SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 13
Baixar para ler offline
Treinamentos
"
“Para obter Qualidade é preciso treinar,
treinar e continuar treinando.”
W.E.Deming
Não há possibilidade de nos desenvolvermos economicamente e,
consequentemente, elevarmos o nosso nível social, sem aumentarmos as
nossas habilidades, sejam elas intelectuais ou técnicas. Logo, aumentar a
capacitação e as habilidades das pessoas é função primordial do treinamento.
Treinar é "o ato intencional de fornecer os meios para proporcionar a
aprendizagem" (CHIAVENATO, 1994, p. 126), é educar, ensinar, é mudar o
comportamento, é fazer com que as pessoas adquiram novos conhecimentos,
novas habilidades, é ensiná-las a mudar de atitudes. Treinar no sentido mais
profundo é ensinar a pensar, a criar e a aprender a aprender.
O treinamento deve incentivar ao funcionário a se auto-desenvolver, a buscar
o seu próprio meio de reciclagem. O profissional de treinamento por sua vez,
deverá conscientizar os funcionários da importância do auto-desenvolvimento
e da busca constante do aprendizado contínuo.
CONCEITO
MACRO FLUXOGRAMA
PDCA TREINAMENTO
DETALHAMENTO DOS PROCESSOS
DEFINICAO DAS NECESSIDADES DE TREINAMENTO ( DNT)
Quando o treinamento é escolhido como solução para eliminar a lacuna de
competência, convém que as necessidades do treinamento sejam
especificadas e documentadas.
Recomenda-se que a especificação das necessidades de treinamento inclua os
objetivos e resultados esperados do treinamento.
Os insumos para a especificação das necessidades de treinamento devem ser
extraídos do documento que contém a lista dos requisitos de competência,
encontrados em 4.2.3, dos resultados de treinamentos anteriores, das lacunas
atuais de competência e das solicitações de ações corretivas.
É conveniente que este documento torne-se parte da especificação do
programa de treinamento e inclua um registro dos objetivos da organização
que serão considerados como insumos para o projeto e planejamento do
treinamento e para a monitoração do processo de treinamento.
DETALHAMENTO DOS PROCESSOS
PROJETO E PLANEJAMENTO DO TREINAMENTO
-Público-alvo: a correta identificação e análise da população que será atingida
pelo programa, garantirá um percentual do sucesso do treinamento. Isto
porque, um treinamento voltado para os técnicos, não poderá ser o mesmo
utilizado para os gerentes e vice-versa.
-Objetivos: É o que se pretende alcançar com um programa de treinamento.
Hoje quando as empresas passam por dificuldades financeiras o primeiro
corte de verbas é realizado na área de treinamento. Isto se dá porque os
resultados concretos obtidos em um programa de treinamento, não são fáceis
de se alcançar e de demonstrar, por isso temos que definir os objetivos com
algumas características essenciais: ter desempenho final a ser alcançado
(elaborar folha de pagamento); ter um período determinado (mensal); ter um
padrão de satisfação (sem erros).
Desta forma os objetivos serão facilmente atingidos com a realização do
treinamento.
DETALHAMENTO DOS PROCESSOS
PROJETO E PLANEJAMENTO DO TREINAMENTO
-Metodologia: é a forma utilizada para o desenvolvimento do programa de
treinamento. Levando em consideração as necessidades estabelecidas pelo
cliente, será possível escolher a metodologia a ser utilizada. Vejamos os métodos
mais utilizados: Sala de aula; Treinamento à distância; Internet; No local de
trabalho.
- Processos e técnicas: "Vários fatores do treinamento podem influir na escolha
da técnica, tais como nível do treinando, forma do treinamento, tipo de
necessidades, duração dos cursos, recursos humanos e materiais, condições
físicas e ambientais" (FONTES, p. 64). Para que a técnica utilizada seja de grande
proveito, deverá ser criativamente adaptada para a realidade local. Vejamos agora
quais são as técnicas mais utilizadas: Conferências ou palestras; Estudos de caso;
Dramatizações; Dinâmica de grupo; Jogos de empresas
Tendo escolhido a metodologia a ser desenvolvida e as técnicas a serem
utilizadas, o instrutor poderá contar com recursos didáticos que servem para
esclarecer uma demonstração, motivar o grupo para uma reflexão e favorece a
memorização dos assuntos apresentados(Cf. FEULLETTE, 1991, p. 126). Vejamos
agora quais são os recursos mais conhecidos: Vídeo cassete/televisor;
Gravador/Aparelho de som; Cartazes; Retroprojetor/Transparência; Apostilas;
Quadro negro; Flip-chart; Computador
DETALHAMENTO DOS PROCESSOS
PROJETO E PLANEJAMENTO DO TREINAMENTO
- Plano de aula: Com todas as etapas anteriores preenchidas deve-se elaborar um
plano de aula. Este é um instrumento que irá auxiliar o instrutor na realização do
treinamento. No plano devem conter as seguintes
informações: tema central do treinamento, assuntos a serem abordados, horários,
técnicas e recursos didáticos.
-Tempo e custo: Devemos levar em consideração estes dois fatores antes de
terminarmos a elaboração de um programa de treinamento.
O tempo deve ser determinado a partir das necessidades e características do
cliente e do publico-alvo, assim como a importância do tema a ser abordado. O
mau planejamento do tempo pode causar a perda de informações essências no
termino do programa.
O custo deve ser levado em consideração, e este deve ser confrontado com os
benefícios que o treinamento irá proporcionar ao cliente.
Podemos identificar como custo os seguintes pontos: salários dos instrutores ou
consultores externos, despesa com local, refeições, passagens, estadias, materiais,
entre outros.
DETALHAMENTO DOS PROCESSOS
EXECUCAO DO TREINAMENTO
Convocação dos treinandos
É muito comum o instrutor se defrontar com treinandos desmotivados e
desinteressados, onde o instrutor terá que desfazer toda esta resistência. Isto
acontece porque os treinandos não estão cientes da real importância do
aprendizado contínuo.
Para que se minimize este problema ao se convocar um funcionário para um
treinamento temos que ser criativos e inovadores, temos que aguçar a
curiosidade do público alvo, e para isso, podemos: Deixar de lado aqueles
velhos memorandos e passemos a usar um convite ou algo mais atrativo;
Procurar conhecer os pontos fortes dos treinandos fazendo uma rápida reunião
com seus superiores; Quando iniciarmos um programa de treinamento diga
coisas agradáveis sobre o grupo. Esta atitude fortifica os treinandos; No início
do programa deixe bem claro quais são os ganhos que os treinandos terão com
a realização deste treinamento.Faca um boa sensibilização do pessoal ( papel
do gestor );
Terminada a fase de elaboração do programa de treinamento, entramos na fase
de execução, que envolve a convocação dos treinandos e a execução do
treinamento propriamente dito.
DETALHAMENTO DOS PROCESSOS
EXECUCAO DO TREINAMENTO
O envolvimento apropriado do pessoal cuja competência
está sendo desenvolvida, como parte do processo de
treinamento, pode favorecer um sentimento de co-autoria
desse processo, tornando esse pessoal mais responsável por
assegurar o seu sucesso".
DETALHAMENTO DOS PROCESSOS
MONITORACAO DO TREINAMENTO
O objetivo principal da monitoração é assegurar que o processo de treinamento,
como parte do sistema da qualidade da
organização, está sendo devidamente gerenciado e implementado, de forma a
comprovar a eficácia do processo em alcançar os requisitos do treinamento da
organização. A monitoração envolve a análise de todo o processo de treinamento
em cada um dos quatro estágios (ver figura 2).
Convém que a monitoração seja conduzida por pessoal competente de acordo
com os procedimentos previstos pela organização. Sempre que possível, é
conveniente que este pessoal seja independente das funções cujas atividades
estejam sendo monitoradas. Os métodos para monitoração podem incluir:
consultas, observação e coleta de dados.
Recomenda-se que os métodos sejam definidos durante o estágio de
especificação do plano de treinamento (ver 4.3.4).
A monitoração é uma ferramenta valiosa para melhorar a eficácia do processo de
treinamento
DETALHAMENTO DOS PROCESSOS
AVALIACAO DOS RESULTADOS DO TREINAMENTO
A finalidade da avaliação é confirmar que ambos, os objetivos da organização e
do treinamento, foram alcançados, ou seja,
o treinamento foi eficaz.
Os insumos para a avaliação dos resultados do treinamento são as especificações
das necessidades e do programa de treinamento, bem como os registros do
treinamento fornecido.
Os resultados do treinamento em geral não podem ser plenamente analisados e
validados até que o treinando possa ser observado e avaliado no trabalho.
Dentro de um determinado período após o término do treinamento, convém que
a gerência da organização garanta a realização de uma avaliação para verificar o
nível de competência alcançado.
É conveniente que as avaliações sejam feitas:
— a curto prazo, para verificar a opinião do treinando sobre os métodos e
recursos adotados e sobre os conhecimentos e
habilidades adquiridas como resultado do treinamento; e
— a longo prazo, para verificar a melhoria da produtividade e do desempenho no
trabalho.
Convém que a avaliação seja conduzida de acordo com os critérios
estabelecidos .
O processo de avaliação inclui coleta de dados e elaboração de relatório de
avaliação que forneça insumos para a monitoração do processo.
CONCLUSAO
O aumento da competitividade aliado ao contínuo e assustador avanço da
tecnologia, faz com que as empresas passem a se preocupar com o freqüente
aperfeiçoamento de seus funcionários.
Sendo assim, as empresas deverão se tornar verdadeiros "educandários", onde o
gerente seja o educador, e os seus funcionários serão os educandos. Trazendo a
tona o verdadeiro sentindo da educação, que é de desenvolver a capacidade
física, intelectual, e moral do ser humano, levando este a se integrar e interagir
com o meio que o cerca, podendo refletir criticamente sobre as mudanças
ocorridas a sua volta e dessa reflexão tomar uma decisão e rumo a seguir.
Logicamente esta postura não será alcançada de uma hora para outra nas
organizações, cabe aos profissionais de Recursos Humanos e verdadeiros
agentes de mudança, fazer desse princípio uma realidade imprescindível para o
sucesso das empresas.
Convém relembrar que o treinamento é um processo contínuo de aprendizagem
elaborado e planejado pelos profissionais de Recursos Humanos com total apoio
da alta gerência.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

