Trabalho colposcopia final

4.780 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
1 comentário
13 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.780
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
1
Gostaram
13
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Trabalho colposcopia final

  1. 1. Terminologia Colposcópica Beatriz S. Monnerat (R2) Orientadora: Dra. Vera Fonseca
  2. 2. Introdução Ernest LeitzHans Hinselmann Geoge N. Papanicolau
  3. 3. Introdução  kolpos (vagina) + skopeo (olhar com atenção)  Objetivo: localizar o epitélio anormal e direcionar biópsias  Sensibilidade 87-99%  Especificidade 23-87%  Maior precisão em identificar lesões de alto grau
  4. 4. Introdução  Observador dependente  Impressão colposcópica X Histologia da lesão  Impressão superestimou 40% e subestimou 23%  VPP 39%
  5. 5. Indicações ASCUS LSIL ≥ 30 anos: 2 cito (6 meses) < 30 anos: 2 cito (1 ano) ≥ 20 anos: 2 cito (6 meses) < 20 anos: 2 cito (1 ano)
  6. 6. Indicações BASTA 1 EXAME ALTERADO  Sinusiorragia, presença de alteração no exame especular, sangramento inexplicável do trato genital inferior, parceiro com neoplasia ou condilomatose genital, lesão vulvar ou vaginal associada ao HPV.  Pós- menopausa: ESTROGÊNIO TÓPICO
  7. 7. Material
  8. 8. Material Colposcópio óptico Videocolposcópio
  9. 9. Material Utilização do espéculo endocervical para a visualização da JECt
  10. 10. O exame  Visualização da cérvice Visualização completa do colo é fundamental
  11. 11. O exame  Aplicação de SF 0,9%  Observação do padrão vascular com filtro desprovido de vermelho Utilização de filtro verde para intensificar a angioarquitetura de área com pontilhado fino sobre área de leucoplasia
  12. 12. O exame  Aplicação de ácido acético 3-5% Epitélio colunar antes e após aplicação de ácido acético
  13. 13. O exame  Aplicação de Solução de Lugol
  14. 14. O exame  Aplicação de Solução de Lugol
  15. 15. Características do Colo Normal • Visão histológica Ectocévice Endoocévice
  16. 16. Características do Colo Normal • Visão histológica Corte histológico da JEC
  17. 17. Características do Colo Normal • Visão histológica Evolução da metetaplasia escamosa
  18. 18. Características do Colo Normal • Visão histológica
  19. 19. Características do Colo Normal • Visão histológica
  20. 20. Características do Colo Normal • Visão Colposcópica
  21. 21. Características do Colo Normal • Visão Colposcópica (JEC)
  22. 22. Características do Colo Normal • Zona de transformação normal:  Cistos de Naboth  Epitélio glicogenado  Epitélio ligeiramente acetobranco sugestivo de metaplasia escamosa  Aberturas glandulares Área com maior potencial de transformação neoplásica
  23. 23. Características do Colo Normal • Zona de transformação normal: Cistos de Naboth Orifícios glandulares
  24. 24. Características do Colo Normal Ectrópio ou Ectopia
  25. 25. Características do Colo Anormal • Não Específico:  Leucoplasia  Erosão
  26. 26. Características do Colo Anormal • NIC 1:  Localização variável  Expressão morfológica variável  Margens difusas, assimétricas, geográficas ou indistintas  Lesões satélite  Cor branco claro translúcido, branco neve, branco acinzentado  Vasos pontilhado fino, mosaico delicado  Tamanho médio 2,8mm  Geralmente ocupa apenas 1 quadrante  Lesões rasas (2mm)  Multifocais ou unifocais  DESAFIO: NIC 1 X Metaplasia imatura
  27. 27. Características do Colo Anormal • NIC 1: NIC 1 exibindo pontilhado fino NIC 1 exibindo mosaico delicado
  28. 28. Características do Colo Anormal • NIC 1: NIC 1 periférica exibindo pontilhado fino antes da aplicação do Lugol e após
