SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 15
Baixar para ler offline
Josiene Braga Gomes
Joseni Braga Gomes de Alencar
 É o primeiro nível de contato dos indivíduos, da família e
da comunidade Com o Sistema Nacional de Saúde.
 É um sistema lógico que organiza o funcionamento das
redes de atenção à saúde definindo em visão
prevalecente da saúde, das situações demográficas e
epidemiológicas e dos determinantes sociais da saúde,
num determinado tempo e sociedade.
 A organização estratégica do sistema e das práticas de
saúde em resposta às necessidades da população.
Conceito de Atenção
á Saúde
 Atualmente, convivem no Brasil diversas formas:
• Entre os usuários da saúde suplementar, o formato se aproxima
do que vários autores têm chamado de Modelo Liberal
Privatista.
• No SUS, o Sistema Nacional e Público de Saúde, convivem
práticas que lembram o sanitarismo campanhista e, apesar da
atenção primária e a urgência serem prestados
majoritariamente pelo aparato estatal, os serviços hospitalares
e os de mais complexidade são comprados de organizações
privadas que contam, em sua maioria, com profissionais médicos
organizados de forma liberal.
 A partir de 1991 - o MS publicou várias normas com o objetivo de organizar e
operacionalizar o funcionamento do SUS, Com a finalidade de superar as
dificuldades:
- NOB 1/91
- NOB 1/93
- NOB 1/96
- NOAS-SUS 01/01
- NOAS-SUS 01/02
- PACTO PELA SAÚDE
 Os gestores assumem o compromisso público da construção do PACTO PELA
SAÚDE , anualmente revisado, com base nos princípios do SUS, enfatizando as
necessidades de saúde da população e que implicará em definição de
prioridades articuladas e integradas nos três componentes:
- PACTO PELA VIDA
- PACTO EM DEFESA DO SUS
- PACTO DE GESTÃO DO SUS
 A organização do SUS em nosso país
está assentada em três pilares:
- Rede (integração dos serviços interfe-
derativos).
- Regionalização (região de saúde).
- Hierarquização (níveis de complexidade dos serviços).
 O modelo do sistema de saúde brasileiro é centrado
na hierarquização das ações e serviços de saúde por
níveis de complexidade.
 O sistema de saúde é composto por várias unidades,
cada uma possui uma função específica.
 Estabelece todas as ações de promoção,
prevenção e proteção à saúde em um território,
é de responsabilidade do município.
 É regionalizada, contínua e sistematizada à
maior parte das necessidades de saúde de uma
população, integrando ações preventivas e
curativas, bem como a atenção a indivíduos e
comunidades.
Atenção primária de Saúde
(APS)
 Programa Saúde da Família – PSF, como estratégia de organização
da Atenção básica ( é o centro).
• Usada para triagem e encaminhamento. A Unidade Básica de Saúde da
Família deve realizar assistência integral, contínua e de qualidade,
desenvolvida por uma equipe multiprofissional. Elaborando e
executando programas educativos e de prevenção a doenças
 Vigilância à Saúde – Vigilância Sanitária, Vigilância Epidemiológica,
Vigilância Ambiental, Saúde do Trabalhador, Controle de Endemias e
Assistência Farmacêutica.
• promovendo ações para detectar e prevenir mudanças em fatores
determinantes e condicionantes do ambiente que interfere na saúde do
homem e do trabalhador, com continuidade de atenção nos diversos
níveis de complexidade.
 O MS recomenda um médico, um enfermeiro, um auxiliar de
enfermagem, um odontólogo, um atendente de consultório dentário
(ACD) e /ou um técnico de higiene dental (THD) e agentes
comunitários de saúde.
 Áreas de atuação:
- Controle da tuberculose
- Eliminação da hanseníase
- Controle da hipertensão
- Controle da diabetes metlitus
- Ações de saude bucal
- Ações de saude da criança
- Ações de saúde da mulher
 Está baseada na organização do Sistema Microrregional dos
Serviços de Saúde, de acordo com a definição do Plano
Diretor de regionalização (PDR).
 É prestada por meio de uma rede de unidades especializadas,
garantindo o acesso à população sob sua gestão .
 A organização se dá por meio de cada uma das microrregiões
do Estado, onde há hospitais de nível secundário que prestam
assistência nas especialidades em nível ambulatorial e
hospitalar além dos serviços de urgência e emergência.
 Possui densidade tecnológica intermediária entre a atenção
primária e a terciária.
 Programa Saúde Mais Perto de Você – PSMPV
 Projeto de Implantação dos Centros Especializados de Odontologia-
CEO.
 HOSPITAIS PÓLOS: atendem encaminhamentos realizados
pelas equipes do PSF e de outras unidades de saúde dos municípios,
nas cinco clínicas básicas abaixo discriminadas e funcionando em
24 horas.
• CLINICAS BÁSICAS: Clinica médica, Pediátrica, Ginecologia/
Obstetrícia, Traumato/ ortopedia, e Clinica Geral.
 SERVIÇOS DE APOIO DIAGNÓSTICO E TERAPÊUTICO:
Laboratório de patologia clinica, Neonatológia, Eletrocardiograma,
Colpospia, Ultra - sonografia, Radiologia e Endoscopia.
 É a atenção à saúde de terceiro nível, integrada
pelos serviços ambulatoriais e hospitalares
especializados de alta complexidade
Modelo de atenção à saúde
Modelo de atenção à saúde
Modelo de atenção à saúde

