SlideShare uma empresa Scribd logo
Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal
APICULTURA: MODO DE PRODUÇÃO BIOLÓGICO
Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal
Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal
Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal
Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal
Corpo
Tórax
Peso
Língua
12-13mm
4mm
100mg
5-7mm
18-20mm
4,2mm
250mg
curta
14-15mm
5mm
230mg
curta
Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal
Abelhas Domésticas
Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal
Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal
Mel
Conjunto de açúcares que as abelhas elaboram a partir do néctar das flores
das plantas
(Mel de Néctar)
ou secreções provenientes das suas partes vivas, ou excreções de insectos
sugadores de plantas
(Mel de Melada)
Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal
Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal
Agricultura Biológica/Legislação
Regulamento (CE) Nº 834/2007 – Princípios Gerais
Título III – Regras de Produção
Capítulos 2 – Produção Agrícola (Artigos 8º a 10º)
Artigo 14º - Regras aplicáveis à produção animal
b) Quanto às práticas de criação e às condições de alojamento:
ix) Os apiários são colocados em zonas que assegurem fontes de néctar e
pólen essencialmente constituídas por culturas de produção biológica ou,
se for caso disso, por vegetação espontânea ou ainda florestas ou culturas
geridas não biologicamente que apenas sejam tratadas com recurso a
métodos de reduzido impacto ambiental. Os apiários são mantidos a uma
distância suficiente de fontes susceptíveis de provocar a contaminação dos
produtos da apicultura ou a deterioração da saúde das abelhas;
Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal
Agricultura Biológica/Legislação
Regulamento (CE) Nº 834/2007 – Princípios Gerais
Título III – Regras de Produção
Capítulos 2 – Produção Agrícola (Artigos 8º a 10º)
Artigo 14º - Regras aplicáveis à produção animal
b) Quanto às práticas de criação e às condições de alojamento:
x) As colmeias e os materiais utilizados na apicultura
são essencialmente constituídos por materiais
naturais;
Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal
Agricultura Biológica/Legislação
Regulamento (CE) Nº 834/2007 – Princípios Gerais
Título III – Regras de Produção
Capítulos 2 – Produção Agrícola (Artigos 8º a 10º)
Artigo 14º - Regras aplicáveis à produção animal
b) Quanto às práticas de criação e às condições de alojamento:
xi) É proibida a destruição das abelhas nos favos,
como método associado à colheita dos produtos da
apicultura;
Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal
Agricultura Biológica/Legislação
Regulamento (CE) nº 889/2008 – Título II
Capítulo 2 – Produção Animal
Secção 1 – Origem dos animais
Artigo 9º - Origem dos animais de criação não biológica
5. Para a renovação dos apiários, 10 %,
por ano, das abelhas-mestras e dos enxames
podem ser substituídos por abelhas-mestras e
enxames não biológicos na unidade de
produção biológica, desde que tais abelhas e
enxames sejam colocados em colmeias com
favos ou folhas de cera provenientes de
unidades de produção biológicas.
Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal
Agricultura Biológica/Legislação
Regulamento (CE) nº 889/2008 – Título II
Capítulo 2 – Produção Animal
Secção 2 – Alojamento dos animais e práticas de criação
Artigo 13º - Condições de alojamento e práticas de criação especificas
aplicáveis à apicultura
1. A localização dos apiários é tal que, num raio de 3 km em redor do local, as fontes de
néctar e de pólen são constituídas essencialmente por culturas de produção biológica e/ou
vegetação espontânea e/ou culturas tratadas com recurso a métodos de reduzido impacto
ambiental equivalentes aos descritos no artigo 36. o do Regulamento (CE) n. o 1698/2005 do
Conselho ( 1 ) ou no artigo 22. o do Regulamento (CE) n. o 1257/1999 do Conselho ( 2 ) que não
possam afectar a qualificação da produção apícola como biológica. Os requisitos acima
mencionados não são aplicáveis quando não haja floração ou as colmeias estejam em período de
hibernação.
Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal
Agricultura Biológica/Legislação
Regulamento (CE) nº 889/2008 – Título II
Capítulo 2 – Produção Animal
Secção 2 – Alojamento dos animais e práticas de criação
Artigo 13º - Condições de alojamento e práticas de criação especificas
aplicáveis à apicultura
2. Os Estados-Membros podem designar regiões ou zonas em que a apicultura que
satisfaz as regras da produção biológica não pode ser praticada.
3. As colmeias são basicamente feitas de materiais naturais que não apresentem
qualquer risco de contaminação para o ambiente ou para os produtos da apicultura.
4. As ceras necessárias para o fabrico de novas folhas de cera provêm de unidades de
produção que praticam a agricultura biológica.
Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal
Agricultura Biológica/Legislação
Regulamento (CE) nº 889/2008 – Título II
Capítulo 2 – Produção Animal
Secção 2 – Alojamento dos animais e práticas de criação
Artigo 13º - Condições de alojamento e práticas de criação especificas
aplicáveis à apicultura
5. Sem prejuízo do artigo 25. o , no interior das colmeias só podem ser utilizados
produtos naturais, tais como própolis, cera e óleos vegetais.
6. É proibido o uso de repelentes químicos de síntese durante as operações de
extracção de mel.
7. É proibida a extracção de mel a partir de favos que contenham ovos ou
larvas.
Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal
Agricultura Biológica/Legislação
Regulamento (CE) nº 889/2008 – Título II
Capítulo 2 – Produção Animal
Secção 3 – Alimentos para animais
Artigo 19º - Alimentos da própria exploração e de outras origens
3. No caso das abelhas, no termo da estação produtiva, devem ser deixadas
nas colmeias reservas de mel e de pólen suficientes para passar o inverno.
A alimentação das colónias só é autorizada quando a sobrevivência
das colmeias esteja em risco devido às condições climáticas. A alimentação
deve efectuar-se com mel biológico, xaropes de açúcar biológicos ou açúcar
biológico.
Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal
Agricultura Biológica/Legislação
Regulamento (CE) nº 889/2008 – Título II
Capítulo 2 – Produção Animal
Secção 4 –Prevenção das doenças e tratamentos veterinários
Artigo 25º - Regras específicas aplicáveis à prevenção das doenças e aos
tratamentos veterinários em apicultura
1. Para efeitos de protecção dos quadros, colmeias e favos, nomeadamente contra
pragas, só são permitidos os rodenticidas (e apenas em armadilhas) e os produtos
adequados enumerados no anexo II.
2. São permitidos os tratamentos físicos de desinfecção dos apiários, como o
vapor de água e a chama directa.
Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal
Agricultura Biológica/Legislação
Regulamento (CE) nº 889/2008 – Título II
Capítulo 2 – Produção Animal
Secção 4 –Prevenção das doenças e tratamentos veterinários
Artigo 25º - Regras específicas aplicáveis à prevenção das doenças e aos
tratamentos veterinários em apicultura
3. A prática da supressão dos machos só é autorizada como meio de
isolamento contra a infestação por Varroa destructor.
4. Se, apesar de todas as medidas de prevenção, as colónias aparecerem
doentes ou infestadas, devem ser imediatamente tratadas; se necessário,
podem ser colocadas em apiários de isolamento.
Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal
Agricultura Biológica/Legislação
Regulamento (CE) nº 889/2008 – Título II
Capítulo 2 – Produção Animal
Secção 4 –Prevenção das doenças e tratamentos veterinários
Artigo 25º - Regras específicas aplicáveis à prevenção das doenças e aos
tratamentos veterinários em apicultura
5. Os medicamentos veterinários podem ser utilizados na apicultura
biológica na medida em que a sua utilização seja autorizada pelo Estado-
Membro de acordo com as disposições comunitárias pertinentes ou com as
disposições nacionais conformes com a legislação comunitária.
6. Os ácidos fórmico, láctico, acético e oxálico, bem como o mentol, o timol,
o eucaliptol ou a cânfora, podem ser usados em caso de infestação por
Varroa destructor.
Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal
Agricultura Biológica/Legislação
Regulamento (CE) nº 889/2008 – Título II
Capítulo 2 – Produção Animal
Secção 4 –Prevenção das doenças e tratamentos veterinários
Artigo 25º - Regras específicas aplicáveis à prevenção das doenças e aos
tratamentos veterinários em apicultura
7. Se for aplicado um tratamento com produtos alopáticos de síntese
química, as colónias tratadas são colocadas, durante esse período, em
apiários de isolamento, e toda a cera é substituída por cera proveniente
da apicultura biológica. Subsequentemente, aplica-se a essas colónias o
período de conversão de um ano previsto no n. o 3 do artigo 38. o .
8. Os requisitos do n. o 7 não são aplicáveis aos produtos enumerados no n. o 6.
Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal
Agricultura Biológica/Legislação
Regulamento (CE) nº 889/2008 – Título II
Capítulo 2 – Produção Animal
Secção 3 – Alimentos para animais
Artigo 19º - Alimentos da própria exploração e de outras origens
3. No caso das abelhas, no termo da estação produtiva, devem ser deixadas
nas colmeias reservas de mel e de pólen suficientes para passar o inverno.
A alimentação das colónias só é autorizada quando a sobrevivência
das colmeias esteja em risco devido às condições climáticas. A alimentação
deve efectuar-se com mel biológico, xaropes de açúcar biológicos ou açúcar
biológico.
Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal
