SlideShare uma empresa Scribd logo
Gestão pela Qualidade
Total
Alunos: Raphael Dantas de Oliveira Pereira
Daniel Moraes Ribeiro da Silva
O que é qualidade ?
Qualidade total
A qualidade está em toda parte:
•Qualidade do produto
•Qualidade do serviço
•Qualidade do relacionamento
•Qualidade dos transportes
•Qualidade de vida
Introdução
Qualidade total
Foi uma filosofia desenvolvida por dois engenheiros americanos no pós-guerra.
W. Edwards Deming J. M. Juran
Princípios do TQC
TQC(Total Quality Control)
Processo de melhoria
A VOZ DO CONSUMIDOR
(ÊNFASE: PESSOAL, PROCESSO,
PLANEJ., PRODUTO E CUSTOS)
3. ORIENTAÇÃO SISTÊMICA
(CONTROLE DA QUALIDADE EM
TODOS OS DEPARTAMENTOS)
2. ORIENTAÇÃO P/ PROCESSO
(CONTROLE DA QUALIDADE
DURANTE A PRODUÇÃO)
1. ORIENTAÇÃO P/ PRODUTO
(INSPEÇÃO APÓS PRODUÇÃO,
AUDITORIA DO PRODUTO ACABADO)
4. MELHORIA CONTÍNUA
LÓGICA DO PROCESSO DE
PERFEIÇOAMENTO DA QUALIDADE
Qualidade -
Comparação
DEFINIÇÃO
SISTEMA DE
TRABALHO
PADRÃO DE
DESEMPENHO
MENSURAÇÃO
BOM, DO PONTO DE VISTA
DE
QUEM PRODUZ
ÊNFASE NA CORREÇÃO
NÍVEL ACEITAVEL DE
FALHAS
INDICES DE QUALIDADE
CONFORMIDADE AOS
REQUISITOS DOS
CLIENTES EXTERNOS
E INTERNOS
ÊNFASE NA PREVENÇÃO
INEXISTÊNCIA DE
FALHAS E ELIMINAÇÃO
DE DESPERDÍCIOS
CUSTO DA NÃO
CONFORMIDADE
Visão Convencional Visão Moderna
Evolução da Qualidade
• Inspeção
• Controle Estatístico da Qualidade
• Garantia de Qualidade
• Gestão Estratégica da Qualidade
As quatro principais fases da Qualidade:
Inspeção
Preocupação básica: Verificação
Visão da qualidade: Um problema a ser resolvido
Ênfase: Uniformidade do Produto
Méetodos: Instrumento de Medição
Responsável pela qualidade: O Departamento de Inspeção
Orientação e Abordagem: "Inspeciona" a qualidade
Controle Estatístico da Qualidade
Preocupação básica: Controle
Visão da qualidade: Um problema a ser resolvido
Ênfase: Uniformidade do Produto com menos inspeção
Méetodos: Instrumentos e técnicas estatísticas
Responsável pela qualidade: Departamentos de produção e Engenharia
Orientação e Abordagem: Controla a "qualidade"
Garantia da Qualidade
Preocupação básica: Coordenação.
Visão da qualidade: Um problema a ser resolvido,
mas que seja enfrentado pró-ativamente.
Ênfase: Toda cadeia de produção, desde o projeto
até o mercado, e a contribuição de todos os grupos
funcionais, especialmente os projetistas, para impedir falhas de qualidade.
Méetodos: Programas e Sistemas.
Responsável pela qualidade: Todos os departamentos, embora a alta
gerência só se envolva perifericamente com o projeto, o planejamento e a
execução de políticas de qualidade.
Orientação e Abordagem: "Constrói" a qualidade.
Gestão Estratégica da Qualidade
Preocupação básica: Impacto estratégico
Visão da qualidade: Uma oportunidade de concorrência
Ênfase: As necessidades de mercado e consumidor
Metodos: Planejamento estratégico, estabelecimento de objetivos e a
mobilização da organização.
Responsável pela qualidade: Todos na empresa, com a alta gerência
exercendo forte liderança.
Orientação e Abordagem: "Gerencia" a qualidade.
PDCA
PDCA = plan–do–check–act
Circulos de controle de Qualidade
São a extensão da prática do controle de
qualidade no nível operacional.
o Vantagens
•Aumentar a motivação e auto-realização dos funcionários, através da
oportunidade de participação na solução dos problemas da empresa;
•Garantir a qualidade do produto;
•Aumentar a produtividade do trabalho;
•Melhorar a comunicação e o relacionamento humano, tanto no sentido
horizontal quanto vertical;
•Criar novas idéias;
Circulos de controle de Qualidade
• melhoria de qualidade;
• melhoria de produtividade
• redução de custos
• ambiente físico de trabalho, tais como: iluminação, ventilação, limpeza,
ruído, etc)
• racionalização dos processos de fabricação
• condições de trabalho
• desenvolvimento e integração de funcionários;
• análise de refugos, retrabalhos, reclamações de defeitos;
PROBLEMAS QUE PODEM SER SOLUCIONADOS:.
Gestão da Qualidade Total
Alguns conceitos
importantes
• Kaizen
• Kanban
• Just-in-time