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Modelos assistenciais de saúde
Modelos assistenciais de saúdeModelos assistenciais de saúde
Modelos assistenciais de saúdeLeticia Passos
 
Rede de Atenção à Saúde
Rede de Atenção à SaúdeRede de Atenção à Saúde
Rede de Atenção à Saúdeferaps
 
Principios do sus
Principios do susPrincipios do sus
Principios do suskarensuelen
 
Estrutura organizacional dos serviços de saúde - Redes de Atenção à Saúde (RAS)
Estrutura organizacional dos serviços de saúde - Redes de Atenção à Saúde (RAS)Estrutura organizacional dos serviços de saúde - Redes de Atenção à Saúde (RAS)
Estrutura organizacional dos serviços de saúde - Redes de Atenção à Saúde (RAS)Patrícia Cruz Rodrigues Marion
 
Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)
Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)
Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)resenfe2013
 
Sistematização da assistência de enfermagem
Sistematização da assistência de enfermagemSistematização da assistência de enfermagem
Sistematização da assistência de enfermagemDanilo Nunes Anunciação
 
Humanização na Saúde
Humanização na SaúdeHumanização na Saúde
Humanização na SaúdeYlla Cohim
 
Aula 1 politicas de saude no brasil
Aula 1   politicas de saude no brasilAula 1   politicas de saude no brasil
Aula 1 politicas de saude no brasilkellyschorro18
 
Princípios e diretrizes do sus
Princípios e diretrizes do susPrincípios e diretrizes do sus
Princípios e diretrizes do susMarcos Nery
 
Pnab -programa nacional da Atenção básica
Pnab -programa nacional da Atenção básicaPnab -programa nacional da Atenção básica
Pnab -programa nacional da Atenção básicaJarquineide Silva
 
Lei nº 8.142
Lei nº 8.142Lei nº 8.142
Lei nº 8.142dantispam
 
Estratégia saúde da família
Estratégia saúde da famíliaEstratégia saúde da família
Estratégia saúde da famíliaRuth Milhomem
 
Seminário saúde coletiva enfermagem 8º período
Seminário saúde coletiva enfermagem 8º períodoSeminário saúde coletiva enfermagem 8º período
Seminário saúde coletiva enfermagem 8º períodoLaíz Coutinho
 

Mais procurados (20)

Modelos assistenciais de saúde
Modelos assistenciais de saúdeModelos assistenciais de saúde
Modelos assistenciais de saúde
 
Politicas de saude
Politicas de saudePoliticas de saude
Politicas de saude
 
Rede de Atenção à Saúde
Rede de Atenção à SaúdeRede de Atenção à Saúde
Rede de Atenção à Saúde
 
Principios do sus
Principios do susPrincipios do sus
Principios do sus
 
Sus
SusSus
Sus
 
Estrutura organizacional dos serviços de saúde - Redes de Atenção à Saúde (RAS)
Estrutura organizacional dos serviços de saúde - Redes de Atenção à Saúde (RAS)Estrutura organizacional dos serviços de saúde - Redes de Atenção à Saúde (RAS)
Estrutura organizacional dos serviços de saúde - Redes de Atenção à Saúde (RAS)
 
Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)
Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)
Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)
 
Sistematização da assistência de enfermagem
Sistematização da assistência de enfermagemSistematização da assistência de enfermagem
Sistematização da assistência de enfermagem
 
Humanização na Saúde
Humanização na SaúdeHumanização na Saúde
Humanização na Saúde
 
Aula 1 politicas de saude no brasil
Aula 1   politicas de saude no brasilAula 1   politicas de saude no brasil
Aula 1 politicas de saude no brasil
 
Linhas de Cuidado nas Redes de Atenção à Saúde
Linhas de Cuidado nas Redes de Atenção à SaúdeLinhas de Cuidado nas Redes de Atenção à Saúde
Linhas de Cuidado nas Redes de Atenção à Saúde
 
