SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 21
ELETROTERAPIA
Aparelhos multimodais – Aparelhos
com pulso de alta voltagem
Cap 5: Agentes Elétricos
Professor: Cleanto Santos Vieira
Eletroterapia
• Multimodais:
• O desenvolvimento de microprocessadores,
as melhorias das placas de circuitos e de
suprimentos de bateria, possibilitaram a
evolução dos desenhos e funções dos
estimuladores elétricos.
• Até pouco tempo atrás cada tipo de
corrente utilizava um gerador específico.
• Hoje em dia aparelhos multimodais são
capazes de produzir um infinidade de
correntes além de poder incluir outros
agentes terapêuticos, como o ultra-som por
exemplo.
• Esses equipamentos utilizam um
“processador de computador” para
produzir os vários tipos de formas de ondas
discutidas nesse capítulo.
Cap 5: Agentes Elétricos
Multimodais e Alta Voltagem
Eletroterapia
• Aplicação clínica das modalidades
elétricas:
• Muitos estados norte-americanos
exigem que os aparelhos de
estimulação elétrica sejam empregados
sob a ordem de um clínico.
• Os profissionais e estudantes devem
estar cientes sobre as Leis que
governam o uso profissional desses
equipamentos e sobre as políticas e
procedimentos para uso em sua
instituição.
• Da mesma forma deve haver uma
pessoa credenciada para supervisionar
o uso desses aparelhos.
• Essa supervisão é fundamental no
período de aprendizado.
Cap 5: Agentes elétricos
Multimodais e alta voltagem
Eletroterapia
• Instruções básicas para a aplicação
de Eletroterapia.
• Preparação do gerador:
• 1. Quando utilizar gerador portátil (pilhas ou bateria),
certifique-se que elas estejam totalmente carregadas.
• - Se utilizar modelo clínico certificar que a tomada
esteja aterrada (evite o uso de extensões
principalmente em casos de imersão).
• 2. Certifique-se que os fios do eletrodo não estejam
embaraçados.
• - Os fios devem ser inspecionados regularmente
(encapamentos, quebras de isolamento e conexões
frouxas).
• Os fios devem ser consertados ou substituídos antes
de serem utilizados.
• 3. Assegure-se de que todos os mostradores
(potenciômetros) estejam na posição zero (deligado,
off).
Cap 5: Agentes elétricos
Multimodais e alta voltagem
Eletroterapia
• Preparação dos eletrodos:
• 1. Limpar os eletrodos removendo todos os
resíduos.
• - eletrodos de borracha devem ser limpos com
álcool, eletrodos auto-adesivos devem ser
limpos com água e sabão.
• 2. Eletrodos de borracha impregnada de
carbono devem ser utilizados apenas com um
meio úmido, como uma esponja. Os géis não
devem ser empregados, a menos que sejam
especificamente recomendados pelo
fabricante.
• 3. Quando utilizar esponja condutiva,
umedeça-as com água. Se não forem
necessárias, aplicar uma camada uniforme de
gel condutor nos eletrodos.
• 4. Conecte os fios à unidade e aos eletrodos.
• 5. Ler sempre as recomendações do fabricante
quanto ao uso dos eletrodos.
Cap 5: Agentes elétricos
Multimodais e alta voltagem
Eletroterapia
• Preparação do paciente:
• 1. Certifique-se de que o paciente não apresenta contra-
indicações ao TTO a ser realizado.
• 2. Defina a técnica de colocação do eletrodo a ser empregada.
• 3. Os pontos as serem estimulados devem ser limpos com
álcool para remoção de óleo, loções e sujeira do corpo (pelos
aumentam a resistência ao fluxo de corrente elétrica),
quando for possível colocar o eletrodo sobre áreas com baixa
densidade capilar.
• 4. Se estiver utilizando a técnica monopolar, fixe o eletrodo
dispersivo sobre um local com ampla massa corporal, como a
coxa ou parte inferior das costas. Nas costas colocar o
eletrodo dispersivo lateralmente a medula espinhal e não
sobre ela devido a indentação (Pressão que forma uma
cavidade de pequena profundidade em uma superfície). Evite
colocar o eletrodo dispersivo sobre o abdome (vísceras) ou
dorso (próximo ao coração).
• 5. Em eletrodos não adesivos, utilizar fitas de borracha ou de
velcro, faixas elásticas, ou pesos de areia para manter os
eletrodos no lugar.
• 6. Na primeira vez que o paciente for exposto à estimulação
elétrica, explicar quais as sensações esperadas ex:
formigamento ou abalo muscular.
• Avisar ao paciente para não fazer movimentos bruscos sob a
pena de interromper o circuito entre os eletrodos.
Cap 5: Agentes elétricos
Multimodais e alta voltagem
Eletroterapia
• Término do TTO:
• 1. Muitas unidades geradoras
interrompem automaticamente o
fluxo de corrente quando acaba o
TTO. Caso isso não ocorra, ou se o
TTO acabar antes do tempo, diminua
aos poucos a intensidade da
corrente e após aperte o botão pare
(stop).
• 2. Remova os eletrodos do corpo e
limpe os resíduos da água ou gel
(tanto do paciente como dos
eletrodos).
• 3. Verifique se a área do TTO
apresenta queimaduras, irritação da
pele ou alteração da coloração.
• 4. Após a conclusão do TTO realizar
entrevista para averiguar a eficácia
dos parâmetros utilizados. Devendo
anotá-los em um arquivo de TTO.
Cap 5: Agentes elétricos
Multimodais e alta voltagem
Eletroterapia
• Estimulação com pulso de alta
voltagem:
• EPAV, consiste da aplicação de uma corrente monofásica no
corpo, com polaridade conhecida em cada conjunto de
eletrodos.
• É uma forma versátil de corrente e apresenta uma ampla
variedade de usos (reeducação muscular, estimulação do
nervo, redução de edema e controle de dor.
• É erroneamente denominada estimulação galvânica de alta
voltagem.
• A onda gerada possui uma forma típica com picos germinados
ou em uma sequência de dois pulsos únicos com uma fase com
uma duração de 5 a 260 µs.
• A corrente média geralmente não ultrapassa 1,5 mA, ou uma
carga de pulso de 4 microcoulombs.
• Em virtude da baixa carga do pulso, são necessárias voltagens
maiores que 150v para estimular nervos motores e sensoriais.
• A duração pequena da fase permite a ativação de nervos
sensoriais e motores sem ativação das fibras dolorosas.
• O intervalo interpulso é bem maior que a duração do pulso.
• Em razão do curto espaço de tempo em que a corrente flui, há
pouco tempo para a dissipação de íons residuais atraídos para a
área do corpo.
• Ocorre então uma quantidade limitada de reação fisioquímica
sob os eletrodos sem alteração do Ph da pele sob o cátodo.
• Como não ocorrem alterações galvânicas, muitos dos efeitos da
EPAV podem ser o resultado de outro mecanismo.
Cap 5: Agentes elétricos
Multimodais e alta voltagem
Parâmetros de controle típicos utilizados por unidades de
estimulação EPAV
Parâmetro Faixa
Fluxo total de corrente 1,5 mA
Frequência do pulso 1-256 pps
Duração do pulso 5-100 µs
Duração da fase 20-45 µs
Eletroterapia
• Efeitos biofísicos:
• Estimulação Neuromuscular.
• A EPAV produz uma curta duração de fase,
permitindo uma contração muscular de
intensidade moderadamente elevada, com
pouco desconforto.
• Os benefícios a curto prazo ainda não estão
esclarecidos.
• Existem trabalhos com resultados antagônicos
sobre ganho ou decréscimo da força
isométrica.
• O principal efeito da EPAV está na reeducação
do músculo a se contrair após longos períodos
de imobilização ou desnervação transitória.
• Exemplos de parâmetros para obtenção de
TTO específico na tabela ao lado.
Cap 5: Agentes elétricos
Multimodais e alta voltagem
Estimulação Neuromuscular utilizando EPAV
Parâmetro Ajuste
Intensidade Contrações fortes e confortáveis
Frequência do
pulso
Baixa para produzir contrações musculares
individuais (< 15 pps).
Moderada para produzir contrações tônicas (35-50
pps).
Polaridade Positiva ou negativa.
Taxa de alternação Alternado
Colocação do
eletrodo
Bipolar: proximal ou distal ao músculo (ou grupo
muscular) a ser estimulado.
Este é o método mais direto de estimular áreas
específicas.
Monopolar: Sobre pontos motores ou ventre
muscular.
Eletroterapia
• Controle da dor:
• A EPAV pode ser empregada
como coadjuvante para o
controle da dor aguda e
crônica, por meio de
estimulação sensorial
(comporta medular) ou motora
(opiáceos endógenos).
• A comporta medular é ativada
com a aplicação de correntes
de 100 a 150 pps, no nível
sensorial.
• Devido a dificuldade de
transporte de determinados
geradores de EPAV, nem
sempre ela é utilizada para
TTOs que exigem estimulação
por longos períodos.
Cap 5: Agentes elétricos
Multimodais e alta voltagem
Controle da dor utilizando EPAV por meio da comporta medular
Parâmetro Ajuste
Intensidade Nível sensorial
Frequência do pulso 60-100 pps
Duração da fase < 100 µs
Modo Contínuo
Colocação do eletrodo Diretamente sobre o local dolorido
Eletroterapia
• A EPAV pode ser utilizada para estimular
a liberação de opiáceos.
• Embora a duração da fase não ative
facilmente as fibras A-Β, essas fibras
podem ser estimuladas pela intensidade
da voltagem.
• Deve-se utilizar a técnica monopolar e
os eletrodos ativos não devem
