SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 47
História
Bases Biofísicas
Indicações e contra-indicações gerais
Vagner Sá – Ft –PhD
vagner.fisioterapeuta@gmail.com
 “Tratamento ou avaliação usando uma das
várias modalidades, incluindo estímulo
elétrico, sonoro, métodos de aquecimento e
resfriamento, diatermia por ondas curtas /
micro-ondas e radiação eletromagnética
como infravermelho, LASER e ultravioleta”
(Robertson, 2009).
Prof. Vagner Sá – vagner.fisioterapeuta@gmail.com
Agentes Físicos - Tim Watson (PT-PhD)
Prof. Vagner Sá – vagner.fisioterapeuta@gmail.com
 2750 a.C: Egito
 130 a.C: Galeno
Cerca de
50-80Volts
200 Hz
Peixe Torpedo – Usado para
Analgesia
 43 a.C, Scribonius Largus, Médico do
imperador Romano Claudio, descreveu com
detalhes o uso do peixe elétrico para tratar
GOTA e dores de cabeça.
Prof. Vagner Sá – vagner.fisioterapeuta@gmail.com
 Luigi Galvani, 1781 - investigação do efeito da
eletricidade sobre a contração muscular.
Prof. Vagner Sá – vagner.fisioterapeuta@gmail.com
 Experimentos de "ressuscitação"(espetáculos
públicos) deAldini - sobrinho de Luigi Galvani
- em que corpos mortos se movimentavam
sob efeito dos impulsos elétricos.
Prof. Vagner Sá – vagner.fisioterapeuta@gmail.com
 Em 1797, tendo ele próprio recebido acidentalmente
uma descarga de peixe elétrico, Alexander von
Humboldt publicou os seus estudos sobre a
eletricidade animal.
 Concluiu que toda contração muscular é precedida
por uma
descarga dos nervos para os músculos.
Prof. Vagner Sá – vagner.fisioterapeuta@gmail.com
 A era das correntes farádicas na
eletromedicina.
Michael Faraday (1791 - 1867)
A bobina de indução inventada por Faraday
em 1831, permitindo a geração continuada
de corrente elétrica.
Prof. Vagner Sá – vagner.fisioterapeuta@gmail.com
Aparelho de eletroestimulação utilizado em 1849.
Prof. Vagner Sá – vagner.fisioterapeuta@gmail.com
Máquina de eletroestimulação - Guillaume
Duchenne du Boulogne "De l’electrisation
localisée", 1861.
Duchenne de Boulogne
aplicando faradização.
Prof. Vagner Sá – vagner.fisioterapeuta@gmail.com
 Cardioversão
 Paris, 1888.
"Um defunto galvanizado". Charge ironizando a pretensa ressuscitação por
meio de correntes galvânicas. Mais tarde, essa propriedade das correntes
elétricas seria uma realidade, quando se considera os métodos atuais de
cardioversão.
n n
p p
e- e-
-+
Prof. Vagner Sá – vagner.fisioterapeuta@gmail.com
Na+
Cl-
Na+
Na+
Cl-
Cl-
Prof. Vagner Sá – vagner.fisioterapeuta@gmail.com
 Um fluxo de elétrons entre os extremos de um
condutor, de forma ordenada, quando
submetidos a uma diferença de potencial.
BATERIA
-+
--
-
-
- -
-
-
Prof. Vagner Sá – vagner.fisioterapeuta@gmail.com
 Quanto mais água tem o tecido, melhor é a sua
propriedade de conduzir a corrente elétrica.
Pouco condutores Condutores médios Bons condutores
Osso Pele úmida Sangue
Gordura Tendões Linfa
Pele seca Fáscias grossas Líquidos corporais
Pêlos Cartilagens Músculos
Unhas -- Vísceras
-- -- Tecido nervoso
Prof. Vagner Sá – vagner.fisioterapeuta@gmail.com
 Retire o excesso de pelo local;
 Melhore o aporte sanguíneo anteriormente
utilizando modalidades como massoterapia ou
recursos da hipertermoterapia;
 Umedeça a pele;
 Faça passar pelo local outra corrente elétrica. A
mais usada é a Difásica Fixa (DF);
 Dê preferência para os eletroestimuladores com
média frequência (RUSSA ou INTERFERENCIAL).
Prof. Vagner Sá – vagner.fisioterapeuta@gmail.com
AçãoVasodilatadora
A corrente elétrica impede a secreção de
noradrenalina produzindo vasodilatação passiva. A
vasodilatação passiva é produzida pela histamina.
Prof. Vagner Sá – vagner.fisioterapeuta@gmail.com
Ação Ionizante
Predominante nas correntes unidirecionais que produzem
aumento da permeabilidade da membrana celular além do
fenômeno da eletrólise, em que os íons são atraídos pelo
pólo oposto da sua carga
Prof. Vagner Sá – vagner.fisioterapeuta@gmail.com
Efeito Excitomotor
resulta do músculo ser um tecido excitável, cuja
resposta ao estímulo elétrico é a contração.
Prof. Vagner Sá – vagner.fisioterapeuta@gmail.com
Efeito Analgésico
a teoria das comportas ou portão é o mecanismo
mais relevante, além da ativação/produção de
substâncias endógenas como as endorfinas.
Prof. Vagner Sá – vagner.fisioterapeuta@gmail.com
Efeito Cicatrizante
a corrente elétrica pode favorecer o reparo tecidual
estimulando diretamente as células a produzirem
mais ATP, aumento a síntese de proteínas,
revitalizando a área lesionada.
Prof. Vagner Sá – vagner.fisioterapeuta@gmail.com
 Koprivnica (Croácia) - O pequeno Ivan Stoiljkovic, de 6 anos,
atrai metais de todos os tipos, desde talheres a grandes
panelas de aço.
 A família de Ivan conta que o menino pode carregar até 25 kg
de metal presos ao corpo.
 Eles contam que Ivan conseguiu curar as dores de estômago
do avô e a perna de um vizinho que havia sofrido um
