SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 27
ESF
ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA
Caracteriza-se por um conjunto de ações promoção
e proteção da saúde, prevenção de agravos,
diagnóstico, tratamento, reabilitação e manutenção
da saúde, desenvolvida no individual e nos
coletivos, por meio de práticas gerenciais e
sanitárias democráticas e participativas.
No SUS, se constitui-se como um nível hierárquico
da atenção, que deve estar organizado em todos os
municípios do país.
Atenção Básica
Caracterizado pela:
 Atenção à doença
 Fragmentação (da clínica, do conhecimento,
das ações de saúde, etc)
 Descontinuidade da atenção
 Valorização da super-especialização
No Modelo Flexineriano - Biomédico
Possibilita a organização do Sistema
Municipal de Saúde para contemplar os
pontos essenciais de qualidade na
Atenção Básica mantendo o foco da
atenção nas famílias da comunidade
ABS organizada pela estratégia SAÚDE
DA FAMÍLIA
É uma estratégia de organização da ABS
Procura o fortalecimento da atenção por meio da
ampliação do acesso, a qualificação e
reorientação das práticas de saúde no modelo de
Promoção da Saúde
 Humanização, Acolhimento e Vínculo
 Integralidade
 Prevenção, promoção, tratamento, recuperação e
manutenção da saúde
 Território e comunidade adstrita
 Foco na Família
Cuidado ao longo do tempo
O que é Saúde da Família?
Princípios da estratégia Saúde da Família
 Territorialização
 Adstrição da clientela
 Família como foco de assistência
 Trabalho em equipe interdisciplinar
 Vínculos de co-responsabilidade entre
profissionais e famílias assistidas
 Integralidade, resolubilidade e
intersetorialidade das ações - Efetividade
 Estímulo à participação social
Bases normativas da estratégia de Saúde
da Família
A Saúde da Família constitui uma estratégia para a
organização e fortalecimento da Atenção Básica no
Brasil, objetivando:
 A Reorganização do Modelo de Atenção à Saúde
 A Reorientação das Práticas Profissionais
Unidades de Saúde da Família devem ser:
 A “porta de entrada” para um sistema hierarquizado
e regionalizado
Unidades de Saúde da Família devem ser responsáveis:
 Atender e resolver 80% das demandas de saúde da
população
 A equipe de Saúde da Família é responsável pela saúde
da população adstrita à sua unidade de saúde, de forma
permanente, resolutiva e humana
 Os profissionais de saúde devem estabelecer vínculos
de confiança e responsabilidade com os indivíduos,
famílias e comunidades por eles acompanhadas
 As ações de saúde devem ser orientadas para o cuidado
integral dos indivíduos inseridos em suas respectivas
famílias e comunidades
 O estímulo à participação da população é considerado
de grande importância na discussão dos problemas de
saúde da comunidade e na vigilância da qualidade dos
serviços de saúde
 A intersetorialidade à condição essencial à promoção
da saúde e da qualidade de vida da população
Bases normativas da estratégia de
Saúde da Família
PORTARIA 648/2008
É condição essencial que todos os
profissionais das equipes trabalhem 8
horas por dia - 40 horas semanais
Áreas Estratégicas – ABS
 Controle da tuberculose
 Eliminação da hanseníase
 Controle da hipertensão arterial
 Controle da diabetes mellitus
 Saúde da criança
 Saúde da mulher
 Saúde bucal
Bases da atuação das equipes de Saúde
da Família
I- Planejamento das Ações:
“...desenvolver habilidade de conhecer o território
estando atento também para descobrir os aspectos
positivos e o potencial da comunidade para resolver
os problemas de saúde.”
 Conhecer os fatores determinantes do processo
saúde-doença;
 Estabelecer prioridades e traçar estratégias de
enfrentamento para os problemas detectados;
 Conhecer o perfil epidemiológico da população;
 Garantir estoque de insumos necessários para o
funcionamento do trabalho.
Bases da atuação das equipes de Saúde
da Família
II- Saúde, Promoção e Vigilância à Saúde:
“...é fundamental entender a saúde como produção
social...e como um processo de responsabilidade
compartilhada das ações, incluindo a articulação entre
diferentes e a população.”
 Conhecer os fatores que determinam a qualidade de
vida da comunidade de seu território;
 Articular-se com outros setores e instituições locais e
movimentos sociais organizados,buscando integrar
ações que contribuam para melhorar a qualidade de
vida da comunidade;
 Estimular a participação da comunidade no
planejamento, execução e avaliação das ações de
saúde
Bases da atuação das equipes de Saúde
da Família
III- Trabalho Interdisciplinar em Equipe:
“...buscar a possibilidade de a prática de um profissional
se reconstruir na prática de outro, transformando
ambas...”
 Conhecer e analisar o trabalho de toda a equipe,
verificando as atribuições específicas de cada
profissional e identificando as ações comuns a todos
os componentes da equipe;
 Compartilhar conhecimentos e informações para o
bom desempenho do trabalho em equipe;
 Participar da formação e do treinamento do pessoal
auxiliar, voluntários e estagiários de cursos ou de
outros serviços preparando-os para identificar e atuar
nos principais problemas de saúde da população.
Bases da atuação das equipes de Saúde
da Família
IV- Abordagem Integral da Família:
“...ver as pessoas em seus contextos socioeconômico e
cultural, com ética, compromisso, respeito...conceber
o ser humano como sujeito social capaz de traçar
seus próprios projetos...”
 Compreender a família de forma integral e sistêmica,
como espaço de desenvolvimento individual e de
grupo, dinâmico e passível de crises;
 Identificar a relação da família com a comunidade;
 Identificar os processos de violência familiar, se