Localização dos Apiários
3 km
Maioria das Culturas
• Respeite MPB
• Vegetação Espontânea
• Culturas Fraco impacto
Ambiental
Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal
Localização dos Apiários
• Mel MPB
• Mel
Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal
Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal
Apicultura
ApiTecnia
Apicultor
ApiTécnico
Ceras
Alimentação
• Apiários
• Qualidade
• Contaminação
• Renovação
• Quantidade
• Tratamentos
• Genética
• Profilaxia
• Purificação
Qualidade PA • Isentos de Resíduos
Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal
Apicultor
ApiTécnico
• Apiário
“é um imenso laboratório, onde reina a
autoridade, a ordem, a liberdade, a
igualdade, e o trabalho”.
Alphonse Toussenel
(17 Março 1803 a 30 Abril 1885)
Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal
Apicultor
ApiTécnico
• Apiário
• Instalação
Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal
Apicultor
ApiTécnico
• Apiário
• Nº de colmeias
Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal
Apicultor
ApiTécnico
• Profilaxia
• Limpeza e desinfecção anual dos estrados
• Desinfecção dos quadros com soda
Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal
Apicultor
ApiTécnico
• Tratamentos
• Uniformização
• Sincronização
• Alternância de Princípios Activos ???
Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal
Apicultor
ApiTécnico
• Genética
• Boa produtividade
• Bom comportamento higiénico
• Reduzida enxameação
• Pouco agressivas
• Boa capacidade de invernação
• Comportamento “grooming”
Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal
Ceras
• Renovação
• 2/3 quadros por ano
40 abelhas nascidas dum alvéolo
12 meses
3 meses interrupção postura
9x30=270/12,85x3anos=38,55
Reduz 15% espaço/tamanho dos alvéolos
– Abelhas mais pequenas
– Menor vitalidade
– Menor vesicula de mel
Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal
Ceras
• Contaminação Biológica
Cera Mal / Pouco Purificada
=
Não Elimina / Mata
Fungos – 10, 15 anos
Bactérias – 30, 40 anos
Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal
Acariose – Acaro Loque Europeia – Bactéria Ascosferiose - Fungo SBV – Vírus Criação
Ensacada
Nosemose – Protozoário Loque Americana -
Bactéria
Aspergilose - Fungo CPV - Vírus Paralisia
Crónica
Amebiase – Protozoário Septicémia - Bactéria APV - Vírus Paralisia
Aguda
Varroose - Ácaro
Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal
Ceras
• Contaminação Química
Antibióticos
Acaricidas
Tetraciclinas
Oxitetraciclinas
Sulfatiazol
Nitrofuranos
Cloranfenicol
Amitraz
Fluvalinato
Coumafos
Flumetrina
Clorfenvinfos
Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal
Ceras
• Purificação
• Operadores de cera
Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal
Alimentação
• Qualidade
• Quantidade
Mel
Hidratos de Carbono
Minerais
50 a 120kg/colmeia/ano
Pólen
Proteínas
Aminoácidos
Gordura
Vitaminas
Fibras
Minerais
12 a 40 kg/colmeia/ano
Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal
Alimentação
• Qualidade
• Quantidade
Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal
Colónia:
Super Individuo
4 kg de abelhas
Favos (quadros) com criação
Favos (quadros) com alimento
Microclima
Temperatura
Humidade relativa
Ventilação
Consome
50 a 120 kg de mel
12 a 40 kg de pólen
80%
Hidratos de carbono
Minerais
20%
Proteínas, aminoácidos,
gorduras, minerais e vitaminas
Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal
Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal
Instalação do Apiário
Floração Nectarifera
Floração Polínifera
“Só abelhas bem nutridas exibem a vitalidade
necessária para desenvolver a colónia e cuidar das
suas congéneres, … ao mesmo tempo diminui a sua
propensão para sofrer doenças”
Apiários sedentários
“até brilham”
Doenças das Abelhas
Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal
Doenças da Criação
Doenças dos Adultos
Doenças Mistas
Doenças das Abelhas
Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal
2 – Doenças das Abelhas
2.1 – Doenças da Criação
2.1.1 – Loque Europeia Apicultor
2.1.2 – Loque Americana Preocupante / Erradicação
2.1.3 – Ascosferiose Vigilância
2.1.4 – Criação Saciforme Bibliográfica
2.1.5 – Paralisia Viral Aguda Associada à Varroose
2.1.6 – Paralisia Viral Israelita Associada à Varroose
2.1.7 – Aethina Tumida Quase Bibliográfica
2.1.8 – Tropilaelaps Quase Bibliográfica
2.2 – Doenças dos Adultos
2.2.1 – Nosemose Apis/ Nosema Ceranae Apicultor / Alimentação
2.2.2 – Amebiase Bibliográfica
2.2.3 – Acariose Bibliográfica
2.2.4 – Septicémia Bibliográfica
2.2.5 – Senotainiose Bibliográfica
2.2.6 – Paralisia Viral Associada à Varroose
2.2.7 – Melanose Bibliográfica
2.2.8 – Mal de Maio Bibliográfica
2.2.9 – Síndrome do Desaparecimento ?????????????????????????
2.2.10 – Melittiphis Bibliográfica
2.3 – Doenças Mistas
2.3.1 – Varroose Preocupante / Tratamento
2.3.2 – Aspergilose Associada à Ascosferiose/ Bibliográfica
2.4 – Criação Morta pelo Frio São Pedro/Apicultor
Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal
Doenças das Abelhas
Doenças das Abelhas - Ciclo Biológico da Abelha
Criação Adultos Mistas
Loque Europeia Nosemose Varroose
Loque Americana Acariose Aspergilose
Ascosferiose Septicémia Virose (APV – Vírus Paralisia Aguda)
SBV – Vírus Criação Ensacada Doença Negra (CPV – Vírus Paralisia
Crónica)
Aetinose
Tropilaelapsose
Doenças das abelhas – Tipo Agente Patogénico
Parasitárias Bacterianas Fúngicas Virais
Acariose – Acaro Loque Europeia – Bactéria Ascosferiose - Fungo SBV – Vírus Criação
Ensacada
Nosemose – Protozoário Loque Americana -
Bactéria
Aspergilose - Fungo CPV - Vírus Paralisia
Crónica
Amebiase – Protozoário Septicémia - Bactéria APV - Vírus Paralisia
Aguda
Varroose - Ácaro
Aetinose - Escaravelho
Tropilaelapsose – Ácaro
Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal
Doenças da Criação
Ascosferiose
(Ascosphaera apis)
Criação Saciforme
(Morator aetatulas)
Loque Europeia
(Melissococcus pluton)
Loque Americana
(Paenibacillus larvae)
Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal
Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal
Sintomas:
• Criação em Posições Anormais
• Criação Morta sem consistência Viscosa
Criação Normal Criação com Dorso
Voltado Para Baixo
Criação com Dorso
Voltado Para Cima
Criação Seca não
Aderente Alvéolo
Loque Europeia = Loque Benigna
Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal
Sintomas:
Cheiro
– Estranho
– Desagradável
– Intenso
– Podre
Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal
Sintomas:
• Perda da cor Branco Marfim das Larvas
• Criação com Alvéolos Escuros e Côncavos, com Orifícios e
Gretas.
• Criação com Coloração Amarelo Acastanhada a Castanho
Escuro, Tipo Café com Leite.
• Criação com Consistência Viscosa, Filamentosa e Aderente
às Paredes dos Alvéolos.
Loque Americana = Loque Maligna
Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal
26-mar-21 51
Os Três Magníficos da “MEDICINA GOURMET”
Geleia Real o “Leite das Abelhas”
Pólen a “Farmácia Verde”
Mel o “Carvão dos Músculos”
Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal
Doenças da Criação - Loque Americana (Paenibacilus larvae)
Cloranfenicol:
• Proibido porque provoca lesões
graves na medula óssea
• Alterações importantes na
produção de glóbulos
vermelhos, leucócitos
e plaquetas
• Efeitos tóxicos sobre o sistema
nervoso
• Náuseas, vómitos, diarreia,
inflamação da língua
e prurido anal
Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal
Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal
Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal
C
LA
N N
Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal
Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal
Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal
40 ml/l alcóol
1ml/l xarope 1/1
Gotejar 50ml/colmeia 3vezes /7 dias intervalo
Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal
Doenças das abelhas em estado latente
80% Loque Americana
90% Ascosferiose
80% Nosemose
Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal
Doenças dos Adultos
Acariose (Acarapis Woodi)
Nosemose (Nosema apis)
Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal
Acariose
Sintomas:
• Abelhas
moribundas
• Abelhas
penduradas nas
ervas
• Tentativas de voo
frustradas.
• Asas com
posições
anormais
Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal
Nosemose
Dejecções diarreicas:
Quadros do ninho
Estrado
Tábua de voo
Frente da colmeia
Teto da colmeia.
Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal
Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal
Doenças Mistas
Varroose
(Varroa destructor)
1904 Java
1982 França
1987 Montalegre
Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal
Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal
Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal
Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal
Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal
Doenças das Abelhas
Tratamentos:
Tratamentos Químicos
Tratamentos Biológicos
Tratamentos Biotécnicos
Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal
Preparação
Tratamento
Regra Base
Principio Activo
(MATA)
Excipiente
(DISSOLVE)
Veículo
(TRANSPORTA)
Biológico
Ácido Fórmico
Ácido Oxálico
Ácido Cítrico
Ácido Acético
Ácido Láctico
Timol
Cânfora
Lúpulo
Urtiga
Óleos Essenciais
Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal
Timol:
O timol é uma substância cristalina
incolor com um odor característico
que está presente na natureza nos
óleos essenciais do tomilho ou dos
orégãos.
Thymus vulgaris
Origanum vulgare
Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mpb animal
Mpb animalMpb animal
Mpb animal
RaquelTorres119
 
