SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 51
28 HS
   As atividades de PCP são desenvolvidas por um
    departamento de apoio à produção, dentro da
    gerência industrial, que leva seu nome. Como
    departamento de apoio, o PCP é responsável pela
    coordenação e aplicação dos recursos produtivos
    de forma a atender da melhor maneira possível
    aos     planos      estabelecidos    em    níveis
    estratégico, tático e operacional.
   Como desempenha uma função de coordenação
    de apoio ao sistema produtivo, o PCP de forma
    direta, ou de forma indireta, relaciona-se
    praticamente com todas as          funções deste
    sistema.
   Planejamento estratégico da produção
   Planejamento-mestre da produção
   Acompanhamento e controle da produção
   O primeiro passo na ação do
    acompanhamento e controle da produção é a
    coleta e o registro dos dados sobre o
    emprego de máquinas, homens e
    materiais, as informações devem estar
    disponíveis tão logo o programa de produção
    seja liberado, acelerando a identificação de
    desvios entre o programado e o
    executado, contudo muita atenção deve ser
    dada as questões ligadas à integridade dos
    dados e real necessidade de se coletar tal
    informação
   “... Se um fabricante microcomputadores
    decidiu para ser o primeiro no mercado com
    novos produtos inovadores, sua função
    produção precisa ser capaz de enfrentar as
    mudanças de inovação contínua exigidas...”
   Esse lidar com as variáveis significa que o
    controle permite fazer alterações no
    plano, intervindo para adequá-lo aos
    objetivos a serem alcançados.
   O objetivo do planejamento e controle da
    qualidade é, então, obtê-la e mantê-la. São
    importantes porque levarão a empresa a
    produzir melhores produtos, a fazer
    melhoramentos contínuos e aperfeiçoar o
    processo de produção.
   Utiliza-se o planejamento e o controle em todo o
    processo de produção, desde antes dele e após estar
    concluído.
   “Planejamento e controle de capacidade é a tarefa de
    determinar a capacidade efetiva da operação
    produtiva, de forma que ela possa responder à
    demanda”.
   “O MRP é um sistema que ajuda as empresas a fazer
    cálculos de volume e tempo similares a esses, mas
    numa escola e grau de complexidade maiores”.
   O Just in Time é uma abordagem disciplinada, que
    visa aprimorar as produtividade global e eliminar os
    desperdícios. O planejamento e controle de
    projetos, então, tornam-se importantes porque toda
    empresa está envolvida com projetos.
   Há três papéis importantes para a função
    produção:
    ◦ Como apoio para a estratégia
      empresarial, desenvolvendo objetivos e políticas
      apropriadas aos recursos que administra;
    ◦ Como implementa Dora da estratégia
      empresarial, fazendo com que a estratégia
      aconteça, transformando      decisões       estratégicas
      em realidade operacional;
    ◦ Como impulsionadora da estratégia
      empresarial, fornecendo meios para vantagem
      competitiva.
   Estabelecer a justificativa estratégica do projeto na organização;
   Desenvolver os objetivos técnicos do projeto;
   Desenvolver a estrutura analítica do empreendimento;
   Identificar e fazer provisões sobre os pacotes de serviços;
   Identificar os pacotes de serviços a serem subcontratados;
   Desenvolver a programação mestra e dos pacotes de serviços;
   Desenvolver a rede de precedências;
   Identificar questões estratégicas que provavelmente acontecerão;
   Estimar os custos do projeto;
   Fazer análise de riscos;
   Desenvolver os orçamentos de fontes e usos;
   Garantir a interface com os sistemas de controladoria da organização;
   Escolher a estrutura organizacional;
   Fornecer o sistema de informações;
   Avaliar a cultura organizacional;
   Desenvolver conceitos de controle, processos e técnicas;
   Desenvolver a equipe do projeto;
   Integrar as últimas filosofias, conceitos e técnicas em gerenciamento de
    projetos;
   Dimensionar as          políticas administrativas, procedimentos e
    metodologias;
   Planejar as auditorias do projeto;
   Identificar os interessados no projeto e planejar como gerenciá-los.
   O alargamento do uso da informática na década de 1980
    proporcionou progressivos avanços na administração da
    produção.
   embora essa não seja tão difundida na prática.
   O advento dos sistemas MRP (planejamento de necessidades de
    material) associou à elaboração de programas-mestre (definição
    do número de produtos a serem fabricados a partir dos pedidos)
    o cálculo de necessidades de material.
   As máquinas tornaram-se automáticas mediante a aplicação do
    conceito de controle numérico (CN) e, posteriormente, de CNC
    (controle numérico por computador).
   O conjunto das funções abordadas neste item, o Planejamento
    da Produção, a Programação e Controle e a Produção Auxiliada
    por Computador, quando integradas por sistemas de informação
    automatizados, constituem a Produção Integrada por
    Computador (CIM).
   A Produção Integrada por Computador ou CIM (Computer Integrated
    Manufacturing) é a tecnologia que, utilizando-se da informação, da
    computação e da automação, permite a integração de todas as
    atividades de produção.
   Todo esse conjunto, desde o projeto, pedidos, planejamento e
    programação da produção, gerenciamento da produção, monitoramento
    da manutenção e todos os tipos de controle, enfim, todas as
    informações e ações que possibilitam e auxiliam a produção compõem a
    Produção Integrada por Computador.
   O CAD tem como base os editores gráficos, constituídos de conjuntos
    de rotinas que, de forma interativa permitem a criação e manipulação de
    imagens compostas com o auxílio do computador. Além disso, podem
    funcionar como ferramentas de entrada e saída gráfica de dados em
    programas aplicativos como a programação NC
   Os procedimentos em um sistema CAPP são:
    ◦ estabelecimento dos dados necessários para a descrição do processo (prazos
      totais, pessoas e setores envolvidos);
    ◦ listagem dos processos que a empresa é capaz de realizar;
    ◦ determinação de seqüências e operações que o produto vai seguir;
    ◦ distribuição dos trabalhos pelas máquinas, visando a um aproveitamento equilibrado
      dos recursos;
    ◦ seleção de opções de processamento econômicas;
    ◦ determinação de nível de operador, modo de preparação do recurso e a forma como
      vai ser utilizado;
    ◦ cálculo dos tempos de fabricação, especificando as fórmulas e tabelas;
    ◦ cálculo das sobras de material;
    ◦ ilustração das operações de preparação e dos estágios e formas de execução de cada
      etapa;
    ◦ programação da máquina para a execução do processo estabelecido.
   Engineer-to-order


