Agronegócio
AgronegócioAgronegócio
Agronegócio
Weysser Felipe
 
HACCP - Setembro 2014
HACCP -  Setembro 2014HACCP -  Setembro 2014
HACCP - Setembro 2014
IZAIAS DE SOUZA AGUIAR
 
Boas praticas para manipulação de alimentos
Boas praticas para manipulação de alimentosBoas praticas para manipulação de alimentos
Boas praticas para manipulação de alimentos
LuaraGarcia3
 
A conservação dos alimentos- Como conservar corretamento os alimentos
A conservação dos alimentos- Como conservar corretamento os alimentosA conservação dos alimentos- Como conservar corretamento os alimentos
A conservação dos alimentos- Como conservar corretamento os alimentos
Sidney Christ
 
Logistica internacional
Logistica internacional Logistica internacional
Logistica internacional
Diego Leonel
 
Aula01 conceitosembalagens1-160316140202
Aula01 conceitosembalagens1-160316140202Aula01 conceitosembalagens1-160316140202
Aula01 conceitosembalagens1-160316140202
RogerioAlves66
 
Aula 01 conceitos embalagens 1
Aula 01  conceitos embalagens 1Aula 01  conceitos embalagens 1
Aula 01 conceitos embalagens 1
andreiafaion
 
poa
poapoa
AULA SENAR mercados.pptx trabalho apresentado em uma participação no senar
AULA SENAR mercados.pptx trabalho apresentado em uma participação no senarAULA SENAR mercados.pptx trabalho apresentado em uma participação no senar
AULA SENAR mercados.pptx trabalho apresentado em uma participação no senar
RayaneReis14
 

Semelhante a 1 7 (20)

Códigos de Boas Práticas.ppt
Códigos de Boas Práticas.pptCódigos de Boas Práticas.ppt
Códigos de Boas Práticas.ppt
 
1456
14561456
1456
 
Higiene e segurança alimentar na restauração - 1.pdf
Higiene e segurança alimentar na restauração - 1.pdfHigiene e segurança alimentar na restauração - 1.pdf
Higiene e segurança alimentar na restauração - 1.pdf
 
Higiene e segurança alimentar vol-2.pdf
Higiene e segurança alimentar vol-2.pdfHigiene e segurança alimentar vol-2.pdf
Higiene e segurança alimentar vol-2.pdf
 
Jackson.teyr
Jackson.teyrJackson.teyr
Jackson.teyr
 
Plano de Investimentos - Ferramenta de Avaliação de Projetos IAPMEI
Plano de Investimentos - Ferramenta de Avaliação de Projetos IAPMEIPlano de Investimentos - Ferramenta de Avaliação de Projetos IAPMEI
Plano de Investimentos - Ferramenta de Avaliação de Projetos IAPMEI
 
apostila embrapa bpf armazenamento.pdf
apostila embrapa bpf armazenamento.pdfapostila embrapa bpf armazenamento.pdf
apostila embrapa bpf armazenamento.pdf
 
Qualidade dos produtos e armazenagem_compressed.pdf
Qualidade dos produtos e armazenagem_compressed.pdfQualidade dos produtos e armazenagem_compressed.pdf
Qualidade dos produtos e armazenagem_compressed.pdf
 
Atividade slideshaare
Atividade slideshaareAtividade slideshaare
Atividade slideshaare
 
EMBALAGENS.pptx
EMBALAGENS.pptxEMBALAGENS.pptx
EMBALAGENS.pptx
 
Resumo Embalamento Bioactivo
Resumo Embalamento BioactivoResumo Embalamento Bioactivo
Resumo Embalamento Bioactivo
 
Agronegócio
AgronegócioAgronegócio
Agronegócio
 
HACCP - Setembro 2014
HACCP -  Setembro 2014HACCP -  Setembro 2014
HACCP - Setembro 2014
 
Boas praticas para manipulação de alimentos
Boas praticas para manipulação de alimentosBoas praticas para manipulação de alimentos
Boas praticas para manipulação de alimentos
 
A conservação dos alimentos- Como conservar corretamento os alimentos
A conservação dos alimentos- Como conservar corretamento os alimentosA conservação dos alimentos- Como conservar corretamento os alimentos
A conservação dos alimentos- Como conservar corretamento os alimentos
 
