SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 47
Baixar para ler offline
DESEQUILIBRIO
HIDROELETROLÍTICO
PROF. ME. ENF. AROLDO
GAVIOLI
água pH
SÓDIO (Na+)
Principal cátion extracelular
Os íons de sódio participam da manutenção
do EH, da transmissão dos impulsos nervosos
e da contração muscular
A expansão ou retração do volume
extracelular está intimamente ligada ao
sódio - “Onde o sódio vai, a água vai atrás”
HIPONATREMIA
CAUSAS:
Deficiência
corpórea do sódio
Uma diluição por
excesso de água,
Combinação dos
dois fatores
Definida como: Na+ < 130 mEq/l
Perdas de fluidos que contêm Na+ com continuada ingestão
de água:
Perdas gastrintestinais (diarréia, vômito);
Perdas pela pele (lesões exudativas da pele, queimaduras,
sudorese);
Seqüestros no corpo (obstrução intestinal);
Perda renal (primária ou secundária a estados de depleção,
incluindo as perdas por diuréticos e na doença de Addison)
Depleção de sódio
(hiponatremia):
O que é doença de Addison?
Insuficiência adrenal crônica ou Hipocortisolismo é
uma doença caracterizada por baixa produção
de glicocorticoides como o cortisol pelas glândulas
adrenais e, algumas vezes, também de
mineralocorticódes como a aldosterona.
atinja aproximadamente entre 1 em cada 25,000
habitantes. 1
Insuficiência Cardíaca Congestiva (ICC), cirrose, doença
renal com oligúria, síndrome de secreção inadequada do
Hormônio Anti-Diurético (HAD), doença de Addison.
Outras causas: síndrome de hiponatremia familiar
(assintomática, vista em muitos tipos de doenças de
depleção); sódio sérico artificial baixo,como nas
hiperlipidemias, hiperglicemias e hiperproteinemia do
mieloma múltiplo.
Hiponatremia dilucional pode
ocorrer na:
Dificuldade na concentração mental,
Alterações da personalidade,
Confusão, delírio, coma,
Oligúria
SINAIS E SINTOMAS
Tratar a doença de base
Pesar o paciente, determinar se a hiponatremia é
secundária à perda de sal ou à sobrecarga de água.
Nos casos de Hiponatremia por depleção salina repor
o sódio
O Aumento não deve exceder 10mEq/l nas 24 hs
NaCl 20% - 3,4 mEq/ ml
TRATAMENTO
HIPERNATREMIA
Definida como: Na+ > 150 mEq/l
•Perda de água superior à de sódio: diarreia e vômitos,
insuficiência renal, diabetes insípidus, diabetes mellitus,
febre, insolação, hiperventilação;
•Reposição insuficiente das perdas hídricas: diminuição da
ingestão hídrica por náuseas, vômitos ou incapacidade
física;
•Administração de sobrecarga de soluto: suplementação de
proteínas e sal na alimentação por sonda, envenenamento
acidental por sal de cozinha, diuréticos osmóticos, diálise;
•Excesso de esteroides.
CAUSAS:
As mucosas e a boca estão secas. A sede está presente, náusea e
vômitos.
A fraqueza muscular e as cãibras são comuns.
Pode ocorrer febre (maior que 40ºC graus em alguns casos).
Sinais e sintomas neurológicos: incluindo tremor, hiperreflexia profunda,
memória alterada, confusão e alucinações podem estar presentes.
SINAIS E SINTOMAS
Pesar o paciente e tratar a doença primária.
Estimar a porcentagem de perdas em termos de peso
corpóreo, planejar a reposição de líquidos aproximadamente
metade do volume nas primeiras oito a doze horas.
O edema cerebral pode complicar a reposição muito rápida.
TRATAMENTO
POTÁSSIO (K+)
Principal cátion intracelular
Altera o potencial de repouso da célula nervosa
Regula a excitabilidade neuromuscular e a
contratilidade muscular
Importante no EAB, pois na acidose ocorre retenção de
k+ para eliminação de H+, na alcalose o contrário
Alteração comum em pacientes de UTI
Distúrbio agudo = risco de morte
Rim é responsável por 95% do balanço (aumento da aldosterona
→ maior eliminação de K+ na urina // permuta com Na+ nos
túbulos renais: retenção de Na+ → eliminação de K+)
Características clinicas
↓ K+
• Insulina
• Aldosterona
• Estimulação -
adrenérgica (bomba de
Na+ e K+)
• Alcalose
↑ K+
• Deficiência de insulina
• Deficiência de aldosterona
• Bloqueio -adrenérgico
• Acidose
• Lise celular
•  osmolaridade sérica
• Drogas
Fatores relacionados
HIPOPOTASSEMIA
Definida como potássio sérico < 3,5
mEq/L
•Relacionada com fatores que influenciam:
•Distribuição transcelular do K+
•Depleção de K+ corporal total
•Ambos
Desvio iônico: alcalose
Perdas gastrintestinais: diarréia, vômitos, fistula
gastrintestinal
Perdas geniturinárias: acidose tubular renal, doenças
(Cushing e Crohn), uso de diuréticos
Ingestão insuficiente: perdas (nas fezes)
CAUSAS:
Oque é doença de Cushing?
A síndrome de
Cushing ou hipercortisolis
mo ou hiperadrenocorticis
mo é uma desordem
endócrina causada por
níveis elevados
de glicocorticódes,
especialmente cortisol, no
sangue.
O que é doença de Chron
A doença de Crohn é uma doença crônica
inflamatória intestinal, que atinge geralmente o íleo e
o cólon (mas pode afetar qualquer parte do trato intestinal).
Apresenta-se sob três formas principais: inflamatória, fistulosa
e fibroestenosante.
Muitos danos são causados por células imunológicas que
atacam uma ou mais partes dos tecidos do tubo digestivo,
mas não há certeza de etiologia autoimune.
Neuromuscular: fraqueza, parestesia,
paralisia muscular
Renais: concentração prejudicada com
poliúria, mioglobinúria, aumento da amônia
Gastrintestinais: náuseas, ílio adinâmico
SINAIS E SINTOMAS
SNC: irritabilidade, letargia e coma
Cardíacos: alterações na condução. Alterações no
ECG (Achatamento da onda T, presença de ondas U).
Predispõe a arritmias atriais e ventriculares (bigeminismo
e trigeminismo). Aumenta a sensibilidade aos digitálicos.
SINAIS E SINTOMAS
AO ECG
TRATAMENTO
TRATAR A CAUSA ESPECÍFICA
REPOSIÇÃO ORAL
REPOSIÇÃO VENOSA:
KCl 19,1% = 2,5 mEq/ml // 01 amp = 10ml (25 mEq)
