SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 37
Clínica médica, conservação e
manejo de animais selvagens
P R O F. M AR Í L I A G O M E S
Conceitos
Animais domésticos: raças
e espécies selecionadas ao
longo da história, que foram,
natural ou geneticamente
adaptadas para conviver com
o ser humano
Conceitos
Animais selvagens ou
silvestres: raças e espécies
que vivem ou nascem em
um ecossistema natural -
como florestas, rios e
oceanos
Conceitos
Animais nativos: pertencem a
fauna do ambiente em que se
encontram
Conceitos
Animais exóticos: não são
típicos do habitat em que
estão, normalmente
são introduzidos pela ação
humana
Cuidado com as definições!
Biossegurança
Biosseguridade
Biossegurança
• Indica normas e procedimentos relacionados a saúde
humana, estes são permanentes e normalmente
inflexíveis, a não ser para se tornarem ainda mais
restritivos (Sesti, 2004).
Biosseguridade
• Definida como a prática de medidas que visam minimizar
riscos e impactos de enfermidades ou presença de
resíduos (biológicos, químicos ou físicos) em populações
animais ou nos produtos derivados destes (Soncini,
2007).
BIOSSEGURANÇA
• Saúde humana
• Normas permanentes
• 0% de riscos
• 100% proteção
• Princípios da precaução
BIOSSEGURIDADE
• Saúde animal
• Normas flexíveis
• Riscos assumidos
• Prevenção e seguridade
• Medicina veterinária preventiva
• A única maneira de se manterem livres ou controlados os
sistemas de criação, no que diz respeito à presença de
agentes de enfermidades de alto impacto econômico e/ou
perigosos para a saúde pública (zoonoses), é através da
utilização de um efetivo programa de biosseguridade.
• Deverá contemplar todos os aspectos gerais da medicina
veterinária preventiva bem como, conter aspectos
direcionados a cada sistema de criação em particular.
Na prática significa
• Implantação e desenvolvimento de um conjunto de políticas e
normas operacionais rígidas que terão a função de proteger os
criatórios contra a introdução de quaisquer tipos de agentes
infecciosos (Moretti, 2007).
• Estabelecimento de um nível de segurança de seres vivos por
meio da diminuição do risco de ocorrência de enfermidades
agudas e crônicas em uma população (Moretti, 2007).
Conjunto de medidas e procedimentos de cuidados
com a saúde dos animais, aplicados em todas as
etapas da criação (Jaenisch, 2004)
E PORQUE ISSO???
• Doenças infecciosas naturalmente transmitidas entre
animais e seres humanos
• Microrganismos como bactérias, fungos, vírus, helminto
s e rickettsias
• Antropozoonoses: animal --> homem
• Zooantroponoses: homem --> animal
ZOONOSES
Lembrem-se
• Medidas de biosseguridade funcionam integradas, requer
muita disciplina e são caras
• É um investimento que preserva a saúde dos animais
• Prevenir sempre foi e sempre será mais viável do que
qualquer tipo de perdas causadas por enfermidades
• Um programa planejado permite uma cultura de higiene,
cujos benefícios obtidos se evidenciam na melhor
conversão alimentar, melhor ganho de peso diário, redução
do uso de vacinas e medicamentos e, consequentemente
redução da mortalidade garantindo assim, bem-estar
animal
• As boas práticas contempladas no programa de
biosseguridade devem ser revisadas rotineiramente e
modificadas de acordo com mudanças nos objetivos
econômicos, legais e de produtividade em questão.
Por onde
começa um
bom projeto de
biosseguridade
?
Projeto ambiental
Projeto técnico
Escolha e preparo do terreno
Planejamento da atividade
Estudo da viabilidade econômica
Pontos críticos
• Isolamento
• Higienização
• Controle de tráfego/fluxo
• Quarentena/Vacinação/Medicação
• Monitoramento
• Erradicação de doenças
• Auditorias e atualizações
• Educação continuada
• O Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos
Naturais Renováveis (IBAMA), por meio da Instrução
Normativa nº 169/2008, determina nove categorias de
uso e manejo de fauna em cativeiro, a saber:
zoológicos
centros de
triagem (CETAS)
centros de
reabilitação
(CRAS)
mantenedor de
fauna
criadouro
comercial de
fauna silvestre
criadouro
científico de fauna
silvestre para fins
de pesquisa
criadouro
científico de fauna
silvestre para fins
de conservação
estabelecimento
comercial de
fauna silvestre
abatedouro de
fauna silvestre
• Cada categoria demanda condições específicas de
funcionamento, considerando as espécies a serem
mantidas, criadas e/ou abatidas, além das exigências
administrativas e de infraestrutura.
Zoológicos
• Surgiram como consequência da curiosidade inata do homem pela
vida selvagem. Durante séculos, esses espaços serviram unicamente
para o lazer, sem qualquer preocupação com o bem-estar e saúde
dos animais. Nos dias atuais, desempenham importantes funções
socioambientais, destacando-se sua contribuição para estratégias
globais de conservação da biodiversidade, além de serem importantes
centros de pesquisa e conscientização ambiental, pois a eles afluem
milhões de visitantes todos os anos.
Cetas
• Centros de Triagem de Animais Silvestres - Ibama
• Unidades responsáveis pelo manejo dos animais
silvestres que são recebidos de ação fiscalizatória, resgate
ou entrega voluntária de particulares
Cetas
• Finalidade: receber, identificar, marcar, triar,
avaliar, recuperar, reabilitar e destinar esses animais
silvestres, com o objetivo maior de devolvê-los à natureza,
além de realizar e subsidiar pesquisas científicas, ensino e
extensão
IBAMA
A extinção é para sempre!
A rápida expansão da população humana e a utilização pouco
sustentável dos recursos naturais do Planeta, representam um
forte impacto sobre a biodiversidade que, consequentemente,
está a diminuir de forma avassaladora ao longo dos últimos
anos. A vida na Terra está ameaçada.
Jardins zoológicos, aquários, parques e reservas da vida
selvagem, assumem atualmente um papel fundamental para
a sobrevivência das espécies em vias de extinção. Em
conjunto, estas instituições, são hoje verdadeiras Arcas de
Noé.
Contribuem e colaboram
através da educação, da
investigação científica e da
implementação ao nível local,
europeu e mundial, de
medidas de conservação das
espécies e dos seus habitats
até à reintrodução de espécies
na natureza.
Nos próximos 25 anos, 1/4 de
todas as espécies de mamíferos e
uma em cada oito espécies de
aves correm o risco de extinção.
Estado de
conservação
por risco de
extinção
Extinto
• Extinto (EX)
• Extinta na natureza (EW)
Ameaçado
• Criticamente em perigo (CR)
• Em perigo (EN)
• Vulnerável (VU)
Baixo risco
• Dependente de conservação
• Quase ameaçada (NT)
• Pouco preocupante (LC)
Outras categorias
• Dados deficientes (DD)
• Não avaliada (NE)
Extinção
EM BIOLOGIA E ECOLOGIA É O TOTAL
DESAPARECIMENTO DE ESPÉCIES,
SUBESPÉCIES OU GRUPOS DE
ESPÉCIES.
Conservação IN SITU
Conservação EX SITU
OBRIGADA

