SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 40
Baixar para ler offline
Política de Atenção Básica
e seu Financiamento
Conselho Nacional de Saúde - COFIN
Brasília, 23 de fevereiro de 2017
Hêider A. Pinto
Discurso x Recursos
 Embora a frase “prevenir é melhor que remediar” seja um
lugar comum nos discursos, há abissal distância entre o
discurso e a prática no SUS
 É central na análise de políticas públicas analisar a
tradução dos programas em recursos e estudar as
mudanças na alocação dos mesmos no transcorrer da
implementação da política
 O estudo do orçamento é um dos caminhos necessários
ao entendimento daquilo que, na política, de fato, é
prioridade e entra na agenda de governo, coincidindo
ou não com o discurso oficial
(PINTO, no prelo)
A saúde e a sociedade
 Cecília Donnangelo, em Saúde e Sociedade, analisa a saúde
na estrutura social e o processo de medicalização
A saúde para a economia
Reprodução da força de trabalho, produtividade, controle de
custos...
Saneamento, higiene, exportações...
Setor saúde como setor econômico e social
Sucessão de modos de realização de lucro
Complexo médico industrial – financeirização da saúde
Expansão do setor público: mercado e legitimação social
Discurso que considera que o desenvolvimento científico tenha
historicidade dos meios, mas não dos fins
Biopoder
O Modelo de Atenção Hegemônico
 O chamado modelo médico-hospitalar (neo)liberal privatista,
que precisa de atualizações em seu nome se caracteriza por:
 Centrado na doença em vez de na pessoa e sua saúde, no corpo
do indivíduo em vez de na pessoa, família, na coletividade e
contexto (determinantes sociais)
 Concepção biomédica-ocidental em prejuízo de uma integral e de
que se apoie também em outros paradigmas
 Centrada em procedimentos médicos e não no usuário e na
recuperação da saúde e não na integralidade
 Uniprofissional em vez de multiprofissional e relação autoritária
(disciplina, biopoder) com usuário
 Centrada no hospital, não considera o sistema com ações
intersetoriais e integrais no território, tendo na AB sua principal porta
de entrada articulada a toda a rede de serviços
A saúde como política
 Emerson Merhy, em Saúde Pública como política, analisa os
modelos tecnoassistenciais em saúde
Política Pública: quando uma necessidade de um grupo social
vira questão social, objeto da ação do Estado
Os modelos de atenção são, antes de tudo, políticas públicas
que satisfazem certos interesses, que definem o uso dos recursos,
que produzem beneficiados e prejudicados e que definem uma
certa forma de organizar os serviços
Formulação x modelo assistencial x decisão x política
O que é a Atenção
Básica?
Política Nacional de Atenção Básica
“um conjunto de ações de saúde, no âmbito individual e
coletivo, que abrangem a promoção e a proteção da
saúde, a prevenção de agravos, o diagnóstico, o
tratamento, a reabilitação e a manutenção da saúde
com o objetivo de desenvolver uma atenção integral que
impacte na situação de saúde e autonomia das pessoas
e nos determinantes e condicionantes de saúde das
coletividades”
(PNAB 2011)
Atenção Básica no Brasil
 Deve considerar o cidadão/usuário em sua singularidade e
inserção sociocultural, buscando produzir a atenção integral
 Deve ser realizada por meio do exercício de práticas de
cuidado e gestão, democráticas e participativas, sob forma
de trabalho em equipe
 Deve ser dirigida a populações de territórios delimitados,
pelas quais assume a responsabilidade sanitária
(PNAB 2011)
Atenção Básica no Brasil
 É composta por serviços responsáveis pela oferta das
ações de saúde de AB que devem: ter o mais alto grau
de descentralização e capilaridade; estar próximo de
onde vivem as pessoas; ser o contato preferencial dos
usuários; ser a principal porta de entrada do sistema de
saúde; e ser o centro de comunicação da Rede de
Atenção à Saúde
(PNAB 2011)
Atenção Básica no Brasil
 Ao todo, a AB está presente (e é obrigatório que esteja)
em todos os 5.570 municípios da federação
Estratégia de Saúde da Família em 98% deles
 São aproximadamente 42 mil Unidades Básicas de
Saúde e 40 mil equipes de saúde da família
 Aproximadamente 700 mil trabalhadores
Nova Política Nacional de
AB (PNAB)
O CNS e a PNAB
 Resolução nº 439 (de 04/2011) do Conselho Nacional de
Saúde (CNS) foi norteadora da nova PNAB:
 Mobilizar todos os esforços e forças sociais para aumentar a
destinação de recursos p/ AB, especialmente nas União e
Estados
 Que a AB seja efetivamente a principal porta de entrada do
SUS, com agenda aberta e acolhimento humanizado em
todas UBS, capaz de prestar atenção integral resolutiva,
equânime e multiprofissional, com condições de coordenar e
garantir o cuidado do usuário mesmo quando ele necessita
de serviços de apoio diagnóstico e terapêutico em outras
redes e níveis de atenção
 Que o controle social, a participação da comunidade em
cada serviço e coletas sistemáticas da opinião e satisfação do
usuário sejam fatores permanentes de crítica, correção e
orientação da PNAB
 Que se intensifiquem os esforços e criem novas políticas que
visem garantir profissionais de saúde em todas as regiões e
localidades do país, principalmente nas mais vulneráveis e de
difícil acesso, universalizando de fato o direito à saúde
 Que o MS e as secretarias estaduais e municipais aprimorem e
qualifiquem os mecanismos de controle, fiscalização do
cumprimento de responsabilidades e tomem medidas de
avaliação da qualidade dos serviços de AB
O CNS e a PNAB
Desafios da Nova PNAB
 Financiamento
Reestruturação e aumento do financiamento da AB
 Infraestrutura
Programa de Requalificação das UBS (5,4 bilhões para 26 mil
obras em 5 mil municípios)
 Informatização e uso da informação
SISAB + eSUS + Banda Larga + Telessaúde
 Cobertura, acesso e redução dos tempos de espera com
especial atenção a grupos e populações específicas
Novas equipes (ribeirinhas, UBS fluviais, consultório na rua)
Mais Médicos e PMAQ
 Melhoria da qualidade (integralidade, resolubilidade,
longitudinalidade etc.)
PMAQ (90% dos municípios aderidos)
NASF de 1,3 para 4,4 mil e todos municípios passaram a poder
 Promoção da saúde e ação intersetorial
Nova Política de Alimentação e Nutrição e pactos do sódio
Academia da Saúde e Programa Saúde na Escola
 Mudança dos modelos de atenção e gestão
PMAQ
 Gestão da educação e do trabalho – ações junto à SGTES
 Participação popular e legitimidade social – ações junto à
SGEP, comunicação e Presidência
Desafios da Nova PNAB
Um estudo sobre o
financiamento
de 1996 a 2014
Financiamento da Atenção Básica
 Componentes do Financiamento:
Conceito que permite identificar no todo subconjuntos que
obedecem, simultaneamente, a alguns critérios distintivos:
as regras que definem quem é o beneficiário;
as pré-condições que lhe permite receber ou acessar o recurso;
a quantidade de recurso envolvida;
a origem orçamentária do mesmo;
a orientação normativa de sua utilização;
e o papel que cumpre no contexto da política em análise
(PINTO, no prelo)
Novo financiamento da Atenção Básica
 Formulado no contexto do processo de construção do
Decreto 7508/2011 que regulamentou a lei 8080/1990
 Território – população – necessidade - equidade
Componente per capta
 Oferta – organização dos serviços – modelo de atenção
 Componente de Indução da Estratégia de Saúde da Família
Componente de Expansão – Mais Médicos
 Resultados
Componente de Qualidade - PMAQ
 Investimento
Requalifica UBS
Financiamento da Atenção Básica
 Componente per capta
 Criado em 1996 começou a ser repassado em 1998
 R$ 10,00 habitante ao ano
 Transição do modelo anterior (procedimentos) para o novo
exigiu mais recursos (para não haver “perdedores”)
 Perda de valor de 40% de 1999-2002
 Valor aumentou pouco acima da inflação de 2003 a 2010
 Mudança em 2011 – Fator de Equidade (PIB, pop. extrema
pobreza etc.) constituindo 4 grupos de municípios com,
respectivamente 70%, 20%, 7% e 3% do total
 Aumento robusto com recuperação da perda histórica para
os 70% mais pobres (R$ 28,00 hab./ano)
Per capita nacional de 2002 a 2014 comparado com o valor de referência