Logistica internacional
Logistica internacional Logistica internacional
Logistica internacional
 
Aula01 conceitosembalagens1-160316140202
Aula01 conceitosembalagens1-160316140202Aula01 conceitosembalagens1-160316140202
Aula01 conceitosembalagens1-160316140202
 
Aula 01 conceitos embalagens 1
Aula 01  conceitos embalagens 1Aula 01  conceitos embalagens 1
Aula 01 conceitos embalagens 1
 
poa
poapoa
poa
 
AULA SENAR mercados.pptx trabalho apresentado em uma participação no senar
AULA SENAR mercados.pptx trabalho apresentado em uma participação no senarAULA SENAR mercados.pptx trabalho apresentado em uma participação no senar
AULA SENAR mercados.pptx trabalho apresentado em uma participação no senar
 

Mais de Consultua Ensino e Formação Profissional, Lda

Mviii cots intervenção tecnico-pedagógica do formador
Mviii cots intervenção tecnico-pedagógica do formadorMviii cots intervenção tecnico-pedagógica do formador
Mviii cots intervenção tecnico-pedagógica do formador
Consultua Ensino e Formação Profissional, Lda
 
Mviii cots intervenção tecnico-pedagógica do formador
Mviii cots intervenção tecnico-pedagógica do formadorMviii cots intervenção tecnico-pedagógica do formador
Mviii cots intervenção tecnico-pedagógica do formador
Consultua Ensino e Formação Profissional, Lda
 
4 produtos fitofarmaceuticos
4 produtos fitofarmaceuticos4 produtos fitofarmaceuticos
Introd
IntrodIntrod
Modulo i pf
Modulo i  pfModulo i  pf
Manual acolhimento
Manual acolhimentoManual acolhimento
Ii.4
Ii.4Ii.4
Ii.3
Ii.3Ii.3
Mi 4 parte ii_01-mpb-2021
Mi 4 parte ii_01-mpb-2021Mi 4 parte ii_01-mpb-2021
Manual acolhimento
Manual acolhimentoManual acolhimento
Metodologia avaliacao de rega de pivot 2021-10
Metodologia avaliacao de rega de pivot  2021-10Metodologia avaliacao de rega de pivot  2021-10
Metodologia avaliacao de rega de pivot 2021-10
Consultua Ensino e Formação Profissional, Lda
 
Metodologia avaliacao de rega de aspersão 2021-11
Metodologia avaliacao de rega de aspersão   2021-11Metodologia avaliacao de rega de aspersão   2021-11
Metodologia avaliacao de rega de aspersão 2021-11
Consultua Ensino e Formação Profissional, Lda
 
09 11 2021 auditoria da rega localizada
09 11 2021 auditoria da rega localizada09 11 2021 auditoria da rega localizada
09 11 2021 auditoria da rega localizada
Consultua Ensino e Formação Profissional, Lda
 
09 11 2021 auditoria da rega localizada
09 11 2021 auditoria da rega localizada09 11 2021 auditoria da rega localizada
09 11 2021 auditoria da rega localizada
Consultua Ensino e Formação Profissional, Lda
 
Ii.4 avaliacao sistema de rega geral uniformidade de rega apresentacao de 8 11
Ii.4 avaliacao sistema de rega geral uniformidade de rega apresentacao de 8 11Ii.4 avaliacao sistema de rega geral uniformidade de rega apresentacao de 8 11
Ii.4 avaliacao sistema de rega geral uniformidade de rega apresentacao de 8 11
Consultua Ensino e Formação Profissional, Lda
 
Ii.4 avaliacao sistema de rega geral eficiência de aplicacao apresentacao de ...
Ii.4 avaliacao sistema de rega geral eficiência de aplicacao apresentacao de ...Ii.4 avaliacao sistema de rega geral eficiência de aplicacao apresentacao de ...
Ii.4 avaliacao sistema de rega geral eficiência de aplicacao apresentacao de ...
Consultua Ensino e Formação Profissional, Lda
 
Ii.3 tecnicas de medicao de pressao apresentação 2021
Ii.3 tecnicas de medicao de pressao apresentação 2021Ii.3 tecnicas de medicao de pressao apresentação 2021
Ii.3 tecnicas de medicao de pressao apresentação 2021
Consultua Ensino e Formação Profissional, Lda
 
