SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 17
TERMOTERAPIA
DIATERMIA POR ONDAS CURTAS E MICROONDAS
Cap 7: Ondas curtas e microondas
Prof: Cleanto Santos
Vieira
TERMOTERAPIA
• Ondas curtas:
• Uma das modalidades de calor profundo, a
diatermia por ondas curtas (DOC), utiliza a
energia semelhante à das ondas de rádio, mas
com comprimento de onda menores.
• A energia liberada no corpo é uma corrente
alternada de alta frequência, mas sem as
propriedades necessárias para despolarizar os
nervos motores e sensoriais.
• Nos E.U.A as frequências utilizadas em uso
terapêutico são:
- 13,56Mhz
- 27,12Mhz
- 40,61Mhz
A DOC é uma das duas diatermias terapêuticas,
sendo mais utilizada no TTO de lesões
musculoesqueléticas do que as Microondas.
Cap 7: Ondas curtas e microondas
TERMOTERAPIA
• Microondas:
• A diatermia por micro-ondas (DMO) é uma modalidade de calor profundo que
converte energia eletromagnética de alta frequência em calor.
• Nos EUA as frequências estipuladas para uso terapêutico são:
- 915Hz
- 2.450Hz
Na DMO o tratamento é mais superficial.
Embora produza efeitos semelhantes a DOC, na DMO predominam os campos
elétricos e na DOC predominam os campos magnéticos.
Indicações e contra-indicações são similares às do uso da DOC entretanto, não
pode haver nenhum metal dentro do campo de tratamento (121cm de distância
dos coxins, tambores e espirais).
Isso inclui implantes de metal (placas, parafusos, D.I.U., etc...)
Nos E.U.A. a comercialização dos aparelhos é limitada, pois a radiação por micro-
ondas tende a sofrer reflexão e espalhar-se pelo ambiente vizinho.
Esse tipo de radiação está associado a um grau inaceitável de incidência de
abortos entre terapeutas do sexo feminino que operam regularmente este
aparelho.
Cap 7: Ondas curtas e microondas
Aparelho de DMO
TERMOTERAPIA
• A energia eletromagnética de alta
frequência (maior que 10 mhz) que
atravessa o corpo do paciente é absorvida
por determinados tecidos.
• A fricção causada pelo movimento dos
íons produz o efeito de aquecimento.
• Os íons livres dentro do campo de
tratamento são atraídos para o pólo de
carga oposta e repelidos pelo pólo com
carga igual.
• Algumas moléculas têm íons capazes de
se movimentar apenas dentro da
membrana celular causando a ação
dipolo (par de cargas iguais e opostas
separadas por certa distância), onde os
íons dentro da membrana se alinham ao
longo das cargas.
Cap 7: Ondas curtas e microondas
TERMOTERAPIA
• Estruturas com elevado teor de água (tecido
adiposo, sangue e músculos), são seletivamente
aquecidas em profundidades de 2 a 5cm.
• A temperatura tecidual local pode chegar a 41,6°C,
mas a camada adiposa cutânea dissipa parte
considerável da energia.
• Isso leva a um aquecimento secundário da
camada muscular superficial, pelo calor trazido
pelo tecido adiposo.
• O aumento da temperatura intramuscular é
comparável ao da utilização do ultra-som (+3,9°C).
• Em razão da área maior, os efeitos do
aquecimento por diatermia duram mais que os
originados por ultra-som.
• A DOC é menos eficaz quando aplicadas em
pessoas com muita gordura subcutânea.
Cap 7: Ondas curtas e microondas
TERMOTERAPIA
• A diatermia por ondas curtas pode ser
liberadas sob duas formas:
1ª - Contínua -> gera um aumento maior das
temperaturas subcutâneas seu uso geral é limitado a
patologias crônicas.
2ª - Pulsada -> permite que essa forma seja
empregada em determinados quadros agudos e
subagudos.
A quantidade de calor produzido depende do total de
potência (em watts) e da relação do comprimento do
pulso “on” e a duração do ciclo “off”.
Os efeitos são obtidos quando a quantia total de
energia liberada no corpo do paciente for maior que
38 watts.
Quando a saída for menor que 38 watts, os efeitos do
TTO não são térmicos e sim conhecidos como energia
de frequência de rádio em pulsos.
Cap 7: Ondas curtas e microondas
TERMOTERAPIA
• Em geral são utilizados dois
tipos de unidades de D.O.C:
1 – Unidade de condensador ->
dispõe o paciente no circuito
elétrico real.
2 – Campo de indução ->
coloca o paciente no campo
eletromagnético produzido
pelo equipamento.
Cap 7: Ondas curtas e microondas
TERMOTERAPIA
• Diatermia por unidade de condensador:
• Coloca o indivíduo dentro do circuito real de
energia do equipamento.