   Make-to-order



   Assemble-to-order



   Make-to-stock
   A questão da evolução da produtividade vem
    ganhando cada vez mais espaço no debate
    econômico em razão da necessidade de os
    países assegurarem sua competitividade
    dentro de um cenário globalizado.
   A partir de 1990, passou-se à adoção de
    políticas liberais de comércio, com o fim das
    barreiras não-tarifárias e a diminuição das
    tarifas.
   Produtividade é a relação direta entre o que se produz (tempo) e o que
    deveria ser produzido (tempo) seu resultado é dado em porcentagem
    (%). Detalhe importante, na produtividade o tempo parado por motivo de
    falta de matéria prima, energia, quebra de máquina é descontado do
    tempo disponível.

   Eficiência é resultante do trabalho indireto do homem sobre a
    produção, isto é depende dos órgãos auxiliares como:

      * Da Supervisão da produção, na manutenção dos métodos de
    trabalho e disciplina na mão de obra.
      * Da Racionalização Industrial, na determinação dos padrões de
    tempos e métodos.
      * Da Engenharia do Desenvolvimento, realizando um projeto
    satisfatório dos produtos e confecção correta dos dispositivos e
    aparelhos.
      * Da Manutenção, no reparo eficiente das máquinas, equipamentos e
    instalações.
      * Do Planejamento, na seqüência lógica da produção.
      * Do Recurso Humanos que contrata gente que vive faltando.
      * Etc.
O QUE    WHAT

