SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 89
SAÚDE DA
MULHER- UM
BREVE
HISTÓRICO
( Enfª Cyana
Azevedo)
Violência Contra
Mulheres: Doméstica e
Sexual.
LEI MARIA DA PENHA
Papel do Conselho
Municipal de
MÓDULO I
O Dia Internacional de Ação pela Saúde da Mulher
Mulheres ainda são maioria no país
O Brasil tem 92,4 milhões de homens e 97,5 milhões de
mulheres. Estatisticamente, percebemos que nascem muito
mais homens do que mulheres, provavelmente por uma
questão genética porém morrem muito mais, por questões
ligadas ao estresse da sobrevivência e, entre os jovens, por
causas violentas. Para se ter uma idéia, na faixa dos 15 aos 35
anos, os homens morrem até cinco vezes mais do que as
mulheres. O levantamento do IBGE revela que as meninas de
até 4 anos são minoria e representam 6,9% do total da
população, enquanto os homens na mesma faixa etária
somam 7,5%. Já entre os mais velhos, com mais de 60 anos, a
proporção é de 12,1% de mulheres contra 10% de homens.
DISTRIBUIÇÃO POR SEXO NAS
REGIÕES
Homens (%) Mulheres (%)
Brasil 48,7 51,3
Norte 50,0 50,0
Nordeste 48,9 51,1
Sudeste 48,1 51,9
Sul 48,7 51,3
Centro-Oeste 49,2 50,8
HISTÓRICO DA MULHER NA LUTA PELA SAUDE
 28 de maio: Dia Internacional de Ação pela Saúde da
Mulher
 O Movimento Internacional Mulher e Saúde/MIMS,
emergiu na década de 1970,
 Europa e nos EUA pelo direito ao aborto legal e seguro
(“Nosso corpos nos pertencem”), assim como a
elaboração, nos meios feministas.
 I Conferência Mundial da ONU sobre a Mulher
(1975,NAIROBI)
 Criação da Rede Mundial de Mulheres pelos Direitos
Reprodutivos (1978, Holanda);
 IV Encontro Internacional Mulher e Saúde (1984,
Holanda)abordagem sobre morte materna
 28 de maio de 1988 foi iniciada a Campanha de Prevenção
da Mortalidade Materna que ficou conhecida como A
Campanha Mundial pela Saúde da Mulher e de
Combate à Morbimortalidade Materna para: denunciar
as altas taxas de morbidade e mortalidade maternas,
especialmente nos países menos desenvolvidos.
 1988. Campanha Mundial contra a mortalidade materna
 1989. Impeçamos a mortalidade e a morbidade maternas
 1990. Maternidade voluntária e sem riscos
 1991. Melhor qualidade de atenção
 1992. A gravidez adolescente
 1993. Aborto! Basta de Silêncio!
 1994. Aborto legal e sem riscos para todas as mulheres
 1995. Contra a feminilização da pobreza, pela saúde da
mulher.
 1996 a Campanha, na América Latina e no Caribe, manteve
enfoque em temas (Chamados de Ação), tendo como eixo
os direitos sexuais e os direitos reprodutivos.
 1997/1998. Pelo exercício dos direitos sexuais e
reprodutivos: acesso e qualidade de atenção nos serviços de
saúde – um direito das mulheres
 1999/2000. Pelo exercício dos direitos sexuais e
reprodutivos: acesso à informação, educação e serviços de
saúde sexual e reprodutiva para adolescentes.
 2001/2002. Pelo exercício dos direitos sexuais e
reprodutivos: direito à saúde –direito de cidadania das
mulheres e das meninas.
 2003. Mortalidade materna: um assunto de direitos
humanos, uma demanda de Justiça social.
 2004. Pela Saúde Integral e os Direitos das Mulheres.
A mulher e a lei
Parece incrível, mas faz apenas 20 anos que,
perante a lei, as mulheres brasileiras têm os
mesmos direitos dos homens. Essa foi uma
conquista da Constituição Federal
promulgada em 5 de outubro de 1988 – a
oitava do país –, que rompia com o
autoritarismo militar.
IGUALDADE
Estamos na frente dos Estados Unidos, onde os direitos são
iguais apenas no âmbito das leis estaduais. O artigo 5º da
Constituição diz que homens e mulheres são iguais perante as
leis...
VIOLÊNCIA
A Lei Maria da Penha, de 2006, caracteriza a violência doméstica
como: física, psicológica, sexual, moral e patrimonial; protege a
vítima, afastando o agressor de casa; prevê reeducação para ele e
apoio para os filhos.
Antes, o caso era trata do no Juizado Criminal como briga de
trânsito, sem considerar relação afetiva, e o réu pagava o crime
com cestas básicas. A lei cria juizados com competência criminal
e cível (arbitra sobre separação e guarda de filhos), mas eles estão
demorando para entrar em funcionamento
POLÍTICA
Cada partido ou coligação deve reservar para as mulheres
brasileiras 30% das candidaturas ao Legislativo. Problema: não
há pena para o descumprimento da lei.
PLANEJAMENTO FAMILIAR
O Código Civil estabelece que o planejamento familiar é uma
decisão do casal e cabe ao Estado prover recursos para sua
execução.
PROGRAMA SAUDE DA MULHER
REALIDADE BRASILEIRA:
 segundo dados do unicef (fundo das nações unidas para a
infância), quase 1/3 das mulheres brasileiras vivendo nas
áreas rurais não consultam médico durante toda gravidez.
 mesmo nas áreas urbanas, o índice espanta: quase uma em
cada 11 sem assistência.
 a falta de informação das futuras mães tem sido uma das
vilãs na história da mulher.
 o planejamento familiar, que permite programar a vida da
família, e gravidez com saúde são exemplos do que pode
ocorrer quando temos mulheres recebendo boa assistência.
 quanto à violência, nenhuma estatística é confiável, já
que poucas vítimas do abuso têm coragem para
denunciar.
 algumas propostas do programa saúde da mulher
visam dar melhor assistência à mulher durante a
gravidez, no parto e após o nascimento do bebê e já
apresentam resultados muito importantes, como
redução da morbi-mortalidade infantil e materna.
 dispinibilização de 40.526 leitos obstétricos em
hospitais e maternidades.
 o programa também tem ações para a prevenção e o
tratamento de doenças sexualmente transmissíveis,
cancer cérvico-uterino e de mama, ampliou-se o acesso
ao atendimento, ao diagnóstico e ao tratamento.
CANCER DE COLO UTERINO E DE MAMA
Consiste no desenvolvimento e na prática de
estratégias que reduzam a mortalidade e as
repercussões físicas, psíquicas e sociais dos cânceres do
colo do útero e de mama. Por meio de ação conjunta
entre o Ministério da Saúde e todos os 26 Estados
brasileiros, além do Distrito Federal, são oferecidos
serviços de prevenção e detecção precoce das doenças,
assim como tratamento e reabilitação em todo o
território nacional.
QUAL A SITUAÇÃO ATUAL DA DOENÇA?
CÂNCER DO COLO DO ÚTERO
Com aproximadamente 500 mil casos novos por ano no
mundo, o câncer do colo do útero é o segundo tipo de
câncer mais comum entre as mulheres, sendo
responsável pela morte de 230 mil mulheres por ano.
No Brasil, para 2010, são esperados 18.430, com um
risco estimado de 18 casos a cada 100 mil mulheres.
Sabe-se hoje que o surgimento do câncer do colo do
útero está associado à infecção por um dos 15 tipos
oncogênicos do HPV.
HPV.( PAPILOMA VIRUS HUMANO)
Existem mais de 200 tipos diferentes de HPV.
Classificação:
 Baixo risco de câncer
 Alto risco de câncer. Somente os de alto risco estão
relacionados a tumores malignos.( 16,18,31,33,45,58)
Já os HPV de tipo 6 e 11, encontrados na maioria das
verrugas genitais (ou condilomas genitais) parecem
não oferecer nenhum risco de progressão para
malignidade, apesar de serem encontrados em
pequena proporção em tumores malignos.
Estudos no mundo comprovam que 50% a 80% das
mulheres sexualmente ativas serão infectadas por um ou
mais tipos de HPV em algum momento de suas vidas.
Porém, a maioria das infecções é transitória, sendo
combatida espontaneamente pelo sistema imune,
principalmente entre as mulheres mais jovens. Qualquer
pessoa infectada com HPV desenvolve anticorpos (que
poderão ser detectados no organismo), mas nem sempre
estes são suficientemente competentes para eliminar os
vírus.
Fig. 2 – Células infectadas pelo vírus HPV.
FATORES DE RISCO DO CÂNCER DE COLO
UTERINO:
 tabagismo,
 baixa ingestão de vitaminas,
 multiplicidade de parceiros sexuais,
 iniciação sexual precoce e o uso de contraceptivos
orais.
Estima-se uma redução de até 80% na mortalidade por
este câncer a partir do rastreamento de mulheres na
faixa etária de 25 a 65 anos com o teste de Papanicolau
e tratamento das lesões precursoras com alto potencial
de malignidade ou carcinoma "in situ". Para tanto é
necessário garantir a organização, a integralidade e a
qualidade do programa de rastreamento, bem como do
tratamento das pacientes.
Câncer de mama
 O câncer de mama é o segundo tipo de câncer mais frequente no
mundo e o mais comum entre as mulheres, respondendo por 22% dos
casos novos nesse grupo. No Brasil, são esperados 49.400 novos casos
em 2010, com risco estimado de 49 casos a cada 100 mil mulheres.
 Embora seja considerado um câncer de bom prognóstico, trata-se da
maior causa de morte entre as mulheres brasileiras, principalmente na
faixa entre 40 e 69 anos, com mais de 11 mil mortes/ano (2012). Isso
porque na maioria dos casos a doença é diagnosticada em estádios
avançados.
 Para reverter esse quadro, disponibilizamos em linguagem acessível
todas as informações necessárias para o planejamento de ações de
controle da doença conforme as características de cada região, como a
distribuição de recursos, fatores de risco, estimativas, registros
hospitalares e fórmulas para planejar consultas, exames, biópsias e
mamografias.
A QUEM O PROGRAMA SE DESTINA?
Em relação ao câncer de colo do útero
Para impedir o avanço da doença no Brasil, o
Programa Viva Mulher desenvolve ações dirigidas
às mulheres na faixa etária de 25 a 59 anos que
incluem diagnóstico precoce (através de exame
Papanicolau e exames de confirmação diagnóstica)
e tratamento necessário de acordo com cada caso.
EM RELAÇÃO AO CÂNCER DE MAMA
Com intuito de detectar as lesões malignas da mama, o
Viva Mulher preconiza,:
 Realização do exame clínico das mamas para mulheres de
todas as faixas etárias, como parte do atendimento integral
à mulher.
 Para mulheres acima de 40 anos, esse exame deve ser
realizado anualmente.
 Para aquelas na faixa entre 50 e 69 anos recomenda-se a
realização de uma mamografia, pelo menos, a cada dois
anos.
 As mulheres submetidas a esses exames devem ter acesso
garantido aos demais procedimentos de investigação
diagnóstica e de tratamento, quando necessário.
POLÍTICAS DE DIREITOS SEXUAIS E REPRODUTIVOS
.
MÉTODOS CONTRACEPTIVOS UMA REALIDADE AINDA
POUCO DIFUNDIDA.
CLASSIFICAÇÃO QUANTO AO TIPO
 Métodos de barreira
 Métodos hormonais
 Dispositivos intra-uterinos (DIU)
 Método sintotérmico
 Esterilização
1. MÉTODOS DE BARREIRA
PRESERVATIVOS FEMININO E MASCULINO
2. MÉTODOS HORMONAIS
TIPOS:
 Comprimidos orais
 Injeções mensais e trimestrais
 Adesivo dérmico
 Implante subdérmico
 Anel vaginal
VANTAGENS:
 eficácia contraceptiva,
 desempenham um papel protetor contra várias doenças (em particular,
doenças benignas da mama e do ovário e osteoporose);
 ajudam a regular ciclos menstruais e minimizam as dores pré-
menstruais (dismenorreia);
 diminuem o risco de cancro do ovário e do endométrio; melhoram a
acne.
DIU MÉTODO SINTOTÉRMICO
ESTERILIZAÇÃO
ABORTO
LEI QUE LEGALIZA O ABORTO 6/6/2011
O ABORTO DEIXA DE SER CRIME E
TORNA-SE UM DIREITO DA GESTANTE
Lei n. 1135/91, que propõe a supressão
do artigo 124 do atual Código Penal
Brasileiro.o aborto voluntário é
considerado crime, com pena de
detenção de um a três anos.
O CRIME DE ABORTO, NO BRASIL,
SÓ NÃO É PUNÍVEL, SEGUNDO O
ARTIGO 128 DO CÓDIGO PENAL
QUANDO:
Praticado por médico, se não houver
«outro meio de salvar a vida da
gestante»
Ou se a gravidez for resultante de estupro.
Tipos de aborto
 ABORTO INDUZIDO:

O aborto induzido é um procedimento usado para interromper uma gravidez.

PODE ACONTECER QUANDO:
 existem malformações congênitas,
 quando a gravidez resulta de um crime contra a liberdade e
autodeterminação sexual,
 quando a gravidez coloca em perigo a vida e a saúde física e/ou psíquica
da mulher
 ou simplesmente por opção da mulher.
É legal quando a interrupção da gravidez é realizada de acordo com a
legislação em vigor .
Obs: Quando feito precocemente por médicos experientes e em condições
adequadas apresenta um elevadíssimo nível de segurança.
COMPLICACÕES DO ABORTO.
 Hemorragias e as infecções e evacuações
incompletas,no caso de abortos cirúrgicos.
 tiver febre, com temperatura superior a 38ºC,
 perdas importantes de sangue, fortes dores
abdominais ou mal-estar geral.
 .
HIV em mulheres
Os dados do Boletim Epidemiológico
Aids/DST (2011) mostram que em 2012
u foram registrados 656.701 mil casos
de AIDS no Brasil.
NÚMERO DE ÓBITOS POR ANO :
• Aproximadamente 11,5 mil.
:
HIV NA POPULAÇÃO EM GERAL
 TAXA DE PREVALÊNCIA DE HIV NA POPULAÇÃO:
 População geral – 0,4%
 • Homens – 0,5%
 • Mulheres – 0,3%
 • HSH (Homens que fazem sexo com homens) – 10,5%
 • Profissional do sexo – 4,9%
 • Usuários de drogas – 5,9%.
 Obs> São notificados em média 36 mil novos casos por
ano.
DADOS COMPORTAMENTAIS
 Jovens (15 a 24 anos) são os que mais usam preservativo
- 67,8% usaram na última relação sexual com parceiros
casuais, nos últimos 12 meses (2008).
 Mulheres são as que menos usam a camisinha.
Na última relação sexual com parceiros casuais nos
últimos 12 meses,
 65,1% dos homens e, apenas, 45,5% das mulheres
relataram ter usado camisinha (2008).
Percentual de casos de HIV/AIDS – 2008 á 2011
 Centro-Oeste 5,7%
(28.719)
 Nordeste 11,5%
(58.348)
 Norte 3,6%
(18.155)
 Sudeste 60%
(305.725)
 Sul 18,9%
(95.552)
Fonte: MS/DST/AIDS
HIV/AIDS
 A região Sul segue a tendência de estabilização do país,
porém em patamares elevados – a cada 100 mil
habitantes em 2000, existiam 26,3 casos. Em 2006, a
taxa passou para 27,6. No Sudeste, há discreta queda:
de 24,4 em 2010 para 19,9 em 2011. No Centro-Oeste,
essa queda se apresenta a partir de 2012.
HIV/AIDS
 Há discreto aumento da taxa de incidência no Nordeste e
mais acentuado no Norte. No primeiro, o índice subiu de
6,9 para 10,8 de 2010 para 2011. E de 6,8 para 15,2 no Norte.
 A epidemia no Sudeste é a mais antiga do Brasil. “Lá
surgiram as primeiras ações de prevenção, diagnóstico e
tratamento. A região conta com serviços de saúde mais
estruturados, se comparados aos do Norte e Nordeste.
“Populações residentes onde a epidemia cresce hoje, em
geral, sofrem com desigualdades socioeconômicas e
dificuldades geográficas que interferem no acesso à
informação e ao sistema de saúde”, completa.
Fatores que contribuem para a vulnerabilidade
das mulheres á AIDS
 desigualdade nas relações de poder
 maior dificuldade de negociação das mulheres quanto
ao uso de preservativo; violência doméstica e sexual
 discriminação e preconceito relacionados à raça, etnia
e orientação sexual;
 além da falta de percepção das mulheres sobre o risco
de se infectar pelo HIV.
Taxas de incidência de aids (por 100 mil hab.) em homens
segundo faixa etária e ano de diagnóstico. Brasil.2006 2012
1996 2007
 30 a 34 70.5 49.3
 35 a 39 59.5 56.4
 40 a 49 39 48.2
 50 a 59 18.2 27
 60 e 5.8 9.3
mais
AIDS NO PIAUI
 Um dado alarmante é o número de mulheres grávidas
infectadas pelo vírus. A Sesapi - Secretaria Estadual de
Saúde registrou 133 casos de mulheres grávidas que
possuiam o vírus nos últimos 5 anos .
 No Piauí, o tratamento de mulheres grávidas com HIV é
realizado no Instituto de Doenças Topicais Natan Portela.
O tratamento deve começar a partir da 14ª semana de
gestação. Depois ainda há a possibilidade de a mãe receber
AZT (medicamento usado no tratamento da doença)
injetável no momento do parto e, o bebê, o xarope de AZT
durante as primeiras seis primeiras semanas de vida.
 Em mulheres grávidas com o vírus não é indicado o
parto normal. Elas devem passar por uma intervenção
cirúrgica para reduzir o risco de infecção nos bebês.
MORTALIDADE MATERNA
25 ANOS DE SAÚDE DA MULHER
- Saúde garante mais proteção às mulheres
- Cobertura dada pelo pré-natal aumenta
mais que 20%
- Indicadores confirmam o êxito da política de
saúde da mulher
RESUMOS DAS ATIVIDADES REALIZADAS PELO
SUS NO BRASIL
 Melhoria da atenção obstétrica e organização da rede.
 Monitoramento dos pactos de redução da taxa de
cesáreas em hospitais do SUS e da implementação do
Parto Humanizado no Pré -Natal (4.443 municípios
aderidos).
 Portarias: de reativação da Comissão Nacional de
Morte Materna e outra que torna o óbito materno
evento de notificação compulsória.
 Coordenação e promoção de capacitações
SISTEMA REPRODUTOR
MASCULINO E FEMININO
 O Sistema reprodutor masculino é formado por:
 Testículos ou gônadas
 Vias espermáticas: epidídimo, canal deferente, uretra.
 Pênis
 Escroto
 Glândulas anexas: próstata, vesículas seminais,
glândulas bulbouretrais
SISTEMA REPRODUTOR
MASCULINO
 Testículos: são as gônadas masculinas.
Cada testículo é composto por um
emaranhado de tubos, os ductos seminíferos
.Esses ductos são formados pelas células de
Sértoli (ou de sustento) e pelo epitélio
germinativo, onde ocorrerá a formação dos
espermatozóides.
SISTEMA REPRODUTOR
MASCULINO
 Em meio aos ductos seminíferos, as células
intersticiais produzem os hormônios
sexuais masculinos, sobretudo a
testosterona, responsáveis pelo
desenvolvimento dos órgãos genitais
masculinos e dos caracteres sexuais
secundários:
SISTEMA REPRODUTOR
MASCULINO
 Estimulam os folículos pilosos para que
façam crescer a barba masculina e o pêlo
pubiano.
 Estimulam o crescimento das glândulas
sebáceas e a elaboração do sebo.
 Produzem o aumento de massa muscular
nas crianças durante a puberdade, pelo
aumento do tamanho das fibras musculares.
SISTEMA REPRODUTOR
MASCULINO
 Ampliam a laringe e tornam mais grave a
voz.
 Fazem com que o desenvolvimento da massa
óssea seja maior, protegendo contra a
osteoporose.
 Epidídimos: são dois tubos enovelados que
partem dos testículos, onde os
espermatozóides são armazenados.
 Canais deferentes: são dois tubos que
partem dos testículos, circundam a bexiga
urinária e unem-se ao ducto ejaculatório,
onde desembocam as vesículas seminais.
 Vesículas seminais: responsáveis pela
produção de um líquido, que será liberado
no ducto ejaculatório que, juntamente com
o líquido prostático e espermatozóides,
entrarão na composição do sêmen
 O líquido das vesículas seminais age como
fonte de energia para os espermatozóides e é
constituído principalmente por frutose,
apesar de conter fosfatos, nitrogênio não
protéico, cloretos, colina (álcool de cadeia
aberta considerado como integrante do
complexo vitamínico B) e prostaglandinas
(hormônios produzidos em numerosos
tecidos do corpo.
 Próstata: glândula localizada abaixo da
bexiga urinária. Secreta substâncias
alcalinas que neutralizam a acidez da urina
e ativa os espermatozóides.
 Glândulas Bulbo Uretrais ou de Cowper:
sua secreção transparente é lançada dentro
da uretra para limpá-la e preparar a
passagem dos espermatozóides. Também
tem função na lubrificação do pênis durante
o ato sexual.
 Pênis: é considerado o principal órgão do aparelho
sexual masculino, sendo formado por dois tipos de
tecidos cilíndricos: dois corpos cavernosos e um
corpo esponjoso (envolve e protege a uretra). Na
extremidade do pênis encontra-se a glande -
cabeça do pênis, onde podemos visualizar a
abertura da uretra. Com a manipulação da pele que
a envolve - o prepúcio - acompanhado de
estímulo erótico, ocorre a inundação dos corpos
cavernosos e esponjoso, com sangue, tornando-se
rijo, com considerável aumento do tamanho
(ereção)..
 O prepúcio deve ser puxado e higienizado a
fim de se retirar dele o esmegma (uma
secreção sebácea espessa e esbranquiçada,
com forte odor, que consiste principalmente
em células epiteliais descamadas que se
acumulam debaixo do prepúcio).
 Quando a glande
não consegue ser
exposta devido ao
estreitamento do
prepúcio, diz-se que
a pessoa tem
fimose
 A uretra é comumente um
canal destinado para a
urina, mas os músculos na
entrada da bexiga se
contraem durante a ereção
para que nenhuma urina
entre no sêmen e nenhum
sêmen entre na bexiga.
Todos os espermatozóides
não ejaculados são
reabsorvidos pelo corpo
dentro de algum tempo
SISTEMA REPRODUTOR
MASCULINO
 Saco Escrotal ou
Bolsa Escrotal ou
Escroto: Um
espermatozóide leva
cerca de 70 dias para
ser produzido.
Eles não podem
se desenvolver
adequadamente
na temperatura
normal do corpo
(36,5°C).
Assim, os testículos se localizam na parte
externa do corpo, dentro da bolsa escrotal, que
tem a função de termorregulação (aproximam
ou afastam os testículos do corpo), mantendo-os
a uma temperatura geralmente em torno de 1 a 3
°C abaixo da corporal
SISTEMA REPRODUTOR FEMININO
 O sistema reprodutor feminino é
constituído por dois ovários, duas tubas
uterinas (trompas de Falópio), um útero,
uma vagina, uma vulva. Ele está localizado
no interior da cavidade pélvica. A pelve
constitui um marco ósseo forte que realiza
uma função protetora
 A vagina é um canal de 8 a 10 cm de
comprimento, de paredes elásticas, que liga
o colo do útero aos genitais externos.
Contém de cada lado de sua abertura, porém
internamente, duas glândulas denominadas
glândulas de Bartholin, que secretam um
muco lubrificante.
SISTEMA REPRODUTOR FEMININO
 A entrada da vagina é protegida por uma
membrana circular - o hímen - que fecha
parcialmente o orifício vulvo-vaginal e é
quase sempre perfurado no centro, podendo
ter formas diversas. Geralmente, essa
membrana se rompe nas primeiras relações
sexuais.
 A genitália externa ou vulva é delimitada e
protegida por duas pregas cutâneo-mucosas
intensamente irrigadas e inervadas - os
grandes lábios.
 Na vulva também está o clitóris, formado
por tecido esponjoso erétil, homólogo ao
pênis do homem
 Ovários: são as gônadas femininas.
Produzem estrógeno e progesterona,
hormônios sexuais femininos que serão
vistos mais adiante.
 A partir da adolescência, sob ação hormonal, os
folículos ovarianos começam a crescer e a
desenvolver. Os folículos em desenvolvimento
secretam o hormônio estrógeno.
 Mensalmente, apenas um folículo geralmente
completa o desenvolvimento e a
maturação, rompendo-se e liberando o ovócito
