SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 27
Professora: Helena Faria
Acadêmicos de Enfermagem:
Alessandra Duarte Marques - 13100133
Ana Caroline Pereira Cruz - 13101777
Andressa Freitas dos Reis - 13100390
Elias Pazolini - 13104213
Elisangela dos Santos – 05220156
Suelen Cabral Pereira - 09201874
PAISM: Uma agenda Feminista da Saúde
Pública (1983/1984)
“Programa”,
“Integralidade”
“Saúde
da Mulher”
1980 Pré- Cairo, Pré - Beijing
Pré – Saúde e Direitos Sexuais e Reprodutivos
As idealizações dos movimentos feminista foi plenamente definido como a saúde
reprodutiva adotada pela Organização Mundial da Saúde em 1988, e foi ampliada e
consolidada no Cairo em 1994 e em Beijing em 1995.
 Recorte Histórico da Política de Atenção à
Saúde da Mulher.
 Década de 30, 50 e 70: os programas materno – infantis, traduziam uma
visão restrita sobre a mulher, baseada no seu papel social de mãe e domestica.
 Década de 80 a 90: muitos movimentos feministas foram para as ruas, o que
incentivou a criação do PAISM, que foi influenciado pelas características da nova
politica de saúde o SUS .
 2001: foi criado a NOAS – Norma Operacional de Assistência à Saúde que
amplia as responsabilidades dos municípios e regionaliza a atenção a saúde.
 2003: foi criado medidas que visão a redução da mortalidade materna.
 2004: foi criado a PNAISM - Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da
Mulher.
 2006: foi criado o Pacto pela Saúde que tinha o objetivo de controlar o
câncer de colo uterino e mama, reduzi a mortalidade materna e a promoção de
saúde incentivando hábitos saudáveis.
 PAISM - Programa de Assistência Integral
à Saúde da Mulher
  As preocupações sobre o controle de natalidade, fez com que o Ministério da Saúde
elabora-se no ano de 1983 um programa voltado para a saúde da mulher, o mesmo faria
parte de bases da ação programática o PAISM - Programa de Assistência Integral à Saúde
da Mulher.
 Este programa tem por objetivo promover a assistência integral à saúde da mulher, e a
redução da morbimortalidade deste grupo. Ele normatiza, organiza e monitora,
juntamente com os Distritos Sanitários, as ações de atenção à saúde da mulher em
todos os níveis de complexidade na Rede Municipal e Federal de Saúde.
Suas ações estão voltadas para os cuidados que compreendem cinco eixos:
1. Planejamento da vida sexual e reprodutiva;
2. pré - natal;
3. parto e puerpério;
4. prevenção e detecção precoce do câncer do colo uterino e da mama;
5. violência sexual.
PAISM Atuação do Enfermeiro
Mulheres em
idade fértil
Referencias para outros
profissionais e serviços
Acolhimento Consulta
de
Enferm
agem
Coleta de CO
e exame mama
Tratamento
de infecção
vaginais
Prevenção
de DST/
AIDS
Planejamento
Familiar
Açõesde
Vigilânciaà
Saúde
Açõesde
Vigilânciaà
Saúde
Acolhimento
Consulta
de
Enferm
agem
Coleta de CO
e exame mama
Tratamento
de infecção
vaginais
Os Cuidados com a nossa saúde
Em todas as etapas de nossas vidas....
Pré -Natal
 O Pré – Natal consiste no acompanhamento durante a gravidez,
pelos profissionais de saúde.
 Seu objetivo é acolher a mulher desde o princípio da gravidez,
assegurando, no fim da gestação, o nascimento de uma criança
saudável e garantia do bem- estar materno e neonatal.
 Toda mulher tem direito há 6 consultas no mínimo, alternadas
entre o profissional medico e enfermeiro, garantindo uma
consulta médica por trimestre, no mínimo.
Idade Gestacional Intervalo entre as consultas
Da 12ª a 37ª semana Consultas mensais
Da 38ª a 40ª semana Consultas semanais
Na 41ª semana Encaminhar para maternidade e manter o monitoramento pela ESF
Pós - Natal
 Essa duração é de cerca de 38 semanas (266 dias) após
a concepção, ou seja cerca de 40 semanas após a
última menstruação.
Investigação e registro:
Escutar a mulher, realizar avaliações e Orientação.
Uso de Método anticoncepcional durante aleitamento:
Amenorreia ( ausência de menstruação)
Métodos não hormonais e métodos de barreira:
DIU, Preservativo, anticoncepcional oral sô de progesterona, Injetável Trimestral e os
métodos comportamentais.
Não Utilizados em lactantes: Anticoncepcional oral combinado e o injetável mensal
Contraindicações:
Encontram-se as mulheres com câncer de mama, HIV ou com distúrbios graves da
consciência ou do comportamento.
Consulta Puerperal ( até 42 Dias)
Pós - Natal
Mortalidade Materna
A mortalidade materna significa, a investigação epidemiológica das causas
de morte materna e os indicadores de qualidade da atenção à saúde na
assistência prestada às mulheres, durante o seu ciclo gravídico – puerperal e ao
aborto.
Enfermeiro tem como objetivo a promoção de ações preventivas para a
morte materna evitável. Participando dos projetos visando a redução das taxas
de proteção aos direitos da mulher, reunindo esforços, conscientizando e
sensibilizando em suas ações preventivas.
A participação do Enfermeiro no âmbito da prevenção da mortalidade
materna foi reconhecida nas portarias do Ministério da Saúde que tratam do
tema, como fator importante de mudança.
Faz-se necessário determinar um prazo para que estas modificações
ocorram, pois não podemos, nem devemos mais tolerar mortes maternas
evitáveis.
Principais causa de óbitos
 1º lugar – doenças cardiovasculares – 11.321 óbitos
 2º lugar – tumores – 6.865 óbitos entre
 Mama – 1.010 óbitos
 Pulmões – 897 óbitos
 Intestino – 705 óbitos
 Pâncreas – 383 óbitos
 Colo de útero – 303 óbitos
 3º lugar – doenças respiratórias – 3.593 óbitos
 4º lugar – doenças do aparelho digestório – 1.335 óbitos
 5º lugar – causas externas – 1.288 óbitos
 6º lugar – doenças infecciosas – 1.239 óbitos entre
 AIDS – 495 óbitos
 Hepatite viral – 137 óbitos
 Tuberculose – 74 óbitos
Exame Papanicolau ou Preventivo
 É um exame que procura detectar alterações no colo do útero, deve
