SlideShare uma empresa Scribd logo

Diagnóstico por imagem no abdome agudo não traumático

Imagem no abdome agudo

1 de 71
Baixar para ler offline
Dra.	
  Bruna	
  Cesário	
  
ABDOME	
  AGUDO	
  
•  Condição	
  clínica	
  que	
  tem	
  como	
  principal	
  
sintoma	
  a	
  dor	
  abdominal	
  aguda	
  
	
  
•  Avaliação	
  e	
  tratamento	
  rápidos	
  (clínico	
  ou	
  
cirúrgico)	
  
•  DiagnósFco	
  precoce	
  é	
  essencial	
  para	
  reduzir	
  
morbimortalidade	
  
ABDOME	
  AGUDO	
  
• ANAMNESE	
  E	
  EXAME	
  FÍSICO	
  
•  Exames	
  complementares	
  
•  Laboratório	
  e	
  imagem	
  
•  Inflamatório:	
  apendicite,	
  colecisFte,	
  pancreaFte,	
  diverFculite,	
  
DIP,	
  abscessos	
  intra-­‐abdominais,	
  peritonite.	
  
•  PerfuraFvo:	
  úlcera,	
  neoplasia	
  TGI,	
  amebíase,	
  febre	
  Ffoide,	
  
diverXculos	
  colônicos,	
  perfuração	
  iatrogênica	
  de	
  alças	
  intesFnais	
  
ou	
  do	
  útero.	
  
•  ObstruFvo:	
  aderências,	
  hérnia	
  estrangulada,	
  obstrução	
  pilórica,	
  
volvo,	
  intussuscepção,	
  cálculo	
  biliar,	
  corpo	
  estranho,	
  bolo	
  de	
  
áscaris.	
  
•  Vascular:	
  isquemia	
  intesFnal,	
  trombose	
  mesentérica,	
  torção	
  do	
  
omento,	
  torção	
  ovariana,	
  infarto	
  esplênico.	
  
•  Hemorrágico:	
  gravidez	
  ectópica,	
  ruptura	
  do	
  baço,	
  aneurisma	
  de	
  
aorta	
  abdominal,	
  cisto	
  ovariano	
  hemorrágico	
  roto,	
  necrose	
  
tumoral,	
  endometriose.	
  
Diagnóstico por imagem no abdome agudo não traumático
ABDOME	
  AGUDO	
  –	
  
SÍNDROMES	
  CLÍNICAS	
  
•  Inflamatório:	
  dor	
  insidiosa	
  e	
  com	
  piora	
  progressiva,	
  febre,	
  
peritonite	
  localizada	
  ou	
  difusa.	
  
•  PerfuraFvo:	
  dor	
  com	
  piora	
  súbita,	
  intensa,	
  aguda	
  e	
  
persistente,	
  peritonite,	
  palidez,	
  sudorese,	
  evoluindo	
  para	
  
choque	
  sépFco	
  se	
  não	
  tratado.	
  
•  ObstruFvo:	
  distensão,	
  parada	
  de	
  eliminação	
  de	
  gases	
  e	
  
fezes,	
  náuseas,	
  vômitos.	
  
•  Vascular:	
  dor	
  intensa	
  súbita,	
  Fpo	
  cólica,	
  desproporcional	
  ao	
  
exame	
  `sico.	
  
•  Hemorrágico:	
  dor	
  súbita	
  e	
  sinais	
  de	
  choque	
  hipovolêmico.	
  
Anúncio

Recomendados

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Atelectasias e pneumotrax
Atelectasias e pneumotraxAtelectasias e pneumotrax
Atelectasias e pneumotraxFlávia Salame
 
Sindrome do abdome agudo
Sindrome do abdome agudoSindrome do abdome agudo
Sindrome do abdome agudopauloalambert
 
Caso clínico abdome agudo
Caso clínico abdome agudoCaso clínico abdome agudo
Caso clínico abdome agudoProfessor Robson
 
Fundamentos Técnicos da Cirurgia Pancreática
Fundamentos Técnicos da Cirurgia PancreáticaFundamentos Técnicos da Cirurgia Pancreática
Fundamentos Técnicos da Cirurgia PancreáticaOzimo Gama
 
