SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 19
Corrente Interferencial (IC)


      Prof. Fuad Hazime
Conceito
• 1950 – Hans Nemec

 Aplicação transcutânea de correntes elétricas
 alternadas de média freqüência com a
 amplitude modulada em baixa freqüência
 para fins terapêuticos.

• 4000 a 4200 Hz
• Despolarizadas
Princípios Físicos da IC
Geração de IC
Corrente Interferencial
Impedância X Frequência
• A impedância da pele é inversamente
  proporcional a freqüência de estimulação.
• ↓ freq. estimulação ↑ impedância à
  passagem de corrente e portanto maior o
  desconforto.
• 50 Hz – 3200 Ώ
• 4000 Hz – 40 Ώ
Parâmetros de tratamento
Freqüência de Amplitude Modulada (AMF)
– Componente efetivo da IC???
– AMF de 0 Hz (4000 Hz) mostrou efeitos
  similares aos de quando foi usada uma AMF
  qualquer.


Freqüência Média
– Parâmetro estimulador dominante
Efeito da Alteração da AMF nos
  outros Componentes da IC
Parâmetros de Tratamento
  AMF
• Sensação induzida se modifica com
  diferentes regulagens de AMF.
• 5 Hz – mais desconfortável
• 50 a 100 Hz – menos desconfortável

• Pode ter uma participação alterando a
  percepção de conforto.
Variações da AMF


    Pouco consenso na literatura

• Respeitar a subjetividade do paciente.
• Utilizar inicialmente a que seja mais
  confortável para o paciente.
Parâmetros de Tratamento
  Varredura de freqüência (sweep)
• A AMF é alterada ao longo do tempo de
  estimulação.

• Efeitos
     • Reduz a adaptação???
     • Estimulação de uma faixa maior de tecidos???
Parâmetros de Tratamento
Padrão da varredura de freqüência




                             “Melhor
                            evidência”
Parâmetros de Tratamento
Aplicação Tetrapolar
     • Lesões maiores ou dispersas


Aplicação Bipolar
     • Assegura que a modulação seja sempre 100%
     • Lesões menores ou localizadas


• Não há diferença no efeito fisiológico entre
  as técnicas de aplicação.
Parâmetros de Tratamento

 Intensidade da corrente

• Intensidade “forte” porém confortável.

 Duração do Tratamento

• 10 a 20 minutos
Teorias para o Alívio da Dor
• A teoria da “comporta da dor”
• Estimulação fibras C/Aδ

• Supressão descendente da dor???
• Bloqueio fisiológico da condução
  nervosa???
• Placebo???
Indicações
• Contusões            • Artroses
  musculares           • Periartrites
• Entorses
                       • Bursites
• Luxações
                       • Tendinites
• Rupturas
                       • Mialgias
  parciais
• Contraturas          • Neuralgias
Contra-Indicações

•   Febre             • Trombose
•   Tumores           • Alteração sensitiva
•   Tuberculose óssea • Área              de
•   Infecção local      marcapasso


Recomendações baseadas na prudência, não
       em evidências científicas.
Riscos

•   Queimaduras              •   Vômito
•   Aumento da dor           •   Tonturas/desmaio
•   Mal-estar geral          •   Enxaqueca/cefaléia
•   Náuseas                  •   Efeitos neurológicos



    A maioria desses episódios podem estar relacionados
       a estimulação do sistema nervoso autônomo.
Considerações Finais
• Efetividade da IC necessita de mais
  estudos.
• Poucos estudos existentes e com falhas
  metodológicas.
• Padronização    dos    parâmetros    e
  aplicações.
• Necessidade de mais experimentos
  clínicos.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Sonopulse II 2013
Sonopulse II 2013Sonopulse II 2013
Sonopulse II 2013
IBRAMED
 
15 -amplitude_de_movimento
15  -amplitude_de_movimento15  -amplitude_de_movimento
15 -amplitude_de_movimento
Johnny Martins
 
Anamnese neurológica
Anamnese neurológicaAnamnese neurológica
Anamnese neurológica
pauloalambert
 
Avaliacao sensorial, funcao motora, coordenacao e marcha
Avaliacao sensorial, funcao motora, coordenacao e marchaAvaliacao sensorial, funcao motora, coordenacao e marcha
Avaliacao sensorial, funcao motora, coordenacao e marcha
Natha Fisioterapia
 

