SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 31
Prof. Francielly Maira Bordon
EXAME FÍSICO DO ABDÔMEN
• Hábitos alimentares;
• Habitos de funcionamento gastrointestinal;
• Sinais e sintomas relacionados;
• Investigar a queixa atual;
• Início, duração e intensidade dos sintomas;
ANAMNESE
► Quando houver dor abdominal, avaliar o caráter da dor
(tipo, localização, início, freqüência, evolução, etc.)
► Mudança de peso recentemente ou intolerância
alimentar (náuseas, vômitos, cãibras, etc).
► Cirurgia anterior, traumatismo abdominal ou testes
diagnósticos do trato GI.
► Antecedentes familiares de câncer, doença renal,
alcoolismo, hipertensão ou cardiopatia.
► Mulher: avaliar se há gestação – DUM
► Consumo habitual de álcool.
► Uso de antiinflamatórios ou antibióticos que possam
causar sangramento GI.
► Fatores de risco de exposição do vírus da hepatite B:
profissional de saúde, hemodiálise, usuário de fármacos
intravenosos, heterossexual com mais de 1 parceiro nos
últimos 6 meses, homossexual, bissexual, etc.
► Apendicite, colecistite, pancreatite, úlcera gástrica ou
duodenal, gravidez ectópica, aneurisma abdominal
rompido, doença inflamatória pélvica, cálculos renais.
CAUSAS DE DOR
► Sinais e sintomas: anorexia, emagrecimento, dor,
polifagia, disfagia, soluço, distensão abdominal,
massas palpáveis.
► Observar: forma, abaulamentos, retrações,
circulação colateral e cicatriz umbilical. Na ascite
mensurar circunferência abdominal.
► Observar: história de náuseas, vômitos, regurgitação,
halitose, pirose, eructação, gastrite, úlcera, hematêmese,
gastralgia, dispepsia.
► Auscultar: ruídos peristálticos em toda a extensão
abdominal.
► Palpar: com as mãos espalmadas com as polpas digitais
em movimentos rotativos e rápidos para reconhecer a
sensibilidade, a integridade anatômica e a tensão da
parede abdominal.
ESTOMAGO
Fígado e baço
► Icterícia, intolerância a alimentos gordurosos, dor
localizada;
► Palpação: identificar hepatomegalia e
esplenomegalia
Intestinos
► Sinais e sintomas: constipação, diarréia, meteorismo,
tenesmo, enterorragia, acolia fecal, parasitoses,
melena.
► Palpação: somente o cecco e o sigmóide são
palpáveis por se localizarem sob o músculo psoas.
Sinal de Blumberg positivo, sugere inflamação do
apêndice vermiforme.
► ÂNUS: hemorróidas, fissura, fístula.
Considerações Gerais
► Na gestação os sons intestinais diminuem em
decorrência da peristalse reduzida e constipação
intestinal é comum.
► Idosos têm peristalse e sensação nervosa
reduzidas no intestino inferior, o que torna a
constipação intestinal um problema comum.
► Ausência de sons intestinais indica cessação de
motilidade do trato GI (obstrução intestinal, íleo
paralítico ou peritonite)
► Sons hiperativos indicando aumento da motilidade
(inflamação, ansiedade, diarréia, sangramento e
ingestão excessiva de laxantes ou certos
alimentos).
► A vesícula biliar normal e o baço normal não são
palpáveis.
QSD: lobo hepático D, vesícula biliar,
piloro, duodeno, cabeça do pâncreas,
porções do cólon ascendente e
transverso.
QSE: lobo hepático E, estômago,
corpo do pâncreas, porções do cólon
transverso e descendente.
QID: ceco e apêndice, porção do cólon
ascendente.
QIE: cólon sigmóide, porção do cólon
descendente.
• Inspeção;
