SlideShare uma empresa Scribd logo
Princípios de Ultrassom
Prof. Emery Lins
emery.lins@ufabc.edu.br
SUMÁRIO
AULA 1 - Princípios de Ultrassom
- Introdução
- Princípios físicos
- Transdutores
- Sistemas de Imagens de Ultrassom
AULA 2 – Aplicações da Ultrassonografia
Introdução
A idéia de utilizar o eco das ondas sonoras como forma de detecção de
objetos (ecolocalização) data do início do século XX após estudos com
golfinhos e morcegos.
Após a 1o. Guerra Mundial este princípio passou a ser utilizado em
instrumentos de navegação em profundidade aquáticas utilizando ondas
sonoras, originando o SONAR (SOund Navigation and Ranging) em 1917.
Em 1941 esse princípio foi aplicado na navegação aérea com ondas de
rádio-frequência, a qual originou o RADAR (RAdio Detection and Ranging).
Introdução
Somente após a 2o. Guerra Mundial cresceu o interesse do uso de ecos de
ondas de som na medicina.
Os médicos Douglas Howry e D. Ronderic Bliss foram pioneiros ao realizar
estudos com ultrassom. Em 1949 desenvolveram o primeiro sistema com
objetivo médico e em 1950 realizaram a primeira imagem médica com
ultrassom.
Os primeiros estudos revelaram a necessidade de pulsos curtos (com
período tau) e repetidos (período de repetição PR) para determinar a
localidade da interface dos tecidos
Princípios físicos
Ondas de ultrassom são ondas mecânicas com freqüência acima da faixa
de audição humana (> 20KHz).
Por ser onda mecânica, ela precisa de um meio para propagar, e a
velocidade de propagação da onda depende das propriedades de
cada meio.
O ultrassom se propaga pela vibração do meio; logo, depende da
pressão exercida pela onda e das propriedades de vibração dopressão exercida pela onda e das propriedades de vibração do
meio.
Fonte: http://telecom.inescn.pt/research/audio/cienciaviva/natureza_som.html
Princípios físicos
Características básicas das ondas de ultrassom:
– O comprimento de onda é distância entre dois máximos (ou mínimos) consecutivos.
– A amplitude revela o comportamento da pressão exercida no meio (expansão ou conpressão
quando a amplitude é máxima).
– Período é o tempo gasto para que uma oscilação seja completada. Ele introduz o conceito de
frequência que é a taxa de repetiçoes que ocorrem em um intervalo de tempo definido.
– A velocidade de propagação das ondas é a relação entre o comprimento de onda e o período– A velocidade de propagação das ondas é a relação entre o comprimento de onda e o período
de oscilaçã; é constante para um determinado meio.
Fonte: J. Ederle, S. Blanchard e J. Bronzino. Introduction to Biomedical Engineering. 2nd Ed.
Princípios físicos
1435Água doce
330Ar
Velocidade (m/s)Meio
1580Gordura
1570Músculo
1560Sangue
1435Água doce
Fonte: Schiabel, H. Notas de aula da disciplina: Princípios de Imagens Médicas.
Princípios físicos
Uma característica também intrínseca de cada meio é a sua
Impedância acústica:
Ela demonstra a resistência do meio em extender e contrair de acordo
com a pressão exercida pela onda acústica.
Por definição:
Z=
p
onde Z é a impedância característica do meio, p é a pressão exercida
pela ultrassom e v é a velocidade de uma partícula.
Z=
p
v
Princípios físicos
A definição considera um sistema onde a pressão é aplicada sobre
uma única partícula do meio.
Agora se considerarmos todas as partículas do meio, de forma que a área
sob pressão é a área total do meio, e adicionarmos a informação de
deslocamento das partículas a impedância pode ser vista como função dadeslocamento das partículas a impedância pode ser vista como função da
densidade do meio.
Z=
p
c0
=
m.a
area
.
1
c0
=
m
area .d
.
d
T
Z= .c0
[kg/m2
. s]= [Rayls ]
1,48Água
1,38Gordura
0,0004Ar
(106 Rayls)Material
Princípios físicos
7,80Osso
1,63Outros tecidos moles
1,64Músculo
1,48Água
Princípios físicos
Vamos investigar o que ocorre na interface entre dois meios diferentes
Inicialmente apresentamos a equação de propagação de onda em um
meio qualquer. Neste caso, em função da pressão da onda:
Este formalismo considera uma onda propagante como a combinação de
ondas que caminham em sentidos opostos. Por isso, deve-se considerar oondas que caminham em sentidos opostos. Por isso, deve-se considerar o
numero de onda k. Além dessa expressão, devemos relembrar:
Princípios físicos
Na interface entre os dois meios, teremos:
e para uma onda qualquer no meio 1 a expressão de propagação pode ser
re-escrita da forma:
Onde RF é o fator de reflexão da interface. Porém a onda propagando no
meio 2 observa a interface como fonte, de forma que:
Princípios físicos
Entretanto, a velocidade das partículas no meio 2 depende do fator de
reflexão, da pressão inicial e da impedância do meio 1. Assim:
dessa forma temos que:
e com manipulação matemática, encontra-se:
Por fim, define-se o fator de transmissão (TF) da forma:
Princípios físicos
Em uma nova configuração, os ângulos de incidência, reflexão e