Semiologia de Abdome II
Semiologia de Abdome IISemiologia de Abdome II
Semiologia de Abdome IIpauloalambert
 
Aula - semiologia do abdôme
Aula - semiologia do abdômeAula - semiologia do abdôme
Aula - semiologia do abdômedapab
 
Avaliação sistemática da radiografia do tórax
Avaliação sistemática da radiografia do tóraxAvaliação sistemática da radiografia do tórax
Avaliação sistemática da radiografia do tóraxBruna Cesário
 
Aspectos Clínicos e Radiológicos da Obstrução Intestinal
Aspectos Clínicos e Radiológicos da Obstrução IntestinalAspectos Clínicos e Radiológicos da Obstrução Intestinal
Aspectos Clínicos e Radiológicos da Obstrução IntestinalAmanda Thomé
 
Raio x pós graduação
Raio   x pós graduaçãoRaio   x pós graduação
Raio x pós graduaçãoIapes Ensino
 
Patologias abdominais
Patologias abdominaisPatologias abdominais
Patologias abdominaisDébora Souto
 
Radiologia torácica: Hilos pulmonares e Doenças do Mediastino
Radiologia torácica: Hilos pulmonares e Doenças do MediastinoRadiologia torácica: Hilos pulmonares e Doenças do Mediastino
Radiologia torácica: Hilos pulmonares e Doenças do MediastinoFlávia Salame
 

Mais procurados (20)

Atelectasias e pneumotrax
Atelectasias e pneumotraxAtelectasias e pneumotrax
Atelectasias e pneumotrax
 
Apendicite aguda
Apendicite agudaApendicite aguda
Apendicite aguda
 
Apendicite
ApendiciteApendicite
Apendicite
 
Sindrome do abdome agudo
Sindrome do abdome agudoSindrome do abdome agudo
Sindrome do abdome agudo
 
Gastrectomia
GastrectomiaGastrectomia
Gastrectomia
 
Caso clínico abdome agudo
Caso clínico abdome agudoCaso clínico abdome agudo
Caso clínico abdome agudo
 
Fundamentos Técnicos da Cirurgia Pancreática
Fundamentos Técnicos da Cirurgia PancreáticaFundamentos Técnicos da Cirurgia Pancreática
Fundamentos Técnicos da Cirurgia Pancreática
 
Semiologia de Abdome II
Semiologia de Abdome IISemiologia de Abdome II
Semiologia de Abdome II
 
Anatomia do abdome por tc
Anatomia do abdome por tcAnatomia do abdome por tc
Anatomia do abdome por tc
 
.pdf
.pdf.pdf
.pdf
 
Aula - semiologia do abdôme
Aula - semiologia do abdômeAula - semiologia do abdôme
Aula - semiologia do abdôme
 
Dtp 15 21 sp
Dtp 15 21 spDtp 15 21 sp
Dtp 15 21 sp
 
Avaliação sistemática da radiografia do tórax
Avaliação sistemática da radiografia do tóraxAvaliação sistemática da radiografia do tórax
Avaliação sistemática da radiografia do tórax
 
Ultrassom do Retroperitônio e Peritônio
Ultrassom do Retroperitônio e PeritônioUltrassom do Retroperitônio e Peritônio
Ultrassom do Retroperitônio e Peritônio
 
Aspectos Clínicos e Radiológicos da Obstrução Intestinal
Aspectos Clínicos e Radiológicos da Obstrução IntestinalAspectos Clínicos e Radiológicos da Obstrução Intestinal
Aspectos Clínicos e Radiológicos da Obstrução Intestinal
 
Raio x pós graduação
Raio   x pós graduaçãoRaio   x pós graduação
Raio x pós graduação
 
Patologias abdominais
Patologias abdominaisPatologias abdominais
Patologias abdominais
 
abdome agudo obstrutivo 1.pptx
abdome agudo obstrutivo 1.pptxabdome agudo obstrutivo 1.pptx
abdome agudo obstrutivo 1.pptx
 