• Ausculta;
• Percussão;
• Palpação.
INSPENÇÃO
OBSERVAR:
• Forma, volume, movimentos;
• Abaulamentos ou Retrações;
• Características da pele, presença de cicatrizes;
• Presença de circulação colateral;
• Alterações da parede (hérnias).
FORMA E VOLUME
Formas de apresentação mais freqüentes:
• Abdome Normal;
• Abdome Globoso;
• Avental
• Abdome escavado;
• Distendido.
ABAULAMENTOS OU RETRAÇÕES
Causas mais comuns:
– Hepatomegalia;
– Esplenomegalia;
– Útero gravídico;
– Tumores de ovário, útero, renais, pancreáticos;
– Retenção urinária;
– Aneurisma da aorta abdominal;
– Fecaloma.
MOVIMENTOS
• Respiratórios;
• Pulsações;
• Movimentos peristálticos visíveis.
AUSCULTA
Avaliar peristaltismo (RHA)
• QID, sentido horário;
• 5 min. de ausculta antes de determinar ausência de
ruídos hidroaéreos;
• descrição quanto à freqüência e intensidade:
• Variação: 5 a 35 por min.;
• hiperativos ou hipoativo;
PERCUSSÃO
• Finalidade: determinar tamanho e localização das
vísceras sólidas, presença e distribuição de gases,
líquidos e massas.
• Descrição: sons timpânicos, maciços, submaciços.
• Timpanismo: gases no TGI.
• Sub-macicez e Macicez: órgãos, massas, fezes,
líquidos.
PALPAÇÃO
• Finalidade: determinação do tamanho, forma,
consistência, posição e sensibilidade (dor),
identificação de massas, acúmulo de fluídos;
• Superficial e profunda;
• 4 quadrantes em sentido horário
• Por último, áreas apontadas como dolorosas.
Palpação Superficial:
• Contribui para o relaxamento do paciente;
• Determina condições gerais da parede;
• Identificação grosseira de massas, órgãos
superficiais e áreas dolorosas;
• Reconhecimento contratura muscular reflexa.
Palpação Profunda:
• Delimitação + precisa de órgãos abdominais;
• Detecção de massas menos evidentes;
• Tamanho, forma, consistência, localização,
sensibilidade, mobilidade, pulsações de órgãos,
massas;
• Observar expressões do paciente
(desconforto/dor)
• Pacientes obesos: técnica bimanual.
► Sinal de MURPHY: colecistite aguda - parada
abrupta da inspiração profunda por aumento da dor
no momento em que o fundo da vesícula biliar
inflamada (QSD) é pressionada pelos dedos do
examinador.
•Sinal de ROVSING: apendicite aguda - Se na
palpação do QIE do abdome do paciente resultar em
dor no QID, diz-se que o paciente é positivo para o
sinal de Rovsing, um indicativo para apendicite. Essa
palpação é realizada procurando-se "ordenhar" o
intestino grosso, a partir do sigmóide em direção ao
cólon descendente, transverso e finalmente
ascendente, onde o acúmulo de gases e/ou fezes
gera a dor pois é aí que se encontra o apêndice.
► Sinal de BLUMBERG: apendicite aguda - Consiste
na presença de dor durante uma descompressão
súbita da parede abdominal. Está geralmente
associado à apendicite aguda quando presente na
fossa ilíaca direita.
Sinal do PSOAS: apendicite aguda - dá positivo
quando: 1) compressão da fossa ilíaca direita o
paciente eleva o membro inferior direito, 2) flexão do
MID provoca dor.
Sinal do MÚSCULO OBTURADOR: apendicite
aguda - é pesquisado mantendo-se flexionada a coxa
sobre o abdome em ângulo reto girando-a para fora e
para dentro; se houver dor é positivo.
POTTER, Patrícia Ann. Semiologia em Enfermagem. 4ªed.
Rio de Janeiro: Reichmann & Affonso, 2002.

