SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 12
Guia do Pré-Natal na Atenção
Básica: a Planificação da
Atenção à Saúde como Estratégia
de Qualificação da Atenção às
Gestantes no RS
Gisleine Lima da Silva
Política de Saúde das Mulheres
Departamento de Ações em Saúde - SES/RS
Brasília
Dezembro, 2019
Planificação da Atenção à Saúde no RS – 2015 a 2019
4ª CRS
(32 municípios)
Santa Maria
18ª CRS
(23 municípios)
Osório
Rede Materno Infantil
Ambulatórios de Gestante de Alto Risco (AGAR)
7500 profissionais envolvidos diretamente;
400 facilitadores;
200 tutores;
108 municípios envolvidos;
5 CRS e 7 regiões de saúde
2015 (out)
CONASS
2017 (set)
CONASS
10ª CRS
(11 municípios)
Alegrete
2018 (set)
CONASS
17ª CRS
(20 municípios)
Ijuí
3ª CRS
(22 municípios)
Pelotas
2019 (jul)
(ProadiSUS).
2019 (jul)
(ProadiSUS).
Rede Saúde
Mental (SM)
Abertura de 4
Ambulatórios de SM
Rede de
Crônicos
(HAS e Diabetes)
2018 - abertura do 1º
Ambulatório
RS
2016 2017 2018
75% (+1,4) 76,40% (+ 2,3) 78,70%
Resultados - Pré-natal
Sete ou mais consultas de pré-natal - 18ª CRSSete ou mais consultas de pré-natal - 4ª CRS
+4,19 +2,17
+2,93
Meta Brasil 3.1: 30 mortes maternas por 100 mil nascidos vivos.
Em 2016 a RMM foi de 64,4.
Meta Brasil 3.2: taxa de mortalidade neonatal (0 a 27 dias)de 5,3
por 1 mil nascidos e para a taxa de mortalidade na infância
(menores de 5 anos) de 8,3 por 1 mil nascidos vivos.
Desafio permanente para a Saúde Pública e para a Sociedade!
Mapa
Estratégico
SES/RS
Meta RS - Reduzir a morbidade e mortalidade por causas
evitáveis materna, infantil e fetal.
Em 2016 RMM 38,89 – meta em 2030 é de RMM 20.
0.00
10.00
20.00
30.00
40.00
50.00
60.00
70.00
80.00
90.00
100.00
RS
Brasil
Razão de Mortalidade Materna 2017 – UF e Regiões
Regiões
Modelo Tradicional:
Especialista realizando pré-natal de risco habitual na APS (“dia da gestante”, “pré-natal com o
especialista é mais qualificado”);
Pré-natal centralizado – centros maternos infantis, centro de especialidades médicas, hospitais;
Assistência a gestantes:
Fragilidade técnica dos profissionais para manejo clínico das gestantes;
Dificuldades de estratificação do risco gestacional e referenciamento equivocados para o AGAR;
Assistência médico/dependente (protocolos e rotinas estabelecidas em evidências);
Exames:
Falta ou excesso, cada município com um rol de exames diferente, sem padrão estabelecido.
Ex: mulheres em extrema vulnerabilidade social realizando pré-natal no privado devido à falta de
exames no SUS, exames que deveriam ser ofertados de rotina no pré-natal – desfecho
óbito materno;
Indicadores de Saúde da Mulher e Criança (Epidemia de sífilis e de cesariana)
Problemas no Pré-natal:
Modelo, Assistência, Exames e Indicadores
Objetivo:
Subsidiar as equipes da APS na perspectiva da qualificação da assistência no pré-natal, através de
critérios para a estratificação de risco e suporte para tomada de decisão clínica para gestações de risco
habitual.
Aborda as seguintes temáticas: planejamento sexual e reprodutivo, abordagem pré concepcional,
o acompanhamento da gestação na AB, pré-natal do parceiro, estratificação de risco da gestante
e a consulta puerperal.
Construção do Guia (convencimento do gestor):
Diversas áreas e setores da SES e Consulta Pública no site da SES;
Revisado pela equipe do TelessaúdeRS;
Pactuado na Comissão Intergestores Bipartite, (CIB/RS 022/2019);
Disponível em versão digital no site da SES e impresso (10 mil cópias).
Implementação do Guia:
Lógica da Educação Permanente em Saúde – realizada pelas 19 CRS de forma regionalizada
abrangendo os 497 municípios (a distribuição condicionada a realização de cursos/seminários/oficinas);
Apresentação do Guia para os gestores municipais nas CIR;
Regiões em Planificação – inserção do Guia nas tutorias da APS e AAE.
 Padronizou a Carteira de Serviços para 100% das gestantes do território gaúcho;
 Propiciou a “linguagem comum” no processo de Planificação da Atenção à Saúde;
 Apresentou o modelo de pré-natal preconizado pelo estado, potencializando o papel
da APS na Rede Materno Infantil;
 Gradativo aumento de pré-natal realizado pelos profissionais da APS, em regiões de
Planificação;
 Melhoria da estratificação de risco e referenciamento em tempo oportuno para o alto risco;
 Integração dos AGAR com a APS - matriciamento dos ambulatórios para a rede;
 Melhoria na organização dos serviços, exames e fluxos do pré-natal, ampliando o acesso e
qualificando a atenção às gestantes;
Gestores municipais – conhecimento do papel do município sobre o pré-natal, as necessidades
das gestantes e a programação financeira;
Gestor Estadual – transição do modelo de contratualização dos serviços – da oferta para os
parâmetros de necessidades.
Responsabilidade sanitária pelas gestantes do território.
R
E
S
U
L
T
A
D
O
S
É necessário ter protocolos estaduais para nortear e padronizar a
conduta clínica dos profissionais, é imprescindível pactuar estes
documentos com os gestores, nos espaços das CIR e da CIB;
Imprescindível o investimento na qualificação técnica dos profissionais de
saúde, ter espaços de formação/discussão da política, da rede e dos
fluxos. Constatou-se que profissionais inseridos nestas atividades se
sentem mais preparados e apoiados pra realizar o acompanhamento das
gestantes;
“Feedbacks” positivos: o Guia tem sido estratégico para
qualificação das equipes de saúde, do fortalecimento da APS,
organização dos serviços e do cuidado integral da saúde das
gestantes e seus bebês.
Lições Aprendidas
Referências
BRASIL. Ministério da Saúde. Razão de Mortalidade Materna. Disponível em:
http://svs.aids.gov.br/dantps/acesso-a-informacao/acoes-e-programas/busca-ativa/indicadores-de-
saude/mortalidade/. Acesso em: 08 dez de 2019.
RIO GRANDE DO SUL. Secretaria de Estado da Saúde. Guia do Pré-natal na Atenção Básica. Porto
Alegre, 2018. Disponível em: https://atencaobasica.saude.rs.gov.br/upload/arquivos/201901/09090527-
guia-pre-natal-na-atencao-basica-web.pdf . Acesso em: 08 dez. 2019.
RIO GRANDE DO SUL. Secretaria de Estado da Saúde. Portal BI Saúde. Disponível em:
http://bipublico.saude.rs.gov.br/index.htm . Acesso em: 08 dez de 2019.
Obrig@da!!
Secretaria de Estado da Saúde do
Rio Grande do Sul
Contatos:
saudedamulher@saude.rs.gov.br
(51) 32885903

