Aorta torácica e seus ramosParte II: aneurismas e síndromes          aórticas agudas            29/03/2012    MR3 ROBERTO ...
Aneurisma aórticoDefinição: dilatação localizada permanente da aorta       1,5 vez superior ao diâmetro normal. Considera-...
Aneurisma aórtico   A maioria dos aneurismas tem configuração    fusiforme (80%); os demais são saculares;  Classificados ...
Aneurisma aterosclerótico     Representam a maioria dos aneurismas;           Mais comum em homens;       Associado: HAS, ...
Aneurisma aterosclerótico Cerca de 90% dos aneurismas abdominais sãoinfrarrenais, sendo comum o envolvimento das          ...
Aneurisma aterosclerótico   Os aneurismas da aorta torácica e abdominal são     classificados de acordo com a classificaçã...
• Haaga JR, Dogra VS, Forsting M, et al. TC e RM uma abordagem do corpo humano completa. Editora Mosby-Elsevier, 2009 ..• ...
Pseudoaneurisma pós-traumáticos    Segundo tipo mais comum de aneurismas,envolvendo a aorta torácica e a principal causa d...
RM: T1 com gadolínio.                                            Pseudoaneurisma crônico                Haaga JR, Dogra VS...
Trauma torácico: coice de um cavaloHaaga JR, Dogra VS, Forsting M, et al. TC e RM uma abordagem do corpo humano completa. ...
História remota de acidente automotorHaaga JR, Dogra VS, Forsting M, et al. TC e RM uma abordagem do corpo humano completa...
Ectasia anuloaórtica Caracterizada pela dilatação do seio de Valsalvacom distorção da junção sinotubular que assume       ...
Ectasia anuloaórtica                       Marfan:   •Doença multissistêmica do tecido conjuntivo;         • Afeta igualme...
Haaga JR, Dogra VS, Forsting M, et al. TC e RM uma abordagem do corpo humano completa. Editora Mosby-Elsevier, 2009.
Complicações do aneurisma aórtico        Ruptura é a complicação mais grave;        Taxas de mortalidade entre 70-94%;    ...
Complicações do aneurisma aórticoO sinal do crescente hiperdenso na parede da aorta representa hematoma agudo com sangue c...
Sinal do crescente hiperdenso                 http://emedicine.medscape.com/article/416776-overview#a20
• Haaga JR, Dogra VS, Forsting M, et al. TC e RM uma abordagem do corpo humano completa. Editora Mosby-Elsevier, 2009 .   ...
Haaga JR, Dogra VS, Forsting M, et al. TC e RM uma abordagem do corpo humano completa. Editora Mosby-Elsevier, 2009.
Aneurisma aórtico roto contido                    http://emedicine.medscape.com/article/416397-overview
Síndrome aórtica aguda        1. Dissecção aórtica;2. Úlcera aterosclerótica penetrante;         3. Ruptura da aorta;
Dissecção aórtica           Condição ameaçadora à vida;        Diagnóstico e tratamento imediatos;  Fisiopatologia: lacera...
Dissecção aórtica             Classificadas em: •Aguda: dentro de 2 semanas do início dos                 sintomas;       ...
http://www.clinicasaadi.com.br/adm/fotos/36269d75ce191e665fa9c98d37e304ee.pdf
Dissecção aórtica                Achados de imagem:                      RX tórax:• Valor limitado: em 50% dos casos está ...
Dissecção aórtica             Achados de imagem:                Angiotomografia             • Método de escolha;          ...
http://www.clinicasaadi.com.br/adm/fotos/36269d75ce191e665fa9c98d37e304ee.pdf
Haaga JR, Dogra VS, Forsting M, et al. TC e RM uma abordagem do corpo humano completa. Editora Mosby-Elsevier, 2009.
Dissecção aórtica                 Angiotomografia              • Fase com contraste:         Colimação fina: 0,625 a 1,5 m...
Dissecção aórtica                   Angiotomografia  Diagnóstico: identificação do flap intimal, que se apresenta como uma...
Haaga JR, Dogra VS, Forsting M, et al. TC e RM uma abordagem do corpo humano completa. Editora Mosby-Elsevier, 2009.
