SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 23
Baixar para ler offline
II Seminário da Planificação da Atenção à Saúde:
“Desafios do SUS e a Planificação da Atenção à Saúde”
MINISTÉRIO PÚBLICO DO
ESTADO DO MARANHÃO
“TODAS AS FAMÍLIAS FELIZES
SE PARECEM, CADA FAMÍLIA
INFELIZ É INFELIZ À SUA
MANEIRA.”
Leon Tolstói
(Anna Karenina)
REGIÃO 2009 2017
REGIÃO NORTE -
TOCANTINS
0,07 38,70
REGIÃO NORDESTE -
CEARÁ
11,29 310,68
REGIÃO CENTRO-OESTE
- MATO GROSSO DO
SUL
2,16 214,70
REGIÃO SUDESTE - SÃO
PAULO
9,08 52,03
REGIÃO SUL - SANTA
CATARINA
3,76 175,73
Número de processo judiciais relativos à saúde por
100.00 habitantes
Fonte: Judicialização da Saúde no Brasil: Perfil das Demandas,
Causas e Propostas de Solução – CNJ/INSPER 2019)
SEGUNDO LEVANTAMENTO DO TCU, OS GASTOS
DA UNIÃO COM PROCESSOS JUDICIAIS
AUMENTARAM 1.300%, EM 07 ANOS.
DAS AÇÕES JUDICIAIS, CERCA DE 80% DIZ
RESPEITO A FORNECIMENTO DE MEDICAMENTOS,
ALGUNS ATÉ MESMO SEM REGISTRO.
Fonte: Acórdão nº 1787/17 TCU
GASTOS DO GOVERNO FEDERAL
COM A COMPRA DE MEDICAMENTOS
POR DETERMINAÇÃO DA JUSTIÇA
2010
2011
2012
2013
2014
2015
2016
R$ 122,6
Milhões
R$ 230,5
Milhões
R$ 367,8
Milhões
R$ 549,1
Milhões
R$ 839,7
Milhões
R$ 1,1
Bilhão
R$ 1,6
Bilhão
Fonte: Ministério da Saúde
1-) A NÃO ELABORAÇÃO PELO SUS DE SEUS
CONFLITOS DISTRIBUTIVOS DE BENS E SERVIÇOS;
2-) INDEFINIÇÃO NA ALOCAÇÃO DE RECURSOS;
3-) NÃO OBSERVÂNCIA DA DIVISÃO DE
RESPONSABILIDADES ENTRE OS ENTES
FEDERADOS;
4-) CRESCENTE DEMANDA QUE BATE À PORTA DO
MINISTÉRIO PÚBLICO E DEFENSORIA PÚBLICA,
DECORRENTE DO RETROCESSO SOCIAL E DA
REDUÇÃO DA ASSISTÊNCIA.
POSSÍVEIS CAUSAS DA JUDICIALIZAÇÃO
EXCESSIVA
1-) O JUDICIÁRIO TERMINAR POR SE COLOCAR COMO
INSTÂNCIA GESTORA DO SISTEMA DE SAÚDE, E OS
MÉDICOS PRESCRITORES COMO INSTÂNCIA
ORDENADORA DE DESPESAS;
2-) DESORDEM NAS POLÍTICAS ELABORADAS PELO
ENTE PÚBLICO, EM DECORRÊNCIA DO IMPACTO
FINANCEIRO PROVOCADO PELAS DETERMINAÇÕES
JUDICIAIS;
3-) PRIORIZA-SE O DIREITO INDIVIDUAL EM DETRIMENTO
DO INTERESSE COLETIVO;
4-) FALSA PERCEPÇÃO AO DESCONSIDERAR A FINITUDE
DOS RECURSOS, ABALANDO O ORÇAMENTO
PRINCIPALMENTE DOS MUNICÍPIOS, ENTE MAIS
INDESEJÁVEIS RESULTADOS DA
JUDICIALIZAÇÃO EXCESSIVA
A ASSISTÊNCIA À SAÚDE SERÁ
INEVITAVELMENTE MAIS
ONEROSA ANO A ANO
DUAS INEGÁVEIS PREMISSAS
REDUÇÃO DE FINANCIAMENTO
DA UNIÃO
GRÁFICO COM A MÉDIA CRESCENTE DE GASTOS
DOS MUNICÍPIOS E DOS ESTADOS - ASPS (AÇÕES E
SERVIÇOS PÚBLICOS EM SAÚDE)
Mínimo
Constitucional
12,00%
Aplicado em
2004
11,93%
Aplicado em
2015
14,30%
ESTADOS
Fonte: CONASEMS
GRÁFICO COM A MÉDIA CRESCENTE DE GASTOS
DOS MUNICÍPIOS E DOS ESTADOS - ASPS (AÇÕES E
SERVIÇOS PÚBLICOS EM SAÚDE)
Mínimo
Constitucional
15,00%
Aplicado em
2004
18,24%
Municípios
Aplicado em
2015
22,01%
Fonte: CONASEMS
O SISTEMA DE JUSTIÇA DEVE CONHECER O
FUNCIONAMENTO DO SISTEMA DE SAÚDE;
CRIAR UM ESPAÇO PERMANENTE, PLURAL, ABERTO E
DIVERSIFICADO, MANTENDO-SE O DIÁLOGO E
REFORÇANDO AS PONTES DE ARTICULAÇÃO ENTRE O
MINISTÉRIO PÚBLICO, DEFENSORIA PÚBLICA E PODER
JUDICIÁRIO (CONTROLE LEGAL) COM OS GESTORES E
PROFISSIONAIS DE SAÚDE, BEM COMO COM O
CONTROLE SOCIAL - DIÁLOGO INTERINSTITUCIONAL;
PRIORIZAR A ATUAÇÃO PREVENTIVA NA RESOLUÇÃO
DOS CONFLITOS EM SAÚDE (MEDIAÇÃO SANITÁRIA),
GARANTINDO O ACESSO DO USUÁRIO ÀS AÇÕES E
SERVIÇOS DE SAÚDE QUE O SISTEMA JÁ OFERECE.
A IMPORTÂNCIA DO DIÁLOGO E PARCERIA EM
TIMON ENTRE O GESTOR DE SAÚDE E O
MINISTÉRIO PÚBLICO (COMO INSTÂNCIA DE
CONTROLE LEGAL) PARA VIABILIZAR O ACESSO
AOS SERVIÇOS DE SAÚDE NA ATENÇÃO
PRIMÁRIA
DADOS DE TIMON-MA
População estimada (2019) - 169.107 habitantes
Distância da capital (São Luís-MA) – 450 Km
Faz parte da RIDE (Região Integrada de
Desenvolvimento) da Grande Teresina-Piauí
4ª cidade mais populosa do Maranhão, entretanto a
que menos recebe recursos em termos proporcionais