QUANDO    WHEN

 QUEM     WHO

 ONDE     WHERE

POR QUE   WHY

 COMO     HOW
   1S – Arrumação: Identificação de dados e informações
    necessárias e desnecessárias para decisões.
   2S – Ordenação: Determinação do local de arquivo para
    pesquisa e utilização de dados a qualquer momento.
    Deve-se estabelecer um prazo de 5 minutos para se
    localizar um dado.
   3S – Limpeza: Sempre atualização e renovação de dados
    para ter decisões corretas.
   4S – Asseio: Estabelecimento, preparação e implementação
    de informações e dados de fácil entendimento que serão
    muito úteis e praticas para decisões.
   5S – Auto-disciplina: Habito para cumprimento dos
    procedimentos determinados pela empresa.
   1S – Arrumação: Identificação dos
    equipamentos, ferramentas e materiais necessários e
    desnecessários nas oficinas e postos de trabalho.
   2S – Ordenação: Determinação do local especifico ou
    layout para os equipamentos serem localizados e
    utilizados a qualquer momento.
   3S – Limpeza: Eliminação de pó, sujeira e objetos
    desnecessários e manutenção da limpeza nos postos de
    trabalho.
   4S – Asseio: Ações consistentes e repetitivas visando
    arrumação, ordenação e limpeza e ainda manutenção de
    boas condições sanitárias e sem qualquer poluição.
   5S – Auto-disciplina: Habito para cumprimento dos
    procedimentos especificados pelo cliente.
   A gestão da qualidade total (em língua inglesa
    "Total Quality Management" ou simplesmente
    "TQM") consiste numa estratégia de
    administração orientada a criar consciência da
    qualidade em todos os processos
    organizacionais.
    ◦   aumenta a satisfação e a confiança dos clientes;
    ◦   aumenta a produtividade;
    ◦   reduz os custos internos;
    ◦   melhora a imagem e os processos de modo contínuo;
    ◦   possibilita acesso mais fácil a novos mercados.
   A expressão ISO 9000 designa um grupo de normas
    técnicas que estabelecem um modelo de gestão da
    qualidade para organizações em geral, qualquer que
    seja o seu tipo ou dimensão.
   A sigla "ISO" refere-se à International Organization
    for Standardization, organização não-governamental
    fundada em 1947, em Genebra, e hoje presente em
    cerca de 157 países. A sua função é a de promover a
    normatização de produtos e serviços, para que a
    qualidade dos mesmos seja permanentemente
    melhorada.
   Desde os seus primórdios, a industrialização levantou questões
    relativas à padronização, ao gerenciamento de processos e à
    qualidade dos produtos. No início do século XX, destacaram-se
    os estudos de Frederick Taylor visando racionalizar as etapas de
    produção, aproveitados com sucesso por Henry Ford, que
    implantou a linha de montagem.
   A padronização internacional começou pela área
    eletrotécnica, com a constituição, em 1922, da International
    Electrotechnical Commission (IEC).
   O seu exemplo foi seguido em 1926, com o estabelecimento da
    International Federation of the National Standardizing
    Associations (ISA), com ênfase na engenharia mecânica. As
    atividades da ISA cessaram em 1942, durante a Segunda Guerra
    Mundial.
   Essa primeira norma tinha estrutura idêntica
    à norma britânica BS 5750, mas era também
    influenciada por outras normas existentes
    nos Estados Unidos da América e por normas
    de defesa militar (as "Military Specifications" -
    "MIL SPECS").
   Essa norma continha os termos e definições
    relativos à norma ISO 9001:1994. Não é uma
    norma certificadora, apenas explicativa dos
    termos e definições da garantia da qualidade.
   Essa norma tinha a garantia da qualidade como base da certificação. A norma
    tinha os seguintes requisitos:
   4.1 Responsabilidade da Direção (Trata do papel da alta direcção na
    implementação do sistema da Qualidade);
   4.2 Sistema da qualidade (Descreve a documentação que compõe o sistema da
    qualidade);
   4.3 Análise do contrato (Trata da relação comercial entre a empresa e os seus
    clientes);
   4.4 Controle da concepção e projecto (Trata da concepção e desenvolvimento de
    novos produtos para atender aos clientes);
   4.5 Controle dos documentos e dados (Trata da forma de controlar os
    documentos do sistema da qualidade);
   4.6 Compras (Trata da qualificação dos fornecedores de materiais / serviços e do
    processo de compras);
   4.7 Produto fornecido pelo Cliente (Trata da metodologia para assegurar a
    conformidade dos produtos fornecidos pelo Cliente para incorporar ao produto
    final);
   4.8 Rastreabilidade (Trata da história desde o início do fabrico do produto ou da
    prestação do serviço);
   4.9 Controle do processo (Trata do processo de produção dos produtos da
    empresa);
   4.11 Controle de equipamentos de inspecção, medição e ensaio (Trata do controle necessário
    para a calibração / verificação dos instrumentos que inspeccionam, meçam ou ensaiem a
    conformidade do produto);
   4.12 Situação da inspecção e ensaios (Trata da identificação da situação da inspecção do
    produto ou serviço em todas as etapas da sua produção)
   4.13 Controle do produto não conforme (Trata da metodologia de controle para os produtos
    fora de especificação);
   4.14 Acção correctiva e preventiva (Trata das acções necessárias para as não conformidades
    identificadas de forma a evitar que aconteça e a sua repetição);
   4.15 Manuseamento, armazenamento, embalagem, preservação e expedição (Trata dos
    cuidados com o produto acabado até a sua expedição para o cliente);
   4.16 Controle dos registros da qualidade (Trata da metodologia do controle dos registros da
    qualidade para facilitar a sua identificação,recuperação);
   4.17 Auditorias internas da qualidade (Trata da programação das auditorias internas da
    qualidade);
   4.18 Formação (Trata do levantamento de necessidades de formação e da programação das
    respectivas formações);
   4.19 Serviços após - venda (Trata dos serviços prestados após venda);
   4.20 Técnicas estatísticas (Trata da utilização de técnicas estatísticas na empresa);
   Esta versão por exigir muito "papel" em vez da implementação das práticas como exigido pela
    ISO 9001:2008.
   Para solucionar as dificuldades da
    anterior, esta norma combinava as
    9001, 9002 e 9003 em uma única, doravante
    denominada simplesmente 9001:2000.
   Foi a única norma lançada nesse
    ano, descrevendo os fundamentos de
    sistemas de gestão da qualidade que, no
    Brasil, constituem o objeto da família ABNT
    NBR ISO 9000, e definindo os termos a ela
    relacionados.
   A versão atual da norma foi aprovada no fim
    do ano de 2008.
   Esta nova versão foi elaborada para
    apresentar maior compatibilidade com a
    família da ISO 14000, e as alterações
    realizadas trouxeram maior compatibilidade
    para as suas traduções e consequentemente
    um melhor entendimento e interpretação de
    seu texto.
    ISO 9001.
   A família de normas NBR ISO 9000:1994 (9001, 9002 e 9003) foi cancelada e
    substituída pela série de normas ABNT NBR ISO 9000:2000, que é composta de
    três normas:
   •     ABNT NBR ISO 9000:2000: Descreve os fundamentos de sistemas de gestão
    da qualidade e estabelece a terminologia para estes sistemas.
   •     ABNT NBR ISO 9001:2000: Especifica requisitos para um Sistema de Gestão
    da Qualidade, onde uma organização precisa demonstrar sua capacidade para
    fornecer produtos que atendam aos requisitos do cliente e aos requisitos
    regulamentares aplicáveis, e objetiva aumentar a satisfação do cliente.
   •     ABNT NBR ISO 9004:2000: Fornece diretrizes que consideram tanto a
    eficácia como a eficiência do sistema de gestão da qualidade. O objetivo desta
    norma é melhorar o desempenho da organização e a satisfação dos clientes e das
    outras partes interessadas.
   Não existe certificação para as normas ABNT NBR ISO 9000:2000 e ABNT NBR ISO
    9004:2000
   Exemplos típicos de Engenharia Econômica são:
   Efetuar o transporte de materiais manualmente ou
    comprar uma correia transportadora?
   Construir uma rede de abastecimento de água com
    tubos de menor ou maior diâmetro?
   Comprar um veículo a prazo ou a vista?
   Aplicar o dinheiro em ações ou em Renda Fixa?
   Comprar ou alugar uma máquina?
   Quando trocar a frota de veículos?
   Lançar o produto A ou o produto B?
   É largamente aplicada nas mais variadas áreas de produção industrial.
   Alguns exemplos de máquinas e processos que podem ser automatizados são
    listados a seguir:
   •     Indústria automobilística
   o     Processos de estamparia (moldagem de chapas ao formato desejado do
    veículo)
   o     Máquinas de solda
   o     Processos de pintura
   •     Indústria química
   o     Dosagem de produtos para misturas
   o     Controle de pH
   o     Estações de tratamento de efluentes
   •     Indústria de mineração
   o     Britagem de minérios
   o     Usinas de Pelotização
   o     Ensacado
    O ano de 1955 marca o início do modelo
    conhecido como “produção em massa”, em sua
    forma amadurecida. Os conhecimentos de gestão
    desenvolvidos por Taylor, Ford e Sloan
    trouxeram, desde o início do século XX até essa
    data, avanços sem precedentes à produtividade
    das empresas dos EUA.
   Até o final da década de 1970, a gestão industrial
    da maior parte das empresas no Brasil baseava-
    se no sistema de produção em massa. A
    produção enxuta teve grande divulgação a partir
    da década de 1980.
   Neste novo cenário de atuação, mais
    competitivo e dinâmico, a participação das
    empresas brasileiras no comércio mundial
    ainda é pequena. No entanto, programas
    como o citado acima estendido a outros
    setores da economia pode transformar o
    perfil da empresa brasileira, tornando real
    todo seu potencial produtivo e criativo.
   O just in time é o principal pilar do Sistema
    Toyota de Produção ou Produção enxuta.
   Com este sistema, o produto ou matéria
    prima chega ao local de utilização somente
    no momento exato em que for necessário. Os
    produtos somente são fabricados ou
    entregues a tempo de serem vendidos ou
    montados.
   Kanban é uma palavra japonesa que significa
    literalmente registro ou placa visível.
   Em Administração da produção significa um
    cartão de sinalização que controla os fluxos
    de produção ou transportes em uma
    indústria. O cartão pode ser substituído por
    outro sistema de sinalização, como luzes,
    caixas vazias e até locais vazios demarcados.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

