SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 21
ESTIMULAÇÃO ELÉTRICA NERVOSA
    TRANSCUTÂNEA (TENS)




   Prof. Fuad Hazime
DEFINIÇÃO
É uma estimulação elétrica, simples e não-invasiva
utilizada principalmente para o manejo da dor.

Qualquer dispositivo de estimulação que emita
correntes elétricas através da superfície intacta da pele
é uma forma de TENS.

Baseia-se na aplicação de estímulos elétricos de baixa
intensidade e de alta freqüência.

Diminui a percepção da dor do paciente, reduzindo a
condutividade e a transmissão de impulsos dolorosos
das pequenas fibras de dor para o SNC.
CARACTERÍSTICAS TÍPICAS DOS
      APARELHOS DE TENS

Fonte de voltagem - (gerador
de pulsos)


 Eletrodos    –    normalmente
preto, de borracha de silicone,
dependente      de    um    gel
eletrocondutor.


 Cabos Interconectantes –
Na maioria dos casos, o cabo
elétrico é conectado numa
tomada de saída comum. Em
seguida, o cabo se bifurca, indo
inserir-se nos dois eletrodos.
PRINCÍPIOS FÍSICOS

 Ativação seletiva de fibras nervosas

 Fibras nervosas de diâmetro largo (Aβ e Aα) (aferente
 sensorial) têm baixo limiar de ativação por estímulos
 elétricos quando comparadas com fibras de diâmetro
 pequeno (Aδ e C) (fibras nociceptivas).
METAS DO TENS
Ativar aferentes cutâneos não nociceptivos de grande
diâmetro.
Desejado uma forte parestesia elétrica confortável,
com mínima atividade muscular.

 Alta frequência/
 Baixa intensidade
 Amplitude                 baixa
 Duração                   100-200 µs
 Freqüência                10-200 p.p.s
 Padrão                    contínuo
CURVA INTENSIDADE DURAÇÃO
 PARA ATIVAÇÃO DAS FIBRAS
ATIVAÇÃO SELETIVA DE AFERENTES A-BETA
IMPLICAÇÕES PRÁTICAS
Forte parestesia elétrica não dolorosa é mediada por
aferentes de diâmetro largo.

Parestesia elétrica levemente dolorosa é mediada
pelo recrutamento de aferentes de diâmetro pequeno.

Uma contração muscular forte, não dolorosa
provavelmente é o resultado de excitação de
receptores musculares.

Sensação subjetiva do paciente é o meio mais
fácil de avaliar o tipo de fibra que esta ativa.
EFEITOS BIOLÓGICOS

ANALGESIA


Não-analgésicos
  Antiemético
  Restauração do fluxo sangüíneo


Poucos estudos/conflitantes
MECANISMO DE AÇÃO
Teoria da comporta
 Colisão antidrômica

Liberação de Opióides Endógenos
TEORIA DA COMPORTA
COLISÃO ANTIDRÔMICA
 Tecido lesado pode produzir alguma atividade nas
 fibras de diâmetro largo.


 Os impulsos que se distanciam do SNC colidirão com
 os impulsos aferentes que vem do tecido lesionado,
 causando sua extinção.
Bloqueio de transmissão periférica induzido pelo TENS.
INDICAÇÕES X EVIDÊNCIAS



Apesar da melhora clínica
    alguns resultados
 apresentam evidências
     inconclusivas e
metodologias consideradas
         ruins.
PRINCÍPIOS BÁSICOS DE APLICAÇÃO

 Posição dos eletrodos
  Aplicar em cada lado da lesão ou área
  dolorosa.

