10 mobilização missionária

3.232 visualizações

Publicada em

.

Publicada em: Espiritual
0 comentários
7 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.232
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2.214
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
7
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

10 mobilização missionária

  1. 1. MOBILIZAÇÃO MISSIONÁRIA
  2. 2. INTRODUÇÃO MOBILIZAÇÃO MISSIONÁRIA
  3. 3. A obra missionária começa e termina com o culto prestado à glória de Deus. Começa, porque somente o culto genuíno e profundo pode motivar adequadamente a igreja para assumir sua vocação missionária. MOBILIZAÇÃO MISSIONÁRIA
  4. 4. E termina, porque o alvo último e o fim principal de toda humanidade é glorificar a Deus e gozá-Lo para sempre. E na obra missionária, procuramos levar as nações à mesma alegria e exaltação que caracteriza o nosso culto a Deus. Portanto, quando afirmamos que a obra missionária é a prioridade penúltima na igreja não estamos diminuindo a sua importância. MOBILIZAÇÃO MISSIONÁRIA
  5. 5. DESENVOLVIMENTO MOBILIZAÇÃO MISSIONÁRIA
  6. 6. No Reino de Deus não é diferente. Não podemos investir ou mesmo realizar qualquer coisa sem entendermos os pontos básicos e determinantes para o bom êxito da missão. Também, em tempos de expansão, de facilidade em comunicação e agilidade nas informações, podemos e devemos nos beneficiar dessas ferramentas em prol do Reino de Deus. MOBILIZAÇÃO MISSIONÁRIA
  7. 7. A NACIONALIDADE E RELIGIOSIDADE DE ISRAEL A ação de Deus foi de forma mais ampla, agora não só através da vocação de indivíduos, mas também, na formação de um povo, que seria Seu representante e a manifestação visível de Sua presença diante das nações. Consequentemente esse povo seria proclamador da justiça e regeneração divina. MOBILIZAÇÃO MISSIONÁRIA
  8. 8. A NACIONALIDADE E RELIGIOSIDADE DE ISRAEL A ação de Deus foi de forma mais ampla, agora não só através da vocação de indivíduos, mas também, na formação de um povo, que seria Seu representante e a manifestação visível de Sua presença diante das nações. Consequentemente esse povo seria proclamador da justiça e regeneração divina. MOBILIZAÇÃO MISSIONÁRIA
  9. 9. Deus escolheu homens, indivíduos, para chegar até a formação de um povo, o Seu povo. Deus estabeleceu que o homem, herdeiro da pecaminosidade e condenação, seria usado por Ele e enviado para Sua proclamação entre as nações. MOBILIZAÇÃO MISSIONÁRIA
  10. 10. PERÍODOS: PATRIARCAL, MOSAICO, REIS E PROFÉTICOS. Na formação de uma nação proclamadora às nações, revelando novamente o aspecto universal da missão de Deus, podemos notar um desenvolvimento caracterizado por períodos: MOBILIZAÇÃO MISSIONÁRIA
  11. 11. PERÍODOS: PATRIARCAL, MOSAICO, REIS E PROFÉTICOS. Na formação de uma nação proclamadora às nações, revelando novamente o aspecto universal da missão de Deus, podemos notar um desenvolvimento caracterizado por períodos: MOBILIZAÇÃO MISSIONÁRIA
  12. 12. Patriarcal Quando Deus chamou Abraão, o possibilitou a formar uma família, da qual constituiria Sua nação eleita. Assim, o vocacionou para ser abençoado e abençoar as nações, ou seja, as famílias da terra. (Gn 12.3). MOBILIZAÇÃO MISSIONÁRIA
  13. 13. Nesse período, Deus está sempre em relacionamento com o homem, bem como, agindo para o cumprimento de Seu propósito e de Suas promessas. Através desse relacionamento, também, fortaleceu a fé do agente vocacionado – Abraão. MOBILIZAÇÃO MISSIONÁRIA
  14. 14. Mosaico Mais uma vez, vemos a vocação divina a um indivíduo para o cumprimento de Seu propósito e resgate da nação que estava se formando: Israel, promovendo outras ações em favor deles, como bênção: MOBILIZAÇÃO MISSIONÁRIA