Radiologia torácica: Hilos pulmonares e Doenças do Mediastino
Radiologia torácica: Hilos pulmonares e Doenças do MediastinoRadiologia torácica: Hilos pulmonares e Doenças do Mediastino
Radiologia torácica: Hilos pulmonares e Doenças do Mediastino
 
Ultrassom do rim
Ultrassom do rimUltrassom do rim
Ultrassom do rim
 

Destaque

Destaque (7)

8 nutrição enteral e parenteral
8 nutrição enteral e parenteral8 nutrição enteral e parenteral
8 nutrição enteral e parenteral
 
Aorta torácica
Aorta torácicaAorta torácica
Aorta torácica
 
Abdome agudo
Abdome agudoAbdome agudo
Abdome agudo
 
Apostila posicionamento (completa)
Apostila posicionamento (completa)Apostila posicionamento (completa)
Apostila posicionamento (completa)
 
Rx abdomen
Rx abdomenRx abdomen
Rx abdomen
 
Aorta toracica y abdominal
Aorta toracica  y abdominalAorta toracica  y abdominal
Aorta toracica y abdominal
 
Radiografia normal do tórax
Radiografia normal do tóraxRadiografia normal do tórax
Radiografia normal do tórax
 

Semelhante a Diagnóstico por imagem no abdome agudo não traumático

Protocolos de Colangiorressonância - Doenças Obstrutivas Não-Malignas das Via...
Protocolos de Colangiorressonância - Doenças Obstrutivas Não-Malignas das Via...Protocolos de Colangiorressonância - Doenças Obstrutivas Não-Malignas das Via...
Protocolos de Colangiorressonância - Doenças Obstrutivas Não-Malignas das Via...DaviVieira54
 
Cirurgia do câncer pancreático
Cirurgia do câncer pancreáticoCirurgia do câncer pancreático
Cirurgia do câncer pancreáticofedericoestudio
 
Trabalho semiologia do abdome.
Trabalho semiologia do abdome.Trabalho semiologia do abdome.
Trabalho semiologia do abdome.Mariana Andrade
 
SESSÃOCLÍNICAANDRÉ.pptx
SESSÃOCLÍNICAANDRÉ.pptxSESSÃOCLÍNICAANDRÉ.pptx
SESSÃOCLÍNICAANDRÉ.pptxAndrMarinho41
 
Colecistite Aguda & Colecistectomia Pós - Pancreatite Aguda
Colecistite Aguda & Colecistectomia Pós - Pancreatite AgudaColecistite Aguda & Colecistectomia Pós - Pancreatite Aguda
Colecistite Aguda & Colecistectomia Pós - Pancreatite AgudaOzimo Gama
 
Câncer de Vesicula biliar
Câncer de Vesicula biliarCâncer de Vesicula biliar
Câncer de Vesicula biliarOncoguia
 
Avaliação da função hepatica e via biliar
Avaliação da função hepatica e via biliarAvaliação da função hepatica e via biliar
Avaliação da função hepatica e via biliarLucas Oliveira
 
Ultrassonografia no Abdome agudo
Ultrassonografia no Abdome agudoUltrassonografia no Abdome agudo
Ultrassonografia no Abdome agudoIared
 
Ca colorretal completo
Ca colorretal   completoCa colorretal   completo
Ca colorretal completoPedro Moura
 
Ictericaobstrutiva
IctericaobstrutivaIctericaobstrutiva
Ictericaobstrutivakalinine
 
Ictericaobstrutiva
IctericaobstrutivaIctericaobstrutiva
Ictericaobstrutivapedroh.braga
 
Cirroseeptica compreendendoeprevenindo-091023135759-phpapp01
Cirroseeptica compreendendoeprevenindo-091023135759-phpapp01Cirroseeptica compreendendoeprevenindo-091023135759-phpapp01
Cirroseeptica compreendendoeprevenindo-091023135759-phpapp01anacristinadias
 
Cirrose Hepática - Compreendendo e Prevenindo
Cirrose Hepática - Compreendendo e PrevenindoCirrose Hepática - Compreendendo e Prevenindo
Cirrose Hepática - Compreendendo e PrevenindoEugênia
 

Semelhante a Diagnóstico por imagem no abdome agudo não traumático (20)

Protocolos de Colangiorressonância - Doenças Obstrutivas Não-Malignas das Via...
Protocolos de Colangiorressonância - Doenças Obstrutivas Não-Malignas das Via...Protocolos de Colangiorressonância - Doenças Obstrutivas Não-Malignas das Via...
Protocolos de Colangiorressonância - Doenças Obstrutivas Não-Malignas das Via...
 