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 1 2-introdução à aquacultura
Aula 1 2-introdução à aquaculturaAula 1 2-introdução à aquacultura
Aula 1 2-introdução à aquaculturaIvaristo Americo
 
Doenca de Carbúnculo Hemático e Sintomático de Animal.
Doenca de Carbúnculo Hemático e Sintomático de Animal.Doenca de Carbúnculo Hemático e Sintomático de Animal.
Doenca de Carbúnculo Hemático e Sintomático de Animal.Alarindo Salvador Dos Santos
 
Avicultura
AviculturaAvicultura
Aviculturamatheush
 
Caça ilegal-de-animais-salvo-automaticamente (2)
Caça ilegal-de-animais-salvo-automaticamente (2)Caça ilegal-de-animais-salvo-automaticamente (2)
Caça ilegal-de-animais-salvo-automaticamente (2)Maria Teresa Iannaco Grego
 
1 introdução à zootecnia
1 introdução à zootecnia1 introdução à zootecnia
1 introdução à zootecniagepaunipampa
 
Panorama da avicultura
Panorama da aviculturaPanorama da avicultura
Panorama da aviculturaMarília Gomes
 
Ambiência, Comportamento e Bem-Estar de Bovinos Leiteiros
Ambiência, Comportamento e Bem-Estar de Bovinos Leiteiros Ambiência, Comportamento e Bem-Estar de Bovinos Leiteiros
Ambiência, Comportamento e Bem-Estar de Bovinos Leiteiros Agricultura Sao Paulo
 