  Áreas   maiores   usar   dois   canais   (4
  eletrodos).
TEMPO E DOSAGEM
São necessários mais trabalhos para estabelecer o
curso de tempo dos efeitos analgésicos de diferentes
tipos de TENS.
Dificuldade de estabelecer um tempo ideal, pois o
efeito analgésico geralmente desaparece assim que o
aparelho é desligado.
Analgesia pós-estimulação:
  2 horas
  18 horas
RECOMENDAÇÃO BIBLIOGRÁFICA
Colocação dos eletrodos Um em cada lado da dor

Padrão de pulso           Contínuo
Freqüência de pulso       80-100 p.p.s.
Duração de pulso          100-200 µs
Amplitude de pulso        Aumentar a intensidade
(intensidade)             para produzir um
                          formigamento forte porém
                          confortável
Duração da estimulação em Pelo menos 30 minutos
primeira instância
DECLÍNIO DA RESPOSTA À TENS

Efetividade declina com o tempo
 Enfraquecimento da bateria

 Desgaste dos eletrodos

 Piora do quadro clínico do paciente

 Efeito da acomodação do estímulo pelo
 SNC.
CONTRA-INDICAÇÕES
São poucas e a maioria hipotéticas
 Epilepsia
 Primeiro trimestre de gravidez
 Marcapasso cardíaco
 Áreas sobre a pele lesada
 Alterações de sensibilidade
 Região anterior do pescoço:
    Seio carotídeo - hipotensão vagal
    Nervos laríngeos – espasmo da laringe

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Eletroterapia Resumo
Eletroterapia ResumoEletroterapia Resumo
Eletroterapia Resumo
 
laser
laserlaser
laser
 
Eletroterapia - corrente aussie - capitulo 8 aula 18
Eletroterapia - corrente aussie - capitulo 8 aula 18Eletroterapia - corrente aussie - capitulo 8 aula 18
Eletroterapia - corrente aussie - capitulo 8 aula 18
 
Ultra som
Ultra somUltra som
Ultra som
 
Aula de ultra som 2014.1
Aula de ultra som 2014.1Aula de ultra som 2014.1
Aula de ultra som 2014.1
 
Microcorrente
MicrocorrenteMicrocorrente
Microcorrente
 
Eletroterapia glaydes avila
Eletroterapia   glaydes avilaEletroterapia   glaydes avila
Eletroterapia glaydes avila
 
Corrente russa
Corrente russaCorrente russa
Corrente russa
 
Sonopulse II 2013
Sonopulse II 2013Sonopulse II 2013
Sonopulse II 2013
 
ultrasom
ultrasomultrasom
ultrasom
 
Eletroterapia efeitos eletrodos
Eletroterapia efeitos eletrodosEletroterapia efeitos eletrodos
Eletroterapia efeitos eletrodos
 
Diatermia por ondas-curtas e microondas
Diatermia por ondas-curtas e microondasDiatermia por ondas-curtas e microondas
Diatermia por ondas-curtas e microondas
 
ondas curtas
ondas curtasondas curtas
ondas curtas
 
Termoterapia - calor
Termoterapia - calorTermoterapia - calor
Termoterapia - calor
 
Laserterapia
LaserterapiaLaserterapia
Laserterapia
 
Flacidez muscular
Flacidez muscularFlacidez muscular
Flacidez muscular
 
Fototerapia - infravermelho - cap 13
 Fototerapia - infravermelho - cap 13 Fototerapia - infravermelho - cap 13
Fototerapia - infravermelho - cap 13
 
Eletroterapia - estimulação nervosa transcutanea (TENS) - agentes elétricos -...
Eletroterapia - estimulação nervosa transcutanea (TENS) - agentes elétricos -...Eletroterapia - estimulação nervosa transcutanea (TENS) - agentes elétricos -...
Eletroterapia - estimulação nervosa transcutanea (TENS) - agentes elétricos -...
 
Infra Vermelho
Infra VermelhoInfra Vermelho
Infra Vermelho
 
Crioterapia
CrioterapiaCrioterapia
Crioterapia
 

Semelhante a TENS para alívio da dor

Aula 04 - Interferencial.pdf
Aula 04 - Interferencial.pdfAula 04 - Interferencial.pdf
Aula 04 - Interferencial.pdfNorteSul4
 
