SlideShare uma empresa Scribd logo
Sanidade e enfermidade
em ovinos e caprinos
Marília Gomes IsmarMarília Gomes Ismar
Pós-graduanda em Zootecnia
Introdução
• É melhor prevenir do que tratar
• Gastos com tratamento
• Perdas de produtividade
• Aumento da mortalidade
• Executar um calendário profilático adaptado
• Funcionar em conjunto com os manejos reprodutivo e
nutricional
Aula   sanidade e enfermidade de caprinos e ovinos
Sinais de saúde
• Ruminação normal
• Olhos vivos e brilhantes
• Mucosas rosadas, úmidas e brilhantes
• Pelos lisos e sedosos
• Boa condição corporal
• Comportamento ativo
• Temperatura corporal normal
 Até 1 ano: 38,5°C-39,5eC
 > 1 ANO: 39°C-40°C
Medidas preventivas
• Anotações zootécnicas
• Identificação de enfermos e isolamento
• Alimentação
• Reprodução - andrológico e sorológico
• Instalações adequadas
• Medidas sanitárias
• Calendário profilático adaptado
• Destinação de cadáveres - higienização
Programa de saúde animal
Conjunto de medidas planejadas e executadas visando
à manutenção do estado sanitário do animal e do
rebanho, mantendo a produtividade em níveis ótimos
Preventivo
Curativo
Vacinação
• Objetivo: sistema imune
• Depende:
 Estado fisiológico
 Faixa etária
 Necessidades especiais
• Considerar:
 Risco
 Ocorrência de surtos vizinhos
 Criação de outras espécies
CUIDADO COM:CUIDADO COM:
validade do lote;
integridade, limpeza
e temperatura do
frasco; transporte e
armazenamento
MATERIAIS:MATERIAIS:
esterilizados (água
fervente por 20 min)
ou descartáveis; para
via SC usar agulhas
10x10 ou 15x10
• Agitação do frasco
• Agulha fixa
• Exposição à luz e ao calor
• Mistura de vacinas
• Trocar os princípios ativos
Aula   sanidade e enfermidade de caprinos e ovinos
Problemas
reprodutivos
Baixa
produtividade
Mortes
Gastos
medicamentos
Problemas
reprodutivos
10 REGRAS10 REGRAS
1. Aquisição de animais
2. Quarentena
3. Isolamento - individual ou grupo
4. Limpeza das instalações - desinfecção
5. Esterqueiras - chorumeiras
6. Pedilúvios
7. Ordenha
8. Ferimentos - limpeza e curativos
9. Vacinação
10. Mineralização
Fonte: Adaptado do farmpoint
Frequência de enfermidades relatadas por produtores na
Microrregião de Patos, Paraíba, 2008
Sinais de doença
• Rebanho
 Baixos índices
 Queda de fertilidade
 Alta mortalidade
• Animal:
 Caquexia
 Falta de apetite
 Comportamento anormal
 Pelos ásperos e arrepiados
 Alteração de temperatura
 Aumento dos linfonodos e lesões externas
 Corrimentos anormais na vulva, nariz e olhos
 Alterações das mucosas
• Aumento de volume abdominal
• Articulação aumentada – artrite e artrose
• Presença de grumos e/ou sangue no leite
• Odor desagradável das secreções
• Micção ausente, diminuída ou aumentada
• Diarréias
• Abscessos
“Vigie seus pensamentos, porque eles se tornarão palavras;
vigie suas palavras, porque elas se tornarão atos; vigie seus
atos, porque eles se tornarão seus hábitos; vigie seus
hábitos porque eles se tornarão seu caráter; vigie seu
caráter porque ele se tornará seu destino”
Anônimo
DOENÇAS BACTERIANASDOENÇAS BACTERIANAS
Linfadenite caseosa, pododermatite,
ceratoconjuntivite infecciosa, clostridiose,
mastite, broncopneumonia,
pneumonia, epididimite infecciosa,
leptospirose, diarréia aguda
LINFADENITE CASEOSALINFADENITE CASEOSA
• “Mal do Caroço” ou “Falsa Tuberculose”
• Agente: Corynebacterium pseudotuberculosis
• Enfermidade infectocontagiosa
• Crônica debilitante
• Linfonodos com abscessos
• Acomete caprinos e ovinos
• Alta incidência em animais > 1 ano
• Zoonose
Frequência de microorganismos isolados em cultura pura ou em
associação, de 100 ovinos com linfadenite criados no centro-oeste de São
Paulo, Botucatu, 2009-2010
Fonte: Ribeiro et al. (2011)
• Bactérias intracelulares - cocobacilos ou filamentos
• Possuem lipídeos tóxicos na membrana
• Aumentam a permeabilidade dos vasos
• Latência prolongada - queda de imunidade
• Sensíveis:
PenicilinasG
Macrolíticos
Cefalosporinas
Lincomicinas
Cloranfenicol
Sulfamina-trimetropina-rifampicina
• Maior freqüência:
 Escapular
 Auricular
 Mandibular
 Inguinal
 Atinge também os
testículos, úberes e
órgãos internos
• O contágio ocorre por:
 Secreção purulenta de doentes
 Alimento
 Água
 Fômites
 Instalações
Persistência do microorganismo:
Material Persistência (dias)
Madeira 7
Palha 15
Feno 56
Solo 240
Tratamento e controle
• Antibióticos não é recomendado
• Pouca habilidade de ultrapassar a cápsula do abscesso
• Isolamento do paciente
• Evitando o rompimento espontâneo
• Evitando a contaminação do ambiente e de outros animais
• Higienizar e desinfetar instalações e fômites
• Comprar animais de procedência
• Reincidentes por 3 vezes devem ser eliminados
tratamento
Aula   sanidade e enfermidade de caprinos e ovinos
Vacinação
• DOSE: 1 ml via SC, independente do
peso do animal
• CABRITOS E BORREGOS: a partir de
3 meses de idade, revacinar com 30
dias e anualmente
• ADULTOS NÃO VACINADOS: duas
doses com intervalo de 30,
revacinação anual
• EFICAZ EM OVINO
PODODERMATITEPODODERMATITE
• Manqueira, podridão dos cascos, pododermatite necrótica
e “footrot”
• Crônica infecciosa
• Ferimento entre as unhas e deslocamento do casco
• Caracterizada pela formação de abscessos
 Fusobacterium necrophorum (trato digestivo)
 Dichelobacter nodosus (estrito de cascos)
• Maior ocorrência no período chuvoso - calor e umidade
• Solos com pH ácido
A enfermidade se inicia com a colonização do espaço
interdigital pelo Fusobacterium necrophorum, que
em condições de anaerobiose, desencadeia lesões
sobre o tecido interdigital, propiciando desta maneira
um ambiente propício para a instalação do
Dichelobacter nodosus
Sinais clínicos
• Apatia e perda de peso
• Claudicação
• Dificuldades reprodutivas
• Queda na produção
• Descolamento do estojo córneo
• Necrose do tecido
• Casos graves - pastejo ajoelhado
• Perda do casco
Aula   sanidade e enfermidade de caprinos e ovinos
• Graus de classificação:
 0: ausência da doença
 1: lesão inicial no espaço interdigital
 2: início de envolvimento com a sola
 3: envolvimento da sola e parede abaxial do casco com
presença de exsudato fétido
Tratamento
• Evitar pastos encharcados e contaminados
• Limpar e lavar o casco, retirando todos os tecidos
necrosados
• Curativos diários com pomada antibiótica ou solução de
sulfato de zinco ou cobre 5% a 10 %
• Antibioticoterapia: penicilina G, ceftiofur,
procaína e estreptomicina
Controle
• Observar o crescimento dos
cascos
• Apará-los duas vezes ao ano
• Descartar animais com