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a 08 abdome.pptx

Caso clínico intussuscepção intestinal
Caso clínico   intussuscepção intestinalCaso clínico   intussuscepção intestinal
Caso clínico intussuscepção intestinalVera Gonzaga
 
APENDICITE AGUDA.pdf
APENDICITE AGUDA.pdfAPENDICITE AGUDA.pdf
APENDICITE AGUDA.pdfSamuel Dianin
 
Slaid semiologia (2)
Slaid semiologia (2)Slaid semiologia (2)
Slaid semiologia (2)Vanessacalim
 
Hepatoesplenomegalia
HepatoesplenomegaliaHepatoesplenomegalia
Hepatoesplenomegaliapauloalambert
 
DOENÇA ABDOMINAIS AGUDA EM CRIANÇAS11-2.pptx
DOENÇA ABDOMINAIS AGUDA EM CRIANÇAS11-2.pptxDOENÇA ABDOMINAIS AGUDA EM CRIANÇAS11-2.pptx
DOENÇA ABDOMINAIS AGUDA EM CRIANÇAS11-2.pptxCassioOliver
 
Monitoria de Gastro da T9 preparativos para prova
Monitoria de Gastro da T9 preparativos para provaMonitoria de Gastro da T9 preparativos para prova
Monitoria de Gastro da T9 preparativos para provaBrunoHenriqueWailand1
 
Clínica médica - Constipação intestinal, diarréia, diverticulose e doença de ...
Clínica médica - Constipação intestinal, diarréia, diverticulose e doença de ...Clínica médica - Constipação intestinal, diarréia, diverticulose e doença de ...
Clínica médica - Constipação intestinal, diarréia, diverticulose e doença de ...Marcela Lago
 
Trabalho semiologia do abdome.
Trabalho semiologia do abdome.Trabalho semiologia do abdome.
Trabalho semiologia do abdome.Mariana Andrade
 
Exame físico abdome i
Exame físico abdome iExame físico abdome i
Exame físico abdome ipauloalambert
 
Consenso Dor Abdominal Recorrente
Consenso Dor Abdominal RecorrenteConsenso Dor Abdominal Recorrente
Consenso Dor Abdominal Recorrenteblogped1
 

Semelhante a 08 abdome.pptx (20)

Abdome agudo
Abdome agudoAbdome agudo
Abdome agudo
 
Caso clínico intussuscepção intestinal
Caso clínico   intussuscepção intestinalCaso clínico   intussuscepção intestinal
Caso clínico intussuscepção intestinal
 
Abdome agudo
Abdome agudoAbdome agudo
Abdome agudo
 
Nauseas e vomitos
Nauseas e vomitosNauseas e vomitos
Nauseas e vomitos
 
Abdome Agudo.pdf
Abdome Agudo.pdfAbdome Agudo.pdf
Abdome Agudo.pdf
 
Abdome agudo
Abdome agudoAbdome agudo
Abdome agudo
 
APENDICITE AGUDA.pdf
APENDICITE AGUDA.pdfAPENDICITE AGUDA.pdf
APENDICITE AGUDA.pdf
 
Sistema gastrointestinal
Sistema gastrointestinalSistema gastrointestinal
Sistema gastrointestinal
 
Slaid semiologia (2)
Slaid semiologia (2)Slaid semiologia (2)
Slaid semiologia (2)
 
Hepatoesplenomegalia
HepatoesplenomegaliaHepatoesplenomegalia
Hepatoesplenomegalia
 
Abdome agudo
Abdome agudoAbdome agudo
Abdome agudo
 
DOENÇA ABDOMINAIS AGUDA EM CRIANÇAS11-2.pptx
DOENÇA ABDOMINAIS AGUDA EM CRIANÇAS11-2.pptxDOENÇA ABDOMINAIS AGUDA EM CRIANÇAS11-2.pptx
DOENÇA ABDOMINAIS AGUDA EM CRIANÇAS11-2.pptx
 
Monitoria de Gastro da T9 preparativos para prova
Monitoria de Gastro da T9 preparativos para provaMonitoria de Gastro da T9 preparativos para prova
Monitoria de Gastro da T9 preparativos para prova
 
Clínica médica - Constipação intestinal, diarréia, diverticulose e doença de ...
Clínica médica - Constipação intestinal, diarréia, diverticulose e doença de ...Clínica médica - Constipação intestinal, diarréia, diverticulose e doença de ...
Clínica médica - Constipação intestinal, diarréia, diverticulose e doença de ...
 