Avaliação sistema de rega aspersão
Avaliação sistema de rega aspersãoAvaliação sistema de rega aspersão
Avaliação sistema de rega aspersão
Consultua Ensino e Formação Profissional, Lda
 
Avaliação da rega localizada
Avaliação da rega localizadaAvaliação da rega localizada
Avaliação da rega localizada
Consultua Ensino e Formação Profissional, Lda
 
Avaliação sistema de rega geral
Avaliação sistema de rega geralAvaliação sistema de rega geral
Avaliação sistema de rega geral
Consultua Ensino e Formação Profissional, Lda
 

Mais de Consultua Ensino e Formação Profissional, Lda (20)

Mviii cots intervenção tecnico-pedagógica do formador
Mviii cots intervenção tecnico-pedagógica do formadorMviii cots intervenção tecnico-pedagógica do formador
Mviii cots intervenção tecnico-pedagógica do formador
 
Mviii cots intervenção tecnico-pedagógica do formador
Mviii cots intervenção tecnico-pedagógica do formadorMviii cots intervenção tecnico-pedagógica do formador
Mviii cots intervenção tecnico-pedagógica do formador
 
4 produtos fitofarmaceuticos
4 produtos fitofarmaceuticos4 produtos fitofarmaceuticos
4 produtos fitofarmaceuticos
 
Introd
IntrodIntrod
Introd
 
Modulo i pf
Modulo i  pfModulo i  pf
Modulo i pf
 
Manual acolhimento
Manual acolhimentoManual acolhimento
Manual acolhimento
 
Ii.4
Ii.4Ii.4
Ii.4
 
Ii.3
Ii.3Ii.3
Ii.3
 
Mi 4 parte ii_01-mpb-2021
Mi 4 parte ii_01-mpb-2021Mi 4 parte ii_01-mpb-2021
Mi 4 parte ii_01-mpb-2021
 
Manual acolhimento
Manual acolhimentoManual acolhimento
Manual acolhimento
 
Metodologia avaliacao de rega de pivot 2021-10
Metodologia avaliacao de rega de pivot  2021-10Metodologia avaliacao de rega de pivot  2021-10
Metodologia avaliacao de rega de pivot 2021-10
 
Metodologia avaliacao de rega de aspersão 2021-11
Metodologia avaliacao de rega de aspersão   2021-11Metodologia avaliacao de rega de aspersão   2021-11
Metodologia avaliacao de rega de aspersão 2021-11
 
09 11 2021 auditoria da rega localizada
09 11 2021 auditoria da rega localizada09 11 2021 auditoria da rega localizada
09 11 2021 auditoria da rega localizada
 
09 11 2021 auditoria da rega localizada
09 11 2021 auditoria da rega localizada09 11 2021 auditoria da rega localizada
09 11 2021 auditoria da rega localizada
 
Ii.4 avaliacao sistema de rega geral uniformidade de rega apresentacao de 8 11
Ii.4 avaliacao sistema de rega geral uniformidade de rega apresentacao de 8 11Ii.4 avaliacao sistema de rega geral uniformidade de rega apresentacao de 8 11
Ii.4 avaliacao sistema de rega geral uniformidade de rega apresentacao de 8 11
 
Ii.4 avaliacao sistema de rega geral eficiência de aplicacao apresentacao de ...
Ii.4 avaliacao sistema de rega geral eficiência de aplicacao apresentacao de ...Ii.4 avaliacao sistema de rega geral eficiência de aplicacao apresentacao de ...
Ii.4 avaliacao sistema de rega geral eficiência de aplicacao apresentacao de ...
 
