SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 10
Baixar para ler offline
ELETROTERAPIA
Professor Cleanto Santos Vieira
Cap 5: Agentes Elétricos
EENM/FEZ
E.E.N.M/F.E.Z
ELETROTERAPIA
• A estimulação elétrica neuromuscular
(EENM/FEZ) é utilizada na reeducação
muscular, redução de espasmos,
retardo da atrofia e fortalecimento do
músculo.
• Durante contrações voluntárias, os
nervos de pequeno diâmetro Tipo I
são os primeiros a se contraírem.
• As fibras do Tipo I não geram muita
força, mas mantêm a contração por
período prolongado.
• A estimulação elétrica recruta os
nervos motores de grande diâmetro
do Tipo II para se contraírem antes das
fibras do Tipo I.
• Como as fibras do Tipo II produzem
mais força, o vigor da contração
aumenta.
Cap 5: Agentes Elétricos
EENM/FEZ
ELETROTERAPIA
• O torque produzido está diretamente
relacionado com a quantidade de
corrente induzida no músculo.
• A força de contração pode ser ainda mais
alterada com a mudança da colocação do
eletrodo.
• Os geradores de E.E.N.M. utilizam uma
ampla variedade de formas de onda, mas
a maioria das unidades comercializadas
emprega onda bifásica.
• Os pulsos simétricos tendem a ser menos
dolorosos quando aplicados a uma
grande massa muscular.
• A corrente tem que ser forte o suficiente
para passar a barreira capacitiva do
tecido antes de estimular os nervos
motores.
• As frequências baixas devem produzir
uma corrente maior para vencer a
resistência.
Cap 5: Agentes Elétricos
EENM/FEZ
Parâmetros Elétricos Empregados na
Estimulação Elétrica Neuromuscular
Amperagem máxima Até a tolerância
Duração do pulso 50-300 µs
Frequência de pulso 1-200 pps
Carga do pulso ≥ 10 Mq (microcoulombs)
ELETROTERAPIA
• Efeitos Biofísicos.
• Quando o objetivo da sessão de TTO for
elevar a força muscular, a saída deve ser tão
grande quanto o paciente suportar.
• Se o objetivo for a reeducação muscular,
apenas uma suave contração tônica é
necessária para “dar o início”.
• A E.E.N.M. também estimula uma contração
que produz torque igual a 90% da contração
voluntária máxima.
• Já foi demonstrado na literatura que
pacientes que utilizaram E.E.N.M, exibem
um aumento significativo da força, em
comparação com o treinamento isométrico.
• As contrações com E.E.N.M., elevam o fluxo
sanguíneo periférico para a extremidade que
está sendo estimulada (↑ da taxa
metabólica associado as contrações).
Cap 5: Agentes Elétricos
EENM/FEZ
Efeitos Associados com a Estimulação Elétrica Neuromuscular
Contrações isométricas do quadríceps, eletricamente induzidas, podem elevar, de forma
significativa, a força em certas posições articulares.
- Posições da articulação do joelho variando de 30°- 90° de flexão.
- O grau de flexão do quadril pode influenciar a força das contrações, possivelmente depois de conferir
vantagem mecânica ao grupo muscular.
- Ganhos de força resumidos variando de 7% - 48%.
A estimulação elétrica pode aumentar a força isométrica, sob certas velocidades.
- Não foi registrado aumento de força significativo em velocidades maiores que 120° de ADM por
segundo.
- Velocidades de 65° de ADM por segundo foram as que produziram aumentos mais substanciais.
Não foi demonstrado aumento de força estatisticamente significativo nos ganhos de força obtidos
com E.E., contrações voluntárias ou uma combinação de E.E. e contrações voluntárias.
- A maioria das revisões literárias indicou ganhos maiores em contrações voluntárias do que em
contrações eletricamente induzidas.
- Embora as diferenças nos ganhos obtidos com contrações voluntárias comparados com os obtidos
em E.E. não tivessem sido estatisticamente significativas, os resultados podem ser clinicamente
significativos. Os aumentos de força com E.E. foram em média, 10% maiores que os obtidos com
contrações voluntárias.
ELETROTERAPIA
• Redução do edema.
• É semelhante a outras formas de
eletroterapia.
• O retorno venoso e linfático são
intensificados por meio da
“ordenha” dos vasos pelas
contrações musculares.
• Utiliza-se uma frequência de pulso
reduzida (1 a 10 pps) ou um ciclo
de funcionamento de 50%.
• A intensidade da corrente pode
originar uma uma contração
visível, mas não deve provocar
movimentação articular
indesejável.
• Postura de drenagem associada.
Cap 5: Agentes Elétricos
EENM/FEZ
ELETROTERAPIA
• Colocação do eletrodo.
• É comum a colocação de eletrodo bipolar em
TTOs.
• Os eletrodos são colocados sobre as
terminações proximal de distal do músculo
ou grupo muscular.
• Como eletrodos grandes assentam-se sobre
vários músculos e/ou pontos motores,
obtém-se uma contração mais generalizada.
• Eletrodos pequenos para uma contração mais
específica.
• Conforme os eletrodos são colocados mais
próximos, o efeito da estimulação se torna
mais superficial e a intensidade relativa da
contração diminui.
• A aplicação quadripolar (2 canais) é mais
empregada para estimulação de angonista e
antagonista.
• Técnica monopolar (1 eletrodo grande e
outro pequeno), depende do alvo do TTO.
Cap 5: Agentes Eléticos
EENM/FEZ
ELETROTERAPIA
• Duração e frequência do TTO.
• Podem ser administrados diariamente,
mas o paciente deve ser monitorado para
evitar dor desnecessária.
• Os TTOs, para casos de retardamento da
atrofia são aplicados durante o dia, com o
uso de estimulador portátil.
• Precauções.
• O uso impróprio pode queimar o
eletrodo ou provocar irritação da pele.
• A estimulação prolongada ou intensa
pode causar espasmo muscular e/ou dor
muscular.
• Lembrar que contrações intensas anulam
a ação dos órgãos tendinosos de Golgi, o
que pode ocasionar lesões.
Cap 5: Agentes Elétricos
EENM/FEZ
ELETROTERAPIA
• Indicações.
• Manutenção da A.D.M.
• Reeducação muscular.
• Prevenção de contraturas articulares.
• Prevenção da atrofia por desuso.
• Aumento da irrigação sanguínea local.
• Redução do espasmo muscular.
Cap 5: Agentes Elétricos
EENM/FEZ
ELETROTERAPIA
• Contra-indicações.
• Lesões
músculotendinosas, nas
quais a tensão produzida
pela contração danificará
ainda mais as fibras
musculares ou tendinosas.
• Casos em que não há
inserção segura do
músculo no osso.
Cap 5: Agentes Elétricos
EENM/FEZ
Referência Bibliográficas
• MARCUCCI, Fernando C. I. Histórico da Eletroterapia e Eletroacupuntura. O
Fisioterapeuta [site]. Disponível em: http://ofisioterapeuta.blogspot.com/
• Starkey C. Agentes elétricos. In: Starkey C. Recursos terapêuticos em
fisioterapia. 2ª ed. São Paulo: Manole; 2001.
• Low J, Reed A. Electrical stimulation of nerve and muscle. In:
Electrotherapy explained: principles and practice. 3ª ed. Oxford:
Butterworth-Heinemann; 2000.
• Orbach, I: Dissociação da dor física e suicídio: Hipótese “o comportamento
suicida e a ameça a vida” 24:68, 1994.
• Roeser, WM, et all: O uso da neuroestimulação transcutânea para o
controle da dor em medicina esportiva. Am J Sports Med 4:210, 1976.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Eletroterapia - corrente aussie - capitulo 8 aula 18
Eletroterapia - corrente aussie - capitulo 8 aula 18Eletroterapia - corrente aussie - capitulo 8 aula 18
Eletroterapia - corrente aussie - capitulo 8 aula 18Cleanto Santos Vieira
 