Se em veia periférica concentração deve ser de 40 a 60 mEq/l e reposto em
6 horas
Casos graves: até 100 mEq/h
No PO: K+ < 4,0 (01 amp KCl 19,1% + 100 ml SF 0,9% EV em 1h) /// Se K+ < 3,0
(02 amp de KCl)
HIPERPOTASSEMIA
•Descartar pseudo-hiperpotassemia:
•Leucocitose > 100.000
•Plaquetose > 1.000.000
•Hemólise
Definida como K+ > 5,0 (5,5) mEq/L
Fraqueza muscular, paralisia flácida, parestesias (face, língua, pés e mãos),
irritabilidade muscular, arritmias cardíacas e PARADA CARDÍACA
 Alterações eletrocardiográficas
MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS
Antagonismo dos efeitos do K+ na membrana celular:
• Gluconato de cálcio 10% ou cloreto de cálcio
Redistribuição do K+:
•Bicarbonato de sódio 8,4% : acidose
•Formula de Ash = P x BE x 0,3 / 2 se não há acidose 50 mEq a cada 5
min (dura 1h)
•Solução polarizante: glicose 50% (100ml) + 10 UI de insulina (EV em 5
a 10 min/ dura 4 a 6 hs)
•Agentes Beta 2 -adrenérgicos
TRATAMENTO
Eliminação do K+
Resinas de troca (Sorcal®): inicio de ação em 1-2hs e dura
até 6hs
Diuréticos de alça: Furosemida (40-60 mg EV) ou Bumetamina
(1-2 mg EV)
Mineralocorticóides: Fludrocortisona (0,1 mg/ dia)
Diálise: normaliza o K+ em 15 a 30 min.
TRATAMENTO
CÁLCIO (Ca++)
Necessário no organismo:
Integridade da estrutura da membrana celular
Condução adequada dos estímulos cardíacos
Coagulação sanguínea
Formação e crescimento ósseo
CÁLCIO (Ca++)
Regulado basicamente pelos hormônios da
paratireoide (paratormônio) e da tireoide
(calcitonina).
Paratireoide: regula o equilíbrio do Ca++ nos
ossos, absorção pelo TGI e eliminação do Ca++
pelos rins
Tireóide: inibe a reabsorção do Ca++ nos ossos.
HIPOCALCEMIA
Definida como: Ca++ < 8,5 mg/dl ou ionizado < 1,0
mmol/L
CAUSAS:
•Perda de tecido da paratireoide após tireoidectomia
•Hipoparatireoidismo idiopático
•Insuficiência Renal (raramente sintomática)
•Hipoalbuminemia, Hipomagnesemia – resistência ao PTH;
Hiperfosfatemia ; Multifatorial – sepse, pancreatite, neoplasias,
insuficiência hepática; Medicamentos – fenobarbital, fenitoína,
álcool, Síndrome do intestino curto
Parestesias: perorais, mãos e pés
Irritabilidade, labilidade emocional
Miastenia e Cãibras
Tremores
Tetania latente (Chvostek-Trosseau), opistótomo
Laringoespasmo
Convulsões
ECG – alongamento do intervalo QT
SINAIS E SINTOMAS
O que é tetânia (Chvostek-
Trosseau)
 Sinal de Chvostek: Sinal que consiste na presença
de espasmos dos músculos faciais em resposta à
percussão do nervo facial na região zigomática. É
um dos sinais de tetania observados
na hipocalcemia.
 Sinal de Trosseau: sinal que consiste em espasmos
carpais provocador por compressão da artéria
braquial com manguito de esfigmomanômetro.
O que é tetânia (Chvostek-
Trosseau)
Suporte (O2, monitorização, exames periódicos)
Reposição impírica
100 a 300 mg ( 1 a 3 amp de gluconato IV em 5- 10 min)
Em infusão contínua 0,5 mg/Kg/h até 2mg/Kg/h.
Hipoparatireodismo: extrato de paratireóide, 100 a 200 UI USP EV
Gluconato de Ca++ 10% = 10 ml = 90 mg de Ca++
TRATAMENTO
HIPERCALCEMIA
Definida como: Ca++ > 11 mg/dl ou > 1,5 mmol/L
CAUSAS:
• Hiperparatireoidismo
• Insuficiência adrenal
• Imobilização
• Neoplasias
• Hipervitaminose D
• Tiazídicos
• Tireotoxicose
Debilidade , náusea e vômito
Constipação e anorexia
Poliúria e polidipsia
Fadiga, fraqueza, letargia
Dor abdominal
Arritmias, alterações ao ECG: Supra-ST
Litíase renal
SINAIS E SINTOMAS
Hidratação adequada com SF
Diuréticos de alça
Sais de fosfato IV = Pamidronato (90 mg) ou K2HPO4 1,5 g EV em 7hs
Glicocorticóides
Calcitonina
Tratamento da causa de base
TRATAMENTO
MAGNÉSIO (Mg++)
Ativação nas membranas e bombas de membranas
Age como estabilizador de membranas
Indispensável para: atividades enzimáticas e
neuroquímicas e para a excitabilidade dos músculos
HIPOMAGNESEMIA
Definida como: Mg++ < 0,7 mmol/L
CAUSAS:
• Excreção renal
• Aporte - diminuição da absorção
• Alcoolismo, cirrose, pancreatite,
hiperaldosteronismo e hiperparatireoidismo
Associada a hipoK+ e hipoCa++ e alcalose metabólica
hiperirritabilidade neuromuscular e do SNC com movimentos atetóticos,
tremores amplos (“flapping”), sinal de Babinski e nistagmo
Arritmia cardíaca (torsade-de-points)
Confusão mental, desorientação, convulsões generalizadas
SINAIS E SINTOMAS
Moderada: 8- 16 mEq/24 h
Severa: 32 – 64 mEq (32 mEq 5 min)
Sulfato de Magnésio a 10% =10 ml = 8 mEq
TRATAMENTO
HIPERMAGNESEMIA
Definida como: Mg++ > 1,5 mmol/L
CAUSAS:
•Insuficiência renal e inabilidade de excretar o
Mg++
•Rabdomiólise
•Uso crônico de laxantes contendo sais de
magnésio
Fraqueza, letargia
 ou abolição dos reflexos tendinosos
Depressão do SNC
Paralisia respiratória
Hipotensão, bradicardia, PCR
ECG: aumento do PR, alargamento de QRS, elevação de onda T
SINAIS E SINTOMAS
Tratamento é dirigido no sentido de
melhorar a insuficiência renal.
Cálcio: antagonista do magnésio
Pode estar indicado na diálise
peritoneal ou extracorpórea
TRATAMENTO
"O grande obstáculo ao
conhecimento não é a ignorância.
mas a ilusão do conhecimento".
Referências Bibliográficas
ÉVORA, P. R. B. et al. Distúrbios do equilíbrio hidroeletrolítico e do
equilíbrio acidobásico - uma revisão prática. Medicina Ribeirão Preto, v.
32, n. 4, p. 451-469, 1999.
VIEIRA NETO, O. M.; MOYSÉS NETO, M. Distúrbios do equilíbrio
hidroeletrolítico. Medicina Ribeirão Preto, v. 36, n. 2, p. 325-337, 2003.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Gasometria Arterial- Distúrbios do Equilíbrio Ácido-base
Gasometria Arterial- Distúrbios do Equilíbrio Ácido-baseGasometria Arterial- Distúrbios do Equilíbrio Ácido-base
Gasometria Arterial- Distúrbios do Equilíbrio Ácido-baseFlávia Salame
 
