SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 13
CIDADES SAUDÁVEIS
Docente: Enf. Francielly Maira Bordon
Esp. Saúde pública com Ênfase em Saúde da Família
1/2021
SAÚDE NA CONSTITUIÇÃO
 A saúde na Constituição foi definida como direito
universal e resultante de condições de vida e de
trabalho, a ser garantida mediante políticas sociais e
econômicas, que visem a redução do risco de
doenças e outros agravos, ao acesso universal e
igualitário, com ações e serviços para sua
promoção, proteção e recuperação.
 Ser saudável deve implicar
na possibilidade de atuar,
de produzir sua própria
saúde, quer mediante
cuidados tradicionalmente
conhecidos, quer por ações
que influenciem o seu
meio.
PRÉ-REQUISITOS BÁSICOS PARA
CONSTITUIÇÃO DE UMA POPULAÇÃO
SAUDÁVEL
 Habitação adequada em tamanho por habitante, em
condições adequadas de conforto térmico;
 Educação;
 Alimentação imprescindível para o crescimento e
desenvolvimento das crianças e necessária para a
reposição da força de trabalho;
 Renda decorrente da inserção no mercado de
trabalho, adequada para cobrir as necessidades
básicas de alimentação, vestuário e lazer;
 Ecossistema saudável, preservado e não poluído;
 Justiça social e equidade garantindo direitos
fundamentais dos cidadãos.
A MELHOR DENOMINAÇÃO PARA O
NOVO PARADIGMA É A PRODUÇÃO
SOCIAL DA SAÚDE.
 O movimento da nova saúde
pública busca métodos
adequados à nossa realidade
política, que tornem mais
eficientes as ações sociais e
ambientais por saúde e
qualidade de vida.
 O novo paradigma tem sua prática sanitária centrada
na vigilância à saúde. Entendimento de saúde como
resultante de um conjunto de fatores políticos,
econômicos, sociais, culturais que se combinam de
forma particular, em cada sociedade e em conjuntura
específicas, redundando em sociedades mais ou
menos saudáveis.
 Promoção de saúde: propõe a capacitação de
pessoas para uma gestão mais autônoma da saúde
e dos determinantes da mesma. Refere-se a práticas
coletivas, voltadas para a definição de políticas,
preservação e proteção do ambiente físico e social,
com o apoio de informação, educação e
comunicação dirigida aos profissionais e à
população.
 Prevenção de enfermidades e acidentes: inclui ações
preventivas de caráter não médico nas prevenções
às doenças. Atenção curativa e de reabilitação: deve
buscar inovações com, por exemplo, o hospital- dia e
a assistência domiciliar, programa de saúde da
família, práticas mais baratas e mais efetivas para a
população.
 Espera-se que a partir do ano 2000, 80% da população
brasileira esteja vivendo em áreas urbanas. As cidades devem
gerar infraestrutura urbana, qualidade de vida e
governabilidade para assegurar garantia de bem-estar às sua
populações.
 Estima-se que 600 milhões de pessoas, habitantes da áreas
urbanas dos países em desenvolvimento enfrentem condições
de risco de vida e à saúde, sob condições de estresse e
expostos a variados problemas de saúde, como doenças
transmissíveis, desnutrição, doenças mentais, doenças
respiratórias agudas e crônicas.
CIDADES SAUDÁVEIS
 Conceito
 É aquela na qual as políticas públicas são favoráveis à
promoção de saúde. Instituídas a partir de um movimento
iniciado pela OMS e pela OPAS.
 Movimento por cidades saudáveis
 Fundado numa visão de saúde como qualidade de vida.
Focaliza a participação popular como forma de mobilização
de democratização. Valoriza o compromisso político com a
equidade. Busca mudança na forma de gestão
governamental.
FATORES QUE INTERFEREM NA
SITUAÇÃO DE SAÚDE DAS
POPULAÇÕES URBANAS
 Pobreza.
 Condições inadequadas de trabalho.
 Carência de alimentação, segurança, educação,
saúde.
 Uso excessivo de substâncias tóxicas.
 Poluição.
 Aglomeração e violência.
Obrigado!!!