secundário (gameta feminino): fenômeno
conhecido como ovulação.
 Tubas uterinas, ou trompas de Falópio:
são dois ductos que unem o ovário ao útero.
Seu epitélio de revestimento é formados por
células ciliadas.
 Os batimentos dos cílios microscópicos e os
movimentos peristálticos das tubas uterinas
impelem o gameta feminino até o útero.
HORMÔNIOS MASCULINOS.
 PUBERDADE: os testículos da criança permanecem
inativos até que são estimulados entre 10 e 14 anos
pelos hormônios gonadotróficos da glândula hipófise
(pituitária)
 O hipotálamo libera FATORES LIBERADORES DOS
HORMÔNIOS GONADOTRÓFICOS que fazem a
hipófise liberar FSH (hormônio folículo estimulante) e
LH (hormônio luteinizante).
 FSH à estimula a espermatogênese pelas células dos
túbulos seminíferos.
HORMONIOS MASCULINOS
 LH à estimula a produção de testosterona pelas células
intersticiais dos testículos à características sexuais
secundárias, elevação do desejo sexual.
 TESTOSTERONA
 Efeito na Espermatogênese. A testosterona faz com
que os testículos cresçam. Ela deve estar presente,
também, junto com o folículo estimulante, antes que a
espermatogênese se complete.
EFEITOS DOS CARACTERES SEXUAIS
MASCULINOS
A testosterona auxilia na formação dos
orgãos sexuais masculinos.
À descida dos testículos do abdomem para o
saco escrotal.
A testosterona secretada pelos testículos do
feto é estimulada pelo hormônio
gonadotrofina coriônica,produzido ainda na
placenta.
HORMONIOS SEXUAIS FEMININOS
 Hormônios Sexuais Femininos
 Os dois hormônios ovarianos, o estrogênio e a
progesterona, são responsáveis pelo
desenvolvimento sexual da mulher e pelo ciclo
menstrual. Os estrogênios são, realmente, vários
hormônios diferentes chamados estradiol, estriol e
estrona, mas que têm funções idênticas e
estruturas químicas muito semelhantes. Por esse
motivo, são considerados juntos, como um único
hormônio.
FUNÇÕES DO ESTROGÊNIO
 o estrogênio induz as células de muitos
locais do organismo, a proliferar, isto é, a
aumentar em número. Por exemplo, a
musculatura lisa do útero, aumenta tanto
que o órgão, após a puberdade, chega a
duplicar ou, mesmo, a triplicar de tamanho.
 O estrogênio também provoca o aumento
da vagina e o desenvolvimento dos lábios
que a circundam, faz o púbis se cobrir de
pêlos, os quadris se alargarem e o estreito
pélvico assumir a forma ovóide, em vez de
afunilada como no homem;
FUNÇÕES DO ESTROGÊNIO
 provoca o desenvolvimento das mamas e a
proliferação dos seus elementos glandulares,
e, finalmente, leva o tecido adiposo a
concentrar-se, na mulher, em áreas como os
quadris e coxas, dando-lhes o
arredondamento típico do sexo.
CICLO MENSTRUAL
 O ciclo menstrual na mulher é causado pela secreção
alternada dos hormônios folículo-estimulante e
luteinizante, pela pituitária (hipófise) anterior
(adenohipófise), e dos estrogênios e progesterona,
pelos ovários.
 CICLO DE FENÔMENOS QUE INDUZEM A
MENSTRUAÇÃO :
 1-No momento da menstruação:
 se inicia, a glândula pituitária anterior
secreta maiores quantidades de hormônio
folículo-estimulante juntamente com
pequenas quantidades de hormônio
luteinizante. Juntos, esses hormônios
promovem o crescimento de diversos
folículos nos ovários e acarretam uma
secreção considerável de estrogênio
(estrógeno).
 2. Acredita-se que o estrogênio tenha, então,
dois efeitos seqüenciais sobre a secreção da
pituitária anterior:
 1- Primeiro, inibiria a secreção dos
hormônios folículo-estimulante e
luteinizante, fazendo com que suas taxas
declinassem a um mínimo por volta do
décimo dia do ciclo.
 2- Depois, subitamente a pituitária anterior
começaria a secretar quantidades muito
elevadas de ambos os hormônios mas
principalmente do hormônio luteinizante. É
essa fase de aumento súbito da secreção que
provoca o rápido desenvolvimento final de
um dos folículos ovarianos e a sua ruptura
dentro de cerca de dois dias.
 O processo de ovulação, que ocorre por volta
do décimo quarto dia de um ciclo normal de
28 dias, conduz ao desenvolvimento do
corpo lúteo ou corpo amarelo, que secreta
quantidades elevadas de progesterona e
quantidades consideráveis de estrogênio.
 OBSERVAÇÃO: a ovulação ocorre aproximadamente entre
10-12 horas após o pico de LH. No ciclo regular, o período de
tempo a partir do pico de LH até a menstruação está
constantemente próximo de 14 dias. Dessa forma, da
ovulação até a próxima menstruação decorrem 14 dias.
 Apesar de em um ciclo de 28 dias a ovulação ocorrer
aproximadamente na metade do ciclo, nas mulheres que
têm ciclos regulares, não importa a sua duração, o dia
da ovulação pode ser calculado como sendo o 14º dia
ANTES do início da menstruação.
 Generalizando, pode-se dizer que, se o ciclo menstrual tem
uma duração de n dias, o possível dia da ovulação é n – 14,
considerando n = dia da próxima menstruação.
VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER,UMA REALIDADE Á SER
COMBATIDA.
 PROJETO VIVA MULHER
RESUMOS DAS
ATIVIDADES
REALIZADAS PELO SUS
NO BRASIL.
MELHORIA DA ATENÇÃO OBSTÉTRICA E
ORGANIZAÇÃO DA REDE
 Monitoramento dos pactos de redução da taxa de cesáreas em hospitais
do SUS . (4.443 municípios aderidos).
 Portarias: de reativação da Comissão Nacional de Morte Materna e
outra que torna o óbito materno evento de notificação compulsória.
COORDENAÇÃO E PROMOÇÃO DE CAPACITAÇÕES
 Para atendimento a vítimas de violência doméstica e sexual.
 Para humanização da assistência obstétrica –
 profissionais de saúde (convênio Hospital Sofia Feldman).
 Acompanhamento de 22 cursos de especialização em enfermagem
obstétrica.
 De 77 parteiras tradicionais.
 Em Pré-natal e Planejamento Familiar na Atenção Básica e em
investigação de óbito materno (convênio Febrasgo).
 Para atenção à mulher indígena.
INTERFACE COM DIVERSAS ÁREAS DO MINISTÉRIO
DA SAÚDE
 Participação na formulação de políticas e diretrizes e na elaboração de
documentos técnicos, na perspectiva da incorporação de aspectos de
interesse da saúde da mulher e da
 Distribuição de Cartão e Agenda da Gestante – 1 milhão de exemplares
de cada.
 Manuais Técnicos – 105.000 exemplares.
 Kits de planejamento familiar – 23.996 Kits.
 Anticoncepcional de emergência para 432 municípios.
 Em elaboração: Manuais Gênero e Saúde Mental e de Atenção à Saúde
da Mulher no Climatério.
LEI MARIA DA PENHA
É LEI ! É PRA VALER
No dia 07 de agosto de 2006 foi sancionada pelo Presidente da República a
Lei 11.340/06 – a Lei Maria da Penha* . Esta publicação que ora colocamos a
sua disposição tem por objetivo divulgar o texto da Lei de forma que cada
brasileira e cada brasileiro possa, no exercício de seus direitos de cidadã e
cidadão, zelar para sua plena aplicação.
Em vigor desde o dia 22 de setembro de 2006, a Lei Maria da Penha dá
cumprimento, finalmente, à Convenção para Prevenir,Punir, e Erradicar a
Violência contra a Mulher.
MECANISMOS DA NOVA LEI
 Tipifica e define a violência doméstica e familiar contra a mulher
 .Estabelece as formas da violência doméstica contra a mulher
como física, psicológica, sexual, patrimonial e moral.
 Determina que a violência doméstica contra a mulher independe
de sua orientação sexual.
 Determina que a mulher somente poderá renunciar à denúncia
perante o juiz.
 Ficam proibidas as penas pecuniárias (pagamento de multas ou
cestas básicas).
 É vedada a entrega da intimação pela mulher ao agressor.
 A mulher vítima de violência doméstica será notificada dos atos
processuais, em especial quando do ingresso e saída da prisão do
agressor.
 A mulher deverá estar acompanhada de advogado(a) ou
defensor(a) em todos os atos processuais.
 Retira dos juizados especiais criminais (lei 9.099/95) a
competência para julgar os crimes de violência doméstica contra
a mulher.
AUTORIDADE POLICIAL
 Prevê um capítulo específico para o atendimento pela
autoridade policial para os casos de violência doméstica
contra a mulher.
 Permite a autoridade policial prender o agressor em
flagrante sempre que houver qualquer das formas de
violência doméstica contra a mulher.
 Registra o boletim de ocorrência e instaura o inquérito
policial composto pelos depoimentos da vítima, do
agressor, das testemunhas e de provas documentais e
periciais).
 Altera o código de processo penal para possibilitar ao juiz a
decretação da prisão preventiva quando houver riscos à
integridade física ou psicológica da mulher.
 Altera a lei de execuções penais para permitir o juiz que
determine o comparecimento obrigatório do agressor a
programas de recuperação e reeducação.
 Determina a criação de juizados especiais de violência doméstica
e familiar contra a mulher com competência cível e criminal para
abranger as questões de família decorrentes da violência contra a
mulher.
 Caso a violência doméstica seja cometida contra mulher com
deficiência, a pena será aumentada em 1/3.
Processo Judicial
 O juiz poderá conceder, no prazo de 48h, medidas proventivas de
urgência (suspensão do porte de armas do agressor, afastamento
do agressor do lar, distanciamento da vítima, dentre outras),
dependendo da situação.
 O juiz do juizado de violência doméstica e familiar contra a
mulher terá competência para apreciar o crime e os casos que
envolverem questões de família (pensão, separação, guarda de
filhos etc.).
 O Ministério Público apresentará denúncia ao juiz e poderá
propor penas de 3 meses a 3 anos de detenção, cabendo ao juiz a
decisão e a sentença final.
Hospitais do interior vão atender mulheres vítimas
de violência
A SESAPI juntamente com o Ministério da Saúde,irá
descentralizar o serviço de atendimento ás Mulheres
Vítimas de Violência Sexual,que passará a funcionar
em mais de 6 cidades do Piaui.
 Atualmente o serviço funciona na Maternidade
Evangelina Rosa,e as vítimas das cidades do Interior
têm que se deslocar até a capital para serem atendidas.
CIDADES QUE PASSARÃO Á ATENDER:
São Raimundo Nonato,Parnaíba, Picos, Floriano.Corrente,
Bom Jesus.
Em 2010 foram registrados 408 atendimentos á mulheres
vítimas de violência sexual,a maioria com adolescentes
entre 10 á 19 anos. Teresina é a cidade onde tem maior
numero de casos (247),seguidos de Altos(79),União(35)
OBS: Os casos que não forem registrados até 72 horas não
receberão atendimento. Em caso de violência á crianças e
adolescentes a denuncia deve ser feita ao Conselho Tutelar.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Saúde da Mulher
Saúde da MulherSaúde da Mulher
Saúde da Mulher
Neto Pontes
 