Mais procurados (20)

Testes especiais de coluna lombar e pelve em Fisioterapia
Testes especiais de coluna lombar e pelve em FisioterapiaTestes especiais de coluna lombar e pelve em Fisioterapia
Testes especiais de coluna lombar e pelve em Fisioterapia
 
Sonopulse II 2013
Sonopulse II 2013Sonopulse II 2013
Sonopulse II 2013
 
Eletroterapia
EletroterapiaEletroterapia
Eletroterapia
 
Aula Eletroterapia
Aula EletroterapiaAula Eletroterapia
Aula Eletroterapia
 
ORTESES E PROTESES INICIAL
ORTESES E PROTESES INICIALORTESES E PROTESES INICIAL
ORTESES E PROTESES INICIAL
 
Aula 1 anamese
Aula 1 anameseAula 1 anamese
Aula 1 anamese
 
Eletroterapia - corrente russa - capitulo 7 aula 17
Eletroterapia - corrente russa - capitulo 7 aula 17Eletroterapia - corrente russa - capitulo 7 aula 17
Eletroterapia - corrente russa - capitulo 7 aula 17
 
Aula 07 Eletroestimulação FES e CR.ppt
Aula 07 Eletroestimulação FES e CR.pptAula 07 Eletroestimulação FES e CR.ppt
Aula 07 Eletroestimulação FES e CR.ppt
 
slide - eletroterapia - prof Roosivelt.pdf
slide - eletroterapia - prof Roosivelt.pdfslide - eletroterapia - prof Roosivelt.pdf
slide - eletroterapia - prof Roosivelt.pdf
 
Manual Tens-Fes Clínico HTM
Manual Tens-Fes Clínico HTMManual Tens-Fes Clínico HTM
Manual Tens-Fes Clínico HTM
 
Fisioterapia traumato ortopédica
Fisioterapia traumato ortopédica Fisioterapia traumato ortopédica
Fisioterapia traumato ortopédica
 
15 -amplitude_de_movimento
15  -amplitude_de_movimento15  -amplitude_de_movimento
15 -amplitude_de_movimento
 
Anamnese neurológica
Anamnese neurológicaAnamnese neurológica
Anamnese neurológica
 
Avaliacao sensorial, funcao motora, coordenacao e marcha
Avaliacao sensorial, funcao motora, coordenacao e marchaAvaliacao sensorial, funcao motora, coordenacao e marcha
Avaliacao sensorial, funcao motora, coordenacao e marcha
 
Lombalgia - Lombociatalgia
Lombalgia - Lombociatalgia Lombalgia - Lombociatalgia
Lombalgia - Lombociatalgia
 
Aula introdução à disciplina de mecanoterapia
Aula introdução à disciplina de mecanoterapiaAula introdução à disciplina de mecanoterapia
Aula introdução à disciplina de mecanoterapia
 
ondas curtas
ondas curtasondas curtas
ondas curtas
 
Coluna cervical
Coluna cervicalColuna cervical
Coluna cervical
 
Reabilitação cardíaca
Reabilitação cardíacaReabilitação cardíaca
Reabilitação cardíaca
 
Coluna Lombar
Coluna LombarColuna Lombar
Coluna Lombar
 

Semelhante a Corrente interferencial

Recursos fisioterapeuticos na dermato funcional
Recursos fisioterapeuticos na dermato funcionalRecursos fisioterapeuticos na dermato funcional
Recursos fisioterapeuticos na dermato funcional
Nathanael Amparo
 
Vibria Hibridi Sonic maxx (2).pptx
Vibria Hibridi Sonic maxx (2).pptxVibria Hibridi Sonic maxx (2).pptx
Vibria Hibridi Sonic maxx (2).pptx
TailaDias1
 
Auriculoterapia inspeção do pavilhão auricular
Auriculoterapia   inspeção do pavilhão auricularAuriculoterapia   inspeção do pavilhão auricular
Auriculoterapia inspeção do pavilhão auricular
Carlos Pernambuco
 
Protocolo dor aguda
Protocolo dor agudaProtocolo dor aguda
Protocolo dor aguda
Anestesiador
 
Protocolo dor aguda
Protocolo dor agudaProtocolo dor aguda
Protocolo dor aguda
Anestesiador
 
