Gestão da qualidade

11.839 visualizações

Publicada em

Seminário apresentado para a disciplina: Planejamento em Unidades de Informação - Biblioteconomia - UNESP/Marília

Grupo composto por: Bruna, Camila Ribeiro, Laura e Marcela

Publicada em: Educação, Tecnologia
0 comentários
8 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
11.839
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
14
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
580
Comentários
0
Gostaram
8
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • Faria (2008),
  • O fato do Japão ser um país sem recursos naturais, que deveria sobreviver com a exportação de produtos, tornou a qualidade uma obsessão nacional . Engenheiros e industriais começaram um intenso programa de mobilização, pesquisas e visitas a outros países, visando identificar quais seriam e de onde se deveriam trazer as técnicas que ajudariam o pequeno país a recuperar-se por meio do aprimoramento da qualidade de seus produtos, cuja reputação era até então bastante precária, embora houvesse algumas pessoas que conheciam e aplicavam as técnicas estatísticas que os americanos haviam criado. JUSE – foi criada em 1946, entidade privada e sem fins lucrativos. Objetivo original: reconstrução do Japão, destruído pela guerra. Criada por Kenichi Koyanagi, especialista em literatura alemã. Era composta inicialmente por 7 engenheiros. Atualmente, o objetivo da JUSE é promover estudos sistemáticos necessários para o progresso da ciência e tecnologia, de modo a contribuir para o desenvolvimento da cultura e da indústria. Então o Deming entra na história do Japão. Método que não requereria novos equipamentos, os quais não tinha meios de obter
  • Os principais benefícios da metodologia 5S são: 1. Maior produtividade pela redução da perda de tempo procurando por objetos. Só ficam no ambiente os objetos necessários e ao alcance da mão. 2. Redução de despesas e melhor aproveitamento de materiais. O acúmulo excessivo de materiais tende à degeneração. 3. Melhoria da qualidade de produtos e serviços 4. Menos acidentes do trabalho. 5. Maior satisfação das pessoas com o trabalho. Os 5 Ss são: Seiri ( 整理 ): Senso de utilização. Refere-se à prática de verificar todas as ferramentas, materiais, etc. na área de trabalho e manter somente os itens essenciais para o trabalho que está sendo realizado. Tudo o mais é guardado ou descartado. Este processo conduz a uma diminuição dos obstáculos à produtividade do trabalho. Seiton ( 整頓 ): Senso de ordenação. Enfoca a necessidade de um espaço organizado. A organização , neste sentido, refere-se à disposição das ferramentas e equipamentos em uma ordem que permita o fluxo do trabalho. Ferramentas e equipamentos deverão ser deixados nos lugares onde serão posteriormente usados. O processo deve ser feito de forma a eliminar os movimentos desnecessários. Seisō ( 清掃 ): Senso de limpeza. Designa a necessidade de manter o mais limpo possível o espaço de trabalho. A limpeza, nas empresas japonesas, é uma atividade diária. Ao fim de cada dia de trabalho, o ambiente é limpo e tudo é recolocado em seus lugares, tornando fácil saber o que vai aonde, e saber onde está aquilo o que é essencial. O foco deste procedimento é lembrar que a limpeza deve ser parte do trabalho diário, e não uma mera atividade ocasional quando os objetos estão muito desordenados. Seiketsu ( 清潔 ): Senso de Normalização. Criar normas e sistemáticas em que todos devem cumprir. Tudo deve ser devidamente documentado. A gestão visual é fundamental para fácil entendimento de cada norma. Shitsuke OU Shuukan ( 躾 ) ( 習慣 ): Senso de autodisciplina ou hábito,costume. Refere-se à manutenção e revisão dos padrões. Uma vez que os 4 Ss anteriores tenham sido estabelecidos, transformam-se numa nova maneira de trabalhar, não permitindo um regresso às antigas práticas. Entretanto, quando surge uma nova melhoria, ou uma nova ferramenta de trabalho, ou a decisão de implantação de novas práticas, pode ser aconselhável a revisão dos quatro princípios anteriores.
