SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 25
Principais leis e
normas do SUS
Histórico

 8ª Conferência Nacional de Saúde (1986)
 “ A saúde é resultante das condições de
  alimentação, habitação, educação, renda,
  meio ambiente, trabalho, transporte, emprego,
  lazer, liberdade, acesso e posse da terra e
  acesso a serviços de saúde.”
 Base para discussões na Assembléia Nacional
  Constituinte em 1987
Histórico

 Ministério da saúde desenvolvia ações de
  promoção de saúde e prevenção de doenças;
 INAMPS prestava assistência médico-
  hospitalar aos segurados do INPS e seus
  dependentes (trabalhadores da economia
  formal)
Definições legais

   Art. 196 CFRFB/88:

“a saúde é direito de todos e dever do Estado,
      garantido mediante políticas sociais e
 econômicas que visem a redução do risco de
    doença e de outros agravos e ao acesso
  universal igualitário às ações e serviços para
    sua promoção, proteção e recuperação.”
Definições legais

   CFRFB/88:

O SUS faz parte das ações definidas como de
 relevância pública, sendo atribuído ao poder
 público a sua regulamentação, a fiscalização
   e o controle das ações e dos serviços de
                    saúde.
Definições legais
   Lei 8080/90:

    Organização, direção e gestão do SUS;
    Competências e atribuições das três esferas de
    governo;
    Funcionamento e participação complementar dos
    serviços privados de assistência à saúde;
    Política de recursos humanos;
    Recursos financeiros, gestão financeira,
    planejamento e orçamento;
Definições legais

   Lei 8142/90:

    Conferência de saúde
    Conselho de saúde :
      Gestores (representantes do governo)
      Prestadores de serviço
      Trabalhadores de saúde
      Usuários (50%)
Definições legais
   Lei 8142/90:
    Para receber o repasse do Fundo Nacional de
    Saúde, os municípios, estados e distrito federal
    devem contar com:
    Fundo de Saúde
    Conselho de Saúde
    Plano de Saúde
    Relatório de Gestão
    Contrapartida de recursos para a saúde no
    respectivo orçamento
    Comissão de elaboração do Plano de Carreira,
    Cargos e Salários (PCCS)
Normas operacionais

 São instituídas através de portarias
  ministeriais
 Definem as competências de cada esfera de
  governo
 Definem as condições necessárias para que
  estados e municípios assumam as
  responsabilidades e prerrogativas dentro do
  Sistema
Normas operacionais

   Objetivos:
      Induzir e estimular mudanças
      Aprofundar e reorientar a implementação do
      SUS
      Definir novos objetivos estratégicos,
      prioridades, diretrizes, e movimento tático-
      operacionais
      Regular a relação entre seus gestores
      Normatizar o SUS
Norma Operacional Básica
   NOB/SUS 01/91:
      Prestadores públicos e privados passam a receber
      pagamento por produção de serviços
      Centraliza a gestão do SUS no nível federal
      Convênio através do qual os recursos federais são
      transferidos às demais esferas
      Para ser municipalizado, o município deve criar
      conselhos e fundo municipal de saúde; ter o plano
      municipal de saúde aprovado pelo seu conselho e
      com o detalhamento da programação e orçamentação
      da saúde (PROS)
Norma Operacional Básica

   NOB/SUS 01/91:
     Prestadores públicos e privados (entidades
     filantrópicas, hospitais universitários,
     entidades contratadas e conveniadas) passam
     a receber pagamento por produção de
     serviços
     Centraliza a gestão do SUS no nível federal
     Convênio através do qual os recursos federais
     são transferidos às demais esferas
Norma Operacional Básica

   NOB/SUS 01/91:
     Para ser municipalizado, o município deve
     criar conselhos e fundo municipal de saúde;
     ter o plano municipal de saúde aprovado pelo
     seu conselho e com o detalhamento da
     programação e orçamentação da saúde
     (PROS); constituição de Comissão de
     Elaboração do Plano de Carreira, Cargos e
     Salários com prazo de 2 anos para sua
     implantação
Norma Operacional Básica

   NOB/SUS 01/93:
     Formalizou os princípios aprovados na 9ª CNS
     (“a municipalização é o caminho”)
     Cria transferência automática e regular do teto
     global para municípios
     Habilita municípios como gestores
     Os estados assumem o papel de gestor do
     sistema estadual de saúde
Norma Operacional Básica