Kaizen
Hoje melhor do que ontem, amanhã melhor do que hoje!
• Visa o bem não somente da empresa como do homem
que trabalha nela.
• nenhum dia deve passar sem que alguma melhoria
tenha sido implantada, seja ela na estrutura da empresa
ou no indivíduo
O Sistema de produção Toyota (Lean
Manufacturing) é conhecido pela sua aplicação do
princípio do Kaizen.
Kanban
•Agilizar a entrega e a produção de produtos
•Kanban Eletrônico
•Kanban de Produção
•Kanban de Movimentação
Just-In-Time
•Nada deve ser produzido, transportado ou comprado antes da hora exata
•Pode ser aplicado em qualquer organização, para reduzir estoques e os custos
decorrentes
•Produção por demanda
Gestão da Qualidade Total
Sistemas de padronização no
mundo
ISO = Regido pela International Organization for
Standardization que congrega os grêmios de
padronização de 170 países, é um grupo de normas
técnicas que estabelecem um modelo de gestão da
qualidade para organizações em geral, qualquer que
seja o seu tipo ou dimensão.
INMETRO = atua como Secretaria Executiva do Conselho
Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade
Industrial (Conmetro), um colegiado interministerial,
que é o órgão normativo do Sistema Nacional de
Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial
Sistemas de padronização no mundo
• A ISO 9001:2000 é uma norma internacional que fornece
requisitos para o sistema de gestão da qualidade (SGQ) das
organizações.
• O objetivo da ISO 9001:2000 é fornecer um conjunto de requisitos
que, se forem bem implementados, darão mais confiança de que
uma empresa é capaz de fornecer regularmente produtos e
serviços que: Atendem às necessidades e expectativas de seus
clientes; e estão em conformidade com as leis e regulamentos
aplicáveis.
Sistemas de padronização no mundo
Pode ser citado como exemplo na reportagem da revista pequenas empresas
e grandes negócios, de setembro de 2007, o empresário Leandro Cavallaro, sócio
da Styroplast, na grande São Paulo, que vive em busca de novos clientes. Porém
sem o certificado de qualidade ISO 9001, nem se quer conseguia se aproximar de
potenciais clientes de grande porte. O jeito foi ir atrás do selo.
A estratégia lhe rendeu vários clientes. E não só, rendeu também a melhoria
dos processos da fábrica, exigida para obter a ISO 9001, reduziu os desperdícios
em 4% e trouxe uma economia anual em torno de R$ 35.000,00 só na compra da
matéria-prima. Com isso conseguiu em 18 meses recuperar os R$ 50.000,00 que
desembolsou para a certificação. Assim como ocorreu com a Styroplast, a obtenção
do selo deve ajudar a outras empresas conquistar novos clientes e melhorar sua
produtividade e qualidade.
Os ganhos são resultado, sobretudo, da padronização dos procedimentos, da
criação de metas e indicadores de desempenho e do estabelecimento de
mecanismos para combater falhas ao longo do processo de produção.
Gestão da Qualidade Total
Exemplos
Problemas relacionados à falta de
processos de qualidade.
QUEM É O RESPONSÁVEL PELA
QUALIDADE?
ESTA É UMA ESTÓRIA SOBRE 4 PESSOAS, CHAMADAS:
TODO MUNDO, ALGUÉM , QUALQUER UM E NINGUÉM.
A QUALIDADE ERA UM SERVIÇO IMPORTANTE A SER FEITO E TODO
MUNDO ESTAVA CERTO DE QUE ALGUÉM FARIA..
QUALQUER UM PODERIA TER FEITO.
ALGUÉM FICOU ZANGADO SOBRE ISSO , PORQUE ERA SERVIÇO DE
TODO MUNDO.
TODO MUNDO PENSOU QUE QUALQUER UM PODERIA FAZÊ-LO, MAS
NINGUÉM PERCEBEU QUE TODO MUNDO NÃO O FARIA.NO FIM,
TODO MUNDO CULPOU ALGUÉM QUANDO NINGUÉM FEZ O QUE
Bibliografia
• MARCONDES MACHADO NETO,Manoel.Relações Públicas e
Marketing.Convergências entre Comunicação e Administração /
Rio de Janeiro:Conceito Editorial,2008.
• http://www.sato.adm.br/rh/circulos_de_controle_de_qualidad.htm
• http://www.qualidade.com/glos-01.htm
• http://www.slideshare.net/gerisval/gesto-da-qualidade-total-
1415190
• https://dspace.ist.utl.pt/bitstream/2295/50803/1/Sistemas
%20Garantia%20Qualidade.pdf
• PALADINI, Edson Pacheco. Gestão Estratégica da Qualidade:
Princípios, Métodos, Processos / São Paulo: ATLAS