acidente de trator, tudo com as mãos.
 O menino é comparado ao persongem do X-Men, Magneto,
que tem o poder de movimentar objetos metálicos de
qualquer tamanho.
 Ainda não se tem informação sobre o parecer de médicos em
relação a Ivan.
Prof. Vagner Sá – vagner.fisioterapeuta@gmail.com
 Portal do jornal o dia: ciência e saude. 15/05/2011.
Prof. Vagner Sá – vagner.fisioterapeuta@gmail.com
Prof. Vagner Sá – vagner.fisioterapeuta@gmail.com
DIRETA
CONTÍNUA
UNIPOLAR
MONOFÁSICA
UNIDIRECIONAL
ALTERNADA
BIPOLARES
BIFÁSICAS
BIDIRECIONAL
Prof. Vagner Sá – vagner.fisioterapeuta@gmail.com
Prof. Vagner Sá – vagner.fisioterapeuta@gmail.com
Prof. Vagner Sá – vagner.fisioterapeuta@gmail.com
Prof. Vagner Sá – vagner.fisioterapeuta@gmail.com
FREQUENCIA DE 2.500 Hz.
FREQUENCIA DE REPETIÇÀO DE
100 Hz
FREQUENCIA DE 2.500.
FREQUENCIA DE REPETIÇÃO
DE 80 Hz
Prof. Vagner Sá – vagner.fisioterapeuta@gmail.com
ATÉ 1000 Hz
TENS FES FARÁDICA
GALVÂNICA DIADINÂMICAS MICROCORRENTE
Prof. Vagner Sá – vagner.fisioterapeuta@gmail.com
DE 1000 Hz a 100 KHz
RUSSA
2500 Hz
INTERFERENCIAL
2000-4000 Hz
“AUSSIE”
4000 Hz
Prof. Vagner Sá – vagner.fisioterapeuta@gmail.com
MAIORES QUE 300 KHZ
ONDAS CURTAS
27 MHz
MICROONDAS
2450 MHz
Prof. Vagner Sá – vagner.fisioterapeuta@gmail.com
Prof. Vagner Sá – vagner.fisioterapeuta@gmail.com
Prof. Vagner Sá – vagner.fisioterapeuta@gmail.com
(Tim Watson)
QUANTO MENOR OTAMANHO DO
ELETRODO, MAIOR SERÁ A RESISTÊNCIA DA
PELE À PASSAGEM DA CORRENTE ELÉTRICA E
VICE -VERSA.
QUANTO MENOR O TAMANHO DO
ELETRODO, MAIOR SERÁ A DENSIDADE DE
ENERGIA ELÉTRICA PASSANDO PELA ÁREA
DO ELETRODO.
Prof. Vagner Sá – vagner.fisioterapeuta@gmail.com
Prof. Vagner Sá – vagner.fisioterapeuta@gmail.com
 Controle de dores agudas e crônicas;
 Redução de edema;
 Redução de contraturas articulares;
 Inibição de espasmos musculares;
 Minimização de atrofia por desuso;
 Reeducação muscular;
 Consolidação de fraturas;
 Fortalecimento muscular;
 Cicatrização de lesões abertas e fechadas.
Prof. Vagner Sá – vagner.fisioterapeuta@gmail.com
Prof. Vagner Sá – vagner.fisioterapeuta@gmail.com
Prof. Vagner Sá – vagner.fisioterapeuta@gmail.com
 Incapacidades cardíacas graves;
 Marcapasso;
 Útero grávido;
 Implantes metálicos expostos;
 Seio carotídeo;
 Ao redor dos olhos;
 Obesidade mórbida.
Prof. Vagner Sá – vagner.fisioterapeuta@gmail.com
Prof. Vagner Sá – vagner.fisioterapeuta@gmail.com
Prof. Vagner Sá – vagner.fisioterapeuta@gmail.com
 Foulds, I.S et al. Human skin battery potentials and their
possible role in wound healing. Br J Dermatol.
Nov;109(5):515-22,1983.
 Wing,T. Modern low voltage microcurrent stimulation: A
comprehensive overview. Chiropratic Economics, 37;265-
71, 1989.
 Low, J; Reed, A. Eletroterapia explicada: princípios e
prática. 3.ed. São Paulo: Manole, 2001.
 Robertson,V. et al. Eletroterapia explicada: princípios e
prática. 4.ed. São Paulo: Elsevier, 2009.
 Starkey, C. Recursos terapêuticos em fisioterapia. São
Paulo: Manole, 2001.
 Borges, FS. Modalidades Terapêuticas nas disfunções
estéticas. São Paulo: Phorte Editora, 2006.
Prof. Vagner Sá – vagner.fisioterapeuta@gmail.com
 http://acupunturacontemporanea.blogspot.com/2007/12/imagens-da-
histria-da-eletroestimulao_10.html
 Low, J; Reed, A. Eletroterapia explicada: princípios e prática. 3.ed. São
Paulo: Manole, 2001.
 Robertson,V. et al. Eletroterapia explicada: princípios e prática. 4.ed.
São Paulo: Elsevier, 2009.
 Starkey, C. Recursos terapêuticos em fisioterapia. São Paulo: Manole,
2001.
 Borges, FS. ModalidadesTerapêuticas nas disfunções estéticas. São
Paulo: Phorte Editora, 2006.
 Foulds, I.S et al. Human skin battery potentials and their possible role in
wound healing. Br J Dermatol. Nov;109(5):515-22,1983.
 Wing,T. Modern low voltage microcurrent stimulation:A comprehensive
overview. Chiropratic Economics, 37;265-71, 1989.
Prof. Vagner Sá – vagner.fisioterapeuta@gmail.com
 Oliveira, A. S., Guaratini, M. I.e Castro, C. E. S.
Fundamentação para a iontoforese. Rev. bras.
fisioter.Vol. 9, No. 1 (2005), 1-7.
 Vianna, D. R.; Silva, B.V.; Hamerski, L.
Eletroporação e iontoforese para liberação de
fármacos através da pele. Rev.Virtual Quim., 2010,
2 (4), 271-279.
 WATSON T., 2000,The role of electrotherapy in
contemporary physiotherapy practice. Manual
Therapy, 5(3): 132 – 141.
Prof. Vagner Sá – vagner.fisioterapeuta@gmail.com
 CHEING G.L.Y., HUI-CHAN C.W.Y., 2003, Analgesic
effects of transcutaneous electrical nerve stimulation
and interferential currents on heat pain in healthy
subjects. J. Rehabil. Med., 35: 15 – 19.
 MINDER P.M., NOBLE J.G., ALVES-GUERREIRO J., HILL
I.D., LOWE A.S., WALSH D.M., BAXTER G.D., 2002,
Interferential therapy: lack of effect upon experimentally
induced delayed onset muscle soreness. Clin. Physiol.
& Func .Im., 22: 339 – 347.
Prof. Vagner Sá – vagner.fisioterapeuta@gmail.com