Haaga JR, Dogra VS, Forsting M, et al. TC e RM uma abordagem do corpo humano completa. Editora Mosby-Elsevier, 2009.
Haaga JR, Dogra VS, Forsting M, et al. TC e RM uma abordagem do corpo humano completa. Editora Mosby-Elsevier, 2009.
Haaga JR, Dogra VS, Forsting M, et al. TC e RM uma abordagem do corpo humano completa. Editora Mosby-Elsevier, 2009.
Haaga JR, Dogra VS, Forsting M, et al. TC e RM uma abordagem do corpo humano completa. Editora Mosby-Elsevier,2009.
Multidetector CT of Aortic Dissection: A Pictorial Review 1. Radiographics march-april, 2010.
Multidetector CT of Aortic Dissection: A Pictorial Review 1. Radiographics march-april, 2010.
Multidetector CT of Aortic Dissection: A Pictorial Review 1. Radiographics march-april, 2010.
Multidetector CT of Aortic Dissection: A Pictorial Review 1. Radiographics march-april, 2010.
Multidetector CT of Aortic Dissection: A Pictorial Review 1. Radiographics march-april, 2010.
Multidetector CT of Aortic Dissection: A Pictorial Review 1. Radiographics march-april, 2010.
Dissecção aórtica                    Tratamento:                Stanford A: cirúrgico O acometimento da aorta ascendente o...
Artefato de movimento da aortaMultidetector CT of Aortic Dissection: A Pictorial Review 1. Radiographics march-april, 2010.
Dissecção aórtica                       Stanford B   O flap intimal localiza-se após a emergência da              artéria ...
Multidetector CT of Aortic Dissection: A Pictorial Review 1. Radiographics march-april, 2010.
Definição da luz  •A luz falsa com frequência tem área transversal              maior devido ao fluxo lento;• A luz verdad...
Multidetector CT of Aortic Dissection: A Pictorial Review 1. Radiographics march-april, 2010.
Multidetector CT of Aortic Dissection: A Pictorial Review 1. Radiographics march-april, 2010.
Multidetector CT of Aortic Dissection: A Pictorial Review 1. Radiographics march-april, 2010.
Sinal Mercedes-BenzMultidetector CT of Aortic Dissection: A Pictorial Review 1. Radiographics march-april, 2010.
Úlcera Aterosclerótica Penetrante Definição: ulceração de uma placa ateroscleróticaerodindo a camada intimal e alcançando ...
Úlcera Aterosclerótica Penetrante Fase sem contraste: mostra aterosclerose extensa            com hematoma intramural; Fas...
http://www.clinicasaadi.com.br/adm/fotos/36269d75ce191e665fa9c98d37e304ee.pdf
Haaga JR, Dogra VS, Forsting M, et al. TC e RM uma abordagem do corpo humano completa. Editora Mosby-Elsevier, 2009.
Haaga JR, Dogra VS, Forsting M, et al. TC e RM uma abordagem do corpo humano completa. Editora Mosby-Elsevier, 2009.
Haaga JR, Dogra VS, Forsting M, et al. TC e RM uma abordagem do corpo humano completa. Editora Mosby-Elsevier, 2009.
Thanks
Síndromes aórticas agudas
Síndromes aórticas agudas
Síndromes aórticas agudas
Síndromes aórticas agudas
Síndromes aórticas agudas
Síndromes aórticas agudas
Síndromes aórticas agudas
Síndromes aórticas agudas
Síndromes aórticas agudas
Síndromes aórticas agudas
Síndromes aórticas agudas
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Síndromes aórticas agudas

3.322 visualizações

Publicada em

0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.322
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
49
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
74
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Síndromes aórticas agudas

  1. 1. Aorta torácica e seus ramosParte II: aneurismas e síndromes aórticas agudas 29/03/2012 MR3 ROBERTO CORRÊA
  2. 2. Aneurisma aórticoDefinição: dilatação localizada permanente da aorta 1,5 vez superior ao diâmetro normal. Considera-se aneurismática a aorta com diâmetro superior a 40-50mm (ascendente) e 30-40mm (descendente).Causas mais frequentes: HAS e aterosclerose: 80%.Aneurismas verdadeiros incluem todas camadas da parede. Pseudoaneurisma: inflamatório ou traumático.