Corrente interferencial
Corrente interferencial Corrente interferencial
Corrente interferencial FUAD HAZIME
 
15 -amplitude_de_movimento
15  -amplitude_de_movimento15  -amplitude_de_movimento
15 -amplitude_de_movimentoJohnny Martins
 
Diatermia por Ondas Curtas e Microondas
Diatermia por Ondas Curtas e MicroondasDiatermia por Ondas Curtas e Microondas
Diatermia por Ondas Curtas e MicroondasFUAD HAZIME
 
Aula 10 termoterapia e crioterapia
Aula 10  termoterapia e crioterapiaAula 10  termoterapia e crioterapia
Aula 10 termoterapia e crioterapiaRodrigo Abreu
 
Reabilitação aquática débora marques
Reabilitação aquática débora marquesReabilitação aquática débora marques
Reabilitação aquática débora marquesDebora_Marques
 
Eletroterapia - estimulação nervosa transcutanea (TENS) - agentes elétricos -...
Eletroterapia - estimulação nervosa transcutanea (TENS) - agentes elétricos -...Eletroterapia - estimulação nervosa transcutanea (TENS) - agentes elétricos -...
Eletroterapia - estimulação nervosa transcutanea (TENS) - agentes elétricos -...Cleanto Santos Vieira
 