Modo de Produção Biológico de animais e de produtos de origem animal
Modo de Produção Biológico de animais e de produtos de origem animalModo de Produção Biológico de animais e de produtos de origem animal
Modo de Produção Biológico de animais e de produtos de origem animal
RaquelTorres202470
 
I.1
I.1I.1
Modo produção biológico
Modo produção biológico Modo produção biológico
Modo produção biológico
Rosa Almendra
 
Agricultura biologica
Agricultura biologicaAgricultura biologica
Agricultura biologica
Rosa Almendra
 
1 6.2 3
1 6.2 31 6.2 3
4
44
Manual.biohorta.coimbra
Manual.biohorta.coimbraManual.biohorta.coimbra
Manual.biohorta.coimbra
João Siqueira da Mata
 
Peq
PeqPeq
Lo
LoLo
3
33
Docsity o-uso-de-biopesticidas-na-agricultura
Docsity o-uso-de-biopesticidas-na-agriculturaDocsity o-uso-de-biopesticidas-na-agricultura
Docsity o-uso-de-biopesticidas-na-agricultura
Amillima
 
biológica
biológicabiológica
M1
M1M1
1 7
1 71 7
I.1 MPB
I.1 MPBI.1 MPB
Agrigeral
AgrigeralAgrigeral
M6 vii
M6 viiM6 vii

Mais procurados (18)

Mpb animal
Mpb animalMpb animal
Mpb animal
 
Modo de Produção Biológico de animais e de produtos de origem animal
Modo de Produção Biológico de animais e de produtos de origem animalModo de Produção Biológico de animais e de produtos de origem animal
Modo de Produção Biológico de animais e de produtos de origem animal
 
I.1
I.1I.1
I.1
 
Modo produção biológico
Modo produção biológico Modo produção biológico
Modo produção biológico
 
Agricultura biologica
Agricultura biologicaAgricultura biologica
Agricultura biologica
 
1 6.2 3
1 6.2 31 6.2 3
1 6.2 3
 
4
44
4
 
Manual.biohorta.coimbra
Manual.biohorta.coimbraManual.biohorta.coimbra
Manual.biohorta.coimbra
 
