Alterações benignas da mama

2.085 visualizações

Publicada em

Descrição sobre as alterações fisiológicas benignas da mama

Publicada em: Saúde
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.085
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
7
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
38
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Alterações benignas da mama

  1. 1. HOMENAGEM AO DIAHOMENAGEM AO DIA INTERNACIONAL DA MULHERINTERNACIONAL DA MULHER
  2. 2. HISTÓRIA DO DIA 08 DEHISTÓRIA DO DIA 08 DE MARÇOMARÇO • No Dia 8 de março de 1857, operárias de uma fábrica de tecidos, situada na cidade norte americana de Nova Iorque, fizeram uma grande greve. Ocuparam a fábrica e começaram a reivindicar melhores condições de trabalho, tais como, redução na carga diária de trabalho para dez horas (as fábricas exigiam 16 horas de trabalho diário), equiparação de salários com os homens (as mulheres chegavam a receber até um terço do salário de um homem, para executar o mesmo tipo de trabalho) e tratamento digno dentro do ambiente de trabalho. • A manifestação foi reprimida com total violência. As mulheres foram trancadas dentro da fábrica, que foi incendiada. Aproximadamente 130 tecelãs morreram carbonizadas, num ato totalmente desumano. • Porém, somente no ano de 1910, durante uma conferência na Dinamarca, ficou decidido que o 8 de março passaria a ser o "Dia Internacional da Mulher", em homenagem as mulheres que morreram na fábrica em 1857. Mas somente no ano de 1975, através de um decreto, a data foi oficializada pela ONU (Organização das Nações Unidas). Dra.Chirlei A Ferreira
  3. 3. CONHECENDO UMACONHECENDO UMA PEQUENA PARTE DE NOSSOPEQUENA PARTE DE NOSSO CORPOCORPO Dra.Chirlei A Ferreira
  4. 4. ALTERAÇÕES BENIGNAS DAALTERAÇÕES BENIGNAS DA MAMAMAMA Dra.Chirlei A Ferreira
  5. 5. ALTERAÇÕES BENIGNAS DA MAMAALTERAÇÕES BENIGNAS DA MAMA Dra.Chirlei A Ferreira
  6. 6. ALTERAÇÕES BENIGNAS DA MAMAALTERAÇÕES BENIGNAS DA MAMA • FATORES DE RISCO PARA CÂNCER DE MAMA • Sexo feminino • Menarca precoce • Menopausa tardia • Nuliparidade • Primeira gravidez acima de 25 anos • Reposição hormonal na pós-menopausa por mais de 5 anos em mulheres acima de 60 anos • Hiperplasia epitelial atípica • Antecedentes pessoais de câncer de endométrio, ovário e carcinoma “in situ” da mama • Ingestão de alcool • Antecedentes familiares de câncer de mama • Dieta rica em gordura animal • Obesidade • Exposição a organofosforados • Irradiação ionizante Dra.Chirlei A Ferreira
  7. 7. ALTERAÇÕES BENIGNAS DA MAMAALTERAÇÕES BENIGNAS DA MAMA FIBROADENOMAFIBROADENOMA • FIBROADENOMAFIBROADENOMA • Tumor benigno constituído de tecido conjuntivo e proliferação epitelial de baixa celularidade, estroma fibroso e citologia regular. • Origina-se dos lóbulos e estroma na porção terminal do sistema ductal, podendo ser comparado a lóbulo gigante cujos ácinos de tecido conjuntivo passam por excessiva proliferação. • Existem registros de fibroadenoma há mais de 150 anos. • Etiopatogenia: DESCONHECIDA Dra.Chirlei A Ferreira