para o seu sistema de saúde (PPI-MA 2004)
Projeção Aleatória em 13 municípios do Estado utilizando o maior per
Capita pago pelo Ministério: TOCANTINS R$ 262,47
Municípios POP / TCU
2012
MAC sem
Referência/Prt35
3/16
Per
Capita
Atual
Maior Per Capita
Tocantins 262,47
Diferença pro
Teto atual R$
Colinas 39.635 4.113.584,70 103,78 10.402.998,45 6.289.413,75
Caxias 158.059 32.381.704,58 204,87 41.485.745,73 9.104.041,15
Coroatá 63.821 11.972.127,15 187,58 16.751.097,87 4.778.970,72
Chapadinha 75.167 7.737.016,82 102,93 19.729.082,49 11.992.065,67
Imperatriz 250.067 59.651.462,46 238,54 65.635.085,49 5.983.623,23
São Luís 1.039.610 176.462.224,70 169,73 272.866.436,70 96.404.212,60
Timon 164.869 16.521.840,64 100,21 43.273.166,43 26.751.325,79
Dados da Secretaria de Estado da Saúde do
Maranhão (SES-MA), apurados até o dia 28 de
outubro de 2019, mostram que a razão de
mortalidade materna no município de Timon –
MA, no período de janeiro a 28/10/2019, foi de
253,8 por 100.000 nascidos vivos,( 6 *
100.000/2364 = 253,8). E mortalidade infantil
33/1000 nascidos vivos ( 78*1000/2364 = 33).
Os Pontos de Corte para Razão de Mortalidade Materna, (OMS):
< 20 => Baixa (Aceitável)
20 a 50 => Média
50 a 150 => Alta
> 150 => Muito alta
REDE MUNICIPAL DE SAÚDE DE TIMON-MA
57 EQUIPES DA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA (ESF);
 37 UBS;
 PLANIFICAÇÃO DO CONASS – LABORATÓRIO EM 06 eSF e
03 UBS;
A LINHA DE CUIDADO QUE A PLANIFICAÇÃO TRABALHA EM
TIMON É A “REDUÇÃO DA MORTALIDADE MATERNO-
INFANTIL”;
COMO REDUZIR ESSA MORTALIDADE? O DESAFIO É
JUSTAMENTE REORGANIZAR O PROCESSO DE TRABALHO
DA ATENÇÃO PRIMÁRIA;
85% DAS GESTANTES SÃO RISCO HABITUAL, COMO
TRABALHAR OS 15% DE GESTANTE DE ALTO RISCO?
IMAGINOU-SE UM CENTRO QUE SERIA UM “GUARDA-
CHUVA” DE PROTEÇÃO E SERVIÇOS PARA ESSAS
GESTANTES DE ALTO RISCO.
t
CENTRO DE ATENÇÃO ESPECIALIZADA
MATERNO – INFANTIL - CAEMI
Timon conta com Centro de Atenção Especializada Materno Infantil (CAEMI)
Na manhã desta quarta-feira (14.11) o local foi entregue oficialmente à população
Agora já é possível que gestantes e crianças de 0 a 2 anos, de alto risco, possam ter
acompanhamento especializado com a inauguração do Centro de Atenção
Especializada Materno Infantil (CAEMI), no Hospital do Parque Alvorada. A entrega
oficial aconteceu na manhã desta quarta-feira, 14.11. A ação é parte do processo
de Planificação da Atenção à Saúde que vem sendo realizada a cerca de um ano e
tem como objetivo trazer ainda mais qualidade ao sistema público de saúde do
município.
O Prefeito Luciano Leitoa e o vice João Rodolfo, além do secretário municipal de
saúde, Márcio Sá, o presidente do Conselho Nacional de Secretários de Saúde
CONHECENDO O CAEMI
A ATENÇÃO PRESTADA PELO CAEMI OBJETIVA A REDUÇÃO
DA MORTALIDADE MATERNO-INFANTIL NO TERRITÓRIO DE
TIMON, A PARTIR DE CUIDADOS OFERTADOS POR
PROFISSIONAIS DE SAÚDE DE DIVERSAS ESPECIALIDADES.
OBJETIVOS ESPECÍFICOS –ASSISTENCIAL, EDUCACIONAL,
SUPERVISIONAL E PESQUISA OPERACIONAL.
O CAEMI É FORMADA PELOS SEGUINTES PROFISSIONAIS:
 COORDENAÇÃO ASSISTENCIAL
 MÉDICO OBSTETRA
 ENFERMEIRO OBSTETRA
 ASSISTENTE SOCIAL
 NUTRICIONISTA
 FISIOTERAPEUTA
 PSICÓLOGO
 ULTRASSONOGRAFISTA
 TÉCNICO EM ENFERMAGEM
CAEMI – NÚMEROS DE GESTANTES ESPERADAS E METAS
ALCANÇADAS DE JANEIRO A OUTUBRO DE 2019
MUNICÍPIO TIMON
GESTANTES ALTO RISCO ESPERADO – Nº
PARAMETRIZADO
509
NÚMERO DE GESTANTES EM CUIDADO
COMPARTILHADO – ATENDIMENTO EFETIVO
320
NÚMERO DE GESTANTES REESTRATIFICADAS 52
DESDE A SUA INAUGURAÇÃO, NÃO HOUVE
REGISTRO DE MORTES DE GESTANTE DE ALTO
RISCO ATENDIDA PELO CAEMI DE TIMON
“Nós não herdamos o mundo de
nossos antepassados, nós o
pegamos emprestado dos
nossos filhos”.
Wendell Berry
Obrigado!
Antônio Borges Nunes Júnior
borges@mpma.mp.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