Abate humanitário de suínos!
Abate humanitário de suínos!Abate humanitário de suínos!
Abate humanitário de suínos!Raquel Jóia
 
Programa Nacional de sanidade dos suídeos
Programa Nacional de sanidade dos suídeosPrograma Nacional de sanidade dos suídeos
Programa Nacional de sanidade dos suídeosMarília Gomes
 
Aula 6 introdução à inspeção e inspeção ante mortem
Aula 6   introdução à inspeção e inspeção ante mortemAula 6   introdução à inspeção e inspeção ante mortem
Aula 6 introdução à inspeção e inspeção ante mortemEduardoViola4
 
Biosseguridade e Biossegurança
Biosseguridade e BiossegurançaBiosseguridade e Biossegurança
Biosseguridade e BiossegurançaSávio Bessa
 
2 - TAXONOMIA ZOOTÉCNICA.pdf
2 - TAXONOMIA ZOOTÉCNICA.pdf2 - TAXONOMIA ZOOTÉCNICA.pdf
2 - TAXONOMIA ZOOTÉCNICA.pdfRodrigoMenck2
 
Biosseguridade em suínos e aves
Biosseguridade em suínos e avesBiosseguridade em suínos e aves
Biosseguridade em suínos e avesMarília Gomes
 
Ação da temperatura sobre os animais domésticos
Ação da temperatura sobre os animais domésticosAção da temperatura sobre os animais domésticos
Ação da temperatura sobre os animais domésticosmarianarhaylla
 
ICSC48 - Aspectos éticos na experimentação animal
ICSC48 - Aspectos éticos na experimentação animalICSC48 - Aspectos éticos na experimentação animal
ICSC48 - Aspectos éticos na experimentação animalRicardo Portela
 

Mais procurados (20)

Aula 1 2-introdução à aquacultura
Aula 1 2-introdução à aquaculturaAula 1 2-introdução à aquacultura
Aula 1 2-introdução à aquacultura
 
Doenca de Carbúnculo Hemático e Sintomático de Animal.
Doenca de Carbúnculo Hemático e Sintomático de Animal.Doenca de Carbúnculo Hemático e Sintomático de Animal.
Doenca de Carbúnculo Hemático e Sintomático de Animal.
 
Avicultura
AviculturaAvicultura
Avicultura
 
Caça ilegal-de-animais-salvo-automaticamente (2)
Caça ilegal-de-animais-salvo-automaticamente (2)Caça ilegal-de-animais-salvo-automaticamente (2)
Caça ilegal-de-animais-salvo-automaticamente (2)
 
1 introdução à zootecnia
1 introdução à zootecnia1 introdução à zootecnia
1 introdução à zootecnia
 
Aula 1 introdução tpoa
Aula 1   introdução tpoaAula 1   introdução tpoa
Aula 1 introdução tpoa
 
Panorama da avicultura
Panorama da aviculturaPanorama da avicultura
Panorama da avicultura
 
Ambiência, Comportamento e Bem-Estar de Bovinos Leiteiros
Ambiência, Comportamento e Bem-Estar de Bovinos Leiteiros Ambiência, Comportamento e Bem-Estar de Bovinos Leiteiros
Ambiência, Comportamento e Bem-Estar de Bovinos Leiteiros
 
Reprodução Artificial de Peixes
Reprodução Artificial de PeixesReprodução Artificial de Peixes
Reprodução Artificial de Peixes
 
Abate humanitário de suínos!
Abate humanitário de suínos!Abate humanitário de suínos!
Abate humanitário de suínos!
 
Programa Nacional de sanidade dos suídeos
Programa Nacional de sanidade dos suídeosPrograma Nacional de sanidade dos suídeos
Programa Nacional de sanidade dos suídeos
 
Aula 6 introdução à inspeção e inspeção ante mortem
Aula 6   introdução à inspeção e inspeção ante mortemAula 6   introdução à inspeção e inspeção ante mortem
Aula 6 introdução à inspeção e inspeção ante mortem
 
Biosseguridade e Biossegurança
Biosseguridade e BiossegurançaBiosseguridade e Biossegurança
Biosseguridade e Biossegurança
 
2 - TAXONOMIA ZOOTÉCNICA.pdf
2 - TAXONOMIA ZOOTÉCNICA.pdf2 - TAXONOMIA ZOOTÉCNICA.pdf
2 - TAXONOMIA ZOOTÉCNICA.pdf
 
Biosseguridade em suínos e aves
Biosseguridade em suínos e avesBiosseguridade em suínos e aves
Biosseguridade em suínos e aves
 