ultrapassar o tamanho da área a ser
estimulada.
• Eletrodos externos de sondagem
manuais são frequentemente utilizados
neste método de aplicação.
• É recomendado uso de polaridade
positiva, no caso de dor aguda, e de
polaridade negativa para a dor crônica.
• O pólo negativo é usado devido as
propriedades de liquefação e de
vasodilatação.
Cap 5: Agentes elétricos
Multimodais e alta voltagem
Controle da dor utilizando EPAV por meio de liberação de opiáceos
Parâmetro Ajuste
Intensidade Nível motor
Taxa de pulso 2-4 pps
Duração da fase 150-250 µs
Modo Contínuo
Colocação do eletrodo Diretamente sobre o local dolorido, distal
em relação à origem da raiz do nervo
espinhal, em pontos-gatilho ou pontos de
acupuntura.
Eletroterapia
• Controle e redução do edema:
• Nível sensorial.
• Nas lesões agudas onde se usa EPAV para
impedir ou limitar o edema, o tempo da
intervenção após a lesão, a frequência de pulso
utilizada e o estabelecimento das sessões de
TTO são os fatores críticos para a obtenção de
resultados positivos.
• A permeabilidade da microvasculatura local
deve ser reduzida antes que ocorra o edema
principal.
• Se a estimulação for aplicada tardiamente no
processo de resposta à lesão, a redução da
permeabilidade vascular pode inibir a
reabsorção das proteínas e fluidos do edema
pelos sistemas venoso e linfático, inibindo a
redução do edema.
Cap 5: Agentes elétricos
Multimodais e alta voltagem
Controle, no nível sensorial, da formação de edema empregando EPAV
Parâmetro Ajuste
Intensidade Nível sensorial
Duração do pulso Duração máxima permitida pelo gerador
Frequência do pulso 120 pps
Polaridade Eletrodo negativo colocado sobre o tecido lesado
Modo Contínuo
Colocação do eletrodo O método de imersão deve ser utilizado sempre que
possível, ou os eletrodos ativos devem ficar agrupados
sobre e ao redor dos tecidos-alvo
Duração do TTO 4 sessões de 30 min, cada qual seguida por longos
períodos de repouso de 60 min
Comentários Esta abordagem deve começar o mais cedo possível
após a instalação do trauma.
A parte do corpo tratada deve ser enfaixada e elevada
entre as sessões.
Este esquema de TTO deve ser interrompido ou não
ser iniciado caso de se formar edema exuberante.
Eletroterapia
• Controle e redução do edema:
• Nível motor.
• As contrações musculares ajudam o retorno
venoso e linfático.
• No nível motor, a redução do edema tenta
reproduzir esse efeito, estimulando as
contrações musculares necessárias.
• É empregada em estágio subagudo ou crônico
da lesão.
• Para aumentar o efeito de ordenha, deve ser
utilizada frequência de pulso reduzida e uma
contração muscular forte e confortável, dentro
da tolerância do paciente.
• Os eletrodos devem ser colocados sobre os
pontos motores dos principais grupos
musculares através dos quais os vasos correm,
seguindo o caminho da área edemaciada.
• A elevação do membro aumenta a eficácia
deste TTO.
• O paciente deve receber instrução para que no
domicílio mantenha o membro elevado e
enfaixado entre as sessões de TTO.
Cap 5: Agentes elétricos
Multimodais e alta voltagem
Redução no nível motor de edema aplicando EPAV por meio da
técnica de ordenha
Parâmetro Ajuste
Intensidade Contração muscular forte, porém
confortável. Evite movimentar a
articulação, o que pode ser contra-
indicado.
Frequência de pulso Baixa
Polaridade Positiva ou negativa
Modo Alternado
Colocação do eletrodo Bipolar: As extremidades proximal e distal
do músculo principal (ou grupo muscular)
próximo da área edemaciada
Monopolar: Os eletrodos ativos seguem o
caminho do sistema de retorno venoso
Eletroterapia
• Fluxo sanguíneo:
• Embora ainda não esteja claro se a EPAV aumenta
significativamente o fluxo sanguíneo local, isso
dependerá da intensidade da saída e da
frequência do pulso.
• A estimulação motora acelera o metabolismo dos
tecidos afetados, aumentando sua necessidade
de O².
• O número de pulsos por segundo pode
influenciar o aumento do fluxo sanguíneo,
embora essa relação também não esteja muito
compreendida.
• Contrações isométricas com tensão entre 10 e
30% da contração voluntária máxima provocam
um ligeiro aumento do fluxo sanguíneo local, mas
em nível menor do que os associados as
contrações voluntárias.
• O aumento da intensidade de saída tem
correlação positiva com o aumento do fluxo
sanguíneo.
• Contrações musculares fortes, movimentações
articulares e tensões associadas aos tecidos
envolvidos são frequentemente contra-indicados.
Cap 5: Agentes elétricos
Multimodais e alta voltagem
Eletroterapia
• Cicatrização de ferimentos:
• O uso de EPAV para cicatrização é semelhante
ao das correntes diretas de baixa intensidade.
• Um eletrodo serve de pólo positivo e outro de
negativo.
• O defeito dessa técnica é que os pulsos tem
duração insuficiente para provocar respostas
iguais as obtidas com CD de baixa
intensidade.
• Existem evidências de que a EPAV
dependendo da polaridade do eletrodo, atrai
leucócitos, células epidérmicas e fibroblastos,
aumentando também o nível de colagenase
na área tratada.
• As EPAV inibem o crescimento de certas
bactérias nas feridas infectadas.
• Recomenda-se a aplicação de polaridade
negativa por 20 min, seguida de polaridade
positiva por 40 min.
Cap 5: Agentes elétricos
Multimodais e alta voltagem
Eletroterapia
• Posicionamento dos eletrodos:
• A EPAV pode ser aplicada utilizando-se tanto a
técnica monopolar quanto a bipolar.
• A monopolar quando o foco do TTO é uma área
ampla, como no caso de controle e redução de
edema, controle de dor sensorial e estimulação
de determinado ponto.
• A bipolar, em geral são utilizadas para provocar
uma contração de um músculo específico ou no
controle da dor ao nível motor.
Cap 5: Agentes elétricos
Multimodais e alta voltagem
Eletroterapia
• Métodos alternativos de aplicação:
• Imersão em água.
• A EPAV pode ser combinada com imersão em água
para o TTO de áreas com formato irregular, como
mãos ou pés.
• A água funciona na pele como um eletrodo ativo.
• O eletrodo dispersivo deve ter o maior tamanho
possível para manter o foco da estimulação sobre a
parte a ser tratada.
• Os eletrodos ativos são colocados na banheira,
ficando o lado com isolamento (coberto de
borracha) voltado para o corpo.
• O eletrodo dispersivo é colocado sobre a área com
grande massa corporal mais próxima (quando se
trata o pé ou tornozelo, a coxa é o local mais
utilizado).
• É importante orientar o paciente para não tirar da
água a parte do corpo tratada se a intensidade do
TTO for muito forte, deve-se mergulhar uma parte
maior do corpo.
• Depois do TTO o membro tratado deve ser
protegido e colocado em posição elevada para
estimular o retorno venoso.
Cap 5: Agentes elétricos
Multimodais e alta voltagem
Eletroterapia
• Duração do TTO:
• Geralmente de 15 a 30 min,
podem ser repetidos várias vezes
por dia se necessário.
• Precauções:
• Pode causar tensão indesejável
sobre as fibras musculares,
tendões ou inserções ósseas.
• Pode ocorrer fadiga muscular se
for utilizado um ciclo de
funcionamento insuficiente.
• O uso inadequado pode provocar
irritação ou queima do eletrodo.
• A estimulação intensa ou
prolongada pode resultar em
espasmo muscular e/ou dor
muscular.
Cap 5 Agentes elétricos
Multimodais e alta voltagem
Eletroterapia
• Indicações:
• Reeducação de nervos periféricos.
• Retardo da desnervação e atrofia por
desuso, por meio da estimulação de
contrações musculares.
• Redução de edema pós-traumático.
• Manutenção da A.D.M.
• Redução do espasmo muscular.
• Inibição da espasticidade.
• Reeducação de músculo parcialmente
desnervado.
• Facilitação da função motora voluntária.
• Aumento da circulação sanguínea local.
Cap 5: Agentes elétricos
Multimodais e alta voltagem
Eletroterapia
• Contra-indicações:
• São as mesmas contra-indicações gerais
a eletroterapia já abordadas na aula 8
“Agentes elétricos”.
Cap 5: Agentes elétricos
Multimodais e alta voltagem
Referências Bibliográficas
• MARCUCCI, Fernando C. I. Histórico da Eletroterapia e Eletroacupuntura. O
Fisioterapeuta [site]. Disponível em: http://ofisioterapeuta.blogspot.com/
• Starkey C. Agentes elétricos. In: Starkey C. Recursos terapêuticos em
fisioterapia. 2ª ed. São Paulo: Manole; 2001.
• Low J, Reed A. Electrical stimulation of nerve and muscle. In:
Electrotherapy explained: principles and practice. 3ª ed. Oxford:
Butterworth-Heinemann; 2000.
• Orbach, I: Dissociação da dor física e suicídio: Hipótese “o comportamento
suicida e a ameça a vida” 24:68, 1994.
• Roeser, WM, et all: O uso da neuroestimulação transcutânea para o
controle da dor em medicina esportiva. Am J Sports Med 4:210, 1976.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Termoterapia - calor
Termoterapia - calorTermoterapia - calor
Termoterapia - calorNay Ribeiro
 
