SlideShare uma empresa Scribd logo
Vigilância em Saúde, ao longo da história
Prof. Francielly Bordon
Esp. Saúde Publica com Ênfase na Saúde da Família
2023
Vigilância = etimologicamente vem do latim vigilare que significa observar
atentamente, em sentinela, procurar, cuidar, precaver.
Na saúde a Vigilância está relacionada aos conceitos de saúde/doença de cada
época e lugar.
O Isolamento e a quarentena são os métodos de intervenções mais antigos no
campo da saúde.
Devemos lembrar que:
Em cada sociedade histórica, os determinantes da saúde são
identificados, valorizados e hierarquizados em:
• Determinantes Naturais
• Determinantes Individuais
• Determinantes Sociais
Pré-História – descoberta do Fogo
Eram nômades, caçadores, viviam em bandos e a sobrevivência estava associada à
disponibilidade de água e alimento.
As doenças e agravas que não podiam ser entendidos como resultado do cotidiano era
vistos como influência do sobrenatural, deuses, demônios e espíritos malignos.
Pensamento mágico-religioso – Esse é responsável pelo desenvolvimento inicial da
prática médica.
Período Neolítico
Pastor e/ou agricultores – Fixaram-se próximos a rios e vales férteis.
Originou os aldeamentos; houve a domesticação dos animais para o trabalho ou para a
alimentação – Isso ocasionou novas doenças . EX: variola e tuberculose do gado para o
homem; gripo do porco e aves e resfriado comum do cavalo.
Esses pequenos aglomerados de pessoas havia armazenamento de alimentos e acúmulo
de dejetos aproximando os vetores do ser humano.
Explicações racionais – Medicina Hipocráticas
A civilização Grega representa o rompimento com a superstição e com as práticas
mágicas e surge as explorações mais racionais.
Gregos:
Panteístas – Os médicos também eram filósofos – Além de cuidar da saúde
procuravam entender as relações do homem com a natureza.
Procuravam interpretar a saúde e a doença como resultados de processos naturais e
não sagrados
Época Romana:
Grandes avanços na Engenharia Sanitária e na administração.
Sexto Julio – Aqueduto da Cidade Romana – descreve os benefícios para a saúde
adquiridos com a implantação dos aquedutos.
Banhos romanos extensivos atos de higiene e saúde.
Sistema de esgoto – Cloaca Máxima.
Entretanto nas regiões mais pobres a degradação ambiental, o amontoado de cortiços e
os dejetos humanos nas ruas indicavam tempos sombrios.
Idade Média – Castigo e Redenção
Caí o Império Romano e ascende o Período Feudal
Significa – Declínio da cultura urbana; decadência da organização e das práticas de
saúde pública.
Ascensão e Fortalecimento da Igreja Católica.
Período de muitas Epidemias.
Catolicismo – Afirmava a existência de uma conexão entre doença e pecado.
Mundo – Lugar de expiação.
Doença = Pecado / expiação de um mal cometido / possessão demoníaca / castigo de
Deus.
Curas
Realizadas pelos religiosos ou invés dos filósofos-médicos.
Ao invés de chás, ervas, exercícios, repouso, banhos e etc eram prescritas rezas,
penitências, invocações aos Santos, exorcismos e unções.
Função: Purificar a Alma.
Para a Igreja os estudos da medicina eram uma blasfêmia que deveria ser julgada
pela inquisição.
Doenças
Período onde as doenças assolavam toda a população:
Ex: varíola, tuberculose, sarampo, difteria, influenza, escabiose, eripsela, lepra
e peste bulbônica.
Lepra = impureza diante de Deus – Quem a possuísse deveria ser retirado do
convívio social e enviado para os leprosários.
Peste bulbônica = deu origem ao nome do período, Idade das Trevas.
Ações de Saúde Pública: Suprimento de água para beber e cozinhar.
Visão do Período
Aglomeração de pessoas convivendo junto com os animais;
Deposição de dejetos humanos e de animais nas ruas;
Cheiro de matéria em putrefação misturado a urina e fezes;
Contaminação e poluição das fontes de água;
Ausência de esgoto;
Péssimas condições de higiene.
Final da Idade Média
Criação dos Códigos Sanitários:
Normatização da localização dos chiqueiros e matadouros;
Normatização para o despejo de restos e dejetos oriundos da população;
Normas para o recolhimento do lixo;
Pavimentação das ruas;
Canalização dos dejetos para poços cobertos.
Entretanto:
A população mantendo os mesmos hábitos tornou inócuas as medidas.
Hospitais na Idade Média
Serviam para abrigar os pobres e doentes que ficavam nas ordens monásticas e sob
sua direção.
Foi Instituído o período de quarentena com o objetivo de deter o avanço das doenças
– Experiência obtida com o isolamento dos leprosos.
Continuava em voga a Teoria Miasmática, apesar da nítida natureza comunicável das
doenças – Por imposição da Igreja.
Renascimento
Teoria dos Germes de Contagio
Girolano Fracastoro – 1530 com a obra De Contagione - Descreve sobre a hipótese de contágio
da sífilis.
Hipotetizava sobre agentes específicos para cada doença.
No campo da Saúde = grandes avanços em anatomia, fisiologia, descrição individual das doenças
baseada na observação clínica e epidemiológica.
1543 - Obra de Andreas Vesalio, Suíço – De Corporis Humani Fabrica -Contestando as idéias
de Galeno. Reforma está em curso.
Os crentes acreditavam que era sua função observar a obra da criação, incluindo a dissecção humana.
Enquanto; A Igreja Católica defendia a Teoria Humoral.
Rotas Comerciais
Descoberta do Novo Mundo – Isso levou a introdução de novos
agentes infecciosos nos Ameríndios.
Século XV e XVI
Revalorização do saber técnico;
Conhecimento da natureza;
Conhecimento da realidade através da observação dos fenômenos;
Valorização da pesquisa empírica.
Época da Publicação de inúmeros tratados – Favoreceu a aproximação do saber
científico e o técnico artesanal.
Cooperação entre cientistas e técnicos.
Ciência e indústria.
Formou a Base do Pensamento Científico.
Era da Bacteriologia e Discussão da Causalidade
Até século XIX, o controle das doenças era feito através do isolamento e quarentena.
Houve o desenvolvimento das investigações no campo das doenças infecciosas e na
área da microbiologia, cujo resultado foram novas medidas de controle. EX: vacinação.
Louis Pasteur, com o microscópio demonstra a existência de
Final do Séc XIX:
Microrganismos.
Século XX
Descoberta dos vetores, hospedeiros intermediários e o papel dos portadores sadios
para a transmissão das doenças e manutenção da cadeia epidemiológica.
Princípios da Imunidade Ativa e Passiva.
Criação de Laboratórios de Microbiologia e Imunologia.
Diminuição da mortalidade.
Melhoria nas condições de vida, saneamento e sanitárias.
Era Bacteriológica
Definitivamente mudou o modo de conceber
Saúde e Doença
No mundo apesar das transformação, por causa do Renascentismo, serem bem
evidentes na cultura, sociedade, economia, política, religião, artes, filosofia e nas
ciências, caracterizando a transição do feudalismo para o capitalismo e significando
uma ruptura com as estruturas medievais. No Brasil ainda vê-se um período medieval.
Chamou-se "Renascimento" em virtude da redescoberta e revalorização das
referências culturais da antigüidade clássica, que nortearam as mudanças deste
período em direção a um ideal humanista e naturalista.
No início, no Brasil colônia, não havia vigilância, "não havia nada“. A saúde
praticamente inexistiu nesses tempos.
O modelo exploratório nem pensava nessas coisas. O pajé, com suas ervas e
cantos, a medicina dos jesuítas e os boticários, que viajavam pelo Brasil Colônia,
eram as únicas formas de assistência à saúde. Para se ter uma ideia, em 1789,
havia no Rio de Janeiro apenas quatro médicos e ninguém falava em vigilância em
saúde.
A sociedade nesta época é caracterizada pelos Europeus, povo hegemônico,
escravizando os índios. O Brasil era um lugar a ser explorado e seus habitantes eram
os índios, nome dado pelos portugueses as várias etnias existentes aqui.
Com a colonização inciou-se a mistura de sangue:
Branco com o Índio = Caboclo
Mais tarde, século XVI, vieram os escravos, negros trazidos da África:
Branco com o Negro = Mulato
Negro com o Índio = Cafuzo
Em 1808, com a chegada da família real portuguesa, as necessidades da corte
forçaram a criação das duas primeiras escolas de medicina no país:
• O Colégio Médico Cirúrgico no Real Hospital Militar da Cidade de Salvador;
• A Escola de Cirúrgia do Rio de Janeiro.
Foram essas as únicas medidas governamentais até a República.
Como notamos o modelo é baseado no médico hospitalar, não há programas de
vigilância, não promoção e prevenção, muito menos medidas educativas.
No governo de Rodrigues Alves (1902-1906) houve a primeira medida sanitarista no
país.
O presidente nomeou Oswaldo Cruz para resolver o problemas das doenças (varíola,
malária, febre amarela) que assolavam o país. Devemos lembrar que no Rio não havia
nenhum tipo de saneamento básico.
Com ação de polícia, casas foram invadidas, roupas e colchões queimados.
Entretanto, sem nenhum tipo de ação educativa. A população foi ficando cada vez mais
indignada.
O auge do conflito foi a instituição da vacinação obrigatória anti-varíola. Iniciou a
Revolta da Vacina. Oswaldo Cruz acabou afastado.
Nos séculos XVIII e XIX, a vigilância tinha como função evitar a propagação de
doenças no meio urbano. A execução desta atividade, exclusiva do Estado, por meio
da polícia sanitária, tinha como finalidade observar o exercício de certas atividades
profissionais, coibir o charlatanismo, fiscalizar embarcações, cemitérios e áreas de
comércio de alimentos.
Com a evolução no entendimento sobre a origem das doenças, avançando do modelo
místico/religioso, a teoria miasmática e chegando ao modelo uni-causal, com o
advento da bacteriologia (meados do século XIX), novas medidas de controle das
doenças foram iniciadas.
A sociedade encontrava-se bastante mestiça entre os portugueses, índios e negros. E,
agora, o Brasil encontra-se com um grande número de imigrantes vindos de outros
países, italianos, espanhóis, alemães, japoneses, chineses, etc.
Essa imigração teve início em meados do ano de 1800, século XIX.
Na década de 50 o conceito de Vigilância em Saúde é mais uma vez modificada e de
uma simples observação sistemática de contatos de doentes passa para o
acompanhamento sistemático de eventos adversos à saúde na comunidade.
Alexandre Langmuir em 1963 assim conceituou Vigilância em Saúde = Observação contínua
da distribuição e tendências da incidência de doenças mediante a coleta sistemática,
consolidação e avaliação de informes de morbidade e mortalidade. Assim como de outros
dados relevantes, e a regular disseminação dessas informações a todos os que necessitam
conhece-la.
Em 1964, Karel Raska, propõe o qualificativo ‘epidemiológica’ ao conceito de
‘vigilância’.
Em 1965 –É criada a Unidade de Vigilância Epidemiológica da Divisão de Doenças
Transmissíveis da Organização Mundial da Saúde (OMS). O que consagra essa
designação.
Em 1968, a 21ª Assembléia Mundial da Saúde promove ampla discussão sobre a
aplicação da ‘vigilância’ no campo da saúde pública, que resulta em uma visão mais
abrangente desse instrumento, com recomendação de sua utilização não só em
doenças transmissíveis, mas também em outros eventos adversos à saúde (Waldman,
1998).
A ‘campanha de erradicação da varíola’, nas décadas de 1960 e 1970, propiciou a
disseminação da ‘vigilância’ como instrumento em todo o mundo foi. Neste período, no
Brasil, a organização do Sistema Nacional de Vigilância Epidemiológica (1975), se dá
através da instituição do Sistema de Notificação Compulsória de Doenças.
Em 1976, é criada a Secretaria Nacional de Vigilância Sanitária.
No caso da vigilância ambiental, essa somente começou a ser pensada e discutida, a
partir da década de 1990, especialmente com o advento do Projeto de Estruturação
do Sistema Nacional de vigilância em saúde - VIGISUS (Brasil, 1998; EPSJV, 2002).
Na década de 1990 com a reorganização do sistema de ‘vigilância epidemiológica’,
possibilitou conceber uma proposta de ação baseada na ‘vigilância da saúde’, que
continha pelo menos três elementos que deveriam estar integrados:
1) a ‘vigilância’ de efeitos sobre a saúde, como agravos e doenças, tarefa
tradicionalmente realizada pela ‘vigilância epidemiológica’;
2) 2) a ‘vigilância’ de perigos, como agentes químicos, físicos e biológicos que
possam ocasionar doenças e agravos, tarefa tradicionalmente realizada pela
‘vigilância sanitária’;
3) 3) a ‘vigilância’ de exposições, através do monitoramento da exposição de
indivíduos ou grupos populacionais a um agente ambiental ou seus efeitos
clinicamente ainda não aparentes (subclínicos ou pré-clínicos), este último se
coloca como o principal desafio para a estruturação da ‘vigilância ambiental’
(Freitas & Freitas, 2005; EPSJV, 2002).
No Brasil, o processo de implantação dos distritos sanitários buscava redefinir as
práticas de saúde, tentando articular a epidemiologia, o planejamento e a
organização dos serviços (Teixeira, 2000).
A preocupação incidia sobre a possibilidade de reorganizar a prestação dos serviços,
buscando a integração das diferentes lógicas existentes: a atenção à demanda
espontânea, os programas especiais e a oferta organizada dos serviços, com base na
identificação das necessidades de saúde da população.
Três vertentes apontam diferentes concepções em torno da noção de vigilância em
saúde:
Primeira, que a entende como sinônimo de ‘análise de situações de saúde’, embora
amplie o objeto da ‘vigilância epidemiológica’, abarcando não só as doenças
transmissíveis, não incorpora as ações voltadas ao enfrentamento dos problemas.
Segunda, concebe a ‘vigilância em saúde como integração institucional entre a
‘vigilância epidemiológica’ e a ‘vigilância sanitária’, resultando em reformas
administrativas e, em alguns casos, no fortalecimento das ações de ‘vigilância
sanitária’ e na articulação com os centros de saúde.
Terceira, concebe a ‘vigilância em saúde ’ como uma proposta de redefinição das
práticas sanitárias, organizando processos de trabalho em saúde sob a forma de
operações para enfrentar problemas que requerem atenção e acompanhamento
contínuos.
O sistema de saúde brasileiro, após a constituição de 1988 (Constituição Cidadã), vem
buscando modelos de atenção que respondam de forma eficaz e efetiva às reais
necessidades da população brasileira, seja em sua totalidade, seja em suas
especificidades locais. Os modelos hegemônicos atuais – o médico-assistência e o
modelo sanitarista, não conseguem mais responder à complexidade e diversidade dos
problemas de saúde comum nesse início de século (Teixeira, Paim e Vilasboas, 1998).
A busca por modelos alternativos que, sem negar os anteriores, estimulem as ações de
promoção, proteção e recuperação da saúde a outras formas de cuidado voltadas para
qualidade de vida das coletividades, incorporando atores sociais, antes excluídos do
processo de produção da saúde, é estratégia para superar o ciclo biologicista,
hospitalocêntrico, antropocêntrico, medicalizante e iatrogênico em que se encontra o
sistema de saúde há quase um século.
A ‘vigilância em saúde ’, entendida como rearticulação de saberes e de práticas
sanitárias, indica um caminho promissor para a consolidação das premissas e princípios
do Sistema Único de Saúde (SUS).
Apoiada no conceito positivo do processo saúde-doença, ela desloca o olhar sobre o
modo de vida das pessoas (condições e estilos de vida).
A vigilância em saúde , vista como uma área de práticas, proposta de ação, articulação
de saberes e de práticas sanitárias deve apresentar as seguintes características:
• intervenção sobre problemas de saúde que requerem atenção e acompanhamento
contínuos;
• adoção do conceito de risco;
• articulação entre ações promocionais, preventivas, curativas e reabilitadoras;
• atuação intersetorial;
• ação sobre o território;
• intervenção sob a forma de operações (Paim & Almeida Filho, 2000).

