SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 22
Modelo de Diagnostico e Acompanhamento da Gestão da Lubrificação
Após realização de um diagnostico,
estruturação de cronograma e plano de ação
para o progresso técnico da lubrificação,
principio básico para alavancar resultados na
manutenção ;
Modelo de Diagnostico e Acompanhamento da Gestão da Lubrificação
Escopo trabalho :
-Padronização, Consolidação e Compras
-Armazenagem e manuseio
-Controle de Contaminação
-Técnicas de Amostragem
-Capacitação e Certificação
-Analise de Óleo
-Praticas de Lubrificação e Relubrificação.
-Praticas de Segurança e Vazamentos
-Procedimentos e Guias
-Indicadores
-Melhoria Continua
Modelo de Diagnostico e Acompanhamento da Gestão da Lubrificação
1.) Padronização, Consolidação e Compras
Padronização de Lubrificantes:
• De marcas, tipos e aplicações para uma mesma norma
•Adquirir lubrificantes não por marca, mas sim se atende as
ESPECIFICAÇÕES DE DESEMPENHO DESENHADAS PARA A APLICAÇÃO
• Criar e utilizar códigos de enquadramento (Código LIS )
Consolidação de Lubrificantes: é uma racionalização lógica dos diversos tipos de
lubrificantes que devem atender a um ou mais aplicações semelhantes. As estratégias
podem incluir avaliação técnica e substituição monitorada, dos itens. Por exemplo
entre 3 óleos hidráulicos HLP 68, define-se um padrão e passa-se a utilizar apenas de
uma marca. Em casos de alto volume de consumo, a estratégia pode envolver a
fabricação interna de uma viscosidade de lubrificante através de cartas de mistura
ASTM (Ex. Óleo XX ISO VG220, 320, 460 e 680 no estoque .Racionalizando, fico
apenas com óleos XX ISO VG 220 e 680)
Compras de Lubrificantes: Optar-se por pacotes de compra com volumes maiores
de um único fornecedor, sendo que o lubrificante é comprado segundo as
especificações e normas obtidas na padronização. Dentro da especificação de
compras podem ser adicionadas outras especificações, como p.ex., teor máximo de
água e Grau ISO 4406 máximo admitido para óleo novo. O fornecedor precisa se
enquadrar as especificações desenhadas e ao Código LIS.
1.) Padronização, Consolidação e Compras
Armazenagem: conjunto de boas práticas que envolvem o correto
acondicionamento dos lubrificantes na sala lubrificação, como por ex. ,
ambiente limpo e fechado, controle de temperatura e umidade, isenção
de entrada de contaminantes e umidade nas embalagens ou reservatórios, etc...
Manuseio: conjunto de ações, práticas, procedimentos que envolvam
toda a manipulação de lubrificantes da sala de lubrificação até a entrada
do lubrificante no equipamento, como por ex., transporte do lubrificante pela
fábrica, ou no canavial, pré filtragem de óleos novos, abastecimento/reposição das
bombas ou baldes de graxa sem contaminação, aplicação de lubrificantes no
canavial minimizando o risco de contaminação.
2.) Armazenagem e manuseio
2.) Armazenagem e manuseio : Exemplo de Armazenagem de Lubrificantes
2.) Armazenagem e manuseio : Exemplo de Armazenagem de Lubrificantes
Conceitos:
• Plano de coleta: deve estar integrado com a criticidade ou função da máquina
no contexto produtivo
• Conjunto de ações envolvendo as 4 boas práticas das coletas de amostra:
frascos com nível de limpeza adequado/ onde coletar(ponto da máquina) /
quando coletar / como coletar (instrumento utilizado)
3.) Técnica de Amostragem
• Status da máquina do programa definidos por criticidade das máquinas
• Correta prescrição de ensaios para cada equipamento crítico e ponto
• Determinação correta da frequência de amostragem
• Dados da análise interligados ao sistema de manutenção/acesso fácil
• Ensaios de campo
• Analista certificado
• Integração de técnicas
3.) Técnica de Amostragem
3.) Técnica de Amostragem
Conceito:
• Conjunto de ações que envolvem formas de evitar a entrada, excluir
e remover contaminantes dos equipamentos.
• Exclusão: envolve a instalação de filtros de ar de elevada taxa de
remoção de contaminastes, por ex. respiros híbridos, dessecantes ou
câmaras de expansão
• Remoção: envolve a instalação de filtros de óleo no circuito
principal do sistema, utilização de sistemas “off lines” fixos, ou até
carrinhos de filtragem, todos fazendo uso de filtros de elevada
eficiência para baixos tamanhos de particulado
4.) Controle de Contaminação
4.) Controle de Contaminação
4.) Controle de Contaminação
4.) Controle de Contaminação
4.) Controle de Contaminação : Exemplo de Carrinhos Filtro Off Line
RESULTADOS ALCANÇADOS EM
TURBINAS
NAS – 6 ISO 17/15/12
AGUA (Método Karl Fischer) média
450 ppm
1-Conjunto filtros
duplos para retirada
de água
DONALDSON
2-Conjunto filtros duplos para
retirada de partículas 3 mícron Beta
1000 DONALDSON
1
2
4.) Controle de Contaminação : Exemplo de Controle de Contaminantes
1-Instalação do Minimess (ponto de
coleta de óleo)
2-Carrinho Off-line instalado1
2
Conceitos envolvidos:
• Status da máquina do programa definidos por criticidade das máquinas
• Correta prescrição de ensaios para cada equipamento crítico e ponto
• Determinação correta da frequência de amostragem
• Dados da análise interligados ao sistema de manutenção/acesso fácil
• Ensaios de campo
• Analista certificado
• Integração de técnicas
6.) Analises de Óleos
6.) Analises de Óleos : Planilha de Ensaios por Aplicação
Conceitos envolvidos:
• O que é lubrificação: É a aplicação dos 6 CERTOS da LUBRIFICAÇÃO de
uma planta ou das aplicações automotivas: lubrificante /qualidade/
frequência / quantidade / lugar / forma
• Ações de relubrificação e inspeção: ações de reposição de lubrificantes
baseadas nos 6 princípios que regem a lubrificação, estabelecimento de
uma política proativa de inspeções através da lubrificação
7.) Lubrificação e Relubrificação
7.) Lubrificação e Relubrificação : Exemplo dos 6 certos da Lubrificação
.
FIM