Eletroacupuntura
EletroacupunturaEletroacupuntura
Eletroacupunturaonomekyo
 
eletroacupuntura otima aula.pdf
eletroacupuntura otima aula.pdfeletroacupuntura otima aula.pdf
eletroacupuntura otima aula.pdfRonaldo Fernandes
 
slide - eletroterapia - prof Roosivelt.pdf
slide - eletroterapia - prof Roosivelt.pdfslide - eletroterapia - prof Roosivelt.pdf
slide - eletroterapia - prof Roosivelt.pdfRoosivelt Honorato
 
Introdução a Estimulação Magnética Transcraniana Repetitiva (EMT)
Introdução a Estimulação Magnética Transcraniana Repetitiva (EMT)Introdução a Estimulação Magnética Transcraniana Repetitiva (EMT)
Introdução a Estimulação Magnética Transcraniana Repetitiva (EMT)Dr. Rafael Higashi
 
Aplicação de Neuromodulação Cerebral Não Invasiva no tratamento da depressão,...
Aplicação de Neuromodulação Cerebral Não Invasiva no tratamento da depressão,...Aplicação de Neuromodulação Cerebral Não Invasiva no tratamento da depressão,...
Aplicação de Neuromodulação Cerebral Não Invasiva no tratamento da depressão,...Dr. Rafael Higashi
 
Semiologia da dor 2017
Semiologia da dor 2017Semiologia da dor 2017
Semiologia da dor 2017pauloalambert
 
Aula-de-Meios-físicos-no-tratamento-da-dor.pdf
Aula-de-Meios-físicos-no-tratamento-da-dor.pdfAula-de-Meios-físicos-no-tratamento-da-dor.pdf
Aula-de-Meios-físicos-no-tratamento-da-dor.pdfFrancianeOliveira22
 
Ponto gatilho e dor referida.
Ponto gatilho e dor referida.Ponto gatilho e dor referida.
Ponto gatilho e dor referida.Cleusa Kochhann
 
Atuação fisioterapeutica na Dor Crônica.pptx
Atuação fisioterapeutica na Dor Crônica.pptxAtuação fisioterapeutica na Dor Crônica.pptx
Atuação fisioterapeutica na Dor Crônica.pptxEstruturaCorpo
 
Aula fisiologia sensorial
Aula fisiologia sensorialAula fisiologia sensorial
Aula fisiologia sensorialmarcioth
 
Semiologia da dor 2018
Semiologia da dor 2018Semiologia da dor 2018
Semiologia da dor 2018pauloalambert
 

Semelhante a TENS para alívio da dor (20)

eletroterapia.pdf
eletroterapia.pdfeletroterapia.pdf
eletroterapia.pdf
 
Aula 04 - Interferencial.pdf
Aula 04 - Interferencial.pdfAula 04 - Interferencial.pdf
Aula 04 - Interferencial.pdf
 
Eletroacupuntura
EletroacupunturaEletroacupuntura
Eletroacupuntura
 
eletroacupuntura otima aula.pdf
eletroacupuntura otima aula.pdfeletroacupuntura otima aula.pdf
eletroacupuntura otima aula.pdf
 
slide - eletroterapia - prof Roosivelt.pdf
slide - eletroterapia - prof Roosivelt.pdfslide - eletroterapia - prof Roosivelt.pdf
slide - eletroterapia - prof Roosivelt.pdf
 
Introdução a Estimulação Magnética Transcraniana Repetitiva (EMT)
Introdução a Estimulação Magnética Transcraniana Repetitiva (EMT)Introdução a Estimulação Magnética Transcraniana Repetitiva (EMT)
Introdução a Estimulação Magnética Transcraniana Repetitiva (EMT)
 
Aula eletro 1
Aula eletro 1Aula eletro 1
Aula eletro 1
 
Dor 2020
Dor 2020Dor 2020
Dor 2020
 
Dor NeuropáTica
Dor NeuropáTicaDor NeuropáTica
Dor NeuropáTica
 
Aplicação de Neuromodulação Cerebral Não Invasiva no tratamento da depressão,...
Aplicação de Neuromodulação Cerebral Não Invasiva no tratamento da depressão,...Aplicação de Neuromodulação Cerebral Não Invasiva no tratamento da depressão,...
Aplicação de Neuromodulação Cerebral Não Invasiva no tratamento da depressão,...
 
