SlideShare uma empresa Scribd logo

Desempenho, enfoque e tendências da adm materiais 2016.2

Utilizamos vídeos ilustrativos na apresentação. Segue os links:https://www.youtube.com/watch?v=h81b1gLmCws https://www.youtube.com/watch?v=YdFRecJv4nQ https://www.youtube.com/watch?v=aD3FVRVssq4 https://www.youtube.com/watch?v=hpPBUVs9t1s

1 de 17
Baixar para ler offline
TRABALHO DE ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS
DESEMPENHO, ENFOQUE E
TÊNDENCIAS DA ADMINISTRAÇÃO
DE MATERIAIS
Professor: Ricardo Gabiroba
Alunos: Taymara Braz, Antonio Sérgio e Welingthon Brito.
A empresa necessita de indicadores que possibilitem ao gerente
fazer avaliações constantes ou periódicas do seu negócio.
• A medição do desempenho deve ser objetiva, direta e
específica, focada no alvo a ser mensurado.
• Deve realmente interessar a empresa e estar alinhada com
sua estratégia, para não se tornar inócua e obviamente
engavetada.
• Simples, de fácil entendimento e compreendida por todos,
para não causar confusão no entendimento ou gerar conflitos.
DESEMPENHO
INDICADORES DE DESEMPENHO NA ADMINISTRAÇÃO DE
RECURSOS MATERIAIS
• Giro do estoque
• Estoque em processo
• Lead time (intervalo de tempo para execução de uma
atividade)
• Produto acabado em estoque
• Erros em ordens de compras
• Valor total comprado
• Eficiência de entregas
BALANCED SCORECARD - BSC
Ferramenta de gestão estratégica criada pelos professores
Robert Kaplan e David Norton, da Harvard Business School, o
BSC, que traduzido ficou sendo conhecido como Indicadores
Balanceados de Desempenho, foca na medição e avaliação de
fatores que por sua subjetividade sempre foram ignorados,
como o emocional, a saúde etc.
A aplicação das tecnologias e constantes inovações aliada ao
desempenho dos atores envolvidos no processo, otimizarão a
produção, eliminarão gargalos e certamente vai majorar o
resultado proporcionando a vantagem competitiva
ETAPAS A SEREM SEGUIDAS PARA IMPLANTAÇÃO DO BSC
• Sensibilização das pessoas envolvidas
• Definição de etapas
• Avaliação dos processos internos
• Definição de indicadores de performance
• Implementação
• Controle e acompanhamento
Medição do desempenho dos fatores impulsionadores de
rentabilidade de longo prazo e não só os indicadores financeiros,
uma vez que estes medem resultados de operações passadas.
Estes fatores são:
• Aprendizagem e crescimento: RH (Turn-over, absenteísmo)
• Processos: Metas, Alvos de produção
• Pessoas: Retenção de clientes, índices de satisfação (Externos
e internos)
• Financeiro: Perspectiva tradicional e objetiva.
CARACTERÍSTICAS DO BSC
Anúncio

Recomendados

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

MiniBA - Gestão de Microempresas - Estoque
MiniBA - Gestão de Microempresas - EstoqueMiniBA - Gestão de Microempresas - Estoque
MiniBA - Gestão de Microempresas - EstoqueDiego T. Budemberg
 
Métodos de Ensino - Texto de Libâneo (1994)
Métodos de Ensino - Texto de Libâneo (1994)Métodos de Ensino - Texto de Libâneo (1994)
Métodos de Ensino - Texto de Libâneo (1994)Mario Amorim
 
Aula de adm de materiais alunos
Aula de adm de materiais alunosAula de adm de materiais alunos
Aula de adm de materiais alunosMarcus Leal
 
5.+alavancagem+operacional+e+alavancagem+financeira
5.+alavancagem+operacional+e+alavancagem+financeira5.+alavancagem+operacional+e+alavancagem+financeira
5.+alavancagem+operacional+e+alavancagem+financeiraManú Felicio
 
Planejamento, organização, direcao e controle
Planejamento, organização, direcao e controlePlanejamento, organização, direcao e controle
Planejamento, organização, direcao e controleRodrigo Ribeiro
 
Ponto de equilíbrio custos industriais
Ponto de equilíbrio custos industriaisPonto de equilíbrio custos industriais
Ponto de equilíbrio custos industriaisFelipe Willians
 
Contabilidade de Custos - Conceitos Básicos
Contabilidade de Custos - Conceitos BásicosContabilidade de Custos - Conceitos Básicos
Contabilidade de Custos - Conceitos BásicosDiego Lopes
 