   NOB/SUS 01/96:
     Avanço no processo de descentralização
     Caracterizou as responsabilidades sanitárias
     do município pela saúde de seus cidadãos
     Redefiniu a competência de estados e
     municípios
     Criado o PAB (Piso da Atenção Básica)
Norma operacional de
       assistência à saúde
   NOA/SUS 01/01
     Plano Diretor de Regionalização (PDR)
     ordenando a regionalização da assistência em
     cada estado e no Distrito Federal.
Norma operacional de
        assistência à saúde
   NOA/SUS 01/01
      Plano Diretor de Regionalização (PDR) deve permitir o
      acesso ao cidadão o mais próximo de sua residência a
      serviços de:
        assistência pré-natal, parto e puerpério
        Acompanhamento do crescimento e desenvolvimento infantil
        Ações de promoção à saúde e prevenção de doenças
        Tratamento de intercorrências mais comuns na infância
        Atendimento de afecções agudas de maior incidência
        Acompanhamento de pessoas com doenças crônicas
        Tratamento de pequenas urgências ambulatoriais
        Tratamento dos distúrbios mentais e psicossociais mais
        freqüentes
        Suprimento e disposição dos medicamentos da farmácia
        básica
        Controle das doenças bucais mais comuns
Norma operacional de
       assistência à saúde
   NOA/SUS 01/02
     O limite financeiro da assistência de cada
     estado e do DF, deverá ser programado e
     apresentado da seguinte forma:
       Relação de todos os municípios, independente da
       sua condição de gestão
       Condição de gestão do município ou nível de
       governo responsável pelo comando único de média
       e alta complexidade
       Parcela de recursos financeiros para o
       atendimento: da população residente sob gestão
       municipal, das referências intermunicipais, sob
       gestão estadual
Pacto pela Saúde 2006

   A implementação do Pacto pela Saúde
    se dá pela adesão de Municípios,
    Estados e União ao Termo de
    Compromisso de Gestão (TCG). O TCG
    substitui os processos de habilitação das
    várias formas de gestão anteriormente
    vigentes e estabelece metas e
    compromissos para cada ente da
    federação, sendo renovado anualmente.
Pacto pela Saúde 2006

 Pacto pela Vida,
 Pacto em Defesa do SUS e
 Pacto de Gestão do SUS.
Pacto pela Vida
   SAÚDE DO IDOSO
   CÂNCER DE COLO DE ÚTERO E DE MAMA
   MORTALIDADE INFANTIL E MATERNA
   DOENÇAS EMERGENTES E ENDEMIAS, COM
    ÊNFASE NA DENGUE, HANSENÍASE,
    TUBERCULOSE, MALÁRIA E INFLUENZA
   PROMOÇÃO DA SAÚDE
   ATENÇÃO BÁSICA À SAÚDE
Pacto em defesa do SUS

   Reforçar o SUS como política de Estado
    mais do que política de governos

   IMPLEMENTAR UM PROJETO
    PERMANENTE DE MOBILIZAÇÃO SOCIAL
    (EC nº29)
   ELABORAR E DIVULGAR A CARTA DOS
    DIREITOS DOS USUÁRIOS DO SUS
Emenda Constitucional nº29


   detalha o repasse mínimo de recursos
    que municípios, estados, DF e União
    devem destinar por ano à saúde.

   Delimita o que são gastos em saúde.
Pacto de Gestão

   DEFINIR DE FORMA INEQUÍVOCA A
    RESPONSABILIDADE SANITÁRIA DE CADA
    INSTÂNCIA GESTORA DO SUS

   ESTABELECER AS DIRETRIZES PARA A
    GESTÃO DO SUS
Bibliografia

 http://portal.saude.gov.br/portal/
  saude/area.cfm?id_area=124
 http://dtr2001.saude.gov.br/sas/
  PORTARIAS/Port2006/GM/
  GM-399.htm
 Para entender a Gestão do SUS /
  Conselho Nacional de Secretários de
  Saúde – Brasília : CONASS, 2003.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Slides grupo8
Slides grupo8Slides grupo8
Slides grupo8
 
NOAS 01/2001
NOAS 01/2001NOAS 01/2001
NOAS 01/2001
 
Aula - SUS Princípios Doutrinários e Organizacionais
Aula - SUS Princípios Doutrinários e OrganizacionaisAula - SUS Princípios Doutrinários e Organizacionais
Aula - SUS Princípios Doutrinários e Organizacionais
 
Lei nº 8.142
Lei nº 8.142Lei nº 8.142
Lei nº 8.142
 
Lei 8080.90
Lei 8080.90Lei 8080.90
Lei 8080.90
 
Sistema Único de Saúde - Slide c/ vídeo
Sistema Único de Saúde - Slide c/ vídeoSistema Único de Saúde - Slide c/ vídeo
Sistema Único de Saúde - Slide c/ vídeo
 
Aula 1 politicas de saude no brasil
Aula 1   politicas de saude no brasilAula 1   politicas de saude no brasil
Aula 1 politicas de saude no brasil
 
História da saúde pública no brasill
História da saúde pública no brasillHistória da saúde pública no brasill
História da saúde pública no brasill
 
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)
 