LEVANTAMENTO DAS NECESSIDADES DE TREINAMENTO
LEVANTAMENTO DAS NECESSIDADES DE TREINAMENTOLEVANTAMENTO DAS NECESSIDADES DE TREINAMENTO
LEVANTAMENTO DAS NECESSIDADES DE TREINAMENTOSebastião Guimarães
 
TÉCNICAS DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO
TÉCNICAS DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃOTÉCNICAS DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO
TÉCNICAS DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃOPriscila Cembranel
 
Controle de produto não conforme
Controle de produto não conformeControle de produto não conforme
Controle de produto não conformeYthia Karla
 
Aula 03 SGQ ISO 9001:2015 – Capítulos 1 e 2
Aula 03 SGQ ISO 9001:2015 – Capítulos 1 e 2Aula 03 SGQ ISO 9001:2015 – Capítulos 1 e 2
Aula 03 SGQ ISO 9001:2015 – Capítulos 1 e 2Claudio Bernardi Stringari
 
Fluxograma de processo Professor Danilo Pires
Fluxograma de processo  Professor Danilo PiresFluxograma de processo  Professor Danilo Pires
Fluxograma de processo Professor Danilo PiresDanilo Pires
 
Procedimento de Elaboracao de Documentos
Procedimento de Elaboracao de DocumentosProcedimento de Elaboracao de Documentos
Procedimento de Elaboracao de DocumentosMarcos Abreu
 
