SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 15
Baixar para ler offline
Procedimento Treinamento e Qualificação
http://www.linkedin.com/pub/marcos-abreu/4b/314/71b
PG.RHGR.DEP.001
Data Emissão: 07/08/07
Revisão: 01
Data Revisão: 03/09/07
PROCEDIMENTO GERENCIAL – PG
Página 1 de 14
TÍTULO: TREINAMENTO E QUALIFICAÇÃO
1. OBJETIVO
Determinar as condições para identificar as necessidades de competência e qualificação para
todo pessoal que realiza atividades que afetam os resultados dos produtos e serviços
fornecidos pelas Empresas, bem como a gestão do processo de treinamentos.
2. CAMPO DE APLICAÇÃO
Este procedimento aplica-se, em todo processo de Desenvolvimento das Pessoas e nos
treinamentos dos processos operacionais, administrativos e comerciais.
3. DEFINIÇÕES
3.1. MATRIZ DE CAPACITAÇÃO: Define a competência do colaborador, necessária para
desenvolvimento de sua atividade profissional em cada função e em cada setor das
empresas. As informações prestadas são de responsabilidade do titular do setor. Anexo
8.2;
3.2. COMPETÊNCIA: Conjunto de conhecimentos de habilidades Básicas, Técnicas,
Pessoais e Operacionais, que permitem ao indivíduo desempenhar com eficácia
determinadas tarefas, em qualquer situação.
3.3. HABILIDADES BÁSICAS: Compreende, a formação, escolaridade, experiência e
informações básicas necessárias para o desenvolvimento da função;
3.4. HABILIDADES TÉCNICAS: Qualificações técnicas necessárias para colocar em prática
as aptidões necessárias à função;
3.5. HABILIDADES PESSOAIS - ATITUDES (comportamento): Modo de proceder e agir
compatíveis com as atribuições, ainda o conjunto de reações que se podem observar na
pessoa estando ela em seu ambiente e em determinadas circunstâncias.
3.6. CAPACIDADE DE ORIENTAÇÃO: Forma pela qual utiliza a capacidade de orientação,
comunicação, tomada de decisão, administração de conflitos nas situações de trabalho.
3.7. CAPACIDADE CRIADORA: Capacidade de iniciativa, flexibilidade e criatividade a partir
dos recursos disponíveis, enriquecendo a rotina de trabalho.
3.8. DINAMISMO: Possui confiança em suas próprias decisões, bem como a maneira de
executá-las.
3.9. ORGANIZAÇÃO NO TRABALHO: Capacidade de conhecer suas responsabilidades
quanto a postura ética, disciplina, assiduidade, asseio pessoal e planejamento das
atividades.
3.10.RELACIONAMENTO INTERPESSOAL: Demonstra características de sociabilidade e
facilidade em trabalho em equipe, negociação e de comunicação com as pessoas em
geral.
3.11.REQUISITOS OPERACIONAIS: Conhecimento dos fluxogramas, padrões técnicos do
processo, instruções de trabalho, e outros documentos de gestão;
3.12.TREINAMENTO: Processo educacional que visa dar informações (teórica e prática) e
orientar de forma sistemática e organizada, através do qual os colaboradores adquirem e
desenvolvem conhecimentos e habilidades em função de objetivos a serem alcançados.
3.13.PLANEJAMENTO DE TREINAMENTO PARA OS REQUISITOS
OPERACIONAIS: Objetiva a identificar quais os colaboradores de cada função
envolvidos para cada documento do SGI, elaborando o planejamento dos treinamentos
para os mesmos, conforme anexo 8.3;
3.14.TREINAMENTO NOS REQUISITOS OPERACIONAIS: Objetiva o acompanhamento
da execução de tarefas no próprio local de trabalho ou local apropriado (OJT ou TLT),
através do repasse do conteúdo descrito nos documentos de gestão. (Integração
PG.RHGR.DEP.001
Data Emissão: 07/08/07
Revisão: 01
Data Revisão: 03/09/07
PROCEDIMENTO GERENCIAL – PG
Página 2 de 14
TÍTULO: TREINAMENTO E QUALIFICAÇÃO
Tecnológica);
3.15.TREINAMENTO PARA QUALIFICAÇÃO: (interno e externo) Objetiva desenvolver as
habilidades básicas, técnicas e pessoais, do conhecimento e/ou aperfeiçoamento,
desenvolver nos profissionais na formação técnica, intercâmbio de tecnologias,
habilidades e atitudes e outros, visando o aumento da qualidade e da produtividade;
3.16.PLANO DE TREINAMENTO ANUAL: O Plano de Treinamento é anual e definido
pelos inventários funcionais de cada setor, efetuado no período que antecede o
orçamento. Anexo 8.1;
3.17.LISTA DE PRESENÇA: Registra o conteúdo do treinamento sendo realizado, carga
horária da atividade, Instrutor e identifica seus participantes por setor de atividade. Anexo
8.5;
3.18.AVALIAÇÃO DE REAÇÃO E EFICÁCIA DO TREINAMENTO: É realizada para os
Treinamentos Internos, através do Registro de Convocação e Avaliação de Treinamento
anexo 8.3..
a. Reação: Apresenta a reação do participante frente ao conteúdo e seu eventual
aproveitamento, visando ainda observar a entidade promotora do treinamento e seus
instrutores bem como o conteúdo que foi previsto, para uma eventual reprogramação.
b. Eficácia: Realizada pelo superior imediato do participante, num período entre 30 e 90
dias após o treinamento, visa observar a aplicabilidade do conhecimento adquirido e
se os objetivos desse treinamento foram atingidos.
3.19.AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO NA TAREFA – DTO: Registro de Diagnóstico do
Trabalho Operacional - DTO. Documento pela qual a supervisão avalia a qualificação do
colaborador para a tarefa, certificando-o como apto. Anexo 8.7,
3.20.INVENTÁRIO FUNCIONAL: Apresenta a situação do funcionário, na função atual,
quanto ao atendimento aos requisitos definidos na função: nas habilidades básicas,
habilidades técnicas, Requisitos Operacionais e habilidades pessoais e, identificando
ainda suas competências para promoção funcional ou atividades de multifunção.
4. DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES
4.1. MATRIZ DE CAPACITAÇÃO
É elaborada através da identificação das necessidades para a execução da função (nas
habilidades básicas, habilidades técnicas, Requisitos Operacionais e habilidades
pessoais), efetuada pela supervisão, com a observação da execução das tarefas,
indicando a exigência da qualificação ou formação para o cargo daquele item proposto,
dentro das classificações para o colaborador ocupante do cargo: (E) não aplicável; (C)
conhecimento desejável; (B) qualificado para a atividade, (certificado para cursos /
escolaridade ou através do resultado do DTO para os documentos do SGI), ver anexo 8.2.
a. Habilidades Básicas: preenchendo a formação escolar e/ou conhecimento
tecnológico, línguas, experiência específica necessária, observando existência de
requisitos legais para o exercício da profissão, como exemplo Químico, Engenheiro,
etc.. Nestes casos que são mandatórios, devemos classificar como capacitados para o
trabalho com o código letra (B), onde requer a retenção de cópia de certificados ou
outros documentos que comprovam o atendimento. Para outros conhecimentos que
poderiam ajudar no desenvolvimento dos trabalhos deveremos classificar como
desejável (C).
b. Habilidades Técnicas: indicando as qualificações que o habilitam para as tarefas
propostas, como exemplo: Destilação, Motores Elétricos, Mecânica Diesel, e outros.
Nos casos que são mandatórios, serão classificados como exigência do cargo com o
código letra (B), onde o conhecimento seria desejável (C) e a letra (E), quando não
aplicável.
c. Requisitos Operacionais: (para o cargo) Verificar a existência de Procedimentos,
PG.RHGR.DEP.001
Data Emissão: 07/08/07
Revisão: 01
Data Revisão: 03/09/07
PROCEDIMENTO GERENCIAL – PG
Página 3 de 14
TÍTULO: TREINAMENTO E QUALIFICAÇÃO
Instruções de Trabalho, ou outros documentos aplicáveis e necessários ao
conhecimento para execução das tarefas, onde devemos informá-los o nome e o
código, na respectiva coluna e os requisitos aplicáveis para cada função, indicando a
situação necessária, como segue com as letras:
(E): não é aplicável (não tem nada a ver com o seu trabalho);
(C): é interessante (desejável) conhecer, pois ajuda a entender as atividades
que desempenha relacionado ao seu trabalho;
(B): é mandatório que conheça e domine, pois é fundamental para executar os
trabalhos, (para este caso é efetuado o DTO=Diagnóstico do Trabalho Operacional,
exige que a pessoa seja qualificada, (como se fosse um diploma que não só conhece,
mas domina o tema)
Obs.: nos requisitos operacionais para o cargo, não utilizamos os códigos com as
letras (A) (monitor) e também a (D) (necessita treinar).
d. Habilidades Pessoais: A supervisão deverá definir as atitudes necessárias
(Capacidade de Orientação; Capacidade Criadora; Dinamismo; Organização no
Trabalho e Relações Interpessoais) para o desempenho adequado do colaborador na
função, conforme IT – Levantando as necessidades das atitudes, classificando-as com
a letra (B), quando mandatórios (para este caso é efetuado o DTO=Diagnóstico do
Trabalho Operacional, exige que a pessoa seja qualificada), (C) quando desejável e
(E) quando não aplicável.
4.2. TREINAMENTOS DE QUALIFICAÇÃO OU TÉCNICO
4.2.1. PLANEJAMENTO DO TREINAMENTO
As Gerências deverão, juntamente com a sua equipe, efetuar anualmente
(Novembro) a identificação das necessidades para o desenvolvimento ou a
qualificação de pessoal sejam elas individuais ou em grupo, utilizando a Matriz de
Capacitação atualizada, com base no inventário levantado para cada funcionário,
novos Processos/Produtos ou para o atendimento das metas anuais.
NOTA 1: Ao fazer uma programação dos treinamentos para qualificação será
levado em consideração para a priorização:
• Os treinamentos programados para o ano anterior e não realizados;
• Novas necessidades que sejam urgentes sua implementação.
NOTA 2: Caso surja uma nova necessidade de cursos / treinamentos a ser
realizado, deve-se preencher um novo RG. e solicitar aprovação da Diretoria.
NOTA 3: Os treinamentos externos, visitas técnicas, Seminários, Cursos de
extensão ou aprimoramento, MBA, devem constar da Programação do
Departamento de Desenvolvimento de Pessoas, para a Avaliação de Reação e
Eficácia, bem como para a retenção dos conhecimentos adquiridos, no entanto
serão orçados pelas gerencias específicas.
A sistemática consiste no preenchimento do RG- Plano Anual de Treinamento (ver
anexo 8.1), indicando as necessidades de competências e registradas o tipo de
ação / treinamento a ser realizado para os funcionários da área, encaminhando-o
para o titular do Departamento de Desenvolvimento de Pessoas.
Após serem levantadas as necessidades para aprimorar a qualificação do pessoal,
o Departamento de Desenvolvimento de Pessoas, junto com o Gerente de RH
analisa as informações coletadas e este apresenta à Direção para aprovação o
Plano Anual de Treinamento, conforme as prioridades e metas, definindo o
período programado.
Em seguida para os treinamentos aprovados o titular do Departamento de
Desenvolvimento de Pessoas providencia a atualização do registro de
programação e acompanhamento dos treinamentos para qualificação. Este será
informado a todas as gerências para as providencias e programação.
PG.RHGR.DEP.001
Data Emissão: 07/08/07
Revisão: 01
Data Revisão: 03/09/07
PROCEDIMENTO GERENCIAL – PG
Página 4 de 14
TÍTULO: TREINAMENTO E QUALIFICAÇÃO
4.2.2. ACOMPANHAMENTO DA REALIZAÇÃO DOS TREINAMENTOS
O acompanhamento com o status da programação dos cursos / treinamentos
realizados, reprogramados, cancelados e / ou outras ações adotadas pelas
Empresas são registrados também no RG - Plano Anual de Treinamento, que foi
atualizado.
Para os cursos internos que forem promovidos pelo Departamento de
Desenvolvimento de Pessoas, será informado às gerências a data, local e período
da realização, devendo os responsáveis inscrever e liberar os colaboradores que
participarão do evento.
Para os cursos, Seminários ou visitas externas, as Gerências deverão providenciar
as inscrições, a liberação do seu pessoal e as providencias de deslocamento para
a realização dos treinamentos, informando por E-mail ao Titular do Departamento
de Desenvolvimento de Pessoas.
Em caso de treinamentos externos, estágios fora da empresa ou viagens
relacionadas a treinamento, o treinando deve enviar cópia do certificado ou
relatório para arquivo no Departamento de Desenvolvimento de Pessoas, que
deverá ficar arquivado junto com o Prontuário do Funcionário.
4.3. TREINAMENTOS OPERACIONAIS
4.3.1. PLANEJAMENTO DOS TREINAMENTOS OPERACIONAIS
A Supervisão deverá fazer o Planejamento para o Treinamento da sua equipe
quando da implantação dos Processos, indicando os documentos aplicados (PP’s,
IT’s ou outro específico), e também para cada alteração considerada relevante que
necessite ser efetuado o treinamento para as funções / Operadores que executam
as atividades relacionadas, bem como no planejamento de reciclagem, conforme
Anexo 8.3.
NOTA 1: A função superior e quem emitiu ou aprovou o documento, mesmo
quando esta for detentora destes documentos, fica isenta de receber
treinamento.
NOTA 2: Após a revisão de um documento de Gestão, caso seja verificado que
não há necessidade de treinamento, deve-se citar na folha de rosto “Revisão sem
Treinamento”.
4.4. EFETIVAÇÃO DO TREINAMENTO
a. Nos treinamentos operacionais, os participantes devem ser convocados para o
treinamento, com o preenchimento do RG – Registro de Convocação e Avaliação de
Treinamentos Internos, (ver anexo 8.4) e comprovar sua presença através da Lista de
Presença (ver anexo 8.5), que é o comprovante de participação, encaminhando-a ao
titular do Departamento de Desenvolvimento de Pessoas.
b. No caso de treinamento para qualificação o(s) registro(s) ou cópia de certificado
devem ser enviados para arquivo do Departamento de Desenvolvimento de Pessoas e
atualização da Matriz de Capacitação e no caso de formação na HABILIDADE
TÉCNICA o registro deve ser arquivado junto ao Prontuário do Funcionário.