ser realizado por enfermeiros ou médicos.
 O enfermeiro participa do procedimento desde a orientação e o
preparo da paciente, e a realização do exame.
 O Papanicolau consiste no estudo das células do cérvix ou colo
uterino que é a parte do útero que protege ou aparece na vagina e, é
a parte que dilata-se, formando o canal do parto, nele localizam-se as
glândulas chamadas Criptas do colo responsáveis pela produção do
muco cervical.
 Avaliando lesões de alto grau tipo NIC I, II e III
 Recomenda-se fazer o exame de 1 ou 2 anos quando estiver normal
Fatores de risco
• Idade precoce na primeira relação sexual
• Multiplicidade de parceiros
• DSTs
• Tabagismo
• Carência nutricional em dieta
• Uso de anticoncepcionais
Câncer de Colo de Útero
 O colo uterino é formado por camadas de células epiteliais
pavimentosas, que ao sofrerem transformação intra – epiteliais
progressiva, podem evoluir para uma lesão cancerosa invasiva em
um período de 10 a 20 anos.
 A prevenção do câncer do colo do útero está relacionada à
diminuição do risco de contágio pelo papiloma vírus humano
(HPV).
 Atualmente há duas vacinas aprovadas que protegem contra os
subtipos 16 e 18 do HPV.  Ambas são eficazes contra as lesões
precursoras do câncer cérvico-uterino, principalmente se
utilizadas antes do contato com o vírus.
Câncer de Mama
 É o mais comum nas brasileiras, afeta 11 mil pessoas todos os anos.
 É o segundo tipo mais frequente no mundo, o câncer de mama é o mais
comum entre as mulheres, respondendo por 22% dos casos novos a cada
ano. Se diagnosticado e tratado oportunamente, o prognóstico é
relativamente bom.
 O enfermeiro atua orientando quanto ao auto exame de mamas e
avaliando as mamas durante o preventivo.
 Prevenção
 Evitar a obesidade, ingestão de álcool, assim como a exposição a
radiações ionizantes em idade inferior aos 35 anos.
 A mamografia é indicada anualmente para mulheres a partir de 40
anos.
 Auto exame procure:
 Caroços, Abaulamentos, Retração, Secreção no mamilo (água)
Câncer de Mama
 Câncer mais comum nas brasileiras afeta 11 mil pessoas todos os
anos.
 É o segundo tipo mais freqüente no mundo, o câncer de mama é o mais
comum entre as mulheres, respondendo por 22% dos casos novos a cada
ano. Se diagnosticado e tratado oportunamente, o prognóstico é
relativamente bom.
 Auto-exame procure:
 Caroços
 Abaulamentos
 Retração
 Secreção no mamilo (água)
Câncer de Mama
Violência
Violência
• A violência é um problema de todos os segmentos da sociedade. É questão
de saúde pública , porque afeta a saúde individual e coletiva e exige, para sua
preservação e enfrentamento, a formulação de politicas especificas e a
qualificação das equipes para a devida assistência.
• Depois da Lei n° 11.340/06 a violência domestica é considerada como uma
das formas de violação dos direitos humanos. Alterando o Código Penal e
possibilitando que agressores sejam presos em flagrante, ou tenham prisão
preventiva decretada quando ameaçarem a integridade física da mulher.
• Prevê medidas de proteção para a mulher que corre risco de morte, como
o afastamento do agressor do domicilio e proibição de sua aproximação
física junto à mulher agredida(BRASIL, 2006g).
Violência contra a mulher
Uma mulher que foi espancada por seu companheiro por 6Uma mulher que foi espancada por seu companheiro por 6
anos, idealizou esta lei “Maria da Penha”, recebeu seu próprioanos, idealizou esta lei “Maria da Penha”, recebeu seu próprio
nome como forma de homenagem. Tal mulher Maria da Penhanome como forma de homenagem. Tal mulher Maria da Penha
Maia Fernandes, foi baleada nas costa o que causou umaMaia Fernandes, foi baleada nas costa o que causou uma
paralisia.paralisia.
Seu companheiro foi autuado após 19 anos e cumpriu somenteSeu companheiro foi autuado após 19 anos e cumpriu somente
2 anos de prisão, tal injustiça a levou a liderar os movimentos de2 anos de prisão, tal injustiça a levou a liderar os movimentos de
defesa dos direitos das mulheres. Pois ela deseja que todos osdefesa dos direitos das mulheres. Pois ela deseja que todos os
companheiros agressor paguem pelo dano moral e psicológicos ocompanheiros agressor paguem pelo dano moral e psicológicos o
qual causam nestas mulheres.qual causam nestas mulheres.
A Lei n° 11340/2006A Lei n° 11340/2006, batizada então de, batizada então de Maria da PenhaMaria da Penha, foi, foi
criada com o intuito de combater todos os tipos de agressõescriada com o intuito de combater todos os tipos de agressões
contra a mulher.contra a mulher.
Referência Bibliográfica
BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde.
Caderno de Atenção Básica de saúde sexual e reprodutiva.
Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2010
BRASIL, Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde.
Assistência Integral à Saúde da Mulher: bases de ação programática.
Brasília, DF: Ministério da Saúde, 1985.
BRASIL, Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde.
Atenção Integral para Mulheres e Adolescentes em Situação de Violência Domestica e Sexual.
Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2011.
BRASIL, Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde.
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher.
Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2004.
BRASIL, Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde.
Manual Técnico dos Profissionais de Saúde sobre Prevenção do Câncer do Colo do Útero
Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2002.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Política Nacional de Atenção Integral á Saúde da Mulher
Política Nacional de Atenção Integral á Saúde da MulherPolítica Nacional de Atenção Integral á Saúde da Mulher
Política Nacional de Atenção Integral á Saúde da Mulher
Karina Pereira
 