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a VIGIALNICIA EM SAUDE - HISTORIA.pptx

Saúde infantil modulo 1
Saúde infantil modulo 1Saúde infantil modulo 1
Saúde infantil modulo 1Gaby Veloso
 
Aula 1 historia da epidemiologia
Aula 1   historia da epidemiologiaAula 1   historia da epidemiologia
Aula 1 historia da epidemiologiaRicardo Alexandre
 
histoia da saude publica no brasil no imperio e velha republica
histoia da saude publica no brasil no imperio e velha republicahistoia da saude publica no brasil no imperio e velha republica
histoia da saude publica no brasil no imperio e velha republicaMerceariaElshaday
 
saude publica no brasil imprio e velha repblica
saude publica no brasil imprio e velha repblicasaude publica no brasil imprio e velha repblica
saude publica no brasil imprio e velha repblicaMerceariaElshaday
 
Determinantes sociais na saúde na doença e na intervenção
Determinantes sociais na saúde na doença e na intervençãoDeterminantes sociais na saúde na doença e na intervenção
Determinantes sociais na saúde na doença e na intervençãoCentro Universitário Ages
 
História e Evolução da Higiene Pessoal
História e Evolução da Higiene PessoalHistória e Evolução da Higiene Pessoal
História e Evolução da Higiene PessoalOs Cientistas
 
Origem da biologia à revolução científica
Origem da biologia à revolução científicaOrigem da biologia à revolução científica
Origem da biologia à revolução científicaAfonso Costa
 