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a CIDADES SAUDÁVEIS aula 05.pptx

Geoci mari iparraguirre martins rodrigues trabalho promoção em saúde
Geoci mari iparraguirre martins rodrigues trabalho promoção em saúdeGeoci mari iparraguirre martins rodrigues trabalho promoção em saúde
Geoci mari iparraguirre martins rodrigues trabalho promoção em saúde
Josi Iparraguirre
 
Aula 6 Políticas Públicas de Saúde
Aula 6 Políticas Públicas de SaúdeAula 6 Políticas Públicas de Saúde
Aula 6 Políticas Públicas de Saúde
Jesiele Spindler
 
Promoção da saúde na perspectiva da UNITA
Promoção da saúde na perspectiva da UNITAPromoção da saúde na perspectiva da UNITA
Promoção da saúde na perspectiva da UNITA
MAURILIO LUIELE
 
Ações em promoção em saúde1
Ações em promoção em saúde1Ações em promoção em saúde1
Ações em promoção em saúde1
Ro Moura
 

Semelhante a CIDADES SAUDÁVEIS aula 05.pptx (20)

Aula 1 - O que é Saúde Pública.pptx
Aula 1 - O que é Saúde Pública.pptxAula 1 - O que é Saúde Pública.pptx
Aula 1 - O que é Saúde Pública.pptx
 
Dia mundial da saude
Dia mundial da saudeDia mundial da saude
Dia mundial da saude
 
Apostila saude publica
Apostila saude publicaApostila saude publica
Apostila saude publica
 
SAÚDE COLETIVA AULA1.pdf
SAÚDE COLETIVA AULA1.pdfSAÚDE COLETIVA AULA1.pdf
SAÚDE COLETIVA AULA1.pdf
 
Geoci mari iparraguirre martins rodrigues trabalho promoção em saúde
Geoci mari iparraguirre martins rodrigues trabalho promoção em saúdeGeoci mari iparraguirre martins rodrigues trabalho promoção em saúde
Geoci mari iparraguirre martins rodrigues trabalho promoção em saúde
 
Livro09 2-meio ambiente saude
Livro09 2-meio ambiente saudeLivro09 2-meio ambiente saude
Livro09 2-meio ambiente saude
 
Alma ata[1]
Alma ata[1]Alma ata[1]
Alma ata[1]
 
A0 declaração de alma ata
A0 declaração de alma ataA0 declaração de alma ata
A0 declaração de alma ata
 
PRINCIPIOS E DOUTRINAS OPERACIONAIS DO SUS
PRINCIPIOS E DOUTRINAS OPERACIONAIS DO SUSPRINCIPIOS E DOUTRINAS OPERACIONAIS DO SUS
PRINCIPIOS E DOUTRINAS OPERACIONAIS DO SUS
 
Princípios e campos.pptx
Princípios e campos.pptxPrincípios e campos.pptx
Princípios e campos.pptx
 
Aula do sus
Aula do susAula do sus
Aula do sus
 
Saúde salinas
Saúde salinasSaúde salinas
Saúde salinas
 
Saúde Coletiva.pptx
Saúde Coletiva.pptxSaúde Coletiva.pptx
Saúde Coletiva.pptx
 
Aula 6 Políticas Públicas de Saúde
Aula 6 Políticas Públicas de SaúdeAula 6 Políticas Públicas de Saúde
Aula 6 Políticas Públicas de Saúde
 
Cartilha Luta Pela Saude CNTE
Cartilha Luta Pela Saude CNTECartilha Luta Pela Saude CNTE
Cartilha Luta Pela Saude CNTE
 
RELAÇÕES étnicos raciais e saúde coletiva.pptx
RELAÇÕES étnicos raciais e saúde coletiva.pptxRELAÇÕES étnicos raciais e saúde coletiva.pptx
RELAÇÕES étnicos raciais e saúde coletiva.pptx
 