de 1998 corrigido pela inflação IPCA
Ano Per Capita Nacional
(A)
Per Capita 98 Corrigido (B) Razão A/B
1998 10,00 Valor de Referência
2002 10,43 14,03 0,74
2006 13,88 17,99 0,77
2010 18,15 21,99 0,83
2014 24,70 27,93 0,88
Financiamento da Atenção Básica
 Componente da Estratégia de Saúde da Família e
Componente de Expansão (Programa Mais Médicos)
 Representando até 2011 todo o PAB Variável, foi crescendo
mais que o PAB Fixo expressando uma certa opção do MS
 Perdeu valor unitário de 1999-2002
 Cresceu muito acima da inflação de 2003 a 2014
 Se diversificou em 2011 (novos tipos de equipes e
multiprofissionalização)
 Mesmo com aumento expressivo, a cobertura estagnou de
2007 a 2013
 Mais Médicos retomou a ampliação de cobertura em 2013
Financiamento da Atenção Básica
 Componente de Qualidade (PMAQ) criado em 2011
 Inaugurou nova lógica de repasse de recursos na PNAB
 Financiava não só as equipes da ESF, mas qualquer equipe de
AB que conseguisse implantar e mudar processos de trabalho
esperados e alcançar resultados pactuados
Infraestrutura da UBS, equipamentos, medicamentos,
investimento na educação permanente e na gestão do
trabalho, apoio da gestão municipal à equipe, acesso e
qualidade, articulação com a rede, resultados em saúde e
satisfação do usuário
 O repasse em função do desempenho na avaliação do
Programa (vários instrumentos: visita in loco, entrevistas de
trabalhadores usuários
Valores totais do PABF, PABV e da soma de ambos em valores absolutos e
percentuais nos quadriênios
Ano PABF
(A)
PABF
% do Total
PABV
(B)
PABV
% do total
Total
(A +B)
1998 1,17 bi 89,1% 0,14 bi 10,9% 1,32 bi
2002 1,82 bi 59,0% 1,27 bi 41,0% 3,09 bi
2006 2,58 bi 43,8% 3,30 bi 56,2% 5,88 bi
2010 3,46 bi 36,9% 5,92 bi 63,1% 9,38 bi
2014 4,96 bi 30,8% 11,17 bi 69,2% 16,13 bi
PABV per capita e por eSF anuais e relações com inflação e população
coberta pela ESF
Ano 1998 2002 2006 2010 2014
PABV em bilhões de reais 0,14 1,27 3,30 5,92 11,17
PABV per capita anual em reais (A) 0,9 7,3 17,8 29,3 55,6
Cobertura das eSF 7% 33% 46% 52% 63%
“A” de 1998 corrigido pela inflação e
cobertura (B)
0,9 6,2 11,5 15,8 24,0
A/B 1,0 1,19 1,55 1,85 2,31
PABV anual por eSF em milhares de
reais (C)
47 76 124 177 285
Aumento de “C”, acima da inflação,
em relação ao quadriênio anterior
- -6,3% 22,6% 20,2% 33,5%
Equidade Distribuição
Programa Mais Médicos
0,17
0,12
0,11
0,09 0,09 0,09
0,06 0,06
7 - Extrema
Pobreza
6 - Áreas
vulneráveis
4 - Grupo I do
PAB
5 - G100 BRASIL 2 - Grupo II
do PAB
1 - Grupos III e
IV do PAB
3 - Capitais e
RM
Médicos por Mil hab
Médicos por Mil hab
Programa Mais Médicos
Novo financiamento da Atenção Básica
 Território – população – necessidade -
equidade
Componente per capta -
 Oferta – organização dos serviços –
modelo de atenção
 Componente da Estratégia de Saúde
da Família e Expansão (PMM)
 Resultados
Componente de Qualidade - PMAQ
 Investimento
Requalifica UBS
 20% dos recursos da
AB
 55% dos recursos
 10% dos recursos
 15% dos recursos
Recursos da Atenção Básica (AB) de 2002 a 2014, total e per
capita, e comparação com inflação e com o total do MS
Ano Total AB
(Bilhões)
Per
Capita
ano
(X)
Aumento de “X”,
acima inflação,
com relação ao
quadriênio anterior
Per capita 2002
corrigido pela
inflação (Y)
X/Y % da AB
no Geral
do MS
2002 3,09 17,7 - 17,7 1,0 10,8%
2006 5,88 31,7 48% 23,2 1,4 13,3%
2010 9,27 48,6 31% 28,3 1,7 13,9%
2014 20,39 101,4 81% 36,0 2,8 19,2%
Algumas conclusões sobre o Financiamento da
Atenção Básica (PINTO, no prelo)
 A transição do modelo de financiamento anterior (por
procedimento) para o normatizado na NOB96 (PAB transferido
fundo a fundo) exigiu aumento dos recursos da AB para que
não houvesse “perdedores” com a mudança
 Essa estruturação do financiamento federal foi uma opção
estratégica do MS ligada à decisão de mudar o modelo de
organização da AB no Brasil: interessava custear a ESF, não
outro modelo
 Houve crescimento da proporção de recursos do MS alocados
na AB, de 10,8% em 2002 para 19,2% em 2014 (aceleração de
2011-2014 de 13,9% para 19,2%)
Algumas conclusões sobre o Financiamento da
Atenção Básica (PINTO, no prelo)
 Os municípios assumem a maior parte dos custos da AB
70% em 2002, 57% em 2011 e 50% ($ da saúde em geral: em 2014,
os municípios assumiram 31% e a União 42%)
Modelo exige que o município coloque 1 a 2 reais para cada
real da união
 Não sobram recursos para a AB no município (salvo raríssimos
casos), mesmo com ela muito aquém das necessidades e do
modelo apontado na PNAB
 Participação dos estados no financiamento da AB é pequena
(9%), irregular, heterogênea (minoria repassa) e, quase
sempre, utiliza mecanismos conveniais e excessivamente
discricionários
Algumas conclusões sobre o Financiamento da
Atenção Básica (PINTO, no prelo)
 Gasto em saúde no Brasil é muito baixo se comparado com
parâmetros internacionais e a proporção do gasto em AB no
gasto em saúde é ainda pior
Gasto em saúde: Comparação internacional (% PIB)
Fonte: OECD Health Data 2013. World Bank: Health expenditure, public (% of GDP); Health expenditure per capita (current US$); GDP per capita
(current US$); Health expenditure per capita (current US$).
Gasto em saúde: Comparação internacional
Fonte: OECD Health Data 2013. World Bank: Health expenditure, public (% of GDP); Health expenditure
per capita (current US$); GDP per capita (current US$); Health expenditure per capita (current US$).
Riscos no contexto atual
Contexto atual
 A maior parte dos custos da AB recai sobre o orçamento
próprio dos município
 O esforço de 2011-2014 já começa a se perder: em 2017, já
acumula 18% de perda em seu valor real se comparado
com 2014 (interrompendo 12 anos de aumentos acima da
inflação)
 EC n°95 congela os recursos por 20 anos e reduzem o gasto
em saúde do governo federal do padrão de 1,6% do PIB
para aproximadamente 1%. Há perda de
aproximadamente 40% do total de recursos federais da
saúde (prejuízo acumulado de 400 bilhões para o SUS)
 Resultado: redução da participação da União no
financiamento da saúde e redução também na AB
Organização e aperfeiçoamento ou
desregulamentação do financiamento?
 É fundamental avançar no aperfeiçoamento do
financiamento do SUS
Garantindo mais equidade e respondendo às necessidades
sociais
Apontando para a expansão do acesso, mudança do modelo
de atenção, organização e inovação nos serviços e qualidade
Pactuando, reconhecendo e valorizando resultados e
experiências exitosas
Investindo de modo planejado e em perspectiva regional
Dando mais liberdade nos meios, mas exigindo mais
compromisso com as finalidades e resultados
 Mas o que se está fazendo não é isso
Crítica da desregulamentação do
financiamento
 Começa pelo fim sem construir a base e o começo dando
uma resposta simples e insuficiente para um problema
complexo
Experiências de mudança bem sucedidas aportaram mais
recursos e foram implementadas em etapas com estudo e
acompanhamento
 Desrespeita a Lei 141 ao mudar o orçamento sem aprovação
do CNS e não constrói um processo de formulação com
ampla participação
 Não enfrenta os reais problemas:
Necessidade de mais recursos; critérios de rateio e mínimo de
exigência para não haver retrocessos
Crítica da desregulamentação do
financiamento
 Cenário de riscos legais para os gestores municipais
Caso a Portarias que normatizou o recursos não seja revogada
ou modificada, o gestor não pode contrariar a norma
A menos que se mude a LOA o gestor não pode usar recurso de
um objeto em outro (da AB nas UPAS, por exemplo)
 Cenário de desvio dos recursos da AB e Vigilância
Áreas essenciais como AB e Vigilância perderão recursos para
áreas economicamente e politicamente mais poderosas ou
demandantes (hospitais, prestação de serviços do setor privado,
OSS, cooperativas de apoio diagnóstico e terapêutico etc.)
Mesmo com participação popular, repete-se a fórmula da
reforma trabalhista: a negociação local coloca desiguais para
debaterem num cenário no qual o mínimo não está garantido
Obrigado!!!
Hêider A. Pinto
Heider Pinto – Facebook
@heiderpinto – Twitter
Canal Heider Pinto - Youtube
heiderpinto.saúde@gmail.com - email