Cirurgia do câncer pancreático
Cirurgia do câncer pancreáticoCirurgia do câncer pancreático
Cirurgia do câncer pancreático
 
7 abdomen agudo
7 abdomen agudo7 abdomen agudo
7 abdomen agudo
 
Trabalho semiologia do abdome.
Trabalho semiologia do abdome.Trabalho semiologia do abdome.
Trabalho semiologia do abdome.
 
SESSÃOCLÍNICAANDRÉ.pptx
SESSÃOCLÍNICAANDRÉ.pptxSESSÃOCLÍNICAANDRÉ.pptx
SESSÃOCLÍNICAANDRÉ.pptx
 
Apendicite
Apendicite Apendicite
Apendicite
 
Colecistite Aguda & Colecistectomia Pós - Pancreatite Aguda
Colecistite Aguda & Colecistectomia Pós - Pancreatite AgudaColecistite Aguda & Colecistectomia Pós - Pancreatite Aguda
Colecistite Aguda & Colecistectomia Pós - Pancreatite Aguda
 
Câncer de Vesicula biliar
Câncer de Vesicula biliarCâncer de Vesicula biliar
Câncer de Vesicula biliar
 
Avaliação da função hepatica e via biliar
Avaliação da função hepatica e via biliarAvaliação da função hepatica e via biliar
Avaliação da função hepatica e via biliar
 
Pancreatite Aguda - Clínica Cirúrgica
Pancreatite Aguda - Clínica CirúrgicaPancreatite Aguda - Clínica Cirúrgica
Pancreatite Aguda - Clínica Cirúrgica
 
Ultrassonografia no Abdome agudo
Ultrassonografia no Abdome agudoUltrassonografia no Abdome agudo
Ultrassonografia no Abdome agudo
 
Aula de enema opaco
Aula de enema opacoAula de enema opaco
Aula de enema opaco
 
Ca colorretal completo
Ca colorretal   completoCa colorretal   completo
Ca colorretal completo
 
Tc abdome proc inflamatorios
Tc abdome   proc inflamatoriosTc abdome   proc inflamatorios
Tc abdome proc inflamatorios
 
Ictericaobstrutiva
IctericaobstrutivaIctericaobstrutiva
Ictericaobstrutiva
 
Ictericaobstrutiva
IctericaobstrutivaIctericaobstrutiva
Ictericaobstrutiva
 
Cirroseeptica compreendendoeprevenindo-091023135759-phpapp01
Cirroseeptica compreendendoeprevenindo-091023135759-phpapp01Cirroseeptica compreendendoeprevenindo-091023135759-phpapp01
Cirroseeptica compreendendoeprevenindo-091023135759-phpapp01
 
Cirrose Hepática - Compreendendo e Prevenindo
Cirrose Hepática - Compreendendo e PrevenindoCirrose Hepática - Compreendendo e Prevenindo
Cirrose Hepática - Compreendendo e Prevenindo
 
Pancreatite
PancreatitePancreatite
Pancreatite
 
Neoplasias Periampulares
Neoplasias PeriampularesNeoplasias Periampulares
Neoplasias Periampulares
 

