Monitora: Isadora Cristina OlesiakCordenonsi
Continuidade;ANATOMIA DE PLEURA                     Fissuras;                     Partes;
CONDIÇÕES SEMELHANTES ATUMOR DE PLEURA   Conceito;   São raras;   Focais ou difusas;
Obs: HematomaFOCAIS         extrapleural          Imitação NÃO         pleural de tumor         pleural;
DIFUSAS
3 PASSOS   1) Pulmonar ou extra-pulmonar   2) Pleural ou extra-pleural   3) Tumor de pleura ou condição semelhante a   ...
PASSOS   1° passo: lesão pulmonar ou extra-pulmonar?Pulmonar: centro          ângulo agudo          engloba os vasos pulm...
PulmonarCarcinomaperiférico decélulas gigantes
ExtrapulmonarLipoma pleural,pacienteassintomática;
Extra-pulmonar
ExtrapulmonarTumor fibrososolitário de pleura
   2° passo: Lesão extrapulmonar é pleural ou não?Lesão pleural:        Centro:        Geralmente não envolve parede torá...
Extra-pulmonar –PLEURALMetástases deadenocarcinomade localizaçãoprimáriadesconhecida;
Extra-pulmonar eEXTRA-PLEURALSinal dagorduraextrapleural;
3° PASSO: TUMOR OU APENAS SEASSEMELHA A UM TUMOR?         Tumores           Condições semelhantes a                       ...
TUMORES PLEURAISTumor maligno pleural: espessamento pleural assimétrico e nodular;Metástases (derrame pleural com nódulos...
TUMORES PLEURAISMetástase “drop”Timoma ou carcinoma tímico
Timomainvasivo comimplantespleurais (dropmetástases)
TUMORES PLEURAIS   Mesotelioma malignoMalignidade primária mais comum da pleura;Associado à exposição ao asbesto;Espessam...
MesoteliomamalignoObs: fissuramaior
TUMORES PLEURAIS   Tumor fibroso solitário de pleuraMaioria benignos;Osteoartropatia hipertrófica;Hipoglicemia;Massa soli...
Homem, 62 anos,massa em ápiceTC: decúbitoventralTC: decúbitodorsalConfirmação :biópsia
3° PASSO: TUMOR OU APENAS SEASSEMELHA A UM TUMOR?         Tumores           Condições semelhantes a                       ...
CONDIÇÕES SEMELHANTESA TUMOR FOCAIS
FOCAIS   PLACA PLEURALAsbesto1° exposição  20 a 30 anosAssintomáticosSem risco de degeneração maligna, mas mais risco  d...
Locais deASBESTOPLACAS PLEURAIS – EXPOSIÇÃO A                          predileção                          Ausente nos    ...
   BAÇO TORÁCICOTrauma  translocação tec. esplênico  espaço  pleural;Rompimento diafragmático ou defeito congênito;3H: ...
Ausência debaço;Diafragmarompido;Nódulos detecido esplênicono ladoesquerdo;
Homem, 40anos, históriaremota deferimento àbalamarcada comtecnécio –esplenoseabdominalacompanhando;
   PNEUMOTÓRAX CATAMENIALEndometriose torácicaPneumotórax recorrente  ciclo menstrual;Implantação de tecido endometrial ...
Goteiraparacólica;Tecidoendometrialectópico corrosão dapleuravisceralpneumotórax24 a 33%pneumotóraxrecorrente emmulheres...
   PNEUMOTÓRAX CATAMENIAL   Dor escapular direita e dor torácica;   Relação com o início da menstruação;   RX: pneumot...
   PNEUMOTÓRAX CATAMENIALPneumotórax recorrente do LD  menstruaçãoDiagnóstico geralmente presuntivo, baseado nas caracte...
   PNEUMOTÓRAX CATAMENIALTerapia hormonal;Reparo das fenestrações diafragmáticas;
PSEUDOTUMOR PLEURAL   Coleção de líquido pleural na fissura;   Retração dos lóbulos em direção ao hilo;   Lobo médio : ...
PSEUDOTUMOR PLEURALRX: diagnóstico na maioria dos casosOpacidade biconvexa na fissura;o   TC quando difícil de relacionar...