4.4.1 LISTA DE PRESENÇA
Obrigatória em todas as atividades de Treinamento, com indicações claras, do
conteúdo do treinamento, período, carga horária, instrutor (es), e arquivo (pelo
período do ano em curso mais o anterior) no Departamento de Desenvolvimento
de Pessoas, que fará o registro junto ao Inventário Funcional dos Participantes.,
conforme o anexo 8.5.
4.4.2 AVALIAÇÃO DE REAÇÃO E EFICÁCIA EM TREINAMENTO
Será realizada após o término do treinamento, a avaliação de reação pelo
treinando, que preencherá no campo específico do RG - Registro de Convocação
e Avaliação de Treinamentos Internos (ver anexo 8.3), o qual ficará retido com o
PG.RHGR.DEP.001
Data Emissão: 07/08/07
Revisão: 01
Data Revisão: 03/09/07
PROCEDIMENTO GERENCIAL – PG
Página 5 de 14
TÍTULO: TREINAMENTO E QUALIFICAÇÃO
Superior imediato, que após 30 dias, deverá fazer a avaliação da eficácia, sendo
esse documento devolvido ao Departamento de Desenvolvimento de Pessoas que
tomará as providencias indicada.
NOTA 1: Poderão ser realizados treinamentos para dar conhecimento as outras
pessoas que não executam diretamente as tarefas. Neste caso essas pessoas
ficam isenta de avaliação de eficácia do treinamento.
NOTA 2: De acordo com o resultado de avaliação da eficácia do Treinamento,
pela chefia imediata, poderá ser necessário um novo treinamento, para o que o
Departamento de Desenvolvimento de Pessoas, repetirá o processo, devendo
arquivar o registro junto com o Prontuário do Colaborador.
NOTA 3: Se o resultado for adequado, deverá ser atualizada no RG - Matriz de
Capacitação, anexo 8.2, a situação do colaborador que o mesmo foi treinado e
que tem conhecimento da Tarefa para executar as atividades.
4.4.3 A CERTIFICAÇÃO NOS REQUISITOS OPERACIONAIS
Todas as atividades consideradas de certificação/qualificação obrigatória,
classificadas na Matriz de Capacitação como “B”, inclusive para as tarefas críticas
com Instrução de Trabalho, será aplicado o Diagnóstico do Trabalho Operacional
DTO, que enviado para o Departamento de Desenvolvimento de Pessoas, tem o
efeito de certificar o nível de conhecimento para a tarefa.
4.5. PROGRAMA DE DIAGNÓSTICO EM TREINAMENTO OPERACIONAL
4.5.1. PLANEJAMENTO DO PROGRAMA DE DIAGNÓSTICO DO TRABALHO
OPERACIONAL
De responsabilidade das supervisões, em março de cada ano, deve ser informado
ao Departamento de Desenvolvimento de Pessoas, o planejamento para aplicação
do Diagnóstico do Trabalho Operacional – DTO, formulário anexo 8.6.
Também deverá ser preparado no item 2 do registro do DTO, anexo 8.7, para
cada uma das tarefas indicando as atividades críticas de cada documento, as
quais deverão ser observadas.
4.5.2. APLICAÇÃO DO DIAGNÓSTICO DO TRABALHO OPERACIONAL
Deverá ser realizada anualmente a partir do mês de abril, a avaliação dos
executantes das tarefas, conforme o planejamento, verificando pontos indicados
no DTO, atribuindo-se ao colaborador uma nota de 3 a 1 de acordo com sua
qualificação para a execução. Ao final calcular a média aritmética dessas notas,
atribuindo-se a nota final que será informada na Matriz de Capacitação, conforme
segue: (B) - Qualificado quando obtiver nota 3 para todas as verificações,
(C) – continuará como treinado para a atividade, quando não obtiver a nota 3 em
qualquer verificação.
Para aqueles que obtiveram classificação (B) e foi observado que possui
condições de ensinar/acompanhar outros operadores, poderá ser classificado
como (A), tendo como condição de monitorar ou liderar equipe.
Para os funcionários admitidos após o mês de abril e até janeiro do ano seguinte
são avaliados após 30 dias do início até o final do período de experiência (90
dias);
O Diagnóstico do Trabalho Operacional preenchido deve ser enviado ao
Departamento de Desenvolvimento de Pessoas, passando a fazer parte do
Inventário Funcional para assegurar a manutenção da Qualificação.
5. RESPONSABILIDADES
5.1. ÁREA DE RH – DEPARTAMENTO DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS:
5.1.1. INVENTÁRIO FUNCIONAL:
PG.RHGR.DEP.001
Data Emissão: 07/08/07
Revisão: 01
Data Revisão: 03/09/07
PROCEDIMENTO GERENCIAL – PG
Página 6 de 14
TÍTULO: TREINAMENTO E QUALIFICAÇÃO
Atualizará e desenvolverá o banco de profissionais interno, promovendo a
divulgação das oportunidades de vagas a serem abertas nos quadros de
funcionários da empresa, motivando a qualificação das funções e a busca a novos
conhecimentos, formação e treinamentos.
5.1.2. APOIO E INFRA-ESTRUTURA:
Coordenará e se responsabilizará pelo levantamento dos materiais didáticos e
dará apoio e infra-estrutura para realização dos treinamentos internos e externos
definidos na Matriz de Capacitação;
5.1.3. DA MOTIVAÇÃO:
Coordenará e Incentivará todas as atividades relacionadas a qualificação,
formação, e outras que visem o aumento da produtividade a melhorias da
qualidade e a excelência do clima organizacional.
5.2. TODAS AS ÁREAS DAS EMPRESAS:
5.2.1. MATRIZ DE CAPACITAÇÃO:
São responsáveis pela MATRIZ DE CAPACITAÇÃO que fornecerá as informações
necessárias para o desenvolvimento dos conteúdos dos treinamentos das
habilidades específicas, e dos treinamentos técnicos necessários para atender o
objetivo do programa.
5.2.2. DTO – DIAGNÓSTICO DO TRABALHO OPERACIONAL:
Aplicação do Diagnóstico do Trabalho Operacional, nas épocas programadas e
pela informação da qualificação do colaborador avaliado para atualização da
Matriz de Capacitação.
5.2.3. PROFISSIONAIS E INSTALAÇÕES:
Ceder os profissionais, espaços físicos, instalações, laboratórios e outros que se
fizerem necessários para aulas práticas e ou estágios.
Liberar os profissionais para o treinamento de acordo com o Plano previamente
aprovado.
5.2.4. INDICAR AO DEPARTAMENTO DE DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS:
O material didático, sendo criado um acervo de informações que serão
disponibilizadas a todos, em pasta específica “Treinamentos Interno” na Biblioteca.
Instrutores responsáveis pelos Treinamentos nos Requisitos Operacionais e ou
Habilidades Técnicas, fazendo a Integração Tecnológica.
5.3. PARTICIPANTES:
5.3.1. TREINAMENTOS:
Participar (obrigatoriamente) dos programas de qualificação e formação
desenvolvidos ou apoiados pela empresa.
5.3.2. AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO:
Participar da Avaliação de Desempenho.
5.3.3. MATERIAL DE TREINAMENTOS EXTERNOS:
Disponibilizarem os materiais das atividades de treinamento externos, quando
apoiados pelas empresas (apostilas, instruções técnicas e outros) ao
Departamento de Desenvolvimento de Pessoas.
5.3.4. DISSEMINAR CONHECIMENTO:
Repassar os conteúdos dos cursos externos quando patrocinados pela empresa,
com o apoio do Departamento de Desenvolvimento de Pessoas, aos outros
funcionários de sua área de trabalho.
6. REFERÊNCIAS
− FX.RHGR.DEP.006 Fluxograma: Inventário Funcional
PG.RHGR.DEP.001
Data Emissão: 07/08/07
Revisão: 01
Data Revisão: 03/09/07
PROCEDIMENTO GERENCIAL – PG
Página 7 de 14
TÍTULO: TREINAMENTO E QUALIFICAÇÃO
− PP.RHGR.DEP.006 PTP: Inventário Funcional
− FX.RHGR.DEP.011 Fluxograma: Treinamento
− PP.RHGR.DEP.011 PTP: Treinamentos
− IT.RHGR.DEP.001 Instrução de Trabalho para Análise de Atitudes.
7. REGISTROS DE GESTÃO APLICÁVEIS
− Modelo do Registro de Programação e Acompanhamento de Treinamentos para Qualificação
− Matriz de Capacitação e Registro da Situação da Equipe
− Plano de Treinamento OJT ou Treinamento no Local de Trabalho.
− Modelo do Registro de Convocação e Avaliação de Eficácia de Treinamento
− Lista de Presença
− Programa de Diagnóstico do Trabalho Operacional
− Registro de Diagnóstico do Trabalho Operacional
− Avaliação do Diagnóstico do Trabalho Operacional
8.ANEXOS
8.1. Modelo do Registro de Programação e Acompanhamento de Treinamentos para
Qualificação
8.2. Modelo de Matriz de Capacitação e Registro da Situação da Equipe
8.3. Modelo de Plano de Treinamento OJT ou Treinamento no Local de Trabalho.
8.4. Modelo do Registro de Convocação e Avaliação de Eficácia de Treinamento
8.5. Modelo de Lista de Presença
8.6. Modelo do Programa de Diagnóstico do Trabalho Operacional
8.7. Modelo do Registro de Diagnóstico do Trabalho Operacional
8.8. Modelo de Avaliação do Diagnóstico do Trabalho Operacional
PG.RHGR.DEP.001
Data Emissão: 07/08/07
Revisão: 01
Data Revisão: 03/09/07
PROCEDIMENTO GERENCIAL – PG
Página 8 de 14
TÍTULO: TREINAMENTO E QUALIFICAÇÃO
Anexo 8.1: Modelo do Registro de Programação e Acompanhamento de Treinamentos para
Qualificação.
PG.RHGR.DEP.001
Data Emissão: 07/08/07
Revisão: 01
Data Revisão: 03/09/07
PROCEDIMENTO GERENCIAL – PG
Página 9 de 14
TÍTULO: TREINAMENTO E QUALIFICAÇÃO
Anexo 8.2. Modelo de Matriz de Capacitação e Registro da Situação da Equipe.
PG.RHGR.DEP.001
Data Emissão: 07/08/07
Revisão: 01
Data Revisão: 03/09/07
PROCEDIMENTO GERENCIAL – PG
Página 10 de 14
TÍTULO: TREINAMENTO E QUALIFICAÇÃO
Anexo 8.3 - Modelo de Plano de Treinamento OJT ou Treinamento no Local de Trabalho.
Data ST Data ST Data ST Data ST Data ST Data ST Data ST Data ST
André Ricardo dos Santos 17679 B
Célia/Viviane/M
arina
5 a 8
fevereiro
ok 23/fev OK 23/fev OK 21/fev ok 21/fev ok 25/jul
Edison Alves Pinheiro 4099 A
Célia/Viviane/M
arina
5 a 8
fevereiro
ok 23/fev ok 23/fev ok 21/fev ok 21/fev ok
Carlos Eduardo Souza 2204809 C
Célia/Viviane/M
arina
5 a 8
fevereiro
23/fev ok 23/fev ok 21/fev ok 21/fev ok
Márcio Meira (folguista) 233 B
Célia/Viviane/M
arina
5 a 8
fevereiro
ok 23/fev ok 23/fev ok 21/fev 21/fev
Silas Vicente A
Célia/Viviane/M
arina
23/fev 23/fev 21/fev 21/fev
Cássia Caetano 16990 B
Célia/Viviane/M
arina
23/fev ok 23/fev ok 21/fev ok 21/fev ok
Rogério A. do Nascimento C
Célia/Viviane/M
arina
23/fev 23/fev 21/fev 21/fev
Márcio Prieto A
Célia/Viviane/M
arina
23/fev 23/fev 21/fev 21/fev
Maurício Umbelino Paulo B
Célia/Viviane/M
arina
23/fev OK 23/fev OK 21/fev 21/fev
Celso Gimenes Barrius C
Célia/Viviane/M
arina
23/fev 23/fev 21/fev 21/fev
Zenilda Francisca dos Santos 63 A
Célia/Viviane/M
arina
23/fev ok 23/fev ok 21/fev ok 21/fev ok
Euler Antonio Prado 822 A
Célia/Viviane/M
arina
5 a 8
fevereiro
ok 23/fev ok 23/fev ok 21/fev ok 21/fev ok
Márcio Meira 233 C
Célia/Viviane/M
arina
5 a 8
fevereiro
ok 23/fev ok 23/fev ok 21/fev 21/fev
Luciano Alves Martins 16764 A
Célia/Viviane/M
arina
5 a 8
fevereiro
ok 23/fev 23/fev 21/fev 21/fev
Gilberto Oliveira A
Célia/Viviane/M
arina
23/fev 23/fev 21/fev 21/fev
Leandro Marques da Silva C
Célia/Viviane/M
arina
23/fev 23/fev 21/fev 21/fev
Vagner Almeida da Silva B
Célia/Viviane/M
arina
23/fev 23/fev 21/fev 21/fev
Patrícia Maria Luiza de Oliveira 20418 ADM
Célia/Viviane/M
arina
5 a 8
fevereiro
ok 23/fev 23/fev 21/fev ok 21/fev ok
Sidnéia A. Mendonça Miranda 176 A
Célia/Viviane/M
arina
8
fevereiro
ok 23/fev ok 23/fev ok 21/fev ok 21/fev ok
Luciano Alves Martins (folguista) 16764 A
Célia/Viviane/M
arina
8
fevereiro
ok 23/fev 23/fev 21/fev 21/fev
Plano de OJT
Hoje: 10/08/2007LABORATÓRIO INDUSTRIAL
BIÓLOGOFUNÇÃOLDERTURNO
ANAL.CONTR.
QUAL.JR
ANAL.CONTR.
QUAL.SENIOR
ANAL.CONTR.
QUAL.PLENO
COLETADOR
AUXILIAR
GERENCIA
PCQ
Reponsável p/
Treinamento
5S e
Segurança em
LAB.
Fluxograma
Oficialização
de Its e
Registros
Colaborador Treinado Matrícula
PROCESSO:
Turno
PP PESAGEM
PTP
LABORATÓRIO
IND
PP PCTS
PP
Armazenage
m e Carreg.
PCA e RAN
PG.RHGR.DEP.001
Data Emissão: 07/08/07
Revisão: 01
Data Revisão: 03/09/07
PROCEDIMENTO GERENCIAL – PG
Página 11 de 14
TÍTULO: TREINAMENTO E QUALIFICAÇÃO
Anexo 8.4. Modelo do Registro de Convocação e Avaliação de Eficácia de Treinamento.
PG.RHGR.DEP.001
Data Emissão: 07/08/07
Revisão: 01
Data Revisão: 03/09/07
PROCEDIMENTO GERENCIAL – PG
Página 12 de 14
TÍTULO: TREINAMENTO E QUALIFICAÇÃO
Anexo 8.5. Modelo de Lista de Presença.
PG.RHGR.DEP.001
Data Emissão: 07/08/07
Revisão: 01
Data Revisão: 03/09/07
PROCEDIMENTO GERENCIAL – PG
Página 13 de 14
TÍTULO: TREINAMENTO E QUALIFICAÇÃO
Anexo 8.6. Modelo do Programa de Diagnóstico do Trabalho Operacional.
RG
DATA
Visto:(3) Visto: (5)
ANO: (11)
Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez (12)
(9) (10) (13)
Instrução de preenchimento:
(1) - DATA: preencher com a data de realização do PDTO.
(2) - Preencher com a sigla da área do superior imediato ao executante da Função Supervisão.
(3) - Visto do superior imediato do executante da Função Supervisão.
(4) - Nome do executante da Função Supervisão
(5) - Visto do executante da Função Supervisão.
(6) - Preencher com o código do processo seguido de sua descrição.
(7) - Preencher com a Macro Função na qual está inserido a Instrução de Trabalho avaliado no diagnóstico
(8) - Preencher com a Instrução de Trabalho avaliado no diagnóstico
(9) - Nome(s) do(s) executante(s) da(s) tarefa(s) relacionada(s) ao(s)IT (s) referido(s) no campo (12) que será (ão) avaliado(s).
(10) - Número(s) da(s) IT(s) executado(s)
(11) - Ano(s) relativo(s) ao período formal de avaliação relacionado(s) no campo.
(12) - Preencher com os doze meses no formato “mês/ano”, relativos ao período formal de avaliação.
(13) - Preencher com o dia, na coluna do respectivo mês/ano, quando ocorrerá a avaliação.
EXECUTANTE DA TAREFA Cõdigo da IT
QUANDO
PROGRAMA DE DIAGNÓSTICO DO TRABALHO OPERACIONAL
Executante da função supervisão: (4)
Processo: (6) Macro função: (7) Tarefa: (8)
(1)
Gerência/Coordenação: (2)
PG.RHGR.DEP.001
Data Emissão: 07/08/07
Revisão: 01
Data Revisão: 03/09/07
PROCEDIMENTO GERENCIAL – PG
Página 14 de 14
TÍTULO: TREINAMENTO E QUALIFICAÇÃO
Anexo 8.7. Modelo do Registro de Diagnóstico do Trabalho Operacional.
Elaborado por:
Daniel Dorli
Aprovado por:
Américo Amódio
Data Aprov.
03/09/2007