1673 Attain to cpf 051 812 955 17 Google Inc act in General Strick SUZART
1673 Attain to cpf 051 812 955 17 Google Inc act in General Strick SUZART1673 Attain to cpf 051 812 955 17 Google Inc act in General Strick SUZART
1673 Attain to cpf 051 812 955 17 Google Inc act in General Strick SUZARTSandro Santana
 
GESTÃO EFICIENTE Recursos economizados na gestão são reaplicados na saúde do ...
GESTÃO EFICIENTE Recursos economizados na gestão são reaplicados na saúde do ...GESTÃO EFICIENTE Recursos economizados na gestão são reaplicados na saúde do ...
GESTÃO EFICIENTE Recursos economizados na gestão são reaplicados na saúde do ...Portal da Inovação em Saúde
 
DRS VI Bauru - Governo do Estado de São Paulo - Secretaria do Estado da Saúde
DRS VI Bauru - Governo do Estado de São Paulo - Secretaria do Estado da SaúdeDRS VI Bauru - Governo do Estado de São Paulo - Secretaria do Estado da Saúde
DRS VI Bauru - Governo do Estado de São Paulo - Secretaria do Estado da SaúdePedro Tobias
 
Resolução 028 2013 - novo regimento
Resolução 028 2013 - novo regimentoResolução 028 2013 - novo regimento
Resolução 028 2013 - novo regimentoFred Oliveira
 
09. pr vizela 24.01.2013
09. pr vizela 24.01.201309. pr vizela 24.01.2013
09. pr vizela 24.01.2013José Ferreira
 
Resolução cmsi 029 15 - complementação
Resolução cmsi 029 15 - complementaçãoResolução cmsi 029 15 - complementação
Resolução cmsi 029 15 - complementaçãoFred Oliveira
 

Mais procurados (20)

Curso completo do sus 7
Curso completo do sus 7Curso completo do sus 7
Curso completo do sus 7
 
Curso completo do sus 9
Curso completo do sus 9Curso completo do sus 9
Curso completo do sus 9
 
Curso completo do sus 10
Curso completo do sus 10Curso completo do sus 10
Curso completo do sus 10
 
ORGANIZAÇÕES SOCIAIS DE SAÚDE NO ESTADO DE SÃO PAULO
ORGANIZAÇÕES SOCIAIS DE SAÚDE NO ESTADO DE SÃO PAULOORGANIZAÇÕES SOCIAIS DE SAÚDE NO ESTADO DE SÃO PAULO
ORGANIZAÇÕES SOCIAIS DE SAÚDE NO ESTADO DE SÃO PAULO
 
1673 Attain to cpf 051 812 955 17 Google Inc act in General Strick SUZART
1673 Attain to cpf 051 812 955 17 Google Inc act in General Strick SUZART1673 Attain to cpf 051 812 955 17 Google Inc act in General Strick SUZART
1673 Attain to cpf 051 812 955 17 Google Inc act in General Strick SUZART
 
Curso completo do sus 3
Curso completo do sus 3Curso completo do sus 3
Curso completo do sus 3
 
Curso completo do sus
Curso completo do susCurso completo do sus
Curso completo do sus
 
Dados EpidemiolóGicos
Dados EpidemiolóGicosDados EpidemiolóGicos
Dados EpidemiolóGicos
 
Desafios para o SUS no contexto do capitalismo contemporâneo e sua crise
Desafios para o SUS no contexto do capitalismo contemporâneo e sua criseDesafios para o SUS no contexto do capitalismo contemporâneo e sua crise
Desafios para o SUS no contexto do capitalismo contemporâneo e sua crise
 
Experiências NE – SUS Legal
Experiências NE – SUS Legal Experiências NE – SUS Legal
Experiências NE – SUS Legal
 
9ª Assembleia – e-SUS AB: Saber online como é investido cada real do SUS na ...
9ª Assembleia – e-SUS AB: Saber online como é investido cada real  do SUS na ...9ª Assembleia – e-SUS AB: Saber online como é investido cada real  do SUS na ...
9ª Assembleia – e-SUS AB: Saber online como é investido cada real do SUS na ...
 