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Saúde da criança e do adolescente.pptx
Saúde da criança e do adolescente.pptxSaúde da criança e do adolescente.pptx
Saúde da criança e do adolescente.pptxWellingtonTeixeira24
 
PAISM - PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER
PAISM - PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER PAISM - PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER
PAISM - PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER Karen Lira
 
Planejamento Familiar
Planejamento FamiliarPlanejamento Familiar
Planejamento Familiarbubuzinhapj
 
Aula 5 perfil dos agentes comunitários de saúde
Aula 5   perfil dos agentes comunitários de saúdeAula 5   perfil dos agentes comunitários de saúde
Aula 5 perfil dos agentes comunitários de saúdeAlinebrauna Brauna
 
Calculo de medicamentos
Calculo de medicamentosCalculo de medicamentos
Calculo de medicamentosViviane Campos
 
Aleitamento Materno
Aleitamento Materno Aleitamento Materno
Aleitamento Materno blogped1
 
Saúde da criança, crescimento e desenvolvimento
Saúde da criança, crescimento e desenvolvimentoSaúde da criança, crescimento e desenvolvimento
Saúde da criança, crescimento e desenvolvimentoCentro Universitário Ages
 
"Atenção à Saúde do Idoso: Exame Físico"
"Atenção à Saúde do Idoso: Exame Físico""Atenção à Saúde do Idoso: Exame Físico"
"Atenção à Saúde do Idoso: Exame Físico"Tainá Martins
 

Mais procurados (20)

