Diagnóstico comunitário e Planejamento
do diagnóstico a ser aplicado nas
comunidades
Ricardo Alexandre de Souza
Professor ...
Objetivos didáticos
• Breve história da MFC;
• Diagnóstico comunitário (o que é e como fazer);
• Planejamento do diagnósti...
Medicina de Família e Comunidade
O que não é:
• Médico de Saúde da Família
• Médico de Família
• Médico Generalista
• Médi...
• Ministério da Saúde desenvolvia ações de promoção da
saúde e prevenção de doenças. A assistência médica era
de responsab...
• 1988 - Nova Constituição Federal – garantiu a saúde como
direito de todos e dever do Estado. Princípios:
universalidade,...
• NOB - SUS/93 – definiu os mecanismos de transferência de
recursos fundo a fundo.
• NOB – SUS/96 – modificou as condições...
Política Nacional de Atenção Básica
Portaria n. 2488, de 21 de outubro de 2011.
A Atenção Básica caracteriza-se por um con...
Política Nacional de Atenção Básica
Portaria n. 2488, de 21 de outubro de 2011.
É desenvolvida por meio do exercício de pr...
Política Nacional de Atenção Básica
Portaria n. 2488, de 21 de outubro de 2011.
É desenvolvida com o mais alto grau de des...
A Saúde da Família constitui uma estratégia para a
organização e fortalecimento da Atenção Básica como o
primeiro nível de...
Princípios da ESF
ADSCRIÇÃO DE CLIENTELA
Definição precisa do território de atuação
TERRITORIALIZAÇÃO
Mapeamento da área, ...
Princípios da ESF
DIAGNÓSTICO DA SITUAÇÃO DE SAÚDE DA POPULAÇÃO
Cadastramento das famílias e dos indivíduos, gerando dados...
Princípios da ESF
DIAGNÓSTICO DA SITUAÇÃO DE SAÚDE DA POPULAÇÃO
Cadastramento das famílias e dos indivíduos, gerando dados...
INTERDISCIPLINARIDADE
Trabalho interdisciplinar, integrando áreas técnicas e profissionais de
diferentes formações
VINCULA...
PARTICIPAÇÃO SOCIAL
Participação da comunidade no planejamento, execução e avaliação
das ações
INTERSETORIALIDADE
Trabalho...
A Atenção Básica à Saúde compreende um
conjunto de ações, de caráter individual e
coletivo, que engloba a promoção da saúd...
ABS organizada pela estratégia
SAÚDE DA FAMÍLIA
ABS organizada pela estratégia
SAÚDE DA FAMÍLIA
Possibilita a organização do Sistema Municipal de
Saúde para contemplar os...
Composição Básica:
• Médico
• Enfermeiro
• Auxiliares de enfermagem
• Agentes comunitários de saúde
• Cirurgião-Dentista
•...
A história da MFC
A história da medicina de família tem quatro fases.
Antes da década de 1980, não era reconhecida como um...
Conceito de MFC
A medicina de família e comunidade – MFC – é uma
especialidade médica com foco privilegiado na APS e, por ...
Conceito de MFC
O canadense McWhinney, considerado um dos maiores
estudiosos da medicina de família definiu quatro competê...
Princípios da MFC
O1ºPilar:AtençãoPrimáriae
MedicinaCentradanoPaciente
O2ºPilar:EducaçãoMédicae
MetodologiaCientífica
O3ºP...
Princípios da MFC
O1ºPilar:AtençãoPrimáriae
MedicinaCentradanoPaciente Medicina Centrada no Paciente requer do
médico um e...
Princípios da MFC
O2ºPilar:EducaçãoMédicae
MetodologiaCientífica
Comenta McWhinney –, nunca passaremos das
impressões aos ...
Princípios da MFC
O2ºPilar:EducaçãoMédicae
MetodologiaCientífica
A dupla função do médico – entender a
doença e entender o...
Princípios da MFC
O3ºPilar:Humanismoe
ConhecimentoPróprio
De um modo simples e sucinto
pode-se dizer que o humanismo
tem n...
Princípios da MFC
O4ºPilar:Formaçãodelideranças
ecompromissoprofissional
“Um líder é alguém cuja história torna possível
q...
Primeiro contato
• Primeiro contato com o sistema de saúde, prestando um
acesso aberto e ilimitado e lidando com todos os ...
