Conduta no carcinoma microinvasivo do colo uterino lpjn

6.200 visualizações

Publicada em

Seminário apresentado pelo R1 Luiz Philippe Nazareth no dia 28/06/2013, sob orientação da Dra. Vera Fonseca.

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
6.200
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
13
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Conduta no carcinoma microinvasivo do colo uterino lpjn

  1. 1. UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE HOSPITAL UNIVERSITÁRIO CLEMENTINO FRAGA FILHO CONDUTA NO CARCINOMA MICROINVASIVO DO COLO UTERINO Luiz Philippe Jorge de Nazareth Orientadora: Dra. Vera Fonseca RIO DE JANEIRO 2013
  2. 2. ANATOMIA (DI SAIA & CREASMAN,
  3. 3. EPIDEMIOLOGIA • Doença evitável; (BEREK & NOVAK, 2012) • Estimativas para 2013: - EUA (NCI): - 12.340 casos; - 4.030 mortes. - Brasil (INCA): - 17.540 casos. • Rastreio efetivo: -  incidência e mortalidade; (KAMANGAR, DORES e ANDERSON, 2006) -  diagnóstico do CA microinvasivo. (SYKES, REDDY e PEDDIE, 2005)
  4. 4. FATORES DE RISCO • Não realização de rastreio; • Infecção por HPV oncogênico; • Primeira relação sexual precoce; • Múltiplos parceiros sexuais; • Paridade elevada; • Raça; • Baixo nível sócio-econômico; • ACO; • Tabagismo; • HIV. (BEREK & NOVAK, 201
  5. 5. TUMORES MALIGNOS DO COLO I. Tumores Epiteliais: A. Carcinoma de células escamosas; B. Adenocarcinoma; C. Carcinoma adenoescamoso; D. Carcinoma de células vítreas. II. Tumores Mesenquimais: A. Sarcoma do estroma endocervical; B. Carcinossarcoma; C. Adenossarcoma; D. Leiomiossarcoma; E. Rabdomiossarcoma embrionário; III. Tumor de ducto de Gartner (mesonefroma) . IV. Outros: Metastáticos, Linfomas, Melanomas, Carcinóide. (DI SAIA & CREASMAN,
  6. 6. TIPOS HISTOLÓGICOS • 75-95% dos casos; • Origem: epitélio da ectocérvice. • 5-34% dos casos (); • Origem: epitélio glandular. Carcinoma de células escamosas Adenocarcinoma (VIZCAINO et al, 2000
  7. 7. DIAGNÓSTICO • 43 anos; assintomáticas; intervalo > 3 anos; • Citologia: - HSIL (72,5%); - Doença invasiva (18%); - LSIL (9,5%). • Colposcopia: - HSIL (64%); - LSIL (25%); - Doença invasiva (11%). (DI SAIA & CREASMAN, 20
  8. 8. DIAGNÓSTICO • Exame histológico: - Diagnóstico ou terapêutico; - Peça de conização; - Biópsia com pinça. • Patologia: - Profundidade; - Extensão; - Invasão linfovascular; - Margens cirúrgicas. (DIAKOMANOLIS et al, 2004
  9. 9. ESTADIAMENTO (FIGO 2009) • Estádio I IA Tumor invasivo somente diagnosticado por microscopia com invasão < 5mm e extensão < 7mm IA1 – Invasão estromal < 3mm e extensão < 7mm; IA2 – Invasão estromal entre 3 e 5mm e extensão < 7mm. IB Tumor clinicamente visível limitado ao colo ou tumores pré-clínicos > estádio IA: IB1 – Tumor clinicamente visível < 4cm em seu maior diâmetro; IB2 – Tumor clinicamente visível > 4cm em seu maior diâmetro. Estádio II IIA Não há invasão parametrial: IIA1 – Tumor clinicamente visível < 4cm em seu maior diâmetro; IIA2 – Tumor clinicamente visível > 4cm em seu maior diâmetro. IIB Tumor com invasão parametrial. Estádio III IIIA Tumor invade terço inferior da vagina, sem extensão à rede pélvica; IIIB Extensão á parede pélvica e/ou hidronefrose ou rim não funcionante. Estádio IV IVA Extensão a órgãos adjacentes;