Atenção básica e redes de atenção à saúde
Atenção básica e redes de atenção à saúdeAtenção básica e redes de atenção à saúde
Atenção básica e redes de atenção à saúde
 
Sp4 hupe-psf
Sp4 hupe-psfSp4 hupe-psf
Sp4 hupe-psf
 
Aula 1 saúde coletiva i slides aula - cópia
Aula 1 saúde coletiva i   slides aula - cópiaAula 1 saúde coletiva i   slides aula - cópia
Aula 1 saúde coletiva i slides aula - cópia
 
POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE
POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE  POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE
POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE
 
Pacto pela saude
Pacto pela saudePacto pela saude
Pacto pela saude
 
Exercicios lei 8080/90
Exercicios lei 8080/90Exercicios lei 8080/90
Exercicios lei 8080/90
 
Atenção Primária à Saúde
Atenção Primária à SaúdeAtenção Primária à Saúde
Atenção Primária à Saúde
 
Modelo de atenção à saúde
Modelo de atenção à saúdeModelo de atenção à saúde
Modelo de atenção à saúde
 
Pnab
PnabPnab
Pnab
 
SUS
SUSSUS
SUS
 
Vigilância em saúde
Vigilância em saúdeVigilância em saúde
Vigilância em saúde
 

Destaque (20)

5ª aula nob 91, 93 e 96
5ª aula   nob 91, 93 e 965ª aula   nob 91, 93 e 96
5ª aula nob 91, 93 e 96
 
Princípios e diretrizes do sus
Princípios e diretrizes do susPrincípios e diretrizes do sus
Princípios e diretrizes do sus
 
Resumão Lei 8080 para provas e concursos Odontostation@gmail.com
Resumão Lei 8080 para provas e concursos Odontostation@gmail.comResumão Lei 8080 para provas e concursos Odontostation@gmail.com
Resumão Lei 8080 para provas e concursos Odontostation@gmail.com
 
Sus Aula2
Sus Aula2Sus Aula2
Sus Aula2
 
Aula 3 - SUS
Aula 3 - SUSAula 3 - SUS
Aula 3 - SUS
 
Aula de sus
Aula de susAula de sus
Aula de sus
 
Trabalho noas
Trabalho noasTrabalho noas
Trabalho noas
 
Aula do sus
Aula do susAula do sus
Aula do sus
 
Introdução ao Atendimento Odontologico de Pacientes Especiais
Introdução ao Atendimento Odontologico de Pacientes EspeciaisIntrodução ao Atendimento Odontologico de Pacientes Especiais
Introdução ao Atendimento Odontologico de Pacientes Especiais
 
Sus de a a z
Sus de a a zSus de a a z
Sus de a a z
 
Tecnica Bass
Tecnica BassTecnica Bass
Tecnica Bass
 
Endodontia Em Dentes Deciduos
Endodontia Em Dentes DeciduosEndodontia Em Dentes Deciduos
Endodontia Em Dentes Deciduos
 
Stillman Modificada
Stillman ModificadaStillman Modificada
Stillman Modificada
 
Desvendando o Tratamento Restaurador Atraumático
Desvendando o Tratamento Restaurador AtraumáticoDesvendando o Tratamento Restaurador Atraumático
Desvendando o Tratamento Restaurador Atraumático
 
Lei 8142 e controle social
Lei 8142 e controle socialLei 8142 e controle social
Lei 8142 e controle social
 
Bass
BassBass
Bass
 
Prótese em odontopediatria
Prótese em odontopediatriaPrótese em odontopediatria
Prótese em odontopediatria
 
Materiais dentários em odontopediatria
Materiais dentários em odontopediatriaMateriais dentários em odontopediatria
Materiais dentários em odontopediatria
 
Stillman Modificado
Stillman ModificadoStillman Modificado
Stillman Modificado
 
Sistema unico de Saúde
Sistema unico de SaúdeSistema unico de Saúde
Sistema unico de Saúde
 

Semelhante a Principais Leis e Normas do SUS desde sua criaçao

Encontro dm saude 28-05-11
Encontro dm saude 28-05-11Encontro dm saude 28-05-11
Encontro dm saude 28-05-11Alberto Ramos
 
Cartilha entendendo o_sus_2007
Cartilha entendendo o_sus_2007Cartilha entendendo o_sus_2007
Cartilha entendendo o_sus_2007Cms Rubiataba
 
Cartilha entendendo-o-sus-2007
Cartilha entendendo-o-sus-2007Cartilha entendendo-o-sus-2007
Cartilha entendendo-o-sus-2007Stephane Aparecida
 
Cartilha entendendo o_sus_2007
Cartilha entendendo o_sus_2007Cartilha entendendo o_sus_2007
Cartilha entendendo o_sus_2007Vagner Machado
 
P399 pacto pela_vida_idoso
P399 pacto pela_vida_idosoP399 pacto pela_vida_idoso
P399 pacto pela_vida_idosoKatia Calandrine
 
