SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 24
Baixar para ler offline
AILLYN FERNANDA BIANCHI
SUELLEN DA SILVA BERALDO
ANEURISMA DE
AORTA
Clínica Cirúrgica – INTERNATO – I2
Medicina – UNIC
Cuiabá/MT - 2017
INTRODUÇÃO
DEFINIÇÃO: “Dilatação focal e permanente da artéria com
um aumento de pelo menos 50% do diâmetro normal do
vaso.”
 Os aneurismas de aorta abdominal (AAA) são os mais comuns.
 Considera-se um AAA quando o diâmetro do segmento comprometido tiver
pelo menos três centímetros.
 ETIOLOGIA: degeneração da túnica média arterial  aumento lento e
contínuo do lúmen do vaso.
- Degeneração da parede decorrente da doença aterosclerótica;
- Outras causas: infecção, necrose cística da túnica média, artrite,
trauma, doença do tecido conjuntivo e degeneração anastomótica1.
INTRODUÇÃO
 A maioria dos AAA é assintomática e são detectados de
forma ocasional em exames de diagnóstico por imagem
realizados com outros objetivos.
 Evolução Natural Do AAA: aumento do diâmetro  ruptura
parietal.
 Aneurisma verdadeiro  contém as camadas íntima, média e
adventícia.
 ANEURISMAS DEGENERATIVOS 
 Maioria dos aneurisma de aorta torácica
descendente e abdominal;
 Principalmente localizado no segmento aórtico
infrarrenal;
 Distúrbio mais comumente relacionado 
ATEROSCLEROSE.
INTRODUÇÃO
 AA encontrada em jovens? Pensar em: Sd de
Marfan e Sd de Ehlers-Danlos.
 Quando não é realizado o
acompanhamento/tratamento: 75 – 80% dos AA se
rompem aprox. 2-3 anos após o diagnóstico.
 TABAGISMO  Condição mais associada ao AAA,
encontrado em 78% dos casos.
 A TC de abdome é o método de imagem mais
preciso para delinear o aneurisma.
INTRODUÇÃO
RISTOW, A.V. ANEURISMAS DA AORTA ABDOMINAL: Diagnóstico e Tratamento. Projeto Diretrizes SBACV. 2015.
RISTOW, A.V. ANEURISMAS DA AORTA ABDOMINAL: Diagnóstico e Tratamento. Projeto Diretrizes SBACV. 2015.
INTRODUÇÃO
 Aneurismas aórticos se localizam com maior frequência na aorta infrarrenal.
 Classificação de Aneurismas aórticos abdominais:
I – Infrarrenal
II – Justarrenal
III – Pararrenal
IV – Suprarrenal
INTRODUÇÃOANEURISMA DE
AORTA TORÁCICA
FATORES DE RISCO
 IDADE AVANÇADA
 GÊNERO MASCULINO
 TABAGISMO
 HISTÓRICO FAMILIAR POSITIVO PARA AAA
Histórico de outro
aneurisma vascular
Altura elevada
Doença arterial coronariana
Doença cerebrovascular
Homocisteinemia
Raça negra ou asiática
Arteriosclerose
Hipercolesterolemia
Hipertensão
QUADRO CLÍNICO
 MAIORIA ASSINTOMÁTICA
 SINTOMAS INESPECÍFICOS
 DOR ABDOMINAL ATÍPICA
 DOR LOMBAR
QUADRO CLÍNICO
EXAME FÍSICO:
 Método auxiliar de pesquisa para AAA.
 Sensibilidade da palpação para diagnóstico
de AAA maior do que 6 três centímetros 
68% + especificidade de 75%.
QUADRO CLÍNICO
DIAGNÓSTICO
1) Pacientes assintomáticos com histórico familiar
A) USG:
- Método diagnóstico por imagem de escolha para o rastreamento do AAA.
- Técnica não invasiva, de baixo custo, alta sensibilidade (94-100%), alta especificidade (98-100%).
- Estudo randomizado controlado mostrou que ao longo de 10 anos, o rastreamento com USG em
homens com idade entre 64 e 73 anos, leva à redução da mortalidade devido ao AAA em 73%.
- A TC e RM apresentam alta acurácia, mas a aplicação desses métodos é reservada
para avaliação pré e pós cirúrgica.
- O diagnóstico de AAA é realizado em rastreamento de outras doenças abdominais,
destacando-se o câncer colorretal.
- Recomenda-se para homens fumantes, com idade de 65 a 75 anos, realizar o
rastreamento anual do AAA com USG.
DIAGNÓSTICO
USG:
ANEURISMA DE
AORTA
ABDOMINAL
DIAGNÓSTICO
2) Pacientes assintomáticos com AAA
pequenos (<5cm)
NÃO foram encontrados estudos que
mostrem evidências clínicas suficientes
para formulação de conduta nestes
casos.
DIAGNÓSTICO
3) Pacientes sintomáticos com AAA
A) USG:
- Método de escolha para urgência e emergência.
B) TC:
- TC com contraste permite diagnóstico anatômico mais preciso e melhor planejamento pré-cirúrgico, pois
define com mais precisão a localização, tamanho, extensão do aneurisma e acometimento dos ramos da
aorta.
