SlideShare uma empresa Scribd logo
Eletroterapia
Professor: Cleanto Santos Vieira
Esp: Ortopedia e traumato. – U.N.I.T.R.I. – Uberlândia – 1998
Esp: Ortopedia e traumato. – U.S.P. - Rib. Preto – 1999/2000
Mestrando: Ciências da saúde – UFU - 2011
Eletroterapia
• Pequeno Histórico:
• 5000 a.c. -> Bagre do nilo
• 3150 a.c. -> 1ª Dinastia –
Faraó Narner (catfish ou
bagre)
• 300 a.c. -> Aristóteles (torpor
= torpedo)
Eletroterapia
• 1672 d.c. -> Otto von Guericke,
físico alemão (1º gerador
eletrostático)
• 1791 d.c. -> Luigi Galvani, médico
e filósofo italiano (corrente
Galvânica)
• 1816 d.c. -> Louis Berlioz, médico
francês (correntes contínuas) em
agulhas de acupuntura para
tratar a dor
Eletroterapia
• “O pai da eletroterapia”
• 1833 d.c -> Guillaume Duchenne,
neurologista francês (estudos
com eletroterapia)
• Em 1855 d.c. -> Guillaume
Duchenne, anunciou que a A/C
era superior à C/C para a eletro-
terapêutica de contrações
musculares.
• O que ele chamou de "efeito de
aquecimento" da corrente direta
irritava a pele.
Eletroterapia
1º Capítulo - Processo de
resposta à lesão
Nenhum recurso terapêutico acelera a
cura de uma lesão;
Existe um ritmo natural
do corpo humano para a
ocorrência da cura.
Energia térmica
Elétrica
Mecânica
Eletroterapia
• Tensões aplicadas à
célula
• Estresse = qualquer
força física, química ou
emocional aplicada
sobre um corpo e suas
células
• Resultados = Benéficos
ou maléficos
Eletroterapia
• Ela se adapta a
tensão,
• Ela sofre dano, mas
se recupera,
• Ela morre.
Quando uma célula é submetida
à tensão, pode reagir de três
formas:
Eletroterapia
• Séc. XX, Hans Selye -> pacientes
hospitalizados, independente
de suas patologias, apresentam
sintomas comuns.
• Desconfortos
• Dores difusas nas articulações
• Perda de força muscular
• Perda de apetite
• Elevação da temperatura
corporal
• Ressaltou três estágios de
resposta à tensão
Síndrome da Adaptação Geral
Eletroterapia
• Estágio 1 , alarme:
• Reação inicial do corpo a um desequilíbrio orgânico;
• Recrutamento de recursos para impedir os efeitos do agente estressor;
• Sistemas de defesa são colocados em prontidão;
• ↑ da frequência cardíaca, volume cardíaco e força de contração do
miocárdio;
• ↑ das quantidades de suprimento sanguíneo para as áreas necessitadas;
• ↓ do fornecimento sanguíneo para áreas não necessitadas, por
vasoconstrição de artérias superficiais e abdominais;
• Liberação do hormônio cortisol na corrente sanguínea (estimula respostas
instintivas);
• As proteínas são decompostas em aminoácidos, visando longos períodos
de jejum (fonte de energia no caso de lesões);
Eletroterapia
• Estágio 2, resistência:
• O corpo continua seu processo de adaptação ao agente estressor,
utilizando seus recursos na tentativa de manter sua integridade e
equilíbrio;
• É a fase mais longa da S.A.G, dura vários dias, meses ou até anos;
• O indivíduo atinge uma resistência fisiológica (ou condicionamento
físico)
Eletroterapia
• Estágio 3, exaustão:
• Geralmente um dos sistemas, não aguentam mais a tensão, e por
consequência, entram em colapso;
• Podem ocorrer lesões traumáticas;
• Lesões por uso excessivo;
• Em casos mais graves, insuficiência cardíaca;
• Ponto de sofrimento;
• Produz efeitos negativos.
Eletroterapia
• A S.A.G. e sua relação com o trauma.
• Tensões prejudiciais se manifestam como:
- Lesões agudas (distenção, entorses, fraturas, etc...), resultado de forças
súbitas durante um curto período de tempo (macrotrauma);
- Forças repetitivas e de intensidade mais baixa como fraturas de tensão
(estresse) ou condições inflamatórias crônicas (microtrauma).
- São exemplos de tensão prejudicial, as quais os profissionais das áreas da
saúde investem a maior parte de seu tempo, prevenindo, tratando e
reabilitando.
Eletroterapia
• Lei de Wolf:
• Os ossos são remodelados e se adaptam às forças sobre eles aplicadas;
• A atividade dos osteoblastos e osteoclastos muda em razão da tensão
funcional;
• O tecido ósseo é removido dos locais de pouca ou nenhuma tensão e um
novo tecido surge ao longo desses locais submetidos a nova tensão
Exemplo de tensão física repetida:
Um indivíduo que pratica o jogging (corrida), aumenta a
atividade dos osteoblastos ao longo das linhas de tensão,
resultando em novas áreas de resistência estrutural e
aumento da densidade óssea.
Se essa tensão for aplicada muito rapidamente, a atividade
osteoclástica superará a atividade osteoblástica -> Fratura