Coordenação do cuidado
• Utiliza eficientemente os recursos de saúde através da
coordenação de cuidados do trabalho com ou...
Abordagem centrada na pessoa
• Desenvolve uma abordagem centrada na pessoa, orientada
para o indivíduo, a sua família e co...
Longitudinalidade
• Possui um processo de condução da consulta
singular, estabelecendo uma relação ao longo do
tempo, atra...
Territórios e diagnóstico local,
Uma discussão (mal) feita no SUS
Ricardo Alexandre de Souza, MD e MSc
N
D S V I
D S V
D S IV
D S III
D S II
D S I
H id ricos
O ceano
A tlân tico
Jaboatão
dos G uararapes
O lind a
Pau lista
São...
Territorialização
• Respeito às realidades locais – critérios para o desenho dos
territórios
• Contexto sócio-econômico e ...
Souza, 2009
Territorialização
“Estratégia espacial para atingir, influenciar ou controlar recursos e
pessoas, pelo controle de uma áre...
Territorialização
O olhar político (referente às relações espaço-poder
em geral) ou jurídico-político (referente às relaçõ...
Territorialização
Econômico: Neste caso, o território passa a existir
quando consiste em fonte de recursos e/ou
incorporad...
Territorialização
A multiterritorialidade, conceito defendido por Haesbaert
(2004b), que em linhas gerais pode ser concebi...
Territorialização
Um dos termos largamente empregados para descrever a
relação serviço-território-população é a adscrição,...
Territorializaçãoe cadastramentoda clientela
• A Unidade de Saúde da Família
• trabalha com território de abrangência
defi...
Territorializaçãoe cadastramentoda clientela
• Recomenda-se que uma equipe seja
responsável por, no máximo, 4.000
pessoas....
Diagnóstico
• Quatro abrangências:
• Pessoal
• Governabilidade externa
• Governabilidade interna
• Território
Diagnóstico pessoal
• Relações de poderes instituídos
• Relações de poderes constituídos
• Relações de poderes potenciais
...
Diagnóstico
• Território
• Local
• Espaço
• Tempo
Diagnóstico de
governabilidade
• Governabilidade externa
• Aquilo que está além da minha capacidade. Aquilo que está
prese...
Como
• Entrevista com chefia
• Entrevistas com atores-chaves
• Entrevista com horizontais
• Entrevista com ACS
• Procurar doenças prevalentes
• Procurar número de gestantes
• Procurar número de crianças com menos...
Diagnóstico local – Plano de
ação
• Plano de ação
• O que queremos?
• Como conseguimos isso?
• Onde queremos estar?
• Quem...
Vigilância em saúde na APS, prevenção e
seus desafios
Ricardo Alexandre de Souza
Professor UFSJ
Coordenador MFC – Prefeitu...
Parte 2
• Vigilância em saúde na APS
• Prevenção e seus desafios
Política Nacional de Atenção Básica
Portaria n. 2488, de 21 de outubro de 2011.
São atribuições comuns a todos os profissi...
Vigilância em Saúde
Inclui: a vigilância e controle das doenças transmissíveis; a
vigilância das doenças e agravos não tra...
Vigilância Epidemiológica
“Conjunto de ações que proporciona o conhecimento, a
detecção ou prevenção de qualquer mudança n...
Promoção da Saúde
A Promoção da Saúde é compreendida como estratégia de
articulação transversal, à qual incorpora outros f...
Vigilância Sanitária
A Vigilância Sanitária é entendida como um conjunto de ações
capazes de eliminar, diminuir ou preveni...
Integralidade
Integrar implica discutir ações a partir da realidade local;
aprender a olhar o território e identificar pri...
SISTEMADEINFORMAÇÃODEAGRAVOSDENOTIFICAÇÃO–Sinan
O Sinan é atualmente alimentado, principalmente, pela
notificação e invest...
FICHA DE NOTIFICAÇÃOINDIVIDUAL
Doenças
• O Combate à malária se destacou em 2008 como uma das
ações conjuntas de maior sucesso para ambos setores,
• O di...
Integração e Integralidade –
PortariaGM3252
Art. 4º A Vigilância em Saúde, visando à integralidade do
cuidado, deve inseri...