doença crônica
• Usar pedilúvios: cal virgem
ou sulfato de zinco e de cobre
(1 vez por semana por 4 meses)
• Almofadas absorventes
Aula   sanidade e enfermidade de caprinos e ovinos
• Anatomia do casco:
CERATOCONJUNTIVITE INFECCIOSACERATOCONJUNTIVITE INFECCIOSA
• Pinkeye ou doença do olho rosado
• Infectocontagiosa
• Caracterizada por inflamação aguda
da conjuntiva e da córnea
• Acomete ovinos, caprinos e bovinos
• Animais de todas as idades e sexos
• Agentes: Moraxella ovis, Mycoplasma spp.,
Chlamydophila spp., Moraxella bovis e Staphylococcus
aureus
• Diplococo aeróbico gram-negativo
• Produzem necrose epitelial e estromal
Fatores predisponetes
• Proliferação de moscas
• Traumatismo ocular
• Alta incidência de raios solares
• Genéticos (pigmentação ocular)
• Pastagens altas
• Vento e poeira
• Falta de higiene do colaborador
Transmissão
• Contato direto
• Moscas
• Contaminação ambiental:
 Aerossóis
 Poeira
 Fenos, rações e sementes
 Cama dos animais
 Animais sadios podem ser fontes de infecção
Sinais clínicos
• Hiperemia e congestão da conjuntiva
• Lacrimejamento excessivo
• Descarga ocular purulenta
• Opacidade da córnea
• Fotofobia
• Úlceras
• Cegueira
Tratamento
• Parenteral:
Tetraciclina
• Tópico:
 Limpeza dos olhos c/ soro fisiológico
 Pomadas oftálmicas
 Colírios à base de antibiótico - tetraciclina e tilosina
• Cirúrgico
Controle
• Isolamento e tratamento dos doentes
• Controle de moscas
• Limpeza e desinfecção das instalações
• Sombreamento
• Evitar pastos altos e poeira (estábulos)
• Não existe vacina específica
CLOSTRIDIOSESCLOSTRIDIOSES
• Causadas por bactérias anaeróbias do gênero
Clostridium
• Cosmopolitas
• Encontrados no solo, nas pastagens, na água doce e
salgada, em alimentos e como parte da flora intestinal
normal dos animais e do homem
• Produzem toxinas
Frequentemente fatais
• Formam esporos
Resistência (até 40 anos)
• Maior perda econômica
Clostridium Doença causada
C. tetani Tétano
C. novyi Tipo B Hepatite infecciosa necrosante
C. perfringens Tipo A Enterotoxemia, gangrena gasosa,
hepatite infecciosa
C. perfringens Tipo B Enterotoxemia/disenteria dos cordeiros
C. perfringens Tipo C Enterotoxemia
C. perfringens Tipo D Enterotoxemia/doença do rim polposo
C. septicum Edema maligno ou gangrena gasosa
C. chauvoei Carbúnculo sintomático
C. sordellii Enterotoxemia hemorrágica, morte
súbita
C. heamolyticum Hemoglobinúria bacilar
TÉTANOTÉTANO
• Conhecida como mal dos sete dias
• Neurotoxina - Clostridium tetani
• Acomete animais de qualquer idade
• Porta de entrada: feridas profundas, contaminadas por
fezes ou material contendo esporos
• Através dos nervos periféricos é transportada para o
sistema nervoso central e causam os sinais clínico
Sinais clínicos
• Resposta exagerada (sons e luz)
• Aumento rigidez muscular
• Travamento da mandíbula
• Timpanismo
• Opistótono
• Tremores
• Dispnéia
• Asfixia
• Morte
DISENTERIA DOS CORDEIROSDISENTERIA DOS CORDEIROS
• Clostridium perfringens tipo B
• Mais frequente em cordeiros lactantes - 3 primeiros dias
• Desequilíbrio da microbiota intestinal - proliferação
exacerbada da bactéria no intestino
Sinais clínicos
• Falta de apetite
• Abdômen dilatado e sensível à compressão
• Diarréia pastosa no início
• Evoluindo para fluida, em seguida hemorrágica
• Morte
ENTEROTOXEMIAENTEROTOXEMIA
• Conhecida como morte súbita ou doença do rim
polposo
• Não contagiosa
• Produzida pelo Clostridium perfringens tipo D
• Enfermidade da superalimentação
Proliferação exagerada da bactéria e de toxina
• Mudanças bruscas na dieta alimentar
• Mudanças de pastagens pobres para luxuriantes
• Dietas muito ricas em proteínas e/ou carboidratos
• Dietas altamente energéticas e pobre em fibras
• Doenças debilitantes (verminose e coccidiose)
• Atinge a circulação geral e chega aos órgãos: cérebro,
rins, pulmões e coração
• Aguda, sub-aguda, crônica
• Rápida evolução - 6 a 24h
• Quadro agudo
• Colonização intestinal
Fatores predisponentes
• Baixa atividade proteolítica no intestino de neonatos
• Estabelecimento incompleto da microbiota intestinal
normal em neonatos
• Influências da dieta em animais mais velhos
Sinais clínicos
• Movimentos de pedalagem
• Incoordenação motora
• Convulsões
• Cegueira
• Opistótono
• Edema pulmonar
• Espuma pelo nariz
• Diarréia
Achados de necropsia em ovinos
• Alterações de necropsia patognomônicas no encéfalo
Herniação cerebelar (casos agudos o subagudos)
Encefalomalacia focal simétrica (casos crônicos)
• Rim polposo
a) rim normal
b) rim normal
c) rim polposo
d) rim autolizado
Achados de necropsia em caprinos
• Forma crônica - colite fibrino-hemorrágica
(envolvimento ocasional do final do intestino delgado)
Vacina
DOENÇASDOENÇAS
PARASITÁRIASPARASITÁRIAS
Helmintose, eimeriose,
sarnas, pediculose,
criptosporidiose, toxoplasmose,
sarcocistose, neosporose,
babesiose, berne, miíases,
anaplasmose, dermatite alérgica
HELMINTOSESHELMINTOSES
• Chamada de verminose gastrointestinal
• Aspectos determinantes da epidemiologia:
 Capacidade do hospedeiro de desenvolver imunidade
 Condições climáticas
 Condições de instalações e pastejo
 Manejo dos animais - nutrição, saúde, idade
 Criações de diferentes espécies
• Parasitos de diferentes espécies
• Associados ou não
 Haemonchus contortus - principal espécie parasita de
ovinos
 Trichostrongylus colubriformis
 Oesophagostomum columbianum
 Strongyloides papillosus
Ilustração do ciclo dos principais vermes de caprinos e
ovinos
Ovos
existentes
nas fezes
Ovos contendo
larva
Larva (L1)
Larva (L2)
Larva (L3)
Adulto
Sinais Clínicos
• Falta de apetite
• Emagrecimento
• Pelos arrepiados
• Anemia
• Diarréia
Coloração Hematócrito (%) Atitude
Vermelho
robusto
>27 Não tratar
Vermelho
rosado
23 a 27 Não tratar
Rosa 18 a 22 Tratar
Rosa pálido 13 a 17 Tratar
Branco <13 Tratar
1
2
3
4
5
Profilaxia
• Medidas gerais de manejo e higiene
• Vermifugação
• Rotação de pastagens
• Controle de superlotação
Aula   sanidade e enfermidade de caprinos e ovinos
Aula   sanidade e enfermidade de caprinos e ovinos
Medidas de
controle
sanitário
Aula   sanidade e enfermidade de caprinos e ovinos
Medidas de
controle
parasitário
Principais princípios ativos:
Princípio Via
Ivermectin Oral
Albendazol Oral
Levamisol Oral
Fenbendazol Oral
Oxfendazol Oral
Eimeriose (Coccidiose)Eimeriose (Coccidiose)
• Curso de sangue ou diarréia
vermelha
• Causada por um protozoário
• Ataca o epitélio digestivo
• Jovens e adultos (estressados)
• Responsável por consideráveis
perdas econômicas