Consolidação do sus e suas diretrizes
Consolidação do sus e suas diretrizesConsolidação do sus e suas diretrizes
Consolidação do sus e suas diretrizesLuanapqt
 
Consolidação do sus e suas diretrizes
Consolidação do sus e suas diretrizesConsolidação do sus e suas diretrizes
Consolidação do sus e suas diretrizesLuanapqt
 
LEGISLAÇÃO SUS.ppt
LEGISLAÇÃO SUS.pptLEGISLAÇÃO SUS.ppt
LEGISLAÇÃO SUS.pptbianca375788
 
Pacto pela saúde sus
Pacto pela saúde   susPacto pela saúde   sus
Pacto pela saúde susferaps
 
idoc.pub_constituiao-federal-art-196-a-200-sus-principios-e-diretrizes.pdf
idoc.pub_constituiao-federal-art-196-a-200-sus-principios-e-diretrizes.pdfidoc.pub_constituiao-federal-art-196-a-200-sus-principios-e-diretrizes.pdf
idoc.pub_constituiao-federal-art-196-a-200-sus-principios-e-diretrizes.pdfLuziannyDias
 
2° Parte da aula dia 04/04 Faetec
2° Parte da aula dia 04/04 Faetec2° Parte da aula dia 04/04 Faetec
2° Parte da aula dia 04/04 FaetecLaís Araújo
 
Aula - SUS e RAS 1 ciclo Nutrição em Saúde.pdf
Aula - SUS e RAS 1 ciclo Nutrição em Saúde.pdfAula - SUS e RAS 1 ciclo Nutrição em Saúde.pdf
Aula - SUS e RAS 1 ciclo Nutrição em Saúde.pdfJulioCesar371362
 

Semelhante a Principais Leis e Normas do SUS desde sua criaçao (20)

Apostila sus
Apostila susApostila sus
Apostila sus
 
Cartilha entendendo o SUS 2007
Cartilha entendendo o  SUS 2007Cartilha entendendo o  SUS 2007
Cartilha entendendo o SUS 2007
 
Encontro dm saude 28-05-11
Encontro dm saude 28-05-11Encontro dm saude 28-05-11
Encontro dm saude 28-05-11
 
Sistema unico de saude[1]
Sistema unico de saude[1]Sistema unico de saude[1]
Sistema unico de saude[1]
 
Apres. carlão
Apres. carlãoApres. carlão
Apres. carlão
 
Cartilha entendendo o sus
Cartilha entendendo o susCartilha entendendo o sus
Cartilha entendendo o sus
 
Cartilha entendendo o_sus_2007
Cartilha entendendo o_sus_2007Cartilha entendendo o_sus_2007
Cartilha entendendo o_sus_2007
 
A GESTÃO DO SUS
A GESTÃO DO SUSA GESTÃO DO SUS
A GESTÃO DO SUS
 
Cartilha entendendo-o-sus-2007
Cartilha entendendo-o-sus-2007Cartilha entendendo-o-sus-2007
Cartilha entendendo-o-sus-2007
 
Entendendo o sus
Entendendo o susEntendendo o sus
Entendendo o sus
 
Cartilha entendendo o_sus_2007
Cartilha entendendo o_sus_2007Cartilha entendendo o_sus_2007
Cartilha entendendo o_sus_2007
 
P399 pacto pela_vida_idoso
P399 pacto pela_vida_idosoP399 pacto pela_vida_idoso
P399 pacto pela_vida_idoso
 
Consolidação do sus e suas diretrizes
Consolidação do sus e suas diretrizesConsolidação do sus e suas diretrizes
Consolidação do sus e suas diretrizes
 
Consolidação do sus e suas diretrizes
Consolidação do sus e suas diretrizesConsolidação do sus e suas diretrizes
Consolidação do sus e suas diretrizes
 
Manual do Ministério Público de Santa Catarina na Defesa da Saúde
Manual do Ministério Público de Santa Catarina na Defesa da SaúdeManual do Ministério Público de Santa Catarina na Defesa da Saúde
Manual do Ministério Público de Santa Catarina na Defesa da Saúde
 
LEGISLAÇÃO SUS.ppt
LEGISLAÇÃO SUS.pptLEGISLAÇÃO SUS.ppt
LEGISLAÇÃO SUS.ppt
 
Pacto pela saúde sus
Pacto pela saúde   susPacto pela saúde   sus
Pacto pela saúde sus
 
idoc.pub_constituiao-federal-art-196-a-200-sus-principios-e-diretrizes.pdf
idoc.pub_constituiao-federal-art-196-a-200-sus-principios-e-diretrizes.pdfidoc.pub_constituiao-federal-art-196-a-200-sus-principios-e-diretrizes.pdf
idoc.pub_constituiao-federal-art-196-a-200-sus-principios-e-diretrizes.pdf
 