refração do ultrassom deve ser considerado:
Na interface a velocidade das partículas e a pressão são contínuas, de
forma que na direção x (perpendicular à propagação):
Princípios físicos
E como solução é encontrada a igualdade dos ângulos de incidência e
reflexão, além da lei de Snell para ultrassom:
Já na direção z (propagação da onda), temos:
Dessa forma, entende-se que há uma impedância efetiva para cada onda,
que depende do ângulo de incidência (meio 1) e do ângulo de transmissão
(meio 2):
Princípios físicos
Nesta configuração, o fator de reflexão passa a ser:
e o de transmissão passa a ser:
IΘ RΘ
Θ
Meio 1
1Z
2Z
LeideSnell:
Princípios físicos
TΘ
Meio 2
2Z
CoeficientesdeReflexãoeTransmissão(Intensidade):
Princípios físicos
Exercício 1: Calcule o fator de reflexão de uma ultrassom passando
perpendicularmente da água para um músculo e da água para um
osso. Que informação pode ser obtida destes valores?
Exercício 2: Para uma onda incidente em uma interface entre água e
mel, determine o fator de reflexão a 45° e a 50° a velocidade do
som para a água (meio 1) e para o mel (meio 2) são de 1.48 km/s e
2.05 km/s e de 1.48 Mrayls e 2.89 MRayls2.05 km/s e de 1.48 Mrayls e 2.89 MRayls
Princípios físicos
Uma outra propriedade física relevante para as imagens de ultrassom
é a absorção da onda pelos tecidos.
Quando o ultrassom se propaga no meio há perdas de sua energia por
diversos fatores como atrito, pressão e estresse, os quais convertem essa
energia cedida pela onda em calor local.
Essas perdas de energia caracterizam a absorção da onda pelo tecido. Em
geral cada tecido possui um coeficiente de absorção particular.
A lei que governa a absorção do ultrassom pela estrutura é a lei de Beer e
determina a amplitude da onda como função da profundidade de
penetração da onda
Princípios físicos
O coeficiente de atenuação é frequentemente apresentado em
unidades de decibéis por centímetro (dB/cm).
Porém os dados experimentais também tem revelado que a absorção
do meio depende da freqüência de oscilação do ultrassom, de forma
que:
onde γ é o expoente da lei de potência. Por fim, a amplitude do
ultrassom passa a ser regida pela equação:
A absorção é um dos fatores que limita a penetração da ultrassom nos
tecidos.
Transdutores
Um transdutor de ultrassom gera ondas acústicas pela conversão de
energia térmica, elétrica ou magnética, em energia mecânica.
A técnica mais eficiente para gerar ultrassom na faixa de aplicações
médicas é através do efeito piezoelétrico.
O efeito piezoelétrico foi inicialmente demonstrado por Jacques e
Pierre Currie em 1880.
Neste experimento, eles observaram um potencial elétrico nos
terminais de um cristal de quartzo quando o mesmo sofria um
estresse mecânico.
O efeito piezoelétrico inverso também foi observado, de forma que se
um potencial era aplicado nos terminais do cristal havia uma
deformação na sua superfície.
Assim, um cristal piezoelétrico converte um sinal elétrico oscilante em
uma onda acústica, e vice-versa.
Transdutores
Esquema simplificado de um transdutor
Transdutores
Princípio de funcionamento de um transdutor:
Seja um transdutor descrito como o esquema abaixo
sob freqüências longe da ressonância, o transdutor apresenta
características de um capacitor de placas paralelas.
Transdutores
onde C0 é a capacitância do transdutor, d é o deslocamento, V é a
tensão aplicada e εS é a permissividade do capacitor de placas
paralelas medida na condição de repouso.
No esquema, T é a pressão exercida pelo cristal no ambiente. Um
outro parâmetro relevante é a deformação S que relaciona a
mudança no comprimento do cristal com o seu tamanho inicial.
Uma forma de relacionar a pressão exercida T com a deformação do
cristal S é conhecida como equação modificada de Hooke
S=
d
d
Transdutores
Onde CD é a constante de rigidez do transdutor, D é o deslocamento
dielétrico quando um campo E é aplicado e h é a constante
piezoelétrica.
Quando um impulso de voltagem é aplicado nos terminais doQuando um impulso de voltagem é aplicado nos terminais do
transdutor, o efeito piezoelétrico cria forças impulsivas nos lados do
transdutor dadas por:
a solução é possível porque a impedância acústica do material
permanece a mesma, de forma que a velocidade do som entre os
terminais é dada por:
Transdutores
A transformada inversa de Fourier revela o espectro de frequências da
força exercida pelo transdutor:
Transdutores
A maioria dos sistemas de imagens por ultrassom opera com mais de
um transdutor, formando uma matriz de transdutores
Um típico arranjo de transdutores é o seu posicionamento em linha
onde uma única dimensão é composta pelos sensores.
Os elementos estão sempre separados a distâncias regulares, entre
meio e dois comprimentos de onda de propagação na água.
Transdutores
A vantagem de operar com uma matriz de transdutores é que eles são
rapidamente focalizados e direcionados com controle eletrônico,