- Tem maior acurácia nas medidas do AAA, permitindo reconstrução tridimensional de melhor qualidade.
- O uso do contraste também permite avaliar se há trombo no interior aneurisma.
- Em pacientes com suspeita de ruptura, a TC, mesmo sem contraste, permite a identificação de hematoma
intramural, trombo heterogêneo ou em remodelação e outros sinais consistentes com expansão aguda e
ruptura iminente.
- Na presença de ruptura aórtica, é evidente o extravasamento sanguíneo extra e/ou intraoperitonial, com
infiltração dos tecidos adjascentes.
DIAGNÓSTICO
TC:
ANEURISMA DE
AORTA
ABDOMINAL
DIAGNÓSTICO
4) Avaliação pré-operatória com métodos
diagnósticos de imagem
TC:
- Método diagnóstico de escolha para planejamento operatório.
- Demonstra com qualidade de imagem a morfologia do AAA, a presença de artérias
renais acessórias ou anormais e a coexistência de doença arterial oclusiva.
USG:
- A USG isolada não é recomendada para avaliação pré-operatória de AAA.
ANGIOGRAFIA COM SUBTRAÇÃO DIGITAL:
- Atualmente não é recomendada para avaliação pré-operatória.
DIAGNÓSTICO
5) Diagnóstico de imagem pós REVA
A) RX:
- Após o implante de endoprótese vascular é importante realizar radiografias simples
nas projeções anteroposterior e lateral para acompanhamento de complicações
relativas ao dispositivo, como fratura ou desconexão entre módulos.
- A radiografia não é capaz de avaliar o diâmetro do aneurisma tratado.
C) TC com meio de contraste:
- Método diagnóstico mais usado para acompanhamento após REVA e o melhor para
diagnóstico de endofuga.
- As desvantagens do uso da TC é a indução de nefrotoxicidade pelo meio de
contraste, a exposição acumulada à radiação ionizante, que é um potencial fator de
risco para o desenvolvimento de neoplasias e seu custo elevado.
– Cessar hábito de fumar;
– Tratamento apropriado para HAS, dislipidemia,
diabetes e outros fatores de risco para
aterosclerose;
– Estatinas, Betabloqueadores, AAS;
– Antibióticos (?) – retardaram a expansão de AAA
pequenos.
TRATAMENTO
1) Tratamento medicamentoso
– Depende do diâmetro do aneurisma, relação risco de ruptura/mortalidade
do procedimento de reparo;
– Aneurismas fusiformes.
– Taxa de crescimento, debilidade da parede (blebs), possibilidade de
presença de infecção (aneurisma micótico), localização, sintomas;
– É impossível distinguir uma dilatação sacular de uma debilidade focal da
parede.
– Momento para correção: controvérsias;
– Otimização de condições médicas associadas antes do reparo.
TRATAMENTO
2) Pacientes assintomáticos
2.1) Pacientes assintomáticos com aneurisma
saculares ou excêntricos (<5 cm)
3) Pacientes sintomáticos
TRATAMENTO
3) AAA Não Roto
A) REVA:
– Anatomia adequada;
B) Cirurgia Aberta:
– Anatomia aórtica complexa;
– Aneurismas justarrenais; ou
– Acometimento das artérias
renais;
C) REVA x Cirurgia Aberta:
– Mortalidade operatória;
– Mulheres;
– Dor pós operatória;
– Tempo de permanência em UTI;
– Tempo de internação hospitalar;
– Complicações;
– Reintervenção.
3) AAA Roto
– REVA Cirurgia Aberta.
3) AAA Roto
TRATAMENTO
4) Seguimento Pós-operatório de AAA
– REVA:
• Após 30 dias: TC e Rx simples AP/Lateral (todos os pacientes);
• Endofuga, posicionamento inadequado: seguimento com TC em 6 e 12
meses - tratamento, se indicado;
• Sem complicações: TC e Rx simples após 12 meses - se adequado:
seguimento anual com USG Doppler e Rx simples;
– Cirurgia Aberta:
• USG doppler colorido e TC após 5, 10 e 15 anos.
– Tipo I e III: tratados o mais rapidamente possível;
– Tipo II: TC fase arterial e tardia (portal);
– Sem aumento de diâmetro: USG e Rx;
– Diâmetro +1cm acima do original do AAA: tratamento;
– Tipo IV e V: sem evidências.
5) Pacientes Portadores de Endofuga
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
 RISTOW, A.V. ANEURISMAS DA AORTA ABDOMINAL: Diagnóstico e Tratamento.
Projeto Diretrizes SBACV. 2015.
OBRIGADA!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Obstrucao intestinal aula
Obstrucao intestinal aulaObstrucao intestinal aula
Obstrucao intestinal aulaMarkley Pereira
 