Semiologia da dor
Semiologia da dorSemiologia da dor
Semiologia da dor
 
Dor Neuropatica ( Eem )
Dor Neuropatica ( Eem )Dor Neuropatica ( Eem )
Dor Neuropatica ( Eem )
 
Semiologia da dor 2017
Semiologia da dor 2017Semiologia da dor 2017
Semiologia da dor 2017
 
Aula-de-Meios-físicos-no-tratamento-da-dor.pdf
Aula-de-Meios-físicos-no-tratamento-da-dor.pdfAula-de-Meios-físicos-no-tratamento-da-dor.pdf
Aula-de-Meios-físicos-no-tratamento-da-dor.pdf
 
Ponto gatilho e dor referida.
Ponto gatilho e dor referida.Ponto gatilho e dor referida.
Ponto gatilho e dor referida.
 
Atuação fisioterapeutica na Dor Crônica.pptx
Atuação fisioterapeutica na Dor Crônica.pptxAtuação fisioterapeutica na Dor Crônica.pptx
Atuação fisioterapeutica na Dor Crônica.pptx
 
Aula fisiologia sensorial
Aula fisiologia sensorialAula fisiologia sensorial
Aula fisiologia sensorial
 
Bloqueios pet
Bloqueios petBloqueios pet
Bloqueios pet
 
Semiologia da dor
Semiologia da dor Semiologia da dor
Semiologia da dor
 
Semiologia da dor 2018
Semiologia da dor 2018Semiologia da dor 2018
Semiologia da dor 2018
 

Mais de FUAD HAZIME

Princípios físicos da água
Princípios físicos da águaPrincípios físicos da água
Princípios físicos da águaFUAD HAZIME
 
A Lenda do Valor P
A Lenda do Valor PA Lenda do Valor P
A Lenda do Valor PFUAD HAZIME
 
A randomised, placebo controlled trial of low level laser therapy for activat...
A randomised, placebo controlled trial of low level laser therapy for activat...A randomised, placebo controlled trial of low level laser therapy for activat...
A randomised, placebo controlled trial of low level laser therapy for activat...FUAD HAZIME
 
Systematic review and meta analysis comparing land and aquatic exercise for p...
Systematic review and meta analysis comparing land and aquatic exercise for p...Systematic review and meta analysis comparing land and aquatic exercise for p...
Systematic review and meta analysis comparing land and aquatic exercise for p...FUAD HAZIME
 
Voluntary activation and decreased force production of the qs after total kne...
Voluntary activation and decreased force production of the qs after total kne...Voluntary activation and decreased force production of the qs after total kne...
Voluntary activation and decreased force production of the qs after total kne...FUAD HAZIME
 
Preoperative physical therapy in primary total knee arthroplasty
Preoperative physical therapy in primary total knee arthroplastyPreoperative physical therapy in primary total knee arthroplasty
Preoperative physical therapy in primary total knee arthroplastyFUAD HAZIME
 
Predictive risk factors for stif knees in total knee arthroplasty
Predictive risk factors for stif knees in total knee arthroplastyPredictive risk factors for stif knees in total knee arthroplasty
Predictive risk factors for stif knees in total knee arthroplastyFUAD HAZIME
 
Management of extensor mechanism deficit as a consequence of patellar tendon ...
Management of extensor mechanism deficit as a consequence of patellar tendon ...Management of extensor mechanism deficit as a consequence of patellar tendon ...
Management of extensor mechanism deficit as a consequence of patellar tendon ...FUAD HAZIME
 
Knee strenght after total knee arthroplasty
Knee strenght after total knee arthroplastyKnee strenght after total knee arthroplasty
Knee strenght after total knee arthroplastyFUAD HAZIME
 
In hospital complications after total joint arthroplasty
In hospital complications after total joint arthroplastyIn hospital complications after total joint arthroplasty
In hospital complications after total joint arthroplastyFUAD HAZIME
 