  29. 29. Características do Colo Anormal • NIC 1 x Metaplasia Imatura: Imagens de metaplasia imatura (comprovada com bióspia) que poderiam facilmente ser confundidas com NIC1
  30. 30. Características do Colo Anormal • NIC 2:  Subjetividade: NIC1 NIC2 NIC3  Geralmente próximas ou adjacente à JEC  Maculares, espessadas  Contorno variável porém menos irregular que NIC1  Cor branco básico, fosco ou branco médio  Vasos de calibre fino a médio de distribuição heterogênea  Tamanho médio 5,8mm  Lesões um pouco mais profundas (3mm)  Unifocais em sua maioria
  31. 31. Características do Colo Anormal • NIC 2: NIC 2 pode ser confundida com NIC1 NIC 2 em lesão central e NIC 1 em lesão periférica
  32. 32. Características do Colo Anormal • NIC 2: NIC 2 macular 6-9h NIC 2 associada à leucoplasia
  33. 33. Características do Colo Anormal • NIC 3:  Invariavelmente posicionadas ao longo da JEC  Maculares, espessamento generalizado, elevadas ou achatadas  Contorno regular, arredondado ou reto  Bordas se desprendendo  Cor cinza-ostra opaco, branco denso  Vasos dilatados em padrões grosseiros  Orifícios glandulares espessados  Não é raro a ausência de vasos (espessamento)  Tamanho médio a grande (7,5mm)  Ocupa mais de 1 quadrante  Profundidade das lesões varia de acordo com a idade (média de <1,6mm)  Unifocais em sua maioria  Focos de microinvasão “escondidos”
  34. 34. Características do Colo Anormal • NIC 3: NIC3 com margens regulares e mosaico grosseiro
  35. 35. Características do Colo Anormal • NIC 3:
  36. 36. Características do Colo Anormal • NIC 3: NIC3 às 4h e metaplasia imatura às 9h NIC3 às 5h e NIC1 às 12h
  37. 37. Características do Colo Anormal • Câncer:  Superfície irregular, erosões, aparências granulares, necrose, massas, projeções  VASOS ATÍPICOS
  38. 38. Características do Colo Anormal • Câncer: Vasos atípicos não ramificados em saliência acetobranca Câncer com necrose, friabilidade e aparência amarelada
  39. 39. Características do Colo Anormal • Câncer: Grande massa acetobranca com vasos atípicos Presença de vasos atípicos em lábio anterior do colo
  40. 40. Miscelânea CondilomatoseCondilomatose cervical
  41. 41. Miscelânea Pólipo se estendendo através do orifício cervical Colpite em “aspecto de morango” sugestiva de tricomoníase
  42. 42. Miscelânea Foco de endometriose
  43. 43. Índice Colposcópico de Reid
  44. 44. Terminologia Colposcópica
  45. 45. Terminologia Colposcópica
  46. 46. Terminologia Colposcópica
  47. 47. Terminologia Colposcópica
  48. 48. Terminologia Colposcópica  TIPO 1: ZT é completamente ectocervical e totalmente visível. Pode ser pequena /grande  TIPO 2: ZT tem um componente endocervical totalmente visível e o componente ectocervical pode ser pequeno /grande  TIPO 3: ZT tem um componente endocervical que NÃO é totalmente visível e pode ter um componente ectocervical pequeno/grande
  49. 49. Terminologia Colposcópica
  50. 50. BIBLIOGRAFIA: 1. APGAR, B.S.; BROTZMAN, G. L.; SPITZER,M.; Colposcopia Princípios e Prática.2ª Ed. Revinter. 2008. 2. MAYEAUX, E.J.; COX, T.J..; Colposcopia Moderna Tratado e Atlas.3ª Ed. DiLivros. 2012. 3. PEREYRA et al.; Atlas de Colposcopia. Sociedade Brasileira de Patologia do Trato Genital Inferior e Colposcopia, 1997. 4. DREZECK, R.A. et al.; Optical Imaging of the Cervix, American Cancer Society. Vol. 98, nº 9. 2003. 5. MASSAD, S. L.; COLLINS, Y. C.;Strength of correlations between colposcopic impression and biopsy histology,Gynecology Oncology. Vol. 89, nº3, pages 424–428. 2003. 6. http://www.abgrj.org.br/sys/images/stories/pdf2012/paula_maldonado__nomenc , acessado em 02/04/14. 7. Diretrizes Brasileiras para o Rastreamento do Câncer de Colo de Útero, Ministério da Saúde- INCA, 2011.

×