Sinais do Raio X de Tórax
Sinais do Raio X de TóraxSinais do Raio X de Tórax
Sinais do Raio X de TóraxBrenda Lahlou
 
Choque
ChoqueChoque
Choquedapab
 
Radiologia torácica: Hilos pulmonares e Doenças do Mediastino
Radiologia torácica: Hilos pulmonares e Doenças do MediastinoRadiologia torácica: Hilos pulmonares e Doenças do Mediastino
Radiologia torácica: Hilos pulmonares e Doenças do MediastinoFlávia Salame
 
Infarto agudo do miocárdio (IAM)
Infarto agudo do miocárdio   (IAM)Infarto agudo do miocárdio   (IAM)
Infarto agudo do miocárdio (IAM)Shirley Rodrigues
 
Pneumonias na infância: Pneumonias Adquiridas na Comunidade
Pneumonias na infância: Pneumonias Adquiridas na ComunidadePneumonias na infância: Pneumonias Adquiridas na Comunidade
Pneumonias na infância: Pneumonias Adquiridas na Comunidadeblogped1
 
7. espaços anatômicos do abdome rx do trauma
7. espaços anatômicos do abdome  rx do trauma7. espaços anatômicos do abdome  rx do trauma
7. espaços anatômicos do abdome rx do traumaJuan Zambon
 
Insuficiência Cardíaca Congestiva - ICC
Insuficiência Cardíaca Congestiva - ICCInsuficiência Cardíaca Congestiva - ICC
Insuficiência Cardíaca Congestiva - ICCCíntia Costa
 
Endocardite infecciosa
Endocardite infecciosaEndocardite infecciosa
Endocardite infecciosadapab
 
Bacia obstétrica - aula para graduação de medicina
Bacia obstétrica - aula para graduação de medicinaBacia obstétrica - aula para graduação de medicina
Bacia obstétrica - aula para graduação de medicinaPatricia de Rossi
 
Estadiamento Puberal : Critérios de Tanner
Estadiamento Puberal : Critérios de TannerEstadiamento Puberal : Critérios de Tanner
Estadiamento Puberal : Critérios de Tannerblogped1
 
Bulhas Cardíacas
Bulhas CardíacasBulhas Cardíacas
Bulhas CardíacasKelvia Dias
 
SINDROMES CORONARIANAS AGUDAS
SINDROMES CORONARIANAS AGUDASSINDROMES CORONARIANAS AGUDAS
SINDROMES CORONARIANAS AGUDASMaycon Silva
 

Mais procurados (20)

Hemorragias na gestação
Hemorragias na gestaçãoHemorragias na gestação
Hemorragias na gestação
 
Obstrucao intestinal aula
Obstrucao intestinal aulaObstrucao intestinal aula
Obstrucao intestinal aula
 
Sinais do Raio X de Tórax
Sinais do Raio X de TóraxSinais do Raio X de Tórax
Sinais do Raio X de Tórax
 
Hipertensão Portal
Hipertensão PortalHipertensão Portal
Hipertensão Portal
 
Choque
ChoqueChoque
Choque
 
Radiologia torácica: Hilos pulmonares e Doenças do Mediastino
Radiologia torácica: Hilos pulmonares e Doenças do MediastinoRadiologia torácica: Hilos pulmonares e Doenças do Mediastino
Radiologia torácica: Hilos pulmonares e Doenças do Mediastino
 
Reflexos
ReflexosReflexos
Reflexos
 
Infarto agudo do miocárdio (IAM)
Infarto agudo do miocárdio   (IAM)Infarto agudo do miocárdio   (IAM)
Infarto agudo do miocárdio (IAM)
 
Pneumonias na infância: Pneumonias Adquiridas na Comunidade
Pneumonias na infância: Pneumonias Adquiridas na ComunidadePneumonias na infância: Pneumonias Adquiridas na Comunidade
Pneumonias na infância: Pneumonias Adquiridas na Comunidade
 
7. espaços anatômicos do abdome rx do trauma
7. espaços anatômicos do abdome  rx do trauma7. espaços anatômicos do abdome  rx do trauma
7. espaços anatômicos do abdome rx do trauma
 
Insuficiência Cardíaca Congestiva - ICC
Insuficiência Cardíaca Congestiva - ICCInsuficiência Cardíaca Congestiva - ICC
Insuficiência Cardíaca Congestiva - ICC
 
Iam infarto miocardio -
Iam   infarto miocardio -Iam   infarto miocardio -
Iam infarto miocardio -
 
Endocardite infecciosa
Endocardite infecciosaEndocardite infecciosa
Endocardite infecciosa
 