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Ap. nova pnab junho 2011 - dab sas - ms
Ap. nova pnab   junho 2011 - dab sas - msAp. nova pnab   junho 2011 - dab sas - ms
Ap. nova pnab junho 2011 - dab sas - msgerenciaeq
 
Política nacional de atenção básica, 4ª edição
Política nacional de atenção básica, 4ª ediçãoPolítica nacional de atenção básica, 4ª edição
Política nacional de atenção básica, 4ª ediçãoeriiclima
 
Nova pnab -_portaria_no_2488_0
Nova pnab -_portaria_no_2488_0Nova pnab -_portaria_no_2488_0
Nova pnab -_portaria_no_2488_0Flávio Posseti
 
6. novas legislações port nova pnab
6. novas legislações port nova pnab6. novas legislações port nova pnab
6. novas legislações port nova pnabLeonardo Savassi
 
Política Nacional de Atenção básica
Política Nacional de Atenção básicaPolítica Nacional de Atenção básica
Política Nacional de Atenção básicaRenata Cadidé
 
PNAB principais ações
PNAB principais açõesPNAB principais ações
PNAB principais açõestmunicipal
 
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)apemfc
 
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)Luis Dantas
 
Gestão da Estratégia Saúde da Família
Gestão da Estratégia Saúde da FamíliaGestão da Estratégia Saúde da Família
Gestão da Estratégia Saúde da FamíliaAilton Lima Ribeiro
 
Resumo esf
Resumo esfResumo esf
Resumo esfVia Seg
 
História da saúde da família e princípios da mfc
História da saúde da família e princípios da mfcHistória da saúde da família e princípios da mfc
História da saúde da família e princípios da mfcRicardo Alexandre
 
Curso Introduorio ESF - Conteudo teorico modulo 2 - Aula 2
Curso Introduorio ESF - Conteudo teorico modulo 2 - Aula 2Curso Introduorio ESF - Conteudo teorico modulo 2 - Aula 2
Curso Introduorio ESF - Conteudo teorico modulo 2 - Aula 2eadsantamarcelina
 
SISTEMAS LOCAIS DE SAÚDE – SILOS (DS)
SISTEMAS LOCAIS DE SAÚDE – SILOS (DS)SISTEMAS LOCAIS DE SAÚDE – SILOS (DS)
SISTEMAS LOCAIS DE SAÚDE – SILOS (DS)Pedro Santana
 
Saúde da família
Saúde da famíliaSaúde da família
Saúde da famíliadumasgsantos
 
Saude da familia
Saude da familiaSaude da familia
Saude da familiakarensuelen
 

Mais procurados (18)

Ap. nova pnab junho 2011 - dab sas - ms
Ap. nova pnab   junho 2011 - dab sas - msAp. nova pnab   junho 2011 - dab sas - ms
Ap. nova pnab junho 2011 - dab sas - ms
 