Full thicness burn formation after the use of electrical stimulation for reha...
Full thicness burn formation after the use of electrical stimulation for reha...Full thicness burn formation after the use of electrical stimulation for reha...
Full thicness burn formation after the use of electrical stimulation for reha...FUAD HAZIME
 
Factors affecting length of stay and need for rehabilitation after hip and kn...
Factors affecting length of stay and need for rehabilitation after hip and kn...Factors affecting length of stay and need for rehabilitation after hip and kn...
Factors affecting length of stay and need for rehabilitation after hip and kn...FUAD HAZIME
 
Effectiveness of pt artro systematic review and metanalysis
Effectiveness of pt artro systematic review and metanalysisEffectiveness of pt artro systematic review and metanalysis
Effectiveness of pt artro systematic review and metanalysisFUAD HAZIME
 
Effectiveness of physiotherapy exercise after knee arthroplasty for oa.
Effectiveness of physiotherapy exercise after knee arthroplasty for oa.Effectiveness of physiotherapy exercise after knee arthroplasty for oa.
Effectiveness of physiotherapy exercise after knee arthroplasty for oa.FUAD HAZIME
 
Effectiveness of cpm and conventional physical therapy after total knee arthr...
Effectiveness of cpm and conventional physical therapy after total knee arthr...Effectiveness of cpm and conventional physical therapy after total knee arthr...
Effectiveness of cpm and conventional physical therapy after total knee arthr...FUAD HAZIME
 
EENM vs voluntary exercise
EENM vs voluntary exerciseEENM vs voluntary exercise
EENM vs voluntary exerciseFUAD HAZIME
 
Does shortened length of hospital stay affect total knee arthroplasty rehabil...
Does shortened length of hospital stay affect total knee arthroplasty rehabil...Does shortened length of hospital stay affect total knee arthroplasty rehabil...
Does shortened length of hospital stay affect total knee arthroplasty rehabil...FUAD HAZIME
 
Does a standard outpatient physiotherapy regime improve the range of knee mot...
Does a standard outpatient physiotherapy regime improve the range of knee mot...Does a standard outpatient physiotherapy regime improve the range of knee mot...
Does a standard outpatient physiotherapy regime improve the range of knee mot...FUAD HAZIME
 
Determinants of function knee arthroplasty
Determinants of function knee arthroplastyDeterminants of function knee arthroplasty
Determinants of function knee arthroplastyFUAD HAZIME
 

Mais de FUAD HAZIME (20)

Princípios físicos da água
Princípios físicos da águaPrincípios físicos da água
Princípios físicos da água
 
Us
UsUs
Us
 
A Lenda do Valor P
A Lenda do Valor PA Lenda do Valor P
A Lenda do Valor P
 
A randomised, placebo controlled trial of low level laser therapy for activat...
A randomised, placebo controlled trial of low level laser therapy for activat...A randomised, placebo controlled trial of low level laser therapy for activat...
A randomised, placebo controlled trial of low level laser therapy for activat...
 
Systematic review and meta analysis comparing land and aquatic exercise for p...
Systematic review and meta analysis comparing land and aquatic exercise for p...Systematic review and meta analysis comparing land and aquatic exercise for p...
Systematic review and meta analysis comparing land and aquatic exercise for p...
 
Voluntary activation and decreased force production of the qs after total kne...
Voluntary activation and decreased force production of the qs after total kne...Voluntary activation and decreased force production of the qs after total kne...
Voluntary activation and decreased force production of the qs after total kne...
 
Preoperative physical therapy in primary total knee arthroplasty
Preoperative physical therapy in primary total knee arthroplastyPreoperative physical therapy in primary total knee arthroplasty
Preoperative physical therapy in primary total knee arthroplasty
 
Predictive risk factors for stif knees in total knee arthroplasty
Predictive risk factors for stif knees in total knee arthroplastyPredictive risk factors for stif knees in total knee arthroplasty
Predictive risk factors for stif knees in total knee arthroplasty
 
Management of extensor mechanism deficit as a consequence of patellar tendon ...
Management of extensor mechanism deficit as a consequence of patellar tendon ...Management of extensor mechanism deficit as a consequence of patellar tendon ...
Management of extensor mechanism deficit as a consequence of patellar tendon ...
 