2° Parte da aula dia 04/04 Faetec
2° Parte da aula dia 04/04 Faetec2° Parte da aula dia 04/04 Faetec
2° Parte da aula dia 04/04 Faetec
 
Aula - SUS e RAS 1 ciclo Nutrição em Saúde.pdf
Aula - SUS e RAS 1 ciclo Nutrição em Saúde.pdfAula - SUS e RAS 1 ciclo Nutrição em Saúde.pdf
Aula - SUS e RAS 1 ciclo Nutrição em Saúde.pdf
 

Mais de Flavio Salomao-Miranda

Resultadors Sb brasil 2010 - Prof Flávio Salomão-Miranda
Resultadors Sb brasil 2010 - Prof Flávio Salomão-MirandaResultadors Sb brasil 2010 - Prof Flávio Salomão-Miranda
Resultadors Sb brasil 2010 - Prof Flávio Salomão-MirandaFlavio Salomao-Miranda
 
Prescrição medicamentosa em Odontopediatria
Prescrição medicamentosa em OdontopediatriaPrescrição medicamentosa em Odontopediatria
Prescrição medicamentosa em OdontopediatriaFlavio Salomao-Miranda
 
Odontopediatria aula 1 e 2 - Prof. Flavio Salomao
Odontopediatria  aula 1 e 2 - Prof. Flavio SalomaoOdontopediatria  aula 1 e 2 - Prof. Flavio Salomao
Odontopediatria aula 1 e 2 - Prof. Flavio SalomaoFlavio Salomao-Miranda
 
Com qual idade devo levar meu filho ao Dentista ??
Com qual idade devo levar meu filho ao Dentista ??Com qual idade devo levar meu filho ao Dentista ??
Com qual idade devo levar meu filho ao Dentista ??Flavio Salomao-Miranda
 
Livro princípios de sutura em odontologia odontostation@gmail.com
Livro   princípios de sutura em odontologia odontostation@gmail.comLivro   princípios de sutura em odontologia odontostation@gmail.com
Livro princípios de sutura em odontologia odontostation@gmail.comFlavio Salomao-Miranda
 
Evidencias do Uso de Flúor : odontostation@gmail.com
Evidencias do Uso de Flúor : odontostation@gmail.comEvidencias do Uso de Flúor : odontostation@gmail.com
Evidencias do Uso de Flúor : odontostation@gmail.comFlavio Salomao-Miranda
 
Resumo anatomia dentaria: odontostation@gmail.com
Resumo anatomia dentaria: odontostation@gmail.comResumo anatomia dentaria: odontostation@gmail.com
Resumo anatomia dentaria: odontostation@gmail.comFlavio Salomao-Miranda
 
Livro:Manual de Periodontia - odontostation@gmail.com
Livro:Manual de Periodontia  - odontostation@gmail.comLivro:Manual de Periodontia  - odontostation@gmail.com
Livro:Manual de Periodontia - odontostation@gmail.comFlavio Salomao-Miranda
 
Livro: Anatomia da Face odontostation@gmail.com
Livro: Anatomia da Face  odontostation@gmail.comLivro: Anatomia da Face  odontostation@gmail.com
Livro: Anatomia da Face odontostation@gmail.comFlavio Salomao-Miranda
 
Livro: ortopedia funcional odontostation@gmail.com
Livro: ortopedia funcional odontostation@gmail.comLivro: ortopedia funcional odontostation@gmail.com
Livro: ortopedia funcional odontostation@gmail.comFlavio Salomao-Miranda
 
LIVRO Análise Estética: odontostation@gmail.com
LIVRO Análise Estética: odontostation@gmail.comLIVRO Análise Estética: odontostation@gmail.com
LIVRO Análise Estética: odontostation@gmail.comFlavio Salomao-Miranda
 
Pacientes Especiais: Deficiencia Mental
Pacientes Especiais: Deficiencia MentalPacientes Especiais: Deficiencia Mental
Pacientes Especiais: Deficiencia MentalFlavio Salomao-Miranda
 
atendimento de Bebes com Fissura Labio Palatina
atendimento de Bebes com Fissura Labio Palatinaatendimento de Bebes com Fissura Labio Palatina
atendimento de Bebes com Fissura Labio PalatinaFlavio Salomao-Miranda
 

Mais de Flavio Salomao-Miranda (20)

Resultadors Sb brasil 2010 - Prof Flávio Salomão-Miranda
Resultadors Sb brasil 2010 - Prof Flávio Salomão-MirandaResultadors Sb brasil 2010 - Prof Flávio Salomão-Miranda
Resultadors Sb brasil 2010 - Prof Flávio Salomão-Miranda
 
Prescrição medicamentosa em Odontopediatria
Prescrição medicamentosa em OdontopediatriaPrescrição medicamentosa em Odontopediatria
Prescrição medicamentosa em Odontopediatria
 
Odontopediatria aula 1 e 2 - Prof. Flavio Salomao
Odontopediatria  aula 1 e 2 - Prof. Flavio SalomaoOdontopediatria  aula 1 e 2 - Prof. Flavio Salomao
Odontopediatria aula 1 e 2 - Prof. Flavio Salomao
 
Com qual idade devo levar meu filho ao Dentista ??
Com qual idade devo levar meu filho ao Dentista ??Com qual idade devo levar meu filho ao Dentista ??
Com qual idade devo levar meu filho ao Dentista ??
 