Política nacional de atenção básica, 4ª edição
Política nacional de atenção básica, 4ª ediçãoPolítica nacional de atenção básica, 4ª edição
Política nacional de atenção básica, 4ª edição
 
Nova pnab -_portaria_no_2488_0
Nova pnab -_portaria_no_2488_0Nova pnab -_portaria_no_2488_0
Nova pnab -_portaria_no_2488_0
 
6. novas legislações port nova pnab
6. novas legislações port nova pnab6. novas legislações port nova pnab
6. novas legislações port nova pnab
 
Política Nacional de Atenção básica
Política Nacional de Atenção básicaPolítica Nacional de Atenção básica
Política Nacional de Atenção básica
 
Sp4 hupe-psf
Sp4 hupe-psfSp4 hupe-psf
Sp4 hupe-psf
 
PNAB principais ações
PNAB principais açõesPNAB principais ações
PNAB principais ações
 
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)
 
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)
 
Lei 2488
Lei 2488Lei 2488
Lei 2488
 
Gestão da Estratégia Saúde da Família
Gestão da Estratégia Saúde da FamíliaGestão da Estratégia Saúde da Família
Gestão da Estratégia Saúde da Família
 
Resumo esf
Resumo esfResumo esf
Resumo esf
 
História da saúde da família e princípios da mfc
História da saúde da família e princípios da mfcHistória da saúde da família e princípios da mfc
História da saúde da família e princípios da mfc
 
Curso Introduorio ESF - Conteudo teorico modulo 2 - Aula 2
Curso Introduorio ESF - Conteudo teorico modulo 2 - Aula 2Curso Introduorio ESF - Conteudo teorico modulo 2 - Aula 2
Curso Introduorio ESF - Conteudo teorico modulo 2 - Aula 2
 
Programa psf
Programa psfPrograma psf
Programa psf
 
SISTEMAS LOCAIS DE SAÚDE – SILOS (DS)
SISTEMAS LOCAIS DE SAÚDE – SILOS (DS)SISTEMAS LOCAIS DE SAÚDE – SILOS (DS)
SISTEMAS LOCAIS DE SAÚDE – SILOS (DS)
 
Saúde da família
Saúde da famíliaSaúde da família
Saúde da família
 
Saude da familia
Saude da familiaSaude da familia
Saude da familia
 

Destaque

#BrusselsTogether at Crowdsourcing Week
#BrusselsTogether at Crowdsourcing Week#BrusselsTogether at Crowdsourcing Week
#BrusselsTogether at Crowdsourcing WeekXavier Damman
 
Judicialização em Saúde
Judicialização em SaúdeJudicialização em Saúde
Judicialização em SaúdeCONITEC
 
Aula2 historico de financiamento da saude
Aula2 historico de financiamento da saudeAula2 historico de financiamento da saude
Aula2 historico de financiamento da saudeEduardo Kühr
 
The Future of Everything
The Future of EverythingThe Future of Everything
The Future of EverythingCharbel Zeaiter
 

Destaque (17)

2ª Assembleia 2017 – Informações de Financiamento
2ª Assembleia 2017 – Informações de Financiamento2ª Assembleia 2017 – Informações de Financiamento
2ª Assembleia 2017 – Informações de Financiamento
 
#BrusselsTogether at Crowdsourcing Week
#BrusselsTogether at Crowdsourcing Week#BrusselsTogether at Crowdsourcing Week
#BrusselsTogether at Crowdsourcing Week
 
2ª Assembleia 2017 – ABORDAGEM SOBRE O TAC ASSINADO ENTRE CGU MPF E BB/CEF
2ª Assembleia 2017 – ABORDAGEM SOBRE O TAC ASSINADO ENTRE CGU MPF E BB/CEF2ª Assembleia 2017 – ABORDAGEM SOBRE O TAC ASSINADO ENTRE CGU MPF E BB/CEF
2ª Assembleia 2017 – ABORDAGEM SOBRE O TAC ASSINADO ENTRE CGU MPF E BB/CEF
 
9ª Assembleia - Proposta de apoio técnico do CONASS às SES na área de Atenção...
9ª Assembleia - Proposta de apoio técnico do CONASS às SES na área de Atenção...9ª Assembleia - Proposta de apoio técnico do CONASS às SES na área de Atenção...
9ª Assembleia - Proposta de apoio técnico do CONASS às SES na área de Atenção...
 
Regulamentação das Transferências de Recursos Federais para o financiamento ...
Regulamentação das Transferências de Recursos Federais  para o financiamento ...Regulamentação das Transferências de Recursos Federais  para o financiamento ...
Regulamentação das Transferências de Recursos Federais para o financiamento ...
 
7. CONASS Debate - PPT Governança da Rede Mãe Paranaense
7. CONASS Debate - PPT Governança da Rede Mãe Paranaense7. CONASS Debate - PPT Governança da Rede Mãe Paranaense
7. CONASS Debate - PPT Governança da Rede Mãe Paranaense
 
Financiamento da Saúde
Financiamento da SaúdeFinanciamento da Saúde
Financiamento da Saúde
 
2ª Assembleia 2017 – Caixa Hospitais | BNDES Saúde
2ª Assembleia 2017 – Caixa Hospitais | BNDES Saúde2ª Assembleia 2017 – Caixa Hospitais | BNDES Saúde
2ª Assembleia 2017 – Caixa Hospitais | BNDES Saúde
 
9ª Assembleia - Governança e Gestão no SUS
9ª Assembleia - Governança e Gestão no SUS9ª Assembleia - Governança e Gestão no SUS
9ª Assembleia - Governança e Gestão no SUS
 
7. CONASS Debate - PPT A governança regional das redes de atenção à saúde
7. CONASS Debate - PPT A governança regional das redes de atenção à saúde7. CONASS Debate - PPT A governança regional das redes de atenção à saúde
7. CONASS Debate - PPT A governança regional das redes de atenção à saúde
 
2ª Assembleia 2017 – Transferências Federais e Fundos de Saúde
2ª Assembleia 2017 – Transferências Federais e Fundos de Saúde2ª Assembleia 2017 – Transferências Federais e Fundos de Saúde
2ª Assembleia 2017 – Transferências Federais e Fundos de Saúde
 
Judicialização em Saúde
Judicialização em SaúdeJudicialização em Saúde
Judicialização em Saúde
 
Aula2 historico de financiamento da saude
Aula2 historico de financiamento da saudeAula2 historico de financiamento da saude
Aula2 historico de financiamento da saude
 
2ª Assembleia 2017 – ANVISA – Medicamentos Genéricos
2ª Assembleia 2017 – ANVISA – Medicamentos Genéricos2ª Assembleia 2017 – ANVISA – Medicamentos Genéricos
2ª Assembleia 2017 – ANVISA – Medicamentos Genéricos
 