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

exemplo Avaliacao eficacia treinamento
exemplo Avaliacao eficacia treinamentoexemplo Avaliacao eficacia treinamento
exemplo Avaliacao eficacia treinamentoitapissuma
 
Procedimento Treinamento
Procedimento Treinamento Procedimento Treinamento
Procedimento Treinamento Marcos Abreu
 
Caderno de Atividades Gestão de Processos e Qualidade
Caderno de Atividades Gestão de Processos e QualidadeCaderno de Atividades Gestão de Processos e Qualidade
Caderno de Atividades Gestão de Processos e QualidadeGerisval Pessoa
 
Modelo de manual da qualidade
Modelo de manual da qualidadeModelo de manual da qualidade
Modelo de manual da qualidadeSandra Silva
 
Check list para auditoria interna
Check list para auditoria internaCheck list para auditoria interna
Check list para auditoria internaMiguel
 
Check list de preparação para a auditoria interna (3)
Check list de preparação para a auditoria interna (3)Check list de preparação para a auditoria interna (3)
Check list de preparação para a auditoria interna (3)Amanda Fraga
 
Pop procedimentos operacionais padrão
Pop   procedimentos operacionais padrãoPop   procedimentos operacionais padrão
Pop procedimentos operacionais padrãoRafael Correia
 
Check List de Auditoria ISO 45001-2018.docx
Check List de Auditoria ISO 45001-2018.docxCheck List de Auditoria ISO 45001-2018.docx
Check List de Auditoria ISO 45001-2018.docxAdejar Cj
 
Folheto para visitantes
Folheto para visitantesFolheto para visitantes
Folheto para visitantesSergio Silva
 
NR 17 - Ergonomia
NR 17 - ErgonomiaNR 17 - Ergonomia
NR 17 - ErgonomiaAmanda Dias
 
Pop manutenção preventiva de equipamentos
Pop   manutenção preventiva de equipamentosPop   manutenção preventiva de equipamentos
Pop manutenção preventiva de equipamentosJuciê Vasconcelos
 
Apresentação organização e limpeza na empresa
Apresentação   organização e limpeza na empresaApresentação   organização e limpeza na empresa
Apresentação organização e limpeza na empresaPriscila Ota
 
Manual de segurança da carpintaria
Manual de segurança da carpintariaManual de segurança da carpintaria
Manual de segurança da carpintariaEder Ribeiro
 
ISO 10015 - Treinamento e Desenvolvimento - Qualidade
ISO 10015 - Treinamento e Desenvolvimento - QualidadeISO 10015 - Treinamento e Desenvolvimento - Qualidade
ISO 10015 - Treinamento e Desenvolvimento - Qualidadegomesmpb
 

Mais procurados (20)

exemplo Avaliacao eficacia treinamento
exemplo Avaliacao eficacia treinamentoexemplo Avaliacao eficacia treinamento
exemplo Avaliacao eficacia treinamento
 
Procedimento Treinamento
Procedimento Treinamento Procedimento Treinamento
Procedimento Treinamento
 
Caderno de Atividades Gestão de Processos e Qualidade
Caderno de Atividades Gestão de Processos e QualidadeCaderno de Atividades Gestão de Processos e Qualidade
Caderno de Atividades Gestão de Processos e Qualidade
 