• Ovinos:
 E. ahsata
 E. bakuensis
 E. ovinoidalis
• Caprinos:
 E. arloingi
 E. alijevi
 E. hirci
 E. christenseni
 E. ninakolhyakimovae
Patogenia
Sinais Clínicos
• Letargia
• Anorexia
• Desidratação
• Diarréia profusa e sanguinolenta
• Redução do ganho de peso
• Alta mortalidade
• Ovinos: sintomatologia nervosa
• Caprinos: sede, sonolência e pelos arrepiados
Tratamento
• Sulfas
• Amprólio
• Antibióticos ionofóricos
• Nitrofuranos
• Hidratação e reposição de eletrólitos (oral ou IV)
Profilaxia
• Manejo e higiene
• Limpeza de bebedouros e comedouros
• Evitar superlotação de pastos
• Separar lotes por idades
• Uso preventivo de drogas anticoccídicas
SARNASSARNAS
• Afecções cutâneas
Quadro 1: Ácaros causadores de sarna em caprinos e ovinos:
Agente etiológico Hospedeiro
Sarcoptes scabiei var. caprae Caprino
Sarcoptes scabiei var. ovis Ovino
Psoroptes equi var. caprae Caprino
Psoroptes equi var. ovis Ovino
Psoroptes cuniculi Caprino/ovino
Demodex caprae Caprino
SARNA DEMODÉCICASARNA DEMODÉCICA
• Conhecida também como sarna folicular
• Ácaro Demodex caprae - 0,1 a 0,4mm
• Extremamente rara em ovinos
• Causam nódulos na pele - 2cm: região anterior
• Vive todo o ciclo no folículo piloso e nas glândulas
sebáceas
Aula   sanidade e enfermidade de caprinos e ovinos
• Banhos e imersão em organofosforados ou piretróides
(repetindo no 10º dia) + ivermectin subcutâneo (0,2
mg/Kg)
SARNA SARCÓPTICASARNA SARCÓPTICA
• Sarcoptes scabiei - variação caprae e ovis
• Conhecida como escabiose
• Zoonose
• Sinais: coceira intensa, escoriações, prurido, pápulas
avermelhadas, corrimento seroso e crostas
• Predileção: cabeça - olhos e narina
• Tratamento: retirar as crostas e utilizar sarnicidas
associados à solução oleosa (1:3) de 3 em 3 dias
• Casos extremos: banhos e imersão em organofosforados
ou piretróides (repetindo no 10º dia)
Aula   sanidade e enfermidade de caprinos e ovinos
Aula   sanidade e enfermidade de caprinos e ovinos
SARNA PSORÓTICASARNA PSORÓTICA
• Conhecida como escabiose
• Psoroptes equi - variação caprae e ovis
• Psoroptes cuniculi
• Ácaro não escavador
• Sinais: inquietude, pequenas vesículas, prurido intenso,
coceira, crostas brancas e queda de lã, isolamento
• Pode levar a otite e meningite séptica
• Predileção: conduto auditivo externo, as vezes, axila,
virilha e superfície interna do pavilhão auricular
• Banhos de imersão: organofosforados, diamidínicos,
piretróides, amitraz e ivermectina - 2 banhos/ano e 10 a
12 dias após tosquia
PEDICULOSEPEDICULOSE
• Parasitismo por piolho
• Ordem Mallophaga – mastigador
• Ordem Anoplura – sugador
• Sinais: inquietação, prurido, pelos eriçados e escoriação
da pele
• Vivem todas as fases no hospedeiro
• Ocorrem em todas as estações – seca
• Ciclo não identificado
• Infecção bacteriana secundária
• Míiases
• Predileção: dorso e garupa
• Controle: pulverização ou banho (piretróide)
DOENÇAS VIRAISDOENÇAS VIRAIS
Ectima contagioso, raiva, febre aftosa,
lentiviroses de pequenos ruminantes,
broncopneumonia, língua azul,
herpesvírus, tumor etmoidal
ECTIMA CONTAGIOSOECTIMA CONTAGIOSO
• Também conhecido como dermatite pustular contagiosa,
dermatite labial infecciosa, boca crostosa ou boqueira
• Gênero: Paropoxvirus
• Acomete ovino, caprino e eventualmente o homem
• Porta de entrada: pele, mucosa, órgão genitais
• Eliminação: pústulas, vesículas e crostas
• Alta morbidade
• Curso agudo - 50% do rebanho
• Tem afinidade pelo epitélio de origem ectodérmica
• Sinais: anorexia, perda de peso, desidratação e
claudicação
• Controle: vacinação - vacina viva preparada em culturas
celulares; quarentena; isolamento e higienização
Tratamento
• Solução de permanganato de potássio a 3% ou solução de
iodo a 10% acrescido de glicerina (1:3)
 Ideal pulverizar áreas afetadas duas vezes ao dia, por sete
dias
• Auto-hemoterapia
• Repelentes de moscas nas bordas das feridas
RAIVARAIVA
• Enfermidade infecto-contagiosa
• Aguda
• Quase sempre fatal
• A ocorrência em pequenos ruminantes parece estar
associada a surtos epizoóticos em populações de animais
selvagens
• Reservatórios selvagens no Brasil: morcegos
hematófagos, cachorro-do-mato, raposa-do-campo
Transmissão
• Mordida ou do contato de ferimentos por saliva de
animais infectados
• Vírus em alta concentração:
 Saliva
 Excreções e secreções
 Sangue
• Sinais: apatia ou excitação, nistagmo, espasmo
muscular, agressividade
 A doença evolui na forma de paralisia ascendente que
inicialmente pode parecer déficit proprioceptivo
 Ataxia e paralisia de pênis e cauda
 Paralisia de faringe resultando em sialorréia
 Evolução para decúbito, convulsões e morte dentro de 7
a 10 dias
Tratamento
Prevenção
FEBRE AFTOSAFEBRE AFTOSA
• Família Picornaviridae
• Enfermidade infecto-contagiosa
• Transmissão:
 Animais doentes
 Secreções respiratórias e salivares
 Fezes e urinas
 Leite
 Sêmen
Sinais clínicos
• Língua - Gengiva - Espaços interdigitais - Tetos
• Sialorréia
• Febre
• Apatia
• Infecções secundárias
Tratamento e controle
• Tratamento contra-indicado
• Controle baseia-se na eliminação dos animais doentes
Aula   sanidade e enfermidade de caprinos e ovinos
ESQUEMA DE VACINAÇÃOESQUEMA DE VACINAÇÃO
Doença Esquema de Vacinação Categoria Animal
Raiva
Anual / a partir de 4 meses de idade (só em
regiões em que haja casos confirmados)
Jovens, Repro.,
Matrizes
Clostridiose
(onde ocorra
a doença)
Animais não vacinados: aplicar 2 doses de vacina
com um intervalo de 4 a 6 semanas entre as
vacinações. Em filhos de mães não vacinadas, a
primeira dose deve ser efetuada a partir da 3a
semana de idade e a partir da 9a semana de idade
em filhos de mães que foram vacinadas. Animais
já vacinados: revaciná-los a cada ano. Em fêmeas
gestantes, fazer a revacinação anual de 4 a 6
semanas antes do parto.
Animais Jovens,
Reprodutores,
Matrizes
Linfadenite
Caseosa
A partir de três meses com reforço aos 30 dias e
repetir anualmente.
Animais Jovens
Ectima
contagioso
Autovacina, única dose repetindo-se nas matrizes
na próxima parição.
Jovens, Matrizes
(terço final de
gestação)
ESQUEMA DE VERMIFUGAÇÃOESQUEMA DE VERMIFUGAÇÃO
Doses Época
1ª Vermifugação: MAIO SECA
2ª Vermifugação: AGOSTO SECA
3ª Vermifugação: NOVEMBRO CHUVA
4ª Vermifugação: JANEIRO CHUVA
5ª Vermifugação: MARÇO CHUVA
*Vermifugar aos 30 dias e após 30 dias
conclusão
OBRIGADA!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Introdução a Equinocultura
Introdução a EquinoculturaIntrodução a Equinocultura
Introdução a Equinocultura
Killer Max
 