• Aplicam-se duas placas isoladas em ambos os
lados do local a ser tratado.
• O fluxo de energia eletromagnética passa pelos
tecidos, que atuam como resistores elétricos e
produzem aquecimento por fricção.
• O aquecimento ocorre em profundidades de
2,5 a 5cm, sendo desigual por diferenças de
resistência que os vários tecidos apresentam ao
transporte de energia.
• Diatermia por unidade de indução:
• Esse método não coloca o paciente diretamente
no circuito da unidade.
• Os tecidos são afetados pela radiação emitida
do campo eletromagnético criado pelo
eletrôdo.
• Os efeitos podem aquecer tecidos localizados 5
cm abaixo da pele, mas o principal aumento de
temperatura ocorre nas camadas superficial e
mediana do tecido muscular.
Cap 7: Ondas curtas e microondas
TERMOTERAPIA
• Efeitos sobre o ciclo de resposta à lesão:
• Semelhantes às de outras formas de aplicação de calor.
• Atingem profundidades maiores nos tecidos e dependem
da intensidade do tratamento.
• Durante um aquecimento vigoroso (dose 3), a
temperatura da pele da área tratada aumenta 2,38°C e a
temperatura intra-articular do joelho aumenta 1,38°C.
• ↑ o fluxo sanguíneo nos tecidos profundos, estimulando
a atividade fibroblástica, a deposição de colágeno e a
angiogênese.
• O espasmo muscular é reduzido por sedação dos nervos
sensoriais e motores.
• ↑ da taxa de metabolismo e da perspiração.
• Instalação e aplicação:
1 – Não deve haver metal dentro da área imediata do
tratamento, pois esse recolherá e concentrará a energia do
tratamento (como uma antena coleta as ondas de rádio).
2 – Macas ou cadeiras para o tratamento devem ser de
madeira ou material não condutor.
Cap 7: Ondas curtas e microondas
Parâmetros de dosagem utilizados para pulsos de diatermia por
ondas curtas
Dose Sensação da
temperatura
Indicações Largura
do
pulso
Frequência
do pulso
NT Calor não
detectável
Traumatismo agudo
Inflamação aguda
Redução do edema
65µs 100-
200pps
1 Calor leve Inflamação subaguda 100µs 800pps
2 Calor
moderado
Síndromes dolorosas
Espasmo muscular
Inflamação crônica
↑ irrigação
sanguínea
200µs 800pps
3 Aquecimento
forte
Estiramento dos
tecidos ricos em
colágeno
400µs 800pps
TERMOTERAPIA
2 – Por segurança pessoal, o
terapeuta deve tirar anéis, relógios,
pulseiras, etc... .
3 – Cubra a área a ser tratada com
uma toalha felpuda seca, para
absorver a perspiração. Uma parte
da área deve ficar visível para
verificação de possíveis
queimaduras. Evitar formação de
umidade, pois a água tende a
absorver o calor. Antes de secar a
área, a intensidade do aparelho
deve estar na posição “Zero”.
4 – Explicar ao paciente que ele
deve sentir um calor suave. Peça
que lhe informe se sentir qualquer
sensação diferente.
Cap 7: Ondas curtas e microondas
Precauções para evitar metal no campo de ondas curtas
No ambiente Próximo ou sobre
o paciente
No paciente
Camas Jóias Aparelhos ortodônticos
Mesas de tratamento Piercings Obturações dentárias
Cadeiras Brincos Implantes de dispositivos fixação
Cadeiras de roda Relógios Dispositivos de fixação externa
Bancos de metal Metal nos bolsos Válvulas cardíacas metálicas
Unidades de MPC Fivelas de cintos Articulações artificiais
Aparelhos de
imobilização
Zíperes D.I.Us metálicos
Aparelhos de
sustentação
Partes metálicas
de sutiãs
Instrumentos
médicos
Aparelhos
auditivos
Instrumentos
elétricos
TERMOTERAPIA
• Método do condensador:
• Placas ou shiliepacks
1 – Ajuste as placas de forma a ficarem paralelas
à pele (2,54cm) do paciente. E fundamental que
ambas fiquem a uma mesma distância do tecido.
Pode-se utilizar um espaçador com essa medida,
colocando-o entre o paciente e a placa.
2 – Consulte o manual do usuário para saber a
distância mínima e máxima permitida entre as
placas do condensador.
. Coxim
1 – Cubra a área a ser tratada com seis camadas
de toalhas.
2 – Coloque os coxins sobre as toalhas. Se forem
utilizados do mesmo lado do corpo, coloque-os o
mais longe possível. Se utilizados em lados
opostos (anterior ou posterior, medial ou
lateral), evitar que o paciente se deite sobre o
coxim.
3 – Prenda os coxins no lugar com sacos de areia
ou algo semelhante (não condutor).
Cap 7: Ondas curtas e microondas
TERMOTERAPIA
• Método de indução:
• 3 tipos:
• 1º Cabo -> coloque seis camadas de toalhas ao redor da área a ser tratada. Com espaçadores enrole o cabo ao redor