Rede de Atenção à Saúde
Cuidado/Assistência
Promoção
Vigilância em Saúde
(Re)Construçãodessa rede atravésda:
• Gestão da Clínica
• Gestão do Conhecimento
• Inovação
• Simplificação do processo de...
• Art. 5º A integração entre a Vigilância em Saúde e a Atenção Primária à
Saúde é condição obrigatória para construção da ...
• reestruturação dos processos de trabalho com a utilização de
dispositivos e metodologias que favoreçam a integração da
v...
Aintegraçãonoserviço-avigilânciadocuidado:
• A vigilância, em planejamento familiar, de uma mulher em
idade fértil - inser...
Art. 6º As ações de Vigilância em Saúde, incluindo a promoção da
saúde, devem estar inseridas no cotidiano das equipes de
...
§1º As atividades dos Agentes Comunitários de Saúde - ACS e
dos Agentes de Combate a Endemias - ACE, ou agentes que
desemp...
Breve história da mfc, diagnóstico comunitário e planejamento do diagnóstico a ser aplicado nas comunidades
Breve história da mfc, diagnóstico comunitário e planejamento do diagnóstico a ser aplicado nas comunidades
Breve história da mfc, diagnóstico comunitário e planejamento do diagnóstico a ser aplicado nas comunidades
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Breve história da mfc, diagnóstico comunitário e planejamento do diagnóstico a ser aplicado nas comunidades

3.723 visualizações

Publicada em

Aula proferida para o terceiro período de Medicina da Universidade Federal de São João Del-Rei. PIESC III, Práticas Integrativas Ensino Serviço e Comunidade

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.723
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • Sir Fildes, 1891
  • Breve história da mfc, diagnóstico comunitário e planejamento do diagnóstico a ser aplicado nas comunidades

    1. 1. Diagnóstico comunitário e Planejamento do diagnóstico a ser aplicado nas comunidades Ricardo Alexandre de Souza Professor UFSJ Coordenador MFC – Prefeitura Municipal de Betim
    2. 2. Objetivos didáticos • Breve história da MFC; • Diagnóstico comunitário (o que é e como fazer); • Planejamento do diagnóstico (como aplicar nas comunidades)
    3. 3. Medicina de Família e Comunidade O que não é: • Médico de Saúde da Família • Médico de Família • Médico Generalista • Médico de Posto
    4. 4. • Ministério da Saúde desenvolvia ações de promoção da saúde e prevenção de doenças. A assistência médica era de responsabilidade do Instituto Nacional de Assistência Médica da Previdência Social – INAMPS. • 1986 – a VIII Conferência Nacional de Saúde consagrou o direito à saúde como um direto de cidadania universal, garantido pelo Estado e expressão das lutas e conquistas sociais. Política de Saúde - Histórico
    5. 5. • 1988 - Nova Constituição Federal – garantiu a saúde como direito de todos e dever do Estado. Princípios: universalidade, integralidade, equidade, descentralização da assistência e participação social. • 1990 - Lei 8.080 – instituiu o Sistema Único de Saúde, com comando único em cada esfera de governo. Municípios como executores das ações e serviços de saúde, com cooperação técnica e financeira dos Estados e da União. • Normas Operacionais Básicas da Saúde NOB – SUS/91 e NOB – SUS/92 – tratam do repasse condicionado à produção de serviços e igualam o pagamento do prestador público ao privado. Política de Saúde - Histórico
    6. 6. • NOB - SUS/93 – definiu os mecanismos de transferência de recursos fundo a fundo. • NOB – SUS/96 – modificou as condições de gestão e ampliou a transferência fundo a fundo; utiliza o per capita para o financiamento da atenção básica; definiu o pagamento de incentivos; e propôs a elaboração da Programação Pactuada Integrada. • Normas Operacionais de Assistência à Saúde - NOAS 01/02 – reorganizam o SUS, por meio da regionalização da assistência, e modificaram critérios para a habilitação dos estados e municípios, fortalecendo o processo de descentralização da gestão. Política de Saúde - Histórico
    7. 7. Política Nacional de Atenção Básica Portaria n. 2488, de 21 de outubro de 2011. A Atenção Básica caracteriza-se por um conjunto de ações de saúde, no âmbito individual e coletivo, que abrange a promoção e a proteção da saúde, a prevenção de agravos, o diagnóstico, o tratamento, a reabilitação, redução de danos e a manutenção da saúde com o objetivo de desenvolver uma atenção integral que impacte na situação de saúde e autonomia das pessoas e nos determinantes e condicionantes de saúde das coletividades Política Nacional de Atenção Básica Portaria n. 2488, de 21 de outubro de 2011.