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Gestão da qualidade
Gestão da qualidadeGestão da qualidade
Gestão da qualidade
 
Gestão da Qualidade ISO:9001
Gestão da Qualidade ISO:9001Gestão da Qualidade ISO:9001
Gestão da Qualidade ISO:9001
 
Ferramentas da Qualidade
Ferramentas da QualidadeFerramentas da Qualidade
Ferramentas da Qualidade
 
Ferramentas da Qualidade
Ferramentas da QualidadeFerramentas da Qualidade
Ferramentas da Qualidade
 
Sistema de gestão da Qualidade
Sistema de gestão da QualidadeSistema de gestão da Qualidade
Sistema de gestão da Qualidade
 
Aula 01 SGQ - Introdução
Aula 01 SGQ - IntroduçãoAula 01 SGQ - Introdução
Aula 01 SGQ - Introdução
 
Eras da qualidade
Eras da qualidadeEras da qualidade
Eras da qualidade
 
Qualidade e Produtividade
Qualidade e ProdutividadeQualidade e Produtividade
Qualidade e Produtividade
 
Eras da Qualidade
Eras da QualidadeEras da Qualidade
Eras da Qualidade
 
Gestão da qualidade
Gestão da qualidadeGestão da qualidade
Gestão da qualidade
 
Aula 2 iso 9000
Aula 2 iso 9000Aula 2 iso 9000
Aula 2 iso 9000
 
7 ferramentas da qualidade
7 ferramentas da qualidade7 ferramentas da qualidade
7 ferramentas da qualidade
 
Gestão da qualidade
Gestão da qualidade Gestão da qualidade
Gestão da qualidade
 
Gestão da Qualidade Total
Gestão da Qualidade TotalGestão da Qualidade Total
Gestão da Qualidade Total
 
Apresentação qualidade
Apresentação qualidadeApresentação qualidade
Apresentação qualidade
 
Qualidade
QualidadeQualidade
Qualidade
 
ISO 9001
ISO 9001ISO 9001
ISO 9001
 
O que é ISO
O que é ISOO que é ISO
O que é ISO
 
Aula de fundamentos da qualidade 1 e 2
Aula de fundamentos da qualidade   1 e 2Aula de fundamentos da qualidade   1 e 2
Aula de fundamentos da qualidade 1 e 2
 
Sistemas de gestao integrados
Sistemas de gestao integradosSistemas de gestao integrados
Sistemas de gestao integrados
 

Destaque

Controle de Qualidade - LAC
Controle de Qualidade - LACControle de Qualidade - LAC
Controle de Qualidade - LACPatrícia Prates
 
Aula 2 controle da qualidade total
Aula 2  controle da qualidade totalAula 2  controle da qualidade total
Aula 2 controle da qualidade totalinstitutocarvalho
 
Garantia e Controle da Qualidade no Laboratorio Clinico
Garantia e Controle da Qualidade no Laboratorio ClinicoGarantia e Controle da Qualidade no Laboratorio Clinico
Garantia e Controle da Qualidade no Laboratorio ClinicoBiomedicina SP
 
Aula 17 círculo de controle da qualidade
Aula 17   círculo de controle da qualidadeAula 17   círculo de controle da qualidade
Aula 17 círculo de controle da qualidadeRD COACH
 