Knee strenght after total knee arthroplasty
Knee strenght after total knee arthroplastyKnee strenght after total knee arthroplasty
Knee strenght after total knee arthroplasty
 
In hospital complications after total joint arthroplasty
In hospital complications after total joint arthroplastyIn hospital complications after total joint arthroplasty
In hospital complications after total joint arthroplasty
 
Full thicness burn formation after the use of electrical stimulation for reha...
Full thicness burn formation after the use of electrical stimulation for reha...Full thicness burn formation after the use of electrical stimulation for reha...
Full thicness burn formation after the use of electrical stimulation for reha...
 
Factors affecting length of stay and need for rehabilitation after hip and kn...
Factors affecting length of stay and need for rehabilitation after hip and kn...Factors affecting length of stay and need for rehabilitation after hip and kn...
Factors affecting length of stay and need for rehabilitation after hip and kn...
 
Effectiveness of pt artro systematic review and metanalysis
Effectiveness of pt artro systematic review and metanalysisEffectiveness of pt artro systematic review and metanalysis
Effectiveness of pt artro systematic review and metanalysis
 
Effectiveness of physiotherapy exercise after knee arthroplasty for oa.
Effectiveness of physiotherapy exercise after knee arthroplasty for oa.Effectiveness of physiotherapy exercise after knee arthroplasty for oa.
Effectiveness of physiotherapy exercise after knee arthroplasty for oa.
 
Effectiveness of cpm and conventional physical therapy after total knee arthr...
Effectiveness of cpm and conventional physical therapy after total knee arthr...Effectiveness of cpm and conventional physical therapy after total knee arthr...
Effectiveness of cpm and conventional physical therapy after total knee arthr...
 
EENM vs voluntary exercise
EENM vs voluntary exerciseEENM vs voluntary exercise
EENM vs voluntary exercise
 
Does shortened length of hospital stay affect total knee arthroplasty rehabil...
Does shortened length of hospital stay affect total knee arthroplasty rehabil...Does shortened length of hospital stay affect total knee arthroplasty rehabil...
Does shortened length of hospital stay affect total knee arthroplasty rehabil...
 
Does a standard outpatient physiotherapy regime improve the range of knee mot...
Does a standard outpatient physiotherapy regime improve the range of knee mot...Does a standard outpatient physiotherapy regime improve the range of knee mot...
Does a standard outpatient physiotherapy regime improve the range of knee mot...
 
Determinants of function knee arthroplasty
Determinants of function knee arthroplastyDeterminants of function knee arthroplasty
Determinants of function knee arthroplasty
 

Último

organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdfCarlosRodrigues832670
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptxErivaldoLima15
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosAntnyoAllysson
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfaulasgege
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024GleyceMoreiraXWeslle
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfHenrique Pontes
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasRicardo Diniz campos
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfErasmo Portavoz
 
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basicoPRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basicoSilvaDias3
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxkarinasantiago54
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASEdinardo Aguiar
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfPPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfAnaGonalves804156
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
 
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basicoPRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
 
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppttreinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfPPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
 