    8. 8. Política Nacional de Atenção Básica Portaria n. 2488, de 21 de outubro de 2011. É desenvolvida por meio do exercício de práticas de cuidado e gestão, democráticas e participativas, sob forma de trabalho em equipe, dirigidas a populações de territórios definidos, pelas quais assume a responsabilidade sanitária, considerando a dinamicidade existente no território em que vivem essas populações. Utiliza tecnologias de cuidado complexas e variadas que devem auxiliar no manejo das demandas e necessidades de saúde de maior frequência e relevância em seu território, observando critérios de risco, vulnerabilidade, resiliência e o imperativo ético de que toda demanda, necessidade de saúde ou sofrimento devem ser acolhidos. Política Nacional de Atenção Básica Portaria n. 2488, de 21 de outubro de 2011.
    9. 9. Política Nacional de Atenção Básica Portaria n. 2488, de 21 de outubro de 2011. É desenvolvida com o mais alto grau de descentralização e capilaridade, próxima da vida das pessoas. Deve ser o contato preferencial dos usuários, a principal porta de entrada e centro de comunicação da Rede de Atenção à Saúde. Orienta-se pelos princípios da universalidade, da acessibilidade, do vínculo, da continuidade do cuidado, da integralidade da atenção, da responsabilização, da humanização, da equidade e da participação social. A Atenção Básica considera o sujeito em sua singularidade e inserção sócio-cultural, buscando produzir a atenção integral. Política Nacional de Atenção Básica Portaria n. 2488, de 21 de outubro de 2011.
    10. 10. A Saúde da Família constitui uma estratégia para a organização e fortalecimento da Atenção Básica como o primeiro nível de atenção à saúde no SUS Procura o fortalecimento da atenção por meio da ampliação do acesso, a qualificação e reorientação das práticas de saúde embasadas na Promoção da Saúde Organização dos Serviços
    11. 11. Princípios da ESF ADSCRIÇÃO DE CLIENTELA Definição precisa do território de atuação TERRITORIALIZAÇÃO Mapeamento da área, compreendendo segmento populacional determinado
    12. 12. Princípios da ESF DIAGNÓSTICO DA SITUAÇÃO DE SAÚDE DA POPULAÇÃO Cadastramento das famílias e dos indivíduos, gerando dados que possibilitem a análise da situação de saúde do território PLANEJAMENTO BASEADO NA REALIDADE LOCAL Programação das atividades segundo critérios de risco à saúde, priorizando solução dos problemas
    13. 13. Princípios da ESF DIAGNÓSTICO DA SITUAÇÃO DE SAÚDE DA POPULAÇÃO Cadastramento das famílias e dos indivíduos, gerando dados que possibilitem a análise da situação de saúde do território PLANEJAMENTO BASEADO NA REALIDADE LOCAL Programação das atividades segundo critérios de risco à saúde, priorizando solução dos problemas
    14. 14. INTERDISCIPLINARIDADE Trabalho interdisciplinar, integrando áreas técnicas e profissionais de diferentes formações VINCULAÇÃO Participação na dinâmica social das famílias assistidas e da própria comunidade COMPETÊNCIA CULTURAL Valorização dos diversos saberes e práticas na perspectiva de uma abordagem integral e resolutiva, possibilitando a criação de vínculos de confiança com ética, compromisso e respeito Processo de trabalho da SF
    15. 15. PARTICIPAÇÃO SOCIAL Participação da comunidade no planejamento, execução e avaliação das ações INTERSETORIALIDADE Trabalho intersetorial, integrando projetos sociais e setores afins, voltados para a promoção da saúde FORTALECIMENTO DA GESTÃO LOCAL Apoio a estratégias de fortalecimento da gestão local. Processo de trabalho da SF
    16. 16. A Atenção Básica à Saúde compreende um conjunto de ações, de caráter individual e coletivo, que engloba a promoção da saúde, a prevenção de agravos, o tratamento e a reabilitação e constitui o primeiro nível da atenção do Sistema Único de Saúde. Atenção Básica à Saúde
    17. 17. ABS organizada pela estratégia SAÚDE DA FAMÍLIA
    18. 18. ABS organizada pela estratégia SAÚDE DA FAMÍLIA Possibilita a organização do Sistema Municipal de Saúde para contemplar os pontos essenciais de qualidade na Atenção Básica
    19. 19. Composição Básica: • Médico • Enfermeiro • Auxiliares de enfermagem • Agentes comunitários de saúde • Cirurgião-Dentista • Auxiliar de consultório dentário e/ou • Técnico de higiene dental SAÚDE DA FAMÍLIA
    20. 20. A história da MFC A história da medicina de família tem quatro fases. Antes da década de 1980, não era reconhecida como uma especialidade. A segunda fase iniciou após 1981, quando os programas de residência foram reconhecidos pelo governo federal e o nome da especialidade era, então, medicina geral e comunitária. A terceira fase foi implementada em 1994, quando a ESF teve início e essa especialidade foi identificada como fundamental para o recurso médico. O quarto período iniciou em 2003, quando a Associação Médica Brasileira reconheceu-a como uma especialidade e mudou a denominação de medicina geral e comunidade para medicina de família e comunidade.
