SlideShare uma empresa Scribd logo

Aula_4_-modelos_de_atenção.pdf

modelos de saude

1 de 42
Baixar para ler offline
Universidade Federal Fluminense
Instituto de Saúde Coletiva
Departamento de Saúde e Sociedade
Modelos de Atenção à Saúde
Carinne Magnago
Modelos
de atenção
à saúde
• Formas de organização tecnológica do
processo de prestação de serviços de
saúde que resultam do estabelecimento
de intermediações entre o técnico (fazer
profissional) e o político (políticas)
Recapitulando...
Modelo sanitarista-campanhista
 Início do século XX até a década de 1920
 Voltado para o controle das endemias
 Saúde pública
 Campanhas de prevenção
 Saúde individual era privada ou por caridade
Modelo médico privatista
 Começa a se delinear a partir de 1923
 Início da Previdência
 Medicina individual privatista
 Medicina curativa
 Modelo biomédico
 Complexo médico-industrial
Aula_4_-modelos_de_atenção.pdf
Anúncio

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Aula_4_-modelos_de_atenção.pdf

Breve história da mfc, diagnóstico comunitário e planejamento do diagnóstico ...
Breve história da mfc, diagnóstico comunitário e planejamento do diagnóstico ...Breve história da mfc, diagnóstico comunitário e planejamento do diagnóstico ...
Breve história da mfc, diagnóstico comunitário e planejamento do diagnóstico ...Ricardo Alexandre
 
História da saúde da família e princípios da mfc
História da saúde da família e princípios da mfcHistória da saúde da família e princípios da mfc
História da saúde da família e princípios da mfcRicardo Alexandre
 
O cuidado em saúde mental
O cuidado em saúde mentalO cuidado em saúde mental
O cuidado em saúde mentalIasmin Castro
 
Aula Saude da família.pptx
Aula Saude da família.pptxAula Saude da família.pptx
Aula Saude da família.pptxMarianeBarbosa26
 
ATENÇÃO PRIMÁRIA EM SAÚDE.pptx
ATENÇÃO PRIMÁRIA EM SAÚDE.pptxATENÇÃO PRIMÁRIA EM SAÚDE.pptx
ATENÇÃO PRIMÁRIA EM SAÚDE.pptxssuser51d27c1
 
1. Aula introdutória sobre Atenção Básica_ reformulada.pdf
1. Aula introdutória sobre Atenção Básica_ reformulada.pdf1. Aula introdutória sobre Atenção Básica_ reformulada.pdf
1. Aula introdutória sobre Atenção Básica_ reformulada.pdfpamelacastro71
 
Atenção Básica e seu financiamento - Heider Pinto
 Atenção Básica e seu financiamento - Heider Pinto Atenção Básica e seu financiamento - Heider Pinto
Atenção Básica e seu financiamento - Heider PintoHêider Aurélio Pinto
 
Atenção básica no município de Osório
Atenção básica no município de OsórioAtenção básica no município de Osório
Atenção básica no município de OsórioEduc&Saude
 
Humaniza sus atencao_basica
Humaniza sus atencao_basicaHumaniza sus atencao_basica
Humaniza sus atencao_basicaCinthia13Lima
 
Conteúdo_teórico_MODULO_3_Bioética_e_Atribuições
Conteúdo_teórico_MODULO_3_Bioética_e_AtribuiçõesConteúdo_teórico_MODULO_3_Bioética_e_Atribuições
Conteúdo_teórico_MODULO_3_Bioética_e_Atribuiçõesaagapesantamarcelina
 
2020_Aula_APS_ESF_Farmácia_Deison_Gabriela.pdf
2020_Aula_APS_ESF_Farmácia_Deison_Gabriela.pdf2020_Aula_APS_ESF_Farmácia_Deison_Gabriela.pdf
2020_Aula_APS_ESF_Farmácia_Deison_Gabriela.pdfAndreRavienni
 
Especialização em Saúde da Família UNA - SUS
Especialização em Saúde da Família UNA - SUSEspecialização em Saúde da Família UNA - SUS
Especialização em Saúde da Família UNA - SUSSebástian Freire
 
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)Luis Dantas
 

Semelhante a Aula_4_-modelos_de_atenção.pdf (20)

Breve história da mfc, diagnóstico comunitário e planejamento do diagnóstico ...
Breve história da mfc, diagnóstico comunitário e planejamento do diagnóstico ...Breve história da mfc, diagnóstico comunitário e planejamento do diagnóstico ...
Breve história da mfc, diagnóstico comunitário e planejamento do diagnóstico ...
 