Eletroacupuntura
EletroacupunturaEletroacupuntura
Eletroacupuntura
onomekyo
 

Semelhante a Corrente interferencial (20)

Aula-de-Meios-físicos-no-tratamento-da-dor.pdf
Aula-de-Meios-físicos-no-tratamento-da-dor.pdfAula-de-Meios-físicos-no-tratamento-da-dor.pdf
Aula-de-Meios-físicos-no-tratamento-da-dor.pdf
 
Recursos fisioterapeuticos na dermato funcional
Recursos fisioterapeuticos na dermato funcionalRecursos fisioterapeuticos na dermato funcional
Recursos fisioterapeuticos na dermato funcional
 
Auriculoterapia inspeção do pavilhão auricular
Auriculoterapia   inspeção do pavilhão auricularAuriculoterapia   inspeção do pavilhão auricular
Auriculoterapia inspeção do pavilhão auricular
 
nocoes-basicas-de-agentes-fisicos-2007-2008 (2).ppt
nocoes-basicas-de-agentes-fisicos-2007-2008 (2).pptnocoes-basicas-de-agentes-fisicos-2007-2008 (2).ppt
nocoes-basicas-de-agentes-fisicos-2007-2008 (2).ppt
 
Vibria Hibridi Sonic maxx (2).pptx
Vibria Hibridi Sonic maxx (2).pptxVibria Hibridi Sonic maxx (2).pptx
Vibria Hibridi Sonic maxx (2).pptx
 
Atuação fisioterapeutica na Dor Crônica.pptx
Atuação fisioterapeutica na Dor Crônica.pptxAtuação fisioterapeutica na Dor Crônica.pptx
Atuação fisioterapeutica na Dor Crônica.pptx
 
Analgesia e Sedação na UTI
Analgesia e Sedação na UTIAnalgesia e Sedação na UTI
Analgesia e Sedação na UTI
 
Eletroterapia - estimulação nervosa transcutanea (TENS) - agentes elétricos -...
Eletroterapia - estimulação nervosa transcutanea (TENS) - agentes elétricos -...Eletroterapia - estimulação nervosa transcutanea (TENS) - agentes elétricos -...
Eletroterapia - estimulação nervosa transcutanea (TENS) - agentes elétricos -...
 
Auriculoterapia inspeção do pavilhão auricular
Auriculoterapia   inspeção do pavilhão auricularAuriculoterapia   inspeção do pavilhão auricular
Auriculoterapia inspeção do pavilhão auricular
 
Aula_Anestesia.pdf
Aula_Anestesia.pdfAula_Anestesia.pdf
Aula_Anestesia.pdf
 
Aula_Anestesia.pdf
Aula_Anestesia.pdfAula_Anestesia.pdf
Aula_Anestesia.pdf
 
Dor Crônica Orofacial e Tratamento com Técnica de Fisher
Dor Crônica Orofacial e Tratamento com Técnica de FisherDor Crônica Orofacial e Tratamento com Técnica de Fisher
Dor Crônica Orofacial e Tratamento com Técnica de Fisher
 
1 terapia combinada ultrassom de alta potência associado a novas correntes ...
1   terapia combinada ultrassom de alta potência associado a novas correntes ...1   terapia combinada ultrassom de alta potência associado a novas correntes ...
1 terapia combinada ultrassom de alta potência associado a novas correntes ...
 
Protocolo dor aguda
Protocolo dor agudaProtocolo dor aguda
Protocolo dor aguda
 
Protocolo dor aguda
Protocolo dor agudaProtocolo dor aguda
Protocolo dor aguda
 
Eletroacupuntura
EletroacupunturaEletroacupuntura
Eletroacupuntura
 
Anestesia sedacao
Anestesia   sedacaoAnestesia   sedacao
Anestesia sedacao
 
Evoked potentials and anesthesia
Evoked potentials and anesthesiaEvoked potentials and anesthesia
Evoked potentials and anesthesia
 
Anesthesia for Minimally Invasive Spine Surgery
Anesthesia for Minimally Invasive Spine SurgeryAnesthesia for Minimally Invasive Spine Surgery
Anesthesia for Minimally Invasive Spine Surgery
 
Aula 04 - Interferencial.pdf
Aula 04 - Interferencial.pdfAula 04 - Interferencial.pdf
Aula 04 - Interferencial.pdf
 