TÉCNICAS DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO
TÉCNICAS DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃOTÉCNICAS DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO
TÉCNICAS DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO
Priscila Cembranel
 

Mais procurados (20)

O que é qualidade
O que é qualidadeO que é qualidade
O que é qualidade
 
Fundamento em Gestão da Qualidade
Fundamento em Gestão da QualidadeFundamento em Gestão da Qualidade
Fundamento em Gestão da Qualidade
 
Capacidade de produção
Capacidade de produçãoCapacidade de produção
Capacidade de produção
 
Programa de qualidade aplicado na produção
Programa de qualidade aplicado na produçãoPrograma de qualidade aplicado na produção
Programa de qualidade aplicado na produção
 
Treinamento & Desenvolvimento
Treinamento & DesenvolvimentoTreinamento & Desenvolvimento
Treinamento & Desenvolvimento
 
Produtividade e Qualidade
Produtividade e QualidadeProdutividade e Qualidade
Produtividade e Qualidade
 
Gestão da qualidade
Gestão da qualidadeGestão da qualidade
Gestão da qualidade
 
Aula cargos e salários
Aula cargos e saláriosAula cargos e salários
Aula cargos e salários
 
Ferramentas da qualidade
Ferramentas da qualidadeFerramentas da qualidade
Ferramentas da qualidade
 
Ciclo PDCA: o guia definitivo das principais aplicações
Ciclo PDCA: o guia definitivo das principais aplicaçõesCiclo PDCA: o guia definitivo das principais aplicações
Ciclo PDCA: o guia definitivo das principais aplicações
 
Aula 1 conceitos básicos
Aula 1   conceitos básicosAula 1   conceitos básicos
Aula 1 conceitos básicos
 
Brainstorming
BrainstormingBrainstorming
Brainstorming
 
Gestão pela Qualidade Total
Gestão pela Qualidade TotalGestão pela Qualidade Total
Gestão pela Qualidade Total
 
TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS
TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS
TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS
 
Gestão da qualidade
Gestão da qualidade Gestão da qualidade
Gestão da qualidade
 
Gestão da qualidade
Gestão da qualidadeGestão da qualidade
Gestão da qualidade
 
Programa 5S
Programa 5SPrograma 5S
Programa 5S
 
PDCA - OPERAÇÃO
PDCA - OPERAÇÃOPDCA - OPERAÇÃO
PDCA - OPERAÇÃO
 
TÉCNICAS DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO
TÉCNICAS DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃOTÉCNICAS DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO
TÉCNICAS DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO
 
PDCA - Treinamento completo
PDCA - Treinamento completoPDCA - Treinamento completo
PDCA - Treinamento completo
 

Destaque

Aula 17 círculo de controle da qualidade
Aula 17   círculo de controle da qualidadeAula 17   círculo de controle da qualidade
Aula 17 círculo de controle da qualidade
RD COACH
 
Garantia e Controle da Qualidade no Laboratorio Clinico
Garantia e Controle da Qualidade no Laboratorio ClinicoGarantia e Controle da Qualidade no Laboratorio Clinico
Garantia e Controle da Qualidade no Laboratorio Clinico
Biomedicina SP
 
Aula 2 controle da qualidade total
Aula 2  controle da qualidade totalAula 2  controle da qualidade total
Aula 2 controle da qualidade total
institutocarvalho
 

Destaque (10)

Administração da produção slack 3ªed parte 1
Administração da produção   slack 3ªed parte 1Administração da produção   slack 3ªed parte 1
Administração da produção slack 3ªed parte 1
 
Cadeias de valor globais
Cadeias de valor globaisCadeias de valor globais
Cadeias de valor globais
 
Administração da producao
Administração da producaoAdministração da producao
Administração da producao
 
Aula 17 círculo de controle da qualidade
Aula 17   círculo de controle da qualidadeAula 17   círculo de controle da qualidade
Aula 17 círculo de controle da qualidade
 
Controle de qualidade
Controle de qualidadeControle de qualidade
Controle de qualidade
 
Garantia e Controle da Qualidade no Laboratorio Clinico
Garantia e Controle da Qualidade no Laboratorio ClinicoGarantia e Controle da Qualidade no Laboratorio Clinico
Garantia e Controle da Qualidade no Laboratorio Clinico
 
Controle de Qualidade - LAC
Controle de Qualidade - LACControle de Qualidade - LAC
Controle de Qualidade - LAC
 
Administração da Produção
Administração da ProduçãoAdministração da Produção
Administração da Produção
 
Aula 2 controle da qualidade total
Aula 2  controle da qualidade totalAula 2  controle da qualidade total
Aula 2 controle da qualidade total
 
Slides controle de qualidade
Slides controle de qualidadeSlides controle de qualidade
Slides controle de qualidade
 

Semelhante a Adm da produção e gestão da qualidade

Gestão dinâmica planejamento e controle de produção - suporte microsiga ,cr...
Gestão dinâmica   planejamento e controle de produção - suporte microsiga ,cr...Gestão dinâmica   planejamento e controle de produção - suporte microsiga ,cr...
Gestão dinâmica planejamento e controle de produção - suporte microsiga ,cr...
Lucas Braga
 
Cobit 4.0 visão geral
Cobit 4.0   visão geralCobit 4.0   visão geral
Cobit 4.0 visão geral
Tiago Andrade
 