História da saúde da família e princípios da mfc
História da saúde da família e princípios da mfcHistória da saúde da família e princípios da mfc
História da saúde da família e princípios da mfc
 
O cuidado em saúde mental
O cuidado em saúde mentalO cuidado em saúde mental
O cuidado em saúde mental
 
Apresentação atenção básica esf
Apresentação atenção básica   esfApresentação atenção básica   esf
Apresentação atenção básica esf
 
Aps
ApsAps
Aps
 
Aula Saude da família.pptx
Aula Saude da família.pptxAula Saude da família.pptx
Aula Saude da família.pptx
 
Modelo de atenção à saúde
Modelo de atenção à saúdeModelo de atenção à saúde
Modelo de atenção à saúde
 
ATENÇÃO PRIMÁRIA EM SAÚDE.pptx
ATENÇÃO PRIMÁRIA EM SAÚDE.pptxATENÇÃO PRIMÁRIA EM SAÚDE.pptx
ATENÇÃO PRIMÁRIA EM SAÚDE.pptx
 
Programa de Saúde da Família (PSF
Programa de Saúde da Família (PSFPrograma de Saúde da Família (PSF
Programa de Saúde da Família (PSF
 
Trabalho sobre o Programa de Saúde da Família
Trabalho sobre o Programa de Saúde da FamíliaTrabalho sobre o Programa de Saúde da Família
Trabalho sobre o Programa de Saúde da Família
 
Atencao basica-psf (1)
Atencao basica-psf (1)Atencao basica-psf (1)
Atencao basica-psf (1)
 
1. Aula introdutória sobre Atenção Básica_ reformulada.pdf
1. Aula introdutória sobre Atenção Básica_ reformulada.pdf1. Aula introdutória sobre Atenção Básica_ reformulada.pdf
1. Aula introdutória sobre Atenção Básica_ reformulada.pdf
 
Atenção Básica e seu financiamento - Heider Pinto
 Atenção Básica e seu financiamento - Heider Pinto Atenção Básica e seu financiamento - Heider Pinto
Atenção Básica e seu financiamento - Heider Pinto
 
Atenção básica no município de Osório
Atenção básica no município de OsórioAtenção básica no município de Osório
Atenção básica no município de Osório
 
Humaniza sus atencao_basica
Humaniza sus atencao_basicaHumaniza sus atencao_basica
Humaniza sus atencao_basica
 
Conteúdo_teórico_MODULO_3_Bioética_e_Atribuições
Conteúdo_teórico_MODULO_3_Bioética_e_AtribuiçõesConteúdo_teórico_MODULO_3_Bioética_e_Atribuições
Conteúdo_teórico_MODULO_3_Bioética_e_Atribuições
 
2020_Aula_APS_ESF_Farmácia_Deison_Gabriela.pdf
2020_Aula_APS_ESF_Farmácia_Deison_Gabriela.pdf2020_Aula_APS_ESF_Farmácia_Deison_Gabriela.pdf
2020_Aula_APS_ESF_Farmácia_Deison_Gabriela.pdf
 
Especialização em Saúde da Família UNA - SUS
Especialização em Saúde da Família UNA - SUSEspecialização em Saúde da Família UNA - SUS
Especialização em Saúde da Família UNA - SUS
 
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)
 
Modelos assistenciais
Modelos assistenciaisModelos assistenciais
Modelos assistenciais
 

Mais de ssuser51d27c1

Trabalhando em Grupos na AB.pptx
Trabalhando em Grupos na AB.pptxTrabalhando em Grupos na AB.pptx
Trabalhando em Grupos na AB.pptxssuser51d27c1
 
SISTEMA CIRCULATÓRIO II novo.pptx
SISTEMA CIRCULATÓRIO II novo.pptxSISTEMA CIRCULATÓRIO II novo.pptx
SISTEMA CIRCULATÓRIO II novo.pptxssuser51d27c1
 