Eletroterapia - corrente russa - capitulo 7 aula 17
Eletroterapia - corrente russa - capitulo 7 aula 17Eletroterapia - corrente russa - capitulo 7 aula 17
Eletroterapia - corrente russa - capitulo 7 aula 17Cleanto Santos Vieira
 
Eletroterapia glaydes avila
Eletroterapia   glaydes avilaEletroterapia   glaydes avila
Eletroterapia glaydes avilaDinha
 
Eletroterapia - corrente aussie - capitulo 8 aula 18
Eletroterapia - corrente aussie - capitulo 8 aula 18Eletroterapia - corrente aussie - capitulo 8 aula 18
Eletroterapia - corrente aussie - capitulo 8 aula 18Cleanto Santos Vieira
 
Eletroterapia - FES - estimulação eletrica funcional - agentes elétricos - ca...
Eletroterapia - FES - estimulação eletrica funcional - agentes elétricos - ca...Eletroterapia - FES - estimulação eletrica funcional - agentes elétricos - ca...
Eletroterapia - FES - estimulação eletrica funcional - agentes elétricos - ca...Cleanto Santos Vieira
 
Eletroterapia - estimulação nervosa transcutanea (TENS) - agentes elétricos -...
Eletroterapia - estimulação nervosa transcutanea (TENS) - agentes elétricos -...Eletroterapia - estimulação nervosa transcutanea (TENS) - agentes elétricos -...
Eletroterapia - estimulação nervosa transcutanea (TENS) - agentes elétricos -...Cleanto Santos Vieira
 
Aula 07 Eletroestimulação FES e CR.ppt
Aula 07 Eletroestimulação FES e CR.pptAula 07 Eletroestimulação FES e CR.ppt
Aula 07 Eletroestimulação FES e CR.pptSuzyOliveira20
 
Aula 10 termoterapia e crioterapia
Aula 10  termoterapia e crioterapiaAula 10  termoterapia e crioterapia
Aula 10 termoterapia e crioterapiaRodrigo Abreu
 
1 terapia combinada ultrassom de alta potência associado a novas correntes ...
1   terapia combinada ultrassom de alta potência associado a novas correntes ...1   terapia combinada ultrassom de alta potência associado a novas correntes ...
1 terapia combinada ultrassom de alta potência associado a novas correntes ...HTM ELETRÔNICA
 
Propedêutica em Fisioterapia - Semiologia e Anamnese
Propedêutica em Fisioterapia - Semiologia e AnamnesePropedêutica em Fisioterapia - Semiologia e Anamnese
Propedêutica em Fisioterapia - Semiologia e AnamneseNadjane Barros Costa
 

Mais procurados (20)

Termoterapia - calor
Termoterapia - calorTermoterapia - calor
Termoterapia - calor
 
Eletroterapia - corrente russa - capitulo 7 aula 17
Eletroterapia - corrente russa - capitulo 7 aula 17Eletroterapia - corrente russa - capitulo 7 aula 17
Eletroterapia - corrente russa - capitulo 7 aula 17
 
Eletroterapia glaydes avila
Eletroterapia   glaydes avilaEletroterapia   glaydes avila
Eletroterapia glaydes avila
 
Eletroterapia
EletroterapiaEletroterapia
Eletroterapia
 
Eletroterapia - corrente aussie - capitulo 8 aula 18
Eletroterapia - corrente aussie - capitulo 8 aula 18Eletroterapia - corrente aussie - capitulo 8 aula 18
Eletroterapia - corrente aussie - capitulo 8 aula 18
 
Eletroterapia - FES - estimulação eletrica funcional - agentes elétricos - ca...
Eletroterapia - FES - estimulação eletrica funcional - agentes elétricos - ca...Eletroterapia - FES - estimulação eletrica funcional - agentes elétricos - ca...
Eletroterapia - FES - estimulação eletrica funcional - agentes elétricos - ca...
 
Microcorrente
MicrocorrenteMicrocorrente
Microcorrente
 
Ultra som
Ultra somUltra som
Ultra som
 
Eletroterapia - estimulação nervosa transcutanea (TENS) - agentes elétricos -...
Eletroterapia - estimulação nervosa transcutanea (TENS) - agentes elétricos -...Eletroterapia - estimulação nervosa transcutanea (TENS) - agentes elétricos -...
Eletroterapia - estimulação nervosa transcutanea (TENS) - agentes elétricos -...
 