Atps de adm da produção e operações etapas 3 e 4
Atps de adm da produção e operações etapas 3 e 4Atps de adm da produção e operações etapas 3 e 4
Atps de adm da produção e operações etapas 3 e 4
Everson Santos
 
Apresentação implantando um erp com sucesso
Apresentação   implantando um erp com sucessoApresentação   implantando um erp com sucesso
Apresentação implantando um erp com sucesso
Juliana Maria Lopes
 

Semelhante a Adm da produção e gestão da qualidade (20)

Gestão dinâmica planejamento e controle de produção - suporte microsiga ,cr...
Gestão dinâmica   planejamento e controle de produção - suporte microsiga ,cr...Gestão dinâmica   planejamento e controle de produção - suporte microsiga ,cr...
Gestão dinâmica planejamento e controle de produção - suporte microsiga ,cr...
 
Sistemas de Produção
Sistemas de ProduçãoSistemas de Produção
Sistemas de Produção
 
Planejamento de-controle-da-producao p10
Planejamento de-controle-da-producao p10Planejamento de-controle-da-producao p10
Planejamento de-controle-da-producao p10
 
Mes Sistemas de Execução de Manufatura
Mes Sistemas de Execução de Manufatura Mes Sistemas de Execução de Manufatura
Mes Sistemas de Execução de Manufatura
 
Pcp aula1
Pcp aula1Pcp aula1
Pcp aula1
 
Cobit 4.0 visão geral
Cobit 4.0   visão geralCobit 4.0   visão geral
Cobit 4.0 visão geral
 
Sistema de produção
Sistema de produçãoSistema de produção
Sistema de produção
 
sap-hr-recursos-humanos
  sap-hr-recursos-humanos  sap-hr-recursos-humanos
sap-hr-recursos-humanos
 
Atps pcp esta
Atps   pcp estaAtps   pcp esta
Atps pcp esta
 
Transp pcp 1
Transp pcp 1Transp pcp 1
Transp pcp 1
 
Producao.pdf
Producao.pdfProducao.pdf
Producao.pdf
 
Apresentação manufatura (10 06-2015)
Apresentação   manufatura (10 06-2015)Apresentação   manufatura (10 06-2015)
Apresentação manufatura (10 06-2015)
 
Atps de adm da produção e operações etapas 3 e 4
Atps de adm da produção e operações etapas 3 e 4Atps de adm da produção e operações etapas 3 e 4
Atps de adm da produção e operações etapas 3 e 4
 
Apresentação implantando um erp com sucesso
Apresentação   implantando um erp com sucessoApresentação   implantando um erp com sucesso
Apresentação implantando um erp com sucesso
 
247 artigo
247 artigo247 artigo
247 artigo
 
Desempenho, enfoque e tendências da adm materiais 2016.2
Desempenho, enfoque e tendências da adm materiais 2016.2Desempenho, enfoque e tendências da adm materiais 2016.2
Desempenho, enfoque e tendências da adm materiais 2016.2
 
Sistema de Planejamento e Controle da Produção - PCP
Sistema de Planejamento e Controle da Produção - PCPSistema de Planejamento e Controle da Produção - PCP
Sistema de Planejamento e Controle da Produção - PCP
 
ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS UTILIZANDO A INFORMÁTICA.ppt
ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS UTILIZANDO A INFORMÁTICA.pptADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS UTILIZANDO A INFORMÁTICA.ppt
ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS UTILIZANDO A INFORMÁTICA.ppt
 
Influencia sistema
Influencia sistemaInfluencia sistema
Influencia sistema
 
Reimplantação de Sistema ERP
Reimplantação de Sistema ERPReimplantação de Sistema ERP
Reimplantação de Sistema ERP
 

Mais de Denis Carlos Sodré

Mais de Denis Carlos Sodré (20)

Administração de marketing
Administração de marketingAdministração de marketing
Administração de marketing
 
Administração da empresa moderna
Administração da  empresa modernaAdministração da  empresa moderna
Administração da empresa moderna
 
Introdução a logística
Introdução a logísticaIntrodução a logística
Introdução a logística
 
O que vestir em seu trekking
O que vestir em seu trekkingO que vestir em seu trekking
O que vestir em seu trekking
 
Primeiros passos para fazer Trekking
Primeiros passos para fazer TrekkingPrimeiros passos para fazer Trekking
Primeiros passos para fazer Trekking
 
Segurança no Rappel
Segurança no RappelSegurança no Rappel
Segurança no Rappel
 
O que é Rafting?
O que é Rafting?O que é Rafting?
O que é Rafting?
 
O que é Trekking?
O que é Trekking?O que é Trekking?
O que é Trekking?
 
O que é rapel?
O que é rapel?O que é rapel?
O que é rapel?
 
Primeiros socorros em Esportes de Aventura
Primeiros socorros em Esportes de AventuraPrimeiros socorros em Esportes de Aventura
Primeiros socorros em Esportes de Aventura
 
O que é trekking
O que é trekkingO que é trekking
O que é trekking
 
O que é rapel?
O que é rapel?O que é rapel?
O que é rapel?
 
