Curso superior de teologia distancia

2.472 visualizações

Publicada em

  • Seja o primeiro a comentar

Curso superior de teologia distancia

  1. 1. CURSO SUPERIOR DE TEOLOGIA À DISTÂNCIASeminário Teológico Dom Egmont Machado Krischke – SETEK Rôde Laco Gonçalves Hartwig plafi@terra.com.br 99810853 Disciplina: Psicologia Pastoral
  2. 2. Psicologia Pastoral
  3. 3. Psicologia Pastoral Temas do Programa à serem desenvolvidos: O que é Psicologia Pastoral? Porque estudar Psicologia Pastoral? Desafios para a psicologia pastoral. Religiosidade e Saúde. Aspectos Históricos da Psicologia Pastoral. Psicologia da Religião. Psicologia do Aconselhamento. Fundamentos do Aconselhamento. Princípios básicos do Aconselhamento. A Função de Escuta e o Papel de Aconselhamento. Como se escuta a queixa do doente.
  4. 4. Psicologia Pastoral A Psicologia na Igreja. A Autoestima no Ministério Pastoral. Psicoterapia e a sua Fé. Pastorado de Visão. Pastorado: Pintores de Deus. Princípios de Comunicação. A Saúde Mental do Corpo. Psicopatologias da Confiança. Limites de um Aconselhamento. Fronteiras de um Aconselhamento.
  5. 5. Psicologia Pastoral Posturas Psicológicas. Aplicabilidade da Psicologia na Pastoral. Acolhida Pastoral nos cultos. Acompanhamento dos membros da igreja. Sermão com conteúdo Psicológico. Psicologia da Pastoral da Saúde. Como acolher a pessoa doente. Retorno da fala do doente. As competências para a efetivação do vínculo. Os quatro setores formadores do vínculo.
  6. 6. Psicologia Pastoral A Sexualidade do(a) Conselheiro(a). O desafio do Aconselhamento é a edificação da relação. Aconselhamento em situações de crise (doença, morte, luto, conflitos familiares). Comunidade Terapêutica (Ritos e símbolos e outros recursos espirituais no Aconselhamento). Aconselhamento em Grupos (Pessoas Portadoras de Deficiência). Temas da Psicologia relevantes para o Aconselhamento (estudo das personalidades, sofrimento psíquico, depressão, suicídio, narcisismo) e formação de conselheiros pastorais e psicológicos. A Ética Pastoral.
  7. 7. Psicologia Pastoral O que é Psicologia Pastoral?Definindo o que é Psicologia.Em grego psykhe (alma) + logos (estudo) significa o “estudo da alma”!É o estudo que investiga as atividades mentais e do comportamentoem função ao meio ambiente em que a pessoa vive. É a ciência queestuda o comportamento humano.Psicologia Pastoral é uma subdisciplina da teologia pastoral. Elaresultou do diálogo e da cooperação entre médicos e pastores. Aplicaconhecimentos e recursos da psicologia à prática pastoral.Diante de um mundo globalizado, o diálogo interdisciplinar, visa aobem-estar de todas as pessoas como um todo. As pessoas procuram ajuda pastoral nas mais diferentes situações desuas vidas.
  8. 8. Psicologia Pastoral O tema da Psicologia Pastoral é de permanenteatualidade para os que se dedicam à evangelização. Com efeito, a vida cotidiana nos mostra que umdos problemas fortes nessa área são as repercussõesdas emoções, sob suas mais variadas formas, tanto nocomportamento do agente, quanto no do paciente daação evangelizadora. Elas fazem sentir sua presença e sua força emqualquer atividade humana, e tal influência é tantomaior quanto mais elevado o caráter da mesma.
  9. 9. Psicologia Pastoral A Psicologia Pastoral é uma ciência auxiliar daTeologia Pastoral que oferece os conhecimentospsicológicos necessários para a assistência espiritual.Podemos ampliar sua aplicação a todos os aspectos davida religiosa. A Psicologia Pastoral tem por fim primordialfacilitar o desenvolvimento da vida espiritual e daatividade pastoral, tanto individual quantocoletivamente, seja para as pessoas normais, seja paraas que padecem de enfermidades, especialmente asmentais.