TENS para alívio da dor

  • 1. ESTIMULAÇÃO ELÉTRICA NERVOSA TRANSCUTÂNEA (TENS) Prof. Fuad Hazime
  • 2. DEFINIÇÃO É uma estimulação elétrica, simples e não-invasiva utilizada principalmente para o manejo da dor. Qualquer dispositivo de estimulação que emita correntes elétricas através da superfície intacta da pele é uma forma de TENS. Baseia-se na aplicação de estímulos elétricos de baixa intensidade e de alta freqüência. Diminui a percepção da dor do paciente, reduzindo a condutividade e a transmissão de impulsos dolorosos das pequenas fibras de dor para o SNC.
  • 3. CARACTERÍSTICAS TÍPICAS DOS APARELHOS DE TENS Fonte de voltagem - (gerador de pulsos) Eletrodos – normalmente preto, de borracha de silicone, dependente de um gel eletrocondutor. Cabos Interconectantes – Na maioria dos casos, o cabo elétrico é conectado numa tomada de saída comum. Em seguida, o cabo se bifurca, indo inserir-se nos dois eletrodos.
  • 4.
  • 5. PRINCÍPIOS FÍSICOS Ativação seletiva de fibras nervosas Fibras nervosas de diâmetro largo (Aβ e Aα) (aferente sensorial) têm baixo limiar de ativação por estímulos elétricos quando comparadas com fibras de diâmetro pequeno (Aδ e C) (fibras nociceptivas).
  • 6. METAS DO TENS Ativar aferentes cutâneos não nociceptivos de grande diâmetro. Desejado uma forte parestesia elétrica confortável, com mínima atividade muscular. Alta frequência/ Baixa intensidade Amplitude baixa Duração 100-200 µs Freqüência 10-200 p.p.s Padrão contínuo
  • 7. CURVA INTENSIDADE DURAÇÃO PARA ATIVAÇÃO DAS FIBRAS
  • 8. ATIVAÇÃO SELETIVA DE AFERENTES A-BETA
  • 9. IMPLICAÇÕES PRÁTICAS Forte parestesia elétrica não dolorosa é mediada por aferentes de diâmetro largo. Parestesia elétrica levemente dolorosa é mediada pelo recrutamento de aferentes de diâmetro pequeno. Uma contração muscular forte, não dolorosa provavelmente é o resultado de excitação de receptores musculares. Sensação subjetiva do paciente é o meio mais fácil de avaliar o tipo de fibra que esta ativa.
  • 10. EFEITOS BIOLÓGICOS ANALGESIA Não-analgésicos Antiemético Restauração do fluxo sangüíneo Poucos estudos/conflitantes
  • 11. MECANISMO DE AÇÃO Teoria da comporta Colisão antidrômica Liberação de Opióides Endógenos
  • 13. COLISÃO ANTIDRÔMICA Tecido lesado pode produzir alguma atividade nas fibras de diâmetro largo. Os impulsos que se distanciam do SNC colidirão com os impulsos aferentes que vem do tecido lesionado, causando sua extinção.
  • 14. Bloqueio de transmissão periférica induzido pelo TENS.
  • 15. INDICAÇÕES X EVIDÊNCIAS Apesar da melhora clínica alguns resultados apresentam evidências inconclusivas e metodologias consideradas ruins.
  • 16. PRINCÍPIOS BÁSICOS DE APLICAÇÃO Posição dos eletrodos Aplicar em cada lado da lesão ou área dolorosa. Áreas maiores usar dois canais (4 eletrodos).
  • 17.
  • 18. TEMPO E DOSAGEM São necessários mais trabalhos para estabelecer o curso de tempo dos efeitos analgésicos de diferentes tipos de TENS. Dificuldade de estabelecer um tempo ideal, pois o efeito analgésico geralmente desaparece assim que o aparelho é desligado. Analgesia pós-estimulação: 2 horas 18 horas
  • 19. RECOMENDAÇÃO BIBLIOGRÁFICA Colocação dos eletrodos Um em cada lado da dor Padrão de pulso Contínuo Freqüência de pulso 80-100 p.p.s. Duração de pulso 100-200 µs Amplitude de pulso Aumentar a intensidade (intensidade) para produzir um formigamento forte porém confortável Duração da estimulação em Pelo menos 30 minutos primeira instância
  • 20. DECLÍNIO DA RESPOSTA À TENS Efetividade declina com o tempo Enfraquecimento da bateria Desgaste dos eletrodos Piora do quadro clínico do paciente Efeito da acomodação do estímulo pelo SNC.
  • 21. CONTRA-INDICAÇÕES São poucas e a maioria hipotéticas Epilepsia Primeiro trimestre de gravidez Marcapasso cardíaco Áreas sobre a pele lesada Alterações de sensibilidade Região anterior do pescoço: Seio carotídeo - hipotensão vagal Nervos laríngeos – espasmo da laringe