Aula 07 Eletroestimulação FES e CR.ppt
Aula 07 Eletroestimulação FES e CR.pptAula 07 Eletroestimulação FES e CR.ppt
Aula 07 Eletroestimulação FES e CR.ppt
 
Corrente russa
Corrente russaCorrente russa
Corrente russa
 
Flacidez muscular
Flacidez muscularFlacidez muscular
Flacidez muscular
 
Aula 10 termoterapia e crioterapia
Aula 10  termoterapia e crioterapiaAula 10  termoterapia e crioterapia
Aula 10 termoterapia e crioterapia
 
1 terapia combinada ultrassom de alta potência associado a novas correntes ...
1   terapia combinada ultrassom de alta potência associado a novas correntes ...1   terapia combinada ultrassom de alta potência associado a novas correntes ...
1 terapia combinada ultrassom de alta potência associado a novas correntes ...
 
Fes
FesFes
Fes
 
Crioterapia
CrioterapiaCrioterapia
Crioterapia
 
Propedêutica em Fisioterapia - Semiologia e Anamnese
Propedêutica em Fisioterapia - Semiologia e AnamnesePropedêutica em Fisioterapia - Semiologia e Anamnese
Propedêutica em Fisioterapia - Semiologia e Anamnese
 
Termoeletroterapia Aplicada
Termoeletroterapia AplicadaTermoeletroterapia Aplicada
Termoeletroterapia Aplicada
 
Eletroterapia Resumo
Eletroterapia ResumoEletroterapia Resumo
Eletroterapia Resumo
 
Termoterapia
TermoterapiaTermoterapia
Termoterapia
 

Semelhante a Eletroterapia - aparelhos multimodais e pulso de alta voltagem- agentes elétricos - capítulo 5 Aula 12

Eletroacupuntura
EletroacupunturaEletroacupuntura
Eletroacupunturaonomekyo
 
Eletroterapia capítulo 5 agentes elétricos microcorrentes - Aula 13
Eletroterapia capítulo 5 agentes elétricos microcorrentes - Aula 13 Eletroterapia capítulo 5 agentes elétricos microcorrentes - Aula 13
Eletroterapia capítulo 5 agentes elétricos microcorrentes - Aula 13 Cleanto Santos Vieira
 
Eletroterapia - Circuitos - agentes elétricos - capítulo 5 Aula 9
Eletroterapia - Circuitos - agentes elétricos - capítulo 5 Aula 9 Eletroterapia - Circuitos - agentes elétricos - capítulo 5 Aula 9
Eletroterapia - Circuitos - agentes elétricos - capítulo 5 Aula 9 Cleanto Santos Vieira
 
Corrente farádica (2) Fatec Bauru-SP ALEX, CHRISTIANE, MÁRCIA
Corrente farádica (2) Fatec Bauru-SP  ALEX, CHRISTIANE, MÁRCIACorrente farádica (2) Fatec Bauru-SP  ALEX, CHRISTIANE, MÁRCIA
Corrente farádica (2) Fatec Bauru-SP ALEX, CHRISTIANE, MÁRCIAalex norbero brusolati
 
Eletroterapia - circuitos - agentes elétricos - capítulo 5 Aula 8
Eletroterapia - circuitos - agentes elétricos - capítulo 5 Aula 8 Eletroterapia - circuitos - agentes elétricos - capítulo 5 Aula 8
Eletroterapia - circuitos - agentes elétricos - capítulo 5 Aula 8 Cleanto Santos Vieira
 
Neurodyn 10 canais 2013
Neurodyn 10 canais 2013Neurodyn 10 canais 2013
Neurodyn 10 canais 2013IBRAMED
 
Manual de Instruções do Medidor De Tensão Arterial BM 58 da Beurer
Manual de Instruções do Medidor De Tensão Arterial BM 58 da BeurerManual de Instruções do Medidor De Tensão Arterial BM 58 da Beurer
Manual de Instruções do Medidor De Tensão Arterial BM 58 da BeurerViver Qualidade
 
Manual de Instruções do Medidor De Tensão Arterial BM 58 da Beurer
Manual de Instruções do Medidor De Tensão Arterial BM 58 da BeurerManual de Instruções do Medidor De Tensão Arterial BM 58 da Beurer
Manual de Instruções do Medidor De Tensão Arterial BM 58 da BeurerViver Qualidade
 
Cardioversão x-desfibrilação-guilherme-goldfeder
Cardioversão x-desfibrilação-guilherme-goldfederCardioversão x-desfibrilação-guilherme-goldfeder
Cardioversão x-desfibrilação-guilherme-goldfederGabriel Do Nascimento
 
Termoterapia ondas curtas e microondas - cap 7
Termoterapia   ondas curtas e microondas - cap 7Termoterapia   ondas curtas e microondas - cap 7
Termoterapia ondas curtas e microondas - cap 7Cleanto Santos Vieira
 
Manual Radiofrequencia Ethernia Clinic - Medical San
Manual Radiofrequencia Ethernia Clinic - Medical SanManual Radiofrequencia Ethernia Clinic - Medical San
Manual Radiofrequencia Ethernia Clinic - Medical SanAmericanFisio
 
Manual Radiofrequencia Ethernia Start - Medical San
Manual Radiofrequencia Ethernia Start - Medical San Manual Radiofrequencia Ethernia Start - Medical San
Manual Radiofrequencia Ethernia Start - Medical San AmericanFisio
 
Manual de Instruções do Aquecedor de Pés com Massagem FWM 50 da Beurer
Manual de Instruções do Aquecedor de Pés com Massagem FWM 50 da BeurerManual de Instruções do Aquecedor de Pés com Massagem FWM 50 da Beurer
Manual de Instruções do Aquecedor de Pés com Massagem FWM 50 da BeurerViver Qualidade
 
Manual de Instruções do Medidor De Tensão Arterial BC 44 da Beurer
Manual de Instruções do Medidor De Tensão Arterial BC 44 da BeurerManual de Instruções do Medidor De Tensão Arterial BC 44 da Beurer
Manual de Instruções do Medidor De Tensão Arterial BC 44 da BeurerViver Qualidade
 
Manual de Instruções do Medidor De Tensão Arterial BM 44 da Beurer
Manual de Instruções do Medidor De Tensão Arterial BM 44 da BeurerManual de Instruções do Medidor De Tensão Arterial BM 44 da Beurer
Manual de Instruções do Medidor De Tensão Arterial BM 44 da BeurerViver Qualidade
 
Eletrocirurgia power point
Eletrocirurgia   power pointEletrocirurgia   power point
Eletrocirurgia power pointMiciany Freitas
 

Semelhante a Eletroterapia - aparelhos multimodais e pulso de alta voltagem- agentes elétricos - capítulo 5 Aula 12 (20)

Eletroacupuntura
EletroacupunturaEletroacupuntura
Eletroacupuntura
 
Eletroterapia capítulo 5 agentes elétricos microcorrentes - Aula 13
Eletroterapia capítulo 5 agentes elétricos microcorrentes - Aula 13 Eletroterapia capítulo 5 agentes elétricos microcorrentes - Aula 13
Eletroterapia capítulo 5 agentes elétricos microcorrentes - Aula 13
 
Eletroterapia - Circuitos - agentes elétricos - capítulo 5 Aula 9
Eletroterapia - Circuitos - agentes elétricos - capítulo 5 Aula 9 Eletroterapia - Circuitos - agentes elétricos - capítulo 5 Aula 9
Eletroterapia - Circuitos - agentes elétricos - capítulo 5 Aula 9
 