Modelo de manual da qualidade
Modelo de manual da qualidadeModelo de manual da qualidade
Modelo de manual da qualidade
 
Nr 20
Nr 20 Nr 20
Nr 20
 
Relatório de segurança do trabalho
Relatório de segurança do trabalhoRelatório de segurança do trabalho
Relatório de segurança do trabalho
 
Check list para auditoria interna
Check list para auditoria internaCheck list para auditoria interna
Check list para auditoria interna
 
Programa 5S
Programa 5SPrograma 5S
Programa 5S
 
Check list de preparação para a auditoria interna (3)
Check list de preparação para a auditoria interna (3)Check list de preparação para a auditoria interna (3)
Check list de preparação para a auditoria interna (3)
 
Ações Preventivas e Corretivas
Ações Preventivas e Corretivas Ações Preventivas e Corretivas
Ações Preventivas e Corretivas
 
Pop procedimentos operacionais padrão
Pop   procedimentos operacionais padrãoPop   procedimentos operacionais padrão
Pop procedimentos operacionais padrão
 
Check List de Auditoria ISO 45001-2018.docx
Check List de Auditoria ISO 45001-2018.docxCheck List de Auditoria ISO 45001-2018.docx
Check List de Auditoria ISO 45001-2018.docx
 
Treinamento e Desenvolvimento
Treinamento e DesenvolvimentoTreinamento e Desenvolvimento
Treinamento e Desenvolvimento
 
Folheto para visitantes
Folheto para visitantesFolheto para visitantes
Folheto para visitantes
 
NR 17 - Ergonomia
NR 17 - ErgonomiaNR 17 - Ergonomia
NR 17 - Ergonomia
 
Pop manutenção preventiva de equipamentos
Pop   manutenção preventiva de equipamentosPop   manutenção preventiva de equipamentos
Pop manutenção preventiva de equipamentos
 
Apresentação organização e limpeza na empresa
Apresentação   organização e limpeza na empresaApresentação   organização e limpeza na empresa
Apresentação organização e limpeza na empresa
 
Manual de segurança da carpintaria
Manual de segurança da carpintariaManual de segurança da carpintaria
Manual de segurança da carpintaria
 
ISO 10015 - Treinamento e Desenvolvimento - Qualidade
ISO 10015 - Treinamento e Desenvolvimento - QualidadeISO 10015 - Treinamento e Desenvolvimento - Qualidade
ISO 10015 - Treinamento e Desenvolvimento - Qualidade
 
O que é qualidade
O que é qualidadeO que é qualidade
O que é qualidade
 

Destaque

MODELO DE LISTA DE PRESENÇA PARA TREINAMENTOS
MODELO DE LISTA DE PRESENÇA PARA TREINAMENTOSMODELO DE LISTA DE PRESENÇA PARA TREINAMENTOS
MODELO DE LISTA DE PRESENÇA PARA TREINAMENTOSAne Costa
 
Avaliacao treinamento-on-the-job
Avaliacao treinamento-on-the-jobAvaliacao treinamento-on-the-job
Avaliacao treinamento-on-the-jobteresa08
 
Como escolher o melhor método de avaliação para cada tipo de Treinamento - Cl...
Como escolher o melhor método de avaliação para cada tipo de Treinamento - Cl...Como escolher o melhor método de avaliação para cada tipo de Treinamento - Cl...
Como escolher o melhor método de avaliação para cada tipo de Treinamento - Cl...Claudemir Oribe
 
Abreu trabalhos carreira
Abreu trabalhos carreiraAbreu trabalhos carreira
Abreu trabalhos carreiraMarcos Abreu
 
Projeto de treinamento e desenvolvimento na Pedagogia Empresarial
Projeto de treinamento e desenvolvimento na Pedagogia EmpresarialProjeto de treinamento e desenvolvimento na Pedagogia Empresarial
Projeto de treinamento e desenvolvimento na Pedagogia EmpresarialJesuel Arruda
 
Modelo ficha de registro do diálogo diário de segurança (dds) - blog segura...
Modelo   ficha de registro do diálogo diário de segurança (dds) - blog segura...Modelo   ficha de registro do diálogo diário de segurança (dds) - blog segura...
Modelo ficha de registro do diálogo diário de segurança (dds) - blog segura...Dayvd Ebonys
 
Modelo Sugerido de Lista de Presença - Anexo Circular Nº 008 - 2013-2014-SCODB
Modelo Sugerido de Lista de Presença - Anexo Circular Nº 008 - 2013-2014-SCODBModelo Sugerido de Lista de Presença - Anexo Circular Nº 008 - 2013-2014-SCODB
Modelo Sugerido de Lista de Presença - Anexo Circular Nº 008 - 2013-2014-SCODBEsclarecerDeMolay
 
Modelo de Ficha para DSS
Modelo de Ficha para DSSModelo de Ficha para DSS
Modelo de Ficha para DSSAne Costa
 
Desenvolvendo um Plano de Treinamento
Desenvolvendo um Plano de TreinamentoDesenvolvendo um Plano de Treinamento
Desenvolvendo um Plano de TreinamentoKenneth Corrêa
 
Treinamento & Desenvolvimento de Equipes: Modelos, Feramentas e estratégias
Treinamento & Desenvolvimento de Equipes: Modelos, Feramentas e estratégiasTreinamento & Desenvolvimento de Equipes: Modelos, Feramentas e estratégias
Treinamento & Desenvolvimento de Equipes: Modelos, Feramentas e estratégiasRicardo Silva Coqueiro
 
Vorschau Ratgeberreihe Cross-Channel-Commerce
Vorschau Ratgeberreihe Cross-Channel-CommerceVorschau Ratgeberreihe Cross-Channel-Commerce
Vorschau Ratgeberreihe Cross-Channel-CommerceOXID eSales AG
 
Processo - Contratação de Pessoal - Santa Cruz do Capibaribe
Processo - Contratação de Pessoal - Santa Cruz do CapibaribeProcesso - Contratação de Pessoal - Santa Cruz do Capibaribe
Processo - Contratação de Pessoal - Santa Cruz do CapibaribeBruno Muniz
 
Mr Fishys Adventure
Mr Fishys AdventureMr Fishys Adventure
Mr Fishys AdventureAli Mulhall
 
LEVANTAMENTO DAS NECESSIDADES DE TREINAMENTO
LEVANTAMENTO DAS NECESSIDADES DE TREINAMENTOLEVANTAMENTO DAS NECESSIDADES DE TREINAMENTO
LEVANTAMENTO DAS NECESSIDADES DE TREINAMENTOSebastião Guimarães
 

Destaque (20)

MODELO DE LISTA DE PRESENÇA PARA TREINAMENTOS
MODELO DE LISTA DE PRESENÇA PARA TREINAMENTOSMODELO DE LISTA DE PRESENÇA PARA TREINAMENTOS
MODELO DE LISTA DE PRESENÇA PARA TREINAMENTOS
 
Avaliacao treinamento-on-the-job
Avaliacao treinamento-on-the-jobAvaliacao treinamento-on-the-job
Avaliacao treinamento-on-the-job
 
Como escolher o melhor método de avaliação para cada tipo de Treinamento - Cl...
Como escolher o melhor método de avaliação para cada tipo de Treinamento - Cl...Como escolher o melhor método de avaliação para cada tipo de Treinamento - Cl...
Como escolher o melhor método de avaliação para cada tipo de Treinamento - Cl...
 
Abreu trabalhos carreira
Abreu trabalhos carreiraAbreu trabalhos carreira
Abreu trabalhos carreira
 
Projeto de treinamento e desenvolvimento na Pedagogia Empresarial
Projeto de treinamento e desenvolvimento na Pedagogia EmpresarialProjeto de treinamento e desenvolvimento na Pedagogia Empresarial
Projeto de treinamento e desenvolvimento na Pedagogia Empresarial
 
Modelo ficha de registro do diálogo diário de segurança (dds) - blog segura...
Modelo   ficha de registro do diálogo diário de segurança (dds) - blog segura...Modelo   ficha de registro do diálogo diário de segurança (dds) - blog segura...
Modelo ficha de registro do diálogo diário de segurança (dds) - blog segura...
 
Modelo Sugerido de Lista de Presença - Anexo Circular Nº 008 - 2013-2014-SCODB
Modelo Sugerido de Lista de Presença - Anexo Circular Nº 008 - 2013-2014-SCODBModelo Sugerido de Lista de Presença - Anexo Circular Nº 008 - 2013-2014-SCODB
Modelo Sugerido de Lista de Presença - Anexo Circular Nº 008 - 2013-2014-SCODB
 
Planejamento das atividades de sms
Planejamento das atividades de smsPlanejamento das atividades de sms
Planejamento das atividades de sms
 
Modelo de Ficha para DSS
Modelo de Ficha para DSSModelo de Ficha para DSS
Modelo de Ficha para DSS
 
Pca bom
Pca bomPca bom
Pca bom
 
Desenvolvendo um Plano de Treinamento
Desenvolvendo um Plano de TreinamentoDesenvolvendo um Plano de Treinamento
Desenvolvendo um Plano de Treinamento
 
Treinamento & Desenvolvimento de Equipes: Modelos, Feramentas e estratégias
Treinamento & Desenvolvimento de Equipes: Modelos, Feramentas e estratégiasTreinamento & Desenvolvimento de Equipes: Modelos, Feramentas e estratégias
Treinamento & Desenvolvimento de Equipes: Modelos, Feramentas e estratégias
 
Lista de presença flora
Lista de presença floraLista de presença flora
Lista de presença flora
 
Vorschau Ratgeberreihe Cross-Channel-Commerce
Vorschau Ratgeberreihe Cross-Channel-CommerceVorschau Ratgeberreihe Cross-Channel-Commerce
Vorschau Ratgeberreihe Cross-Channel-Commerce
 
Processo - Contratação de Pessoal - Santa Cruz do Capibaribe
Processo - Contratação de Pessoal - Santa Cruz do CapibaribeProcesso - Contratação de Pessoal - Santa Cruz do Capibaribe
Processo - Contratação de Pessoal - Santa Cruz do Capibaribe
 
Mr Fishys Adventure
Mr Fishys AdventureMr Fishys Adventure
Mr Fishys Adventure
 
Albayzin informa-2014
Albayzin informa-2014Albayzin informa-2014
Albayzin informa-2014
 
The ohb times 013
The ohb times 013The ohb times 013
The ohb times 013
 
Dell
DellDell
Dell
 
LEVANTAMENTO DAS NECESSIDADES DE TREINAMENTO
LEVANTAMENTO DAS NECESSIDADES DE TREINAMENTOLEVANTAMENTO DAS NECESSIDADES DE TREINAMENTO
LEVANTAMENTO DAS NECESSIDADES DE TREINAMENTO
 

Semelhante a Procedimento de Treinamento e Qualificação

Treinamento organizacional
Treinamento organizacionalTreinamento organizacional
Treinamento organizacionalLuciana Gomes
 
Proc recursos humanos. pcd.02.03.001
Proc recursos humanos. pcd.02.03.001Proc recursos humanos. pcd.02.03.001
Proc recursos humanos. pcd.02.03.001Ana Canas
 
Treinamento Organizacional: uma especificação da área de processo do nível 3 ...
Treinamento Organizacional: uma especificação da área de processo do nível 3 ...Treinamento Organizacional: uma especificação da área de processo do nível 3 ...
Treinamento Organizacional: uma especificação da área de processo do nível 3 ...Luiz Matos
 
Operacionalizar A Orientacao Sobre Aprendizagens Formais
Operacionalizar A Orientacao Sobre Aprendizagens FormaisOperacionalizar A Orientacao Sobre Aprendizagens Formais
Operacionalizar A Orientacao Sobre Aprendizagens FormaisJoão Lima
 
