SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 8
PAISM( P R O G R A M A D E A S S I S T Ê N C I A
I N T E G R A L À S A Ú D E D A M U L H E R )
S A Ú D E
C O L E T I VA
P R O F ª R E G I A N E
O QUE É O PROGRAMA?
• O Programa de Atenção Integral a Saúde da Mulher
(PAISM) foi criado em 1984 pelo Ministério da
Saúde, no contexto da redemocratização do país,
em decorrência de reivindicações de movimentos
sociais e movimento de mulheres. Antes da criação
do PAISM, o olhar de assistência à mulher se voltava
apenas a sua saúde reprodutiva ficando as demais
queixas de saúde sem espaço para a investigação e
o cuidado.
• O PAISM enquanto política de saúde surge como
resposta aos problemas de saúde e às necessidades
da população feminina
OBJETIVOS E
PRINCÍPIOS
• Promover a melhoria das condições de vida e
saúde das mulheres brasileiras, mediante a
garantia de direitos legalmente constituídos e a
ampliação do acesso aos meios e serviços de
promoção, prevenção, assistência e recuperação da
saúde em todo território brasileiro.
• Contribuir para a redução da morbidade e da
mortalidade femininas no Brasil, especialmente por
causas evitáveis, em todos os ciclos de vida e nos
diversos grupos populacionais, sem discriminação
de qualquer espécie.
• Ampliar, qualificar e humanizar a atenção integral
à saúde da mulher no Sistema Único de Saúde.
AÇÕES
• O PAISM inclui:
Ações educativas, preventivas,
de diagnóstico, tratamento e
recuperação, englobando a
assistência à mulher em clinica
ginecológica, no pré-natal, parto
e puerpério, no climatério, em
planejamento familiar, DST,
câncer de colo de útero e de
mama, além de outras
necessidades identificadas a
partir do perfil populacional das
mulheres (BRASIL, 1984).
A IMPORTÂNCIA DO
PROGRAMA QUANTO A
SAÚDE DA MULHER
• O PAISM é de grande importância pois visa
igualar os direitos de saúde, requerendo a
afirmação das diferenças, o PAISM se
encaminhou, em 2004, para a criação da
Politica Nacional de Atenção Integral a Saúde
da Mulher (PNAISM), que busca efetivar ações
de promoção, prevenção e tratamento da
saúde com ênfase no campo dos direitos
sexuais e reprodutivos, no combate à violência
domestica e sexual, “na prevenção e no
tratamento das mulheres vivendo com
HIV/AIDS e de portadoras de doenças crônicas
não transmissíveis. Ou seja esses programas
dão total apoio para a mulher quanto a sua
saúde, visa a melhoria das condições de vida e
da saúde da mulher.
POR QUE A ENFERMAGEM
DEVE CONHECER O PAISM?
• A principal contribuição do profissional de
saúde para o atendimento da população
feminina é prestar diariamente uma assistência
humana e que considera os diferentes perfis de
mulheres e suas necessidades. Seja você um
enfermeiro, médico, educador físico,
fisioterapeuta ou qualquer outro profissional da
área, a mudança dessa realidade nacional que
infelizmente perdura começa na qualidade de
cada atendimento que, por fim, terá resultados
nos serviços de saúde disponíveis. As teorias e
técnicas aplicadas corretamente permitem evitar
os prejuízos à saúde da mulher e, juntamente
com a conduta do profissional da área,
CONCLUSÃO
O PAISM enquanto política de saúde surge como resposta
aos problemas de saúde e às necessidades da população
feminina. Representou a primeira iniciativa do Ministério
da Saúde de incluir o planejamento familiar nas ações de
atenção à saúde da mulher. Nas diretrizes do PAISM, no
tocante ao planejamento familiar, é possível identificar os
seguintes destaques (BRASIL, 1984):
• Oportunidade de acesso às informações.
• Abandono de qualquer espécie de ação coercitiva.
• Relação constante e integral com o sistema único de
saúde (SUS).
O PAISM rompeu com a lógica do exagerado
intervencionismo sobre o corpo da mulher, considerando-
as sujeitos de transformação de suas realidades, com
direitos e deveres. Nesse sentido, destaca o caráter de
autonomia, condizente com os ideais feministas, que
defendiam o lema “nosso corpo nos pertence” (ÁVILA e
CORREIA, 1989).
REFERÊNCIAS
BIBLIOGRÁFICAS
PolíticaSaudeMulherdemos.pdf
www.portaleducacao.com.br
https://pt.slideshare.net
http://bvsms.saude.gov.br
www.epsjv.fiocruz.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 1 saúde coletiva i slides aula - cópia
Aula 1 saúde coletiva i   slides aula - cópiaAula 1 saúde coletiva i   slides aula - cópia
Aula 1 saúde coletiva i slides aula - cópiaKarla Toledo
 