Corrente farádica (2) Fatec Bauru-SP ALEX, CHRISTIANE, MÁRCIA
Corrente farádica (2) Fatec Bauru-SP  ALEX, CHRISTIANE, MÁRCIACorrente farádica (2) Fatec Bauru-SP  ALEX, CHRISTIANE, MÁRCIA
Corrente farádica (2) Fatec Bauru-SP ALEX, CHRISTIANE, MÁRCIA
 
Eletroterapia - circuitos - agentes elétricos - capítulo 5 Aula 8
Eletroterapia - circuitos - agentes elétricos - capítulo 5 Aula 8 Eletroterapia - circuitos - agentes elétricos - capítulo 5 Aula 8
Eletroterapia - circuitos - agentes elétricos - capítulo 5 Aula 8
 
O Marca Passo.pdf
O Marca Passo.pdfO Marca Passo.pdf
O Marca Passo.pdf
 
Neurodyn 10 canais 2013
Neurodyn 10 canais 2013Neurodyn 10 canais 2013
Neurodyn 10 canais 2013
 
Manual de Instruções do Medidor De Tensão Arterial BM 58 da Beurer
Manual de Instruções do Medidor De Tensão Arterial BM 58 da BeurerManual de Instruções do Medidor De Tensão Arterial BM 58 da Beurer
Manual de Instruções do Medidor De Tensão Arterial BM 58 da Beurer
 
Manual de Instruções do Medidor De Tensão Arterial BM 58 da Beurer
Manual de Instruções do Medidor De Tensão Arterial BM 58 da BeurerManual de Instruções do Medidor De Tensão Arterial BM 58 da Beurer
Manual de Instruções do Medidor De Tensão Arterial BM 58 da Beurer
 
Cardioversão x-desfibrilação-guilherme-goldfeder
Cardioversão x-desfibrilação-guilherme-goldfederCardioversão x-desfibrilação-guilherme-goldfeder
Cardioversão x-desfibrilação-guilherme-goldfeder
 
Termoterapia ondas curtas e microondas - cap 7
Termoterapia   ondas curtas e microondas - cap 7Termoterapia   ondas curtas e microondas - cap 7
Termoterapia ondas curtas e microondas - cap 7
 
Manual Radiofrequencia Ethernia Clinic - Medical San
Manual Radiofrequencia Ethernia Clinic - Medical SanManual Radiofrequencia Ethernia Clinic - Medical San
Manual Radiofrequencia Ethernia Clinic - Medical San
 
Manual Radiofrequencia Ethernia Start - Medical San
Manual Radiofrequencia Ethernia Start - Medical San Manual Radiofrequencia Ethernia Start - Medical San
Manual Radiofrequencia Ethernia Start - Medical San
 
Manual de Instruções do Aquecedor de Pés com Massagem FWM 50 da Beurer
Manual de Instruções do Aquecedor de Pés com Massagem FWM 50 da BeurerManual de Instruções do Aquecedor de Pés com Massagem FWM 50 da Beurer
Manual de Instruções do Aquecedor de Pés com Massagem FWM 50 da Beurer
 
Manual de Instruções do Medidor De Tensão Arterial BC 44 da Beurer
Manual de Instruções do Medidor De Tensão Arterial BC 44 da BeurerManual de Instruções do Medidor De Tensão Arterial BC 44 da Beurer
Manual de Instruções do Medidor De Tensão Arterial BC 44 da Beurer
 
Manual de Instruções do Medidor De Tensão Arterial BM 44 da Beurer
Manual de Instruções do Medidor De Tensão Arterial BM 44 da BeurerManual de Instruções do Medidor De Tensão Arterial BM 44 da Beurer
Manual de Instruções do Medidor De Tensão Arterial BM 44 da Beurer
 
Eletrocirurgia power point
Eletrocirurgia   power pointEletrocirurgia   power point
Eletrocirurgia power point
 
Aula microrrentes (1).pptx aula
Aula microrrentes (1).pptx aulaAula microrrentes (1).pptx aula
Aula microrrentes (1).pptx aula
 
2141
21412141
2141
 
2141
21412141
2141
 

Mais de Cleanto Santos Vieira

Hidroterapia - crio tapping - Aula 8
Hidroterapia - crio tapping - Aula 8Hidroterapia - crio tapping - Aula 8
Hidroterapia - crio tapping - Aula 8Cleanto Santos Vieira
 
Termoterapia ultra-som - capítulo 14
Termoterapia   ultra-som - capítulo 14Termoterapia   ultra-som - capítulo 14
Termoterapia ultra-som - capítulo 14Cleanto Santos Vieira
 
Fototerapia - ultra violeta - capitulo 16
Fototerapia - ultra violeta - capitulo 16Fototerapia - ultra violeta - capitulo 16
Fototerapia - ultra violeta - capitulo 16Cleanto Santos Vieira
 
Fototerapia - infravermelho - cap 13
 Fototerapia - infravermelho - cap 13 Fototerapia - infravermelho - cap 13
Fototerapia - infravermelho - cap 13Cleanto Santos Vieira
 
Hidroterapia - banhos de contraste - Aula 12
Hidroterapia - banhos de contraste - Aula 12 Hidroterapia - banhos de contraste - Aula 12
Hidroterapia - banhos de contraste - Aula 12 Cleanto Santos Vieira
 
Hidroterapia - turbilhões - Aula 11
Hidroterapia - turbilhões - Aula 11Hidroterapia - turbilhões - Aula 11
Hidroterapia - turbilhões - Aula 11Cleanto Santos Vieira
 
Hidroterapia - crioalongamento - Aula 10
Hidroterapia - crioalongamento - Aula 10Hidroterapia - crioalongamento - Aula 10
Hidroterapia - crioalongamento - Aula 10Cleanto Santos Vieira
 
Hidroterapia - imersão no gelo - Aula 9
Hidroterapia - imersão no gelo - Aula 9Hidroterapia - imersão no gelo - Aula 9
Hidroterapia - imersão no gelo - Aula 9Cleanto Santos Vieira
 
Neurofisiologia - sinapses - aula 3 capitulo 2
Neurofisiologia - sinapses - aula 3 capitulo 2 Neurofisiologia - sinapses - aula 3 capitulo 2
Neurofisiologia - sinapses - aula 3 capitulo 2 Cleanto Santos Vieira
 
Sistema Nervoso - fisiopatologia do neurônio motor superior e periférico - A...
Sistema Nervoso -  fisiopatologia do neurônio motor superior e periférico - A...Sistema Nervoso -  fisiopatologia do neurônio motor superior e periférico - A...
Sistema Nervoso - fisiopatologia do neurônio motor superior e periférico - A...Cleanto Santos Vieira
 
Primeiros Socorros - Atendimento de emergência a politraumatizados
Primeiros Socorros - Atendimento de emergência a politraumatizadosPrimeiros Socorros - Atendimento de emergência a politraumatizados
Primeiros Socorros - Atendimento de emergência a politraumatizadosCleanto Santos Vieira
 
Primeiros Socorros - posição restrição e movimentação no leito
Primeiros Socorros - posição restrição e movimentação no leitoPrimeiros Socorros - posição restrição e movimentação no leito
Primeiros Socorros - posição restrição e movimentação no leitoCleanto Santos Vieira
 
Primeiros Socorros - Desmaios noções de cuidados e socorros de urgência
Primeiros Socorros - Desmaios noções de cuidados e socorros de urgênciaPrimeiros Socorros - Desmaios noções de cuidados e socorros de urgência
Primeiros Socorros - Desmaios noções de cuidados e socorros de urgênciaCleanto Santos Vieira
 
Primeiros Socorros - Respiração noções de primeiros socorros e cuidados de em...
Primeiros Socorros - Respiração noções de primeiros socorros e cuidados de em...Primeiros Socorros - Respiração noções de primeiros socorros e cuidados de em...
Primeiros Socorros - Respiração noções de primeiros socorros e cuidados de em...Cleanto Santos Vieira
 
Primeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos ofidismo
Primeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos ofidismoPrimeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos ofidismo
Primeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos ofidismoCleanto Santos Vieira
 
Primeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos himenopteros
Primeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos himenopterosPrimeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos himenopteros
Primeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos himenopterosCleanto Santos Vieira
 
Primeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos aracnidismo
Primeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos aracnidismoPrimeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos aracnidismo
Primeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos aracnidismoCleanto Santos Vieira
 
Primeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos escorpionismo
Primeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos escorpionismoPrimeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos escorpionismo
Primeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos escorpionismoCleanto Santos Vieira
 

Mais de Cleanto Santos Vieira (20)

Hidroterapia - crio tapping - Aula 8
Hidroterapia - crio tapping - Aula 8Hidroterapia - crio tapping - Aula 8
Hidroterapia - crio tapping - Aula 8
 
Termoterapia ultra-som - capítulo 14
Termoterapia   ultra-som - capítulo 14Termoterapia   ultra-som - capítulo 14
Termoterapia ultra-som - capítulo 14
 
Fototerapia - ultra violeta - capitulo 16
Fototerapia - ultra violeta - capitulo 16Fototerapia - ultra violeta - capitulo 16
Fototerapia - ultra violeta - capitulo 16
 
Fototerapia - infravermelho - cap 13
 Fototerapia - infravermelho - cap 13 Fototerapia - infravermelho - cap 13
Fototerapia - infravermelho - cap 13
 
Fototerapia - laser - capítulo 15
 Fototerapia - laser - capítulo 15 Fototerapia - laser - capítulo 15
Fototerapia - laser - capítulo 15
 
Hidroterapia - banhos de contraste - Aula 12
Hidroterapia - banhos de contraste - Aula 12 Hidroterapia - banhos de contraste - Aula 12
Hidroterapia - banhos de contraste - Aula 12
 
Hidroterapia - turbilhões - Aula 11
Hidroterapia - turbilhões - Aula 11Hidroterapia - turbilhões - Aula 11
Hidroterapia - turbilhões - Aula 11
 
Hidroterapia - crioalongamento - Aula 10
Hidroterapia - crioalongamento - Aula 10Hidroterapia - crioalongamento - Aula 10
Hidroterapia - crioalongamento - Aula 10
 
Hidroterapia - imersão no gelo - Aula 9
Hidroterapia - imersão no gelo - Aula 9Hidroterapia - imersão no gelo - Aula 9
Hidroterapia - imersão no gelo - Aula 9
 
Hidroterapia introdução - aula 1
Hidroterapia   introdução - aula 1Hidroterapia   introdução - aula 1
Hidroterapia introdução - aula 1
 
Neurofisiologia - sinapses - aula 3 capitulo 2
Neurofisiologia - sinapses - aula 3 capitulo 2 Neurofisiologia - sinapses - aula 3 capitulo 2
Neurofisiologia - sinapses - aula 3 capitulo 2
 
Sistema Nervoso - fisiopatologia do neurônio motor superior e periférico - A...
Sistema Nervoso -  fisiopatologia do neurônio motor superior e periférico - A...Sistema Nervoso -  fisiopatologia do neurônio motor superior e periférico - A...
Sistema Nervoso - fisiopatologia do neurônio motor superior e periférico - A...
 
Primeiros Socorros - Atendimento de emergência a politraumatizados
Primeiros Socorros - Atendimento de emergência a politraumatizadosPrimeiros Socorros - Atendimento de emergência a politraumatizados
Primeiros Socorros - Atendimento de emergência a politraumatizados
 
Primeiros Socorros - posição restrição e movimentação no leito
Primeiros Socorros - posição restrição e movimentação no leitoPrimeiros Socorros - posição restrição e movimentação no leito
Primeiros Socorros - posição restrição e movimentação no leito
 
Primeiros Socorros - Desmaios noções de cuidados e socorros de urgência
Primeiros Socorros - Desmaios noções de cuidados e socorros de urgênciaPrimeiros Socorros - Desmaios noções de cuidados e socorros de urgência
Primeiros Socorros - Desmaios noções de cuidados e socorros de urgência
 
Primeiros Socorros - Respiração noções de primeiros socorros e cuidados de em...
Primeiros Socorros - Respiração noções de primeiros socorros e cuidados de em...Primeiros Socorros - Respiração noções de primeiros socorros e cuidados de em...
Primeiros Socorros - Respiração noções de primeiros socorros e cuidados de em...
 
Primeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos ofidismo
Primeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos ofidismoPrimeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos ofidismo
Primeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos ofidismo
 
Primeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos himenopteros
Primeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos himenopterosPrimeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos himenopteros
Primeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos himenopteros
 
Primeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos aracnidismo
Primeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos aracnidismoPrimeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos aracnidismo
Primeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos aracnidismo
 
Primeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos escorpionismo
Primeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos escorpionismoPrimeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos escorpionismo
Primeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos escorpionismo
 

Eletroterapia - aparelhos multimodais e pulso de alta voltagem- agentes elétricos - capítulo 5 Aula 12