Ii.3 tecnicas de medicao de pressao apresentação 2021
Ii.3 tecnicas de medicao de pressao apresentação 2021Ii.3 tecnicas de medicao de pressao apresentação 2021
Ii.3 tecnicas de medicao de pressao apresentação 2021
 
Avaliação sistema de rega aspersão
Avaliação sistema de rega aspersãoAvaliação sistema de rega aspersão
Avaliação sistema de rega aspersão
 
Avaliação da rega localizada
Avaliação da rega localizadaAvaliação da rega localizada
Avaliação da rega localizada
 
Avaliação sistema de rega geral
Avaliação sistema de rega geralAvaliação sistema de rega geral
Avaliação sistema de rega geral
 

Último

Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
DirceuSilva26
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
SupervisoEMAC
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Mary Alvarenga
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
marcos oliveira
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
Ligia Galvão
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Leonel Morgado
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 

Último (20)

Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 

1 7

  • 2. INTRODUÇÃO O acondicionamento de produtos (alimentares) é uma preocupação comum às várias áreas do ramo alimentar, começando com o processo produtivo, chegando à distribuição e no final da cadeia, a fase consumo. Poderá dizer-se que todas estas etapas têm início no processo de armazenamento, tratando-se de produtos alimentares devem acondicionados e conservados adequadamente para salvaguardar as devidas condições de higiene e durabilidade dos produtos.
  • 3. INTRODUÇÃO O grande desafio existente para os Produtores, maior até mesmo do que o de produzir, é conseguir que sua produção seja colocada no mercado por um preço bom / Justo e no momento desejado. Por outras palavras, é o tão conhecido "problema de comercialização", que afeta indistintamente tanto a pequenos e médios produtores, quanto a grandes, ainda que em diferentes dimensões.
  • 4. INTRODUÇÃO O problema reside nas incertezas a que fica exposta a atividade agrícola: * que envolvem os preços dos produtos nos mercados agrícolas * decorrentes das dificuldades de operar com produtos que são, naturalmente, perecíveis, estacionais, de baixo valor agregado, de difícil controle e que, obviamente, geram riscos económicos de perda quantitativa e qualitativa efetivas das mercadorias
  • 5. INTRODUÇÃO O problema reside nas incertezas a que fica exposta a atividade agrícola: * Incertezas de ganhos financeiros * A incerteza de mercado resulta em pane da instabilidade natural dos preços agrícolas que flutuam ao sabor das variações, quase que contínuas, dos fatores que afetam a oferta e a procura * …
  • 6. INTRODUÇÃO Entretanto, nos últimos tempos, têm ocorrido nos mercados consumidores, em várias partes do Globo, várias mudanças, que têm tornado os consumidores mais exigentes, dando origem a vários mercados segmentados, onde são requeridos produtos com características bastante personalizadas, formando os chamados "nichos" de mercado.
  • 7. INTRODUÇÃO Ao mesmo tempo, o conceito de comercialização tem evoluído bastante nos últimos anos em direção a uma visão mais mercadológica e industrial e têm fornecido aos produtores rurais instrumentos novos para operarem diretamente no mercado com muito mais oportunidades de superar o "problema de comercialização", tanto de preços instáveis, como de barreiras para colocar os produtos no mercado.
  • 8. INTRODUÇÃO A Comercialização dos Produtos BIOLÓGICOS: A comercialização em si considerou-se igualmente um obstáculo as dificuldades de comercialização destes produtos por várias ordens de razões: i) dificuldade do escoamento dos produtos biológicos por falta de canais de distribuição adequados, nomeadamente, escasseiam meios de apoio ao transporte das mercadorias;