  10. 10. ESTADIAMENTO - IA - Carcinoma microinvasivo: A invasão do estroma é limitada a profundidade de 5mm e extensão de 7mm. IA 1: Invasão ≤ 3mm de profundidade e extensão ≤ 7mm; IA 2: Invasão >3-5mm de profundidade e extensão ≤7mm.
  11. 11. TRATAMENTO CONSERVADOR • Conização com bisturi a frio: - Infiltração cervical com xilocaína a 1% com adrenalina; - Teste com lugol; - Incisão circular. (DI SAIA & CREASMAN, 201
  12. 12. CONIZAÇÃO A FRIO (WHO, 2013)
  13. 13. CONIZAÇÃO A FRIO (WHO, 2013)
  14. 14. CONIZAÇÃO A FRIO (WHO, 2013)
  15. 15. CONIZAÇÃO A FRIO (WHO, 2013)
  16. 16. CONIZAÇÃO A FRIO (WHO, 2013)
  17. 17. CONIZAÇÃO A FRIO (WHO, 2013)
  18. 18. TRATAMENTO CONSERVADOR • Conização por CAF: - Injeção submucosa prévia com xilocaína a 1 % com adrenalina; - Calor obtido a partir de um arco elétrico de alta tensão permite seccionar ou coagular. (DI SAIA & CREASMAN, 201
  19. 19. CONIZAÇÃO POR CAF (WHO, 2013)
  20. 20. CONIZAÇÃO POR CAF (WHO, 2013)
  21. 21. CONIZAÇÃO POR CAF (WHO, 2013)
  22. 22. CONIZAÇÃO POR CAF (WHO, 2013)
  23. 23. CONIZAÇÃO POR CAF (WHO, 2013)
  24. 24. CONIZAÇÃO POR CAF (WHO, 2013)
  25. 25. • Traquelectomia: TRATAMENTO CONSERVADOR (MEMORIAL SLOAN-KETTERING CANCER CENTE
  26. 26. TRATAMENTO RADICAL Histerectomia simples Histerectomia radical (BEREK & NOVAK, 201
  27. 27. TRATAMENTO • IA1 sem invasão linfovascular: - Histerectomia simples; - Conização. • IA1 com invasão linfovascular: - Histerectomia radical modificada + linfadenectomia pélvica; - Traquelectomia radical + linfadenectomia pélvica.
  28. 28. TRATAMENTO • Objetivo: Avaliar a eficácia da conização a frio como tto conservador do carcinoma escamoso IA1. • Conclusões:  Margens da ectocérvice comprometidas por NIC2/3: tratamento seguro;  Margens da endocérvice comprometidas: repetir o cone ou histerectomia.
  29. 29. TRATAMENTO • Objetivo: Avaliar a conização por CAF como tto definitivo do carcinoma escamoso IA1; • Invasão linfovascular x metástase linfonodal; • Margens comprometidas x doença residual. • Conclusões:  Margens livres e sem envolvimento ELV: cura;  Margens com NIC2/3 e sem envolvimento ELV: cura;
  30. 30. TRATAMENTO • Objetivo: Avaliar a eficácia das diferentes modalidades terapêuticas no tratamento do adenocarcinoma estádio IA. • Linfadenectomia (?); • Conclusões: - Estádio IA1:  Preservar fertilidade: cone; - Estádio IA2:  Recorrência, paramétrios e LFN ~ IA1;  Envolvimento ELV: Traquelectomia + linfadenectomia.
  31. 31. ESTÁDIO IA1 TRATAMENTO • Tratamento padrão: histerectomia simples; - Tratamento conservador: conização. • Invasão ELV: Histerectomia radical+linfadenectomia. • Critérios para tratamento conservador: - Fertilidade; - Seguimento garantido; - Histologia escamosa; - Ausência de invasão linfovascular; - Margens negativas. (FEBRASGO, 2009
  32. 32. ESTÁDIO IA2 TRATAMENTO • Tratamento padrão: histerectomia radical + linfadenectomia; - Tratamento conservador: traquelectomia + linfadenectomia. • Critérios para tratamento conservador: - Fertilidade; - Envolvimento endocervical limitado; - Sem metástases em linfonodos pélvicos. (FEBRASGO, 2009
  33. 33. TRATAMENTO • Doença residual: - Margens comprometidas  repetir cone; - Curetagem endocervical positiva; - Invasão estromal > 1mm. - Margens com NIC 2/3: 12%; - Margens com carcinoma invasivo: 40%. (PHONGNARISORN et al, 2006