Sonopulse II 2013
Sonopulse II 2013Sonopulse II 2013
Sonopulse II 2013IBRAMED
 
Avaliacao sensorial, funcao motora, coordenacao e marcha
Avaliacao sensorial, funcao motora, coordenacao e marchaAvaliacao sensorial, funcao motora, coordenacao e marcha
Avaliacao sensorial, funcao motora, coordenacao e marchaNatha Fisioterapia
 
Recursos terapeuticos manuais introducao
Recursos terapeuticos manuais introducaoRecursos terapeuticos manuais introducao
Recursos terapeuticos manuais introducaoNay Ribeiro
 
Aula introdução à disciplina de mecanoterapia
Aula introdução à disciplina de mecanoterapiaAula introdução à disciplina de mecanoterapia
Aula introdução à disciplina de mecanoterapiaJaqueline Mancini
 

Mais procurados (20)

Ultra som
Ultra somUltra som
Ultra som
 
Eletroterapia
EletroterapiaEletroterapia
Eletroterapia
 
Eletroanalgesia - TENS
Eletroanalgesia - TENSEletroanalgesia - TENS
Eletroanalgesia - TENS
 
Eletroterapia - corrente aussie - capitulo 8 aula 18
Eletroterapia - corrente aussie - capitulo 8 aula 18Eletroterapia - corrente aussie - capitulo 8 aula 18
Eletroterapia - corrente aussie - capitulo 8 aula 18
 
Fes
FesFes
Fes
 
Corrente interferencial
Corrente interferencial Corrente interferencial
Corrente interferencial
 
Ultra Som
Ultra SomUltra Som
Ultra Som
 
15 -amplitude_de_movimento
15  -amplitude_de_movimento15  -amplitude_de_movimento
15 -amplitude_de_movimento
 
Diatermia por Ondas Curtas e Microondas
Diatermia por Ondas Curtas e MicroondasDiatermia por Ondas Curtas e Microondas
Diatermia por Ondas Curtas e Microondas
 
Aula 10 termoterapia e crioterapia
Aula 10  termoterapia e crioterapiaAula 10  termoterapia e crioterapia
Aula 10 termoterapia e crioterapia
 
Reabilitação aquática débora marques
Reabilitação aquática débora marquesReabilitação aquática débora marques
Reabilitação aquática débora marques
 
Corrente russa
Corrente russaCorrente russa
Corrente russa
 
Eletroterapia - estimulação nervosa transcutanea (TENS) - agentes elétricos -...
Eletroterapia - estimulação nervosa transcutanea (TENS) - agentes elétricos -...Eletroterapia - estimulação nervosa transcutanea (TENS) - agentes elétricos -...
Eletroterapia - estimulação nervosa transcutanea (TENS) - agentes elétricos -...
 
Bases da Eletroterapia
Bases da EletroterapiaBases da Eletroterapia
Bases da Eletroterapia
 
Sonopulse II 2013
Sonopulse II 2013Sonopulse II 2013
Sonopulse II 2013
 
Avaliacao sensorial, funcao motora, coordenacao e marcha
Avaliacao sensorial, funcao motora, coordenacao e marchaAvaliacao sensorial, funcao motora, coordenacao e marcha
Avaliacao sensorial, funcao motora, coordenacao e marcha
 
Recursos terapeuticos manuais introducao
Recursos terapeuticos manuais introducaoRecursos terapeuticos manuais introducao
Recursos terapeuticos manuais introducao
 
Tônus muscular
Tônus muscularTônus muscular
Tônus muscular
 
Hernia de disco
Hernia de discoHernia de disco
Hernia de disco
 
Aula introdução à disciplina de mecanoterapia
Aula introdução à disciplina de mecanoterapiaAula introdução à disciplina de mecanoterapia
Aula introdução à disciplina de mecanoterapia
 

Semelhante a EENM estimulação elétrica neuromuscular

Eletroterapia - aparelhos multimodais e pulso de alta voltagem- agentes elétr...
Eletroterapia - aparelhos multimodais e pulso de alta voltagem- agentes elétr...Eletroterapia - aparelhos multimodais e pulso de alta voltagem- agentes elétr...
Eletroterapia - aparelhos multimodais e pulso de alta voltagem- agentes elétr...Cleanto Santos Vieira
 
Monitoria-Considerações fisiológicas e metodológicas para o uso de.pptx
Monitoria-Considerações fisiológicas e metodológicas para o uso de.pptxMonitoria-Considerações fisiológicas e metodológicas para o uso de.pptx
Monitoria-Considerações fisiológicas e metodológicas para o uso de.pptxAnnaCarolineRibeiro2
 
eletroacupuntura otima aula.pdf
eletroacupuntura otima aula.pdfeletroacupuntura otima aula.pdf
eletroacupuntura otima aula.pdfRonaldo Fernandes
 