das toalhas sobre a área a ser tratada, deixando no mínimo, 2,54cm entre as espirais. Os fios devem ter o mesmo
comprimento. Prenda as extremidades do cabo, de modo que elas não encostem uma na outra, no paciente ou na
própria unidade de ondas curtas.
• 2º Espiral
• 3º Cilindro
Cap 7: Ondas curtas e microondas
TERMOTERAPIA
•Aplicação:
1 – Ligue a unidade; espere que ela aqueça, se necessário.
2 – Algumas unidades devem ser reguladas (sintonia fina) para
permitir a máxima transferência de energia (consulte o
manual).
3 – Oriente o paciente a não se movimentar até que a máquina
esteja desligada.
4 – Aumente a intensidade até o indivíduo sentir um calor
suave.
5 – Se os eletrôdos precisarem ser deslocados, ou se for
necessário secar a área, dimunuir a intensidade até zero antes
de fazer os ajustes.
6 – Observe o paciente regularmente (verificar sinais de
queimaduras), é importante o feedback com o paciente, fazer
ajustes quando necessário.
7 – Terminado o tempo de TTO, voltar o botão para intensidade
“zero” e desligue a máquina.
Cap 7: Ondas curtas e microondas
TERMOTERAPIA
• Duração do TTO:
• Tratamentos com intensidades
moderadas podem ser administradas
por 20 a 30 min. E repetidos, quando
necessário, durante duas semanas.
• Intensidades mais elevadas com
temperaturas mais altas, diminua a
duração do TTO e alterne os dias.
Cap 7: Ondas curtas e microondas
TERMOTERAPIA
• Precauções:
• Muitos estados exigem a prescrição médica.
• Nunca deixe os cabos encostarem um no outro (pode gerar um curto).
• A pele exposta deve ser coberta por, no mínimo 1,27cm de toalhas
secas.
• Não permitir que a perspiração acumule no campo.
• Nunca permitir que a pele entre em contato direto com a unidade de
aquecimento ou os cabos (possibilidade de queimaduras graves).
• Quantidades excessivas de tecido adiposo no campo de TTO, podem
gerar superaquecimento da pele.
• O superaquecimento dos tecidos do paciente pode gerar lesões sem
sinais imediatos. Queimaduras de tecidos profundos podem destruir o
tecido muscular ou levar à necrose da gordura subcutânea.
• Sensação dolorosa profunda pode ser sintoma de superaquecimento
dos tecidos.
• É difícil aquecer apenas áreas localizadas. O fluxo das águas dentro dos
tecidos dissipa o calor formado na área tratada.
• A energia eletromagnética não fica localizada somente na área tratada.
Ela se irradia por 60,9 a 91,4cm a partir da fonte de DOC contínua e
60,9 cm de uma fonte em pulsada.
• Os terapeutas devem se manter a uma distância superior a 91,4 cm da
fonte para sua segurança.
Cap 7: Ondas curtas e microondas
Flictena
TERMOTERAPIA
Diatermia por ondas curtas e microondas
Indicações Contra-indicações
Inflamações articulares (bursite, tendinite, sinovite), cuidado pois o calor
profundo pode provocar destruição do colágeno articular
Áreas isquêmicas: o aumento da taxa metabólica eleva a necessidade de
O², provocando ainda mais hipoxia
Áreas grandes, como os músculos para espinhais, que não podem ser aquecidos
com eficácia por outros métodos, em virtude do tamanho dos tecidos alvo.
Doença vascular periférica
Fibrosite Implantes de metal ou metais, como jóias: o metal absorve e concentra a
energia, podendo causar queimaduras.
Miosite Perspiração e roupas úmidas: a água absorve e concentra calor
Condiçõe inflamatórias subagudas e crônicas de camadas de tecidos profundos Tendência a hemorragia (menstruação)
Osteoartrite Câncer
Febre
Perda sensorial
Marcapassos cardíacos
Gravidez
Áreas de sensibilidade especial: Placas epifiseais em crianças, Genitália,
Locais de infecção, D.I.U, Olhos e rosto
Cap 7: Ondas curtas e microondas
Referências Bibliográficas
• MARCUCCI, Fernando C. I. Histórico da Eletroterapia e
Eletroacupuntura. O Fisioterapeuta [site]. Disponível em:
http://ofisioterapeuta.blogspot.com/
• Starkey C. Agentes elétricos. In: Starkey C. Recursos terapêuticos em
fisioterapia. 2ª ed. São Paulo: Manole; 2001.
• Low J, Reed A. Electrical stimulation of nerve and muscle. In:
Electrotherapy explained: principles and practice. 3ª ed. Oxford:
Butterworth-Heinemann; 2000.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Eletroterapia glaydes avila
Eletroterapia   glaydes avilaEletroterapia   glaydes avila
Eletroterapia glaydes avila
Dinha
 