7. CONASS Debate - PPT Governança Colaborativa
7. CONASS Debate - PPT Governança Colaborativa7. CONASS Debate - PPT Governança Colaborativa
7. CONASS Debate - PPT Governança Colaborativa
 
Lập trình vận hành tiện CNC
Lập trình vận hành tiện CNCLập trình vận hành tiện CNC
Lập trình vận hành tiện CNC
 
The Future of Everything
The Future of EverythingThe Future of Everything
The Future of Everything
 

Semelhante a Financiamento AB 1996-2014

Atenção básica e financiamento heider pinto
Atenção básica e financiamento   heider pintoAtenção básica e financiamento   heider pinto
Atenção básica e financiamento heider pintoHêider Aurélio Pinto
 
Aula_4_-modelos_de_atenção.pdf
Aula_4_-modelos_de_atenção.pdfAula_4_-modelos_de_atenção.pdf
Aula_4_-modelos_de_atenção.pdfssuser51d27c1
 
Aula atenção básica geral, saúde da família e
Aula atenção básica geral, saúde da família eAula atenção básica geral, saúde da família e
Aula atenção básica geral, saúde da família eFranzinha2
 
Complementar humanizasus
Complementar   humanizasusComplementar   humanizasus
Complementar humanizasusRoberto Saboia
 
ATENÇÃO PRIMÁRIA EM SAÚDE.pptx
ATENÇÃO PRIMÁRIA EM SAÚDE.pptxATENÇÃO PRIMÁRIA EM SAÚDE.pptx
ATENÇÃO PRIMÁRIA EM SAÚDE.pptxssuser51d27c1
 
Planejamento e Gestão de Serviços de Saúde - Iuliana Marjory
Planejamento e Gestão de Serviços de Saúde - Iuliana MarjoryPlanejamento e Gestão de Serviços de Saúde - Iuliana Marjory
Planejamento e Gestão de Serviços de Saúde - Iuliana MarjoryIuliana Marjory
 
Webpalestra_RededeAtençãoàSaúde.pdf
Webpalestra_RededeAtençãoàSaúde.pdfWebpalestra_RededeAtençãoàSaúde.pdf
Webpalestra_RededeAtençãoàSaúde.pdfFlaviadosSantosNasci1
 
ENFERMEIRO e o mercado de trabalho (1).pptx
ENFERMEIRO e o mercado de trabalho (1).pptxENFERMEIRO e o mercado de trabalho (1).pptx
ENFERMEIRO e o mercado de trabalho (1).pptxVernicaPiresdaSilva
 
Por uma AB acessível, cuidadora e resolutiva - Alzira Jorge
Por uma AB acessível, cuidadora e resolutiva - Alzira JorgePor uma AB acessível, cuidadora e resolutiva - Alzira Jorge
Por uma AB acessível, cuidadora e resolutiva - Alzira Jorgecomunidadedepraticas
 
Oficina_Classificcao_Risco_Saude_Bucal.pdf
Oficina_Classificcao_Risco_Saude_Bucal.pdfOficina_Classificcao_Risco_Saude_Bucal.pdf
Oficina_Classificcao_Risco_Saude_Bucal.pdfPATRICIA COSTA
 
Apresentacao pacto telles
Apresentacao pacto tellesApresentacao pacto telles
Apresentacao pacto tellesKranielly
 
Acolhimento classificaao risco_servico_urgencia
Acolhimento classificaao risco_servico_urgenciaAcolhimento classificaao risco_servico_urgencia
Acolhimento classificaao risco_servico_urgenciaAlice Costa
 

Semelhante a Financiamento AB 1996-2014 (20)

Atenção básica e financiamento heider pinto
Atenção básica e financiamento   heider pintoAtenção básica e financiamento   heider pinto
Atenção básica e financiamento heider pinto
 
Pnab
PnabPnab
Pnab
 
Aula_4_-modelos_de_atenção.pdf
Aula_4_-modelos_de_atenção.pdfAula_4_-modelos_de_atenção.pdf
Aula_4_-modelos_de_atenção.pdf
 
Pnab
PnabPnab
Pnab
 
Pnab
PnabPnab
Pnab
 
Atenção Primária: um novo Sistema Único de Saúde para os Brasileiros
Atenção Primária: um novo Sistema Único de Saúde para os BrasileirosAtenção Primária: um novo Sistema Único de Saúde para os Brasileiros
Atenção Primária: um novo Sistema Único de Saúde para os Brasileiros
 
Aula atenção básica geral, saúde da família e
Aula atenção básica geral, saúde da família eAula atenção básica geral, saúde da família e
Aula atenção básica geral, saúde da família e
 
Complementar humanizasus
Complementar   humanizasusComplementar   humanizasus
Complementar humanizasus
 
Manual do Ministério Público de Santa Catarina na Defesa da Saúde
Manual do Ministério Público de Santa Catarina na Defesa da SaúdeManual do Ministério Público de Santa Catarina na Defesa da Saúde
Manual do Ministério Público de Santa Catarina na Defesa da Saúde
 
ATENÇÃO PRIMÁRIA EM SAÚDE.pptx
ATENÇÃO PRIMÁRIA EM SAÚDE.pptxATENÇÃO PRIMÁRIA EM SAÚDE.pptx
ATENÇÃO PRIMÁRIA EM SAÚDE.pptx
 
Modelos assistenciais
Modelos assistenciaisModelos assistenciais
Modelos assistenciais
 
O Futuro do SUS: Desafios e Mudanças Necessárias - José Cechin
O Futuro do SUS: Desafios e Mudanças Necessárias - José CechinO Futuro do SUS: Desafios e Mudanças Necessárias - José Cechin
O Futuro do SUS: Desafios e Mudanças Necessárias - José Cechin
 
Planejamento e Gestão de Serviços de Saúde - Iuliana Marjory
Planejamento e Gestão de Serviços de Saúde - Iuliana MarjoryPlanejamento e Gestão de Serviços de Saúde - Iuliana Marjory
Planejamento e Gestão de Serviços de Saúde - Iuliana Marjory
 
Desafios para o fortalecimento da AB no SUS
Desafios para o fortalecimento da AB no SUSDesafios para o fortalecimento da AB no SUS
Desafios para o fortalecimento da AB no SUS
 
Webpalestra_RededeAtençãoàSaúde.pdf
Webpalestra_RededeAtençãoàSaúde.pdfWebpalestra_RededeAtençãoàSaúde.pdf
Webpalestra_RededeAtençãoàSaúde.pdf
 
ENFERMEIRO e o mercado de trabalho (1).pptx
ENFERMEIRO e o mercado de trabalho (1).pptxENFERMEIRO e o mercado de trabalho (1).pptx
ENFERMEIRO e o mercado de trabalho (1).pptx
 
Por uma AB acessível, cuidadora e resolutiva - Alzira Jorge
Por uma AB acessível, cuidadora e resolutiva - Alzira JorgePor uma AB acessível, cuidadora e resolutiva - Alzira Jorge
Por uma AB acessível, cuidadora e resolutiva - Alzira Jorge
 