  • Gestão da qualidade

    1. 1. Gestão da Qualidade Bruna Silva Lara Camila Ribeiro Laura Akie Saito Inafuko Marcela Cecília Inácio Evangelista
    2. 2. Gestão da Qualidade <ul><li>Conteúdo </li></ul><ul><li>Definição de Qualidade (OU DEFINIÇÕES) </li></ul><ul><li>Histórico dos Estudos da Gestão da Qualidade </li></ul><ul><li>Escola Japonesa de qualidade total </li></ul><ul><li>Referências </li></ul><ul><li>Seminário apresentado à disciplina Planejamento em Unidades de Informação, ministrada ao 4º ano de Biblioteconomia, Faculdade de Filosofia e Ciências, Universidade Estadual Paulista, pela mestranda Cristiane Luiza Salazar Garcia </li></ul>
    3. 3. 1. Definição de Qualidade <ul><li>Conceitos cientificamente vagos. Foco no usuário. </li></ul>
    4. 4. <ul><li>Excelência Ação Intangibilidade Recursos Valor Eficácia Projetos Avaliação Especificações </li></ul><ul><li>Auto-Estima Produto Eficiência Conformidade Melhorar Regularidade Relevância Reduzir </li></ul><ul><li>Adequação ao uso controle Utilidade Valor estratégias Soluções Desejo Anseios Usuário </li></ul><ul><li>Fatos Necessidade Metas Progresso Foco empatia Satisfação Preparação Manutenção Ambiente Objetivo </li></ul><ul><li>Cultura Impacto Planejamento Qualidade Liderança Segurança Tempo de Atendimento Reflexão </li></ul><ul><li>ausência de falhas Conservação Revisão integridade </li></ul><ul><li>Simultaneidade Expectativas Avaliação Acesso comprometimento Recuperação Garantia Acessibilidade </li></ul>
    5. 5. Gestão da Qualidade <ul><li>Vários conceitos têm sido abordados pela literatura. No entanto, apesar de nenhum deles ser reconhecido como padrão, todos refletem um objetivo comum: a satisfação do cliente, conquista e garantia </li></ul><ul><li>do mercado. </li></ul><ul><li>Colocar uma foto de um usuário </li></ul>
    6. 6. 2. Histórico dos Estudos da Gestão da Qualidade <ul><li>As três eras: era da inspeção, do controle estatísco e da qualidade total. </li></ul>
    7. 7. Era da Inspeção <ul><li>Separa o produto/serviço bom do produto defeituoso, um a um ou aleatoriamente. </li></ul><ul><li>Produto ou serviço observado diretamente pelo fornecedor/consumidor. </li></ul><ul><li>Nos primódios da indústria moderna era feita pelo próprio artesão. </li></ul><ul><li>Mentalidade que influenciou desde os gregos até o Renascimento. </li></ul><ul><li>Vigora até hoje nas feiras, nos supermercados! </li></ul>
    8. 8. Era do Controle Estatístico <ul><li>Pioneiro na aplicação da estatística ao controle de qualidade. </li></ul><ul><li>Em 1924, preparou o primeiro rascunho das chamadas cartas de controle. </li></ul><ul><li>Adoção lenta. </li></ul>Walter A. Shewhart
    9. 9. Carta Controle
    10. 10. <ul><li>Observação direta do produto/serviço pelo fornecedor, ao final do processo produtivo </li></ul><ul><li>Produtos e serviços inspecionados com base em amostragens. </li></ul><ul><li>Criação a partir da ascensão das grandes empresas, da produção massificada do pós-Segunda Guerra. </li></ul><ul><li>Programa de treinamento para indústria bélica: atraiu professores universitários de controle de qualidade. </li></ul><ul><li>William Deming: especilista em técnicas de amostragens e discípulo de Shewart. </li></ul>
    11. 11. Departamento de Controle da Qualidade <ul><li>A qualidade, que era um trabalho de todos, acabava sendo um trabalho de ninguém. </li></ul><ul><li>Armand Feigenbaum, defendeu a criação de departamento específico. </li></ul><ul><li>Fazer certo da primeira vez versus prevenção de defeitos. </li></ul>Armand V. Feigenbaum
    12. 12. <ul><li>Preparar e ajudar a administrar o programa da qualidade: estabelecer padrões, avaliar o desempenho, agir quando necessário e planejar aprimoramentos. </li></ul><ul><li>Incentivar o treinamento e a pesquisa do controle de qualidade. </li></ul><ul><li>Papel de coordenação para que a qualidade tivesse um foco. </li></ul><ul><li>Empresas que preferiam arcar com custos de reparos do que evitá-los. </li></ul>