de estresse
Eletroterapia
• Exemplo de “ausência” de
tensão:
Um osso fêmur imobilizado por 20 dias
pode perder até 30% de seus depósitos
de sais minerais, tornando-se poroso e
frágil
Eletroterapia
• Tipos de tecidos
existentes no corpo:
• 1 Epitelial, 2 Adiposo, 3 Muscular
• 4 Nervoso, 5 Conjuntivo.
Eletroterapia
Tipo Localização Capacidade de
regeneração
Células Lábeis Pele, trato intestinal,
sangue
Boa
Células estáveis Osso Parcial
Células permanentes Sistema nervoso periférico Parcial
Sistema nervoso central Nenhuma
TABELA – Tipos de Células do Organismo
Eletroterapia
• Tecidos epiteliais:
• Revestem a pele (epitélio
escamoso estratificado);
• O coração e vasos
sanguíneos (epitélio
escamoso simples);
• Órgãos ocos, glândulas,
aberturas externas e outros
órgãos (epitélio de
transição);
Eletroterapia
• O estrato córneo (camada mais externa
da pele) é composto por uma densa
camada de células mortas densamente
dispostas e são preenchidas com
queratina (proteína fibrosa seca);
• Serve de proteção impedindo a entrada
de muitas substâncias externas
(microorganismos), e ajuda a manter os
fluídos dentro do corpo;
• Muitos recursos terapêuticos utilizados,
devem atravessar a camada córnea e o
resto da epiderme para atingir os tecidos
alvo.
Eletroterapia
• Tecido adiposo:
• Localizado imediatamente abaixo
da epiderme (contém células
gordurosas);
• E algumas áreas (calcanhar e
palma da mão), protege as
estruturas subjacentes de golpes
fortes;
• Presença de grande quantidade de
água (meio ideal para a
propagação da onda ultra-sônica);
• Isolante contra o frio;
• Em indivíduos obesos a eficácia
dos agentes térmicos é reduzida.
Eletroterapia
• Tecido
conjuntivo:
• Ou “células de sustentação”,
é o tecido mais abundante no
corpo, serve de “cimento”
que sustenta e conecta
outros tipos de tecido;
• Fornece resistência, apoio,
nutrição e defesa para os
outros tecidos
Eletroterapia
Tipos de tecido Função
Fibroblastos Secretar componentes da matriz
extracelular
Condrócitos Produzir componentes da matriz
extracelular na cartilagem
Miofibroblastos Produzir componentes da matriz
extracelular com propriedades contráteis
Adipócitos Armazenar lipídios
Tipos de tecido conjuntivo e suas funções:
Eletroterapia
• Colágeno:
• Encontrado em grande
quantidade nas fáscias,
tendões, ligamentos,
cartilagens, músculos e ossos;
• O corpo possui 11 tipos, todos
eles se localizam em áreas
muito vascularizadas
(excetuando o menisco)
Tipo Localização
I Pele, fáscia, tendões, ligamentos, ossos,
cartilagem fibrosa
II Cartilagem hialina, cartilagem elástica,
discos vertebrais
III Músculos lisos, nervos, medula óssea,
vasos sanguíneos
IV Membranas basais
V Músculo liso, músculo esquelético
VI Encontrado na maioria, se não em todas as
estruturas do corpo
VII Membranas basais da pele
VIII Endotélio
IX Cartilagem
X Cartilagem em mineralização
XI Cartilagem
Eletroterapia
• Tecidos
musculares:
• Capacidade de encurtamento
ativo e alongamento passivo
(Contração e relaxamento);
• Tipos
- Músculo estriado esquelético
- Músculo estriado cardíaco
- Músculo liso
Eletroterapia
• Musculatura lisa ->
não está sob controle voluntário,
está associada aos órgãos ocos do
organismo.
• Musculatura
cardíaca -> é responsável
pelo bombeamento de sangue;
• Controle involuntário.
Eletroterapia
• Tipos de fibras
musculares:
• Tipo 1 -> (contração
lenta)
• Baixa intensidade;
• Energia aeróbica;
• Contrações mantidas por
longos períodos de tempo;
• Predominantes nos músculos
posturais.
Eletroterapia
• Tipo II -> (contração rápida)
• Alta intensidade;
• Energia anaeróbica (ciclo
fosfagênio);
• Curta duração (até 10s);
• Predominantes nas contrações
explosivas;
Subdivididas em:
II-B -> anaeróbicas
II-A -> tem características dos tipos I e II
Eletroterapia
• Referências bibliográficas aula I
• MARCUCCI, Fernando C. I. Histórico da Eletroterapia e
Eletroacupuntura. O Fisioterapeuta [site]. Disponível em:
http://ofisioterapeuta.blogspot.com/
• Starkey C. Agentes elétricos. In: Starkey C. Recursos
terapêuticos em fisioterapia. 2ª ed. São Paulo: Manole; 2001.
• Low J, Reed A. Electrical stimulation of nerve and muscle. In:
Electrotherapy explained: principles and practice. 3ª ed.
Oxford: Butterworth-Heinemann; 2000.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mine apostila eletro
Mine apostila eletroMine apostila eletro
Mine apostila eletro
Jaqueline da Silva
 