Sistematização da assistência de enfermagem
Sistematização da assistência de enfermagemSistematização da assistência de enfermagem
Sistematização da assistência de enfermagem
Danilo Nunes Anunciação
 

Mais procurados (20)

Saúde da Mulher
Saúde da MulherSaúde da Mulher
Saúde da Mulher
 
SAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE AULA 2.pptx
SAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE AULA 2.pptxSAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE AULA 2.pptx
SAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE AULA 2.pptx
 
Atenção Primária à Saúde
Atenção Primária à SaúdeAtenção Primária à Saúde
Atenção Primária à Saúde
 
A Importância do Pré-Natal
A Importância do Pré-NatalA Importância do Pré-Natal
A Importância do Pré-Natal
 
Aula Introdutória de Saúde Coletiva
Aula Introdutória de Saúde ColetivaAula Introdutória de Saúde Coletiva
Aula Introdutória de Saúde Coletiva
 
Lei 8080.90
Lei 8080.90Lei 8080.90
Lei 8080.90
 
Saúde Coletiva - 1. introdução e conceitos fundamentais
Saúde Coletiva - 1. introdução e conceitos fundamentaisSaúde Coletiva - 1. introdução e conceitos fundamentais
Saúde Coletiva - 1. introdução e conceitos fundamentais
 
Política Nacional de Atenção Integral á Saúde da Mulher
Política Nacional de Atenção Integral á Saúde da MulherPolítica Nacional de Atenção Integral á Saúde da Mulher
Política Nacional de Atenção Integral á Saúde da Mulher
 
Pré-natal na Atenção Básica
Pré-natal na Atenção BásicaPré-natal na Atenção Básica
Pré-natal na Atenção Básica
 
Aula 1 saúde coletiva i slides aula - cópia
Aula 1 saúde coletiva i   slides aula - cópiaAula 1 saúde coletiva i   slides aula - cópia
Aula 1 saúde coletiva i slides aula - cópia
 
Aula saude do idoso
Aula saude do idosoAula saude do idoso
Aula saude do idoso
 
Saude da mulher1
Saude da mulher1Saude da mulher1
Saude da mulher1
 
Aula promoao a saude
Aula promoao a saudeAula promoao a saude
Aula promoao a saude
 
Saúde da mulher slides
Saúde da mulher  slidesSaúde da mulher  slides
Saúde da mulher slides
 
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)
 
Aula 3 - SUS
Aula 3 - SUSAula 3 - SUS
Aula 3 - SUS
 
Política Nacional de Atenção Integral à SAÚDE do HOMEM
Política Nacional de Atenção Integral à SAÚDE do HOMEM Política Nacional de Atenção Integral à SAÚDE do HOMEM
Política Nacional de Atenção Integral à SAÚDE do HOMEM
 
Saude da mulher
Saude da mulherSaude da mulher
Saude da mulher
 
Sistematização da assistência de enfermagem
Sistematização da assistência de enfermagemSistematização da assistência de enfermagem
Sistematização da assistência de enfermagem
 
PACTO PELA SAÚDE
PACTO PELA SAÚDEPACTO PELA SAÚDE
PACTO PELA SAÚDE
 

Destaque

Prog SaúDe Da Mulher
Prog  SaúDe Da MulherProg  SaúDe Da Mulher
Prog SaúDe Da Mulher
Tania Fonseca
 
ApresentaçãO SaúDe Da Mulher
ApresentaçãO SaúDe Da MulherApresentaçãO SaúDe Da Mulher
ApresentaçãO SaúDe Da Mulher
Tania Fonseca
 