Rede cegonha ppt
Rede cegonha pptRede cegonha ppt
Rede cegonha ppt
 
Ppt0000136
Ppt0000136Ppt0000136
Ppt0000136
 
Saude da mulher1
Saude da mulher1Saude da mulher1
Saude da mulher1
 
Saúde da criança e do adolescente.pptx
Saúde da criança e do adolescente.pptxSaúde da criança e do adolescente.pptx
Saúde da criança e do adolescente.pptx
 
Planejamento Reprodutivo: o que há de novo e além do planejamento familiar?
Planejamento Reprodutivo: o que há de novo e além do planejamento familiar?Planejamento Reprodutivo: o que há de novo e além do planejamento familiar?
Planejamento Reprodutivo: o que há de novo e além do planejamento familiar?
 
Apresentação atenção básica esf
Apresentação atenção básica   esfApresentação atenção básica   esf
Apresentação atenção básica esf
 
PAISM - PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER
PAISM - PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER PAISM - PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER
PAISM - PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER
 
Planejamento Familiar
Planejamento FamiliarPlanejamento Familiar
Planejamento Familiar
 
Saúde do idoso
 Saúde do idoso Saúde do idoso
Saúde do idoso
 
Aula 5 perfil dos agentes comunitários de saúde
Aula 5   perfil dos agentes comunitários de saúdeAula 5   perfil dos agentes comunitários de saúde
Aula 5 perfil dos agentes comunitários de saúde
 
O trabalho do ACS.
O trabalho do ACS.O trabalho do ACS.
O trabalho do ACS.
 
Promoção da Saúde no Climatério
Promoção da Saúde no ClimatérioPromoção da Saúde no Climatério
Promoção da Saúde no Climatério
 
Calculo de medicamentos
Calculo de medicamentosCalculo de medicamentos
Calculo de medicamentos
 
Aleitamento Materno
Aleitamento Materno Aleitamento Materno
Aleitamento Materno
 
Rede Cegonha SP
Rede Cegonha SPRede Cegonha SP
Rede Cegonha SP
 
Aula 3 prénatal
Aula 3 prénatalAula 3 prénatal
Aula 3 prénatal
 
Orientacoes siab
Orientacoes siabOrientacoes siab
Orientacoes siab
 
ALEITAMENTO MATERNO NA ATENÇÃO PRIMÁRIA / TCC
ALEITAMENTO MATERNO NA ATENÇÃO PRIMÁRIA / TCC ALEITAMENTO MATERNO NA ATENÇÃO PRIMÁRIA / TCC
ALEITAMENTO MATERNO NA ATENÇÃO PRIMÁRIA / TCC
 
Saúde da criança, crescimento e desenvolvimento
Saúde da criança, crescimento e desenvolvimentoSaúde da criança, crescimento e desenvolvimento
Saúde da criança, crescimento e desenvolvimento
 
"Atenção à Saúde do Idoso: Exame Físico"
"Atenção à Saúde do Idoso: Exame Físico""Atenção à Saúde do Idoso: Exame Físico"
"Atenção à Saúde do Idoso: Exame Físico"
 

Semelhante a Guia do Pré-Natal na Atenção Básica do RS

Seminário Internacional Mais Infância: Henrique javi saúde
Seminário Internacional Mais Infância: Henrique javi saúdeSeminário Internacional Mais Infância: Henrique javi saúde
Seminário Internacional Mais Infância: Henrique javi saúdeGoverno do Estado do Ceará
 
CIRCUITO EU SOU SUS – PRÉ-NATAL: UMA ESTRATÉGIA PARA FORTALECER A ADESÃO AO P...
CIRCUITO EU SOU SUS – PRÉ-NATAL: UMA ESTRATÉGIA PARA FORTALECER A ADESÃO AO P...CIRCUITO EU SOU SUS – PRÉ-NATAL: UMA ESTRATÉGIA PARA FORTALECER A ADESÃO AO P...
CIRCUITO EU SOU SUS – PRÉ-NATAL: UMA ESTRATÉGIA PARA FORTALECER A ADESÃO AO P...Portal da Inovação em Saúde
 
Pesquisa avaliativa sobre aspectos de implantacao estrutura- processo e resu...
Pesquisa avaliativa sobre aspectos de implantacao  estrutura- processo e resu...Pesquisa avaliativa sobre aspectos de implantacao  estrutura- processo e resu...
Pesquisa avaliativa sobre aspectos de implantacao estrutura- processo e resu...oticspedra2012
 