Abate animal
Abate animalAbate animal
Abate animal
 
Ação da temperatura sobre os animais domésticos
Ação da temperatura sobre os animais domésticosAção da temperatura sobre os animais domésticos
Ação da temperatura sobre os animais domésticos
 
Medicina de répteis
Medicina de répteisMedicina de répteis
Medicina de répteis
 
Avicultura
AviculturaAvicultura
Avicultura
 
ICSC48 - Aspectos éticos na experimentação animal
ICSC48 - Aspectos éticos na experimentação animalICSC48 - Aspectos éticos na experimentação animal
ICSC48 - Aspectos éticos na experimentação animal
 

Semelhante a Cuidados com animais selvagens

Aula 1 - Biodiversidade e os Recursos Genéticos [Salvo automaticamente].pptx
Aula 1 - Biodiversidade e os Recursos Genéticos [Salvo automaticamente].pptxAula 1 - Biodiversidade e os Recursos Genéticos [Salvo automaticamente].pptx
Aula 1 - Biodiversidade e os Recursos Genéticos [Salvo automaticamente].pptxUERGS
 
Sequência didática alimentos meio ambiente sustentabilidade
Sequência didática alimentos meio ambiente sustentabilidadeSequência didática alimentos meio ambiente sustentabilidade
Sequência didática alimentos meio ambiente sustentabilidadeLúcio Kobayakawa
 
Aula de ecologia 01
Aula de ecologia 01Aula de ecologia 01
Aula de ecologia 01senesunetec
 
Programa de controle sanitario bioterios
Programa de controle sanitario bioteriosPrograma de controle sanitario bioterios
Programa de controle sanitario bioteriosAndré Santos
 
Aula 04 manejo_sanitario_na_piscicultura
Aula 04 manejo_sanitario_na_pisciculturaAula 04 manejo_sanitario_na_piscicultura
Aula 04 manejo_sanitario_na_pisciculturaAdimar Cardoso Junior
 
Produção industrial de alimentos e seus impactos
Produção industrial de alimentos e seus impactosProdução industrial de alimentos e seus impactos
Produção industrial de alimentos e seus impactosJuliana Nólibos
 
Biologia da conservação seminário sobre história natural e auto-ecologia es...
Biologia da conservação   seminário sobre história natural e auto-ecologia es...Biologia da conservação   seminário sobre história natural e auto-ecologia es...
Biologia da conservação seminário sobre história natural e auto-ecologia es...Manoel Santhos
 
apresentação RICARDO 05_06_2023.ppt
apresentação RICARDO 05_06_2023.pptapresentação RICARDO 05_06_2023.ppt
apresentação RICARDO 05_06_2023.pptZE RIKI
 
Extincao de especies
Extincao de especiesExtincao de especies
Extincao de especiesInês Albano
 
Teoria e métodos em Agroecologia
Teoria e métodos em AgroecologiaTeoria e métodos em Agroecologia
Teoria e métodos em AgroecologiaDiogo Silva
 
Proposta de translocação da Elefanta Maison para o município de Ribeirão Pret...
Proposta de translocação da Elefanta Maison para o município de Ribeirão Pret...Proposta de translocação da Elefanta Maison para o município de Ribeirão Pret...
Proposta de translocação da Elefanta Maison para o município de Ribeirão Pret...Gabriel Clemente
 
PapoVet - Riscos Alimentares na Produção, Distribuição e Comercialização
PapoVet - Riscos Alimentares na Produção, Distribuição e ComercializaçãoPapoVet - Riscos Alimentares na Produção, Distribuição e Comercialização
PapoVet - Riscos Alimentares na Produção, Distribuição e ComercializaçãoInstituto Qualittas de Pós Graduação
 
Clinica Veterinaria são paulo zona sul
Clinica Veterinaria são paulo zona sulClinica Veterinaria são paulo zona sul
Clinica Veterinaria são paulo zona sulmurcial870
 
Biologia ambiental e células tronco.
Biologia ambiental e células tronco.Biologia ambiental e células tronco.
Biologia ambiental e células tronco.Rayanne Almeida
 

Semelhante a Cuidados com animais selvagens (20)

Aula 1 - Biodiversidade e os Recursos Genéticos [Salvo automaticamente].pptx
Aula 1 - Biodiversidade e os Recursos Genéticos [Salvo automaticamente].pptxAula 1 - Biodiversidade e os Recursos Genéticos [Salvo automaticamente].pptx
Aula 1 - Biodiversidade e os Recursos Genéticos [Salvo automaticamente].pptx
 