houver, e abordá-los de forma integral, organizada,
com a participação das diferentes disciplinas e
setores e de acordo com os preceitos legais e éticos
existentes.
O foco na família
 Fornece base para conhecer os usuários
dentro de seu ambiente e dos problemas de
saúde dos demais membros da família, podendo
esclarecer e os mecanismos de etiologia e
potencializar as respostas terapêuticas aos
problemas de saúde
Possibilita a ampliação dos diagnósticos de
saúde na comunidade e qualifica o
Planejamento Local, que buscará fornecer
mecanismos para o estabelecimento do
equilíbrio da saúde dos indivíduos, famílias e
comunidade
O foco na família
 Utiliza métodos da clínica, da epidemiologia,
das ciências sociais e da pesquisa e avaliação
dos serviços de saúde para: definir e
caracterizar a comunidade, identificar os
problemas de saúde da comunidade, modificar
programas para abordar estes problemas e
monitorar a efetividade das ações de saúde
Os profissionais da Saúde da Família
 São especialistas nos problemas mais comuns
e freqüentes na comunidade
 Praticam a Saúde Baseada em Evidências,
utilizando-se dos conhecimentos mais
atualizados das ciências
 Suas ações são geralmente e baixa densidade
tecnológica, porém são de alta complexidade da
prática em saúde, pois para além da assistência,
buscam atuar sobre os determinantes das
doenças, através das ações de prevenção e
promoção da saúde
Perspectivas de Impacto Sócio - Político
 Resolver 85% dos problemas de saúde da
comunidade
 Realizar vigilância à saúde
 Racionalizar acesso aos serviços de média e
alta complexidade/ continuidade da assistência
 Ampliar ações de promoção à saúde, incluindo
ações intersetoriais
 Identificar e fortalecer redes de proteção
social, governamentais e/ou não
1. Atenção centrada na
doença
2. Atua sobre a demanda
espontânea
3. Ênfase na medicina
curativa
4. Trata o indivíduo como
objeto da ação
A transformação do modelo
de para
1. Atenção centrada na saúde
2. Responde à demanda de
forma continuada e racional.
3. Ênfase na integralidade da
assistência
4. O indivíduo é sujeito,
integrado a família, ao
domicílio, à comunidade.
5. Baixa capacidade de
resolver problemas
6. Saber e poder centrado
no dentista
7. Desvinculado da
comunidade
8. Relação custo/benefício
desvantajosa
5. Otimização da capacidade
de resolver problemas
6. Saber e poder centrados
na equipe e comunidade
7. Vinculado à comunidade
8. Relação custo benefício
otimizada
A transformação do modelo
de para
• Não realiza consultas médicas domiciliares
indiscriminadas
• Não é a solução para todos os problemas de saúde da
comunidade. Sempre haverão pacientes com
necessidades de atenção em diferentes níveis de
complexidade do sistema
• Não realiza todas as atividades a nível domiciliar, há
processos e procedimentos que exigem o Equipamento de
Saúde
• Não é um sistema de resgate domiciliar para situações de
urgência e emergência
• Não impõe o tratamento para a negação de atendimento
por parte de alguns indivíduos. Busca alternativas para
superação do problemas entre todos os recursos da
comunidade
Esclarecendo Confusões Comuns - a SF:
1. Na Gestão :
 Falta de priorização no financiamento para
ABS
 Distorção do conceito de Integralidade -
aplicado à formulação de políticas de “ação
programática” e “campanhista”
 Pouco compromisso dos serviços/gestores
com a Resolubilidade – priorização das ações
curativas/emergenciais
Saúde da Família: Limites e Possibilidades
Desafios do SUS
 Fragmentação da Atenção à Saúde onde
persiste o equívoco de que “ABS faz apenas
promoção e prevenção”
 Rede constituída que necessita de
adequações estruturais
 Instrumentos gerenciais de Avaliação e
Monitoramento inadequados à nova prática
Saúde da Família: Limites e Possibilidades
QUESTÕES INFORMADAS AO MINISTÉRIO
PÚBLICO
 Médicos Ausentes.
 Médicos fazem apenas as consultas.
 Médicos não participam da reunião com a
equipe.
 Médicos não fazem acompanhamento dos
pacientes acamados.
 Médicos se sujeitam a trocar receitas, sem
acompanhar o paciente.
 Médicos solicitam exames e consultas
especializadas por solicitação do Usuário.
QUESTÕES INFORMADAS AO MINISTÉRIO
PÚBLICO
 Exagero de pedidos de exames
complementares.
 Médico triador _ Médico “AO…AO”.
 Encaminhamentos sem Justificativa médica e
história clínica.
 Enfermeiros só fazem relatórios, sem tempo
para atendimento, acompanhamento de
acamados, não realiza discussão de casos com
a equipe.
 Enfermeiros não priorizam os
encaminhamentos.
SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE
COMPETÊNCIA
 Fornecer os insumos necessários as equipes
do PSF.
 Disponibilizar estrutura física e equipamentos
adequados.
 Implementar os programas de Educação
continuada, treinamento em serviço,
Supervisão e Assessoramento.
 Compilar os dados de produção para o MS e
imformar as equipes as análises realizadas.
 Garantir o cumprimento do horário de trabalho.
SECRETARIA ESTADUAL DE SAÚDE
COMPETÊNCIA
 Avaliar mensalmente os dados informados.
 Acompanhamento das metas pactuadas.
 Avaliar a qualidade da assistência prestada,
através dos indicadores preconizados pelo
Ministério da Saúde.
 Realizar discussão com as equipes municipais
sobre a metas/dados apresentados e
analisados.
 Informar aos órgãos de fiscalização/controle
dos resultados obtidos.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Curso Introduorio ESF - Conteudo teorico modulo 2 - Aula 2
Curso Introduorio ESF - Conteudo teorico modulo 2 - Aula 2Curso Introduorio ESF - Conteudo teorico modulo 2 - Aula 2
Curso Introduorio ESF - Conteudo teorico modulo 2 - Aula 2eadsantamarcelina
 