Diagnóstico por imagem no abdome agudo não traumático

  • 2. ABDOME  AGUDO   •  Condição  clínica  que  tem  como  principal   sintoma  a  dor  abdominal  aguda     •  Avaliação  e  tratamento  rápidos  (clínico  ou   cirúrgico)   •  DiagnósFco  precoce  é  essencial  para  reduzir   morbimortalidade  
  • 3. ABDOME  AGUDO   • ANAMNESE  E  EXAME  FÍSICO   •  Exames  complementares   •  Laboratório  e  imagem  
  • 4. •  Inflamatório:  apendicite,  colecisFte,  pancreaFte,  diverFculite,   DIP,  abscessos  intra-­‐abdominais,  peritonite.   •  PerfuraFvo:  úlcera,  neoplasia  TGI,  amebíase,  febre  Ffoide,   diverXculos  colônicos,  perfuração  iatrogênica  de  alças  intesFnais   ou  do  útero.   •  ObstruFvo:  aderências,  hérnia  estrangulada,  obstrução  pilórica,   volvo,  intussuscepção,  cálculo  biliar,  corpo  estranho,  bolo  de   áscaris.   •  Vascular:  isquemia  intesFnal,  trombose  mesentérica,  torção  do   omento,  torção  ovariana,  infarto  esplênico.   •  Hemorrágico:  gravidez  ectópica,  ruptura  do  baço,  aneurisma  de   aorta  abdominal,  cisto  ovariano  hemorrágico  roto,  necrose   tumoral,  endometriose.  
  • 6. ABDOME  AGUDO  –   SÍNDROMES  CLÍNICAS   •  Inflamatório:  dor  insidiosa  e  com  piora  progressiva,  febre,   peritonite  localizada  ou  difusa.   •  PerfuraFvo:  dor  com  piora  súbita,  intensa,  aguda  e   persistente,  peritonite,  palidez,  sudorese,  evoluindo  para   choque  sépFco  se  não  tratado.   •  ObstruFvo:  distensão,  parada  de  eliminação  de  gases  e   fezes,  náuseas,  vômitos.   •  Vascular:  dor  intensa  súbita,  Fpo  cólica,  desproporcional  ao   exame  `sico.   •  Hemorrágico:  dor  súbita  e  sinais  de  choque  hipovolêmico.  
  • 7. EXAMES  COMPLEMENTARES   •  Exames  direcionados  para  suspeita  clínica   •  Excesso  de  exames  onera  o  sistema  e  atrasa  o  diagnósFco   •  ATB  só  devem  ser  iniciados  após  coleta  dos  exames  iniciais   •  Pacientes  instáveis:  a  coleta  e  realização  de  exames   complementares  não  deve  atrasar  as  medidas  para   estabilização,  nem  a  avaliação  do  cirurgião  
  • 8. RADIOGRAFIA  DE  ABDOME   •  Padrão  do  gás   •  Posição  e  tamanho  das  vísceras  maciças   •  Calcificações  anormais    Pâncreas    Rins  e  bexiga    Vasculares    IntesFno  –  apendicolito   •  Bexiga   •  Ascite  
  • 13. •  Válvulas     Coniventes   IntesFno  delgado  
  • 14. ABDOME  AGUDO  INFLAMATÓRIO   •  RX  simples  de  abdome:  decúbito,  ostostase  e   cúpulas  diafragmáFcas   •  US  de  abdome  é  diagnósFco  na  maioria  dos  casos   •  TC  de  abdome  se  US  não  esclarecer  ou  se  houver   forte  suspeita  de  diverFculite  ou  pancreaFte  
  • 15. APENDICITE  AGUDA   figura 3.apEndiCitE.tC sEm ContrastE idEn- tifiCando a dilatação do apêndiCE (sEta) Com infiltração da gordura adJaCEntE. nóstico de apendicite9 . Mais recentemente, outros autores, como Lane et al.12,13 e Ege et al.14 , usando técnica espiral e sem o uso de meio de contraste, demonstraram sensibilidade de 90%, 96% e 96%, especificidade de 97%, 99% e 98% e figura 2.apEndiCitE. us mostra apêndiCE vEr- miformE dilatado Com parEdEs EspEssadas (sEtas Curtas) E apEndiColito (sEta longa). figura 1.apEndiCitE. radiografia simplEs dE abdomE mostra imagEm dEnsa (sEta), apEndiColito na fossa ilíaCa dirEita. tação e experiência do examinador, devendo- se salientar ainda a dificuldade do exame em pacientes obesos ou com dor abdominal intensa