NUTRIÇÃO ANIMAL INTRODUÇÃO
NUTRIÇÃO ANIMAL INTRODUÇÃONUTRIÇÃO ANIMAL INTRODUÇÃO
NUTRIÇÃO ANIMAL INTRODUÇÃO
HenriqueKanada
 
Consorciação e Conservação de Plantas Forrageiras
Consorciação e Conservação de Plantas ForrageirasConsorciação e Conservação de Plantas Forrageiras
Consorciação e Conservação de Plantas Forrageiras
Kalliany Kellzer
 
Sistema digestório - Anatomia animal
Sistema digestório - Anatomia animal Sistema digestório - Anatomia animal
Sistema digestório - Anatomia animal
Marília Gomes
 
Instalações e construções para suinocultura
Instalações e construções para suinoculturaInstalações e construções para suinocultura
Instalações e construções para suinocultura
velton12
 
Instalações rurais (Bem estar animal)
Instalações rurais (Bem estar animal)Instalações rurais (Bem estar animal)
Instalações rurais (Bem estar animal)
Jacqueline Gomes
 
Nutrientes minerais para ruminantes
Nutrientes minerais para ruminantesNutrientes minerais para ruminantes
1 introdução à zootecnia
1 introdução à zootecnia1 introdução à zootecnia
1 introdução à zootecnia
gepaunipampa
 
Bovinocultura de Corte
Bovinocultura de Corte Bovinocultura de Corte
Bovinocultura de Corte
Carlos Robério Maia Bandeira
 
Aula 4 bioclimatologia animal ecologia animal
Aula 4 bioclimatologia animal ecologia animalAula 4 bioclimatologia animal ecologia animal
Aula 4 bioclimatologia animal ecologia animal
James Pinho Ladislau Pinho
 
Produção de ovinos e caprinos de corte
Produção de ovinos e caprinos de corteProdução de ovinos e caprinos de corte
Produção de ovinos e caprinos de corte
Rômulo Alexandrino Silva
 
Guia de raças de bovinos
Guia de raças de bovinosGuia de raças de bovinos
Guia de raças de bovinos
Killer Max
 
Aula 1 Ezoognósia Equina - Nomenclatura do Exterior e Mensurações
Aula 1   Ezoognósia Equina - Nomenclatura do Exterior e MensuraçõesAula 1   Ezoognósia Equina - Nomenclatura do Exterior e Mensurações
Aula 1 Ezoognósia Equina - Nomenclatura do Exterior e Mensurações
Elaine
 
Ovinos
OvinosOvinos
Introdução zootecnia bovinocultura de corte - 2012
Introdução zootecnia   bovinocultura de corte - 2012Introdução zootecnia   bovinocultura de corte - 2012
Introdução zootecnia bovinocultura de corte - 2012
Universidade de São Paulo
 
Introdução Etologia e bem-estar animal - etologia e bem-estar animal
Introdução Etologia e bem-estar animal - etologia e bem-estar animalIntrodução Etologia e bem-estar animal - etologia e bem-estar animal
Introdução Etologia e bem-estar animal - etologia e bem-estar animal
Marília Gomes
 
Topografia veterinária - tórax
Topografia veterinária - tóraxTopografia veterinária - tórax
Topografia veterinária - tórax
Marília Gomes
 
Diferenças entre ovinos e caprinos
Diferenças entre ovinos e caprinosDiferenças entre ovinos e caprinos
Diferenças entre ovinos e caprinos
Killer Max
 
Recria de bezerros de corte
Recria de bezerros de corteRecria de bezerros de corte
Recria de bezerros de corte
Allen Ferreira
 
Forragicultura aula1
Forragicultura aula1Forragicultura aula1
Forragicultura aula1
Natália A Koritiaki
 

Mais procurados (20)

Introdução a Equinocultura
Introdução a EquinoculturaIntrodução a Equinocultura
Introdução a Equinocultura
 
NUTRIÇÃO ANIMAL INTRODUÇÃO
NUTRIÇÃO ANIMAL INTRODUÇÃONUTRIÇÃO ANIMAL INTRODUÇÃO
NUTRIÇÃO ANIMAL INTRODUÇÃO
 
Consorciação e Conservação de Plantas Forrageiras
Consorciação e Conservação de Plantas ForrageirasConsorciação e Conservação de Plantas Forrageiras
Consorciação e Conservação de Plantas Forrageiras
 
Sistema digestório - Anatomia animal
Sistema digestório - Anatomia animal Sistema digestório - Anatomia animal
Sistema digestório - Anatomia animal
 
Instalações e construções para suinocultura
Instalações e construções para suinoculturaInstalações e construções para suinocultura
Instalações e construções para suinocultura
 
Instalações rurais (Bem estar animal)
Instalações rurais (Bem estar animal)Instalações rurais (Bem estar animal)
Instalações rurais (Bem estar animal)
 
Nutrientes minerais para ruminantes
Nutrientes minerais para ruminantesNutrientes minerais para ruminantes
Nutrientes minerais para ruminantes
 
1 introdução à zootecnia
1 introdução à zootecnia1 introdução à zootecnia
1 introdução à zootecnia
 
Bovinocultura de Corte
Bovinocultura de Corte Bovinocultura de Corte
Bovinocultura de Corte
 
Aula 4 bioclimatologia animal ecologia animal
Aula 4 bioclimatologia animal ecologia animalAula 4 bioclimatologia animal ecologia animal
Aula 4 bioclimatologia animal ecologia animal
 
Produção de ovinos e caprinos de corte
Produção de ovinos e caprinos de corteProdução de ovinos e caprinos de corte
Produção de ovinos e caprinos de corte
 
Guia de raças de bovinos
Guia de raças de bovinosGuia de raças de bovinos
Guia de raças de bovinos
 
Aula 1 Ezoognósia Equina - Nomenclatura do Exterior e Mensurações
Aula 1   Ezoognósia Equina - Nomenclatura do Exterior e MensuraçõesAula 1   Ezoognósia Equina - Nomenclatura do Exterior e Mensurações
Aula 1 Ezoognósia Equina - Nomenclatura do Exterior e Mensurações
 