enquanto os transdutores com elemento único precisam de controle
mecânico da direção e possui foco fixo.
Os dois tipos mais comuns de matrizes de transdutores são as
matrizes lineares e as matrizes faseadas.
O transdutor de matriz linear desloca a abertura ativa (conjunto deO transdutor de matriz linear desloca a abertura ativa (conjunto de
transdutores que capturam o eco) varrendo todos os elementos da
matriz, conforme mostra a figura abaixo.
Transdutores
O resultado são imagens compostas como abaixo, onde um número
fixo de linhas é formado.
Fonte: J. Ederle, S. Blanchard e J. Bronzino. Introduction to Biomedical Engineering. 2nd Ed.
Transdutores
Os transdutores de matrizes faseadas mantem a abertura ativa fixa e
direciona eletrônicamente com pequenas variações angulares.
Cada linha é direcionada com um pequeno incremento do ângulo em
relação ao anterior
Transdutores
O resultado são imagens compostas como abaixo, onde um número
fixo de linhas é formado.
Fonte: J. Ederle, S. Blanchard e J. Bronzino. Introduction to Biomedical Engineering. 2nd Ed.
FG-32ua (by Pentax ®)
Transdutor Endoscópico
C3-7ED - SonoAce
Transdutor Convexo
Transdutores
EUP-OL334
Transdutor Laparoscópico
EUP-ES322
EUP-ES533
Transdutores Trans-Esofágicos
Fonte: Schiabel, H. Notas de aula da disciplina: Princípios de Imagens Médicas.
Sistemas de Imagens de Ultrassom
Os sistemas de Imagens de Ultrassom estão relacionados com o tipo
de órgão que será diagnosticado.
O comprimento de Onda (freqüência de operação) do ultrassom é um
dos fatores determinantes da resolução do sistema. Em geral, para
obter uma imagem de um órgão com resolução de 1 mm é
necessário um ultrassom de 1.5 Mhz
A freqüência também é determinante para realizar exames em órgãosA freqüência também é determinante para realizar exames em órgãos
mais profundos. Isso porque o coeficiente de absorção é
diretamente proporcional à freqüência do ultrassom.
Em geral, freqüências entre 2 e 5 MHz são usadas em exames de alta
penetração (cardiologia, abdómen, obstétricos).
Exames com alta penetração e alta resolução operam em freqüências
até 20 Mhz (mama, tireóide, oftálmicos, do testículo e da periferia
vascular)
Sistemas de Imagens de Ultrassom
Para microscopia ultrasônica as frequências estão entre 100 e 200
Mhz.
Existem vários modos de formar uma imagem de ultrassom, dentre os
quais destacamos:
Modo A – Amplitude
• Mais antigo (1930);
• fornece informações unidimensionais (detecção em uma linha);
• Detecção das reflexões nas interfaces;
• Tempo de ida-volta proporcional à profundidade de cada interface;
• Aplicações na oftalmologia;
Sistemas de Imagens de Ultrassom
• Aplicações na oftalmologia;
• Diagnostica tumores, corpos estranhos e descolamento da retina;
Fonte: Schiabel, H. Notas de aula da disciplina: Princípios de Imagens Médicas.
Modo B - Brilho
• mais utilizado;
• imagens em duas dimensões;
• Os princípios são os mesmos daqueles do
Sistemas de Imagens de Ultrassom
• Os princípios são os mesmos daqueles do
mapeamento A exceto que o transdutor é
movimentado;
• estabelece informação sobre a estrutura
interna do corpo;
• tem sido usado no diagnóstico do fígado,
mama, coração e feto;
• pode detectar gravidez, e pode
estabelecer informação sobre anomalias
uterinas.
Ultra-som de mama
Fonte: Schiabel, H. Notas de aula da disciplina: Princípios de Imagens Médicas.
Modo M – Movimentação Temporal
• gráficos de movimentação temporal;
• bastante empregado em ecocardiografia;
• O modo M combina certas características
do modo A e o modo B;
• O transdutor é mantido estacionário
como no modo A e os ecos aparecem
como pontos no modo B.
Ecocardiografia em Modo M -
ambos ventrículos rodeados de
abundante derrame pericárdico
Sistemas de Imagens de Ultrassom
Ultrassonografia – Modo A
Modo A
http://www.cnpdia.embrapa.br/publicacoes/download.php?file=DOC08_2003.pdf
Ultrassonografia – Modo B
• Modo A discretizado em escala de cinza
– Cada pixel recebe um valor associado a sua
amplitude
http://www.incor.usp.br/spdweb/frame_cursos.htm
Ultrassonografia – Modo B
Ultrassonografia – Modo B
Ultrassonografia – Modo M
• Modo A dinâmico em tons de cinza
– Ecocardiografia
Fonte: Prof. Sérgio Furuie
Ultrassonografia – Modo M
http://en.wikipedia.org/wiki/File:PLAX_Mmode.jpg
• Frequência Aparente – Fonte e Detector
(Deslocamento)
– Aplicações: Velocidade Relativa entre Fonte e Detector
• Velocidade de Fluxo, Radares Automotivos
Ultrassonografia – Efeito Doppler
Ultrassonografia – Eco Doppler
2 cosf v α∆ 2 cos
o
f v
f c
α∆
=
Ultrassonografia – Eco Doppler
Ultrassonografia Intravascular
(IVUS)
Região
Imageada
Lumen
Placa
Aterosclerótica
Cateter de
Ultrassom
AA
AA
IVUS vs Angiografia
Convencional
BBBB
AA
AA
IVUS vs Angiografia
Convencional
BBBB
AAIVUS vs Angiografia
Convencional
AA
BBBB
Ultrassonografia 3D e 4D
• Transdutores
– Varredura Espacial – Aquisição de Múltiplos
Cortes