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Eletroterapia glaydes avila
Eletroterapia   glaydes avilaEletroterapia   glaydes avila
Eletroterapia glaydes avila
Dinha
 
Diatermia por Ondas Curtas e Microondas
Diatermia por Ondas Curtas e MicroondasDiatermia por Ondas Curtas e Microondas
Diatermia por Ondas Curtas e Microondas
FUAD HAZIME
 

Mais procurados (20)

Eletroterapia - Circuitos - agentes elétricos - capítulo 5 Aula 9
Eletroterapia - Circuitos - agentes elétricos - capítulo 5 Aula 9 Eletroterapia - Circuitos - agentes elétricos - capítulo 5 Aula 9
Eletroterapia - Circuitos - agentes elétricos - capítulo 5 Aula 9
 
Aula 07 Eletroestimulação FES e CR.ppt
Aula 07 Eletroestimulação FES e CR.pptAula 07 Eletroestimulação FES e CR.ppt
Aula 07 Eletroestimulação FES e CR.ppt
 
Eletroterapia - corrente aussie - capitulo 8 aula 18
Eletroterapia - corrente aussie - capitulo 8 aula 18Eletroterapia - corrente aussie - capitulo 8 aula 18
Eletroterapia - corrente aussie - capitulo 8 aula 18
 
Ultra Som
Ultra SomUltra Som
Ultra Som
 
Ultra som
Ultra somUltra som
Ultra som
 
Aula Eletroterapia
Aula EletroterapiaAula Eletroterapia
Aula Eletroterapia
 
Eletroterapia - circuitos - agentes elétricos - capítulo 5 Aula 8
Eletroterapia - circuitos - agentes elétricos - capítulo 5 Aula 8 Eletroterapia - circuitos - agentes elétricos - capítulo 5 Aula 8
Eletroterapia - circuitos - agentes elétricos - capítulo 5 Aula 8
 
Termoterapia
TermoterapiaTermoterapia
Termoterapia
 
Eletroterapia glaydes avila
Eletroterapia   glaydes avilaEletroterapia   glaydes avila
Eletroterapia glaydes avila
 
Diatermia por ondas-curtas e microondas
Diatermia por ondas-curtas e microondasDiatermia por ondas-curtas e microondas
Diatermia por ondas-curtas e microondas
 
Eletroterapia - FES - estimulação eletrica funcional - agentes elétricos - ca...
Eletroterapia - FES - estimulação eletrica funcional - agentes elétricos - ca...Eletroterapia - FES - estimulação eletrica funcional - agentes elétricos - ca...
Eletroterapia - FES - estimulação eletrica funcional - agentes elétricos - ca...
 