  10. 10. Psicologia PastoralDivisão didática do estudo da Psicologia Pastoral:1º) A Psicopedagogia Pastoral:Aborda o estudo do fenômeno religioso, sua evolução ediferenciação, bem como a formação e a instruçãoreligiosas.2º) A Psicopatologia Pastoral:Investiga sua utilidade, os fenômenos extraordinários damística, os patológicos, a direção espiritual e a casuística.3º) A Psicosociologia Pastoral:Analisa o papel da Psicologia na evangelização, napropaganda religiosa, nos quadros e ambientes sociais.
  11. 11. Psicologia Pastoral O objetivo da psicologia pastoral em relação ao que necessitaintervir é mediar algo do amor de Deus, não só através dapalavra falada, mas também do gesto e da postura do(a)conselheiro(a), de modo que o(a) paciente, sentindo a atençãoe o carinho do(a) conselheiro(a), também experimente algo doamor divino. O individualismo e o isolamento são marcas de um mundopós-moderno, onde tudo está sujeito às relações, às leis demercado, até mesmo as leis interpessoais. A consequência é a experiência cada vez maior de solidão edepressão, por isso a necessidade de relações pessoaisautênticas é grande. Não há lugar mais terapêutico do que relações humanassadias.
  12. 12. Psicologia Pastoral A psicologia pastoral é a utilização de uma variedade demétodos de cura para ajudar as pessoas a lidar com seusproblemas e crises de uma forma mais conducente e aexperimentar a cura de seu sofrimento. “De manhã faze-me sentir tua bondade, pois em ti confio. Indica-me a estrada que devo seguir porque a ti elevo minha alma. Salva- me dos meus inimigos, SENHOR, em ti está meu refúgio. Ensina-me a cumprir tua vontade, porque és meu Deus. Teu espírito bom me guie por uma estrada plana”. Salmos- 143 v. 8,9 e 10.
  13. 13. Psicologia PastoralTrabalho: Desafios para a psicologia pastoralEnfim, o que nos desafia quando olhamos o panorama da psicologia pastoraldiante dos temas atuais?Avaliar como a psicologia pastoral tem apreendido a exercer o diálogo bíblicocom a psicologia.Reafirmar a importância dos rituais de passagem no desenvolvimentohumano e da fé.Ressignificar o sentido da eclesiologia nos dias de hoje (Igreja comoComunidade Terapêutica; essa não seria uma das grandes facetas da missão?É um estilo de convivência mais adequado ou é apenas um slogan?).Revisitar a doutrina da justificação pela fé e a teologia da graça, ressaltando otema da reconciliação numa ótica social.Dialogar sobre a relação entre a tendência à “cognitivização” e ou a“sentimentalização” da fé que direciona as respostas aos impasses dashistórias de vida das pessoas.Que esses desafios fomentem novas luzes do cuidado pastoral numasociedade carente de recursos sócio-afetivos!
  14. 14. Psicologia PastoralReferência Bibliográfica:AMATUZZI, Martins Mauro. Psicologia e Espiritualidade. São Paulo. Paulus, 2005.BAKER, Mark W. Jesus o maior psicólogo que já existiu. Rio de Janeiro. Sextante, 2005.BAUMAN, Zygmunt. O mal-estar da pós-modernidade. Rio de Janeiro. Jorge Zahar Editor, 1998.BARROS, Célia Silva Guimarães. Pontos de Psicologia Geral. Editora Ática. São Paulo. 1988.CASERA, Domenico. Psicologia e aconselhamento pastoral. São Paulo. Edições Paulinas, 1985.D’ANDREA, Flávio Fortes. Desenvolvimento da Personalidade. São Paulo. Difel, 1982.FERNANDO, Edson; REZENDE, Jonas. Dores que nos transformam. Rio de Janeiro. Mauad, 2002.FERREIRA, Berta Weil. Pessoa e diferenças humanas- Psicologia Diferencial e da Personalidade.D.C. Luzzatto Editores Ltda. Porto Alegre, 1989.GARBAR, Claire, THEODORE, Francis. Família Mosaico. São Paulo. Augustus Editora. 2000.JUNG, Carl Gustav. Psicologia e religião oriental. Petrópolis. Vozes,1986.KOURY, Mauro Guilherme Pinheiro. Sociologia da Emoção: O Brasil urbano sob a ótica do luto.Petrópolis. Vozes, 2003.LISBOA, Ageu Heringer. Saúde pastoral e comunitária. São Paulo: Corpo de Psicólogos ePsiquiatras Cristãos – CPPC, 1985.PINKUS, Lucio. Psicologia do doente. São Paulo. Paulinas, 1988.VARONE, François. Esse Deus que dizem amar o sofrimento. Aparecida. Santuário, 2001.

×