  8. 8. ALTERAÇÕES BENIGNAS DA MAMAALTERAÇÕES BENIGNAS DA MAMA FIBROADENOMAFIBROADENOMA • FIBROADENOMAFIBROADENOMA • Epidemiologia : 75% nas pacientes com menos de 20 anos • Maior incidência em negras, • Bilateralidade e multiplicidade são encontrados em 15% a 20%. • Faixa predominante: 21- 25 anos, com maior número de diagnóstico aos 30 anos. • Maior probabilidade de transformação maligna na faixa etária peri-menopausa. Dra.Chirlei A Ferreira
  9. 9. ALTERAÇÕES BENIGNAS DA MAMAALTERAÇÕES BENIGNAS DA MAMA FIBROADENOMAFIBROADENOMA • FIBROADENOMAFIBROADENOMA • Modificações fibrocísticas, metaplasia apócrina, focos de adenose simples e hiperplasia ductal sem atipias, isoladas ou associadas são comuns Dra.Chirlei A Ferreira
  10. 10. ALTERAÇÕES BENIGNAS DA MAMAALTERAÇÕES BENIGNAS DA MAMA FIBROADENOMAFIBROADENOMA • QUADRO CLÍNICOQUADRO CLÍNICO • Lesão solitária, podendo eventualmente ser bilateral, firme, elástico, móvel ou dominante no parênquima mamário, bordas lisas e regulares com superfície por vezes bocelada; • Assintomático, podendo ser detectado pelo auto-exame quando medindo 1 a 2 centímetros; • Quando há crescimento acelerado deve ser considerado as variantes benignas e malignas do tumor filóides ou fibroadenoma juvenil Dra.Chirlei A Ferreira
  11. 11. ALTERAÇÕES BENIGNAS DA MAMAALTERAÇÕES BENIGNAS DA MAMA FIBROADENOMAFIBROADENOMA Dra.Chirlei A Ferreira
  12. 12. ALTERAÇÕES BENIGNAS DA MAMAALTERAÇÕES BENIGNAS DA MAMA FIBROADENOMAFIBROADENOMA Dra.Chirlei A Ferreira
  13. 13. ALTERAÇÕES BENIGNAS DA MAMAALTERAÇÕES BENIGNAS DA MAMA FIBROADENOMAFIBROADENOMA • TRATAMENTOTRATAMENTO • Nos fibroadenomas múltiplos e nas mulheres abaixo dos 25 anos, mesmo com tumor único, a conduta pode ser expectante, desde que se tenha confirmação clínica, citológica e ultra- sonográfica de benignidade; • Os tumores que sofrem evolução durante o período de observação devem ser removidos Dra.Chirlei A Ferreira
  14. 14. ALTERAÇÕES BENIGNAS DA MAMAALTERAÇÕES BENIGNAS DA MAMA FIBROADENOMAFIBROADENOMA Dra.Chirlei A Ferreira
  15. 15. ALTERAÇÕES BENIGNAS DA MAMAALTERAÇÕES BENIGNAS DA MAMA MASTALGIA NÃO CÍCLICAMASTALGIA NÃO CÍCLICA • Queixa mais comum, pode acometer mulheres tanto na pré quanto na pós- menopausa, não apresentando o caráter cíclico; • O padrão não-cíclico corresponde a cerca de um quarto a um terço das dores na mama; • Encontra-se evidência de ectasia ductal em mais de dois terços das mulheres com queixa de mastalgia não-cíclica. Dra.Chirlei A Ferreira
  16. 16. ALTERAÇÕES BENIGNAS DA MAMAALTERAÇÕES BENIGNAS DA MAMA MASTALGIA NÃO CÍCLICAMASTALGIA NÃO CÍCLICA DOR MAMÁRIA NÃO CÍCLICADOR MAMÁRIA NÃO CÍCLICA ORIGEM MAMÁRIAORIGEM MAMÁRIA Ectasia ductal Adenose esclerosante Mastites agudas Mastites crônicas Outras ORIGEM NÃO – MAMÁRIAORIGEM NÃO – MAMÁRIA Síndrome de Tietze Síndrome de Mondor Origem Cardíaca Origem pleural Origem vascular Origem digestiva Neurites Dra.Chirlei A Ferreira
  17. 17. ALTERAÇÕES BENIGNAS DA MAMAALTERAÇÕES BENIGNAS DA MAMA MASTALGIA NÃO CÍCLICAMASTALGIA NÃO CÍCLICA • MASTALGIA DE ORIGEMMASTALGIA DE ORIGEM MAMÁRIAMAMÁRIA • Dor é mais freqüente em região subareolar e nos quadrantes mediais; • Com freqüência relata padrão de “queimação” ou “repuxar” • Média de idade: 34 a 43 anos • Possui menor nodular idade mamária; • Maior associação a ectasia ductal. Dra.Chirlei A Ferreira