Indicadores de Recursos Humanos (RH)
Indicadores de Recursos Humanos (RH)Indicadores de Recursos Humanos (RH)
Indicadores de Recursos Humanos (RH)Kenneth Corrêa
 
Função dos recursos humanos
Função dos recursos humanosFunção dos recursos humanos
Função dos recursos humanosjoao123456789123
 
Aula introducao cep
Aula introducao cepAula introducao cep
Aula introducao cepnigr0 s
 
Ferramentas da qualidade
Ferramentas da qualidadeFerramentas da qualidade
Ferramentas da qualidadeSergio Dias
 
Avaliacao de-reacao-do-treinamento
Avaliacao de-reacao-do-treinamentoAvaliacao de-reacao-do-treinamento
Avaliacao de-reacao-do-treinamentoClaudio Palhares
 
AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DO TREINAMENTO
AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DO TREINAMENTOAVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DO TREINAMENTO
AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DO TREINAMENTOSebastião Guimarães
 
Teoria Geral Da Administração Aula2
Teoria Geral Da Administração  Aula2Teoria Geral Da Administração  Aula2
Teoria Geral Da Administração Aula2ewerton.alencar
 

Mais procurados (20)

Mapeamento de Processos
Mapeamento de ProcessosMapeamento de Processos
Mapeamento de Processos
 
Controle de Documentos e Registros
Controle de Documentos e RegistrosControle de Documentos e Registros
Controle de Documentos e Registros
 
LEVANTAMENTO DAS NECESSIDADES DE TREINAMENTO
LEVANTAMENTO DAS NECESSIDADES DE TREINAMENTOLEVANTAMENTO DAS NECESSIDADES DE TREINAMENTO
LEVANTAMENTO DAS NECESSIDADES DE TREINAMENTO
 
Aula 02 02 SGQ ISO
Aula 02 02 SGQ ISOAula 02 02 SGQ ISO
Aula 02 02 SGQ ISO
 
TÉCNICAS DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO
TÉCNICAS DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃOTÉCNICAS DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO
TÉCNICAS DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO
 
Controle de produto não conforme
Controle de produto não conformeControle de produto não conforme
Controle de produto não conforme
 
Aula 03 SGQ ISO 9001:2015 – Capítulos 1 e 2
Aula 03 SGQ ISO 9001:2015 – Capítulos 1 e 2Aula 03 SGQ ISO 9001:2015 – Capítulos 1 e 2
Aula 03 SGQ ISO 9001:2015 – Capítulos 1 e 2
 
Fluxograma de processo Professor Danilo Pires
Fluxograma de processo  Professor Danilo PiresFluxograma de processo  Professor Danilo Pires
Fluxograma de processo Professor Danilo Pires
 
Procedimento de Elaboracao de Documentos
Procedimento de Elaboracao de DocumentosProcedimento de Elaboracao de Documentos
Procedimento de Elaboracao de Documentos
 
7 ferramentas da qualidade
7 ferramentas da qualidade7 ferramentas da qualidade
7 ferramentas da qualidade
 
Indicadores de Recursos Humanos (RH)
Indicadores de Recursos Humanos (RH)Indicadores de Recursos Humanos (RH)
Indicadores de Recursos Humanos (RH)
 
Função dos recursos humanos
Função dos recursos humanosFunção dos recursos humanos
Função dos recursos humanos
 
Aula introducao cep
Aula introducao cepAula introducao cep
Aula introducao cep
 
Ferramentas da qualidade
Ferramentas da qualidadeFerramentas da qualidade
Ferramentas da qualidade
 
Avaliacao de-reacao-do-treinamento
Avaliacao de-reacao-do-treinamentoAvaliacao de-reacao-do-treinamento
Avaliacao de-reacao-do-treinamento
 
AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DO TREINAMENTO
AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DO TREINAMENTOAVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DO TREINAMENTO
AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DO TREINAMENTO
 
Teoria Geral Da Administração Aula2
Teoria Geral Da Administração  Aula2Teoria Geral Da Administração  Aula2
Teoria Geral Da Administração Aula2
 
administração da producão
administração da producãoadministração da producão
administração da producão
 
Aula 04 SGQ ISO 9001:2015 – Seções 4 e 5
Aula 04 SGQ ISO 9001:2015 – Seções 4 e 5Aula 04 SGQ ISO 9001:2015 – Seções 4 e 5
Aula 04 SGQ ISO 9001:2015 – Seções 4 e 5
 
O que é qualidade
O que é qualidadeO que é qualidade
O que é qualidade
 

Destaque

MODELO DE LISTA DE PRESENÇA PARA TREINAMENTOS
MODELO DE LISTA DE PRESENÇA PARA TREINAMENTOSMODELO DE LISTA DE PRESENÇA PARA TREINAMENTOS
MODELO DE LISTA DE PRESENÇA PARA TREINAMENTOSAne Costa
 
Descrição de Cargos, Competência e Treinamento
Descrição de Cargos, Competência e TreinamentoDescrição de Cargos, Competência e Treinamento
Descrição de Cargos, Competência e TreinamentoTemplum Consultoria Online
 
Formulario de-analise-e-descricao-de-cargo
Formulario de-analise-e-descricao-de-cargoFormulario de-analise-e-descricao-de-cargo
Formulario de-analise-e-descricao-de-cargoAlagui Marques Pereira
 
Desenvolvendo um Plano de Treinamento
Desenvolvendo um Plano de TreinamentoDesenvolvendo um Plano de Treinamento
Desenvolvendo um Plano de TreinamentoKenneth Corrêa
 
KEITA - CATALOGO 2015
KEITA - CATALOGO 2015KEITA - CATALOGO 2015
KEITA - CATALOGO 2015AVIVAR AVIVAR
 
Ay Amor.. Cuando Hablan Las Miradas (Guayacan Orquesta)
Ay Amor.. Cuando Hablan Las Miradas  (Guayacan Orquesta)Ay Amor.. Cuando Hablan Las Miradas  (Guayacan Orquesta)
Ay Amor.. Cuando Hablan Las Miradas (Guayacan Orquesta)Patricia Wright
 