  • 9. INTRODUÇÃO A Comercialização dos Produtos BIOLÓGICOS: ii) consumidor pouco consciente e informado - pouco preocupado com a qualidade dos produtos alimentares para a sua saúde e bem estar e com a sustentabilidade do meio ambiente, havendo uma escassez de informação ao nível do consumidor; iii) mercado exíguo
  • 10. INTRODUÇÃO Os Produtos Vegetais e Animais, obtidos durante o período de conversão NÃO PODEM ser comercializados com as indicações referentes à Produção Biológica na sua rotulagem e publicidade.
  • 11. TRANSPORTE e ARMAZENAMENTO  Medidas de precaução de contaminação  Medidas para evitar misturas de produtos BIO e produtos não BIO  Os produtos devem estar devidamente identificados e fechados
  • 13. TRANSPORTE A segurança alimentar no transporte é determinante para a integridade e qualidade do produto final e é o responsável pela introdução no mercado dos produtos alimentares que deve também assegurar as condições em que os mesmos são transportados.
  • 14. TRANSPORTE Todos os alimentos podem ser contaminados por diversos agentes, muitas vezes sensorialmente imperceptíveis, tornando-se veículos de substâncias nefastas para a saúde. Essa contaminação resulta, normalmente, em doenças de origem alimentar e pode acontecer por via biológica, física e química.
  • 15. TRANSPORTE O Regulamento (CE) n.º 852/2004, relativo à higiene dos géneros alimentícios, estabelece um conjunto de boas práticas indispensáveis para assegurar que os produtos alimentares são conservados de forma segura no seu transporte.
  • 16. TRANSPORTE - Características gerais das unidades de transporte - Boas práticas na carga e descarga de produtos alimentares - Controlo de temperaturas no transporte de alimentos - Transporte de alimentos perecíveis e não perecíveis Transporte de produtos alimentares – boas práticas
  • 18. ARMAZENAMENTO O armazenamento de produtos alimentares é uma preocupação comum às várias áreas do ramo alimentar, começando com o processo produtivo, chegando à distribuição e no final da cadeia, a fase consumo, como é o caso da restauração. Poderá dizer-se que todas estas etapas têm início no processo de armazenamento, ou seja, na receção das matérias primas, que neste caso em particular são produtos alimentares e que devem ser conservados e acondicionados adequadamente para salvaguardar as devidas condições de higiene e durabilidade dos produtos.
  • 19. ARMAZENAMENTO - O espaço de armazenamento - A receção dos produtos - Princípios básicos no armazenamento dos produtos Armazenamento de produtos alimentares – boas práticas
  • 20. ARMAZENAMENTO Na indústria alimentar, o controlo da segurança dos produtos alimentares não se restringe apenas à produção e ao consumo. O Armazenamento e a Distribuição, são igualmente, elos de grande importância na cadeia de abastecimento dos géneros alimentícios.
  • 21. ARMAZENAMENTO Na indústria alimentar, o controlo da segurança dos produtos alimentares não se restringe apenas à produção e ao consumo. O Armazenamento e a Distribuição, são igualmente, elos de grande importância na cadeia de abastecimento dos géneros alimentícios.
  • 23. TRANSFORMAÇÃO Os hábitos alimentares nos dias atuais passaram por uma grande modificação, decorrente do modo de vida e da influência da sociedade atual, chamada, sociedade de consumo. Houve um substitucionismo dos alimentos enraizados na cultura e na produção local por alimentos industriais e globais, resultado do processo de “imposição” do consumo pela indústria alimentar (Poulain, 2004).
  • 24. TRANSFORMAÇÃO Produtos Alimentares Transformados - Sofreram alterações numa fábrica. - Encontram-se normalmente em embalagens. - Necessitam de rótulo que indique os ingredientes e as transformações a que foram sujeitos. - Exemplos: Azeite, Vinho, Compotas, Sumos, Miolo de Amêndoa, iogurtes, sumos, pão de forma, produtos em conserva, bolachas, etc...