Introdução à história da naturopatia
Introdução à história da naturopatiaIntrodução à história da naturopatia
Introdução à história da naturopatiaMonitoria Contabil S/C
 
períodos evolutivos da enfermagem.pptx
períodos evolutivos da enfermagem.pptxperíodos evolutivos da enfermagem.pptx
períodos evolutivos da enfermagem.pptxJessiellyGuimares
 
slides da saude ambiental do curso de enfermagem
slides da saude ambiental do curso de enfermagemslides da saude ambiental do curso de enfermagem
slides da saude ambiental do curso de enfermagemMayaraGomes216833
 

Semelhante a VIGIALNICIA EM SAUDE - HISTORIA.pptx (20)

Saúde infantil modulo 1
Saúde infantil modulo 1Saúde infantil modulo 1
Saúde infantil modulo 1
 
Aula 1 historia da epidemiologia
Aula 1   historia da epidemiologiaAula 1   historia da epidemiologia
Aula 1 historia da epidemiologia
 
histoia da saude publica no brasil no imperio e velha republica
histoia da saude publica no brasil no imperio e velha republicahistoia da saude publica no brasil no imperio e velha republica
histoia da saude publica no brasil no imperio e velha republica
 
saude publica no brasil imprio e velha repblica
saude publica no brasil imprio e velha repblicasaude publica no brasil imprio e velha repblica
saude publica no brasil imprio e velha repblica
 
Aula 2 saúde e doença
Aula 2   saúde e doençaAula 2   saúde e doença
Aula 2 saúde e doença
 
História da Saúde Pública - Parte 1
História da Saúde Pública - Parte 1História da Saúde Pública - Parte 1
História da Saúde Pública - Parte 1
 
Scliar2007
Scliar2007Scliar2007
Scliar2007
 
Conceitodesaude
ConceitodesaudeConceitodesaude
Conceitodesaude
 
Determinantes sociais na saúde na doença e na intervenção
Determinantes sociais na saúde na doença e na intervençãoDeterminantes sociais na saúde na doença e na intervenção
Determinantes sociais na saúde na doença e na intervenção
 
História e Evolução da Higiene Pessoal
História e Evolução da Higiene PessoalHistória e Evolução da Higiene Pessoal
História e Evolução da Higiene Pessoal
 
Trabalho de a.p
Trabalho de a.pTrabalho de a.p
Trabalho de a.p
 
Trabalho de a.p
Trabalho de a.pTrabalho de a.p
Trabalho de a.p
 
Origem da biologia à revolução científica
Origem da biologia à revolução científicaOrigem da biologia à revolução científica
Origem da biologia à revolução científica
 
Introducao a-saude-publica-1
Introducao a-saude-publica-1Introducao a-saude-publica-1
Introducao a-saude-publica-1
 
LUZ,TREVAS E MÉTODO CIENTÍFICO
LUZ,TREVAS E MÉTODO CIENTÍFICOLUZ,TREVAS E MÉTODO CIENTÍFICO
LUZ,TREVAS E MÉTODO CIENTÍFICO
 
LUZ TREVAS E MÉTODO CIENTÍFICO
LUZ TREVAS E MÉTODO CIENTÍFICO LUZ TREVAS E MÉTODO CIENTÍFICO
LUZ TREVAS E MÉTODO CIENTÍFICO
 
Introdução à história da naturopatia
Introdução à história da naturopatiaIntrodução à história da naturopatia
Introdução à história da naturopatia
 
períodos evolutivos da enfermagem.pptx
períodos evolutivos da enfermagem.pptxperíodos evolutivos da enfermagem.pptx
períodos evolutivos da enfermagem.pptx
 
slides da saude ambiental do curso de enfermagem
slides da saude ambiental do curso de enfermagemslides da saude ambiental do curso de enfermagem
slides da saude ambiental do curso de enfermagem
 
A peste negra
A peste negraA peste negra
A peste negra
 

Mais de ssuser51d27c1

Trabalhando em Grupos na AB.pptx
Trabalhando em Grupos na AB.pptxTrabalhando em Grupos na AB.pptx
Trabalhando em Grupos na AB.pptxssuser51d27c1
 
SISTEMA CIRCULATÓRIO II novo.pptx
SISTEMA CIRCULATÓRIO II novo.pptxSISTEMA CIRCULATÓRIO II novo.pptx
SISTEMA CIRCULATÓRIO II novo.pptxssuser51d27c1
 
ATENÇÃO PRIMÁRIA EM SAÚDE.pptx
ATENÇÃO PRIMÁRIA EM SAÚDE.pptxATENÇÃO PRIMÁRIA EM SAÚDE.pptx
ATENÇÃO PRIMÁRIA EM SAÚDE.pptxssuser51d27c1
 
AS TEORIAS PEDAGÓGICAS.ppt
AS TEORIAS PEDAGÓGICAS.pptAS TEORIAS PEDAGÓGICAS.ppt
AS TEORIAS PEDAGÓGICAS.pptssuser51d27c1
 
educaçao em saude aula 01.pptx
educaçao em saude aula 01.pptxeducaçao em saude aula 01.pptx
educaçao em saude aula 01.pptxssuser51d27c1
 
slaid educação permanente.pptx
slaid educação permanente.pptxslaid educação permanente.pptx
slaid educação permanente.pptxssuser51d27c1
 
DOENÇA CORONARIANA.pptx
DOENÇA CORONARIANA.pptxDOENÇA CORONARIANA.pptx
DOENÇA CORONARIANA.pptxssuser51d27c1
 
AULA DIA 27.04.2021.pptx
AULA DIA 27.04.2021.pptxAULA DIA 27.04.2021.pptx
AULA DIA 27.04.2021.pptxssuser51d27c1
 
atribuição da enfermagem.pptx
atribuição da enfermagem.pptxatribuição da enfermagem.pptx
atribuição da enfermagem.pptxssuser51d27c1
 
Aula_4_-modelos_de_atenção.pdf
Aula_4_-modelos_de_atenção.pdfAula_4_-modelos_de_atenção.pdf
Aula_4_-modelos_de_atenção.pdfssuser51d27c1
 
aula 02 politicas publicas.pptx
aula 02 politicas publicas.pptxaula 02 politicas publicas.pptx
aula 02 politicas publicas.pptxssuser51d27c1
 
impactos ambientais.pptx
 impactos ambientais.pptx impactos ambientais.pptx
impactos ambientais.pptxssuser51d27c1
 