VIII Congreso ANABAD
VIII Congreso ANABADVIII Congreso ANABAD
VIII Congreso ANABADmarguiama
 
Cervantes jessica act2
Cervantes jessica act2Cervantes jessica act2
Cervantes jessica act2jcervantesra
 
Infografia para docentes
Infografia para docentesInfografia para docentes
Infografia para docentesIgnasi Alcalde
 
Proyecto piloto de supervision docente de educacion media del municipio de To...
Proyecto piloto de supervision docente de educacion media del municipio de To...Proyecto piloto de supervision docente de educacion media del municipio de To...
Proyecto piloto de supervision docente de educacion media del municipio de To...Diego Rodriguez
 
Creatividad e innovacion empresarial w
Creatividad e innovacion empresarial wCreatividad e innovacion empresarial w
Creatividad e innovacion empresarial wEsther Beiker
 
Mamiferos herbivoros
Mamiferos herbivorosMamiferos herbivoros
Mamiferos herbivorosangelito4321
 
Principios de electricidad 1 resaltado
Principios de electricidad 1 resaltadoPrincipios de electricidad 1 resaltado
Principios de electricidad 1 resaltadoLERUAR
 
Comportamiento organizacional tema no. tres (3)
Comportamiento organizacional tema no. tres (3)Comportamiento organizacional tema no. tres (3)
Comportamiento organizacional tema no. tres (3)Aurora RM
 
Artikel 'eetstoornissen an en bn'
Artikel 'eetstoornissen an en bn'Artikel 'eetstoornissen an en bn'
Artikel 'eetstoornissen an en bn'AnoukDeBel
 

Destaque (20)

MODELO DE LISTA DE PRESENÇA PARA TREINAMENTOS
MODELO DE LISTA DE PRESENÇA PARA TREINAMENTOSMODELO DE LISTA DE PRESENÇA PARA TREINAMENTOS
MODELO DE LISTA DE PRESENÇA PARA TREINAMENTOS
 
Descrição de Cargos, Competência e Treinamento
Descrição de Cargos, Competência e TreinamentoDescrição de Cargos, Competência e Treinamento
Descrição de Cargos, Competência e Treinamento
 
Educação, Treinamento e Desenvolvimento de Pessoas
Educação, Treinamento e Desenvolvimento de PessoasEducação, Treinamento e Desenvolvimento de Pessoas
Educação, Treinamento e Desenvolvimento de Pessoas
 
Formulario de-analise-e-descricao-de-cargo
Formulario de-analise-e-descricao-de-cargoFormulario de-analise-e-descricao-de-cargo
Formulario de-analise-e-descricao-de-cargo
 
Desenvolvendo um Plano de Treinamento
Desenvolvendo um Plano de TreinamentoDesenvolvendo um Plano de Treinamento
Desenvolvendo um Plano de Treinamento
 
Como fazer POP - PORTAL DA QUALIDADE
Como fazer POP - PORTAL DA QUALIDADEComo fazer POP - PORTAL DA QUALIDADE
Como fazer POP - PORTAL DA QUALIDADE
 
KEITA - CATALOGO 2015
KEITA - CATALOGO 2015KEITA - CATALOGO 2015
KEITA - CATALOGO 2015
 
Ay Amor.. Cuando Hablan Las Miradas (Guayacan Orquesta)
Ay Amor.. Cuando Hablan Las Miradas  (Guayacan Orquesta)Ay Amor.. Cuando Hablan Las Miradas  (Guayacan Orquesta)
Ay Amor.. Cuando Hablan Las Miradas (Guayacan Orquesta)
 
MEDICINA LEGAL - Tanatol
MEDICINA LEGAL - TanatolMEDICINA LEGAL - Tanatol
MEDICINA LEGAL - Tanatol
 
VIII Congreso ANABAD
VIII Congreso ANABADVIII Congreso ANABAD
VIII Congreso ANABAD
 
Cervantes jessica act2
Cervantes jessica act2Cervantes jessica act2
Cervantes jessica act2
 
Infografia para docentes
Infografia para docentesInfografia para docentes
Infografia para docentes
 
Proyecto piloto de supervision docente de educacion media del municipio de To...
Proyecto piloto de supervision docente de educacion media del municipio de To...Proyecto piloto de supervision docente de educacion media del municipio de To...
Proyecto piloto de supervision docente de educacion media del municipio de To...
 
Creatividad e innovacion empresarial w
Creatividad e innovacion empresarial wCreatividad e innovacion empresarial w
Creatividad e innovacion empresarial w
 
Mamiferos herbivoros
Mamiferos herbivorosMamiferos herbivoros
Mamiferos herbivoros
 
Principios de electricidad 1 resaltado
Principios de electricidad 1 resaltadoPrincipios de electricidad 1 resaltado
Principios de electricidad 1 resaltado
 
Comportamiento organizacional tema no. tres (3)
Comportamiento organizacional tema no. tres (3)Comportamiento organizacional tema no. tres (3)
Comportamiento organizacional tema no. tres (3)
 
Artikel 'eetstoornissen an en bn'
Artikel 'eetstoornissen an en bn'Artikel 'eetstoornissen an en bn'
Artikel 'eetstoornissen an en bn'
 
taller de evaluacion_bondy
taller de evaluacion_bondytaller de evaluacion_bondy
taller de evaluacion_bondy
 
Pti 2012 2015 final
Pti 2012 2015 finalPti 2012 2015 final
Pti 2012 2015 final
 

Semelhante a Procedimento Treinamento

Administração dos recursos humanos
Administração dos recursos humanosAdministração dos recursos humanos
Administração dos recursos humanosPedro Quinanga
 
Treinamento & Desenvolvimento para melhoria do desempenho empresarial
Treinamento & Desenvolvimento para melhoria do desempenho empresarialTreinamento & Desenvolvimento para melhoria do desempenho empresarial
Treinamento & Desenvolvimento para melhoria do desempenho empresarialAna Couto
 