Oficina_Classificcao_Risco_Saude_Bucal.pdf
Oficina_Classificcao_Risco_Saude_Bucal.pdfOficina_Classificcao_Risco_Saude_Bucal.pdf
Oficina_Classificcao_Risco_Saude_Bucal.pdf
 
Apresentacao pacto telles
Apresentacao pacto tellesApresentacao pacto telles
Apresentacao pacto telles
 
Acolhimento classificaao risco_servico_urgencia
Acolhimento classificaao risco_servico_urgenciaAcolhimento classificaao risco_servico_urgencia
Acolhimento classificaao risco_servico_urgencia
 

Último

AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdfAULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdfLviaParanaguNevesdeL
 
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTO
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTOPROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTO
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTOvilcielepazebem
 
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdfA HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdfMarceloMonteiro213738
 
Aula sobre ANSIEDADE & Cuidados de Enfermagem
Aula sobre ANSIEDADE & Cuidados de EnfermagemAula sobre ANSIEDADE & Cuidados de Enfermagem
Aula sobre ANSIEDADE & Cuidados de EnfermagemCarlosLinsJr
 
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptx
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptxAula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptx
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptxAndersonMoreira538200
 
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdf
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdfNutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdf
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdfThiagoAlmeida458596
 
AULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdf
AULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdfAULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdf
AULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdfLviaParanaguNevesdeL
 
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdfDengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdfEduardoSilva185439
 
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obrasosnikobus1
 
aula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteina
aula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteinaaula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteina
aula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteinajarlianezootecnista
 
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdf
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdfAULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdf
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdfLviaParanaguNevesdeL
 
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I GESTaO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I  GESTaO.pdfPLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I  GESTaO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I GESTaO.pdfHELLEN CRISTINA
 
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptxAULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptxEnfaVivianeCampos
 
avaliação pratica. pdf
avaliação pratica.                           pdfavaliação pratica.                           pdf
avaliação pratica. pdfHELLEN CRISTINA
 
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTAL
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTALDEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTAL
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTALCarlosLinsJr
 

Último (15)

AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdfAULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
 
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTO
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTOPROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTO
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTO
 
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdfA HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
 
Aula sobre ANSIEDADE & Cuidados de Enfermagem
Aula sobre ANSIEDADE & Cuidados de EnfermagemAula sobre ANSIEDADE & Cuidados de Enfermagem
Aula sobre ANSIEDADE & Cuidados de Enfermagem
 
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptx
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptxAula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptx
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptx
 
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdf
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdfNutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdf
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdf
 
AULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdf
AULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdfAULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdf
AULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdf
 
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdfDengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
 
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
 
aula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteina
aula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteinaaula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteina
aula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteina
 
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdf
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdfAULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdf
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdf
 
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I GESTaO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I  GESTaO.pdfPLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I  GESTaO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I GESTaO.pdf
 
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptxAULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
 
avaliação pratica. pdf
avaliação pratica.                           pdfavaliação pratica.                           pdf
avaliação pratica. pdf
 
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTAL
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTALDEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTAL
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTAL
 