DEGRADAÇÃO DO SOLO.pptx
DEGRADAÇÃO DO SOLO.pptxDEGRADAÇÃO DO SOLO.pptx
DEGRADAÇÃO DO SOLO.pptxssuser51d27c1
 
TERRITORIALIZAÇÃO.pptx
TERRITORIALIZAÇÃO.pptxTERRITORIALIZAÇÃO.pptx
TERRITORIALIZAÇÃO.pptxssuser51d27c1
 
indicadores de saude.pptx
indicadores de saude.pptxindicadores de saude.pptx
indicadores de saude.pptxssuser51d27c1
 
Biossegurança e resíduos de serviços de saúde (1).pptx
Biossegurança e resíduos de serviços de saúde (1).pptxBiossegurança e resíduos de serviços de saúde (1).pptx
Biossegurança e resíduos de serviços de saúde (1).pptxssuser51d27c1
 
CIDADES SAUDÁVEIS aula 05.pptx
CIDADES SAUDÁVEIS aula 05.pptxCIDADES SAUDÁVEIS aula 05.pptx
CIDADES SAUDÁVEIS aula 05.pptxssuser51d27c1
 

Mais de ssuser51d27c1 (20)

Trabalhando em Grupos na AB.pptx
Trabalhando em Grupos na AB.pptxTrabalhando em Grupos na AB.pptx
Trabalhando em Grupos na AB.pptx
 
SISTEMA CIRCULATÓRIO II novo.pptx
SISTEMA CIRCULATÓRIO II novo.pptxSISTEMA CIRCULATÓRIO II novo.pptx
SISTEMA CIRCULATÓRIO II novo.pptx
 
ATENÇÃO PRIMÁRIA EM SAÚDE.pptx
ATENÇÃO PRIMÁRIA EM SAÚDE.pptxATENÇÃO PRIMÁRIA EM SAÚDE.pptx
ATENÇÃO PRIMÁRIA EM SAÚDE.pptx
 
AS TEORIAS PEDAGÓGICAS.ppt
AS TEORIAS PEDAGÓGICAS.pptAS TEORIAS PEDAGÓGICAS.ppt
AS TEORIAS PEDAGÓGICAS.ppt
 
educaçao em saude aula 01.pptx
educaçao em saude aula 01.pptxeducaçao em saude aula 01.pptx
educaçao em saude aula 01.pptx
 
slaid educação permanente.pptx
slaid educação permanente.pptxslaid educação permanente.pptx
slaid educação permanente.pptx
 
DOENÇA CORONARIANA.pptx
DOENÇA CORONARIANA.pptxDOENÇA CORONARIANA.pptx
DOENÇA CORONARIANA.pptx
 
AULA DIA 27.04.2021.pptx
AULA DIA 27.04.2021.pptxAULA DIA 27.04.2021.pptx
AULA DIA 27.04.2021.pptx
 
atribuição da enfermagem.pptx
atribuição da enfermagem.pptxatribuição da enfermagem.pptx
atribuição da enfermagem.pptx
 
08 abdome.pptx
08 abdome.pptx08 abdome.pptx
08 abdome.pptx
 
DANT DCNT.pptx
DANT DCNT.pptxDANT DCNT.pptx
DANT DCNT.pptx
 
Aula_4_-modelos_de_atenção.pdf
Aula_4_-modelos_de_atenção.pdfAula_4_-modelos_de_atenção.pdf
Aula_4_-modelos_de_atenção.pdf
 
aula 02 politicas publicas.pptx
aula 02 politicas publicas.pptxaula 02 politicas publicas.pptx
aula 02 politicas publicas.pptx
 
impactos ambientais.pptx
 impactos ambientais.pptx impactos ambientais.pptx
impactos ambientais.pptx
 
DEGRADAÇÃO DO SOLO.pptx
DEGRADAÇÃO DO SOLO.pptxDEGRADAÇÃO DO SOLO.pptx
DEGRADAÇÃO DO SOLO.pptx
 
DHAA.pptx
DHAA.pptxDHAA.pptx
DHAA.pptx
 
TERRITORIALIZAÇÃO.pptx
TERRITORIALIZAÇÃO.pptxTERRITORIALIZAÇÃO.pptx
TERRITORIALIZAÇÃO.pptx
 
indicadores de saude.pptx
indicadores de saude.pptxindicadores de saude.pptx
indicadores de saude.pptx
 
Biossegurança e resíduos de serviços de saúde (1).pptx
Biossegurança e resíduos de serviços de saúde (1).pptxBiossegurança e resíduos de serviços de saúde (1).pptx
Biossegurança e resíduos de serviços de saúde (1).pptx
 
CIDADES SAUDÁVEIS aula 05.pptx
CIDADES SAUDÁVEIS aula 05.pptxCIDADES SAUDÁVEIS aula 05.pptx
CIDADES SAUDÁVEIS aula 05.pptx
 

Último

Manual de Higienização Hospitalar, limpeza.pdf
Manual de Higienização Hospitalar, limpeza.pdfManual de Higienização Hospitalar, limpeza.pdf
Manual de Higienização Hospitalar, limpeza.pdfManuel Pacheco Vieira
 
Escala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismo
Escala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismoEscala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismo
Escala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismoJose Ribamar
 
Protocolo Zero Rugas - formato digital01
Protocolo Zero Rugas - formato digital01Protocolo Zero Rugas - formato digital01
Protocolo Zero Rugas - formato digital01perfilnovo3rich
 
Farmacologia do Sistema Nervoso Autonomo
Farmacologia do Sistema Nervoso AutonomoFarmacologia do Sistema Nervoso Autonomo
Farmacologia do Sistema Nervoso AutonomoPAULOVINICIUSDOSSANT1
 
