Psicologia pastoral

4.025 visualizações

Publicada em

.

Publicada em: Espiritual
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.025
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2.646
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
143
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Psicologia pastoral

  1. 1. PSICOLOGIA PASTORAL
  2. 2. ACONSELHAMENTO PASTORAL Aconselhar não é dar conselhos, mas sim estar presente na vida de uma pessoa, orientando e auxiliando através de várias técnicas, ajudando a resolver seus conflitos emocionais. PSICOLOGIA PASTORAL
  3. 3. No aconselhamento pastoral, são utilizados princípios bíblicos para a orientação das condutas e nas tomadas de decisões. Esta necessidade surge porque nos cultos não conseguimos atingir as necessidades individuais das pessoas, o que pode ser suprido no aconselhamento. PSICOLOGIA PASTORAL
  4. 4. Os principais fatores que levam uma pessoa ao aconselhamento são: medo, depressão, ira, falta de perdão, abuso sexual, tentações sexuais, violência doméstica, problemas conjugais e dificuldades na educação dos filhos. PSICOLOGIA PASTORAL
  5. 5. A Psicologia é importante neste processo, porque muitos problemas comportamentais surgem por dificuldades emocionais. A pessoa que por exemplo tem dificuldade de amar e aceitar a si mesma, geralmente tem dificuldade de amar, aceitar e se relacionar com outras pessoas. PSICOLOGIA PASTORAL
  6. 6. Características de um Conselheiro Cristão Podemos destacar algumas características de um conselheiro, como: ser uma pessoa equilibrada, envolvente, disponível, sem medo de se aproximar das pessoas, paciente, bondoso, mas ao mesmo tempo em que não fique “passando a mão” na cabeça das pessoas. O autor Gary Collins afirma: PSICOLOGIA PASTORAL
  7. 7. “O bom conselheiro, por exemplo, é capaz de viver eficientemente, com poucos conflitos imobilizantes, desânimos, inseguranças ou problemas pessoais. O conselheiro eficiente é também compassivo, interessado nas pessoas, alerta em relação aos seus próprios sentimentos e motivos, revelando-se mais do que se ocultando, e bem informado no setor de aconselhamento”. PSICOLOGIA PASTORAL
  8. 8. Definição sobre Psicologia Pastoral Para vir ao encontro das necessidades de muitas pessoas que sofrem e procuram por ajuda, surgiu a psicologia pastoral. Trata- se de uma subdisciplina da teologia pastoral. Ela resultou do diálogo e da cooperação entre médicos e pastores. PSICOLOGIA PASTORAL
  9. 9. Por ser uma disciplina nova, suas atribuições e seu campo de competência ainda não estão claramente definidos. Claro está que ela pretende aplicar conhecimentos e recursos da psicologia à prática pastoral. PSICOLOGIA PASTORAL
  10. 10. Neste nosso mundo globalizado, se faz cada vez mais necessário o diálogo interdisciplinar, visando ao bem-estar de todos os homens e do homem como um todo. As pessoas procuram ajuda pastoral nas mais diferentes situações de suas vidas. PSICOLOGIA PASTORAL
  11. 11. Neste nosso mundo globalizado, se faz cada vez mais necessário o diálogo interdisciplinar, visando ao bem-estar de todos os homens e do homem como um todo. As pessoas procuram ajuda pastoral nas mais diferentes situações de suas vidas. PSICOLOGIA PASTORAL
  12. 12. Não há lugar mais terapêutico do que relações humanas sadias. O objetivo da psicologia pastoral em relação à depressão é mediar algo do amor de Deus, não só através da palavra falada, mas também do gesto e da postura do conselheiro, de modo que o paciente, sentindo a atenção e o carinho do conselheiro, também experimente algo do amor divino. PSICOLOGIA PASTORAL
  13. 13. Segundo Clinebell, a psicologia pastoral é a utilização de uma variedade de métodos de cura para ajudar as pessoas a lidar com seus problemas e crises de uma forma mais conducente e a experimentar a cura de seu quebrantamento. PSICOLOGIA PASTORAL
  14. 14. O desenvolvimento histórico da Psicologia Pastoral. Podemos esquematizar o desenvolvimento histórico da psicologia em quatro grandes períodos: Primeiro período. A psicologia pré-científica. Conhecimento primitivo e vulgar sobre o comportamento humano. PSICOLOGIA PASTORAL
  15. 15. Segundo período. A psicologia experimental. Método de observação e coleta que seleciona coisas ou atos que se deseja estudar (geralmente em laboratórios). PSICOLOGIA PASTORAL
  16. 16. Terceiro período. Era das escolas psicológicas. Marcado por opiniões nitidamente diferentes quanto ao que deveria ser a psicologia, distinguindo três problemas: mente versus comportamento; teoria do campo versus atomismo; nativismo versus empirismo. PSICOLOGIA PASTORAL
  17. 17. Quarto Período. Psicologia contemporânea. Atualmente, ainda que com certo grau de imprecisão, pode se dizer que a psicologia é uma ciência complexa, que engloba várias ideias, inúmeras correntes e escolas. PSICOLOGIA PASTORAL
  18. 18. Em verdade, a psicologia pastoral surgiu num momento oportuno, no qual se observa um fracionamento crescente da psicologia em escolas psicoterapêuticas as mais diversas, cada uma com premissas, métodos e objetivos diferentes. PSICOLOGIA PASTORAL
  19. 19. As escolas que mais têm encontrado ressonância nos meios eclesiásticos e poimênicos são a psicanálise de C. G. Jung, a terapia centrada no paciente de C. Rogers e mais recentemente a logoterapia de V. Frankl. PSICOLOGIA PASTORAL
  20. 20. Conclusão Saber lidar com conflitos de valores também envolve questões éticas. No aconselhamento surgem pessoas com diversos tipos de problemas e confidências, algumas dessas atitudes podem “chocar” o conselheiro, como: abuso sexual, homossexualidade, alguém que tem compulsão ao roubo, praticou algum crime, ou que queira fazer aborto para evitar escândalo na Igreja. Gary Collins demonstra qual deve ser a postura do conselheiro em relação a isto: PSICOLOGIA PASTORAL
  21. 21. “O conselheiro tem a obrigação de manter em segredo as informações confidenciais, a não ser que haja risco para o bem- estar do aconselhado ou de outra pessoa. Em tais ocasiões, o aconselhado deve ser orientado no sentido de transmitir a informação diretamente às pessoas envolvidas (polícia, empregadores, pais, etc.), e em regra geral, a informação não deve ser divulgada pelo conselheiro sem conhecimento do paciente... PSICOLOGIA PASTORAL
  22. 22. ...Além disso, o conselheiro deve abster-se de administrar ou interpretar testes, dar conselhos médicos ou legais, ou oferecer qualquer serviço para os quais não esteja treinado nem qualificado”. PSICOLOGIA PASTORAL

×