Ecologia geral aula 02
Ecologia geral aula 02Ecologia geral aula 02
Ecologia geral aula 02
 
Sequência didática alimentos meio ambiente sustentabilidade
Sequência didática alimentos meio ambiente sustentabilidadeSequência didática alimentos meio ambiente sustentabilidade
Sequência didática alimentos meio ambiente sustentabilidade
 
Aula de ecologia 01
Aula de ecologia 01Aula de ecologia 01
Aula de ecologia 01
 
Programa de controle sanitario bioterios
Programa de controle sanitario bioteriosPrograma de controle sanitario bioterios
Programa de controle sanitario bioterios
 
Aula 04 manejo_sanitario_na_piscicultura
Aula 04 manejo_sanitario_na_pisciculturaAula 04 manejo_sanitario_na_piscicultura
Aula 04 manejo_sanitario_na_piscicultura
 
Produção industrial de alimentos e seus impactos
Produção industrial de alimentos e seus impactosProdução industrial de alimentos e seus impactos
Produção industrial de alimentos e seus impactos
 
Biologia da conservação seminário sobre história natural e auto-ecologia es...
Biologia da conservação   seminário sobre história natural e auto-ecologia es...Biologia da conservação   seminário sobre história natural e auto-ecologia es...
Biologia da conservação seminário sobre história natural e auto-ecologia es...
 
apresentação RICARDO 05_06_2023.ppt
apresentação RICARDO 05_06_2023.pptapresentação RICARDO 05_06_2023.ppt
apresentação RICARDO 05_06_2023.ppt
 
Biodiversidade
BiodiversidadeBiodiversidade
Biodiversidade
 
Conservação ambiental
Conservação ambientalConservação ambiental
Conservação ambiental
 
Extincao de especies
Extincao de especiesExtincao de especies
Extincao de especies
 
Teoria e métodos em Agroecologia
Teoria e métodos em AgroecologiaTeoria e métodos em Agroecologia
Teoria e métodos em Agroecologia
 
Proposta de translocação da Elefanta Maison para o município de Ribeirão Pret...
Proposta de translocação da Elefanta Maison para o município de Ribeirão Pret...Proposta de translocação da Elefanta Maison para o município de Ribeirão Pret...
Proposta de translocação da Elefanta Maison para o município de Ribeirão Pret...
 
Intro
IntroIntro
Intro
 
PapoVet - Riscos Alimentares na Produção, Distribuição e Comercialização
PapoVet - Riscos Alimentares na Produção, Distribuição e ComercializaçãoPapoVet - Riscos Alimentares na Produção, Distribuição e Comercialização
PapoVet - Riscos Alimentares na Produção, Distribuição e Comercialização
 
Veterinaria Governo
Veterinaria GovernoVeterinaria Governo
Veterinaria Governo
 
Parasitologia
ParasitologiaParasitologia
Parasitologia
 
Clinica Veterinaria são paulo zona sul
Clinica Veterinaria são paulo zona sulClinica Veterinaria são paulo zona sul
Clinica Veterinaria são paulo zona sul
 
Biologia ambiental e células tronco.
Biologia ambiental e células tronco.Biologia ambiental e células tronco.
Biologia ambiental e células tronco.
 

Mais de Marília Gomes

Possibilidades de tratamentos integrativos na medicina veterinária
Possibilidades de tratamentos integrativos na medicina veterináriaPossibilidades de tratamentos integrativos na medicina veterinária
Possibilidades de tratamentos integrativos na medicina veterináriaMarília Gomes
 
Patologias do sistema reprodutor
Patologias do sistema reprodutorPatologias do sistema reprodutor
Patologias do sistema reprodutorMarília Gomes
 
Patologias do sistema urinário
Patologias do sistema urinárioPatologias do sistema urinário
Patologias do sistema urinárioMarília Gomes
 
Bem-estar em avicultura e suinocultura
Bem-estar em avicultura e suinoculturaBem-estar em avicultura e suinocultura
Bem-estar em avicultura e suinoculturaMarília Gomes
 
Principais doenças que acometem aves comerciais
Principais doenças que acometem aves comerciaisPrincipais doenças que acometem aves comerciais
Principais doenças que acometem aves comerciaisMarília Gomes
 