Princípios e diretrizes do sus
Princípios e diretrizes do susPrincípios e diretrizes do sus
Princípios e diretrizes do susMarcos Nery
 
Sistema Único de Saúde - Slide c/ vídeo
Sistema Único de Saúde - Slide c/ vídeoSistema Único de Saúde - Slide c/ vídeo
Sistema Único de Saúde - Slide c/ vídeoIsabela Ferreira
 
Politica de saude nacional da mulher
Politica de saude nacional da mulherPolitica de saude nacional da mulher
Politica de saude nacional da mulherAlanna Alexandre
 
Processo Saúde-doença e Higiene Dental
Processo Saúde-doença  e Higiene DentalProcesso Saúde-doença  e Higiene Dental
Processo Saúde-doença e Higiene DentalRômulo Augusto
 
Promocaosaude políticas
Promocaosaude políticasPromocaosaude políticas
Promocaosaude políticasMarcos Nery
 
Aula 1 politicas de saude no brasil
Aula 1   politicas de saude no brasilAula 1   politicas de saude no brasil
Aula 1 politicas de saude no brasilkellyschorro18
 
Aula 1 saúde coletiva i slides aula - cópia
Aula 1 saúde coletiva i   slides aula - cópiaAula 1 saúde coletiva i   slides aula - cópia
Aula 1 saúde coletiva i slides aula - cópiaKarla Toledo
 
Seminário saúde coletiva enfermagem 8º período
Seminário saúde coletiva enfermagem 8º períodoSeminário saúde coletiva enfermagem 8º período
Seminário saúde coletiva enfermagem 8º períodoLaíz Coutinho
 
Estrutura organizacional dos serviços de saúde - Redes de Atenção à Saúde (RAS)
Estrutura organizacional dos serviços de saúde - Redes de Atenção à Saúde (RAS)Estrutura organizacional dos serviços de saúde - Redes de Atenção à Saúde (RAS)
Estrutura organizacional dos serviços de saúde - Redes de Atenção à Saúde (RAS)Patrícia Cruz Rodrigues Marion
 