    21. 21. Conceito de MFC A medicina de família e comunidade – MFC – é uma especialidade médica com foco privilegiado na APS e, por isso, é considerada especialidade estratégica na conformação dos sistemas de saúde. Cabe à MFC, partindo de um primeiro contato, cuidar de forma longitudinal, integral e coordenada, da saúde de uma pessoa, considerando seu contexto familiar e comunitário. Portanto, a medicina de família e comunidade é um componente primordial da atenção primária à saúde
    22. 22. Conceito de MFC O canadense McWhinney, considerado um dos maiores estudiosos da medicina de família definiu quatro competências próprias dessa especialidade: 1) solução de problemas não diferenciados; 2) competências preventivas; 3) competências terapêuticas (de problemas frequentes de saúde); 4) competência de gestão de recursos.
    23. 23. Princípios da MFC O1ºPilar:AtençãoPrimáriae MedicinaCentradanoPaciente O2ºPilar:EducaçãoMédicae MetodologiaCientífica O3ºPilar:Humanismoe ConhecimentoPróprio O4ºPilar:Formaçãodelideranças ecompromissoprofissional
    24. 24. Princípios da MFC O1ºPilar:AtençãoPrimáriae MedicinaCentradanoPaciente Medicina Centrada no Paciente requer do médico um especial interesse que lhe ajude a percorrer o caminho entre a pessoa doente e o significado que a enfermidade tem para o paciente. A doença é para o enfermo uma maneira de estar na vida¸ quer dizer, uma forma de vida que tem sua linguagem própria e que deve encontrar no médico sensível o receptor necessário para uma decodificação adequada dos significados.
    25. 25. Princípios da MFC O2ºPilar:EducaçãoMédicae MetodologiaCientífica Comenta McWhinney –, nunca passaremos das impressões aos fatos, não construiremos uma metodologia que nos permita ensinar este modelo aos que venham depois, e ficaremos transmitindo a impressão de que nosso modo de trabalhar depende apenas do “carisma e da inspiração individual”. Faltando a sistemática e a metodologia, que permita tornar o modelo matéria de aprendizado – fazer escola, como diziam os antigos –, permanece-se no individualismo, o que acaba tirando-lhe credibilidade por não ser possível de reproduzi-lo e incorporá-lo na formação universitária.
    26. 26. Princípios da MFC O2ºPilar:EducaçãoMédicae MetodologiaCientífica A dupla função do médico – entender a doença e entender o doente – requer uma integração metodológica dos conhecimentos objetivos, das evidências médicas, com os aspectos que caem no âmbito da subjetividade, como é o mundo do paciente, e o que o médico é capaz de captar, interpretar e, naturalmente, utilizar em benefício deste.
    27. 27. Princípios da MFC O3ºPilar:Humanismoe ConhecimentoPróprio De um modo simples e sucinto pode-se dizer que o humanismo tem na Medicina de Família uma dupla função: por um lado, promover a atitude reflexiva do médico, em verdadeiro exercício filosófico da profissão, expressão feliz de um autor a propósito da atitude exemplar demonstrada por William Osler. Por outro, prover o corpo de conhecimentos da Medicina de Família com recursos de caráter humanístico, que facilitem essa reflexão fundamental na prática desta atividade.