ApresentaçãO Ser SaúDavel MarçO 2010
ApresentaçãO Ser SaúDavel MarçO 2010ApresentaçãO Ser SaúDavel MarçO 2010
ApresentaçãO Ser SaúDavel MarçO 2010Tania Fonseca
 
PANORAMA DAS AÇÕES DE MONITORAMENTO DAS CRIANÇAS COM SÍNDROME CONGÊNITA DO ZI...
PANORAMA DAS AÇÕES DE MONITORAMENTO DAS CRIANÇAS COM SÍNDROME CONGÊNITA DO ZI...PANORAMA DAS AÇÕES DE MONITORAMENTO DAS CRIANÇAS COM SÍNDROME CONGÊNITA DO ZI...
PANORAMA DAS AÇÕES DE MONITORAMENTO DAS CRIANÇAS COM SÍNDROME CONGÊNITA DO ZI...Portal da Inovação em Saúde
 
Territorialização: Base para a Organização e Planejamento em Saúde
Territorialização: Base para a Organização e Planejamento em SaúdeTerritorialização: Base para a Organização e Planejamento em Saúde
Territorialização: Base para a Organização e Planejamento em Saúderenatasbk
 
APICE On - Aprimoramento e Inovação no Cuidado/Ensino em Obstetrícia e Neonat...
APICE On - Aprimoramento e Inovação no Cuidado/Ensino em Obstetrícia e Neonat...APICE On - Aprimoramento e Inovação no Cuidado/Ensino em Obstetrícia e Neonat...
APICE On - Aprimoramento e Inovação no Cuidado/Ensino em Obstetrícia e Neonat...Prof. Marcus Renato de Carvalho
 

Semelhante a Guia do Pré-Natal na Atenção Básica do RS (20)

A situação da Saúde Materno Infantil no Brasil e suas implicações na organiza...
A situação da Saúde Materno Infantil no Brasil e suas implicações na organiza...A situação da Saúde Materno Infantil no Brasil e suas implicações na organiza...
A situação da Saúde Materno Infantil no Brasil e suas implicações na organiza...
 
O papel da Gestão Estadual no processo de expansão da Planificação da Atenção...
O papel da Gestão Estadual no processo de expansão da Planificação da Atenção...O papel da Gestão Estadual no processo de expansão da Planificação da Atenção...
O papel da Gestão Estadual no processo de expansão da Planificação da Atenção...
 
Novos e Velhos Desafios para implementação da Rede Cegonha
Novos e Velhos Desafios para implementação da Rede CegonhaNovos e Velhos Desafios para implementação da Rede Cegonha
Novos e Velhos Desafios para implementação da Rede Cegonha
 
Seminário Internacional Mais Infância: Henrique javi saúde
Seminário Internacional Mais Infância: Henrique javi saúdeSeminário Internacional Mais Infância: Henrique javi saúde
Seminário Internacional Mais Infância: Henrique javi saúde
 
CIRCUITO EU SOU SUS – PRÉ-NATAL: UMA ESTRATÉGIA PARA FORTALECER A ADESÃO AO P...
CIRCUITO EU SOU SUS – PRÉ-NATAL: UMA ESTRATÉGIA PARA FORTALECER A ADESÃO AO P...CIRCUITO EU SOU SUS – PRÉ-NATAL: UMA ESTRATÉGIA PARA FORTALECER A ADESÃO AO P...
CIRCUITO EU SOU SUS – PRÉ-NATAL: UMA ESTRATÉGIA PARA FORTALECER A ADESÃO AO P...
 
Pesquisa avaliativa sobre aspectos de implantacao estrutura- processo e resu...
Pesquisa avaliativa sobre aspectos de implantacao  estrutura- processo e resu...Pesquisa avaliativa sobre aspectos de implantacao  estrutura- processo e resu...
Pesquisa avaliativa sobre aspectos de implantacao estrutura- processo e resu...
 
Mortalidade Materna e Infantil
Mortalidade Materna e InfantilMortalidade Materna e Infantil
Mortalidade Materna e Infantil
 
ApresentaçãO Ser SaúDavel MarçO 2010
ApresentaçãO Ser SaúDavel MarçO 2010ApresentaçãO Ser SaúDavel MarçO 2010
ApresentaçãO Ser SaúDavel MarçO 2010
 
PANORAMA DAS AÇÕES DE MONITORAMENTO DAS CRIANÇAS COM SÍNDROME CONGÊNITA DO ZI...
PANORAMA DAS AÇÕES DE MONITORAMENTO DAS CRIANÇAS COM SÍNDROME CONGÊNITA DO ZI...PANORAMA DAS AÇÕES DE MONITORAMENTO DAS CRIANÇAS COM SÍNDROME CONGÊNITA DO ZI...
PANORAMA DAS AÇÕES DE MONITORAMENTO DAS CRIANÇAS COM SÍNDROME CONGÊNITA DO ZI...
 