PNAB principais ações
PNAB principais açõesPNAB principais ações
PNAB principais açõestmunicipal
 
Programa nacional de atenção integral à saúde da Mulher
Programa nacional de atenção integral à saúde da MulherPrograma nacional de atenção integral à saúde da Mulher
Programa nacional de atenção integral à saúde da MulherFernanda Marinho
 
Política Nacional de Atenção Integral á Saúde da Mulher
Política Nacional de Atenção Integral á Saúde da MulherPolítica Nacional de Atenção Integral á Saúde da Mulher
Política Nacional de Atenção Integral á Saúde da MulherKarina Pereira
 
Aula Programa Nacional de Imunizacao
Aula Programa Nacional de ImunizacaoAula Programa Nacional de Imunizacao
Aula Programa Nacional de ImunizacaoErivaldo Rosendo
 

Mais procurados (20)

Curso Introduorio ESF - Conteudo teorico modulo 2 - Aula 2
Curso Introduorio ESF - Conteudo teorico modulo 2 - Aula 2Curso Introduorio ESF - Conteudo teorico modulo 2 - Aula 2
Curso Introduorio ESF - Conteudo teorico modulo 2 - Aula 2
 
Redes de atenção à saúde
Redes de atenção à saúdeRedes de atenção à saúde
Redes de atenção à saúde
 
Princípios e diretrizes do sus
Princípios e diretrizes do susPrincípios e diretrizes do sus
Princípios e diretrizes do sus
 
Slides grupo8
Slides grupo8Slides grupo8
Slides grupo8
 
Sistema Único de Saúde - Slide c/ vídeo
Sistema Único de Saúde - Slide c/ vídeoSistema Único de Saúde - Slide c/ vídeo
Sistema Único de Saúde - Slide c/ vídeo
 
Politica de saude nacional da mulher
Politica de saude nacional da mulherPolitica de saude nacional da mulher
Politica de saude nacional da mulher
 
Processo Saúde-doença e Higiene Dental
Processo Saúde-doença  e Higiene DentalProcesso Saúde-doença  e Higiene Dental
Processo Saúde-doença e Higiene Dental
 
Vigilancia em saude
Vigilancia em saude Vigilancia em saude
Vigilancia em saude
 
Promoção e educação em saúde bucal
Promoção e educação em saúde bucalPromoção e educação em saúde bucal
Promoção e educação em saúde bucal
 
Legislação do SUS
Legislação do SUSLegislação do SUS
Legislação do SUS
 
Promocaosaude políticas
Promocaosaude políticasPromocaosaude políticas
Promocaosaude políticas
 
Aula 1 politicas de saude no brasil
Aula 1   politicas de saude no brasilAula 1   politicas de saude no brasil
Aula 1 politicas de saude no brasil
 
Aula 1 saúde coletiva i slides aula - cópia
Aula 1 saúde coletiva i   slides aula - cópiaAula 1 saúde coletiva i   slides aula - cópia
Aula 1 saúde coletiva i slides aula - cópia
 
Seminário saúde coletiva enfermagem 8º período
Seminário saúde coletiva enfermagem 8º períodoSeminário saúde coletiva enfermagem 8º período
Seminário saúde coletiva enfermagem 8º período
 
Estrutura organizacional dos serviços de saúde - Redes de Atenção à Saúde (RAS)
Estrutura organizacional dos serviços de saúde - Redes de Atenção à Saúde (RAS)Estrutura organizacional dos serviços de saúde - Redes de Atenção à Saúde (RAS)
Estrutura organizacional dos serviços de saúde - Redes de Atenção à Saúde (RAS)
 
PNAB principais ações
PNAB principais açõesPNAB principais ações
PNAB principais ações
 
Pactopela saude
Pactopela saudePactopela saude
Pactopela saude
 
Programa nacional de atenção integral à saúde da Mulher
Programa nacional de atenção integral à saúde da MulherPrograma nacional de atenção integral à saúde da Mulher
Programa nacional de atenção integral à saúde da Mulher
 
Política Nacional de Atenção Integral á Saúde da Mulher
Política Nacional de Atenção Integral á Saúde da MulherPolítica Nacional de Atenção Integral á Saúde da Mulher
Política Nacional de Atenção Integral á Saúde da Mulher
 
Aula Programa Nacional de Imunizacao
Aula Programa Nacional de ImunizacaoAula Programa Nacional de Imunizacao
Aula Programa Nacional de Imunizacao
 