  3. 3. Aneurisma aórtico A maioria dos aneurismas tem configuração fusiforme (80%); os demais são saculares; Classificados quanto à localização e etiologia. O diagnóstico à angiotomografia é inequívoco, demonstrado pelo aumento do diâmetro;Outros achados: trombo, calcificação e ulceração.
  4. 4. Aneurisma aterosclerótico Representam a maioria dos aneurismas; Mais comum em homens; Associado: HAS, DAC, DPOC e ICC; Tendência a ser fusiforme; Segmento descendente e infrarrenal;Concomitância de aneurisma abdominal quando há aneurisma na descendente: 29%.
  5. 5. Aneurisma aterosclerótico Cerca de 90% dos aneurismas abdominais sãoinfrarrenais, sendo comum o envolvimento das ilíacas e hipogástricas;O envolvimento das ilíacas externas é incomum; Aneurisma da aorta suprarrenal é incomum.
  6. 6. Aneurisma aterosclerótico Os aneurismas da aorta torácica e abdominal são classificados de acordo com a classificação de Crawford I – Compromete toda a extensão da aorta torácica descendente e porção da aorta abdominal II – Compromete toda a extensão da aorta torácica descendente e toda a aorta abdominal III – Compromete a porção média distal da aorta torácica descendente e segmentos variados ou toda a aorta abdominal.IV – Compromete toda ou parte da aorta abdominal. Não compromete a aorta torácica descendente.
  7. 7. • Haaga JR, Dogra VS, Forsting M, et al. TC e RM uma abordagem do corpo humano completa. Editora Mosby-Elsevier, 2009 ..• Haaga JR, Dogra VS, Forsting M, et al. TC e RM uma abordagem do corpo humano completa. Editora Mosby-Elsevier, 2009 Haaga JR, Dogra VS, Forsting M, et al. TC e RM uma abordagem do corpo humano completa. Editora Mosby-Elsevier, 2009.
  8. 8. Pseudoaneurisma pós-traumáticos Segundo tipo mais comum de aneurismas,envolvendo a aorta torácica e a principal causa de aneurismas em jovens. Configuração sacular; Resultam de transecção parcial da parede e apresentam expansão com o tempo;O istmo aórtico é o principal segmento envolvido em cerca de 90% dos casos; Pseudoaneurismas pós-operatórios.
  9. 9. RM: T1 com gadolínio. Pseudoaneurisma crônico Haaga JR, Dogra VS, Forsting M, et al. TC e RM uma abordagem do corpo humano completa. Editora Mosby-Elsevier, 2009.
  10. 10. Trauma torácico: coice de um cavaloHaaga JR, Dogra VS, Forsting M, et al. TC e RM uma abordagem do corpo humano completa. Editora Mosby-Elsevier, 2009.
  11. 11. História remota de acidente automotorHaaga JR, Dogra VS, Forsting M, et al. TC e RM uma abordagem do corpo humano completa. Editora Mosby-Elsevier, 2009.
  12. 12. Ectasia anuloaórtica Caracterizada pela dilatação do seio de Valsalvacom distorção da junção sinotubular que assume configuração em forma de pera;Causas: MARFAN, homocistinúria, Ehlers-Danlos e osteogênese imperfeita; Idiopática em 1/3 dos casos;
  13. 13. Ectasia anuloaórtica Marfan: •Doença multissistêmica do tecido conjuntivo; • Afeta igualmente ambos os sexos; • Manifestações CV, SNC, Pulmonares, etc;• CV: ectasia anuloaórtica, com ou sem insuficiênciada valva aórtica, dissecção, aneurisma, dilatação da artéria pulmonar e PVM.
  14. 14. Haaga JR, Dogra VS, Forsting M, et al. TC e RM uma abordagem do corpo humano completa. Editora Mosby-Elsevier, 2009.