  • 19. APENDICITE  AGUDA   Medicina (Ribeirão Preto) 2008; 41 (4): 430-6. http://www.fmrp.usp.br/revista perium mitos flatos bridas Figura 3: Peça cirúrgica de apendicite aguda. Nota-se edema e hiperemia secundários ao processo inflamatório. A
  • 20. COLECISTITE  AGUDA   IV na avaliação de alterações peripancreáticas e da morfologia pancreática como alternativa figura 6. ColElitíasE. radiografia simplEs dE ab- domE EvidEnCia imagEns radiopaCas no hipoCôn- drio dirEito (sEta). CálCulos na vEsíCula biliar. Em estudo de Gupta et al.1 , em acordo com outros autores, com 13 pacientes que foram diagnosticados com colecistite aguda, a radio- logia convencional foi positiva em apenas um caso, onde se evidenciaram múltiplas sombras radiopacas no hipocôndrio direito, na topogra- congestiva, doenças renais, adeno pólipos, carcinoma, etc1 . Outros exames, como a colang cia,nãodevemserutilizados,prefer para o diagnóstico de colecistite a outras razões, pelo custo elevado23 figura 7. ColECistitE aguda. us EvidEnCia vEsíCula biliar Com parEdEs EspEssa- das E EdEmaCiadas (sEtas pEQuEnas) E Com grandE CálCulo Em sEu intErior (sEta longa).
  • 24. COLECISTITE  AGUDA   Figura 3: Peça cirúrgica de apendicite aguda. Nota-se edema e hiperemia secundários ao processo inflamatório. Figura 4: Colecistite aguda. Nota-se parede espessada e inflamada e grande quantidade de cálculos em seu interior. Figura B
  • 27. DIVERTICULITE  AGUDA   res recomendam exames radiológicos precoces de rotina em todos os pacientes com suspeita clínica de diverticulite, devido a essas altas taxas de erro diagnóstico e às suas importantes complicações pré e pós-operatórias9 . assim, planejar o tratamento9 . Achados tomo- gráficos na diverticulite incluem espessamento inflamatório da parede intestinal (maior que 5mm, com a distensão luminal adequada), densificação da gordura pericólica, bolhas de ar figura 4. divErtiCulitE.tC Com ContrastEvr. a) sigmoidE Com parEdEs EspEssadas (ElipsE) E divErtíCulos, notando-sE ainda borramEnto da gordura adJaCEntE (sEta); b) mEsmo paCiEntE, CortE Em outro plano, EvidEnCiando sigmoidE Com parEdEs EspEssadas (sEta rEta), borramEnto da gordura adJaCEntE E líQuido livrE (sEta Curva).
  • 29. DIVERTICULITE  AGUDA  COMPLICADA   ABSCESSO  INTRAMURAL  
  • 30. DIVERTICULITE  AGUDA   DIVERTICULOSE                                DIVERTICULITE  
  • 31. PANCREATITE  AGUDA   diferenciar essas duas doenças9 . 1.3 pancrEatitE agUda O diagnóstico da pancreatite aguda é ge- ralmente baseado nos sintomas clínicos e na pancreatite aguda9 . Uma vez estabelecido o diagnóstico da pan- creatite aguda, a intensidade, duração e o tipo de tratamento dependem da definição precoce da gravidade da doença. Essa definição, baseada figura 5. panCrEatitE.tC Com ContrastEvo E iv. pânCrEas Com dimEnsõEs aumEntadas aprEsEntando nECrosE (sEtas). árEa dE parênQuima panCrEátiCo normal (astErisCo).
  • 34. PANCREATITE  AGUDA   ADMISSÃO:  EDEMA  E   HIPOPERFUSÃO   48  HORAS  DO  INÍCIO  DOS  SINTOMAS:   NECROSE  DO  CORPO  E  CAUDA  E   COLEÇÕES  PERIPANCREÁTICAS  