AS TEORIAS PEDAGÓGICAS.ppt
AS TEORIAS PEDAGÓGICAS.pptAS TEORIAS PEDAGÓGICAS.ppt
AS TEORIAS PEDAGÓGICAS.pptssuser51d27c1
 
educaçao em saude aula 01.pptx
educaçao em saude aula 01.pptxeducaçao em saude aula 01.pptx
educaçao em saude aula 01.pptxssuser51d27c1
 
slaid educação permanente.pptx
slaid educação permanente.pptxslaid educação permanente.pptx
slaid educação permanente.pptxssuser51d27c1
 
DOENÇA CORONARIANA.pptx
DOENÇA CORONARIANA.pptxDOENÇA CORONARIANA.pptx
DOENÇA CORONARIANA.pptxssuser51d27c1
 
AULA DIA 27.04.2021.pptx
AULA DIA 27.04.2021.pptxAULA DIA 27.04.2021.pptx
AULA DIA 27.04.2021.pptxssuser51d27c1
 
VIGIALNICIA EM SAUDE - HISTORIA.pptx
VIGIALNICIA EM SAUDE - HISTORIA.pptxVIGIALNICIA EM SAUDE - HISTORIA.pptx
VIGIALNICIA EM SAUDE - HISTORIA.pptxssuser51d27c1
 
atribuição da enfermagem.pptx
atribuição da enfermagem.pptxatribuição da enfermagem.pptx
atribuição da enfermagem.pptxssuser51d27c1
 
aula 02 politicas publicas.pptx
aula 02 politicas publicas.pptxaula 02 politicas publicas.pptx
aula 02 politicas publicas.pptxssuser51d27c1
 
impactos ambientais.pptx
 impactos ambientais.pptx impactos ambientais.pptx
impactos ambientais.pptxssuser51d27c1
 
DEGRADAÇÃO DO SOLO.pptx
DEGRADAÇÃO DO SOLO.pptxDEGRADAÇÃO DO SOLO.pptx
DEGRADAÇÃO DO SOLO.pptxssuser51d27c1
 
TERRITORIALIZAÇÃO.pptx
TERRITORIALIZAÇÃO.pptxTERRITORIALIZAÇÃO.pptx
TERRITORIALIZAÇÃO.pptxssuser51d27c1
 
indicadores de saude.pptx
indicadores de saude.pptxindicadores de saude.pptx
indicadores de saude.pptxssuser51d27c1
 
Biossegurança e resíduos de serviços de saúde (1).pptx
Biossegurança e resíduos de serviços de saúde (1).pptxBiossegurança e resíduos de serviços de saúde (1).pptx
Biossegurança e resíduos de serviços de saúde (1).pptxssuser51d27c1
 
CIDADES SAUDÁVEIS aula 05.pptx
CIDADES SAUDÁVEIS aula 05.pptxCIDADES SAUDÁVEIS aula 05.pptx
CIDADES SAUDÁVEIS aula 05.pptxssuser51d27c1
 
prevenção de poluição.pptx
prevenção de poluição.pptxprevenção de poluição.pptx
prevenção de poluição.pptxssuser51d27c1
 

Mais de ssuser51d27c1 (20)

Trabalhando em Grupos na AB.pptx
Trabalhando em Grupos na AB.pptxTrabalhando em Grupos na AB.pptx
Trabalhando em Grupos na AB.pptx
 
SISTEMA CIRCULATÓRIO II novo.pptx
SISTEMA CIRCULATÓRIO II novo.pptxSISTEMA CIRCULATÓRIO II novo.pptx
SISTEMA CIRCULATÓRIO II novo.pptx
 
AS TEORIAS PEDAGÓGICAS.ppt
AS TEORIAS PEDAGÓGICAS.pptAS TEORIAS PEDAGÓGICAS.ppt
AS TEORIAS PEDAGÓGICAS.ppt
 
educaçao em saude aula 01.pptx
educaçao em saude aula 01.pptxeducaçao em saude aula 01.pptx
educaçao em saude aula 01.pptx
 
slaid educação permanente.pptx
slaid educação permanente.pptxslaid educação permanente.pptx
slaid educação permanente.pptx
 
DOENÇA CORONARIANA.pptx
DOENÇA CORONARIANA.pptxDOENÇA CORONARIANA.pptx
DOENÇA CORONARIANA.pptx
 
AULA DIA 27.04.2021.pptx
AULA DIA 27.04.2021.pptxAULA DIA 27.04.2021.pptx
AULA DIA 27.04.2021.pptx
 