Trabalho semiologia do abdome.
Trabalho semiologia do abdome.Trabalho semiologia do abdome.
Trabalho semiologia do abdome.
 
Abdome l 2018
Abdome l 2018Abdome l 2018
Abdome l 2018
 
Exame físico abdome i
Exame físico abdome iExame físico abdome i
Exame físico abdome i
 
Nutrição
NutriçãoNutrição
Nutrição
 
Abdome l 2019
Abdome l 2019Abdome l 2019
Abdome l 2019
 
Consenso Dor Abdominal Recorrente
Consenso Dor Abdominal RecorrenteConsenso Dor Abdominal Recorrente
Consenso Dor Abdominal Recorrente
 

Mais de ssuser51d27c1

Trabalhando em Grupos na AB.pptx
Trabalhando em Grupos na AB.pptxTrabalhando em Grupos na AB.pptx
Trabalhando em Grupos na AB.pptxssuser51d27c1
 
SISTEMA CIRCULATÓRIO II novo.pptx
SISTEMA CIRCULATÓRIO II novo.pptxSISTEMA CIRCULATÓRIO II novo.pptx
SISTEMA CIRCULATÓRIO II novo.pptxssuser51d27c1
 
ATENÇÃO PRIMÁRIA EM SAÚDE.pptx
ATENÇÃO PRIMÁRIA EM SAÚDE.pptxATENÇÃO PRIMÁRIA EM SAÚDE.pptx
ATENÇÃO PRIMÁRIA EM SAÚDE.pptxssuser51d27c1
 
AS TEORIAS PEDAGÓGICAS.ppt
AS TEORIAS PEDAGÓGICAS.pptAS TEORIAS PEDAGÓGICAS.ppt
AS TEORIAS PEDAGÓGICAS.pptssuser51d27c1
 
educaçao em saude aula 01.pptx
educaçao em saude aula 01.pptxeducaçao em saude aula 01.pptx
educaçao em saude aula 01.pptxssuser51d27c1
 
slaid educação permanente.pptx
slaid educação permanente.pptxslaid educação permanente.pptx
slaid educação permanente.pptxssuser51d27c1
 
DOENÇA CORONARIANA.pptx
DOENÇA CORONARIANA.pptxDOENÇA CORONARIANA.pptx
DOENÇA CORONARIANA.pptxssuser51d27c1
 
AULA DIA 27.04.2021.pptx
AULA DIA 27.04.2021.pptxAULA DIA 27.04.2021.pptx
AULA DIA 27.04.2021.pptxssuser51d27c1
 
VIGIALNICIA EM SAUDE - HISTORIA.pptx
VIGIALNICIA EM SAUDE - HISTORIA.pptxVIGIALNICIA EM SAUDE - HISTORIA.pptx
VIGIALNICIA EM SAUDE - HISTORIA.pptxssuser51d27c1
 
atribuição da enfermagem.pptx
atribuição da enfermagem.pptxatribuição da enfermagem.pptx
atribuição da enfermagem.pptxssuser51d27c1
 
Aula_4_-modelos_de_atenção.pdf
Aula_4_-modelos_de_atenção.pdfAula_4_-modelos_de_atenção.pdf
Aula_4_-modelos_de_atenção.pdfssuser51d27c1
 
aula 02 politicas publicas.pptx
aula 02 politicas publicas.pptxaula 02 politicas publicas.pptx
aula 02 politicas publicas.pptxssuser51d27c1
 
impactos ambientais.pptx
 impactos ambientais.pptx impactos ambientais.pptx
impactos ambientais.pptxssuser51d27c1
 