Semelhante a Aula1

PSF PROGRAMA E SAUDE DA FAMILIA.ppt
PSF PROGRAMA E SAUDE DA FAMILIA.pptPSF PROGRAMA E SAUDE DA FAMILIA.ppt
PSF PROGRAMA E SAUDE DA FAMILIA.pptLucianaSousa469679
 
Aula saúde-da-família[1][1]
Aula saúde-da-família[1][1]Aula saúde-da-família[1][1]
Aula saúde-da-família[1][1]Monica Mamedes
 
Aula 14 - SAUDE COLETIVA - Programa Saúde da Família.pdf
Aula 14 - SAUDE COLETIVA -  Programa Saúde da Família.pdfAula 14 - SAUDE COLETIVA -  Programa Saúde da Família.pdf
Aula 14 - SAUDE COLETIVA - Programa Saúde da Família.pdfGiza Carla Nitz
 
Aula_4_-modelos_de_atenção.pdf
Aula_4_-modelos_de_atenção.pdfAula_4_-modelos_de_atenção.pdf
Aula_4_-modelos_de_atenção.pdfssuser51d27c1
 
Atenção básica no município de Osório
Atenção básica no município de OsórioAtenção básica no município de Osório
Atenção básica no município de OsórioEduc&Saude
 
Fisioterapia na Atenção Básica.pptx
Fisioterapia na Atenção Básica.pptxFisioterapia na Atenção Básica.pptx
Fisioterapia na Atenção Básica.pptxKarolineRossi1
 
O cuidado em saúde mental
O cuidado em saúde mentalO cuidado em saúde mental
O cuidado em saúde mentalIasmin Castro
 
Breve história da mfc, diagnóstico comunitário e planejamento do diagnóstico ...
Breve história da mfc, diagnóstico comunitário e planejamento do diagnóstico ...Breve história da mfc, diagnóstico comunitário e planejamento do diagnóstico ...
Breve história da mfc, diagnóstico comunitário e planejamento do diagnóstico ...Ricardo Alexandre
 
aula 2 saude coletiva II_1691079403 (1).pptx
aula 2 saude coletiva II_1691079403 (1).pptxaula 2 saude coletiva II_1691079403 (1).pptx
aula 2 saude coletiva II_1691079403 (1).pptxFrancielttonsantos
 
Conteúdo_teórico_MODULO_3_Bioética_e_Atribuições
Conteúdo_teórico_MODULO_3_Bioética_e_AtribuiçõesConteúdo_teórico_MODULO_3_Bioética_e_Atribuições
Conteúdo_teórico_MODULO_3_Bioética_e_Atribuiçõesaagapesantamarcelina
 

Semelhante a Aula1 (20)

PSF PROGRAMA E SAUDE DA FAMILIA.ppt
PSF PROGRAMA E SAUDE DA FAMILIA.pptPSF PROGRAMA E SAUDE DA FAMILIA.ppt
PSF PROGRAMA E SAUDE DA FAMILIA.ppt
 
SlidesdoPSF.ppt
SlidesdoPSF.pptSlidesdoPSF.ppt
SlidesdoPSF.ppt
 
Programa de Saúde da Família (PSF
Programa de Saúde da Família (PSFPrograma de Saúde da Família (PSF
Programa de Saúde da Família (PSF
 
Trabalho sobre o Programa de Saúde da Família
Trabalho sobre o Programa de Saúde da FamíliaTrabalho sobre o Programa de Saúde da Família
Trabalho sobre o Programa de Saúde da Família
 
Aula saúde-da-família[1][1]
Aula saúde-da-família[1][1]Aula saúde-da-família[1][1]
Aula saúde-da-família[1][1]
 
Apresentação atenção básica esf
Apresentação atenção básica   esfApresentação atenção básica   esf
Apresentação atenção básica esf
 
Intervenções psicológicas em saúde pública
Intervenções psicológicas em saúde públicaIntervenções psicológicas em saúde pública
Intervenções psicológicas em saúde pública
 
psf
psfpsf
psf
 
Aula 14 - SAUDE COLETIVA - Programa Saúde da Família.pdf
Aula 14 - SAUDE COLETIVA -  Programa Saúde da Família.pdfAula 14 - SAUDE COLETIVA -  Programa Saúde da Família.pdf
Aula 14 - SAUDE COLETIVA - Programa Saúde da Família.pdf
 
Aula_4_-modelos_de_atenção.pdf
Aula_4_-modelos_de_atenção.pdfAula_4_-modelos_de_atenção.pdf
Aula_4_-modelos_de_atenção.pdf
 
Atenção básica no município de Osório
Atenção básica no município de OsórioAtenção básica no município de Osório
Atenção básica no município de Osório
 
