SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 38
Baixar para ler offline
PLANEAMENTO E
GESTÃO DA FORMAÇÃO
PROF: Leonel Claudino Boano
FORMAÇÃO E APRENDIZAGEM
Quando falamos de formações e aprendizagem, é
bom que não esqueçamos que ambas se
completam, uma vez que podemos considerar as
práticas de formação como acções de
aprendizagem.
Assim, a formação não se deve dissociar da
aprendizagem, constituindo o conhecimento deste
factor de sucesso da primeira.
Caberá aqui destacar as seguintes definições:
-Formação: intervenção visando a modificação nos
domínios dos saberes-fazer e dos saberes-estar do
sujeito em formação;
-Formação: acção de desenvolvimento,
principalmente entre os jovens, das virtualidades
que poderíamos designar de humanas: a
inteligência, a consciência moral e sentido social.
FORMAÇÃO E APRENDIZAGEM
Pode ser definida como:… «o aperfeiçoamento
sistemático do padrão de comportamento de
atitude, conhecimento e capacidade exigido por
um indivíduo com vista a desempenhar
adequadamente uma dada tarefa ou posto de
trabalho».
Devemos abordar as seguintes questões:
 razão da formação;
 ligação entre a aprendizagem e a formação;
 as fases do ciclo de formação;
 a ligação entre a aprendizagem e a formação;
FORMAÇÃO E APRENDIZAGEM
 o papel de formador e do formando;
 os diferentes tipos de formador e as suas
características nas relações de autoridade e
funcionalidade e,
 por último, a perspectiva do auto-aperfeiçoamento
com ênfase no papel, nas necessidades e motivação do
formando, bem como nas necessidades
organizacionais.
FORMAÇÃO E APRENDIZAGEM
PLANEAMENTO DOS PROGRAMAS
DE FORMAÇÃO
Num processo de planeamento temos quatro fases:
 Reflexão e precisão das acções a realizar;
 Concepção do plano de formação;
 Mobilização de recursos;
 Implementação das acções de formação e
acompanhamento e controlo.
No momento de definir o programa de formação é
necessário decidir qual o tipo de formação a
adoptar, isto é, se a formação é interna ou
externa.
O plano de formação é utilizado para pôr em
prática a política de formação definida com os
objectivos pessoais e empresariais.
 No plano de formação devem constar:
 Os objectivos gerais baseados em resultados
qualificáveis e mensuráveis;
 Os indicadores que serão utilizados para avaliar a
formação;
 As prioridades e conteúdos, isto é, quais as metas
estabelecidas em termos de prazo e áreas prioritárias
e quais os conteúdos para atingir os objectivos;
PLANEAMENTO DOS PROGRAMAS
DE FORMAÇÃO
 A pedagogia, isto é, discriminar as actividades
necessárias para atingir objectivos tendo em conta os
recursos humanos e materiais disponíveis;
 A duração e calendário das acções de formação;
 As categorias dos formandos;
 A orçamentação, isto é, os custos que a empresa prevê
ter com a acção de formação;
 As formas de avaliação.
A fase de recursos é necessário contratar os
formadores, seleccionar os formandos,
disponibilizar os meios e os materiais para que a
acção possa existir.
PLANEAMENTO DOS PROGRAMAS
DE FORMAÇÃO
À implementação das acções de formação deve
fazer-se um acompanhamento e controlo das
mesmas para analisar se tudo funciona da forma
prevista ou se há algo a mudar.
PLANEAMENTO DOS PROGRAMAS
DE FORMAÇÃO
RAZÃO DA FORMAÇÃO
Quais são as vantagens
da formação?
ALGUMAS RAZÕES DA FORMAÇÃO
A formação torna o trabalho mais eficiente, ou em
outras palavras mais célere.
Tempos reduzidos de aprendizagem.
Métodos de trabalho mais eficazes
Aplicações mais qualificadas de determinadas
tarefas.
Formas inovadoras de trabalho.
Atitudes mais positivas para com a organização e o
cliente.
A aplicação do conhecimento e das capacidades, ou
de técnicas específicas como a negociação,
contribuem para uma maior eficiência.
No topo da pirâmide da aprendizagem, podem ser
estimulados pela formação, o raciocínio e a
tomada de decisão bem como a criatividade e o
pensamento lateral.
ALGUMAS RAZÕES DA FORMAÇÃO
Podem ser evitados e realizados os «acidentes»
através da formação em matérias como higiene e
segurança no trabalho;
Os analistas de mercado podem ter maiores
perspectivas;
Os contabilistas podem fazer avaliações de
desperdício;
O departamento de pessoal pode ter menor rotação
de pessoal devido a programas de iniciação e
aprendizagem do posto de trabalho.
ALGUMAS RAZÕES DA FORMAÇÃO
Com todos os elementos citados acima, poderá
significar uma maior produtividade global e pode
resultar numa organização mais eficaz.
ALGUMAS RAZÕES DA FORMAÇÃO
A relação entre formação e organizações eficazes
precisa de investigação mais rigorosa.
Alguns autores que tratam da eficiência
organizacional colocam a fase no Ciclo de
Formação como um dos indicadores de maior
produtividade.
RAZÃO DA FORMAÇÃO
A formação justifica-se principalmente como meio
de melhorar o desempenho de uma determinada
tarefa ou do posto de trabalho.
A formação é uma das componentes da gestão de
recursos humanos com interdependências no
seguinte:
 Recrutamento e selecção
 Gestão de conflitos
 Gestão salarial
 Sistemas de incentivos.
A GRANDE SURPRESA
O desempenho pode ser melhorado através de
outros factores como:
 Introdução de novas tecnologias ou métodos de
trabalho
 Equipamentos ou instalações.
Se o problema for motivado por uma questão de
Recursos humanos e a manifestação desse
problema disser respeito a deficiências ao nível
das capacidades, das atitudes ou dos
conhecimentos, é provável que a solução desse
mesmo problema passe por um programa de
Formação adequado.
A GRANDE SURPRESA
A SATISFAÇAO PLENA
Um melhor desempenho, só se atinge através da
capacidade individual ou de grupo e com esforço e
empenho.
Um melhor desempenho, não é o único produto
final da formação.
A satisfação profissional do formando no local de
trabalho pode ser aumentada pelos resultados da
formação.
Pelo seguinte…