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Análise de Falhas em Máquinas
Análise de Falhas em MáquinasAnálise de Falhas em Máquinas
Análise de Falhas em MáquinasAnderson Pontes
 
186168907 lubrificacao-industrial
186168907 lubrificacao-industrial186168907 lubrificacao-industrial
186168907 lubrificacao-industrialTiago Ferreira
 
Equipamentos de monotorização
Equipamentos de monotorizaçãoEquipamentos de monotorização
Equipamentos de monotorizaçãoBruno Lagarto
 
APOSTILA SENAI 2 AJUSTAGEM USINAGEM
APOSTILA SENAI 2 AJUSTAGEM USINAGEM APOSTILA SENAI 2 AJUSTAGEM USINAGEM
APOSTILA SENAI 2 AJUSTAGEM USINAGEM ordenaelbass
 
AULA 01 -LUBRIFICAÇÃO.pdf
AULA 01 -LUBRIFICAÇÃO.pdfAULA 01 -LUBRIFICAÇÃO.pdf
AULA 01 -LUBRIFICAÇÃO.pdfEudesRamos7
 
Rolamentos e mancais
Rolamentos e mancaisRolamentos e mancais
Rolamentos e mancaisDaniel Garcia
 
Treinamento Lubrificacao Basica E Rolamentos 2005 Modul
Treinamento  Lubrificacao  Basica E  Rolamentos   2005    ModulTreinamento  Lubrificacao  Basica E  Rolamentos   2005    Modul
Treinamento Lubrificacao Basica E Rolamentos 2005 Modul123marcao123
 
ABNT NBR ISO 10012:2004 - Sistema de Gestão de Medição
ABNT NBR ISO 10012:2004 - Sistema de Gestão de MediçãoABNT NBR ISO 10012:2004 - Sistema de Gestão de Medição
ABNT NBR ISO 10012:2004 - Sistema de Gestão de MediçãoFabiano Costa Cardoso
 
Lubrificação Industrial #1
Lubrificação Industrial #1Lubrificação Industrial #1
Lubrificação Industrial #1Daniel F Rossi
 
18797489 apostila-senai-mecanica-lubrificacao
18797489 apostila-senai-mecanica-lubrificacao18797489 apostila-senai-mecanica-lubrificacao
18797489 apostila-senai-mecanica-lubrificacaoRobson Peixoto
 