    28. 28. Princípios da MFC O4ºPilar:Formaçãodelideranças ecompromissoprofissional “Um líder é alguém cuja história torna possível que os sonhos de outros se tornem realidade. Não posso deixar de pensar naqueles que me ensinaram que Medicina de Família é muito mais do que simples prestação de serviços de saúde. Trata-se de um compromisso em que o cuidado da saúde está compreendido num contexto maior.” Bogdewic S. The Call for moral leadership. Fam Med. 2001;33(2):86-8.
    29. 29. Primeiro contato • Primeiro contato com o sistema de saúde, prestando um acesso aberto e ilimitado e lidando com todos os problemas de saúde • independentemente da idade, sexo ou qualquer outra característica da pessoa (WONCA, 2002. p. 9).
    30. 30. Coordenação do cuidado • Utiliza eficientemente os recursos de saúde através da coordenação de cuidados do trabalho com outros profissionais no contexto dos cuidados primários e da gestão da interface com outras especialidades, assumindo sempre que necessário um papel de advocacia pelo paciente (WONCA, 2002. p. 9).
    31. 31. Abordagem centrada na pessoa • Desenvolve uma abordagem centrada na pessoa, orientada para o indivíduo, a sua família e comunidade (WONCA, 2002, p. 10). • Ao contrário das demais especialidades que focam o paciente segundo um corpo de conhecimentos particulares, pela condição etária ou de gênero, ou ainda voltado para as doenças ligadas a determinados sistemas orgânicos, a procedimentos e técnicas especiais, a MFC tem como foco de atuação a pessoa.
    32. 32. Longitudinalidade • Possui um processo de condução da consulta singular, estabelecendo uma relação ao longo do tempo, através de uma comunicação efetiva entre o médico e o paciente. (WONCA, 2002. p.10). • Há, neste caso, uma redução das expectativas e uma flexibilidade maior para a adaptação às mudanças, já que as relações se dão de forma duradoura, o que leva a um conhecimento particular apreendido pela relação permanente com os pacientes.
    33. 33. Territórios e diagnóstico local, Uma discussão (mal) feita no SUS Ricardo Alexandre de Souza, MD e MSc
    34. 34. N D S V I D S V D S IV D S III D S II D S I H id ricos O ceano A tlân tico Jaboatão dos G uararapes O lind a Pau lista São Louren ço da M ata Cam arag ibe 1 0 1 2 Km
    35. 35. Territorialização • Respeito às realidades locais – critérios para o desenho dos territórios • Contexto sócio-econômico e cultural • Território vivo • Fatores de risco e de proteção • Vulnerabilidades • Dados epidemiológicos • Distribuição de equipamentos de saúde • Protagonistas no processo
    36. 36. Souza, 2009
    37. 37. Territorialização “Estratégia espacial para atingir, influenciar ou controlar recursos e pessoas, pelo controle de uma área” (SACK, apud HAESBAERT, 2004b, p. 86) ou de influências humanas que interferem na maneira de se organizar o espaço geográfico. Haesbaert (2004b) nos aponta quatro vertentes utilizadas no PSF da Geografia: política, cultural, econômica e naturalista.
    38. 38. Territorialização O olhar político (referente às relações espaço-poder em geral) ou jurídico-político (referente às relações espaço-poder institucionalizadas) refere-se a um espaço delimitado e controlado por relações de poder. A partir do olhar cultural ou simbólico-cultural o território é visto como produto da apropriação, da valorização simbólica de um grupo em relação ao espaço vivido.
    39. 39. Territorialização Econômico: Neste caso, o território passa a existir quando consiste em fonte de recursos e/ou incorporado no debate entre classes sociais e na relação capital-trabalho. O território que surge a partir da visão naturalista é o que se baseia no entendimento exclusivo das relações entre a sociedade e a natureza.
    40. 40. Territorialização A multiterritorialidade, conceito defendido por Haesbaert (2004b), que em linhas gerais pode ser concebida como um processo de reterritorialização constante. As divisões territoriais utilizadas no SUS, tais como o município, o distrito sanitário e a área de abrangência de serviços de saúde são áreas de atuação, de caráter administrativo, gerencial, econômico ou político. Esse poder existente também é instituído através das redes de relacionamento humano que se constituem no espaço (GIDDENS, 1989).