Em discussão! agosto internet
Em discussão! agosto internetEm discussão! agosto internet
Em discussão! agosto internet
rcatanese
 
Cuaderno digital
Cuaderno digitalCuaderno digital
Cuaderno digital
jimmygav
 
Cartilha dos Direitos à Saúde da Mulher
Cartilha dos Direitos à Saúde da MulherCartilha dos Direitos à Saúde da Mulher
Cartilha dos Direitos à Saúde da Mulher
Zózimo Lisbôa
 
Saúde da mulher morte materna e aborto
Saúde da mulher morte materna e abortoSaúde da mulher morte materna e aborto
Saúde da mulher morte materna e aborto
Alinebrauna Brauna
 

Destaque (20)

PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER – PAISM: entre as diretrizes n...
PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER – PAISM: entre as diretrizes n...PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER – PAISM: entre as diretrizes n...
PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER – PAISM: entre as diretrizes n...
 
Saude da mulher
Saude da mulherSaude da mulher
Saude da mulher
 
Prog SaúDe Da Mulher
Prog  SaúDe Da MulherProg  SaúDe Da Mulher
Prog SaúDe Da Mulher
 
Climatério atenção integral à mulher 2011
Climatério   atenção integral à mulher 2011Climatério   atenção integral à mulher 2011
Climatério atenção integral à mulher 2011
 
ApresentaçãO SaúDe Da Mulher
ApresentaçãO SaúDe Da MulherApresentaçãO SaúDe Da Mulher
ApresentaçãO SaúDe Da Mulher
 
Saúde da mulher
Saúde da mulherSaúde da mulher
Saúde da mulher
 
Livreto Enfermagem Saúde da Materna
Livreto Enfermagem Saúde da MaternaLivreto Enfermagem Saúde da Materna
Livreto Enfermagem Saúde da Materna
 
Adolescencia
AdolescenciaAdolescencia
Adolescencia
 
Em discussão! agosto internet
Em discussão! agosto internetEm discussão! agosto internet
Em discussão! agosto internet
 
Aula 71 1º cga
Aula 71   1º cgaAula 71   1º cga
Aula 71 1º cga
 
Cuaderno digital
Cuaderno digitalCuaderno digital
Cuaderno digital
 
Objetivos de Desenvolvimento do Milênio - Relatório Nacional de Acompanhamen...
Objetivos de Desenvolvimento  do Milênio - Relatório Nacional de Acompanhamen...Objetivos de Desenvolvimento  do Milênio - Relatório Nacional de Acompanhamen...
Objetivos de Desenvolvimento do Milênio - Relatório Nacional de Acompanhamen...
 
Cartilha dos Direitos à Saúde da Mulher
Cartilha dos Direitos à Saúde da MulherCartilha dos Direitos à Saúde da Mulher
Cartilha dos Direitos à Saúde da Mulher
 
Câncer de colo_de_útero_e_de_mama
Câncer de colo_de_útero_e_de_mamaCâncer de colo_de_útero_e_de_mama
Câncer de colo_de_útero_e_de_mama
 
Mortalidade materna: Ministério da Saúde prevê redução recorde em 2011.
Mortalidade materna: Ministério da Saúde prevê redução recorde em 2011.Mortalidade materna: Ministério da Saúde prevê redução recorde em 2011.
Mortalidade materna: Ministério da Saúde prevê redução recorde em 2011.
 
A mortalidade materna tem diminuído desde 1990
A mortalidade materna tem diminuído desde 1990A mortalidade materna tem diminuído desde 1990
A mortalidade materna tem diminuído desde 1990
 
Aleitamento materno outubro 2011
Aleitamento materno outubro 2011Aleitamento materno outubro 2011
Aleitamento materno outubro 2011
 
Saúde da mulher morte materna e aborto
Saúde da mulher morte materna e abortoSaúde da mulher morte materna e aborto
Saúde da mulher morte materna e aborto
 
Atenção Primária à Saúde: Seu papel no Programa de Redução da Mortalidade Inf...
Atenção Primária à Saúde: Seu papel no Programa de Redução da Mortalidade Inf...Atenção Primária à Saúde: Seu papel no Programa de Redução da Mortalidade Inf...
Atenção Primária à Saúde: Seu papel no Programa de Redução da Mortalidade Inf...
 
0762-L - PROSAD - Programa saúde do adolescente - Bases programáticas
0762-L - PROSAD - Programa saúde do adolescente - Bases programáticas0762-L - PROSAD - Programa saúde do adolescente - Bases programáticas
0762-L - PROSAD - Programa saúde do adolescente - Bases programáticas
 

Semelhante a Paism slider

sadedamulher-150825191857-lva1-app6892+(1)_abcdpdf_pdf_para_ppt.pptx
sadedamulher-150825191857-lva1-app6892+(1)_abcdpdf_pdf_para_ppt.pptxsadedamulher-150825191857-lva1-app6892+(1)_abcdpdf_pdf_para_ppt.pptx
sadedamulher-150825191857-lva1-app6892+(1)_abcdpdf_pdf_para_ppt.pptx
ItauanaAlmeida1
 
sadedamulher-150825191857-lva1-app6892.pptx
sadedamulher-150825191857-lva1-app6892.pptxsadedamulher-150825191857-lva1-app6892.pptx
sadedamulher-150825191857-lva1-app6892.pptx
pamelacastro71
 