Aula 1 politicas de saude no brasil
Aula 1   politicas de saude no brasilAula 1   politicas de saude no brasil
Aula 1 politicas de saude no brasilkellyschorro18
 
Politica de saude nacional da mulher
Politica de saude nacional da mulherPolitica de saude nacional da mulher
Politica de saude nacional da mulherAlanna Alexandre
 
Pnab -programa nacional da Atenção básica
Pnab -programa nacional da Atenção básicaPnab -programa nacional da Atenção básica
Pnab -programa nacional da Atenção básicaJarquineide Silva
 
Aula 6 Políticas Públicas de Saúde
Aula 6 Políticas Públicas de SaúdeAula 6 Políticas Públicas de Saúde
Aula 6 Políticas Públicas de SaúdeJesiele Spindler
 
Saude da familia
Saude da familiaSaude da familia
Saude da familiakarensuelen
 
1ª aula introducao de-enfermagem
1ª aula introducao de-enfermagem1ª aula introducao de-enfermagem
1ª aula introducao de-enfermagemElter Alves
 
Saúde Coletiva - 1. introdução e conceitos fundamentais
Saúde Coletiva - 1. introdução e conceitos fundamentaisSaúde Coletiva - 1. introdução e conceitos fundamentais
Saúde Coletiva - 1. introdução e conceitos fundamentaisMario Gandra
 
Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)
Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)
Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)resenfe2013
 
Código de ética dos profissionais de enfermagem
Código de ética dos profissionais de enfermagemCódigo de ética dos profissionais de enfermagem
Código de ética dos profissionais de enfermagemCentro Universitário Ages
 

Mais procurados (20)

Atenção Primária à Saúde
Atenção Primária à SaúdeAtenção Primária à Saúde
Atenção Primária à Saúde
 
Aula 1 saúde coletiva i slides aula - cópia
Aula 1 saúde coletiva i   slides aula - cópiaAula 1 saúde coletiva i   slides aula - cópia
Aula 1 saúde coletiva i slides aula - cópia
 
Aula 1 politicas de saude no brasil
Aula 1   politicas de saude no brasilAula 1   politicas de saude no brasil
Aula 1 politicas de saude no brasil
 
Saúde da Mulher na APS
Saúde da Mulher na APSSaúde da Mulher na APS
Saúde da Mulher na APS
 
SAÚDE DA MULHER: ENFERMAGEM
SAÚDE DA MULHER: ENFERMAGEMSAÚDE DA MULHER: ENFERMAGEM
SAÚDE DA MULHER: ENFERMAGEM
 
Saude da mulher
Saude da mulherSaude da mulher
Saude da mulher
 
Vigilancia em saude
Vigilancia em saude Vigilancia em saude
Vigilancia em saude
 
Politica de saude nacional da mulher
Politica de saude nacional da mulherPolitica de saude nacional da mulher
Politica de saude nacional da mulher
 
Pnab -programa nacional da Atenção básica
Pnab -programa nacional da Atenção básicaPnab -programa nacional da Atenção básica
Pnab -programa nacional da Atenção básica
 
Aula 6 Políticas Públicas de Saúde
Aula 6 Políticas Públicas de SaúdeAula 6 Políticas Públicas de Saúde
Aula 6 Políticas Públicas de Saúde
 
Saude da familia
Saude da familiaSaude da familia
Saude da familia
 
1ª aula introducao de-enfermagem
1ª aula introducao de-enfermagem1ª aula introducao de-enfermagem
1ª aula introducao de-enfermagem
 
Aula 3 - SUS
Aula 3 - SUSAula 3 - SUS
Aula 3 - SUS
 
SAÚDE DA CRIANÇA: ENFERMAGEM
SAÚDE DA CRIANÇA: ENFERMAGEMSAÚDE DA CRIANÇA: ENFERMAGEM
SAÚDE DA CRIANÇA: ENFERMAGEM
 
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)
 