  15. 15. Reis O período constituído pelos reinados na nação de Israel mostra- nos claramente a inclinação da maioria dos reis e do povo em não andar sob a prerrogativa divina e peculiaridade que Deus lhes proporcionara, enquanto povo escolhido Seu. Neste período a nação israelita insistia em equiparar-se a outros povos, demonstrando a incapacidade humana de viver na total dependência de Deus, e cumprir Seus desígnios em ser luz e justiça para as nações. MOBILIZAÇÃO MISSIONÁRIA
  16. 16. Neste ponto, então, vemos que: • A vocação não era tão compreendida pelo povo de Israel, pelo menos em ser peculiar e no cumprimento do propósito divino; • O direcionamento de Deus constante ao povo, na maioria das vezes focando a inclinação de não serem tementes a Ele e infiéis aos Seus propósitos, apesar de ser a nação eleita; • A corrupção e favorecimento da desmoralização do povo entre si e diante de outros povos. MOBILIZAÇÃO MISSIONÁRIA
  17. 17. Proféticos Ressaltamos nessa fase da história, a figura do profeta, “enviado de Deus” aos “enviados de Deus às nações” tanto para mostrar- lhes o quanto se distanciavam de Seu propósito, quanto para manifestar Seu juízo, também, para com os outros povos. MOBILIZAÇÃO MISSIONÁRIA
  18. 18. Mesmo assim, Deus continua estabelecendo Seu relacionamento e anunciando Seu propósito de redenção, agora, também, para com Israel, apesar de ser Seu escolhido como instrumento de proclamação. As mensagens desses períodos são variadas e diferenciadas em suas características: MOBILIZAÇÃO MISSIONÁRIA
  19. 19. Miquéias, Isaias, Sofonias: Confrontação da situação de Israel em relação à sua vocação missionária: Ser luz entre as nações - Mq. 1.2; Is 49.6, 26; Is 55.4,5; Sf. 3.20 Jeremias e Habacuque: São profetas às nações mostrando-lhes o conhecimento de Deus e que o justo viverá pela fé, sendo a terra coberta do conhecimento de Deus – Jr. 1: 5 , 31:10 ; Hb. 2:4 MOBILIZAÇÃO MISSIONÁRIA
  20. 20. Daniel, Ezequiel, Obadias: Durante o exílio do povo de Israel, Deus manifesta que Seu reino seria implantado na terra. Para testemunho de todos os povos, para remissão e restauração de Israel. Deus fará Sua voz ouvida entre todas as nações Dn. 2.44; Ez. 36.22,23; Ob 1.15 MOBILIZAÇÃO MISSIONÁRIA
  21. 21. Ageu, Zacarias, Malaquias, Joel: Deus demonstra seu plano redentor para toda a humanidade, com a promessa de derramamento do Espírito e a manifestação do poder e da presença constante de Deus vivificando a fé sobre toda a carne, humanidade, nações, povos, etnias - Ag 2. 5-7; Zc. 8. 22, 23; Ml 1.1; Jl. 2. 27, 28. MOBILIZAÇÃO MISSIONÁRIA
  22. 22. Após esse período no decorrer da história consta um período de silêncio das manifestações proféticas, chamado de período Inter bíblico, porém, Deus ainda continuou operando para a concretização da vinda do Messias, O enviado de Deus, sendo o próprio Deus para o cumprimento de Sua missão, pois na plenitude dos tempos Jesus, O Messias, O Redentor veio a este mundo. MOBILIZAÇÃO MISSIONÁRIA
  23. 23. NOVO TESTAMENTO O Novo Testamento registra a sequência da ação missionária de Deus com o envio de Jesus ao mundo, para cumprir no tempo e espaço mais uma parte do Seu plano redentor. Como vimos no Antigo Testamento, Deus vocaciona homens como associados seus em Sua Missão (Missio Dei). Porém Ele não fica desassociado dela em nenhum momento. MOBILIZAÇÃO MISSIONÁRIA
  24. 24. Ele é quem realiza e capacita homens para o cumprimento da missão, e é parte integrante da Missão em Seu ser, que por amor promoveu este plano redentor e enviou a Jesus - O enviado em excelência = O próprio Deus. Assim podemos ver alguns pontos importantes da ação missionária. MOBILIZAÇÃO MISSIONÁRIA