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Ressonancia magnetica
Ressonancia magneticaRessonancia magnetica
Ressonancia magnetica
Profissão Professor
 
RADIOLOGIA DIGITAL
RADIOLOGIA DIGITALRADIOLOGIA DIGITAL
Artefatos em ultrassonografia
Artefatos em ultrassonografiaArtefatos em ultrassonografia
Artefatos em ultrassonografia
Marcos Dias
 
INTRODUÇÃO A RADIOLOGIA
INTRODUÇÃO A RADIOLOGIAINTRODUÇÃO A RADIOLOGIA
INTRODUÇÃO A RADIOLOGIA
Herculys Douglas Clímaco Marques
 
Como Funciona o Ultrassom
Como Funciona o UltrassomComo Funciona o Ultrassom
Como Funciona o Ultrassom
Alex Eduardo Ribeiro
 
Interpretação de Imagens Tomográficas (TC)
Interpretação de Imagens Tomográficas (TC)Interpretação de Imagens Tomográficas (TC)
Interpretação de Imagens Tomográficas (TC)
Herculys Douglas Clímaco Marques
 
RESSONÂNCIA MAGNÉTICA-ATUALIZAÇÃO
RESSONÂNCIA MAGNÉTICA-ATUALIZAÇÃORESSONÂNCIA MAGNÉTICA-ATUALIZAÇÃO
RESSONÂNCIA MAGNÉTICA-ATUALIZAÇÃO
Herculys Douglas Clímaco Marques
 
Radiology formação e qualidade da imagem em filme - écran
Radiology formação e qualidade da imagem em filme - écranRadiology formação e qualidade da imagem em filme - écran
Radiology formação e qualidade da imagem em filme - écran
Cristiane Dias
 
Medicina nuclear
Medicina nuclearMedicina nuclear
Medicina nuclear
Kery Albuquerque
 
Tomografia do Abdome
Tomografia do Abdome Tomografia do Abdome
Tomografia do Abdome
Herculys Douglas Clímaco Marques
 
MEIOS DE CONTRASTE E BOMBA INJETORA
MEIOS DE CONTRASTE E BOMBA INJETORAMEIOS DE CONTRASTE E BOMBA INJETORA
MEIOS DE CONTRASTE E BOMBA INJETORA
Nilton Campos
 
Introdução à radiologia red. giordano
Introdução à radiologia red. giordanoIntrodução à radiologia red. giordano
Introdução à radiologia red. giordano
grtalves
 
Efeito Anódico
Efeito AnódicoEfeito Anódico
Efeito Anódico
arianepenna
 
Protocolo Exame de Ressonancia Magnética da Pelve
Protocolo Exame de Ressonancia Magnética da PelveProtocolo Exame de Ressonancia Magnética da Pelve
Protocolo Exame de Ressonancia Magnética da Pelve
Alex Eduardo Ribeiro
 
Aula 1 - histórico e aspectos físicos
Aula 1 - histórico e aspectos físicosAula 1 - histórico e aspectos físicos
Aula 1 - histórico e aspectos físicos
Pedro Antonio
 
Exames de imagem
Exames de imagem  Exames de imagem
Exames de imagem
resenfe2013
 
Raio X
Raio XRaio X
Raio X
taynaz
 
Tomografia computadorizada
Tomografia computadorizadaTomografia computadorizada
Tomografia computadorizada
Profissão Professor
 
EXAMES DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA
EXAMES DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICAEXAMES DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA
EXAMES DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA
Herculys Douglas Clímaco Marques
 
HEMODINÂMICA - RADIOLOGIA
HEMODINÂMICA - RADIOLOGIAHEMODINÂMICA - RADIOLOGIA
HEMODINÂMICA - RADIOLOGIA
Herculys Douglas Clímaco Marques
 

Mais procurados (20)

Ressonancia magnetica
Ressonancia magneticaRessonancia magnetica
Ressonancia magnetica
 
RADIOLOGIA DIGITAL
RADIOLOGIA DIGITALRADIOLOGIA DIGITAL
RADIOLOGIA DIGITAL
 
Artefatos em ultrassonografia
Artefatos em ultrassonografiaArtefatos em ultrassonografia
Artefatos em ultrassonografia
 
INTRODUÇÃO A RADIOLOGIA
INTRODUÇÃO A RADIOLOGIAINTRODUÇÃO A RADIOLOGIA
INTRODUÇÃO A RADIOLOGIA
 
Como Funciona o Ultrassom
Como Funciona o UltrassomComo Funciona o Ultrassom
Como Funciona o Ultrassom
 
Interpretação de Imagens Tomográficas (TC)
Interpretação de Imagens Tomográficas (TC)Interpretação de Imagens Tomográficas (TC)
Interpretação de Imagens Tomográficas (TC)
 
RESSONÂNCIA MAGNÉTICA-ATUALIZAÇÃO
RESSONÂNCIA MAGNÉTICA-ATUALIZAÇÃORESSONÂNCIA MAGNÉTICA-ATUALIZAÇÃO
RESSONÂNCIA MAGNÉTICA-ATUALIZAÇÃO
 
Radiology formação e qualidade da imagem em filme - écran
Radiology formação e qualidade da imagem em filme - écranRadiology formação e qualidade da imagem em filme - écran
Radiology formação e qualidade da imagem em filme - écran
 
Medicina nuclear
Medicina nuclearMedicina nuclear
Medicina nuclear
 
Tomografia do Abdome
Tomografia do Abdome Tomografia do Abdome
Tomografia do Abdome
 
MEIOS DE CONTRASTE E BOMBA INJETORA
MEIOS DE CONTRASTE E BOMBA INJETORAMEIOS DE CONTRASTE E BOMBA INJETORA
MEIOS DE CONTRASTE E BOMBA INJETORA
 
Introdução à radiologia red. giordano
Introdução à radiologia red. giordanoIntrodução à radiologia red. giordano
Introdução à radiologia red. giordano
 
Efeito Anódico
Efeito AnódicoEfeito Anódico
Efeito Anódico
 
Protocolo Exame de Ressonancia Magnética da Pelve
Protocolo Exame de Ressonancia Magnética da PelveProtocolo Exame de Ressonancia Magnética da Pelve
Protocolo Exame de Ressonancia Magnética da Pelve
 
Aula 1 - histórico e aspectos físicos
Aula 1 - histórico e aspectos físicosAula 1 - histórico e aspectos físicos
Aula 1 - histórico e aspectos físicos
 
Exames de imagem
Exames de imagem  Exames de imagem
Exames de imagem
 
Raio X
Raio XRaio X
Raio X
 
Tomografia computadorizada
Tomografia computadorizadaTomografia computadorizada
Tomografia computadorizada
 
EXAMES DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA
EXAMES DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICAEXAMES DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA
EXAMES DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA
 