Fisioterapia na Atenção Básica.pptx
Fisioterapia na Atenção Básica.pptxFisioterapia na Atenção Básica.pptx
Fisioterapia na Atenção Básica.pptx
 
O cuidado em saúde mental
O cuidado em saúde mentalO cuidado em saúde mental
O cuidado em saúde mental
 
Breve história da mfc, diagnóstico comunitário e planejamento do diagnóstico ...
Breve história da mfc, diagnóstico comunitário e planejamento do diagnóstico ...Breve história da mfc, diagnóstico comunitário e planejamento do diagnóstico ...
Breve história da mfc, diagnóstico comunitário e planejamento do diagnóstico ...
 
aula 2 saude coletiva II_1691079403 (1).pptx
aula 2 saude coletiva II_1691079403 (1).pptxaula 2 saude coletiva II_1691079403 (1).pptx
aula 2 saude coletiva II_1691079403 (1).pptx
 
A04v57n1
A04v57n1A04v57n1
A04v57n1
 
Conteúdo_teórico_MODULO_3_Bioética_e_Atribuições
Conteúdo_teórico_MODULO_3_Bioética_e_AtribuiçõesConteúdo_teórico_MODULO_3_Bioética_e_Atribuições
Conteúdo_teórico_MODULO_3_Bioética_e_Atribuições
 
aula 6 - ESF.pptx
aula 6 -  ESF.pptxaula 6 -  ESF.pptx
aula 6 - ESF.pptx
 
SAÚDE COLETIVA.pptx
SAÚDE COLETIVA.pptxSAÚDE COLETIVA.pptx
SAÚDE COLETIVA.pptx
 
SAÚDE COLETIVA.pptx
SAÚDE COLETIVA.pptxSAÚDE COLETIVA.pptx
SAÚDE COLETIVA.pptx
 

Último

Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoAtividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoMary Alvarenga
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxBiancaNogueira42
 
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfPPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfAnaGonalves804156
 
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 anoandrealeitetorres
 
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptxATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptxOsnilReis1
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosAntnyoAllysson
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfaulasgege
 
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfUFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfManuais Formação
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPanandatss1
 
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e TaniModelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e TaniCassio Meira Jr.
 
A Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das MãesA Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das MãesMary Alvarenga
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxIsabelaRafael2
 
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOLEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOColégio Santa Teresinha
 
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfEditoraEnovus
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfIedaGoethe
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduraAdryan Luiz
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundonialb
 

Último (20)

Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoAtividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
 
Em tempo de Quaresma .
Em tempo de Quaresma                            .Em tempo de Quaresma                            .
Em tempo de Quaresma .
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
 
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfPPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
 
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
 
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptxATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
 
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfUFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SP
 
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e TaniModelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
 
A Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das MãesA Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
 
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOLEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
 
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditadura
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
 