Materiais Dentários
Materiais DentáriosMateriais Dentários
Materiais Dentários
 
Livro Prótese fixa: odontostation
Livro Prótese fixa:  odontostationLivro Prótese fixa:  odontostation
Livro Prótese fixa: odontostation
 
Livro princípios de sutura em odontologia odontostation@gmail.com
Livro   princípios de sutura em odontologia odontostation@gmail.comLivro   princípios de sutura em odontologia odontostation@gmail.com
Livro princípios de sutura em odontologia odontostation@gmail.com
 
Evidencias do Uso de Flúor : odontostation@gmail.com
Evidencias do Uso de Flúor : odontostation@gmail.comEvidencias do Uso de Flúor : odontostation@gmail.com
Evidencias do Uso de Flúor : odontostation@gmail.com
 
Resumo anatomia dentaria: odontostation@gmail.com
Resumo anatomia dentaria: odontostation@gmail.comResumo anatomia dentaria: odontostation@gmail.com
Resumo anatomia dentaria: odontostation@gmail.com
 
Livro:Manual de Periodontia - odontostation@gmail.com
Livro:Manual de Periodontia  - odontostation@gmail.comLivro:Manual de Periodontia  - odontostation@gmail.com
Livro:Manual de Periodontia - odontostation@gmail.com
 
Livro: Anatomia do dente
Livro: Anatomia do dente Livro: Anatomia do dente
Livro: Anatomia do dente
 
Livro: Anatomia da Face odontostation@gmail.com
Livro: Anatomia da Face  odontostation@gmail.comLivro: Anatomia da Face  odontostation@gmail.com
Livro: Anatomia da Face odontostation@gmail.com
 
Livro: ortopedia funcional odontostation@gmail.com
Livro: ortopedia funcional odontostation@gmail.comLivro: ortopedia funcional odontostation@gmail.com
Livro: ortopedia funcional odontostation@gmail.com
 
Livro de endodontia
Livro de endodontiaLivro de endodontia
Livro de endodontia
 
LIVRO Análise Estética: odontostation@gmail.com
LIVRO Análise Estética: odontostation@gmail.comLIVRO Análise Estética: odontostation@gmail.com
LIVRO Análise Estética: odontostation@gmail.com
 
Paralisia cerebral em Odontologia
Paralisia cerebral em OdontologiaParalisia cerebral em Odontologia
Paralisia cerebral em Odontologia
 
Pacientes Especiais: Deficiencia Mental
Pacientes Especiais: Deficiencia MentalPacientes Especiais: Deficiencia Mental
Pacientes Especiais: Deficiencia Mental
 
Periodontia em odontopediatria
Periodontia em odontopediatriaPeriodontia em odontopediatria
Periodontia em odontopediatria
 
Traumatismo dental em Odontopediatria
Traumatismo dental em OdontopediatriaTraumatismo dental em Odontopediatria
Traumatismo dental em Odontopediatria
 
atendimento de Bebes com Fissura Labio Palatina
atendimento de Bebes com Fissura Labio Palatinaatendimento de Bebes com Fissura Labio Palatina
atendimento de Bebes com Fissura Labio Palatina
 

Último

Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_AssisMemórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assisbrunocali007
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoVALMIRARIBEIRO1
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxRaquelMartins389880
 
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfRespostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfssuser06ee57
 
Plano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola públicaPlano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola públicaanapsuls
 
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.pptAula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.pptParticular
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteLeonel Morgado
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfssuserbb4ac2
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfRILTONNOGUEIRADOSSAN
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Mary Alvarenga
 
Diálogo Crátilo de Platão sócrates daspdf
Diálogo Crátilo de Platão sócrates daspdfDiálogo Crátilo de Platão sócrates daspdf
Diálogo Crátilo de Platão sócrates daspdfEversonFerreira20
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorialNeuroppIsnayaLciaMar
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....LuizHenriquedeAlmeid6
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosFernanda Ledesma
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfssuser06ee57
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfmaria794949
 
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
Atividade com a música Xote  da  Alegria    -   FalamansaAtividade com a música Xote  da  Alegria    -   Falamansa
Atividade com a música Xote da Alegria - FalamansaMary Alvarenga
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalcarlaOliveira438
 