DEGRADAÇÃO DO SOLO.pptx
DEGRADAÇÃO DO SOLO.pptxDEGRADAÇÃO DO SOLO.pptx
DEGRADAÇÃO DO SOLO.pptxssuser51d27c1
 
TERRITORIALIZAÇÃO.pptx
TERRITORIALIZAÇÃO.pptxTERRITORIALIZAÇÃO.pptx
TERRITORIALIZAÇÃO.pptxssuser51d27c1
 
indicadores de saude.pptx
indicadores de saude.pptxindicadores de saude.pptx
indicadores de saude.pptxssuser51d27c1
 
Biossegurança e resíduos de serviços de saúde (1).pptx
Biossegurança e resíduos de serviços de saúde (1).pptxBiossegurança e resíduos de serviços de saúde (1).pptx
Biossegurança e resíduos de serviços de saúde (1).pptxssuser51d27c1
 
CIDADES SAUDÁVEIS aula 05.pptx
CIDADES SAUDÁVEIS aula 05.pptxCIDADES SAUDÁVEIS aula 05.pptx
CIDADES SAUDÁVEIS aula 05.pptxssuser51d27c1
 

Mais de ssuser51d27c1 (20)

Trabalhando em Grupos na AB.pptx
Trabalhando em Grupos na AB.pptxTrabalhando em Grupos na AB.pptx
Trabalhando em Grupos na AB.pptx
 
SISTEMA CIRCULATÓRIO II novo.pptx
SISTEMA CIRCULATÓRIO II novo.pptxSISTEMA CIRCULATÓRIO II novo.pptx
SISTEMA CIRCULATÓRIO II novo.pptx
 
ATENÇÃO PRIMÁRIA EM SAÚDE.pptx
ATENÇÃO PRIMÁRIA EM SAÚDE.pptxATENÇÃO PRIMÁRIA EM SAÚDE.pptx
ATENÇÃO PRIMÁRIA EM SAÚDE.pptx
 
AS TEORIAS PEDAGÓGICAS.ppt
AS TEORIAS PEDAGÓGICAS.pptAS TEORIAS PEDAGÓGICAS.ppt
AS TEORIAS PEDAGÓGICAS.ppt
 
educaçao em saude aula 01.pptx
educaçao em saude aula 01.pptxeducaçao em saude aula 01.pptx
educaçao em saude aula 01.pptx
 
slaid educação permanente.pptx
slaid educação permanente.pptxslaid educação permanente.pptx
slaid educação permanente.pptx
 
DOENÇA CORONARIANA.pptx
DOENÇA CORONARIANA.pptxDOENÇA CORONARIANA.pptx
DOENÇA CORONARIANA.pptx
 
AULA DIA 27.04.2021.pptx
AULA DIA 27.04.2021.pptxAULA DIA 27.04.2021.pptx
AULA DIA 27.04.2021.pptx
 
VIGIALNICIA EM SAUDE - HISTORIA.pptx
VIGIALNICIA EM SAUDE - HISTORIA.pptxVIGIALNICIA EM SAUDE - HISTORIA.pptx
VIGIALNICIA EM SAUDE - HISTORIA.pptx
 
atribuição da enfermagem.pptx
atribuição da enfermagem.pptxatribuição da enfermagem.pptx
atribuição da enfermagem.pptx
 
DANT DCNT.pptx
DANT DCNT.pptxDANT DCNT.pptx
DANT DCNT.pptx
 
Aula_4_-modelos_de_atenção.pdf
Aula_4_-modelos_de_atenção.pdfAula_4_-modelos_de_atenção.pdf
Aula_4_-modelos_de_atenção.pdf
 
aula 02 politicas publicas.pptx
aula 02 politicas publicas.pptxaula 02 politicas publicas.pptx
aula 02 politicas publicas.pptx
 
impactos ambientais.pptx
 impactos ambientais.pptx impactos ambientais.pptx
impactos ambientais.pptx
 