Descrição de Cargos - Visão Teorica.pdf
Descrição de Cargos - Visão Teorica.pdfDescrição de Cargos - Visão Teorica.pdf
Descrição de Cargos - Visão Teorica.pdfRobertaRibeiro89
 
Tx 018-01 plano de treinamento
Tx 018-01 plano de treinamentoTx 018-01 plano de treinamento
Tx 018-01 plano de treinamentoLivia Medina
 
Maceio ge19-gestão de projetos-implantação da manutenção autônoma (ma) nas ár...
Maceio ge19-gestão de projetos-implantação da manutenção autônoma (ma) nas ár...Maceio ge19-gestão de projetos-implantação da manutenção autônoma (ma) nas ár...
Maceio ge19-gestão de projetos-implantação da manutenção autônoma (ma) nas ár...Marco Coghi
 
Maceio ge19-gestão de projetos-implantação da manutenção autônoma (ma) nas ár...
Maceio ge19-gestão de projetos-implantação da manutenção autônoma (ma) nas ár...Maceio ge19-gestão de projetos-implantação da manutenção autônoma (ma) nas ár...
Maceio ge19-gestão de projetos-implantação da manutenção autônoma (ma) nas ár...Marco Coghi
 
Treinamento.desenvolvimento
Treinamento.desenvolvimentoTreinamento.desenvolvimento
Treinamento.desenvolvimentoMarcia Henrique
 
Chamada para o segundo grupo do MPT.Br (Melhoria do Processo de Teste Brasile...
Chamada para o segundo grupo do MPT.Br (Melhoria do Processo de Teste Brasile...Chamada para o segundo grupo do MPT.Br (Melhoria do Processo de Teste Brasile...
Chamada para o segundo grupo do MPT.Br (Melhoria do Processo de Teste Brasile...Murilo Lima
 
Chamada para o Segundo grupo do MPT.Br (Melhoria do Processo de Teste Brasile...
Chamada para o Segundo grupo do MPT.Br (Melhoria do Processo de Teste Brasile...Chamada para o Segundo grupo do MPT.Br (Melhoria do Processo de Teste Brasile...
Chamada para o Segundo grupo do MPT.Br (Melhoria do Processo de Teste Brasile...Murilo Lima
 
Tg201 programa treinamento_2020
Tg201 programa treinamento_2020Tg201 programa treinamento_2020
Tg201 programa treinamento_2020Alexsander Fim
 
Treinamento+desenvolvimento
Treinamento+desenvolvimentoTreinamento+desenvolvimento
Treinamento+desenvolvimentoWallace Silva
 
Template, modelo de Planejamento para Implementar Escritório de Projetos (PMO)
Template, modelo de Planejamento para Implementar Escritório de Projetos (PMO)Template, modelo de Planejamento para Implementar Escritório de Projetos (PMO)
Template, modelo de Planejamento para Implementar Escritório de Projetos (PMO)CompanyWeb
 
Treinamento transparências
Treinamento transparênciasTreinamento transparências
Treinamento transparênciasCíntia Lopes
 

Semelhante a Procedimento de Treinamento e Qualificação (20)

Treinamento organizacional
Treinamento organizacionalTreinamento organizacional
Treinamento organizacional
 
Proc recursos humanos. pcd.02.03.001
Proc recursos humanos. pcd.02.03.001Proc recursos humanos. pcd.02.03.001
Proc recursos humanos. pcd.02.03.001
 
Treinamento Organizacional: uma especificação da área de processo do nível 3 ...
Treinamento Organizacional: uma especificação da área de processo do nível 3 ...Treinamento Organizacional: uma especificação da área de processo do nível 3 ...
Treinamento Organizacional: uma especificação da área de processo do nível 3 ...
 
Operacionalizar A Orientacao Sobre Aprendizagens Formais
Operacionalizar A Orientacao Sobre Aprendizagens FormaisOperacionalizar A Orientacao Sobre Aprendizagens Formais
Operacionalizar A Orientacao Sobre Aprendizagens Formais
 
Descrição de Cargos - Visão Teorica.pdf
Descrição de Cargos - Visão Teorica.pdfDescrição de Cargos - Visão Teorica.pdf
Descrição de Cargos - Visão Teorica.pdf
 
Tx 018-01 plano de treinamento
Tx 018-01 plano de treinamentoTx 018-01 plano de treinamento
Tx 018-01 plano de treinamento
 
Indicadores de desempenho (1)
Indicadores de desempenho (1)Indicadores de desempenho (1)
Indicadores de desempenho (1)
 
Maceio ge19-gestão de projetos-implantação da manutenção autônoma (ma) nas ár...
Maceio ge19-gestão de projetos-implantação da manutenção autônoma (ma) nas ár...Maceio ge19-gestão de projetos-implantação da manutenção autônoma (ma) nas ár...
Maceio ge19-gestão de projetos-implantação da manutenção autônoma (ma) nas ár...
 
Maceio ge19-gestão de projetos-implantação da manutenção autônoma (ma) nas ár...
Maceio ge19-gestão de projetos-implantação da manutenção autônoma (ma) nas ár...Maceio ge19-gestão de projetos-implantação da manutenção autônoma (ma) nas ár...
Maceio ge19-gestão de projetos-implantação da manutenção autônoma (ma) nas ár...
 
Gp aula-12
Gp aula-12Gp aula-12
Gp aula-12
 
Treinamento.desenvolvimento
Treinamento.desenvolvimentoTreinamento.desenvolvimento
Treinamento.desenvolvimento
 
referencial detalhado do curso de pós-graduação gestao coordenação da formação
referencial detalhado do curso de pós-graduação gestao coordenação da formaçãoreferencial detalhado do curso de pós-graduação gestao coordenação da formação
referencial detalhado do curso de pós-graduação gestao coordenação da formação
 
Organização de um projeto para certificação DGERT.
Organização de um projeto para certificação DGERT.Organização de um projeto para certificação DGERT.
Organização de um projeto para certificação DGERT.
 
Chamada para o segundo grupo do MPT.Br (Melhoria do Processo de Teste Brasile...
Chamada para o segundo grupo do MPT.Br (Melhoria do Processo de Teste Brasile...Chamada para o segundo grupo do MPT.Br (Melhoria do Processo de Teste Brasile...
Chamada para o segundo grupo do MPT.Br (Melhoria do Processo de Teste Brasile...
 
Chamada para o Segundo grupo do MPT.Br (Melhoria do Processo de Teste Brasile...
Chamada para o Segundo grupo do MPT.Br (Melhoria do Processo de Teste Brasile...Chamada para o Segundo grupo do MPT.Br (Melhoria do Processo de Teste Brasile...
Chamada para o Segundo grupo do MPT.Br (Melhoria do Processo de Teste Brasile...
 
Tg201 programa treinamento_2020
Tg201 programa treinamento_2020Tg201 programa treinamento_2020
Tg201 programa treinamento_2020
 
Treinamento+desenvolvimento
Treinamento+desenvolvimentoTreinamento+desenvolvimento
Treinamento+desenvolvimento
 
Template, modelo de Planejamento para Implementar Escritório de Projetos (PMO)
Template, modelo de Planejamento para Implementar Escritório de Projetos (PMO)Template, modelo de Planejamento para Implementar Escritório de Projetos (PMO)
Template, modelo de Planejamento para Implementar Escritório de Projetos (PMO)
 
Treinamento transparências
Treinamento transparênciasTreinamento transparências
Treinamento transparências
 
PROJETO TREINAMENTO EMPRESARIAL
PROJETO TREINAMENTO EMPRESARIALPROJETO TREINAMENTO EMPRESARIAL
PROJETO TREINAMENTO EMPRESARIAL
 

Mais de Marcos Abreu

Relatório TUV NANO
Relatório TUV NANORelatório TUV NANO
Relatório TUV NANOMarcos Abreu
 
Apresentacao nano.docx 2
Apresentacao nano.docx 2Apresentacao nano.docx 2
Apresentacao nano.docx 2Marcos Abreu
 
Perguntas e Respostas - nine® Protection Motor Renew
Perguntas e Respostas - nine® Protection Motor RenewPerguntas e Respostas - nine® Protection Motor Renew
Perguntas e Respostas - nine® Protection Motor RenewMarcos Abreu
 
Prova Cientifica e Cases - nine® Protection Motor Renew
Prova Cientifica e Cases - nine® Protection Motor RenewProva Cientifica e Cases - nine® Protection Motor Renew
Prova Cientifica e Cases - nine® Protection Motor RenewMarcos Abreu
 
O que é - nine® protection motor renew .ppt
O que é - nine® protection motor renew .pptO que é - nine® protection motor renew .ppt
O que é - nine® protection motor renew .pptMarcos Abreu
 
Ensaios Técnicos 1 - nine® Protection Motor Renew
Ensaios Técnicos 1 - nine® Protection Motor Renew Ensaios Técnicos 1 - nine® Protection Motor Renew
Ensaios Técnicos 1 - nine® Protection Motor Renew Marcos Abreu
 
COMPROVANDO A EFICACIA - nine® Protection Motor Renew
COMPROVANDO A  EFICACIA - nine® Protection Motor Renew COMPROVANDO A  EFICACIA - nine® Protection Motor Renew
COMPROVANDO A EFICACIA - nine® Protection Motor Renew Marcos Abreu
 
Método e Analise de Solução de Problemas
Método e Analise de Solução de Problemas Método e Analise de Solução de Problemas
Método e Analise de Solução de Problemas Marcos Abreu
 
Gestão pela Excelência em Resultados
Gestão pela Excelência em ResultadosGestão pela Excelência em Resultados
Gestão pela Excelência em ResultadosMarcos Abreu
 
GESTAO de Excelencia na LUBRIFICACAO
GESTAO de Excelencia na LUBRIFICACAOGESTAO de Excelencia na LUBRIFICACAO
GESTAO de Excelencia na LUBRIFICACAOMarcos Abreu
 
Gestão pela Excelência em Resultados
Gestão pela Excelência em Resultados Gestão pela Excelência em Resultados
Gestão pela Excelência em Resultados Marcos Abreu
 
GESTÃO de Excelência na LUBRIFICAÇÃO
GESTÃO de Excelência na  LUBRIFICAÇÃO                GESTÃO de Excelência na  LUBRIFICAÇÃO
GESTÃO de Excelência na LUBRIFICAÇÃO Marcos Abreu
 
Procedimento Tratamento de Anomalias
Procedimento Tratamento de AnomaliasProcedimento Tratamento de Anomalias
Procedimento Tratamento de AnomaliasMarcos Abreu
 
Consumo Diesel Transporte
Consumo Diesel Transporte Consumo Diesel Transporte
Consumo Diesel Transporte Marcos Abreu
 
Planta de Biodigestao da Palha da Cana
Planta de Biodigestao da Palha da CanaPlanta de Biodigestao da Palha da Cana
Planta de Biodigestao da Palha da CanaMarcos Abreu
 
Treinamento Operador de Separadora de Fermento
Treinamento Operador de Separadora de FermentoTreinamento Operador de Separadora de Fermento
Treinamento Operador de Separadora de FermentoMarcos Abreu
 
Treinamento Fermentador
Treinamento FermentadorTreinamento Fermentador
Treinamento FermentadorMarcos Abreu
 
RTC Medindo a Eficiencia da Industria
RTC  Medindo a Eficiencia da Industria RTC  Medindo a Eficiencia da Industria
RTC Medindo a Eficiencia da Industria Marcos Abreu
 