Aula1

  • 2. Caracteriza-se por um conjunto de ações promoção e proteção da saúde, prevenção de agravos, diagnóstico, tratamento, reabilitação e manutenção da saúde, desenvolvida no individual e nos coletivos, por meio de práticas gerenciais e sanitárias democráticas e participativas. No SUS, se constitui-se como um nível hierárquico da atenção, que deve estar organizado em todos os municípios do país. Atenção Básica
  • 3. Caracterizado pela:  Atenção à doença  Fragmentação (da clínica, do conhecimento, das ações de saúde, etc)  Descontinuidade da atenção  Valorização da super-especialização No Modelo Flexineriano - Biomédico
  • 4. Possibilita a organização do Sistema Municipal de Saúde para contemplar os pontos essenciais de qualidade na Atenção Básica mantendo o foco da atenção nas famílias da comunidade ABS organizada pela estratégia SAÚDE DA FAMÍLIA
  • 5. É uma estratégia de organização da ABS Procura o fortalecimento da atenção por meio da ampliação do acesso, a qualificação e reorientação das práticas de saúde no modelo de Promoção da Saúde  Humanização, Acolhimento e Vínculo  Integralidade  Prevenção, promoção, tratamento, recuperação e manutenção da saúde  Território e comunidade adstrita  Foco na Família Cuidado ao longo do tempo O que é Saúde da Família?
  • 6. Princípios da estratégia Saúde da Família  Territorialização  Adstrição da clientela  Família como foco de assistência  Trabalho em equipe interdisciplinar  Vínculos de co-responsabilidade entre profissionais e famílias assistidas  Integralidade, resolubilidade e intersetorialidade das ações - Efetividade  Estímulo à participação social
  • 7. Bases normativas da estratégia de Saúde da Família A Saúde da Família constitui uma estratégia para a organização e fortalecimento da Atenção Básica no Brasil, objetivando:  A Reorganização do Modelo de Atenção à Saúde  A Reorientação das Práticas Profissionais Unidades de Saúde da Família devem ser:  A “porta de entrada” para um sistema hierarquizado e regionalizado Unidades de Saúde da Família devem ser responsáveis:  Atender e resolver 80% das demandas de saúde da população
  • 8.  A equipe de Saúde da Família é responsável pela saúde da população adstrita à sua unidade de saúde, de forma permanente, resolutiva e humana  Os profissionais de saúde devem estabelecer vínculos de confiança e responsabilidade com os indivíduos, famílias e comunidades por eles acompanhadas  As ações de saúde devem ser orientadas para o cuidado integral dos indivíduos inseridos em suas respectivas famílias e comunidades  O estímulo à participação da população é considerado de grande importância na discussão dos problemas de saúde da comunidade e na vigilância da qualidade dos serviços de saúde  A intersetorialidade à condição essencial à promoção da saúde e da qualidade de vida da população Bases normativas da estratégia de Saúde da Família
  • 9. PORTARIA 648/2008 É condição essencial que todos os profissionais das equipes trabalhem 8 horas por dia - 40 horas semanais
  • 10. Áreas Estratégicas – ABS  Controle da tuberculose  Eliminação da hanseníase  Controle da hipertensão arterial  Controle da diabetes mellitus  Saúde da criança  Saúde da mulher  Saúde bucal
  • 11. Bases da atuação das equipes de Saúde da Família I- Planejamento das Ações: “...desenvolver habilidade de conhecer o território estando atento também para descobrir os aspectos positivos e o potencial da comunidade para resolver os problemas de saúde.”  Conhecer os fatores determinantes do processo saúde-doença;  Estabelecer prioridades e traçar estratégias de enfrentamento para os problemas detectados;  Conhecer o perfil epidemiológico da população;  Garantir estoque de insumos necessários para o funcionamento do trabalho.
  • 12. Bases da atuação das equipes de Saúde da Família II- Saúde, Promoção e Vigilância à Saúde: “...é fundamental entender a saúde como produção social...e como um processo de responsabilidade compartilhada das ações, incluindo a articulação entre diferentes e a população.”  Conhecer os fatores que determinam a qualidade de vida da comunidade de seu território;  Articular-se com outros setores e instituições locais e movimentos sociais organizados,buscando integrar ações que contribuam para melhorar a qualidade de vida da comunidade;  Estimular a participação da comunidade no planejamento, execução e avaliação das ações de saúde
  • 13. Bases da atuação das equipes de Saúde da Família III- Trabalho Interdisciplinar em Equipe: “...buscar a possibilidade de a prática de um profissional se reconstruir na prática de outro, transformando ambas...”  Conhecer e analisar o trabalho de toda a equipe, verificando as atribuições específicas de cada profissional e identificando as ações comuns a todos os componentes da equipe;  Compartilhar conhecimentos e informações para o bom desempenho do trabalho em equipe;  Participar da formação e do treinamento do pessoal auxiliar, voluntários e estagiários de cursos ou de outros serviços preparando-os para identificar e atuar nos principais problemas de saúde da população.
  • 14. Bases da atuação das equipes de Saúde da Família IV- Abordagem Integral da Família: “...ver as pessoas em seus contextos socioeconômico e cultural, com ética, compromisso, respeito...conceber o ser humano como sujeito social capaz de traçar seus próprios projetos...”  Compreender a família de forma integral e sistêmica, como espaço de desenvolvimento individual e de grupo, dinâmico e passível de crises;  Identificar a relação da família com a comunidade;  Identificar os processos de violência familiar, se houver, e abordá-los de forma integral, organizada, com a participação das diferentes disciplinas e setores e de acordo com os preceitos legais e éticos existentes.