Corrente interferencial
Corrente interferencial Corrente interferencial
Corrente interferencial
FUAD HAZIME
 
Corrente russa
Corrente russaCorrente russa
Corrente russa
Caroline Lima
 
Eletroterapia glaydes avila
Eletroterapia   glaydes avilaEletroterapia   glaydes avila
Eletroterapia glaydes avila
Dinha
 
Eletroanalgesia - TENS
Eletroanalgesia - TENSEletroanalgesia - TENS
Estimulação elétrica nervosa transcutânea (TENS)
Estimulação elétrica nervosa transcutânea (TENS)Estimulação elétrica nervosa transcutânea (TENS)
Estimulação elétrica nervosa transcutânea (TENS)
FUAD HAZIME
 
Aula de ultra som 2014.1
Aula de ultra som 2014.1Aula de ultra som 2014.1
Aula de ultra som 2014.1
Regina de Oliveira
 
Ultra Som
Ultra SomUltra Som
laser
laserlaser
Eletroterapia Resumo
Eletroterapia ResumoEletroterapia Resumo
Eletroterapia Resumo
Danillo Aguiar
 
Laserterapia
LaserterapiaLaserterapia
Ultrassom
UltrassomUltrassom
Ultrassom
Isabel Amarante
 
Bases da Eletroterapia
Bases da EletroterapiaBases da Eletroterapia
Aula 07 Eletroestimulação FES e CR.ppt
Aula 07 Eletroestimulação FES e CR.pptAula 07 Eletroestimulação FES e CR.ppt
Aula 07 Eletroestimulação FES e CR.ppt
SuzyOliveira20
 
Recursos fisioterapeuticos na dermato funcional
Recursos fisioterapeuticos na dermato funcionalRecursos fisioterapeuticos na dermato funcional
Recursos fisioterapeuticos na dermato funcional
Nathanael Amparo
 
slide - eletroterapia - prof Roosivelt.pdf
slide - eletroterapia - prof Roosivelt.pdfslide - eletroterapia - prof Roosivelt.pdf
slide - eletroterapia - prof Roosivelt.pdf
Roosivelt Honorato
 
Aula de introdução ao Uso de LASER ,LUZ e elementos físicos da ABL
Aula de introdução ao Uso de LASER ,LUZ e elementos físicos da ABLAula de introdução ao Uso de LASER ,LUZ e elementos físicos da ABL
Aula de introdução ao Uso de LASER ,LUZ e elementos físicos da ABL
Jauru Freitas
 
1 terapia combinada ultrassom de alta potência associado a novas correntes ...
1   terapia combinada ultrassom de alta potência associado a novas correntes ...1   terapia combinada ultrassom de alta potência associado a novas correntes ...
1 terapia combinada ultrassom de alta potência associado a novas correntes ...
HTM ELETRÔNICA
 
ultrasom
ultrasomultrasom
ultrasom
Nay Ribeiro
 
Radiofrequência
RadiofrequênciaRadiofrequência

Mais procurados (20)

Mine apostila eletro
Mine apostila eletroMine apostila eletro
Mine apostila eletro
 
Corrente interferencial
Corrente interferencial Corrente interferencial
Corrente interferencial
 
Corrente russa
Corrente russaCorrente russa
Corrente russa
 
Eletroterapia glaydes avila
Eletroterapia   glaydes avilaEletroterapia   glaydes avila
Eletroterapia glaydes avila
 
Eletroanalgesia - TENS
Eletroanalgesia - TENSEletroanalgesia - TENS
Eletroanalgesia - TENS
 
Estimulação elétrica nervosa transcutânea (TENS)
Estimulação elétrica nervosa transcutânea (TENS)Estimulação elétrica nervosa transcutânea (TENS)
Estimulação elétrica nervosa transcutânea (TENS)
 
Aula de ultra som 2014.1
Aula de ultra som 2014.1Aula de ultra som 2014.1
Aula de ultra som 2014.1
 
Ultra Som
Ultra SomUltra Som
Ultra Som
 
laser
laserlaser
laser
 
Eletroterapia Resumo
Eletroterapia ResumoEletroterapia Resumo
Eletroterapia Resumo
 
Laserterapia
LaserterapiaLaserterapia
Laserterapia
 
Ultrassom
UltrassomUltrassom
Ultrassom
 
Bases da Eletroterapia
Bases da EletroterapiaBases da Eletroterapia
Bases da Eletroterapia
 
Aula 07 Eletroestimulação FES e CR.ppt
Aula 07 Eletroestimulação FES e CR.pptAula 07 Eletroestimulação FES e CR.ppt
Aula 07 Eletroestimulação FES e CR.ppt
 
Recursos fisioterapeuticos na dermato funcional
Recursos fisioterapeuticos na dermato funcionalRecursos fisioterapeuticos na dermato funcional
Recursos fisioterapeuticos na dermato funcional
 
slide - eletroterapia - prof Roosivelt.pdf
slide - eletroterapia - prof Roosivelt.pdfslide - eletroterapia - prof Roosivelt.pdf
slide - eletroterapia - prof Roosivelt.pdf
 
Aula de introdução ao Uso de LASER ,LUZ e elementos físicos da ABL
Aula de introdução ao Uso de LASER ,LUZ e elementos físicos da ABLAula de introdução ao Uso de LASER ,LUZ e elementos físicos da ABL
Aula de introdução ao Uso de LASER ,LUZ e elementos físicos da ABL
 
1 terapia combinada ultrassom de alta potência associado a novas correntes ...
1   terapia combinada ultrassom de alta potência associado a novas correntes ...1   terapia combinada ultrassom de alta potência associado a novas correntes ...
1 terapia combinada ultrassom de alta potência associado a novas correntes ...
 
ultrasom
ultrasomultrasom
ultrasom
 
Radiofrequência
RadiofrequênciaRadiofrequência
Radiofrequência
 

Semelhante a Eletroterapia - história e processo de resposta à lesão - Aula 1

Aula 1 noções de anatomia
Aula 1   noções de anatomiaAula 1   noções de anatomia
Aula 1 noções de anatomia
Julia Martins Ulhoa
 
Sistema muscular
Sistema muscularSistema muscular
Sistema muscular
Marcus Bancilon
 
Anatomia humana introdução
Anatomia humana  introduçãoAnatomia humana  introdução
Anatomia humana introdução
Luciana Meneses Meneses
 