    13. 13. Era da Qualidade Total <ul><li>Versão evoluída das proposições de Feigenbaum – Total Quality Control (TQC) </li></ul><ul><li>Foco no cliente: a qualidade quem estabelece é ele. </li></ul><ul><li>Características dos produtos e serviços com qualidade total: marketing, engenharia, suprimentos, produção, inspeção, expedição e assistência técnica. </li></ul>
    14. 14. Sistema de Qualidade <ul><li>A qualidade é problema de todos. </li></ul><ul><li>Deixa de ser atributo apenas do produto/serviço, deixa de ser responsabilidade exclusiva do departamento da qualidade. </li></ul><ul><li>Integração entre pessoas, máquinas, informações, recursos. </li></ul><ul><li>Estrutura de trabalho que orienta as ações das pessoas, máquinas e informações da melhor maneira e mais prática para assegurar a satisfação do cliente. </li></ul>
    15. 15. 3. Escola Japonesa de qualidade total <ul><li>A reconstrução de um país. Deming e o milagre japonês. Juran e sua contribuição ao Japão. Ishikawa e a qualidade total. Os 14 pontos de Deming. Diagrama de Ishikawa. A filosofia 5S. </li></ul>
    16. 16. A reconstrução de um país <ul><li>Qualidade: uma obsessão nacional </li></ul><ul><li>JUSE (Union of Japanese Scientistis and Engineers) </li></ul><ul><li>Deming: consultor em estudos estatísticos </li></ul><ul><ul><li>Primeira visita ao Japão: assistência às forças de ocupação americanas </li></ul></ul><ul><ul><li>Segunda visita ao Japão: conferências sobre estatística e gestão da qualidade </li></ul></ul><ul><li>Métodos estatísticos na reconstrução do Japão </li></ul>
    17. 17. Deming e o milagre japonês <ul><li>Apoio dos estudantes </li></ul><ul><li>Apoio da alta administração </li></ul><ul><li>Estados Unidos versus Japão </li></ul><ul><li>Ciclo Deming (ou PDCA) </li></ul>
    18. 18. Juran e sua contribuição ao Japão <ul><li>Qualidade à estratégia empresarial </li></ul><ul><li>Controle da qualidade se aplica não apenas à manufatura e à inspeção, mas também, às áreas funcionais e a todas as operações da organização </li></ul><ul><li>Cursos e seminários de controle da qualidade destinados à alta e média gerência </li></ul><ul><li>Trilogia Juran </li></ul>
    19. 19. Ishikawa e a qualidade total <ul><li>Filosofia de administração da qualidade: controle de qualidade total </li></ul><ul><li>Principais contribuições foi a criação dos seus sete instrumentos do controle de qualidade: </li></ul><ul><ul><li>análise de Pareto; </li></ul></ul><ul><ul><li>diagramas de causa-efeito (hoje chamados de Ishikawa); </li></ul></ul><ul><ul><li>histogramas; </li></ul></ul><ul><ul><li>folhas de controle; </li></ul></ul><ul><ul><li>diagramas de escada; </li></ul></ul><ul><ul><li>gráficos de controle; </li></ul></ul><ul><ul><li>fluxos de controle. </li></ul></ul><ul><li>Ishikawa é mais conhecido pelos seus Círculos de Qualidade e pelo seu universal digrama de Ishikawa. </li></ul>
    20. 20. Os 14 pontos de Deming <ul><li>Criar constância de propósito de aperfeiçoamento do produto e serviço, a fim de torná-los competitivos, perpetuá-los no mercado e gerar empregos. </li></ul><ul><li>Adotar uma nova filosofia. Vivemos numa nova era econômica. A administração ocidental deve despertar para o desafio, conscientizar-se de suas responsabilidade e assumir a liderança em direção à transformação. </li></ul><ul><li>Acabar com a dependência de inspeção para a obtenção da qualidade. Eliminar a necessidade de inspeção em massa, priorizando a internalização da qualidade do produto. </li></ul><ul><li>Acabar com a prática de negócios compensador baseado apenas no preço. Em vez disso, minimizar o custo total. Insistir na idéia de um único fornecedor para cada item, desenvolvendo