 O orgulho por desempenhar bem um posto de
trabalho
 Da consciência da própria competência
 Da conquista
 Do respeito dos colegas através da sua competência.
A SATISFAÇAO PLENA
«Aprender
a
aprender»
LIGAÇÃO ENTRE A
APRENDIZAGEM E A FORMAÇÃO
A base da aprendizagem e da formação é a
aquisição e utilização de capacidades,
conhecimentos e atitudes, para que os
comportamentos e atitudes sejam modificados.
Distinguem-se duas teorias:
 1 - As que fazem apelo ao condicionamento;
 2 - As que revelam a compreensão e o
questionamento como modo de construção das
respostas.
O indivíduo necessita de ser convencido da
necessidade de formação porque sem esse
empenho a aprendizagem será um processo muito
lento.
O conhecimento dos resultados e o feedback sobre o
desempenho permitem a reprodução de respostas
(bem sucedidas) conhecidas e o reajustamento
das respostas inadequadas.
LIGAÇÃO ENTRE A
APRENDIZAGEM E A FORMAÇÃO
A aprendizagem feita fora do local de trabalho,
fisicamente afastada do mesmo, pode resultar
numa aprendizagem mais eficaz em termos
sistemáticos, com menos obstrução à
aprendizagem.
No entanto, a aplicação ao posto de trabalho, tem o
problema de ser não sistemática e prevalecendo o
imprevisto sobre a aprendizagem formalizada
com objectivos-chaves.
Todavia, facilita a transferência para o posto de
trabalho e, desde que seja sistemática, tem muito
a dar.
LIGAÇÃO ENTRE A
APRENDIZAGEM E A FORMAÇÃO
Em suma, as teorias da aprendizagem e aplicação
de princípios de aprendizagem constituem a
pedra angular da formação – seja ela no posto de
trabalho ou fora dele.
LIGAÇÃO ENTRE A
APRENDIZAGEM E A FORMAÇÃO
CICLO DE FORMAÇÃO
ETAPA I
Identificação de necessidades
ETAPA II
Planeamento
ETAPA III
Implementação
ETAPA IV
Avaliação
DIAGNÓSTICO DAS NECESSIDADES
Fornece os seguintes pontos para interpretação e
reflexão:
 A identificação dos sujeitos participantes no
levantamento, que engloba a experiência profissional
anterior, a escolaridade, a experiência profissional e a
discrição de cargos;
 Os problemas organizacionais e de formação da
empresa e das áreas em que os participantes actuam,
analisados do ponto de vista individual e em grupo;
 Os problemas prioritários da empresa e das áreas
onde actuam;
 Faz-se uma listagem dos três problemas prioritários
analisados numa óptica individual e de grupo;
 A auto-avaliação que engloba a liderança do grupo, a
visão da dinâmica organizacional e profissional, o
grau de satisfação e os objectivos pessoais;
 As opiniões dos participantes sobre a empresa no que
respeita ao desenvolvimento das actividades, factores
motivacionais e características organizacionais;
 As conclusões dos participantes no que respeita as
vantagens percebidas no levantamento e as
consequências esperadas com o levantamento.
O responsável pelo levantamento tem condições
para proceder a interpretação e a escolher a
estratégias da acção.
DIAGNÓSTICO DAS NECESSIDADES
A análise individual das necessidades de formação
apresenta-se de grande importância pela
frequência em alguns casos de indivíduos que
desconhecem as razões da sua presença.
DIAGNÓSTICO DAS NECESSIDADES
QUESTIONÁRIOS & ENTREVISTAS
Tópico para elaboração de questionários para
entrevistas aos trabalhadores:
 Questões de âmbito social.
 Questões relacionadas a sua personalidade e
experiência.
 Qual a sua satisfação no posto de trabalho?
 Quais os seus desejos actuais de formação?
 Que tipo de formação prefere: na empresa, no
exterior, a tempo inteiro ou parcial?
 Em que acções de formação já participou?
Posteriormente adequa-se as necessidades de
formação individuais as da empresa.
VALIDAÇÃO E AVALIAÇÃO DA
FORMAÇÃO
A avaliação da formação é a última etapa do
processo de formação e tem como objectivo
analisar e garantir que o que antes foi planeado,
foi alcançado.
Permite também analisar as causas das eventuais
falhas e, desta forma, melhorar a formação actual
ou, as futuras.
DIFERENÇA ENTRE VALIDAÇÃO E
AVALIAÇÃO
A validação está ligada ao sentido de legitimidade e
mede a eficiência da formação, ou seja, verifica se
foram bem utilizados os recursos postos à
disposição da formação.
A avaliação está ligada à determinação do valor
real e mede a eficácia da formação, isto é, em que
medida se alcançam os objectivos finais da
formação.
DIFERENCIE AS
MESMAS POR
UMA ÚNICA
PALAVRA
CADA.
Em outras palavras…
A validação encontra-se ligada a aspectos como a
reacção pessoal dos formandos à formação e a
aprendizagem dos conteúdos.
A avaliação diz respeito à forma como a
aprendizagem se traduz no posto de trabalho do
individuo, isto é, se houve uma melhoria no seu
desmpenho.
DIFERENÇA ENTRE VALIDAÇÃO E
AVALIAÇÃO
DEVE-SE
REALMENTE
FAZER ALGO
PARA MUDAR O
RUMO DA
FORMAÇÃO
O QUE FAZER
ENTÃO, PARA
MELHORAR A
FORMAÇÃO
Medir as reacções dos participantes mensalmente
através de questionários (quantificáveis ou não)
aos formadores.
Os formandos devem exprimir a sua opinião sobre o
interesse e envolvimento dos formadores.
Avaliar as reacções dos formandos e melhorar a
formação, no caso de ser necessário, por exemplo,
mudar formadores, conteúdos ou local de
formação.
EM UMA
ÚNICA
PALAVRA…
FAZER O
FOLLOW UP
ERROS A NÃO COMETER
A avaliação da formação não deve ser feita no
momento imediatamente a seguir a acção de
formação, pois é necessário tempo para que o
formando possa pôr em prática aquilo que
aprendeu.
O objectivo deste nível de medição é verificar se o
comportamento dos formandos, no posto de
trabalho, se modicou como resultado da formação.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Gestão para o sucesso: Pessoas, Processos e Resultados
Gestão para o sucesso: Pessoas, Processos e ResultadosGestão para o sucesso: Pessoas, Processos e Resultados
Gestão para o sucesso: Pessoas, Processos e ResultadosGrasiela Dourado
 