HEMODINÂMICA - RADIOLOGIA
HEMODINÂMICA - RADIOLOGIAHEMODINÂMICA - RADIOLOGIA
HEMODINÂMICA - RADIOLOGIA
 

Semelhante a Aula 07 ultrassonografia

Ondas - 2022.pptx
Ondas - 2022.pptxOndas - 2022.pptx
Ondas - 2022.pptx
JonathasAureliano1
 
Ondas eletromagnéticas
Ondas eletromagnéticas Ondas eletromagnéticas
Ondas eletromagnéticas
carlamvcaseiro
 
Ondulatoria 9 ano
Ondulatoria   9 anoOndulatoria   9 ano
Ondulatoria 9 ano
Lina Magalhaes
 
Física 2º ano ensino médio ondulatória comprimento, frequência, amplitude e...
Física 2º ano ensino médio   ondulatória comprimento, frequência, amplitude e...Física 2º ano ensino médio   ondulatória comprimento, frequência, amplitude e...
Física 2º ano ensino médio ondulatória comprimento, frequência, amplitude e...
Tiago Gomes da Silva
 
Ondulatória comprimento, frequência, amplitude e período de uma onda.ppt
Ondulatória comprimento, frequência, amplitude e período de uma onda.pptOndulatória comprimento, frequência, amplitude e período de uma onda.ppt
Ondulatória comprimento, frequência, amplitude e período de uma onda.ppt
RodolfoFUT9
 
Ondulatória comprimento, frequência, amplitude e período de uma onda.ppt
Ondulatória comprimento, frequência, amplitude e período de uma onda.pptOndulatória comprimento, frequência, amplitude e período de uma onda.ppt
Ondulatória comprimento, frequência, amplitude e período de uma onda.ppt
LucasOliveira619243
 
Ondulatória comprimento, frequência, amplitude e período de uma onda
Ondulatória comprimento, frequência, amplitude e período de uma ondaOndulatória comprimento, frequência, amplitude e período de uma onda
Ondulatória comprimento, frequência, amplitude e período de uma onda
Giovane Silva
 
Capítulo 3 2014_pos
Capítulo 3 2014_posCapítulo 3 2014_pos
Capítulo 3 2014_pos
Gilberto Pimentel
 
aulaondas.pptx
aulaondas.pptxaulaondas.pptx
aulaondas.pptx
GabiPrando1
 
Lista ondas ciclo2
Lista ondas ciclo2Lista ondas ciclo2
Lista ondas ciclo2
fisicadu
 
Ondas Eletromagnéticas e Acústica - Física
Ondas Eletromagnéticas e Acústica - FísicaOndas Eletromagnéticas e Acústica - Física
Ondas Eletromagnéticas e Acústica - Física
Carson Souza
 
Fisica 02 - Ondas I
Fisica 02 - Ondas IFisica 02 - Ondas I
Fisica 02 - Ondas I
Walmor Godoi
 
Física/Som
Física/SomFísica/Som
Física/Som
Dani Barbosa
 
Apostila de ótica legal
Apostila de ótica legalApostila de ótica legal
Apostila de ótica legal
Samuel Geraldo
 
Ondas 2 anos
Ondas 2 anosOndas 2 anos
Ondas 2 anos
Kelly Freitas
 
Ondas_rbd
Ondas_rbdOndas_rbd
Ondas_rbd
Ricardo Bonaldo
 
1 física - ondulatória
1   física - ondulatória1   física - ondulatória
1 física - ondulatória
Mário Siqueira
 
Aula1 ondas
Aula1 ondasAula1 ondas
Aula1 ondas
Raquel Pantojo
 
fisica aula de ondulatoria para o enem 2023
fisica aula de ondulatoria para o enem 2023fisica aula de ondulatoria para o enem 2023
fisica aula de ondulatoria para o enem 2023
LarissaManielly1
 
EM CONSTRUÇÃO ondas-e-efeito-doppler.ppt
EM CONSTRUÇÃO ondas-e-efeito-doppler.pptEM CONSTRUÇÃO ondas-e-efeito-doppler.ppt
EM CONSTRUÇÃO ondas-e-efeito-doppler.ppt
MariaEmilia595241
 

Semelhante a Aula 07 ultrassonografia (20)

Ondas - 2022.pptx
Ondas - 2022.pptxOndas - 2022.pptx
Ondas - 2022.pptx
 
Ondas eletromagnéticas
Ondas eletromagnéticas Ondas eletromagnéticas
Ondas eletromagnéticas
 
Ondulatoria 9 ano
Ondulatoria   9 anoOndulatoria   9 ano
Ondulatoria 9 ano
 
Física 2º ano ensino médio ondulatória comprimento, frequência, amplitude e...
Física 2º ano ensino médio   ondulatória comprimento, frequência, amplitude e...Física 2º ano ensino médio   ondulatória comprimento, frequência, amplitude e...
Física 2º ano ensino médio ondulatória comprimento, frequência, amplitude e...
 