Peq
PeqPeq
Peq
 
Lo
LoLo
Lo
 
3
33
3
 
Docsity o-uso-de-biopesticidas-na-agricultura
Docsity o-uso-de-biopesticidas-na-agriculturaDocsity o-uso-de-biopesticidas-na-agricultura
Docsity o-uso-de-biopesticidas-na-agricultura
 
biológica
biológicabiológica
biológica
 
M1
M1M1
M1
 
1 7
1 71 7
1 7
 
I.1 MPB
I.1 MPBI.1 MPB
I.1 MPB
 
Agrigeral
AgrigeralAgrigeral
Agrigeral
 
M6 vii
M6 viiM6 vii
M6 vii
 

Semelhante a 7

Mi 6 i
Mi 6 iMi 6 i
Mi 6 i
Mi 6 iMi 6 i
Programa fitossanitário - armigera
Programa fitossanitário - armigeraPrograma fitossanitário - armigera
Programa fitossanitário - armigera
Tumate Virtual
 
Aula - Sistemas de Cria+º+úo de Aves.pptx
Aula - Sistemas de Cria+º+úo de Aves.pptxAula - Sistemas de Cria+º+úo de Aves.pptx
Aula - Sistemas de Cria+º+úo de Aves.pptx
MirianFernandes15
 
Manual.biohorta.coimbra
Manual.biohorta.coimbraManual.biohorta.coimbra
Manual.biohorta.coimbra
Susana Susanacaixinha
 
Aula 1-carneos fermentados
Aula 1-carneos fermentadosAula 1-carneos fermentados
Aula 1-carneos fermentados
Silvana Licodiedoff
 
Modo producao biologico
Modo producao biologicoModo producao biologico
Modo producao biologico
Rosa Almendra
 
Instrucao normativa-n46
Instrucao normativa-n46Instrucao normativa-n46
Instrucao normativa-n46
Camila Borges
 
Ficha Técnica 5.2.pdf
Ficha Técnica 5.2.pdfFicha Técnica 5.2.pdf
Ficha Técnica 5.2.pdf
RuiMota29
 
Portaria 368 97_boas praticas
Portaria 368 97_boas praticasPortaria 368 97_boas praticas
Portaria 368 97_boas praticas
Barbara Ricci
 
Agricultura biologica
Agricultura biologicaAgricultura biologica
Agricultura biologica
Nuno Lemos
 
Cartilha carbono-web
Cartilha carbono-webCartilha carbono-web
Cartilha carbono-web
Fábio Santos
 
manual_conversão.pdf
manual_conversão.pdfmanual_conversão.pdf
manual_conversão.pdf
Lurdes Dias
 
Produção de queijo cream cheese e legislação de leite orgânico eaf441
Produção de queijo cream cheese e legislação de leite orgânico eaf441Produção de queijo cream cheese e legislação de leite orgânico eaf441
Produção de queijo cream cheese e legislação de leite orgânico eaf441
Alisson Rios
 
I.4 Agricultura Biologica.pptxclllappaaa
I.4 Agricultura Biologica.pptxclllappaaaI.4 Agricultura Biologica.pptxclllappaaa
I.4 Agricultura Biologica.pptxclllappaaa
Judite Silva
 
Carne conserva-carne-moida-instrucao-normativa-mapa 83-2003-9pg
Carne conserva-carne-moida-instrucao-normativa-mapa 83-2003-9pgCarne conserva-carne-moida-instrucao-normativa-mapa 83-2003-9pg
Carne conserva-carne-moida-instrucao-normativa-mapa 83-2003-9pg
Rodolfo Antônio da Silva
 
Biotecnologia Aplicada à Agricultura - XXVI SECAM - Unimar, 20/10/14
Biotecnologia Aplicada à Agricultura - XXVI SECAM - Unimar, 20/10/14Biotecnologia Aplicada à Agricultura - XXVI SECAM - Unimar, 20/10/14
Biotecnologia Aplicada à Agricultura - XXVI SECAM - Unimar, 20/10/14
Darío Palmieri
 
Sistema de criação bovina
 Sistema de criação bovina Sistema de criação bovina
Sistema de criação bovina
Raphaella Huhu
 
Quarentenário iac e os transgênicos syngenta 2012
Quarentenário iac e os transgênicos   syngenta 2012Quarentenário iac e os transgênicos   syngenta 2012
Quarentenário iac e os transgênicos syngenta 2012
Renato Ferraz de Arruda Veiga
 
Quarentenário iac e os transgênicos syngenta 2012
Quarentenário iac e os transgênicos   syngenta 2012Quarentenário iac e os transgênicos   syngenta 2012
Quarentenário iac e os transgênicos syngenta 2012
Renato Ferraz de Arruda Veiga
 

Semelhante a 7 (20)

Mi 6 i
Mi 6 iMi 6 i
Mi 6 i
 
Mi 6 i
Mi 6 iMi 6 i
Mi 6 i
 
Programa fitossanitário - armigera
Programa fitossanitário - armigeraPrograma fitossanitário - armigera
Programa fitossanitário - armigera
 
Aula - Sistemas de Cria+º+úo de Aves.pptx
Aula - Sistemas de Cria+º+úo de Aves.pptxAula - Sistemas de Cria+º+úo de Aves.pptx
Aula - Sistemas de Cria+º+úo de Aves.pptx
 
Manual.biohorta.coimbra
Manual.biohorta.coimbraManual.biohorta.coimbra
Manual.biohorta.coimbra
 
Aula 1-carneos fermentados
Aula 1-carneos fermentadosAula 1-carneos fermentados
Aula 1-carneos fermentados
 
Modo producao biologico
Modo producao biologicoModo producao biologico
Modo producao biologico
 
Instrucao normativa-n46
Instrucao normativa-n46Instrucao normativa-n46
Instrucao normativa-n46
 
Ficha Técnica 5.2.pdf
Ficha Técnica 5.2.pdfFicha Técnica 5.2.pdf
Ficha Técnica 5.2.pdf
 
Portaria 368 97_boas praticas
Portaria 368 97_boas praticasPortaria 368 97_boas praticas
Portaria 368 97_boas praticas
 
Agricultura biologica
Agricultura biologicaAgricultura biologica
Agricultura biologica
 
Cartilha carbono-web
Cartilha carbono-webCartilha carbono-web
Cartilha carbono-web
 
manual_conversão.pdf
manual_conversão.pdfmanual_conversão.pdf
manual_conversão.pdf
 
Produção de queijo cream cheese e legislação de leite orgânico eaf441
Produção de queijo cream cheese e legislação de leite orgânico eaf441Produção de queijo cream cheese e legislação de leite orgânico eaf441
Produção de queijo cream cheese e legislação de leite orgânico eaf441
 
I.4 Agricultura Biologica.pptxclllappaaa
I.4 Agricultura Biologica.pptxclllappaaaI.4 Agricultura Biologica.pptxclllappaaa
I.4 Agricultura Biologica.pptxclllappaaa
 