Tratamento via água e ração
Tratamento via água e raçãoTratamento via água e ração
Tratamento via água e raçãoMarília Gomes
 
Medicina de aves selvagens
Medicina de aves selvagensMedicina de aves selvagens
Medicina de aves selvagensMarília Gomes
 
Semiologia de animais selvagens
Semiologia de animais selvagensSemiologia de animais selvagens
Semiologia de animais selvagensMarília Gomes
 
Anatomia topográfica das aves
Anatomia topográfica das avesAnatomia topográfica das aves
Anatomia topográfica das avesMarília Gomes
 
Topografia veterinária - membros torácicos e pélvicos
Topografia veterinária - membros torácicos e pélvicosTopografia veterinária - membros torácicos e pélvicos
Topografia veterinária - membros torácicos e pélvicosMarília Gomes
 
Patologias do sistema respiratório
Patologias do sistema respiratórioPatologias do sistema respiratório
Patologias do sistema respiratórioMarília Gomes
 
patologias do sistema cardiovascular
patologias do sistema cardiovascularpatologias do sistema cardiovascular
patologias do sistema cardiovascularMarília Gomes
 
Topografia veterinária - abdômen
Topografia veterinária - abdômenTopografia veterinária - abdômen
Topografia veterinária - abdômenMarília Gomes
 
Topografia veterinária - tórax
Topografia veterinária - tóraxTopografia veterinária - tórax
Topografia veterinária - tóraxMarília Gomes
 
Pigmentos e pigmentações
Pigmentos e pigmentaçõesPigmentos e pigmentações
Pigmentos e pigmentaçõesMarília Gomes
 
Calcificações patológicas
Calcificações patológicasCalcificações patológicas
Calcificações patológicasMarília Gomes
 
Lesões celulares reversíveis e irreversíveis 15.09.21
Lesões celulares reversíveis e irreversíveis 15.09.21Lesões celulares reversíveis e irreversíveis 15.09.21
Lesões celulares reversíveis e irreversíveis 15.09.21Marília Gomes
 
Topografia veterinária - pescoço e coluna vertebral
Topografia veterinária - pescoço e coluna vertebralTopografia veterinária - pescoço e coluna vertebral
Topografia veterinária - pescoço e coluna vertebralMarília Gomes
 
Topografia veterinária - cabeça
Topografia veterinária - cabeçaTopografia veterinária - cabeça
Topografia veterinária - cabeçaMarília Gomes
 

Mais de Marília Gomes (20)

Possibilidades de tratamentos integrativos na medicina veterinária
Possibilidades de tratamentos integrativos na medicina veterináriaPossibilidades de tratamentos integrativos na medicina veterinária
Possibilidades de tratamentos integrativos na medicina veterinária
 
Patologias do sistema reprodutor
Patologias do sistema reprodutorPatologias do sistema reprodutor
Patologias do sistema reprodutor
 
Patologias do sistema urinário
Patologias do sistema urinárioPatologias do sistema urinário
Patologias do sistema urinário
 
Bem-estar em avicultura e suinocultura
Bem-estar em avicultura e suinoculturaBem-estar em avicultura e suinocultura
Bem-estar em avicultura e suinocultura
 
Principais doenças que acometem aves comerciais
Principais doenças que acometem aves comerciaisPrincipais doenças que acometem aves comerciais
Principais doenças que acometem aves comerciais
 
Necropsia em aves
Necropsia em avesNecropsia em aves
Necropsia em aves
 
Tratamento via água e ração
Tratamento via água e raçãoTratamento via água e ração
Tratamento via água e ração
 
Medicina de aves selvagens
Medicina de aves selvagensMedicina de aves selvagens
Medicina de aves selvagens
 
Semiologia de animais selvagens
Semiologia de animais selvagensSemiologia de animais selvagens
Semiologia de animais selvagens
 
Anatomia topográfica das aves
Anatomia topográfica das avesAnatomia topográfica das aves
Anatomia topográfica das aves
 
Topografia veterinária - membros torácicos e pélvicos
Topografia veterinária - membros torácicos e pélvicosTopografia veterinária - membros torácicos e pélvicos
Topografia veterinária - membros torácicos e pélvicos
 
Patologias do sistema respiratório
Patologias do sistema respiratórioPatologias do sistema respiratório
Patologias do sistema respiratório
 
patologias do sistema cardiovascular
patologias do sistema cardiovascularpatologias do sistema cardiovascular
patologias do sistema cardiovascular
 