Promoção da saúde na perspectiva da UNITA
Promoção da saúde na perspectiva da UNITAPromoção da saúde na perspectiva da UNITA
Promoção da saúde na perspectiva da UNITA
 
Dss alma ata
Dss   alma ataDss   alma ata
Dss alma ata
 
Ações em promoção em saúde1
Ações em promoção em saúde1Ações em promoção em saúde1
Ações em promoção em saúde1
 
Ações em promoção da saúde
Ações em promoção da saúdeAções em promoção da saúde
Ações em promoção da saúde
 

Mais de ssuser51d27c1

Trabalhando em Grupos na AB.pptx
Trabalhando em Grupos na AB.pptxTrabalhando em Grupos na AB.pptx
Trabalhando em Grupos na AB.pptx
ssuser51d27c1
 
slaid educação permanente.pptx
slaid educação permanente.pptxslaid educação permanente.pptx
slaid educação permanente.pptx
ssuser51d27c1
 
VIGIALNICIA EM SAUDE - HISTORIA.pptx
VIGIALNICIA EM SAUDE - HISTORIA.pptxVIGIALNICIA EM SAUDE - HISTORIA.pptx
VIGIALNICIA EM SAUDE - HISTORIA.pptx
ssuser51d27c1
 
atribuição da enfermagem.pptx
atribuição da enfermagem.pptxatribuição da enfermagem.pptx
atribuição da enfermagem.pptx
ssuser51d27c1
 
Biossegurança e resíduos de serviços de saúde (1).pptx
Biossegurança e resíduos de serviços de saúde (1).pptxBiossegurança e resíduos de serviços de saúde (1).pptx
Biossegurança e resíduos de serviços de saúde (1).pptx
ssuser51d27c1
 

Mais de ssuser51d27c1 (20)

Trabalhando em Grupos na AB.pptx
Trabalhando em Grupos na AB.pptxTrabalhando em Grupos na AB.pptx
Trabalhando em Grupos na AB.pptx
 
SISTEMA CIRCULATÓRIO II novo.pptx
SISTEMA CIRCULATÓRIO II novo.pptxSISTEMA CIRCULATÓRIO II novo.pptx
SISTEMA CIRCULATÓRIO II novo.pptx
 
ATENÇÃO PRIMÁRIA EM SAÚDE.pptx
ATENÇÃO PRIMÁRIA EM SAÚDE.pptxATENÇÃO PRIMÁRIA EM SAÚDE.pptx
ATENÇÃO PRIMÁRIA EM SAÚDE.pptx
 
AS TEORIAS PEDAGÓGICAS.ppt
AS TEORIAS PEDAGÓGICAS.pptAS TEORIAS PEDAGÓGICAS.ppt
AS TEORIAS PEDAGÓGICAS.ppt
 
educaçao em saude aula 01.pptx
educaçao em saude aula 01.pptxeducaçao em saude aula 01.pptx
educaçao em saude aula 01.pptx
 
slaid educação permanente.pptx
slaid educação permanente.pptxslaid educação permanente.pptx
slaid educação permanente.pptx
 
DOENÇA CORONARIANA.pptx
DOENÇA CORONARIANA.pptxDOENÇA CORONARIANA.pptx
DOENÇA CORONARIANA.pptx
 
AULA DIA 27.04.2021.pptx
AULA DIA 27.04.2021.pptxAULA DIA 27.04.2021.pptx
AULA DIA 27.04.2021.pptx
 
VIGIALNICIA EM SAUDE - HISTORIA.pptx
VIGIALNICIA EM SAUDE - HISTORIA.pptxVIGIALNICIA EM SAUDE - HISTORIA.pptx
VIGIALNICIA EM SAUDE - HISTORIA.pptx
 
atribuição da enfermagem.pptx
atribuição da enfermagem.pptxatribuição da enfermagem.pptx
atribuição da enfermagem.pptx
 