Carne conserva-carne-moida-instrucao-normativa-mapa 83-2003-9pg
Carne conserva-carne-moida-instrucao-normativa-mapa 83-2003-9pgCarne conserva-carne-moida-instrucao-normativa-mapa 83-2003-9pg
Carne conserva-carne-moida-instrucao-normativa-mapa 83-2003-9pg
 
Biotecnologia Aplicada à Agricultura - XXVI SECAM - Unimar, 20/10/14
Biotecnologia Aplicada à Agricultura - XXVI SECAM - Unimar, 20/10/14Biotecnologia Aplicada à Agricultura - XXVI SECAM - Unimar, 20/10/14
Biotecnologia Aplicada à Agricultura - XXVI SECAM - Unimar, 20/10/14
 
Sistema de criação bovina
 Sistema de criação bovina Sistema de criação bovina
Sistema de criação bovina
 
Quarentenário iac e os transgênicos syngenta 2012
Quarentenário iac e os transgênicos   syngenta 2012Quarentenário iac e os transgênicos   syngenta 2012
Quarentenário iac e os transgênicos syngenta 2012
 
Quarentenário iac e os transgênicos syngenta 2012
Quarentenário iac e os transgênicos   syngenta 2012Quarentenário iac e os transgênicos   syngenta 2012
Quarentenário iac e os transgênicos syngenta 2012
 

Mais de Consultua Ensino e Formação Profissional, Lda

Mviii cots intervenção tecnico-pedagógica do formador
Mviii cots intervenção tecnico-pedagógica do formadorMviii cots intervenção tecnico-pedagógica do formador
Mviii cots intervenção tecnico-pedagógica do formador
Consultua Ensino e Formação Profissional, Lda
 
Mviii cots intervenção tecnico-pedagógica do formador
Mviii cots intervenção tecnico-pedagógica do formadorMviii cots intervenção tecnico-pedagógica do formador
Mviii cots intervenção tecnico-pedagógica do formador
Consultua Ensino e Formação Profissional, Lda
 
4 produtos fitofarmaceuticos
4 produtos fitofarmaceuticos4 produtos fitofarmaceuticos
Introd
IntrodIntrod
Modulo i pf
Modulo i  pfModulo i  pf
Manual acolhimento
Manual acolhimentoManual acolhimento
Ii.4
Ii.4Ii.4
Ii.3
Ii.3Ii.3
Mi 4 parte ii_01-mpb-2021
Mi 4 parte ii_01-mpb-2021Mi 4 parte ii_01-mpb-2021
Manual acolhimento
Manual acolhimentoManual acolhimento
Metodologia avaliacao de rega de pivot 2021-10
Metodologia avaliacao de rega de pivot  2021-10Metodologia avaliacao de rega de pivot  2021-10
Metodologia avaliacao de rega de pivot 2021-10
Consultua Ensino e Formação Profissional, Lda
 
Metodologia avaliacao de rega de aspersão 2021-11
Metodologia avaliacao de rega de aspersão   2021-11Metodologia avaliacao de rega de aspersão   2021-11
Metodologia avaliacao de rega de aspersão 2021-11
Consultua Ensino e Formação Profissional, Lda
 
09 11 2021 auditoria da rega localizada
09 11 2021 auditoria da rega localizada09 11 2021 auditoria da rega localizada
09 11 2021 auditoria da rega localizada
Consultua Ensino e Formação Profissional, Lda
 
09 11 2021 auditoria da rega localizada
09 11 2021 auditoria da rega localizada09 11 2021 auditoria da rega localizada
09 11 2021 auditoria da rega localizada
Consultua Ensino e Formação Profissional, Lda
 
Ii.4 avaliacao sistema de rega geral uniformidade de rega apresentacao de 8 11
Ii.4 avaliacao sistema de rega geral uniformidade de rega apresentacao de 8 11Ii.4 avaliacao sistema de rega geral uniformidade de rega apresentacao de 8 11
Ii.4 avaliacao sistema de rega geral uniformidade de rega apresentacao de 8 11
Consultua Ensino e Formação Profissional, Lda
 
Ii.4 avaliacao sistema de rega geral eficiência de aplicacao apresentacao de ...
Ii.4 avaliacao sistema de rega geral eficiência de aplicacao apresentacao de ...Ii.4 avaliacao sistema de rega geral eficiência de aplicacao apresentacao de ...
Ii.4 avaliacao sistema de rega geral eficiência de aplicacao apresentacao de ...
Consultua Ensino e Formação Profissional, Lda
 
Ii.3 tecnicas de medicao de pressao apresentação 2021
Ii.3 tecnicas de medicao de pressao apresentação 2021Ii.3 tecnicas de medicao de pressao apresentação 2021
Ii.3 tecnicas de medicao de pressao apresentação 2021
Consultua Ensino e Formação Profissional, Lda
 
Avaliação sistema de rega aspersão
Avaliação sistema de rega aspersãoAvaliação sistema de rega aspersão
Avaliação sistema de rega aspersão
Consultua Ensino e Formação Profissional, Lda
 
Avaliação da rega localizada
Avaliação da rega localizadaAvaliação da rega localizada
Avaliação da rega localizada
Consultua Ensino e Formação Profissional, Lda
 
Avaliação sistema de rega geral
Avaliação sistema de rega geralAvaliação sistema de rega geral
Avaliação sistema de rega geral
Consultua Ensino e Formação Profissional, Lda
 

Mais de Consultua Ensino e Formação Profissional, Lda (20)

Mviii cots intervenção tecnico-pedagógica do formador
Mviii cots intervenção tecnico-pedagógica do formadorMviii cots intervenção tecnico-pedagógica do formador
Mviii cots intervenção tecnico-pedagógica do formador
 
Mviii cots intervenção tecnico-pedagógica do formador
Mviii cots intervenção tecnico-pedagógica do formadorMviii cots intervenção tecnico-pedagógica do formador
Mviii cots intervenção tecnico-pedagógica do formador
 
4 produtos fitofarmaceuticos
4 produtos fitofarmaceuticos4 produtos fitofarmaceuticos
4 produtos fitofarmaceuticos
 
Introd
IntrodIntrod
Introd
 
Modulo i pf
Modulo i  pfModulo i  pf
Modulo i pf
 
Manual acolhimento
Manual acolhimentoManual acolhimento
Manual acolhimento
 
Ii.4
Ii.4Ii.4
Ii.4
 
Ii.3
Ii.3Ii.3
Ii.3
 
Mi 4 parte ii_01-mpb-2021
Mi 4 parte ii_01-mpb-2021Mi 4 parte ii_01-mpb-2021
Mi 4 parte ii_01-mpb-2021
 
Manual acolhimento
Manual acolhimentoManual acolhimento
Manual acolhimento
 
Metodologia avaliacao de rega de pivot 2021-10
Metodologia avaliacao de rega de pivot  2021-10Metodologia avaliacao de rega de pivot  2021-10
Metodologia avaliacao de rega de pivot 2021-10
 