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxSão Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxMartin M Flynn
 

Último (20)

Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_AssisMemórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfRespostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
 
Plano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola públicaPlano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola pública
 
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.pptAula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
Diálogo Crátilo de Platão sócrates daspdf
Diálogo Crátilo de Platão sócrates daspdfDiálogo Crátilo de Platão sócrates daspdf
Diálogo Crátilo de Platão sócrates daspdf
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
Atividade com a música Xote  da  Alegria    -   FalamansaAtividade com a música Xote  da  Alegria    -   Falamansa
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
 
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxSão Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
 

Principais Leis e Normas do SUS desde sua criaçao

  • 2. Histórico  8ª Conferência Nacional de Saúde (1986)  “ A saúde é resultante das condições de alimentação, habitação, educação, renda, meio ambiente, trabalho, transporte, emprego, lazer, liberdade, acesso e posse da terra e acesso a serviços de saúde.”  Base para discussões na Assembléia Nacional Constituinte em 1987
  • 3. Histórico  Ministério da saúde desenvolvia ações de promoção de saúde e prevenção de doenças;  INAMPS prestava assistência médico- hospitalar aos segurados do INPS e seus dependentes (trabalhadores da economia formal)
  • 4. Definições legais  Art. 196 CFRFB/88: “a saúde é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante políticas sociais e econômicas que visem a redução do risco de doença e de outros agravos e ao acesso universal igualitário às ações e serviços para sua promoção, proteção e recuperação.”
  • 5. Definições legais  CFRFB/88: O SUS faz parte das ações definidas como de relevância pública, sendo atribuído ao poder público a sua regulamentação, a fiscalização e o controle das ações e dos serviços de saúde.
  • 6. Definições legais  Lei 8080/90: Organização, direção e gestão do SUS; Competências e atribuições das três esferas de governo; Funcionamento e participação complementar dos serviços privados de assistência à saúde; Política de recursos humanos; Recursos financeiros, gestão financeira, planejamento e orçamento;
  • 7. Definições legais  Lei 8142/90: Conferência de saúde Conselho de saúde : Gestores (representantes do governo) Prestadores de serviço Trabalhadores de saúde Usuários (50%)
  • 8. Definições legais  Lei 8142/90: Para receber o repasse do Fundo Nacional de Saúde, os municípios, estados e distrito federal devem contar com: Fundo de Saúde Conselho de Saúde Plano de Saúde Relatório de Gestão Contrapartida de recursos para a saúde no respectivo orçamento Comissão de elaboração do Plano de Carreira, Cargos e Salários (PCCS)
  • 9. Normas operacionais  São instituídas através de portarias ministeriais  Definem as competências de cada esfera de governo  Definem as condições necessárias para que estados e municípios assumam as responsabilidades e prerrogativas dentro do Sistema
  • 10. Normas operacionais  Objetivos: Induzir e estimular mudanças Aprofundar e reorientar a implementação do SUS Definir novos objetivos estratégicos, prioridades, diretrizes, e movimento tático- operacionais Regular a relação entre seus gestores Normatizar o SUS
  • 11. Norma Operacional Básica  NOB/SUS 01/91: Prestadores públicos e privados passam a receber pagamento por produção de serviços Centraliza a gestão do SUS no nível federal Convênio através do qual os recursos federais são transferidos às demais esferas Para ser municipalizado, o município deve criar conselhos e fundo municipal de saúde; ter o plano municipal de saúde aprovado pelo seu conselho e com o detalhamento da programação e orçamentação da saúde (PROS)
  • 12. Norma Operacional Básica  NOB/SUS 01/91: Prestadores públicos e privados (entidades filantrópicas, hospitais universitários, entidades contratadas e conveniadas) passam a receber pagamento por produção de serviços Centraliza a gestão do SUS no nível federal Convênio através do qual os recursos federais são transferidos às demais esferas
  • 13. Norma Operacional Básica  NOB/SUS 01/91: Para ser municipalizado, o município deve criar conselhos e fundo municipal de saúde; ter o plano municipal de saúde aprovado pelo seu conselho e com o detalhamento da programação e orçamentação da saúde (PROS); constituição de Comissão de Elaboração do Plano de Carreira, Cargos e Salários com prazo de 2 anos para sua implantação