Tabela conversão polegadas em milimetros
Tabela conversão polegadas em milimetrosTabela conversão polegadas em milimetros
Tabela conversão polegadas em milimetrosLuciano Niespodzinski
 
Apostila 1 para publicar
Apostila 1 para publicarApostila 1 para publicar
Apostila 1 para publicarwendelrocha
 
Métodos de lubrificação em mecânica
Métodos de lubrificação em mecânicaMétodos de lubrificação em mecânica
Métodos de lubrificação em mecânicaCarlos Valenzuela
 
Torneamento mecânico
Torneamento mecânicoTorneamento mecânico
Torneamento mecânicoPedro Veiga
 
Calibração de trenas e qp-ecd-069
Calibração de trenas e qp-ecd-069Calibração de trenas e qp-ecd-069
Calibração de trenas e qp-ecd-069Almir Silva
 
Vasos de pressao (3)
Vasos de pressao (3)Vasos de pressao (3)
Vasos de pressao (3)Jupira Silva
 
Relatório Final de Estágio
Relatório Final de EstágioRelatório Final de Estágio
Relatório Final de EstágioFelipeSTS
 

Mais procurados (20)

Análise de Falhas em Máquinas
Análise de Falhas em MáquinasAnálise de Falhas em Máquinas
Análise de Falhas em Máquinas
 
186168907 lubrificacao-industrial
186168907 lubrificacao-industrial186168907 lubrificacao-industrial
186168907 lubrificacao-industrial
 
Equipamentos de monotorização
Equipamentos de monotorizaçãoEquipamentos de monotorização
Equipamentos de monotorização
 
APOSTILA SENAI 2 AJUSTAGEM USINAGEM
APOSTILA SENAI 2 AJUSTAGEM USINAGEM APOSTILA SENAI 2 AJUSTAGEM USINAGEM
APOSTILA SENAI 2 AJUSTAGEM USINAGEM
 
Mecânica básica elementos de maquinas
Mecânica básica elementos de maquinasMecânica básica elementos de maquinas
Mecânica básica elementos de maquinas
 
Simbolos na solda1
Simbolos na solda1Simbolos na solda1
Simbolos na solda1
 
AULA 01 -LUBRIFICAÇÃO.pdf
AULA 01 -LUBRIFICAÇÃO.pdfAULA 01 -LUBRIFICAÇÃO.pdf
AULA 01 -LUBRIFICAÇÃO.pdf
 
Rolamentos e mancais
Rolamentos e mancaisRolamentos e mancais
Rolamentos e mancais
 
Treinamento Lubrificacao Basica E Rolamentos 2005 Modul
Treinamento  Lubrificacao  Basica E  Rolamentos   2005    ModulTreinamento  Lubrificacao  Basica E  Rolamentos   2005    Modul
Treinamento Lubrificacao Basica E Rolamentos 2005 Modul
 
ABNT NBR ISO 10012:2004 - Sistema de Gestão de Medição
ABNT NBR ISO 10012:2004 - Sistema de Gestão de MediçãoABNT NBR ISO 10012:2004 - Sistema de Gestão de Medição
ABNT NBR ISO 10012:2004 - Sistema de Gestão de Medição
 
Lubrificação Industrial #1
Lubrificação Industrial #1Lubrificação Industrial #1
Lubrificação Industrial #1
 
18797489 apostila-senai-mecanica-lubrificacao
18797489 apostila-senai-mecanica-lubrificacao18797489 apostila-senai-mecanica-lubrificacao
18797489 apostila-senai-mecanica-lubrificacao
 
Tabela conversão polegadas em milimetros
Tabela conversão polegadas em milimetrosTabela conversão polegadas em milimetros
Tabela conversão polegadas em milimetros
 
Lubrificantes
LubrificantesLubrificantes
Lubrificantes
 
Apostila 1 para publicar
Apostila 1 para publicarApostila 1 para publicar
Apostila 1 para publicar
 
Métodos de lubrificação em mecânica
Métodos de lubrificação em mecânicaMétodos de lubrificação em mecânica
Métodos de lubrificação em mecânica
 
Torneamento mecânico
Torneamento mecânicoTorneamento mecânico
Torneamento mecânico
 