Ondulatória comprimento, frequência, amplitude e período de uma onda.ppt
Ondulatória comprimento, frequência, amplitude e período de uma onda.pptOndulatória comprimento, frequência, amplitude e período de uma onda.ppt
Ondulatória comprimento, frequência, amplitude e período de uma onda.ppt
 
Ondulatória comprimento, frequência, amplitude e período de uma onda.ppt
Ondulatória comprimento, frequência, amplitude e período de uma onda.pptOndulatória comprimento, frequência, amplitude e período de uma onda.ppt
Ondulatória comprimento, frequência, amplitude e período de uma onda.ppt
 
Ondulatória comprimento, frequência, amplitude e período de uma onda
Ondulatória comprimento, frequência, amplitude e período de uma ondaOndulatória comprimento, frequência, amplitude e período de uma onda
Ondulatória comprimento, frequência, amplitude e período de uma onda
 
Capítulo 3 2014_pos
Capítulo 3 2014_posCapítulo 3 2014_pos
Capítulo 3 2014_pos
 
aulaondas.pptx
aulaondas.pptxaulaondas.pptx
aulaondas.pptx
 
Lista ondas ciclo2
Lista ondas ciclo2Lista ondas ciclo2
Lista ondas ciclo2
 
Ondas Eletromagnéticas e Acústica - Física
Ondas Eletromagnéticas e Acústica - FísicaOndas Eletromagnéticas e Acústica - Física
Ondas Eletromagnéticas e Acústica - Física
 
Fisica 02 - Ondas I
Fisica 02 - Ondas IFisica 02 - Ondas I
Fisica 02 - Ondas I
 
Física/Som
Física/SomFísica/Som
Física/Som
 
Apostila de ótica legal
Apostila de ótica legalApostila de ótica legal
Apostila de ótica legal
 
Ondas 2 anos
Ondas 2 anosOndas 2 anos
Ondas 2 anos
 
Ondas_rbd
Ondas_rbdOndas_rbd
Ondas_rbd
 
1 física - ondulatória
1   física - ondulatória1   física - ondulatória
1 física - ondulatória
 
Aula1 ondas
Aula1 ondasAula1 ondas
Aula1 ondas
 
fisica aula de ondulatoria para o enem 2023
fisica aula de ondulatoria para o enem 2023fisica aula de ondulatoria para o enem 2023
fisica aula de ondulatoria para o enem 2023
 
EM CONSTRUÇÃO ondas-e-efeito-doppler.ppt
EM CONSTRUÇÃO ondas-e-efeito-doppler.pptEM CONSTRUÇÃO ondas-e-efeito-doppler.ppt
EM CONSTRUÇÃO ondas-e-efeito-doppler.ppt
 