Aula Planejamento Familiar
Aula Planejamento FamiliarAula Planejamento Familiar
Aula Planejamento Familiar
Unis
 
Política Nacional de Atenção Integral á Saúde da Mulher
Política Nacional de Atenção Integral á Saúde da MulherPolítica Nacional de Atenção Integral á Saúde da Mulher
Política Nacional de Atenção Integral á Saúde da Mulher
Karina Pereira
 
Transformações na gestação
Transformações na gestaçãoTransformações na gestação
Transformações na gestação
Alinebrauna Brauna
 

Mais procurados (20)

Saúde da mulher
Saúde da mulherSaúde da mulher
Saúde da mulher
 
Pré-natal na Atenção Básica
Pré-natal na Atenção BásicaPré-natal na Atenção Básica
Pré-natal na Atenção Básica
 
Paism slider
Paism sliderPaism slider
Paism slider
 
Programa nacional de atenção integral à saúde da Mulher
Programa nacional de atenção integral à saúde da MulherPrograma nacional de atenção integral à saúde da Mulher
Programa nacional de atenção integral à saúde da Mulher
 
Saúde da Mulher
Saúde da MulherSaúde da Mulher
Saúde da Mulher
 
PAISM - PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER
PAISM - PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER PAISM - PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER
PAISM - PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER
 
A Importância do Pré-Natal
A Importância do Pré-NatalA Importância do Pré-Natal
A Importância do Pré-Natal
 
Aula 3 prénatal
Aula 3 prénatalAula 3 prénatal
Aula 3 prénatal
 
Politica de saude nacional da mulher
Politica de saude nacional da mulherPolitica de saude nacional da mulher
Politica de saude nacional da mulher
 
Saúde da mulher - Cuidados com a saúde feminina
Saúde da mulher - Cuidados com a saúde femininaSaúde da mulher - Cuidados com a saúde feminina
Saúde da mulher - Cuidados com a saúde feminina
 
Aula Planejamento Familiar
Aula Planejamento FamiliarAula Planejamento Familiar
Aula Planejamento Familiar
 
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)
 
AULA - Política e indicador em saúde da mulher
AULA - Política e indicador em saúde da mulherAULA - Política e indicador em saúde da mulher
AULA - Política e indicador em saúde da mulher
 
Pré natal
Pré natalPré natal
Pré natal
 
Política Nacional de Atenção Integral á Saúde da Mulher
Política Nacional de Atenção Integral á Saúde da MulherPolítica Nacional de Atenção Integral á Saúde da Mulher
Política Nacional de Atenção Integral á Saúde da Mulher
 
AssistêNcia Ao Parto
AssistêNcia Ao PartoAssistêNcia Ao Parto
AssistêNcia Ao Parto
 
Gravidez parto e nascimento
Gravidez parto e nascimentoGravidez parto e nascimento
Gravidez parto e nascimento
 
Grupo com gestantes
Grupo com gestantesGrupo com gestantes
Grupo com gestantes
 
Menopausa e Climatério
Menopausa e Climatério Menopausa e Climatério
Menopausa e Climatério
 
Transformações na gestação
Transformações na gestaçãoTransformações na gestação
Transformações na gestação
 

Semelhante a Saúde da mulher slides

Humanização do Atendimento de Jovens Portadores De Doenças Crônicas
Humanização do Atendimento de Jovens Portadores De Doenças CrônicasHumanização do Atendimento de Jovens Portadores De Doenças Crônicas
Humanização do Atendimento de Jovens Portadores De Doenças Crônicas
Associação Viva e Deixe Viver
 
mitos_populacao_brasileira_cancer.pdf
mitos_populacao_brasileira_cancer.pdfmitos_populacao_brasileira_cancer.pdf
mitos_populacao_brasileira_cancer.pdf
LuhLuh10
 
Cartilha_câncer_de_mama_2023_8_ed.pdf
Cartilha_câncer_de_mama_2023_8_ed.pdfCartilha_câncer_de_mama_2023_8_ed.pdf
Cartilha_câncer_de_mama_2023_8_ed.pdf
maxion03
 

Semelhante a Saúde da mulher slides (20)

Aula 2 - Ginecologia - Infertilidade, saúde sexual e reprodutiva, planejament...
Aula 2 - Ginecologia - Infertilidade, saúde sexual e reprodutiva, planejament...Aula 2 - Ginecologia - Infertilidade, saúde sexual e reprodutiva, planejament...
Aula 2 - Ginecologia - Infertilidade, saúde sexual e reprodutiva, planejament...
 