Estratégias de Melhoria no Processo de Planificação da Região Leste do DF
Estratégias de Melhoria no Processo de Planificação da Região Leste do DFEstratégias de Melhoria no Processo de Planificação da Região Leste do DF
Estratégias de Melhoria no Processo de Planificação da Região Leste do DF
 
SP Carinhosa - CRS Centro-oeste
SP Carinhosa - CRS Centro-oesteSP Carinhosa - CRS Centro-oeste
SP Carinhosa - CRS Centro-oeste
 
AULA+-+REDE+CEGONHA.ppt
AULA+-+REDE+CEGONHA.pptAULA+-+REDE+CEGONHA.ppt
AULA+-+REDE+CEGONHA.ppt
 
Aspectos Relevantes da Política Municipal de Saúde – UBS Integral: Perspectiv...
Aspectos Relevantes da Política Municipal de Saúde – UBS Integral: Perspectiv...Aspectos Relevantes da Política Municipal de Saúde – UBS Integral: Perspectiv...
Aspectos Relevantes da Política Municipal de Saúde – UBS Integral: Perspectiv...
 
Vale este Premio APS Forte_Canaã dos Carajás.pptx
Vale este Premio APS Forte_Canaã dos Carajás.pptxVale este Premio APS Forte_Canaã dos Carajás.pptx
Vale este Premio APS Forte_Canaã dos Carajás.pptx
 
Seminário "Desenvolvimento Infantil e Vínculos Familiares" CRS oeste
Seminário "Desenvolvimento Infantil e Vínculos Familiares"  CRS oesteSeminário "Desenvolvimento Infantil e Vínculos Familiares"  CRS oeste
Seminário "Desenvolvimento Infantil e Vínculos Familiares" CRS oeste
 
PROJETO TERAPÊUTICO SINGULAR
PROJETO TERAPÊUTICO SINGULARPROJETO TERAPÊUTICO SINGULAR
PROJETO TERAPÊUTICO SINGULAR
 
Construindo um protocolo único para uma atenção integral à primeira infância ...
Construindo um protocolo único para uma atenção integral à primeira infância ...Construindo um protocolo único para uma atenção integral à primeira infância ...
Construindo um protocolo único para uma atenção integral à primeira infância ...
 
Territorialização: Base para a Organização e Planejamento em Saúde
Territorialização: Base para a Organização e Planejamento em SaúdeTerritorialização: Base para a Organização e Planejamento em Saúde
Territorialização: Base para a Organização e Planejamento em Saúde
 
APICE On - Aprimoramento e Inovação no Cuidado/Ensino em Obstetrícia e Neonat...
APICE On - Aprimoramento e Inovação no Cuidado/Ensino em Obstetrícia e Neonat...APICE On - Aprimoramento e Inovação no Cuidado/Ensino em Obstetrícia e Neonat...
APICE On - Aprimoramento e Inovação no Cuidado/Ensino em Obstetrícia e Neonat...
 
O matriciamento como ferramenta para a integração entre a APS e a AAE na Regi...
O matriciamento como ferramenta para a integração entre a APS e a AAE na Regi...O matriciamento como ferramenta para a integração entre a APS e a AAE na Regi...
O matriciamento como ferramenta para a integração entre a APS e a AAE na Regi...
 

Mais de Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS

Mais de Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS (20)

Modelo de Distanciamento Controlado - Rio Grande do Sul
Modelo de Distanciamento Controlado - Rio Grande do SulModelo de Distanciamento Controlado - Rio Grande do Sul
Modelo de Distanciamento Controlado - Rio Grande do Sul
 
O enfrentamento da Covid-19 pela Atenção Primária à Saúde em Uberlândia, Mina...
O enfrentamento da Covid-19 pela Atenção Primária à Saúde em Uberlândia, Mina...O enfrentamento da Covid-19 pela Atenção Primária à Saúde em Uberlândia, Mina...
O enfrentamento da Covid-19 pela Atenção Primária à Saúde em Uberlândia, Mina...
 