AULA 02 - Sistema Musculoesquelético e suas patologias - PARTE 01.pptx
AULA 02 - Sistema Musculoesquelético e suas patologias - PARTE 01.pptxAULA 02 - Sistema Musculoesquelético e suas patologias - PARTE 01.pptx
AULA 02 - Sistema Musculoesquelético e suas patologias - PARTE 01.pptx
VanessaAlvesDeSouza4
 
Palestra: Anatomia muscular.-Filipe Gustavopptx
Palestra: Anatomia muscular.-Filipe GustavopptxPalestra: Anatomia muscular.-Filipe Gustavopptx
Palestra: Anatomia muscular.-Filipe Gustavopptx
Filipe Francisco
 
Organização dos organismos- Tecidos, órgãos e sistemas
Organização dos organismos- Tecidos, órgãos e sistemasOrganização dos organismos- Tecidos, órgãos e sistemas
Organização dos organismos- Tecidos, órgãos e sistemas
Carlos Priante
 
INTRODUÇÃO A ANATOMIA DAPELE E SISTEMA ESQUELÉTICO.
INTRODUÇÃO A ANATOMIA DAPELE E SISTEMA ESQUELÉTICO.INTRODUÇÃO A ANATOMIA DAPELE E SISTEMA ESQUELÉTICO.
INTRODUÇÃO A ANATOMIA DAPELE E SISTEMA ESQUELÉTICO.
FabioCorreia46
 
Anatomia humana slides
Anatomia humana slidesAnatomia humana slides
Anatomia humana slides
Ced Amanhecer
 
AULA 7 - HISTOLOGIA PARA EDUCAÇÃO FÍSICA
AULA 7 - HISTOLOGIA PARA EDUCAÇÃO FÍSICAAULA 7 - HISTOLOGIA PARA EDUCAÇÃO FÍSICA
AULA 7 - HISTOLOGIA PARA EDUCAÇÃO FÍSICA
MasterClassFITCursos
 
Histologia
HistologiaHistologia
Histologia
CristinaBrandao
 
ufcd - 6565.pptx
 ufcd - 6565.pptx ufcd - 6565.pptx
ufcd - 6565.pptx
ssuser8b9e21
 
Sistema Locomotor
Sistema LocomotorSistema Locomotor
Sistema Locomotor
arvoredenoz
 
Aula 1.1 noções básicas de histologia
Aula 1.1 noções básicas de histologiaAula 1.1 noções básicas de histologia
Aula 1.1 noções básicas de histologia
Cintia Colotoni
 
1._MUSCULO_ESQUELETICO_-_Slides.pdf
1._MUSCULO_ESQUELETICO_-_Slides.pdf1._MUSCULO_ESQUELETICO_-_Slides.pdf
1._MUSCULO_ESQUELETICO_-_Slides.pdf
EstudosAplicados1
 
Tecido ósseo e muscular
Tecido ósseo e muscularTecido ósseo e muscular
Tecido ósseo e muscular
brandaobio
 
Seminário de histologia
Seminário de histologiaSeminário de histologia
Seminário de histologia
Suzana Ribeiro
 
Histologia 2012
Histologia 2012Histologia 2012
Histologia 2012
Maicon Azevedo
 
Classificação e características do tecido muscular.ppt
Classificação e características do tecido muscular.pptClassificação e características do tecido muscular.ppt
Classificação e características do tecido muscular.ppt
GabrielMarin75
 
Especialidade de ossos, músculos e articulações
Especialidade de ossos, músculos e articulaçõesEspecialidade de ossos, músculos e articulações
Especialidade de ossos, músculos e articulações
Ed Wilson Santos
 
MIOLOGIA-ANATOMMIA HUMANA.pDRDRDDDDDDDptx
MIOLOGIA-ANATOMMIA HUMANA.pDRDRDDDDDDDptxMIOLOGIA-ANATOMMIA HUMANA.pDRDRDDDDDDDptx
MIOLOGIA-ANATOMMIA HUMANA.pDRDRDDDDDDDptx
ArtthurPereira2
 

Semelhante a Eletroterapia - história e processo de resposta à lesão - Aula 1 (20)

Aula 1 noções de anatomia
Aula 1   noções de anatomiaAula 1   noções de anatomia
Aula 1 noções de anatomia
 
Sistema muscular
Sistema muscularSistema muscular
Sistema muscular
 
Anatomia humana introdução
Anatomia humana  introduçãoAnatomia humana  introdução
Anatomia humana introdução
 
AULA 02 - Sistema Musculoesquelético e suas patologias - PARTE 01.pptx
AULA 02 - Sistema Musculoesquelético e suas patologias - PARTE 01.pptxAULA 02 - Sistema Musculoesquelético e suas patologias - PARTE 01.pptx
AULA 02 - Sistema Musculoesquelético e suas patologias - PARTE 01.pptx
 
Palestra: Anatomia muscular.-Filipe Gustavopptx
Palestra: Anatomia muscular.-Filipe GustavopptxPalestra: Anatomia muscular.-Filipe Gustavopptx
Palestra: Anatomia muscular.-Filipe Gustavopptx
 
Organização dos organismos- Tecidos, órgãos e sistemas
Organização dos organismos- Tecidos, órgãos e sistemasOrganização dos organismos- Tecidos, órgãos e sistemas
Organização dos organismos- Tecidos, órgãos e sistemas
 
INTRODUÇÃO A ANATOMIA DAPELE E SISTEMA ESQUELÉTICO.
INTRODUÇÃO A ANATOMIA DAPELE E SISTEMA ESQUELÉTICO.INTRODUÇÃO A ANATOMIA DAPELE E SISTEMA ESQUELÉTICO.
INTRODUÇÃO A ANATOMIA DAPELE E SISTEMA ESQUELÉTICO.
 