Outubro rosa e novembro azul 2018
Outubro rosa e novembro azul 2018Outubro rosa e novembro azul 2018
Outubro rosa e novembro azul 2018
 
Se cuidar está na moda
Se cuidar está na modaSe cuidar está na moda
Se cuidar está na moda
 
Slide saude da mulher (1).pptx
Slide saude da mulher (1).pptxSlide saude da mulher (1).pptx
Slide saude da mulher (1).pptx
 
Humanização do Atendimento de Jovens Portadores De Doenças Crônicas
Humanização do Atendimento de Jovens Portadores De Doenças CrônicasHumanização do Atendimento de Jovens Portadores De Doenças Crônicas
Humanização do Atendimento de Jovens Portadores De Doenças Crônicas
 
SLIDES SOBRE GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA E DST.pptx
SLIDES SOBRE GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA E DST.pptxSLIDES SOBRE GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA E DST.pptx
SLIDES SOBRE GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA E DST.pptx
 
Outubro Rosa - Emilia_Wilson.pptx
Outubro Rosa - Emilia_Wilson.pptxOutubro Rosa - Emilia_Wilson.pptx
Outubro Rosa - Emilia_Wilson.pptx
 
Hpv
HpvHpv
Hpv
 
Saúde da mulher, musicalização e prevenção quaternária
Saúde da mulher, musicalização e prevenção quaternária Saúde da mulher, musicalização e prevenção quaternária
Saúde da mulher, musicalização e prevenção quaternária
 
importancia do conhecimento do Cancro da mama.ppt
importancia do conhecimento do Cancro da mama.pptimportancia do conhecimento do Cancro da mama.ppt
importancia do conhecimento do Cancro da mama.ppt
 
aula_tumoresfemininos_mulherporinteiro.pdf
aula_tumoresfemininos_mulherporinteiro.pdfaula_tumoresfemininos_mulherporinteiro.pdf
aula_tumoresfemininos_mulherporinteiro.pdf
 
Outubro Rosa
Outubro RosaOutubro Rosa
Outubro Rosa
 
mitos_populacao_brasileira_cancer.pdf
mitos_populacao_brasileira_cancer.pdfmitos_populacao_brasileira_cancer.pdf
mitos_populacao_brasileira_cancer.pdf
 
Discurso Outubro Rosa
Discurso Outubro RosaDiscurso Outubro Rosa
Discurso Outubro Rosa
 
Outubro Rosa
Outubro RosaOutubro Rosa
Outubro Rosa
 
Cartilha_câncer_de_mama_2023_8_ed.pdf
Cartilha_câncer_de_mama_2023_8_ed.pdfCartilha_câncer_de_mama_2023_8_ed.pdf
Cartilha_câncer_de_mama_2023_8_ed.pdf
 
Prevenção câncer
Prevenção câncerPrevenção câncer
Prevenção câncer
 
Debate em Saúde: A mamografia na prevenção do câncer de mama: qual a idade id...
Debate em Saúde: A mamografia na prevenção do câncer de mama: qual a idade id...Debate em Saúde: A mamografia na prevenção do câncer de mama: qual a idade id...
Debate em Saúde: A mamografia na prevenção do câncer de mama: qual a idade id...
 
Debate em Saúde: A mamografia na prevenção do câncer de mama: qual a idade id...
Debate em Saúde: A mamografia na prevenção do câncer de mama: qual a idade id...Debate em Saúde: A mamografia na prevenção do câncer de mama: qual a idade id...
Debate em Saúde: A mamografia na prevenção do câncer de mama: qual a idade id...
 