Mais de FUAD HAZIME

Princípios físicos da água
Princípios físicos da águaPrincípios físicos da água
Princípios físicos da água
FUAD HAZIME
 
A Lenda do Valor P
A Lenda do Valor PA Lenda do Valor P
A Lenda do Valor P
FUAD HAZIME
 
A randomised, placebo controlled trial of low level laser therapy for activat...
A randomised, placebo controlled trial of low level laser therapy for activat...A randomised, placebo controlled trial of low level laser therapy for activat...
A randomised, placebo controlled trial of low level laser therapy for activat...
FUAD HAZIME
 
Systematic review and meta analysis comparing land and aquatic exercise for p...
Systematic review and meta analysis comparing land and aquatic exercise for p...Systematic review and meta analysis comparing land and aquatic exercise for p...
Systematic review and meta analysis comparing land and aquatic exercise for p...
FUAD HAZIME
 
Voluntary activation and decreased force production of the qs after total kne...
Voluntary activation and decreased force production of the qs after total kne...Voluntary activation and decreased force production of the qs after total kne...
Voluntary activation and decreased force production of the qs after total kne...
FUAD HAZIME
 
Preoperative physical therapy in primary total knee arthroplasty
Preoperative physical therapy in primary total knee arthroplastyPreoperative physical therapy in primary total knee arthroplasty
Preoperative physical therapy in primary total knee arthroplasty
FUAD HAZIME
 
Predictive risk factors for stif knees in total knee arthroplasty
Predictive risk factors for stif knees in total knee arthroplastyPredictive risk factors for stif knees in total knee arthroplasty
Predictive risk factors for stif knees in total knee arthroplasty
FUAD HAZIME
 
Management of extensor mechanism deficit as a consequence of patellar tendon ...
Management of extensor mechanism deficit as a consequence of patellar tendon ...Management of extensor mechanism deficit as a consequence of patellar tendon ...
Management of extensor mechanism deficit as a consequence of patellar tendon ...
FUAD HAZIME
 
Knee strenght after total knee arthroplasty
Knee strenght after total knee arthroplastyKnee strenght after total knee arthroplasty
Knee strenght after total knee arthroplasty
FUAD HAZIME
 
In hospital complications after total joint arthroplasty
In hospital complications after total joint arthroplastyIn hospital complications after total joint arthroplasty
In hospital complications after total joint arthroplasty
FUAD HAZIME
 
Full thicness burn formation after the use of electrical stimulation for reha...
Full thicness burn formation after the use of electrical stimulation for reha...Full thicness burn formation after the use of electrical stimulation for reha...
Full thicness burn formation after the use of electrical stimulation for reha...
FUAD HAZIME
 
Factors affecting length of stay and need for rehabilitation after hip and kn...
Factors affecting length of stay and need for rehabilitation after hip and kn...Factors affecting length of stay and need for rehabilitation after hip and kn...
Factors affecting length of stay and need for rehabilitation after hip and kn...
FUAD HAZIME
 
Effectiveness of pt artro systematic review and metanalysis
Effectiveness of pt artro systematic review and metanalysisEffectiveness of pt artro systematic review and metanalysis
Effectiveness of pt artro systematic review and metanalysis
FUAD HAZIME
 
Effectiveness of physiotherapy exercise after knee arthroplasty for oa.
Effectiveness of physiotherapy exercise after knee arthroplasty for oa.Effectiveness of physiotherapy exercise after knee arthroplasty for oa.
Effectiveness of physiotherapy exercise after knee arthroplasty for oa.
FUAD HAZIME
 
Effectiveness of cpm and conventional physical therapy after total knee arthr...
Effectiveness of cpm and conventional physical therapy after total knee arthr...Effectiveness of cpm and conventional physical therapy after total knee arthr...
Effectiveness of cpm and conventional physical therapy after total knee arthr...
FUAD HAZIME
 
EENM vs voluntary exercise
EENM vs voluntary exerciseEENM vs voluntary exercise
EENM vs voluntary exercise
FUAD HAZIME
 
Does shortened length of hospital stay affect total knee arthroplasty rehabil...
Does shortened length of hospital stay affect total knee arthroplasty rehabil...Does shortened length of hospital stay affect total knee arthroplasty rehabil...
Does shortened length of hospital stay affect total knee arthroplasty rehabil...
FUAD HAZIME
 