O SUS LEGAL
O SUS LEGALO SUS LEGAL
O SUS LEGAL
 
Sintonia da saúde 01-11-17
Sintonia da saúde 01-11-17Sintonia da saúde 01-11-17
Sintonia da saúde 01-11-17
 
O SUS LEGAL
O SUS LEGALO SUS LEGAL
O SUS LEGAL
 
GESTÃO EFICIENTE Recursos economizados na gestão são reaplicados na saúde do ...
GESTÃO EFICIENTE Recursos economizados na gestão são reaplicados na saúde do ...GESTÃO EFICIENTE Recursos economizados na gestão são reaplicados na saúde do ...
GESTÃO EFICIENTE Recursos economizados na gestão são reaplicados na saúde do ...
 
DRS VI Bauru - Governo do Estado de São Paulo - Secretaria do Estado da Saúde
DRS VI Bauru - Governo do Estado de São Paulo - Secretaria do Estado da SaúdeDRS VI Bauru - Governo do Estado de São Paulo - Secretaria do Estado da Saúde
DRS VI Bauru - Governo do Estado de São Paulo - Secretaria do Estado da Saúde
 
Resolução 028 2013 - novo regimento
Resolução 028 2013 - novo regimentoResolução 028 2013 - novo regimento
Resolução 028 2013 - novo regimento
 
Edital pdf
Edital pdfEdital pdf
Edital pdf
 
09. pr vizela 24.01.2013
09. pr vizela 24.01.201309. pr vizela 24.01.2013
09. pr vizela 24.01.2013
 
Resolução cmsi 029 15 - complementação
Resolução cmsi 029 15 - complementaçãoResolução cmsi 029 15 - complementação
Resolução cmsi 029 15 - complementação
 

Semelhante a Desafios do SUS e a Planificação da Saúde em Timon-MA

A relação do governo do estado com as diferentes formas de gestão em saúde - ...
A relação do governo do estado com as diferentes formas de gestão em saúde - ...A relação do governo do estado com as diferentes formas de gestão em saúde - ...
A relação do governo do estado com as diferentes formas de gestão em saúde - ...SAMI EL JUNDI
 
Planejamento II plano municipal Santa Rosa
Planejamento II  plano municipal Santa RosaPlanejamento II  plano municipal Santa Rosa
Planejamento II plano municipal Santa RosaBi_Oliveira
 
Avances y desafíos de la gestión local antonio carlos nard
Avances y desafíos de la gestión local   antonio carlos nardAvances y desafíos de la gestión local   antonio carlos nard
Avances y desafíos de la gestión local antonio carlos nardalamesnucleoecuador
 
apresentacao_laudecy_alvespptx.pptx
apresentacao_laudecy_alvespptx.pptxapresentacao_laudecy_alvespptx.pptx
apresentacao_laudecy_alvespptx.pptxGiovannaMoura24
 
A importância da filantropia para o desenvolvimento econômico social - Deputa...
A importância da filantropia para o desenvolvimento econômico social - Deputa...A importância da filantropia para o desenvolvimento econômico social - Deputa...
A importância da filantropia para o desenvolvimento econômico social - Deputa...APF6
 
Boletim Informativo: Saúde
Boletim Informativo: SaúdeBoletim Informativo: Saúde
Boletim Informativo: Saúdeorcamentogv
 
GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, OUTUBRO 2Q17
GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, OUTUBRO 2Q17GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, OUTUBRO 2Q17
GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, OUTUBRO 2Q17Adilson Moreira
 
Saúde para os Municípios
Saúde para os MunicípiosSaúde para os Municípios
Saúde para os MunicípiosCogepp CEPAM
 
Anexo i termo_de_referencia_tecnica_2017-11-30_17_10_16
Anexo i termo_de_referencia_tecnica_2017-11-30_17_10_16Anexo i termo_de_referencia_tecnica_2017-11-30_17_10_16
Anexo i termo_de_referencia_tecnica_2017-11-30_17_10_16Emilio Viegas
 
Anexo i termo_de_referencia_tecnica_2017-11-30_17_10_16
Anexo i termo_de_referencia_tecnica_2017-11-30_17_10_16Anexo i termo_de_referencia_tecnica_2017-11-30_17_10_16
Anexo i termo_de_referencia_tecnica_2017-11-30_17_10_16Emilio Viegas
 
Principais entraves desafios da Saúde do Amapá 2013
Principais entraves desafios da Saúde do Amapá 2013Principais entraves desafios da Saúde do Amapá 2013
Principais entraves desafios da Saúde do Amapá 2013informesesa
 
Setemi news novembro
Setemi news novembroSetemi news novembro
Setemi news novembroSetemi News
 

Semelhante a Desafios do SUS e a Planificação da Saúde em Timon-MA (20)

A relação do governo do estado com as diferentes formas de gestão em saúde - ...
A relação do governo do estado com as diferentes formas de gestão em saúde - ...A relação do governo do estado com as diferentes formas de gestão em saúde - ...
A relação do governo do estado com as diferentes formas de gestão em saúde - ...
 