Sb debate em saude
Sb debate em saudeSb debate em saude
Sb debate em saude
 

Saúde da mulher slides

  • 2. Violência Contra Mulheres: Doméstica e Sexual. LEI MARIA DA PENHA Papel do Conselho Municipal de
  • 3. MÓDULO I O Dia Internacional de Ação pela Saúde da Mulher Mulheres ainda são maioria no país O Brasil tem 92,4 milhões de homens e 97,5 milhões de mulheres. Estatisticamente, percebemos que nascem muito mais homens do que mulheres, provavelmente por uma questão genética porém morrem muito mais, por questões ligadas ao estresse da sobrevivência e, entre os jovens, por causas violentas. Para se ter uma idéia, na faixa dos 15 aos 35 anos, os homens morrem até cinco vezes mais do que as mulheres. O levantamento do IBGE revela que as meninas de até 4 anos são minoria e representam 6,9% do total da população, enquanto os homens na mesma faixa etária somam 7,5%. Já entre os mais velhos, com mais de 60 anos, a proporção é de 12,1% de mulheres contra 10% de homens.
  • 4. DISTRIBUIÇÃO POR SEXO NAS REGIÕES Homens (%) Mulheres (%) Brasil 48,7 51,3 Norte 50,0 50,0 Nordeste 48,9 51,1 Sudeste 48,1 51,9 Sul 48,7 51,3 Centro-Oeste 49,2 50,8
  • 5. HISTÓRICO DA MULHER NA LUTA PELA SAUDE  28 de maio: Dia Internacional de Ação pela Saúde da Mulher  O Movimento Internacional Mulher e Saúde/MIMS, emergiu na década de 1970,  Europa e nos EUA pelo direito ao aborto legal e seguro (“Nosso corpos nos pertencem”), assim como a elaboração, nos meios feministas.  I Conferência Mundial da ONU sobre a Mulher (1975,NAIROBI)  Criação da Rede Mundial de Mulheres pelos Direitos Reprodutivos (1978, Holanda);  IV Encontro Internacional Mulher e Saúde (1984, Holanda)abordagem sobre morte materna
  • 6.  28 de maio de 1988 foi iniciada a Campanha de Prevenção da Mortalidade Materna que ficou conhecida como A Campanha Mundial pela Saúde da Mulher e de Combate à Morbimortalidade Materna para: denunciar as altas taxas de morbidade e mortalidade maternas, especialmente nos países menos desenvolvidos.  1988. Campanha Mundial contra a mortalidade materna  1989. Impeçamos a mortalidade e a morbidade maternas  1990. Maternidade voluntária e sem riscos  1991. Melhor qualidade de atenção  1992. A gravidez adolescente  1993. Aborto! Basta de Silêncio!  1994. Aborto legal e sem riscos para todas as mulheres  1995. Contra a feminilização da pobreza, pela saúde da mulher.
  • 7.  1996 a Campanha, na América Latina e no Caribe, manteve enfoque em temas (Chamados de Ação), tendo como eixo os direitos sexuais e os direitos reprodutivos.  1997/1998. Pelo exercício dos direitos sexuais e reprodutivos: acesso e qualidade de atenção nos serviços de saúde – um direito das mulheres  1999/2000. Pelo exercício dos direitos sexuais e reprodutivos: acesso à informação, educação e serviços de saúde sexual e reprodutiva para adolescentes.  2001/2002. Pelo exercício dos direitos sexuais e reprodutivos: direito à saúde –direito de cidadania das mulheres e das meninas.  2003. Mortalidade materna: um assunto de direitos humanos, uma demanda de Justiça social.  2004. Pela Saúde Integral e os Direitos das Mulheres.
  • 8. A mulher e a lei Parece incrível, mas faz apenas 20 anos que, perante a lei, as mulheres brasileiras têm os mesmos direitos dos homens. Essa foi uma conquista da Constituição Federal promulgada em 5 de outubro de 1988 – a oitava do país –, que rompia com o autoritarismo militar.
  • 9. IGUALDADE Estamos na frente dos Estados Unidos, onde os direitos são iguais apenas no âmbito das leis estaduais. O artigo 5º da Constituição diz que homens e mulheres são iguais perante as leis... VIOLÊNCIA A Lei Maria da Penha, de 2006, caracteriza a violência doméstica como: física, psicológica, sexual, moral e patrimonial; protege a vítima, afastando o agressor de casa; prevê reeducação para ele e apoio para os filhos. Antes, o caso era trata do no Juizado Criminal como briga de trânsito, sem considerar relação afetiva, e o réu pagava o crime com cestas básicas. A lei cria juizados com competência criminal e cível (arbitra sobre separação e guarda de filhos), mas eles estão demorando para entrar em funcionamento
  • 10. POLÍTICA Cada partido ou coligação deve reservar para as mulheres brasileiras 30% das candidaturas ao Legislativo. Problema: não há pena para o descumprimento da lei. PLANEJAMENTO FAMILIAR O Código Civil estabelece que o planejamento familiar é uma decisão do casal e cabe ao Estado prover recursos para sua execução.
  • 11. PROGRAMA SAUDE DA MULHER REALIDADE BRASILEIRA:  segundo dados do unicef (fundo das nações unidas para a infância), quase 1/3 das mulheres brasileiras vivendo nas áreas rurais não consultam médico durante toda gravidez.  mesmo nas áreas urbanas, o índice espanta: quase uma em cada 11 sem assistência.  a falta de informação das futuras mães tem sido uma das vilãs na história da mulher.  o planejamento familiar, que permite programar a vida da família, e gravidez com saúde são exemplos do que pode ocorrer quando temos mulheres recebendo boa assistência.
  • 12.  quanto à violência, nenhuma estatística é confiável, já que poucas vítimas do abuso têm coragem para denunciar.  algumas propostas do programa saúde da mulher visam dar melhor assistência à mulher durante a gravidez, no parto e após o nascimento do bebê e já apresentam resultados muito importantes, como redução da morbi-mortalidade infantil e materna.  dispinibilização de 40.526 leitos obstétricos em hospitais e maternidades.  o programa também tem ações para a prevenção e o tratamento de doenças sexualmente transmissíveis, cancer cérvico-uterino e de mama, ampliou-se o acesso ao atendimento, ao diagnóstico e ao tratamento.
  • 13. CANCER DE COLO UTERINO E DE MAMA Consiste no desenvolvimento e na prática de estratégias que reduzam a mortalidade e as repercussões físicas, psíquicas e sociais dos cânceres do colo do útero e de mama. Por meio de ação conjunta entre o Ministério da Saúde e todos os 26 Estados brasileiros, além do Distrito Federal, são oferecidos serviços de prevenção e detecção precoce das doenças, assim como tratamento e reabilitação em todo o território nacional.
  • 14. QUAL A SITUAÇÃO ATUAL DA DOENÇA? CÂNCER DO COLO DO ÚTERO Com aproximadamente 500 mil casos novos por ano no mundo, o câncer do colo do útero é o segundo tipo de câncer mais comum entre as mulheres, sendo responsável pela morte de 230 mil mulheres por ano. No Brasil, para 2010, são esperados 18.430, com um risco estimado de 18 casos a cada 100 mil mulheres. Sabe-se hoje que o surgimento do câncer do colo do útero está associado à infecção por um dos 15 tipos oncogênicos do HPV.
  • 15. HPV.( PAPILOMA VIRUS HUMANO) Existem mais de 200 tipos diferentes de HPV. Classificação:  Baixo risco de câncer  Alto risco de câncer. Somente os de alto risco estão relacionados a tumores malignos.( 16,18,31,33,45,58) Já os HPV de tipo 6 e 11, encontrados na maioria das verrugas genitais (ou condilomas genitais) parecem não oferecer nenhum risco de progressão para malignidade, apesar de serem encontrados em pequena proporção em tumores malignos.
  • 16. Estudos no mundo comprovam que 50% a 80% das mulheres sexualmente ativas serão infectadas por um ou mais tipos de HPV em algum momento de suas vidas. Porém, a maioria das infecções é transitória, sendo combatida espontaneamente pelo sistema imune, principalmente entre as mulheres mais jovens. Qualquer pessoa infectada com HPV desenvolve anticorpos (que poderão ser detectados no organismo), mas nem sempre estes são suficientemente competentes para eliminar os vírus. Fig. 2 – Células infectadas pelo vírus HPV.
  • 17. FATORES DE RISCO DO CÂNCER DE COLO UTERINO:  tabagismo,  baixa ingestão de vitaminas,  multiplicidade de parceiros sexuais,  iniciação sexual precoce e o uso de contraceptivos orais. Estima-se uma redução de até 80% na mortalidade por este câncer a partir do rastreamento de mulheres na faixa etária de 25 a 65 anos com o teste de Papanicolau e tratamento das lesões precursoras com alto potencial de malignidade ou carcinoma "in situ". Para tanto é necessário garantir a organização, a integralidade e a qualidade do programa de rastreamento, bem como do tratamento das pacientes.
  • 18. Câncer de mama  O câncer de mama é o segundo tipo de câncer mais frequente no mundo e o mais comum entre as mulheres, respondendo por 22% dos casos novos nesse grupo. No Brasil, são esperados 49.400 novos casos em 2010, com risco estimado de 49 casos a cada 100 mil mulheres.  Embora seja considerado um câncer de bom prognóstico, trata-se da maior causa de morte entre as mulheres brasileiras, principalmente na faixa entre 40 e 69 anos, com mais de 11 mil mortes/ano (2012). Isso porque na maioria dos casos a doença é diagnosticada em estádios avançados.  Para reverter esse quadro, disponibilizamos em linguagem acessível todas as informações necessárias para o planejamento de ações de controle da doença conforme as características de cada região, como a distribuição de recursos, fatores de risco, estimativas, registros hospitalares e fórmulas para planejar consultas, exames, biópsias e mamografias.
  • 19. A QUEM O PROGRAMA SE DESTINA? Em relação ao câncer de colo do útero Para impedir o avanço da doença no Brasil, o Programa Viva Mulher desenvolve ações dirigidas às mulheres na faixa etária de 25 a 59 anos que incluem diagnóstico precoce (através de exame Papanicolau e exames de confirmação diagnóstica) e tratamento necessário de acordo com cada caso.
  • 20. EM RELAÇÃO AO CÂNCER DE MAMA Com intuito de detectar as lesões malignas da mama, o Viva Mulher preconiza,:  Realização do exame clínico das mamas para mulheres de todas as faixas etárias, como parte do atendimento integral à mulher.  Para mulheres acima de 40 anos, esse exame deve ser realizado anualmente.  Para aquelas na faixa entre 50 e 69 anos recomenda-se a realização de uma mamografia, pelo menos, a cada dois anos.  As mulheres submetidas a esses exames devem ter acesso garantido aos demais procedimentos de investigação diagnóstica e de tratamento, quando necessário.
  • 21. POLÍTICAS DE DIREITOS SEXUAIS E REPRODUTIVOS . MÉTODOS CONTRACEPTIVOS UMA REALIDADE AINDA POUCO DIFUNDIDA.
  • 22. CLASSIFICAÇÃO QUANTO AO TIPO  Métodos de barreira  Métodos hormonais  Dispositivos intra-uterinos (DIU)  Método sintotérmico  Esterilização 1. MÉTODOS DE BARREIRA PRESERVATIVOS FEMININO E MASCULINO
  • 23. 2. MÉTODOS HORMONAIS TIPOS:  Comprimidos orais  Injeções mensais e trimestrais  Adesivo dérmico  Implante subdérmico  Anel vaginal
  • 24. VANTAGENS:  eficácia contraceptiva,  desempenham um papel protetor contra várias doenças (em particular, doenças benignas da mama e do ovário e osteoporose);  ajudam a regular ciclos menstruais e minimizam as dores pré- menstruais (dismenorreia);  diminuem o risco de cancro do ovário e do endométrio; melhoram a acne. DIU MÉTODO SINTOTÉRMICO