  18. 18. ALTERAÇÕES BENIGNAS DA MAMAALTERAÇÕES BENIGNAS DA MAMA MASTALGIA NÃO CÍCLICAMASTALGIA NÃO CÍCLICA ORIGEM MAMÁRIAORIGEM MAMÁRIA Dra.Chirlei A Ferreira
  19. 19. ALTERAÇÕES BENIGNAS DA MAMAALTERAÇÕES BENIGNAS DA MAMA MASTALGIA NÃO CÍCLICAMASTALGIA NÃO CÍCLICA ORIGEM NÃO MAMÁRIAORIGEM NÃO MAMÁRIA Dra.Chirlei A Ferreira
  20. 20. ALTERAÇÕES BENIGNAS DA MAMAALTERAÇÕES BENIGNAS DA MAMA MASTALGIA NÃO CÍCLICAMASTALGIA NÃO CÍCLICA ORIGEM NÃO MAMÁRIAORIGEM NÃO MAMÁRIA Dra.Chirlei A Ferreira
  21. 21. ALTERAÇÕES BENIGNAS DA MAMAALTERAÇÕES BENIGNAS DA MAMA MASTALGIA NÃO CÍCLICAMASTALGIA NÃO CÍCLICA TRATAMENTOTRATAMENTO • Tranqüilizar a paciente • Uso de antiinflamatórios não hormonais • Em mastites agudas: antibióticos e quando houver abscessos drenagens Dra.Chirlei A Ferreira
  22. 22. ALTERAÇÕES FUNCIONAIS BENIGNASALTERAÇÕES FUNCIONAIS BENIGNAS DA MAMADA MAMA • CONCEITOCONCEITO • As modificações foram designadas por Hugges, em 1997, e compreendem alterações decorrentes da ação hormonal, cujos limites com a normalidade e a doença são incertos e refletem distúrbios do desenvolvimento, menacme e involução mamária. • Cerca de 60 denominações já foram aplicadas ao conjunto de manifestações clínicas compostos por dor, nodularidade e espessamentos, em geral cíclicas. Dra.Chirlei A Ferreira
  23. 23. ALTERAÇÕES FUNCIONAIS BENIGNASALTERAÇÕES FUNCIONAIS BENIGNAS DA MAMADA MAMA • O termo AFBM foi utilizado após o consenso da SBM em 1994, com as seguintes “pendências”: • Nomenclatura variada • Critério da doença não definido • Falta de relação entre sintomatologia e padrões histológicos • Implicações no risco de câncer. Dra.Chirlei A Ferreira
  24. 24. ALTERAÇÕES FUNCIONAIS BENIGNAS DAALTERAÇÕES FUNCIONAIS BENIGNAS DA MAMAMAMA • RISCO RELATIVO PARA CARCINOMA INVASIVO DA MAMARISCO RELATIVO PARA CARCINOMA INVASIVO DA MAMA BASEADO NO EXAME ANATOMOPATOLÓGICO DO TECIDOBASEADO NO EXAME ANATOMOPATOLÓGICO DO TECIDO MAMÁRIO BENIGNOMAMÁRIO BENIGNO • SEM RISCO AUMENTADO • Adenose não esclerosante, metaplasia apócrina, cistos (macro ou micro), ectasia ductal, fibroadenoma, fibrose, hiperplasia leve (3 ou 4 camadas de células), mastite, metaplasia escamosa • RISCO DISCRETAMENTE AUMENTADO (1,5- 2 X) • Fibroadenoma complexo, adenose esclerosante, hiperplasia (moderada ou florida) sólida ou papiliforme; papiloma solitário sem hiperplasia atípica • RISCO MODERAMENTE AUMENTADO (5X) • Hiperplasia atípica ductal e lobular. Dra.Chirlei A Ferreira
  25. 25. ALTERAÇÕES FUNCIONAIS BENIGNASALTERAÇÕES FUNCIONAIS BENIGNAS DA MAMADA MAMA • INCIDÊNCIA • Difícil precisar, ocorrem clinicamente em mais de 50% das mulheres e histologicamente em 90%. • SINTOMATOLOGIA • Variável Dra.Chirlei A Ferreira
  26. 26. ALTERAÇÕES FUNCIONAIS BENIGNASALTERAÇÕES FUNCIONAIS BENIGNAS DA MAMADA MAMA Dra.Chirlei A Ferreira