Estimulação elétrica nervosa transcutânea (TENS)
Estimulação elétrica nervosa transcutânea (TENS)Estimulação elétrica nervosa transcutânea (TENS)
Estimulação elétrica nervosa transcutânea (TENS)
FUAD HAZIME
 
Introducao.dermato funcional
Introducao.dermato funcionalIntroducao.dermato funcional
Introducao.dermato funcional
Nathanael Amparo
 
Recursos fisioterapeuticos na dermato funcional
Recursos fisioterapeuticos na dermato funcionalRecursos fisioterapeuticos na dermato funcional
Recursos fisioterapeuticos na dermato funcional
Nathanael Amparo
 
Corrente interferencial
Corrente interferencial Corrente interferencial
Corrente interferencial
FUAD HAZIME
 

Mais procurados (20)

microondas
microondasmicroondas
microondas
 
Ultra Som
Ultra SomUltra Som
Ultra Som
 
slide - eletroterapia - prof Roosivelt.pdf
slide - eletroterapia - prof Roosivelt.pdfslide - eletroterapia - prof Roosivelt.pdf
slide - eletroterapia - prof Roosivelt.pdf
 
Eletroterapia glaydes avila
Eletroterapia   glaydes avilaEletroterapia   glaydes avila
Eletroterapia glaydes avila
 
Termoterapia
TermoterapiaTermoterapia
Termoterapia
 
Eletroterapia
EletroterapiaEletroterapia
Eletroterapia
 
Termoterapia - calor
Termoterapia - calorTermoterapia - calor
Termoterapia - calor
 
Eletroterapia - corrente russa - capitulo 7 aula 17
Eletroterapia - corrente russa - capitulo 7 aula 17Eletroterapia - corrente russa - capitulo 7 aula 17
Eletroterapia - corrente russa - capitulo 7 aula 17
 
Estimulação elétrica nervosa transcutânea (TENS)
Estimulação elétrica nervosa transcutânea (TENS)Estimulação elétrica nervosa transcutânea (TENS)
Estimulação elétrica nervosa transcutânea (TENS)
 
Introducao.dermato funcional
Introducao.dermato funcionalIntroducao.dermato funcional
Introducao.dermato funcional
 
Corrente russa
Corrente russaCorrente russa
Corrente russa
 
Hidroterapia
HidroterapiaHidroterapia
Hidroterapia
 
Propedêutica em Fisioterapia - Semiologia e Anamnese
Propedêutica em Fisioterapia - Semiologia e AnamnesePropedêutica em Fisioterapia - Semiologia e Anamnese
Propedêutica em Fisioterapia - Semiologia e Anamnese
 
Fototerapia - infravermelho - cap 13
 Fototerapia - infravermelho - cap 13 Fototerapia - infravermelho - cap 13
Fototerapia - infravermelho - cap 13
 
Aula 07 Eletroestimulação FES e CR.ppt
Aula 07 Eletroestimulação FES e CR.pptAula 07 Eletroestimulação FES e CR.ppt
Aula 07 Eletroestimulação FES e CR.ppt
 
Recursos fisioterapeuticos na dermato funcional
Recursos fisioterapeuticos na dermato funcionalRecursos fisioterapeuticos na dermato funcional
Recursos fisioterapeuticos na dermato funcional
 
Termoterapia
TermoterapiaTermoterapia
Termoterapia
 
Corrente interferencial
Corrente interferencial Corrente interferencial
Corrente interferencial
 
Eletroanalgesia - TENS
Eletroanalgesia - TENSEletroanalgesia - TENS
Eletroanalgesia - TENS
 
Ultrassom
UltrassomUltrassom
Ultrassom
 

Semelhante a Termoterapia ondas curtas e microondas - cap 7

Eletroterapia efeitos eletrodos
Eletroterapia efeitos eletrodosEletroterapia efeitos eletrodos
Eletroterapia efeitos eletrodos
Jaqueline da Silva
 
Sensores E Temperatura
Sensores E TemperaturaSensores E Temperatura
Sensores E Temperatura
Nogueira
 
Eletrocirurgia power point
Eletrocirurgia   power pointEletrocirurgia   power point
Eletrocirurgia power point
Miciany Freitas
 
Disjuntores e fuzíveis
Disjuntores e fuzíveis Disjuntores e fuzíveis
Disjuntores e fuzíveis
cerejn
 

Semelhante a Termoterapia ondas curtas e microondas - cap 7 (20)

Eletroterapia capítulo 5 agentes elétricos microcorrentes - Aula 13
Eletroterapia capítulo 5 agentes elétricos microcorrentes - Aula 13 Eletroterapia capítulo 5 agentes elétricos microcorrentes - Aula 13
Eletroterapia capítulo 5 agentes elétricos microcorrentes - Aula 13
 
Star Lux 300 - Apresentação.ppt
Star Lux 300 - Apresentação.pptStar Lux 300 - Apresentação.ppt
Star Lux 300 - Apresentação.ppt
 
Sonodemia+electrolog+galvan+outrascorr_+diatermia
Sonodemia+electrolog+galvan+outrascorr_+diatermiaSonodemia+electrolog+galvan+outrascorr_+diatermia
Sonodemia+electrolog+galvan+outrascorr_+diatermia
 
termoterapia.ppt
termoterapia.ppttermoterapia.ppt
termoterapia.ppt
 
Eletrotermofototerapia - Aula Ultrassom.pptx
Eletrotermofototerapia - Aula Ultrassom.pptxEletrotermofototerapia - Aula Ultrassom.pptx
Eletrotermofototerapia - Aula Ultrassom.pptx
 
Termoterapia ultra-som - capítulo 14
Termoterapia   ultra-som - capítulo 14Termoterapia   ultra-som - capítulo 14
Termoterapia ultra-som - capítulo 14
 
Eletroterapia efeitos eletrodos
Eletroterapia efeitos eletrodosEletroterapia efeitos eletrodos
Eletroterapia efeitos eletrodos
 