Metodologia avaliacao de rega de aspersão 2021-11
Metodologia avaliacao de rega de aspersão   2021-11Metodologia avaliacao de rega de aspersão   2021-11
Metodologia avaliacao de rega de aspersão 2021-11
 
09 11 2021 auditoria da rega localizada
09 11 2021 auditoria da rega localizada09 11 2021 auditoria da rega localizada
09 11 2021 auditoria da rega localizada
 
09 11 2021 auditoria da rega localizada
09 11 2021 auditoria da rega localizada09 11 2021 auditoria da rega localizada
09 11 2021 auditoria da rega localizada
 
Ii.4 avaliacao sistema de rega geral uniformidade de rega apresentacao de 8 11
Ii.4 avaliacao sistema de rega geral uniformidade de rega apresentacao de 8 11Ii.4 avaliacao sistema de rega geral uniformidade de rega apresentacao de 8 11
Ii.4 avaliacao sistema de rega geral uniformidade de rega apresentacao de 8 11
 
Ii.4 avaliacao sistema de rega geral eficiência de aplicacao apresentacao de ...
Ii.4 avaliacao sistema de rega geral eficiência de aplicacao apresentacao de ...Ii.4 avaliacao sistema de rega geral eficiência de aplicacao apresentacao de ...
Ii.4 avaliacao sistema de rega geral eficiência de aplicacao apresentacao de ...
 
Ii.3 tecnicas de medicao de pressao apresentação 2021
Ii.3 tecnicas de medicao de pressao apresentação 2021Ii.3 tecnicas de medicao de pressao apresentação 2021
Ii.3 tecnicas de medicao de pressao apresentação 2021
 
Avaliação sistema de rega aspersão
Avaliação sistema de rega aspersãoAvaliação sistema de rega aspersão
Avaliação sistema de rega aspersão
 
Avaliação da rega localizada
Avaliação da rega localizadaAvaliação da rega localizada
Avaliação da rega localizada
 
Avaliação sistema de rega geral
Avaliação sistema de rega geralAvaliação sistema de rega geral
Avaliação sistema de rega geral
 

Último

reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
Ligia Galvão
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
beathrizalves131
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Mary Alvarenga
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
marcos oliveira
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p..._jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
marcos oliveira
 

Último (20)

reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
 
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p..._jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 