relacionamentos duradouros, calcados na qualidade e na confiança. </li></ul><ul><li>Aperfeiçoar constante e continuamente todo o processo de planejamento, produção e serviços, com o objetivo de aumentar a qualidade e a produtividade e, conseqüentemente, reduzir os custos. </li></ul><ul><li>Fornecer treinamento no local de trabalho. </li></ul><ul><li>Adotar e estabelecer liderança. O objetivo da liderança é ajudar as pessoas a realizar um trabalho melhor. Assim como a liderança dos trabalhadores, a liderança empresarial necessita de uma completa reformulação. </li></ul><ul><li>Eliminar o medo. </li></ul><ul><li>Quebrar as barreiras entre departamentos. Os colaboradores dos setores de pesquisa, projetos, vendas, compras ou produção devem trabalhara em equipe, tornando-se capazes de antecipar problemas que possam surgir durante a produção ou durante a utilização dos produtos ou serviços. </li></ul><ul><li>Eliminar slogans, exortações, e metas dirigidas aos empregados. </li></ul><ul><li>Eliminar padrões artificiais (cotas numéricas) para o chão de fábrica, a administração por objetivos (APO) e a administração através de números e metas numéricas. </li></ul><ul><li>Remover barreiras que despojem as pessoas de orgulho no trabalho. A atenção dos supervisores deve voltar-se para a qualidade e não para números. Remover as barreiras que usurpam dos colaboradores das áreas administrativas e de planejamento/engenharia o justo direito de orgulhar-se do produto de seu trabalho. Isso significa a abolição das avaliações de desempenho ou de mérito e da administração por objetivos ou por números. </li></ul><ul><li>Estabelecer um programa rigoroso de educação e auto-aperfeiçoamento para todo o pessoal. </li></ul><ul><li>Colocar todos da empresa para trabalhar de modo a realizar a transformação. A transformação é tarefa de todos. </li></ul>
    21. 21. Diagrama de Ishikawa <ul><li>Qual é o propósito do Diagrama de Ishikawa? </li></ul><ul><li>Ajudar a equipe a ver para além dos sintomas e evidenciar as causas potenciais. </li></ul><ul><li>Fornecer uma estrutura simples para o esforço de identificação das causas. </li></ul><ul><li>Garantir a existência de uma lista de ideias equilibrada (gerada numa sessão de barinstorming anterior), e que nenhuma causa potencial seja esquecida na lista. </li></ul><ul><li>Quando devemos usar o Diagrama de Ishikawa? </li></ul><ul><li>Funciona melhor para identificar as causas quando já existe uma ideia muito clara de qual é o problema. </li></ul><ul><li>Pode também ser usada como uma forma de prevenir problemas futuros, fazendo brainstorming’s para encontrar formas de conter ou manter um problema conhecido. </li></ul><ul><li>Como criar e usar o Diagrama de Ishikawa? </li></ul><ul><li>Tutorial: http:// nicexipi . org /2008/06/o-que-e-um-diagrama-de- ishikawa / </li></ul>
    22. 22. A filosofia 5S <ul><li>Seiri ( 整理 ): Refere-se à prática de verificar todas as ferramentas, materiais, etc. na área de trabalho e manter somente os itens essenciais para o trabalho que está sendo realizado. Este processo conduz a uma diminuição dos obstáculos à produtividade do trabalho. </li></ul><ul><li>Seiton ( 整頓 ): Enfoca a necessidade de um espaço organizado. A organização , neste sentido, refere-se à disposição das ferramentas e equipamentos em uma ordem que permita o fluxo do trabalho. O processo deve ser feito de forma a eliminar os movimentos desnecessários. </li></ul><ul><li>Seisō ( 清掃 ): Designa a necessidade de manter o mais limpo possível o espaço de trabalho. O foco deste procedimento é lembrar que a limpeza deve ser parte do trabalho diário, e não uma mera atividade ocasional quando os objetos estão muito desordenados. </li></ul><ul><li>Seiketsu ( 清潔 ): Criar normas e sistemáticas em que todos devem cumprir. Tudo deve ser devidamente documentado. A gestão visual é fundamental para fácil entendimento de cada norma. </li></ul><ul><li>Shitsuke ou Shuukan ( 躾 ) ( 習慣 ): Refere-se à manutenção e revisão dos padrões. Uma vez que os 4 Ss anteriores tenham sido estabelecidos, transformam-se numa nova maneira de trabalhar, não permitindo um regresso às antigas práticas. Entretanto, quando surge uma nova melhoria, ou uma nova ferramenta de trabalho, ou a decisão de implantação de novas práticas, pode ser aconselhável a revisão dos quatro princípios anteriores. </li></ul>