Políticas de gestão de estoque
Políticas de gestão de estoquePolíticas de gestão de estoque
Políticas de gestão de estoqueMarlonFranca
 
Operações e rotinas de trabalho do almoxarifado
Operações e rotinas de trabalho do almoxarifadoOperações e rotinas de trabalho do almoxarifado
Operações e rotinas de trabalho do almoxarifadoBenjamim Garcia Netto
 
Capital de Giro e Ciclo Financeiro
Capital de Giro e Ciclo FinanceiroCapital de Giro e Ciclo Financeiro
Capital de Giro e Ciclo FinanceiroAndré Faria Gomes
 
gestão de pessoas e RH
 gestão de pessoas e RH gestão de pessoas e RH
gestão de pessoas e RHLilian Siqueira
 

Mais procurados (20)

Planejamento de Compras
Planejamento de ComprasPlanejamento de Compras
Planejamento de Compras
 
MiniBA - Gestão de Microempresas - Estoque
MiniBA - Gestão de Microempresas - EstoqueMiniBA - Gestão de Microempresas - Estoque
MiniBA - Gestão de Microempresas - Estoque
 
Métodos de Ensino - Texto de Libâneo (1994)
Métodos de Ensino - Texto de Libâneo (1994)Métodos de Ensino - Texto de Libâneo (1994)
Métodos de Ensino - Texto de Libâneo (1994)
 
Aula de adm de materiais alunos
Aula de adm de materiais alunosAula de adm de materiais alunos
Aula de adm de materiais alunos
 
Remuneração Variável
Remuneração VariávelRemuneração Variável
Remuneração Variável
 
02 aula cadeia de fornecimento
02 aula cadeia de fornecimento02 aula cadeia de fornecimento
02 aula cadeia de fornecimento
 
gestão de estoques
gestão de estoquesgestão de estoques
gestão de estoques
 
5.+alavancagem+operacional+e+alavancagem+financeira
5.+alavancagem+operacional+e+alavancagem+financeira5.+alavancagem+operacional+e+alavancagem+financeira
5.+alavancagem+operacional+e+alavancagem+financeira
 
Planejamento, organização, direcao e controle
Planejamento, organização, direcao e controlePlanejamento, organização, direcao e controle
Planejamento, organização, direcao e controle
 
Exercícios Administração da Produção
Exercícios Administração da ProduçãoExercícios Administração da Produção
Exercícios Administração da Produção
 
Aula 4 custo_de_estoque_modulo6
Aula 4 custo_de_estoque_modulo6Aula 4 custo_de_estoque_modulo6
Aula 4 custo_de_estoque_modulo6
 
Compras logística
Compras logísticaCompras logística
Compras logística
 
Ponto de equilíbrio custos industriais
Ponto de equilíbrio custos industriaisPonto de equilíbrio custos industriais
Ponto de equilíbrio custos industriais
 
Contabilidade de Custos - Conceitos Básicos
Contabilidade de Custos - Conceitos BásicosContabilidade de Custos - Conceitos Básicos
Contabilidade de Custos - Conceitos Básicos
 
Políticas de gestão de estoque
Políticas de gestão de estoquePolíticas de gestão de estoque
Políticas de gestão de estoque
 
Pós - Matemática Financeira
Pós - Matemática FinanceiraPós - Matemática Financeira
Pós - Matemática Financeira
 
Operações e rotinas de trabalho do almoxarifado
Operações e rotinas de trabalho do almoxarifadoOperações e rotinas de trabalho do almoxarifado
Operações e rotinas de trabalho do almoxarifado
 
Capital de Giro e Ciclo Financeiro
Capital de Giro e Ciclo FinanceiroCapital de Giro e Ciclo Financeiro
Capital de Giro e Ciclo Financeiro
 
Inventários
InventáriosInventários
Inventários
 
gestão de pessoas e RH
 gestão de pessoas e RH gestão de pessoas e RH
gestão de pessoas e RH
 

Semelhante a Desempenho, enfoque e tendências da adm materiais 2016.2

Logística Aula 2
Logística Aula 2Logística Aula 2
Logística Aula 2robsonnasc
 
Reimplantação de Sistema ERP
Reimplantação de Sistema ERPReimplantação de Sistema ERP
Reimplantação de Sistema ERPWillian Berriel
 
Aula 1 473 - as funções da empresa
Aula 1   473 - as funções da empresaAula 1   473 - as funções da empresa
Aula 1 473 - as funções da empresaLuciana C. L. Silva
 
Modelo apresentação ppt
Modelo apresentação pptModelo apresentação ppt
Modelo apresentação pptjmclogisticas
 