Anatomia humana slides
Anatomia humana slidesAnatomia humana slides
Anatomia humana slides
 
AULA 7 - HISTOLOGIA PARA EDUCAÇÃO FÍSICA
AULA 7 - HISTOLOGIA PARA EDUCAÇÃO FÍSICAAULA 7 - HISTOLOGIA PARA EDUCAÇÃO FÍSICA
AULA 7 - HISTOLOGIA PARA EDUCAÇÃO FÍSICA
 
Histologia
HistologiaHistologia
Histologia
 
ufcd - 6565.pptx
 ufcd - 6565.pptx ufcd - 6565.pptx
ufcd - 6565.pptx
 
Sistema Locomotor
Sistema LocomotorSistema Locomotor
Sistema Locomotor
 
Aula 1.1 noções básicas de histologia
Aula 1.1 noções básicas de histologiaAula 1.1 noções básicas de histologia
Aula 1.1 noções básicas de histologia
 
1._MUSCULO_ESQUELETICO_-_Slides.pdf
1._MUSCULO_ESQUELETICO_-_Slides.pdf1._MUSCULO_ESQUELETICO_-_Slides.pdf
1._MUSCULO_ESQUELETICO_-_Slides.pdf
 
Tecido ósseo e muscular
Tecido ósseo e muscularTecido ósseo e muscular
Tecido ósseo e muscular
 
Seminário de histologia
Seminário de histologiaSeminário de histologia
Seminário de histologia
 
Histologia 2012
Histologia 2012Histologia 2012
Histologia 2012
 
Classificação e características do tecido muscular.ppt
Classificação e características do tecido muscular.pptClassificação e características do tecido muscular.ppt
Classificação e características do tecido muscular.ppt
 
Especialidade de ossos, músculos e articulações
Especialidade de ossos, músculos e articulaçõesEspecialidade de ossos, músculos e articulações
Especialidade de ossos, músculos e articulações
 
MIOLOGIA-ANATOMMIA HUMANA.pDRDRDDDDDDDptx
MIOLOGIA-ANATOMMIA HUMANA.pDRDRDDDDDDDptxMIOLOGIA-ANATOMMIA HUMANA.pDRDRDDDDDDDptx
MIOLOGIA-ANATOMMIA HUMANA.pDRDRDDDDDDDptx
 

Mais de Cleanto Santos Vieira

Hidroterapia - crio tapping - Aula 8
Hidroterapia - crio tapping - Aula 8Hidroterapia - crio tapping - Aula 8
Hidroterapia - crio tapping - Aula 8
Cleanto Santos Vieira
 
Termoterapia ondas curtas e microondas - cap 7
Termoterapia   ondas curtas e microondas - cap 7Termoterapia   ondas curtas e microondas - cap 7
Termoterapia ondas curtas e microondas - cap 7
Cleanto Santos Vieira
 
Termoterapia ultra-som - capítulo 14
Termoterapia   ultra-som - capítulo 14Termoterapia   ultra-som - capítulo 14
Termoterapia ultra-som - capítulo 14
Cleanto Santos Vieira
 
Fototerapia - ultra violeta - capitulo 16
Fototerapia - ultra violeta - capitulo 16Fototerapia - ultra violeta - capitulo 16
Fototerapia - ultra violeta - capitulo 16
Cleanto Santos Vieira
 
Fototerapia - infravermelho - cap 13
 Fototerapia - infravermelho - cap 13 Fototerapia - infravermelho - cap 13
Fototerapia - infravermelho - cap 13
Cleanto Santos Vieira
 
Fototerapia - laser - capítulo 15
 Fototerapia - laser - capítulo 15 Fototerapia - laser - capítulo 15
Fototerapia - laser - capítulo 15
Cleanto Santos Vieira
 
Hidroterapia - banhos de contraste - Aula 12
Hidroterapia - banhos de contraste - Aula 12 Hidroterapia - banhos de contraste - Aula 12
Hidroterapia - banhos de contraste - Aula 12
Cleanto Santos Vieira
 
Hidroterapia - turbilhões - Aula 11
Hidroterapia - turbilhões - Aula 11Hidroterapia - turbilhões - Aula 11
Hidroterapia - turbilhões - Aula 11
Cleanto Santos Vieira
 
Hidroterapia - crioalongamento - Aula 10
Hidroterapia - crioalongamento - Aula 10Hidroterapia - crioalongamento - Aula 10
Hidroterapia - crioalongamento - Aula 10
Cleanto Santos Vieira
 
Hidroterapia - imersão no gelo - Aula 9
Hidroterapia - imersão no gelo - Aula 9Hidroterapia - imersão no gelo - Aula 9
Hidroterapia - imersão no gelo - Aula 9
Cleanto Santos Vieira
 
Hidroterapia introdução - aula 1
Hidroterapia   introdução - aula 1Hidroterapia   introdução - aula 1
Hidroterapia introdução - aula 1
Cleanto Santos Vieira
 
Neurofisiologia - sinapses - aula 3 capitulo 2
Neurofisiologia - sinapses - aula 3 capitulo 2 Neurofisiologia - sinapses - aula 3 capitulo 2
Neurofisiologia - sinapses - aula 3 capitulo 2
Cleanto Santos Vieira
 
Sistema Nervoso - fisiopatologia do neurônio motor superior e periférico - A...
Sistema Nervoso -  fisiopatologia do neurônio motor superior e periférico - A...Sistema Nervoso -  fisiopatologia do neurônio motor superior e periférico - A...
Sistema Nervoso - fisiopatologia do neurônio motor superior e periférico - A...
Cleanto Santos Vieira
 