Bacia obstétrica - aula para graduação de medicina
Bacia obstétrica - aula para graduação de medicinaBacia obstétrica - aula para graduação de medicina
Bacia obstétrica - aula para graduação de medicina
 
Estadiamento Puberal : Critérios de Tanner
Estadiamento Puberal : Critérios de TannerEstadiamento Puberal : Critérios de Tanner
Estadiamento Puberal : Critérios de Tanner
 
Bulhas Cardíacas
Bulhas CardíacasBulhas Cardíacas
Bulhas Cardíacas
 
Infarto agudo do miocárdio
Infarto agudo do miocárdioInfarto agudo do miocárdio
Infarto agudo do miocárdio
 
Laparotomia e fechamento
Laparotomia e fechamentoLaparotomia e fechamento
Laparotomia e fechamento
 
SINDROMES CORONARIANAS AGUDAS
SINDROMES CORONARIANAS AGUDASSINDROMES CORONARIANAS AGUDAS
SINDROMES CORONARIANAS AGUDAS
 
AVC
AVCAVC
AVC
 

Destaque

Diseases of the aorta
Diseases of the aortaDiseases of the aorta
Diseases of the aortaFuad Farooq
 
Gastrosquise - relato de dois casos
Gastrosquise - relato de dois casosGastrosquise - relato de dois casos
Gastrosquise - relato de dois casosMonica Carneiro
 
Sergio juárez estudio de la neurosis obsesiva
Sergio juárez   estudio de la neurosis obsesivaSergio juárez   estudio de la neurosis obsesiva
Sergio juárez estudio de la neurosis obsesivaSergio Rodolfo Juárez L.
 
Trastorno obsesivo compulsivo
Trastorno obsesivo compulsivoTrastorno obsesivo compulsivo
Trastorno obsesivo compulsivoSabrina Farias
 
Trastorno obsesivo compulsivo
Trastorno  obsesivo compulsivoTrastorno  obsesivo compulsivo
Trastorno obsesivo compulsivoGuadalupeGuillen
 
Puericultura
PuericulturaPuericultura
PuericulturaUTPL UTPL
 
ECOSOCSpratlyIslandsConflict
ECOSOCSpratlyIslandsConflictECOSOCSpratlyIslandsConflict
ECOSOCSpratlyIslandsConflictLiaw Jia Xuan
 
Teleportation of a Tripartite Entangled Coherent State
Teleportation of a Tripartite Entangled Coherent StateTeleportation of a Tripartite Entangled Coherent State
Teleportation of a Tripartite Entangled Coherent StateVasudha Pande
 
Circle of Protection Signatories
Circle of Protection SignatoriesCircle of Protection Signatories
Circle of Protection SignatoriesBread for the World
 
Ethical Issues in the Tripartite Relationship
Ethical Issues in the Tripartite RelationshipEthical Issues in the Tripartite Relationship
Ethical Issues in the Tripartite RelationshipBrian Jones
 

Destaque (20)

Prevalência de pacientes tabagistas em uso de psicotrópicos
Prevalência de pacientes tabagistas em uso de psicotrópicosPrevalência de pacientes tabagistas em uso de psicotrópicos
Prevalência de pacientes tabagistas em uso de psicotrópicos
 
Cirurgia Neonatal - Onfalocele e Gastrosquise
Cirurgia Neonatal - Onfalocele e GastrosquiseCirurgia Neonatal - Onfalocele e Gastrosquise
Cirurgia Neonatal - Onfalocele e Gastrosquise
 
Pancreatite Aguda - Clínica Cirúrgica
Pancreatite Aguda - Clínica CirúrgicaPancreatite Aguda - Clínica Cirúrgica
Pancreatite Aguda - Clínica Cirúrgica
 
Diseases of the aorta
Diseases of the aortaDiseases of the aorta
Diseases of the aorta
 
Gastrosquise - relato de dois casos
Gastrosquise - relato de dois casosGastrosquise - relato de dois casos
Gastrosquise - relato de dois casos
 
Sergio juárez estudio de la neurosis obsesiva
Sergio juárez   estudio de la neurosis obsesivaSergio juárez   estudio de la neurosis obsesiva
Sergio juárez estudio de la neurosis obsesiva
 
Folder gastrosquise
Folder gastrosquiseFolder gastrosquise
Folder gastrosquise
 
Pancreatite
PancreatitePancreatite
Pancreatite
 
Las obsesiones 1
Las obsesiones 1Las obsesiones 1
Las obsesiones 1
 
Trastorno obsesivo compulsivo
Trastorno obsesivo compulsivoTrastorno obsesivo compulsivo
Trastorno obsesivo compulsivo
 
Aortic dissection
Aortic dissectionAortic dissection
Aortic dissection
 
Trastorno Obesivo Compulsivo
Trastorno Obesivo CompulsivoTrastorno Obesivo Compulsivo
Trastorno Obesivo Compulsivo
 