Atenção à Saúde do Idoso
Atenção à Saúde do Idoso Atenção à Saúde do Idoso
Atenção à Saúde do Idoso
 
Saúde Coletiva - 1. introdução e conceitos fundamentais
Saúde Coletiva - 1. introdução e conceitos fundamentaisSaúde Coletiva - 1. introdução e conceitos fundamentais
Saúde Coletiva - 1. introdução e conceitos fundamentais
 
Coleta e Indicações para o Exame Citopatológico do Colo Uterino
Coleta e Indicações para o Exame Citopatológico do Colo UterinoColeta e Indicações para o Exame Citopatológico do Colo Uterino
Coleta e Indicações para o Exame Citopatológico do Colo Uterino
 
Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)
Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)
Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)
 
Código de ética dos profissionais de enfermagem
Código de ética dos profissionais de enfermagemCódigo de ética dos profissionais de enfermagem
Código de ética dos profissionais de enfermagem
 

Semelhante a O que é o PAISM e sua importância para a saúde da mulher

Livreto Enfermagem Saúde da Materna
Livreto Enfermagem Saúde da MaternaLivreto Enfermagem Saúde da Materna
Livreto Enfermagem Saúde da MaternaLeonel Santos
 
1° AULA - SAÚDE DA MULHER - PAISM, PNAISM.pptx
1° AULA - SAÚDE DA MULHER - PAISM, PNAISM.pptx1° AULA - SAÚDE DA MULHER - PAISM, PNAISM.pptx
1° AULA - SAÚDE DA MULHER - PAISM, PNAISM.pptxNatasha Louise
 
PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER – PAISM: entre as diretrizes n...
PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER – PAISM: entre as diretrizes n...PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER – PAISM: entre as diretrizes n...
PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER – PAISM: entre as diretrizes n...Conceição Amorim
 
Aula 2 - GO - Politicas publicas.pptx
Aula 2 - GO - Politicas publicas.pptxAula 2 - GO - Politicas publicas.pptx
Aula 2 - GO - Politicas publicas.pptxLdiaItaboraRodrigues
 
Cartilha saude-materna-rede-feminista
Cartilha saude-materna-rede-feministaCartilha saude-materna-rede-feminista
Cartilha saude-materna-rede-feministadeborawilbert
 
SAÚDE COLETIVA AULA1.pdf
SAÚDE COLETIVA AULA1.pdfSAÚDE COLETIVA AULA1.pdf
SAÚDE COLETIVA AULA1.pdfAlinneFreitas4
 
programas de saude.pptx
programas de saude.pptxprogramas de saude.pptx
programas de saude.pptxAlice Costa
 
Câncer do colo do útero
Câncer do colo do úteroCâncer do colo do útero
Câncer do colo do úteroRaphael Santana
 
O cuidado na perspectiva feminista
O cuidado na perspectiva feministaO cuidado na perspectiva feminista
O cuidado na perspectiva feministaWilliam Damasceno
 
CNS Saúde da Mulher nos 25 anos do Sistema Único de Saúde
CNS Saúde da Mulher nos 25 anos do Sistema Único de SaúdeCNS Saúde da Mulher nos 25 anos do Sistema Único de Saúde
CNS Saúde da Mulher nos 25 anos do Sistema Único de SaúdeEvertonMonteiro19
 
SAUDE DA MULHER_220503_213747.pdf
SAUDE DA MULHER_220503_213747.pdfSAUDE DA MULHER_220503_213747.pdf
SAUDE DA MULHER_220503_213747.pdfHemilyLima6
 
Política Nacional de Atenção Integral á Saúde da Mulher
Política Nacional de Atenção Integral á Saúde da MulherPolítica Nacional de Atenção Integral á Saúde da Mulher
Política Nacional de Atenção Integral á Saúde da MulherKarina Pereira
 
UNIDADE 1-Saúde Coletiva.pptx
UNIDADE 1-Saúde Coletiva.pptxUNIDADE 1-Saúde Coletiva.pptx
UNIDADE 1-Saúde Coletiva.pptxPatriciaNoro1
 
Programas de atendimento na atenção básica
Programas de atendimento na atenção básicaProgramas de atendimento na atenção básica
Programas de atendimento na atenção básicaGabriela Amorim
 
Doenças, Saúde E Bem
Doenças, Saúde E Bem Doenças, Saúde E Bem
Doenças, Saúde E Bem butaneviola61
 