Desenvolver pessoas[1]
Desenvolver pessoas[1]Desenvolver pessoas[1]
Desenvolver pessoas[1]09108303
 
PPT AULA 04 PRÁTICAS DE TREINAMENTO.pptx
PPT AULA 04 PRÁTICAS DE TREINAMENTO.pptxPPT AULA 04 PRÁTICAS DE TREINAMENTO.pptx
PPT AULA 04 PRÁTICAS DE TREINAMENTO.pptxPriscyllasantos6
 
Treinamento & desenvolvimento...de RH
Treinamento & desenvolvimento...de RHTreinamento & desenvolvimento...de RH
Treinamento & desenvolvimento...de RHRose Oliveira
 
TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO PESSOAL
TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO PESSOALTREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO PESSOAL
TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO PESSOALJessica Ferreira
 
Curso de gestão de pessoal parte 4/5
Curso de gestão de pessoal   parte 4/5Curso de gestão de pessoal   parte 4/5
Curso de gestão de pessoal parte 4/5ABCursos OnLine
 
03+aula+rh+treinamento+e+desenvolvimento+pessoal
03+aula+rh+treinamento+e+desenvolvimento+pessoal03+aula+rh+treinamento+e+desenvolvimento+pessoal
03+aula+rh+treinamento+e+desenvolvimento+pessoalValéria Braga
 
Planeamento e gestão da formação leonel boano
Planeamento e gestão da formação   leonel boanoPlaneamento e gestão da formação   leonel boano
Planeamento e gestão da formação leonel boanoLeonel Boano
 
Subsistema de desenvolvimento de recursos humanos
Subsistema de desenvolvimento de recursos humanosSubsistema de desenvolvimento de recursos humanos
Subsistema de desenvolvimento de recursos humanosUniversidade Pedagogica
 
Desenvolvimento de colaboradores pelo perfil comportamental
Desenvolvimento de colaboradores pelo perfil comportamental Desenvolvimento de colaboradores pelo perfil comportamental
Desenvolvimento de colaboradores pelo perfil comportamental suelen matta
 
Treinamento.desenvolvimento
Treinamento.desenvolvimentoTreinamento.desenvolvimento
Treinamento.desenvolvimentoMarcia Henrique
 
Treinamento e Desenvolvimento
Treinamento e DesenvolvimentoTreinamento e Desenvolvimento
Treinamento e DesenvolvimentoNome Sobrenome
 
Treinamento transparências
Treinamento transparênciasTreinamento transparências
Treinamento transparênciasCíntia Lopes
 

Semelhante a Procedimento Treinamento (20)

Administração dos recursos humanos
Administração dos recursos humanosAdministração dos recursos humanos
Administração dos recursos humanos
 
Treinamento & Desenvolvimento para melhoria do desempenho empresarial
Treinamento & Desenvolvimento para melhoria do desempenho empresarialTreinamento & Desenvolvimento para melhoria do desempenho empresarial
Treinamento & Desenvolvimento para melhoria do desempenho empresarial
 
Treinamento Organizacional
Treinamento OrganizacionalTreinamento Organizacional
Treinamento Organizacional
 
Aula 08 recursos humano
Aula 08 recursos humanoAula 08 recursos humano
Aula 08 recursos humano
 
Desenvolver pessoas[1]
Desenvolver pessoas[1]Desenvolver pessoas[1]
Desenvolver pessoas[1]
 
PPT AULA 04 PRÁTICAS DE TREINAMENTO.pptx
PPT AULA 04 PRÁTICAS DE TREINAMENTO.pptxPPT AULA 04 PRÁTICAS DE TREINAMENTO.pptx
PPT AULA 04 PRÁTICAS DE TREINAMENTO.pptx
 
Treinamento & desenvolvimento...de RH
Treinamento & desenvolvimento...de RHTreinamento & desenvolvimento...de RH
Treinamento & desenvolvimento...de RH
 
TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO PESSOAL
TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO PESSOALTREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO PESSOAL
TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO PESSOAL
 
Curso de gestão de pessoal parte 4/5
Curso de gestão de pessoal   parte 4/5Curso de gestão de pessoal   parte 4/5
Curso de gestão de pessoal parte 4/5
 
03+aula+rh+treinamento+e+desenvolvimento+pessoal
03+aula+rh+treinamento+e+desenvolvimento+pessoal03+aula+rh+treinamento+e+desenvolvimento+pessoal
03+aula+rh+treinamento+e+desenvolvimento+pessoal
 
Planeamento e gestão da formação leonel boano
Planeamento e gestão da formação   leonel boanoPlaneamento e gestão da formação   leonel boano
Planeamento e gestão da formação leonel boano
 
Subsistema de desenvolvimento de recursos humanos
Subsistema de desenvolvimento de recursos humanosSubsistema de desenvolvimento de recursos humanos
Subsistema de desenvolvimento de recursos humanos
 
Treinamento (Diagnóstico Levantamento de Necessidades e Deficiências )
Treinamento (Diagnóstico Levantamento de Necessidades e Deficiências )Treinamento (Diagnóstico Levantamento de Necessidades e Deficiências )
Treinamento (Diagnóstico Levantamento de Necessidades e Deficiências )
 
Desenvolvimento de colaboradores pelo perfil comportamental
Desenvolvimento de colaboradores pelo perfil comportamental Desenvolvimento de colaboradores pelo perfil comportamental
Desenvolvimento de colaboradores pelo perfil comportamental
 
Treinamento.desenvolvimento
Treinamento.desenvolvimentoTreinamento.desenvolvimento
Treinamento.desenvolvimento
 
Treinamento e Desenvolvimento
Treinamento e DesenvolvimentoTreinamento e Desenvolvimento
Treinamento e Desenvolvimento
 
Treinamento e Desenvolvimento
Treinamento e DesenvolvimentoTreinamento e Desenvolvimento
Treinamento e Desenvolvimento
 
coaching
coachingcoaching
coaching
 
Treinamento transparências
Treinamento transparênciasTreinamento transparências
Treinamento transparências
 