Treinamento.desenvolvimento
Treinamento.desenvolvimentoTreinamento.desenvolvimento
Treinamento.desenvolvimentoMarcia Henrique
 
Indicadores de Recursos Humanos (RH)
Indicadores de Recursos Humanos (RH)Indicadores de Recursos Humanos (RH)
Indicadores de Recursos Humanos (RH)Kenneth Corrêa
 
Avaliação de Resultados e Eficácia de Treinamento
Avaliação de Resultados e Eficácia de TreinamentoAvaliação de Resultados e Eficácia de Treinamento
Avaliação de Resultados e Eficácia de TreinamentoTatiane Souza
 
Recrutamento e Seleção de Pessoas
Recrutamento e Seleção de PessoasRecrutamento e Seleção de Pessoas
Recrutamento e Seleção de PessoasTenderly Vilar
 
Descrição de Cargos, Competência e Treinamento
Descrição de Cargos, Competência e TreinamentoDescrição de Cargos, Competência e Treinamento
Descrição de Cargos, Competência e TreinamentoTemplum Consultoria Online
 
Estilos de Liderança - Postura do Líder
Estilos de Liderança - Postura do LíderEstilos de Liderança - Postura do Líder
Estilos de Liderança - Postura do LíderRenato Martinelli
 
Exercicio de Planejamento Estrategico
Exercicio de Planejamento EstrategicoExercicio de Planejamento Estrategico
Exercicio de Planejamento EstrategicoPAULO RICARDO FLORES
 
exemplo Avaliacao eficacia treinamento
exemplo Avaliacao eficacia treinamentoexemplo Avaliacao eficacia treinamento
exemplo Avaliacao eficacia treinamentoitapissuma
 
Gestão por Competencias
Gestão por CompetenciasGestão por Competencias
Gestão por CompetenciasKenneth Corrêa
 
Aula planejamento de carreira
Aula planejamento de carreiraAula planejamento de carreira
Aula planejamento de carreiraAndré Boaratti
 
Gestão de recursos humanos
Gestão de recursos humanosGestão de recursos humanos
Gestão de recursos humanosNicole Fernandes
 
Avaliação de Cargos
Avaliação de CargosAvaliação de Cargos
Avaliação de CargosCarlo Pires
 

Mais procurados (20)

Gestão para o sucesso: Pessoas, Processos e Resultados
Gestão para o sucesso: Pessoas, Processos e ResultadosGestão para o sucesso: Pessoas, Processos e Resultados
Gestão para o sucesso: Pessoas, Processos e Resultados
 
Treinamento.desenvolvimento
Treinamento.desenvolvimentoTreinamento.desenvolvimento
Treinamento.desenvolvimento
 
Indicadores de Recursos Humanos (RH)
Indicadores de Recursos Humanos (RH)Indicadores de Recursos Humanos (RH)
Indicadores de Recursos Humanos (RH)
 
Avaliação de Resultados e Eficácia de Treinamento
Avaliação de Resultados e Eficácia de TreinamentoAvaliação de Resultados e Eficácia de Treinamento
Avaliação de Resultados e Eficácia de Treinamento
 