Saudedamulher 120428080212-phpapp01
Saudedamulher 120428080212-phpapp01Saudedamulher 120428080212-phpapp01
Saudedamulher 120428080212-phpapp01
Cms Nunes
 
Manualdeorientaoasadedamulher 120613120854-phpapp02
Manualdeorientaoasadedamulher 120613120854-phpapp02Manualdeorientaoasadedamulher 120613120854-phpapp02
Manualdeorientaoasadedamulher 120613120854-phpapp02
Jaqueline Freire
 
Manualdeorientaoasadedamulher 120613120854-phpapp02
Manualdeorientaoasadedamulher 120613120854-phpapp02Manualdeorientaoasadedamulher 120613120854-phpapp02
Manualdeorientaoasadedamulher 120613120854-phpapp02
Jaqueline Freire
 

Semelhante a Paism slider (20)

Saúde da mulher, musicalização e prevenção quaternária
Saúde da mulher, musicalização e prevenção quaternária Saúde da mulher, musicalização e prevenção quaternária
Saúde da mulher, musicalização e prevenção quaternária
 
sadedamulher-150825191857-lva1-app6892+(1)_abcdpdf_pdf_para_ppt.pptx
sadedamulher-150825191857-lva1-app6892+(1)_abcdpdf_pdf_para_ppt.pptxsadedamulher-150825191857-lva1-app6892+(1)_abcdpdf_pdf_para_ppt.pptx
sadedamulher-150825191857-lva1-app6892+(1)_abcdpdf_pdf_para_ppt.pptx
 
sadedamulher-150825191857-lva1-app6892.pptx
sadedamulher-150825191857-lva1-app6892.pptxsadedamulher-150825191857-lva1-app6892.pptx
sadedamulher-150825191857-lva1-app6892.pptx
 
SAUDE DA MULHER_220503_213747.pdf
SAUDE DA MULHER_220503_213747.pdfSAUDE DA MULHER_220503_213747.pdf
SAUDE DA MULHER_220503_213747.pdf
 
SAÚDE DA MULHER TECNORT.pptx
SAÚDE DA MULHER TECNORT.pptxSAÚDE DA MULHER TECNORT.pptx
SAÚDE DA MULHER TECNORT.pptx
 
saude_mulher2.pdf
saude_mulher2.pdfsaude_mulher2.pdf
saude_mulher2.pdf
 
Quebras suplemento
Quebras suplementoQuebras suplemento
Quebras suplemento
 
saúde da mulher.ppt
saúde da mulher.pptsaúde da mulher.ppt
saúde da mulher.ppt
 
Outubro rosa.pptx
Outubro rosa.pptxOutubro rosa.pptx
Outubro rosa.pptx
 
Aula 2 - Ginecologia - Infertilidade, saúde sexual e reprodutiva, planejament...
Aula 2 - Ginecologia - Infertilidade, saúde sexual e reprodutiva, planejament...Aula 2 - Ginecologia - Infertilidade, saúde sexual e reprodutiva, planejament...
Aula 2 - Ginecologia - Infertilidade, saúde sexual e reprodutiva, planejament...
 
CNS Saúde da Mulher nos 25 anos do Sistema Único de Saúde
CNS Saúde da Mulher nos 25 anos do Sistema Único de SaúdeCNS Saúde da Mulher nos 25 anos do Sistema Único de Saúde
CNS Saúde da Mulher nos 25 anos do Sistema Único de Saúde
 
Saude da mulher
Saude da mulherSaude da mulher
Saude da mulher
 
AULA - Política e indicador em saúde da mulher
AULA - Política e indicador em saúde da mulherAULA - Política e indicador em saúde da mulher
AULA - Política e indicador em saúde da mulher
 
4.-Aula-Pré-natal.pdf
4.-Aula-Pré-natal.pdf4.-Aula-Pré-natal.pdf
4.-Aula-Pré-natal.pdf
 
Saudedamulher 120428080212-phpapp01
Saudedamulher 120428080212-phpapp01Saudedamulher 120428080212-phpapp01
Saudedamulher 120428080212-phpapp01
 
aumentar o penis
aumentar o penisaumentar o penis
aumentar o penis
 
1° AULA - SAÚDE DA MULHER - PAISM, PNAISM.pptx
1° AULA - SAÚDE DA MULHER - PAISM, PNAISM.pptx1° AULA - SAÚDE DA MULHER - PAISM, PNAISM.pptx
1° AULA - SAÚDE DA MULHER - PAISM, PNAISM.pptx
 
Manualdeorientaoasadedamulher 120613120854-phpapp02
Manualdeorientaoasadedamulher 120613120854-phpapp02Manualdeorientaoasadedamulher 120613120854-phpapp02
Manualdeorientaoasadedamulher 120613120854-phpapp02
 
Manualdeorientaoasadedamulher 120613120854-phpapp02
Manualdeorientaoasadedamulher 120613120854-phpapp02Manualdeorientaoasadedamulher 120613120854-phpapp02
Manualdeorientaoasadedamulher 120613120854-phpapp02
 
Planeamento familiar
Planeamento familiarPlaneamento familiar
Planeamento familiar
 