Banners – II Seminário da Planificação da Atenção à Saúde
Banners – II Seminário da Planificação da Atenção à SaúdeBanners – II Seminário da Planificação da Atenção à Saúde
Banners – II Seminário da Planificação da Atenção à Saúde
 
A introdução de novas tecnologias para o manejo das condições crônicas na UBS...
A introdução de novas tecnologias para o manejo das condições crônicas na UBS...A introdução de novas tecnologias para o manejo das condições crônicas na UBS...
A introdução de novas tecnologias para o manejo das condições crônicas na UBS...
 
PIMENTEIRAS DO OESTE - RO
PIMENTEIRAS DO OESTE - ROPIMENTEIRAS DO OESTE - RO
PIMENTEIRAS DO OESTE - RO
 
CHECKLIST DA IMUNIZAÇÃO: um instrumento de melhoria e monitoramento do proces...
CHECKLIST DA IMUNIZAÇÃO: um instrumento de melhoria e monitoramento do proces...CHECKLIST DA IMUNIZAÇÃO: um instrumento de melhoria e monitoramento do proces...
CHECKLIST DA IMUNIZAÇÃO: um instrumento de melhoria e monitoramento do proces...
 
Da adesão aos resultados esperados no PlanificaSUS: um olhar sobre a importân...
Da adesão aos resultados esperados no PlanificaSUS: um olhar sobre a importân...Da adesão aos resultados esperados no PlanificaSUS: um olhar sobre a importân...
Da adesão aos resultados esperados no PlanificaSUS: um olhar sobre a importân...
 
INCORPORAÇÃO DE ESTRATÉGIAS INOVADORAS NO PROCESSO DE PLANIFICAÇÃO DA ATENÇÃO...
INCORPORAÇÃO DE ESTRATÉGIAS INOVADORAS NO PROCESSO DE PLANIFICAÇÃO DA ATENÇÃO...INCORPORAÇÃO DE ESTRATÉGIAS INOVADORAS NO PROCESSO DE PLANIFICAÇÃO DA ATENÇÃO...
INCORPORAÇÃO DE ESTRATÉGIAS INOVADORAS NO PROCESSO DE PLANIFICAÇÃO DA ATENÇÃO...
 
Melhorias na Unidade Laboratório do município de Pimenta Bueno/RO após a plan...
Melhorias na Unidade Laboratório do município de Pimenta Bueno/RO após a plan...Melhorias na Unidade Laboratório do município de Pimenta Bueno/RO após a plan...
Melhorias na Unidade Laboratório do município de Pimenta Bueno/RO após a plan...
 
Jornada Interdisciplinar em Diabetes, Obesidade e Hipertensão
Jornada Interdisciplinar em Diabetes, Obesidade e HipertensãoJornada Interdisciplinar em Diabetes, Obesidade e Hipertensão
Jornada Interdisciplinar em Diabetes, Obesidade e Hipertensão
 
A Segurança do Paciente na Construção Social da APS
A Segurança do Paciente na Construção Social da APSA Segurança do Paciente na Construção Social da APS
A Segurança do Paciente na Construção Social da APS
 
Cuidados Paliativos no contexto do avanço das condições crônicas
Cuidados Paliativos no contexto do avanço das condições crônicasCuidados Paliativos no contexto do avanço das condições crônicas
Cuidados Paliativos no contexto do avanço das condições crônicas
 
Sala de Situação Regional de Saúde Sudoeste I
Sala de Situação  Regional de Saúde  Sudoeste I Sala de Situação  Regional de Saúde  Sudoeste I
Sala de Situação Regional de Saúde Sudoeste I
 
Por um cuidado certo - Sociedade Brasileira de Diabetes
Por um cuidado certo - Sociedade Brasileira de DiabetesPor um cuidado certo - Sociedade Brasileira de Diabetes
Por um cuidado certo - Sociedade Brasileira de Diabetes
 
O pediatra e sua presença na Assistência no Brasil
O pediatra e sua presença na Assistência no BrasilO pediatra e sua presença na Assistência no Brasil
O pediatra e sua presença na Assistência no Brasil
 
Notas Técnicas para Organização das Redes de Atenção à Saúde
Notas Técnicas para Organização das Redes de Atenção à SaúdeNotas Técnicas para Organização das Redes de Atenção à Saúde
Notas Técnicas para Organização das Redes de Atenção à Saúde
 
Ministério Público em Defesa da APS
Ministério Público em Defesa da APSMinistério Público em Defesa da APS
Ministério Público em Defesa da APS
 
II Seminário da Planificação da Atenção à Saúde: “Desafios do SUS e a Planifi...
II Seminário da Planificação da Atenção à Saúde: “Desafios do SUS e a Planifi...II Seminário da Planificação da Atenção à Saúde: “Desafios do SUS e a Planifi...
II Seminário da Planificação da Atenção à Saúde: “Desafios do SUS e a Planifi...
 