Topografia veterinária - abdômen
Topografia veterinária - abdômenTopografia veterinária - abdômen
Topografia veterinária - abdômen
 
Topografia veterinária - tórax
Topografia veterinária - tóraxTopografia veterinária - tórax
Topografia veterinária - tórax
 
Pigmentos e pigmentações
Pigmentos e pigmentaçõesPigmentos e pigmentações
Pigmentos e pigmentações
 
Calcificações patológicas
Calcificações patológicasCalcificações patológicas
Calcificações patológicas
 
Lesões celulares reversíveis e irreversíveis 15.09.21
Lesões celulares reversíveis e irreversíveis 15.09.21Lesões celulares reversíveis e irreversíveis 15.09.21
Lesões celulares reversíveis e irreversíveis 15.09.21
 
Topografia veterinária - pescoço e coluna vertebral
Topografia veterinária - pescoço e coluna vertebralTopografia veterinária - pescoço e coluna vertebral
Topografia veterinária - pescoço e coluna vertebral
 
Topografia veterinária - cabeça
Topografia veterinária - cabeçaTopografia veterinária - cabeça
Topografia veterinária - cabeça
 

Último

Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basicoPRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basicoSilvaDias3
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdfDemetrio Ccesa Rayme
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESPRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESpatriciasofiacunha18
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024GleyceMoreiraXWeslle
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptxErivaldoLima15
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfErasmo Portavoz
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 anoAdelmaTorres2
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasRicardo Diniz campos
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfHenrique Pontes
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptAlineSilvaPotuk
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
ADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mental
ADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mentalADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mental
ADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mentalSilvana Silva
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.HildegardeAngel
 

Último (20)

Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basicoPRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESPRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
ADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mental
ADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mentalADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mental
ADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mental
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
 