IMITAÇÃO NÃO PLEURAL DETUMOR = HEMATOMAEXTRAPLEURAL Trauma contuso; Lesão iatrogênica ou penetrante; Ruptura aórtica;Ro...
HEMATOMA EXTRAPLEURAL TC Geralmente fratura de costela;   Coleção hiperatenuada;   “Sinal da gordura extrapleural”   ...
CONDIÇÕES SEMELHANTESA TUMOR DIFUSAS
ESPESSAMENTO PLEURAL DIFUSO Empiema; Hemotórax; Doença do tecido conjuntivo; Exposição a asbesto;Pleurite inflamatória...
Homem, 84 anos,TB remota comempiema
Homem, 61 anos,TB préviaEspessamentopleural comcalcificação
DOENÇA DE ERDHEIM-CHESTER Multissistêmica rara; Histiocistose de células não-Langerhans;   Esclerose simétrica de ossos...
DOENÇA DE ERDHEIM-CHESTER   47% dor na extremidade dos ossos;   Envolvimento pulmonar : 10 a 23% dos pacientes;     Derr...
DOENÇA DE ERDHEIM-CHESTER   Espessamento pericárdico e pleural ou    espessamento de tecido mole perirrenal;   Radiograf...
Homem, 33 anos,xantogranulomasProcessoinflamatório agudoe crônico;Céls gigantesmultinucleadas;
Homem, 72 anos
Mulher, 33 anosFissuraPericárdioPleuraperirrenal
LINFANGIOMATOSE PULMONARDIFUSA   Proliferação e dilatação de vasos linfáticos ;   Anormalidade congênita;   Adolescente...
LINFANGIOMATOSE PULMONARDIFUSA   Geralmente limitado ao tórax;   Predomínio LS   Espessamento de septos interlobulares ...
LINFANGIOMATOSE PULMONARDIFUSA   Biópsia;   Tratamento conservador;
Mulher 24 anos
CONCLUSÕES
CONCLUSÕES
Condições semelhantes a tumor pleural(1)
Condições semelhantes a tumor pleural(1)
Condições semelhantes a tumor pleural(1)
Condições semelhantes a tumor pleural(1)
Condições semelhantes a tumor pleural(1)
Condições semelhantes a tumor pleural(1)
Condições semelhantes a tumor pleural(1)
Condições semelhantes a tumor pleural(1)
Condições semelhantes a tumor pleural(1)
Condições semelhantes a tumor pleural(1)
Condições semelhantes a tumor pleural(1)
Condições semelhantes a tumor pleural(1)
Condições semelhantes a tumor pleural(1)
Condições semelhantes a tumor pleural(1)
Condições semelhantes a tumor pleural(1)
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Condições semelhantes a tumor pleural(1)

4.260 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.260
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
28
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Condições semelhantes a tumor pleural(1)

  1. 1. Monitora: Isadora Cristina OlesiakCordenonsi
  2. 2. Continuidade;ANATOMIA DE PLEURA Fissuras; Partes;
  3. 3. CONDIÇÕES SEMELHANTES ATUMOR DE PLEURA Conceito; São raras; Focais ou difusas;
  4. 4. Obs: HematomaFOCAIS extrapleural  Imitação NÃO pleural de tumor pleural;
  5. 5. DIFUSAS
  6. 6. 3 PASSOS 1) Pulmonar ou extra-pulmonar 2) Pleural ou extra-pleural 3) Tumor de pleura ou condição semelhante a tumor de pleura.