Mais de Dessa Reis

1 diagnostico das condições de promoção de saude das escolas
1   diagnostico das condições de promoção de saude das escolas1   diagnostico das condições de promoção de saude das escolas
1 diagnostico das condições de promoção de saude das escolas
Dessa Reis
 
3 lista de comparecimento teatro de fantoche
3   lista de comparecimento teatro de fantoche3   lista de comparecimento teatro de fantoche
3 lista de comparecimento teatro de fantoche
Dessa Reis
 

Mais de Dessa Reis (20)

2ª Edição Jornal Vilar Carioca.pdf
2ª Edição Jornal Vilar Carioca.pdf2ª Edição Jornal Vilar Carioca.pdf
2ª Edição Jornal Vilar Carioca.pdf
 
1ª Edição do Jornal do Vilar Carioca.pdf
1ª Edição do Jornal do Vilar Carioca.pdf1ª Edição do Jornal do Vilar Carioca.pdf
1ª Edição do Jornal do Vilar Carioca.pdf
 
slider para grupo de tabagismo
slider para grupo de tabagismoslider para grupo de tabagismo
slider para grupo de tabagismo
 
Folheto Gravidez na adolescencia
Folheto Gravidez na adolescenciaFolheto Gravidez na adolescencia
Folheto Gravidez na adolescencia
 
Resnha filme sicko
Resnha filme sickoResnha filme sicko
Resnha filme sicko
 
Folheto Saúde da Criança
Folheto Saúde da CriançaFolheto Saúde da Criança
Folheto Saúde da Criança
 
Folheto Gestantes
Folheto GestantesFolheto Gestantes
Folheto Gestantes
 
Balas frenéticas
Balas frenéticasBalas frenéticas
Balas frenéticas
 
Controle do diabetes
Controle do diabetes Controle do diabetes
Controle do diabetes
 
1 diagnostico das condições de promoção de saude das escolas
1   diagnostico das condições de promoção de saude das escolas1   diagnostico das condições de promoção de saude das escolas
1 diagnostico das condições de promoção de saude das escolas
 
3 lista de comparecimento teatro de fantoche
3   lista de comparecimento teatro de fantoche3   lista de comparecimento teatro de fantoche
3 lista de comparecimento teatro de fantoche
 
Cms raul barroso
Cms raul barrosoCms raul barroso
Cms raul barroso
 
Diabetes x saude bucal
Diabetes x saude bucalDiabetes x saude bucal
Diabetes x saude bucal
 
Grupo de amamentação
Grupo de amamentação Grupo de amamentação
Grupo de amamentação
 
Piercing Por que não usar
Piercing Por que não usarPiercing Por que não usar
Piercing Por que não usar
 
Seminário dorothea elizabeth orem
Seminário dorothea elizabeth oremSeminário dorothea elizabeth orem
Seminário dorothea elizabeth orem
 
Seminário distanásia
Seminário distanásiaSeminário distanásia
Seminário distanásia
 
Visita técnica no CMS APN
Visita técnica no CMS APNVisita técnica no CMS APN
Visita técnica no CMS APN
 
Relatório final praticas assistenciais
Relatório final praticas assistenciais Relatório final praticas assistenciais
Relatório final praticas assistenciais
 
Semiologia a1
Semiologia a1Semiologia a1
Semiologia a1
 

Último

Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Eró Cunha
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
profbrunogeo95
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
VALMIRARIBEIRO1
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Kelly Mendes
 

Último (20)

Santa Gemma Galgani, Flor de Lucca, mística italiana 1887-1903 (Portugués).pptx
Santa Gemma Galgani, Flor de Lucca, mística italiana 1887-1903 (Portugués).pptxSanta Gemma Galgani, Flor de Lucca, mística italiana 1887-1903 (Portugués).pptx
Santa Gemma Galgani, Flor de Lucca, mística italiana 1887-1903 (Portugués).pptx
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 
Insegurança nunca mais tem afeta pessoas
Insegurança nunca mais tem afeta pessoasInsegurança nunca mais tem afeta pessoas
Insegurança nunca mais tem afeta pessoas
 
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
 
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigasPeça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
transcrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguatranscrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de língua
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
 
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdfApostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 