  • 15. O foco na família  Fornece base para conhecer os usuários dentro de seu ambiente e dos problemas de saúde dos demais membros da família, podendo esclarecer e os mecanismos de etiologia e potencializar as respostas terapêuticas aos problemas de saúde Possibilita a ampliação dos diagnósticos de saúde na comunidade e qualifica o Planejamento Local, que buscará fornecer mecanismos para o estabelecimento do equilíbrio da saúde dos indivíduos, famílias e comunidade
  • 16. O foco na família  Utiliza métodos da clínica, da epidemiologia, das ciências sociais e da pesquisa e avaliação dos serviços de saúde para: definir e caracterizar a comunidade, identificar os problemas de saúde da comunidade, modificar programas para abordar estes problemas e monitorar a efetividade das ações de saúde
  • 17. Os profissionais da Saúde da Família  São especialistas nos problemas mais comuns e freqüentes na comunidade  Praticam a Saúde Baseada em Evidências, utilizando-se dos conhecimentos mais atualizados das ciências  Suas ações são geralmente e baixa densidade tecnológica, porém são de alta complexidade da prática em saúde, pois para além da assistência, buscam atuar sobre os determinantes das doenças, através das ações de prevenção e promoção da saúde
  • 18. Perspectivas de Impacto Sócio - Político  Resolver 85% dos problemas de saúde da comunidade  Realizar vigilância à saúde  Racionalizar acesso aos serviços de média e alta complexidade/ continuidade da assistência  Ampliar ações de promoção à saúde, incluindo ações intersetoriais  Identificar e fortalecer redes de proteção social, governamentais e/ou não
  • 19. 1. Atenção centrada na doença 2. Atua sobre a demanda espontânea 3. Ênfase na medicina curativa 4. Trata o indivíduo como objeto da ação A transformação do modelo de para 1. Atenção centrada na saúde 2. Responde à demanda de forma continuada e racional. 3. Ênfase na integralidade da assistência 4. O indivíduo é sujeito, integrado a família, ao domicílio, à comunidade.
  • 20. 5. Baixa capacidade de resolver problemas 6. Saber e poder centrado no dentista 7. Desvinculado da comunidade 8. Relação custo/benefício desvantajosa 5. Otimização da capacidade de resolver problemas 6. Saber e poder centrados na equipe e comunidade 7. Vinculado à comunidade 8. Relação custo benefício otimizada A transformação do modelo de para
  • 21. • Não realiza consultas médicas domiciliares indiscriminadas • Não é a solução para todos os problemas de saúde da comunidade. Sempre haverão pacientes com necessidades de atenção em diferentes níveis de complexidade do sistema • Não realiza todas as atividades a nível domiciliar, há processos e procedimentos que exigem o Equipamento de Saúde • Não é um sistema de resgate domiciliar para situações de urgência e emergência • Não impõe o tratamento para a negação de atendimento por parte de alguns indivíduos. Busca alternativas para superação do problemas entre todos os recursos da comunidade Esclarecendo Confusões Comuns - a SF:
  • 22. 1. Na Gestão :  Falta de priorização no financiamento para ABS  Distorção do conceito de Integralidade - aplicado à formulação de políticas de “ação programática” e “campanhista”  Pouco compromisso dos serviços/gestores com a Resolubilidade – priorização das ações curativas/emergenciais Saúde da Família: Limites e Possibilidades Desafios do SUS
  • 23.  Fragmentação da Atenção à Saúde onde persiste o equívoco de que “ABS faz apenas promoção e prevenção”  Rede constituída que necessita de adequações estruturais  Instrumentos gerenciais de Avaliação e Monitoramento inadequados à nova prática Saúde da Família: Limites e Possibilidades
  • 24. QUESTÕES INFORMADAS AO MINISTÉRIO PÚBLICO  Médicos Ausentes.  Médicos fazem apenas as consultas.  Médicos não participam da reunião com a equipe.  Médicos não fazem acompanhamento dos pacientes acamados.  Médicos se sujeitam a trocar receitas, sem acompanhar o paciente.  Médicos solicitam exames e consultas especializadas por solicitação do Usuário.
  • 25. QUESTÕES INFORMADAS AO MINISTÉRIO PÚBLICO  Exagero de pedidos de exames complementares.  Médico triador _ Médico “AO…AO”.  Encaminhamentos sem Justificativa médica e história clínica.  Enfermeiros só fazem relatórios, sem tempo para atendimento, acompanhamento de acamados, não realiza discussão de casos com a equipe.  Enfermeiros não priorizam os encaminhamentos.
  • 26. SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE COMPETÊNCIA  Fornecer os insumos necessários as equipes do PSF.  Disponibilizar estrutura física e equipamentos adequados.  Implementar os programas de Educação continuada, treinamento em serviço, Supervisão e Assessoramento.  Compilar os dados de produção para o MS e imformar as equipes as análises realizadas.  Garantir o cumprimento do horário de trabalho.
  • 27. SECRETARIA ESTADUAL DE SAÚDE COMPETÊNCIA  Avaliar mensalmente os dados informados.  Acompanhamento das metas pactuadas.  Avaliar a qualidade da assistência prestada, através dos indicadores preconizados pelo Ministério da Saúde.  Realizar discussão com as equipes municipais sobre a metas/dados apresentados e analisados.  Informar aos órgãos de fiscalização/controle dos resultados obtidos.