Trastorno obsesivo compulsivo
Trastorno  obsesivo compulsivoTrastorno  obsesivo compulsivo
Trastorno obsesivo compulsivo
 
Puericultura
PuericulturaPuericultura
Puericultura
 
Aortic dissection Nightmare
Aortic dissection NightmareAortic dissection Nightmare
Aortic dissection Nightmare
 
ECOSOCSpratlyIslandsConflict
ECOSOCSpratlyIslandsConflictECOSOCSpratlyIslandsConflict
ECOSOCSpratlyIslandsConflict
 
Teleportation of a Tripartite Entangled Coherent State
Teleportation of a Tripartite Entangled Coherent StateTeleportation of a Tripartite Entangled Coherent State
Teleportation of a Tripartite Entangled Coherent State
 
Circle of Protection Signatories
Circle of Protection SignatoriesCircle of Protection Signatories
Circle of Protection Signatories
 
Ethical Issues in the Tripartite Relationship
Ethical Issues in the Tripartite RelationshipEthical Issues in the Tripartite Relationship
Ethical Issues in the Tripartite Relationship
 
Case Signatories ESPH/BH
Case Signatories ESPH/BHCase Signatories ESPH/BH
Case Signatories ESPH/BH
 

Semelhante a Aneurisma de Aorta

Doenças da aorta
Doenças da aortaDoenças da aorta
Doenças da aortadapab
 
Análise crítica do tratamento da doença carotídea hmb
Análise crítica do tratamento da doença carotídea   hmbAnálise crítica do tratamento da doença carotídea   hmb
Análise crítica do tratamento da doença carotídea hmbKate Antunes
 
Hematoma Intra Aórtico
Hematoma Intra AórticoHematoma Intra Aórtico
Hematoma Intra Aórticouhgeri
 
Dr. Arno von Ristow "Cirurgia carotídea e coronária combinada deve ser elimin...
Dr. Arno von Ristow "Cirurgia carotídea e coronária combinada deve ser elimin...Dr. Arno von Ristow "Cirurgia carotídea e coronária combinada deve ser elimin...
Dr. Arno von Ristow "Cirurgia carotídea e coronária combinada deve ser elimin...Academia Nacional de Medicina
 
Tumores benignos do fígado
Tumores benignos do fígadoTumores benignos do fígado
Tumores benignos do fígadogabrielrb87
 
Cuidado com aneurisma
Cuidado com aneurismaCuidado com aneurisma
Cuidado com aneurismaenfmarcelo
 
Coronariopatia No Idoso - Como indicar estudo hemodinâmico?
Coronariopatia No Idoso - Como indicar estudo hemodinâmico?Coronariopatia No Idoso - Como indicar estudo hemodinâmico?
Coronariopatia No Idoso - Como indicar estudo hemodinâmico?Márcio Borges
 
Diretriz sobre dor torácica - papel do ECO
Diretriz sobre dor torácica  - papel do ECODiretriz sobre dor torácica  - papel do ECO
Diretriz sobre dor torácica - papel do ECOgisa_legal
 
Hemorragia subaracnoidea
Hemorragia subaracnoidea Hemorragia subaracnoidea
Hemorragia subaracnoidea Digão Pereira
 
15118905 monitorizacao-invasiva-e-nao-invasiva
15118905 monitorizacao-invasiva-e-nao-invasiva15118905 monitorizacao-invasiva-e-nao-invasiva
15118905 monitorizacao-invasiva-e-nao-invasivaMateus Camargo
 
Ultrassonografia vascular: modo B e Doppler - FLAUS 2014
Ultrassonografia vascular: modo B e Doppler - FLAUS 2014Ultrassonografia vascular: modo B e Doppler - FLAUS 2014
Ultrassonografia vascular: modo B e Doppler - FLAUS 2014Cibele Carvalho
 
Aorta torácica
Aorta torácicaAorta torácica
Aorta torácicaupload718
 

Semelhante a Aneurisma de Aorta (20)

Doenças da aorta
Doenças da aortaDoenças da aorta
Doenças da aorta
 
00 aneurisma de la aorta
00 aneurisma de la aorta00 aneurisma de la aorta
00 aneurisma de la aorta
 
Análise crítica do tratamento da doença carotídea hmb
Análise crítica do tratamento da doença carotídea   hmbAnálise crítica do tratamento da doença carotídea   hmb
Análise crítica do tratamento da doença carotídea hmb
 
Aneurisma
AneurismaAneurisma
Aneurisma
 
Hematoma Intra Aórtico
Hematoma Intra AórticoHematoma Intra Aórtico
Hematoma Intra Aórtico
 
Dr. Arno von Ristow "Cirurgia carotídea e coronária combinada deve ser elimin...
Dr. Arno von Ristow "Cirurgia carotídea e coronária combinada deve ser elimin...Dr. Arno von Ristow "Cirurgia carotídea e coronária combinada deve ser elimin...
Dr. Arno von Ristow "Cirurgia carotídea e coronária combinada deve ser elimin...
 