Cetoacidose E Coma Hiperosmolar
Cetoacidose E Coma HiperosmolarCetoacidose E Coma Hiperosmolar
Cetoacidose E Coma HiperosmolarRodrigo Biondi
 
Seminário (Insuficiência Renal Aguda e Crônica)
Seminário (Insuficiência Renal Aguda e Crônica) Seminário (Insuficiência Renal Aguda e Crônica)
Seminário (Insuficiência Renal Aguda e Crônica) cuidadoaoadulto
 
HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA - 2016
HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA - 2016HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA - 2016
HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA - 2016Maycon Silva
 
Assistência de enfermagem nas doenças do sistema digestivo prof graziela
Assistência de enfermagem nas doenças do sistema digestivo prof grazielaAssistência de enfermagem nas doenças do sistema digestivo prof graziela
Assistência de enfermagem nas doenças do sistema digestivo prof grazielaWekanan Moura
 
Sintomas e exame físico do aparelho urinário
Sintomas e exame físico do aparelho urinário Sintomas e exame físico do aparelho urinário
Sintomas e exame físico do aparelho urinário Paulo Alambert
 
Interpretação do hemograma
Interpretação do hemogramaInterpretação do hemograma
Interpretação do hemogramaJoziane Brunelli
 
Trabalho de equilíbrio hidroeletrolítico
Trabalho de equilíbrio hidroeletrolíticoTrabalho de equilíbrio hidroeletrolítico
Trabalho de equilíbrio hidroeletrolíticoTeresa Oliveira
 
Aula de disturbios hidroeletrolíticos
Aula de disturbios hidroeletrolíticosAula de disturbios hidroeletrolíticos
Aula de disturbios hidroeletrolíticosmariacristinasn
 
Infarto Agudo do Miocárdio
Infarto Agudo do MiocárdioInfarto Agudo do Miocárdio
Infarto Agudo do MiocárdioDanielle Alexia
 
Doença Arterial Coronariana
Doença Arterial CoronarianaDoença Arterial Coronariana
Doença Arterial Coronarianaresenfe2013
 
Hipotireoidismo e Hipertireoidismo
Hipotireoidismo e HipertireoidismoHipotireoidismo e Hipertireoidismo
Hipotireoidismo e HipertireoidismoTaillany Caroline
 
Propedeutica das hemorragias digestivas
Propedeutica das hemorragias digestivasPropedeutica das hemorragias digestivas
Propedeutica das hemorragias digestivasPaulo Alambert
 
Apresentação caso clínico
Apresentação caso clínicoApresentação caso clínico
Apresentação caso clínicojaninemagalhaes
 

Mais procurados (20)

Gasometria Arterial- Distúrbios do Equilíbrio Ácido-base
Gasometria Arterial- Distúrbios do Equilíbrio Ácido-baseGasometria Arterial- Distúrbios do Equilíbrio Ácido-base
Gasometria Arterial- Distúrbios do Equilíbrio Ácido-base
 
Cirrose hepática
Cirrose hepáticaCirrose hepática
Cirrose hepática
 
Cetoacidose E Coma Hiperosmolar
Cetoacidose E Coma HiperosmolarCetoacidose E Coma Hiperosmolar
Cetoacidose E Coma Hiperosmolar
 
Seminário (Insuficiência Renal Aguda e Crônica)
Seminário (Insuficiência Renal Aguda e Crônica) Seminário (Insuficiência Renal Aguda e Crônica)
Seminário (Insuficiência Renal Aguda e Crônica)
 
HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA - 2016
HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA - 2016HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA - 2016
HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA - 2016
 
Aula Diabetes
Aula  DiabetesAula  Diabetes
Aula Diabetes
 
Assistência de enfermagem nas doenças do sistema digestivo prof graziela
Assistência de enfermagem nas doenças do sistema digestivo prof grazielaAssistência de enfermagem nas doenças do sistema digestivo prof graziela
Assistência de enfermagem nas doenças do sistema digestivo prof graziela
 
Exames Laboratoriais
Exames LaboratoriaisExames Laboratoriais
Exames Laboratoriais
 
Sintomas e exame físico do aparelho urinário
Sintomas e exame físico do aparelho urinário Sintomas e exame físico do aparelho urinário
Sintomas e exame físico do aparelho urinário
 
Interpretação do hemograma
Interpretação do hemogramaInterpretação do hemograma
Interpretação do hemograma
 
Aula Litíase Renal
Aula Litíase Renal Aula Litíase Renal
Aula Litíase Renal
 
Trabalho de equilíbrio hidroeletrolítico
Trabalho de equilíbrio hidroeletrolíticoTrabalho de equilíbrio hidroeletrolítico
Trabalho de equilíbrio hidroeletrolítico
 
Aula de disturbios hidroeletrolíticos
Aula de disturbios hidroeletrolíticosAula de disturbios hidroeletrolíticos
Aula de disturbios hidroeletrolíticos
 
Aula sobre DPOC
Aula sobre DPOCAula sobre DPOC
Aula sobre DPOC
 
Infarto Agudo do Miocárdio
Infarto Agudo do MiocárdioInfarto Agudo do Miocárdio
Infarto Agudo do Miocárdio
 
1 c
1  c1  c
1 c
 
Doença Arterial Coronariana
Doença Arterial CoronarianaDoença Arterial Coronariana
Doença Arterial Coronariana
 
Hipotireoidismo e Hipertireoidismo
Hipotireoidismo e HipertireoidismoHipotireoidismo e Hipertireoidismo
Hipotireoidismo e Hipertireoidismo
 