Calibração de trenas e qp-ecd-069
Calibração de trenas e qp-ecd-069Calibração de trenas e qp-ecd-069
Calibração de trenas e qp-ecd-069
 
Vasos de pressao (3)
Vasos de pressao (3)Vasos de pressao (3)
Vasos de pressao (3)
 
Relatório Final de Estágio
Relatório Final de EstágioRelatório Final de Estágio
Relatório Final de Estágio
 

Semelhante a GESTÃO de Excelência na LUBRIFICAÇÃO

Semelhante a GESTÃO de Excelência na LUBRIFICAÇÃO (20)

PROGRAMA DE LUBRIFICAÇÃO.pptx
PROGRAMA DE LUBRIFICAÇÃO.pptxPROGRAMA DE LUBRIFICAÇÃO.pptx
PROGRAMA DE LUBRIFICAÇÃO.pptx
 
WCM 2009-TT04-Rigesa Programa PPSP Produção Sem Perdas
WCM 2009-TT04-Rigesa Programa PPSP Produção Sem PerdasWCM 2009-TT04-Rigesa Programa PPSP Produção Sem Perdas
WCM 2009-TT04-Rigesa Programa PPSP Produção Sem Perdas
 
Interpretação da Norma PBQP-H SiAC 2017 - Curso online
Interpretação da Norma PBQP-H SiAC 2017 - Curso onlineInterpretação da Norma PBQP-H SiAC 2017 - Curso online
Interpretação da Norma PBQP-H SiAC 2017 - Curso online
 
TPM2manutenao autonoma.pptx
TPM2manutenao autonoma.pptxTPM2manutenao autonoma.pptx
TPM2manutenao autonoma.pptx
 
Análise de lubrificantes
Análise de lubrificantesAnálise de lubrificantes
Análise de lubrificantes
 
Iso9000 qs9000
Iso9000 qs9000Iso9000 qs9000
Iso9000 qs9000
 
Tpm apresentação
Tpm   apresentaçãoTpm   apresentação
Tpm apresentação
 
Tpm apresentação
Tpm   apresentaçãoTpm   apresentação
Tpm apresentação
 
Projeto Final
Projeto FinalProjeto Final
Projeto Final
 
Iso TS
Iso TSIso TS
Iso TS
 
TERCA - Analises Oleos Usados - Ferrografia.ppt
TERCA - Analises Oleos Usados - Ferrografia.pptTERCA - Analises Oleos Usados - Ferrografia.ppt
TERCA - Analises Oleos Usados - Ferrografia.ppt
 
Relatório - Curso Técnico de Eletrônica
Relatório - Curso Técnico de EletrônicaRelatório - Curso Técnico de Eletrônica
Relatório - Curso Técnico de Eletrônica
 
Iso 9001
Iso 9001Iso 9001
Iso 9001
 
Iso 9001
Iso 9001Iso 9001
Iso 9001
 
Iso 14000 final
Iso 14000   finalIso 14000   final
Iso 14000 final
 
Apresentao 120324224848-phpapp01
Apresentao 120324224848-phpapp01Apresentao 120324224848-phpapp01
Apresentao 120324224848-phpapp01
 
Artigo comentado 17025
Artigo comentado 17025Artigo comentado 17025
Artigo comentado 17025
 
Para que serve a ISO 9000
Para que serve a ISO 9000Para que serve a ISO 9000
Para que serve a ISO 9000
 
Apostíla ISO TS 16949 2002
Apostíla ISO TS 16949 2002Apostíla ISO TS 16949 2002
Apostíla ISO TS 16949 2002
 
Sistemas de Gestão da Qualidade
Sistemas de Gestão da QualidadeSistemas de Gestão da Qualidade
Sistemas de Gestão da Qualidade
 

Mais de Marcos Abreu

Relatório TUV NANO
Relatório TUV NANORelatório TUV NANO
Relatório TUV NANOMarcos Abreu
 
Apresentacao nano.docx 2
Apresentacao nano.docx 2Apresentacao nano.docx 2
Apresentacao nano.docx 2Marcos Abreu
 
Perguntas e Respostas - nine® Protection Motor Renew
Perguntas e Respostas - nine® Protection Motor RenewPerguntas e Respostas - nine® Protection Motor Renew
Perguntas e Respostas - nine® Protection Motor RenewMarcos Abreu
 