Vigilância Sanitária
Vigilância SanitáriaVigilância Sanitária
Vigilância Sanitária
 
Redes de atenção à saúde
Redes de atenção à saúdeRedes de atenção à saúde
Redes de atenção à saúde
 
Princípios e diretrizes do sus
Princípios e diretrizes do susPrincípios e diretrizes do sus
Princípios e diretrizes do sus
 
Vigilância em saúde
Vigilância em saúdeVigilância em saúde
Vigilância em saúde
 
Aula do sus
Aula do susAula do sus
Aula do sus
 
Pnab -programa nacional da Atenção básica
Pnab -programa nacional da Atenção básicaPnab -programa nacional da Atenção básica
Pnab -programa nacional da Atenção básica
 
Lei nº 8.142
Lei nº 8.142Lei nº 8.142
Lei nº 8.142
 
Estratégia saúde da família
Estratégia saúde da famíliaEstratégia saúde da família
Estratégia saúde da família
 
Seminário saúde coletiva enfermagem 8º período
Seminário saúde coletiva enfermagem 8º períodoSeminário saúde coletiva enfermagem 8º período
Seminário saúde coletiva enfermagem 8º período
 

Semelhante a Modelo de atenção à saúde

Aula Saude da família.pptx
Aula Saude da família.pptxAula Saude da família.pptx
Aula Saude da família.pptxMarianeBarbosa26
 
O cuidado em saúde mental
O cuidado em saúde mentalO cuidado em saúde mental
O cuidado em saúde mentalIasmin Castro
 
Aula_4_-modelos_de_atenção.pdf
Aula_4_-modelos_de_atenção.pdfAula_4_-modelos_de_atenção.pdf
Aula_4_-modelos_de_atenção.pdfssuser51d27c1
 
Aula- ESTRUTURA DO SETOR DE SAUDE BRASILEIRO.pdf
Aula- ESTRUTURA DO SETOR DE SAUDE BRASILEIRO.pdfAula- ESTRUTURA DO SETOR DE SAUDE BRASILEIRO.pdf
Aula- ESTRUTURA DO SETOR DE SAUDE BRASILEIRO.pdfjosemaciel33
 
História da saúde da família e princípios da mfc
História da saúde da família e princípios da mfcHistória da saúde da família e princípios da mfc
História da saúde da família e princípios da mfcRicardo Alexandre
 
conferencia de saude.pptx
conferencia de saude.pptxconferencia de saude.pptx
conferencia de saude.pptxElaineCamargos
 
Breve história da mfc, diagnóstico comunitário e planejamento do diagnóstico ...
Breve história da mfc, diagnóstico comunitário e planejamento do diagnóstico ...Breve história da mfc, diagnóstico comunitário e planejamento do diagnóstico ...
Breve história da mfc, diagnóstico comunitário e planejamento do diagnóstico ...Ricardo Alexandre
 
Aula - SUS Princípios Doutrinários e Organizacionais
Aula - SUS Princípios Doutrinários e OrganizacionaisAula - SUS Princípios Doutrinários e Organizacionais
Aula - SUS Princípios Doutrinários e OrganizacionaisRogério de Mesquita Spínola
 
Redes de atenção à saúde
Redes de atenção à saúdeRedes de atenção à saúde
Redes de atenção à saúdeJacirenne
 
Políticas da atenção básica redes aula 2015
Políticas da atenção básica redes aula 2015 Políticas da atenção básica redes aula 2015
Políticas da atenção básica redes aula 2015 Jamessonjr Leite Junior
 
Humaniza sus atencao_basica
Humaniza sus atencao_basicaHumaniza sus atencao_basica
Humaniza sus atencao_basicaCinthia13Lima
 
aula 2 saude coletiva II_1691079403 (1).pptx
aula 2 saude coletiva II_1691079403 (1).pptxaula 2 saude coletiva II_1691079403 (1).pptx
aula 2 saude coletiva II_1691079403 (1).pptxFrancielttonsantos
 
AULA 3- Programas-de-Saúde.pptx
AULA 3- Programas-de-Saúde.pptxAULA 3- Programas-de-Saúde.pptx
AULA 3- Programas-de-Saúde.pptxCarlaAlves362153
 
Curso Introduorio ESF - Conteudo teorico modulo 2 - Aula 2
Curso Introduorio ESF - Conteudo teorico modulo 2 - Aula 2Curso Introduorio ESF - Conteudo teorico modulo 2 - Aula 2
Curso Introduorio ESF - Conteudo teorico modulo 2 - Aula 2eadsantamarcelina
 