Propedeutica das hemorragias digestivas
Propedeutica das hemorragias digestivasPropedeutica das hemorragias digestivas
Propedeutica das hemorragias digestivas
 
Apresentação caso clínico
Apresentação caso clínicoApresentação caso clínico
Apresentação caso clínico
 

Destaque

Desequilibrio Hidroeletrolítico
Desequilibrio HidroeletrolíticoDesequilibrio Hidroeletrolítico
Desequilibrio HidroeletrolíticoPaulo Sérgio
 
Disturbio hidroeletrolítico e ácido básico
Disturbio hidroeletrolítico e ácido básicoDisturbio hidroeletrolítico e ácido básico
Disturbio hidroeletrolítico e ácido básicomarciakaladinha
 
Condutas médicas no paciente com distúrbios eletrolíticos agudos.curso de con...
Condutas médicas no paciente com distúrbios eletrolíticos agudos.curso de con...Condutas médicas no paciente com distúrbios eletrolíticos agudos.curso de con...
Condutas médicas no paciente com distúrbios eletrolíticos agudos.curso de con...douglas silva
 
Uso da informática em Investigação de Surto
Uso da informática em Investigação de SurtoUso da informática em Investigação de Surto
Uso da informática em Investigação de SurtoWanderson Oliveira
 
Escore NEWS - time de resposta rápida
Escore NEWS - time de resposta rápidaEscore NEWS - time de resposta rápida
Escore NEWS - time de resposta rápidaAroldo Gavioli
 
Artigo distúrbios do equilíbrio hidroeletrolítico e do equilíbrio ácido-básico
Artigo   distúrbios do equilíbrio hidroeletrolítico e do equilíbrio ácido-básicoArtigo   distúrbios do equilíbrio hidroeletrolítico e do equilíbrio ácido-básico
Artigo distúrbios do equilíbrio hidroeletrolítico e do equilíbrio ácido-básicoDanielly Oliveira
 
Apresentação: Etapas da Investigação de Surto
Apresentação: Etapas da Investigação de SurtoApresentação: Etapas da Investigação de Surto
Apresentação: Etapas da Investigação de SurtoWanderson Oliveira
 
Estudos epidemiológicos na investigação de surtos
Estudos epidemiológicos na investigação de surtosEstudos epidemiológicos na investigação de surtos
Estudos epidemiológicos na investigação de surtosWanderson Oliveira
 
Atendimento na parada cardiorrespiratória em adultos pela equipe multidiscipl...
Atendimento na parada cardiorrespiratória em adultos pela equipe multidiscipl...Atendimento na parada cardiorrespiratória em adultos pela equipe multidiscipl...
Atendimento na parada cardiorrespiratória em adultos pela equipe multidiscipl...Aroldo Gavioli
 
Time de resposta rápida e escore news
Time de resposta rápida e escore newsTime de resposta rápida e escore news
Time de resposta rápida e escore newsAroldo Gavioli
 
Equilibrio hidroeletrolitico
Equilibrio hidroeletroliticoEquilibrio hidroeletrolitico
Equilibrio hidroeletroliticoalexandrefigdo
 
Seminário clínica cirúrgica doenças das paratireoides
Seminário clínica cirúrgica doenças das paratireoidesSeminário clínica cirúrgica doenças das paratireoides
Seminário clínica cirúrgica doenças das paratireoidesPaulo Larissa Braz
 

Destaque (20)

Desequilibrio Hidroeletrolítico
Desequilibrio HidroeletrolíticoDesequilibrio Hidroeletrolítico
Desequilibrio Hidroeletrolítico
 
Disturbio hidroeletrolítico e ácido básico
Disturbio hidroeletrolítico e ácido básicoDisturbio hidroeletrolítico e ácido básico
Disturbio hidroeletrolítico e ácido básico
 
Condutas médicas no paciente com distúrbios eletrolíticos agudos.curso de con...
Condutas médicas no paciente com distúrbios eletrolíticos agudos.curso de con...Condutas médicas no paciente com distúrbios eletrolíticos agudos.curso de con...
Condutas médicas no paciente com distúrbios eletrolíticos agudos.curso de con...
 
Uso da informática em Investigação de Surto
Uso da informática em Investigação de SurtoUso da informática em Investigação de Surto
Uso da informática em Investigação de Surto
 
Escore NEWS - time de resposta rápida
Escore NEWS - time de resposta rápidaEscore NEWS - time de resposta rápida
Escore NEWS - time de resposta rápida
 
Valor de p
Valor de pValor de p
Valor de p
 
Times de Resposta Rápida
Times de Resposta Rápida Times de Resposta Rápida
Times de Resposta Rápida
 
Sódio
Sódio Sódio
Sódio
 
Artigo distúrbios do equilíbrio hidroeletrolítico e do equilíbrio ácido-básico
Artigo   distúrbios do equilíbrio hidroeletrolítico e do equilíbrio ácido-básicoArtigo   distúrbios do equilíbrio hidroeletrolítico e do equilíbrio ácido-básico
Artigo distúrbios do equilíbrio hidroeletrolítico e do equilíbrio ácido-básico
 
Sódio
SódioSódio
Sódio
 
Apresentação: Etapas da Investigação de Surto
Apresentação: Etapas da Investigação de SurtoApresentação: Etapas da Investigação de Surto
Apresentação: Etapas da Investigação de Surto
 
Sodio
SodioSodio
Sodio
 
Trabajo sodio
Trabajo sodioTrabajo sodio
Trabajo sodio
 
Métodos epidemiológicos aula
Métodos epidemiológicos aula Métodos epidemiológicos aula
Métodos epidemiológicos aula
 
Estudos epidemiológicos na investigação de surtos
Estudos epidemiológicos na investigação de surtosEstudos epidemiológicos na investigação de surtos
Estudos epidemiológicos na investigação de surtos
 
Atendimento na parada cardiorrespiratória em adultos pela equipe multidiscipl...
Atendimento na parada cardiorrespiratória em adultos pela equipe multidiscipl...Atendimento na parada cardiorrespiratória em adultos pela equipe multidiscipl...
Atendimento na parada cardiorrespiratória em adultos pela equipe multidiscipl...
 