Paism slider

  • 1. Professora: Helena Faria Acadêmicos de Enfermagem: Alessandra Duarte Marques - 13100133 Ana Caroline Pereira Cruz - 13101777 Andressa Freitas dos Reis - 13100390 Elias Pazolini - 13104213 Elisangela dos Santos – 05220156 Suelen Cabral Pereira - 09201874
  • 2. PAISM: Uma agenda Feminista da Saúde Pública (1983/1984) “Programa”, “Integralidade” “Saúde da Mulher”
  • 3. 1980 Pré- Cairo, Pré - Beijing Pré – Saúde e Direitos Sexuais e Reprodutivos As idealizações dos movimentos feminista foi plenamente definido como a saúde reprodutiva adotada pela Organização Mundial da Saúde em 1988, e foi ampliada e consolidada no Cairo em 1994 e em Beijing em 1995.
  • 4.  Recorte Histórico da Política de Atenção à Saúde da Mulher.  Década de 30, 50 e 70: os programas materno – infantis, traduziam uma visão restrita sobre a mulher, baseada no seu papel social de mãe e domestica.  Década de 80 a 90: muitos movimentos feministas foram para as ruas, o que incentivou a criação do PAISM, que foi influenciado pelas características da nova politica de saúde o SUS .  2001: foi criado a NOAS – Norma Operacional de Assistência à Saúde que amplia as responsabilidades dos municípios e regionaliza a atenção a saúde.  2003: foi criado medidas que visão a redução da mortalidade materna.  2004: foi criado a PNAISM - Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher.  2006: foi criado o Pacto pela Saúde que tinha o objetivo de controlar o câncer de colo uterino e mama, reduzi a mortalidade materna e a promoção de saúde incentivando hábitos saudáveis.
  • 5.
  • 6.  PAISM - Programa de Assistência Integral à Saúde da Mulher   As preocupações sobre o controle de natalidade, fez com que o Ministério da Saúde elabora-se no ano de 1983 um programa voltado para a saúde da mulher, o mesmo faria parte de bases da ação programática o PAISM - Programa de Assistência Integral à Saúde da Mulher.  Este programa tem por objetivo promover a assistência integral à saúde da mulher, e a redução da morbimortalidade deste grupo. Ele normatiza, organiza e monitora, juntamente com os Distritos Sanitários, as ações de atenção à saúde da mulher em todos os níveis de complexidade na Rede Municipal e Federal de Saúde. Suas ações estão voltadas para os cuidados que compreendem cinco eixos: 1. Planejamento da vida sexual e reprodutiva; 2. pré - natal; 3. parto e puerpério; 4. prevenção e detecção precoce do câncer do colo uterino e da mama; 5. violência sexual.
  • 7. PAISM Atuação do Enfermeiro Mulheres em idade fértil Referencias para outros profissionais e serviços Acolhimento Consulta de Enferm agem Coleta de CO e exame mama Tratamento de infecção vaginais Prevenção de DST/ AIDS Planejamento Familiar Açõesde Vigilânciaà Saúde Açõesde Vigilânciaà Saúde Acolhimento Consulta de Enferm agem Coleta de CO e exame mama Tratamento de infecção vaginais
  • 8. Os Cuidados com a nossa saúde Em todas as etapas de nossas vidas....
  • 9. Pré -Natal  O Pré – Natal consiste no acompanhamento durante a gravidez, pelos profissionais de saúde.  Seu objetivo é acolher a mulher desde o princípio da gravidez, assegurando, no fim da gestação, o nascimento de uma criança saudável e garantia do bem- estar materno e neonatal.  Toda mulher tem direito há 6 consultas no mínimo, alternadas entre o profissional medico e enfermeiro, garantindo uma consulta médica por trimestre, no mínimo. Idade Gestacional Intervalo entre as consultas Da 12ª a 37ª semana Consultas mensais Da 38ª a 40ª semana Consultas semanais Na 41ª semana Encaminhar para maternidade e manter o monitoramento pela ESF
  • 10. Pós - Natal  Essa duração é de cerca de 38 semanas (266 dias) após a concepção, ou seja cerca de 40 semanas após a última menstruação.
  • 11. Investigação e registro: Escutar a mulher, realizar avaliações e Orientação. Uso de Método anticoncepcional durante aleitamento: Amenorreia ( ausência de menstruação) Métodos não hormonais e métodos de barreira: DIU, Preservativo, anticoncepcional oral sô de progesterona, Injetável Trimestral e os métodos comportamentais. Não Utilizados em lactantes: Anticoncepcional oral combinado e o injetável mensal Contraindicações: Encontram-se as mulheres com câncer de mama, HIV ou com distúrbios graves da consciência ou do comportamento. Consulta Puerperal ( até 42 Dias)
  • 13. Mortalidade Materna A mortalidade materna significa, a investigação epidemiológica das causas de morte materna e os indicadores de qualidade da atenção à saúde na assistência prestada às mulheres, durante o seu ciclo gravídico – puerperal e ao aborto. Enfermeiro tem como objetivo a promoção de ações preventivas para a morte materna evitável. Participando dos projetos visando a redução das taxas de proteção aos direitos da mulher, reunindo esforços, conscientizando e sensibilizando em suas ações preventivas. A participação do Enfermeiro no âmbito da prevenção da mortalidade materna foi reconhecida nas portarias do Ministério da Saúde que tratam do tema, como fator importante de mudança. Faz-se necessário determinar um prazo para que estas modificações ocorram, pois não podemos, nem devemos mais tolerar mortes maternas evitáveis.
  • 14. Principais causa de óbitos  1º lugar – doenças cardiovasculares – 11.321 óbitos  2º lugar – tumores – 6.865 óbitos entre  Mama – 1.010 óbitos  Pulmões – 897 óbitos  Intestino – 705 óbitos  Pâncreas – 383 óbitos  Colo de útero – 303 óbitos  3º lugar – doenças respiratórias – 3.593 óbitos  4º lugar – doenças do aparelho digestório – 1.335 óbitos  5º lugar – causas externas – 1.288 óbitos  6º lugar – doenças infecciosas – 1.239 óbitos entre  AIDS – 495 óbitos  Hepatite viral – 137 óbitos  Tuberculose – 74 óbitos