  25. 25. JESUS E A MISSÃO O aspecto universal continua presente e identificado no ministério de Jesus. Isso está registrado desde o relato de sua genealogia (Mt. 1), o que nos faz perceber esta constância no plano de Deus relatados desde a história da criação, portanto, não se limitando apenas a Israel, mas também às nações. MOBILIZAÇÃO MISSIONÁRIA
  26. 26. No evangelho de Mateus, Jesus é mostrado como o Messias (enviado), porém é em Lucas que o vemos como Missionário de Deus. Lucas apresenta o ministério de Jesus em termos geográficos, sociais e culturais. Mostra também, questões da tradição que foram rompidas por Jesus e que se fazem necessárias à Missão. MOBILIZAÇÃO MISSIONÁRIA
  27. 27. BARREIRAS GEOGRÁFICAS Jesus iniciou Seu ministério em Cafarnaum e prosseguiu, pregando, ensinando e curando com autoridade em vários lugares, sem medir esforços para isso: • Seguiu de cidade em cidade e povoados - Lc. 4. 42-44; 5.12; 7.1; 8.1 e 26 • Ensinou aos discípulos, ordenando-lhes que fossem a toda parte – Mc. 16.15; Mt. 28.19 Ele mesmo deu o exemplo, cruzando fronteiras, anunciando e conclamando a todos a assumirem a nova vida nEle. MOBILIZAÇÃO MISSIONÁRIA
  28. 28. BARREIRAS SOCIAIS Assim, como Jesus rompeu barreiras geográficas indo a toda parte, e vilarejos, e provavelmente a lugares não tão privilegiados de sua época, também rompeu barreiras sociais, não desprezando ninguém. Vejamos alguns exemplos: • Manteve contato e se relacionou com pessoas não privilegiadas e excluídas de sua época. • Ministrou à classe religiosa e pessoas de destaque da época, não agiu em privilégio de grupo algum em detrimento de outro. MOBILIZAÇÃO MISSIONÁRIA
  29. 29. • Não se importou com os estigmas sociais e hipócritas que impedem muitos de agirem e alcançarem seus semelhantes. • Atendeu a todos com o mesmo valor e como alvo do amor de Deus, pois foi para esses que veio. MOBILIZAÇÃO MISSIONÁRIA
  30. 30. BARREIRAS CULTURAIS Há outro tipo de barreira a romper, que o mestre Jesus também rompeu em seu ministério – a questão cultural e, consequentemente, os preconceitos com aqueles que não são da mesma nação, linhagem, cultura, enfim, o preconceito em ver e tratar os outros como superiores e/ou inferiores. MOBILIZAÇÃO MISSIONÁRIA
  31. 31. BARREIRAS IDEOLÓGICAS E RELIGIOSAS Jesus além de cumprir Sua missão, reconhecê-la e anunciá-la, também denunciava a falta de visão e confrontava a religiosidade da época, exercitada apenas por tradições e normativas impostas no decorrer dos anos e por gerações. MOBILIZAÇÃO MISSIONÁRIA
  32. 32. OS DISCÍPULOS Além de continuar Sua missão, Jesus a declarava, praticava, discipulava e comissionava seus seguidores a fazerem o mesmo. De certa forma, Ele repete o processo do Antigo Testamento: com Sua manifestação pessoal, com a vocação de alguns indivíduos - os Seus discípulos. Depois formou um grupo decorrente dos testemunhos destes – a Igreja, para proclamação. Nota-se que é contínua tanto a Sua presença, quanto Sua ação. MOBILIZAÇÃO MISSIONÁRIA
  33. 33. CONCLUSÃO MOBILIZAÇÃO MISSIONÁRIA
  34. 34. Estamos meramente fazendo o que devemos, maximizando a tarefa de glorificar a Deus e gozá-Lo para sempre. E assim, enxergamos a verdadeira importância da obra missionária, certamente acima de outras atividades na igreja, isto é estender e diversificar, e assim intensificar o culto que glorifica e goza Deus entre todas as nações da terra (Apocalipse 5.9-10; 7.9-10). MOBILIZAÇÃO MISSIONÁRIA

×