Cuidados Operacionais e Manutenção Sistema Moagem
Cuidados Operacionais e Manutenção  Sistema MoagemCuidados Operacionais e Manutenção  Sistema Moagem
Cuidados Operacionais e Manutenção Sistema MoagemMarcos Abreu
 

Mais de Marcos Abreu (20)

Relatório TUV NANO
Relatório TUV NANORelatório TUV NANO
Relatório TUV NANO
 
Apresentacao nano.docx 2
Apresentacao nano.docx 2Apresentacao nano.docx 2
Apresentacao nano.docx 2
 
Perguntas e Respostas - nine® Protection Motor Renew
Perguntas e Respostas - nine® Protection Motor RenewPerguntas e Respostas - nine® Protection Motor Renew
Perguntas e Respostas - nine® Protection Motor Renew
 
Prova Cientifica e Cases - nine® Protection Motor Renew
Prova Cientifica e Cases - nine® Protection Motor RenewProva Cientifica e Cases - nine® Protection Motor Renew
Prova Cientifica e Cases - nine® Protection Motor Renew
 
O que é - nine® protection motor renew .ppt
O que é - nine® protection motor renew .pptO que é - nine® protection motor renew .ppt
O que é - nine® protection motor renew .ppt
 
Ensaios Técnicos 1 - nine® Protection Motor Renew
Ensaios Técnicos 1 - nine® Protection Motor Renew Ensaios Técnicos 1 - nine® Protection Motor Renew
Ensaios Técnicos 1 - nine® Protection Motor Renew
 
COMPROVANDO A EFICACIA - nine® Protection Motor Renew
COMPROVANDO A  EFICACIA - nine® Protection Motor Renew COMPROVANDO A  EFICACIA - nine® Protection Motor Renew
COMPROVANDO A EFICACIA - nine® Protection Motor Renew
 
Método e Analise de Solução de Problemas
Método e Analise de Solução de Problemas Método e Analise de Solução de Problemas
Método e Analise de Solução de Problemas
 
Gestão pela Excelência em Resultados
Gestão pela Excelência em ResultadosGestão pela Excelência em Resultados
Gestão pela Excelência em Resultados
 
GESTAO de Excelencia na LUBRIFICACAO
GESTAO de Excelencia na LUBRIFICACAOGESTAO de Excelencia na LUBRIFICACAO
GESTAO de Excelencia na LUBRIFICACAO
 
Gestão pela Excelência em Resultados
Gestão pela Excelência em Resultados Gestão pela Excelência em Resultados
Gestão pela Excelência em Resultados
 
A águia
A águia A águia
A águia
 
GESTÃO de Excelência na LUBRIFICAÇÃO
GESTÃO de Excelência na  LUBRIFICAÇÃO                GESTÃO de Excelência na  LUBRIFICAÇÃO
GESTÃO de Excelência na LUBRIFICAÇÃO
 
Procedimento Tratamento de Anomalias
Procedimento Tratamento de AnomaliasProcedimento Tratamento de Anomalias
Procedimento Tratamento de Anomalias
 
Consumo Diesel Transporte
Consumo Diesel Transporte Consumo Diesel Transporte
Consumo Diesel Transporte
 
Planta de Biodigestao da Palha da Cana
Planta de Biodigestao da Palha da CanaPlanta de Biodigestao da Palha da Cana
Planta de Biodigestao da Palha da Cana
 
Treinamento Operador de Separadora de Fermento
Treinamento Operador de Separadora de FermentoTreinamento Operador de Separadora de Fermento
Treinamento Operador de Separadora de Fermento
 
Treinamento Fermentador
Treinamento FermentadorTreinamento Fermentador
Treinamento Fermentador
 
RTC Medindo a Eficiencia da Industria
RTC  Medindo a Eficiencia da Industria RTC  Medindo a Eficiencia da Industria
RTC Medindo a Eficiencia da Industria
 
Cuidados Operacionais e Manutenção Sistema Moagem
Cuidados Operacionais e Manutenção  Sistema MoagemCuidados Operacionais e Manutenção  Sistema Moagem
Cuidados Operacionais e Manutenção Sistema Moagem
 