Recrutamento e Seleção de Pessoas
Recrutamento e Seleção de PessoasRecrutamento e Seleção de Pessoas
Recrutamento e Seleção de Pessoas
 
Recursos humanos
Recursos humanosRecursos humanos
Recursos humanos
 
Administração de recursos humanos
Administração de recursos humanosAdministração de recursos humanos
Administração de recursos humanos
 
Descrição de Cargos, Competência e Treinamento
Descrição de Cargos, Competência e TreinamentoDescrição de Cargos, Competência e Treinamento
Descrição de Cargos, Competência e Treinamento
 
Ebook departamento-pessoal
Ebook departamento-pessoalEbook departamento-pessoal
Ebook departamento-pessoal
 
Estilos de Liderança - Postura do Líder
Estilos de Liderança - Postura do LíderEstilos de Liderança - Postura do Líder
Estilos de Liderança - Postura do Líder
 
Plano de Carreira
Plano de CarreiraPlano de Carreira
Plano de Carreira
 
Exercicio de Planejamento Estrategico
Exercicio de Planejamento EstrategicoExercicio de Planejamento Estrategico
Exercicio de Planejamento Estrategico
 
Indicadores De Rh
Indicadores De RhIndicadores De Rh
Indicadores De Rh
 
exemplo Avaliacao eficacia treinamento
exemplo Avaliacao eficacia treinamentoexemplo Avaliacao eficacia treinamento
exemplo Avaliacao eficacia treinamento
 
Plano de carreira e sucessão
Plano de carreira e sucessãoPlano de carreira e sucessão
Plano de carreira e sucessão
 
Gestão por Competencias
Gestão por CompetenciasGestão por Competencias
Gestão por Competencias
 
Aula planejamento de carreira
Aula planejamento de carreiraAula planejamento de carreira
Aula planejamento de carreira
 
Gestão de recursos humanos
Gestão de recursos humanosGestão de recursos humanos
Gestão de recursos humanos
 
Avaliação De Desempenho
Avaliação De DesempenhoAvaliação De Desempenho
Avaliação De Desempenho
 
Avaliação de Cargos
Avaliação de CargosAvaliação de Cargos
Avaliação de Cargos
 

Destaque

Modelo apresentação formação profissional versão final
Modelo apresentação  formação profissional versão finalModelo apresentação  formação profissional versão final
Modelo apresentação formação profissional versão finalConsulges
 
Conceitos Avaliação da Formação
Conceitos Avaliação da FormaçãoConceitos Avaliação da Formação
Conceitos Avaliação da FormaçãoJoão Lima
 
Impacto Da FormaçãO Na AvaliaçãO Do Desempenho
Impacto Da FormaçãO Na AvaliaçãO Do DesempenhoImpacto Da FormaçãO Na AvaliaçãO Do Desempenho
Impacto Da FormaçãO Na AvaliaçãO Do DesempenhoAna Sofia Costa
 
Avaliação do Processo Formativo
Avaliação do Processo FormativoAvaliação do Processo Formativo
Avaliação do Processo FormativoJoão Lima
 
Avaliação de Impacto da Formação
Avaliação de Impacto da FormaçãoAvaliação de Impacto da Formação
Avaliação de Impacto da FormaçãoJoão Lima
 
Slides qualificacão profissional
Slides   qualificacão profissionalSlides   qualificacão profissional
Slides qualificacão profissionalAcácia Lemos
 
Apresentação Tese de Doutoramento
Apresentação Tese de DoutoramentoApresentação Tese de Doutoramento
Apresentação Tese de DoutoramentoFernando Rui Campos
 
AvaliaçãO Do Desempenho
AvaliaçãO Do DesempenhoAvaliaçãO Do Desempenho
AvaliaçãO Do DesempenhoAna Sofia Costa
 
Formação de professores:O que é formação?
Formação de professores:O que é formação?Formação de professores:O que é formação?
Formação de professores:O que é formação?Elicio Lima
 
Projeto de Intervenção Pedagógica (PIP)
Projeto de Intervenção Pedagógica (PIP)Projeto de Intervenção Pedagógica (PIP)
Projeto de Intervenção Pedagógica (PIP)Debora_Marques
 
Modelo de plano de desenvolvimento individual 1
Modelo  de plano de desenvolvimento individual 1Modelo  de plano de desenvolvimento individual 1
Modelo de plano de desenvolvimento individual 1Kelry Carvalho
 

Destaque (14)

Modelo apresentação formação profissional versão final
Modelo apresentação  formação profissional versão finalModelo apresentação  formação profissional versão final
Modelo apresentação formação profissional versão final
 
Conceitos Avaliação da Formação
Conceitos Avaliação da FormaçãoConceitos Avaliação da Formação
Conceitos Avaliação da Formação
 
Qualidade e produtividade
Qualidade e produtividadeQualidade e produtividade
Qualidade e produtividade
 
Impacto Da FormaçãO Na AvaliaçãO Do Desempenho
Impacto Da FormaçãO Na AvaliaçãO Do DesempenhoImpacto Da FormaçãO Na AvaliaçãO Do Desempenho
Impacto Da FormaçãO Na AvaliaçãO Do Desempenho
 
Avaliação do Processo Formativo
Avaliação do Processo FormativoAvaliação do Processo Formativo
Avaliação do Processo Formativo
 