Does a standard outpatient physiotherapy regime improve the range of knee mot...
Does a standard outpatient physiotherapy regime improve the range of knee mot...Does a standard outpatient physiotherapy regime improve the range of knee mot...
Does a standard outpatient physiotherapy regime improve the range of knee mot...
FUAD HAZIME
 
Determinants of function knee arthroplasty
Determinants of function knee arthroplastyDeterminants of function knee arthroplasty
Determinants of function knee arthroplasty
FUAD HAZIME
 

Mais de FUAD HAZIME (20)

Princípios físicos da água
Princípios físicos da águaPrincípios físicos da água
Princípios físicos da água
 
Us
UsUs
Us
 
A Lenda do Valor P
A Lenda do Valor PA Lenda do Valor P
A Lenda do Valor P
 
A randomised, placebo controlled trial of low level laser therapy for activat...
A randomised, placebo controlled trial of low level laser therapy for activat...A randomised, placebo controlled trial of low level laser therapy for activat...
A randomised, placebo controlled trial of low level laser therapy for activat...
 
Systematic review and meta analysis comparing land and aquatic exercise for p...
Systematic review and meta analysis comparing land and aquatic exercise for p...Systematic review and meta analysis comparing land and aquatic exercise for p...
Systematic review and meta analysis comparing land and aquatic exercise for p...
 
Voluntary activation and decreased force production of the qs after total kne...
Voluntary activation and decreased force production of the qs after total kne...Voluntary activation and decreased force production of the qs after total kne...
Voluntary activation and decreased force production of the qs after total kne...
 
Preoperative physical therapy in primary total knee arthroplasty
Preoperative physical therapy in primary total knee arthroplastyPreoperative physical therapy in primary total knee arthroplasty
Preoperative physical therapy in primary total knee arthroplasty
 
Predictive risk factors for stif knees in total knee arthroplasty
Predictive risk factors for stif knees in total knee arthroplastyPredictive risk factors for stif knees in total knee arthroplasty
Predictive risk factors for stif knees in total knee arthroplasty
 
Management of extensor mechanism deficit as a consequence of patellar tendon ...
Management of extensor mechanism deficit as a consequence of patellar tendon ...Management of extensor mechanism deficit as a consequence of patellar tendon ...
Management of extensor mechanism deficit as a consequence of patellar tendon ...
 
Knee strenght after total knee arthroplasty
Knee strenght after total knee arthroplastyKnee strenght after total knee arthroplasty
Knee strenght after total knee arthroplasty
 
In hospital complications after total joint arthroplasty
In hospital complications after total joint arthroplastyIn hospital complications after total joint arthroplasty
In hospital complications after total joint arthroplasty
 
Full thicness burn formation after the use of electrical stimulation for reha...
Full thicness burn formation after the use of electrical stimulation for reha...Full thicness burn formation after the use of electrical stimulation for reha...
Full thicness burn formation after the use of electrical stimulation for reha...
 
Factors affecting length of stay and need for rehabilitation after hip and kn...
Factors affecting length of stay and need for rehabilitation after hip and kn...Factors affecting length of stay and need for rehabilitation after hip and kn...
Factors affecting length of stay and need for rehabilitation after hip and kn...
 
Effectiveness of pt artro systematic review and metanalysis
Effectiveness of pt artro systematic review and metanalysisEffectiveness of pt artro systematic review and metanalysis
Effectiveness of pt artro systematic review and metanalysis
 
Effectiveness of physiotherapy exercise after knee arthroplasty for oa.
Effectiveness of physiotherapy exercise after knee arthroplasty for oa.Effectiveness of physiotherapy exercise after knee arthroplasty for oa.
Effectiveness of physiotherapy exercise after knee arthroplasty for oa.
 
Effectiveness of cpm and conventional physical therapy after total knee arthr...
Effectiveness of cpm and conventional physical therapy after total knee arthr...Effectiveness of cpm and conventional physical therapy after total knee arthr...
Effectiveness of cpm and conventional physical therapy after total knee arthr...
 
EENM vs voluntary exercise
EENM vs voluntary exerciseEENM vs voluntary exercise
EENM vs voluntary exercise
 
Does shortened length of hospital stay affect total knee arthroplasty rehabil...
Does shortened length of hospital stay affect total knee arthroplasty rehabil...Does shortened length of hospital stay affect total knee arthroplasty rehabil...
Does shortened length of hospital stay affect total knee arthroplasty rehabil...
 