7

  • 1. Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal APICULTURA: MODO DE PRODUÇÃO BIOLÓGICO
  • 2. Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal
  • 3. Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal
  • 4. Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal
  • 5. Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal Corpo Tórax Peso Língua 12-13mm 4mm 100mg 5-7mm 18-20mm 4,2mm 250mg curta 14-15mm 5mm 230mg curta
  • 6. Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal Abelhas Domésticas
  • 7. Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal
  • 8. Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal Mel Conjunto de açúcares que as abelhas elaboram a partir do néctar das flores das plantas (Mel de Néctar) ou secreções provenientes das suas partes vivas, ou excreções de insectos sugadores de plantas (Mel de Melada)
  • 9. Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal
  • 10. Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal Agricultura Biológica/Legislação Regulamento (CE) Nº 834/2007 – Princípios Gerais Título III – Regras de Produção Capítulos 2 – Produção Agrícola (Artigos 8º a 10º) Artigo 14º - Regras aplicáveis à produção animal b) Quanto às práticas de criação e às condições de alojamento: ix) Os apiários são colocados em zonas que assegurem fontes de néctar e pólen essencialmente constituídas por culturas de produção biológica ou, se for caso disso, por vegetação espontânea ou ainda florestas ou culturas geridas não biologicamente que apenas sejam tratadas com recurso a métodos de reduzido impacto ambiental. Os apiários são mantidos a uma distância suficiente de fontes susceptíveis de provocar a contaminação dos produtos da apicultura ou a deterioração da saúde das abelhas;
  • 11. Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal Agricultura Biológica/Legislação Regulamento (CE) Nº 834/2007 – Princípios Gerais Título III – Regras de Produção Capítulos 2 – Produção Agrícola (Artigos 8º a 10º) Artigo 14º - Regras aplicáveis à produção animal b) Quanto às práticas de criação e às condições de alojamento: x) As colmeias e os materiais utilizados na apicultura são essencialmente constituídos por materiais naturais;
  • 12. Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal Agricultura Biológica/Legislação Regulamento (CE) Nº 834/2007 – Princípios Gerais Título III – Regras de Produção Capítulos 2 – Produção Agrícola (Artigos 8º a 10º) Artigo 14º - Regras aplicáveis à produção animal b) Quanto às práticas de criação e às condições de alojamento: xi) É proibida a destruição das abelhas nos favos, como método associado à colheita dos produtos da apicultura;
  • 13. Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal Agricultura Biológica/Legislação Regulamento (CE) nº 889/2008 – Título II Capítulo 2 – Produção Animal Secção 1 – Origem dos animais Artigo 9º - Origem dos animais de criação não biológica 5. Para a renovação dos apiários, 10 %, por ano, das abelhas-mestras e dos enxames podem ser substituídos por abelhas-mestras e enxames não biológicos na unidade de produção biológica, desde que tais abelhas e enxames sejam colocados em colmeias com favos ou folhas de cera provenientes de unidades de produção biológicas.
  • 14. Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal Agricultura Biológica/Legislação Regulamento (CE) nº 889/2008 – Título II Capítulo 2 – Produção Animal Secção 2 – Alojamento dos animais e práticas de criação Artigo 13º - Condições de alojamento e práticas de criação especificas aplicáveis à apicultura 1. A localização dos apiários é tal que, num raio de 3 km em redor do local, as fontes de néctar e de pólen são constituídas essencialmente por culturas de produção biológica e/ou vegetação espontânea e/ou culturas tratadas com recurso a métodos de reduzido impacto ambiental equivalentes aos descritos no artigo 36. o do Regulamento (CE) n. o 1698/2005 do Conselho ( 1 ) ou no artigo 22. o do Regulamento (CE) n. o 1257/1999 do Conselho ( 2 ) que não possam afectar a qualificação da produção apícola como biológica. Os requisitos acima mencionados não são aplicáveis quando não haja floração ou as colmeias estejam em período de hibernação.
  • 15. Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal Agricultura Biológica/Legislação Regulamento (CE) nº 889/2008 – Título II Capítulo 2 – Produção Animal Secção 2 – Alojamento dos animais e práticas de criação Artigo 13º - Condições de alojamento e práticas de criação especificas aplicáveis à apicultura 2. Os Estados-Membros podem designar regiões ou zonas em que a apicultura que satisfaz as regras da produção biológica não pode ser praticada. 3. As colmeias são basicamente feitas de materiais naturais que não apresentem qualquer risco de contaminação para o ambiente ou para os produtos da apicultura. 4. As ceras necessárias para o fabrico de novas folhas de cera provêm de unidades de produção que praticam a agricultura biológica.
  • 16. Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal Agricultura Biológica/Legislação Regulamento (CE) nº 889/2008 – Título II Capítulo 2 – Produção Animal Secção 2 – Alojamento dos animais e práticas de criação Artigo 13º - Condições de alojamento e práticas de criação especificas aplicáveis à apicultura 5. Sem prejuízo do artigo 25. o , no interior das colmeias só podem ser utilizados produtos naturais, tais como própolis, cera e óleos vegetais. 6. É proibido o uso de repelentes químicos de síntese durante as operações de extracção de mel. 7. É proibida a extracção de mel a partir de favos que contenham ovos ou larvas.
  • 17. Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal Agricultura Biológica/Legislação Regulamento (CE) nº 889/2008 – Título II Capítulo 2 – Produção Animal Secção 3 – Alimentos para animais Artigo 19º - Alimentos da própria exploração e de outras origens 3. No caso das abelhas, no termo da estação produtiva, devem ser deixadas nas colmeias reservas de mel e de pólen suficientes para passar o inverno. A alimentação das colónias só é autorizada quando a sobrevivência das colmeias esteja em risco devido às condições climáticas. A alimentação deve efectuar-se com mel biológico, xaropes de açúcar biológicos ou açúcar biológico.
  • 18. Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal Agricultura Biológica/Legislação Regulamento (CE) nº 889/2008 – Título II Capítulo 2 – Produção Animal Secção 4 –Prevenção das doenças e tratamentos veterinários Artigo 25º - Regras específicas aplicáveis à prevenção das doenças e aos tratamentos veterinários em apicultura 1. Para efeitos de protecção dos quadros, colmeias e favos, nomeadamente contra pragas, só são permitidos os rodenticidas (e apenas em armadilhas) e os produtos adequados enumerados no anexo II. 2. São permitidos os tratamentos físicos de desinfecção dos apiários, como o vapor de água e a chama directa.
  • 19. Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal Agricultura Biológica/Legislação Regulamento (CE) nº 889/2008 – Título II Capítulo 2 – Produção Animal Secção 4 –Prevenção das doenças e tratamentos veterinários Artigo 25º - Regras específicas aplicáveis à prevenção das doenças e aos tratamentos veterinários em apicultura 3. A prática da supressão dos machos só é autorizada como meio de isolamento contra a infestação por Varroa destructor. 4. Se, apesar de todas as medidas de prevenção, as colónias aparecerem doentes ou infestadas, devem ser imediatamente tratadas; se necessário, podem ser colocadas em apiários de isolamento.
  • 20. Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal Agricultura Biológica/Legislação Regulamento (CE) nº 889/2008 – Título II Capítulo 2 – Produção Animal Secção 4 –Prevenção das doenças e tratamentos veterinários Artigo 25º - Regras específicas aplicáveis à prevenção das doenças e aos tratamentos veterinários em apicultura 5. Os medicamentos veterinários podem ser utilizados na apicultura biológica na medida em que a sua utilização seja autorizada pelo Estado- Membro de acordo com as disposições comunitárias pertinentes ou com as disposições nacionais conformes com a legislação comunitária. 6. Os ácidos fórmico, láctico, acético e oxálico, bem como o mentol, o timol, o eucaliptol ou a cânfora, podem ser usados em caso de infestação por Varroa destructor.
  • 21. Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal Agricultura Biológica/Legislação Regulamento (CE) nº 889/2008 – Título II Capítulo 2 – Produção Animal Secção 4 –Prevenção das doenças e tratamentos veterinários Artigo 25º - Regras específicas aplicáveis à prevenção das doenças e aos tratamentos veterinários em apicultura 7. Se for aplicado um tratamento com produtos alopáticos de síntese química, as colónias tratadas são colocadas, durante esse período, em apiários de isolamento, e toda a cera é substituída por cera proveniente da apicultura biológica. Subsequentemente, aplica-se a essas colónias o período de conversão de um ano previsto no n. o 3 do artigo 38. o . 8. Os requisitos do n. o 7 não são aplicáveis aos produtos enumerados no n. o 6.
  • 22. Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal Agricultura Biológica/Legislação Regulamento (CE) nº 889/2008 – Título II Capítulo 2 – Produção Animal Secção 3 – Alimentos para animais Artigo 19º - Alimentos da própria exploração e de outras origens 3. No caso das abelhas, no termo da estação produtiva, devem ser deixadas nas colmeias reservas de mel e de pólen suficientes para passar o inverno. A alimentação das colónias só é autorizada quando a sobrevivência das colmeias esteja em risco devido às condições climáticas. A alimentação deve efectuar-se com mel biológico, xaropes de açúcar biológicos ou açúcar biológico.
  • 23. Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal Localização dos Apiários 3 km Maioria das Culturas • Respeite MPB • Vegetação Espontânea • Culturas Fraco impacto Ambiental