AvaliaçãO
AvaliaçãOAvaliaçãO
AvaliaçãO
 
Avaliação de Impacto da Formação
Avaliação de Impacto da FormaçãoAvaliação de Impacto da Formação
Avaliação de Impacto da Formação
 
Slides qualificacão profissional
Slides   qualificacão profissionalSlides   qualificacão profissional
Slides qualificacão profissional
 
Apresentação Tese de Doutoramento
Apresentação Tese de DoutoramentoApresentação Tese de Doutoramento
Apresentação Tese de Doutoramento
 
AvaliaçãO Do Desempenho
AvaliaçãO Do DesempenhoAvaliaçãO Do Desempenho
AvaliaçãO Do Desempenho
 
Formação de professores:O que é formação?
Formação de professores:O que é formação?Formação de professores:O que é formação?
Formação de professores:O que é formação?
 
Projeto de Intervenção Pedagógica (PIP)
Projeto de Intervenção Pedagógica (PIP)Projeto de Intervenção Pedagógica (PIP)
Projeto de Intervenção Pedagógica (PIP)
 
Avaliação de Desempenho - Alinhando pessoas aos objetivos organizacionais
Avaliação de Desempenho - Alinhando pessoas aos objetivos organizacionaisAvaliação de Desempenho - Alinhando pessoas aos objetivos organizacionais
Avaliação de Desempenho - Alinhando pessoas aos objetivos organizacionais
 
Modelo de plano de desenvolvimento individual 1
Modelo  de plano de desenvolvimento individual 1Modelo  de plano de desenvolvimento individual 1
Modelo de plano de desenvolvimento individual 1
 

Semelhante a Planejamento e gestão da formação e aprendizagem

03+aula+rh+treinamento+e+desenvolvimento+pessoal
03+aula+rh+treinamento+e+desenvolvimento+pessoal03+aula+rh+treinamento+e+desenvolvimento+pessoal
03+aula+rh+treinamento+e+desenvolvimento+pessoalValéria Braga
 
Curso de gestão de pessoal parte 4/5
Curso de gestão de pessoal   parte 4/5Curso de gestão de pessoal   parte 4/5
Curso de gestão de pessoal parte 4/5ABCursos OnLine
 
Treinamento e Desenvolvimento
Treinamento e DesenvolvimentoTreinamento e Desenvolvimento
Treinamento e DesenvolvimentoVanderlei Moraes
 
PPT AULA 04 PRÁTICAS DE TREINAMENTO.pptx
PPT AULA 04 PRÁTICAS DE TREINAMENTO.pptxPPT AULA 04 PRÁTICAS DE TREINAMENTO.pptx
PPT AULA 04 PRÁTICAS DE TREINAMENTO.pptxPriscyllasantos6
 
Administração dos recursos humanos
Administração dos recursos humanosAdministração dos recursos humanos
Administração dos recursos humanosPedro Quinanga
 
Procedimento Treinamento
Procedimento Treinamento Procedimento Treinamento
Procedimento Treinamento Marcos Abreu
 
Desenvolver pessoas[1]
Desenvolver pessoas[1]Desenvolver pessoas[1]
Desenvolver pessoas[1]09108303
 
Apostila treinamento e desenvolvimento
Apostila   treinamento e desenvolvimentoApostila   treinamento e desenvolvimento
Apostila treinamento e desenvolvimentoLeandro Mariano
 
Desempenho e recompensas.ppt
Desempenho e recompensas.pptDesempenho e recompensas.ppt
Desempenho e recompensas.pptMateusRiedler1
 
Desempenho e recompensas.ppt
Desempenho e recompensas.pptDesempenho e recompensas.ppt
Desempenho e recompensas.pptMaury55
 
Desenvolvimento de colaboradores pelo perfil comportamental
Desenvolvimento de colaboradores pelo perfil comportamental Desenvolvimento de colaboradores pelo perfil comportamental
Desenvolvimento de colaboradores pelo perfil comportamental suelen matta
 
01 pedagogia empresarial
01 pedagogia empresarial01 pedagogia empresarial
01 pedagogia empresarialMarlete Outeiro
 
Subsistema de desenvolvimento de recursos humanos
Subsistema de desenvolvimento de recursos humanosSubsistema de desenvolvimento de recursos humanos
Subsistema de desenvolvimento de recursos humanosUniversidade Pedagogica
 
Introducao ao Coaching amostra
Introducao ao Coaching amostraIntroducao ao Coaching amostra
Introducao ao Coaching amostraSergio Cabral
 
Treinamento & desenvolvimento...de RH
Treinamento & desenvolvimento...de RHTreinamento & desenvolvimento...de RH
Treinamento & desenvolvimento...de RHRose Oliveira
 
TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO PESSOAL
TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO PESSOALTREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO PESSOAL
TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO PESSOALJessica Ferreira
 
03+aula+rh+treinamento+e+desenvolvimento+pessoal
03+aula+rh+treinamento+e+desenvolvimento+pessoal03+aula+rh+treinamento+e+desenvolvimento+pessoal
03+aula+rh+treinamento+e+desenvolvimento+pessoalValéria Braga
 

Semelhante a Planejamento e gestão da formação e aprendizagem (20)