  • 1. ELETROTERAPIA Aparelhos multimodais – Aparelhos com pulso de alta voltagem Cap 5: Agentes Elétricos Professor: Cleanto Santos Vieira
  • 2. Eletroterapia • Multimodais: • O desenvolvimento de microprocessadores, as melhorias das placas de circuitos e de suprimentos de bateria, possibilitaram a evolução dos desenhos e funções dos estimuladores elétricos. • Até pouco tempo atrás cada tipo de corrente utilizava um gerador específico. • Hoje em dia aparelhos multimodais são capazes de produzir um infinidade de correntes além de poder incluir outros agentes terapêuticos, como o ultra-som por exemplo. • Esses equipamentos utilizam um “processador de computador” para produzir os vários tipos de formas de ondas discutidas nesse capítulo. Cap 5: Agentes Elétricos Multimodais e Alta Voltagem
  • 3. Eletroterapia • Aplicação clínica das modalidades elétricas: • Muitos estados norte-americanos exigem que os aparelhos de estimulação elétrica sejam empregados sob a ordem de um clínico. • Os profissionais e estudantes devem estar cientes sobre as Leis que governam o uso profissional desses equipamentos e sobre as políticas e procedimentos para uso em sua instituição. • Da mesma forma deve haver uma pessoa credenciada para supervisionar o uso desses aparelhos. • Essa supervisão é fundamental no período de aprendizado. Cap 5: Agentes elétricos Multimodais e alta voltagem
  • 4. Eletroterapia • Instruções básicas para a aplicação de Eletroterapia. • Preparação do gerador: • 1. Quando utilizar gerador portátil (pilhas ou bateria), certifique-se que elas estejam totalmente carregadas. • - Se utilizar modelo clínico certificar que a tomada esteja aterrada (evite o uso de extensões principalmente em casos de imersão). • 2. Certifique-se que os fios do eletrodo não estejam embaraçados. • - Os fios devem ser inspecionados regularmente (encapamentos, quebras de isolamento e conexões frouxas). • Os fios devem ser consertados ou substituídos antes de serem utilizados. • 3. Assegure-se de que todos os mostradores (potenciômetros) estejam na posição zero (deligado, off). Cap 5: Agentes elétricos Multimodais e alta voltagem
  • 5. Eletroterapia • Preparação dos eletrodos: • 1. Limpar os eletrodos removendo todos os resíduos. • - eletrodos de borracha devem ser limpos com álcool, eletrodos auto-adesivos devem ser limpos com água e sabão. • 2. Eletrodos de borracha impregnada de carbono devem ser utilizados apenas com um meio úmido, como uma esponja. Os géis não devem ser empregados, a menos que sejam especificamente recomendados pelo fabricante. • 3. Quando utilizar esponja condutiva, umedeça-as com água. Se não forem necessárias, aplicar uma camada uniforme de gel condutor nos eletrodos. • 4. Conecte os fios à unidade e aos eletrodos. • 5. Ler sempre as recomendações do fabricante quanto ao uso dos eletrodos. Cap 5: Agentes elétricos Multimodais e alta voltagem
  • 6. Eletroterapia • Preparação do paciente: • 1. Certifique-se de que o paciente não apresenta contra- indicações ao TTO a ser realizado. • 2. Defina a técnica de colocação do eletrodo a ser empregada. • 3. Os pontos as serem estimulados devem ser limpos com álcool para remoção de óleo, loções e sujeira do corpo (pelos aumentam a resistência ao fluxo de corrente elétrica), quando for possível colocar o eletrodo sobre áreas com baixa densidade capilar. • 4. Se estiver utilizando a técnica monopolar, fixe o eletrodo dispersivo sobre um local com ampla massa corporal, como a coxa ou parte inferior das costas. Nas costas colocar o eletrodo dispersivo lateralmente a medula espinhal e não sobre ela devido a indentação (Pressão que forma uma cavidade de pequena profundidade em uma superfície). Evite colocar o eletrodo dispersivo sobre o abdome (vísceras) ou dorso (próximo ao coração). • 5. Em eletrodos não adesivos, utilizar fitas de borracha ou de velcro, faixas elásticas, ou pesos de areia para manter os eletrodos no lugar. • 6. Na primeira vez que o paciente for exposto à estimulação elétrica, explicar quais as sensações esperadas ex: formigamento ou abalo muscular. • Avisar ao paciente para não fazer movimentos bruscos sob a pena de interromper o circuito entre os eletrodos. Cap 5: Agentes elétricos Multimodais e alta voltagem
  • 7. Eletroterapia • Término do TTO: • 1. Muitas unidades geradoras interrompem automaticamente o fluxo de corrente quando acaba o TTO. Caso isso não ocorra, ou se o TTO acabar antes do tempo, diminua aos poucos a intensidade da corrente e após aperte o botão pare (stop). • 2. Remova os eletrodos do corpo e limpe os resíduos da água ou gel (tanto do paciente como dos eletrodos). • 3. Verifique se a área do TTO apresenta queimaduras, irritação da pele ou alteração da coloração. • 4. Após a conclusão do TTO realizar entrevista para averiguar a eficácia dos parâmetros utilizados. Devendo anotá-los em um arquivo de TTO. Cap 5: Agentes elétricos Multimodais e alta voltagem
  • 8. Eletroterapia • Estimulação com pulso de alta voltagem: • EPAV, consiste da aplicação de uma corrente monofásica no corpo, com polaridade conhecida em cada conjunto de eletrodos. • É uma forma versátil de corrente e apresenta uma ampla variedade de usos (reeducação muscular, estimulação do nervo, redução de edema e controle de dor. • É erroneamente denominada estimulação galvânica de alta voltagem. • A onda gerada possui uma forma típica com picos germinados ou em uma sequência de dois pulsos únicos com uma fase com uma duração de 5 a 260 µs. • A corrente média geralmente não ultrapassa 1,5 mA, ou uma carga de pulso de 4 microcoulombs. • Em virtude da baixa carga do pulso, são necessárias voltagens maiores que 150v para estimular nervos motores e sensoriais. • A duração pequena da fase permite a ativação de nervos sensoriais e motores sem ativação das fibras dolorosas. • O intervalo interpulso é bem maior que a duração do pulso. • Em razão do curto espaço de tempo em que a corrente flui, há pouco tempo para a dissipação de íons residuais atraídos para a área do corpo. • Ocorre então uma quantidade limitada de reação fisioquímica sob os eletrodos sem alteração do Ph da pele sob o cátodo. • Como não ocorrem alterações galvânicas, muitos dos efeitos da EPAV podem ser o resultado de outro mecanismo. Cap 5: Agentes elétricos Multimodais e alta voltagem Parâmetros de controle típicos utilizados por unidades de estimulação EPAV Parâmetro Faixa Fluxo total de corrente 1,5 mA Frequência do pulso 1-256 pps Duração do pulso 5-100 µs Duração da fase 20-45 µs
  • 9. Eletroterapia • Efeitos biofísicos: • Estimulação Neuromuscular. • A EPAV produz uma curta duração de fase, permitindo uma contração muscular de intensidade moderadamente elevada, com pouco desconforto. • Os benefícios a curto prazo ainda não estão esclarecidos. • Existem trabalhos com resultados antagônicos sobre ganho ou decréscimo da força isométrica. • O principal efeito da EPAV está na reeducação do músculo a se contrair após longos períodos de imobilização ou desnervação transitória. • Exemplos de parâmetros para obtenção de TTO específico na tabela ao lado. Cap 5: Agentes elétricos Multimodais e alta voltagem Estimulação Neuromuscular utilizando EPAV Parâmetro Ajuste Intensidade Contrações fortes e confortáveis Frequência do pulso Baixa para produzir contrações musculares individuais (< 15 pps). Moderada para produzir contrações tônicas (35-50 pps). Polaridade Positiva ou negativa. Taxa de alternação Alternado Colocação do eletrodo Bipolar: proximal ou distal ao músculo (ou grupo muscular) a ser estimulado. Este é o método mais direto de estimular áreas específicas. Monopolar: Sobre pontos motores ou ventre muscular.
  • 10. Eletroterapia • Controle da dor: • A EPAV pode ser empregada como coadjuvante para o controle da dor aguda e crônica, por meio de estimulação sensorial (comporta medular) ou motora (opiáceos endógenos). • A comporta medular é ativada com a aplicação de correntes de 100 a 150 pps, no nível sensorial. • Devido a dificuldade de transporte de determinados geradores de EPAV, nem sempre ela é utilizada para TTOs que exigem estimulação por longos períodos. Cap 5: Agentes elétricos Multimodais e alta voltagem Controle da dor utilizando EPAV por meio da comporta medular Parâmetro Ajuste Intensidade Nível sensorial Frequência do pulso 60-100 pps Duração da fase < 100 µs Modo Contínuo Colocação do eletrodo Diretamente sobre o local dolorido