08 abdome.pptx
08 abdome.pptx08 abdome.pptx
08 abdome.pptx
 
DANT DCNT.pptx
DANT DCNT.pptxDANT DCNT.pptx
DANT DCNT.pptx
 
Aula_4_-modelos_de_atenção.pdf
Aula_4_-modelos_de_atenção.pdfAula_4_-modelos_de_atenção.pdf
Aula_4_-modelos_de_atenção.pdf
 
aula 02 politicas publicas.pptx
aula 02 politicas publicas.pptxaula 02 politicas publicas.pptx
aula 02 politicas publicas.pptx
 
impactos ambientais.pptx
 impactos ambientais.pptx impactos ambientais.pptx
impactos ambientais.pptx
 
DEGRADAÇÃO DO SOLO.pptx
DEGRADAÇÃO DO SOLO.pptxDEGRADAÇÃO DO SOLO.pptx
DEGRADAÇÃO DO SOLO.pptx
 
DHAA.pptx
DHAA.pptxDHAA.pptx
DHAA.pptx
 
TERRITORIALIZAÇÃO.pptx
TERRITORIALIZAÇÃO.pptxTERRITORIALIZAÇÃO.pptx
TERRITORIALIZAÇÃO.pptx
 
indicadores de saude.pptx
indicadores de saude.pptxindicadores de saude.pptx
indicadores de saude.pptx
 
Biossegurança e resíduos de serviços de saúde (1).pptx
Biossegurança e resíduos de serviços de saúde (1).pptxBiossegurança e resíduos de serviços de saúde (1).pptx
Biossegurança e resíduos de serviços de saúde (1).pptx
 

Último

fratura e imobilização de membros superior e inferior
fratura e imobilização de membros superior e inferiorfratura e imobilização de membros superior e inferior
fratura e imobilização de membros superior e inferior
IvaneSales
 
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
IANAHAAS
 

Último (10)

TEORIA DE ENFERMAGEM DE IMOGENE M. KING.pptx
TEORIA DE ENFERMAGEM DE IMOGENE M. KING.pptxTEORIA DE ENFERMAGEM DE IMOGENE M. KING.pptx
TEORIA DE ENFERMAGEM DE IMOGENE M. KING.pptx
 
SISTEMA ARTICULAR.pptxarticulações sistemas
SISTEMA ARTICULAR.pptxarticulações sistemasSISTEMA ARTICULAR.pptxarticulações sistemas
SISTEMA ARTICULAR.pptxarticulações sistemas
 
Apresentação Fispq.pptx apresentação sobre fispq fds
Apresentação Fispq.pptx apresentação sobre fispq fdsApresentação Fispq.pptx apresentação sobre fispq fds
Apresentação Fispq.pptx apresentação sobre fispq fds
 
Anatomia do Sistema Respiratorio função e movimentos musculares.
Anatomia do Sistema Respiratorio função e movimentos musculares.Anatomia do Sistema Respiratorio função e movimentos musculares.
Anatomia do Sistema Respiratorio função e movimentos musculares.
 
Puerpério normal e patológico em obstetrícia
Puerpério normal e patológico em obstetríciaPuerpério normal e patológico em obstetrícia
Puerpério normal e patológico em obstetrícia
 
fratura e imobilização de membros superior e inferior
fratura e imobilização de membros superior e inferiorfratura e imobilização de membros superior e inferior
fratura e imobilização de membros superior e inferior
 
Tecido_Nervoso.pptxsistema nervoso neuronios
Tecido_Nervoso.pptxsistema nervoso neuroniosTecido_Nervoso.pptxsistema nervoso neuronios
Tecido_Nervoso.pptxsistema nervoso neuronios
 
Apresentação Saúde Mental para Adolescentes
Apresentação Saúde Mental para AdolescentesApresentação Saúde Mental para Adolescentes
Apresentação Saúde Mental para Adolescentes
 
Atividade sistema muscular.pdfatividfades
Atividade sistema muscular.pdfatividfadesAtividade sistema muscular.pdfatividfades
Atividade sistema muscular.pdfatividfades
 