Custos logísticos
Custos logísticosCustos logísticos
Custos logísticos
 
Logistica empresarial
Logistica empresarialLogistica empresarial
Logistica empresarial
 
Gestão de compras e seguros
Gestão de compras e segurosGestão de compras e seguros
Gestão de compras e seguros
 
Empreendedorismo e ética profissional
Empreendedorismo e ética profissionalEmpreendedorismo e ética profissional
Empreendedorismo e ética profissional
 
Administração de materiais
Administração de materiaisAdministração de materiais
Administração de materiais
 
Teoria geral da administração
Teoria geral da administraçãoTeoria geral da administração
Teoria geral da administração
 
Gestão fiscal e orçamentária
Gestão fiscal e orçamentáriaGestão fiscal e orçamentária
Gestão fiscal e orçamentária
 
Gestão do planejamento estratégico
Gestão do planejamento estratégicoGestão do planejamento estratégico
Gestão do planejamento estratégico
 

Último

Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Pastor Robson Colaço
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
VALMIRARIBEIRO1
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
carlaOliveira438
 

Último (20)

Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.pptAula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 

Adm da produção e gestão da qualidade

  • 2. As atividades de PCP são desenvolvidas por um departamento de apoio à produção, dentro da gerência industrial, que leva seu nome. Como departamento de apoio, o PCP é responsável pela coordenação e aplicação dos recursos produtivos de forma a atender da melhor maneira possível aos planos estabelecidos em níveis estratégico, tático e operacional.  Como desempenha uma função de coordenação de apoio ao sistema produtivo, o PCP de forma direta, ou de forma indireta, relaciona-se praticamente com todas as funções deste sistema.
  • 3. Planejamento estratégico da produção  Planejamento-mestre da produção  Acompanhamento e controle da produção
  • 4. O primeiro passo na ação do acompanhamento e controle da produção é a coleta e o registro dos dados sobre o emprego de máquinas, homens e materiais, as informações devem estar disponíveis tão logo o programa de produção seja liberado, acelerando a identificação de desvios entre o programado e o executado, contudo muita atenção deve ser dada as questões ligadas à integridade dos dados e real necessidade de se coletar tal informação
  • 5. “... Se um fabricante microcomputadores decidiu para ser o primeiro no mercado com novos produtos inovadores, sua função produção precisa ser capaz de enfrentar as mudanças de inovação contínua exigidas...”
  • 6. Esse lidar com as variáveis significa que o controle permite fazer alterações no plano, intervindo para adequá-lo aos objetivos a serem alcançados.
  • 7. O objetivo do planejamento e controle da qualidade é, então, obtê-la e mantê-la. São importantes porque levarão a empresa a produzir melhores produtos, a fazer melhoramentos contínuos e aperfeiçoar o processo de produção.
  • 8. Utiliza-se o planejamento e o controle em todo o processo de produção, desde antes dele e após estar concluído.  “Planejamento e controle de capacidade é a tarefa de determinar a capacidade efetiva da operação produtiva, de forma que ela possa responder à demanda”.  “O MRP é um sistema que ajuda as empresas a fazer cálculos de volume e tempo similares a esses, mas numa escola e grau de complexidade maiores”.  O Just in Time é uma abordagem disciplinada, que visa aprimorar as produtividade global e eliminar os desperdícios. O planejamento e controle de projetos, então, tornam-se importantes porque toda empresa está envolvida com projetos.
  • 9. Há três papéis importantes para a função produção: ◦ Como apoio para a estratégia empresarial, desenvolvendo objetivos e políticas apropriadas aos recursos que administra; ◦ Como implementa Dora da estratégia empresarial, fazendo com que a estratégia aconteça, transformando decisões estratégicas em realidade operacional; ◦ Como impulsionadora da estratégia empresarial, fornecendo meios para vantagem competitiva.
  • 10.
  • 11.
  • 12.
  • 13.
  • 14.
  • 15. Estabelecer a justificativa estratégica do projeto na organização;  Desenvolver os objetivos técnicos do projeto;  Desenvolver a estrutura analítica do empreendimento;  Identificar e fazer provisões sobre os pacotes de serviços;  Identificar os pacotes de serviços a serem subcontratados;  Desenvolver a programação mestra e dos pacotes de serviços;  Desenvolver a rede de precedências;  Identificar questões estratégicas que provavelmente acontecerão;  Estimar os custos do projeto;  Fazer análise de riscos;
  • 16. Desenvolver os orçamentos de fontes e usos;  Garantir a interface com os sistemas de controladoria da organização;  Escolher a estrutura organizacional;  Fornecer o sistema de informações;  Avaliar a cultura organizacional;  Desenvolver conceitos de controle, processos e técnicas;  Desenvolver a equipe do projeto;  Integrar as últimas filosofias, conceitos e técnicas em gerenciamento de projetos;  Dimensionar as políticas administrativas, procedimentos e metodologias;  Planejar as auditorias do projeto;  Identificar os interessados no projeto e planejar como gerenciá-los.
  • 17. O alargamento do uso da informática na década de 1980 proporcionou progressivos avanços na administração da produção.  embora essa não seja tão difundida na prática.  O advento dos sistemas MRP (planejamento de necessidades de material) associou à elaboração de programas-mestre (definição do número de produtos a serem fabricados a partir dos pedidos) o cálculo de necessidades de material.  As máquinas tornaram-se automáticas mediante a aplicação do conceito de controle numérico (CN) e, posteriormente, de CNC (controle numérico por computador).  O conjunto das funções abordadas neste item, o Planejamento da Produção, a Programação e Controle e a Produção Auxiliada por Computador, quando integradas por sistemas de informação automatizados, constituem a Produção Integrada por Computador (CIM).