Treinamento
TreinamentoTreinamento
Treinamento
 

Mais de Marcos Abreu

Relatório TUV NANO
Relatório TUV NANORelatório TUV NANO
Relatório TUV NANOMarcos Abreu
 
Apresentacao nano.docx 2
Apresentacao nano.docx 2Apresentacao nano.docx 2
Apresentacao nano.docx 2Marcos Abreu
 
Perguntas e Respostas - nine® Protection Motor Renew
Perguntas e Respostas - nine® Protection Motor RenewPerguntas e Respostas - nine® Protection Motor Renew
Perguntas e Respostas - nine® Protection Motor RenewMarcos Abreu
 
Prova Cientifica e Cases - nine® Protection Motor Renew
Prova Cientifica e Cases - nine® Protection Motor RenewProva Cientifica e Cases - nine® Protection Motor Renew
Prova Cientifica e Cases - nine® Protection Motor RenewMarcos Abreu
 
O que é - nine® protection motor renew .ppt
O que é - nine® protection motor renew .pptO que é - nine® protection motor renew .ppt
O que é - nine® protection motor renew .pptMarcos Abreu
 
Ensaios Técnicos 1 - nine® Protection Motor Renew
Ensaios Técnicos 1 - nine® Protection Motor Renew Ensaios Técnicos 1 - nine® Protection Motor Renew
Ensaios Técnicos 1 - nine® Protection Motor Renew Marcos Abreu
 
COMPROVANDO A EFICACIA - nine® Protection Motor Renew
COMPROVANDO A  EFICACIA - nine® Protection Motor Renew COMPROVANDO A  EFICACIA - nine® Protection Motor Renew
COMPROVANDO A EFICACIA - nine® Protection Motor Renew Marcos Abreu
 
Método e Analise de Solução de Problemas
Método e Analise de Solução de Problemas Método e Analise de Solução de Problemas
Método e Analise de Solução de Problemas Marcos Abreu
 
Gestão pela Excelência em Resultados
Gestão pela Excelência em ResultadosGestão pela Excelência em Resultados
Gestão pela Excelência em ResultadosMarcos Abreu
 
GESTAO de Excelencia na LUBRIFICACAO
GESTAO de Excelencia na LUBRIFICACAOGESTAO de Excelencia na LUBRIFICACAO
GESTAO de Excelencia na LUBRIFICACAOMarcos Abreu
 
Gestão pela Excelência em Resultados
Gestão pela Excelência em Resultados Gestão pela Excelência em Resultados
Gestão pela Excelência em Resultados Marcos Abreu
 
GESTÃO de Excelência na LUBRIFICAÇÃO
GESTÃO de Excelência na  LUBRIFICAÇÃO                GESTÃO de Excelência na  LUBRIFICAÇÃO
GESTÃO de Excelência na LUBRIFICAÇÃO Marcos Abreu
 
Procedimento Tratamento de Anomalias
Procedimento Tratamento de AnomaliasProcedimento Tratamento de Anomalias
Procedimento Tratamento de AnomaliasMarcos Abreu
 
Procedimento de Controle de Documentos
Procedimento de Controle de DocumentosProcedimento de Controle de Documentos
Procedimento de Controle de DocumentosMarcos Abreu
 
Consumo Diesel Transporte
Consumo Diesel Transporte Consumo Diesel Transporte
Consumo Diesel Transporte Marcos Abreu
 
Planta de Biodigestao da Palha da Cana
Planta de Biodigestao da Palha da CanaPlanta de Biodigestao da Palha da Cana
Planta de Biodigestao da Palha da CanaMarcos Abreu
 
Treinamento Operador de Separadora de Fermento
Treinamento Operador de Separadora de FermentoTreinamento Operador de Separadora de Fermento
Treinamento Operador de Separadora de FermentoMarcos Abreu
 
Treinamento Fermentador
Treinamento FermentadorTreinamento Fermentador
Treinamento FermentadorMarcos Abreu
 
RTC Medindo a Eficiencia da Industria
RTC  Medindo a Eficiencia da Industria RTC  Medindo a Eficiencia da Industria
RTC Medindo a Eficiencia da Industria Marcos Abreu
 

Mais de Marcos Abreu (20)

Relatório TUV NANO
Relatório TUV NANORelatório TUV NANO
Relatório TUV NANO
 
Apresentacao nano.docx 2
Apresentacao nano.docx 2Apresentacao nano.docx 2
Apresentacao nano.docx 2
 
Perguntas e Respostas - nine® Protection Motor Renew
Perguntas e Respostas - nine® Protection Motor RenewPerguntas e Respostas - nine® Protection Motor Renew
Perguntas e Respostas - nine® Protection Motor Renew
 
Prova Cientifica e Cases - nine® Protection Motor Renew
Prova Cientifica e Cases - nine® Protection Motor RenewProva Cientifica e Cases - nine® Protection Motor Renew
Prova Cientifica e Cases - nine® Protection Motor Renew
 
O que é - nine® protection motor renew .ppt
O que é - nine® protection motor renew .pptO que é - nine® protection motor renew .ppt
O que é - nine® protection motor renew .ppt
 
Ensaios Técnicos 1 - nine® Protection Motor Renew
Ensaios Técnicos 1 - nine® Protection Motor Renew Ensaios Técnicos 1 - nine® Protection Motor Renew
Ensaios Técnicos 1 - nine® Protection Motor Renew
 
COMPROVANDO A EFICACIA - nine® Protection Motor Renew
COMPROVANDO A  EFICACIA - nine® Protection Motor Renew COMPROVANDO A  EFICACIA - nine® Protection Motor Renew
COMPROVANDO A EFICACIA - nine® Protection Motor Renew
 
Método e Analise de Solução de Problemas
Método e Analise de Solução de Problemas Método e Analise de Solução de Problemas
Método e Analise de Solução de Problemas
 
Gestão pela Excelência em Resultados
Gestão pela Excelência em ResultadosGestão pela Excelência em Resultados
Gestão pela Excelência em Resultados
 