A mulher no contexto histórico brasileiro.pptx
A mulher no contexto histórico brasileiro.pptxA mulher no contexto histórico brasileiro.pptx
A mulher no contexto histórico brasileiro.pptxFilipeSoares571612
 
Politicas e programas de saude
Politicas e programas de saudePoliticas e programas de saude
Politicas e programas de saudeBruno Figueiredo
 

Semelhante a O que é o PAISM e sua importância para a saúde da mulher (20)

Livreto Enfermagem Saúde da Materna
Livreto Enfermagem Saúde da MaternaLivreto Enfermagem Saúde da Materna
Livreto Enfermagem Saúde da Materna
 
1° AULA - SAÚDE DA MULHER - PAISM, PNAISM.pptx
1° AULA - SAÚDE DA MULHER - PAISM, PNAISM.pptx1° AULA - SAÚDE DA MULHER - PAISM, PNAISM.pptx
1° AULA - SAÚDE DA MULHER - PAISM, PNAISM.pptx
 
SAUDE DA MULHER NEGRA
SAUDE DA MULHER NEGRASAUDE DA MULHER NEGRA
SAUDE DA MULHER NEGRA
 
PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER – PAISM: entre as diretrizes n...
PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER – PAISM: entre as diretrizes n...PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER – PAISM: entre as diretrizes n...
PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER – PAISM: entre as diretrizes n...
 
Aula 2 - GO - Politicas publicas.pptx
Aula 2 - GO - Politicas publicas.pptxAula 2 - GO - Politicas publicas.pptx
Aula 2 - GO - Politicas publicas.pptx
 
Cartilha saude-materna-rede-feminista
Cartilha saude-materna-rede-feministaCartilha saude-materna-rede-feminista
Cartilha saude-materna-rede-feminista
 
SAÚDE COLETIVA AULA1.pdf
SAÚDE COLETIVA AULA1.pdfSAÚDE COLETIVA AULA1.pdf
SAÚDE COLETIVA AULA1.pdf
 
Planejamento Reprodutivo, Políticas Públicas e Normas Legais
Planejamento Reprodutivo, Políticas Públicas e Normas LegaisPlanejamento Reprodutivo, Políticas Públicas e Normas Legais
Planejamento Reprodutivo, Políticas Públicas e Normas Legais
 
programas de saude.pptx
programas de saude.pptxprogramas de saude.pptx
programas de saude.pptx
 
GÊNERO E SAÚDE AULA.ppt
GÊNERO E SAÚDE AULA.pptGÊNERO E SAÚDE AULA.ppt
GÊNERO E SAÚDE AULA.ppt
 
Câncer do colo do útero
Câncer do colo do úteroCâncer do colo do útero
Câncer do colo do útero
 
O cuidado na perspectiva feminista
O cuidado na perspectiva feministaO cuidado na perspectiva feminista
O cuidado na perspectiva feminista
 
CNS Saúde da Mulher nos 25 anos do Sistema Único de Saúde
CNS Saúde da Mulher nos 25 anos do Sistema Único de SaúdeCNS Saúde da Mulher nos 25 anos do Sistema Único de Saúde
CNS Saúde da Mulher nos 25 anos do Sistema Único de Saúde
 
SAUDE DA MULHER_220503_213747.pdf
SAUDE DA MULHER_220503_213747.pdfSAUDE DA MULHER_220503_213747.pdf
SAUDE DA MULHER_220503_213747.pdf
 
Política Nacional de Atenção Integral á Saúde da Mulher
Política Nacional de Atenção Integral á Saúde da MulherPolítica Nacional de Atenção Integral á Saúde da Mulher
Política Nacional de Atenção Integral á Saúde da Mulher
 
UNIDADE 1-Saúde Coletiva.pptx
UNIDADE 1-Saúde Coletiva.pptxUNIDADE 1-Saúde Coletiva.pptx
UNIDADE 1-Saúde Coletiva.pptx
 
Programas de atendimento na atenção básica
Programas de atendimento na atenção básicaProgramas de atendimento na atenção básica
Programas de atendimento na atenção básica
 
Doenças, Saúde E Bem
Doenças, Saúde E Bem Doenças, Saúde E Bem
Doenças, Saúde E Bem
 
A mulher no contexto histórico brasileiro.pptx
A mulher no contexto histórico brasileiro.pptxA mulher no contexto histórico brasileiro.pptx
A mulher no contexto histórico brasileiro.pptx
 