Aula 3 - Gestão de Processos, BPM e Desenvolvimento de Sistemas
Aula 3 - Gestão de Processos, BPM e Desenvolvimento de SistemasAula 3 - Gestão de Processos, BPM e Desenvolvimento de Sistemas
Aula 3 - Gestão de Processos, BPM e Desenvolvimento de SistemasFilipo Mór
 
132 slides engenharia da qualidade sistema de manufatura
132 slides engenharia da qualidade  sistema  de  manufatura  132 slides engenharia da qualidade  sistema  de  manufatura
132 slides engenharia da qualidade sistema de manufatura delano chaves gurgel do amaral
 
Adm da produção e gestão da qualidade
Adm da produção e gestão da qualidadeAdm da produção e gestão da qualidade
Adm da produção e gestão da qualidadeDenis Carlos Sodré
 
Dheka - Apresentacao Institucional
Dheka - Apresentacao InstitucionalDheka - Apresentacao Institucional
Dheka - Apresentacao Institucionaldheka
 
sap-hr-recursos-humanos
  sap-hr-recursos-humanos  sap-hr-recursos-humanos
sap-hr-recursos-humanosDenner Andrade
 
Aula pcp lean parte I - unoesc são miguel do oeste
Aula pcp lean parte I - unoesc são miguel do oesteAula pcp lean parte I - unoesc são miguel do oeste
Aula pcp lean parte I - unoesc são miguel do oesteLuiz Felipe Cherem
 
Nutrisaude Case - BPMS Showcase SP
Nutrisaude Case - BPMS Showcase SP Nutrisaude Case - BPMS Showcase SP
Nutrisaude Case - BPMS Showcase SP Lecom Tecnologia
 
Isa Show 2009 Cr 259.09 Francisco Salvador
Isa Show 2009   Cr 259.09   Francisco SalvadorIsa Show 2009   Cr 259.09   Francisco Salvador
Isa Show 2009 Cr 259.09 Francisco SalvadorFrancisco Salvador
 

Semelhante a Desempenho, enfoque e tendências da adm materiais 2016.2 (20)

Logística Aula 2
Logística Aula 2Logística Aula 2
Logística Aula 2
 
UFCD_0621.ppt
UFCD_0621.pptUFCD_0621.ppt
UFCD_0621.ppt
 
Reimplantação de Sistema ERP
Reimplantação de Sistema ERPReimplantação de Sistema ERP
Reimplantação de Sistema ERP
 
Aula 1 473 - as funções da empresa
Aula 1   473 - as funções da empresaAula 1   473 - as funções da empresa
Aula 1 473 - as funções da empresa
 
Modelo apresentação ppt
Modelo apresentação pptModelo apresentação ppt
Modelo apresentação ppt
 
Aula 3 - Gestão de Processos, BPM e Desenvolvimento de Sistemas
Aula 3 - Gestão de Processos, BPM e Desenvolvimento de SistemasAula 3 - Gestão de Processos, BPM e Desenvolvimento de Sistemas
Aula 3 - Gestão de Processos, BPM e Desenvolvimento de Sistemas
 
WEBINAR RPS
WEBINAR RPSWEBINAR RPS
WEBINAR RPS
 
132 slides engenharia da qualidade sistema de manufatura
132 slides engenharia da qualidade  sistema  de  manufatura  132 slides engenharia da qualidade  sistema  de  manufatura
132 slides engenharia da qualidade sistema de manufatura
 
Adm da produção e gestão da qualidade
Adm da produção e gestão da qualidadeAdm da produção e gestão da qualidade
Adm da produção e gestão da qualidade
 
Aula Lean
Aula LeanAula Lean
Aula Lean
 
Dheka - Apresentacao Institucional
Dheka - Apresentacao InstitucionalDheka - Apresentacao Institucional
Dheka - Apresentacao Institucional
 
Sistemas de Produção
Sistemas de ProduçãoSistemas de Produção
Sistemas de Produção
 
Fundamentos de gerenciamento de projetos
Fundamentos de gerenciamento de projetosFundamentos de gerenciamento de projetos
Fundamentos de gerenciamento de projetos
 
Apresentação SupriQual junho 2014
Apresentação SupriQual junho 2014Apresentação SupriQual junho 2014
Apresentação SupriQual junho 2014
 
Apresentação SupriQual
Apresentação SupriQualApresentação SupriQual
Apresentação SupriQual
 
Producente Consulting
Producente ConsultingProducente Consulting
Producente Consulting
 
sap-hr-recursos-humanos
  sap-hr-recursos-humanos  sap-hr-recursos-humanos
sap-hr-recursos-humanos
 