DEGRADAÇÃO DO SOLO.pptx
DEGRADAÇÃO DO SOLO.pptxDEGRADAÇÃO DO SOLO.pptx
DEGRADAÇÃO DO SOLO.pptx
 
DHAA.pptx
DHAA.pptxDHAA.pptx
DHAA.pptx
 
TERRITORIALIZAÇÃO.pptx
TERRITORIALIZAÇÃO.pptxTERRITORIALIZAÇÃO.pptx
TERRITORIALIZAÇÃO.pptx
 
indicadores de saude.pptx
indicadores de saude.pptxindicadores de saude.pptx
indicadores de saude.pptx
 
Biossegurança e resíduos de serviços de saúde (1).pptx
Biossegurança e resíduos de serviços de saúde (1).pptxBiossegurança e resíduos de serviços de saúde (1).pptx
Biossegurança e resíduos de serviços de saúde (1).pptx
 
CIDADES SAUDÁVEIS aula 05.pptx
CIDADES SAUDÁVEIS aula 05.pptxCIDADES SAUDÁVEIS aula 05.pptx
CIDADES SAUDÁVEIS aula 05.pptx
 

Último

Farmacologia do Sistema Nervoso Autonomo
Farmacologia do Sistema Nervoso AutonomoFarmacologia do Sistema Nervoso Autonomo
Farmacologia do Sistema Nervoso AutonomoPAULOVINICIUSDOSSANT1
 
AULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptx
AULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptxAULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptx
AULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptxLanaMonteiro8
 
Escala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismo
Escala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismoEscala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismo
Escala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismoJose Ribamar
 
Slides-trabalho-biossegurança em hospitais.pptx
Slides-trabalho-biossegurança em hospitais.pptxSlides-trabalho-biossegurança em hospitais.pptx
Slides-trabalho-biossegurança em hospitais.pptxsaraferraz09
 
ATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdf
ATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdfATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdf
ATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdfWendelldaLuz
 
Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...
Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...
Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...Astrid Mühle Moreira Ferreira
 
anemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptx
anemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptxanemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptx
anemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptxnarayaskara215
 
aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...
aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...
aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...quelenfermeira
 
Não podemos esquecer que outros critérios são necessários para se fazer o dia...
Não podemos esquecer que outros critérios são necessários para se fazer o dia...Não podemos esquecer que outros critérios são necessários para se fazer o dia...
Não podemos esquecer que outros critérios são necessários para se fazer o dia...TaniaN8
 
Protocolo Zero Rugas - formato digital01
Protocolo Zero Rugas - formato digital01Protocolo Zero Rugas - formato digital01
Protocolo Zero Rugas - formato digital01perfilnovo3rich
 

Último (10)

Farmacologia do Sistema Nervoso Autonomo
Farmacologia do Sistema Nervoso AutonomoFarmacologia do Sistema Nervoso Autonomo
Farmacologia do Sistema Nervoso Autonomo
 
AULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptx
AULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptxAULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptx
AULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptx
 
Escala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismo
Escala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismoEscala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismo
Escala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismo
 
Slides-trabalho-biossegurança em hospitais.pptx
Slides-trabalho-biossegurança em hospitais.pptxSlides-trabalho-biossegurança em hospitais.pptx
Slides-trabalho-biossegurança em hospitais.pptx
 
ATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdf
ATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdfATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdf
ATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdf
 
Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...
Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...
Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...
 
anemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptx
anemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptxanemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptx
anemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptx
 
aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...
aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...
aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...
 
Não podemos esquecer que outros critérios são necessários para se fazer o dia...
Não podemos esquecer que outros critérios são necessários para se fazer o dia...Não podemos esquecer que outros critérios são necessários para se fazer o dia...
Não podemos esquecer que outros critérios são necessários para se fazer o dia...
 