Procedimento de Treinamento e Qualificação

  • 1. Procedimento Treinamento e Qualificação http://www.linkedin.com/pub/marcos-abreu/4b/314/71b
  • 2. PG.RHGR.DEP.001 Data Emissão: 07/08/07 Revisão: 01 Data Revisão: 03/09/07 PROCEDIMENTO GERENCIAL – PG Página 1 de 14 TÍTULO: TREINAMENTO E QUALIFICAÇÃO 1. OBJETIVO Determinar as condições para identificar as necessidades de competência e qualificação para todo pessoal que realiza atividades que afetam os resultados dos produtos e serviços fornecidos pelas Empresas, bem como a gestão do processo de treinamentos. 2. CAMPO DE APLICAÇÃO Este procedimento aplica-se, em todo processo de Desenvolvimento das Pessoas e nos treinamentos dos processos operacionais, administrativos e comerciais. 3. DEFINIÇÕES 3.1. MATRIZ DE CAPACITAÇÃO: Define a competência do colaborador, necessária para desenvolvimento de sua atividade profissional em cada função e em cada setor das empresas. As informações prestadas são de responsabilidade do titular do setor. Anexo 8.2; 3.2. COMPETÊNCIA: Conjunto de conhecimentos de habilidades Básicas, Técnicas, Pessoais e Operacionais, que permitem ao indivíduo desempenhar com eficácia determinadas tarefas, em qualquer situação. 3.3. HABILIDADES BÁSICAS: Compreende, a formação, escolaridade, experiência e informações básicas necessárias para o desenvolvimento da função; 3.4. HABILIDADES TÉCNICAS: Qualificações técnicas necessárias para colocar em prática as aptidões necessárias à função; 3.5. HABILIDADES PESSOAIS - ATITUDES (comportamento): Modo de proceder e agir compatíveis com as atribuições, ainda o conjunto de reações que se podem observar na pessoa estando ela em seu ambiente e em determinadas circunstâncias. 3.6. CAPACIDADE DE ORIENTAÇÃO: Forma pela qual utiliza a capacidade de orientação, comunicação, tomada de decisão, administração de conflitos nas situações de trabalho. 3.7. CAPACIDADE CRIADORA: Capacidade de iniciativa, flexibilidade e criatividade a partir dos recursos disponíveis, enriquecendo a rotina de trabalho. 3.8. DINAMISMO: Possui confiança em suas próprias decisões, bem como a maneira de executá-las. 3.9. ORGANIZAÇÃO NO TRABALHO: Capacidade de conhecer suas responsabilidades quanto a postura ética, disciplina, assiduidade, asseio pessoal e planejamento das atividades. 3.10.RELACIONAMENTO INTERPESSOAL: Demonstra características de sociabilidade e facilidade em trabalho em equipe, negociação e de comunicação com as pessoas em geral. 3.11.REQUISITOS OPERACIONAIS: Conhecimento dos fluxogramas, padrões técnicos do processo, instruções de trabalho, e outros documentos de gestão; 3.12.TREINAMENTO: Processo educacional que visa dar informações (teórica e prática) e orientar de forma sistemática e organizada, através do qual os colaboradores adquirem e desenvolvem conhecimentos e habilidades em função de objetivos a serem alcançados. 3.13.PLANEJAMENTO DE TREINAMENTO PARA OS REQUISITOS OPERACIONAIS: Objetiva a identificar quais os colaboradores de cada função envolvidos para cada documento do SGI, elaborando o planejamento dos treinamentos para os mesmos, conforme anexo 8.3; 3.14.TREINAMENTO NOS REQUISITOS OPERACIONAIS: Objetiva o acompanhamento da execução de tarefas no próprio local de trabalho ou local apropriado (OJT ou TLT), através do repasse do conteúdo descrito nos documentos de gestão. (Integração
  • 3. PG.RHGR.DEP.001 Data Emissão: 07/08/07 Revisão: 01 Data Revisão: 03/09/07 PROCEDIMENTO GERENCIAL – PG Página 2 de 14 TÍTULO: TREINAMENTO E QUALIFICAÇÃO Tecnológica); 3.15.TREINAMENTO PARA QUALIFICAÇÃO: (interno e externo) Objetiva desenvolver as habilidades básicas, técnicas e pessoais, do conhecimento e/ou aperfeiçoamento, desenvolver nos profissionais na formação técnica, intercâmbio de tecnologias, habilidades e atitudes e outros, visando o aumento da qualidade e da produtividade; 3.16.PLANO DE TREINAMENTO ANUAL: O Plano de Treinamento é anual e definido pelos inventários funcionais de cada setor, efetuado no período que antecede o orçamento. Anexo 8.1; 3.17.LISTA DE PRESENÇA: Registra o conteúdo do treinamento sendo realizado, carga horária da atividade, Instrutor e identifica seus participantes por setor de atividade. Anexo 8.5; 3.18.AVALIAÇÃO DE REAÇÃO E EFICÁCIA DO TREINAMENTO: É realizada para os Treinamentos Internos, através do Registro de Convocação e Avaliação de Treinamento anexo 8.3.. a. Reação: Apresenta a reação do participante frente ao conteúdo e seu eventual aproveitamento, visando ainda observar a entidade promotora do treinamento e seus instrutores bem como o conteúdo que foi previsto, para uma eventual reprogramação. b. Eficácia: Realizada pelo superior imediato do participante, num período entre 30 e 90 dias após o treinamento, visa observar a aplicabilidade do conhecimento adquirido e se os objetivos desse treinamento foram atingidos. 3.19.AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO NA TAREFA – DTO: Registro de Diagnóstico do Trabalho Operacional - DTO. Documento pela qual a supervisão avalia a qualificação do colaborador para a tarefa, certificando-o como apto. Anexo 8.7, 3.20.INVENTÁRIO FUNCIONAL: Apresenta a situação do funcionário, na função atual, quanto ao atendimento aos requisitos definidos na função: nas habilidades básicas, habilidades técnicas, Requisitos Operacionais e habilidades pessoais e, identificando ainda suas competências para promoção funcional ou atividades de multifunção. 4. DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES 4.1. MATRIZ DE CAPACITAÇÃO É elaborada através da identificação das necessidades para a execução da função (nas habilidades básicas, habilidades técnicas, Requisitos Operacionais e habilidades pessoais), efetuada pela supervisão, com a observação da execução das tarefas, indicando a exigência da qualificação ou formação para o cargo daquele item proposto, dentro das classificações para o colaborador ocupante do cargo: (E) não aplicável; (C) conhecimento desejável; (B) qualificado para a atividade, (certificado para cursos / escolaridade ou através do resultado do DTO para os documentos do SGI), ver anexo 8.2. a. Habilidades Básicas: preenchendo a formação escolar e/ou conhecimento tecnológico, línguas, experiência específica necessária, observando existência de requisitos legais para o exercício da profissão, como exemplo Químico, Engenheiro, etc.. Nestes casos que são mandatórios, devemos classificar como capacitados para o trabalho com o código letra (B), onde requer a retenção de cópia de certificados ou outros documentos que comprovam o atendimento. Para outros conhecimentos que poderiam ajudar no desenvolvimento dos trabalhos deveremos classificar como desejável (C). b. Habilidades Técnicas: indicando as qualificações que o habilitam para as tarefas propostas, como exemplo: Destilação, Motores Elétricos, Mecânica Diesel, e outros. Nos casos que são mandatórios, serão classificados como exigência do cargo com o código letra (B), onde o conhecimento seria desejável (C) e a letra (E), quando não aplicável. c. Requisitos Operacionais: (para o cargo) Verificar a existência de Procedimentos,
  • 4. PG.RHGR.DEP.001 Data Emissão: 07/08/07 Revisão: 01 Data Revisão: 03/09/07 PROCEDIMENTO GERENCIAL – PG Página 3 de 14 TÍTULO: TREINAMENTO E QUALIFICAÇÃO Instruções de Trabalho, ou outros documentos aplicáveis e necessários ao conhecimento para execução das tarefas, onde devemos informá-los o nome e o código, na respectiva coluna e os requisitos aplicáveis para cada função, indicando a situação necessária, como segue com as letras: (E): não é aplicável (não tem nada a ver com o seu trabalho); (C): é interessante (desejável) conhecer, pois ajuda a entender as atividades que desempenha relacionado ao seu trabalho; (B): é mandatório que conheça e domine, pois é fundamental para executar os trabalhos, (para este caso é efetuado o DTO=Diagnóstico do Trabalho Operacional, exige que a pessoa seja qualificada, (como se fosse um diploma que não só conhece, mas domina o tema) Obs.: nos requisitos operacionais para o cargo, não utilizamos os códigos com as letras (A) (monitor) e também a (D) (necessita treinar). d. Habilidades Pessoais: A supervisão deverá definir as atitudes necessárias (Capacidade de Orientação; Capacidade Criadora; Dinamismo; Organização no Trabalho e Relações Interpessoais) para o desempenho adequado do colaborador na função, conforme IT – Levantando as necessidades das atitudes, classificando-as com a letra (B), quando mandatórios (para este caso é efetuado o DTO=Diagnóstico do Trabalho Operacional, exige que a pessoa seja qualificada), (C) quando desejável e (E) quando não aplicável. 4.2. TREINAMENTOS DE QUALIFICAÇÃO OU TÉCNICO 4.2.1. PLANEJAMENTO DO TREINAMENTO As Gerências deverão, juntamente com a sua equipe, efetuar anualmente (Novembro) a identificação das necessidades para o desenvolvimento ou a qualificação de pessoal sejam elas individuais ou em grupo, utilizando a Matriz de Capacitação atualizada, com base no inventário levantado para cada funcionário, novos Processos/Produtos ou para o atendimento das metas anuais. NOTA 1: Ao fazer uma programação dos treinamentos para qualificação será levado em consideração para a priorização: • Os treinamentos programados para o ano anterior e não realizados; • Novas necessidades que sejam urgentes sua implementação. NOTA 2: Caso surja uma nova necessidade de cursos / treinamentos a ser realizado, deve-se preencher um novo RG. e solicitar aprovação da Diretoria. NOTA 3: Os treinamentos externos, visitas técnicas, Seminários, Cursos de extensão ou aprimoramento, MBA, devem constar da Programação do Departamento de Desenvolvimento de Pessoas, para a Avaliação de Reação e Eficácia, bem como para a retenção dos conhecimentos adquiridos, no entanto serão orçados pelas gerencias específicas. A sistemática consiste no preenchimento do RG- Plano Anual de Treinamento (ver anexo 8.1), indicando as necessidades de competências e registradas o tipo de ação / treinamento a ser realizado para os funcionários da área, encaminhando-o para o titular do Departamento de Desenvolvimento de Pessoas. Após serem levantadas as necessidades para aprimorar a qualificação do pessoal, o Departamento de Desenvolvimento de Pessoas, junto com o Gerente de RH analisa as informações coletadas e este apresenta à Direção para aprovação o Plano Anual de Treinamento, conforme as prioridades e metas, definindo o período programado. Em seguida para os treinamentos aprovados o titular do Departamento de Desenvolvimento de Pessoas providencia a atualização do registro de programação e acompanhamento dos treinamentos para qualificação. Este será informado a todas as gerências para as providencias e programação.
  • 5. PG.RHGR.DEP.001 Data Emissão: 07/08/07 Revisão: 01 Data Revisão: 03/09/07 PROCEDIMENTO GERENCIAL – PG Página 4 de 14 TÍTULO: TREINAMENTO E QUALIFICAÇÃO 4.2.2. ACOMPANHAMENTO DA REALIZAÇÃO DOS TREINAMENTOS O acompanhamento com o status da programação dos cursos / treinamentos realizados, reprogramados, cancelados e / ou outras ações adotadas pelas Empresas são registrados também no RG - Plano Anual de Treinamento, que foi atualizado. Para os cursos internos que forem promovidos pelo Departamento de Desenvolvimento de Pessoas, será informado às gerências a data, local e período da realização, devendo os responsáveis inscrever e liberar os colaboradores que participarão do evento. Para os cursos, Seminários ou visitas externas, as Gerências deverão providenciar as inscrições, a liberação do seu pessoal e as providencias de deslocamento para a realização dos treinamentos, informando por E-mail ao Titular do Departamento de Desenvolvimento de Pessoas. Em caso de treinamentos externos, estágios fora da empresa ou viagens relacionadas a treinamento, o treinando deve enviar cópia do certificado ou relatório para arquivo no Departamento de Desenvolvimento de Pessoas, que deverá ficar arquivado junto com o Prontuário do Funcionário. 4.3. TREINAMENTOS OPERACIONAIS 4.3.1. PLANEJAMENTO DOS TREINAMENTOS OPERACIONAIS A Supervisão deverá fazer o Planejamento para o Treinamento da sua equipe quando da implantação dos Processos, indicando os documentos aplicados (PP’s, IT’s ou outro específico), e também para cada alteração considerada relevante que necessite ser efetuado o treinamento para as funções / Operadores que executam as atividades relacionadas, bem como no planejamento de reciclagem, conforme Anexo 8.3. NOTA 1: A função superior e quem emitiu ou aprovou o documento, mesmo quando esta for detentora destes documentos, fica isenta de receber treinamento. NOTA 2: Após a revisão de um documento de Gestão, caso seja verificado que não há necessidade de treinamento, deve-se citar na folha de rosto “Revisão sem Treinamento”. 4.4. EFETIVAÇÃO DO TREINAMENTO a. Nos treinamentos operacionais, os participantes devem ser convocados para o treinamento, com o preenchimento do RG – Registro de Convocação e Avaliação de Treinamentos Internos, (ver anexo 8.4) e comprovar sua presença através da Lista de Presença (ver anexo 8.5), que é o comprovante de participação, encaminhando-a ao titular do Departamento de Desenvolvimento de Pessoas. b. No caso de treinamento para qualificação o(s) registro(s) ou cópia de certificado devem ser enviados para arquivo do Departamento de Desenvolvimento de Pessoas e atualização da Matriz de Capacitação e no caso de formação na HABILIDADE TÉCNICA o registro deve ser arquivado junto ao Prontuário do Funcionário. 4.4.1 LISTA DE PRESENÇA Obrigatória em todas as atividades de Treinamento, com indicações claras, do conteúdo do treinamento, período, carga horária, instrutor (es), e arquivo (pelo período do ano em curso mais o anterior) no Departamento de Desenvolvimento de Pessoas, que fará o registro junto ao Inventário Funcional dos Participantes., conforme o anexo 8.5. 4.4.2 AVALIAÇÃO DE REAÇÃO E EFICÁCIA EM TREINAMENTO Será realizada após o término do treinamento, a avaliação de reação pelo treinando, que preencherá no campo específico do RG - Registro de Convocação e Avaliação de Treinamentos Internos (ver anexo 8.3), o qual ficará retido com o