03+aula+rh+treinamento+e+desenvolvimento+pessoal
03+aula+rh+treinamento+e+desenvolvimento+pessoal03+aula+rh+treinamento+e+desenvolvimento+pessoal
03+aula+rh+treinamento+e+desenvolvimento+pessoal
 
Curso de gestão de pessoal parte 4/5
Curso de gestão de pessoal   parte 4/5Curso de gestão de pessoal   parte 4/5
Curso de gestão de pessoal parte 4/5
 
Treinamento e Desenvolvimento
Treinamento e DesenvolvimentoTreinamento e Desenvolvimento
Treinamento e Desenvolvimento
 
PPT AULA 04 PRÁTICAS DE TREINAMENTO.pptx
PPT AULA 04 PRÁTICAS DE TREINAMENTO.pptxPPT AULA 04 PRÁTICAS DE TREINAMENTO.pptx
PPT AULA 04 PRÁTICAS DE TREINAMENTO.pptx
 
Administração dos recursos humanos
Administração dos recursos humanosAdministração dos recursos humanos
Administração dos recursos humanos
 
Procedimento Treinamento
Procedimento Treinamento Procedimento Treinamento
Procedimento Treinamento
 
Desenvolver pessoas[1]
Desenvolver pessoas[1]Desenvolver pessoas[1]
Desenvolver pessoas[1]
 
Apostila treinamento e desenvolvimento
Apostila   treinamento e desenvolvimentoApostila   treinamento e desenvolvimento
Apostila treinamento e desenvolvimento
 
Desempenho e recompensas.ppt
Desempenho e recompensas.pptDesempenho e recompensas.ppt
Desempenho e recompensas.ppt
 
Desempenho e recompensas.ppt
Desempenho e recompensas.pptDesempenho e recompensas.ppt
Desempenho e recompensas.ppt
 
Desenvolvimento de colaboradores pelo perfil comportamental
Desenvolvimento de colaboradores pelo perfil comportamental Desenvolvimento de colaboradores pelo perfil comportamental
Desenvolvimento de colaboradores pelo perfil comportamental
 
01 pedagogia empresarial
01 pedagogia empresarial01 pedagogia empresarial
01 pedagogia empresarial
 
6 Coaching
6   Coaching6   Coaching
6 Coaching
 
6 Coaching
6   Coaching6   Coaching
6 Coaching
 
Subsistema de desenvolvimento de recursos humanos
Subsistema de desenvolvimento de recursos humanosSubsistema de desenvolvimento de recursos humanos
Subsistema de desenvolvimento de recursos humanos
 
Introducao ao Coaching amostra
Introducao ao Coaching amostraIntroducao ao Coaching amostra
Introducao ao Coaching amostra
 
Treinamento & desenvolvimento...de RH
Treinamento & desenvolvimento...de RHTreinamento & desenvolvimento...de RH
Treinamento & desenvolvimento...de RH
 
TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO PESSOAL
TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO PESSOALTREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO PESSOAL
TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO PESSOAL
 
Submodulo 8.2
Submodulo 8.2Submodulo 8.2
Submodulo 8.2
 
03+aula+rh+treinamento+e+desenvolvimento+pessoal
03+aula+rh+treinamento+e+desenvolvimento+pessoal03+aula+rh+treinamento+e+desenvolvimento+pessoal
03+aula+rh+treinamento+e+desenvolvimento+pessoal
 

Último

Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfEditoraEnovus
 
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOVALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOBiatrizGomes1
 
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfMapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfangelicass1
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduraAdryan Luiz
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasCassio Meira Jr.
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxDoutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxThye Oliver
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdfProfGleide
 
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfHABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfdio7ff
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfEyshilaKelly1
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundonialb
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024Jeanoliveira597523
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOMarcosViniciusLemesL
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 anoAdelmaTorres2
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfPastor Robson Colaço
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasRicardo Diniz campos
 

Último (20)

Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
 
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOVALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
 
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfMapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditadura
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxDoutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
 
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfHABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
 