Adm da produção e gestão da qualidade
Adm da produção e gestão da qualidadeAdm da produção e gestão da qualidade
Adm da produção e gestão da qualidadeDenis Carlos Sodré
 

Destaque (8)

Administração da Produção
Administração da ProduçãoAdministração da Produção
Administração da Produção
 
Controle de Qualidade - LAC
Controle de Qualidade - LACControle de Qualidade - LAC
Controle de Qualidade - LAC
 
Aula 2 controle da qualidade total
Aula 2  controle da qualidade totalAula 2  controle da qualidade total
Aula 2 controle da qualidade total
 
Controle de qualidade
Controle de qualidadeControle de qualidade
Controle de qualidade
 
Garantia e Controle da Qualidade no Laboratorio Clinico
Garantia e Controle da Qualidade no Laboratorio ClinicoGarantia e Controle da Qualidade no Laboratorio Clinico
Garantia e Controle da Qualidade no Laboratorio Clinico
 
Aula 17 círculo de controle da qualidade
Aula 17   círculo de controle da qualidadeAula 17   círculo de controle da qualidade
Aula 17 círculo de controle da qualidade
 
Slides controle de qualidade
Slides controle de qualidadeSlides controle de qualidade
Slides controle de qualidade
 
Adm da produção e gestão da qualidade
Adm da produção e gestão da qualidadeAdm da produção e gestão da qualidade
Adm da produção e gestão da qualidade
 

Semelhante a Gestão pela Qualidade Total

Gestao da qualidade definicoes
Gestao da qualidade definicoesGestao da qualidade definicoes
Gestao da qualidade definicoesJoão Rafael Lopes
 
Manual ufcd-1122-nocoes-e-normas-da-qualidade
Manual ufcd-1122-nocoes-e-normas-da-qualidadeManual ufcd-1122-nocoes-e-normas-da-qualidade
Manual ufcd-1122-nocoes-e-normas-da-qualidadeCristina Fernandes
 
Apresentação QAS_Normas
Apresentação QAS_NormasApresentação QAS_Normas
Apresentação QAS_NormasFatima Morais
 
ufcd1122-nooesenormasdaqualidade.ppt
ufcd1122-nooesenormasdaqualidade.pptufcd1122-nooesenormasdaqualidade.ppt
ufcd1122-nooesenormasdaqualidade.pptAnaCruz222982
 
ufcd1122-nooesenormasdaqualidade.ppt
ufcd1122-nooesenormasdaqualidade.pptufcd1122-nooesenormasdaqualidade.ppt
ufcd1122-nooesenormasdaqualidade.pptAnaCruz222982
 
ufcd1122-nooesenormasdaqualidade.ppt
ufcd1122-nooesenormasdaqualidade.pptufcd1122-nooesenormasdaqualidade.ppt
ufcd1122-nooesenormasdaqualidade.pptSusanaVieira65
 
ufcd1122-nooesenormasdaqualidade.ppt
ufcd1122-nooesenormasdaqualidade.pptufcd1122-nooesenormasdaqualidade.ppt
ufcd1122-nooesenormasdaqualidade.pptCarla Silva
 
ufcd1122-nooesenormasdaqualidade.ppt
ufcd1122-nooesenormasdaqualidade.pptufcd1122-nooesenormasdaqualidade.ppt
ufcd1122-nooesenormasdaqualidade.pptIsabelMaria77
 
apresentação de gestao da qualidade em power point
apresentação de gestao da qualidade em power pointapresentação de gestao da qualidade em power point
apresentação de gestao da qualidade em power pointSeleoRH3
 
Introdução à Qualidade de Software
Introdução à Qualidade de SoftwareIntrodução à Qualidade de Software
Introdução à Qualidade de SoftwareCloves da Rocha
 
Anexo 1 Conceitos GestãO Qualidade Sig
Anexo 1   Conceitos GestãO Qualidade SigAnexo 1   Conceitos GestãO Qualidade Sig
Anexo 1 Conceitos GestãO Qualidade SigFregonezi
 
Anexo 1 Conceitos GestãO Qualidade Sig
Anexo 1   Conceitos GestãO Qualidade SigAnexo 1   Conceitos GestãO Qualidade Sig
Anexo 1 Conceitos GestãO Qualidade Sigguestb3227e
 