Financiamento AB 1996-2014

  • 1. Política de Atenção Básica e seu Financiamento Conselho Nacional de Saúde - COFIN Brasília, 23 de fevereiro de 2017 Hêider A. Pinto
  • 2. Discurso x Recursos  Embora a frase “prevenir é melhor que remediar” seja um lugar comum nos discursos, há abissal distância entre o discurso e a prática no SUS  É central na análise de políticas públicas analisar a tradução dos programas em recursos e estudar as mudanças na alocação dos mesmos no transcorrer da implementação da política  O estudo do orçamento é um dos caminhos necessários ao entendimento daquilo que, na política, de fato, é prioridade e entra na agenda de governo, coincidindo ou não com o discurso oficial (PINTO, no prelo)
  • 3. A saúde e a sociedade  Cecília Donnangelo, em Saúde e Sociedade, analisa a saúde na estrutura social e o processo de medicalização A saúde para a economia Reprodução da força de trabalho, produtividade, controle de custos... Saneamento, higiene, exportações... Setor saúde como setor econômico e social Sucessão de modos de realização de lucro Complexo médico industrial – financeirização da saúde Expansão do setor público: mercado e legitimação social Discurso que considera que o desenvolvimento científico tenha historicidade dos meios, mas não dos fins Biopoder
  • 4. O Modelo de Atenção Hegemônico  O chamado modelo médico-hospitalar (neo)liberal privatista, que precisa de atualizações em seu nome se caracteriza por:  Centrado na doença em vez de na pessoa e sua saúde, no corpo do indivíduo em vez de na pessoa, família, na coletividade e contexto (determinantes sociais)  Concepção biomédica-ocidental em prejuízo de uma integral e de que se apoie também em outros paradigmas  Centrada em procedimentos médicos e não no usuário e na recuperação da saúde e não na integralidade  Uniprofissional em vez de multiprofissional e relação autoritária (disciplina, biopoder) com usuário  Centrada no hospital, não considera o sistema com ações intersetoriais e integrais no território, tendo na AB sua principal porta de entrada articulada a toda a rede de serviços
  • 5. A saúde como política  Emerson Merhy, em Saúde Pública como política, analisa os modelos tecnoassistenciais em saúde Política Pública: quando uma necessidade de um grupo social vira questão social, objeto da ação do Estado Os modelos de atenção são, antes de tudo, políticas públicas que satisfazem certos interesses, que definem o uso dos recursos, que produzem beneficiados e prejudicados e que definem uma certa forma de organizar os serviços Formulação x modelo assistencial x decisão x política
  • 6. O que é a Atenção Básica?
  • 7. Política Nacional de Atenção Básica “um conjunto de ações de saúde, no âmbito individual e coletivo, que abrangem a promoção e a proteção da saúde, a prevenção de agravos, o diagnóstico, o tratamento, a reabilitação e a manutenção da saúde com o objetivo de desenvolver uma atenção integral que impacte na situação de saúde e autonomia das pessoas e nos determinantes e condicionantes de saúde das coletividades” (PNAB 2011)
  • 8. Atenção Básica no Brasil  Deve considerar o cidadão/usuário em sua singularidade e inserção sociocultural, buscando produzir a atenção integral  Deve ser realizada por meio do exercício de práticas de cuidado e gestão, democráticas e participativas, sob forma de trabalho em equipe  Deve ser dirigida a populações de territórios delimitados, pelas quais assume a responsabilidade sanitária (PNAB 2011)
  • 9.
  • 10. Atenção Básica no Brasil  É composta por serviços responsáveis pela oferta das ações de saúde de AB que devem: ter o mais alto grau de descentralização e capilaridade; estar próximo de onde vivem as pessoas; ser o contato preferencial dos usuários; ser a principal porta de entrada do sistema de saúde; e ser o centro de comunicação da Rede de Atenção à Saúde (PNAB 2011)
  • 11. Atenção Básica no Brasil  Ao todo, a AB está presente (e é obrigatório que esteja) em todos os 5.570 municípios da federação Estratégia de Saúde da Família em 98% deles  São aproximadamente 42 mil Unidades Básicas de Saúde e 40 mil equipes de saúde da família  Aproximadamente 700 mil trabalhadores
  • 12. Nova Política Nacional de AB (PNAB)
  • 13. O CNS e a PNAB  Resolução nº 439 (de 04/2011) do Conselho Nacional de Saúde (CNS) foi norteadora da nova PNAB:  Mobilizar todos os esforços e forças sociais para aumentar a destinação de recursos p/ AB, especialmente nas União e Estados  Que a AB seja efetivamente a principal porta de entrada do SUS, com agenda aberta e acolhimento humanizado em todas UBS, capaz de prestar atenção integral resolutiva, equânime e multiprofissional, com condições de coordenar e garantir o cuidado do usuário mesmo quando ele necessita de serviços de apoio diagnóstico e terapêutico em outras redes e níveis de atenção
  • 14.  Que o controle social, a participação da comunidade em cada serviço e coletas sistemáticas da opinião e satisfação do usuário sejam fatores permanentes de crítica, correção e orientação da PNAB  Que se intensifiquem os esforços e criem novas políticas que visem garantir profissionais de saúde em todas as regiões e localidades do país, principalmente nas mais vulneráveis e de difícil acesso, universalizando de fato o direito à saúde  Que o MS e as secretarias estaduais e municipais aprimorem e qualifiquem os mecanismos de controle, fiscalização do cumprimento de responsabilidades e tomem medidas de avaliação da qualidade dos serviços de AB O CNS e a PNAB
  • 15. Desafios da Nova PNAB  Financiamento Reestruturação e aumento do financiamento da AB  Infraestrutura Programa de Requalificação das UBS (5,4 bilhões para 26 mil obras em 5 mil municípios)  Informatização e uso da informação SISAB + eSUS + Banda Larga + Telessaúde  Cobertura, acesso e redução dos tempos de espera com especial atenção a grupos e populações específicas Novas equipes (ribeirinhas, UBS fluviais, consultório na rua) Mais Médicos e PMAQ
  • 16.  Melhoria da qualidade (integralidade, resolubilidade, longitudinalidade etc.) PMAQ (90% dos municípios aderidos) NASF de 1,3 para 4,4 mil e todos municípios passaram a poder  Promoção da saúde e ação intersetorial Nova Política de Alimentação e Nutrição e pactos do sódio Academia da Saúde e Programa Saúde na Escola  Mudança dos modelos de atenção e gestão PMAQ  Gestão da educação e do trabalho – ações junto à SGTES  Participação popular e legitimidade social – ações junto à SGEP, comunicação e Presidência Desafios da Nova PNAB
  • 17. Um estudo sobre o financiamento de 1996 a 2014
  • 18. Financiamento da Atenção Básica  Componentes do Financiamento: Conceito que permite identificar no todo subconjuntos que obedecem, simultaneamente, a alguns critérios distintivos: as regras que definem quem é o beneficiário; as pré-condições que lhe permite receber ou acessar o recurso; a quantidade de recurso envolvida; a origem orçamentária do mesmo; a orientação normativa de sua utilização; e o papel que cumpre no contexto da política em análise (PINTO, no prelo)
  • 19. Novo financiamento da Atenção Básica  Formulado no contexto do processo de construção do Decreto 7508/2011 que regulamentou a lei 8080/1990  Território – população – necessidade - equidade Componente per capta  Oferta – organização dos serviços – modelo de atenção  Componente de Indução da Estratégia de Saúde da Família Componente de Expansão – Mais Médicos  Resultados Componente de Qualidade - PMAQ  Investimento Requalifica UBS
  • 20. Financiamento da Atenção Básica  Componente per capta  Criado em 1996 começou a ser repassado em 1998  R$ 10,00 habitante ao ano  Transição do modelo anterior (procedimentos) para o novo exigiu mais recursos (para não haver “perdedores”)  Perda de valor de 40% de 1999-2002  Valor aumentou pouco acima da inflação de 2003 a 2010  Mudança em 2011 – Fator de Equidade (PIB, pop. extrema pobreza etc.) constituindo 4 grupos de municípios com, respectivamente 70%, 20%, 7% e 3% do total  Aumento robusto com recuperação da perda histórica para os 70% mais pobres (R$ 28,00 hab./ano)