  • 26. ABORTO LEI QUE LEGALIZA O ABORTO 6/6/2011 O ABORTO DEIXA DE SER CRIME E TORNA-SE UM DIREITO DA GESTANTE Lei n. 1135/91, que propõe a supressão do artigo 124 do atual Código Penal Brasileiro.o aborto voluntário é considerado crime, com pena de detenção de um a três anos. O CRIME DE ABORTO, NO BRASIL, SÓ NÃO É PUNÍVEL, SEGUNDO O ARTIGO 128 DO CÓDIGO PENAL QUANDO: Praticado por médico, se não houver «outro meio de salvar a vida da gestante»
  • 27. Ou se a gravidez for resultante de estupro.
  • 28. Tipos de aborto  ABORTO INDUZIDO:  O aborto induzido é um procedimento usado para interromper uma gravidez.  PODE ACONTECER QUANDO:  existem malformações congênitas,  quando a gravidez resulta de um crime contra a liberdade e autodeterminação sexual,  quando a gravidez coloca em perigo a vida e a saúde física e/ou psíquica da mulher  ou simplesmente por opção da mulher. É legal quando a interrupção da gravidez é realizada de acordo com a legislação em vigor . Obs: Quando feito precocemente por médicos experientes e em condições adequadas apresenta um elevadíssimo nível de segurança.
  • 29. COMPLICACÕES DO ABORTO.  Hemorragias e as infecções e evacuações incompletas,no caso de abortos cirúrgicos.  tiver febre, com temperatura superior a 38ºC,  perdas importantes de sangue, fortes dores abdominais ou mal-estar geral.
  • 30.  . HIV em mulheres Os dados do Boletim Epidemiológico Aids/DST (2011) mostram que em 2012 u foram registrados 656.701 mil casos de AIDS no Brasil. NÚMERO DE ÓBITOS POR ANO : • Aproximadamente 11,5 mil. :
  • 31. HIV NA POPULAÇÃO EM GERAL  TAXA DE PREVALÊNCIA DE HIV NA POPULAÇÃO:  População geral – 0,4%  • Homens – 0,5%  • Mulheres – 0,3%  • HSH (Homens que fazem sexo com homens) – 10,5%  • Profissional do sexo – 4,9%  • Usuários de drogas – 5,9%.  Obs> São notificados em média 36 mil novos casos por ano.
  • 32. DADOS COMPORTAMENTAIS  Jovens (15 a 24 anos) são os que mais usam preservativo - 67,8% usaram na última relação sexual com parceiros casuais, nos últimos 12 meses (2008).  Mulheres são as que menos usam a camisinha. Na última relação sexual com parceiros casuais nos últimos 12 meses,  65,1% dos homens e, apenas, 45,5% das mulheres relataram ter usado camisinha (2008).
  • 33. Percentual de casos de HIV/AIDS – 2008 á 2011  Centro-Oeste 5,7% (28.719)  Nordeste 11,5% (58.348)  Norte 3,6% (18.155)  Sudeste 60% (305.725)  Sul 18,9% (95.552) Fonte: MS/DST/AIDS
  • 34. HIV/AIDS  A região Sul segue a tendência de estabilização do país, porém em patamares elevados – a cada 100 mil habitantes em 2000, existiam 26,3 casos. Em 2006, a taxa passou para 27,6. No Sudeste, há discreta queda: de 24,4 em 2010 para 19,9 em 2011. No Centro-Oeste, essa queda se apresenta a partir de 2012.
  • 35. HIV/AIDS  Há discreto aumento da taxa de incidência no Nordeste e mais acentuado no Norte. No primeiro, o índice subiu de 6,9 para 10,8 de 2010 para 2011. E de 6,8 para 15,2 no Norte.  A epidemia no Sudeste é a mais antiga do Brasil. “Lá surgiram as primeiras ações de prevenção, diagnóstico e tratamento. A região conta com serviços de saúde mais estruturados, se comparados aos do Norte e Nordeste. “Populações residentes onde a epidemia cresce hoje, em geral, sofrem com desigualdades socioeconômicas e dificuldades geográficas que interferem no acesso à informação e ao sistema de saúde”, completa.
  • 36. Fatores que contribuem para a vulnerabilidade das mulheres á AIDS  desigualdade nas relações de poder  maior dificuldade de negociação das mulheres quanto ao uso de preservativo; violência doméstica e sexual  discriminação e preconceito relacionados à raça, etnia e orientação sexual;  além da falta de percepção das mulheres sobre o risco de se infectar pelo HIV.
  • 37. Taxas de incidência de aids (por 100 mil hab.) em homens segundo faixa etária e ano de diagnóstico. Brasil.2006 2012 1996 2007  30 a 34 70.5 49.3  35 a 39 59.5 56.4  40 a 49 39 48.2  50 a 59 18.2 27  60 e 5.8 9.3 mais
  • 38. AIDS NO PIAUI  Um dado alarmante é o número de mulheres grávidas infectadas pelo vírus. A Sesapi - Secretaria Estadual de Saúde registrou 133 casos de mulheres grávidas que possuiam o vírus nos últimos 5 anos .  No Piauí, o tratamento de mulheres grávidas com HIV é realizado no Instituto de Doenças Topicais Natan Portela. O tratamento deve começar a partir da 14ª semana de gestação. Depois ainda há a possibilidade de a mãe receber AZT (medicamento usado no tratamento da doença) injetável no momento do parto e, o bebê, o xarope de AZT durante as primeiras seis primeiras semanas de vida.
  • 39.  Em mulheres grávidas com o vírus não é indicado o parto normal. Elas devem passar por uma intervenção cirúrgica para reduzir o risco de infecção nos bebês.
  • 40. MORTALIDADE MATERNA 25 ANOS DE SAÚDE DA MULHER - Saúde garante mais proteção às mulheres - Cobertura dada pelo pré-natal aumenta mais que 20% - Indicadores confirmam o êxito da política de saúde da mulher
  • 41. RESUMOS DAS ATIVIDADES REALIZADAS PELO SUS NO BRASIL  Melhoria da atenção obstétrica e organização da rede.  Monitoramento dos pactos de redução da taxa de cesáreas em hospitais do SUS e da implementação do Parto Humanizado no Pré -Natal (4.443 municípios aderidos).  Portarias: de reativação da Comissão Nacional de Morte Materna e outra que torna o óbito materno evento de notificação compulsória.  Coordenação e promoção de capacitações
  • 42. SISTEMA REPRODUTOR MASCULINO E FEMININO  O Sistema reprodutor masculino é formado por:  Testículos ou gônadas  Vias espermáticas: epidídimo, canal deferente, uretra.  Pênis  Escroto  Glândulas anexas: próstata, vesículas seminais, glândulas bulbouretrais
  • 43.
  • 44. SISTEMA REPRODUTOR MASCULINO  Testículos: são as gônadas masculinas. Cada testículo é composto por um emaranhado de tubos, os ductos seminíferos .Esses ductos são formados pelas células de Sértoli (ou de sustento) e pelo epitélio germinativo, onde ocorrerá a formação dos espermatozóides.
  • 45. SISTEMA REPRODUTOR MASCULINO  Em meio aos ductos seminíferos, as células intersticiais produzem os hormônios sexuais masculinos, sobretudo a testosterona, responsáveis pelo desenvolvimento dos órgãos genitais masculinos e dos caracteres sexuais secundários:
  • 46. SISTEMA REPRODUTOR MASCULINO  Estimulam os folículos pilosos para que façam crescer a barba masculina e o pêlo pubiano.  Estimulam o crescimento das glândulas sebáceas e a elaboração do sebo.  Produzem o aumento de massa muscular nas crianças durante a puberdade, pelo aumento do tamanho das fibras musculares.
  • 47. SISTEMA REPRODUTOR MASCULINO  Ampliam a laringe e tornam mais grave a voz.  Fazem com que o desenvolvimento da massa óssea seja maior, protegendo contra a osteoporose.  Epidídimos: são dois tubos enovelados que partem dos testículos, onde os espermatozóides são armazenados.
  • 48.  Canais deferentes: são dois tubos que partem dos testículos, circundam a bexiga urinária e unem-se ao ducto ejaculatório, onde desembocam as vesículas seminais.  Vesículas seminais: responsáveis pela produção de um líquido, que será liberado no ducto ejaculatório que, juntamente com o líquido prostático e espermatozóides, entrarão na composição do sêmen
  • 49.  O líquido das vesículas seminais age como fonte de energia para os espermatozóides e é constituído principalmente por frutose, apesar de conter fosfatos, nitrogênio não protéico, cloretos, colina (álcool de cadeia aberta considerado como integrante do complexo vitamínico B) e prostaglandinas (hormônios produzidos em numerosos tecidos do corpo.
  • 50.  Próstata: glândula localizada abaixo da bexiga urinária. Secreta substâncias alcalinas que neutralizam a acidez da urina e ativa os espermatozóides.  Glândulas Bulbo Uretrais ou de Cowper: sua secreção transparente é lançada dentro da uretra para limpá-la e preparar a passagem dos espermatozóides. Também tem função na lubrificação do pênis durante o ato sexual.
  • 51.  Pênis: é considerado o principal órgão do aparelho sexual masculino, sendo formado por dois tipos de tecidos cilíndricos: dois corpos cavernosos e um corpo esponjoso (envolve e protege a uretra). Na extremidade do pênis encontra-se a glande - cabeça do pênis, onde podemos visualizar a abertura da uretra. Com a manipulação da pele que a envolve - o prepúcio - acompanhado de estímulo erótico, ocorre a inundação dos corpos cavernosos e esponjoso, com sangue, tornando-se rijo, com considerável aumento do tamanho (ereção)..
  • 52.  O prepúcio deve ser puxado e higienizado a fim de se retirar dele o esmegma (uma secreção sebácea espessa e esbranquiçada, com forte odor, que consiste principalmente em células epiteliais descamadas que se acumulam debaixo do prepúcio).
  • 53.  Quando a glande não consegue ser exposta devido ao estreitamento do prepúcio, diz-se que a pessoa tem fimose
  • 54.  A uretra é comumente um canal destinado para a urina, mas os músculos na entrada da bexiga se contraem durante a ereção para que nenhuma urina entre no sêmen e nenhum sêmen entre na bexiga. Todos os espermatozóides não ejaculados são reabsorvidos pelo corpo dentro de algum tempo
  • 55. SISTEMA REPRODUTOR MASCULINO  Saco Escrotal ou Bolsa Escrotal ou Escroto: Um espermatozóide leva cerca de 70 dias para ser produzido. Eles não podem se desenvolver adequadamente na temperatura normal do corpo (36,5°C).
  • 56. Assim, os testículos se localizam na parte externa do corpo, dentro da bolsa escrotal, que tem a função de termorregulação (aproximam ou afastam os testículos do corpo), mantendo-os a uma temperatura geralmente em torno de 1 a 3 °C abaixo da corporal
  • 57. SISTEMA REPRODUTOR FEMININO  O sistema reprodutor feminino é constituído por dois ovários, duas tubas uterinas (trompas de Falópio), um útero, uma vagina, uma vulva. Ele está localizado no interior da cavidade pélvica. A pelve constitui um marco ósseo forte que realiza uma função protetora
  • 58.
  • 59.  A vagina é um canal de 8 a 10 cm de comprimento, de paredes elásticas, que liga o colo do útero aos genitais externos. Contém de cada lado de sua abertura, porém internamente, duas glândulas denominadas glândulas de Bartholin, que secretam um muco lubrificante.
  • 60. SISTEMA REPRODUTOR FEMININO  A entrada da vagina é protegida por uma membrana circular - o hímen - que fecha parcialmente o orifício vulvo-vaginal e é quase sempre perfurado no centro, podendo ter formas diversas. Geralmente, essa membrana se rompe nas primeiras relações sexuais.
  • 61.  A genitália externa ou vulva é delimitada e protegida por duas pregas cutâneo-mucosas intensamente irrigadas e inervadas - os grandes lábios.  Na vulva também está o clitóris, formado por tecido esponjoso erétil, homólogo ao pênis do homem
  • 62.