Sensores E Temperatura
Sensores E TemperaturaSensores E Temperatura
Sensores E Temperatura
 
Eletrocirurgia power point
Eletrocirurgia   power pointEletrocirurgia   power point
Eletrocirurgia power point
 
So_laser
So_laserSo_laser
So_laser
 
Disjuntores e fuzíveis
Disjuntores e fuzíveis Disjuntores e fuzíveis
Disjuntores e fuzíveis
 
Conceitos básicos em eletroterapia.pdf
Conceitos básicos em eletroterapia.pdfConceitos básicos em eletroterapia.pdf
Conceitos básicos em eletroterapia.pdf
 
ULTRA-SOM.pdf
ULTRA-SOM.pdfULTRA-SOM.pdf
ULTRA-SOM.pdf
 
Neurofisiologia - receptores sensoriais - aula 3 capítulo 3
Neurofisiologia - receptores sensoriais - aula 3 capítulo 3Neurofisiologia - receptores sensoriais - aula 3 capítulo 3
Neurofisiologia - receptores sensoriais - aula 3 capítulo 3
 
Termografia
TermografiaTermografia
Termografia
 
Aula2 c 14-02-2013
Aula2 c 14-02-2013Aula2 c 14-02-2013
Aula2 c 14-02-2013
 
Eletroterapia - circuitos - agentes elétricos - capítulo 5 Aula 8
Eletroterapia - circuitos - agentes elétricos - capítulo 5 Aula 8 Eletroterapia - circuitos - agentes elétricos - capítulo 5 Aula 8
Eletroterapia - circuitos - agentes elétricos - capítulo 5 Aula 8
 
Apostila end andreucci
Apostila end   andreucciApostila end   andreucci
Apostila end andreucci
 
Radiacao astete
Radiacao asteteRadiacao astete
Radiacao astete
 
Aula de ultra som 2014.1
Aula de ultra som 2014.1Aula de ultra som 2014.1
Aula de ultra som 2014.1
 

Mais de Cleanto Santos Vieira

Mais de Cleanto Santos Vieira (20)

Hidroterapia - crio tapping - Aula 8
Hidroterapia - crio tapping - Aula 8Hidroterapia - crio tapping - Aula 8
Hidroterapia - crio tapping - Aula 8
 
Fototerapia - ultra violeta - capitulo 16
Fototerapia - ultra violeta - capitulo 16Fototerapia - ultra violeta - capitulo 16
Fototerapia - ultra violeta - capitulo 16
 
Fototerapia - laser - capítulo 15
 Fototerapia - laser - capítulo 15 Fototerapia - laser - capítulo 15
Fototerapia - laser - capítulo 15
 
Hidroterapia - banhos de contraste - Aula 12
Hidroterapia - banhos de contraste - Aula 12 Hidroterapia - banhos de contraste - Aula 12
Hidroterapia - banhos de contraste - Aula 12
 
Hidroterapia - turbilhões - Aula 11
Hidroterapia - turbilhões - Aula 11Hidroterapia - turbilhões - Aula 11
Hidroterapia - turbilhões - Aula 11
 
Hidroterapia - crioalongamento - Aula 10
Hidroterapia - crioalongamento - Aula 10Hidroterapia - crioalongamento - Aula 10
Hidroterapia - crioalongamento - Aula 10
 
Hidroterapia - imersão no gelo - Aula 9
Hidroterapia - imersão no gelo - Aula 9Hidroterapia - imersão no gelo - Aula 9
Hidroterapia - imersão no gelo - Aula 9
 
Hidroterapia introdução - aula 1
Hidroterapia   introdução - aula 1Hidroterapia   introdução - aula 1
Hidroterapia introdução - aula 1
 
Eletroterapia - corrente aussie - capitulo 8 aula 18
Eletroterapia - corrente aussie - capitulo 8 aula 18Eletroterapia - corrente aussie - capitulo 8 aula 18
Eletroterapia - corrente aussie - capitulo 8 aula 18
 
Neurofisiologia - sinapses - aula 3 capitulo 2
Neurofisiologia - sinapses - aula 3 capitulo 2 Neurofisiologia - sinapses - aula 3 capitulo 2
Neurofisiologia - sinapses - aula 3 capitulo 2
 
Sistema Nervoso - fisiopatologia do neurônio motor superior e periférico - A...
Sistema Nervoso -  fisiopatologia do neurônio motor superior e periférico - A...Sistema Nervoso -  fisiopatologia do neurônio motor superior e periférico - A...
Sistema Nervoso - fisiopatologia do neurônio motor superior e periférico - A...
 