  • 35. URO/URETEROLITÍASE   figura 8. urolitíasE. radiografia simplEs dEsta- Cando CálCulo (sEta) no rim EsQuErdo rabalhos posteriores, que obti- dos semelhantes e animadores9 . 1 com 50 pacientes com abdome eles apresentavam patologias de A radiografia simples evidenciou opaco (Fig. 8) e a US evidenciou ada à hidronefrose (Fig. 9) em tico tomográfico de litíase ure- ravés de sinais diretos, quando ensidade cálcica no interior da dentro da bexiga, ou por sinais indiretos de suas complicações ação da gordura perirrenal e/ou A identificação do cálculo com ade não representa dificuldade. todos os cálculos apresentam-se TC, mesmo os de ácido úrico, figura 8. urolitíasE. radiografia simplEs dEsta- Cando CálCulo (sEta) no rim EsQuErdo figura 9. urolitíasE. us rEnal EvidEnCia impor- tantE hidronEfrosE (astErisCo) dEvido à litíasE (sEta).
  • 42. ABDOME  AGUDO  PERFURATIVO   •  RX  simples  de  abdome:  decúbito,  ortostase  e   cúpulas  diafragmáFcas   •  US  de  abdome  não  ajuda!!   •  TC  de  abdome  se  RX  não  esclarecer  
  • 43. ABDOME  AGUDO  PERFURATIVO   figura 11.apEndagitE EpiploiCa.tC EvidEnCia apêndiCE EpiploiCo inflamado (sEta longa) E EstriaçõEs dEnsas na gordura adJaCEntE (sEta Curta). figura 12. rotina dE abdomE agudo. a) radiografia dE tórax Em ortostatismo E b) radiografia dE abdo- mE Em dECúbito latEral. pnEumopEritônio (sEtas). anormalidade, que é autolimitada e benigna, evita intervenções cirúrgicas desnecessárias, o quejustificaosesforçosparaasuacaracterização por meio da TC9 .
  • 44. ABDOME  AGUDO  PERFURATIVO   Fig. 6.1 — Radiografia de tórax em anteroposterior, com raio central no nível das hemicúpulas. Extenso pneumoperitônio bilateral por diverticulite aguda perfurada, caracterizado por ar livre (setas brancas) coletado entre o fígado (Fig) e o diafragma (ponta de seta branca), e entre o fundo gástrico (Est) e o diafragma. . 82 . © Direitos reservados à EDITORA ATHENEU LTDA Fig. 6.1 — Radiografia de tórax em anteroposterior, com raio central no nível das hemicúpulas. Extenso pneumoperitônio bilateral por diverticulite aguda perfurada, caracterizado por ar livre (setas brancas) coletado entre o fígado (Fig) e o diafragma (ponta de seta branca), e entre o fundo gástrico (Est) e o diafragma. Fig. 6.2 — Radiografia localizada em decúbito lateral esquerdo com o raio incidindo horizontal- mente. Pneumoperitônio. Ar livre (seta branca) entre o fígado (Fig), a parede abdominal lateral e o diafragma (ponta de seta branca). Pulmão (Pu).
  • 45. ABDOME  AGUDO  PERFURATIVO   Fig. 6.3 — Sinal de Rigler. Radio- grafia simples de abdome em de- cúbito dorsal. Alças de intestino delgado distendidas por gás (setas pretas). O gás é observado fora da luz intestinal (seta branca) e no interior de alças intestinais (setas pretas), delineando a parede da alça (ponta de seta branca).
  • 46. ABDOME  AGUDO  PERFURATIVO   SINAL  DE  RIGLER  
  • 48. ABDOME  AGUDO  PERFURATIVO   DiverFculite  complicada  com  perfuração  
  • 49. ABDOME  AGUDO  OBSTRUTIVO   •  RX  simples  de  abdome:  decúbito,  ortostase  e   cúpulas  diafragmáFcas   •  US  de  abdome  não  ajuda!!   •  TC  de  abdome  se  não  houver  resolução  em  48   horas  de  no  clínico  ou  de  acordo  com  a   suspeita  