A N E X O 1 C O N C E I T O S G E S TÃ O Q U A L I D A D E S I G
A N E X O 1    C O N C E I T O S  G E S TÃ O  Q U A L I D A D E  S I GA N E X O 1    C O N C E I T O S  G E S TÃ O  Q U A L I D A D E  S I G
A N E X O 1 C O N C E I T O S G E S TÃ O Q U A L I D A D E S I GFregonezi
 
Iso 9000 e séries
Iso  9000 e sériesIso  9000 e séries
Iso 9000 e sériesR Gómez
 
Engenharia de qualidade
Engenharia de qualidadeEngenharia de qualidade
Engenharia de qualidadePaulo Henrique
 

Semelhante a Gestão pela Qualidade Total (20)

Qualidade total
Qualidade totalQualidade total
Qualidade total
 
Gestao da qualidade definicoes
Gestao da qualidade definicoesGestao da qualidade definicoes
Gestao da qualidade definicoes
 
Cap_6Qualidade_total.ppt
Cap_6Qualidade_total.pptCap_6Qualidade_total.ppt
Cap_6Qualidade_total.ppt
 
Manual ufcd-1122-nocoes-e-normas-da-qualidade
Manual ufcd-1122-nocoes-e-normas-da-qualidadeManual ufcd-1122-nocoes-e-normas-da-qualidade
Manual ufcd-1122-nocoes-e-normas-da-qualidade
 
Apresentação QAS_Normas
Apresentação QAS_NormasApresentação QAS_Normas
Apresentação QAS_Normas
 
ufcd1122-nooesenormasdaqualidade.ppt
ufcd1122-nooesenormasdaqualidade.pptufcd1122-nooesenormasdaqualidade.ppt
ufcd1122-nooesenormasdaqualidade.ppt
 
ufcd1122-nooesenormasdaqualidade.ppt
ufcd1122-nooesenormasdaqualidade.pptufcd1122-nooesenormasdaqualidade.ppt
ufcd1122-nooesenormasdaqualidade.ppt
 
ufcd1122-nooesenormasdaqualidade.ppt
ufcd1122-nooesenormasdaqualidade.pptufcd1122-nooesenormasdaqualidade.ppt
ufcd1122-nooesenormasdaqualidade.ppt
 
ufcd1122-nooesenormasdaqualidade.ppt
ufcd1122-nooesenormasdaqualidade.pptufcd1122-nooesenormasdaqualidade.ppt
ufcd1122-nooesenormasdaqualidade.ppt
 
ufcd1122-nooesenormasdaqualidade.ppt
ufcd1122-nooesenormasdaqualidade.pptufcd1122-nooesenormasdaqualidade.ppt
ufcd1122-nooesenormasdaqualidade.ppt
 
Gurus da Gestão da Qualidade
Gurus da Gestão da QualidadeGurus da Gestão da Qualidade
Gurus da Gestão da Qualidade
 
apresentação de gestao da qualidade em power point
apresentação de gestao da qualidade em power pointapresentação de gestao da qualidade em power point
apresentação de gestao da qualidade em power point
 
Qualidade senai
Qualidade senaiQualidade senai
Qualidade senai
 
Introdução à Qualidade de Software
Introdução à Qualidade de SoftwareIntrodução à Qualidade de Software
Introdução à Qualidade de Software
 
Anexo 1 Conceitos GestãO Qualidade Sig
Anexo 1   Conceitos GestãO Qualidade SigAnexo 1   Conceitos GestãO Qualidade Sig
Anexo 1 Conceitos GestãO Qualidade Sig
 
Anexo 1 Conceitos GestãO Qualidade Sig
Anexo 1   Conceitos GestãO Qualidade SigAnexo 1   Conceitos GestãO Qualidade Sig
Anexo 1 Conceitos GestãO Qualidade Sig
 
A N E X O 1 C O N C E I T O S G E S TÃ O Q U A L I D A D E S I G
A N E X O 1    C O N C E I T O S  G E S TÃ O  Q U A L I D A D E  S I GA N E X O 1    C O N C E I T O S  G E S TÃ O  Q U A L I D A D E  S I G
A N E X O 1 C O N C E I T O S G E S TÃ O Q U A L I D A D E S I G
 
Iso 9000 e séries
Iso  9000 e sériesIso  9000 e séries
Iso 9000 e séries
 
Engenharia de qualidade
Engenharia de qualidadeEngenharia de qualidade
Engenharia de qualidade
 