Prova Cientifica e Cases - nine® Protection Motor Renew
Prova Cientifica e Cases - nine® Protection Motor RenewProva Cientifica e Cases - nine® Protection Motor Renew
Prova Cientifica e Cases - nine® Protection Motor RenewMarcos Abreu
 
O que é - nine® protection motor renew .ppt
O que é - nine® protection motor renew .pptO que é - nine® protection motor renew .ppt
O que é - nine® protection motor renew .pptMarcos Abreu
 
Ensaios Técnicos 1 - nine® Protection Motor Renew
Ensaios Técnicos 1 - nine® Protection Motor Renew Ensaios Técnicos 1 - nine® Protection Motor Renew
Ensaios Técnicos 1 - nine® Protection Motor Renew Marcos Abreu
 
COMPROVANDO A EFICACIA - nine® Protection Motor Renew
COMPROVANDO A  EFICACIA - nine® Protection Motor Renew COMPROVANDO A  EFICACIA - nine® Protection Motor Renew
COMPROVANDO A EFICACIA - nine® Protection Motor Renew Marcos Abreu
 
Método e Analise de Solução de Problemas
Método e Analise de Solução de Problemas Método e Analise de Solução de Problemas
Método e Analise de Solução de Problemas Marcos Abreu
 
Gestão pela Excelência em Resultados
Gestão pela Excelência em ResultadosGestão pela Excelência em Resultados
Gestão pela Excelência em ResultadosMarcos Abreu
 
Gestão pela Excelência em Resultados
Gestão pela Excelência em Resultados Gestão pela Excelência em Resultados
Gestão pela Excelência em Resultados Marcos Abreu
 
Procedimento Tratamento de Anomalias
Procedimento Tratamento de AnomaliasProcedimento Tratamento de Anomalias
Procedimento Tratamento de AnomaliasMarcos Abreu
 
Procedimento de Treinamento e Qualificação
Procedimento de Treinamento e QualificaçãoProcedimento de Treinamento e Qualificação
Procedimento de Treinamento e QualificaçãoMarcos Abreu
 
Procedimento de Controle de Documentos
Procedimento de Controle de DocumentosProcedimento de Controle de Documentos
Procedimento de Controle de DocumentosMarcos Abreu
 
Procedimento de Elaboracao de Documentos
Procedimento de Elaboracao de DocumentosProcedimento de Elaboracao de Documentos
Procedimento de Elaboracao de DocumentosMarcos Abreu
 
Consumo Diesel Transporte
Consumo Diesel Transporte Consumo Diesel Transporte
Consumo Diesel Transporte Marcos Abreu
 
Planta de Biodigestao da Palha da Cana
Planta de Biodigestao da Palha da CanaPlanta de Biodigestao da Palha da Cana
Planta de Biodigestao da Palha da CanaMarcos Abreu
 
Treinamento Operador de Separadora de Fermento
Treinamento Operador de Separadora de FermentoTreinamento Operador de Separadora de Fermento
Treinamento Operador de Separadora de FermentoMarcos Abreu
 
Treinamento Fermentador
Treinamento FermentadorTreinamento Fermentador
Treinamento FermentadorMarcos Abreu
 
RTC Medindo a Eficiencia da Industria
RTC  Medindo a Eficiencia da Industria RTC  Medindo a Eficiencia da Industria
RTC Medindo a Eficiencia da Industria Marcos Abreu
 

Mais de Marcos Abreu (20)

Relatório TUV NANO
Relatório TUV NANORelatório TUV NANO
Relatório TUV NANO
 
Apresentacao nano.docx 2
Apresentacao nano.docx 2Apresentacao nano.docx 2
Apresentacao nano.docx 2
 
Perguntas e Respostas - nine® Protection Motor Renew
Perguntas e Respostas - nine® Protection Motor RenewPerguntas e Respostas - nine® Protection Motor Renew
Perguntas e Respostas - nine® Protection Motor Renew
 
Prova Cientifica e Cases - nine® Protection Motor Renew
Prova Cientifica e Cases - nine® Protection Motor RenewProva Cientifica e Cases - nine® Protection Motor Renew
Prova Cientifica e Cases - nine® Protection Motor Renew
 
O que é - nine® protection motor renew .ppt
O que é - nine® protection motor renew .pptO que é - nine® protection motor renew .ppt
O que é - nine® protection motor renew .ppt
 