  • 26. ACONDICIONAMENTO O acondicionamento de alimentos implica embrulhá- los, empacotá-los ou contê-los ou em algum tipo de material que os protege durante o armazenamento, transporte e distribuição. O acondicionamento previne a danificação de produtos alimentares causada por choques e compressão, previne a contaminação, por exemplo de insetos e microrganismos, protege contra a humidade, o ar e os odores.
  • 27. ACONDICIONAMENTO Os produtos alimentares necessitam de ser acondicionados para assim prevenir a sua deterioração rápida e perda de valor, incluindo perdas do conteúdo devido a vazamentos e derramamentos.
  • 29. ROTULAGEM Todasasindicações,menções,marcasde fabricooucomerciais, imagensou símbolosreferentes aum género alimentício que figurem em qualquer embalagem, documento, aviso,rótulo, anel ou gargantilhaqueacompanhemouserefiramaesse géneroalimentício inRegulamento(UE)n.º1 169/201 1doParlamentoEuropeuedoConselho,de25de outubro de201 1 Os termos, menções, indicações, marcas de fábrica ou comerciais, imagens ou sinais que figuram em qualquer embalagem, documento, letreiro, rótulo, painel, cinta ou cabeçãoque acompanhem ou se refiram aumproduto inRegulamento(CE)n.º834/2007doConselho,de28dejunhode2007
  • 30. ROTULAGEM • ROTULAGEM • PUBLICIDADE • DOC UMENT AÇ ÃO COMERCIAL Sugeremaocomprador que o produto, osseus ingredientesou as matérias primasdestinadas aos alimentos paraanimais estão conformescom asregrasdoMPB Marcas Biológico Bio Eco Organic Ekologické Ökologisch Biológique Βιολογικό Ecologic Biologesch биологичен Ökoloogiline Bioloģisks Orgánach Biologico Ekologisk Ökológiai Ecológico Luonnonmukainen Ekologiczne Öko Ekoloģisks Éco OS TERMOS
  • 31. ROTULAGEM PRODUTOSDAAGRICULTURA,incluindo a aquicultura: • Produtosagrícolasvivosounãotransformados; • Produtosagrícolastransformadosdestinadosaseremutilizadoscomo géneros alimentícios, incluindoleveduras; • Alimentosparaanimais,incluindoleveduras;e • Materialdepropagaçãovegetativaesementes. Osprodutos dacaçaedapescadeanimais selvagens NÃO sãoconsiderados produçãobiológica MASacolheitadeprodutos vegetaisselvagensparafins comerciais,SIM
  • 32. ROTULAGEM PRODUÇÃOANIMAL -APENASESPÉCIES: • Bovinos, incluindo bubalusebison; • Equídeos; • Suínos; • Ovinos; • Caprinos; • Avesdecapoeira(espéciesreferidasnoanexo III do Regulamento (CE)n.º 889/2008 da Comissão,de5desetembrode2008);e • Abelhas. ALIMENTOSPARAANIMAIS: nãoabrangealimentosparaanimaisdecompanhia RESTAURAÇÃOCOLETIVA:nãoabrange
  • 33. COMPELO MENOS 95%DE INGREDIENTES DEORIGEM AGRÍCOLA BIOLÓGICOS OSRESTANTES5%? LISTAPOSITIVAdeingredientes agrícolas nãobiológicos Anexo IXdo Regulamento(CE)n.º 889/2008 daComissão, de 5de setembro de2008 NÃOTRANSFORMADOS ALISTADE INGREDIENTES? Temque identificar os ingredientes deorigem agrícola biológicos
  • 34. Acompanhado(no mesmo campo visual) Númerodecódigodo organismo decontrolo quecontrolou ecertificou oproduto. Portugal:PT-BIO-XX PT-BIO-XX Agricultura Portugal/nãoUE Localdeorigem(indicadoabaixo do númerodecódigo): • AgriculturaPortugalou nomedo paísonde98%dosingredientesagrícolasforam produzidos; • AgriculturaUE:ingredientesagrícolasproduzidosnaUniãoEuropeia; • AgriculturanãoUE:ingredientesagrícolasproduzidosnumpaísnãopertencenteàEU. PRÉ-EMBALADOS NAEU LOGÓTIPOBIOLÓGICODAEU
  • 35. NÃO PRÉ-EMBALADOS* TÊMQUEESTARSEMPREACOMPANHADOS(no mesmocampovisual) • Termo“biológico”ou dasuaabreviatura “bio”; e • Número decódigodo organismo decontrolo (PT-BIO-XX). * Embalados no ponto de venda apedido do comprador Logótipobiológico da EU? MAS FACULTATIVO
  • 36. • Cogumelos selvagens • Sardinhas em azeite virgemextra • Mexilhões deaquicultura • Sabonete deazeite • Vinho • Camisola de lã deovelha • Leite devacade umaexploração em conversão • Coelho • Lombos de salmão deaquicultura • Polén deabelha √ X √ X √ X X X √ √ O Logótipo biológicoda UEpodeser usado?