Planejamento e gestão da formação e aprendizagem

  • 1. PLANEAMENTO E GESTÃO DA FORMAÇÃO PROF: Leonel Claudino Boano
  • 2. FORMAÇÃO E APRENDIZAGEM Quando falamos de formações e aprendizagem, é bom que não esqueçamos que ambas se completam, uma vez que podemos considerar as práticas de formação como acções de aprendizagem. Assim, a formação não se deve dissociar da aprendizagem, constituindo o conhecimento deste factor de sucesso da primeira.
  • 3. Caberá aqui destacar as seguintes definições: -Formação: intervenção visando a modificação nos domínios dos saberes-fazer e dos saberes-estar do sujeito em formação; -Formação: acção de desenvolvimento, principalmente entre os jovens, das virtualidades que poderíamos designar de humanas: a inteligência, a consciência moral e sentido social. FORMAÇÃO E APRENDIZAGEM
  • 4. Pode ser definida como:… «o aperfeiçoamento sistemático do padrão de comportamento de atitude, conhecimento e capacidade exigido por um indivíduo com vista a desempenhar adequadamente uma dada tarefa ou posto de trabalho». Devemos abordar as seguintes questões:  razão da formação;  ligação entre a aprendizagem e a formação;  as fases do ciclo de formação;  a ligação entre a aprendizagem e a formação; FORMAÇÃO E APRENDIZAGEM
  • 5.  o papel de formador e do formando;  os diferentes tipos de formador e as suas características nas relações de autoridade e funcionalidade e,  por último, a perspectiva do auto-aperfeiçoamento com ênfase no papel, nas necessidades e motivação do formando, bem como nas necessidades organizacionais. FORMAÇÃO E APRENDIZAGEM
  • 6. PLANEAMENTO DOS PROGRAMAS DE FORMAÇÃO Num processo de planeamento temos quatro fases:  Reflexão e precisão das acções a realizar;  Concepção do plano de formação;  Mobilização de recursos;  Implementação das acções de formação e acompanhamento e controlo. No momento de definir o programa de formação é necessário decidir qual o tipo de formação a adoptar, isto é, se a formação é interna ou externa.
  • 7. O plano de formação é utilizado para pôr em prática a política de formação definida com os objectivos pessoais e empresariais.  No plano de formação devem constar:  Os objectivos gerais baseados em resultados qualificáveis e mensuráveis;  Os indicadores que serão utilizados para avaliar a formação;  As prioridades e conteúdos, isto é, quais as metas estabelecidas em termos de prazo e áreas prioritárias e quais os conteúdos para atingir os objectivos; PLANEAMENTO DOS PROGRAMAS DE FORMAÇÃO
  • 8.  A pedagogia, isto é, discriminar as actividades necessárias para atingir objectivos tendo em conta os recursos humanos e materiais disponíveis;  A duração e calendário das acções de formação;  As categorias dos formandos;  A orçamentação, isto é, os custos que a empresa prevê ter com a acção de formação;  As formas de avaliação. A fase de recursos é necessário contratar os formadores, seleccionar os formandos, disponibilizar os meios e os materiais para que a acção possa existir. PLANEAMENTO DOS PROGRAMAS DE FORMAÇÃO
  • 9. À implementação das acções de formação deve fazer-se um acompanhamento e controlo das mesmas para analisar se tudo funciona da forma prevista ou se há algo a mudar. PLANEAMENTO DOS PROGRAMAS DE FORMAÇÃO
  • 10. RAZÃO DA FORMAÇÃO Quais são as vantagens da formação?
  • 11. ALGUMAS RAZÕES DA FORMAÇÃO A formação torna o trabalho mais eficiente, ou em outras palavras mais célere. Tempos reduzidos de aprendizagem. Métodos de trabalho mais eficazes Aplicações mais qualificadas de determinadas tarefas. Formas inovadoras de trabalho. Atitudes mais positivas para com a organização e o cliente.
  • 12. A aplicação do conhecimento e das capacidades, ou de técnicas específicas como a negociação, contribuem para uma maior eficiência. No topo da pirâmide da aprendizagem, podem ser estimulados pela formação, o raciocínio e a tomada de decisão bem como a criatividade e o pensamento lateral. ALGUMAS RAZÕES DA FORMAÇÃO
  • 13. Podem ser evitados e realizados os «acidentes» através da formação em matérias como higiene e segurança no trabalho; Os analistas de mercado podem ter maiores perspectivas; Os contabilistas podem fazer avaliações de desperdício; O departamento de pessoal pode ter menor rotação de pessoal devido a programas de iniciação e aprendizagem do posto de trabalho. ALGUMAS RAZÕES DA FORMAÇÃO
  • 14. Com todos os elementos citados acima, poderá significar uma maior produtividade global e pode resultar numa organização mais eficaz. ALGUMAS RAZÕES DA FORMAÇÃO
  • 15. A relação entre formação e organizações eficazes precisa de investigação mais rigorosa. Alguns autores que tratam da eficiência organizacional colocam a fase no Ciclo de Formação como um dos indicadores de maior produtividade. RAZÃO DA FORMAÇÃO
  • 16. A formação justifica-se principalmente como meio de melhorar o desempenho de uma determinada tarefa ou do posto de trabalho. A formação é uma das componentes da gestão de recursos humanos com interdependências no seguinte:  Recrutamento e selecção  Gestão de conflitos  Gestão salarial  Sistemas de incentivos. A GRANDE SURPRESA
  • 17. O desempenho pode ser melhorado através de outros factores como:  Introdução de novas tecnologias ou métodos de trabalho  Equipamentos ou instalações. Se o problema for motivado por uma questão de Recursos humanos e a manifestação desse problema disser respeito a deficiências ao nível das capacidades, das atitudes ou dos conhecimentos, é provável que a solução desse mesmo problema passe por um programa de Formação adequado. A GRANDE SURPRESA