Time de resposta rápida e escore news
Time de resposta rápida e escore newsTime de resposta rápida e escore news
Time de resposta rápida e escore news
 
Equilibrio hidroeletrolitico
Equilibrio hidroeletroliticoEquilibrio hidroeletrolitico
Equilibrio hidroeletrolitico
 
Seminário clínica cirúrgica doenças das paratireoides
Seminário clínica cirúrgica doenças das paratireoidesSeminário clínica cirúrgica doenças das paratireoides
Seminário clínica cirúrgica doenças das paratireoides
 
Sódio
SódioSódio
Sódio
 

Semelhante a Desequilíbrio hidroeletrolítico

aula desequlibrio hodroeletrolitico 3.pdf
aula desequlibrio hodroeletrolitico 3.pdfaula desequlibrio hodroeletrolitico 3.pdf
aula desequlibrio hodroeletrolitico 3.pdfGrazieleMenzani
 
DoençAs Do Sistema UrináRio
DoençAs Do Sistema UrináRioDoençAs Do Sistema UrináRio
DoençAs Do Sistema UrináRiosollicitus
 
Diarréia e distúrbios hidroeletrolíticos em pediatria
Diarréia e distúrbios hidroeletrolíticos em pediatriaDiarréia e distúrbios hidroeletrolíticos em pediatria
Diarréia e distúrbios hidroeletrolíticos em pediatriaLorena de Assis
 
Equilíbrio ácido-básico. Profa. Carolina Coimbra Marinho Escola de Medicina _...
Equilíbrio ácido-básico. Profa. Carolina Coimbra Marinho Escola de Medicina _...Equilíbrio ácido-básico. Profa. Carolina Coimbra Marinho Escola de Medicina _...
Equilíbrio ácido-básico. Profa. Carolina Coimbra Marinho Escola de Medicina _...Roberta Giovanini
 
LILIANA MENDES Mini curso jovem gastro df cirrose e suas complicações
LILIANA MENDES Mini curso jovem gastro df cirrose e suas complicações LILIANA MENDES Mini curso jovem gastro df cirrose e suas complicações
LILIANA MENDES Mini curso jovem gastro df cirrose e suas complicações Liliana Mendes
 
CETOACIDOSE DIABÉTICA.pptx
CETOACIDOSE DIABÉTICA.pptxCETOACIDOSE DIABÉTICA.pptx
CETOACIDOSE DIABÉTICA.pptxD2Investimentos
 
Insuficiência renal aguda
Insuficiência renal agudaInsuficiência renal aguda
Insuficiência renal agudaAna Nataly
 
DistúRbio HidroeletrolíTico E áCido BáSico
DistúRbio HidroeletrolíTico E áCido BáSicoDistúRbio HidroeletrolíTico E áCido BáSico
DistúRbio HidroeletrolíTico E áCido BáSicoRodrigo Biondi
 
Aula litíase urinária_Dr Márcio Averbeck
Aula litíase urinária_Dr Márcio AverbeckAula litíase urinária_Dr Márcio Averbeck
Aula litíase urinária_Dr Márcio Averbeckaverbeck
 
Rins - Apresentação
Rins - ApresentaçãoRins - Apresentação
Rins - ApresentaçãoCíntia Costa
 
Hidratacao Venosa e Disturbios Hidroeletroliticos
Hidratacao Venosa e Disturbios HidroeletroliticosHidratacao Venosa e Disturbios Hidroeletroliticos
Hidratacao Venosa e Disturbios HidroeletroliticosRenato Bach
 
FISIOPATOLOGIA E DIETOTERAPIA DISTURBIOS RENAIS
FISIOPATOLOGIA E DIETOTERAPIA DISTURBIOS RENAISFISIOPATOLOGIA E DIETOTERAPIA DISTURBIOS RENAIS
FISIOPATOLOGIA E DIETOTERAPIA DISTURBIOS RENAISLorena Aragão
 

Semelhante a Desequilíbrio hidroeletrolítico (20)

aula desequlibrio hodroeletrolitico 3.pdf
aula desequlibrio hodroeletrolitico 3.pdfaula desequlibrio hodroeletrolitico 3.pdf
aula desequlibrio hodroeletrolitico 3.pdf
 
Pacientes Graves - 13.pdf
Pacientes Graves - 13.pdfPacientes Graves - 13.pdf
Pacientes Graves - 13.pdf
 
DoençAs Do Sistema UrináRio
DoençAs Do Sistema UrináRioDoençAs Do Sistema UrináRio
DoençAs Do Sistema UrináRio
 
íOns alunos
íOns   alunosíOns   alunos
íOns alunos
 
Diarréia e distúrbios hidroeletrolíticos em pediatria
Diarréia e distúrbios hidroeletrolíticos em pediatriaDiarréia e distúrbios hidroeletrolíticos em pediatria
Diarréia e distúrbios hidroeletrolíticos em pediatria
 
O rim
O rimO rim
O rim
 
Equilíbrio ácido-básico. Profa. Carolina Coimbra Marinho Escola de Medicina _...
Equilíbrio ácido-básico. Profa. Carolina Coimbra Marinho Escola de Medicina _...Equilíbrio ácido-básico. Profa. Carolina Coimbra Marinho Escola de Medicina _...
Equilíbrio ácido-básico. Profa. Carolina Coimbra Marinho Escola de Medicina _...
 
Complicações Agudas Do Diabetes
Complicações Agudas Do DiabetesComplicações Agudas Do Diabetes
Complicações Agudas Do Diabetes
 
DHE AULA .pptx
DHE AULA .pptxDHE AULA .pptx
DHE AULA .pptx
 
diabetes
diabetesdiabetes
diabetes
 
LILIANA MENDES Mini curso jovem gastro df cirrose e suas complicações
LILIANA MENDES Mini curso jovem gastro df cirrose e suas complicações LILIANA MENDES Mini curso jovem gastro df cirrose e suas complicações
LILIANA MENDES Mini curso jovem gastro df cirrose e suas complicações
 
CETOACIDOSE DIABÉTICA.pptx
CETOACIDOSE DIABÉTICA.pptxCETOACIDOSE DIABÉTICA.pptx
CETOACIDOSE DIABÉTICA.pptx
 
Insuficiência renal aguda
Insuficiência renal agudaInsuficiência renal aguda
Insuficiência renal aguda
 
DistúRbio HidroeletrolíTico E áCido BáSico
DistúRbio HidroeletrolíTico E áCido BáSicoDistúRbio HidroeletrolíTico E áCido BáSico
DistúRbio HidroeletrolíTico E áCido BáSico
 
Aula litíase urinária_Dr Márcio Averbeck
Aula litíase urinária_Dr Márcio AverbeckAula litíase urinária_Dr Márcio Averbeck
Aula litíase urinária_Dr Márcio Averbeck
 
Rins - Apresentação
Rins - ApresentaçãoRins - Apresentação
Rins - Apresentação
 
Hidratacao Venosa e Disturbios Hidroeletroliticos
Hidratacao Venosa e Disturbios HidroeletroliticosHidratacao Venosa e Disturbios Hidroeletroliticos
Hidratacao Venosa e Disturbios Hidroeletroliticos
 