Apresentação maurício botelho ses
Apresentação maurício botelho   sesApresentação maurício botelho   ses
Apresentação maurício botelho ses
 
Planejamento II plano municipal Santa Rosa
Planejamento II  plano municipal Santa RosaPlanejamento II  plano municipal Santa Rosa
Planejamento II plano municipal Santa Rosa
 
#susmaisforte
#susmaisforte#susmaisforte
#susmaisforte
 
Relatório Anual da Saúde 2013
Relatório Anual da Saúde 2013Relatório Anual da Saúde 2013
Relatório Anual da Saúde 2013
 
Avances y desafíos de la gestión local antonio carlos nard
Avances y desafíos de la gestión local   antonio carlos nardAvances y desafíos de la gestión local   antonio carlos nard
Avances y desafíos de la gestión local antonio carlos nard
 
apresentacao_laudecy_alvespptx.pptx
apresentacao_laudecy_alvespptx.pptxapresentacao_laudecy_alvespptx.pptx
apresentacao_laudecy_alvespptx.pptx
 
Desdobramentos da Portaria GM/MS n. 3992/17
Desdobramentos da Portaria GM/MS n. 3992/17Desdobramentos da Portaria GM/MS n. 3992/17
Desdobramentos da Portaria GM/MS n. 3992/17
 
A importância da filantropia para o desenvolvimento econômico social - Deputa...
A importância da filantropia para o desenvolvimento econômico social - Deputa...A importância da filantropia para o desenvolvimento econômico social - Deputa...
A importância da filantropia para o desenvolvimento econômico social - Deputa...
 
Junto
JuntoJunto
Junto
 
Boletim Informativo: Saúde
Boletim Informativo: SaúdeBoletim Informativo: Saúde
Boletim Informativo: Saúde
 
GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, OUTUBRO 2Q17
GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, OUTUBRO 2Q17GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, OUTUBRO 2Q17
GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, OUTUBRO 2Q17
 
PNAB - ATENÇÃO PRIMÁRIA.pdf
PNAB - ATENÇÃO PRIMÁRIA.pdfPNAB - ATENÇÃO PRIMÁRIA.pdf
PNAB - ATENÇÃO PRIMÁRIA.pdf
 
Saúde para os Municípios
Saúde para os MunicípiosSaúde para os Municípios
Saúde para os Municípios
 
Anexo i termo_de_referencia_tecnica_2017-11-30_17_10_16
Anexo i termo_de_referencia_tecnica_2017-11-30_17_10_16Anexo i termo_de_referencia_tecnica_2017-11-30_17_10_16
Anexo i termo_de_referencia_tecnica_2017-11-30_17_10_16
 
Anexo i termo_de_referencia_tecnica_2017-11-30_17_10_16
Anexo i termo_de_referencia_tecnica_2017-11-30_17_10_16Anexo i termo_de_referencia_tecnica_2017-11-30_17_10_16
Anexo i termo_de_referencia_tecnica_2017-11-30_17_10_16
 
Principais entraves desafios da Saúde do Amapá 2013
Principais entraves desafios da Saúde do Amapá 2013Principais entraves desafios da Saúde do Amapá 2013
Principais entraves desafios da Saúde do Amapá 2013
 
Guia saude
Guia saudeGuia saude
Guia saude
 
Setemi news novembro
Setemi news novembroSetemi news novembro
Setemi news novembro
 
EDIÇÃO 241
EDIÇÃO 241EDIÇÃO 241
EDIÇÃO 241
 

Mais de Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS

Mais de Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS (20)

Modelo de Distanciamento Controlado - Rio Grande do Sul
Modelo de Distanciamento Controlado - Rio Grande do SulModelo de Distanciamento Controlado - Rio Grande do Sul
Modelo de Distanciamento Controlado - Rio Grande do Sul
 
O enfrentamento da Covid-19 pela Atenção Primária à Saúde em Uberlândia, Mina...
O enfrentamento da Covid-19 pela Atenção Primária à Saúde em Uberlândia, Mina...O enfrentamento da Covid-19 pela Atenção Primária à Saúde em Uberlândia, Mina...
O enfrentamento da Covid-19 pela Atenção Primária à Saúde em Uberlândia, Mina...
 
Banners – II Seminário da Planificação da Atenção à Saúde
Banners – II Seminário da Planificação da Atenção à SaúdeBanners – II Seminário da Planificação da Atenção à Saúde
Banners – II Seminário da Planificação da Atenção à Saúde
 
A introdução de novas tecnologias para o manejo das condições crônicas na UBS...
A introdução de novas tecnologias para o manejo das condições crônicas na UBS...A introdução de novas tecnologias para o manejo das condições crônicas na UBS...
A introdução de novas tecnologias para o manejo das condições crônicas na UBS...
 
PIMENTEIRAS DO OESTE - RO
PIMENTEIRAS DO OESTE - ROPIMENTEIRAS DO OESTE - RO
PIMENTEIRAS DO OESTE - RO
 
CHECKLIST DA IMUNIZAÇÃO: um instrumento de melhoria e monitoramento do proces...
CHECKLIST DA IMUNIZAÇÃO: um instrumento de melhoria e monitoramento do proces...CHECKLIST DA IMUNIZAÇÃO: um instrumento de melhoria e monitoramento do proces...
CHECKLIST DA IMUNIZAÇÃO: um instrumento de melhoria e monitoramento do proces...
 
Da adesão aos resultados esperados no PlanificaSUS: um olhar sobre a importân...
Da adesão aos resultados esperados no PlanificaSUS: um olhar sobre a importân...Da adesão aos resultados esperados no PlanificaSUS: um olhar sobre a importân...
Da adesão aos resultados esperados no PlanificaSUS: um olhar sobre a importân...
 