Ovinos
OvinosOvinos
Ovinos
 
Introdução zootecnia bovinocultura de corte - 2012
Introdução zootecnia   bovinocultura de corte - 2012Introdução zootecnia   bovinocultura de corte - 2012
Introdução zootecnia bovinocultura de corte - 2012
 
Introdução Etologia e bem-estar animal - etologia e bem-estar animal
Introdução Etologia e bem-estar animal - etologia e bem-estar animalIntrodução Etologia e bem-estar animal - etologia e bem-estar animal
Introdução Etologia e bem-estar animal - etologia e bem-estar animal
 
Topografia veterinária - tórax
Topografia veterinária - tóraxTopografia veterinária - tórax
Topografia veterinária - tórax
 
Diferenças entre ovinos e caprinos
Diferenças entre ovinos e caprinosDiferenças entre ovinos e caprinos
Diferenças entre ovinos e caprinos
 
Recria de bezerros de corte
Recria de bezerros de corteRecria de bezerros de corte
Recria de bezerros de corte
 
Forragicultura aula1
Forragicultura aula1Forragicultura aula1
Forragicultura aula1
 

Semelhante a Aula sanidade e enfermidade de caprinos e ovinos

Leptospirose Rodrigo.pptx
Leptospirose  Rodrigo.pptxLeptospirose  Rodrigo.pptx
Leptospirose Rodrigo.pptx
FilipeBezerra15
 
Doenças de suídeos OIE 2
Doenças de suídeos OIE 2Doenças de suídeos OIE 2
Doenças de suídeos OIE 2
Marília Gomes
 
Doenças de suídeos OIE
Doenças de suídeos OIEDoenças de suídeos OIE
Doenças de suídeos OIE
Marília Gomes
 
Caso clínico
Caso clínicoCaso clínico
Caso clínico
Marília Gomes
 
Podridão dos cascos
Podridão dos cascosPodridão dos cascos
Podridão dos cascos
Joan Pablo Gonçalves
 
Aula 02. Giardíase.pdf
Aula 02. Giardíase.pdfAula 02. Giardíase.pdf
Aula 02. Giardíase.pdf
Unicesumar
 
Caso clinico plect
Caso clinico  plectCaso clinico  plect
Caso clinico plect
Abian Maquera
 
Aula 4 dermato parte 2
Aula 4 dermato parte 2Aula 4 dermato parte 2
Aula 4 dermato parte 2
ReginaReiniger
 
Peritonite Infecciosa Felina PIF
Peritonite Infecciosa Felina PIF Peritonite Infecciosa Felina PIF
Peritonite Infecciosa Felina PIF
Carolina Trochmann
 
Micotoxinas produzidas por fungos endofíticos
Micotoxinas produzidas por fungos endofíticos Micotoxinas produzidas por fungos endofíticos
Micotoxinas produzidas por fungos endofíticos
Med. Veterinária 2011
 
Agentes virais 01 cinomose
Agentes virais 01 cinomoseAgentes virais 01 cinomose
Agentes virais 01 cinomose
Núbia Fernanda
 
Adenovírus canino tipo 1
Adenovírus canino tipo 1Adenovírus canino tipo 1
Adenovírus canino tipo 1
karencamargo31
 
Doenças bacterianas 1
Doenças bacterianas 1Doenças bacterianas 1
Criação de bezerras de leite
Criação de bezerras de leiteCriação de bezerras de leite
Criação de bezerras de leite
Marília Gomes
 
Doenças comuns
Doenças comunsDoenças comuns
Doenças comuns
Luis Antonio Cezar Junior
 
Staphylococcus aureus
Staphylococcus aureusStaphylococcus aureus
Staphylococcus aureus
Lourdes Piedade
 
Linfadenopatias cervicais na infância
Linfadenopatias cervicais na infânciaLinfadenopatias cervicais na infância
Linfadenopatias cervicais na infância
Dario Hart
 
Toxoplasmose. mácyo
Toxoplasmose. mácyoToxoplasmose. mácyo
Toxoplasmose. mácyo
Macyo Idemberg Sousa Bezerra
 
Leptospira spp em gatos: estamos subestimando essa infecção?
Leptospira spp em gatos: estamos subestimando essa infecção? Leptospira spp em gatos: estamos subestimando essa infecção?
Leptospira spp em gatos: estamos subestimando essa infecção?
Carolina Trochmann
 
Amebíase
AmebíaseAmebíase
Amebíase
crishmuler
 

Semelhante a Aula sanidade e enfermidade de caprinos e ovinos (20)

Leptospirose Rodrigo.pptx
Leptospirose  Rodrigo.pptxLeptospirose  Rodrigo.pptx
Leptospirose Rodrigo.pptx
 
Doenças de suídeos OIE 2
Doenças de suídeos OIE 2Doenças de suídeos OIE 2
Doenças de suídeos OIE 2
 
Doenças de suídeos OIE
Doenças de suídeos OIEDoenças de suídeos OIE
Doenças de suídeos OIE
 
Caso clínico
Caso clínicoCaso clínico
Caso clínico
 
Podridão dos cascos
Podridão dos cascosPodridão dos cascos
Podridão dos cascos
 
Aula 02. Giardíase.pdf
Aula 02. Giardíase.pdfAula 02. Giardíase.pdf
Aula 02. Giardíase.pdf
 
Caso clinico plect
Caso clinico  plectCaso clinico  plect
Caso clinico plect
 
Aula 4 dermato parte 2
Aula 4 dermato parte 2Aula 4 dermato parte 2
Aula 4 dermato parte 2
 
Peritonite Infecciosa Felina PIF
Peritonite Infecciosa Felina PIF Peritonite Infecciosa Felina PIF
Peritonite Infecciosa Felina PIF
 
Micotoxinas produzidas por fungos endofíticos
Micotoxinas produzidas por fungos endofíticos Micotoxinas produzidas por fungos endofíticos
Micotoxinas produzidas por fungos endofíticos
 
Agentes virais 01 cinomose
Agentes virais 01 cinomoseAgentes virais 01 cinomose
Agentes virais 01 cinomose
 
Adenovírus canino tipo 1
Adenovírus canino tipo 1Adenovírus canino tipo 1
Adenovírus canino tipo 1
 
Doenças bacterianas 1
Doenças bacterianas 1Doenças bacterianas 1
Doenças bacterianas 1
 
Criação de bezerras de leite
Criação de bezerras de leiteCriação de bezerras de leite
Criação de bezerras de leite
 
Doenças comuns
Doenças comunsDoenças comuns
Doenças comuns
 
Staphylococcus aureus
Staphylococcus aureusStaphylococcus aureus
Staphylococcus aureus
 
Linfadenopatias cervicais na infância
Linfadenopatias cervicais na infânciaLinfadenopatias cervicais na infância
Linfadenopatias cervicais na infância
 
Toxoplasmose. mácyo
Toxoplasmose. mácyoToxoplasmose. mácyo
Toxoplasmose. mácyo
 
Leptospira spp em gatos: estamos subestimando essa infecção?
Leptospira spp em gatos: estamos subestimando essa infecção? Leptospira spp em gatos: estamos subestimando essa infecção?
Leptospira spp em gatos: estamos subestimando essa infecção?
 