Primeiros Socorros - Atendimento de emergência a politraumatizados
Primeiros Socorros - Atendimento de emergência a politraumatizadosPrimeiros Socorros - Atendimento de emergência a politraumatizados
Primeiros Socorros - Atendimento de emergência a politraumatizados
 
Primeiros Socorros - posição restrição e movimentação no leito
Primeiros Socorros - posição restrição e movimentação no leitoPrimeiros Socorros - posição restrição e movimentação no leito
Primeiros Socorros - posição restrição e movimentação no leito
 
Primeiros Socorros - Desmaios noções de cuidados e socorros de urgência
Primeiros Socorros - Desmaios noções de cuidados e socorros de urgênciaPrimeiros Socorros - Desmaios noções de cuidados e socorros de urgência
Primeiros Socorros - Desmaios noções de cuidados e socorros de urgência
 
Primeiros Socorros - Respiração noções de primeiros socorros e cuidados de em...
Primeiros Socorros - Respiração noções de primeiros socorros e cuidados de em...Primeiros Socorros - Respiração noções de primeiros socorros e cuidados de em...
Primeiros Socorros - Respiração noções de primeiros socorros e cuidados de em...
 
Primeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos ofidismo
Primeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos ofidismoPrimeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos ofidismo
Primeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos ofidismo
 
Primeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos himenopteros
Primeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos himenopterosPrimeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos himenopteros
Primeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos himenopteros
 
Primeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos aracnidismo
Primeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos aracnidismoPrimeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos aracnidismo
Primeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos aracnidismo
 
Primeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos escorpionismo
Primeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos escorpionismoPrimeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos escorpionismo
Primeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos escorpionismo
 
Fundamentos de fisioterapia - recursos terapeuticos da fisioterapia - capitulo 4
Fundamentos de fisioterapia - recursos terapeuticos da fisioterapia - capitulo 4Fundamentos de fisioterapia - recursos terapeuticos da fisioterapia - capitulo 4
Fundamentos de fisioterapia - recursos terapeuticos da fisioterapia - capitulo 4
 