Aneurismas cerebrais
Aneurismas cerebraisAneurismas cerebrais
Aneurismas cerebrais
 
Tumores benignos do fígado
Tumores benignos do fígadoTumores benignos do fígado
Tumores benignos do fígado
 
Cuidado com aneurisma
Cuidado com aneurismaCuidado com aneurisma
Cuidado com aneurisma
 
Coronariopatia No Idoso - Como indicar estudo hemodinâmico?
Coronariopatia No Idoso - Como indicar estudo hemodinâmico?Coronariopatia No Idoso - Como indicar estudo hemodinâmico?
Coronariopatia No Idoso - Como indicar estudo hemodinâmico?
 
Diretriz sobre dor torácica - papel do ECO
Diretriz sobre dor torácica  - papel do ECODiretriz sobre dor torácica  - papel do ECO
Diretriz sobre dor torácica - papel do ECO
 
Hemorragia subaracnoidea
Hemorragia subaracnoidea Hemorragia subaracnoidea
Hemorragia subaracnoidea
 
MALFORMAÇÃO ARTERIOVENOSA - MAV
MALFORMAÇÃO ARTERIOVENOSA - MAVMALFORMAÇÃO ARTERIOVENOSA - MAV
MALFORMAÇÃO ARTERIOVENOSA - MAV
 
Mavs
MavsMavs
Mavs
 
Síndrome Coronariana Aguda
Síndrome Coronariana AgudaSíndrome Coronariana Aguda
Síndrome Coronariana Aguda
 
15118905 monitorizacao-invasiva-e-nao-invasiva
15118905 monitorizacao-invasiva-e-nao-invasiva15118905 monitorizacao-invasiva-e-nao-invasiva
15118905 monitorizacao-invasiva-e-nao-invasiva
 
Obstrução Arterial Aguda
Obstrução Arterial AgudaObstrução Arterial Aguda
Obstrução Arterial Aguda
 
Ultrassonografia vascular: modo B e Doppler - FLAUS 2014
Ultrassonografia vascular: modo B e Doppler - FLAUS 2014Ultrassonografia vascular: modo B e Doppler - FLAUS 2014
Ultrassonografia vascular: modo B e Doppler - FLAUS 2014
 
Aorta torácica
Aorta torácicaAorta torácica
Aorta torácica
 
Mecredi intensif pa_nce_hsa[1]
Mecredi intensif pa_nce_hsa[1]Mecredi intensif pa_nce_hsa[1]
Mecredi intensif pa_nce_hsa[1]
 

Mais de Aillyn F. Bianchi, Faculdade de Medicina - UNIC

Mais de Aillyn F. Bianchi, Faculdade de Medicina - UNIC (14)

Pé Diabético
Pé DiabéticoPé Diabético
Pé Diabético
 
Pré e Pós Operatório em Cirurgia
Pré e Pós Operatório em CirurgiaPré e Pós Operatório em Cirurgia
Pré e Pós Operatório em Cirurgia
 
Resposta Orgânica ao Trauma
Resposta Orgânica ao TraumaResposta Orgânica ao Trauma
Resposta Orgânica ao Trauma
 
Nutrição em Cirurgia
Nutrição em CirurgiaNutrição em Cirurgia
Nutrição em Cirurgia
 
Meningite e Interpretação do LCR
Meningite e Interpretação do LCRMeningite e Interpretação do LCR
Meningite e Interpretação do LCR
 
Trauma Cranioencefálico - Urgência & Emergência
Trauma Cranioencefálico - Urgência & EmergênciaTrauma Cranioencefálico - Urgência & Emergência
Trauma Cranioencefálico - Urgência & Emergência
 
TOC - Transtorno Obsessivo Compulsivo
TOC - Transtorno Obsessivo CompulsivoTOC - Transtorno Obsessivo Compulsivo
TOC - Transtorno Obsessivo Compulsivo
 
Síndrome de Down
Síndrome de Down   Síndrome de Down
Síndrome de Down
 
Vigilância sanitária: Proteção e Defesa da Saúde
Vigilância sanitária: Proteção e Defesa da SaúdeVigilância sanitária: Proteção e Defesa da Saúde
Vigilância sanitária: Proteção e Defesa da Saúde
 
Osteoartrose Na Terceira Idade
Osteoartrose Na Terceira IdadeOsteoartrose Na Terceira Idade
Osteoartrose Na Terceira Idade
 
Antiparkinsonianos e Anestésicos Gerais
Antiparkinsonianos e Anestésicos GeraisAntiparkinsonianos e Anestésicos Gerais
Antiparkinsonianos e Anestésicos Gerais
 