Amebíase
AmebíaseAmebíase
Amebíase
 

Aula sanidade e enfermidade de caprinos e ovinos

  • 1. Sanidade e enfermidade em ovinos e caprinos Marília Gomes IsmarMarília Gomes Ismar Pós-graduanda em Zootecnia
  • 3. • É melhor prevenir do que tratar • Gastos com tratamento • Perdas de produtividade • Aumento da mortalidade • Executar um calendário profilático adaptado • Funcionar em conjunto com os manejos reprodutivo e nutricional
  • 5. Sinais de saúde • Ruminação normal • Olhos vivos e brilhantes • Mucosas rosadas, úmidas e brilhantes • Pelos lisos e sedosos • Boa condição corporal • Comportamento ativo • Temperatura corporal normal  Até 1 ano: 38,5°C-39,5eC  > 1 ANO: 39°C-40°C
  • 6. Medidas preventivas • Anotações zootécnicas • Identificação de enfermos e isolamento • Alimentação • Reprodução - andrológico e sorológico • Instalações adequadas • Medidas sanitárias • Calendário profilático adaptado • Destinação de cadáveres - higienização
  • 7. Programa de saúde animal Conjunto de medidas planejadas e executadas visando à manutenção do estado sanitário do animal e do rebanho, mantendo a produtividade em níveis ótimos Preventivo Curativo
  • 8. Vacinação • Objetivo: sistema imune • Depende:  Estado fisiológico  Faixa etária  Necessidades especiais • Considerar:  Risco  Ocorrência de surtos vizinhos  Criação de outras espécies CUIDADO COM:CUIDADO COM: validade do lote; integridade, limpeza e temperatura do frasco; transporte e armazenamento MATERIAIS:MATERIAIS: esterilizados (água fervente por 20 min) ou descartáveis; para via SC usar agulhas 10x10 ou 15x10
  • 9. • Agitação do frasco • Agulha fixa • Exposição à luz e ao calor • Mistura de vacinas • Trocar os princípios ativos
  • 13. 1. Aquisição de animais 2. Quarentena 3. Isolamento - individual ou grupo 4. Limpeza das instalações - desinfecção 5. Esterqueiras - chorumeiras 6. Pedilúvios 7. Ordenha 8. Ferimentos - limpeza e curativos 9. Vacinação 10. Mineralização
  • 14. Fonte: Adaptado do farmpoint
  • 15. Frequência de enfermidades relatadas por produtores na Microrregião de Patos, Paraíba, 2008
  • 16. Sinais de doença • Rebanho  Baixos índices  Queda de fertilidade  Alta mortalidade
  • 17. • Animal:  Caquexia  Falta de apetite  Comportamento anormal  Pelos ásperos e arrepiados  Alteração de temperatura  Aumento dos linfonodos e lesões externas  Corrimentos anormais na vulva, nariz e olhos  Alterações das mucosas
  • 18. • Aumento de volume abdominal • Articulação aumentada – artrite e artrose • Presença de grumos e/ou sangue no leite • Odor desagradável das secreções • Micção ausente, diminuída ou aumentada • Diarréias • Abscessos
  • 19. “Vigie seus pensamentos, porque eles se tornarão palavras; vigie suas palavras, porque elas se tornarão atos; vigie seus atos, porque eles se tornarão seus hábitos; vigie seus hábitos porque eles se tornarão seu caráter; vigie seu caráter porque ele se tornará seu destino” Anônimo
  • 20. DOENÇAS BACTERIANASDOENÇAS BACTERIANAS Linfadenite caseosa, pododermatite, ceratoconjuntivite infecciosa, clostridiose, mastite, broncopneumonia, pneumonia, epididimite infecciosa, leptospirose, diarréia aguda
  • 21. LINFADENITE CASEOSALINFADENITE CASEOSA • “Mal do Caroço” ou “Falsa Tuberculose” • Agente: Corynebacterium pseudotuberculosis • Enfermidade infectocontagiosa • Crônica debilitante • Linfonodos com abscessos • Acomete caprinos e ovinos • Alta incidência em animais > 1 ano • Zoonose
  • 22. Frequência de microorganismos isolados em cultura pura ou em associação, de 100 ovinos com linfadenite criados no centro-oeste de São Paulo, Botucatu, 2009-2010 Fonte: Ribeiro et al. (2011)
  • 23. • Bactérias intracelulares - cocobacilos ou filamentos • Possuem lipídeos tóxicos na membrana • Aumentam a permeabilidade dos vasos • Latência prolongada - queda de imunidade • Sensíveis: PenicilinasG Macrolíticos Cefalosporinas Lincomicinas Cloranfenicol Sulfamina-trimetropina-rifampicina
  • 24. • Maior freqüência:  Escapular  Auricular  Mandibular  Inguinal  Atinge também os testículos, úberes e órgãos internos
  • 25. • O contágio ocorre por:  Secreção purulenta de doentes  Alimento  Água  Fômites  Instalações
  • 26. Persistência do microorganismo: Material Persistência (dias) Madeira 7 Palha 15 Feno 56 Solo 240
  • 27. Tratamento e controle • Antibióticos não é recomendado • Pouca habilidade de ultrapassar a cápsula do abscesso • Isolamento do paciente • Evitando o rompimento espontâneo • Evitando a contaminação do ambiente e de outros animais • Higienizar e desinfetar instalações e fômites • Comprar animais de procedência • Reincidentes por 3 vezes devem ser eliminados
  • 30. Vacinação • DOSE: 1 ml via SC, independente do peso do animal • CABRITOS E BORREGOS: a partir de 3 meses de idade, revacinar com 30 dias e anualmente • ADULTOS NÃO VACINADOS: duas doses com intervalo de 30, revacinação anual • EFICAZ EM OVINO
  • 31. PODODERMATITEPODODERMATITE • Manqueira, podridão dos cascos, pododermatite necrótica e “footrot” • Crônica infecciosa • Ferimento entre as unhas e deslocamento do casco • Caracterizada pela formação de abscessos  Fusobacterium necrophorum (trato digestivo)  Dichelobacter nodosus (estrito de cascos) • Maior ocorrência no período chuvoso - calor e umidade • Solos com pH ácido
  • 32. A enfermidade se inicia com a colonização do espaço interdigital pelo Fusobacterium necrophorum, que em condições de anaerobiose, desencadeia lesões sobre o tecido interdigital, propiciando desta maneira um ambiente propício para a instalação do Dichelobacter nodosus
  • 33. Sinais clínicos • Apatia e perda de peso • Claudicação • Dificuldades reprodutivas • Queda na produção • Descolamento do estojo córneo • Necrose do tecido • Casos graves - pastejo ajoelhado • Perda do casco
  • 35. • Graus de classificação:  0: ausência da doença  1: lesão inicial no espaço interdigital  2: início de envolvimento com a sola  3: envolvimento da sola e parede abaxial do casco com presença de exsudato fétido
  • 36. Tratamento • Evitar pastos encharcados e contaminados • Limpar e lavar o casco, retirando todos os tecidos necrosados • Curativos diários com pomada antibiótica ou solução de sulfato de zinco ou cobre 5% a 10 % • Antibioticoterapia: penicilina G, ceftiofur, procaína e estreptomicina