  15. 15. Complicações do aneurisma aórtico Ruptura é a complicação mais grave; Taxas de mortalidade entre 70-94%; Mortalidade no tratamento eletivo: 4%; Sinais de ruptura: descontinuidade de umacalcificação circunferencial, presença de crescente periférico com densidade aumentada, paredeposterior indistinta e extravazamento de meio de contraste;
  16. 16. Complicações do aneurisma aórticoO sinal do crescente hiperdenso na parede da aorta representa hematoma agudo com sangue contido no interior do trombo do aneurisma; Diagnosticado melhor na fase sem contraste; Ruptura da aorta: infiltração da gorduramediastinal, hemomediastino, hemopericárdio ou hemotórax; Formação de fístula: 3ª. Porção do duodeno é o segmento mais afetado (fístula aortoentérica);
  17. 17. Sinal do crescente hiperdenso http://emedicine.medscape.com/article/416776-overview#a20
  18. 18. • Haaga JR, Dogra VS, Forsting M, et al. TC e RM uma abordagem do corpo humano completa. Editora Mosby-Elsevier, 2009 . Ruptura: extravazamento do contraste e hemotórax Haaga JR, Dogra VS, Forsting M, et al. TC e RM uma abordagem do corpo humano completa. Editora Mosby-Elsevier, 2009.
  19. 19. Haaga JR, Dogra VS, Forsting M, et al. TC e RM uma abordagem do corpo humano completa. Editora Mosby-Elsevier, 2009.
  20. 20. Aneurisma aórtico roto contido http://emedicine.medscape.com/article/416397-overview
  21. 21. Síndrome aórtica aguda 1. Dissecção aórtica;2. Úlcera aterosclerótica penetrante; 3. Ruptura da aorta;
  22. 22. Dissecção aórtica Condição ameaçadora à vida; Diagnóstico e tratamento imediatos; Fisiopatologia: laceração da íntima que permite acesso do sangue à camada média com separação da camada intimal e adventícia; HAS é o fator etiológico principal; Outros fatores: Marfan e Turner, defeitoscongênitos da valva aórtica, coarctação, aneurisma, aortite, gravidez e uso de cocaína.
  23. 23. Dissecção aórtica Classificadas em: •Aguda: dentro de 2 semanas do início dos sintomas; • Crônica: após esse prazo; •Classificação pela localização: • Stanford A: acomete a aorta ascendente;• Stanford B: acomete apenas a descendente.
  24. 24. http://www.clinicasaadi.com.br/adm/fotos/36269d75ce191e665fa9c98d37e304ee.pdf
  25. 25. Dissecção aórtica Achados de imagem: RX tórax:• Valor limitado: em 50% dos casos está normal; • Alargamento do mediastino; • Sinal da calcificação deslocada;
  26. 26. Dissecção aórtica Achados de imagem: Angiotomografia • Método de escolha; • Protocolo:Fase sem contraste: da croça até a bifurcação: útil para diagnóstico de hematoma intramural e de derrames hemorrágicos; Colimação de 2,5mm.
  27. 27. http://www.clinicasaadi.com.br/adm/fotos/36269d75ce191e665fa9c98d37e304ee.pdf
  28. 28. Haaga JR, Dogra VS, Forsting M, et al. TC e RM uma abordagem do corpo humano completa. Editora Mosby-Elsevier, 2009.
  29. 29. Dissecção aórtica Angiotomografia • Fase com contraste: Colimação fina: 0,625 a 1,5 mm;Estuda-se do opérculo torácico até a sínfise púbica; Delay: usar bolus timing;
  30. 30. Dissecção aórtica Angiotomografia Diagnóstico: identificação do flap intimal, que se apresenta como uma fina membrana separando a luz falsa da verdadeira; Sensibilidade e especifidade acima de 95% na detecção do flap intimal;Após diagnóstico: localizar, definir envolvimento de ramos aórticos e identificar fatores agravantes relacionados à própria aorta.
  31. 31. Haaga JR, Dogra VS, Forsting M, et al. TC e RM uma abordagem do corpo humano completa. Editora Mosby-Elsevier, 2009.
  32. 32. Haaga JR, Dogra VS, Forsting M, et al. TC e RM uma abordagem do corpo humano completa. Editora Mosby-Elsevier, 2009.
  33. 33. Haaga JR, Dogra VS, Forsting M, et al. TC e RM uma abordagem do corpo humano completa. Editora Mosby-Elsevier, 2009.
  34. 34. Haaga JR, Dogra VS, Forsting M, et al. TC e RM uma abordagem do corpo humano completa. Editora Mosby-Elsevier, 2009.