Aula pcp lean parte I - unoesc são miguel do oeste
Aula pcp lean parte I - unoesc são miguel do oesteAula pcp lean parte I - unoesc são miguel do oeste
Aula pcp lean parte I - unoesc são miguel do oeste
 
Nutrisaude Case - BPMS Showcase SP
Nutrisaude Case - BPMS Showcase SP Nutrisaude Case - BPMS Showcase SP
Nutrisaude Case - BPMS Showcase SP
 
Isa Show 2009 Cr 259.09 Francisco Salvador
Isa Show 2009   Cr 259.09   Francisco SalvadorIsa Show 2009   Cr 259.09   Francisco Salvador
Isa Show 2009 Cr 259.09 Francisco Salvador
 

Desempenho, enfoque e tendências da adm materiais 2016.2

  • 1. TRABALHO DE ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS DESEMPENHO, ENFOQUE E TÊNDENCIAS DA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS Professor: Ricardo Gabiroba Alunos: Taymara Braz, Antonio Sérgio e Welingthon Brito.
  • 2. A empresa necessita de indicadores que possibilitem ao gerente fazer avaliações constantes ou periódicas do seu negócio. • A medição do desempenho deve ser objetiva, direta e específica, focada no alvo a ser mensurado. • Deve realmente interessar a empresa e estar alinhada com sua estratégia, para não se tornar inócua e obviamente engavetada. • Simples, de fácil entendimento e compreendida por todos, para não causar confusão no entendimento ou gerar conflitos. DESEMPENHO
  • 3. INDICADORES DE DESEMPENHO NA ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS • Giro do estoque • Estoque em processo • Lead time (intervalo de tempo para execução de uma atividade) • Produto acabado em estoque • Erros em ordens de compras • Valor total comprado • Eficiência de entregas
  • 4. BALANCED SCORECARD - BSC Ferramenta de gestão estratégica criada pelos professores Robert Kaplan e David Norton, da Harvard Business School, o BSC, que traduzido ficou sendo conhecido como Indicadores Balanceados de Desempenho, foca na medição e avaliação de fatores que por sua subjetividade sempre foram ignorados, como o emocional, a saúde etc. A aplicação das tecnologias e constantes inovações aliada ao desempenho dos atores envolvidos no processo, otimizarão a produção, eliminarão gargalos e certamente vai majorar o resultado proporcionando a vantagem competitiva
  • 5. ETAPAS A SEREM SEGUIDAS PARA IMPLANTAÇÃO DO BSC • Sensibilização das pessoas envolvidas • Definição de etapas • Avaliação dos processos internos • Definição de indicadores de performance • Implementação • Controle e acompanhamento
  • 6. Medição do desempenho dos fatores impulsionadores de rentabilidade de longo prazo e não só os indicadores financeiros, uma vez que estes medem resultados de operações passadas. Estes fatores são: • Aprendizagem e crescimento: RH (Turn-over, absenteísmo) • Processos: Metas, Alvos de produção • Pessoas: Retenção de clientes, índices de satisfação (Externos e internos) • Financeiro: Perspectiva tradicional e objetiva. CARACTERÍSTICAS DO BSC
  • 7. ENFOQUES DA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS • ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS: Em grande parte baseada em técnicas que integram os elementos de tecnologia de manufatura e otimizam a utilização de pessoas, materiais e instalações ou equipamentos. As mais empregadas são as ligadas a materiais, fábricas, equipamentos e pessoas. • SISTEMA DE CONTROLE E DE INFORMAÇÕES: Envolvem as operações de manufatura, definições dos produtos e processos e integração de sistemas tecnológicos. • PROCESSOS: A rápida mudança tecnológica levará a uma contínua atualização dos processos de fabricação.
  • 8. ENFOQUE NA ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS Técnicas de Administração de Materiais: • Just-in-time (JIT): Fornecedores devem mandar suprimentos à medida que vão sendo necessários na produção, buscando eliminar tudo o que não agrega valor ao produto ou serviço, utilizando-se de baixos inventários desde o fornecedor até o produto acabado. Ex.: Marcopolo • Fornecedor preferencial: Consiste em selecionar fornecedores e garantir qualidade, eliminando testes de recebimento e garantindo feedback e correção de defeitos na fábrica do fornecedor. Ex.: Fábrica de caminhões VW, em Resende.
  • 9. Técnicas na administração de materiais Programação de fornecedores: Manter um esquema de alimentação contínua da programação e controle da produção (PCP) do fornecedor com as necessidades de entrega, via Eletronic Data Interchange (EDI). Essa técnica é bastante utilizada em supermercados através do Efficient consumer response (ECR), onde os produtos são identificados com código de barras, intenso uso do EDI, padronização dos transportes e uma forte aliança entre fornecedor e distribuidor, aumentando opções de produtos, reposição, redução de custos de estoque e o maior conhecimento do cliente da empresa.