Gastroenterite
GastroenteriteGastroenterite
Gastroenterite
 
Etilismo Crônico
Etilismo CrônicoEtilismo Crônico
Etilismo Crônico
 
FISIOPATOLOGIA E DIETOTERAPIA DISTURBIOS RENAIS
FISIOPATOLOGIA E DIETOTERAPIA DISTURBIOS RENAISFISIOPATOLOGIA E DIETOTERAPIA DISTURBIOS RENAIS
FISIOPATOLOGIA E DIETOTERAPIA DISTURBIOS RENAIS
 

Mais de Aroldo Gavioli

Transtornos mentais orgânicos
Transtornos mentais orgânicosTranstornos mentais orgânicos
Transtornos mentais orgânicosAroldo Gavioli
 
Síndrome de dependência de substâncias – aspectos neurobiológicos
Síndrome de dependência de substâncias – aspectos neurobiológicosSíndrome de dependência de substâncias – aspectos neurobiológicos
Síndrome de dependência de substâncias – aspectos neurobiológicosAroldo Gavioli
 
A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...
A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...
A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...Aroldo Gavioli
 
Grupos terapêuticos e intervenção em família
Grupos terapêuticos e intervenção em famíliaGrupos terapêuticos e intervenção em família
Grupos terapêuticos e intervenção em famíliaAroldo Gavioli
 
O diagnóstico de enfermagem em saúde mental
O diagnóstico de enfermagem em saúde mentalO diagnóstico de enfermagem em saúde mental
O diagnóstico de enfermagem em saúde mentalAroldo Gavioli
 
Exame Físico em Saúde Mental
Exame Físico em Saúde MentalExame Físico em Saúde Mental
Exame Físico em Saúde MentalAroldo Gavioli
 
Rede de atenção em saude mental
Rede de atenção em saude mentalRede de atenção em saude mental
Rede de atenção em saude mentalAroldo Gavioli
 
Transtornos mentais e comportamentais devido ao uso de substância psicoativa
Transtornos mentais e comportamentais devido ao uso de substância psicoativaTranstornos mentais e comportamentais devido ao uso de substância psicoativa
Transtornos mentais e comportamentais devido ao uso de substância psicoativaAroldo Gavioli
 
Critérios de admissão em Unidade de Terapia Intensiva
Critérios de admissão em Unidade de Terapia IntensivaCritérios de admissão em Unidade de Terapia Intensiva
Critérios de admissão em Unidade de Terapia IntensivaAroldo Gavioli
 
Intervenção em crises
Intervenção em crisesIntervenção em crises
Intervenção em crisesAroldo Gavioli
 
Segurança do paciente em unidades de urgência
Segurança do paciente em unidades de urgênciaSegurança do paciente em unidades de urgência
Segurança do paciente em unidades de urgênciaAroldo Gavioli
 
Métodos dialíticos intermitentes
Métodos dialíticos intermitentesMétodos dialíticos intermitentes
Métodos dialíticos intermitentesAroldo Gavioli
 
Métodos dialíticos contínuos
Métodos dialíticos contínuosMétodos dialíticos contínuos
Métodos dialíticos contínuosAroldo Gavioli
 
O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mental
O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mentalO Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mental
O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mentalAroldo Gavioli
 

Mais de Aroldo Gavioli (20)

Transtornos mentais orgânicos
Transtornos mentais orgânicosTranstornos mentais orgânicos
Transtornos mentais orgânicos
 
Transtornos ansiosos
Transtornos ansiososTranstornos ansiosos
Transtornos ansiosos
 
Síndrome de dependência de substâncias – aspectos neurobiológicos
Síndrome de dependência de substâncias – aspectos neurobiológicosSíndrome de dependência de substâncias – aspectos neurobiológicos
Síndrome de dependência de substâncias – aspectos neurobiológicos
 
A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...
A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...
A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...
 
psicofarmacologia 2
psicofarmacologia 2psicofarmacologia 2
psicofarmacologia 2
 
Grupos terapêuticos e intervenção em família
Grupos terapêuticos e intervenção em famíliaGrupos terapêuticos e intervenção em família
Grupos terapêuticos e intervenção em família
 
O diagnóstico de enfermagem em saúde mental
O diagnóstico de enfermagem em saúde mentalO diagnóstico de enfermagem em saúde mental
O diagnóstico de enfermagem em saúde mental
 
Exame Físico em Saúde Mental
Exame Físico em Saúde MentalExame Físico em Saúde Mental
Exame Físico em Saúde Mental
 
Rede de atenção em saude mental
Rede de atenção em saude mentalRede de atenção em saude mental
Rede de atenção em saude mental
 
Drogas psicotrópica
Drogas psicotrópicaDrogas psicotrópica
Drogas psicotrópica
 
Doença de Alzheimer
Doença de AlzheimerDoença de Alzheimer
Doença de Alzheimer
 
Transtornos mentais e comportamentais devido ao uso de substância psicoativa
Transtornos mentais e comportamentais devido ao uso de substância psicoativaTranstornos mentais e comportamentais devido ao uso de substância psicoativa
Transtornos mentais e comportamentais devido ao uso de substância psicoativa
 
Psicofarmacologia
PsicofarmacologiaPsicofarmacologia
Psicofarmacologia
 
Critérios de admissão em Unidade de Terapia Intensiva
Critérios de admissão em Unidade de Terapia IntensivaCritérios de admissão em Unidade de Terapia Intensiva
Critérios de admissão em Unidade de Terapia Intensiva
 
Intervenção em crises
Intervenção em crisesIntervenção em crises
Intervenção em crises
 
Segurança do paciente em unidades de urgência
Segurança do paciente em unidades de urgênciaSegurança do paciente em unidades de urgência
Segurança do paciente em unidades de urgência
 
Métodos dialíticos intermitentes
Métodos dialíticos intermitentesMétodos dialíticos intermitentes
Métodos dialíticos intermitentes
 
Métodos dialíticos contínuos
Métodos dialíticos contínuosMétodos dialíticos contínuos
Métodos dialíticos contínuos
 
Transtornos do humor
Transtornos do humorTranstornos do humor
Transtornos do humor
 
O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mental
O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mentalO Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mental
O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mental
 