  • 14. Norma Operacional Básica  NOB/SUS 01/93: Formalizou os princípios aprovados na 9ª CNS (“a municipalização é o caminho”) Cria transferência automática e regular do teto global para municípios Habilita municípios como gestores Os estados assumem o papel de gestor do sistema estadual de saúde
  • 15. Norma Operacional Básica  NOB/SUS 01/96: Avanço no processo de descentralização Caracterizou as responsabilidades sanitárias do município pela saúde de seus cidadãos Redefiniu a competência de estados e municípios Criado o PAB (Piso da Atenção Básica)
  • 16. Norma operacional de assistência à saúde  NOA/SUS 01/01 Plano Diretor de Regionalização (PDR) ordenando a regionalização da assistência em cada estado e no Distrito Federal.
  • 17. Norma operacional de assistência à saúde  NOA/SUS 01/01 Plano Diretor de Regionalização (PDR) deve permitir o acesso ao cidadão o mais próximo de sua residência a serviços de: assistência pré-natal, parto e puerpério Acompanhamento do crescimento e desenvolvimento infantil Ações de promoção à saúde e prevenção de doenças Tratamento de intercorrências mais comuns na infância Atendimento de afecções agudas de maior incidência Acompanhamento de pessoas com doenças crônicas Tratamento de pequenas urgências ambulatoriais Tratamento dos distúrbios mentais e psicossociais mais freqüentes Suprimento e disposição dos medicamentos da farmácia básica Controle das doenças bucais mais comuns
  • 18. Norma operacional de assistência à saúde  NOA/SUS 01/02 O limite financeiro da assistência de cada estado e do DF, deverá ser programado e apresentado da seguinte forma: Relação de todos os municípios, independente da sua condição de gestão Condição de gestão do município ou nível de governo responsável pelo comando único de média e alta complexidade Parcela de recursos financeiros para o atendimento: da população residente sob gestão municipal, das referências intermunicipais, sob gestão estadual
  • 19. Pacto pela Saúde 2006  A implementação do Pacto pela Saúde se dá pela adesão de Municípios, Estados e União ao Termo de Compromisso de Gestão (TCG). O TCG substitui os processos de habilitação das várias formas de gestão anteriormente vigentes e estabelece metas e compromissos para cada ente da federação, sendo renovado anualmente.
  • 20. Pacto pela Saúde 2006  Pacto pela Vida,  Pacto em Defesa do SUS e  Pacto de Gestão do SUS.
  • 21. Pacto pela Vida  SAÚDE DO IDOSO  CÂNCER DE COLO DE ÚTERO E DE MAMA  MORTALIDADE INFANTIL E MATERNA  DOENÇAS EMERGENTES E ENDEMIAS, COM ÊNFASE NA DENGUE, HANSENÍASE, TUBERCULOSE, MALÁRIA E INFLUENZA  PROMOÇÃO DA SAÚDE  ATENÇÃO BÁSICA À SAÚDE
  • 22. Pacto em defesa do SUS  Reforçar o SUS como política de Estado mais do que política de governos  IMPLEMENTAR UM PROJETO PERMANENTE DE MOBILIZAÇÃO SOCIAL (EC nº29)  ELABORAR E DIVULGAR A CARTA DOS DIREITOS DOS USUÁRIOS DO SUS
  • 23. Emenda Constitucional nº29  detalha o repasse mínimo de recursos que municípios, estados, DF e União devem destinar por ano à saúde.  Delimita o que são gastos em saúde.
  • 24. Pacto de Gestão  DEFINIR DE FORMA INEQUÍVOCA A RESPONSABILIDADE SANITÁRIA DE CADA INSTÂNCIA GESTORA DO SUS  ESTABELECER AS DIRETRIZES PARA A GESTÃO DO SUS
  • 25. Bibliografia  http://portal.saude.gov.br/portal/ saude/area.cfm?id_area=124  http://dtr2001.saude.gov.br/sas/ PORTARIAS/Port2006/GM/ GM-399.htm  Para entender a Gestão do SUS / Conselho Nacional de Secretários de Saúde – Brasília : CONASS, 2003.

Notas do Editor

  1. \n
  2. Ampla participação de usuários, trabalhadores de saúde, prestadores de serviço e gestores.\n
  3. Ministério da saúde desenvolvia ações de promoção de saúde e prevenção de doenças (campanhas de vacinação e controle de endemias)\nINAMPS = instituto nacional da assistência médica da previdência social. Autarquia do Ministério da previdência e assistência social.\n
  4. Universalidade\n
  5. \n
  6. \n
  7. O SUS conta em cada esfera do governo com as instâncias colegiadas supracitadas\n
  8. O SUS conta em cada esfera do governo com as instâncias colegiadas supracitadas\n
  9. \n
  10. \n
  11. \n
  12. \n
  13. \n
  14. 9ª CNS = tema = “a municipalização é o caminho”\n
  15. Valor transferido para os municípios habitantes/ano. Uma parte variável destina-se a ações e programas: Agentes comunitários de Saúde, Programa de Saúde da Família, Programa de combate às carências nutricionais, ações básicas de vigilância sanitária, Assistência farmacêutica básica, Ações básicas de vigilância epidemiológica e ambiental\n
  16. \n
  17. \n
  18. \n
  19. \n
  20. \n
  21. \n
  22. \n
  23. \n
  24. \n
  25. \n