Infra Vermelho
Infra VermelhoInfra Vermelho
Infra Vermelho
 
Eletroterapia - estimulação nervosa transcutanea (TENS) - agentes elétricos -...
Eletroterapia - estimulação nervosa transcutanea (TENS) - agentes elétricos -...Eletroterapia - estimulação nervosa transcutanea (TENS) - agentes elétricos -...
Eletroterapia - estimulação nervosa transcutanea (TENS) - agentes elétricos -...
 
Laser Fisioterápico
Laser FisioterápicoLaser Fisioterápico
Laser Fisioterápico
 
Corrente russa
Corrente russaCorrente russa
Corrente russa
 
Eletroterapia - calor - agentes térmicos - capítulo 4 Aula 6
Eletroterapia - calor - agentes térmicos - capítulo 4 Aula 6 Eletroterapia - calor - agentes térmicos - capítulo 4 Aula 6
Eletroterapia - calor - agentes térmicos - capítulo 4 Aula 6
 
ondas curtas
ondas curtasondas curtas
ondas curtas
 
Aula de Corrente Russa.pptx
Aula de Corrente Russa.pptxAula de Corrente Russa.pptx
Aula de Corrente Russa.pptx
 
Corrente farádica (2) Fatec Bauru-SP ALEX, CHRISTIANE, MÁRCIA
Corrente farádica (2) Fatec Bauru-SP  ALEX, CHRISTIANE, MÁRCIACorrente farádica (2) Fatec Bauru-SP  ALEX, CHRISTIANE, MÁRCIA
Corrente farádica (2) Fatec Bauru-SP ALEX, CHRISTIANE, MÁRCIA
 
Diatermia por Ondas Curtas e Microondas
Diatermia por Ondas Curtas e MicroondasDiatermia por Ondas Curtas e Microondas
Diatermia por Ondas Curtas e Microondas
 

Destaque

Eletroterapia resumão
Eletroterapia resumãoEletroterapia resumão
Eletroterapia resumão
Morgana Vieira
 

Destaque (20)

Fototerapia
FototerapiaFototerapia
Fototerapia
 
Slides disfuncoes musculoesqueleticas
Slides disfuncoes musculoesqueleticasSlides disfuncoes musculoesqueleticas
Slides disfuncoes musculoesqueleticas
 
Termoeletroterapia Aplicada
Termoeletroterapia AplicadaTermoeletroterapia Aplicada
Termoeletroterapia Aplicada
 
Ombro, Cotovelo, Punho e Mão
Ombro, Cotovelo, Punho e MãoOmbro, Cotovelo, Punho e Mão
Ombro, Cotovelo, Punho e Mão
 
Biomecanica da marcha
Biomecanica da marchaBiomecanica da marcha
Biomecanica da marcha
 
Aula 1 unidade i fundamentos de cinesiologia
Aula 1 unidade i fundamentos de cinesiologiaAula 1 unidade i fundamentos de cinesiologia
Aula 1 unidade i fundamentos de cinesiologia
 
Cinesioterapia
CinesioterapiaCinesioterapia
Cinesioterapia
 
Tornozelo pe2
Tornozelo pe2Tornozelo pe2
Tornozelo pe2
 
Eletroterapia resumão
Eletroterapia resumãoEletroterapia resumão
Eletroterapia resumão
 
Pelve, quadril e joelho
Pelve, quadril e joelhoPelve, quadril e joelho
Pelve, quadril e joelho
 
Aula Coluna Cinesiologia
Aula Coluna CinesiologiaAula Coluna Cinesiologia
Aula Coluna Cinesiologia
 
DiagnóStico Por Imagem Prof Vagner Sá
DiagnóStico Por Imagem   Prof  Vagner SáDiagnóStico Por Imagem   Prof  Vagner Sá
DiagnóStico Por Imagem Prof Vagner Sá
 
Fisioterapia Em Traumatofuncional
Fisioterapia Em TraumatofuncionalFisioterapia Em Traumatofuncional
Fisioterapia Em Traumatofuncional
 
Variação da temperatura superficial da pele utilizando tres recursos da criot...
Variação da temperatura superficial da pele utilizando tres recursos da criot...Variação da temperatura superficial da pele utilizando tres recursos da criot...
Variação da temperatura superficial da pele utilizando tres recursos da criot...
 