  7. 7. PASSOS 1° passo: lesão pulmonar ou extra-pulmonar?Pulmonar: centro ângulo agudo engloba os vasos pulmonaresExtrapulmonar ângulo obtuso deslocamento de vasos pulmonares sinal da borda incompleta
  8. 8. PulmonarCarcinomaperiférico decélulas gigantes
  9. 9. ExtrapulmonarLipoma pleural,pacienteassintomática;
  10. 10. Extra-pulmonar
  11. 11. ExtrapulmonarTumor fibrososolitário de pleura
  12. 12.  2° passo: Lesão extrapulmonar é pleural ou não?Lesão pleural: Centro: Geralmente não envolve parede torácica;Lesão extrapleural: Centro: Pode destruir osso e causar deslocamento da gordura extrapleural pra dentro;
  13. 13. Extra-pulmonar –PLEURALMetástases deadenocarcinomade localizaçãoprimáriadesconhecida;
  14. 14. Extra-pulmonar eEXTRA-PLEURALSinal dagorduraextrapleural;
  15. 15. 3° PASSO: TUMOR OU APENAS SEASSEMELHA A UM TUMOR? Tumores Condições semelhantes a tumoro Tumor maligno o Placa pleural; pleural o Endometriose torácica;o “Queda de metástase” o Esplenose o Pseudotumoro Mesotelioma o Espessamento pleural difusoo Tumor fibroso o Linfangiomatose solitário de pleura pulmonar difusa o D. de Erdheim- Chester
  16. 16. TUMORES PLEURAISTumor maligno pleural: espessamento pleural assimétrico e nodular;Metástases (derrame pleural com nódulos) Pulmão, mama, ca primários gastrointestinais;
  17. 17. TUMORES PLEURAISMetástase “drop”Timoma ou carcinoma tímico
  18. 18. Timomainvasivo comimplantespleurais (dropmetástases)
  19. 19. TUMORES PLEURAIS Mesotelioma malignoMalignidade primária mais comum da pleura;Associado à exposição ao asbesto;Espessamento pleural difuso espesso e lobulado;Confirmação histológica;
  20. 20. MesoteliomamalignoObs: fissuramaior
  21. 21. TUMORES PLEURAIS Tumor fibroso solitário de pleuraMaioria benignos;Osteoartropatia hipertrófica;Hipoglicemia;Massa solitária lobulada circunscrita surge da pleura visceral, pode ser pedunculada;
  22. 22. Homem, 62 anos,massa em ápiceTC: decúbitoventralTC: decúbitodorsalConfirmação :biópsia
  23. 23. 3° PASSO: TUMOR OU APENAS SEASSEMELHA A UM TUMOR? Tumores Condições semelhantes a tumoro Tumor maligno o Placa pleural; pleural o Endometriose torácica;o “Queda de metástase” o Esplenose o Pseudotumoro Mesotelioma o Espessamento pleural difusoo Tumor fibroso o Linfangiomatose solitário de pleura pulmonar difusa o D. de Erdheim- Chester
  24. 24. CONDIÇÕES SEMELHANTESA TUMOR FOCAIS
  25. 25. FOCAIS PLACA PLEURALAsbesto1° exposição  20 a 30 anosAssintomáticosSem risco de degeneração maligna, mas mais risco de desenvolver mesotelioma e carcinoma broncogênico;Linfática  fibrose na pleura parietal;Hematogênica
  26. 26. Locais deASBESTOPLACAS PLEURAIS – EXPOSIÇÃO A predileção Ausente nos ângulos costofrênicos e ápices pulmonares; Pleura visceral – raro mas pode dar - fissuras Calcificações RX – 10 a 15% /TC – 15 a 20% Placas hiperdensas com superfície lisa ou nodular;
  27. 27.  BAÇO TORÁCICOTrauma  translocação tec. esplênico  espaço pleural;Rompimento diafragmático ou defeito congênito;3H: 1MAssintomático ou raramente dor torácica;Nódulos múltiplos ou solitário à esquerda e trauma esplênico remoto;Confirmação diagnóstica
  28. 28. Ausência debaço;Diafragmarompido;Nódulos detecido esplênicono ladoesquerdo;
  29. 29. Homem, 40anos, históriaremota deferimento àbalamarcada comtecnécio –esplenoseabdominalacompanhando;
  30. 30.  PNEUMOTÓRAX CATAMENIALEndometriose torácicaPneumotórax recorrente  ciclo menstrual;Implantação de tecido endometrial no espaço pleural – hemidiafragma direito.