  • 6. PG.RHGR.DEP.001 Data Emissão: 07/08/07 Revisão: 01 Data Revisão: 03/09/07 PROCEDIMENTO GERENCIAL – PG Página 5 de 14 TÍTULO: TREINAMENTO E QUALIFICAÇÃO Superior imediato, que após 30 dias, deverá fazer a avaliação da eficácia, sendo esse documento devolvido ao Departamento de Desenvolvimento de Pessoas que tomará as providencias indicada. NOTA 1: Poderão ser realizados treinamentos para dar conhecimento as outras pessoas que não executam diretamente as tarefas. Neste caso essas pessoas ficam isenta de avaliação de eficácia do treinamento. NOTA 2: De acordo com o resultado de avaliação da eficácia do Treinamento, pela chefia imediata, poderá ser necessário um novo treinamento, para o que o Departamento de Desenvolvimento de Pessoas, repetirá o processo, devendo arquivar o registro junto com o Prontuário do Colaborador. NOTA 3: Se o resultado for adequado, deverá ser atualizada no RG - Matriz de Capacitação, anexo 8.2, a situação do colaborador que o mesmo foi treinado e que tem conhecimento da Tarefa para executar as atividades. 4.4.3 A CERTIFICAÇÃO NOS REQUISITOS OPERACIONAIS Todas as atividades consideradas de certificação/qualificação obrigatória, classificadas na Matriz de Capacitação como “B”, inclusive para as tarefas críticas com Instrução de Trabalho, será aplicado o Diagnóstico do Trabalho Operacional DTO, que enviado para o Departamento de Desenvolvimento de Pessoas, tem o efeito de certificar o nível de conhecimento para a tarefa. 4.5. PROGRAMA DE DIAGNÓSTICO EM TREINAMENTO OPERACIONAL 4.5.1. PLANEJAMENTO DO PROGRAMA DE DIAGNÓSTICO DO TRABALHO OPERACIONAL De responsabilidade das supervisões, em março de cada ano, deve ser informado ao Departamento de Desenvolvimento de Pessoas, o planejamento para aplicação do Diagnóstico do Trabalho Operacional – DTO, formulário anexo 8.6. Também deverá ser preparado no item 2 do registro do DTO, anexo 8.7, para cada uma das tarefas indicando as atividades críticas de cada documento, as quais deverão ser observadas. 4.5.2. APLICAÇÃO DO DIAGNÓSTICO DO TRABALHO OPERACIONAL Deverá ser realizada anualmente a partir do mês de abril, a avaliação dos executantes das tarefas, conforme o planejamento, verificando pontos indicados no DTO, atribuindo-se ao colaborador uma nota de 3 a 1 de acordo com sua qualificação para a execução. Ao final calcular a média aritmética dessas notas, atribuindo-se a nota final que será informada na Matriz de Capacitação, conforme segue: (B) - Qualificado quando obtiver nota 3 para todas as verificações, (C) – continuará como treinado para a atividade, quando não obtiver a nota 3 em qualquer verificação. Para aqueles que obtiveram classificação (B) e foi observado que possui condições de ensinar/acompanhar outros operadores, poderá ser classificado como (A), tendo como condição de monitorar ou liderar equipe. Para os funcionários admitidos após o mês de abril e até janeiro do ano seguinte são avaliados após 30 dias do início até o final do período de experiência (90 dias); O Diagnóstico do Trabalho Operacional preenchido deve ser enviado ao Departamento de Desenvolvimento de Pessoas, passando a fazer parte do Inventário Funcional para assegurar a manutenção da Qualificação. 5. RESPONSABILIDADES 5.1. ÁREA DE RH – DEPARTAMENTO DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: 5.1.1. INVENTÁRIO FUNCIONAL:
  • 7. PG.RHGR.DEP.001 Data Emissão: 07/08/07 Revisão: 01 Data Revisão: 03/09/07 PROCEDIMENTO GERENCIAL – PG Página 6 de 14 TÍTULO: TREINAMENTO E QUALIFICAÇÃO Atualizará e desenvolverá o banco de profissionais interno, promovendo a divulgação das oportunidades de vagas a serem abertas nos quadros de funcionários da empresa, motivando a qualificação das funções e a busca a novos conhecimentos, formação e treinamentos. 5.1.2. APOIO E INFRA-ESTRUTURA: Coordenará e se responsabilizará pelo levantamento dos materiais didáticos e dará apoio e infra-estrutura para realização dos treinamentos internos e externos definidos na Matriz de Capacitação; 5.1.3. DA MOTIVAÇÃO: Coordenará e Incentivará todas as atividades relacionadas a qualificação, formação, e outras que visem o aumento da produtividade a melhorias da qualidade e a excelência do clima organizacional. 5.2. TODAS AS ÁREAS DAS EMPRESAS: 5.2.1. MATRIZ DE CAPACITAÇÃO: São responsáveis pela MATRIZ DE CAPACITAÇÃO que fornecerá as informações necessárias para o desenvolvimento dos conteúdos dos treinamentos das habilidades específicas, e dos treinamentos técnicos necessários para atender o objetivo do programa. 5.2.2. DTO – DIAGNÓSTICO DO TRABALHO OPERACIONAL: Aplicação do Diagnóstico do Trabalho Operacional, nas épocas programadas e pela informação da qualificação do colaborador avaliado para atualização da Matriz de Capacitação. 5.2.3. PROFISSIONAIS E INSTALAÇÕES: Ceder os profissionais, espaços físicos, instalações, laboratórios e outros que se fizerem necessários para aulas práticas e ou estágios. Liberar os profissionais para o treinamento de acordo com o Plano previamente aprovado. 5.2.4. INDICAR AO DEPARTAMENTO DE DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O material didático, sendo criado um acervo de informações que serão disponibilizadas a todos, em pasta específica “Treinamentos Interno” na Biblioteca. Instrutores responsáveis pelos Treinamentos nos Requisitos Operacionais e ou Habilidades Técnicas, fazendo a Integração Tecnológica. 5.3. PARTICIPANTES: 5.3.1. TREINAMENTOS: Participar (obrigatoriamente) dos programas de qualificação e formação desenvolvidos ou apoiados pela empresa. 5.3.2. AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO: Participar da Avaliação de Desempenho. 5.3.3. MATERIAL DE TREINAMENTOS EXTERNOS: Disponibilizarem os materiais das atividades de treinamento externos, quando apoiados pelas empresas (apostilas, instruções técnicas e outros) ao Departamento de Desenvolvimento de Pessoas. 5.3.4. DISSEMINAR CONHECIMENTO: Repassar os conteúdos dos cursos externos quando patrocinados pela empresa, com o apoio do Departamento de Desenvolvimento de Pessoas, aos outros funcionários de sua área de trabalho. 6. REFERÊNCIAS − FX.RHGR.DEP.006 Fluxograma: Inventário Funcional
  • 8. PG.RHGR.DEP.001 Data Emissão: 07/08/07 Revisão: 01 Data Revisão: 03/09/07 PROCEDIMENTO GERENCIAL – PG Página 7 de 14 TÍTULO: TREINAMENTO E QUALIFICAÇÃO − PP.RHGR.DEP.006 PTP: Inventário Funcional − FX.RHGR.DEP.011 Fluxograma: Treinamento − PP.RHGR.DEP.011 PTP: Treinamentos − IT.RHGR.DEP.001 Instrução de Trabalho para Análise de Atitudes. 7. REGISTROS DE GESTÃO APLICÁVEIS − Modelo do Registro de Programação e Acompanhamento de Treinamentos para Qualificação − Matriz de Capacitação e Registro da Situação da Equipe − Plano de Treinamento OJT ou Treinamento no Local de Trabalho. − Modelo do Registro de Convocação e Avaliação de Eficácia de Treinamento − Lista de Presença − Programa de Diagnóstico do Trabalho Operacional − Registro de Diagnóstico do Trabalho Operacional − Avaliação do Diagnóstico do Trabalho Operacional 8.ANEXOS 8.1. Modelo do Registro de Programação e Acompanhamento de Treinamentos para Qualificação 8.2. Modelo de Matriz de Capacitação e Registro da Situação da Equipe 8.3. Modelo de Plano de Treinamento OJT ou Treinamento no Local de Trabalho. 8.4. Modelo do Registro de Convocação e Avaliação de Eficácia de Treinamento 8.5. Modelo de Lista de Presença 8.6. Modelo do Programa de Diagnóstico do Trabalho Operacional 8.7. Modelo do Registro de Diagnóstico do Trabalho Operacional 8.8. Modelo de Avaliação do Diagnóstico do Trabalho Operacional
  • 9. PG.RHGR.DEP.001 Data Emissão: 07/08/07 Revisão: 01 Data Revisão: 03/09/07 PROCEDIMENTO GERENCIAL – PG Página 8 de 14 TÍTULO: TREINAMENTO E QUALIFICAÇÃO Anexo 8.1: Modelo do Registro de Programação e Acompanhamento de Treinamentos para Qualificação.
  • 10. PG.RHGR.DEP.001 Data Emissão: 07/08/07 Revisão: 01 Data Revisão: 03/09/07 PROCEDIMENTO GERENCIAL – PG Página 9 de 14 TÍTULO: TREINAMENTO E QUALIFICAÇÃO Anexo 8.2. Modelo de Matriz de Capacitação e Registro da Situação da Equipe.
  • 11. PG.RHGR.DEP.001 Data Emissão: 07/08/07 Revisão: 01 Data Revisão: 03/09/07 PROCEDIMENTO GERENCIAL – PG Página 10 de 14 TÍTULO: TREINAMENTO E QUALIFICAÇÃO Anexo 8.3 - Modelo de Plano de Treinamento OJT ou Treinamento no Local de Trabalho. Data ST Data ST Data ST Data ST Data ST Data ST Data ST Data ST André Ricardo dos Santos 17679 B Célia/Viviane/M arina 5 a 8 fevereiro ok 23/fev OK 23/fev OK 21/fev ok 21/fev ok 25/jul Edison Alves Pinheiro 4099 A Célia/Viviane/M arina 5 a 8 fevereiro ok 23/fev ok 23/fev ok 21/fev ok 21/fev ok Carlos Eduardo Souza 2204809 C Célia/Viviane/M arina 5 a 8 fevereiro 23/fev ok 23/fev ok 21/fev ok 21/fev ok Márcio Meira (folguista) 233 B Célia/Viviane/M arina 5 a 8 fevereiro ok 23/fev ok 23/fev ok 21/fev 21/fev Silas Vicente A Célia/Viviane/M arina 23/fev 23/fev 21/fev 21/fev Cássia Caetano 16990 B Célia/Viviane/M arina 23/fev ok 23/fev ok 21/fev ok 21/fev ok Rogério A. do Nascimento C Célia/Viviane/M arina 23/fev 23/fev 21/fev 21/fev Márcio Prieto A Célia/Viviane/M arina 23/fev 23/fev 21/fev 21/fev Maurício Umbelino Paulo B Célia/Viviane/M arina 23/fev OK 23/fev OK 21/fev 21/fev Celso Gimenes Barrius C Célia/Viviane/M arina 23/fev 23/fev 21/fev 21/fev Zenilda Francisca dos Santos 63 A Célia/Viviane/M arina 23/fev ok 23/fev ok 21/fev ok 21/fev ok Euler Antonio Prado 822 A Célia/Viviane/M arina 5 a 8 fevereiro ok 23/fev ok 23/fev ok 21/fev ok 21/fev ok Márcio Meira 233 C Célia/Viviane/M arina 5 a 8 fevereiro ok 23/fev ok 23/fev ok 21/fev 21/fev Luciano Alves Martins 16764 A Célia/Viviane/M arina 5 a 8 fevereiro ok 23/fev 23/fev 21/fev 21/fev Gilberto Oliveira A Célia/Viviane/M arina 23/fev 23/fev 21/fev 21/fev Leandro Marques da Silva C Célia/Viviane/M arina 23/fev 23/fev 21/fev 21/fev Vagner Almeida da Silva B Célia/Viviane/M arina 23/fev 23/fev 21/fev 21/fev Patrícia Maria Luiza de Oliveira 20418 ADM Célia/Viviane/M arina 5 a 8 fevereiro ok 23/fev 23/fev 21/fev ok 21/fev ok Sidnéia A. Mendonça Miranda 176 A Célia/Viviane/M arina 8 fevereiro ok 23/fev ok 23/fev ok 21/fev ok 21/fev ok Luciano Alves Martins (folguista) 16764 A Célia/Viviane/M arina 8 fevereiro ok 23/fev 23/fev 21/fev 21/fev Plano de OJT Hoje: 10/08/2007LABORATÓRIO INDUSTRIAL BIÓLOGOFUNÇÃOLDERTURNO ANAL.CONTR. QUAL.JR ANAL.CONTR. QUAL.SENIOR ANAL.CONTR. QUAL.PLENO COLETADOR AUXILIAR GERENCIA PCQ Reponsável p/ Treinamento 5S e Segurança em LAB. Fluxograma Oficialização de Its e Registros Colaborador Treinado Matrícula PROCESSO: Turno PP PESAGEM PTP LABORATÓRIO IND PP PCTS PP Armazenage m e Carreg. PCA e RAN
  • 12. PG.RHGR.DEP.001 Data Emissão: 07/08/07 Revisão: 01 Data Revisão: 03/09/07 PROCEDIMENTO GERENCIAL – PG Página 11 de 14 TÍTULO: TREINAMENTO E QUALIFICAÇÃO Anexo 8.4. Modelo do Registro de Convocação e Avaliação de Eficácia de Treinamento.
  • 13. PG.RHGR.DEP.001 Data Emissão: 07/08/07 Revisão: 01 Data Revisão: 03/09/07 PROCEDIMENTO GERENCIAL – PG Página 12 de 14 TÍTULO: TREINAMENTO E QUALIFICAÇÃO Anexo 8.5. Modelo de Lista de Presença.
  • 14. PG.RHGR.DEP.001 Data Emissão: 07/08/07 Revisão: 01 Data Revisão: 03/09/07 PROCEDIMENTO GERENCIAL – PG Página 13 de 14 TÍTULO: TREINAMENTO E QUALIFICAÇÃO Anexo 8.6. Modelo do Programa de Diagnóstico do Trabalho Operacional. RG DATA Visto:(3) Visto: (5) ANO: (11) Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez (12) (9) (10) (13) Instrução de preenchimento: (1) - DATA: preencher com a data de realização do PDTO. (2) - Preencher com a sigla da área do superior imediato ao executante da Função Supervisão. (3) - Visto do superior imediato do executante da Função Supervisão. (4) - Nome do executante da Função Supervisão (5) - Visto do executante da Função Supervisão. (6) - Preencher com o código do processo seguido de sua descrição. (7) - Preencher com a Macro Função na qual está inserido a Instrução de Trabalho avaliado no diagnóstico (8) - Preencher com a Instrução de Trabalho avaliado no diagnóstico (9) - Nome(s) do(s) executante(s) da(s) tarefa(s) relacionada(s) ao(s)IT (s) referido(s) no campo (12) que será (ão) avaliado(s). (10) - Número(s) da(s) IT(s) executado(s) (11) - Ano(s) relativo(s) ao período formal de avaliação relacionado(s) no campo. (12) - Preencher com os doze meses no formato “mês/ano”, relativos ao período formal de avaliação. (13) - Preencher com o dia, na coluna do respectivo mês/ano, quando ocorrerá a avaliação. EXECUTANTE DA TAREFA Cõdigo da IT QUANDO PROGRAMA DE DIAGNÓSTICO DO TRABALHO OPERACIONAL Executante da função supervisão: (4) Processo: (6) Macro função: (7) Tarefa: (8) (1) Gerência/Coordenação: (2)
  • 15. PG.RHGR.DEP.001 Data Emissão: 07/08/07 Revisão: 01 Data Revisão: 03/09/07 PROCEDIMENTO GERENCIAL – PG Página 14 de 14 TÍTULO: TREINAMENTO E QUALIFICAÇÃO Anexo 8.7. Modelo do Registro de Diagnóstico do Trabalho Operacional. Elaborado por: Daniel Dorli Aprovado por: Américo Amódio Data Aprov. 03/09/2007