  • 37. Conteronúmerode códigodo organismode controlo quecontrolou ecertificou oproduto. EmPortugal:PT-BIO-XX OcampovisualdadenominaçãodevendaNÃOPODEconter o termobiológico. Lista de ingredientesTEMque indicar: • Quais sãoosingredientesbiológicos; • %total deingredientesbiológicosemrelaçãoàquantidadetotal de ingredientesagrícolas NÃO Biológicos. PRODUTOS COM INGREDIENTES DE ORIGEM AGRÍCOLA NÃO BIOLÓGICOS
  • 38. INGREDIENTE PRINCIPAL: PRODUTO DA CAÇA OU DA PESCA SELVAGEM Conteronúmerodecódigodo organismode controlo quecontrolou ecertificou oproduto. EmPortugal:PT-BIO-XX Ocampovisualdadenominaçãodevenda PODEconter o termobiológico. Lista de ingredientesTEMque indicar: • Osingredientesbiológicos; • %total deingredientesbiológicosemrelaçãoàquantidadetotal de ingredientesagrícolas. Além do produto da caçaou da pescacomo ingrediente principal este produto só podeter outros ingredientes deorigem agrícolaquesejambiológicos.
  • 39. Logótipo biológicoda EU? DEPENDE Embalado e/ou SIM rotulado naUE? Obrigatório NÃO Facultativo TÊM QUE ESTARSEMPRE ACOMPANHADOS (no mesmo campovisual) Do númerode códigodo Organismo de Contolo
  • 40. Caldo verdebiológico Ingredientes: batata bio, cebola bio, couve portuguesa bio, alho bio, água, azeite virgemextra bio esal. 100%de ingredientes de origem agrícolabiológicos PT-BIO-XX Agricultura Portugal √ PT-BIO-XX Agricultura Portugal/Agriculturanão UE √ Arroz docebiológico Ingredientes: arroz*, leite de vaca*, ovos*, frutose ecanela*. * Ingredientes de origem agrícola biológicos Arroz doce Ingredientes: arroz, leite devaca, ovos bio,açúcar e canela bio. * 10%de ingredientes de origem agrícola biológicos PT-BIO-XX √
  • 41. Muesli Ingredientes: flocos de aveia*, sultanas*, amêndoas*,framboesas desidratadas e maçasdesidratadas. * 97%de ingredientes de origem agrícola biológicos PT-BIO-XX √ * Exemplospara verificação exclusivade requisitos derotulagem deprodutosbiológicos
  • 42. Tarte de cerejasbio Ingredientes: farinha de trigo*, farinha de semente de alfarroba (E410)*, açúcar*, ovos*, cerejas*, água,Kirsch. * 98,5% de ingredientes de origem agrícolabiológicos PT-BIO-XX Agricultura UE/Agriculturanão UE √ * Exemplospara verificação exclusiva derequisitosde Empadãode soja biológico Ingredientes: puré de batata (batata*, bebidadesoja,noz moscada*esal),recheiodesoja azeitevirgemextra* esal)eovo* de agriculturabiológica Esteproduto contémorganismos geneticamentemodificados. PT-BIO-XX Agricultura Portugal/Agriculturanão UE X (granulado de soja*,cebola*, alho*, * 99%dos ingredientes agrícolas são
  • 43. Muesli bio Ingredientes: flocos de aveia*, sultanas*, amêndoas*, framboesas desidratadas emaças desidratadas * 99% de ingredientes de origem agrícola biológicos PT-BIO-XX Agricultura Portugal √
  • 44. RESUMO Notificação deatividade àDGADR + Controlado por um Organismo de Controlo reconhecido pelaDGADR para esseefeito Produto conforme com asregrasMPB Operador(es) aderiu(ram)ao sistema de controloMPB Número decódigo do organismo decontrolo Biológico Local deorigem Logótipo biológico daUE Logótipo biológico daUE Pré-embalado Obrigatório Nãopré-embalado Facultativo
  • 57. COMERCIALIZAÇÃO O controlo é obrigatório para: • Comercialização de produtos a granel • Revenda • Importação de países terceiros Não é obrigatório para: • Comercialização direta ao consumidor final • Produtos pré-embalados e rotulados ao consumidor final
  • 58. IMPORTAÇÃO • Considera-se importação de produtos biológicos, a importação de países terceiros (fora da UE) • Todos os operadores que importam produtos têm de ser controlados • O desalfandegamento tem de ser comunicado à DGADR/DRAP
  • 59. IMPORTAÇÃO • Deve existir um certificado emitido pelo OC que controlou o produto na origem que acompanha o produto e é validado pela DGADR, antes do desalfandegamento • Caso o produto não seja validado pela DGADR, perde o estatuto da certificação e deve ser colocado no mercado convencional