  31. 31. Goteiraparacólica;Tecidoendometrialectópico corrosão dapleuravisceralpneumotórax24 a 33%pneumotóraxrecorrente emmulheres emidade fértil;Endometrioseabdominalcoexistente;
  32. 32.  PNEUMOTÓRAX CATAMENIAL Dor escapular direita e dor torácica; Relação com o início da menstruação; RX: pneumotórax à direita; TC: raramente mostra pequenos nódulos pleurais;
  33. 33.  PNEUMOTÓRAX CATAMENIALPneumotórax recorrente do LD  menstruaçãoDiagnóstico geralmente presuntivo, baseado nas características clínicas;Cirurgia torácica video-assistida;
  34. 34.  PNEUMOTÓRAX CATAMENIALTerapia hormonal;Reparo das fenestrações diafragmáticas;
  35. 35. PSEUDOTUMOR PLEURAL Coleção de líquido pleural na fissura; Retração dos lóbulos em direção ao hilo; Lobo médio : grande tendência à retração – fissura menor; Atelectasia e cicatriz Derrame transudativo;
  36. 36. PSEUDOTUMOR PLEURALRX: diagnóstico na maioria dos casosOpacidade biconvexa na fissura;o TC quando difícil de relacionar com a fissura ou tem uma forma não usual;o Resolve com diuréticos ou com tto da causa subajacente;o Se derrame pleural dependente facilita reconhecimento;
  37. 37. IMITAÇÃO NÃO PLEURAL DETUMOR = HEMATOMAEXTRAPLEURAL Trauma contuso; Lesão iatrogênica ou penetrante; Ruptura aórtica;Rompimentos de vasos mamários internos ou vasos intercostais sem rompimento da pleura parietal;Importância
  38. 38. HEMATOMA EXTRAPLEURAL TC Geralmente fratura de costela; Coleção hiperatenuada; “Sinal da gordura extrapleural” Biconvexos  grandes  arterial  cirurgia ou embolização arterial transcateter;
  39. 39. CONDIÇÕES SEMELHANTESA TUMOR DIFUSAS
  40. 40. ESPESSAMENTO PLEURAL DIFUSO Empiema; Hemotórax; Doença do tecido conjuntivo; Exposição a asbesto;Pleurite inflamatória fusão das pleuras;Apagamento do ângulo costofrênico; Maior extensão;Espessamento irregular;Calcificações são frequentes;
  41. 41. Homem, 84 anos,TB remota comempiema
  42. 42. Homem, 61 anos,TB préviaEspessamentopleural comcalcificação
  43. 43. DOENÇA DE ERDHEIM-CHESTER Multissistêmica rara; Histiocistose de células não-Langerhans; Esclerose simétrica de ossos longos; Doenças extra-ósseas – na metade dos pacientes;
  44. 44. DOENÇA DE ERDHEIM-CHESTER 47% dor na extremidade dos ossos; Envolvimento pulmonar : 10 a 23% dos pacientes; Derrame pleural, espessamento de septos interlobulares, nódulos centrolobulares e espessamento pericárdico; Mais em homens idosos; Envolvimento retroperitoneal em 29% dos pacientes  revestimento de tecido mole perirrenal e paraaórtico;
  45. 45. DOENÇA DE ERDHEIM-CHESTER Espessamento pericárdico e pleural ou espessamento de tecido mole perirrenal; Radiografia de ossos longos e cintilografia óssea;
  46. 46. Homem, 33 anos,xantogranulomasProcessoinflamatório agudoe crônico;Céls gigantesmultinucleadas;
  47. 47. Homem, 72 anos
  48. 48. Mulher, 33 anosFissuraPericárdioPleuraperirrenal
  49. 49. LINFANGIOMATOSE PULMONARDIFUSA Proliferação e dilatação de vasos linfáticos ; Anormalidade congênita; Adolescentes e adultos jovens; Dispnéia progressiva  insuficiência respiratória;
  50. 50. LINFANGIOMATOSE PULMONARDIFUSA Geralmente limitado ao tórax; Predomínio LS Espessamento de septos interlobulares e de interstício peribroncovascular; espessamento pleural difuso, infiltrado de gordura mediastinal difuso, derrame pleural, derrame pericárdico; Considerar quando?
  51. 51. LINFANGIOMATOSE PULMONARDIFUSA Biópsia; Tratamento conservador;
  52. 52. Mulher 24 anos
  53. 53. CONCLUSÕES
  54. 54. CONCLUSÕES

×