Ensaios Técnicos 1 - nine® Protection Motor Renew
Ensaios Técnicos 1 - nine® Protection Motor Renew Ensaios Técnicos 1 - nine® Protection Motor Renew
Ensaios Técnicos 1 - nine® Protection Motor Renew
 
COMPROVANDO A EFICACIA - nine® Protection Motor Renew
COMPROVANDO A  EFICACIA - nine® Protection Motor Renew COMPROVANDO A  EFICACIA - nine® Protection Motor Renew
COMPROVANDO A EFICACIA - nine® Protection Motor Renew
 
Método e Analise de Solução de Problemas
Método e Analise de Solução de Problemas Método e Analise de Solução de Problemas
Método e Analise de Solução de Problemas
 
Gestão pela Excelência em Resultados
Gestão pela Excelência em ResultadosGestão pela Excelência em Resultados
Gestão pela Excelência em Resultados
 
Gestão pela Excelência em Resultados
Gestão pela Excelência em Resultados Gestão pela Excelência em Resultados
Gestão pela Excelência em Resultados
 
A águia
A águia A águia
A águia
 
Procedimento Tratamento de Anomalias
Procedimento Tratamento de AnomaliasProcedimento Tratamento de Anomalias
Procedimento Tratamento de Anomalias
 
Procedimento de Treinamento e Qualificação
Procedimento de Treinamento e QualificaçãoProcedimento de Treinamento e Qualificação
Procedimento de Treinamento e Qualificação
 
Procedimento de Controle de Documentos
Procedimento de Controle de DocumentosProcedimento de Controle de Documentos
Procedimento de Controle de Documentos
 
Procedimento de Elaboracao de Documentos
Procedimento de Elaboracao de DocumentosProcedimento de Elaboracao de Documentos
Procedimento de Elaboracao de Documentos
 
Consumo Diesel Transporte
Consumo Diesel Transporte Consumo Diesel Transporte
Consumo Diesel Transporte
 
Planta de Biodigestao da Palha da Cana
Planta de Biodigestao da Palha da CanaPlanta de Biodigestao da Palha da Cana
Planta de Biodigestao da Palha da Cana
 
Treinamento Operador de Separadora de Fermento
Treinamento Operador de Separadora de FermentoTreinamento Operador de Separadora de Fermento
Treinamento Operador de Separadora de Fermento
 
Treinamento Fermentador
Treinamento FermentadorTreinamento Fermentador
Treinamento Fermentador
 
RTC Medindo a Eficiencia da Industria
RTC  Medindo a Eficiencia da Industria RTC  Medindo a Eficiencia da Industria
RTC Medindo a Eficiencia da Industria
 

Último

Livro Vibrações Mecânicas - Rao Singiresu - 4ª Ed.pdf
Livro Vibrações Mecânicas - Rao Singiresu - 4ª Ed.pdfLivro Vibrações Mecânicas - Rao Singiresu - 4ª Ed.pdf
Livro Vibrações Mecânicas - Rao Singiresu - 4ª Ed.pdfSamuel Ramos
 
Treinamento de NR06 Equipamento de Proteção Individual
Treinamento de NR06 Equipamento de Proteção IndividualTreinamento de NR06 Equipamento de Proteção Individual
Treinamento de NR06 Equipamento de Proteção Individualpablocastilho3
 
Eletricista instalador - Senai Almirante Tamandaré
Eletricista instalador - Senai Almirante TamandaréEletricista instalador - Senai Almirante Tamandaré
Eletricista instalador - Senai Almirante TamandaréGuilhermeLucio9
 
A EXTENSÃO RURAL NO BRASIL Sociologia e Extensão 1 2014.ppt
A EXTENSÃO RURAL NO BRASIL Sociologia e Extensão 1 2014.pptA EXTENSÃO RURAL NO BRASIL Sociologia e Extensão 1 2014.ppt
A EXTENSÃO RURAL NO BRASIL Sociologia e Extensão 1 2014.pptssuserb964fe
 
A Importância dos EPI's no trabalho e no dia a dia laboral
A Importância dos EPI's no trabalho e no dia a dia laboralA Importância dos EPI's no trabalho e no dia a dia laboral
A Importância dos EPI's no trabalho e no dia a dia laboralFranciscaArrudadaSil
 
LEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurança
LEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurançaLEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurança
LEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurançaGuilhermeLucio9
 