  27. 27. ALTERAÇÕES FUNCIONAIS BENIGNAS DA MAMAALTERAÇÕES FUNCIONAIS BENIGNAS DA MAMA TRATAMENTO CIRÚRGICOTRATAMENTO CIRÚRGICO • INDICAÇÕES PARA A EXÉRESEINDICAÇÕES PARA A EXÉRESE DE UM CISTODE UM CISTO • Houver massa tumoral residual após a punção e esvaziamento; • O líquido extraído é hemorrágico • O cisto se refaz após a segunda punção; • A citologia for suspeita para células neoplásicas; • A ultra-sonografia apresentar evidências de cistos ou nódulo persistente ou vegetação intracística; • Houver cistos gigantes com volumes aspirados maiores que 50 ml. Dra.Chirlei A Ferreira
  28. 28. ALTERAÇÕES FUNCIONAIS BENIGNAS DA MAMAALTERAÇÕES FUNCIONAIS BENIGNAS DA MAMA TRATAMENTO CIRÚRGICOTRATAMENTO CIRÚRGICO • MASTECTOMIA SUBCUTÂNEAMASTECTOMIA SUBCUTÂNEA • Indicada em AFBM severa, que é progressiva e extensa a toda mama, e geralmente bilateral; • Em geral é acompanhada de múltiplas punções ou de exérese de lesões que cursam com aumento de risco para o câncer de mama principalmente as displasias atípicas. Dra.Chirlei A Ferreira
  29. 29. FLUXO PAPILARFLUXO PAPILAR • INTRODUÇÃOINTRODUÇÃO • Trata-se de queixa pouco comum em consultórios ou ambulatórios, uma vez que é referida como sintoma principal por 3% a 6% dos pacientes. • A taxa de freqüência do fluxo aumenta quando o mesmo é pesquisado por manobra de expressa da mama, aproximando-se em 20%. Dra.Chirlei A Ferreira
  30. 30. FLUXO PAPILARFLUXO PAPILAR • ETIOPATOGENIAETIOPATOGENIA • Pode ser ocasionado por alteração funcional o por distúrbios orgânicos da mama; a primeira é constituído por galactorréia, enquanto que os distúrbios orgânicos responsáveis pela manifestação clínica são o papiloma intraductal, a papilomatose ductal, a ectasia ductal e o carcinoma Dra.Chirlei A Ferreira
  31. 31. FLUXO PAPILARFLUXO PAPILAR PAPILOMA INTRADUCTALPAPILOMA INTRADUCTAL • CLÍNICACLÍNICA • O papiloma inicialmente se apresenta como lesão hiperplásica do epitélio de revestimento do ducto comprometido. Em seguida, formam-se multiplas papilas anastomosadas, com eixo fibrovascular revestiduo por duas camadas de células epiteliais. • Raramente o papiloma intraductal compromete ambas as mamas. Dra.Chirlei A Ferreira
  32. 32. FLUXO PAPILARFLUXO PAPILAR PAPILOMA INTRADUCTALPAPILOMA INTRADUCTAL • DIAGNÓSTICODIAGNÓSTICO • Quando o fluxo papilar é unilateral, tem aspecto viscoso e sua coloração é acinzentada ou acastanhada, deve-se levantar forte suspeita de o mesmo ser ocasionado por mastite de ectasia ductal; • O fluxo papilar sanguinolento ou francamente hemorrágico, assim como aquele com aspecto de água de rocha são os que devem merecer maior atenção Dra.Chirlei A Ferreira
  33. 33. FLUXO PAPILARFLUXO PAPILAR PAPILOMA INTRADUCTALPAPILOMA INTRADUCTAL • DIAGNÓSTICODIAGNÓSTICO • Avaliação clínica • Ductografia – encontra-se praticamente abandonado pelo desconforto causado a paciente e o risco de disseminação de células cancerosas; • Mamografia • Ductoscopia • Citologia-oncótica • Biópsia. Dra.Chirlei A Ferreira
  34. 34. GINECOMASTIAGINECOMASTIA • CONCEITOCONCEITO • Termo introduzido no século II por Galeno • Define-se ginecomastia como uma condição clínica exclusiva do sexo masculino, na qual há o acúmulo de tecidos, não apenas de constituição gordurosa, mas estroma e tecido glandular na região mamária. • Apresenta comportamento benigno e na maioria da situações secundárias a alterações hormonais e de evolução reversível. Dra.Chirlei A Ferreira