  • 37. Controle • Observar o crescimento dos cascos • Apará-los duas vezes ao ano • Descartar animais com doença crônica • Usar pedilúvios: cal virgem ou sulfato de zinco e de cobre (1 vez por semana por 4 meses) • Almofadas absorventes
  • 39. • Anatomia do casco:
  • 40. CERATOCONJUNTIVITE INFECCIOSACERATOCONJUNTIVITE INFECCIOSA • Pinkeye ou doença do olho rosado • Infectocontagiosa • Caracterizada por inflamação aguda da conjuntiva e da córnea • Acomete ovinos, caprinos e bovinos • Animais de todas as idades e sexos
  • 41. • Agentes: Moraxella ovis, Mycoplasma spp., Chlamydophila spp., Moraxella bovis e Staphylococcus aureus • Diplococo aeróbico gram-negativo • Produzem necrose epitelial e estromal
  • 42. Fatores predisponetes • Proliferação de moscas • Traumatismo ocular • Alta incidência de raios solares • Genéticos (pigmentação ocular) • Pastagens altas • Vento e poeira • Falta de higiene do colaborador
  • 43. Transmissão • Contato direto • Moscas • Contaminação ambiental:  Aerossóis  Poeira  Fenos, rações e sementes  Cama dos animais  Animais sadios podem ser fontes de infecção
  • 44. Sinais clínicos • Hiperemia e congestão da conjuntiva • Lacrimejamento excessivo • Descarga ocular purulenta • Opacidade da córnea • Fotofobia • Úlceras • Cegueira
  • 45. Tratamento • Parenteral: Tetraciclina • Tópico:  Limpeza dos olhos c/ soro fisiológico  Pomadas oftálmicas  Colírios à base de antibiótico - tetraciclina e tilosina • Cirúrgico
  • 46. Controle • Isolamento e tratamento dos doentes • Controle de moscas • Limpeza e desinfecção das instalações • Sombreamento • Evitar pastos altos e poeira (estábulos) • Não existe vacina específica
  • 47. CLOSTRIDIOSESCLOSTRIDIOSES • Causadas por bactérias anaeróbias do gênero Clostridium • Cosmopolitas • Encontrados no solo, nas pastagens, na água doce e salgada, em alimentos e como parte da flora intestinal normal dos animais e do homem
  • 48. • Produzem toxinas Frequentemente fatais • Formam esporos Resistência (até 40 anos) • Maior perda econômica
  • 49. Clostridium Doença causada C. tetani Tétano C. novyi Tipo B Hepatite infecciosa necrosante C. perfringens Tipo A Enterotoxemia, gangrena gasosa, hepatite infecciosa C. perfringens Tipo B Enterotoxemia/disenteria dos cordeiros C. perfringens Tipo C Enterotoxemia C. perfringens Tipo D Enterotoxemia/doença do rim polposo C. septicum Edema maligno ou gangrena gasosa C. chauvoei Carbúnculo sintomático C. sordellii Enterotoxemia hemorrágica, morte súbita C. heamolyticum Hemoglobinúria bacilar
  • 50. TÉTANOTÉTANO • Conhecida como mal dos sete dias • Neurotoxina - Clostridium tetani • Acomete animais de qualquer idade • Porta de entrada: feridas profundas, contaminadas por fezes ou material contendo esporos • Através dos nervos periféricos é transportada para o sistema nervoso central e causam os sinais clínico
  • 51. Sinais clínicos • Resposta exagerada (sons e luz) • Aumento rigidez muscular • Travamento da mandíbula • Timpanismo • Opistótono • Tremores • Dispnéia • Asfixia • Morte
  • 52. DISENTERIA DOS CORDEIROSDISENTERIA DOS CORDEIROS • Clostridium perfringens tipo B • Mais frequente em cordeiros lactantes - 3 primeiros dias • Desequilíbrio da microbiota intestinal - proliferação exacerbada da bactéria no intestino
  • 53. Sinais clínicos • Falta de apetite • Abdômen dilatado e sensível à compressão • Diarréia pastosa no início • Evoluindo para fluida, em seguida hemorrágica • Morte
  • 54. ENTEROTOXEMIAENTEROTOXEMIA • Conhecida como morte súbita ou doença do rim polposo • Não contagiosa • Produzida pelo Clostridium perfringens tipo D • Enfermidade da superalimentação Proliferação exagerada da bactéria e de toxina
  • 55. • Mudanças bruscas na dieta alimentar • Mudanças de pastagens pobres para luxuriantes • Dietas muito ricas em proteínas e/ou carboidratos • Dietas altamente energéticas e pobre em fibras • Doenças debilitantes (verminose e coccidiose)
  • 56. • Atinge a circulação geral e chega aos órgãos: cérebro, rins, pulmões e coração • Aguda, sub-aguda, crônica • Rápida evolução - 6 a 24h • Quadro agudo • Colonização intestinal
  • 57. Fatores predisponentes • Baixa atividade proteolítica no intestino de neonatos • Estabelecimento incompleto da microbiota intestinal normal em neonatos • Influências da dieta em animais mais velhos
  • 58. Sinais clínicos • Movimentos de pedalagem • Incoordenação motora • Convulsões • Cegueira • Opistótono • Edema pulmonar • Espuma pelo nariz • Diarréia
  • 59. Achados de necropsia em ovinos • Alterações de necropsia patognomônicas no encéfalo Herniação cerebelar (casos agudos o subagudos) Encefalomalacia focal simétrica (casos crônicos) • Rim polposo
  • 60. a) rim normal b) rim normal c) rim polposo d) rim autolizado
  • 61. Achados de necropsia em caprinos • Forma crônica - colite fibrino-hemorrágica (envolvimento ocasional do final do intestino delgado)
  • 63. DOENÇASDOENÇAS PARASITÁRIASPARASITÁRIAS Helmintose, eimeriose, sarnas, pediculose, criptosporidiose, toxoplasmose, sarcocistose, neosporose, babesiose, berne, miíases, anaplasmose, dermatite alérgica
  • 64. HELMINTOSESHELMINTOSES • Chamada de verminose gastrointestinal • Aspectos determinantes da epidemiologia:  Capacidade do hospedeiro de desenvolver imunidade  Condições climáticas  Condições de instalações e pastejo  Manejo dos animais - nutrição, saúde, idade  Criações de diferentes espécies
  • 65. • Parasitos de diferentes espécies • Associados ou não  Haemonchus contortus - principal espécie parasita de ovinos  Trichostrongylus colubriformis  Oesophagostomum columbianum  Strongyloides papillosus
  • 66. Ilustração do ciclo dos principais vermes de caprinos e ovinos Ovos existentes nas fezes Ovos contendo larva Larva (L1) Larva (L2) Larva (L3) Adulto
  • 67. Sinais Clínicos • Falta de apetite • Emagrecimento • Pelos arrepiados • Anemia • Diarréia
  • 68. Coloração Hematócrito (%) Atitude Vermelho robusto >27 Não tratar Vermelho rosado 23 a 27 Não tratar Rosa 18 a 22 Tratar Rosa pálido 13 a 17 Tratar Branco <13 Tratar 1 2 3 4 5
  • 69. Profilaxia • Medidas gerais de manejo e higiene • Vermifugação • Rotação de pastagens • Controle de superlotação
  • 75. Principais princípios ativos: Princípio Via Ivermectin Oral Albendazol Oral Levamisol Oral Fenbendazol Oral Oxfendazol Oral
  • 76. Eimeriose (Coccidiose)Eimeriose (Coccidiose) • Curso de sangue ou diarréia vermelha • Causada por um protozoário • Ataca o epitélio digestivo • Jovens e adultos (estressados) • Responsável por consideráveis perdas econômicas