Eletroterapia efeitos eletrodos
Eletroterapia efeitos eletrodosEletroterapia efeitos eletrodos
Eletroterapia efeitos eletrodosJaqueline da Silva
 
Eletroterapia capítulo 5 agentes elétricos microcorrentes - Aula 13
Eletroterapia capítulo 5 agentes elétricos microcorrentes - Aula 13 Eletroterapia capítulo 5 agentes elétricos microcorrentes - Aula 13
Eletroterapia capítulo 5 agentes elétricos microcorrentes - Aula 13 Cleanto Santos Vieira
 
Estudo de eletro estimulação como auxiliar na marcha de pessoas com lesão med...
Estudo de eletro estimulação como auxiliar na marcha de pessoas com lesão med...Estudo de eletro estimulação como auxiliar na marcha de pessoas com lesão med...
Estudo de eletro estimulação como auxiliar na marcha de pessoas com lesão med...Ana Oliveira
 
slide - eletroterapia - prof Roosivelt.pdf
slide - eletroterapia - prof Roosivelt.pdfslide - eletroterapia - prof Roosivelt.pdf
slide - eletroterapia - prof Roosivelt.pdfRoosivelt Honorato
 
Eletroneuromiografia (ENMG)
Eletroneuromiografia (ENMG)Eletroneuromiografia (ENMG)
Eletroneuromiografia (ENMG)Welisson Porto
 
Aula 04 - Interferencial.pdf
Aula 04 - Interferencial.pdfAula 04 - Interferencial.pdf
Aula 04 - Interferencial.pdfNorteSul4
 
Eletroacupuntura
EletroacupunturaEletroacupuntura
Eletroacupunturaonomekyo
 
AULA 12 - TENDINITE PATELAR.pdf
AULA 12 - TENDINITE PATELAR.pdfAULA 12 - TENDINITE PATELAR.pdf
AULA 12 - TENDINITE PATELAR.pdfthiagopennachaves
 
Os efeitos do treinamento neuromuscular em esportes de
Os efeitos do treinamento neuromuscular em esportes de Os efeitos do treinamento neuromuscular em esportes de
Os efeitos do treinamento neuromuscular em esportes de Laysla Gulicz
 
Eletroterapia - circuitos - agentes elétricos - capítulo 5 Aula 8
Eletroterapia - circuitos - agentes elétricos - capítulo 5 Aula 8 Eletroterapia - circuitos - agentes elétricos - capítulo 5 Aula 8
Eletroterapia - circuitos - agentes elétricos - capítulo 5 Aula 8 Cleanto Santos Vieira
 
Neuromusculoesqueletica_e _posicionamento
Neuromusculoesqueletica_e _posicionamentoNeuromusculoesqueletica_e _posicionamento
Neuromusculoesqueletica_e _posicionamentoGustavoArouche1
 

Semelhante a EENM estimulação elétrica neuromuscular (20)

Eletroterapia - aparelhos multimodais e pulso de alta voltagem- agentes elétr...
Eletroterapia - aparelhos multimodais e pulso de alta voltagem- agentes elétr...Eletroterapia - aparelhos multimodais e pulso de alta voltagem- agentes elétr...
Eletroterapia - aparelhos multimodais e pulso de alta voltagem- agentes elétr...
 
Monitoria-Considerações fisiológicas e metodológicas para o uso de.pptx
Monitoria-Considerações fisiológicas e metodológicas para o uso de.pptxMonitoria-Considerações fisiológicas e metodológicas para o uso de.pptx
Monitoria-Considerações fisiológicas e metodológicas para o uso de.pptx
 
Fisiologia neuromuscular 02
Fisiologia neuromuscular 02Fisiologia neuromuscular 02
Fisiologia neuromuscular 02
 
apresentação.pptx
apresentação.pptxapresentação.pptx
apresentação.pptx
 
eletroacupuntura otima aula.pdf
eletroacupuntura otima aula.pdfeletroacupuntura otima aula.pdf
eletroacupuntura otima aula.pdf
 
Eletroterapia efeitos eletrodos
Eletroterapia efeitos eletrodosEletroterapia efeitos eletrodos
Eletroterapia efeitos eletrodos
 
Eletroterapia capítulo 5 agentes elétricos microcorrentes - Aula 13
Eletroterapia capítulo 5 agentes elétricos microcorrentes - Aula 13 Eletroterapia capítulo 5 agentes elétricos microcorrentes - Aula 13
Eletroterapia capítulo 5 agentes elétricos microcorrentes - Aula 13
 
Estudo de eletro estimulação como auxiliar na marcha de pessoas com lesão med...
Estudo de eletro estimulação como auxiliar na marcha de pessoas com lesão med...Estudo de eletro estimulação como auxiliar na marcha de pessoas com lesão med...
Estudo de eletro estimulação como auxiliar na marcha de pessoas com lesão med...
 