  35. 35. GINECOMASTIAGINECOMASTIA • INCIDÊNCIA/ETIOLOGIAINCIDÊNCIA/ETIOLOGIA • A proliferação do tecido gorduroso, estroma e glândula da região mamária é secundária, na grande maioria dos casos, alterações hormonais de natureza fisiológica como a ocorrência do evento no período neonatal, na puberdade e na terceira idade. • A grande maioria dos casos é de natureza idiopática ou secundária a alterações hormonais como o aumento de estrógeno circulante, diminuição do nível sérico dos andrógenos e déficit de receptores para andrógenos; • Doenças sistêmicas podem estar associadas ou apresentar-se como etiologia primária do aumento tecidual na região. Dra.Chirlei A Ferreira
  36. 36. GINECOMASTIAGINECOMASTIA • ETIOLOGIAETIOLOGIA • FISIOLÓGICAS: telarca neonatal, puberdade, idoso, obesidade • NEOPLASIAS: tumor de testículo, tumor de adrenal, tumor da hipófise, tumor da próstata, tumor de mama, tumor de pulmão • SÍNDROME PARANEOPLÁSICAS: tumor de cólon • EXCESSO DE ESTROGÊNIO: doenças hepáticas, síndrome adrenogenital, hermafroditismo verdadeiro, doenças supra-renais, tireotoxicose • PRODUÇÃO/AÇÃO DA TESTOSTERONA: síndrome da resistência androgênica, doenças testiculares, síndrome de Klinefelter • MEDICAMENTOS: acetato de ciproterona, cimetidina, espirolactona, estrogênio, digitálico, maconha, heroína, gondotropinas, prednisona. Dra.Chirlei A Ferreira
  37. 37. GINECOMASTIAGINECOMASTIA • DIAGNÓSTICODIAGNÓSTICO • Clínico Dra.Chirlei A Ferreira
  38. 38. GINECOMASTIAGINECOMASTIA CLASSIFICAÇÃOCLASSIFICAÇÃO • LETTERMAN e SCHURTER (1972) • TIPO I : ginecomastia sem excesso de pelo e incisão intra-areolar • TIPO II: ginecomastia com pequeno excesso de pelo e correção com incisão intra-areolar superior • TIPO III: ginecomastia com excesso de pele e correção com incisão cutânea fora da aréola Dra.Chirlei A Ferreira
  39. 39. GINECOMASTIAGINECOMASTIA CLASSIFICAÇÃOCLASSIFICAÇÃO • SIMON et al, 1973SIMON et al, 1973 • GRAU I: discreto aumento mamário/ausência de excesso de pele • GRAU II: moderado aumento mamário/ausência de excesso de pele • GRAU III: moderado aumento mamário/presença de excesso de pele • GRAU IV: acentuado aumento mamário/grande excesso de pele. Dra.Chirlei A Ferreira
  40. 40. GINECOMASTIAGINECOMASTIA CLASSIFICAÇÃOCLASSIFICAÇÃO • McKINEY e LEWIS (1991)McKINEY e LEWIS (1991) • GRAU I: tecido mamário/fibroso localizado na região retroareolar e ausência de tecido gorduroso. Ausência de excesso de pele. Ocorre mais frequentemente em pacientes magros e atletas; • GRAU II: ginecomastia difusamente distribuído no tórax e presença de tecido adiposo associado • GRAU III: ginecomastia difusa com excesso de pele associada. Ocorre mais frequentemente em obesos. Dra.Chirlei A Ferreira
  41. 41. GINECOMASTIAGINECOMASTIA TRATAMENTO CIRÚRGICOTRATAMENTO CIRÚRGICO Dra.Chirlei A Ferreira
  42. 42. A única forma de encontrarmos o conhecimento, por menor que seja, é através da procura sem descanso. Mesmo que ás vezes, a névoa nos atrapalhe... Chirlei/2015 Dra.Chirlei A Ferreira

×