INCORPORAÇÃO DE ESTRATÉGIAS INOVADORAS NO PROCESSO DE PLANIFICAÇÃO DA ATENÇÃO...
INCORPORAÇÃO DE ESTRATÉGIAS INOVADORAS NO PROCESSO DE PLANIFICAÇÃO DA ATENÇÃO...INCORPORAÇÃO DE ESTRATÉGIAS INOVADORAS NO PROCESSO DE PLANIFICAÇÃO DA ATENÇÃO...
INCORPORAÇÃO DE ESTRATÉGIAS INOVADORAS NO PROCESSO DE PLANIFICAÇÃO DA ATENÇÃO...
 
Melhorias na Unidade Laboratório do município de Pimenta Bueno/RO após a plan...
Melhorias na Unidade Laboratório do município de Pimenta Bueno/RO após a plan...Melhorias na Unidade Laboratório do município de Pimenta Bueno/RO após a plan...
Melhorias na Unidade Laboratório do município de Pimenta Bueno/RO após a plan...
 
Guia do Pré-Natal na Atenção Básica: a Planificação da Atenção à Saúde como E...
Guia do Pré-Natal na Atenção Básica: a Planificação da Atenção à Saúde como E...Guia do Pré-Natal na Atenção Básica: a Planificação da Atenção à Saúde como E...
Guia do Pré-Natal na Atenção Básica: a Planificação da Atenção à Saúde como E...
 
Jornada Interdisciplinar em Diabetes, Obesidade e Hipertensão
Jornada Interdisciplinar em Diabetes, Obesidade e HipertensãoJornada Interdisciplinar em Diabetes, Obesidade e Hipertensão
Jornada Interdisciplinar em Diabetes, Obesidade e Hipertensão
 
A Segurança do Paciente na Construção Social da APS
A Segurança do Paciente na Construção Social da APSA Segurança do Paciente na Construção Social da APS
A Segurança do Paciente na Construção Social da APS
 
Estratégias de Melhoria no Processo de Planificação da Região Leste do DF
Estratégias de Melhoria no Processo de Planificação da Região Leste do DFEstratégias de Melhoria no Processo de Planificação da Região Leste do DF
Estratégias de Melhoria no Processo de Planificação da Região Leste do DF
 
Cuidados Paliativos no contexto do avanço das condições crônicas
Cuidados Paliativos no contexto do avanço das condições crônicasCuidados Paliativos no contexto do avanço das condições crônicas
Cuidados Paliativos no contexto do avanço das condições crônicas
 
Sala de Situação Regional de Saúde Sudoeste I
Sala de Situação  Regional de Saúde  Sudoeste I Sala de Situação  Regional de Saúde  Sudoeste I
Sala de Situação Regional de Saúde Sudoeste I
 
Por um cuidado certo - Sociedade Brasileira de Diabetes
Por um cuidado certo - Sociedade Brasileira de DiabetesPor um cuidado certo - Sociedade Brasileira de Diabetes
Por um cuidado certo - Sociedade Brasileira de Diabetes
 
O pediatra e sua presença na Assistência no Brasil
O pediatra e sua presença na Assistência no BrasilO pediatra e sua presença na Assistência no Brasil
O pediatra e sua presença na Assistência no Brasil
 
Notas Técnicas para Organização das Redes de Atenção à Saúde
Notas Técnicas para Organização das Redes de Atenção à SaúdeNotas Técnicas para Organização das Redes de Atenção à Saúde
Notas Técnicas para Organização das Redes de Atenção à Saúde
 
Ministério Público em Defesa da APS
Ministério Público em Defesa da APSMinistério Público em Defesa da APS
Ministério Público em Defesa da APS
 
Usuário do SUS: as primeiras evidências
Usuário do SUS: as primeiras evidênciasUsuário do SUS: as primeiras evidências
Usuário do SUS: as primeiras evidências
 