VIGIALNICIA EM SAUDE - HISTORIA.pptx
VIGIALNICIA EM SAUDE - HISTORIA.pptxVIGIALNICIA EM SAUDE - HISTORIA.pptx
VIGIALNICIA EM SAUDE - HISTORIA.pptx
 
atribuição da enfermagem.pptx
atribuição da enfermagem.pptxatribuição da enfermagem.pptx
atribuição da enfermagem.pptx
 
08 abdome.pptx
08 abdome.pptx08 abdome.pptx
08 abdome.pptx
 
DANT DCNT.pptx
DANT DCNT.pptxDANT DCNT.pptx
DANT DCNT.pptx
 
aula 02 politicas publicas.pptx
aula 02 politicas publicas.pptxaula 02 politicas publicas.pptx
aula 02 politicas publicas.pptx
 
impactos ambientais.pptx
 impactos ambientais.pptx impactos ambientais.pptx
impactos ambientais.pptx
 
DEGRADAÇÃO DO SOLO.pptx
DEGRADAÇÃO DO SOLO.pptxDEGRADAÇÃO DO SOLO.pptx
DEGRADAÇÃO DO SOLO.pptx
 
DHAA.pptx
DHAA.pptxDHAA.pptx
DHAA.pptx
 
TERRITORIALIZAÇÃO.pptx
TERRITORIALIZAÇÃO.pptxTERRITORIALIZAÇÃO.pptx
TERRITORIALIZAÇÃO.pptx
 
indicadores de saude.pptx
indicadores de saude.pptxindicadores de saude.pptx
indicadores de saude.pptx
 
Biossegurança e resíduos de serviços de saúde (1).pptx
Biossegurança e resíduos de serviços de saúde (1).pptxBiossegurança e resíduos de serviços de saúde (1).pptx
Biossegurança e resíduos de serviços de saúde (1).pptx
 
CIDADES SAUDÁVEIS aula 05.pptx
CIDADES SAUDÁVEIS aula 05.pptxCIDADES SAUDÁVEIS aula 05.pptx
CIDADES SAUDÁVEIS aula 05.pptx
 
prevenção de poluição.pptx
prevenção de poluição.pptxprevenção de poluição.pptx
prevenção de poluição.pptx
 

Último

amazonicarosa-com-br-pv2-pvlippgkvlafafi3vjd86d1-240107103257-661a7832.pdf
amazonicarosa-com-br-pv2-pvlippgkvlafafi3vjd86d1-240107103257-661a7832.pdfamazonicarosa-com-br-pv2-pvlippgkvlafafi3vjd86d1-240107103257-661a7832.pdf
amazonicarosa-com-br-pv2-pvlippgkvlafafi3vjd86d1-240107103257-661a7832.pdfdaianebarbosaribeiro
 
NR-10-RECICLAGEM-de-Eletricidade-Basica-pptx.pdf
NR-10-RECICLAGEM-de-Eletricidade-Basica-pptx.pdfNR-10-RECICLAGEM-de-Eletricidade-Basica-pptx.pdf
NR-10-RECICLAGEM-de-Eletricidade-Basica-pptx.pdfMariadeFtimaUchoas
 
Vencendo a Depressão: Um Guia para a Recuperação
Vencendo a Depressão: Um Guia para a RecuperaçãoVencendo a Depressão: Um Guia para a Recuperação
Vencendo a Depressão: Um Guia para a Recuperaçãodouglasmeira456
 
Guia de Vigilância em Saúde 6 ed. vol.1
Guia de Vigilância em  Saúde 6 ed. vol.1Guia de Vigilância em  Saúde 6 ed. vol.1
Guia de Vigilância em Saúde 6 ed. vol.1MarciaFigueiredodeSo
 
Segurança com Explosivos na Mineração.ppt
Segurança com Explosivos na Mineração.pptSegurança com Explosivos na Mineração.ppt
Segurança com Explosivos na Mineração.pptRodineiGoncalves
 