  • 11. Eletroterapia • A EPAV pode ser utilizada para estimular a liberação de opiáceos. • Embora a duração da fase não ative facilmente as fibras A-Β, essas fibras podem ser estimuladas pela intensidade da voltagem. • Deve-se utilizar a técnica monopolar e os eletrodos ativos não devem ultrapassar o tamanho da área a ser estimulada. • Eletrodos externos de sondagem manuais são frequentemente utilizados neste método de aplicação. • É recomendado uso de polaridade positiva, no caso de dor aguda, e de polaridade negativa para a dor crônica. • O pólo negativo é usado devido as propriedades de liquefação e de vasodilatação. Cap 5: Agentes elétricos Multimodais e alta voltagem Controle da dor utilizando EPAV por meio de liberação de opiáceos Parâmetro Ajuste Intensidade Nível motor Taxa de pulso 2-4 pps Duração da fase 150-250 µs Modo Contínuo Colocação do eletrodo Diretamente sobre o local dolorido, distal em relação à origem da raiz do nervo espinhal, em pontos-gatilho ou pontos de acupuntura.
  • 12. Eletroterapia • Controle e redução do edema: • Nível sensorial. • Nas lesões agudas onde se usa EPAV para impedir ou limitar o edema, o tempo da intervenção após a lesão, a frequência de pulso utilizada e o estabelecimento das sessões de TTO são os fatores críticos para a obtenção de resultados positivos. • A permeabilidade da microvasculatura local deve ser reduzida antes que ocorra o edema principal. • Se a estimulação for aplicada tardiamente no processo de resposta à lesão, a redução da permeabilidade vascular pode inibir a reabsorção das proteínas e fluidos do edema pelos sistemas venoso e linfático, inibindo a redução do edema. Cap 5: Agentes elétricos Multimodais e alta voltagem Controle, no nível sensorial, da formação de edema empregando EPAV Parâmetro Ajuste Intensidade Nível sensorial Duração do pulso Duração máxima permitida pelo gerador Frequência do pulso 120 pps Polaridade Eletrodo negativo colocado sobre o tecido lesado Modo Contínuo Colocação do eletrodo O método de imersão deve ser utilizado sempre que possível, ou os eletrodos ativos devem ficar agrupados sobre e ao redor dos tecidos-alvo Duração do TTO 4 sessões de 30 min, cada qual seguida por longos períodos de repouso de 60 min Comentários Esta abordagem deve começar o mais cedo possível após a instalação do trauma. A parte do corpo tratada deve ser enfaixada e elevada entre as sessões. Este esquema de TTO deve ser interrompido ou não ser iniciado caso de se formar edema exuberante.
  • 13. Eletroterapia • Controle e redução do edema: • Nível motor. • As contrações musculares ajudam o retorno venoso e linfático. • No nível motor, a redução do edema tenta reproduzir esse efeito, estimulando as contrações musculares necessárias. • É empregada em estágio subagudo ou crônico da lesão. • Para aumentar o efeito de ordenha, deve ser utilizada frequência de pulso reduzida e uma contração muscular forte e confortável, dentro da tolerância do paciente. • Os eletrodos devem ser colocados sobre os pontos motores dos principais grupos musculares através dos quais os vasos correm, seguindo o caminho da área edemaciada. • A elevação do membro aumenta a eficácia deste TTO. • O paciente deve receber instrução para que no domicílio mantenha o membro elevado e enfaixado entre as sessões de TTO. Cap 5: Agentes elétricos Multimodais e alta voltagem Redução no nível motor de edema aplicando EPAV por meio da técnica de ordenha Parâmetro Ajuste Intensidade Contração muscular forte, porém confortável. Evite movimentar a articulação, o que pode ser contra- indicado. Frequência de pulso Baixa Polaridade Positiva ou negativa Modo Alternado Colocação do eletrodo Bipolar: As extremidades proximal e distal do músculo principal (ou grupo muscular) próximo da área edemaciada Monopolar: Os eletrodos ativos seguem o caminho do sistema de retorno venoso
  • 14. Eletroterapia • Fluxo sanguíneo: • Embora ainda não esteja claro se a EPAV aumenta significativamente o fluxo sanguíneo local, isso dependerá da intensidade da saída e da frequência do pulso. • A estimulação motora acelera o metabolismo dos tecidos afetados, aumentando sua necessidade de O². • O número de pulsos por segundo pode influenciar o aumento do fluxo sanguíneo, embora essa relação também não esteja muito compreendida. • Contrações isométricas com tensão entre 10 e 30% da contração voluntária máxima provocam um ligeiro aumento do fluxo sanguíneo local, mas em nível menor do que os associados as contrações voluntárias. • O aumento da intensidade de saída tem correlação positiva com o aumento do fluxo sanguíneo. • Contrações musculares fortes, movimentações articulares e tensões associadas aos tecidos envolvidos são frequentemente contra-indicados. Cap 5: Agentes elétricos Multimodais e alta voltagem
  • 15. Eletroterapia • Cicatrização de ferimentos: • O uso de EPAV para cicatrização é semelhante ao das correntes diretas de baixa intensidade. • Um eletrodo serve de pólo positivo e outro de negativo. • O defeito dessa técnica é que os pulsos tem duração insuficiente para provocar respostas iguais as obtidas com CD de baixa intensidade. • Existem evidências de que a EPAV dependendo da polaridade do eletrodo, atrai leucócitos, células epidérmicas e fibroblastos, aumentando também o nível de colagenase na área tratada. • As EPAV inibem o crescimento de certas bactérias nas feridas infectadas. • Recomenda-se a aplicação de polaridade negativa por 20 min, seguida de polaridade positiva por 40 min. Cap 5: Agentes elétricos Multimodais e alta voltagem
  • 16. Eletroterapia • Posicionamento dos eletrodos: • A EPAV pode ser aplicada utilizando-se tanto a técnica monopolar quanto a bipolar. • A monopolar quando o foco do TTO é uma área ampla, como no caso de controle e redução de edema, controle de dor sensorial e estimulação de determinado ponto. • A bipolar, em geral são utilizadas para provocar uma contração de um músculo específico ou no controle da dor ao nível motor. Cap 5: Agentes elétricos Multimodais e alta voltagem
  • 17. Eletroterapia • Métodos alternativos de aplicação: • Imersão em água. • A EPAV pode ser combinada com imersão em água para o TTO de áreas com formato irregular, como mãos ou pés. • A água funciona na pele como um eletrodo ativo. • O eletrodo dispersivo deve ter o maior tamanho possível para manter o foco da estimulação sobre a parte a ser tratada. • Os eletrodos ativos são colocados na banheira, ficando o lado com isolamento (coberto de borracha) voltado para o corpo. • O eletrodo dispersivo é colocado sobre a área com grande massa corporal mais próxima (quando se trata o pé ou tornozelo, a coxa é o local mais utilizado). • É importante orientar o paciente para não tirar da água a parte do corpo tratada se a intensidade do TTO for muito forte, deve-se mergulhar uma parte maior do corpo. • Depois do TTO o membro tratado deve ser protegido e colocado em posição elevada para estimular o retorno venoso. Cap 5: Agentes elétricos Multimodais e alta voltagem
  • 18. Eletroterapia • Duração do TTO: • Geralmente de 15 a 30 min, podem ser repetidos várias vezes por dia se necessário. • Precauções: • Pode causar tensão indesejável sobre as fibras musculares, tendões ou inserções ósseas. • Pode ocorrer fadiga muscular se for utilizado um ciclo de funcionamento insuficiente. • O uso inadequado pode provocar irritação ou queima do eletrodo. • A estimulação intensa ou prolongada pode resultar em espasmo muscular e/ou dor muscular. Cap 5 Agentes elétricos Multimodais e alta voltagem
  • 19. Eletroterapia • Indicações: • Reeducação de nervos periféricos. • Retardo da desnervação e atrofia por desuso, por meio da estimulação de contrações musculares. • Redução de edema pós-traumático. • Manutenção da A.D.M. • Redução do espasmo muscular. • Inibição da espasticidade. • Reeducação de músculo parcialmente desnervado. • Facilitação da função motora voluntária. • Aumento da circulação sanguínea local. Cap 5: Agentes elétricos Multimodais e alta voltagem
  • 20. Eletroterapia • Contra-indicações: • São as mesmas contra-indicações gerais a eletroterapia já abordadas na aula 8 “Agentes elétricos”. Cap 5: Agentes elétricos Multimodais e alta voltagem
  • 21. Referências Bibliográficas • MARCUCCI, Fernando C. I. Histórico da Eletroterapia e Eletroacupuntura. O Fisioterapeuta [site]. Disponível em: http://ofisioterapeuta.blogspot.com/ • Starkey C. Agentes elétricos. In: Starkey C. Recursos terapêuticos em fisioterapia. 2ª ed. São Paulo: Manole; 2001. • Low J, Reed A. Electrical stimulation of nerve and muscle. In: Electrotherapy explained: principles and practice. 3ª ed. Oxford: Butterworth-Heinemann; 2000. • Orbach, I: Dissociação da dor física e suicídio: Hipótese “o comportamento suicida e a ameça a vida” 24:68, 1994. • Roeser, WM, et all: O uso da neuroestimulação transcutânea para o controle da dor em medicina esportiva. Am J Sports Med 4:210, 1976.