QUALIDADE.pptx
QUALIDADE.pptxQUALIDADE.pptx
QUALIDADE.pptx
 

Mais de UerjFundamentosDaAdministracao2013_1 (7)

Gestão de mudança
Gestão de mudançaGestão de mudança
Gestão de mudança
 
Gestão de mudança
Gestão de mudançaGestão de mudança
Gestão de mudança
 
Teoria Geral de Sistemas & Cibernética
Teoria Geral de Sistemas & CibernéticaTeoria Geral de Sistemas & Cibernética
Teoria Geral de Sistemas & Cibernética
 
O Impacto das Novas Tecnologias: mais um mito da pós-modernidade
O Impacto das Novas Tecnologias: mais um mito da pós-modernidadeO Impacto das Novas Tecnologias: mais um mito da pós-modernidade
O Impacto das Novas Tecnologias: mais um mito da pós-modernidade
 
Teoria Geral de Sistemas e Cibernética
Teoria Geral de Sistemas e CibernéticaTeoria Geral de Sistemas e Cibernética
Teoria Geral de Sistemas e Cibernética
 
O Impacto das Novas Tecnologias
O Impacto das Novas TecnologiasO Impacto das Novas Tecnologias
O Impacto das Novas Tecnologias
 
Gestão pela Qualidade Total
Gestão pela Qualidade TotalGestão pela Qualidade Total
Gestão pela Qualidade Total
 

Último

Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Mary Alvarenga
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...LuizHenriquedeAlmeid6
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...Manuais Formação
 
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docxAtividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docxSolangeWaltre
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfPastor Robson Colaço
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfRILTONNOGUEIRADOSSAN
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalcarlamgalves5
 
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilApresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilMariaHelena293800
 
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdfedjailmax
 
Desastres ambientais e vulnerabilidadess
Desastres ambientais e vulnerabilidadessDesastres ambientais e vulnerabilidadess
Desastres ambientais e vulnerabilidadessRodrigoGonzlez461291
 
Apresentação Formação em Prevenção ao Assédio
Apresentação Formação em Prevenção ao AssédioApresentação Formação em Prevenção ao Assédio
Apresentação Formação em Prevenção ao Assédioifbauab
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
manual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdf
manual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdfmanual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdf
manual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdfLeandroTelesRocha2
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptxlucioalmeida2702
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaCludiaRodrigues693635
 
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]ESCRIBA DE CRISTO
 
hereditariedade é variabilidade genetic
hereditariedade é variabilidade  genetichereditariedade é variabilidade  genetic
hereditariedade é variabilidade geneticMrMartnoficial
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....LuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaaCarolineFrancielle
 

Último (20)

Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docxAtividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilApresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
 
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
 
Desastres ambientais e vulnerabilidadess
Desastres ambientais e vulnerabilidadessDesastres ambientais e vulnerabilidadess
Desastres ambientais e vulnerabilidadess
 
Apresentação Formação em Prevenção ao Assédio
Apresentação Formação em Prevenção ao AssédioApresentação Formação em Prevenção ao Assédio
Apresentação Formação em Prevenção ao Assédio
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
 
manual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdf
manual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdfmanual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdf
manual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdf
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
 
hereditariedade é variabilidade genetic
hereditariedade é variabilidade  genetichereditariedade é variabilidade  genetic
hereditariedade é variabilidade genetic
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
 