Anticonvulsivante / Hipnoanalgésicos.pdf
Anticonvulsivante / Hipnoanalgésicos.pdfAnticonvulsivante / Hipnoanalgésicos.pdf
Anticonvulsivante / Hipnoanalgésicos.pdfPAULOVINICIUSDOSSANT1
 
Relação de Medicos Edital 13 - Coparticipação (1).pdf
Relação de Medicos Edital 13 - Coparticipação (1).pdfRelação de Medicos Edital 13 - Coparticipação (1).pdf
Relação de Medicos Edital 13 - Coparticipação (1).pdfAdivaldoSantosRibeir
 

Último (6)

Manual de Higienização Hospitalar, limpeza.pdf
Manual de Higienização Hospitalar, limpeza.pdfManual de Higienização Hospitalar, limpeza.pdf
Manual de Higienização Hospitalar, limpeza.pdf
 
Escala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismo
Escala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismoEscala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismo
Escala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismo
 
Protocolo Zero Rugas - formato digital01
Protocolo Zero Rugas - formato digital01Protocolo Zero Rugas - formato digital01
Protocolo Zero Rugas - formato digital01
 
Farmacologia do Sistema Nervoso Autonomo
Farmacologia do Sistema Nervoso AutonomoFarmacologia do Sistema Nervoso Autonomo
Farmacologia do Sistema Nervoso Autonomo
 
Anticonvulsivante / Hipnoanalgésicos.pdf
Anticonvulsivante / Hipnoanalgésicos.pdfAnticonvulsivante / Hipnoanalgésicos.pdf
Anticonvulsivante / Hipnoanalgésicos.pdf
 
Relação de Medicos Edital 13 - Coparticipação (1).pdf
Relação de Medicos Edital 13 - Coparticipação (1).pdfRelação de Medicos Edital 13 - Coparticipação (1).pdf
Relação de Medicos Edital 13 - Coparticipação (1).pdf
 