Cuidados com animais selvagens

  • 1. Clínica médica, conservação e manejo de animais selvagens P R O F. M AR Í L I A G O M E S
  • 2. Conceitos Animais domésticos: raças e espécies selecionadas ao longo da história, que foram, natural ou geneticamente adaptadas para conviver com o ser humano
  • 3. Conceitos Animais selvagens ou silvestres: raças e espécies que vivem ou nascem em um ecossistema natural - como florestas, rios e oceanos
  • 4. Conceitos Animais nativos: pertencem a fauna do ambiente em que se encontram
  • 5. Conceitos Animais exóticos: não são típicos do habitat em que estão, normalmente são introduzidos pela ação humana
  • 6. Cuidado com as definições!
  • 8. Biossegurança • Indica normas e procedimentos relacionados a saúde humana, estes são permanentes e normalmente inflexíveis, a não ser para se tornarem ainda mais restritivos (Sesti, 2004).
  • 9. Biosseguridade • Definida como a prática de medidas que visam minimizar riscos e impactos de enfermidades ou presença de resíduos (biológicos, químicos ou físicos) em populações animais ou nos produtos derivados destes (Soncini, 2007).
  • 10. BIOSSEGURANÇA • Saúde humana • Normas permanentes • 0% de riscos • 100% proteção • Princípios da precaução BIOSSEGURIDADE • Saúde animal • Normas flexíveis • Riscos assumidos • Prevenção e seguridade • Medicina veterinária preventiva
  • 11. • A única maneira de se manterem livres ou controlados os sistemas de criação, no que diz respeito à presença de agentes de enfermidades de alto impacto econômico e/ou perigosos para a saúde pública (zoonoses), é através da utilização de um efetivo programa de biosseguridade.
  • 12. • Deverá contemplar todos os aspectos gerais da medicina veterinária preventiva bem como, conter aspectos direcionados a cada sistema de criação em particular.
  • 13. Na prática significa • Implantação e desenvolvimento de um conjunto de políticas e normas operacionais rígidas que terão a função de proteger os criatórios contra a introdução de quaisquer tipos de agentes infecciosos (Moretti, 2007). • Estabelecimento de um nível de segurança de seres vivos por meio da diminuição do risco de ocorrência de enfermidades agudas e crônicas em uma população (Moretti, 2007).
  • 14. Conjunto de medidas e procedimentos de cuidados com a saúde dos animais, aplicados em todas as etapas da criação (Jaenisch, 2004) E PORQUE ISSO???
  • 15. • Doenças infecciosas naturalmente transmitidas entre animais e seres humanos • Microrganismos como bactérias, fungos, vírus, helminto s e rickettsias • Antropozoonoses: animal --> homem • Zooantroponoses: homem --> animal ZOONOSES
  • 16. Lembrem-se • Medidas de biosseguridade funcionam integradas, requer muita disciplina e são caras • É um investimento que preserva a saúde dos animais • Prevenir sempre foi e sempre será mais viável do que qualquer tipo de perdas causadas por enfermidades
  • 17. • Um programa planejado permite uma cultura de higiene, cujos benefícios obtidos se evidenciam na melhor conversão alimentar, melhor ganho de peso diário, redução do uso de vacinas e medicamentos e, consequentemente redução da mortalidade garantindo assim, bem-estar animal
  • 18. • As boas práticas contempladas no programa de biosseguridade devem ser revisadas rotineiramente e modificadas de acordo com mudanças nos objetivos econômicos, legais e de produtividade em questão.
  • 19. Por onde começa um bom projeto de biosseguridade ? Projeto ambiental Projeto técnico Escolha e preparo do terreno Planejamento da atividade Estudo da viabilidade econômica
  • 20. Pontos críticos • Isolamento • Higienização • Controle de tráfego/fluxo • Quarentena/Vacinação/Medicação • Monitoramento • Erradicação de doenças • Auditorias e atualizações • Educação continuada
  • 21.
  • 22. • O Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA), por meio da Instrução Normativa nº 169/2008, determina nove categorias de uso e manejo de fauna em cativeiro, a saber:
  • 23. zoológicos centros de triagem (CETAS) centros de reabilitação (CRAS) mantenedor de fauna criadouro comercial de fauna silvestre criadouro científico de fauna silvestre para fins de pesquisa criadouro científico de fauna silvestre para fins de conservação estabelecimento comercial de fauna silvestre abatedouro de fauna silvestre
  • 24. • Cada categoria demanda condições específicas de funcionamento, considerando as espécies a serem mantidas, criadas e/ou abatidas, além das exigências administrativas e de infraestrutura.
  • 25. Zoológicos • Surgiram como consequência da curiosidade inata do homem pela vida selvagem. Durante séculos, esses espaços serviram unicamente para o lazer, sem qualquer preocupação com o bem-estar e saúde dos animais. Nos dias atuais, desempenham importantes funções socioambientais, destacando-se sua contribuição para estratégias globais de conservação da biodiversidade, além de serem importantes centros de pesquisa e conscientização ambiental, pois a eles afluem milhões de visitantes todos os anos.
  • 26. Cetas • Centros de Triagem de Animais Silvestres - Ibama • Unidades responsáveis pelo manejo dos animais silvestres que são recebidos de ação fiscalizatória, resgate ou entrega voluntária de particulares
  • 27. Cetas • Finalidade: receber, identificar, marcar, triar, avaliar, recuperar, reabilitar e destinar esses animais silvestres, com o objetivo maior de devolvê-los à natureza, além de realizar e subsidiar pesquisas científicas, ensino e extensão IBAMA
  • 28. A extinção é para sempre!
  • 29. A rápida expansão da população humana e a utilização pouco sustentável dos recursos naturais do Planeta, representam um forte impacto sobre a biodiversidade que, consequentemente, está a diminuir de forma avassaladora ao longo dos últimos anos. A vida na Terra está ameaçada.
  • 30. Jardins zoológicos, aquários, parques e reservas da vida selvagem, assumem atualmente um papel fundamental para a sobrevivência das espécies em vias de extinção. Em conjunto, estas instituições, são hoje verdadeiras Arcas de Noé.
  • 31. Contribuem e colaboram através da educação, da investigação científica e da implementação ao nível local, europeu e mundial, de medidas de conservação das espécies e dos seus habitats até à reintrodução de espécies na natureza.
  • 32. Nos próximos 25 anos, 1/4 de todas as espécies de mamíferos e uma em cada oito espécies de aves correm o risco de extinção.
  • 33. Estado de conservação por risco de extinção Extinto • Extinto (EX) • Extinta na natureza (EW) Ameaçado • Criticamente em perigo (CR) • Em perigo (EN) • Vulnerável (VU) Baixo risco • Dependente de conservação • Quase ameaçada (NT) • Pouco preocupante (LC) Outras categorias • Dados deficientes (DD) • Não avaliada (NE)
  • 34. Extinção EM BIOLOGIA E ECOLOGIA É O TOTAL DESAPARECIMENTO DE ESPÉCIES, SUBESPÉCIES OU GRUPOS DE ESPÉCIES.