Politicas e programas de saude
Politicas e programas de saudePoliticas e programas de saude
Politicas e programas de saude
 

O que é o PAISM e sua importância para a saúde da mulher

  • 1. PAISM( P R O G R A M A D E A S S I S T Ê N C I A I N T E G R A L À S A Ú D E D A M U L H E R ) S A Ú D E C O L E T I VA P R O F ª R E G I A N E
  • 2. O QUE É O PROGRAMA? • O Programa de Atenção Integral a Saúde da Mulher (PAISM) foi criado em 1984 pelo Ministério da Saúde, no contexto da redemocratização do país, em decorrência de reivindicações de movimentos sociais e movimento de mulheres. Antes da criação do PAISM, o olhar de assistência à mulher se voltava apenas a sua saúde reprodutiva ficando as demais queixas de saúde sem espaço para a investigação e o cuidado. • O PAISM enquanto política de saúde surge como resposta aos problemas de saúde e às necessidades da população feminina
  • 3. OBJETIVOS E PRINCÍPIOS • Promover a melhoria das condições de vida e saúde das mulheres brasileiras, mediante a garantia de direitos legalmente constituídos e a ampliação do acesso aos meios e serviços de promoção, prevenção, assistência e recuperação da saúde em todo território brasileiro. • Contribuir para a redução da morbidade e da mortalidade femininas no Brasil, especialmente por causas evitáveis, em todos os ciclos de vida e nos diversos grupos populacionais, sem discriminação de qualquer espécie. • Ampliar, qualificar e humanizar a atenção integral à saúde da mulher no Sistema Único de Saúde.
  • 4. AÇÕES • O PAISM inclui: Ações educativas, preventivas, de diagnóstico, tratamento e recuperação, englobando a assistência à mulher em clinica ginecológica, no pré-natal, parto e puerpério, no climatério, em planejamento familiar, DST, câncer de colo de útero e de mama, além de outras necessidades identificadas a partir do perfil populacional das mulheres (BRASIL, 1984).
  • 5. A IMPORTÂNCIA DO PROGRAMA QUANTO A SAÚDE DA MULHER • O PAISM é de grande importância pois visa igualar os direitos de saúde, requerendo a afirmação das diferenças, o PAISM se encaminhou, em 2004, para a criação da Politica Nacional de Atenção Integral a Saúde da Mulher (PNAISM), que busca efetivar ações de promoção, prevenção e tratamento da saúde com ênfase no campo dos direitos sexuais e reprodutivos, no combate à violência domestica e sexual, “na prevenção e no tratamento das mulheres vivendo com HIV/AIDS e de portadoras de doenças crônicas não transmissíveis. Ou seja esses programas dão total apoio para a mulher quanto a sua saúde, visa a melhoria das condições de vida e da saúde da mulher.
  • 6. POR QUE A ENFERMAGEM DEVE CONHECER O PAISM? • A principal contribuição do profissional de saúde para o atendimento da população feminina é prestar diariamente uma assistência humana e que considera os diferentes perfis de mulheres e suas necessidades. Seja você um enfermeiro, médico, educador físico, fisioterapeuta ou qualquer outro profissional da área, a mudança dessa realidade nacional que infelizmente perdura começa na qualidade de cada atendimento que, por fim, terá resultados nos serviços de saúde disponíveis. As teorias e técnicas aplicadas corretamente permitem evitar os prejuízos à saúde da mulher e, juntamente com a conduta do profissional da área,
  • 7. CONCLUSÃO O PAISM enquanto política de saúde surge como resposta aos problemas de saúde e às necessidades da população feminina. Representou a primeira iniciativa do Ministério da Saúde de incluir o planejamento familiar nas ações de atenção à saúde da mulher. Nas diretrizes do PAISM, no tocante ao planejamento familiar, é possível identificar os seguintes destaques (BRASIL, 1984): • Oportunidade de acesso às informações. • Abandono de qualquer espécie de ação coercitiva. • Relação constante e integral com o sistema único de saúde (SUS). O PAISM rompeu com a lógica do exagerado intervencionismo sobre o corpo da mulher, considerando- as sujeitos de transformação de suas realidades, com direitos e deveres. Nesse sentido, destaca o caráter de autonomia, condizente com os ideais feministas, que defendiam o lema “nosso corpo nos pertence” (ÁVILA e CORREIA, 1989).