  • 77. • Ovinos:  E. ahsata  E. bakuensis  E. ovinoidalis • Caprinos:  E. arloingi  E. alijevi  E. hirci  E. christenseni  E. ninakolhyakimovae
  • 79. Sinais Clínicos • Letargia • Anorexia • Desidratação • Diarréia profusa e sanguinolenta • Redução do ganho de peso • Alta mortalidade • Ovinos: sintomatologia nervosa • Caprinos: sede, sonolência e pelos arrepiados
  • 80. Tratamento • Sulfas • Amprólio • Antibióticos ionofóricos • Nitrofuranos • Hidratação e reposição de eletrólitos (oral ou IV)
  • 81. Profilaxia • Manejo e higiene • Limpeza de bebedouros e comedouros • Evitar superlotação de pastos • Separar lotes por idades • Uso preventivo de drogas anticoccídicas
  • 82. SARNASSARNAS • Afecções cutâneas Quadro 1: Ácaros causadores de sarna em caprinos e ovinos: Agente etiológico Hospedeiro Sarcoptes scabiei var. caprae Caprino Sarcoptes scabiei var. ovis Ovino Psoroptes equi var. caprae Caprino Psoroptes equi var. ovis Ovino Psoroptes cuniculi Caprino/ovino Demodex caprae Caprino
  • 83. SARNA DEMODÉCICASARNA DEMODÉCICA • Conhecida também como sarna folicular • Ácaro Demodex caprae - 0,1 a 0,4mm • Extremamente rara em ovinos • Causam nódulos na pele - 2cm: região anterior • Vive todo o ciclo no folículo piloso e nas glândulas sebáceas
  • 85. • Banhos e imersão em organofosforados ou piretróides (repetindo no 10º dia) + ivermectin subcutâneo (0,2 mg/Kg)
  • 86. SARNA SARCÓPTICASARNA SARCÓPTICA • Sarcoptes scabiei - variação caprae e ovis • Conhecida como escabiose • Zoonose • Sinais: coceira intensa, escoriações, prurido, pápulas avermelhadas, corrimento seroso e crostas
  • 87. • Predileção: cabeça - olhos e narina • Tratamento: retirar as crostas e utilizar sarnicidas associados à solução oleosa (1:3) de 3 em 3 dias • Casos extremos: banhos e imersão em organofosforados ou piretróides (repetindo no 10º dia)
  • 90. SARNA PSORÓTICASARNA PSORÓTICA • Conhecida como escabiose • Psoroptes equi - variação caprae e ovis • Psoroptes cuniculi • Ácaro não escavador • Sinais: inquietude, pequenas vesículas, prurido intenso, coceira, crostas brancas e queda de lã, isolamento • Pode levar a otite e meningite séptica
  • 91. • Predileção: conduto auditivo externo, as vezes, axila, virilha e superfície interna do pavilhão auricular • Banhos de imersão: organofosforados, diamidínicos, piretróides, amitraz e ivermectina - 2 banhos/ano e 10 a 12 dias após tosquia
  • 92. PEDICULOSEPEDICULOSE • Parasitismo por piolho • Ordem Mallophaga – mastigador • Ordem Anoplura – sugador • Sinais: inquietação, prurido, pelos eriçados e escoriação da pele • Vivem todas as fases no hospedeiro
  • 93. • Ocorrem em todas as estações – seca • Ciclo não identificado • Infecção bacteriana secundária • Míiases • Predileção: dorso e garupa • Controle: pulverização ou banho (piretróide)
  • 94. DOENÇAS VIRAISDOENÇAS VIRAIS Ectima contagioso, raiva, febre aftosa, lentiviroses de pequenos ruminantes, broncopneumonia, língua azul, herpesvírus, tumor etmoidal
  • 95. ECTIMA CONTAGIOSOECTIMA CONTAGIOSO • Também conhecido como dermatite pustular contagiosa, dermatite labial infecciosa, boca crostosa ou boqueira • Gênero: Paropoxvirus • Acomete ovino, caprino e eventualmente o homem • Porta de entrada: pele, mucosa, órgão genitais • Eliminação: pústulas, vesículas e crostas
  • 96. • Alta morbidade • Curso agudo - 50% do rebanho • Tem afinidade pelo epitélio de origem ectodérmica
  • 97. • Sinais: anorexia, perda de peso, desidratação e claudicação • Controle: vacinação - vacina viva preparada em culturas celulares; quarentena; isolamento e higienização
  • 98. Tratamento • Solução de permanganato de potássio a 3% ou solução de iodo a 10% acrescido de glicerina (1:3)  Ideal pulverizar áreas afetadas duas vezes ao dia, por sete dias • Auto-hemoterapia • Repelentes de moscas nas bordas das feridas
  • 99. RAIVARAIVA • Enfermidade infecto-contagiosa • Aguda • Quase sempre fatal • A ocorrência em pequenos ruminantes parece estar associada a surtos epizoóticos em populações de animais selvagens • Reservatórios selvagens no Brasil: morcegos hematófagos, cachorro-do-mato, raposa-do-campo
  • 100. Transmissão • Mordida ou do contato de ferimentos por saliva de animais infectados • Vírus em alta concentração:  Saliva  Excreções e secreções  Sangue • Sinais: apatia ou excitação, nistagmo, espasmo muscular, agressividade
  • 101.  A doença evolui na forma de paralisia ascendente que inicialmente pode parecer déficit proprioceptivo  Ataxia e paralisia de pênis e cauda  Paralisia de faringe resultando em sialorréia  Evolução para decúbito, convulsões e morte dentro de 7 a 10 dias
  • 103. FEBRE AFTOSAFEBRE AFTOSA • Família Picornaviridae • Enfermidade infecto-contagiosa • Transmissão:  Animais doentes  Secreções respiratórias e salivares  Fezes e urinas  Leite  Sêmen
  • 104. Sinais clínicos • Língua - Gengiva - Espaços interdigitais - Tetos
  • 105. • Sialorréia • Febre • Apatia • Infecções secundárias
  • 106. Tratamento e controle • Tratamento contra-indicado • Controle baseia-se na eliminação dos animais doentes
  • 108. ESQUEMA DE VACINAÇÃOESQUEMA DE VACINAÇÃO
  • 109. Doença Esquema de Vacinação Categoria Animal Raiva Anual / a partir de 4 meses de idade (só em regiões em que haja casos confirmados) Jovens, Repro., Matrizes Clostridiose (onde ocorra a doença) Animais não vacinados: aplicar 2 doses de vacina com um intervalo de 4 a 6 semanas entre as vacinações. Em filhos de mães não vacinadas, a primeira dose deve ser efetuada a partir da 3a semana de idade e a partir da 9a semana de idade em filhos de mães que foram vacinadas. Animais já vacinados: revaciná-los a cada ano. Em fêmeas gestantes, fazer a revacinação anual de 4 a 6 semanas antes do parto. Animais Jovens, Reprodutores, Matrizes Linfadenite Caseosa A partir de três meses com reforço aos 30 dias e repetir anualmente. Animais Jovens Ectima contagioso Autovacina, única dose repetindo-se nas matrizes na próxima parição. Jovens, Matrizes (terço final de gestação)
  • 110. ESQUEMA DE VERMIFUGAÇÃOESQUEMA DE VERMIFUGAÇÃO
  • 111. Doses Época 1ª Vermifugação: MAIO SECA 2ª Vermifugação: AGOSTO SECA 3ª Vermifugação: NOVEMBRO CHUVA 4ª Vermifugação: JANEIRO CHUVA 5ª Vermifugação: MARÇO CHUVA *Vermifugar aos 30 dias e após 30 dias