  • 63.  Ovários: são as gônadas femininas. Produzem estrógeno e progesterona, hormônios sexuais femininos que serão vistos mais adiante.
  • 64.  A partir da adolescência, sob ação hormonal, os folículos ovarianos começam a crescer e a desenvolver. Os folículos em desenvolvimento secretam o hormônio estrógeno.  Mensalmente, apenas um folículo geralmente completa o desenvolvimento e a maturação, rompendo-se e liberando o ovócito secundário (gameta feminino): fenômeno conhecido como ovulação.
  • 65.  Tubas uterinas, ou trompas de Falópio: são dois ductos que unem o ovário ao útero. Seu epitélio de revestimento é formados por células ciliadas.  Os batimentos dos cílios microscópicos e os movimentos peristálticos das tubas uterinas impelem o gameta feminino até o útero.
  • 66.
  • 67. HORMÔNIOS MASCULINOS.  PUBERDADE: os testículos da criança permanecem inativos até que são estimulados entre 10 e 14 anos pelos hormônios gonadotróficos da glândula hipófise (pituitária)  O hipotálamo libera FATORES LIBERADORES DOS HORMÔNIOS GONADOTRÓFICOS que fazem a hipófise liberar FSH (hormônio folículo estimulante) e LH (hormônio luteinizante).  FSH à estimula a espermatogênese pelas células dos túbulos seminíferos.
  • 68. HORMONIOS MASCULINOS  LH à estimula a produção de testosterona pelas células intersticiais dos testículos à características sexuais secundárias, elevação do desejo sexual.  TESTOSTERONA  Efeito na Espermatogênese. A testosterona faz com que os testículos cresçam. Ela deve estar presente, também, junto com o folículo estimulante, antes que a espermatogênese se complete.
  • 69. EFEITOS DOS CARACTERES SEXUAIS MASCULINOS A testosterona auxilia na formação dos orgãos sexuais masculinos. À descida dos testículos do abdomem para o saco escrotal. A testosterona secretada pelos testículos do feto é estimulada pelo hormônio gonadotrofina coriônica,produzido ainda na placenta.
  • 70. HORMONIOS SEXUAIS FEMININOS  Hormônios Sexuais Femininos  Os dois hormônios ovarianos, o estrogênio e a progesterona, são responsáveis pelo desenvolvimento sexual da mulher e pelo ciclo menstrual. Os estrogênios são, realmente, vários hormônios diferentes chamados estradiol, estriol e estrona, mas que têm funções idênticas e estruturas químicas muito semelhantes. Por esse motivo, são considerados juntos, como um único hormônio.
  • 71. FUNÇÕES DO ESTROGÊNIO  o estrogênio induz as células de muitos locais do organismo, a proliferar, isto é, a aumentar em número. Por exemplo, a musculatura lisa do útero, aumenta tanto que o órgão, após a puberdade, chega a duplicar ou, mesmo, a triplicar de tamanho.
  • 72.  O estrogênio também provoca o aumento da vagina e o desenvolvimento dos lábios que a circundam, faz o púbis se cobrir de pêlos, os quadris se alargarem e o estreito pélvico assumir a forma ovóide, em vez de afunilada como no homem;
  • 73. FUNÇÕES DO ESTROGÊNIO  provoca o desenvolvimento das mamas e a proliferação dos seus elementos glandulares, e, finalmente, leva o tecido adiposo a concentrar-se, na mulher, em áreas como os quadris e coxas, dando-lhes o arredondamento típico do sexo.
  • 74. CICLO MENSTRUAL  O ciclo menstrual na mulher é causado pela secreção alternada dos hormônios folículo-estimulante e luteinizante, pela pituitária (hipófise) anterior (adenohipófise), e dos estrogênios e progesterona, pelos ovários.  CICLO DE FENÔMENOS QUE INDUZEM A MENSTRUAÇÃO :  1-No momento da menstruação:
  • 75.  se inicia, a glândula pituitária anterior secreta maiores quantidades de hormônio folículo-estimulante juntamente com pequenas quantidades de hormônio luteinizante. Juntos, esses hormônios promovem o crescimento de diversos folículos nos ovários e acarretam uma secreção considerável de estrogênio (estrógeno).
  • 76.  2. Acredita-se que o estrogênio tenha, então, dois efeitos seqüenciais sobre a secreção da pituitária anterior:  1- Primeiro, inibiria a secreção dos hormônios folículo-estimulante e luteinizante, fazendo com que suas taxas declinassem a um mínimo por volta do décimo dia do ciclo.
  • 77.  2- Depois, subitamente a pituitária anterior começaria a secretar quantidades muito elevadas de ambos os hormônios mas principalmente do hormônio luteinizante. É essa fase de aumento súbito da secreção que provoca o rápido desenvolvimento final de um dos folículos ovarianos e a sua ruptura dentro de cerca de dois dias.
  • 78.  O processo de ovulação, que ocorre por volta do décimo quarto dia de um ciclo normal de 28 dias, conduz ao desenvolvimento do corpo lúteo ou corpo amarelo, que secreta quantidades elevadas de progesterona e quantidades consideráveis de estrogênio.
  • 79.
  • 80.  OBSERVAÇÃO: a ovulação ocorre aproximadamente entre 10-12 horas após o pico de LH. No ciclo regular, o período de tempo a partir do pico de LH até a menstruação está constantemente próximo de 14 dias. Dessa forma, da ovulação até a próxima menstruação decorrem 14 dias.  Apesar de em um ciclo de 28 dias a ovulação ocorrer aproximadamente na metade do ciclo, nas mulheres que têm ciclos regulares, não importa a sua duração, o dia da ovulação pode ser calculado como sendo o 14º dia ANTES do início da menstruação.  Generalizando, pode-se dizer que, se o ciclo menstrual tem uma duração de n dias, o possível dia da ovulação é n – 14, considerando n = dia da próxima menstruação.
  • 81. VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER,UMA REALIDADE Á SER COMBATIDA.  PROJETO VIVA MULHER RESUMOS DAS ATIVIDADES REALIZADAS PELO SUS NO BRASIL.
  • 82. MELHORIA DA ATENÇÃO OBSTÉTRICA E ORGANIZAÇÃO DA REDE  Monitoramento dos pactos de redução da taxa de cesáreas em hospitais do SUS . (4.443 municípios aderidos).  Portarias: de reativação da Comissão Nacional de Morte Materna e outra que torna o óbito materno evento de notificação compulsória. COORDENAÇÃO E PROMOÇÃO DE CAPACITAÇÕES  Para atendimento a vítimas de violência doméstica e sexual.  Para humanização da assistência obstétrica –  profissionais de saúde (convênio Hospital Sofia Feldman).  Acompanhamento de 22 cursos de especialização em enfermagem obstétrica.  De 77 parteiras tradicionais.
  • 83.  Em Pré-natal e Planejamento Familiar na Atenção Básica e em investigação de óbito materno (convênio Febrasgo).  Para atenção à mulher indígena. INTERFACE COM DIVERSAS ÁREAS DO MINISTÉRIO DA SAÚDE  Participação na formulação de políticas e diretrizes e na elaboração de documentos técnicos, na perspectiva da incorporação de aspectos de interesse da saúde da mulher e da  Distribuição de Cartão e Agenda da Gestante – 1 milhão de exemplares de cada.  Manuais Técnicos – 105.000 exemplares.  Kits de planejamento familiar – 23.996 Kits.  Anticoncepcional de emergência para 432 municípios.  Em elaboração: Manuais Gênero e Saúde Mental e de Atenção à Saúde da Mulher no Climatério.
  • 84. LEI MARIA DA PENHA É LEI ! É PRA VALER No dia 07 de agosto de 2006 foi sancionada pelo Presidente da República a Lei 11.340/06 – a Lei Maria da Penha* . Esta publicação que ora colocamos a sua disposição tem por objetivo divulgar o texto da Lei de forma que cada brasileira e cada brasileiro possa, no exercício de seus direitos de cidadã e cidadão, zelar para sua plena aplicação. Em vigor desde o dia 22 de setembro de 2006, a Lei Maria da Penha dá cumprimento, finalmente, à Convenção para Prevenir,Punir, e Erradicar a Violência contra a Mulher.
  • 85. MECANISMOS DA NOVA LEI  Tipifica e define a violência doméstica e familiar contra a mulher  .Estabelece as formas da violência doméstica contra a mulher como física, psicológica, sexual, patrimonial e moral.  Determina que a violência doméstica contra a mulher independe de sua orientação sexual.  Determina que a mulher somente poderá renunciar à denúncia perante o juiz.  Ficam proibidas as penas pecuniárias (pagamento de multas ou cestas básicas).  É vedada a entrega da intimação pela mulher ao agressor.  A mulher vítima de violência doméstica será notificada dos atos processuais, em especial quando do ingresso e saída da prisão do agressor.  A mulher deverá estar acompanhada de advogado(a) ou defensor(a) em todos os atos processuais.  Retira dos juizados especiais criminais (lei 9.099/95) a competência para julgar os crimes de violência doméstica contra a mulher.
  • 86. AUTORIDADE POLICIAL  Prevê um capítulo específico para o atendimento pela autoridade policial para os casos de violência doméstica contra a mulher.  Permite a autoridade policial prender o agressor em flagrante sempre que houver qualquer das formas de violência doméstica contra a mulher.  Registra o boletim de ocorrência e instaura o inquérito policial composto pelos depoimentos da vítima, do agressor, das testemunhas e de provas documentais e periciais).  Altera o código de processo penal para possibilitar ao juiz a decretação da prisão preventiva quando houver riscos à integridade física ou psicológica da mulher.  Altera a lei de execuções penais para permitir o juiz que determine o comparecimento obrigatório do agressor a programas de recuperação e reeducação.
  • 87.  Determina a criação de juizados especiais de violência doméstica e familiar contra a mulher com competência cível e criminal para abranger as questões de família decorrentes da violência contra a mulher.  Caso a violência doméstica seja cometida contra mulher com deficiência, a pena será aumentada em 1/3. Processo Judicial  O juiz poderá conceder, no prazo de 48h, medidas proventivas de urgência (suspensão do porte de armas do agressor, afastamento do agressor do lar, distanciamento da vítima, dentre outras), dependendo da situação.  O juiz do juizado de violência doméstica e familiar contra a mulher terá competência para apreciar o crime e os casos que envolverem questões de família (pensão, separação, guarda de filhos etc.).  O Ministério Público apresentará denúncia ao juiz e poderá propor penas de 3 meses a 3 anos de detenção, cabendo ao juiz a decisão e a sentença final.
  • 88. Hospitais do interior vão atender mulheres vítimas de violência A SESAPI juntamente com o Ministério da Saúde,irá descentralizar o serviço de atendimento ás Mulheres Vítimas de Violência Sexual,que passará a funcionar em mais de 6 cidades do Piaui.  Atualmente o serviço funciona na Maternidade Evangelina Rosa,e as vítimas das cidades do Interior têm que se deslocar até a capital para serem atendidas.
  • 89. CIDADES QUE PASSARÃO Á ATENDER: São Raimundo Nonato,Parnaíba, Picos, Floriano.Corrente, Bom Jesus. Em 2010 foram registrados 408 atendimentos á mulheres vítimas de violência sexual,a maioria com adolescentes entre 10 á 19 anos. Teresina é a cidade onde tem maior numero de casos (247),seguidos de Altos(79),União(35) OBS: Os casos que não forem registrados até 72 horas não receberão atendimento. Em caso de violência á crianças e adolescentes a denuncia deve ser feita ao Conselho Tutelar.