  34. 34. SEGUIMENTO • Exame físico; • Citologia; • Colposcopia. - 3/3 meses nos primeiros 2 anos; - Semestralmente por mais 3 anos; - Anualmente após 5 anos. (FEBRASGO, 2009
  35. 35. RECORRÊNCIA E FUTURO REPRODUTIVO • Recorrência: - Conização: 0-1,7%; (RASPAGLIESI et al, 2005) - Traquelectomia: 0-8%. (KOLIOPOULOS et al, 2004) • Futuro reprodutivo: - Bisturi frio: PPT, baixo peso e cesárea; - CAF: PPT, baixo peso e RPMO; - Traquelectomia: perdas gestacionais e PPT. (GUO, GUO e LIU, 2013)
  36. 36. REFERÊNCIAS  BEREK, J.S. Berek & Novak: tratado de ginecologia. Rio de Janeiro, Guanabara Koogan, 2012.  BISSELING, K.C. et al. Treatment of microinvasive adenocarcinoma of the uterine cervix: a retrospective study and review of the literature. Gynecol oncol. v. 107, n. 3, p. 424-30, 2007.  CRUZ, F.J.; ALVES, M.P. Carcinoma de células escamosas microinvasivo do colo uterino. Qual a melhor conduta? FEMINA. v. 37, n. 9, 2009.  DI SAIA, P.J.; CREASMAN, W.T. Clinical Gynecologic Oncology. China, Elsevier Saunders, 2012.  DIAKOMANOLIS, E. et al. Laser CO(2) conization: a safe mode of treating conservatively microinvasive carcinoma of the uterine cervix. Eur J Obstet Gynecol Reprod Biol. v. 113, n. 2, p. 229-33, 2004.  GUO, H.; GUO, R.; LIU, Y. Effects of loop electrosurgical excision procedure or cold knife conization on pregnancy outcomes. Eur J Gynecol Oncol. v. 34, n.1, p. 79-82, 2013.  KAMANGAR, F.; DORES, G.M.;ANDERSON, W.F. Patterns of cancer incidence, mortality and prevalence across five continents. J Clin Oncol. v. 24, n. 14, p. 2137- 50, 2006.  KESIC, V. Management of cervical cancer. Eur J Surg Oncol. v. 32, n, 8, p. 832-37, 2006.
  37. 37. REFERÊNCIAS  KOLIOPOULOS, G. et al. Conservative surgical methods for FIGO stage IA2 squamous cervical carcinoma and their role in preserving women`s fertility. Gynecol Oncol. v. 93, n. 2, p. 463-73, 2004.  LEE, S.J. et al. Conization using electrosurgical conization and cold coagulation for FIGO stage IA1 squamous cells carcinoma of the uterine cervix. Int J Gynecol Cancer. v. 19, n. 3, p. 407-11, 2009.  MEMORIAL SLOAN-KETTERING CANCER CENTER. Cervical cancer: radical trachelectomy slideshow, 2013. Disponível em http://www.mskcc.org/cancer- care/adult/cervical/slideshow/radical-trachelectomy-slide-show. Acessado em 19/06/2013 às 17:36:00.  PECORELLI, S. Revised FIGO staging for carcinoma of the vulva, cervix and endometrium. Int J Gynecol Obstet. v. 105, n. 2, p. 103-4, 2009  PHONGNARISORN, C. et al. The risk of residual neoplasia in women with microinvasive squamous cervical carcinoma and positive cone margins. Int J Gynecol Cancer. v. 12, n. 2, p. 655-59, 2006.  RASPAGLIESI, F. et al. Microinvasive squamous cell cervical carcinoma. Crit Ver Oncol Hematol. v. 48, n. 3, p. 251-61, 2003.  SYKES, P.H.; REDDY, J.; PEDDIE, D.J. Does regular cervical screening protect women from microinvasive squamous cell carcinoma of the cervix? A retrospective case-control study. BJOG. v. 112, n. 6, p. 807-09, 2005.  VIZCAINO, A.P. et al. International trends in incidence of cervical cancer: Squamous cell carcinoma. Int J Cancer. v. 86, n. 3, p. 429-35.

×