Termoterapia ondas curtas e microondas - cap 7

  • 1. TERMOTERAPIA DIATERMIA POR ONDAS CURTAS E MICROONDAS Cap 7: Ondas curtas e microondas Prof: Cleanto Santos Vieira
  • 2. TERMOTERAPIA • Ondas curtas: • Uma das modalidades de calor profundo, a diatermia por ondas curtas (DOC), utiliza a energia semelhante à das ondas de rádio, mas com comprimento de onda menores. • A energia liberada no corpo é uma corrente alternada de alta frequência, mas sem as propriedades necessárias para despolarizar os nervos motores e sensoriais. • Nos E.U.A as frequências utilizadas em uso terapêutico são: - 13,56Mhz - 27,12Mhz - 40,61Mhz A DOC é uma das duas diatermias terapêuticas, sendo mais utilizada no TTO de lesões musculoesqueléticas do que as Microondas. Cap 7: Ondas curtas e microondas
  • 3. TERMOTERAPIA • Microondas: • A diatermia por micro-ondas (DMO) é uma modalidade de calor profundo que converte energia eletromagnética de alta frequência em calor. • Nos EUA as frequências estipuladas para uso terapêutico são: - 915Hz - 2.450Hz Na DMO o tratamento é mais superficial. Embora produza efeitos semelhantes a DOC, na DMO predominam os campos elétricos e na DOC predominam os campos magnéticos. Indicações e contra-indicações são similares às do uso da DOC entretanto, não pode haver nenhum metal dentro do campo de tratamento (121cm de distância dos coxins, tambores e espirais). Isso inclui implantes de metal (placas, parafusos, D.I.U., etc...) Nos E.U.A. a comercialização dos aparelhos é limitada, pois a radiação por micro- ondas tende a sofrer reflexão e espalhar-se pelo ambiente vizinho. Esse tipo de radiação está associado a um grau inaceitável de incidência de abortos entre terapeutas do sexo feminino que operam regularmente este aparelho. Cap 7: Ondas curtas e microondas Aparelho de DMO
  • 4. TERMOTERAPIA • A energia eletromagnética de alta frequência (maior que 10 mhz) que atravessa o corpo do paciente é absorvida por determinados tecidos. • A fricção causada pelo movimento dos íons produz o efeito de aquecimento. • Os íons livres dentro do campo de tratamento são atraídos para o pólo de carga oposta e repelidos pelo pólo com carga igual. • Algumas moléculas têm íons capazes de se movimentar apenas dentro da membrana celular causando a ação dipolo (par de cargas iguais e opostas separadas por certa distância), onde os íons dentro da membrana se alinham ao longo das cargas. Cap 7: Ondas curtas e microondas
  • 5. TERMOTERAPIA • Estruturas com elevado teor de água (tecido adiposo, sangue e músculos), são seletivamente aquecidas em profundidades de 2 a 5cm. • A temperatura tecidual local pode chegar a 41,6°C, mas a camada adiposa cutânea dissipa parte considerável da energia. • Isso leva a um aquecimento secundário da camada muscular superficial, pelo calor trazido pelo tecido adiposo. • O aumento da temperatura intramuscular é comparável ao da utilização do ultra-som (+3,9°C). • Em razão da área maior, os efeitos do aquecimento por diatermia duram mais que os originados por ultra-som. • A DOC é menos eficaz quando aplicadas em pessoas com muita gordura subcutânea. Cap 7: Ondas curtas e microondas
  • 6. TERMOTERAPIA • A diatermia por ondas curtas pode ser liberadas sob duas formas: 1ª - Contínua -> gera um aumento maior das temperaturas subcutâneas seu uso geral é limitado a patologias crônicas. 2ª - Pulsada -> permite que essa forma seja empregada em determinados quadros agudos e subagudos. A quantidade de calor produzido depende do total de potência (em watts) e da relação do comprimento do pulso “on” e a duração do ciclo “off”. Os efeitos são obtidos quando a quantia total de energia liberada no corpo do paciente for maior que 38 watts. Quando a saída for menor que 38 watts, os efeitos do TTO não são térmicos e sim conhecidos como energia de frequência de rádio em pulsos. Cap 7: Ondas curtas e microondas
  • 7. TERMOTERAPIA • Em geral são utilizados dois tipos de unidades de D.O.C: 1 – Unidade de condensador -> dispõe o paciente no circuito elétrico real. 2 – Campo de indução -> coloca o paciente no campo eletromagnético produzido pelo equipamento. Cap 7: Ondas curtas e microondas
  • 8. TERMOTERAPIA • Diatermia por unidade de condensador: • Coloca o indivíduo dentro do circuito real de energia do equipamento. • Aplicam-se duas placas isoladas em ambos os lados do local a ser tratado. • O fluxo de energia eletromagnética passa pelos tecidos, que atuam como resistores elétricos e produzem aquecimento por fricção. • O aquecimento ocorre em profundidades de 2,5 a 5cm, sendo desigual por diferenças de resistência que os vários tecidos apresentam ao transporte de energia. • Diatermia por unidade de indução: • Esse método não coloca o paciente diretamente no circuito da unidade. • Os tecidos são afetados pela radiação emitida do campo eletromagnético criado pelo eletrôdo. • Os efeitos podem aquecer tecidos localizados 5 cm abaixo da pele, mas o principal aumento de temperatura ocorre nas camadas superficial e mediana do tecido muscular. Cap 7: Ondas curtas e microondas
  • 9. TERMOTERAPIA • Efeitos sobre o ciclo de resposta à lesão: • Semelhantes às de outras formas de aplicação de calor. • Atingem profundidades maiores nos tecidos e dependem da intensidade do tratamento. • Durante um aquecimento vigoroso (dose 3), a temperatura da pele da área tratada aumenta 2,38°C e a temperatura intra-articular do joelho aumenta 1,38°C. • ↑ o fluxo sanguíneo nos tecidos profundos, estimulando a atividade fibroblástica, a deposição de colágeno e a angiogênese. • O espasmo muscular é reduzido por sedação dos nervos sensoriais e motores. • ↑ da taxa de metabolismo e da perspiração. • Instalação e aplicação: 1 – Não deve haver metal dentro da área imediata do tratamento, pois esse recolherá e concentrará a energia do tratamento (como uma antena coleta as ondas de rádio). 2 – Macas ou cadeiras para o tratamento devem ser de madeira ou material não condutor. Cap 7: Ondas curtas e microondas Parâmetros de dosagem utilizados para pulsos de diatermia por ondas curtas Dose Sensação da temperatura Indicações Largura do pulso Frequência do pulso NT Calor não detectável Traumatismo agudo Inflamação aguda Redução do edema 65µs 100- 200pps 1 Calor leve Inflamação subaguda 100µs 800pps 2 Calor moderado Síndromes dolorosas Espasmo muscular Inflamação crônica ↑ irrigação sanguínea 200µs 800pps 3 Aquecimento forte Estiramento dos tecidos ricos em colágeno 400µs 800pps