Aula 07 ultrassonografia

  • 1. Princípios de Ultrassom Prof. Emery Lins emery.lins@ufabc.edu.br
  • 2. SUMÁRIO AULA 1 - Princípios de Ultrassom - Introdução - Princípios físicos - Transdutores - Sistemas de Imagens de Ultrassom AULA 2 – Aplicações da Ultrassonografia
  • 3. Introdução A idéia de utilizar o eco das ondas sonoras como forma de detecção de objetos (ecolocalização) data do início do século XX após estudos com golfinhos e morcegos. Após a 1o. Guerra Mundial este princípio passou a ser utilizado em instrumentos de navegação em profundidade aquáticas utilizando ondas sonoras, originando o SONAR (SOund Navigation and Ranging) em 1917. Em 1941 esse princípio foi aplicado na navegação aérea com ondas de rádio-frequência, a qual originou o RADAR (RAdio Detection and Ranging).
  • 4. Introdução Somente após a 2o. Guerra Mundial cresceu o interesse do uso de ecos de ondas de som na medicina. Os médicos Douglas Howry e D. Ronderic Bliss foram pioneiros ao realizar estudos com ultrassom. Em 1949 desenvolveram o primeiro sistema com objetivo médico e em 1950 realizaram a primeira imagem médica com ultrassom. Os primeiros estudos revelaram a necessidade de pulsos curtos (com período tau) e repetidos (período de repetição PR) para determinar a localidade da interface dos tecidos
  • 5. Princípios físicos Ondas de ultrassom são ondas mecânicas com freqüência acima da faixa de audição humana (> 20KHz). Por ser onda mecânica, ela precisa de um meio para propagar, e a velocidade de propagação da onda depende das propriedades de cada meio. O ultrassom se propaga pela vibração do meio; logo, depende da pressão exercida pela onda e das propriedades de vibração dopressão exercida pela onda e das propriedades de vibração do meio. Fonte: http://telecom.inescn.pt/research/audio/cienciaviva/natureza_som.html
  • 6. Princípios físicos Características básicas das ondas de ultrassom: – O comprimento de onda é distância entre dois máximos (ou mínimos) consecutivos. – A amplitude revela o comportamento da pressão exercida no meio (expansão ou conpressão quando a amplitude é máxima). – Período é o tempo gasto para que uma oscilação seja completada. Ele introduz o conceito de frequência que é a taxa de repetiçoes que ocorrem em um intervalo de tempo definido. – A velocidade de propagação das ondas é a relação entre o comprimento de onda e o período– A velocidade de propagação das ondas é a relação entre o comprimento de onda e o período de oscilaçã; é constante para um determinado meio. Fonte: J. Ederle, S. Blanchard e J. Bronzino. Introduction to Biomedical Engineering. 2nd Ed.
  • 7. Princípios físicos 1435Água doce 330Ar Velocidade (m/s)Meio 1580Gordura 1570Músculo 1560Sangue 1435Água doce Fonte: Schiabel, H. Notas de aula da disciplina: Princípios de Imagens Médicas.
  • 8. Princípios físicos Uma característica também intrínseca de cada meio é a sua Impedância acústica: Ela demonstra a resistência do meio em extender e contrair de acordo com a pressão exercida pela onda acústica. Por definição: Z= p onde Z é a impedância característica do meio, p é a pressão exercida pela ultrassom e v é a velocidade de uma partícula. Z= p v
  • 9. Princípios físicos A definição considera um sistema onde a pressão é aplicada sobre uma única partícula do meio. Agora se considerarmos todas as partículas do meio, de forma que a área sob pressão é a área total do meio, e adicionarmos a informação de deslocamento das partículas a impedância pode ser vista como função dadeslocamento das partículas a impedância pode ser vista como função da densidade do meio. Z= p c0 = m.a area . 1 c0 = m area .d . d T Z= .c0 [kg/m2 . s]= [Rayls ]
  • 11. Princípios físicos Vamos investigar o que ocorre na interface entre dois meios diferentes Inicialmente apresentamos a equação de propagação de onda em um meio qualquer. Neste caso, em função da pressão da onda: Este formalismo considera uma onda propagante como a combinação de ondas que caminham em sentidos opostos. Por isso, deve-se considerar oondas que caminham em sentidos opostos. Por isso, deve-se considerar o numero de onda k. Além dessa expressão, devemos relembrar:
  • 12. Princípios físicos Na interface entre os dois meios, teremos: e para uma onda qualquer no meio 1 a expressão de propagação pode ser re-escrita da forma: Onde RF é o fator de reflexão da interface. Porém a onda propagando no meio 2 observa a interface como fonte, de forma que:
  • 13. Princípios físicos Entretanto, a velocidade das partículas no meio 2 depende do fator de reflexão, da pressão inicial e da impedância do meio 1. Assim: dessa forma temos que: e com manipulação matemática, encontra-se: Por fim, define-se o fator de transmissão (TF) da forma:
  • 14. Princípios físicos Em uma nova configuração, os ângulos de incidência, reflexão e refração do ultrassom deve ser considerado: Na interface a velocidade das partículas e a pressão são contínuas, de forma que na direção x (perpendicular à propagação):
  • 15. Princípios físicos E como solução é encontrada a igualdade dos ângulos de incidência e reflexão, além da lei de Snell para ultrassom: Já na direção z (propagação da onda), temos: Dessa forma, entende-se que há uma impedância efetiva para cada onda, que depende do ângulo de incidência (meio 1) e do ângulo de transmissão (meio 2):
  • 16. Princípios físicos Nesta configuração, o fator de reflexão passa a ser: e o de transmissão passa a ser:
  • 17. IΘ RΘ Θ Meio 1 1Z 2Z LeideSnell: Princípios físicos TΘ Meio 2 2Z CoeficientesdeReflexãoeTransmissão(Intensidade):
  • 18. Princípios físicos Exercício 1: Calcule o fator de reflexão de uma ultrassom passando perpendicularmente da água para um músculo e da água para um osso. Que informação pode ser obtida destes valores? Exercício 2: Para uma onda incidente em uma interface entre água e mel, determine o fator de reflexão a 45° e a 50° a velocidade do som para a água (meio 1) e para o mel (meio 2) são de 1.48 km/s e 2.05 km/s e de 1.48 Mrayls e 2.89 MRayls2.05 km/s e de 1.48 Mrayls e 2.89 MRayls
  • 19. Princípios físicos Uma outra propriedade física relevante para as imagens de ultrassom é a absorção da onda pelos tecidos. Quando o ultrassom se propaga no meio há perdas de sua energia por diversos fatores como atrito, pressão e estresse, os quais convertem essa energia cedida pela onda em calor local. Essas perdas de energia caracterizam a absorção da onda pelo tecido. Em geral cada tecido possui um coeficiente de absorção particular. A lei que governa a absorção do ultrassom pela estrutura é a lei de Beer e determina a amplitude da onda como função da profundidade de penetração da onda
  • 20. Princípios físicos O coeficiente de atenuação é frequentemente apresentado em unidades de decibéis por centímetro (dB/cm). Porém os dados experimentais também tem revelado que a absorção do meio depende da freqüência de oscilação do ultrassom, de forma que: onde γ é o expoente da lei de potência. Por fim, a amplitude do ultrassom passa a ser regida pela equação: A absorção é um dos fatores que limita a penetração da ultrassom nos tecidos.