  • 18. A Produção Integrada por Computador ou CIM (Computer Integrated Manufacturing) é a tecnologia que, utilizando-se da informação, da computação e da automação, permite a integração de todas as atividades de produção.  Todo esse conjunto, desde o projeto, pedidos, planejamento e programação da produção, gerenciamento da produção, monitoramento da manutenção e todos os tipos de controle, enfim, todas as informações e ações que possibilitam e auxiliam a produção compõem a Produção Integrada por Computador.  O CAD tem como base os editores gráficos, constituídos de conjuntos de rotinas que, de forma interativa permitem a criação e manipulação de imagens compostas com o auxílio do computador. Além disso, podem funcionar como ferramentas de entrada e saída gráfica de dados em programas aplicativos como a programação NC
  • 19. Os procedimentos em um sistema CAPP são: ◦ estabelecimento dos dados necessários para a descrição do processo (prazos totais, pessoas e setores envolvidos); ◦ listagem dos processos que a empresa é capaz de realizar; ◦ determinação de seqüências e operações que o produto vai seguir; ◦ distribuição dos trabalhos pelas máquinas, visando a um aproveitamento equilibrado dos recursos; ◦ seleção de opções de processamento econômicas; ◦ determinação de nível de operador, modo de preparação do recurso e a forma como vai ser utilizado; ◦ cálculo dos tempos de fabricação, especificando as fórmulas e tabelas; ◦ cálculo das sobras de material; ◦ ilustração das operações de preparação e dos estágios e formas de execução de cada etapa; ◦ programação da máquina para a execução do processo estabelecido.
  • 20. Engineer-to-order  Make-to-order  Assemble-to-order  Make-to-stock
  • 21. A questão da evolução da produtividade vem ganhando cada vez mais espaço no debate econômico em razão da necessidade de os países assegurarem sua competitividade dentro de um cenário globalizado.  A partir de 1990, passou-se à adoção de políticas liberais de comércio, com o fim das barreiras não-tarifárias e a diminuição das tarifas.
  • 22. Produtividade é a relação direta entre o que se produz (tempo) e o que deveria ser produzido (tempo) seu resultado é dado em porcentagem (%). Detalhe importante, na produtividade o tempo parado por motivo de falta de matéria prima, energia, quebra de máquina é descontado do tempo disponível.  Eficiência é resultante do trabalho indireto do homem sobre a produção, isto é depende dos órgãos auxiliares como:  * Da Supervisão da produção, na manutenção dos métodos de trabalho e disciplina na mão de obra.  * Da Racionalização Industrial, na determinação dos padrões de tempos e métodos.  * Da Engenharia do Desenvolvimento, realizando um projeto satisfatório dos produtos e confecção correta dos dispositivos e aparelhos.  * Da Manutenção, no reparo eficiente das máquinas, equipamentos e instalações.  * Do Planejamento, na seqüência lógica da produção.  * Do Recurso Humanos que contrata gente que vive faltando.  * Etc.
  • 23.
  • 24.
  • 25. O QUE WHAT QUANDO WHEN QUEM WHO ONDE WHERE POR QUE WHY COMO HOW
  • 26.
  • 27. 1S – Arrumação: Identificação de dados e informações necessárias e desnecessárias para decisões.  2S – Ordenação: Determinação do local de arquivo para pesquisa e utilização de dados a qualquer momento. Deve-se estabelecer um prazo de 5 minutos para se localizar um dado.  3S – Limpeza: Sempre atualização e renovação de dados para ter decisões corretas.  4S – Asseio: Estabelecimento, preparação e implementação de informações e dados de fácil entendimento que serão muito úteis e praticas para decisões.  5S – Auto-disciplina: Habito para cumprimento dos procedimentos determinados pela empresa.
  • 28. 1S – Arrumação: Identificação dos equipamentos, ferramentas e materiais necessários e desnecessários nas oficinas e postos de trabalho.  2S – Ordenação: Determinação do local especifico ou layout para os equipamentos serem localizados e utilizados a qualquer momento.  3S – Limpeza: Eliminação de pó, sujeira e objetos desnecessários e manutenção da limpeza nos postos de trabalho.  4S – Asseio: Ações consistentes e repetitivas visando arrumação, ordenação e limpeza e ainda manutenção de boas condições sanitárias e sem qualquer poluição.  5S – Auto-disciplina: Habito para cumprimento dos procedimentos especificados pelo cliente.
  • 29. A gestão da qualidade total (em língua inglesa "Total Quality Management" ou simplesmente "TQM") consiste numa estratégia de administração orientada a criar consciência da qualidade em todos os processos organizacionais. ◦ aumenta a satisfação e a confiança dos clientes; ◦ aumenta a produtividade; ◦ reduz os custos internos; ◦ melhora a imagem e os processos de modo contínuo; ◦ possibilita acesso mais fácil a novos mercados.
  • 30. A expressão ISO 9000 designa um grupo de normas técnicas que estabelecem um modelo de gestão da qualidade para organizações em geral, qualquer que seja o seu tipo ou dimensão.  A sigla "ISO" refere-se à International Organization for Standardization, organização não-governamental fundada em 1947, em Genebra, e hoje presente em cerca de 157 países. A sua função é a de promover a normatização de produtos e serviços, para que a qualidade dos mesmos seja permanentemente melhorada.
  • 31. Desde os seus primórdios, a industrialização levantou questões relativas à padronização, ao gerenciamento de processos e à qualidade dos produtos. No início do século XX, destacaram-se os estudos de Frederick Taylor visando racionalizar as etapas de produção, aproveitados com sucesso por Henry Ford, que implantou a linha de montagem.  A padronização internacional começou pela área eletrotécnica, com a constituição, em 1922, da International Electrotechnical Commission (IEC).  O seu exemplo foi seguido em 1926, com o estabelecimento da International Federation of the National Standardizing Associations (ISA), com ênfase na engenharia mecânica. As atividades da ISA cessaram em 1942, durante a Segunda Guerra Mundial.
  • 32. Essa primeira norma tinha estrutura idêntica à norma britânica BS 5750, mas era também influenciada por outras normas existentes nos Estados Unidos da América e por normas de defesa militar (as "Military Specifications" - "MIL SPECS").
  • 33. Essa norma continha os termos e definições relativos à norma ISO 9001:1994. Não é uma norma certificadora, apenas explicativa dos termos e definições da garantia da qualidade.