  • 50. ABDOME  AGUDO  OBSTRUTIVO   figura 13. obstrução intEstinal. rx dE abdomE Em dECúbito dorsal E Em ortostatismo. a) radiografia Em dECúbito EvidEnCiando distEnsão difusa dE alças intEstinais, E b) radiografia Em ortostatismo: prEsEn- ça dE nívEis hidroaérEos, na mEsma alça E nívEis difErEntEs, difusos pElo abdomE (sEtas).
  • 54. OBSTRUÇÃO  EM  ALÇA  FECHADA  
  • 57. figura 14. obstrução intEstinal por volvo. a)tC CortE axial dEmonstra distEnsão dE alças Com nívEl hidroaérEo (sEtas branCas) E sEgmEnto normal dE Cólon (sEtas amarElas); b) rEConstrução no plano Coronal EvidEnCiando o loCal do volvo (sEta Curva amarEla). figura 13. obstrução intEstinal. rx dE abdomE Em dECúbito dorsal E Em ortostatismo. a) radiografia Em dECúbito EvidEnCiando distEnsão difusa dE alças intEstinais, E b) radiografia Em ortostatismo: prEsEn- ça dE nívEis hidroaérEos, na mEsma alça E nívEis difErEntEs, difusos pElo abdomE (sEtas).ABDOME  AGUDO  OBSTRUTIVO  
  • 58. INTUSSUSCEPÇÃO  INTESTINAL   figura 15. intussusCEpção. radiografia simplEs loCalizada no QuadrantE infErior dirEito EvidEn- Cia o “sinal do halo” (sEta). figura 16. intussusCEpção. radiografia simplEs loCalizada no QuadrantE infErior dirEito rEvEla Coluna dE ar ColôniCa intErrompida pElo ContEú- figura 15. intussusCEpção. radiografia simplEs loCalizada no QuadrantE infErior dirEito EvidEn- Cia o “sinal do halo” (sEta). figura 16. intussusCEpção. radiografia simplEs loCalizada no QuadrantE infErior dirEito rEvEla Coluna dE ar ColôniCa intErrompida pElo ContEú- do do intussusCEpto, dEtErminando uma Configu- ração sEmilunar – sinal do mEnisCo (sEta). diagnóstico da intussuscepção intestinal é estar
  • 61. INTUSSUSCEPÇÃO  INTESTINAL   figura 17. intussusCEpção.tC mostra massa lEsão Em Camadas Com árEas altEradas dE baixa E alta atEnuação pEla intErposição da parEdE do intEstino, mEsEntério E líQuido intEstinal, gás ou ContrastE oral, padrão Em salsiCha. (sEta). figura 16. intussusCEpção. radiografia simplEs loCalizada no QuadrantE infErior dirEito rEvEla Coluna dE ar ColôniCa intErrompida pElo ContEú- do do intussusCEpto, dEtErminando uma Configu- ração sEmilunar – sinal do mEnisCo (sEta).
  • 68. ABDOME  AGUDO  VASCULAR   •  RX  simples  de  abdome:  decúbito,  ortostase  e   cúpulas  diafragmáFcas   •  US  de  abdome  não  ajuda!!   •  TC  de  abdome  com  contraste  –  ANGIOTC   (fases  arterial  e  portal)  
  • 69. ABDOME  AGUDO  VASCULAR   aguda submucosa ou intramural. Porém, vá- rios pacientes podem não conseguir ingerir o contraste ou ainda devido à redução da função renal e/ou alteração hidroeletrolítica, a fase com infecção e/ou perfuração intestinal34 . De acordo com a literatura, o achado tomo- gráfico mais frequente de isquemia mesentérica é o espessamento da parede intestinal, presente figura 19. infarto mEsEntériCo. à EsQuErda (tC Com ContrastEvo sEm ContrastE iv): EspEssamEnto pa- riEtal das alças intEstinais (pontas dE sEtas), pnEumatosE intEstinal (pontas dE sEtas) E aorta Com CalCifi- CaçõEs pariEtais (sEta). à dirEita (tC Com ContrastE iv): rEConstrução no plano sagital mostra obstru- ção ComplEta da artéria mEsEntériCa supErior a 2 Cm dE sua origEm (sEta).