VIGIALNICIA EM SAUDE - HISTORIA.pptx

  • 1. Vigilância em Saúde, ao longo da história Prof. Francielly Bordon Esp. Saúde Publica com Ênfase na Saúde da Família 2023
  • 2. Vigilância = etimologicamente vem do latim vigilare que significa observar atentamente, em sentinela, procurar, cuidar, precaver. Na saúde a Vigilância está relacionada aos conceitos de saúde/doença de cada época e lugar. O Isolamento e a quarentena são os métodos de intervenções mais antigos no campo da saúde.
  • 3. Devemos lembrar que: Em cada sociedade histórica, os determinantes da saúde são identificados, valorizados e hierarquizados em: • Determinantes Naturais • Determinantes Individuais • Determinantes Sociais
  • 4. Pré-História – descoberta do Fogo Eram nômades, caçadores, viviam em bandos e a sobrevivência estava associada à disponibilidade de água e alimento. As doenças e agravas que não podiam ser entendidos como resultado do cotidiano era vistos como influência do sobrenatural, deuses, demônios e espíritos malignos. Pensamento mágico-religioso – Esse é responsável pelo desenvolvimento inicial da prática médica.
  • 5. Período Neolítico Pastor e/ou agricultores – Fixaram-se próximos a rios e vales férteis. Originou os aldeamentos; houve a domesticação dos animais para o trabalho ou para a alimentação – Isso ocasionou novas doenças . EX: variola e tuberculose do gado para o homem; gripo do porco e aves e resfriado comum do cavalo. Esses pequenos aglomerados de pessoas havia armazenamento de alimentos e acúmulo de dejetos aproximando os vetores do ser humano.
  • 6. Explicações racionais – Medicina Hipocráticas A civilização Grega representa o rompimento com a superstição e com as práticas mágicas e surge as explorações mais racionais. Gregos: Panteístas – Os médicos também eram filósofos – Além de cuidar da saúde procuravam entender as relações do homem com a natureza. Procuravam interpretar a saúde e a doença como resultados de processos naturais e não sagrados
  • 7. Época Romana: Grandes avanços na Engenharia Sanitária e na administração. Sexto Julio – Aqueduto da Cidade Romana – descreve os benefícios para a saúde adquiridos com a implantação dos aquedutos. Banhos romanos extensivos atos de higiene e saúde. Sistema de esgoto – Cloaca Máxima. Entretanto nas regiões mais pobres a degradação ambiental, o amontoado de cortiços e os dejetos humanos nas ruas indicavam tempos sombrios.
  • 8. Idade Média – Castigo e Redenção Caí o Império Romano e ascende o Período Feudal Significa – Declínio da cultura urbana; decadência da organização e das práticas de saúde pública. Ascensão e Fortalecimento da Igreja Católica. Período de muitas Epidemias. Catolicismo – Afirmava a existência de uma conexão entre doença e pecado. Mundo – Lugar de expiação. Doença = Pecado / expiação de um mal cometido / possessão demoníaca / castigo de Deus.
  • 9. Curas Realizadas pelos religiosos ou invés dos filósofos-médicos. Ao invés de chás, ervas, exercícios, repouso, banhos e etc eram prescritas rezas, penitências, invocações aos Santos, exorcismos e unções. Função: Purificar a Alma. Para a Igreja os estudos da medicina eram uma blasfêmia que deveria ser julgada pela inquisição.
  • 10. Doenças Período onde as doenças assolavam toda a população: Ex: varíola, tuberculose, sarampo, difteria, influenza, escabiose, eripsela, lepra e peste bulbônica. Lepra = impureza diante de Deus – Quem a possuísse deveria ser retirado do convívio social e enviado para os leprosários. Peste bulbônica = deu origem ao nome do período, Idade das Trevas. Ações de Saúde Pública: Suprimento de água para beber e cozinhar.
  • 11. Visão do Período Aglomeração de pessoas convivendo junto com os animais; Deposição de dejetos humanos e de animais nas ruas; Cheiro de matéria em putrefação misturado a urina e fezes; Contaminação e poluição das fontes de água; Ausência de esgoto; Péssimas condições de higiene.
  • 12. Final da Idade Média Criação dos Códigos Sanitários: Normatização da localização dos chiqueiros e matadouros; Normatização para o despejo de restos e dejetos oriundos da população; Normas para o recolhimento do lixo; Pavimentação das ruas; Canalização dos dejetos para poços cobertos. Entretanto: A população mantendo os mesmos hábitos tornou inócuas as medidas.
  • 13. Hospitais na Idade Média Serviam para abrigar os pobres e doentes que ficavam nas ordens monásticas e sob sua direção. Foi Instituído o período de quarentena com o objetivo de deter o avanço das doenças – Experiência obtida com o isolamento dos leprosos. Continuava em voga a Teoria Miasmática, apesar da nítida natureza comunicável das doenças – Por imposição da Igreja.
  • 14. Renascimento Teoria dos Germes de Contagio Girolano Fracastoro – 1530 com a obra De Contagione - Descreve sobre a hipótese de contágio da sífilis. Hipotetizava sobre agentes específicos para cada doença. No campo da Saúde = grandes avanços em anatomia, fisiologia, descrição individual das doenças baseada na observação clínica e epidemiológica. 1543 - Obra de Andreas Vesalio, Suíço – De Corporis Humani Fabrica -Contestando as idéias de Galeno. Reforma está em curso. Os crentes acreditavam que era sua função observar a obra da criação, incluindo a dissecção humana. Enquanto; A Igreja Católica defendia a Teoria Humoral.
  • 15. Rotas Comerciais Descoberta do Novo Mundo – Isso levou a introdução de novos agentes infecciosos nos Ameríndios.
  • 16. Século XV e XVI Revalorização do saber técnico; Conhecimento da natureza; Conhecimento da realidade através da observação dos fenômenos; Valorização da pesquisa empírica. Época da Publicação de inúmeros tratados – Favoreceu a aproximação do saber científico e o técnico artesanal. Cooperação entre cientistas e técnicos. Ciência e indústria. Formou a Base do Pensamento Científico.
  • 17. Era da Bacteriologia e Discussão da Causalidade Até século XIX, o controle das doenças era feito através do isolamento e quarentena. Houve o desenvolvimento das investigações no campo das doenças infecciosas e na área da microbiologia, cujo resultado foram novas medidas de controle. EX: vacinação. Louis Pasteur, com o microscópio demonstra a existência de Final do Séc XIX: Microrganismos.
  • 18. Século XX Descoberta dos vetores, hospedeiros intermediários e o papel dos portadores sadios para a transmissão das doenças e manutenção da cadeia epidemiológica. Princípios da Imunidade Ativa e Passiva. Criação de Laboratórios de Microbiologia e Imunologia. Diminuição da mortalidade. Melhoria nas condições de vida, saneamento e sanitárias.
  • 19. Era Bacteriológica Definitivamente mudou o modo de conceber Saúde e Doença
  • 20. No mundo apesar das transformação, por causa do Renascentismo, serem bem evidentes na cultura, sociedade, economia, política, religião, artes, filosofia e nas ciências, caracterizando a transição do feudalismo para o capitalismo e significando uma ruptura com as estruturas medievais. No Brasil ainda vê-se um período medieval. Chamou-se "Renascimento" em virtude da redescoberta e revalorização das referências culturais da antigüidade clássica, que nortearam as mudanças deste período em direção a um ideal humanista e naturalista.
  • 21. No início, no Brasil colônia, não havia vigilância, "não havia nada“. A saúde praticamente inexistiu nesses tempos. O modelo exploratório nem pensava nessas coisas. O pajé, com suas ervas e cantos, a medicina dos jesuítas e os boticários, que viajavam pelo Brasil Colônia, eram as únicas formas de assistência à saúde. Para se ter uma ideia, em 1789, havia no Rio de Janeiro apenas quatro médicos e ninguém falava em vigilância em saúde.
  • 22. A sociedade nesta época é caracterizada pelos Europeus, povo hegemônico, escravizando os índios. O Brasil era um lugar a ser explorado e seus habitantes eram os índios, nome dado pelos portugueses as várias etnias existentes aqui. Com a colonização inciou-se a mistura de sangue: Branco com o Índio = Caboclo Mais tarde, século XVI, vieram os escravos, negros trazidos da África: Branco com o Negro = Mulato Negro com o Índio = Cafuzo