  • 10. TERMOTERAPIA 2 – Por segurança pessoal, o terapeuta deve tirar anéis, relógios, pulseiras, etc... . 3 – Cubra a área a ser tratada com uma toalha felpuda seca, para absorver a perspiração. Uma parte da área deve ficar visível para verificação de possíveis queimaduras. Evitar formação de umidade, pois a água tende a absorver o calor. Antes de secar a área, a intensidade do aparelho deve estar na posição “Zero”. 4 – Explicar ao paciente que ele deve sentir um calor suave. Peça que lhe informe se sentir qualquer sensação diferente. Cap 7: Ondas curtas e microondas Precauções para evitar metal no campo de ondas curtas No ambiente Próximo ou sobre o paciente No paciente Camas Jóias Aparelhos ortodônticos Mesas de tratamento Piercings Obturações dentárias Cadeiras Brincos Implantes de dispositivos fixação Cadeiras de roda Relógios Dispositivos de fixação externa Bancos de metal Metal nos bolsos Válvulas cardíacas metálicas Unidades de MPC Fivelas de cintos Articulações artificiais Aparelhos de imobilização Zíperes D.I.Us metálicos Aparelhos de sustentação Partes metálicas de sutiãs Instrumentos médicos Aparelhos auditivos Instrumentos elétricos
  • 11. TERMOTERAPIA • Método do condensador: • Placas ou shiliepacks 1 – Ajuste as placas de forma a ficarem paralelas à pele (2,54cm) do paciente. E fundamental que ambas fiquem a uma mesma distância do tecido. Pode-se utilizar um espaçador com essa medida, colocando-o entre o paciente e a placa. 2 – Consulte o manual do usuário para saber a distância mínima e máxima permitida entre as placas do condensador. . Coxim 1 – Cubra a área a ser tratada com seis camadas de toalhas. 2 – Coloque os coxins sobre as toalhas. Se forem utilizados do mesmo lado do corpo, coloque-os o mais longe possível. Se utilizados em lados opostos (anterior ou posterior, medial ou lateral), evitar que o paciente se deite sobre o coxim. 3 – Prenda os coxins no lugar com sacos de areia ou algo semelhante (não condutor). Cap 7: Ondas curtas e microondas
  • 12. TERMOTERAPIA • Método de indução: • 3 tipos: • 1º Cabo -> coloque seis camadas de toalhas ao redor da área a ser tratada. Com espaçadores enrole o cabo ao redor das toalhas sobre a área a ser tratada, deixando no mínimo, 2,54cm entre as espirais. Os fios devem ter o mesmo comprimento. Prenda as extremidades do cabo, de modo que elas não encostem uma na outra, no paciente ou na própria unidade de ondas curtas. • 2º Espiral • 3º Cilindro Cap 7: Ondas curtas e microondas
  • 13. TERMOTERAPIA •Aplicação: 1 – Ligue a unidade; espere que ela aqueça, se necessário. 2 – Algumas unidades devem ser reguladas (sintonia fina) para permitir a máxima transferência de energia (consulte o manual). 3 – Oriente o paciente a não se movimentar até que a máquina esteja desligada. 4 – Aumente a intensidade até o indivíduo sentir um calor suave. 5 – Se os eletrôdos precisarem ser deslocados, ou se for necessário secar a área, dimunuir a intensidade até zero antes de fazer os ajustes. 6 – Observe o paciente regularmente (verificar sinais de queimaduras), é importante o feedback com o paciente, fazer ajustes quando necessário. 7 – Terminado o tempo de TTO, voltar o botão para intensidade “zero” e desligue a máquina. Cap 7: Ondas curtas e microondas
  • 14. TERMOTERAPIA • Duração do TTO: • Tratamentos com intensidades moderadas podem ser administradas por 20 a 30 min. E repetidos, quando necessário, durante duas semanas. • Intensidades mais elevadas com temperaturas mais altas, diminua a duração do TTO e alterne os dias. Cap 7: Ondas curtas e microondas
  • 15. TERMOTERAPIA • Precauções: • Muitos estados exigem a prescrição médica. • Nunca deixe os cabos encostarem um no outro (pode gerar um curto). • A pele exposta deve ser coberta por, no mínimo 1,27cm de toalhas secas. • Não permitir que a perspiração acumule no campo. • Nunca permitir que a pele entre em contato direto com a unidade de aquecimento ou os cabos (possibilidade de queimaduras graves). • Quantidades excessivas de tecido adiposo no campo de TTO, podem gerar superaquecimento da pele. • O superaquecimento dos tecidos do paciente pode gerar lesões sem sinais imediatos. Queimaduras de tecidos profundos podem destruir o tecido muscular ou levar à necrose da gordura subcutânea. • Sensação dolorosa profunda pode ser sintoma de superaquecimento dos tecidos. • É difícil aquecer apenas áreas localizadas. O fluxo das águas dentro dos tecidos dissipa o calor formado na área tratada. • A energia eletromagnética não fica localizada somente na área tratada. Ela se irradia por 60,9 a 91,4cm a partir da fonte de DOC contínua e 60,9 cm de uma fonte em pulsada. • Os terapeutas devem se manter a uma distância superior a 91,4 cm da fonte para sua segurança. Cap 7: Ondas curtas e microondas Flictena
  • 16. TERMOTERAPIA Diatermia por ondas curtas e microondas Indicações Contra-indicações Inflamações articulares (bursite, tendinite, sinovite), cuidado pois o calor profundo pode provocar destruição do colágeno articular Áreas isquêmicas: o aumento da taxa metabólica eleva a necessidade de O², provocando ainda mais hipoxia Áreas grandes, como os músculos para espinhais, que não podem ser aquecidos com eficácia por outros métodos, em virtude do tamanho dos tecidos alvo. Doença vascular periférica Fibrosite Implantes de metal ou metais, como jóias: o metal absorve e concentra a energia, podendo causar queimaduras. Miosite Perspiração e roupas úmidas: a água absorve e concentra calor Condiçõe inflamatórias subagudas e crônicas de camadas de tecidos profundos Tendência a hemorragia (menstruação) Osteoartrite Câncer Febre Perda sensorial Marcapassos cardíacos Gravidez Áreas de sensibilidade especial: Placas epifiseais em crianças, Genitália, Locais de infecção, D.I.U, Olhos e rosto Cap 7: Ondas curtas e microondas
  • 17. Referências Bibliográficas • MARCUCCI, Fernando C. I. Histórico da Eletroterapia e Eletroacupuntura. O Fisioterapeuta [site]. Disponível em: http://ofisioterapeuta.blogspot.com/ • Starkey C. Agentes elétricos. In: Starkey C. Recursos terapêuticos em fisioterapia. 2ª ed. São Paulo: Manole; 2001. • Low J, Reed A. Electrical stimulation of nerve and muscle. In: Electrotherapy explained: principles and practice. 3ª ed. Oxford: Butterworth-Heinemann; 2000.