Protocolo Zero Rugas - formato digital01
Protocolo Zero Rugas - formato digital01Protocolo Zero Rugas - formato digital01
Protocolo Zero Rugas - formato digital01
 

08 abdome.pptx

  • 1. Prof. Francielly Maira Bordon EXAME FÍSICO DO ABDÔMEN
  • 2. • Hábitos alimentares; • Habitos de funcionamento gastrointestinal; • Sinais e sintomas relacionados; • Investigar a queixa atual; • Início, duração e intensidade dos sintomas; ANAMNESE
  • 3. ► Quando houver dor abdominal, avaliar o caráter da dor (tipo, localização, início, freqüência, evolução, etc.) ► Mudança de peso recentemente ou intolerância alimentar (náuseas, vômitos, cãibras, etc). ► Cirurgia anterior, traumatismo abdominal ou testes diagnósticos do trato GI. ► Antecedentes familiares de câncer, doença renal, alcoolismo, hipertensão ou cardiopatia.
  • 4. ► Mulher: avaliar se há gestação – DUM ► Consumo habitual de álcool. ► Uso de antiinflamatórios ou antibióticos que possam causar sangramento GI. ► Fatores de risco de exposição do vírus da hepatite B: profissional de saúde, hemodiálise, usuário de fármacos intravenosos, heterossexual com mais de 1 parceiro nos últimos 6 meses, homossexual, bissexual, etc.
  • 5. ► Apendicite, colecistite, pancreatite, úlcera gástrica ou duodenal, gravidez ectópica, aneurisma abdominal rompido, doença inflamatória pélvica, cálculos renais. CAUSAS DE DOR
  • 6. ► Sinais e sintomas: anorexia, emagrecimento, dor, polifagia, disfagia, soluço, distensão abdominal, massas palpáveis. ► Observar: forma, abaulamentos, retrações, circulação colateral e cicatriz umbilical. Na ascite mensurar circunferência abdominal.
  • 7. ► Observar: história de náuseas, vômitos, regurgitação, halitose, pirose, eructação, gastrite, úlcera, hematêmese, gastralgia, dispepsia. ► Auscultar: ruídos peristálticos em toda a extensão abdominal. ► Palpar: com as mãos espalmadas com as polpas digitais em movimentos rotativos e rápidos para reconhecer a sensibilidade, a integridade anatômica e a tensão da parede abdominal. ESTOMAGO
  • 8. Fígado e baço ► Icterícia, intolerância a alimentos gordurosos, dor localizada; ► Palpação: identificar hepatomegalia e esplenomegalia
  • 9. Intestinos ► Sinais e sintomas: constipação, diarréia, meteorismo, tenesmo, enterorragia, acolia fecal, parasitoses, melena. ► Palpação: somente o cecco e o sigmóide são palpáveis por se localizarem sob o músculo psoas. Sinal de Blumberg positivo, sugere inflamação do apêndice vermiforme. ► ÂNUS: hemorróidas, fissura, fístula.
  • 10. Considerações Gerais ► Na gestação os sons intestinais diminuem em decorrência da peristalse reduzida e constipação intestinal é comum. ► Idosos têm peristalse e sensação nervosa reduzidas no intestino inferior, o que torna a constipação intestinal um problema comum.
  • 11. ► Ausência de sons intestinais indica cessação de motilidade do trato GI (obstrução intestinal, íleo paralítico ou peritonite)
  • 12. ► Sons hiperativos indicando aumento da motilidade (inflamação, ansiedade, diarréia, sangramento e ingestão excessiva de laxantes ou certos alimentos). ► A vesícula biliar normal e o baço normal não são palpáveis.
  • 13. QSD: lobo hepático D, vesícula biliar, piloro, duodeno, cabeça do pâncreas, porções do cólon ascendente e transverso. QSE: lobo hepático E, estômago, corpo do pâncreas, porções do cólon transverso e descendente. QID: ceco e apêndice, porção do cólon ascendente. QIE: cólon sigmóide, porção do cólon descendente.