DESCUBRA O SEGREDOE PARE DE VEZ DE FUMAR...
DESCUBRA O SEGREDOE PARE DE VEZ DE FUMAR...DESCUBRA O SEGREDOE PARE DE VEZ DE FUMAR...
DESCUBRA O SEGREDOE PARE DE VEZ DE FUMAR...bibygmachadodesouza
 

Último (6)

amazonicarosa-com-br-pv2-pvlippgkvlafafi3vjd86d1-240107103257-661a7832.pdf
amazonicarosa-com-br-pv2-pvlippgkvlafafi3vjd86d1-240107103257-661a7832.pdfamazonicarosa-com-br-pv2-pvlippgkvlafafi3vjd86d1-240107103257-661a7832.pdf
amazonicarosa-com-br-pv2-pvlippgkvlafafi3vjd86d1-240107103257-661a7832.pdf
 
NR-10-RECICLAGEM-de-Eletricidade-Basica-pptx.pdf
NR-10-RECICLAGEM-de-Eletricidade-Basica-pptx.pdfNR-10-RECICLAGEM-de-Eletricidade-Basica-pptx.pdf
NR-10-RECICLAGEM-de-Eletricidade-Basica-pptx.pdf
 
Vencendo a Depressão: Um Guia para a Recuperação
Vencendo a Depressão: Um Guia para a RecuperaçãoVencendo a Depressão: Um Guia para a Recuperação
Vencendo a Depressão: Um Guia para a Recuperação
 
Guia de Vigilância em Saúde 6 ed. vol.1
Guia de Vigilância em  Saúde 6 ed. vol.1Guia de Vigilância em  Saúde 6 ed. vol.1
Guia de Vigilância em Saúde 6 ed. vol.1
 
Segurança com Explosivos na Mineração.ppt
Segurança com Explosivos na Mineração.pptSegurança com Explosivos na Mineração.ppt
Segurança com Explosivos na Mineração.ppt
 
DESCUBRA O SEGREDOE PARE DE VEZ DE FUMAR...
DESCUBRA O SEGREDOE PARE DE VEZ DE FUMAR...DESCUBRA O SEGREDOE PARE DE VEZ DE FUMAR...
DESCUBRA O SEGREDOE PARE DE VEZ DE FUMAR...
 