Primeiros Socorros - Atendimento de emergência a politraumatizados
Primeiros Socorros - Atendimento de emergência a politraumatizadosPrimeiros Socorros - Atendimento de emergência a politraumatizados
Primeiros Socorros - Atendimento de emergência a politraumatizados
Cleanto Santos Vieira
 
Primeiros Socorros - posição restrição e movimentação no leito
Primeiros Socorros - posição restrição e movimentação no leitoPrimeiros Socorros - posição restrição e movimentação no leito
Primeiros Socorros - posição restrição e movimentação no leito
Cleanto Santos Vieira
 
Primeiros Socorros - Desmaios noções de cuidados e socorros de urgência
Primeiros Socorros - Desmaios noções de cuidados e socorros de urgênciaPrimeiros Socorros - Desmaios noções de cuidados e socorros de urgência
Primeiros Socorros - Desmaios noções de cuidados e socorros de urgência
Cleanto Santos Vieira
 
Primeiros Socorros - Respiração noções de primeiros socorros e cuidados de em...
Primeiros Socorros - Respiração noções de primeiros socorros e cuidados de em...Primeiros Socorros - Respiração noções de primeiros socorros e cuidados de em...
Primeiros Socorros - Respiração noções de primeiros socorros e cuidados de em...
Cleanto Santos Vieira
 
Primeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos ofidismo
Primeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos ofidismoPrimeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos ofidismo
Primeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos ofidismo
Cleanto Santos Vieira
 
Primeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos himenopteros
Primeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos himenopterosPrimeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos himenopteros
Primeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos himenopteros
Cleanto Santos Vieira
 
Primeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos aracnidismo
Primeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos aracnidismoPrimeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos aracnidismo
Primeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos aracnidismo
Cleanto Santos Vieira
 

Mais de Cleanto Santos Vieira (20)

Hidroterapia - crio tapping - Aula 8
Hidroterapia - crio tapping - Aula 8Hidroterapia - crio tapping - Aula 8
Hidroterapia - crio tapping - Aula 8
 
Termoterapia ondas curtas e microondas - cap 7
Termoterapia   ondas curtas e microondas - cap 7Termoterapia   ondas curtas e microondas - cap 7
Termoterapia ondas curtas e microondas - cap 7
 
Termoterapia ultra-som - capítulo 14
Termoterapia   ultra-som - capítulo 14Termoterapia   ultra-som - capítulo 14
Termoterapia ultra-som - capítulo 14
 
Fototerapia - ultra violeta - capitulo 16
Fototerapia - ultra violeta - capitulo 16Fototerapia - ultra violeta - capitulo 16
Fototerapia - ultra violeta - capitulo 16
 
Fototerapia - infravermelho - cap 13
 Fototerapia - infravermelho - cap 13 Fototerapia - infravermelho - cap 13
Fototerapia - infravermelho - cap 13
 
Fototerapia - laser - capítulo 15
 Fototerapia - laser - capítulo 15 Fototerapia - laser - capítulo 15
Fototerapia - laser - capítulo 15
 
Hidroterapia - banhos de contraste - Aula 12
Hidroterapia - banhos de contraste - Aula 12 Hidroterapia - banhos de contraste - Aula 12
Hidroterapia - banhos de contraste - Aula 12
 
Hidroterapia - turbilhões - Aula 11
Hidroterapia - turbilhões - Aula 11Hidroterapia - turbilhões - Aula 11
Hidroterapia - turbilhões - Aula 11
 
Hidroterapia - crioalongamento - Aula 10
Hidroterapia - crioalongamento - Aula 10Hidroterapia - crioalongamento - Aula 10
Hidroterapia - crioalongamento - Aula 10
 
Hidroterapia - imersão no gelo - Aula 9
Hidroterapia - imersão no gelo - Aula 9Hidroterapia - imersão no gelo - Aula 9
Hidroterapia - imersão no gelo - Aula 9
 
Hidroterapia introdução - aula 1
Hidroterapia   introdução - aula 1Hidroterapia   introdução - aula 1
Hidroterapia introdução - aula 1
 
Neurofisiologia - sinapses - aula 3 capitulo 2
Neurofisiologia - sinapses - aula 3 capitulo 2 Neurofisiologia - sinapses - aula 3 capitulo 2
Neurofisiologia - sinapses - aula 3 capitulo 2
 
Sistema Nervoso - fisiopatologia do neurônio motor superior e periférico - A...
Sistema Nervoso -  fisiopatologia do neurônio motor superior e periférico - A...Sistema Nervoso -  fisiopatologia do neurônio motor superior e periférico - A...
Sistema Nervoso - fisiopatologia do neurônio motor superior e periférico - A...
 
Primeiros Socorros - Atendimento de emergência a politraumatizados
Primeiros Socorros - Atendimento de emergência a politraumatizadosPrimeiros Socorros - Atendimento de emergência a politraumatizados
Primeiros Socorros - Atendimento de emergência a politraumatizados
 
Primeiros Socorros - posição restrição e movimentação no leito
Primeiros Socorros - posição restrição e movimentação no leitoPrimeiros Socorros - posição restrição e movimentação no leito
Primeiros Socorros - posição restrição e movimentação no leito
 
Primeiros Socorros - Desmaios noções de cuidados e socorros de urgência
Primeiros Socorros - Desmaios noções de cuidados e socorros de urgênciaPrimeiros Socorros - Desmaios noções de cuidados e socorros de urgência
Primeiros Socorros - Desmaios noções de cuidados e socorros de urgência
 
Primeiros Socorros - Respiração noções de primeiros socorros e cuidados de em...
Primeiros Socorros - Respiração noções de primeiros socorros e cuidados de em...Primeiros Socorros - Respiração noções de primeiros socorros e cuidados de em...
Primeiros Socorros - Respiração noções de primeiros socorros e cuidados de em...
 
Primeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos ofidismo
Primeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos ofidismoPrimeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos ofidismo
Primeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos ofidismo
 
Primeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos himenopteros
Primeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos himenopterosPrimeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos himenopteros
Primeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos himenopteros
 
Primeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos aracnidismo
Primeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos aracnidismoPrimeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos aracnidismo
Primeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos aracnidismo
 

Último

Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdfVacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
rickriordan
 
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
Luiz Henrique Pimentel Novais Silva
 
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do TrabalhoApostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
CatieleAlmeida1
 
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptxSíndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
marjoguedes1
 
Tipos de pontos e suturas técnicas de sutura
Tipos de pontos e suturas técnicas de suturaTipos de pontos e suturas técnicas de sutura
Tipos de pontos e suturas técnicas de sutura
DelcioVumbuca
 
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
AmaroAlmeidaChimbala
 
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
sula31
 

Último (8)

Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdfVacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
 
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
 
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do TrabalhoApostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
 
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptxSíndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
 
Tipos de pontos e suturas técnicas de sutura
Tipos de pontos e suturas técnicas de suturaTipos de pontos e suturas técnicas de sutura
Tipos de pontos e suturas técnicas de sutura
 
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
 
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
 
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
 

Eletroterapia - história e processo de resposta à lesão - Aula 1

  • 1. Eletroterapia Professor: Cleanto Santos Vieira Esp: Ortopedia e traumato. – U.N.I.T.R.I. – Uberlândia – 1998 Esp: Ortopedia e traumato. – U.S.P. - Rib. Preto – 1999/2000 Mestrando: Ciências da saúde – UFU - 2011
  • 2. Eletroterapia • Pequeno Histórico: • 5000 a.c. -> Bagre do nilo • 3150 a.c. -> 1ª Dinastia – Faraó Narner (catfish ou bagre) • 300 a.c. -> Aristóteles (torpor = torpedo)
  • 3. Eletroterapia • 1672 d.c. -> Otto von Guericke, físico alemão (1º gerador eletrostático) • 1791 d.c. -> Luigi Galvani, médico e filósofo italiano (corrente Galvânica) • 1816 d.c. -> Louis Berlioz, médico francês (correntes contínuas) em agulhas de acupuntura para tratar a dor
  • 4. Eletroterapia • “O pai da eletroterapia” • 1833 d.c -> Guillaume Duchenne, neurologista francês (estudos com eletroterapia) • Em 1855 d.c. -> Guillaume Duchenne, anunciou que a A/C era superior à C/C para a eletro- terapêutica de contrações musculares. • O que ele chamou de "efeito de aquecimento" da corrente direta irritava a pele.
  • 5. Eletroterapia 1º Capítulo - Processo de resposta à lesão Nenhum recurso terapêutico acelera a cura de uma lesão; Existe um ritmo natural do corpo humano para a ocorrência da cura. Energia térmica Elétrica Mecânica
  • 6. Eletroterapia • Tensões aplicadas à célula • Estresse = qualquer força física, química ou emocional aplicada sobre um corpo e suas células • Resultados = Benéficos ou maléficos
  • 7. Eletroterapia • Ela se adapta a tensão, • Ela sofre dano, mas se recupera, • Ela morre. Quando uma célula é submetida à tensão, pode reagir de três formas:
  • 8. Eletroterapia • Séc. XX, Hans Selye -> pacientes hospitalizados, independente de suas patologias, apresentam sintomas comuns. • Desconfortos • Dores difusas nas articulações • Perda de força muscular • Perda de apetite • Elevação da temperatura corporal • Ressaltou três estágios de resposta à tensão Síndrome da Adaptação Geral
  • 9. Eletroterapia • Estágio 1 , alarme: • Reação inicial do corpo a um desequilíbrio orgânico; • Recrutamento de recursos para impedir os efeitos do agente estressor; • Sistemas de defesa são colocados em prontidão; • ↑ da frequência cardíaca, volume cardíaco e força de contração do miocárdio; • ↑ das quantidades de suprimento sanguíneo para as áreas necessitadas; • ↓ do fornecimento sanguíneo para áreas não necessitadas, por vasoconstrição de artérias superficiais e abdominais; • Liberação do hormônio cortisol na corrente sanguínea (estimula respostas instintivas); • As proteínas são decompostas em aminoácidos, visando longos períodos de jejum (fonte de energia no caso de lesões);
  • 10. Eletroterapia • Estágio 2, resistência: • O corpo continua seu processo de adaptação ao agente estressor, utilizando seus recursos na tentativa de manter sua integridade e equilíbrio; • É a fase mais longa da S.A.G, dura vários dias, meses ou até anos; • O indivíduo atinge uma resistência fisiológica (ou condicionamento físico)
  • 11. Eletroterapia • Estágio 3, exaustão: • Geralmente um dos sistemas, não aguentam mais a tensão, e por consequência, entram em colapso; • Podem ocorrer lesões traumáticas; • Lesões por uso excessivo; • Em casos mais graves, insuficiência cardíaca; • Ponto de sofrimento; • Produz efeitos negativos.