Tecnólogo em Mecatrônica - Universidade Anhanguera
Tecnólogo em Mecatrônica - Universidade AnhangueraTecnólogo em Mecatrônica - Universidade Anhanguera
Tecnólogo em Mecatrônica - Universidade AnhangueraGuilhermeLucio9
 

Último (7)

Livro Vibrações Mecânicas - Rao Singiresu - 4ª Ed.pdf
Livro Vibrações Mecânicas - Rao Singiresu - 4ª Ed.pdfLivro Vibrações Mecânicas - Rao Singiresu - 4ª Ed.pdf
Livro Vibrações Mecânicas - Rao Singiresu - 4ª Ed.pdf
 
Treinamento de NR06 Equipamento de Proteção Individual
Treinamento de NR06 Equipamento de Proteção IndividualTreinamento de NR06 Equipamento de Proteção Individual
Treinamento de NR06 Equipamento de Proteção Individual
 
Eletricista instalador - Senai Almirante Tamandaré
Eletricista instalador - Senai Almirante TamandaréEletricista instalador - Senai Almirante Tamandaré
Eletricista instalador - Senai Almirante Tamandaré
 
A EXTENSÃO RURAL NO BRASIL Sociologia e Extensão 1 2014.ppt
A EXTENSÃO RURAL NO BRASIL Sociologia e Extensão 1 2014.pptA EXTENSÃO RURAL NO BRASIL Sociologia e Extensão 1 2014.ppt
A EXTENSÃO RURAL NO BRASIL Sociologia e Extensão 1 2014.ppt
 
A Importância dos EPI's no trabalho e no dia a dia laboral
A Importância dos EPI's no trabalho e no dia a dia laboralA Importância dos EPI's no trabalho e no dia a dia laboral
A Importância dos EPI's no trabalho e no dia a dia laboral
 
LEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurança
LEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurançaLEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurança
LEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurança
 
Tecnólogo em Mecatrônica - Universidade Anhanguera
Tecnólogo em Mecatrônica - Universidade AnhangueraTecnólogo em Mecatrônica - Universidade Anhanguera
Tecnólogo em Mecatrônica - Universidade Anhanguera
 