Desafios do SUS e a Planificação da Saúde em Timon-MA

  • 1. II Seminário da Planificação da Atenção à Saúde: “Desafios do SUS e a Planificação da Atenção à Saúde” MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO MARANHÃO
  • 2. “TODAS AS FAMÍLIAS FELIZES SE PARECEM, CADA FAMÍLIA INFELIZ É INFELIZ À SUA MANEIRA.” Leon Tolstói (Anna Karenina)
  • 3. REGIÃO 2009 2017 REGIÃO NORTE - TOCANTINS 0,07 38,70 REGIÃO NORDESTE - CEARÁ 11,29 310,68 REGIÃO CENTRO-OESTE - MATO GROSSO DO SUL 2,16 214,70 REGIÃO SUDESTE - SÃO PAULO 9,08 52,03 REGIÃO SUL - SANTA CATARINA 3,76 175,73 Número de processo judiciais relativos à saúde por 100.00 habitantes Fonte: Judicialização da Saúde no Brasil: Perfil das Demandas, Causas e Propostas de Solução – CNJ/INSPER 2019)
  • 4. SEGUNDO LEVANTAMENTO DO TCU, OS GASTOS DA UNIÃO COM PROCESSOS JUDICIAIS AUMENTARAM 1.300%, EM 07 ANOS. DAS AÇÕES JUDICIAIS, CERCA DE 80% DIZ RESPEITO A FORNECIMENTO DE MEDICAMENTOS, ALGUNS ATÉ MESMO SEM REGISTRO. Fonte: Acórdão nº 1787/17 TCU
  • 5. GASTOS DO GOVERNO FEDERAL COM A COMPRA DE MEDICAMENTOS POR DETERMINAÇÃO DA JUSTIÇA 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 R$ 122,6 Milhões R$ 230,5 Milhões R$ 367,8 Milhões R$ 549,1 Milhões R$ 839,7 Milhões R$ 1,1 Bilhão R$ 1,6 Bilhão Fonte: Ministério da Saúde
  • 6. 1-) A NÃO ELABORAÇÃO PELO SUS DE SEUS CONFLITOS DISTRIBUTIVOS DE BENS E SERVIÇOS; 2-) INDEFINIÇÃO NA ALOCAÇÃO DE RECURSOS; 3-) NÃO OBSERVÂNCIA DA DIVISÃO DE RESPONSABILIDADES ENTRE OS ENTES FEDERADOS; 4-) CRESCENTE DEMANDA QUE BATE À PORTA DO MINISTÉRIO PÚBLICO E DEFENSORIA PÚBLICA, DECORRENTE DO RETROCESSO SOCIAL E DA REDUÇÃO DA ASSISTÊNCIA. POSSÍVEIS CAUSAS DA JUDICIALIZAÇÃO EXCESSIVA
  • 7. 1-) O JUDICIÁRIO TERMINAR POR SE COLOCAR COMO INSTÂNCIA GESTORA DO SISTEMA DE SAÚDE, E OS MÉDICOS PRESCRITORES COMO INSTÂNCIA ORDENADORA DE DESPESAS; 2-) DESORDEM NAS POLÍTICAS ELABORADAS PELO ENTE PÚBLICO, EM DECORRÊNCIA DO IMPACTO FINANCEIRO PROVOCADO PELAS DETERMINAÇÕES JUDICIAIS; 3-) PRIORIZA-SE O DIREITO INDIVIDUAL EM DETRIMENTO DO INTERESSE COLETIVO; 4-) FALSA PERCEPÇÃO AO DESCONSIDERAR A FINITUDE DOS RECURSOS, ABALANDO O ORÇAMENTO PRINCIPALMENTE DOS MUNICÍPIOS, ENTE MAIS INDESEJÁVEIS RESULTADOS DA JUDICIALIZAÇÃO EXCESSIVA
  • 8. A ASSISTÊNCIA À SAÚDE SERÁ INEVITAVELMENTE MAIS ONEROSA ANO A ANO DUAS INEGÁVEIS PREMISSAS REDUÇÃO DE FINANCIAMENTO DA UNIÃO
  • 9. GRÁFICO COM A MÉDIA CRESCENTE DE GASTOS DOS MUNICÍPIOS E DOS ESTADOS - ASPS (AÇÕES E SERVIÇOS PÚBLICOS EM SAÚDE) Mínimo Constitucional 12,00% Aplicado em 2004 11,93% Aplicado em 2015 14,30% ESTADOS Fonte: CONASEMS
  • 10. GRÁFICO COM A MÉDIA CRESCENTE DE GASTOS DOS MUNICÍPIOS E DOS ESTADOS - ASPS (AÇÕES E SERVIÇOS PÚBLICOS EM SAÚDE) Mínimo Constitucional 15,00% Aplicado em 2004 18,24% Municípios Aplicado em 2015 22,01% Fonte: CONASEMS
  • 11. O SISTEMA DE JUSTIÇA DEVE CONHECER O FUNCIONAMENTO DO SISTEMA DE SAÚDE; CRIAR UM ESPAÇO PERMANENTE, PLURAL, ABERTO E DIVERSIFICADO, MANTENDO-SE O DIÁLOGO E REFORÇANDO AS PONTES DE ARTICULAÇÃO ENTRE O MINISTÉRIO PÚBLICO, DEFENSORIA PÚBLICA E PODER JUDICIÁRIO (CONTROLE LEGAL) COM OS GESTORES E PROFISSIONAIS DE SAÚDE, BEM COMO COM O CONTROLE SOCIAL - DIÁLOGO INTERINSTITUCIONAL; PRIORIZAR A ATUAÇÃO PREVENTIVA NA RESOLUÇÃO DOS CONFLITOS EM SAÚDE (MEDIAÇÃO SANITÁRIA), GARANTINDO O ACESSO DO USUÁRIO ÀS AÇÕES E SERVIÇOS DE SAÚDE QUE O SISTEMA JÁ OFERECE.
  • 12. A IMPORTÂNCIA DO DIÁLOGO E PARCERIA EM TIMON ENTRE O GESTOR DE SAÚDE E O MINISTÉRIO PÚBLICO (COMO INSTÂNCIA DE CONTROLE LEGAL) PARA VIABILIZAR O ACESSO AOS SERVIÇOS DE SAÚDE NA ATENÇÃO PRIMÁRIA
  • 13. DADOS DE TIMON-MA População estimada (2019) - 169.107 habitantes Distância da capital (São Luís-MA) – 450 Km Faz parte da RIDE (Região Integrada de Desenvolvimento) da Grande Teresina-Piauí 4ª cidade mais populosa do Maranhão, entretanto a que menos recebe recursos em termos proporcionais para o seu sistema de saúde (PPI-MA 2004)