Fisiologia Cardiovascular Prof Vagner Sá
Fisiologia Cardiovascular   Prof  Vagner SáFisiologia Cardiovascular   Prof  Vagner Sá
Fisiologia Cardiovascular Prof Vagner Sá
 
A Fisiologia Do Sistema RespiratóRio
A Fisiologia Do Sistema RespiratóRioA Fisiologia Do Sistema RespiratóRio
A Fisiologia Do Sistema RespiratóRio
 
Influência de um programa de treinamento físico específico no equilíbrio e co...
Influência de um programa de treinamento físico específico no equilíbrio e co...Influência de um programa de treinamento físico específico no equilíbrio e co...
Influência de um programa de treinamento físico específico no equilíbrio e co...
 
Avaliação da temperatura superfi cial da pele na aplicação da radiação infrav...
Avaliação da temperatura superfi cial da pele na aplicação da radiação infrav...Avaliação da temperatura superfi cial da pele na aplicação da radiação infrav...
Avaliação da temperatura superfi cial da pele na aplicação da radiação infrav...
 
Fisiologia Renal Prof Vagner Sá Ucb
Fisiologia Renal   Prof  Vagner Sá UcbFisiologia Renal   Prof  Vagner Sá Ucb
Fisiologia Renal Prof Vagner Sá Ucb
 
Cintura Escapular
Cintura EscapularCintura Escapular
Cintura Escapular
 

Semelhante a Bases da Eletroterapia

Eletroterapia 100313134700-phpapp01
Eletroterapia 100313134700-phpapp01Eletroterapia 100313134700-phpapp01
Eletroterapia 100313134700-phpapp01
Jackeline Guimaraes
 
Circuitos elétricos
Circuitos elétricosCircuitos elétricos
Circuitos elétricos
fisicaatual
 
Monografia ieee tle(versão final)
Monografia ieee tle(versão final)Monografia ieee tle(versão final)
Monografia ieee tle(versão final)
TLEAVEIRO
 
Eletroterapia efeitos eletrodos
Eletroterapia efeitos eletrodosEletroterapia efeitos eletrodos
Eletroterapia efeitos eletrodos
Jaqueline da Silva
 
A radiestesia como uma ciência aplicada a geobiologia
A radiestesia como uma ciência aplicada a geobiologiaA radiestesia como uma ciência aplicada a geobiologia
A radiestesia como uma ciência aplicada a geobiologia
geraldo016
 
Atividade 7.3 (1) graziela proinfo
Atividade 7.3 (1) graziela proinfoAtividade 7.3 (1) graziela proinfo
Atividade 7.3 (1) graziela proinfo
Graziela Mellote
 
Circuitos elétricos
Circuitos elétricosCircuitos elétricos
Circuitos elétricos
fisicaatual
 

Semelhante a Bases da Eletroterapia (20)

Eletroterapia 100313134700-phpapp01
Eletroterapia 100313134700-phpapp01Eletroterapia 100313134700-phpapp01
Eletroterapia 100313134700-phpapp01
 
Microcorrente
MicrocorrenteMicrocorrente
Microcorrente
 
Conceitos básicos em eletroterapia.pdf
Conceitos básicos em eletroterapia.pdfConceitos básicos em eletroterapia.pdf
Conceitos básicos em eletroterapia.pdf
 
Agua fluida e passes
Agua fluida e passesAgua fluida e passes
Agua fluida e passes
 
Circuitos elétricos
Circuitos elétricosCircuitos elétricos
Circuitos elétricos
 
Eletrecidade
EletrecidadeEletrecidade
Eletrecidade
 
Monografia ieee tle(versão final)
Monografia ieee tle(versão final)Monografia ieee tle(versão final)
Monografia ieee tle(versão final)
 
Eletroterapia efeitos eletrodos
Eletroterapia efeitos eletrodosEletroterapia efeitos eletrodos
Eletroterapia efeitos eletrodos
 
A radiestesia como uma ciência aplicada a geobiologia
A radiestesia como uma ciência aplicada a geobiologiaA radiestesia como uma ciência aplicada a geobiologia
A radiestesia como uma ciência aplicada a geobiologia
 
Biologia Quântica
Biologia QuânticaBiologia Quântica
Biologia Quântica
 
Atividade 7.3 graziela
Atividade 7.3 grazielaAtividade 7.3 graziela
Atividade 7.3 graziela
 
Atividade 7.3 (1) graziela proinfo
Atividade 7.3 (1) graziela proinfoAtividade 7.3 (1) graziela proinfo
Atividade 7.3 (1) graziela proinfo
 
Riscos elétricos
Riscos elétricosRiscos elétricos
Riscos elétricos
 
onda
ondaonda
onda
 
Circuitos elétricos
Circuitos elétricosCircuitos elétricos
Circuitos elétricos
 
Mine apostila eletro
Mine apostila eletroMine apostila eletro
Mine apostila eletro
 
Eletrotermofototerapia em Idosos.pdf
Eletrotermofototerapia em Idosos.pdfEletrotermofototerapia em Idosos.pdf
Eletrotermofototerapia em Idosos.pdf
 