GESTAO de Excelencia na LUBRIFICACAO
GESTAO de Excelencia na LUBRIFICACAOGESTAO de Excelencia na LUBRIFICACAO
GESTAO de Excelencia na LUBRIFICACAO
 
Gestão pela Excelência em Resultados
Gestão pela Excelência em Resultados Gestão pela Excelência em Resultados
Gestão pela Excelência em Resultados
 
A águia
A águia A águia
A águia
 
GESTÃO de Excelência na LUBRIFICAÇÃO
GESTÃO de Excelência na  LUBRIFICAÇÃO                GESTÃO de Excelência na  LUBRIFICAÇÃO
GESTÃO de Excelência na LUBRIFICAÇÃO
 
Procedimento Tratamento de Anomalias
Procedimento Tratamento de AnomaliasProcedimento Tratamento de Anomalias
Procedimento Tratamento de Anomalias
 
Procedimento de Controle de Documentos
Procedimento de Controle de DocumentosProcedimento de Controle de Documentos
Procedimento de Controle de Documentos
 
Consumo Diesel Transporte
Consumo Diesel Transporte Consumo Diesel Transporte
Consumo Diesel Transporte
 
Planta de Biodigestao da Palha da Cana
Planta de Biodigestao da Palha da CanaPlanta de Biodigestao da Palha da Cana
Planta de Biodigestao da Palha da Cana
 
Treinamento Operador de Separadora de Fermento
Treinamento Operador de Separadora de FermentoTreinamento Operador de Separadora de Fermento
Treinamento Operador de Separadora de Fermento
 
Treinamento Fermentador
Treinamento FermentadorTreinamento Fermentador
Treinamento Fermentador
 
RTC Medindo a Eficiencia da Industria
RTC  Medindo a Eficiencia da Industria RTC  Medindo a Eficiencia da Industria
RTC Medindo a Eficiencia da Industria
 