Esclerodermia - Clínica Médica
Esclerodermia - Clínica MédicaEsclerodermia - Clínica Médica
Esclerodermia - Clínica Médica
 
A oferta de serviços
A oferta de serviços    A oferta de serviços
A oferta de serviços
 
Doença Ulcerosa Péptica
Doença Ulcerosa PépticaDoença Ulcerosa Péptica
Doença Ulcerosa Péptica
 

Aneurisma de Aorta

  • 1. AILLYN FERNANDA BIANCHI SUELLEN DA SILVA BERALDO ANEURISMA DE AORTA Clínica Cirúrgica – INTERNATO – I2 Medicina – UNIC Cuiabá/MT - 2017
  • 2. INTRODUÇÃO DEFINIÇÃO: “Dilatação focal e permanente da artéria com um aumento de pelo menos 50% do diâmetro normal do vaso.”  Os aneurismas de aorta abdominal (AAA) são os mais comuns.  Considera-se um AAA quando o diâmetro do segmento comprometido tiver pelo menos três centímetros.  ETIOLOGIA: degeneração da túnica média arterial  aumento lento e contínuo do lúmen do vaso. - Degeneração da parede decorrente da doença aterosclerótica; - Outras causas: infecção, necrose cística da túnica média, artrite, trauma, doença do tecido conjuntivo e degeneração anastomótica1.
  • 3. INTRODUÇÃO  A maioria dos AAA é assintomática e são detectados de forma ocasional em exames de diagnóstico por imagem realizados com outros objetivos.  Evolução Natural Do AAA: aumento do diâmetro  ruptura parietal.  Aneurisma verdadeiro  contém as camadas íntima, média e adventícia.  ANEURISMAS DEGENERATIVOS   Maioria dos aneurisma de aorta torácica descendente e abdominal;  Principalmente localizado no segmento aórtico infrarrenal;  Distúrbio mais comumente relacionado  ATEROSCLEROSE.
  • 4. INTRODUÇÃO  AA encontrada em jovens? Pensar em: Sd de Marfan e Sd de Ehlers-Danlos.  Quando não é realizado o acompanhamento/tratamento: 75 – 80% dos AA se rompem aprox. 2-3 anos após o diagnóstico.  TABAGISMO  Condição mais associada ao AAA, encontrado em 78% dos casos.  A TC de abdome é o método de imagem mais preciso para delinear o aneurisma.
  • 5. INTRODUÇÃO RISTOW, A.V. ANEURISMAS DA AORTA ABDOMINAL: Diagnóstico e Tratamento. Projeto Diretrizes SBACV. 2015. RISTOW, A.V. ANEURISMAS DA AORTA ABDOMINAL: Diagnóstico e Tratamento. Projeto Diretrizes SBACV. 2015.
  • 6. INTRODUÇÃO  Aneurismas aórticos se localizam com maior frequência na aorta infrarrenal.  Classificação de Aneurismas aórticos abdominais: I – Infrarrenal II – Justarrenal III – Pararrenal IV – Suprarrenal
  • 8. FATORES DE RISCO  IDADE AVANÇADA  GÊNERO MASCULINO  TABAGISMO  HISTÓRICO FAMILIAR POSITIVO PARA AAA Histórico de outro aneurisma vascular Altura elevada Doença arterial coronariana Doença cerebrovascular Homocisteinemia Raça negra ou asiática Arteriosclerose Hipercolesterolemia Hipertensão
  • 9. QUADRO CLÍNICO  MAIORIA ASSINTOMÁTICA  SINTOMAS INESPECÍFICOS  DOR ABDOMINAL ATÍPICA  DOR LOMBAR
  • 10. QUADRO CLÍNICO EXAME FÍSICO:  Método auxiliar de pesquisa para AAA.  Sensibilidade da palpação para diagnóstico de AAA maior do que 6 três centímetros  68% + especificidade de 75%.
  • 12. DIAGNÓSTICO 1) Pacientes assintomáticos com histórico familiar A) USG: - Método diagnóstico por imagem de escolha para o rastreamento do AAA. - Técnica não invasiva, de baixo custo, alta sensibilidade (94-100%), alta especificidade (98-100%). - Estudo randomizado controlado mostrou que ao longo de 10 anos, o rastreamento com USG em homens com idade entre 64 e 73 anos, leva à redução da mortalidade devido ao AAA em 73%. - A TC e RM apresentam alta acurácia, mas a aplicação desses métodos é reservada para avaliação pré e pós cirúrgica. - O diagnóstico de AAA é realizado em rastreamento de outras doenças abdominais, destacando-se o câncer colorretal. - Recomenda-se para homens fumantes, com idade de 65 a 75 anos, realizar o rastreamento anual do AAA com USG.
  • 14. DIAGNÓSTICO 2) Pacientes assintomáticos com AAA pequenos (<5cm) NÃO foram encontrados estudos que mostrem evidências clínicas suficientes para formulação de conduta nestes casos.