1-+Eletro+conceitos+básicos (1).pdf
1-+Eletro+conceitos+básicos (1).pdf1-+Eletro+conceitos+básicos (1).pdf
1-+Eletro+conceitos+básicos (1).pdf
 
Eletoestatica
EletoestaticaEletoestatica
Eletoestatica
 
Radiação Eletromagnetica
Radiação EletromagneticaRadiação Eletromagnetica
Radiação Eletromagnetica
 

Último

ATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdf
ATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdfATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdf
ATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdf
WendelldaLuz
 
Não podemos esquecer que outros critérios são necessários para se fazer o dia...
Não podemos esquecer que outros critérios são necessários para se fazer o dia...Não podemos esquecer que outros critérios são necessários para se fazer o dia...
Não podemos esquecer que outros critérios são necessários para se fazer o dia...
TaniaN8
 

Último (10)

Slides-trabalho-biossegurança em hospitais.pptx
Slides-trabalho-biossegurança em hospitais.pptxSlides-trabalho-biossegurança em hospitais.pptx
Slides-trabalho-biossegurança em hospitais.pptx
 
Farmacologia do Sistema Nervoso Autonomo
Farmacologia do Sistema Nervoso AutonomoFarmacologia do Sistema Nervoso Autonomo
Farmacologia do Sistema Nervoso Autonomo
 
ATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdf
ATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdfATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdf
ATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdf
 
aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...
aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...
aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...
 
Escala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismo
Escala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismoEscala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismo
Escala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismo
 
AULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptx
AULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptxAULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptx
AULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptx
 
Não podemos esquecer que outros critérios são necessários para se fazer o dia...
Não podemos esquecer que outros critérios são necessários para se fazer o dia...Não podemos esquecer que outros critérios são necessários para se fazer o dia...
Não podemos esquecer que outros critérios são necessários para se fazer o dia...
 
Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...
Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...
Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...
 
Protocolo Zero Rugas - formato digital01
Protocolo Zero Rugas - formato digital01Protocolo Zero Rugas - formato digital01
Protocolo Zero Rugas - formato digital01
 
anemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptx
anemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptxanemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptx
anemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptx
 