Does a standard outpatient physiotherapy regime improve the range of knee mot...
Does a standard outpatient physiotherapy regime improve the range of knee mot...Does a standard outpatient physiotherapy regime improve the range of knee mot...
Does a standard outpatient physiotherapy regime improve the range of knee mot...
 
Determinants of function knee arthroplasty
Determinants of function knee arthroplastyDeterminants of function knee arthroplasty
Determinants of function knee arthroplasty
 

Último

1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
aulasgege
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
GisellySobral
 

Último (20)

1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
Atividades adaptada de matemática (Adição pop )
Atividades adaptada de matemática (Adição pop )Atividades adaptada de matemática (Adição pop )
Atividades adaptada de matemática (Adição pop )
 
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx
 
Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
 
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfTema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
 
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
 
transcrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguatranscrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de língua
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
 
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São PauloCurrículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
 

Corrente interferencial

  • 1. Corrente Interferencial (IC) Prof. Fuad Hazime
  • 2. Conceito • 1950 – Hans Nemec Aplicação transcutânea de correntes elétricas alternadas de média freqüência com a amplitude modulada em baixa freqüência para fins terapêuticos. • 4000 a 4200 Hz • Despolarizadas
  • 6. Impedância X Frequência • A impedância da pele é inversamente proporcional a freqüência de estimulação. • ↓ freq. estimulação ↑ impedância à passagem de corrente e portanto maior o desconforto. • 50 Hz – 3200 Ώ • 4000 Hz – 40 Ώ
  • 7. Parâmetros de tratamento Freqüência de Amplitude Modulada (AMF) – Componente efetivo da IC??? – AMF de 0 Hz (4000 Hz) mostrou efeitos similares aos de quando foi usada uma AMF qualquer. Freqüência Média – Parâmetro estimulador dominante
  • 8. Efeito da Alteração da AMF nos outros Componentes da IC
  • 9. Parâmetros de Tratamento AMF • Sensação induzida se modifica com diferentes regulagens de AMF. • 5 Hz – mais desconfortável • 50 a 100 Hz – menos desconfortável • Pode ter uma participação alterando a percepção de conforto.
  • 10. Variações da AMF Pouco consenso na literatura • Respeitar a subjetividade do paciente. • Utilizar inicialmente a que seja mais confortável para o paciente.
  • 11. Parâmetros de Tratamento Varredura de freqüência (sweep) • A AMF é alterada ao longo do tempo de estimulação. • Efeitos • Reduz a adaptação??? • Estimulação de uma faixa maior de tecidos???
  • 12. Parâmetros de Tratamento Padrão da varredura de freqüência “Melhor evidência”
  • 13. Parâmetros de Tratamento Aplicação Tetrapolar • Lesões maiores ou dispersas Aplicação Bipolar • Assegura que a modulação seja sempre 100% • Lesões menores ou localizadas • Não há diferença no efeito fisiológico entre as técnicas de aplicação.
  • 14. Parâmetros de Tratamento Intensidade da corrente • Intensidade “forte” porém confortável. Duração do Tratamento • 10 a 20 minutos
  • 15. Teorias para o Alívio da Dor • A teoria da “comporta da dor” • Estimulação fibras C/Aδ • Supressão descendente da dor??? • Bloqueio fisiológico da condução nervosa??? • Placebo???
  • 16. Indicações • Contusões • Artroses musculares • Periartrites • Entorses • Bursites • Luxações • Tendinites • Rupturas • Mialgias parciais • Contraturas • Neuralgias
  • 17. Contra-Indicações • Febre • Trombose • Tumores • Alteração sensitiva • Tuberculose óssea • Área de • Infecção local marcapasso Recomendações baseadas na prudência, não em evidências científicas.
  • 18. Riscos • Queimaduras • Vômito • Aumento da dor • Tonturas/desmaio • Mal-estar geral • Enxaqueca/cefaléia • Náuseas • Efeitos neurológicos A maioria desses episódios podem estar relacionados a estimulação do sistema nervoso autônomo.
  • 19. Considerações Finais • Efetividade da IC necessita de mais estudos. • Poucos estudos existentes e com falhas metodológicas. • Padronização dos parâmetros e aplicações. • Necessidade de mais experimentos clínicos.