  • 23. Em 1808, com a chegada da família real portuguesa, as necessidades da corte forçaram a criação das duas primeiras escolas de medicina no país: • O Colégio Médico Cirúrgico no Real Hospital Militar da Cidade de Salvador; • A Escola de Cirúrgia do Rio de Janeiro. Foram essas as únicas medidas governamentais até a República. Como notamos o modelo é baseado no médico hospitalar, não há programas de vigilância, não promoção e prevenção, muito menos medidas educativas.
  • 24. No governo de Rodrigues Alves (1902-1906) houve a primeira medida sanitarista no país. O presidente nomeou Oswaldo Cruz para resolver o problemas das doenças (varíola, malária, febre amarela) que assolavam o país. Devemos lembrar que no Rio não havia nenhum tipo de saneamento básico. Com ação de polícia, casas foram invadidas, roupas e colchões queimados. Entretanto, sem nenhum tipo de ação educativa. A população foi ficando cada vez mais indignada. O auge do conflito foi a instituição da vacinação obrigatória anti-varíola. Iniciou a Revolta da Vacina. Oswaldo Cruz acabou afastado.
  • 25. Nos séculos XVIII e XIX, a vigilância tinha como função evitar a propagação de doenças no meio urbano. A execução desta atividade, exclusiva do Estado, por meio da polícia sanitária, tinha como finalidade observar o exercício de certas atividades profissionais, coibir o charlatanismo, fiscalizar embarcações, cemitérios e áreas de comércio de alimentos. Com a evolução no entendimento sobre a origem das doenças, avançando do modelo místico/religioso, a teoria miasmática e chegando ao modelo uni-causal, com o advento da bacteriologia (meados do século XIX), novas medidas de controle das doenças foram iniciadas.
  • 26. A sociedade encontrava-se bastante mestiça entre os portugueses, índios e negros. E, agora, o Brasil encontra-se com um grande número de imigrantes vindos de outros países, italianos, espanhóis, alemães, japoneses, chineses, etc. Essa imigração teve início em meados do ano de 1800, século XIX. Na década de 50 o conceito de Vigilância em Saúde é mais uma vez modificada e de uma simples observação sistemática de contatos de doentes passa para o acompanhamento sistemático de eventos adversos à saúde na comunidade.
  • 27. Alexandre Langmuir em 1963 assim conceituou Vigilância em Saúde = Observação contínua da distribuição e tendências da incidência de doenças mediante a coleta sistemática, consolidação e avaliação de informes de morbidade e mortalidade. Assim como de outros dados relevantes, e a regular disseminação dessas informações a todos os que necessitam conhece-la.
  • 28. Em 1964, Karel Raska, propõe o qualificativo ‘epidemiológica’ ao conceito de ‘vigilância’. Em 1965 –É criada a Unidade de Vigilância Epidemiológica da Divisão de Doenças Transmissíveis da Organização Mundial da Saúde (OMS). O que consagra essa designação. Em 1968, a 21ª Assembléia Mundial da Saúde promove ampla discussão sobre a aplicação da ‘vigilância’ no campo da saúde pública, que resulta em uma visão mais abrangente desse instrumento, com recomendação de sua utilização não só em doenças transmissíveis, mas também em outros eventos adversos à saúde (Waldman, 1998).
  • 29. A ‘campanha de erradicação da varíola’, nas décadas de 1960 e 1970, propiciou a disseminação da ‘vigilância’ como instrumento em todo o mundo foi. Neste período, no Brasil, a organização do Sistema Nacional de Vigilância Epidemiológica (1975), se dá através da instituição do Sistema de Notificação Compulsória de Doenças. Em 1976, é criada a Secretaria Nacional de Vigilância Sanitária. No caso da vigilância ambiental, essa somente começou a ser pensada e discutida, a partir da década de 1990, especialmente com o advento do Projeto de Estruturação do Sistema Nacional de vigilância em saúde - VIGISUS (Brasil, 1998; EPSJV, 2002).
  • 30. Na década de 1990 com a reorganização do sistema de ‘vigilância epidemiológica’, possibilitou conceber uma proposta de ação baseada na ‘vigilância da saúde’, que continha pelo menos três elementos que deveriam estar integrados: 1) a ‘vigilância’ de efeitos sobre a saúde, como agravos e doenças, tarefa tradicionalmente realizada pela ‘vigilância epidemiológica’; 2) 2) a ‘vigilância’ de perigos, como agentes químicos, físicos e biológicos que possam ocasionar doenças e agravos, tarefa tradicionalmente realizada pela ‘vigilância sanitária’; 3) 3) a ‘vigilância’ de exposições, através do monitoramento da exposição de indivíduos ou grupos populacionais a um agente ambiental ou seus efeitos clinicamente ainda não aparentes (subclínicos ou pré-clínicos), este último se coloca como o principal desafio para a estruturação da ‘vigilância ambiental’ (Freitas & Freitas, 2005; EPSJV, 2002).
  • 31. No Brasil, o processo de implantação dos distritos sanitários buscava redefinir as práticas de saúde, tentando articular a epidemiologia, o planejamento e a organização dos serviços (Teixeira, 2000). A preocupação incidia sobre a possibilidade de reorganizar a prestação dos serviços, buscando a integração das diferentes lógicas existentes: a atenção à demanda espontânea, os programas especiais e a oferta organizada dos serviços, com base na identificação das necessidades de saúde da população.
  • 32. Três vertentes apontam diferentes concepções em torno da noção de vigilância em saúde: Primeira, que a entende como sinônimo de ‘análise de situações de saúde’, embora amplie o objeto da ‘vigilância epidemiológica’, abarcando não só as doenças transmissíveis, não incorpora as ações voltadas ao enfrentamento dos problemas. Segunda, concebe a ‘vigilância em saúde como integração institucional entre a ‘vigilância epidemiológica’ e a ‘vigilância sanitária’, resultando em reformas administrativas e, em alguns casos, no fortalecimento das ações de ‘vigilância sanitária’ e na articulação com os centros de saúde. Terceira, concebe a ‘vigilância em saúde ’ como uma proposta de redefinição das práticas sanitárias, organizando processos de trabalho em saúde sob a forma de operações para enfrentar problemas que requerem atenção e acompanhamento contínuos.
  • 33. O sistema de saúde brasileiro, após a constituição de 1988 (Constituição Cidadã), vem buscando modelos de atenção que respondam de forma eficaz e efetiva às reais necessidades da população brasileira, seja em sua totalidade, seja em suas especificidades locais. Os modelos hegemônicos atuais – o médico-assistência e o modelo sanitarista, não conseguem mais responder à complexidade e diversidade dos problemas de saúde comum nesse início de século (Teixeira, Paim e Vilasboas, 1998). A busca por modelos alternativos que, sem negar os anteriores, estimulem as ações de promoção, proteção e recuperação da saúde a outras formas de cuidado voltadas para qualidade de vida das coletividades, incorporando atores sociais, antes excluídos do processo de produção da saúde, é estratégia para superar o ciclo biologicista, hospitalocêntrico, antropocêntrico, medicalizante e iatrogênico em que se encontra o sistema de saúde há quase um século.
  • 34. A ‘vigilância em saúde ’, entendida como rearticulação de saberes e de práticas sanitárias, indica um caminho promissor para a consolidação das premissas e princípios do Sistema Único de Saúde (SUS). Apoiada no conceito positivo do processo saúde-doença, ela desloca o olhar sobre o modo de vida das pessoas (condições e estilos de vida).
  • 35. A vigilância em saúde , vista como uma área de práticas, proposta de ação, articulação de saberes e de práticas sanitárias deve apresentar as seguintes características: • intervenção sobre problemas de saúde que requerem atenção e acompanhamento contínuos; • adoção do conceito de risco; • articulação entre ações promocionais, preventivas, curativas e reabilitadoras; • atuação intersetorial; • ação sobre o território; • intervenção sob a forma de operações (Paim & Almeida Filho, 2000).