Bases da Eletroterapia

  • 1. História Bases Biofísicas Indicações e contra-indicações gerais Vagner Sá – Ft –PhD vagner.fisioterapeuta@gmail.com
  • 2.  “Tratamento ou avaliação usando uma das várias modalidades, incluindo estímulo elétrico, sonoro, métodos de aquecimento e resfriamento, diatermia por ondas curtas / micro-ondas e radiação eletromagnética como infravermelho, LASER e ultravioleta” (Robertson, 2009). Prof. Vagner Sá – vagner.fisioterapeuta@gmail.com
  • 3. Agentes Físicos - Tim Watson (PT-PhD)
  • 4. Prof. Vagner Sá – vagner.fisioterapeuta@gmail.com  2750 a.C: Egito  130 a.C: Galeno Cerca de 50-80Volts 200 Hz Peixe Torpedo – Usado para Analgesia
  • 5.  43 a.C, Scribonius Largus, Médico do imperador Romano Claudio, descreveu com detalhes o uso do peixe elétrico para tratar GOTA e dores de cabeça. Prof. Vagner Sá – vagner.fisioterapeuta@gmail.com
  • 6.  Luigi Galvani, 1781 - investigação do efeito da eletricidade sobre a contração muscular. Prof. Vagner Sá – vagner.fisioterapeuta@gmail.com
  • 7.  Experimentos de "ressuscitação"(espetáculos públicos) deAldini - sobrinho de Luigi Galvani - em que corpos mortos se movimentavam sob efeito dos impulsos elétricos. Prof. Vagner Sá – vagner.fisioterapeuta@gmail.com
  • 8.  Em 1797, tendo ele próprio recebido acidentalmente uma descarga de peixe elétrico, Alexander von Humboldt publicou os seus estudos sobre a eletricidade animal.  Concluiu que toda contração muscular é precedida por uma descarga dos nervos para os músculos.
  • 9. Prof. Vagner Sá – vagner.fisioterapeuta@gmail.com  A era das correntes farádicas na eletromedicina. Michael Faraday (1791 - 1867) A bobina de indução inventada por Faraday em 1831, permitindo a geração continuada de corrente elétrica.
  • 10. Prof. Vagner Sá – vagner.fisioterapeuta@gmail.com Aparelho de eletroestimulação utilizado em 1849.
  • 11. Prof. Vagner Sá – vagner.fisioterapeuta@gmail.com Máquina de eletroestimulação - Guillaume Duchenne du Boulogne "De l’electrisation localisée", 1861. Duchenne de Boulogne aplicando faradização.
  • 12. Prof. Vagner Sá – vagner.fisioterapeuta@gmail.com  Cardioversão  Paris, 1888. "Um defunto galvanizado". Charge ironizando a pretensa ressuscitação por meio de correntes galvânicas. Mais tarde, essa propriedade das correntes elétricas seria uma realidade, quando se considera os métodos atuais de cardioversão.
  • 13. n n p p e- e- -+ Prof. Vagner Sá – vagner.fisioterapeuta@gmail.com
  • 14. Na+ Cl- Na+ Na+ Cl- Cl- Prof. Vagner Sá – vagner.fisioterapeuta@gmail.com
  • 15.  Um fluxo de elétrons entre os extremos de um condutor, de forma ordenada, quando submetidos a uma diferença de potencial. BATERIA -+ -- - - - - - - Prof. Vagner Sá – vagner.fisioterapeuta@gmail.com
  • 16.  Quanto mais água tem o tecido, melhor é a sua propriedade de conduzir a corrente elétrica. Pouco condutores Condutores médios Bons condutores Osso Pele úmida Sangue Gordura Tendões Linfa Pele seca Fáscias grossas Líquidos corporais Pêlos Cartilagens Músculos Unhas -- Vísceras -- -- Tecido nervoso Prof. Vagner Sá – vagner.fisioterapeuta@gmail.com
  • 17.  Retire o excesso de pelo local;  Melhore o aporte sanguíneo anteriormente utilizando modalidades como massoterapia ou recursos da hipertermoterapia;  Umedeça a pele;  Faça passar pelo local outra corrente elétrica. A mais usada é a Difásica Fixa (DF);  Dê preferência para os eletroestimuladores com média frequência (RUSSA ou INTERFERENCIAL). Prof. Vagner Sá – vagner.fisioterapeuta@gmail.com
  • 18. AçãoVasodilatadora A corrente elétrica impede a secreção de noradrenalina produzindo vasodilatação passiva. A vasodilatação passiva é produzida pela histamina. Prof. Vagner Sá – vagner.fisioterapeuta@gmail.com
  • 19. Ação Ionizante Predominante nas correntes unidirecionais que produzem aumento da permeabilidade da membrana celular além do fenômeno da eletrólise, em que os íons são atraídos pelo pólo oposto da sua carga Prof. Vagner Sá – vagner.fisioterapeuta@gmail.com
  • 20. Efeito Excitomotor resulta do músculo ser um tecido excitável, cuja resposta ao estímulo elétrico é a contração. Prof. Vagner Sá – vagner.fisioterapeuta@gmail.com
  • 21. Efeito Analgésico a teoria das comportas ou portão é o mecanismo mais relevante, além da ativação/produção de substâncias endógenas como as endorfinas. Prof. Vagner Sá – vagner.fisioterapeuta@gmail.com
  • 22. Efeito Cicatrizante a corrente elétrica pode favorecer o reparo tecidual estimulando diretamente as células a produzirem mais ATP, aumento a síntese de proteínas, revitalizando a área lesionada. Prof. Vagner Sá – vagner.fisioterapeuta@gmail.com