Semelhante a Modelo de atenção à saúde (20)

Aula Saude da família.pptx
Aula Saude da família.pptxAula Saude da família.pptx
Aula Saude da família.pptx
 
Slides grupo8
Slides grupo8Slides grupo8
Slides grupo8
 
O cuidado em saúde mental
O cuidado em saúde mentalO cuidado em saúde mental
O cuidado em saúde mental
 
Aula_4_-modelos_de_atenção.pdf
Aula_4_-modelos_de_atenção.pdfAula_4_-modelos_de_atenção.pdf
Aula_4_-modelos_de_atenção.pdf
 
Aula- ESTRUTURA DO SETOR DE SAUDE BRASILEIRO.pdf
Aula- ESTRUTURA DO SETOR DE SAUDE BRASILEIRO.pdfAula- ESTRUTURA DO SETOR DE SAUDE BRASILEIRO.pdf
Aula- ESTRUTURA DO SETOR DE SAUDE BRASILEIRO.pdf
 
História da saúde da família e princípios da mfc
História da saúde da família e princípios da mfcHistória da saúde da família e princípios da mfc
História da saúde da família e princípios da mfc
 
Módulo 1 - aula 1
Módulo 1 - aula 1Módulo 1 - aula 1
Módulo 1 - aula 1
 
conferencia de saude.pptx
conferencia de saude.pptxconferencia de saude.pptx
conferencia de saude.pptx
 
Sistema único de saúde
Sistema único de saúdeSistema único de saúde
Sistema único de saúde
 
Breve história da mfc, diagnóstico comunitário e planejamento do diagnóstico ...
Breve história da mfc, diagnóstico comunitário e planejamento do diagnóstico ...Breve história da mfc, diagnóstico comunitário e planejamento do diagnóstico ...
Breve história da mfc, diagnóstico comunitário e planejamento do diagnóstico ...
 
Aula - SUS Princípios Doutrinários e Organizacionais
Aula - SUS Princípios Doutrinários e OrganizacionaisAula - SUS Princípios Doutrinários e Organizacionais
Aula - SUS Princípios Doutrinários e Organizacionais
 
Aula 8 e 9 SUS
Aula 8 e 9   SUSAula 8 e 9   SUS
Aula 8 e 9 SUS
 
SAÚDE COLETIVA.pptx
SAÚDE COLETIVA.pptxSAÚDE COLETIVA.pptx
SAÚDE COLETIVA.pptx
 
SAÚDE COLETIVA.pptx
SAÚDE COLETIVA.pptxSAÚDE COLETIVA.pptx
SAÚDE COLETIVA.pptx
 
Redes de atenção à saúde
Redes de atenção à saúdeRedes de atenção à saúde
Redes de atenção à saúde
 
Políticas da atenção básica redes aula 2015
Políticas da atenção básica redes aula 2015 Políticas da atenção básica redes aula 2015
Políticas da atenção básica redes aula 2015
 
Humaniza sus atencao_basica
Humaniza sus atencao_basicaHumaniza sus atencao_basica
Humaniza sus atencao_basica
 
aula 2 saude coletiva II_1691079403 (1).pptx
aula 2 saude coletiva II_1691079403 (1).pptxaula 2 saude coletiva II_1691079403 (1).pptx
aula 2 saude coletiva II_1691079403 (1).pptx
 
AULA 3- Programas-de-Saúde.pptx
AULA 3- Programas-de-Saúde.pptxAULA 3- Programas-de-Saúde.pptx
AULA 3- Programas-de-Saúde.pptx
 
Curso Introduorio ESF - Conteudo teorico modulo 2 - Aula 2
Curso Introduorio ESF - Conteudo teorico modulo 2 - Aula 2Curso Introduorio ESF - Conteudo teorico modulo 2 - Aula 2
Curso Introduorio ESF - Conteudo teorico modulo 2 - Aula 2
 