  • 15.
  • 16. Exame Papanicolau ou Preventivo  É um exame que procura detectar alterações no colo do útero, deve ser realizado por enfermeiros ou médicos.  O enfermeiro participa do procedimento desde a orientação e o preparo da paciente, e a realização do exame.  O Papanicolau consiste no estudo das células do cérvix ou colo uterino que é a parte do útero que protege ou aparece na vagina e, é a parte que dilata-se, formando o canal do parto, nele localizam-se as glândulas chamadas Criptas do colo responsáveis pela produção do muco cervical.  Avaliando lesões de alto grau tipo NIC I, II e III  Recomenda-se fazer o exame de 1 ou 2 anos quando estiver normal
  • 17. Fatores de risco • Idade precoce na primeira relação sexual • Multiplicidade de parceiros • DSTs • Tabagismo • Carência nutricional em dieta • Uso de anticoncepcionais
  • 18. Câncer de Colo de Útero  O colo uterino é formado por camadas de células epiteliais pavimentosas, que ao sofrerem transformação intra – epiteliais progressiva, podem evoluir para uma lesão cancerosa invasiva em um período de 10 a 20 anos.  A prevenção do câncer do colo do útero está relacionada à diminuição do risco de contágio pelo papiloma vírus humano (HPV).  Atualmente há duas vacinas aprovadas que protegem contra os subtipos 16 e 18 do HPV.  Ambas são eficazes contra as lesões precursoras do câncer cérvico-uterino, principalmente se utilizadas antes do contato com o vírus.
  • 19.
  • 20.
  • 21. Câncer de Mama  É o mais comum nas brasileiras, afeta 11 mil pessoas todos os anos.  É o segundo tipo mais frequente no mundo, o câncer de mama é o mais comum entre as mulheres, respondendo por 22% dos casos novos a cada ano. Se diagnosticado e tratado oportunamente, o prognóstico é relativamente bom.  O enfermeiro atua orientando quanto ao auto exame de mamas e avaliando as mamas durante o preventivo.  Prevenção  Evitar a obesidade, ingestão de álcool, assim como a exposição a radiações ionizantes em idade inferior aos 35 anos.  A mamografia é indicada anualmente para mulheres a partir de 40 anos.  Auto exame procure:  Caroços, Abaulamentos, Retração, Secreção no mamilo (água)
  • 22. Câncer de Mama  Câncer mais comum nas brasileiras afeta 11 mil pessoas todos os anos.  É o segundo tipo mais freqüente no mundo, o câncer de mama é o mais comum entre as mulheres, respondendo por 22% dos casos novos a cada ano. Se diagnosticado e tratado oportunamente, o prognóstico é relativamente bom.  Auto-exame procure:  Caroços  Abaulamentos  Retração  Secreção no mamilo (água)
  • 25. Violência • A violência é um problema de todos os segmentos da sociedade. É questão de saúde pública , porque afeta a saúde individual e coletiva e exige, para sua preservação e enfrentamento, a formulação de politicas especificas e a qualificação das equipes para a devida assistência. • Depois da Lei n° 11.340/06 a violência domestica é considerada como uma das formas de violação dos direitos humanos. Alterando o Código Penal e possibilitando que agressores sejam presos em flagrante, ou tenham prisão preventiva decretada quando ameaçarem a integridade física da mulher. • Prevê medidas de proteção para a mulher que corre risco de morte, como o afastamento do agressor do domicilio e proibição de sua aproximação física junto à mulher agredida(BRASIL, 2006g).
  • 26. Violência contra a mulher Uma mulher que foi espancada por seu companheiro por 6Uma mulher que foi espancada por seu companheiro por 6 anos, idealizou esta lei “Maria da Penha”, recebeu seu próprioanos, idealizou esta lei “Maria da Penha”, recebeu seu próprio nome como forma de homenagem. Tal mulher Maria da Penhanome como forma de homenagem. Tal mulher Maria da Penha Maia Fernandes, foi baleada nas costa o que causou umaMaia Fernandes, foi baleada nas costa o que causou uma paralisia.paralisia. Seu companheiro foi autuado após 19 anos e cumpriu somenteSeu companheiro foi autuado após 19 anos e cumpriu somente 2 anos de prisão, tal injustiça a levou a liderar os movimentos de2 anos de prisão, tal injustiça a levou a liderar os movimentos de defesa dos direitos das mulheres. Pois ela deseja que todos osdefesa dos direitos das mulheres. Pois ela deseja que todos os companheiros agressor paguem pelo dano moral e psicológicos ocompanheiros agressor paguem pelo dano moral e psicológicos o qual causam nestas mulheres.qual causam nestas mulheres. A Lei n° 11340/2006A Lei n° 11340/2006, batizada então de, batizada então de Maria da PenhaMaria da Penha, foi, foi criada com o intuito de combater todos os tipos de agressõescriada com o intuito de combater todos os tipos de agressões contra a mulher.contra a mulher.
  • 27. Referência Bibliográfica BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Caderno de Atenção Básica de saúde sexual e reprodutiva. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2010 BRASIL, Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Assistência Integral à Saúde da Mulher: bases de ação programática. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 1985. BRASIL, Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Atenção Integral para Mulheres e Adolescentes em Situação de Violência Domestica e Sexual. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2011. BRASIL, Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2004. BRASIL, Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Manual Técnico dos Profissionais de Saúde sobre Prevenção do Câncer do Colo do Útero Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2002.