Desequilíbrio hidroeletrolítico

  • 2. SÓDIO (Na+) Principal cátion extracelular Os íons de sódio participam da manutenção do EH, da transmissão dos impulsos nervosos e da contração muscular A expansão ou retração do volume extracelular está intimamente ligada ao sódio - “Onde o sódio vai, a água vai atrás”
  • 3. HIPONATREMIA CAUSAS: Deficiência corpórea do sódio Uma diluição por excesso de água, Combinação dos dois fatores Definida como: Na+ < 130 mEq/l
  • 4. Perdas de fluidos que contêm Na+ com continuada ingestão de água: Perdas gastrintestinais (diarréia, vômito); Perdas pela pele (lesões exudativas da pele, queimaduras, sudorese); Seqüestros no corpo (obstrução intestinal); Perda renal (primária ou secundária a estados de depleção, incluindo as perdas por diuréticos e na doença de Addison) Depleção de sódio (hiponatremia):
  • 5. O que é doença de Addison? Insuficiência adrenal crônica ou Hipocortisolismo é uma doença caracterizada por baixa produção de glicocorticoides como o cortisol pelas glândulas adrenais e, algumas vezes, também de mineralocorticódes como a aldosterona. atinja aproximadamente entre 1 em cada 25,000 habitantes. 1
  • 6. Insuficiência Cardíaca Congestiva (ICC), cirrose, doença renal com oligúria, síndrome de secreção inadequada do Hormônio Anti-Diurético (HAD), doença de Addison. Outras causas: síndrome de hiponatremia familiar (assintomática, vista em muitos tipos de doenças de depleção); sódio sérico artificial baixo,como nas hiperlipidemias, hiperglicemias e hiperproteinemia do mieloma múltiplo. Hiponatremia dilucional pode ocorrer na:
  • 7.
  • 8. Dificuldade na concentração mental, Alterações da personalidade, Confusão, delírio, coma, Oligúria SINAIS E SINTOMAS
  • 9. Tratar a doença de base Pesar o paciente, determinar se a hiponatremia é secundária à perda de sal ou à sobrecarga de água. Nos casos de Hiponatremia por depleção salina repor o sódio O Aumento não deve exceder 10mEq/l nas 24 hs NaCl 20% - 3,4 mEq/ ml TRATAMENTO
  • 10. HIPERNATREMIA Definida como: Na+ > 150 mEq/l •Perda de água superior à de sódio: diarreia e vômitos, insuficiência renal, diabetes insípidus, diabetes mellitus, febre, insolação, hiperventilação; •Reposição insuficiente das perdas hídricas: diminuição da ingestão hídrica por náuseas, vômitos ou incapacidade física; •Administração de sobrecarga de soluto: suplementação de proteínas e sal na alimentação por sonda, envenenamento acidental por sal de cozinha, diuréticos osmóticos, diálise; •Excesso de esteroides. CAUSAS:
  • 11. As mucosas e a boca estão secas. A sede está presente, náusea e vômitos. A fraqueza muscular e as cãibras são comuns. Pode ocorrer febre (maior que 40ºC graus em alguns casos). Sinais e sintomas neurológicos: incluindo tremor, hiperreflexia profunda, memória alterada, confusão e alucinações podem estar presentes. SINAIS E SINTOMAS
  • 12. Pesar o paciente e tratar a doença primária. Estimar a porcentagem de perdas em termos de peso corpóreo, planejar a reposição de líquidos aproximadamente metade do volume nas primeiras oito a doze horas. O edema cerebral pode complicar a reposição muito rápida. TRATAMENTO
  • 13. POTÁSSIO (K+) Principal cátion intracelular Altera o potencial de repouso da célula nervosa Regula a excitabilidade neuromuscular e a contratilidade muscular Importante no EAB, pois na acidose ocorre retenção de k+ para eliminação de H+, na alcalose o contrário
  • 14. Alteração comum em pacientes de UTI Distúrbio agudo = risco de morte Rim é responsável por 95% do balanço (aumento da aldosterona → maior eliminação de K+ na urina // permuta com Na+ nos túbulos renais: retenção de Na+ → eliminação de K+) Características clinicas
  • 15. ↓ K+ • Insulina • Aldosterona • Estimulação - adrenérgica (bomba de Na+ e K+) • Alcalose ↑ K+ • Deficiência de insulina • Deficiência de aldosterona • Bloqueio -adrenérgico • Acidose • Lise celular •  osmolaridade sérica • Drogas Fatores relacionados
  • 16. HIPOPOTASSEMIA Definida como potássio sérico < 3,5 mEq/L •Relacionada com fatores que influenciam: •Distribuição transcelular do K+ •Depleção de K+ corporal total •Ambos
  • 17. Desvio iônico: alcalose Perdas gastrintestinais: diarréia, vômitos, fistula gastrintestinal Perdas geniturinárias: acidose tubular renal, doenças (Cushing e Crohn), uso de diuréticos Ingestão insuficiente: perdas (nas fezes) CAUSAS:
  • 18. Oque é doença de Cushing? A síndrome de Cushing ou hipercortisolis mo ou hiperadrenocorticis mo é uma desordem endócrina causada por níveis elevados de glicocorticódes, especialmente cortisol, no sangue.
  • 19. O que é doença de Chron A doença de Crohn é uma doença crônica inflamatória intestinal, que atinge geralmente o íleo e o cólon (mas pode afetar qualquer parte do trato intestinal). Apresenta-se sob três formas principais: inflamatória, fistulosa e fibroestenosante. Muitos danos são causados por células imunológicas que atacam uma ou mais partes dos tecidos do tubo digestivo, mas não há certeza de etiologia autoimune.
  • 20. Neuromuscular: fraqueza, parestesia, paralisia muscular Renais: concentração prejudicada com poliúria, mioglobinúria, aumento da amônia Gastrintestinais: náuseas, ílio adinâmico SINAIS E SINTOMAS
  • 21. SNC: irritabilidade, letargia e coma Cardíacos: alterações na condução. Alterações no ECG (Achatamento da onda T, presença de ondas U). Predispõe a arritmias atriais e ventriculares (bigeminismo e trigeminismo). Aumenta a sensibilidade aos digitálicos. SINAIS E SINTOMAS