  • 14.
  • 15. • Inspeção; • Ausculta; • Percussão; • Palpação.
  • 16. INSPENÇÃO OBSERVAR: • Forma, volume, movimentos; • Abaulamentos ou Retrações; • Características da pele, presença de cicatrizes; • Presença de circulação colateral; • Alterações da parede (hérnias).
  • 17. FORMA E VOLUME Formas de apresentação mais freqüentes: • Abdome Normal; • Abdome Globoso; • Avental • Abdome escavado; • Distendido.
  • 18. ABAULAMENTOS OU RETRAÇÕES Causas mais comuns: – Hepatomegalia; – Esplenomegalia; – Útero gravídico; – Tumores de ovário, útero, renais, pancreáticos; – Retenção urinária; – Aneurisma da aorta abdominal; – Fecaloma.
  • 19. MOVIMENTOS • Respiratórios; • Pulsações; • Movimentos peristálticos visíveis.
  • 20.
  • 21. AUSCULTA Avaliar peristaltismo (RHA) • QID, sentido horário; • 5 min. de ausculta antes de determinar ausência de ruídos hidroaéreos; • descrição quanto à freqüência e intensidade: • Variação: 5 a 35 por min.; • hiperativos ou hipoativo;
  • 22. PERCUSSÃO • Finalidade: determinar tamanho e localização das vísceras sólidas, presença e distribuição de gases, líquidos e massas. • Descrição: sons timpânicos, maciços, submaciços. • Timpanismo: gases no TGI. • Sub-macicez e Macicez: órgãos, massas, fezes, líquidos.
  • 23. PALPAÇÃO • Finalidade: determinação do tamanho, forma, consistência, posição e sensibilidade (dor), identificação de massas, acúmulo de fluídos; • Superficial e profunda; • 4 quadrantes em sentido horário • Por último, áreas apontadas como dolorosas.
  • 24. Palpação Superficial: • Contribui para o relaxamento do paciente; • Determina condições gerais da parede; • Identificação grosseira de massas, órgãos superficiais e áreas dolorosas; • Reconhecimento contratura muscular reflexa.
  • 25. Palpação Profunda: • Delimitação + precisa de órgãos abdominais; • Detecção de massas menos evidentes; • Tamanho, forma, consistência, localização, sensibilidade, mobilidade, pulsações de órgãos, massas; • Observar expressões do paciente (desconforto/dor) • Pacientes obesos: técnica bimanual.
  • 26.
  • 27. ► Sinal de MURPHY: colecistite aguda - parada abrupta da inspiração profunda por aumento da dor no momento em que o fundo da vesícula biliar inflamada (QSD) é pressionada pelos dedos do examinador.
  • 28. •Sinal de ROVSING: apendicite aguda - Se na palpação do QIE do abdome do paciente resultar em dor no QID, diz-se que o paciente é positivo para o sinal de Rovsing, um indicativo para apendicite. Essa palpação é realizada procurando-se "ordenhar" o intestino grosso, a partir do sigmóide em direção ao cólon descendente, transverso e finalmente ascendente, onde o acúmulo de gases e/ou fezes gera a dor pois é aí que se encontra o apêndice.
  • 29. ► Sinal de BLUMBERG: apendicite aguda - Consiste na presença de dor durante uma descompressão súbita da parede abdominal. Está geralmente associado à apendicite aguda quando presente na fossa ilíaca direita.
  • 30. Sinal do PSOAS: apendicite aguda - dá positivo quando: 1) compressão da fossa ilíaca direita o paciente eleva o membro inferior direito, 2) flexão do MID provoca dor. Sinal do MÚSCULO OBTURADOR: apendicite aguda - é pesquisado mantendo-se flexionada a coxa sobre o abdome em ângulo reto girando-a para fora e para dentro; se houver dor é positivo.
  • 31. POTTER, Patrícia Ann. Semiologia em Enfermagem. 4ªed. Rio de Janeiro: Reichmann & Affonso, 2002.