  • 14. Projeção Aleatória em 13 municípios do Estado utilizando o maior per Capita pago pelo Ministério: TOCANTINS R$ 262,47 Municípios POP / TCU 2012 MAC sem Referência/Prt35 3/16 Per Capita Atual Maior Per Capita Tocantins 262,47 Diferença pro Teto atual R$ Colinas 39.635 4.113.584,70 103,78 10.402.998,45 6.289.413,75 Caxias 158.059 32.381.704,58 204,87 41.485.745,73 9.104.041,15 Coroatá 63.821 11.972.127,15 187,58 16.751.097,87 4.778.970,72 Chapadinha 75.167 7.737.016,82 102,93 19.729.082,49 11.992.065,67 Imperatriz 250.067 59.651.462,46 238,54 65.635.085,49 5.983.623,23 São Luís 1.039.610 176.462.224,70 169,73 272.866.436,70 96.404.212,60 Timon 164.869 16.521.840,64 100,21 43.273.166,43 26.751.325,79
  • 15.
  • 16. Dados da Secretaria de Estado da Saúde do Maranhão (SES-MA), apurados até o dia 28 de outubro de 2019, mostram que a razão de mortalidade materna no município de Timon – MA, no período de janeiro a 28/10/2019, foi de 253,8 por 100.000 nascidos vivos,( 6 * 100.000/2364 = 253,8). E mortalidade infantil 33/1000 nascidos vivos ( 78*1000/2364 = 33). Os Pontos de Corte para Razão de Mortalidade Materna, (OMS): < 20 => Baixa (Aceitável) 20 a 50 => Média 50 a 150 => Alta > 150 => Muito alta
  • 17. REDE MUNICIPAL DE SAÚDE DE TIMON-MA 57 EQUIPES DA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA (ESF);  37 UBS;  PLANIFICAÇÃO DO CONASS – LABORATÓRIO EM 06 eSF e 03 UBS; A LINHA DE CUIDADO QUE A PLANIFICAÇÃO TRABALHA EM TIMON É A “REDUÇÃO DA MORTALIDADE MATERNO- INFANTIL”; COMO REDUZIR ESSA MORTALIDADE? O DESAFIO É JUSTAMENTE REORGANIZAR O PROCESSO DE TRABALHO DA ATENÇÃO PRIMÁRIA; 85% DAS GESTANTES SÃO RISCO HABITUAL, COMO TRABALHAR OS 15% DE GESTANTE DE ALTO RISCO? IMAGINOU-SE UM CENTRO QUE SERIA UM “GUARDA- CHUVA” DE PROTEÇÃO E SERVIÇOS PARA ESSAS GESTANTES DE ALTO RISCO.
  • 18. t CENTRO DE ATENÇÃO ESPECIALIZADA MATERNO – INFANTIL - CAEMI
  • 19. Timon conta com Centro de Atenção Especializada Materno Infantil (CAEMI) Na manhã desta quarta-feira (14.11) o local foi entregue oficialmente à população Agora já é possível que gestantes e crianças de 0 a 2 anos, de alto risco, possam ter acompanhamento especializado com a inauguração do Centro de Atenção Especializada Materno Infantil (CAEMI), no Hospital do Parque Alvorada. A entrega oficial aconteceu na manhã desta quarta-feira, 14.11. A ação é parte do processo de Planificação da Atenção à Saúde que vem sendo realizada a cerca de um ano e tem como objetivo trazer ainda mais qualidade ao sistema público de saúde do município. O Prefeito Luciano Leitoa e o vice João Rodolfo, além do secretário municipal de saúde, Márcio Sá, o presidente do Conselho Nacional de Secretários de Saúde
  • 20. CONHECENDO O CAEMI A ATENÇÃO PRESTADA PELO CAEMI OBJETIVA A REDUÇÃO DA MORTALIDADE MATERNO-INFANTIL NO TERRITÓRIO DE TIMON, A PARTIR DE CUIDADOS OFERTADOS POR PROFISSIONAIS DE SAÚDE DE DIVERSAS ESPECIALIDADES. OBJETIVOS ESPECÍFICOS –ASSISTENCIAL, EDUCACIONAL, SUPERVISIONAL E PESQUISA OPERACIONAL. O CAEMI É FORMADA PELOS SEGUINTES PROFISSIONAIS:  COORDENAÇÃO ASSISTENCIAL  MÉDICO OBSTETRA  ENFERMEIRO OBSTETRA  ASSISTENTE SOCIAL  NUTRICIONISTA  FISIOTERAPEUTA  PSICÓLOGO  ULTRASSONOGRAFISTA  TÉCNICO EM ENFERMAGEM
  • 21. CAEMI – NÚMEROS DE GESTANTES ESPERADAS E METAS ALCANÇADAS DE JANEIRO A OUTUBRO DE 2019 MUNICÍPIO TIMON GESTANTES ALTO RISCO ESPERADO – Nº PARAMETRIZADO 509 NÚMERO DE GESTANTES EM CUIDADO COMPARTILHADO – ATENDIMENTO EFETIVO 320 NÚMERO DE GESTANTES REESTRATIFICADAS 52 DESDE A SUA INAUGURAÇÃO, NÃO HOUVE REGISTRO DE MORTES DE GESTANTE DE ALTO RISCO ATENDIDA PELO CAEMI DE TIMON
  • 22. “Nós não herdamos o mundo de nossos antepassados, nós o pegamos emprestado dos nossos filhos”. Wendell Berry
  • 23. Obrigado! Antônio Borges Nunes Júnior borges@mpma.mp.br