  • 18. A SATISFAÇAO PLENA Um melhor desempenho, só se atinge através da capacidade individual ou de grupo e com esforço e empenho. Um melhor desempenho, não é o único produto final da formação. A satisfação profissional do formando no local de trabalho pode ser aumentada pelos resultados da formação.
  • 19. Pelo seguinte…  O orgulho por desempenhar bem um posto de trabalho  Da consciência da própria competência  Da conquista  Do respeito dos colegas através da sua competência. A SATISFAÇAO PLENA
  • 21. LIGAÇÃO ENTRE A APRENDIZAGEM E A FORMAÇÃO A base da aprendizagem e da formação é a aquisição e utilização de capacidades, conhecimentos e atitudes, para que os comportamentos e atitudes sejam modificados. Distinguem-se duas teorias:  1 - As que fazem apelo ao condicionamento;  2 - As que revelam a compreensão e o questionamento como modo de construção das respostas.
  • 22. O indivíduo necessita de ser convencido da necessidade de formação porque sem esse empenho a aprendizagem será um processo muito lento. O conhecimento dos resultados e o feedback sobre o desempenho permitem a reprodução de respostas (bem sucedidas) conhecidas e o reajustamento das respostas inadequadas. LIGAÇÃO ENTRE A APRENDIZAGEM E A FORMAÇÃO
  • 23. A aprendizagem feita fora do local de trabalho, fisicamente afastada do mesmo, pode resultar numa aprendizagem mais eficaz em termos sistemáticos, com menos obstrução à aprendizagem. No entanto, a aplicação ao posto de trabalho, tem o problema de ser não sistemática e prevalecendo o imprevisto sobre a aprendizagem formalizada com objectivos-chaves. Todavia, facilita a transferência para o posto de trabalho e, desde que seja sistemática, tem muito a dar. LIGAÇÃO ENTRE A APRENDIZAGEM E A FORMAÇÃO
  • 24. Em suma, as teorias da aprendizagem e aplicação de princípios de aprendizagem constituem a pedra angular da formação – seja ela no posto de trabalho ou fora dele. LIGAÇÃO ENTRE A APRENDIZAGEM E A FORMAÇÃO
  • 25. CICLO DE FORMAÇÃO ETAPA I Identificação de necessidades ETAPA II Planeamento ETAPA III Implementação ETAPA IV Avaliação
  • 26. DIAGNÓSTICO DAS NECESSIDADES Fornece os seguintes pontos para interpretação e reflexão:  A identificação dos sujeitos participantes no levantamento, que engloba a experiência profissional anterior, a escolaridade, a experiência profissional e a discrição de cargos;  Os problemas organizacionais e de formação da empresa e das áreas em que os participantes actuam, analisados do ponto de vista individual e em grupo;  Os problemas prioritários da empresa e das áreas onde actuam;  Faz-se uma listagem dos três problemas prioritários analisados numa óptica individual e de grupo;
  • 27.  A auto-avaliação que engloba a liderança do grupo, a visão da dinâmica organizacional e profissional, o grau de satisfação e os objectivos pessoais;  As opiniões dos participantes sobre a empresa no que respeita ao desenvolvimento das actividades, factores motivacionais e características organizacionais;  As conclusões dos participantes no que respeita as vantagens percebidas no levantamento e as consequências esperadas com o levantamento. O responsável pelo levantamento tem condições para proceder a interpretação e a escolher a estratégias da acção. DIAGNÓSTICO DAS NECESSIDADES
  • 28. A análise individual das necessidades de formação apresenta-se de grande importância pela frequência em alguns casos de indivíduos que desconhecem as razões da sua presença. DIAGNÓSTICO DAS NECESSIDADES
  • 29. QUESTIONÁRIOS & ENTREVISTAS Tópico para elaboração de questionários para entrevistas aos trabalhadores:  Questões de âmbito social.  Questões relacionadas a sua personalidade e experiência.  Qual a sua satisfação no posto de trabalho?  Quais os seus desejos actuais de formação?  Que tipo de formação prefere: na empresa, no exterior, a tempo inteiro ou parcial?  Em que acções de formação já participou? Posteriormente adequa-se as necessidades de formação individuais as da empresa.
  • 30. VALIDAÇÃO E AVALIAÇÃO DA FORMAÇÃO A avaliação da formação é a última etapa do processo de formação e tem como objectivo analisar e garantir que o que antes foi planeado, foi alcançado. Permite também analisar as causas das eventuais falhas e, desta forma, melhorar a formação actual ou, as futuras.
  • 31. DIFERENÇA ENTRE VALIDAÇÃO E AVALIAÇÃO A validação está ligada ao sentido de legitimidade e mede a eficiência da formação, ou seja, verifica se foram bem utilizados os recursos postos à disposição da formação. A avaliação está ligada à determinação do valor real e mede a eficácia da formação, isto é, em que medida se alcançam os objectivos finais da formação.
  • 32. DIFERENCIE AS MESMAS POR UMA ÚNICA PALAVRA CADA.
  • 33. Em outras palavras… A validação encontra-se ligada a aspectos como a reacção pessoal dos formandos à formação e a aprendizagem dos conteúdos. A avaliação diz respeito à forma como a aprendizagem se traduz no posto de trabalho do individuo, isto é, se houve uma melhoria no seu desmpenho. DIFERENÇA ENTRE VALIDAÇÃO E AVALIAÇÃO
  • 35. O QUE FAZER ENTÃO, PARA MELHORAR A FORMAÇÃO
  • 36. Medir as reacções dos participantes mensalmente através de questionários (quantificáveis ou não) aos formadores. Os formandos devem exprimir a sua opinião sobre o interesse e envolvimento dos formadores. Avaliar as reacções dos formandos e melhorar a formação, no caso de ser necessário, por exemplo, mudar formadores, conteúdos ou local de formação.
  • 38. ERROS A NÃO COMETER A avaliação da formação não deve ser feita no momento imediatamente a seguir a acção de formação, pois é necessário tempo para que o formando possa pôr em prática aquilo que aprendeu. O objectivo deste nível de medição é verificar se o comportamento dos formandos, no posto de trabalho, se modicou como resultado da formação.