Modelo de atenção à saúde

  • 1. Josiene Braga Gomes Joseni Braga Gomes de Alencar
  • 2.  É o primeiro nível de contato dos indivíduos, da família e da comunidade Com o Sistema Nacional de Saúde.  É um sistema lógico que organiza o funcionamento das redes de atenção à saúde definindo em visão prevalecente da saúde, das situações demográficas e epidemiológicas e dos determinantes sociais da saúde, num determinado tempo e sociedade.  A organização estratégica do sistema e das práticas de saúde em resposta às necessidades da população. Conceito de Atenção á Saúde
  • 3.  Atualmente, convivem no Brasil diversas formas: • Entre os usuários da saúde suplementar, o formato se aproxima do que vários autores têm chamado de Modelo Liberal Privatista. • No SUS, o Sistema Nacional e Público de Saúde, convivem práticas que lembram o sanitarismo campanhista e, apesar da atenção primária e a urgência serem prestados majoritariamente pelo aparato estatal, os serviços hospitalares e os de mais complexidade são comprados de organizações privadas que contam, em sua maioria, com profissionais médicos organizados de forma liberal.
  • 4.  A partir de 1991 - o MS publicou várias normas com o objetivo de organizar e operacionalizar o funcionamento do SUS, Com a finalidade de superar as dificuldades: - NOB 1/91 - NOB 1/93 - NOB 1/96 - NOAS-SUS 01/01 - NOAS-SUS 01/02 - PACTO PELA SAÚDE  Os gestores assumem o compromisso público da construção do PACTO PELA SAÚDE , anualmente revisado, com base nos princípios do SUS, enfatizando as necessidades de saúde da população e que implicará em definição de prioridades articuladas e integradas nos três componentes: - PACTO PELA VIDA - PACTO EM DEFESA DO SUS - PACTO DE GESTÃO DO SUS
  • 5.  A organização do SUS em nosso país está assentada em três pilares: - Rede (integração dos serviços interfe- derativos). - Regionalização (região de saúde). - Hierarquização (níveis de complexidade dos serviços).  O modelo do sistema de saúde brasileiro é centrado na hierarquização das ações e serviços de saúde por níveis de complexidade.  O sistema de saúde é composto por várias unidades, cada uma possui uma função específica.
  • 6.
  • 7.  Estabelece todas as ações de promoção, prevenção e proteção à saúde em um território, é de responsabilidade do município.  É regionalizada, contínua e sistematizada à maior parte das necessidades de saúde de uma população, integrando ações preventivas e curativas, bem como a atenção a indivíduos e comunidades. Atenção primária de Saúde (APS)
  • 8.  Programa Saúde da Família – PSF, como estratégia de organização da Atenção básica ( é o centro). • Usada para triagem e encaminhamento. A Unidade Básica de Saúde da Família deve realizar assistência integral, contínua e de qualidade, desenvolvida por uma equipe multiprofissional. Elaborando e executando programas educativos e de prevenção a doenças  Vigilância à Saúde – Vigilância Sanitária, Vigilância Epidemiológica, Vigilância Ambiental, Saúde do Trabalhador, Controle de Endemias e Assistência Farmacêutica. • promovendo ações para detectar e prevenir mudanças em fatores determinantes e condicionantes do ambiente que interfere na saúde do homem e do trabalhador, com continuidade de atenção nos diversos níveis de complexidade.
  • 9.  O MS recomenda um médico, um enfermeiro, um auxiliar de enfermagem, um odontólogo, um atendente de consultório dentário (ACD) e /ou um técnico de higiene dental (THD) e agentes comunitários de saúde.  Áreas de atuação: - Controle da tuberculose - Eliminação da hanseníase - Controle da hipertensão - Controle da diabetes metlitus - Ações de saude bucal - Ações de saude da criança - Ações de saúde da mulher
  • 10.  Está baseada na organização do Sistema Microrregional dos Serviços de Saúde, de acordo com a definição do Plano Diretor de regionalização (PDR).  É prestada por meio de uma rede de unidades especializadas, garantindo o acesso à população sob sua gestão .  A organização se dá por meio de cada uma das microrregiões do Estado, onde há hospitais de nível secundário que prestam assistência nas especialidades em nível ambulatorial e hospitalar além dos serviços de urgência e emergência.  Possui densidade tecnológica intermediária entre a atenção primária e a terciária.
  • 11.  Programa Saúde Mais Perto de Você – PSMPV  Projeto de Implantação dos Centros Especializados de Odontologia- CEO.  HOSPITAIS PÓLOS: atendem encaminhamentos realizados pelas equipes do PSF e de outras unidades de saúde dos municípios, nas cinco clínicas básicas abaixo discriminadas e funcionando em 24 horas. • CLINICAS BÁSICAS: Clinica médica, Pediátrica, Ginecologia/ Obstetrícia, Traumato/ ortopedia, e Clinica Geral.  SERVIÇOS DE APOIO DIAGNÓSTICO E TERAPÊUTICO: Laboratório de patologia clinica, Neonatológia, Eletrocardiograma, Colpospia, Ultra - sonografia, Radiologia e Endoscopia.
  • 12.  É a atenção à saúde de terceiro nível, integrada pelos serviços ambulatoriais e hospitalares especializados de alta complexidade