    23. 23. ISO: O que é? <ul><li>Organização Internacional de Normalização; </li></ul><ul><li>Fundada em 1974 em Genebra; </li></ul><ul><li>Presente em 120 paises; </li></ul><ul><li>Promove a Normalização de produtos e serviços; </li></ul><ul><li>No Brasil o orgão que representa a ISO é a ABNT(Associação Brasileira de normas técnicas). </li></ul>
    24. 24. ISO 9001:2000 <ul><li>As Empresas devem seguir alguns pontos básicos para serem certificadas, dentre esses estão: </li></ul><ul><li>1-Padronização de todos os processos chaves do negócio, processos que afetam o produto e consequentemente o cliente; </li></ul><ul><li>2- Monitoramento e medição dos processos de fabricação para assegurar a qualidade do produto/serviço, através de indicadores de performance e desvios; Implementar e manter os registros adequados e necessários para garantir a rastreabilidade do processo; </li></ul>
    25. 25. ISO 9001:2000 <ul><li>3-  Inspeção de qualidade e meios apropriados de ações corretivas quando necessário; </li></ul><ul><li>4 - Revisão sistemática dos processos e do sistema da qualidade para garantir sua eficácia. </li></ul>
    26. 26. Premios de Qualidade <ul><li>1951: Japão; </li></ul><ul><li>Premio Deming de Qualidade , homenagem ao professor W.E Deming. </li></ul><ul><li>1959: Estados Unidos; </li></ul><ul><ul><ul><li>Primeiro Premio relacionado ao gerenciamento para a Qualidade; </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Medalha Edward criada pela ASQC(Sociedade Americana de Controle de Qualidade). </li></ul></ul></ul>
    27. 27. Premios de Qualidade <ul><li>1987: Estados Unidos; </li></ul><ul><ul><ul><li>Premio Malcon Braldige. </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Por iniciativa do NIST(Instituto Nacional de Normas e Tecnologia; </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Baseado em uma série de critérios que caracterizam a Gestão da Qualidade. </li></ul></ul></ul>
    28. 28. Premios de Qualidade <ul><li>1991: Brasil; </li></ul><ul><ul><ul><li>PNQ(Premio Nacional da Qualidade; </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Foi criado com uma das estratégias definidas pelo PBQP(Programa Brasileiro de Qualidade e Produtividade.) </li></ul></ul></ul>
    29. 29. FNQ <ul><li>Fundação Nacional da Qualidade;Criada em Outubro de 1991 por 39 organizações dos setores publicos e privados; </li></ul><ul><li>11 fundamentos para se atingir á excelência; </li></ul><ul><li>Para a Empresa que busca constantemente se aperfeiçoar e se adaptar as mudanças globais. </li></ul>
    30. 30. FNQ <ul><li>Pensamento Sistêmico : valorização de clientes, parceiros e fornecedores; </li></ul><ul><li>Aprendizado Organizacional : compartilhar Conhecimento e Aprendizado Coletivo; </li></ul><ul><li>Cultura de Inovação : incentivo a gerar novas idéias e desejo de fazer coisas de maneira diferente; </li></ul><ul><li>Liderança e Constância de Propósitos : O lider deve participar ativamente na sua organização e construir um relacionamento baseadp no respeito e confiança; </li></ul>
    31. 31. FNQ <ul><li>5- Orientação por Processos e Informações: conhecer as necessidades e expectativas dos clientes , obtendo a satisfação dos mesmos; </li></ul><ul><li>6- Visão de Futuro : pensar e planejar estrategicamente; </li></ul><ul><li>7- Geração de Valor : gerar valor para todas as partes interessadas, assegurando o desenvolvimento da organização; </li></ul><ul><li>8- Valorizaçao de Pessoas : investir na potencialidade das pessoas, assegurando seu bem-estar e satisfação; </li></ul>