Mine apostila eletro
Mine apostila eletroMine apostila eletro
Mine apostila eletro
 
slide - eletroterapia - prof Roosivelt.pdf
slide - eletroterapia - prof Roosivelt.pdfslide - eletroterapia - prof Roosivelt.pdf
slide - eletroterapia - prof Roosivelt.pdf
 
Ação muscular
Ação muscularAção muscular
Ação muscular
 
Eletroneuromiografia (ENMG)
Eletroneuromiografia (ENMG)Eletroneuromiografia (ENMG)
Eletroneuromiografia (ENMG)
 
Aula 04 - Interferencial.pdf
Aula 04 - Interferencial.pdfAula 04 - Interferencial.pdf
Aula 04 - Interferencial.pdf
 
Eletroacupuntura
EletroacupunturaEletroacupuntura
Eletroacupuntura
 
AULA 12 - TENDINITE PATELAR.pdf
AULA 12 - TENDINITE PATELAR.pdfAULA 12 - TENDINITE PATELAR.pdf
AULA 12 - TENDINITE PATELAR.pdf
 
Fisiologia muscular
Fisiologia muscularFisiologia muscular
Fisiologia muscular
 
Micro lesão muscular
Micro lesão muscularMicro lesão muscular
Micro lesão muscular
 
Os efeitos do treinamento neuromuscular em esportes de
Os efeitos do treinamento neuromuscular em esportes de Os efeitos do treinamento neuromuscular em esportes de
Os efeitos do treinamento neuromuscular em esportes de
 
Eletroterapia - circuitos - agentes elétricos - capítulo 5 Aula 8
Eletroterapia - circuitos - agentes elétricos - capítulo 5 Aula 8 Eletroterapia - circuitos - agentes elétricos - capítulo 5 Aula 8
Eletroterapia - circuitos - agentes elétricos - capítulo 5 Aula 8
 
Neuromusculoesqueletica_e _posicionamento
Neuromusculoesqueletica_e _posicionamentoNeuromusculoesqueletica_e _posicionamento
Neuromusculoesqueletica_e _posicionamento
 

Mais de Cleanto Santos Vieira

Hidroterapia - crio tapping - Aula 8
Hidroterapia - crio tapping - Aula 8Hidroterapia - crio tapping - Aula 8
Hidroterapia - crio tapping - Aula 8Cleanto Santos Vieira
 
Termoterapia ondas curtas e microondas - cap 7
Termoterapia   ondas curtas e microondas - cap 7Termoterapia   ondas curtas e microondas - cap 7
Termoterapia ondas curtas e microondas - cap 7Cleanto Santos Vieira
 
Termoterapia ultra-som - capítulo 14
Termoterapia   ultra-som - capítulo 14Termoterapia   ultra-som - capítulo 14
Termoterapia ultra-som - capítulo 14Cleanto Santos Vieira
 
Fototerapia - ultra violeta - capitulo 16
Fototerapia - ultra violeta - capitulo 16Fototerapia - ultra violeta - capitulo 16
Fototerapia - ultra violeta - capitulo 16Cleanto Santos Vieira
 
Fototerapia - infravermelho - cap 13
 Fototerapia - infravermelho - cap 13 Fototerapia - infravermelho - cap 13
Fototerapia - infravermelho - cap 13Cleanto Santos Vieira
 
Hidroterapia - banhos de contraste - Aula 12
Hidroterapia - banhos de contraste - Aula 12 Hidroterapia - banhos de contraste - Aula 12
Hidroterapia - banhos de contraste - Aula 12 Cleanto Santos Vieira
 
Hidroterapia - turbilhões - Aula 11
Hidroterapia - turbilhões - Aula 11Hidroterapia - turbilhões - Aula 11
Hidroterapia - turbilhões - Aula 11Cleanto Santos Vieira
 
Hidroterapia - crioalongamento - Aula 10
Hidroterapia - crioalongamento - Aula 10Hidroterapia - crioalongamento - Aula 10
Hidroterapia - crioalongamento - Aula 10Cleanto Santos Vieira
 
Hidroterapia - imersão no gelo - Aula 9
Hidroterapia - imersão no gelo - Aula 9Hidroterapia - imersão no gelo - Aula 9
Hidroterapia - imersão no gelo - Aula 9Cleanto Santos Vieira
 
Neurofisiologia - sinapses - aula 3 capitulo 2
Neurofisiologia - sinapses - aula 3 capitulo 2 Neurofisiologia - sinapses - aula 3 capitulo 2
Neurofisiologia - sinapses - aula 3 capitulo 2 Cleanto Santos Vieira
 