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
 

Gestão pela Qualidade Total

  • 1. Gestão pela Qualidade Total Alunos: Raphael Dantas de Oliveira Pereira Daniel Moraes Ribeiro da Silva
  • 2. O que é qualidade ?
  • 3. Qualidade total A qualidade está em toda parte: •Qualidade do produto •Qualidade do serviço •Qualidade do relacionamento •Qualidade dos transportes •Qualidade de vida
  • 4. Introdução Qualidade total Foi uma filosofia desenvolvida por dois engenheiros americanos no pós-guerra. W. Edwards Deming J. M. Juran
  • 5. Princípios do TQC TQC(Total Quality Control)
  • 6. Processo de melhoria A VOZ DO CONSUMIDOR (ÊNFASE: PESSOAL, PROCESSO, PLANEJ., PRODUTO E CUSTOS) 3. ORIENTAÇÃO SISTÊMICA (CONTROLE DA QUALIDADE EM TODOS OS DEPARTAMENTOS) 2. ORIENTAÇÃO P/ PROCESSO (CONTROLE DA QUALIDADE DURANTE A PRODUÇÃO) 1. ORIENTAÇÃO P/ PRODUTO (INSPEÇÃO APÓS PRODUÇÃO, AUDITORIA DO PRODUTO ACABADO) 4. MELHORIA CONTÍNUA
  • 7. LÓGICA DO PROCESSO DE PERFEIÇOAMENTO DA QUALIDADE
  • 8. Qualidade - Comparação DEFINIÇÃO SISTEMA DE TRABALHO PADRÃO DE DESEMPENHO MENSURAÇÃO BOM, DO PONTO DE VISTA DE QUEM PRODUZ ÊNFASE NA CORREÇÃO NÍVEL ACEITAVEL DE FALHAS INDICES DE QUALIDADE CONFORMIDADE AOS REQUISITOS DOS CLIENTES EXTERNOS E INTERNOS ÊNFASE NA PREVENÇÃO INEXISTÊNCIA DE FALHAS E ELIMINAÇÃO DE DESPERDÍCIOS CUSTO DA NÃO CONFORMIDADE Visão Convencional Visão Moderna
  • 9. Evolução da Qualidade • Inspeção • Controle Estatístico da Qualidade • Garantia de Qualidade • Gestão Estratégica da Qualidade As quatro principais fases da Qualidade:
  • 10. Inspeção Preocupação básica: Verificação Visão da qualidade: Um problema a ser resolvido Ênfase: Uniformidade do Produto Méetodos: Instrumento de Medição Responsável pela qualidade: O Departamento de Inspeção Orientação e Abordagem: "Inspeciona" a qualidade
  • 11. Controle Estatístico da Qualidade Preocupação básica: Controle Visão da qualidade: Um problema a ser resolvido Ênfase: Uniformidade do Produto com menos inspeção Méetodos: Instrumentos e técnicas estatísticas Responsável pela qualidade: Departamentos de produção e Engenharia Orientação e Abordagem: Controla a "qualidade"
  • 12. Garantia da Qualidade Preocupação básica: Coordenação. Visão da qualidade: Um problema a ser resolvido, mas que seja enfrentado pró-ativamente. Ênfase: Toda cadeia de produção, desde o projeto até o mercado, e a contribuição de todos os grupos funcionais, especialmente os projetistas, para impedir falhas de qualidade. Méetodos: Programas e Sistemas. Responsável pela qualidade: Todos os departamentos, embora a alta gerência só se envolva perifericamente com o projeto, o planejamento e a execução de políticas de qualidade. Orientação e Abordagem: "Constrói" a qualidade.
  • 13. Gestão Estratégica da Qualidade Preocupação básica: Impacto estratégico Visão da qualidade: Uma oportunidade de concorrência Ênfase: As necessidades de mercado e consumidor Metodos: Planejamento estratégico, estabelecimento de objetivos e a mobilização da organização. Responsável pela qualidade: Todos na empresa, com a alta gerência exercendo forte liderança. Orientação e Abordagem: "Gerencia" a qualidade.
  • 15. Circulos de controle de Qualidade São a extensão da prática do controle de qualidade no nível operacional. o Vantagens •Aumentar a motivação e auto-realização dos funcionários, através da oportunidade de participação na solução dos problemas da empresa; •Garantir a qualidade do produto; •Aumentar a produtividade do trabalho; •Melhorar a comunicação e o relacionamento humano, tanto no sentido horizontal quanto vertical; •Criar novas idéias;
  • 16. Circulos de controle de Qualidade • melhoria de qualidade; • melhoria de produtividade • redução de custos • ambiente físico de trabalho, tais como: iluminação, ventilação, limpeza, ruído, etc) • racionalização dos processos de fabricação • condições de trabalho • desenvolvimento e integração de funcionários; • análise de refugos, retrabalhos, reclamações de defeitos; PROBLEMAS QUE PODEM SER SOLUCIONADOS:.