  • 12. Eletroterapia • A S.A.G. e sua relação com o trauma. • Tensões prejudiciais se manifestam como: - Lesões agudas (distenção, entorses, fraturas, etc...), resultado de forças súbitas durante um curto período de tempo (macrotrauma); - Forças repetitivas e de intensidade mais baixa como fraturas de tensão (estresse) ou condições inflamatórias crônicas (microtrauma). - São exemplos de tensão prejudicial, as quais os profissionais das áreas da saúde investem a maior parte de seu tempo, prevenindo, tratando e reabilitando.
  • 13. Eletroterapia • Lei de Wolf: • Os ossos são remodelados e se adaptam às forças sobre eles aplicadas; • A atividade dos osteoblastos e osteoclastos muda em razão da tensão funcional; • O tecido ósseo é removido dos locais de pouca ou nenhuma tensão e um novo tecido surge ao longo desses locais submetidos a nova tensão Exemplo de tensão física repetida: Um indivíduo que pratica o jogging (corrida), aumenta a atividade dos osteoblastos ao longo das linhas de tensão, resultando em novas áreas de resistência estrutural e aumento da densidade óssea. Se essa tensão for aplicada muito rapidamente, a atividade osteoclástica superará a atividade osteoblástica -> Fratura de estresse
  • 14. Eletroterapia • Exemplo de “ausência” de tensão: Um osso fêmur imobilizado por 20 dias pode perder até 30% de seus depósitos de sais minerais, tornando-se poroso e frágil
  • 15. Eletroterapia • Tipos de tecidos existentes no corpo: • 1 Epitelial, 2 Adiposo, 3 Muscular • 4 Nervoso, 5 Conjuntivo.
  • 16. Eletroterapia Tipo Localização Capacidade de regeneração Células Lábeis Pele, trato intestinal, sangue Boa Células estáveis Osso Parcial Células permanentes Sistema nervoso periférico Parcial Sistema nervoso central Nenhuma TABELA – Tipos de Células do Organismo
  • 17. Eletroterapia • Tecidos epiteliais: • Revestem a pele (epitélio escamoso estratificado); • O coração e vasos sanguíneos (epitélio escamoso simples); • Órgãos ocos, glândulas, aberturas externas e outros órgãos (epitélio de transição);
  • 18. Eletroterapia • O estrato córneo (camada mais externa da pele) é composto por uma densa camada de células mortas densamente dispostas e são preenchidas com queratina (proteína fibrosa seca); • Serve de proteção impedindo a entrada de muitas substâncias externas (microorganismos), e ajuda a manter os fluídos dentro do corpo; • Muitos recursos terapêuticos utilizados, devem atravessar a camada córnea e o resto da epiderme para atingir os tecidos alvo.
  • 19. Eletroterapia • Tecido adiposo: • Localizado imediatamente abaixo da epiderme (contém células gordurosas); • E algumas áreas (calcanhar e palma da mão), protege as estruturas subjacentes de golpes fortes; • Presença de grande quantidade de água (meio ideal para a propagação da onda ultra-sônica); • Isolante contra o frio; • Em indivíduos obesos a eficácia dos agentes térmicos é reduzida.
  • 20. Eletroterapia • Tecido conjuntivo: • Ou “células de sustentação”, é o tecido mais abundante no corpo, serve de “cimento” que sustenta e conecta outros tipos de tecido; • Fornece resistência, apoio, nutrição e defesa para os outros tecidos
  • 21. Eletroterapia Tipos de tecido Função Fibroblastos Secretar componentes da matriz extracelular Condrócitos Produzir componentes da matriz extracelular na cartilagem Miofibroblastos Produzir componentes da matriz extracelular com propriedades contráteis Adipócitos Armazenar lipídios Tipos de tecido conjuntivo e suas funções:
  • 22. Eletroterapia • Colágeno: • Encontrado em grande quantidade nas fáscias, tendões, ligamentos, cartilagens, músculos e ossos; • O corpo possui 11 tipos, todos eles se localizam em áreas muito vascularizadas (excetuando o menisco) Tipo Localização I Pele, fáscia, tendões, ligamentos, ossos, cartilagem fibrosa II Cartilagem hialina, cartilagem elástica, discos vertebrais III Músculos lisos, nervos, medula óssea, vasos sanguíneos IV Membranas basais V Músculo liso, músculo esquelético VI Encontrado na maioria, se não em todas as estruturas do corpo VII Membranas basais da pele VIII Endotélio IX Cartilagem X Cartilagem em mineralização XI Cartilagem
  • 23. Eletroterapia • Tecidos musculares: • Capacidade de encurtamento ativo e alongamento passivo (Contração e relaxamento); • Tipos - Músculo estriado esquelético - Músculo estriado cardíaco - Músculo liso
  • 24. Eletroterapia • Musculatura lisa -> não está sob controle voluntário, está associada aos órgãos ocos do organismo. • Musculatura cardíaca -> é responsável pelo bombeamento de sangue; • Controle involuntário.
  • 25. Eletroterapia • Tipos de fibras musculares: • Tipo 1 -> (contração lenta) • Baixa intensidade; • Energia aeróbica; • Contrações mantidas por longos períodos de tempo; • Predominantes nos músculos posturais.
  • 26. Eletroterapia • Tipo II -> (contração rápida) • Alta intensidade; • Energia anaeróbica (ciclo fosfagênio); • Curta duração (até 10s); • Predominantes nas contrações explosivas; Subdivididas em: II-B -> anaeróbicas II-A -> tem características dos tipos I e II
  • 27. Eletroterapia • Referências bibliográficas aula I • MARCUCCI, Fernando C. I. Histórico da Eletroterapia e Eletroacupuntura. O Fisioterapeuta [site]. Disponível em: http://ofisioterapeuta.blogspot.com/ • Starkey C. Agentes elétricos. In: Starkey C. Recursos terapêuticos em fisioterapia. 2ª ed. São Paulo: Manole; 2001. • Low J, Reed A. Electrical stimulation of nerve and muscle. In: Electrotherapy explained: principles and practice. 3ª ed. Oxford: Butterworth-Heinemann; 2000.