    41. 41. Territorialização Um dos termos largamente empregados para descrever a relação serviço-território-população é a adscrição, que diz respeito ao território sob responsabilidade da Equipe de Saúde da Família - ESF (BRASIL, 1997).
    42. 42. Territorializaçãoe cadastramentoda clientela • A Unidade de Saúde da Família • trabalha com território de abrangência definido • é responsável pelo cadastramento e o acompanhamento da população vinculada a esta área. 43
    43. 43. Territorializaçãoe cadastramentoda clientela • Recomenda-se que uma equipe seja responsável por, no máximo, 4.000 pessoas. • Cada equipe do PSF tem de quatro a seis ACS. Este número varia de acordo com o tamanho da população (750 pessoas/ACS) 44
    44. 44. Diagnóstico • Quatro abrangências: • Pessoal • Governabilidade externa • Governabilidade interna • Território
    45. 45. Diagnóstico pessoal • Relações de poderes instituídos • Relações de poderes constituídos • Relações de poderes potenciais • Relações de poderes passados
    46. 46. Diagnóstico • Território • Local • Espaço • Tempo
    47. 47. Diagnóstico de governabilidade • Governabilidade externa • Aquilo que está além da minha capacidade. Aquilo que está presente fora do meu local de trabalho • Governabilidade interna • Aquilo que está dentro do sistema onde trabalho. Aquilo que não depende de mim.
    48. 48. Como • Entrevista com chefia • Entrevistas com atores-chaves • Entrevista com horizontais
    49. 49. • Entrevista com ACS • Procurar doenças prevalentes • Procurar número de gestantes • Procurar número de crianças com menos de um ano • Procurar problema comuns na área • Procurar número de hipertensos e diabéticos • Procurar tratamento de CA de colo • Procurar tratamento de CA de próstata • “Se pudesse apontar um problema...” • Entrevista com equipe
    50. 50. Diagnóstico local – Plano de ação • Plano de ação • O que queremos? • Como conseguimos isso? • Onde queremos estar? • Quem? • Lembre-se, não importa quem vc conhece, mas quem conhece vc! Diagnóstico Planejamento Revisão
    51. 51. Vigilância em saúde na APS, prevenção e seus desafios Ricardo Alexandre de Souza Professor UFSJ Coordenador MFC – Prefeitura Municipal de Betim
    52. 52. Parte 2 • Vigilância em saúde na APS • Prevenção e seus desafios
    53. 53. Política Nacional de Atenção Básica Portaria n. 2488, de 21 de outubro de 2011. São atribuições comuns a todos os profissionais: garantir a atenção a saúde buscando a integralidade por meio da realização de ações de promoção, proteção e recuperação da saúde e prevenção de agravos; e da garantia de atendimento da demanda espontânea, da realização das ações programáticas, coletivas e de vigilância à saúde; Política Nacional de Atenção Básica Portaria n. 2488, de 21 de outubro de 2011.
    54. 54. Vigilância em Saúde Inclui: a vigilância e controle das doenças transmissíveis; a vigilância das doenças e agravos não transmissíveis; a vigilância da situação de saúde, vigilância ambiental em saúde, vigilância da saúde do trabalhador e a vigilância sanitária
    55. 55. Vigilância Epidemiológica “Conjunto de ações que proporciona o conhecimento, a detecção ou prevenção de qualquer mudança nos fatores determinantes e condicionantes da saúde individual ou coletiva, com a finalidade de recomendar e adotar as medidas de prevenção e controle das doenças ou agravos”.
    56. 56. Promoção da Saúde A Promoção da Saúde é compreendida como estratégia de articulação transversal, à qual incorpora outros fatores que colocam a saúde da população em risco trazendo à tona as diferenças entre necessidades, territórios e culturas presentes no país. Visa criar mecanismos que reduzam as situações de vulnerabilidade, defendam a equidade e incorporem a participação e o controle social na gestão das políticas públicas
    57. 57. Vigilância Sanitária A Vigilância Sanitária é entendida como um conjunto de ações capazes de eliminar, diminuir ou prevenir riscos à saúde e de intervir nos problemas sanitários decorrentes do meio ambiente, da produção e circulação de bens e da prestação de serviços de interesse da saúde. Abrange: • (1) o controle de bens de consumo que, direta ou indiretamente, se relacionem com a saúde, compreendidas todas as etapas e processos, da produção ao consumo; • (2) o controle da prestação de serviços que se relacionam direta ou indiretamente com a saúde
    58. 58. Integralidade Integrar implica discutir ações a partir da realidade local; aprender a olhar o território e identificar prioridades assumindo o compromisso efetivo com a saúde da população. Para isso, o ponto de partida é o processo de planejamento e programação conjunto, definindo prioridades, competências e atribuições a partir de uma situação atual reconhecida como inadequada tanto pelos técnicos quanto pela população, sob a ótica da qualidade de vida.