  • 17. Gestão da Qualidade Total Alguns conceitos importantes • Kaizen • Kanban • Just-in-time
  • 18. Kaizen Hoje melhor do que ontem, amanhã melhor do que hoje! • Visa o bem não somente da empresa como do homem que trabalha nela. • nenhum dia deve passar sem que alguma melhoria tenha sido implantada, seja ela na estrutura da empresa ou no indivíduo O Sistema de produção Toyota (Lean Manufacturing) é conhecido pela sua aplicação do princípio do Kaizen.
  • 19. Kanban •Agilizar a entrega e a produção de produtos •Kanban Eletrônico •Kanban de Produção •Kanban de Movimentação
  • 20. Just-In-Time •Nada deve ser produzido, transportado ou comprado antes da hora exata •Pode ser aplicado em qualquer organização, para reduzir estoques e os custos decorrentes •Produção por demanda
  • 21. Gestão da Qualidade Total Sistemas de padronização no mundo ISO = Regido pela International Organization for Standardization que congrega os grêmios de padronização de 170 países, é um grupo de normas técnicas que estabelecem um modelo de gestão da qualidade para organizações em geral, qualquer que seja o seu tipo ou dimensão. INMETRO = atua como Secretaria Executiva do Conselho Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial (Conmetro), um colegiado interministerial, que é o órgão normativo do Sistema Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial
  • 22. Sistemas de padronização no mundo • A ISO 9001:2000 é uma norma internacional que fornece requisitos para o sistema de gestão da qualidade (SGQ) das organizações. • O objetivo da ISO 9001:2000 é fornecer um conjunto de requisitos que, se forem bem implementados, darão mais confiança de que uma empresa é capaz de fornecer regularmente produtos e serviços que: Atendem às necessidades e expectativas de seus clientes; e estão em conformidade com as leis e regulamentos aplicáveis.
  • 23. Sistemas de padronização no mundo Pode ser citado como exemplo na reportagem da revista pequenas empresas e grandes negócios, de setembro de 2007, o empresário Leandro Cavallaro, sócio da Styroplast, na grande São Paulo, que vive em busca de novos clientes. Porém sem o certificado de qualidade ISO 9001, nem se quer conseguia se aproximar de potenciais clientes de grande porte. O jeito foi ir atrás do selo. A estratégia lhe rendeu vários clientes. E não só, rendeu também a melhoria dos processos da fábrica, exigida para obter a ISO 9001, reduziu os desperdícios em 4% e trouxe uma economia anual em torno de R$ 35.000,00 só na compra da matéria-prima. Com isso conseguiu em 18 meses recuperar os R$ 50.000,00 que desembolsou para a certificação. Assim como ocorreu com a Styroplast, a obtenção do selo deve ajudar a outras empresas conquistar novos clientes e melhorar sua produtividade e qualidade. Os ganhos são resultado, sobretudo, da padronização dos procedimentos, da criação de metas e indicadores de desempenho e do estabelecimento de mecanismos para combater falhas ao longo do processo de produção.
  • 24. Gestão da Qualidade Total Exemplos
  • 25. Problemas relacionados à falta de processos de qualidade.
  • 26. QUEM É O RESPONSÁVEL PELA QUALIDADE? ESTA É UMA ESTÓRIA SOBRE 4 PESSOAS, CHAMADAS: TODO MUNDO, ALGUÉM , QUALQUER UM E NINGUÉM. A QUALIDADE ERA UM SERVIÇO IMPORTANTE A SER FEITO E TODO MUNDO ESTAVA CERTO DE QUE ALGUÉM FARIA.. QUALQUER UM PODERIA TER FEITO. ALGUÉM FICOU ZANGADO SOBRE ISSO , PORQUE ERA SERVIÇO DE TODO MUNDO. TODO MUNDO PENSOU QUE QUALQUER UM PODERIA FAZÊ-LO, MAS NINGUÉM PERCEBEU QUE TODO MUNDO NÃO O FARIA.NO FIM, TODO MUNDO CULPOU ALGUÉM QUANDO NINGUÉM FEZ O QUE
  • 27. Bibliografia • MARCONDES MACHADO NETO,Manoel.Relações Públicas e Marketing.Convergências entre Comunicação e Administração / Rio de Janeiro:Conceito Editorial,2008. • http://www.sato.adm.br/rh/circulos_de_controle_de_qualidad.htm • http://www.qualidade.com/glos-01.htm • http://www.slideshare.net/gerisval/gesto-da-qualidade-total- 1415190 • https://dspace.ist.utl.pt/bitstream/2295/50803/1/Sistemas %20Garantia%20Qualidade.pdf • PALADINI, Edson Pacheco. Gestão Estratégica da Qualidade: Princípios, Métodos, Processos / São Paulo: ATLAS