    32. 32. FNQ <ul><li>9- Conhecimento sobre o Cliente e o Mercado : conhecer suas necessidades atuais e antecipar suas epectativas, estabelecendo relações duradouras; </li></ul><ul><li>10- Desenvolvimento de Parcerias: agrega valores para a organizaçao; </li></ul><ul><li>11- Responsabilidade Social : a organizacao deve buscar o desenvolvimento sustentável. </li></ul>
    33. 33. FNQ <ul><li>São 8 os critérios estabelecidos pela FNQ para que se concorra ao Premio de Excelencia de Gestão da Qualidade: </li></ul><ul><li>1- Liderança (examina o sistema de Liderança da Organização); </li></ul><ul><li>2-Estratégias e Planos (examina a formulação de estratégias e análise do mercado); </li></ul><ul><li>3- Clientes( examina como a organização segmenta o mercado e identifica as necessidades e expectativas dos clientes); </li></ul><ul><li>4- Sociedade ( como a organizaçào contribui para o desenvolvimento economico, social e ambiental de forma sustentável); </li></ul>
    34. 34. FNQ <ul><li>5- Informações e Conhecimento ( examina a gestao e a utilizaçao das informaçoes pertinentes); </li></ul><ul><li>6- Pessoas ( examina como a empresa explora o potencial de seus funcionários); </li></ul><ul><li>7- Processos (examina como a organizaçao gerencia o processo de relacionamento com fornecedres); </li></ul><ul><li>8- R esultados ( examina os resultados relevantes da organizaçao). </li></ul>
    35. 35. Bibliografia consultada <ul><li>5S. In: WIKIPÉDIA, a enciclopédia livre. Flórida: Wikimedia Foundation, 2010. Disponível em: < http://pt. wikipedia . org /w/ index . php ? title =5S& oldid =22042260 >. Acesso em: 8 out. 2010. </li></ul><ul><li>CICLO PDCA. In: WIKIPÉDIA, a enciclopédia livre. Flórida: Wikimedia Foundation, 2010. Disponível em: < http://pt. wikipedia . org /w/ index . php ? title =Ciclo_PDCA& oldid =22027678 >. Acesso em: 8 out. 2010. </li></ul><ul><li>JOSEPH MOSES JURAN. In: WIKIPÉDIA, a enciclopédia livre. Flórida: Wikimedia Foundation, 2009. Disponível em: < http://pt. wikipedia . org /w/ index . php ? title =Joseph_ Moses _ Juran & oldid =18192947 >. Acesso em: 8 out. 2010. </li></ul><ul><li>KAORU ISHIKAWA. In: WIKIPÉDIA, a enciclopédia livre. Flórida: Wikimedia Foundation, 2010. Disponível em: < http://pt.wikipedia.org/w/index.php?title=Kaoru_Ishikawa&oldid=21151288 >. Acesso em: 8 out. 2010. </li></ul><ul><li>MANN, N. R. Deming: as chaves da excelência. São Paulo: Makron: McGraw-Hill, 1992. </li></ul><ul><li>MAXIMIANO, A. C. A. Teoria geral da administração: da revolução urbana à revolução digital. 3. ed. rev. e atual. São Paulo: Atlas, 2002. </li></ul><ul><li>W. EDWARDS DEMING. In: WIKIPÉDIA, a enciclopédia livre. Flórida: Wikimedia Foundation, 2010. Disponível em: < http://pt.wikipedia.org/w/index.php?title=W._Edwards_Deming&oldid=21964585 >. Acesso em: 8 out. 2010. </li></ul><ul><li>MOREIRA, F. A. F. Diagrama de Ishikawa, o que é? NiceXipi: Lean Manufacturing, Web, Simplicidade e tudo o que há pelo meio. 15 set. 2008. Disponível em: < http://nicexipi.org/2008/06/o-que-e-um-diagrama-de-ishikawa/ >. Acesso em: 08 out. 2010. </li></ul><ul><li>MOREIRA, F. A. F. Kaoru Ishikawa: mais do que o pai do diagrama Ishikawa. NiceXipi: Lean Manufacturing, Web, Simplicidade e tudo o que há pelo meio. 15 set. 2008. Disponível em: < http ://nicexipi.org/2008/09/kaoru-ishikawa-mais-do-que-o-pai-do-diagrama-com-o-seu-nome / >. Acesso em: 08 out. 2010. </li></ul>
    36. 36. Obrigada pela atenção! <ul><li>Bruna Silva Lara </li></ul><ul><li>Camila Ribeiro </li></ul><ul><li>Laura Akie Saito Inafuko </li></ul><ul><li>Marcela Cecília Inácio Evangelista </li></ul>

    ×