Procedimento Treinamento

  • 1. Treinamentos " “Para obter Qualidade é preciso treinar, treinar e continuar treinando.” W.E.Deming
  • 2. Não há possibilidade de nos desenvolvermos economicamente e, consequentemente, elevarmos o nosso nível social, sem aumentarmos as nossas habilidades, sejam elas intelectuais ou técnicas. Logo, aumentar a capacitação e as habilidades das pessoas é função primordial do treinamento. Treinar é "o ato intencional de fornecer os meios para proporcionar a aprendizagem" (CHIAVENATO, 1994, p. 126), é educar, ensinar, é mudar o comportamento, é fazer com que as pessoas adquiram novos conhecimentos, novas habilidades, é ensiná-las a mudar de atitudes. Treinar no sentido mais profundo é ensinar a pensar, a criar e a aprender a aprender. O treinamento deve incentivar ao funcionário a se auto-desenvolver, a buscar o seu próprio meio de reciclagem. O profissional de treinamento por sua vez, deverá conscientizar os funcionários da importância do auto-desenvolvimento e da busca constante do aprendizado contínuo. CONCEITO
  • 5. DETALHAMENTO DOS PROCESSOS DEFINICAO DAS NECESSIDADES DE TREINAMENTO ( DNT) Quando o treinamento é escolhido como solução para eliminar a lacuna de competência, convém que as necessidades do treinamento sejam especificadas e documentadas. Recomenda-se que a especificação das necessidades de treinamento inclua os objetivos e resultados esperados do treinamento. Os insumos para a especificação das necessidades de treinamento devem ser extraídos do documento que contém a lista dos requisitos de competência, encontrados em 4.2.3, dos resultados de treinamentos anteriores, das lacunas atuais de competência e das solicitações de ações corretivas. É conveniente que este documento torne-se parte da especificação do programa de treinamento e inclua um registro dos objetivos da organização que serão considerados como insumos para o projeto e planejamento do treinamento e para a monitoração do processo de treinamento.
  • 6. DETALHAMENTO DOS PROCESSOS PROJETO E PLANEJAMENTO DO TREINAMENTO -Público-alvo: a correta identificação e análise da população que será atingida pelo programa, garantirá um percentual do sucesso do treinamento. Isto porque, um treinamento voltado para os técnicos, não poderá ser o mesmo utilizado para os gerentes e vice-versa. -Objetivos: É o que se pretende alcançar com um programa de treinamento. Hoje quando as empresas passam por dificuldades financeiras o primeiro corte de verbas é realizado na área de treinamento. Isto se dá porque os resultados concretos obtidos em um programa de treinamento, não são fáceis de se alcançar e de demonstrar, por isso temos que definir os objetivos com algumas características essenciais: ter desempenho final a ser alcançado (elaborar folha de pagamento); ter um período determinado (mensal); ter um padrão de satisfação (sem erros). Desta forma os objetivos serão facilmente atingidos com a realização do treinamento.
  • 7. DETALHAMENTO DOS PROCESSOS PROJETO E PLANEJAMENTO DO TREINAMENTO -Metodologia: é a forma utilizada para o desenvolvimento do programa de treinamento. Levando em consideração as necessidades estabelecidas pelo cliente, será possível escolher a metodologia a ser utilizada. Vejamos os métodos mais utilizados: Sala de aula; Treinamento à distância; Internet; No local de trabalho. - Processos e técnicas: "Vários fatores do treinamento podem influir na escolha da técnica, tais como nível do treinando, forma do treinamento, tipo de necessidades, duração dos cursos, recursos humanos e materiais, condições físicas e ambientais" (FONTES, p. 64). Para que a técnica utilizada seja de grande proveito, deverá ser criativamente adaptada para a realidade local. Vejamos agora quais são as técnicas mais utilizadas: Conferências ou palestras; Estudos de caso; Dramatizações; Dinâmica de grupo; Jogos de empresas Tendo escolhido a metodologia a ser desenvolvida e as técnicas a serem utilizadas, o instrutor poderá contar com recursos didáticos que servem para esclarecer uma demonstração, motivar o grupo para uma reflexão e favorece a memorização dos assuntos apresentados(Cf. FEULLETTE, 1991, p. 126). Vejamos agora quais são os recursos mais conhecidos: Vídeo cassete/televisor; Gravador/Aparelho de som; Cartazes; Retroprojetor/Transparência; Apostilas; Quadro negro; Flip-chart; Computador
  • 8. DETALHAMENTO DOS PROCESSOS PROJETO E PLANEJAMENTO DO TREINAMENTO - Plano de aula: Com todas as etapas anteriores preenchidas deve-se elaborar um plano de aula. Este é um instrumento que irá auxiliar o instrutor na realização do treinamento. No plano devem conter as seguintes informações: tema central do treinamento, assuntos a serem abordados, horários, técnicas e recursos didáticos. -Tempo e custo: Devemos levar em consideração estes dois fatores antes de terminarmos a elaboração de um programa de treinamento. O tempo deve ser determinado a partir das necessidades e características do cliente e do publico-alvo, assim como a importância do tema a ser abordado. O mau planejamento do tempo pode causar a perda de informações essências no termino do programa. O custo deve ser levado em consideração, e este deve ser confrontado com os benefícios que o treinamento irá proporcionar ao cliente. Podemos identificar como custo os seguintes pontos: salários dos instrutores ou consultores externos, despesa com local, refeições, passagens, estadias, materiais, entre outros.
  • 9. DETALHAMENTO DOS PROCESSOS EXECUCAO DO TREINAMENTO Convocação dos treinandos É muito comum o instrutor se defrontar com treinandos desmotivados e desinteressados, onde o instrutor terá que desfazer toda esta resistência. Isto acontece porque os treinandos não estão cientes da real importância do aprendizado contínuo. Para que se minimize este problema ao se convocar um funcionário para um treinamento temos que ser criativos e inovadores, temos que aguçar a curiosidade do público alvo, e para isso, podemos: Deixar de lado aqueles velhos memorandos e passemos a usar um convite ou algo mais atrativo; Procurar conhecer os pontos fortes dos treinandos fazendo uma rápida reunião com seus superiores; Quando iniciarmos um programa de treinamento diga coisas agradáveis sobre o grupo. Esta atitude fortifica os treinandos; No início do programa deixe bem claro quais são os ganhos que os treinandos terão com a realização deste treinamento.Faca um boa sensibilização do pessoal ( papel do gestor ); Terminada a fase de elaboração do programa de treinamento, entramos na fase de execução, que envolve a convocação dos treinandos e a execução do treinamento propriamente dito.
  • 10. DETALHAMENTO DOS PROCESSOS EXECUCAO DO TREINAMENTO O envolvimento apropriado do pessoal cuja competência está sendo desenvolvida, como parte do processo de treinamento, pode favorecer um sentimento de co-autoria desse processo, tornando esse pessoal mais responsável por assegurar o seu sucesso".
  • 11. DETALHAMENTO DOS PROCESSOS MONITORACAO DO TREINAMENTO O objetivo principal da monitoração é assegurar que o processo de treinamento, como parte do sistema da qualidade da organização, está sendo devidamente gerenciado e implementado, de forma a comprovar a eficácia do processo em alcançar os requisitos do treinamento da organização. A monitoração envolve a análise de todo o processo de treinamento em cada um dos quatro estágios (ver figura 2). Convém que a monitoração seja conduzida por pessoal competente de acordo com os procedimentos previstos pela organização. Sempre que possível, é conveniente que este pessoal seja independente das funções cujas atividades estejam sendo monitoradas. Os métodos para monitoração podem incluir: consultas, observação e coleta de dados. Recomenda-se que os métodos sejam definidos durante o estágio de especificação do plano de treinamento (ver 4.3.4). A monitoração é uma ferramenta valiosa para melhorar a eficácia do processo de treinamento
  • 12. DETALHAMENTO DOS PROCESSOS AVALIACAO DOS RESULTADOS DO TREINAMENTO A finalidade da avaliação é confirmar que ambos, os objetivos da organização e do treinamento, foram alcançados, ou seja, o treinamento foi eficaz. Os insumos para a avaliação dos resultados do treinamento são as especificações das necessidades e do programa de treinamento, bem como os registros do treinamento fornecido. Os resultados do treinamento em geral não podem ser plenamente analisados e validados até que o treinando possa ser observado e avaliado no trabalho. Dentro de um determinado período após o término do treinamento, convém que a gerência da organização garanta a realização de uma avaliação para verificar o nível de competência alcançado. É conveniente que as avaliações sejam feitas: — a curto prazo, para verificar a opinião do treinando sobre os métodos e recursos adotados e sobre os conhecimentos e habilidades adquiridas como resultado do treinamento; e — a longo prazo, para verificar a melhoria da produtividade e do desempenho no trabalho. Convém que a avaliação seja conduzida de acordo com os critérios estabelecidos . O processo de avaliação inclui coleta de dados e elaboração de relatório de avaliação que forneça insumos para a monitoração do processo.
  • 13. CONCLUSAO O aumento da competitividade aliado ao contínuo e assustador avanço da tecnologia, faz com que as empresas passem a se preocupar com o freqüente aperfeiçoamento de seus funcionários. Sendo assim, as empresas deverão se tornar verdadeiros "educandários", onde o gerente seja o educador, e os seus funcionários serão os educandos. Trazendo a tona o verdadeiro sentindo da educação, que é de desenvolver a capacidade física, intelectual, e moral do ser humano, levando este a se integrar e interagir com o meio que o cerca, podendo refletir criticamente sobre as mudanças ocorridas a sua volta e dessa reflexão tomar uma decisão e rumo a seguir. Logicamente esta postura não será alcançada de uma hora para outra nas organizações, cabe aos profissionais de Recursos Humanos e verdadeiros agentes de mudança, fazer desse princípio uma realidade imprescindível para o sucesso das empresas. Convém relembrar que o treinamento é um processo contínuo de aprendizagem elaborado e planejado pelos profissionais de Recursos Humanos com total apoio da alta gerência.