  • 21. Transdutores Um transdutor de ultrassom gera ondas acústicas pela conversão de energia térmica, elétrica ou magnética, em energia mecânica. A técnica mais eficiente para gerar ultrassom na faixa de aplicações médicas é através do efeito piezoelétrico. O efeito piezoelétrico foi inicialmente demonstrado por Jacques e Pierre Currie em 1880. Neste experimento, eles observaram um potencial elétrico nos terminais de um cristal de quartzo quando o mesmo sofria um estresse mecânico. O efeito piezoelétrico inverso também foi observado, de forma que se um potencial era aplicado nos terminais do cristal havia uma deformação na sua superfície. Assim, um cristal piezoelétrico converte um sinal elétrico oscilante em uma onda acústica, e vice-versa.
  • 23. Transdutores Princípio de funcionamento de um transdutor: Seja um transdutor descrito como o esquema abaixo sob freqüências longe da ressonância, o transdutor apresenta características de um capacitor de placas paralelas.
  • 24. Transdutores onde C0 é a capacitância do transdutor, d é o deslocamento, V é a tensão aplicada e εS é a permissividade do capacitor de placas paralelas medida na condição de repouso. No esquema, T é a pressão exercida pelo cristal no ambiente. Um outro parâmetro relevante é a deformação S que relaciona a mudança no comprimento do cristal com o seu tamanho inicial. Uma forma de relacionar a pressão exercida T com a deformação do cristal S é conhecida como equação modificada de Hooke S= d d
  • 25. Transdutores Onde CD é a constante de rigidez do transdutor, D é o deslocamento dielétrico quando um campo E é aplicado e h é a constante piezoelétrica. Quando um impulso de voltagem é aplicado nos terminais doQuando um impulso de voltagem é aplicado nos terminais do transdutor, o efeito piezoelétrico cria forças impulsivas nos lados do transdutor dadas por: a solução é possível porque a impedância acústica do material permanece a mesma, de forma que a velocidade do som entre os terminais é dada por:
  • 26. Transdutores A transformada inversa de Fourier revela o espectro de frequências da força exercida pelo transdutor:
  • 27. Transdutores A maioria dos sistemas de imagens por ultrassom opera com mais de um transdutor, formando uma matriz de transdutores Um típico arranjo de transdutores é o seu posicionamento em linha onde uma única dimensão é composta pelos sensores. Os elementos estão sempre separados a distâncias regulares, entre meio e dois comprimentos de onda de propagação na água.
  • 28. Transdutores A vantagem de operar com uma matriz de transdutores é que eles são rapidamente focalizados e direcionados com controle eletrônico, enquanto os transdutores com elemento único precisam de controle mecânico da direção e possui foco fixo. Os dois tipos mais comuns de matrizes de transdutores são as matrizes lineares e as matrizes faseadas. O transdutor de matriz linear desloca a abertura ativa (conjunto deO transdutor de matriz linear desloca a abertura ativa (conjunto de transdutores que capturam o eco) varrendo todos os elementos da matriz, conforme mostra a figura abaixo.
  • 29. Transdutores O resultado são imagens compostas como abaixo, onde um número fixo de linhas é formado. Fonte: J. Ederle, S. Blanchard e J. Bronzino. Introduction to Biomedical Engineering. 2nd Ed.
  • 30. Transdutores Os transdutores de matrizes faseadas mantem a abertura ativa fixa e direciona eletrônicamente com pequenas variações angulares. Cada linha é direcionada com um pequeno incremento do ângulo em relação ao anterior
  • 31. Transdutores O resultado são imagens compostas como abaixo, onde um número fixo de linhas é formado. Fonte: J. Ederle, S. Blanchard e J. Bronzino. Introduction to Biomedical Engineering. 2nd Ed.
  • 32. FG-32ua (by Pentax ®) Transdutor Endoscópico C3-7ED - SonoAce Transdutor Convexo Transdutores EUP-OL334 Transdutor Laparoscópico EUP-ES322 EUP-ES533 Transdutores Trans-Esofágicos Fonte: Schiabel, H. Notas de aula da disciplina: Princípios de Imagens Médicas.
  • 33. Sistemas de Imagens de Ultrassom Os sistemas de Imagens de Ultrassom estão relacionados com o tipo de órgão que será diagnosticado. O comprimento de Onda (freqüência de operação) do ultrassom é um dos fatores determinantes da resolução do sistema. Em geral, para obter uma imagem de um órgão com resolução de 1 mm é necessário um ultrassom de 1.5 Mhz A freqüência também é determinante para realizar exames em órgãosA freqüência também é determinante para realizar exames em órgãos mais profundos. Isso porque o coeficiente de absorção é diretamente proporcional à freqüência do ultrassom. Em geral, freqüências entre 2 e 5 MHz são usadas em exames de alta penetração (cardiologia, abdómen, obstétricos). Exames com alta penetração e alta resolução operam em freqüências até 20 Mhz (mama, tireóide, oftálmicos, do testículo e da periferia vascular)
  • 34. Sistemas de Imagens de Ultrassom Para microscopia ultrasônica as frequências estão entre 100 e 200 Mhz. Existem vários modos de formar uma imagem de ultrassom, dentre os quais destacamos:
  • 35. Modo A – Amplitude • Mais antigo (1930); • fornece informações unidimensionais (detecção em uma linha); • Detecção das reflexões nas interfaces; • Tempo de ida-volta proporcional à profundidade de cada interface; • Aplicações na oftalmologia; Sistemas de Imagens de Ultrassom • Aplicações na oftalmologia; • Diagnostica tumores, corpos estranhos e descolamento da retina; Fonte: Schiabel, H. Notas de aula da disciplina: Princípios de Imagens Médicas.
  • 36. Modo B - Brilho • mais utilizado; • imagens em duas dimensões; • Os princípios são os mesmos daqueles do Sistemas de Imagens de Ultrassom • Os princípios são os mesmos daqueles do mapeamento A exceto que o transdutor é movimentado; • estabelece informação sobre a estrutura interna do corpo; • tem sido usado no diagnóstico do fígado, mama, coração e feto; • pode detectar gravidez, e pode estabelecer informação sobre anomalias uterinas. Ultra-som de mama Fonte: Schiabel, H. Notas de aula da disciplina: Princípios de Imagens Médicas.
  • 37. Modo M – Movimentação Temporal • gráficos de movimentação temporal; • bastante empregado em ecocardiografia; • O modo M combina certas características do modo A e o modo B; • O transdutor é mantido estacionário como no modo A e os ecos aparecem como pontos no modo B. Ecocardiografia em Modo M - ambos ventrículos rodeados de abundante derrame pericárdico
  • 38. Sistemas de Imagens de Ultrassom
  • 39. Ultrassonografia – Modo A Modo A http://www.cnpdia.embrapa.br/publicacoes/download.php?file=DOC08_2003.pdf
  • 40. Ultrassonografia – Modo B • Modo A discretizado em escala de cinza – Cada pixel recebe um valor associado a sua amplitude http://www.incor.usp.br/spdweb/frame_cursos.htm
  • 43. Ultrassonografia – Modo M • Modo A dinâmico em tons de cinza – Ecocardiografia Fonte: Prof. Sérgio Furuie
  • 44. Ultrassonografia – Modo M http://en.wikipedia.org/wiki/File:PLAX_Mmode.jpg
  • 45. • Frequência Aparente – Fonte e Detector (Deslocamento) – Aplicações: Velocidade Relativa entre Fonte e Detector • Velocidade de Fluxo, Radares Automotivos Ultrassonografia – Efeito Doppler
  • 46. Ultrassonografia – Eco Doppler 2 cosf v α∆ 2 cos o f v f c α∆ =
  • 52. Ultrassonografia 3D e 4D • Transdutores – Varredura Espacial – Aquisição de Múltiplos Cortes