GESTÃO de Excelência na LUBRIFICAÇÃO

  • 1.
  • 2. Modelo de Diagnostico e Acompanhamento da Gestão da Lubrificação
  • 3. Após realização de um diagnostico, estruturação de cronograma e plano de ação para o progresso técnico da lubrificação, principio básico para alavancar resultados na manutenção ; Modelo de Diagnostico e Acompanhamento da Gestão da Lubrificação
  • 4. Escopo trabalho : -Padronização, Consolidação e Compras -Armazenagem e manuseio -Controle de Contaminação -Técnicas de Amostragem -Capacitação e Certificação -Analise de Óleo -Praticas de Lubrificação e Relubrificação. -Praticas de Segurança e Vazamentos -Procedimentos e Guias -Indicadores -Melhoria Continua Modelo de Diagnostico e Acompanhamento da Gestão da Lubrificação
  • 5. 1.) Padronização, Consolidação e Compras Padronização de Lubrificantes: • De marcas, tipos e aplicações para uma mesma norma •Adquirir lubrificantes não por marca, mas sim se atende as ESPECIFICAÇÕES DE DESEMPENHO DESENHADAS PARA A APLICAÇÃO • Criar e utilizar códigos de enquadramento (Código LIS ) Consolidação de Lubrificantes: é uma racionalização lógica dos diversos tipos de lubrificantes que devem atender a um ou mais aplicações semelhantes. As estratégias podem incluir avaliação técnica e substituição monitorada, dos itens. Por exemplo entre 3 óleos hidráulicos HLP 68, define-se um padrão e passa-se a utilizar apenas de uma marca. Em casos de alto volume de consumo, a estratégia pode envolver a fabricação interna de uma viscosidade de lubrificante através de cartas de mistura ASTM (Ex. Óleo XX ISO VG220, 320, 460 e 680 no estoque .Racionalizando, fico apenas com óleos XX ISO VG 220 e 680)
  • 6. Compras de Lubrificantes: Optar-se por pacotes de compra com volumes maiores de um único fornecedor, sendo que o lubrificante é comprado segundo as especificações e normas obtidas na padronização. Dentro da especificação de compras podem ser adicionadas outras especificações, como p.ex., teor máximo de água e Grau ISO 4406 máximo admitido para óleo novo. O fornecedor precisa se enquadrar as especificações desenhadas e ao Código LIS. 1.) Padronização, Consolidação e Compras
  • 7. Armazenagem: conjunto de boas práticas que envolvem o correto acondicionamento dos lubrificantes na sala lubrificação, como por ex. , ambiente limpo e fechado, controle de temperatura e umidade, isenção de entrada de contaminantes e umidade nas embalagens ou reservatórios, etc... Manuseio: conjunto de ações, práticas, procedimentos que envolvam toda a manipulação de lubrificantes da sala de lubrificação até a entrada do lubrificante no equipamento, como por ex., transporte do lubrificante pela fábrica, ou no canavial, pré filtragem de óleos novos, abastecimento/reposição das bombas ou baldes de graxa sem contaminação, aplicação de lubrificantes no canavial minimizando o risco de contaminação. 2.) Armazenagem e manuseio
  • 8. 2.) Armazenagem e manuseio : Exemplo de Armazenagem de Lubrificantes
  • 9. 2.) Armazenagem e manuseio : Exemplo de Armazenagem de Lubrificantes
  • 10. Conceitos: • Plano de coleta: deve estar integrado com a criticidade ou função da máquina no contexto produtivo • Conjunto de ações envolvendo as 4 boas práticas das coletas de amostra: frascos com nível de limpeza adequado/ onde coletar(ponto da máquina) / quando coletar / como coletar (instrumento utilizado) 3.) Técnica de Amostragem • Status da máquina do programa definidos por criticidade das máquinas • Correta prescrição de ensaios para cada equipamento crítico e ponto • Determinação correta da frequência de amostragem • Dados da análise interligados ao sistema de manutenção/acesso fácil • Ensaios de campo • Analista certificado • Integração de técnicas
  • 11. 3.) Técnica de Amostragem
  • 12. 3.) Técnica de Amostragem
  • 13. Conceito: • Conjunto de ações que envolvem formas de evitar a entrada, excluir e remover contaminantes dos equipamentos. • Exclusão: envolve a instalação de filtros de ar de elevada taxa de remoção de contaminastes, por ex. respiros híbridos, dessecantes ou câmaras de expansão • Remoção: envolve a instalação de filtros de óleo no circuito principal do sistema, utilização de sistemas “off lines” fixos, ou até carrinhos de filtragem, todos fazendo uso de filtros de elevada eficiência para baixos tamanhos de particulado 4.) Controle de Contaminação
  • 14. 4.) Controle de Contaminação
  • 15. 4.) Controle de Contaminação 4.) Controle de Contaminação
  • 16. 4.) Controle de Contaminação : Exemplo de Carrinhos Filtro Off Line RESULTADOS ALCANÇADOS EM TURBINAS NAS – 6 ISO 17/15/12 AGUA (Método Karl Fischer) média 450 ppm 1-Conjunto filtros duplos para retirada de água DONALDSON 2-Conjunto filtros duplos para retirada de partículas 3 mícron Beta 1000 DONALDSON 1 2
  • 17. 4.) Controle de Contaminação : Exemplo de Controle de Contaminantes 1-Instalação do Minimess (ponto de coleta de óleo) 2-Carrinho Off-line instalado1 2
  • 18. Conceitos envolvidos: • Status da máquina do programa definidos por criticidade das máquinas • Correta prescrição de ensaios para cada equipamento crítico e ponto • Determinação correta da frequência de amostragem • Dados da análise interligados ao sistema de manutenção/acesso fácil • Ensaios de campo • Analista certificado • Integração de técnicas 6.) Analises de Óleos
  • 19. 6.) Analises de Óleos : Planilha de Ensaios por Aplicação
  • 20. Conceitos envolvidos: • O que é lubrificação: É a aplicação dos 6 CERTOS da LUBRIFICAÇÃO de uma planta ou das aplicações automotivas: lubrificante /qualidade/ frequência / quantidade / lugar / forma • Ações de relubrificação e inspeção: ações de reposição de lubrificantes baseadas nos 6 princípios que regem a lubrificação, estabelecimento de uma política proativa de inspeções através da lubrificação 7.) Lubrificação e Relubrificação
  • 21. 7.) Lubrificação e Relubrificação : Exemplo dos 6 certos da Lubrificação .
  • 22. FIM