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
 

CIDADES SAUDÁVEIS aula 05.pptx

  • 1. CIDADES SAUDÁVEIS Docente: Enf. Francielly Maira Bordon Esp. Saúde pública com Ênfase em Saúde da Família 1/2021
  • 2. SAÚDE NA CONSTITUIÇÃO  A saúde na Constituição foi definida como direito universal e resultante de condições de vida e de trabalho, a ser garantida mediante políticas sociais e econômicas, que visem a redução do risco de doenças e outros agravos, ao acesso universal e igualitário, com ações e serviços para sua promoção, proteção e recuperação.
  • 3.  Ser saudável deve implicar na possibilidade de atuar, de produzir sua própria saúde, quer mediante cuidados tradicionalmente conhecidos, quer por ações que influenciem o seu meio.
  • 4. PRÉ-REQUISITOS BÁSICOS PARA CONSTITUIÇÃO DE UMA POPULAÇÃO SAUDÁVEL  Habitação adequada em tamanho por habitante, em condições adequadas de conforto térmico;  Educação;  Alimentação imprescindível para o crescimento e desenvolvimento das crianças e necessária para a reposição da força de trabalho;
  • 5.  Renda decorrente da inserção no mercado de trabalho, adequada para cobrir as necessidades básicas de alimentação, vestuário e lazer;  Ecossistema saudável, preservado e não poluído;  Justiça social e equidade garantindo direitos fundamentais dos cidadãos.
  • 6. A MELHOR DENOMINAÇÃO PARA O NOVO PARADIGMA É A PRODUÇÃO SOCIAL DA SAÚDE.  O movimento da nova saúde pública busca métodos adequados à nossa realidade política, que tornem mais eficientes as ações sociais e ambientais por saúde e qualidade de vida.
  • 7.  O novo paradigma tem sua prática sanitária centrada na vigilância à saúde. Entendimento de saúde como resultante de um conjunto de fatores políticos, econômicos, sociais, culturais que se combinam de forma particular, em cada sociedade e em conjuntura específicas, redundando em sociedades mais ou menos saudáveis.
  • 8.  Promoção de saúde: propõe a capacitação de pessoas para uma gestão mais autônoma da saúde e dos determinantes da mesma. Refere-se a práticas coletivas, voltadas para a definição de políticas, preservação e proteção do ambiente físico e social, com o apoio de informação, educação e comunicação dirigida aos profissionais e à população.
  • 9.  Prevenção de enfermidades e acidentes: inclui ações preventivas de caráter não médico nas prevenções às doenças. Atenção curativa e de reabilitação: deve buscar inovações com, por exemplo, o hospital- dia e a assistência domiciliar, programa de saúde da família, práticas mais baratas e mais efetivas para a população.
  • 10.  Espera-se que a partir do ano 2000, 80% da população brasileira esteja vivendo em áreas urbanas. As cidades devem gerar infraestrutura urbana, qualidade de vida e governabilidade para assegurar garantia de bem-estar às sua populações.  Estima-se que 600 milhões de pessoas, habitantes da áreas urbanas dos países em desenvolvimento enfrentem condições de risco de vida e à saúde, sob condições de estresse e expostos a variados problemas de saúde, como doenças transmissíveis, desnutrição, doenças mentais, doenças respiratórias agudas e crônicas.
  • 11. CIDADES SAUDÁVEIS  Conceito  É aquela na qual as políticas públicas são favoráveis à promoção de saúde. Instituídas a partir de um movimento iniciado pela OMS e pela OPAS.  Movimento por cidades saudáveis  Fundado numa visão de saúde como qualidade de vida. Focaliza a participação popular como forma de mobilização de democratização. Valoriza o compromisso político com a equidade. Busca mudança na forma de gestão governamental.
  • 12. FATORES QUE INTERFEREM NA SITUAÇÃO DE SAÚDE DAS POPULAÇÕES URBANAS  Pobreza.  Condições inadequadas de trabalho.  Carência de alimentação, segurança, educação, saúde.  Uso excessivo de substâncias tóxicas.  Poluição.  Aglomeração e violência.