  • 24. Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal Localização dos Apiários • Mel MPB • Mel
  • 25. Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal
  • 26. Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal Apicultura ApiTecnia Apicultor ApiTécnico Ceras Alimentação • Apiários • Qualidade • Contaminação • Renovação • Quantidade • Tratamentos • Genética • Profilaxia • Purificação Qualidade PA • Isentos de Resíduos
  • 27. Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal Apicultor ApiTécnico • Apiário “é um imenso laboratório, onde reina a autoridade, a ordem, a liberdade, a igualdade, e o trabalho”. Alphonse Toussenel (17 Março 1803 a 30 Abril 1885)
  • 28. Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal Apicultor ApiTécnico • Apiário • Instalação
  • 29. Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal Apicultor ApiTécnico • Apiário • Nº de colmeias
  • 30. Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal Apicultor ApiTécnico • Profilaxia • Limpeza e desinfecção anual dos estrados • Desinfecção dos quadros com soda
  • 31. Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal Apicultor ApiTécnico • Tratamentos • Uniformização • Sincronização • Alternância de Princípios Activos ???
  • 32. Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal Apicultor ApiTécnico • Genética • Boa produtividade • Bom comportamento higiénico • Reduzida enxameação • Pouco agressivas • Boa capacidade de invernação • Comportamento “grooming”
  • 33. Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal Ceras • Renovação • 2/3 quadros por ano 40 abelhas nascidas dum alvéolo 12 meses 3 meses interrupção postura 9x30=270/12,85x3anos=38,55 Reduz 15% espaço/tamanho dos alvéolos – Abelhas mais pequenas – Menor vitalidade – Menor vesicula de mel
  • 34. Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal Ceras • Contaminação Biológica Cera Mal / Pouco Purificada = Não Elimina / Mata Fungos – 10, 15 anos Bactérias – 30, 40 anos
  • 35. Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal Acariose – Acaro Loque Europeia – Bactéria Ascosferiose - Fungo SBV – Vírus Criação Ensacada Nosemose – Protozoário Loque Americana - Bactéria Aspergilose - Fungo CPV - Vírus Paralisia Crónica Amebiase – Protozoário Septicémia - Bactéria APV - Vírus Paralisia Aguda Varroose - Ácaro
  • 36. Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal Ceras • Contaminação Química Antibióticos Acaricidas Tetraciclinas Oxitetraciclinas Sulfatiazol Nitrofuranos Cloranfenicol Amitraz Fluvalinato Coumafos Flumetrina Clorfenvinfos
  • 37. Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal Ceras • Purificação • Operadores de cera
  • 38. Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal Alimentação • Qualidade • Quantidade Mel Hidratos de Carbono Minerais 50 a 120kg/colmeia/ano Pólen Proteínas Aminoácidos Gordura Vitaminas Fibras Minerais 12 a 40 kg/colmeia/ano
  • 39. Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal Alimentação • Qualidade • Quantidade
  • 40. Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal Colónia: Super Individuo 4 kg de abelhas Favos (quadros) com criação Favos (quadros) com alimento Microclima Temperatura Humidade relativa Ventilação Consome 50 a 120 kg de mel 12 a 40 kg de pólen 80% Hidratos de carbono Minerais 20% Proteínas, aminoácidos, gorduras, minerais e vitaminas
  • 41. Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal
  • 42. Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal Instalação do Apiário Floração Nectarifera Floração Polínifera “Só abelhas bem nutridas exibem a vitalidade necessária para desenvolver a colónia e cuidar das suas congéneres, … ao mesmo tempo diminui a sua propensão para sofrer doenças” Apiários sedentários “até brilham” Doenças das Abelhas
  • 43. Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal Doenças da Criação Doenças dos Adultos Doenças Mistas Doenças das Abelhas
  • 44. Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal 2 – Doenças das Abelhas 2.1 – Doenças da Criação 2.1.1 – Loque Europeia Apicultor 2.1.2 – Loque Americana Preocupante / Erradicação 2.1.3 – Ascosferiose Vigilância 2.1.4 – Criação Saciforme Bibliográfica 2.1.5 – Paralisia Viral Aguda Associada à Varroose 2.1.6 – Paralisia Viral Israelita Associada à Varroose 2.1.7 – Aethina Tumida Quase Bibliográfica 2.1.8 – Tropilaelaps Quase Bibliográfica 2.2 – Doenças dos Adultos 2.2.1 – Nosemose Apis/ Nosema Ceranae Apicultor / Alimentação 2.2.2 – Amebiase Bibliográfica 2.2.3 – Acariose Bibliográfica 2.2.4 – Septicémia Bibliográfica 2.2.5 – Senotainiose Bibliográfica 2.2.6 – Paralisia Viral Associada à Varroose 2.2.7 – Melanose Bibliográfica 2.2.8 – Mal de Maio Bibliográfica 2.2.9 – Síndrome do Desaparecimento ????????????????????????? 2.2.10 – Melittiphis Bibliográfica 2.3 – Doenças Mistas 2.3.1 – Varroose Preocupante / Tratamento 2.3.2 – Aspergilose Associada à Ascosferiose/ Bibliográfica 2.4 – Criação Morta pelo Frio São Pedro/Apicultor
  • 45. Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal Doenças das Abelhas Doenças das Abelhas - Ciclo Biológico da Abelha Criação Adultos Mistas Loque Europeia Nosemose Varroose Loque Americana Acariose Aspergilose Ascosferiose Septicémia Virose (APV – Vírus Paralisia Aguda) SBV – Vírus Criação Ensacada Doença Negra (CPV – Vírus Paralisia Crónica) Aetinose Tropilaelapsose Doenças das abelhas – Tipo Agente Patogénico Parasitárias Bacterianas Fúngicas Virais Acariose – Acaro Loque Europeia – Bactéria Ascosferiose - Fungo SBV – Vírus Criação Ensacada Nosemose – Protozoário Loque Americana - Bactéria Aspergilose - Fungo CPV - Vírus Paralisia Crónica Amebiase – Protozoário Septicémia - Bactéria APV - Vírus Paralisia Aguda Varroose - Ácaro Aetinose - Escaravelho Tropilaelapsose – Ácaro
  • 46. Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal Doenças da Criação Ascosferiose (Ascosphaera apis) Criação Saciforme (Morator aetatulas) Loque Europeia (Melissococcus pluton) Loque Americana (Paenibacillus larvae)
  • 47. Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal
  • 48. Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal Sintomas: • Criação em Posições Anormais • Criação Morta sem consistência Viscosa Criação Normal Criação com Dorso Voltado Para Baixo Criação com Dorso Voltado Para Cima Criação Seca não Aderente Alvéolo Loque Europeia = Loque Benigna
  • 49. Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal Sintomas: Cheiro – Estranho – Desagradável – Intenso – Podre
  • 50. Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal Sintomas: • Perda da cor Branco Marfim das Larvas • Criação com Alvéolos Escuros e Côncavos, com Orifícios e Gretas. • Criação com Coloração Amarelo Acastanhada a Castanho Escuro, Tipo Café com Leite. • Criação com Consistência Viscosa, Filamentosa e Aderente às Paredes dos Alvéolos. Loque Americana = Loque Maligna
  • 51. Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal 26-mar-21 51 Os Três Magníficos da “MEDICINA GOURMET” Geleia Real o “Leite das Abelhas” Pólen a “Farmácia Verde” Mel o “Carvão dos Músculos”
  • 52. Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal Doenças da Criação - Loque Americana (Paenibacilus larvae) Cloranfenicol: • Proibido porque provoca lesões graves na medula óssea • Alterações importantes na produção de glóbulos vermelhos, leucócitos e plaquetas • Efeitos tóxicos sobre o sistema nervoso • Náuseas, vómitos, diarreia, inflamação da língua e prurido anal
  • 53. Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal
  • 54. Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal
  • 55. Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal C LA N N
  • 56. Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal
  • 57. Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal
  • 58. Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal 40 ml/l alcóol 1ml/l xarope 1/1 Gotejar 50ml/colmeia 3vezes /7 dias intervalo
  • 59. Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal Doenças das abelhas em estado latente 80% Loque Americana 90% Ascosferiose 80% Nosemose
  • 60. Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal Doenças dos Adultos Acariose (Acarapis Woodi) Nosemose (Nosema apis)
  • 61. Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal Acariose Sintomas: • Abelhas moribundas • Abelhas penduradas nas ervas • Tentativas de voo frustradas. • Asas com posições anormais
  • 62. Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal Nosemose Dejecções diarreicas: Quadros do ninho Estrado Tábua de voo Frente da colmeia Teto da colmeia.
  • 63. Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal
  • 64. Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal Doenças Mistas Varroose (Varroa destructor) 1904 Java 1982 França 1987 Montalegre
  • 65. Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal
  • 66. Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal
  • 67. Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal
  • 68. Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal
  • 69. Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal Doenças das Abelhas Tratamentos: Tratamentos Químicos Tratamentos Biológicos Tratamentos Biotécnicos
  • 70. Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal Preparação Tratamento Regra Base Principio Activo (MATA) Excipiente (DISSOLVE) Veículo (TRANSPORTA) Biológico Ácido Fórmico Ácido Oxálico Ácido Cítrico Ácido Acético Ácido Láctico Timol Cânfora Lúpulo Urtiga Óleos Essenciais
  • 71. Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal Timol: O timol é uma substância cristalina incolor com um odor característico que está presente na natureza nos óleos essenciais do tomilho ou dos orégãos. Thymus vulgaris Origanum vulgare
  • 72. Modo de Produção Biológico de Animais e de Produtos de Origem Animal

Notas do Editor

  1. 26-mar-21