  • 10. Técnicas de Administração de Materiais: • Kanban: (Cartão, em português) é uma tecnologia de controle de fábrica pela qual as necessidades de entregas determinam os níveis de estoque no decorrer do processo. Repousa em medidas adequadas, melhorias na flutuação dos volumes e sequências corretas. • Qualidade em tempo real e Seis Sigma: Usa o controle estatístico de processos (CEP) para detectar rapidamente variações perante o padrão, identificando causa assinaláveis de defeitos e estabelecendo diagnósticos para ações corretivas, utilizando-se da probabilidade para, por meio de amostragem, extrair conclusões genéricas sobre os processos a partir de um índice estipulado. Para análises mais profundas essa técnica pode ainda se utilizar da DOE (design of experiments). Várias empresas se utilizam da filosofia Seis Sigma, que identifica nos processos fontes de desperdício e oportunidades de ganho através da análise de dados coletados em experimentos controlados.
  • 11. Técnicas para a Gestão de Bens e Equipamentos • Justificativa de Investimentos • Simulação • Configuração do fluxo • Tecnologia de agrupamento de processos • Manufaturabilidade do produto
  • 12. Técnicas para a Administração de Pessoas • Envolvimento das pessoas: Administração Participativa, CQC, esquemas de delegação de poder (Empowerment) • Grupos de trabalho: Pequenos times na manufatura (minifábricas) ou no desenvolvimento do produto. • Educação e treinamento contínuos: reciclagem constante, instrutores qualificados para treinamento em todos os níveis, da alta gerencia ate o chão de fábrica, e acompanhamento.
  • 13. SISTEMAS DE CONTROLE DE INFORMAÇÕES • A utilização dos sistemas de controle de informações leva a uma melhoria de produtividade, controle mais rígido dos ativos realmente importantes, ambientes de fábrica flexíveis, responsabilidade maior para níveis mais baixos com a consequente demanda de pessoal com maior escolaridade. As fabricas globais vão constantemente trocar informações via EDI, agilizando resolução de problemas de qualidade e reduzindo custos, atualizando projetos, acionando fornecedores de outros países, começando a se tornar organizações que aprendem e retêm sua cultura.
  • 14. PROCESSOS • Deverá ser implantada a Administração estratégica da atualização tecnológica, com um sistema de coleta, organização e disseminação da informação tecnológica, com uma rede para comunicar tecnologias recém-identificadas algumas em âmbito de pesquisa com informações sobre: Classificação, categoria, estágio, descrição, objetivos, benefícios, análise, recursos, programa, desafios e comentários.
  • 15. TENDÊNCIAS DA ADMISTRAÇÃO DE MATERIAIS O acelerado crescimento tecnológico desde o final do século XX prenunciou grandes mudanças para o século XXI, dentre elas: • Aceleração do PRP e engenharia simultânea • Melhor gerenciamento de inovação e mudanças • Remanejamento das estruturas econômicas das empresas • Amplo crescimento da disponibilidade da informação, maior uso de modelagens e simulações. • Grande integração entre as empresas, com fortalecimento das empresas virtuais visando objetivos específicos de interesse comum. Todas essas mudanças resumem-se em três conceitos: • Uso intenso de sistemas integrados (engenharia simultânea e supply chains) • Desenvolvimento de grupos de trabalho semi-autônomos em qualquer nível da empresa • Criação de Networks (redes de empresas integradas com diminuição de escala de unidades isoladas
  • 16. CONCLUSÃO • Vivemos a era da informação • Ciclo de vida curto dos produtos • O ser humano, colaborador do conhecimento, é difícil de ser avaliado (Diferentemente de um equipamento) A simples medida, por mais precisa que seja, de nada adiantará se não for comparada, avaliada e criticada em face de outros indicadores, de outras unidades de negócios dentro da empresa, da concorrência e de empresas de sucesso em outros mercados (BENCHMARKING).
  • 17. REFERÊNCIAS: • ARAUJO, L.C.G. de. Organização, Sistemas e Métodos e as tecnologias de Gestão Organizacional – v. 2, São Paulo: Atlas, 2011. • Martins, P.G. e ALT, P.R.C. Administração de Materiais e Recursos Patrimoniais – 3.ed.rev.e atualizada – São Paulo: Saraiva,2009.