  • 21. Per capita nacional de 2002 a 2014 comparado com o valor de referência de 1998 corrigido pela inflação IPCA Ano Per Capita Nacional (A) Per Capita 98 Corrigido (B) Razão A/B 1998 10,00 Valor de Referência 2002 10,43 14,03 0,74 2006 13,88 17,99 0,77 2010 18,15 21,99 0,83 2014 24,70 27,93 0,88
  • 22. Financiamento da Atenção Básica  Componente da Estratégia de Saúde da Família e Componente de Expansão (Programa Mais Médicos)  Representando até 2011 todo o PAB Variável, foi crescendo mais que o PAB Fixo expressando uma certa opção do MS  Perdeu valor unitário de 1999-2002  Cresceu muito acima da inflação de 2003 a 2014  Se diversificou em 2011 (novos tipos de equipes e multiprofissionalização)  Mesmo com aumento expressivo, a cobertura estagnou de 2007 a 2013  Mais Médicos retomou a ampliação de cobertura em 2013
  • 23. Financiamento da Atenção Básica  Componente de Qualidade (PMAQ) criado em 2011  Inaugurou nova lógica de repasse de recursos na PNAB  Financiava não só as equipes da ESF, mas qualquer equipe de AB que conseguisse implantar e mudar processos de trabalho esperados e alcançar resultados pactuados Infraestrutura da UBS, equipamentos, medicamentos, investimento na educação permanente e na gestão do trabalho, apoio da gestão municipal à equipe, acesso e qualidade, articulação com a rede, resultados em saúde e satisfação do usuário  O repasse em função do desempenho na avaliação do Programa (vários instrumentos: visita in loco, entrevistas de trabalhadores usuários
  • 24. Valores totais do PABF, PABV e da soma de ambos em valores absolutos e percentuais nos quadriênios Ano PABF (A) PABF % do Total PABV (B) PABV % do total Total (A +B) 1998 1,17 bi 89,1% 0,14 bi 10,9% 1,32 bi 2002 1,82 bi 59,0% 1,27 bi 41,0% 3,09 bi 2006 2,58 bi 43,8% 3,30 bi 56,2% 5,88 bi 2010 3,46 bi 36,9% 5,92 bi 63,1% 9,38 bi 2014 4,96 bi 30,8% 11,17 bi 69,2% 16,13 bi
  • 25. PABV per capita e por eSF anuais e relações com inflação e população coberta pela ESF Ano 1998 2002 2006 2010 2014 PABV em bilhões de reais 0,14 1,27 3,30 5,92 11,17 PABV per capita anual em reais (A) 0,9 7,3 17,8 29,3 55,6 Cobertura das eSF 7% 33% 46% 52% 63% “A” de 1998 corrigido pela inflação e cobertura (B) 0,9 6,2 11,5 15,8 24,0 A/B 1,0 1,19 1,55 1,85 2,31 PABV anual por eSF em milhares de reais (C) 47 76 124 177 285 Aumento de “C”, acima da inflação, em relação ao quadriênio anterior - -6,3% 22,6% 20,2% 33,5%
  • 26. Equidade Distribuição Programa Mais Médicos 0,17 0,12 0,11 0,09 0,09 0,09 0,06 0,06 7 - Extrema Pobreza 6 - Áreas vulneráveis 4 - Grupo I do PAB 5 - G100 BRASIL 2 - Grupo II do PAB 1 - Grupos III e IV do PAB 3 - Capitais e RM Médicos por Mil hab Médicos por Mil hab
  • 28. Novo financiamento da Atenção Básica  Território – população – necessidade - equidade Componente per capta -  Oferta – organização dos serviços – modelo de atenção  Componente da Estratégia de Saúde da Família e Expansão (PMM)  Resultados Componente de Qualidade - PMAQ  Investimento Requalifica UBS  20% dos recursos da AB  55% dos recursos  10% dos recursos  15% dos recursos
  • 29. Recursos da Atenção Básica (AB) de 2002 a 2014, total e per capita, e comparação com inflação e com o total do MS Ano Total AB (Bilhões) Per Capita ano (X) Aumento de “X”, acima inflação, com relação ao quadriênio anterior Per capita 2002 corrigido pela inflação (Y) X/Y % da AB no Geral do MS 2002 3,09 17,7 - 17,7 1,0 10,8% 2006 5,88 31,7 48% 23,2 1,4 13,3% 2010 9,27 48,6 31% 28,3 1,7 13,9% 2014 20,39 101,4 81% 36,0 2,8 19,2%
  • 30. Algumas conclusões sobre o Financiamento da Atenção Básica (PINTO, no prelo)  A transição do modelo de financiamento anterior (por procedimento) para o normatizado na NOB96 (PAB transferido fundo a fundo) exigiu aumento dos recursos da AB para que não houvesse “perdedores” com a mudança  Essa estruturação do financiamento federal foi uma opção estratégica do MS ligada à decisão de mudar o modelo de organização da AB no Brasil: interessava custear a ESF, não outro modelo  Houve crescimento da proporção de recursos do MS alocados na AB, de 10,8% em 2002 para 19,2% em 2014 (aceleração de 2011-2014 de 13,9% para 19,2%)
  • 31. Algumas conclusões sobre o Financiamento da Atenção Básica (PINTO, no prelo)  Os municípios assumem a maior parte dos custos da AB 70% em 2002, 57% em 2011 e 50% ($ da saúde em geral: em 2014, os municípios assumiram 31% e a União 42%) Modelo exige que o município coloque 1 a 2 reais para cada real da união  Não sobram recursos para a AB no município (salvo raríssimos casos), mesmo com ela muito aquém das necessidades e do modelo apontado na PNAB  Participação dos estados no financiamento da AB é pequena (9%), irregular, heterogênea (minoria repassa) e, quase sempre, utiliza mecanismos conveniais e excessivamente discricionários
  • 32. Algumas conclusões sobre o Financiamento da Atenção Básica (PINTO, no prelo)  Gasto em saúde no Brasil é muito baixo se comparado com parâmetros internacionais e a proporção do gasto em AB no gasto em saúde é ainda pior
  • 33. Gasto em saúde: Comparação internacional (% PIB) Fonte: OECD Health Data 2013. World Bank: Health expenditure, public (% of GDP); Health expenditure per capita (current US$); GDP per capita (current US$); Health expenditure per capita (current US$).
  • 34. Gasto em saúde: Comparação internacional Fonte: OECD Health Data 2013. World Bank: Health expenditure, public (% of GDP); Health expenditure per capita (current US$); GDP per capita (current US$); Health expenditure per capita (current US$).
  • 36. Contexto atual  A maior parte dos custos da AB recai sobre o orçamento próprio dos município  O esforço de 2011-2014 já começa a se perder: em 2017, já acumula 18% de perda em seu valor real se comparado com 2014 (interrompendo 12 anos de aumentos acima da inflação)  EC n°95 congela os recursos por 20 anos e reduzem o gasto em saúde do governo federal do padrão de 1,6% do PIB para aproximadamente 1%. Há perda de aproximadamente 40% do total de recursos federais da saúde (prejuízo acumulado de 400 bilhões para o SUS)  Resultado: redução da participação da União no financiamento da saúde e redução também na AB
  • 37. Organização e aperfeiçoamento ou desregulamentação do financiamento?  É fundamental avançar no aperfeiçoamento do financiamento do SUS Garantindo mais equidade e respondendo às necessidades sociais Apontando para a expansão do acesso, mudança do modelo de atenção, organização e inovação nos serviços e qualidade Pactuando, reconhecendo e valorizando resultados e experiências exitosas Investindo de modo planejado e em perspectiva regional Dando mais liberdade nos meios, mas exigindo mais compromisso com as finalidades e resultados  Mas o que se está fazendo não é isso
  • 38. Crítica da desregulamentação do financiamento  Começa pelo fim sem construir a base e o começo dando uma resposta simples e insuficiente para um problema complexo Experiências de mudança bem sucedidas aportaram mais recursos e foram implementadas em etapas com estudo e acompanhamento  Desrespeita a Lei 141 ao mudar o orçamento sem aprovação do CNS e não constrói um processo de formulação com ampla participação  Não enfrenta os reais problemas: Necessidade de mais recursos; critérios de rateio e mínimo de exigência para não haver retrocessos
  • 39. Crítica da desregulamentação do financiamento  Cenário de riscos legais para os gestores municipais Caso a Portarias que normatizou o recursos não seja revogada ou modificada, o gestor não pode contrariar a norma A menos que se mude a LOA o gestor não pode usar recurso de um objeto em outro (da AB nas UPAS, por exemplo)  Cenário de desvio dos recursos da AB e Vigilância Áreas essenciais como AB e Vigilância perderão recursos para áreas economicamente e politicamente mais poderosas ou demandantes (hospitais, prestação de serviços do setor privado, OSS, cooperativas de apoio diagnóstico e terapêutico etc.) Mesmo com participação popular, repete-se a fórmula da reforma trabalhista: a negociação local coloca desiguais para debaterem num cenário no qual o mínimo não está garantido
  • 40. Obrigado!!! Hêider A. Pinto Heider Pinto – Facebook @heiderpinto – Twitter Canal Heider Pinto - Youtube heiderpinto.saúde@gmail.com - email