  • 15. DIAGNÓSTICO 3) Pacientes sintomáticos com AAA A) USG: - Método de escolha para urgência e emergência. B) TC: - TC com contraste permite diagnóstico anatômico mais preciso e melhor planejamento pré-cirúrgico, pois define com mais precisão a localização, tamanho, extensão do aneurisma e acometimento dos ramos da aorta. - Tem maior acurácia nas medidas do AAA, permitindo reconstrução tridimensional de melhor qualidade. - O uso do contraste também permite avaliar se há trombo no interior aneurisma. - Em pacientes com suspeita de ruptura, a TC, mesmo sem contraste, permite a identificação de hematoma intramural, trombo heterogêneo ou em remodelação e outros sinais consistentes com expansão aguda e ruptura iminente. - Na presença de ruptura aórtica, é evidente o extravasamento sanguíneo extra e/ou intraoperitonial, com infiltração dos tecidos adjascentes.
  • 17. DIAGNÓSTICO 4) Avaliação pré-operatória com métodos diagnósticos de imagem TC: - Método diagnóstico de escolha para planejamento operatório. - Demonstra com qualidade de imagem a morfologia do AAA, a presença de artérias renais acessórias ou anormais e a coexistência de doença arterial oclusiva. USG: - A USG isolada não é recomendada para avaliação pré-operatória de AAA. ANGIOGRAFIA COM SUBTRAÇÃO DIGITAL: - Atualmente não é recomendada para avaliação pré-operatória.
  • 18. DIAGNÓSTICO 5) Diagnóstico de imagem pós REVA A) RX: - Após o implante de endoprótese vascular é importante realizar radiografias simples nas projeções anteroposterior e lateral para acompanhamento de complicações relativas ao dispositivo, como fratura ou desconexão entre módulos. - A radiografia não é capaz de avaliar o diâmetro do aneurisma tratado. C) TC com meio de contraste: - Método diagnóstico mais usado para acompanhamento após REVA e o melhor para diagnóstico de endofuga. - As desvantagens do uso da TC é a indução de nefrotoxicidade pelo meio de contraste, a exposição acumulada à radiação ionizante, que é um potencial fator de risco para o desenvolvimento de neoplasias e seu custo elevado.
  • 19. – Cessar hábito de fumar; – Tratamento apropriado para HAS, dislipidemia, diabetes e outros fatores de risco para aterosclerose; – Estatinas, Betabloqueadores, AAS; – Antibióticos (?) – retardaram a expansão de AAA pequenos. TRATAMENTO 1) Tratamento medicamentoso
  • 20. – Depende do diâmetro do aneurisma, relação risco de ruptura/mortalidade do procedimento de reparo; – Aneurismas fusiformes. – Taxa de crescimento, debilidade da parede (blebs), possibilidade de presença de infecção (aneurisma micótico), localização, sintomas; – É impossível distinguir uma dilatação sacular de uma debilidade focal da parede. – Momento para correção: controvérsias; – Otimização de condições médicas associadas antes do reparo. TRATAMENTO 2) Pacientes assintomáticos 2.1) Pacientes assintomáticos com aneurisma saculares ou excêntricos (<5 cm) 3) Pacientes sintomáticos
  • 21. TRATAMENTO 3) AAA Não Roto A) REVA: – Anatomia adequada; B) Cirurgia Aberta: – Anatomia aórtica complexa; – Aneurismas justarrenais; ou – Acometimento das artérias renais; C) REVA x Cirurgia Aberta: – Mortalidade operatória; – Mulheres; – Dor pós operatória; – Tempo de permanência em UTI; – Tempo de internação hospitalar; – Complicações; – Reintervenção. 3) AAA Roto – REVA Cirurgia Aberta. 3) AAA Roto
  • 22. TRATAMENTO 4) Seguimento Pós-operatório de AAA – REVA: • Após 30 dias: TC e Rx simples AP/Lateral (todos os pacientes); • Endofuga, posicionamento inadequado: seguimento com TC em 6 e 12 meses - tratamento, se indicado; • Sem complicações: TC e Rx simples após 12 meses - se adequado: seguimento anual com USG Doppler e Rx simples; – Cirurgia Aberta: • USG doppler colorido e TC após 5, 10 e 15 anos. – Tipo I e III: tratados o mais rapidamente possível; – Tipo II: TC fase arterial e tardia (portal); – Sem aumento de diâmetro: USG e Rx; – Diâmetro +1cm acima do original do AAA: tratamento; – Tipo IV e V: sem evidências. 5) Pacientes Portadores de Endofuga
  • 23. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS  RISTOW, A.V. ANEURISMAS DA AORTA ABDOMINAL: Diagnóstico e Tratamento. Projeto Diretrizes SBACV. 2015.