Sistema Nervoso - fisiopatologia do neurônio motor superior e periférico - A...
Sistema Nervoso -  fisiopatologia do neurônio motor superior e periférico - A...Sistema Nervoso -  fisiopatologia do neurônio motor superior e periférico - A...
Sistema Nervoso - fisiopatologia do neurônio motor superior e periférico - A...Cleanto Santos Vieira
 
Primeiros Socorros - Atendimento de emergência a politraumatizados
Primeiros Socorros - Atendimento de emergência a politraumatizadosPrimeiros Socorros - Atendimento de emergência a politraumatizados
Primeiros Socorros - Atendimento de emergência a politraumatizadosCleanto Santos Vieira
 
Primeiros Socorros - posição restrição e movimentação no leito
Primeiros Socorros - posição restrição e movimentação no leitoPrimeiros Socorros - posição restrição e movimentação no leito
Primeiros Socorros - posição restrição e movimentação no leitoCleanto Santos Vieira
 
Primeiros Socorros - Desmaios noções de cuidados e socorros de urgência
Primeiros Socorros - Desmaios noções de cuidados e socorros de urgênciaPrimeiros Socorros - Desmaios noções de cuidados e socorros de urgência
Primeiros Socorros - Desmaios noções de cuidados e socorros de urgênciaCleanto Santos Vieira
 
Primeiros Socorros - Respiração noções de primeiros socorros e cuidados de em...
Primeiros Socorros - Respiração noções de primeiros socorros e cuidados de em...Primeiros Socorros - Respiração noções de primeiros socorros e cuidados de em...
Primeiros Socorros - Respiração noções de primeiros socorros e cuidados de em...Cleanto Santos Vieira
 
Primeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos ofidismo
Primeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos ofidismoPrimeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos ofidismo
Primeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos ofidismoCleanto Santos Vieira
 
Primeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos himenopteros
Primeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos himenopterosPrimeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos himenopteros
Primeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos himenopterosCleanto Santos Vieira
 
Primeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos aracnidismo
Primeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos aracnidismoPrimeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos aracnidismo
Primeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos aracnidismoCleanto Santos Vieira
 

Mais de Cleanto Santos Vieira (20)

Hidroterapia - crio tapping - Aula 8
Hidroterapia - crio tapping - Aula 8Hidroterapia - crio tapping - Aula 8
Hidroterapia - crio tapping - Aula 8
 
Termoterapia ondas curtas e microondas - cap 7
Termoterapia   ondas curtas e microondas - cap 7Termoterapia   ondas curtas e microondas - cap 7
Termoterapia ondas curtas e microondas - cap 7
 
Termoterapia ultra-som - capítulo 14
Termoterapia   ultra-som - capítulo 14Termoterapia   ultra-som - capítulo 14
Termoterapia ultra-som - capítulo 14
 
Fototerapia - ultra violeta - capitulo 16
Fototerapia - ultra violeta - capitulo 16Fototerapia - ultra violeta - capitulo 16
Fototerapia - ultra violeta - capitulo 16
 
Fototerapia - infravermelho - cap 13
 Fototerapia - infravermelho - cap 13 Fototerapia - infravermelho - cap 13
Fototerapia - infravermelho - cap 13
 
Fototerapia - laser - capítulo 15
 Fototerapia - laser - capítulo 15 Fototerapia - laser - capítulo 15
Fototerapia - laser - capítulo 15
 
Hidroterapia - banhos de contraste - Aula 12
Hidroterapia - banhos de contraste - Aula 12 Hidroterapia - banhos de contraste - Aula 12
Hidroterapia - banhos de contraste - Aula 12
 
Hidroterapia - turbilhões - Aula 11
Hidroterapia - turbilhões - Aula 11Hidroterapia - turbilhões - Aula 11
Hidroterapia - turbilhões - Aula 11
 
Hidroterapia - crioalongamento - Aula 10
Hidroterapia - crioalongamento - Aula 10Hidroterapia - crioalongamento - Aula 10
Hidroterapia - crioalongamento - Aula 10
 
Hidroterapia - imersão no gelo - Aula 9
Hidroterapia - imersão no gelo - Aula 9Hidroterapia - imersão no gelo - Aula 9
Hidroterapia - imersão no gelo - Aula 9
 
Hidroterapia introdução - aula 1
Hidroterapia   introdução - aula 1Hidroterapia   introdução - aula 1
Hidroterapia introdução - aula 1
 
Neurofisiologia - sinapses - aula 3 capitulo 2
Neurofisiologia - sinapses - aula 3 capitulo 2 Neurofisiologia - sinapses - aula 3 capitulo 2
Neurofisiologia - sinapses - aula 3 capitulo 2
 
Sistema Nervoso - fisiopatologia do neurônio motor superior e periférico - A...
Sistema Nervoso -  fisiopatologia do neurônio motor superior e periférico - A...Sistema Nervoso -  fisiopatologia do neurônio motor superior e periférico - A...
Sistema Nervoso - fisiopatologia do neurônio motor superior e periférico - A...
 