  • 23. TRATAMENTO TRATAR A CAUSA ESPECÍFICA REPOSIÇÃO ORAL REPOSIÇÃO VENOSA: KCl 19,1% = 2,5 mEq/ml // 01 amp = 10ml (25 mEq) Se em veia periférica concentração deve ser de 40 a 60 mEq/l e reposto em 6 horas Casos graves: até 100 mEq/h No PO: K+ < 4,0 (01 amp KCl 19,1% + 100 ml SF 0,9% EV em 1h) /// Se K+ < 3,0 (02 amp de KCl)
  • 24. HIPERPOTASSEMIA •Descartar pseudo-hiperpotassemia: •Leucocitose > 100.000 •Plaquetose > 1.000.000 •Hemólise Definida como K+ > 5,0 (5,5) mEq/L
  • 25.
  • 26. Fraqueza muscular, paralisia flácida, parestesias (face, língua, pés e mãos), irritabilidade muscular, arritmias cardíacas e PARADA CARDÍACA  Alterações eletrocardiográficas MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS
  • 27. Antagonismo dos efeitos do K+ na membrana celular: • Gluconato de cálcio 10% ou cloreto de cálcio Redistribuição do K+: •Bicarbonato de sódio 8,4% : acidose •Formula de Ash = P x BE x 0,3 / 2 se não há acidose 50 mEq a cada 5 min (dura 1h) •Solução polarizante: glicose 50% (100ml) + 10 UI de insulina (EV em 5 a 10 min/ dura 4 a 6 hs) •Agentes Beta 2 -adrenérgicos TRATAMENTO
  • 28. Eliminação do K+ Resinas de troca (Sorcal®): inicio de ação em 1-2hs e dura até 6hs Diuréticos de alça: Furosemida (40-60 mg EV) ou Bumetamina (1-2 mg EV) Mineralocorticóides: Fludrocortisona (0,1 mg/ dia) Diálise: normaliza o K+ em 15 a 30 min. TRATAMENTO
  • 29. CÁLCIO (Ca++) Necessário no organismo: Integridade da estrutura da membrana celular Condução adequada dos estímulos cardíacos Coagulação sanguínea Formação e crescimento ósseo
  • 30. CÁLCIO (Ca++) Regulado basicamente pelos hormônios da paratireoide (paratormônio) e da tireoide (calcitonina). Paratireoide: regula o equilíbrio do Ca++ nos ossos, absorção pelo TGI e eliminação do Ca++ pelos rins Tireóide: inibe a reabsorção do Ca++ nos ossos.
  • 31. HIPOCALCEMIA Definida como: Ca++ < 8,5 mg/dl ou ionizado < 1,0 mmol/L CAUSAS: •Perda de tecido da paratireoide após tireoidectomia •Hipoparatireoidismo idiopático •Insuficiência Renal (raramente sintomática) •Hipoalbuminemia, Hipomagnesemia – resistência ao PTH; Hiperfosfatemia ; Multifatorial – sepse, pancreatite, neoplasias, insuficiência hepática; Medicamentos – fenobarbital, fenitoína, álcool, Síndrome do intestino curto
  • 32. Parestesias: perorais, mãos e pés Irritabilidade, labilidade emocional Miastenia e Cãibras Tremores Tetania latente (Chvostek-Trosseau), opistótomo Laringoespasmo Convulsões ECG – alongamento do intervalo QT SINAIS E SINTOMAS
  • 33. O que é tetânia (Chvostek- Trosseau)  Sinal de Chvostek: Sinal que consiste na presença de espasmos dos músculos faciais em resposta à percussão do nervo facial na região zigomática. É um dos sinais de tetania observados na hipocalcemia.  Sinal de Trosseau: sinal que consiste em espasmos carpais provocador por compressão da artéria braquial com manguito de esfigmomanômetro.
  • 34. O que é tetânia (Chvostek- Trosseau)
  • 35. Suporte (O2, monitorização, exames periódicos) Reposição impírica 100 a 300 mg ( 1 a 3 amp de gluconato IV em 5- 10 min) Em infusão contínua 0,5 mg/Kg/h até 2mg/Kg/h. Hipoparatireodismo: extrato de paratireóide, 100 a 200 UI USP EV Gluconato de Ca++ 10% = 10 ml = 90 mg de Ca++ TRATAMENTO
  • 36. HIPERCALCEMIA Definida como: Ca++ > 11 mg/dl ou > 1,5 mmol/L CAUSAS: • Hiperparatireoidismo • Insuficiência adrenal • Imobilização • Neoplasias • Hipervitaminose D • Tiazídicos • Tireotoxicose
  • 37. Debilidade , náusea e vômito Constipação e anorexia Poliúria e polidipsia Fadiga, fraqueza, letargia Dor abdominal Arritmias, alterações ao ECG: Supra-ST Litíase renal SINAIS E SINTOMAS
  • 38. Hidratação adequada com SF Diuréticos de alça Sais de fosfato IV = Pamidronato (90 mg) ou K2HPO4 1,5 g EV em 7hs Glicocorticóides Calcitonina Tratamento da causa de base TRATAMENTO
  • 39. MAGNÉSIO (Mg++) Ativação nas membranas e bombas de membranas Age como estabilizador de membranas Indispensável para: atividades enzimáticas e neuroquímicas e para a excitabilidade dos músculos
  • 40. HIPOMAGNESEMIA Definida como: Mg++ < 0,7 mmol/L CAUSAS: • Excreção renal • Aporte - diminuição da absorção • Alcoolismo, cirrose, pancreatite, hiperaldosteronismo e hiperparatireoidismo
  • 41. Associada a hipoK+ e hipoCa++ e alcalose metabólica hiperirritabilidade neuromuscular e do SNC com movimentos atetóticos, tremores amplos (“flapping”), sinal de Babinski e nistagmo Arritmia cardíaca (torsade-de-points) Confusão mental, desorientação, convulsões generalizadas SINAIS E SINTOMAS
  • 42. Moderada: 8- 16 mEq/24 h Severa: 32 – 64 mEq (32 mEq 5 min) Sulfato de Magnésio a 10% =10 ml = 8 mEq TRATAMENTO
  • 43. HIPERMAGNESEMIA Definida como: Mg++ > 1,5 mmol/L CAUSAS: •Insuficiência renal e inabilidade de excretar o Mg++ •Rabdomiólise •Uso crônico de laxantes contendo sais de magnésio
  • 44. Fraqueza, letargia  ou abolição dos reflexos tendinosos Depressão do SNC Paralisia respiratória Hipotensão, bradicardia, PCR ECG: aumento do PR, alargamento de QRS, elevação de onda T SINAIS E SINTOMAS
  • 45. Tratamento é dirigido no sentido de melhorar a insuficiência renal. Cálcio: antagonista do magnésio Pode estar indicado na diálise peritoneal ou extracorpórea TRATAMENTO
  • 46. "O grande obstáculo ao conhecimento não é a ignorância. mas a ilusão do conhecimento".
  • 47. Referências Bibliográficas ÉVORA, P. R. B. et al. Distúrbios do equilíbrio hidroeletrolítico e do equilíbrio acidobásico - uma revisão prática. Medicina Ribeirão Preto, v. 32, n. 4, p. 451-469, 1999. VIEIRA NETO, O. M.; MOYSÉS NETO, M. Distúrbios do equilíbrio hidroeletrolítico. Medicina Ribeirão Preto, v. 36, n. 2, p. 325-337, 2003.