Usuário do SUS: as primeiras evidências
Usuário do SUS: as primeiras evidênciasUsuário do SUS: as primeiras evidências
Usuário do SUS: as primeiras evidências
 
Desafios do SUS
Desafios do SUS Desafios do SUS
Desafios do SUS
 

Último

Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjdMedicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjdClivyFache
 
Amamentação: motricidade oral e repercussões sistêmicas - TCC
Amamentação: motricidade oral e repercussões sistêmicas - TCCAmamentação: motricidade oral e repercussões sistêmicas - TCC
Amamentação: motricidade oral e repercussões sistêmicas - TCCProf. Marcus Renato de Carvalho
 
Assistencia de enfermagem no pos anestesico
Assistencia de enfermagem no pos anestesicoAssistencia de enfermagem no pos anestesico
Assistencia de enfermagem no pos anestesicoWilliamdaCostaMoreir
 
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃOeMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃOMayaraDayube
 
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery  after surgery in neurosurgeryEnhanced recovery  after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery after surgery in neurosurgeryCarlos D A Bersot
 
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfSistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfGustavoWallaceAlvesd
 

Último (6)

Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjdMedicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
 
Amamentação: motricidade oral e repercussões sistêmicas - TCC
Amamentação: motricidade oral e repercussões sistêmicas - TCCAmamentação: motricidade oral e repercussões sistêmicas - TCC
Amamentação: motricidade oral e repercussões sistêmicas - TCC
 
Assistencia de enfermagem no pos anestesico
Assistencia de enfermagem no pos anestesicoAssistencia de enfermagem no pos anestesico
Assistencia de enfermagem no pos anestesico
 
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃOeMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
 
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery  after surgery in neurosurgeryEnhanced recovery  after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
 
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfSistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
 