Primeiros Socorros - Atendimento de emergência a politraumatizados
Primeiros Socorros - Atendimento de emergência a politraumatizadosPrimeiros Socorros - Atendimento de emergência a politraumatizados
Primeiros Socorros - Atendimento de emergência a politraumatizados
 
Primeiros Socorros - posição restrição e movimentação no leito
Primeiros Socorros - posição restrição e movimentação no leitoPrimeiros Socorros - posição restrição e movimentação no leito
Primeiros Socorros - posição restrição e movimentação no leito
 
Primeiros Socorros - Desmaios noções de cuidados e socorros de urgência
Primeiros Socorros - Desmaios noções de cuidados e socorros de urgênciaPrimeiros Socorros - Desmaios noções de cuidados e socorros de urgência
Primeiros Socorros - Desmaios noções de cuidados e socorros de urgência
 
Primeiros Socorros - Respiração noções de primeiros socorros e cuidados de em...
Primeiros Socorros - Respiração noções de primeiros socorros e cuidados de em...Primeiros Socorros - Respiração noções de primeiros socorros e cuidados de em...
Primeiros Socorros - Respiração noções de primeiros socorros e cuidados de em...
 
Primeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos ofidismo
Primeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos ofidismoPrimeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos ofidismo
Primeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos ofidismo
 
Primeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos himenopteros
Primeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos himenopterosPrimeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos himenopteros
Primeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos himenopteros
 
Primeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos aracnidismo
Primeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos aracnidismoPrimeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos aracnidismo
Primeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos aracnidismo
 