    59. 59. SISTEMADEINFORMAÇÃODEAGRAVOSDENOTIFICAÇÃO–Sinan O Sinan é atualmente alimentado, principalmente, pela notificação e investigação de casos de doenças e agravos que constam da Lista Nacional de Doenças de Notificação Compulsória em todo Território Nacional - LDNC, conforme Portaria SVS/MS nº. 05, de 21/02/2006, podendo os estados e municípios incluir outros problemas de saúde pública, que considerem importantes para a sua região.
    60. 60. FICHA DE NOTIFICAÇÃOINDIVIDUAL
    61. 61. Doenças • O Combate à malária se destacou em 2008 como uma das ações conjuntas de maior sucesso para ambos setores, • O diagnóstico da tuberculose e da hanseníase, bem como o tratamento supervisionado destas doenças nas Unidades Básicas de Saúde. • A edição de nº 21 do Caderno de Atenção Básica –Vigilância em Saúde, abordando as doenças: dengue, esquitossomose, hanseníase, malária, tracoma e tuberculose
    62. 62. Integração e Integralidade – PortariaGM3252 Art. 4º A Vigilância em Saúde, visando à integralidade do cuidado, deve inserir-se na construção das redes de atenção à saúde, coordenadas pela Atenção Primária à Saúde.
    63. 63. Rede de Atenção à Saúde Cuidado/Assistência Promoção Vigilância em Saúde
    64. 64. (Re)Construçãodessa rede atravésda: • Gestão da Clínica • Gestão do Conhecimento • Inovação • Simplificação do processo de trabalho
    65. 65. • Art. 5º A integração entre a Vigilância em Saúde e a Atenção Primária à Saúde é condição obrigatória para construção da integralidade na atenção e para o alcance de resultados, com desenvolvimento de um processo de trabalho condizente com a realidade local, que preserve as especificidades dos setores e compartilhe suas tecnologias .... Integrar a promoção e vigilância em saúde na APS Portaria MS n 3252
    66. 66. • reestruturação dos processos de trabalho com a utilização de dispositivos e metodologias que favoreçam a integração da vigilância, prevenção, proteção, promoção e atenção à saúde, tais como linhas de cuidado, clínica ampliada, apoio matricial, projetos terapêuticos, protocolos e entre outros; e • educação permanente dos profissionais de saúde, com abordagem integrada nos eixos da clínica, vigilância, promoção e gestão.
    67. 67. Aintegraçãonoserviço-avigilânciadocuidado: • A vigilância, em planejamento familiar, de uma mulher em idade fértil - inserção de DIU ou pré-operatório para laqueadura • A vigilância de uma gravidez • A vigilância de uma criança, no primeiro ano de vida, por ano • A vigilância de uma criança, no segundo ano de vida, por ano • A vigilância de uma pessoa diabética, por ano • A vigilância de uma pessoa hipertensa, por ano • A vigilância de uma pessoa em alta por cura de tuberculose • A vigilância de uma pessoa em alta por cura de hanseníase Gestão da Clínica - segurança e qualidade da atenção prestada
    68. 68. Art. 6º As ações de Vigilância em Saúde, incluindo a promoção da saúde, devem estar inseridas no cotidiano das equipes de Atenção Primária/Saúde da Família, com atribuições e responsabilidades definidas em território único de atuação, integrando os processos de trabalho, planejamento, programação, monitoramento e avaliação dessas ações.
    69. 69. §1º As atividades dos Agentes Comunitários de Saúde - ACS e dos Agentes de Combate a Endemias - ACE, ou agentes que desempenham essas atividades mas com outras denominações, serão desempenhadas de forma integrada e complementar.

    ×