  • 23.  Koprivnica (Croácia) - O pequeno Ivan Stoiljkovic, de 6 anos, atrai metais de todos os tipos, desde talheres a grandes panelas de aço.  A família de Ivan conta que o menino pode carregar até 25 kg de metal presos ao corpo.  Eles contam que Ivan conseguiu curar as dores de estômago do avô e a perna de um vizinho que havia sofrido um acidente de trator, tudo com as mãos.  O menino é comparado ao persongem do X-Men, Magneto, que tem o poder de movimentar objetos metálicos de qualquer tamanho.  Ainda não se tem informação sobre o parecer de médicos em relação a Ivan. Prof. Vagner Sá – vagner.fisioterapeuta@gmail.com
  • 24.  Portal do jornal o dia: ciência e saude. 15/05/2011. Prof. Vagner Sá – vagner.fisioterapeuta@gmail.com
  • 25. Prof. Vagner Sá – vagner.fisioterapeuta@gmail.com
  • 27. Prof. Vagner Sá – vagner.fisioterapeuta@gmail.com
  • 28. Prof. Vagner Sá – vagner.fisioterapeuta@gmail.com
  • 29. Prof. Vagner Sá – vagner.fisioterapeuta@gmail.com
  • 30. FREQUENCIA DE 2.500 Hz. FREQUENCIA DE REPETIÇÀO DE 100 Hz FREQUENCIA DE 2.500. FREQUENCIA DE REPETIÇÃO DE 80 Hz Prof. Vagner Sá – vagner.fisioterapeuta@gmail.com
  • 31. ATÉ 1000 Hz TENS FES FARÁDICA GALVÂNICA DIADINÂMICAS MICROCORRENTE Prof. Vagner Sá – vagner.fisioterapeuta@gmail.com
  • 32. DE 1000 Hz a 100 KHz RUSSA 2500 Hz INTERFERENCIAL 2000-4000 Hz “AUSSIE” 4000 Hz Prof. Vagner Sá – vagner.fisioterapeuta@gmail.com
  • 33. MAIORES QUE 300 KHZ ONDAS CURTAS 27 MHz MICROONDAS 2450 MHz Prof. Vagner Sá – vagner.fisioterapeuta@gmail.com
  • 34. Prof. Vagner Sá – vagner.fisioterapeuta@gmail.com
  • 35. Prof. Vagner Sá – vagner.fisioterapeuta@gmail.com (Tim Watson)
  • 36. QUANTO MENOR OTAMANHO DO ELETRODO, MAIOR SERÁ A RESISTÊNCIA DA PELE À PASSAGEM DA CORRENTE ELÉTRICA E VICE -VERSA. QUANTO MENOR O TAMANHO DO ELETRODO, MAIOR SERÁ A DENSIDADE DE ENERGIA ELÉTRICA PASSANDO PELA ÁREA DO ELETRODO. Prof. Vagner Sá – vagner.fisioterapeuta@gmail.com
  • 37. Prof. Vagner Sá – vagner.fisioterapeuta@gmail.com
  • 38.  Controle de dores agudas e crônicas;  Redução de edema;  Redução de contraturas articulares;  Inibição de espasmos musculares;  Minimização de atrofia por desuso;  Reeducação muscular;  Consolidação de fraturas;  Fortalecimento muscular;  Cicatrização de lesões abertas e fechadas. Prof. Vagner Sá – vagner.fisioterapeuta@gmail.com
  • 39. Prof. Vagner Sá – vagner.fisioterapeuta@gmail.com
  • 40. Prof. Vagner Sá – vagner.fisioterapeuta@gmail.com
  • 41.  Incapacidades cardíacas graves;  Marcapasso;  Útero grávido;  Implantes metálicos expostos;  Seio carotídeo;  Ao redor dos olhos;  Obesidade mórbida. Prof. Vagner Sá – vagner.fisioterapeuta@gmail.com
  • 42. Prof. Vagner Sá – vagner.fisioterapeuta@gmail.com
  • 43. Prof. Vagner Sá – vagner.fisioterapeuta@gmail.com
  • 44.  Foulds, I.S et al. Human skin battery potentials and their possible role in wound healing. Br J Dermatol. Nov;109(5):515-22,1983.  Wing,T. Modern low voltage microcurrent stimulation: A comprehensive overview. Chiropratic Economics, 37;265- 71, 1989.  Low, J; Reed, A. Eletroterapia explicada: princípios e prática. 3.ed. São Paulo: Manole, 2001.  Robertson,V. et al. Eletroterapia explicada: princípios e prática. 4.ed. São Paulo: Elsevier, 2009.  Starkey, C. Recursos terapêuticos em fisioterapia. São Paulo: Manole, 2001.  Borges, FS. Modalidades Terapêuticas nas disfunções estéticas. São Paulo: Phorte Editora, 2006. Prof. Vagner Sá – vagner.fisioterapeuta@gmail.com
  • 45.  http://acupunturacontemporanea.blogspot.com/2007/12/imagens-da- histria-da-eletroestimulao_10.html  Low, J; Reed, A. Eletroterapia explicada: princípios e prática. 3.ed. São Paulo: Manole, 2001.  Robertson,V. et al. Eletroterapia explicada: princípios e prática. 4.ed. São Paulo: Elsevier, 2009.  Starkey, C. Recursos terapêuticos em fisioterapia. São Paulo: Manole, 2001.  Borges, FS. ModalidadesTerapêuticas nas disfunções estéticas. São Paulo: Phorte Editora, 2006.  Foulds, I.S et al. Human skin battery potentials and their possible role in wound healing. Br J Dermatol. Nov;109(5):515-22,1983.  Wing,T. Modern low voltage microcurrent stimulation:A comprehensive overview. Chiropratic Economics, 37;265-71, 1989. Prof. Vagner Sá – vagner.fisioterapeuta@gmail.com
  • 46.  Oliveira, A. S., Guaratini, M. I.e Castro, C. E. S. Fundamentação para a iontoforese. Rev. bras. fisioter.Vol. 9, No. 1 (2005), 1-7.  Vianna, D. R.; Silva, B.V.; Hamerski, L. Eletroporação e iontoforese para liberação de fármacos através da pele. Rev.Virtual Quim., 2010, 2 (4), 271-279.  WATSON T., 2000,The role of electrotherapy in contemporary physiotherapy practice. Manual Therapy, 5(3): 132 – 141. Prof. Vagner Sá – vagner.fisioterapeuta@gmail.com
  • 47.  CHEING G.L.Y., HUI-CHAN C.W.Y., 2003, Analgesic effects of transcutaneous electrical nerve stimulation and interferential currents on heat pain in healthy subjects. J. Rehabil. Med., 35: 15 – 19.  MINDER P.M., NOBLE J.G., ALVES-GUERREIRO J., HILL I.D., LOWE A.S., WALSH D.M., BAXTER G.D., 2002, Interferential therapy: lack of effect upon experimentally induced delayed onset muscle soreness. Clin. Physiol. & Func .Im., 22: 339 – 347. Prof. Vagner Sá – vagner.fisioterapeuta@gmail.com