  • 34. Essa norma tinha a garantia da qualidade como base da certificação. A norma tinha os seguintes requisitos:  4.1 Responsabilidade da Direção (Trata do papel da alta direcção na implementação do sistema da Qualidade);  4.2 Sistema da qualidade (Descreve a documentação que compõe o sistema da qualidade);  4.3 Análise do contrato (Trata da relação comercial entre a empresa e os seus clientes);  4.4 Controle da concepção e projecto (Trata da concepção e desenvolvimento de novos produtos para atender aos clientes);  4.5 Controle dos documentos e dados (Trata da forma de controlar os documentos do sistema da qualidade);  4.6 Compras (Trata da qualificação dos fornecedores de materiais / serviços e do processo de compras);  4.7 Produto fornecido pelo Cliente (Trata da metodologia para assegurar a conformidade dos produtos fornecidos pelo Cliente para incorporar ao produto final);  4.8 Rastreabilidade (Trata da história desde o início do fabrico do produto ou da prestação do serviço);  4.9 Controle do processo (Trata do processo de produção dos produtos da empresa);
  • 35. 4.11 Controle de equipamentos de inspecção, medição e ensaio (Trata do controle necessário para a calibração / verificação dos instrumentos que inspeccionam, meçam ou ensaiem a conformidade do produto);  4.12 Situação da inspecção e ensaios (Trata da identificação da situação da inspecção do produto ou serviço em todas as etapas da sua produção)  4.13 Controle do produto não conforme (Trata da metodologia de controle para os produtos fora de especificação);  4.14 Acção correctiva e preventiva (Trata das acções necessárias para as não conformidades identificadas de forma a evitar que aconteça e a sua repetição);  4.15 Manuseamento, armazenamento, embalagem, preservação e expedição (Trata dos cuidados com o produto acabado até a sua expedição para o cliente);  4.16 Controle dos registros da qualidade (Trata da metodologia do controle dos registros da qualidade para facilitar a sua identificação,recuperação);  4.17 Auditorias internas da qualidade (Trata da programação das auditorias internas da qualidade);  4.18 Formação (Trata do levantamento de necessidades de formação e da programação das respectivas formações);  4.19 Serviços após - venda (Trata dos serviços prestados após venda);  4.20 Técnicas estatísticas (Trata da utilização de técnicas estatísticas na empresa);  Esta versão por exigir muito "papel" em vez da implementação das práticas como exigido pela ISO 9001:2008.
  • 36. Para solucionar as dificuldades da anterior, esta norma combinava as 9001, 9002 e 9003 em uma única, doravante denominada simplesmente 9001:2000.
  • 37. Foi a única norma lançada nesse ano, descrevendo os fundamentos de sistemas de gestão da qualidade que, no Brasil, constituem o objeto da família ABNT NBR ISO 9000, e definindo os termos a ela relacionados.
  • 38. A versão atual da norma foi aprovada no fim do ano de 2008.  Esta nova versão foi elaborada para apresentar maior compatibilidade com a família da ISO 14000, e as alterações realizadas trouxeram maior compatibilidade para as suas traduções e consequentemente um melhor entendimento e interpretação de seu texto.
  • 39. ISO 9001.  A família de normas NBR ISO 9000:1994 (9001, 9002 e 9003) foi cancelada e substituída pela série de normas ABNT NBR ISO 9000:2000, que é composta de três normas:  • ABNT NBR ISO 9000:2000: Descreve os fundamentos de sistemas de gestão da qualidade e estabelece a terminologia para estes sistemas.  • ABNT NBR ISO 9001:2000: Especifica requisitos para um Sistema de Gestão da Qualidade, onde uma organização precisa demonstrar sua capacidade para fornecer produtos que atendam aos requisitos do cliente e aos requisitos regulamentares aplicáveis, e objetiva aumentar a satisfação do cliente.  • ABNT NBR ISO 9004:2000: Fornece diretrizes que consideram tanto a eficácia como a eficiência do sistema de gestão da qualidade. O objetivo desta norma é melhorar o desempenho da organização e a satisfação dos clientes e das outras partes interessadas.  Não existe certificação para as normas ABNT NBR ISO 9000:2000 e ABNT NBR ISO 9004:2000
  • 40.
  • 41.
  • 42.
  • 43.
  • 44.
  • 45. Exemplos típicos de Engenharia Econômica são:  Efetuar o transporte de materiais manualmente ou comprar uma correia transportadora?  Construir uma rede de abastecimento de água com tubos de menor ou maior diâmetro?  Comprar um veículo a prazo ou a vista?  Aplicar o dinheiro em ações ou em Renda Fixa?  Comprar ou alugar uma máquina?  Quando trocar a frota de veículos?  Lançar o produto A ou o produto B?
  • 46. É largamente aplicada nas mais variadas áreas de produção industrial.  Alguns exemplos de máquinas e processos que podem ser automatizados são listados a seguir:  • Indústria automobilística  o Processos de estamparia (moldagem de chapas ao formato desejado do veículo)  o Máquinas de solda  o Processos de pintura  • Indústria química  o Dosagem de produtos para misturas  o Controle de pH  o Estações de tratamento de efluentes  • Indústria de mineração  o Britagem de minérios  o Usinas de Pelotização  o Ensacado
  • 47.
  • 48. O ano de 1955 marca o início do modelo conhecido como “produção em massa”, em sua forma amadurecida. Os conhecimentos de gestão desenvolvidos por Taylor, Ford e Sloan trouxeram, desde o início do século XX até essa data, avanços sem precedentes à produtividade das empresas dos EUA.  Até o final da década de 1970, a gestão industrial da maior parte das empresas no Brasil baseava- se no sistema de produção em massa. A produção enxuta teve grande divulgação a partir da década de 1980.
  • 49. Neste novo cenário de atuação, mais competitivo e dinâmico, a participação das empresas brasileiras no comércio mundial ainda é pequena. No entanto, programas como o citado acima estendido a outros setores da economia pode transformar o perfil da empresa brasileira, tornando real todo seu potencial produtivo e criativo.
  • 50. O just in time é o principal pilar do Sistema Toyota de Produção ou Produção enxuta.  Com este sistema, o produto ou matéria prima chega ao local de utilização somente no momento exato em que for necessário. Os produtos somente são fabricados ou entregues a tempo de serem vendidos ou montados.
  • 51. Kanban é uma palavra japonesa que significa literalmente registro ou placa visível.  Em Administração da produção significa um cartão de sinalização que controla os fluxos de produção ou transportes em uma indústria. O cartão pode ser substituído por outro sistema de sinalização, como luzes, caixas vazias e até locais vazios demarcados.