Aula_4_-modelos_de_atenção.pdf

  • 1. Universidade Federal Fluminense Instituto de Saúde Coletiva Departamento de Saúde e Sociedade Modelos de Atenção à Saúde Carinne Magnago
  • 2. Modelos de atenção à saúde • Formas de organização tecnológica do processo de prestação de serviços de saúde que resultam do estabelecimento de intermediações entre o técnico (fazer profissional) e o político (políticas)
  • 4. Modelo sanitarista-campanhista  Início do século XX até a década de 1920  Voltado para o controle das endemias  Saúde pública  Campanhas de prevenção  Saúde individual era privada ou por caridade
  • 5. Modelo médico privatista  Começa a se delinear a partir de 1923  Início da Previdência  Medicina individual privatista  Medicina curativa  Modelo biomédico  Complexo médico-industrial
  • 8. Vigilância em saúde Entendida como referência conceitual para a construção de um modelo de atenção integral à saúde Intervenção sobre os problemas de saúde Ênfase em problemas que requerem atenção e acompanhamento contínuo Operacionalização do conceito de risco Articulação entre as ações de promoção, prevenção, recuperação e reabilitação Atuação intersetorial e ações sobre o território
  • 10. Biomédico x Vigilância em Saúde MODELO BIOMÉDICO VIGILÂNCIA EM SAÚDE Saúde como ausência de doença Saúde como qualidade de vida (conceito ampliado – DSS) Práticas clientelistas e privatistas Prestação de serviços de saúde como direito de cidadania Atenção do indivíduo Atenção do coletivo Atenção no doente Atenção na pessoa saudável Hospital como unidade central dominante Princípio de hierarquização e regionalização
  • 11. Biomédico x Vigilância em Saúde MODELO BIOMÉDICO VIGILÂNCIA EM SAÚDE Domínio de intervenção do profissional médico Predomínio de intervenção de equipes interdisciplinares Não considera a realidade e autonomia local e não valoriza a participação comunitária Considera a participação comunitária e garante autonomia para as equipes nas ações de planejamento em nível local Atendimento da demanda espontânea Atendimentos em torno da demanda organizada e acolhimento Corpo fragmentado e estímulo a prática médica especializada Percepção integral do ser humano, articulando as ações de promoção da, prevenção e recuperação
  • 13. Atenção Básica  Orientadora do sistema de saúde: organiza os fluxos dos serviços nas redes de saúde (referência e contrarreferência)  Coordenadora do cuidado “conjunto de ações de saúde individuais, familiares e coletivas que envolvem promoção, prevenção, proteção, diagnóstico, tratamento, reabilitação, redução de danos, cuidados paliativos e vigilância em saúde” (PNAB, 2017)
  • 14. SUS organizado em Rede Atenção Básica é o centro de comunicação das Redes de Atenção à Saúde Conjuntos de serviços de saúde, vinculados entre si por uma missão única, por objetivos comuns e por uma ação cooperativa e interdependente, que permitem ofertar uma atenção contínua e integral a determinada população (Mendes, 2011).
  • 15.  Prioritária para a expansão e consolidação da Atenção Básica  Inspirada em modelos internacionais: Cuba, Reino Unido, Canadá (Medicina de Família)  1991: Programa de Agentes Comunitários de Saúde (PACS) - Experiência bem sucedida no Ceará com a redução da mortalidade infantil  Criada pelo Ministério da Saúde em 1994 como Programa Saúde da Família (PSF) - Estratégia Saúde da Família (ESF) Estratégia Saúde da Família
  • 16.  Demanda crescente por serviços de saúde: integralidade, universalidade, equidade, regionalização, hierarquização e conformação de redes, controle social  Necessidades de saúde: adequar a oferta de serviços  Diminuir os gastos com a saúde Por que a Estratégia Saúde da Família?
  • 17.  Necessidade de trabalho intersetorial e territorial  Prevê resolutividade de 85% dos problemas de saúde  Mudar os perfis de risco e adoecimento da população de uma área específica Por que a Estratégia Saúde da Família?
  • 18. Princípios operacionalizados possibilitar o acesso universal a serviços de saúde de qualidade e resolutivos (primeiro contato) ofertar o cuidado, reconhecendo as diferenças nas condições de vida e saúde e de acordo com as necessidades das pessoas conjunto de serviços executados pela equipe de saúde que atendam às necessidades da população adscrita
  • 19. Diretrizes operacionalizadas Regionalização e Hierarquização Territorialização e Adstrição Cuidado Centrado na Pessoa Logitudinalidade Intersetorialidade Resolutividade
  • 20. Diretrizes operacionalizadas Regionalização e Hierarquização Territorialização e Adstrição Cuidado Centrado na Pessoa Resolutividade
  • 21. Diretrizes operacionalizadas Territorialização e Adstrição Cuidado Centrado na Pessoa Resolutividade Território: espaço onde serão desenvolvidas as ações setoriais e intersetoriais com impacto na situação, nos condicionantes e determinantes da saúde das pessoas e coletividades que constituem aquele espaço e estão, portanto, adstritos a ele (2.000-3.500 pessoas). Regionalização e Hierarquização