  35. 35. Haaga JR, Dogra VS, Forsting M, et al. TC e RM uma abordagem do corpo humano completa. Editora Mosby-Elsevier,2009.
  36. 36. Multidetector CT of Aortic Dissection: A Pictorial Review 1. Radiographics march-april, 2010.
  37. 37. Multidetector CT of Aortic Dissection: A Pictorial Review 1. Radiographics march-april, 2010.
  38. 38. Multidetector CT of Aortic Dissection: A Pictorial Review 1. Radiographics march-april, 2010.
  39. 39. Multidetector CT of Aortic Dissection: A Pictorial Review 1. Radiographics march-april, 2010.
  40. 40. Multidetector CT of Aortic Dissection: A Pictorial Review 1. Radiographics march-april, 2010.
  41. 41. Multidetector CT of Aortic Dissection: A Pictorial Review 1. Radiographics march-april, 2010.
  42. 42. Dissecção aórtica Tratamento: Stanford A: cirúrgico O acometimento da aorta ascendente ocorre em 50-75% das dissecções; Complicações fatais relacionados à extensão dadissecção às coronárias, valva aórtica, pericárdio ou pleura; Artefatos de movimento na raiz da aorta; Fase adicional curta com gating cardíaco.
  43. 43. Artefato de movimento da aortaMultidetector CT of Aortic Dissection: A Pictorial Review 1. Radiographics march-april, 2010.
  44. 44. Dissecção aórtica Stanford B O flap intimal localiza-se após a emergência da artéria subclávia esquerda;É importante localizar os sítios de laceração porque a cirurgia e os procedimentos de colocação de prótese objetivam a oclusão das lacerações para induzir a formação de trombo na luz falsa;
  45. 45. Multidetector CT of Aortic Dissection: A Pictorial Review 1. Radiographics march-april, 2010.
  46. 46. Definição da luz •A luz falsa com frequência tem área transversal maior devido ao fluxo lento;• A luz verdadeira encontra-se comprimida em 80% dos casos; • A falsa luz tem maior propensão à trombose; • Quando uma luz envolve a outra, a luz interna invariavelmente é a verdadeira; • O fluxo sanguíneo lento leva a retardo na opacificação da luz falsa.
  47. 47. Multidetector CT of Aortic Dissection: A Pictorial Review 1. Radiographics march-april, 2010.
  48. 48. Multidetector CT of Aortic Dissection: A Pictorial Review 1. Radiographics march-april, 2010.
  49. 49. Multidetector CT of Aortic Dissection: A Pictorial Review 1. Radiographics march-april, 2010.
  50. 50. Sinal Mercedes-BenzMultidetector CT of Aortic Dissection: A Pictorial Review 1. Radiographics march-april, 2010.
  51. 51. Úlcera Aterosclerótica Penetrante Definição: ulceração de uma placa ateroscleróticaerodindo a camada intimal e alcançando a camada média;Tipicamente localiza-se no arco aórtico ou na aorta torácica descendente, podendo estar associada à quantidade variável de hematoma intramural; Raramente ocorre na aorta ascendente;
  52. 52. Úlcera Aterosclerótica Penetrante Fase sem contraste: mostra aterosclerose extensa com hematoma intramural; Fase contrastada: coleção de contraste fora da luz da aorta. Podem ser únicas ou múltiplas. Comfrequência associa-se a espessamento da parede da aorta;A úlcera pode ser assintomática ou complicar com a formação de pseudoaneurismas, dissecção ou ruptura.
  53. 53. http://www.clinicasaadi.com.br/adm/fotos/36269d75ce191e665fa9c98d37e304ee.pdf
  54. 54. Haaga JR, Dogra VS, Forsting M, et al. TC e RM uma abordagem do corpo humano completa. Editora Mosby-Elsevier, 2009.
  55. 55. Haaga JR, Dogra VS, Forsting M, et al. TC e RM uma abordagem do corpo humano completa. Editora Mosby-Elsevier, 2009.
  56. 56. Haaga JR, Dogra VS, Forsting M, et al. TC e RM uma abordagem do corpo humano completa. Editora Mosby-Elsevier, 2009.
  57. 57. Thanks

×