EENM estimulação elétrica neuromuscular

  • 1. ELETROTERAPIA Professor Cleanto Santos Vieira Cap 5: Agentes Elétricos EENM/FEZ E.E.N.M/F.E.Z
  • 2. ELETROTERAPIA • A estimulação elétrica neuromuscular (EENM/FEZ) é utilizada na reeducação muscular, redução de espasmos, retardo da atrofia e fortalecimento do músculo. • Durante contrações voluntárias, os nervos de pequeno diâmetro Tipo I são os primeiros a se contraírem. • As fibras do Tipo I não geram muita força, mas mantêm a contração por período prolongado. • A estimulação elétrica recruta os nervos motores de grande diâmetro do Tipo II para se contraírem antes das fibras do Tipo I. • Como as fibras do Tipo II produzem mais força, o vigor da contração aumenta. Cap 5: Agentes Elétricos EENM/FEZ
  • 3. ELETROTERAPIA • O torque produzido está diretamente relacionado com a quantidade de corrente induzida no músculo. • A força de contração pode ser ainda mais alterada com a mudança da colocação do eletrodo. • Os geradores de E.E.N.M. utilizam uma ampla variedade de formas de onda, mas a maioria das unidades comercializadas emprega onda bifásica. • Os pulsos simétricos tendem a ser menos dolorosos quando aplicados a uma grande massa muscular. • A corrente tem que ser forte o suficiente para passar a barreira capacitiva do tecido antes de estimular os nervos motores. • As frequências baixas devem produzir uma corrente maior para vencer a resistência. Cap 5: Agentes Elétricos EENM/FEZ Parâmetros Elétricos Empregados na Estimulação Elétrica Neuromuscular Amperagem máxima Até a tolerância Duração do pulso 50-300 µs Frequência de pulso 1-200 pps Carga do pulso ≥ 10 Mq (microcoulombs)
  • 4. ELETROTERAPIA • Efeitos Biofísicos. • Quando o objetivo da sessão de TTO for elevar a força muscular, a saída deve ser tão grande quanto o paciente suportar. • Se o objetivo for a reeducação muscular, apenas uma suave contração tônica é necessária para “dar o início”. • A E.E.N.M. também estimula uma contração que produz torque igual a 90% da contração voluntária máxima. • Já foi demonstrado na literatura que pacientes que utilizaram E.E.N.M, exibem um aumento significativo da força, em comparação com o treinamento isométrico. • As contrações com E.E.N.M., elevam o fluxo sanguíneo periférico para a extremidade que está sendo estimulada (↑ da taxa metabólica associado as contrações). Cap 5: Agentes Elétricos EENM/FEZ Efeitos Associados com a Estimulação Elétrica Neuromuscular Contrações isométricas do quadríceps, eletricamente induzidas, podem elevar, de forma significativa, a força em certas posições articulares. - Posições da articulação do joelho variando de 30°- 90° de flexão. - O grau de flexão do quadril pode influenciar a força das contrações, possivelmente depois de conferir vantagem mecânica ao grupo muscular. - Ganhos de força resumidos variando de 7% - 48%. A estimulação elétrica pode aumentar a força isométrica, sob certas velocidades. - Não foi registrado aumento de força significativo em velocidades maiores que 120° de ADM por segundo. - Velocidades de 65° de ADM por segundo foram as que produziram aumentos mais substanciais. Não foi demonstrado aumento de força estatisticamente significativo nos ganhos de força obtidos com E.E., contrações voluntárias ou uma combinação de E.E. e contrações voluntárias. - A maioria das revisões literárias indicou ganhos maiores em contrações voluntárias do que em contrações eletricamente induzidas. - Embora as diferenças nos ganhos obtidos com contrações voluntárias comparados com os obtidos em E.E. não tivessem sido estatisticamente significativas, os resultados podem ser clinicamente significativos. Os aumentos de força com E.E. foram em média, 10% maiores que os obtidos com contrações voluntárias.
  • 5. ELETROTERAPIA • Redução do edema. • É semelhante a outras formas de eletroterapia. • O retorno venoso e linfático são intensificados por meio da “ordenha” dos vasos pelas contrações musculares. • Utiliza-se uma frequência de pulso reduzida (1 a 10 pps) ou um ciclo de funcionamento de 50%. • A intensidade da corrente pode originar uma uma contração visível, mas não deve provocar movimentação articular indesejável. • Postura de drenagem associada. Cap 5: Agentes Elétricos EENM/FEZ
  • 6. ELETROTERAPIA • Colocação do eletrodo. • É comum a colocação de eletrodo bipolar em TTOs. • Os eletrodos são colocados sobre as terminações proximal de distal do músculo ou grupo muscular. • Como eletrodos grandes assentam-se sobre vários músculos e/ou pontos motores, obtém-se uma contração mais generalizada. • Eletrodos pequenos para uma contração mais específica. • Conforme os eletrodos são colocados mais próximos, o efeito da estimulação se torna mais superficial e a intensidade relativa da contração diminui. • A aplicação quadripolar (2 canais) é mais empregada para estimulação de angonista e antagonista. • Técnica monopolar (1 eletrodo grande e outro pequeno), depende do alvo do TTO. Cap 5: Agentes Eléticos EENM/FEZ
  • 7. ELETROTERAPIA • Duração e frequência do TTO. • Podem ser administrados diariamente, mas o paciente deve ser monitorado para evitar dor desnecessária. • Os TTOs, para casos de retardamento da atrofia são aplicados durante o dia, com o uso de estimulador portátil. • Precauções. • O uso impróprio pode queimar o eletrodo ou provocar irritação da pele. • A estimulação prolongada ou intensa pode causar espasmo muscular e/ou dor muscular. • Lembrar que contrações intensas anulam a ação dos órgãos tendinosos de Golgi, o que pode ocasionar lesões. Cap 5: Agentes Elétricos EENM/FEZ
  • 8. ELETROTERAPIA • Indicações. • Manutenção da A.D.M. • Reeducação muscular. • Prevenção de contraturas articulares. • Prevenção da atrofia por desuso. • Aumento da irrigação sanguínea local. • Redução do espasmo muscular. Cap 5: Agentes Elétricos EENM/FEZ
  • 9. ELETROTERAPIA • Contra-indicações. • Lesões músculotendinosas, nas quais a tensão produzida pela contração danificará ainda mais as fibras musculares ou tendinosas. • Casos em que não há inserção segura do músculo no osso. Cap 5: Agentes Elétricos EENM/FEZ
  • 10. Referência Bibliográficas • MARCUCCI, Fernando C. I. Histórico da Eletroterapia e Eletroacupuntura. O Fisioterapeuta [site]. Disponível em: http://ofisioterapeuta.blogspot.com/ • Starkey C. Agentes elétricos. In: Starkey C. Recursos terapêuticos em fisioterapia. 2ª ed. São Paulo: Manole; 2001. • Low J, Reed A. Electrical stimulation of nerve and muscle. In: Electrotherapy explained: principles and practice. 3ª ed. Oxford: Butterworth-Heinemann; 2000. • Orbach, I: Dissociação da dor física e suicídio: Hipótese “o comportamento suicida e a ameça a vida” 24:68, 1994. • Roeser, WM, et all: O uso da neuroestimulação transcutânea para o controle da dor em medicina esportiva. Am J Sports Med 4:210, 1976.