  • 22. Diretrizes operacionalizadas Territorialização e Adstrição Cuidado Centrado na Pessoa Resolutividade Clínica ampliada que oferece um cuidado singular e compartilhado que estimule a autonomia das pessoas e o desenvolvimento de competências e a confiança necessária para que possam gerir e tomar decisões sobre sua própria saúde e cuidado. Regionalização e Hierarquização Longitudinalidade do cuidado: continuidade da relação de cuidado, com construção de vínculo e responsabilização entre profissionais e usuários. Participação da comunidade
  • 23. Diretrizes operacionalizadas Territorialização e Adstrição Intersetorialidade Resolutividade Problemas complexos e mal estruturados que se manifestam num território- processo não podem ser enfrentados numa perspectiva unisetorial Regionalização e Hierarquização A intersetorialidade busca uma unidade do fazer, e está associada à vinculação, reciprocidade e complementaridade na ação humana: reconhece a multiplicidade dos olhares sobre uma realidade multiforme.
  • 24. Diretrizes operacionalizadas Territorialização e Adstrição Cuidado Centrado na Pessoa Resolutividade Capaz de resolver a grande maioria dos problemas de saúde da população, coordenando o cuidado do usuário em outros pontos da redes. Regionalização e Hierarquização
  • 25. Foco: família  Núcleo das relações sociais  O conceito de família é histórico e cultural  A família contemporânea se apresenta sob estruturas pouco tradicionais  Os laços de consanguinidade não são os únicos para a formação da família  Os problemas de saúde afetam o indivíduo e família
  • 29. Repercussões nas práticas de saúde Alta complexidade (profundo conhecimento), mas de baixa densidade tecnológica (procedimento mais simples e baratos)
  • 30. Trabalho na Atenção Básica Operacionalizado por equipes multiprofissionais Equipes de Saúde Bucal Núcleo Ampliado de Saúde da Família e Atenção Básica Equipes de Saúde da Família Estratégia de Agentes Comunitários de Saúde Equipes de atenção básica para populações específicas (ribeirinhas, prisionais, de rua)
  • 31. Trabalho na Atenção Básica Operacionalizado por equipes multiprofissionais Equipes de Saúde da Família: médico, enfermeiro, auxiliar e/ou técnico de enfermagem e agente comunitário de saúde (e ainda agente de combate a endemias) Equipes de Saúde Bucal: cirurgião- dentista, técnico em saúde bucal e/ou auxiliar de saúde bucal
  • 32. Trabalho na Atenção Básica Operacionalizado por equipes multiprofissionais Núcleo Ampliado de Saúde da Família e Atenção Básica: equipe multiprofissional e interdisciplinar complementar às equipes que atuam na Atenção Básica, atuando de maneira integrada para dar suporte (clínico, sanitário e pedagógico). Assistente Social; Profissional de Educação Física; Farmacêutico; Fisioterapeuta; Fonoaudiólogo; Nutricionista; Psicólogo; Terapeuta Ocupacional; Médico Veterinário, arte educador) sanitarista e outras especialidades médicas
  • 33. Trabalho na Atenção Básica Trabalho em equipe colaborativo com vistas à integralidade da atenção e à otimização dos resultados de saúde
  • 34. Inserção do farmacêutico na Atenção Básica Integrar as equipes do NASF -> apoio matricial Em saúde, o apoio matricial se configura como uma retaguarda especializada que oferece suporte técnico- pedagógico às equipes de referências, as quais são as equipes responsáveis pela condução de um caso individual, familiar ou comunitário.
  • 35. Inserção do farmacêutico na Atenção Básica Participar do projeto terapêutico singular (PTS): Conjunto de propostas de condutas terapêuticas articuladas para um indivíduo, uma família ou um grupo que resulta da discussão coletiva de uma equipe interdisciplinar com Apoio Matricial.
  • 36. Inserção do farmacêutico na Atenção Básica Educação Permanente Solucionar os problemas dos serviços Melhorar o atendimento prestado aos usuários Transformar as práticas profissionais Organizar o trabalho Modalidade político-pedagógica e teórico-metodológica que se operacionaliza a partir da análise das necessidades de saúde da população, dos serviços e dos trabalhadores. Acontece no e para o trabalho em saúde.
  • 37. Inserção do farmacêutico na Atenção Básica Atuação junto aos programas de controle de doenças e agravos: tuberculose, hanseníase, hipertensão etc. Ações de promoção da saúde  Desenvolver a Assistência Farmacêutica e a Atenção Farmacêutica
  • 38. Inserção do farmacêutico na Atenção Básica
  • 39. Síntese do conteúdo Modelo Tradicional X Estratégia Saúde da Família: https://www.youtube.com/watch?v=EQOqfmUMGMQ
  • 41. Referências Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 2.436, de 21 de setembro de 2017. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 2017. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Departamento de Assistência Farmacêutica e Insumos Estratégicos. Serviços farmacêuticos na atenção básica à saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2014. Fertonani, H. P.; Pires, D. E. P.; Biff, D. et al. Modelo assistencial em saúde: conceitos e desafios para a atenção básica brasileira. Ciência & Saúde Coletiva, v. 20, n. 6, p. 1869-1878, 2015. Mendes, E. V. As redes de atenção à saúde. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde, 2011. Oliveira, M. A. C. O.; Pereira, I. C. Atributos essenciais da Atenção Primária e a Estratégia Saúde da Família. Revista Brasileira de Enfermagem, v. 66, n. esp., p. 158-164, 2013.
  • 42. Farma