Guia do Pré-Natal na Atenção Básica do RS

  • 1. Guia do Pré-Natal na Atenção Básica: a Planificação da Atenção à Saúde como Estratégia de Qualificação da Atenção às Gestantes no RS Gisleine Lima da Silva Política de Saúde das Mulheres Departamento de Ações em Saúde - SES/RS Brasília Dezembro, 2019
  • 2. Planificação da Atenção à Saúde no RS – 2015 a 2019 4ª CRS (32 municípios) Santa Maria 18ª CRS (23 municípios) Osório Rede Materno Infantil Ambulatórios de Gestante de Alto Risco (AGAR) 7500 profissionais envolvidos diretamente; 400 facilitadores; 200 tutores; 108 municípios envolvidos; 5 CRS e 7 regiões de saúde 2015 (out) CONASS 2017 (set) CONASS 10ª CRS (11 municípios) Alegrete 2018 (set) CONASS 17ª CRS (20 municípios) Ijuí 3ª CRS (22 municípios) Pelotas 2019 (jul) (ProadiSUS). 2019 (jul) (ProadiSUS). Rede Saúde Mental (SM) Abertura de 4 Ambulatórios de SM Rede de Crônicos (HAS e Diabetes) 2018 - abertura do 1º Ambulatório
  • 3. RS 2016 2017 2018 75% (+1,4) 76,40% (+ 2,3) 78,70% Resultados - Pré-natal Sete ou mais consultas de pré-natal - 18ª CRSSete ou mais consultas de pré-natal - 4ª CRS +4,19 +2,17 +2,93
  • 4. Meta Brasil 3.1: 30 mortes maternas por 100 mil nascidos vivos. Em 2016 a RMM foi de 64,4. Meta Brasil 3.2: taxa de mortalidade neonatal (0 a 27 dias)de 5,3 por 1 mil nascidos e para a taxa de mortalidade na infância (menores de 5 anos) de 8,3 por 1 mil nascidos vivos. Desafio permanente para a Saúde Pública e para a Sociedade! Mapa Estratégico SES/RS Meta RS - Reduzir a morbidade e mortalidade por causas evitáveis materna, infantil e fetal. Em 2016 RMM 38,89 – meta em 2030 é de RMM 20.
  • 6. Modelo Tradicional: Especialista realizando pré-natal de risco habitual na APS (“dia da gestante”, “pré-natal com o especialista é mais qualificado”); Pré-natal centralizado – centros maternos infantis, centro de especialidades médicas, hospitais; Assistência a gestantes: Fragilidade técnica dos profissionais para manejo clínico das gestantes; Dificuldades de estratificação do risco gestacional e referenciamento equivocados para o AGAR; Assistência médico/dependente (protocolos e rotinas estabelecidas em evidências); Exames: Falta ou excesso, cada município com um rol de exames diferente, sem padrão estabelecido. Ex: mulheres em extrema vulnerabilidade social realizando pré-natal no privado devido à falta de exames no SUS, exames que deveriam ser ofertados de rotina no pré-natal – desfecho óbito materno; Indicadores de Saúde da Mulher e Criança (Epidemia de sífilis e de cesariana) Problemas no Pré-natal: Modelo, Assistência, Exames e Indicadores
  • 7.
  • 8. Objetivo: Subsidiar as equipes da APS na perspectiva da qualificação da assistência no pré-natal, através de critérios para a estratificação de risco e suporte para tomada de decisão clínica para gestações de risco habitual. Aborda as seguintes temáticas: planejamento sexual e reprodutivo, abordagem pré concepcional, o acompanhamento da gestação na AB, pré-natal do parceiro, estratificação de risco da gestante e a consulta puerperal. Construção do Guia (convencimento do gestor): Diversas áreas e setores da SES e Consulta Pública no site da SES; Revisado pela equipe do TelessaúdeRS; Pactuado na Comissão Intergestores Bipartite, (CIB/RS 022/2019); Disponível em versão digital no site da SES e impresso (10 mil cópias). Implementação do Guia: Lógica da Educação Permanente em Saúde – realizada pelas 19 CRS de forma regionalizada abrangendo os 497 municípios (a distribuição condicionada a realização de cursos/seminários/oficinas); Apresentação do Guia para os gestores municipais nas CIR; Regiões em Planificação – inserção do Guia nas tutorias da APS e AAE.
  • 9.  Padronizou a Carteira de Serviços para 100% das gestantes do território gaúcho;  Propiciou a “linguagem comum” no processo de Planificação da Atenção à Saúde;  Apresentou o modelo de pré-natal preconizado pelo estado, potencializando o papel da APS na Rede Materno Infantil;  Gradativo aumento de pré-natal realizado pelos profissionais da APS, em regiões de Planificação;  Melhoria da estratificação de risco e referenciamento em tempo oportuno para o alto risco;  Integração dos AGAR com a APS - matriciamento dos ambulatórios para a rede;  Melhoria na organização dos serviços, exames e fluxos do pré-natal, ampliando o acesso e qualificando a atenção às gestantes; Gestores municipais – conhecimento do papel do município sobre o pré-natal, as necessidades das gestantes e a programação financeira; Gestor Estadual – transição do modelo de contratualização dos serviços – da oferta para os parâmetros de necessidades. Responsabilidade sanitária pelas gestantes do território. R E S U L T A D O S
  • 10. É necessário ter protocolos estaduais para nortear e padronizar a conduta clínica dos profissionais, é imprescindível pactuar estes documentos com os gestores, nos espaços das CIR e da CIB; Imprescindível o investimento na qualificação técnica dos profissionais de saúde, ter espaços de formação/discussão da política, da rede e dos fluxos. Constatou-se que profissionais inseridos nestas atividades se sentem mais preparados e apoiados pra realizar o acompanhamento das gestantes; “Feedbacks” positivos: o Guia tem sido estratégico para qualificação das equipes de saúde, do fortalecimento da APS, organização dos serviços e do cuidado integral da saúde das gestantes e seus bebês. Lições Aprendidas
  • 11. Referências BRASIL. Ministério da Saúde. Razão de Mortalidade Materna. Disponível em: http://svs.aids.gov.br/dantps/acesso-a-informacao/acoes-e-programas/busca-ativa/indicadores-de- saude/mortalidade/. Acesso em: 08 dez de 2019. RIO GRANDE DO SUL. Secretaria de Estado da Saúde. Guia do Pré-natal na Atenção Básica. Porto Alegre, 2018. Disponível em: https://atencaobasica.saude.rs.gov.br/upload/arquivos/201901/09090527- guia-pre-natal-na-atencao-basica-web.pdf . Acesso em: 08 dez. 2019. RIO GRANDE DO SUL. Secretaria de Estado da Saúde. Portal BI Saúde. Disponível em: http://bipublico.saude.rs.gov.br/index.htm . Acesso em: 08 dez de 2019.
  • 12. Obrig@da!! Secretaria de Estado da Saúde do Rio Grande do Sul Contatos: saudedamulher@saude.rs.gov.br (51) 32885903